23 de agosto de 2017

Como instalar os emoticons do Facebook no Pidgin

Como instalar os emoticons do Facebook no Pidgin

Já está usando o plugin que permite utilizar o chat do Facebook no Pidgin? Então veja como instalar os emoticons do Facebook no Pidgin e deixá-lo ainda mais completo.


Para adicionar emoticons do Facebook no Pidgin (incluindo os secretos), você precisa usar o pidgin-EAP, um projeto que fornece temas emoticon para a maioria dos protocolos disponíveis, incluindo Facebook.

Como instalar os emoticons do Facebook no Pidgin

Como instalar os emoticons do Facebook no Pidgin

Vale lembrar que o pidgin-EAP não é apenas um tema que permite instalar os emoticons do Facebook no Pidgin. O pacote traz outros emoticons, além dos do Facebook e a ainda contém alguns sons e temas de lista de amigos.

Conheça melhor o pidgin-EAP

Para saber mais sobre o pidgin-EAP, clique nesse link.

Como instalar o pidgin-EAP

Para instalar o pidgin-EAP, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Baixe o programa com o comando abaixo;

wget https://github.com/Hernou/pidgin-EAP/archive/master.tar.gz

Passo 3. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

tar -xvf master.tar.gz

Passo 4. Agora copie os arquivos para os seus devidos lugares;

cp -rf pidgin-EAP-master/{.fonts,.purple} ~

Como ativar os emoticons do Facebook no Pidgin

Com o pidgin-EAP instalado, para ativar os emoticons do Facebook no Pidgin, faça o seguinte:
Passo 1. Execute o Pidgin, digite pidgin no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB);

Como instalar os emoticons do Facebook no Pidgin

Passo 2. No Pidgin, acesse o menu “Ferramentas” e clique na opção “Preferências”;

Como instalar os emoticons do Facebook no Pidgin

Passo 3. Em “Preferências”, clique na aba “Temas”;

Como instalar os emoticons do Facebook no Pidgin

Passo 4. Na aba “Temas”, clique na seta ao lado de “Temas de emoticons” e na listagem que aparece, selecione a opção “EAP”.

Como instalar os emoticons do Facebook no Pidgin

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o reprodutor MellowPlayer no Linux via arquivo AppImage

Como instalar o reprodutor MellowPlayer no Linux via arquivo AppImage

Se você quer usar diferentes serviços web de stream de música, conheça e veja como instalar o reprodutor MellowPlayer no Linux.


MellowPlayer é uma aplicação Qt multiplataforma, interativa de música em nuvem, um Qt Cloud Music Player.
Se você estiver usando o Linux há tempo suficiente para lembrar do leitor de música Nuvola, então o conceito aqui será familiar: um aplicativo que oferece acesso a um monte de serviços de música de transmissão com o bônus adicional de possuir integração de desktop.

Como instalar o reprodutor MellowPlayer no Linux via arquivo AppImage

Como instalar o reprodutor MellowPlayer no Linux via arquivo AppImage

Esse player é um aplicativo de desktop gratuito, de código aberto e multiplataforma que executa serviços de transmissão de música na Web em sua própria janela e oferece integração com sua área de trabalho (teclas de atalho, chaves multimídia, bandeja do sistema, notificações e mais). O aplicativo se integra com o Ubuntu Sound Menu

O MellowPlayer suporta os seguintes serviços de transmissão de música na web na sua versão mais recente:

  • Spotify;
  • Soundcloud;
  • 8Tracks;
  • Deezer;
  • Tidal;
  • Google Play Music;
  • Sintonize;
  • MixCloud;
  • Youtube.

Alguns desses serviços de transmissão exigem uma assinatura, mas a maioria possui níveis ou planos gratuitos disponíveis para que você possa ouvir agora, mas o custo de uma inscrição.

Claro, você já pode ouvir todos esses serviços em um navegador web regular, onde MellowPlayer adiciona um diferencial: integração de desktop. No Linux, isso inclui:

  • Notificações de desktop nativas na mudança de faixa;
  • Suporte MPRIS (por ex., Menu de som Ubuntu, Barra lateral Raven);
  • Tecla de atalho / Suporte de chave de mídia;
  • Apresentador da bandeja do sistema.

Alguns outros recursos do MellowPlayer incluem uma escolha de temas , suporte para serviços de música adicionais como plugins; Faixas favoritas em alguns serviços; E a capacidade de reorganizar (ou remover) os serviços de música da tela de seleção do serviço principal.

Conheça melhor o reprodutor MellowPlayer

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o reprodutor MellowPlayer no Linux via arquivo AppImage

Para instalar o reprodutor MellowPlayer no Linux via arquivo AppImage, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome mellowplayer.appimage:

wget https://github.com/ColinDuquesnoy/MellowPlayer/releases/download/Continuous/MellowPlayer-x86_64.AppImage -O mellowplayer.appimage

Passo 4. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

chmod a+x mellowplayer.appimage

Passo 5. Agora instale o programa com o comando;

sudo cp mellowplayer.appimage /usr/local/bin/mellowplayer

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite mellowplayer em um terminal.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como redimensionar e converter imagens usando o ImageMagick no terminal

redimensionar e converter imagens

Quer utilizar o terminal para tarefas rápidas com imagens? Então, veja como redimensionar e converter imagens usando o ImageMagick.


Apesar do preconceito que muitos usuários tem com o Terminal, ele pode ser bastante produtivo em algumas situações, até mesmo por exemplo, para redimensionar e converter imagens usando o ImageMagick.

redimensionar e converter imagens

Como redimensionar e converter imagens usando o ImageMagick no terminal

ImageMagick é uma suíte de software livre para a criação, modificação e exibição de imagens de bitmap. Ele tem um monte de utilitários adicionais, mas um em especial, o convert, é o que será usado para redimensionar e converter via terminal.

Claro, existem outros aplicativos (como o GIMP) que podem ser usados para converter e redimensionar imagens, mas para fazer isso no terminal, usaremos o ImageMagick.

ImageMagick é um pacote de programas extremamente bem construído e pode ler ou escrever mais de 200 formatos diferentes. Não acredite em mim? Experimente executar este comando em um terminal:

convert -list format | more

O ImageMagick também conhece outros formatos, incluindo todos os principais formatos de vídeo (MKV, MP4, AVI, MOV). Também pode converter coisas como EPSF (Encapsulated Postscript) e até PDF (Portable Document Format), o que pode ser útil em situações específicas.

Conheça melhor o ImageMagick

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como redimensionar e converter imagens usando o ImageMagick no terminal

Para redimensione imagens rapidamente usando o ImageMagick no terminal, abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T) e faça o seguinte:

Se o ImageMagick não estiver instalado em seu sistema, você pode instalar ele executando o comando abaixo:

sudo apt-get install imagemagick

Para redimensionar uma imagem, use a seguinte sintaxe (substitua imagem-original pelo nome da imagem a ser redimensionada e nova-imagem pelo nome que achar mais adequado):

convert imagem-original -resize % nova-imagem

Ou seja, se você for redimensionar uma imagem em 60%, use o comando:

convert imagem-original -resize 60% nova-imagem

Se você quiser converter imagens de um formato para outro, o ImageMagick também pode ajudá-lo a fazer isso muito facilmente com a ajuda de um único comando usando a seguinte sintaxe:

convert nome-imagem.jpg nome-imagem.png

Como exemplo, você pode converter usando o comando:

convert exemplo.jpg exemplo.png

Uma vez que os utilitários ImageMagick são glob-aware (ou seja, você pode usar caracteres curingas e especificar vários nomes de arquivos), você também pode converter um grupo de imagens GIF para JPG com o comando convert ou, com mais facilidade, com seu primo mogrify :

mogrify -format jpg *.gif

Isso foi apenas o básico do que é possível fazer. Para ver uma lista dos parâmetros e mais algumas possibilidades de uso, acesse a página desse utilitário ou nessa outra página.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Linux para computadores antigos – conheça algumas distribuições

Seu PC não aguenta mais executar a versão mais recente do Ubuntu, Debian ou Fedora? Então conheça algumas distribuições Linux para computadores antigos e descubra qual poderá trazer seu computador à velha forma.


Por causa da indústria de software e hardware e das necessidades atuais, computadores ficam obsoletos muito rápido. Entretanto, isso não significa que você deve deixar seu velho computador parado. A boa noticia é que existem algumas distribuições Linux para computadores mais antigos, e uma delas, deve servir para o seu PC.

Linux para computadores antigos - conheça algumas distribuições

Conheça algumas distribuições Linux para computadores antigos

Confira abaixo algumas das distribuições Linux para computadores antigos.


Endless OS

Endless OS 3.0 já está disponível para download! Baixe agora!

Endless OS é o sistema operacional baseado no kernel do Linux e no desktop GNOME, e que vem pré instalado no computadores Endless (modelos Mini e One).

Segundo a empresa por trás do sistema, o SO e os computadores foram concebidos durante três anos de pesquisa com usuários em favelas e zonas rurais no Rio de Janeiro, Guatemala e Índia. Ou seja, o Endless OS foi desenhado levando em consideração as deficiências de infraestrutura de banda larga em países emergentes.

Conheça melhor essa distribuição

Conheça Endless OS – O Linux que vem nos computadores Endless
Para saber mais sobre a distribuição Endless OS, clique nesse link.


ToriOS

Linux leve: Conheça ToriOS a distro ultra leve baseada no Ubuntu LTS

ToriOS é uma distribuição baseada nas versões de suporte a longo prazo do Ubuntu LTS (atualmente é baseada no Debian Estável) com JWM (Joe Window Manager) com alguma personalização que pode melhorar a experiência do usuário. O sistema operacional também dispõe de suporte para processadores non-pae (não suportado pelas variantes do UBuntu atualmente) e precisa apenas de cerca de 60 MB de RAM para inicializar.

Entre as várias funcionalidades do ToriOS também OBI (One Button Installer) como o instalador padrão, um recurso que permite a instalação, mesmo em computadores pessoais com pouquíssima memória RAM disponível ou que pode salvá-lo e executá-lo a partir de um pendrive.

Requisitos mínimos de hardware da distribuição

  • Processador Intel Celeron, ATOM, Pentium M ou P4
  • 256 MB de RAM
  • Unidade de DVD ou USB
  • Espaço livre em disco pelo menos 4 GB

Conheça melhor essa distribuição

Linux leve: Conheça ToriOS a distro ultra leve baseada no Ubuntu LTS
Para saber mais sobre a distribuição ToriOS, clique nesse link.


antiX

antiX 16.1 já está disponível para download! Baixe agora!

antiX é uma distribuição Linux live baseada no Debian Stable. Ela é rápida, leve e fácil de instalar em sistemas compatíveis com Intel-AMD x86. AntiX também pode ser usado como um CD de recuperação de inicialização rápida.

O objetivo do antiX é fornecer um sistema operacional livre e leve, mas totalmente funcional e flexível para usuários recém-chegados e experientes do Linux.

Requisitos mínimos de hardware da distribuição

  • Processador i486 Intel/AMD
  • 256 MB de RAM
  • Unidade de DVD ou USB
  • Espaço livre em disco pelo menos 2.7 GB

Conheça melhor essa distribuição

antiX 16.1 já está disponível para download
Para saber mais sobre a distribuição antiX, clique nesse link.


BunsenLabs

Conheça BunsenLabs Linux - uma distro leve herdeira do CrunchBang

BunsenLabs Linux é uma distribuição que oferece uma área de trabalho leve e facilmente personalizável usando o gerenciador de janelas Openbox. BunsenLabs é derivado de Debian Jessie. O projeto é uma continuação da comunidade CrunchBang Linux.

O sistema vem com o gerenciador de janelas Openbox pré-configurado com painel tint2 e monitor do sistema conky. Ele traz uma variedade de temas de harmonização GTK2/3, papéis de parede e configurações conky, além de vários utilitários de configuração e aplicação para a manutenção do sistema.

Pacotes adicionais de desktop, multimídia e hardware vêm pré-instalados para oferecer uma melhor experiência “out-of-the-box”. Não há limite para a personalização: você pode revisar as configurações de desktop na seção de ‘Artwork & Screenshots’ dos fóruns e também hospedar vários tópicos ativos na configuração do conky.

Requisitos mínimos de hardware dessa distribuição

  • 1 GB de RAM
  • Unidade de DVD ou USB
  • Espaço livre em disco pelo menos 10 GB

Conheça melhor essa distribuição

Conheça BunsenLabs Linux – uma distro leve herdeira do CrunchBang
Para saber mais sobre a distribuição BunsenLabs Linux, clique nesse link.


MX 16

Conheça MX 16 - Uma distribuição Linux muito leve

O MX Linux é um sistema operacional muito leve e fácil de instalar, projetado para combinar um desktop elegante e eficiente com configuração simples, alta estabilidade e desempenho sólido.

Basicamente, o sistema é um Debian Stable atualizado pelo backports com aprimoramentos extras do sistema antiX live, que permite experimentar o sistema sem instalar (e muito mais). Ele possui um excelente reconhecimento de hardware, ambiente Xfce, sistema core antiX, ativação automática da maioria dos drivers Broadcom e um instalador UEFI (64 bits).

Requisitos mínimos de hardware da distribuição

  • Processador i486 Intel/AMD
  • 512 MB de RAM
  • Unidade de DVD ou USB
  • Espaço livre em disco pelo menos 5 GB

Conheça melhor essa distribuição

Conheça MX 16 – Uma distribuição Linux muito leve
Para saber mais sobre a distribuição MX 16, clique nesse link.


Linux Lite

Linux para computadores antigos - conheça algumas distribuições

Como o próprio nome sugere, Linux Lite é uma distribuição Linux peso pena que não precisa de um super hardware, ou seja, ela pode ser usada facilmente em computadores mais antigos.

A equipe por trás da distro afirma que: “O Linux Lite é totalmente funcional “Out of the box” (fora da caixa, ou como é entregue), isso significa que você não terá que instalar nenhum software extra quando iniciar o computador pela primeira vez.” Isso é muito útil, principalmente para iniciantes, já que eles não precisam sair a procura de alguns aplicativos básicos para instalar.

Linux Lite é baseado no Ubuntu LTS (Long Term Support). A versão LTS dá suporte para 5 anos o que significa que uma vez que você instalar o Linux Lite no seu computador, ele irá fornecer atualizações por 5 anos.

A versão atual do Linux suporta exFAT, Android MTPFS, conexões VPN, Bluetooth e NTP e muitas mais. Alguns dos aplicativos que vem pré-instalados são o Firefox para navegar na web, Thunderbird para ler e-mails, Dropbox para armazenamento em nuvem, VLC Media Player para a reprodução de músicas, o LibreOffice como ferramenta de escritório, Gimp para edição de imagem e Lite tweaks para ajustar o seu ambiente de trabalho.

Requisitos mínimos de hardware da distribuição Linux Lite

  • Processador de 700MHz
  • 512 MB de RAM
  • Tela VGA 1024 × 768
  • Unidade de DVD ou USB
  • Espaço livre em disco pelo menos 5 GB

Conheça melhor a distribuição Linux Lite

Conheça e experimente a distribuição leve Linux Lite
Para saber mais sobre a distribuição Linux Lite, clique nesse link.


CrunchBang++

Linux para computadores antigos - conheça algumas distribuições

CrunchBang++ também é conhecido como CBPP ou #!++ ou CrunchBang Plus Plus. Esse sistema é um clone da distribuição Crunchbang Linux, que era conhecida pela simplicidade e leveza. O projeto continua com o mesmo objetivo de sua fonte de inspiração, que é fornecer um sistema Linux leve e fácil de usar, com boas funcionalidades.

CrunchBang++ é baseada no Debian 8 (Jessie) com a interface de design minimalista, interface simples e elegante, construída em torno do Gerenciador de janelas Openbox. Por causa dessa estratégia, a distro oferece suporte a computadores antigos e é executado nestes, sem qualquer problema.

Conheça melhor a distribuição CrunchBang++

Conheça e experimente a distribuição leve CrunchBang++
Para saber mais sobre a distribuição CrunchBang++, clique nesse link.


Bodhi Linux

Linux para computadores antigos - conheça algumas distribuições

Bodhi Linux é uma distro rápida e minimalista baseada no Ubuntu 14.04 LTS, que é leve e personalizável, graças ao ambiente de trabalho Moksha e suas aplicações dedicadas.

Para quem ainda não conhece, o ambiente Moksha é um novo fork do bom e velho ambiente de desktop Enlightenment E17, que traz para o sistema todas as capacidades e características do E17, acrescido de várias otimizações, bem como um melhor suporte para GTK+3.

O objetivo do Bodhi Linux é fornecer uma base mínima só, de modo que os usuários possam instalar os aplicativos que deseja usar, por isso, Bodhi Linux vem apenas com alguns aplicativos por padrão.

Resumindo, não há muito software pré-carregado no Bodhi Linux, e por isso ele não é grande em tamanho e quando instalado em computadores mais antigos, é executado bem sem precisar usar muita memória. Mas nem por isso pense que não pode instalar outros aplicativos, pois na verdade você pode instalar qualquer aplicativo que precisar.

Requisitos mínimos de hardware da distribuição Bodhi Linux

  • Processador de 1.0GHz
  • 256MB de RAM
  • Unidade de DVD ou USB
  • 4 GB de espaço em disco

Conheça melhor a distribuição Bodhi Linux

Conheça e experimente a distribuição Bodhi Linux
Para saber mais sobre a distribuição Bodhi Linux, clique nesse link.


Lubuntu

Linux para computadores antigos - conheça algumas distribuições

Como o nome sugere, o Lubuntu é um membro da família Ubuntu, mas com base em ambiente desktop LXDE (ou LXQt). A distribuição suporta computadores mais antigos, mas também pode ser usada em hardware moderno.

Lubuntu é baseado no Ubuntu, mas tem menos pacotes e é muito mais leve. Aliás, a distro é um dos derivados mais leves do Ubuntu, e por isso, é especializada em velocidade, junto com o suporte a hardware mais antigo.

Requisitos mínimos de hardware da distribuição Lubuntu

  • Processador entium II ou Celeron
  • 128 MB de RAM
  • Unidade de DVD ou USB

Conheça melhor a distribuição Lubuntu

Conheça e experimente a distribuição Lubuntu
Para saber mais sobre a distribuição Lubuntu, clique nesse link.


SparkyLinux

 distribuições Linux para computadores antigos

SparkyLinux é uma distribuição rolling release (atualização continua) leve, rápida e simples, baseada no Debian testing. Graças a maneira que é distribuída, ela pode ser usada em computadores modernos e também em PC´s antigos.

A distro oferece vários ambientes de desktop leves, incluindo o LXDE, Enlightenment, JWM, KDE, LXQt, OpenBox/JWM, MATE, Razor-QT e Xfce, todos ligeiramente personalizados e com plugins multimídia, uns conjuntos selecionados de apps, além de ferramentas próprias e personalizadas para facilitar diferentes tarefas.

Requisitos mínimos de hardware da distribuição SparkyLinux

  • Processador i486/amd64
  • 256 MB de RAM para a versão com o ambiente LXDE, e17, Openbox, GameOver
  • 384 MB de RAM para a versão com o ambiente MATE, Razor-Qt
  • 2-5 GB de disco rígido

Conheça melhor a distribuição SparkyLinux

Conheça e experimente a distribuição SparkyLinux
Para saber mais sobre a distribuição SparkyLinux, clique nesse link.


Puppy Linux

Linux para computadores antigos - conheça algumas distribuições

A distribuição Puppy Linux foi criada em 2003, por Barry Kauler e foi desenvolvida do zero, ou seja, não foi baseada em nenhuma outra distribuição.

Ela é extraordinariamente pequena, mas muito completa e possui uma surpreendente gama de aplicações poderosas, além de ser muito rápida.

Puppy Linux utiliza os gerenciadores de janelas JWM e Openbox por padrão, que são bastante simples de usar e usuários iniciantes não terão nenhum problema em se familiarizar com ele.

Requisitos mínimos de hardware da distribuição Puppy Linux

  • Processador 333MHz
  • 64MB de RAM

Conheça melhor a distribuição Puppy Linux

Conheça e experimente a distribuição Puppy Linux
Para saber mais sobre a distribuição Puppy Linux, clique nesse link.


Tiny Core

Linux para computadores antigos - conheça algumas distribuições

Tiny Core é uma distribuição Linux que nos permite ter um sistema operacional completo com poucos MB. Excelente para computadores pessoais antigos, Tiny Core é uma distribuição Live/instalável que é liberada como uma ISO de cerca de 10 MB, com a capacidade para carregar o sistema operacional para a RAM, de modo a tornar o sistema muito rapidamente, mesmo em PC´s bem antigos.

O Tiny Core Linux é um fork do projeto Damn Small, mas agora é completamente independente. Esta pequena distro vem com o ambiente de trabalho FLTK/FKWM e BusyBox por padrão. A distro possui um painel de controle que permite configurar a resolução de tela, configurar a conexão, o mouse e etc.

Requisitos mínimos de hardware da distribuição Tiny Core

  • Processador de 1.0GHz
  • 256MB de RAM
  • Unidade de DVD ou USB
  • 4 GB de espaço em disco

Conheça melhor a distribuição Tiny Core

Conheça e experimente a distribuição Tiny Core
Para saber mais sobre a distribuição Tiny Core, clique nesse link.

Essas são as principais distribuições Linux para computadores antigos. Mas como todo dia surge uma nova distro Linux, pode ser que existam outras. Fique de olho que atualizarei essas informações em breve.


Xubuntu Core

Xubuntu Core - uma versão ainda mais leve de um Ubuntu peso pena

Xubuntu Core traz o núcleo do ambiente Xfce e alguns extras selecionados para tornar seu “look and feel” igual ao Xubuntu. Todo o resto que normalmente vem pré-instalado é cortado. Sem inchaço, sem frescura, e não há aplicativos externos, como media players ou editores de foto.

Requisitos mínimos de hardware da distribuição Xubuntu Core

  • 512 de RAM
  • Unidade de DVD ou USB
  • 6.1 GB de espaço em disco

Conheça melhor a distribuição Xubuntu Core

Xubuntu Core – uma versão ainda mais leve de um Ubuntu peso pena
Para saber mais sobre a distribuição Xubuntu Core, clique nesse link.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o emulador arcade RetroArch no Ubuntu

Como instalar o emulador arcade RetroArch no Ubuntu

Se você gosta de jogos clássicos e quer usá-lo no seu PC, veja como instalar o emulador arcade RetroArch no Ubuntu e tenha diversos games em seu sistema.


RetroArch é um software de código aberto, modular, sistema multi frontend para a API libretro, que é projetado para ser rápido, leve e portátil. Ele permite a emulação de diferentes consoles de jogos clássicos em sua máquina.

Como instalar o emulador arcade RetroArch no Ubuntu

Como instalar o emulador arcade RetroArch no Ubuntu

Libretro é uma interface de desenvolvimento simples, mas poderosa, que facilita a criação de emuladores, jogos e aplicativos multimídia que podem ligar diretamente para qualquer frontend libretro compatível.

Essa interface de desenvolvimento é aberta aos outros para que eles possam executar esses emuladores e núcleos de jogos conectáveis também em seus próprios programas ou dispositivos.

Como instalar o emulador arcade RetroArch no Ubuntu

Como instalar o emulador arcade RetroArch no Ubuntu

Conheça melhor o emulador arcade RetroArch

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o emulador arcade RetroArch no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o emulador arcade RetroArch no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:libretro/stable

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install retroarch retroarch-* libretro-*

Como instalar o emulador arcade RetroArch manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite retroarch no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o emulador arcade RetroArch no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o emulador arcade RetroArch no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove retroarch retroarch-* libretro-*
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Pesquisa na área de transferência? Instale o indicador Bulletin

Pesquisa na área de transferência? Instale o indicador Bulletin

Já imaginou poder manipular e fazer pesquisa na área de transferência? Conheça e instale o gerenciador de área de transferência pesquisável Bulletin.


O indicador Bulletin é um gerenciador de área de transferência (clipboard) pesquisável para Ubuntu. O principal diferencial do programa é que ele não só registra o conteúdo da área de transferência de texto, mas também permite que você manipule e procure por eles.

Pesquisa na área de transferência? Instale o indicador Bulletin

Pesquisa na área de transferência? Instale o indicador Bulletin

Indicator Bulletin é escrito em Python e projetado para manipular trechos de texto e código. A funcionalidade de pesquisa, em particular, usa o módulo re do Python, o que significa que você pode usar expressões regex para busca mais refinada.

Cada entrada de texto tem 4 opções em seu submenu: inserir texto na área de transferência, anexar texto ao final do que está atualmente no cliboard, prepend texto para o início do conteúdo atual e removê-lo do histórico.

O programa também oferece algumas operações úteis de ‘edição’, incluindo a conversão do texto da área de transferência atual em maiúsculas, minúsculas e espaço em branco.

Pesquisa na área de transferência? Instale o indicador Bulletin

Também é possível usar o recurso ‘Pin’ para armazenar seus snippets de texto mais copiados/colados.

Conheça melhor o indicador Bulletin

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o indicador Bulletin no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o indicador Bulletin no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:1047481448-2/sergkolo

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install indicator-bulletin

Como instalar o indicador Bulletin manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite bulletin no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o indicador Bulletin no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o indicador Bulletin no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:1047481448-2/sergkolo --remove
sudo apt-get remove indicator-bulletin
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o conjunto de ícones Numix Square no Ubuntu

Como instalar o conjunto de ícones Numix Square no Ubuntu

Se você gosta de ícones quadrados e quer dar aquele “up” no seu sistema, conheça e veja como instalar o conjunto de ícones Numix Square no Ubuntu.


O conjunto de ícones do Numix Square pode dar um makeover completamente moderno à sua área de trabalho. O tema evita linhas rígidas, bordas pesadas e sombras severas, para dar uma aparência mais suave, colorida e mais brincalhão à sua área de trabalho.

Como instalar o conjunto de ícones Numix Square no Ubuntu

Como instalar o conjunto de ícones Numix Square no Ubuntu

Em forma quadrada, ele reproduz a tela para logotipos e emblemas de aplicativos, que vão desde ícones simbólicos simples, até desenhos mais intrincados e em camadas.

A cobertura de ícones é exaustiva também. Ele cobre praticamente todos os aplicativos. As pastas das aplicações e os ícones do painel herdam o tema do ícone da base do Numix (se instalado) ou os ícones do GNOME/Adwaita (se não estiverem instalados).

Os ícones do Numix Square eram um dos vários pacotes anteriormente disponíveis como um produto pago no Linux. Foi vendido por uma pequena taxa para ajudar a financiar o desenvolvimento do outro (código aberto) conjuntos de ícones Numix.

Mas não mais: Os designers do conjunto de ícones Numix Square anunciaram que agora ELE é de código aberto e de download gratuito.

Conheça melhor o conjunto de ícones Numix Square

Para saber mais sobre esse conjunto de ícones, clique nesse link.

Instalando o conjunto de ícones Numix Square no Ubuntu e derivados

Para instalar o conjunto de ícones Numix Square no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:numix/ppa

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o conjunto de ícones Numix Square usando o seguinte comando:

sudo apt-get install numix-icon-theme-square

Como instalar o conjunto de ícones Numix Square manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Desinstalando o conjunto de ícones Numix Square no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o conjunto de ícones Numix Square no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o conjunto de ícones Numix Square, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove numix-icon-theme-square

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o Google Web Designer no Linux

Como instalar o Google Web Designer no Linux

Se você desenvolve sites, instale e experimente o Google Web Designer, uma poderosa ferramenta gratuita para criar páginas usando o padrão HTML5.


Google Web Designer é um programa para a criação de sites e anúncios interativos HTML5 para qualquer dispositivo. Usando ele, você pode criar conteúdo usando as ferramentas de desenho, texto, objetos 3D, adicionar animações e Google Fontes diretamente na interface Web Designer Google e muito mais.

Como instalar o Google Web Designer no Linux

Como instalar o Google Web Designer no Linux

Como o próprio nome diz, o programa é desenvolvido pela Google. Ele está atualmente em beta e possui uma versão para Linux. De acordo com o site do aplicativo, as seguintes distribuições Linux são suportadas atualmente: Ubuntu, Debian, OpenSUSE e Fedora.

Dentro da interface do programa você tem acesso a ferramentas de design como ferramenta de texto, ferramentas de caneta, e formas, bem como a integração de Web Fonts do Google.

Com ele você pode adicionar funcionalidades ao projeto usando Web Components pré-programados. Os Componentes padrão incluem iFrame, mapas, área de tap, galeria de imagens, e YouTube. Além disso, cada componente informa automaticamente as métricas, sem a necessidade de codificação.

Conheça melhor o Google Web Designer

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o Google Web Designer no Linux

Para instalar o Google Web Designer no Linux, basta acessar essa página e baixar o pacote de instalação para posteriormente executá-lo, ou siga um dos procedimentos abaixo:

Como instalar o programa no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o programa no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome google-webdesigner.deb:

wget https://dl.google.com/linux/direct/google-webdesigner_current_i386.deb -O google-webdesigner.deb

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome google-webdesigner.deb:

wget https://dl.google.com/linux/direct/google-webdesigner_current_amd64.deb -O google-webdesigner.deb

Passo 5. Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i google-webdesigner.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Passo 7. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove programa*

Como instalar o programa no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados

Quem quiser instalar o programa no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome google-webdesigner.rpm:

wget https://dl.google.com/linux/direct/google-webdesigner_current_i386.rpm -O google-webdesigner.rpm

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome google-webdesigner.rpm:

wget https://dl.google.com/linux/direct/google-webdesigner_current_x86_64.rpm -O google-webdesigner.rpm

Passo 5. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install google-webdesigner.rpm

Passo 6. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall google-webdesigner.rpm

ou

sudo dnf install google-webdesigner.rpm

Passo 7. Para instalar o programa na maioria das distro com suporte a arquivos RPM, use o comando:

sudo rpm -i google-webdesigner.rpm

Passo 8. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo rpm -e google-webdesigner*

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, use o atalho dele ou digite google em um terminal, seguido da tecla TAB.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Digitação com foco? Conheça e instale o FocusWriter no Ubuntu

Digitação com foco? Conheça e instale o FocusWriter no Ubuntu

Se você está precisando fugir das distrações, para ter digitação com foco? Conheça e instale o FocusWriter no Ubuntu.


FocusWriter é um ambiente de escrita simples, sem distrações e que está disponível para Linux, Windows e Mac OS X. Ele trabalha em modo de tela cheia, exibindo apenas a área de digitação de texto, para que você possa mergulhar em seu trabalho e esquecer todo o resto.

Digitação com foco? Conheça e instale o FocusWriter no Ubuntu

Digitação com foco? Conheça e instale o FocusWriter no Ubuntu

Apesar desse foco na ausência de distrações, quando necessário, é possível acessar os menus do programa movendo o mouse para as bordas da tela. Com o FocusWriter é possível ter Digitação com foco, mesmo estando rodeado de opções instaladas no PC.

Conheça melhor o FocusWriter

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Digitação com foco? Instale o FocusWriter no Ubuntu

FocusWriter está disponível nos repositórios oficiais de algumas versões do Ubuntu, no entanto, não é a versão mais recente. Por isso, para ter a última versão desse programa no Ubuntu, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:gottcode/gcppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install focuswriter

Como instalar o FocusWriter manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite focuswriter no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o FocusWriter no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o FocusWriter no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:gottcode/gcppa --remove
sudo apt-get remove focuswriter
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Voyager 16.04.3 já está disponível para download! Baixe agora!

Voyager 16.04.3 já está disponível para download! Baixe agora!

Foi lançada a distribuição Voyager 16.04.3, completamente redesenhada e inspirada no Xubuntu 16.04.3. Conheça mais um pouco sobre ela e descubra onde baixar a distro.


Voyager Live é uma distribuição baseada no Xubuntu e também um live DVD que, por padrão, vem com o ambiente de desktop Xfce.

Voyager 16.04.3 já está disponível para download! Baixe agora!

Voyager 16.04.3 já está disponível para download! Baixe agora!

Como diferencial, Voyager inclue o Avant Window Navigator ou AWN (uma barra de navegação tipo dock), o Conky (um programa que exibe informações úteis na área de trabalho) e mais de 300 imagens e animações que podem ser usadas como backgrounds de desktop.

A filosofia da Voyager desde o início não é apresentar e oferecer um tipo de opções correspondentes a um tipo de pessoa, mas sim oferecer uma ampla gama de opções para diferentes pessoas que não teriam a mesma prática. Então cada um deve remover ou deixar o que lhe convier, de acordo com a sua necessidade.

Novidades do Voyager 16.04.3

Voyager 16.04.3 é uma atualização de manutenção do mais recente ramo de suporte de longo prazo da distribuição. Como de costume, esta versão inclui muitas atualizações e a mídia de instalação fornecida foi atualizada para que menos atualizações precisem ser baixadas depois da instalação.

Essa versão vem com o kernel Linux 4.10 com suporte para as CPUs Intel Kaby Lake, bem como o ambiente de trabalho Xfce 4.12.3 com componentes como o Xfdashboad 0.6 .1, Plank Dock 0.11, Screenlets 0.1.6, Covergloobus 1.7.3, LibreOffice 5.4, Mozilla Firefox 55, Mozilla Thunderbird 52.2, Corebird 1.1.1 e ClamTk 5.2.4.1.

Entre outros aplicativos pré-instalados na Voyager 16.04.3, podemos citar Parole Media Player, Conky, Yad, SMTube, Kodi Media Center, MPV, Media, GIMP, Pitivi, Clementine, Gradio, gThumb, Mintstick USB, Xscreensaver, Deja- Dup, Cheese, Impulse, OS-Uninstaller, ClamAV, Terminator, Transmissão, Kazam, Grub Customizer, BleachBit, Pidgin, Kupfer e Synaptic Package Manager.

Voyager 16.04.3 é baseada no Xubuntu 16.04.3 LTS (Xenial Xerus), que receberá suporte por três anos, até 21 de abril de 2019. A Voyager também receberá suporte durante este período e os usuários existentes podem atualizar para A nova versão, usando o utilitário APT ou um gerenciador de pacotes gráficos.

Para novas instalações, você pode baixar as imagens ISO Live Voyager 16.04.3 para PCs de 64 bits e 32 bits agora mesmo através dos links abaixo.

Para saber mais sobre essa versão da distribuição, acesse a nota de lançamento.

Conheça melhor a distribuição Voyager

Para saber mais sobre a distribuição Voyager, clique nesse link.

Baixe e experimente o Voyager 16.04.3

A imagem ISO do Voyager 16.04.3 já pode ser baixada acessando a página de download da distribuição.

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação
Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Conheça alguns aplicativos que cuidam da saúde dos seus olhos

Conheça alguns aplicativos que cuidam da saúde dos seus olhos

Se você usa o PC por longos períodos, precisa tomar certas precauções, por isso, conheça alguns aplicativos que cuidam da saúde dos seus olhos e comece a usá-los para preservar a sua visão.


Usar o computador por várias horas é uma necessidade para muitas pessoas (eu estou incluso nesse grupo), que tem de suportar a principal consequência disso, o desgaste dos olhos e o consequente comprometimento de sua visão a longo prazo.

Conheça alguns aplicativos que cuidam da saúde dos seus olhos

Conheça alguns aplicativos que cuidam da saúde dos seus olhos

Felizmente, existem formas de minimizar esse desgaste e cuidar do olhos. Acontece que o que mais compromete nossos olhos ao usar o computador não é apenas a exposição à tela dele, mas um conjunto de péssimos hábitos: deixar de piscar os olhos, não olhar para outros pontos, fixar o olhar por muito tempo e vários outros comportamentos ruins.

Tudo isso pode muito bem ser contornado com um conjunto de mudanças de hábito. O problema é que nós dificilmente conseguimos nos policiar continuamente e tendemos a falhar na hora de fazer essa mudança. Mas, felizmente, isso tem jeito.

Conheça alguns aplicativos que cuidam da saúde dos seus olhos

Abaixo, você conhecerá uma lista de alguns aplicativos que cuidam da saúde dos seus olhos, ou pelo menos, lhe ajudarão a mudar seus hábitos na frente do PC e preservar a saúde de sua visão. Confira!

f.lux

Conheça alguns aplicativos que cuidam da saúde dos seus olhos

f.lux é um aplicativo que muda a temperatura da cor de seu monitor de computador de acordo com a localização e hora do dia, para reduzir a tensão ocular durante o uso noturno e evitar atrapalhar seu sono. O programa é composto de um daemon de linha de comando e um applet indicador, que monitoram o horário do PC e ajustam o temperatura da cor de seu monitor de computador, conforme for necessário.

Como instalar o f.lux

Para instalar o esse aplicativo, acesse esse tutorial:
Como instalar f.lux no Ubuntu para cuidar dos olhos


SafeEyes

Conheça alguns aplicativos que cuidam da saúde dos seus olhos

SafeEyes é uma aplicação que tenta proteger os seus olhos do cansaço ocular (astenopia) causado pelo excesso de horas em frente ao PC. Ele foi criado como uma alternativa Linux para o EyeLeo, um app que só possui versão para Windows. Para poupar seus olhos, o programa procura lembrá-lo de fazer pausas enquanto você está trabalhando por muitas horas em frente ao computador.

Como instalar o SafeEyes

Para instalar o esse aplicativo, acesse esse tutorial:
Cansaço ocular ao trabalhar em frente ao PC? SafeEyes protege você


Redshift

Conheça alguns aplicativos que cuidam da saúde dos seus olhos

Como instalar a versão mais recente do Redshift no Linux

Redshift é um aplicativo que ajusta a temperatura da cor da tela de acordo com o seu ambiente. Isto pode ajudar a evitar que os seus olhos fiquem mais desgastados, se você estiver trabalhando em frente a tela do PC durante a noite.

Assim como o f.lux, Redshift é um aplicativo que muda a temperatura da cor de seu monitor de computador de acordo com a localização e hora do dia, para reduzir a tensão ocular durante o uso noturno e evitar que a exposição a luz da tela atrapalhe o seu sono.

Como instalar o Redshift

Para instalar o esse aplicativo, acesse esse tutorial:
Como instalar a versão mais recente do Redshift no Linux


Take a Break

Conheça alguns aplicativos que cuidam da saúde dos seus olhos

Quer dar pausas no uso do computador? Instale o Take a Break

Take a Break é um pequeno aplicativo que pode ser usado para força o usuário a dar pausas no uso do computador, depois de um tempo de trabalho configurável. Ele é especialmente útil se algo como um lembrete pop-up não funciona bem para você.

O programa, pode ser configurado para forçar o usuário fazer uma pausa, ou apenas notificá-lo (através de um pop-up que fica em cima de outras janelas, mas que você pode facilmente fechar).

Como instalar o Take a Break

Para instalar o esse aplicativo, acesse esse tutorial:
Quer dar pausas no uso do computador? Instale o Take a Break


E é isso. Experimente os programas, veja qual serve melhor para as suas necessidades e comece a usá-los para proteger seus olhos.

Gostou da lista? Se você sentiu falta de algum aplicativo, coloque o nome dele e o link nos comentários que em breve ele estará na lista.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Intel Graphics Update – veja como instalar os drivers da Intel no Ubuntu e Fedora

Lançado Intel Graphics Update - veja como instalar no Ubuntu

Intel Graphics Update Tool, a ferramenta que anteriormente era conhecida como Intel Graphics Installer, recebeu mais uma atualização. veja como instalar esse utilitário.


A ferramenta Intel Graphics Update para Linux ganhou esse nome a partir da versão 2.0.5 do Intel Graphics Installer, a fim de refletir com mais precisão a finalidade da ferramenta.

Lançado Intel Graphics Update - veja como instalar no Ubuntu

Por padrão, as distribuições Linux já incluem um driver de gráficos Intel, sem precisar de nenhuma instalação extra. Esta ferramenta destina-se a disponibilizar a versão mais recente do Intel Graphics Stack, antes dele ser lançado oficialmente pelos fornecedores de Linux.

Especificamente, isso beneficia os usuários de Linux das distribuições Ubuntu e Fedora, que desejam atualizar seus subsistemas gráficos para plataformas Intel.

Isso permite que você mantenha-se atualizado com os mais recentes aprimoramentos, melhorias, otimizações e correções para o Intel Graphics Stack, e assim garantir a melhor experiência do usuário com o seu hardware de gráficos Intel.

Novidades do Intel Graphics Update

A versão 2.0.5 da ferramenta de atualização é direcionada especificamente para Ubuntu 17.04 e Fedora 25.

As revisões anteriores para essas distribuições do Linux agora estão desativadas e não são mais suportadas pela ferramenta de atualização.

Portanto, atualize para uma versão mais recente de sua distribuição, se quiser aproveitar esta versão.

Para mais detalhes sobre essa atualização, acesse a nota de lançamento oficial.

Antes de instalar o programa, dê uma boa olhada na lista de compatibilidade de hardware dele.

Conheça melhor o Intel Graphics Update

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Como instalar a versão mais recente do Intel Graphics Update no Linxux

Como instalar a versão mais recente do Intel Graphics Update no Linxu

Para instalar a versão mais recente do Intel Graphics Update no Linux Fedora e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Baixe e importe as chaves do programa com os seguintes comandos:

wget --no-check-certificate https://download.01.org/gfx/RPM-GPG-KEY-ilg-4 ; sudo rpm --import RPM-GPG-KEY-ilg

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo dnf update

Passo 4. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 5. Se seu sistema é um Fedora 25 de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o arquivo .RPM do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome intel-graphics-update-tool.rpm:

wget https://download.01.org/gfx/fedora/25/i686/intel-graphics-update-tool-2.0.5-25.intel20171.i686.rpm -O intel-graphics-update-tool.rpm

Passo 6. Se seu sistema é um Fedora 25 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o arquivo .RPM do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome intel-graphics-update-tool.rpm:

wget https://download.01.org/gfx/fedora/25/x86_64/intel-graphics-update-tool-2.0.5-25.intel20171.x86_64.rpm -O intel-graphics-update-tool.rpm

Passo 7. Agora instale o programa com o comando:

sudo yum localinstall intel-graphics-update-tool.rpm

ou

sudo dnf install intel-graphics-update-tool.rpm

Instalando a versão mais recente do Intel Graphics Update no Ubuntu e derivados

Para instalar a versão mais recente do Intel Graphics Update no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Baixe e importe as chaves do programa com o seguinte comando:

wget --no-check-certificate https://download.01.org/gfx/RPM-GPG-GROUP-KEY-ilg -O - | sudo apt-key add -

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update
sudo apt-get upgrade

Passo 4. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 5. Se seu sistema é um Ubuntu 17.04 de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome intel-graphics-update-tool.deb:

wget https://download.01.org/gfx/ubuntu/17.04/main/pool/main/i/intel-graphics-update-tool/intel-graphics-update-tool_2.0.5_i386.deb -O intel-graphics-update-tool.deb

Passo 6. Se seu sistema é um Ubuntu 17.04 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome intel-graphics-update-tool.deb:

wget https://download.01.org/gfx/ubuntu/17.04/main/pool/main/i/intel-graphics-update-tool/intel-graphics-update-tool_2.0.5_amd64.deb -O intel-graphics-update-tool.deb

Passo 7. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i intel-graphics-update-tool.deb

Passo 8. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Como instalar os drivers Intel no Linux

Depois, para instalar os drivers Intel no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Inicie o aplicativo digitando: intel no terminal seguido da tecla tab;
Passo 2. Se for solicitado, digite a senha para autorizar a execução do programa;

Lançado Intel Graphics Update - veja como instalar no Ubuntu

Passo 3. Depois, é só clicar no botão “Begin” e seguir as instruções do programa, que em pouco tempo estará tudo pronto.

Lançado Intel Graphics Update - veja como instalar no Ubuntu

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instalando o conjunto de ícones Antu no Ubuntu e derivados

Instalando o conjunto de ícones Antu no Ubuntu

Gosta dos ícones do Android, OS X e Flyme OS? Deixe a sua área de trabalho mais elegante instalando o conjunto de ícones Antu no Ubuntu e derivados.


Antu é um conjunto de ícones que tem alguns elementos inspirados nos sistemas operacionais OS X, Android e Flyme OS. A ideia por trás deste tema de ícones é fazer um conjunto limpo e agradável que pode ser usado como uma alternativa para o Breeze no KDE.

Instalando o conjunto de ícones Antu no Ubuntu

Instalando o conjunto de ícones Antu no Ubuntu e derivados

Até então, este conjunto de ícones só estava disponível para o ambiente KDE, mas ZMA do Gnome-look conseguiu porta-lo para outros ambientes, tais como Unity, Gnome, Xfce, Lxde, Mate, Cinnamon e outros.

Instalando o conjunto de ícones Antu no Ubuntu

A versão original do Antu para desktop KDE contém aproximadamente 1500 ícones e oferece duas variantes: uma para painel claro e outra para painel escuro. A versão portada (Antu-Universal) possui quatro versões e ZMA adicionou mais ícones, aproximadamente cerca de 3000 ícones.

Instalando o conjunto de ícones Antu no Ubuntu

Instalando o conjunto de ícones Antu no Ubuntu

Instalando o conjunto de ícones Antu no Ubuntu

Conheça melhor o conjunto de ícones Antu

Para saber mais sobre o conjunto de ícones Antu, clique nesse link.

Instalando o conjunto de ícones Antu no Ubuntu e derivados

Para instalar o conjunto de ícones Antu no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons2

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o conjunto de ícones Antu usando o seguinte comando:

sudo apt-get install antu-universal-icons

Passo 5. Se você estiver usando o KDE, instale o conjunto de ícones Antu usando o seguinte comando:

sudo apt-get install sudo apt-get install antu-kde-icons

Como instalar o conjunto de ícones Antu manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Desinstalando o conjunto de ícones Antu no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o conjunto de ícones Antu no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o conjunto de ícones Antu, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove antu-universal-icons

ou

sudo apt-get remove sudo apt-get install antu-kde-icons

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Leitor de impressão digital: Como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu

Leitor de impressão digital: Como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu

Se seu aparelho possui um leitor de impressão digital e você quer usá-lo no Linux, veja aqui como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu.


Infelizmente, alguns fornecedores de hardware leitor de impressão digital só disponibilizam seus drivers em formato proprietário, o que dificulta o seu uso no Linux. A boa notícia é que o Fingerprint GUI é uma solução gráfica e fácil, para utilizar leitores biométricos nesse sistema.

Leitor de impressão digital: Como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu

Leitor de impressão digital: Como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu

Fingerprint GUI é uma aplicação open source para utilizar o leitor de impressão digital do laptop, um recurso que pode ser usado para reforçar a segurança de alguns modelos vendidos atualmente. Se seu aparelho não possui isso, já é possível adquirir um leitor biométrico USB externo por um preço bem acessível.

Conheça melhor o Fingerprint GUI

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Antes de instalar o programa, verifique se seu hardware é suportado por ele.

Como identificar seu leitor de impressão digital e verificar se ele é suportado

Para identificar seu leitor de impressão digital e verificar se ele é suportado pelo Fingerprint GUI, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Para descobrir o ID de seu leitor, execute o comando abaixo:

lsusb

Leitor de impressão digital: Como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu

Passo 3. Depois, verifique se a identificação está na lista de leitores suportados:

045e:00bb    08ff:1683    08ff:2580    08ff:268d
045e:00bb    08ff:1683    08ff:2580    08ff:268d    147e:1001
045e:00bc    08ff:1684    08ff:2660    08ff:268e    147e:2016
045e:00bd    08ff:1685    08ff:2680    08ff:268f    147e:2020
045e:00ca    08ff:1686    08ff:2681    08ff:2691    147e:3001
0483:2015    08ff:1687    08ff:2682    08ff:2810    1c7a:0603
0483:2016    08ff:1688    08ff:2683    08ff:5501
05ba:0007    08ff:1689    08ff:2684    08ff:5731
05ba:0008    08ff:168a    08ff:2685    138a:0001
05ba:000a    08ff:168b    08ff:2686    138a:0005
061a:0110    08ff:168c    08ff:2687    138a:0008
08ff:1600    08ff:168d    08ff:2688    138a:0010
08ff:1660    08ff:168e    08ff:2689    138a:0011
08ff:1680    08ff:168f    08ff:268a    138a:0017
08ff:1681    08ff:2500    08ff:268b    138a:0018
08ff:1682    08ff:2550    08ff:268c    147e:1000
0483:2015    147e:1003    147e:3000
0483:2016    147e:2015    147e:3001
147e:1000    147e:2016    147e:5002
147e:1001    147e:2020    147e:5003
147e:1002

Está é apenas uma cópia da lista de leitores suportados, por isso, lembre-se de sempre consultar a tabela original nesse link, para ter certeza que está visualizando a informação atualizada.

Como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu e seus derivados

Se seu leitor estiver na lista, basta seguir o tutorial abaixo para instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:fingerprint/fingerprint-gui

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install libbsapi policykit-1-fingerprint-gui fingerprint-gui

Passo 5. Saia da sessão atual e faça login novamente;
Passo 6. Execute o programa, digitando fingerpring no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB);
Passo 7. Depois disso, Apenas cadastre suas digitais e estará pronto.

Como instalar o FPrintDemo no Ubuntu e seus derivados

Se seu leitor não estiver na lista, experimente instalar o FPrintDemo, outra opção que faz o mesmo que o Fingerprint GUI (sugestão do Morvan). Para isso, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:fingerprint/fprint

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install fprint-demo libfprint0 libpam-fprintd

Pronto! Para testar, tente bloquear sua tela, fazer login, sudo no terminal e execução de aplicações gráficas que necessitam de privilégios de root.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Gigolo – Interface para gerenciar conexões com sistemas de arquivos remotos usando GIO/gvfs

Gigolo - Interface para gerenciar conexões com sistemas de arquivos remotos usando GIO/gvfs

Quer acessar conexões de um jeito simples e rápido, usando uma interface para gerenciar conexões com sistemas de arquivos remotos através de GIO/gvfs? Para conseguir isso, instale o Gigolo no Ubuntu.


Gigolo é uma interface para gerenciar facilmente as conexões com sistemas de arquivos locais e remotos usando GIO/gvfs. Ele permite que você rapidamente se conecte/monte um sistema de arquivos remoto e e até gerencie marcadores.

Gigolo - Interface para gerenciar conexões com sistemas de arquivos remotos usando GIO/gvfs

Gigolo – Interface para gerenciar conexões com sistemas de arquivos remotos usando GIO/gvfs

O programa é parte do projeto Xfce extras e o repositório Subversion dele está hospedado nos servidores do Xfce. Ele não tem nenhuma dependência Xfce rigida e pode ser usado em outros ambientes de trabalho também.

Para que não conhece, Gvfs é um sistema de arquivos virtual em espaço de usuário e o sucessor do GnomeVFS, mas o Gvfs não depende do Gnome. Ele exige apenas uma recente versão da GLib e um sistema de DBus configurado corretamente.

Em seguida, ele fornece acesso quase transparente aos recursos remotos como FTP ou SFTP conexões (SSH), SMB (compartilhamento do Windows) ou recursos especiais, como o Trash (trash://), Burn (burn://) ou até mesmo acessar a sua câmara fotográfica digital (gphoto2://).

Veja abaixo, mais algumas imagens do programa:

Gigolo - Interface para gerenciar conexões com sistemas de arquivos remotos usando GIO/gvfs

Gigolo - Interface para gerenciar conexões com sistemas de arquivos remotos usando GIO/gvfs

Gigolo - Interface para gerenciar conexões com sistemas de arquivos remotos usando GIO/gvfs

Conheça melhor o Gigolo

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Gigolo para gerenciar conexões com sistemas de arquivos remotos

Gigolo está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou, se preferir, faça o seguinte:
Passo 1. Abra a Central de programas do Ubuntu, pesquise e instale o Gigolo;
Passo 2. abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install gigolo

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite gigolo no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Gigolo no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Gigolo no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove gigolo
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


22 de agosto de 2017

Como fazer uma gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo

Como fazer uma gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo

Se você procura um aplicativo que permita fazer gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo, experimente instalar o Silentcast no Ubuntu e sistemas derivados dele.


Silentcast é uma ferramenta de gravação de tela e criação de GIF animado ou vídeo. O programa é simples, direto e prático. Assim, em poucos clique você grava o que precisa e obtém o arquivo de saída dessa gravação.

Como fazer uma gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo

Como fazer uma gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo

Se quiser conhecer outras opções, veja esse outro artigo:
Conheça alguns programas de gravação de tela para Linux

Conheça melhor o Silentcast

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como fazer uma gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo

Para fazer uma gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo, primeiramente, veja como instalar o Silentcast e depois como usá-lo para gerar GIF animado ou vídeo.

Como instalar o Silentcast no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Silentcast no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:sethj/silentcast

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install silentcast

Como instalar o programa manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Como fazer uma gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo usando o Silentcast

Para realizar uma gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo usando o Silentcast, você precisa fazer o seguinte:
Passo 1. Inicie o programa, digitando silentcast no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB);
Passo 2. Na tela do programa, informe a pasta onde o arquivo será salvo digitando dentro do campo “Working Directory”. Selecione a área da tela que será gravada, clicando na seta ao lado do campo “Area to be recorded”. Para definir o número s de quadros, preencha o campo “Frames per second”. A seguir marque a opção “anim.gif” (se quiser vídeos, marque as opções referente webm ou mp4). Finalmente, clique no botão “OK”;

Como fazer uma gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo

Passo 3. Depois disso, será exibida a tela abaixo. Quando você estiver pronto para começar a fazer as ações que serão gravadas, clique no botão “OK”;

Como fazer uma gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo

Passo 4. Faça o que você precisa gravar e quando terminar, clique no ícone do programa no painel e depois na opção “Done”;

Como fazer uma gravação de tela e gerar GIF animado ou vídeo

Desinstalando o Silentcast no Ubuntu e sistema derivados

Para desinstalar o Silentcast no Ubuntu e sistema derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Para desinstalar o Silentcast, use o comando:

sudo add-apt-repository ppa:sethj/silentcast --remove
sudo apt-get remove silentcast
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Áudio do Android no PC – veja como transmitir via rede Wi-Fi

Áudio do Android no PC - veja como transmitir via rede Wi-Fi

Quer reproduzir o áudio do Android no PC via rede Wi-Fi e usando DLNA/UPnP, para conseguir um áudio de qualidade daquelas músicas que estão em seu dispositivo móvel? Então veja como fazer isso usando o programa Rygel.


Por causa das diversas aplicações de músicas como Spotify, Deezer e etc, muitos usuários utilizam o seu dispositivo móvel como um leitor de áudio portátil. Infelizmente, muitas vezes esse aparelhos não possuem uma saída de som boa o suficiente para oferecer um áudio de qualidade.

Áudio do Android no PC - veja como transmitir via rede Wi-Fi

Áudio do Android no PC – veja como transmitir via rede Wi-Fi


Por conta disso, a melhor alternativa é simplesmente conectar o dispositivo mobile com sistemas de áudio ou até mesmo com o PC, usando as tecnologias DLNA/UPnP em redes Wi-Fi.

Para conseguir reproduzir o áudio do Android no PC através de DLNA/UPnP será preciso usar o programa Rygel no Linux. Rygel é uma solução de mídia doméstica (UPnP AV MediaServer) que permite que você facilmente compartilhe áudio, vídeo e imagens para outros dispositivos.

Rygel alcança a interoperabilidade com outros dispositivos, tentando manter-se em conformidade com os rigorosos requisitos do padrão DLNA e através da conversão de mídia on-the-fly, para formatos que os dispositivos cliente podem manipular.

Além disso, qualquer reprodutor de mídia pode usar o Rygel como um MediaRenderer, que pode ser controlado remotamente por um controlador UPnP ou DLNA em redes Wi-Fi.

Conheça melhor o Rygel

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como como reproduzir áudio do Android no PC através de DLNA/UPnP

Para reproduzir áudio do Android no PC através de DLNA/UPnP, ambos os dispositivos precisam estar na mesma rede WiFi. Depois de conectá-los na rede, faça o seguinte:
Passo 1. No PC com Ubuntu, abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Instale o programa Rygel com este comando:

sudo apt-get install rygel rygel-gst-launch rygel-tracker rygel-playbin rygel-preferences wavpack paprefs pavucontrol

Passo 3. Acesse as “Preferências do PulseAudio” clicando no Dash e digitando pulse no Dash. Quando aparecer a opção, clique nela;

áudio do android no pc - veja como transmitir via rede Wi-Fi

Passo 4. Em “Preferências do PulseAudio”, clique na aba “Servidor de rede”. Em seguida, marque todas as opções dessa aba e clique no botão “Fechar”;

áudio do android no pc - veja como transmitir via rede Wi-Fi

Passo 5. Depois disso, clique no Dash e digite aplicativos. Quando aparecer a opção “Aplicativos de sessão”, clique nele para abrir;

áudio do android no pc - veja como transmitir via rede Wi-Fi

Passo 6. Para incluir um aplicativo usando o “Aplicativos de sessão”, clique no botão “Adicionar”. Na tela que aparece, coloque o nome, comando e descrição do programa, conforme a imagem abaixo. Quando finalizar, clique no botão “Adicionar”. De volta a janela “Aplicativos de sessão”, clique no botão “Fechar”;

áudio do android no pc - veja como transmitir via rede Wi-Fi

Passo 7. Reinicie o sistema, para ativar a nova configuração;
Passo 8. No dispositivo com Android, instale um leitor de música com suporte UPnP/DLNA. Nesse exemplo, será usado o BubbleUPnP. Abra o programa e toque na opção referente a escolha do “Renderer”;

áudio do android no pc - veja como transmitir via rede Wi-Fi

Passo 9. Na tela que aparece, toque na opção que representa o seu PC;

áudio do android no pc - veja como transmitir via rede Wi-Fi

Pronto! Agora você já pode tocar as suas músicas favoritas usando esse aplicativo e o o som será reproduzido no seu PC com Linux. Se o som não tocar no alto-falante da máquina com Ubuntu, verifique se que você selecionou a saída certa na opção de “Som”, dentro das “Configurações do sistema” do Ubuntu.

áudio do android no pc - veja como transmitir via rede Wi-Fi

áudio do android no pc - veja como transmitir via rede Wi-Fi

áudio do android no pc - veja como transmitir via rede Wi-Fi

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Se você procura uma forma de converter vídeos de qualquer formato para um que você precisa, veja nesse tutorial como converter vídeos com Avidemux sem complicações.


Avidemux é um editor de vídeo gratuito projetado para corte simples, filtragem e codificação de tarefas. O programa está disponível para Linux, BSD, Mac OS X e Microsoft Windows sob a licença GNU GPL.

Apesar do nome dele começar com “Avi”, o aplicativo suporta muitos tipos de arquivos (incluindo AVI), arquivos MPEG compatível com DVD, MP4 e ASF, usando uma variedade de codecs.

Além de ser um poderoso editor de vídeo, o Avidemux pode muito bem ser usado para converter arquivos. A grande vantagem dele é que ele pode converter um arquivo de qualquer formato e sua configuração é muito simples.

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Se você ainda não tem o programa instalado em seu sistema, veja como fazer isso usando esse outro tutorial:
Como instalar a versão mais recente do Avidemux no Ubuntu

Conheça melhor o Avidemux

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Para converter os vídeos com Avidemux, você deve executar o programa e fazer o seguinte:
Passo 1. Dentro do programa, clique no botão “Abrir” (ou no menu “Arquivo”, e depois em “Abrir”);

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Passo 2. Na janela que aparece vá para a pasta onde está o arquivo que você deseja converter, e lembre-se, ele pode estar em qualquer formato de vídeo e não apenas avi ou mpg. Selecione o vídeo e clique no botão “Abrir”;

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Passo 3. Aguarde até o programa terminar de importar o arquivo (isso pode demorar um pouco a depender do tamanho do arquivo mas normalmente é rápido). Se aparecer uma tela com o título “Multiple Audio Tracks”, apenas clique no botão “OK”.

Se o arquivo tiver uma resolução muito alta, os botões inferiores do avidemux somem, para contornar isso, vá no menu “View” e escolha “Zoom 1:2″ (ou 1:4). Se durante o processo aparecer uma tela com o título “H.264 detected”, clique no botão “Use safe mode”;

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Passo 4. Agora é hora de configurar os detalhes da conversão. Por exemplo, na opção “Vídeo”, deixe selecionada a alternativa “MPEG-4 AVC”. Já em “Audio” selecione AAC (FAAC). Em “Format”, escolha MP4 ou MKV para que a conversão seja feita para essa extensão;

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Passo 5. Caso deseje apenas modificar a extensão do vídeo mantendo os mesmos codecs de áudio e vídeo, deixe a opção “Vídeo” e “Áudio” apenas com a opção “Copy”.

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Passo 6. Se você quiser escolher o bitrate do áudio ou opções de vídeo como fps, cortar, filtros e etc, basta clicar no botão “Configura” de “Vídeo” ou “Áudio”;

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Passo 7. Finalmente, clique no botão “Salvar” (ou menu “Arquivo”, depois na opção “Save” e finalmente na opção “Save Video…”);

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Passo 8. Na janela seguinte, escolha a pasta onde o arquivo será salvo e depois digite o nome dele com a extensão .mp4 ou .mkv no campo “Nome:”. Clique no botão “Salvar” para gravar o arquivo;

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Passo 9. Agora é só esperar o processo terminar. Se durante o processo você quiser pausar ou cancelar, basta clicar no botão “Pause/Abort”.

Como converter vídeos com Avidemux sem complicações

Pronto! agora sempre que precisar, você pode converter vídeos com Avidemux seguindo este passo a passo e ajustando as opções de acordo com as suas necessidades.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Vantagens que o Wine proporciona no Ubuntu Linux e outras distros

Como instalar a versão mais recente do Wine no Ubuntu

Já pensou em ter programas do Windows no Ubuntu? Se sim, você precisa usar o Wine. Melhor ainda, conheça as vantagens que o Wine proporciona no Ubuntu Linux e outras distros.


O Wine é uma excelente pedida para solucionar alguns problemas de incompatibilidade envolvendo Linux e seus derivados, dado que ele possibilita um mundo de opções para quem está acostumado com o sistema operacional da Microsoft.

Vantagens que o Wine proporciona no Ubuntu Linux e outras distros

Para quem não conhece, um pouco da história do Wine; A sigla dele não é aleatória, (mesmo que o logo seja uma taça de vinho, e que em inglês, wine significa vinho), ela tem um propósito: “Wine Is Not an Emulator”, o que em português significa “Wine não é um emulador”.

Esse software livre está na ativa há muito tempo, mais precisamente desde 1993, quando a ideia original era executar programas do Windows no Linux. Desde então, muito progresso foi feito, obviamente, e o Wine tem versão estável desde 2008.

Vantagens que o Wine proporciona no Ubuntu Linux e outras distros

Para saber quais as vantagens que o Wine proporciona no Ubuntu Linux e outras distros, é preciso entender que não é só no Linux (em que o Ubuntu se encaixa, claro) que o Wine traz as suas funções. Ele também funciona em outros sistemas operacionais, como Mac OSX, BSD ou qualquer outro que siga o padrão POSIX. Isto é: um usuário de Mac pode rodar softwares nativos do Windows em computadores Apple com o mesmo programa que o usuário de Linux o faz.

Para instalar o Wine no Ubuntu é fácil, você pode ver neste tutorial do blog. A versão mais recente oferece várias vantagens após um ano de desenvolvimento, como suporte para Microsoft Office 2013, suporte de 64 bits no macOS, melhor escalonamento HiDPI, motor Gecko atualizado e outras implementações.

Jogos e aplicativos

Wine permite rodar jogos do Windows, e o exemplo disso é o World of Warcraft, um game online que existe há mais de uma década e tem cerca de 100 milhões de jogadores — considerado um dos mais populares em MMORPGs (Massive Multiplayer Online Role-Playing Game).

É bem fácil instalar o jogo, e aqui no blog, já mostrei como isso é feito em todas as etapas, confira aqui. Vale lembrar, que o processo, infelizmente, nem sempre acontece sem percalços.

Além do World of Warcraft, é possível ter o Netflix no Ubuntu. Apesar do serviço de streaming rodar sem problemas no navegador, o aplicativo Desktop tem algumas falhas e não é muito útil fora do Google Chrome.

Portanto, para usar sem complicações a versão Desktop do Netflix no Ubuntu, é necessário ter o Wine para aproveitar as vantagens dessa versão. Com os dois aplicativos atualizados (Wine e Netflix Desktop), não tem segredo para completar a instalação e utilizar o aplicativo. E se esse tutorial não funcionar para você, baixa a versão mais recente do aplicativo e experimente instalar usando o Wine.

Um dos benefícios do Wine é justamente poder explorar aplicativos que apresentam muita segurança e são renomados pelo público em geral. Além de séries e filmes em streaming no Netflix, que vem atingindo grande audiência no mundo, ele também abre a possibilidade de utilizar, por exemplo, o software da PokerStars, que tem aplicativo que se destaca pela segurança e transparência. Ainda na lista de jogos mais compatíveis, encontra-se também o The Sims 3 e StarCraft – só para citar alguns exemplos.

Outros também podem ser utilizados via Wine, embora não tenham a mesma funcionalidade compatível que os dois exemplos citados acima. É sempre bom checar a lista que o próprio site do Wine e a comunidade oferece.

São centenas de jogos e aplicativos que podem ser utilizados através do Playonlinux, e a lista inclui games renomados como Call of Duty, Battlefield, League of Legends, Star Wars, Fifa, entre outros — você pode conferir a lista completa neste link da página oficial do site.

Além de entretenimento, há também aplicativos que podem ajudar na parte profissional, como é o caso do Sketchup Make, bastante utilizado para montagem tridimensional de modelos arquitetônicos de diversas interfaces. Aliás, também já mostrei um tutorial de como instalar o Sketchup Make no Linux.

Versão mais simplificada

Se você quiser utilizar as funções do Wine em uma maneira mais simplificada e com interface limpa, há uma alternativa interessante no Playnolinux, que pode ser instalado no Ubuntu e outros derivados do Linux ou o pra configurar, o Vineyard.

Ele funciona com a mesma proposta de executar jogos e aplicativos do Windows, apesar de não ter tanta capacidade de fazer isso como o Wine. A vantagem é que o Playonlinux oferece uma alternativa gratuita e acessível para utilizar funções que não são adeptas ao Linux.

O programa é dependente do Wine, portanto, é preciso ter este instalado. No entanto, para tê-lo instalado, não é necessário obter uma licença do Windows.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistemas com dual boot

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistemas com dual boot

Se você usa Ubuntu (ou qualquer outro Linux) e Windows em um mesmo computador e isso está gerando confusão no relógio do PC, veja como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistema com dual boot.


Nem todo mundo sabe, mas usar sistemas em dual boot pode gerar conflitos de tempo entre o Windows e o Ubuntu, por exemplo.

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistemas com dual boot

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistemas com dual boot

Isso ocorre porque o Ubuntu pode estar armazenando a hora no relógio de hardware como UTC por padrão (Tempo Universal Coordenado, ou Universal Time Coordinated), enquanto o Microsoft Windows armazena o tempo como hora local, causando tais conflitos.

Felizmente, a correção é muito fácil e pode ser feita a partir do Ubuntu ou do Windows.

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistema com dual boot a partir do Ubuntu

O procedimento a seguir, com poucos ajustes, pode ser usado em qualquer sistema Linux.

Para corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistema com dual boot a partir do Ubuntu, é preciso fazer o Ubuntu usar o tempo local.

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows (Ubuntu com Upstart)

Para fazer o Ubuntu usar o tempo local em versões anteriores do Ubuntu que ainda não usam o serviço de inicialização systemd (qualquer versão anterior ao 15.04), faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Abra o arquivo /etc/default/rcS com o comando a seguir:

sudo gedit /etc/default/rcS

Passo 3. Com o arquivo aberto, substituia “UTC = yes”, por “UTC = no” (ambos sem as aspas). Em seguida, salve e feche o arquivo;
Passo 4. Ou se preferir, faça isso automaticamente, digitando o seguinte:

sudo sed -i 's/UTC=yes/UTC=no/' /etc/default/rcS

Passo 5. Independente do método usado, reinicie o sistema com pelo ambiente gráfico ou digitando o comando:

sudo reboot

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows (Ubuntu com systemd)

Para fazer o Ubuntu usar o tempo local em versões mais recentes do Ubuntu que já usam o serviço de inicialização systemd, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Use o comando abaixo para desativar o UTC e usar Hora Local no Ubuntu

timedatectl set-local-rtc 1 --adjust-system-clock

Passo 3. Para verificar se o seu sistema usa hora local, basta executar este comando:

timedatectl

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistemas com dual boot

Finalmente reinicie o PC e acesse o Windows. Em seguida, ajuste a hora do relógio do sistema (se for necessário) e estará pronto.

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistema com dual boot a partir do Windows

Outra maneira de corrigir esse problema é fazer as seguintes alterações no Windows:

Passo 1. Primeiro, se você mudou para a hora local no Ubuntu, execute comando no terminal Ubuntu para voltar a usar o UTC:

timedatectl set-local-rtc 0

Passo 2. Reinicie o PC e selecione a inicialização pelo Windows;

Passo 3. Quando já estiver na área de trabalho do Windows, pressione as teclas “Windows + X”. No menu que será exibido, clique em “Prompt de comando (Admin)”, para acessar o prompt como administrador;

prompt-1

Passo 4. Se o sistema for um Windows de 32 bits, execute o comando abaixo para criar um valor DWORD no registro do Windows;
Reg add HKLM\SYSTEM\CurrentControlSet\Control\TimeZoneInformation /v RealTimeIsUniversal /t REG_DWORD /d 1
Passo 5. Se o sistema for um Windows de 64 bits, execute o comando abaixo para criar um valor DWORD no registro do Windows;
Reg add HKLM\SYSTEM\CurrentControlSet\Control\TimeZoneInformation /v RealTimeIsUniversal /t REG_QWORD /d 1

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o tema Violet Comeback no Ubuntu e derivados

Como instalar o tema Violet Comeback no Ubuntu e derivados

Se você está a procura de um tema que reproduza o esquema de cores KDE Violet, veja como instalar o tema Violet Comeback no Ubuntu e derivados.


O tema Violet-backback é a contrapartida para GTK2/GTK3 para o esquema de cores Qt5/KDE “Violet Comeback”. Ou seja, com ele você leva esse esquema de cores para os ambientes baseados na GTK. Ele destina-se principalmente a ser usado para integrar qualquer aplicativo GTK em execução no KDE Plasma 5.

Como instalar o tema Violet Comeback no Ubuntu e derivados

Como instalar o tema Violet Comeback no Ubuntu e derivados

Ele foi projetado principalmente para fazer com que as aplicações GTK combinassem com o esquema de cores KDE Violet, mas também são compatíveis com Gnome, Unity, Xfce, Cinnamon, Mate e assim por diante.

Como o criador mencionou este tema é baseado em Numix e gerado com oomox. Uma vez que este tema está em desenvolvimento ativo, existem alguns problemas na versão GTK3: não há limites em algumas janelas e também não há sombra, o que torna o seu aspecto um pouco achatado.

Conheça melhor o tema Violet Comeback

Para saber mais sobre esse tema, clique nesse link.

Instalando o tema Violet Comeback no Ubuntu e derivados

Para instalar o tema Violet Comeback no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema Violet Comeback usando o seguinte comando:

sudo apt-get install violet-comeback-theme

Como instalar o tema Violet Comeback manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Desinstalando o tema Violet Comeback no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o tema Violet Comeback no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o tema Violet Comeback, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove violet-comeback-theme

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu 15.04 ou superior? Veja como resolver

Problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu 15.04 ou superior? Veja como resolver

Se você instalou o Ubuntu 15.04 ou superior e na hora de instalar ou executar alguns programas apareceram alguns erros e nada aconteceu, veja a seguir como resolver problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu 15.04 ou superior.


No Ubuntu 15.04 ou superior (qualquer sabor, seja Xubuntu, Ubuntu MATE, Kubuntu, etc.), a biblioteca libgcrypt11 já não está disponível nos repositórios (ele usa apenas a libgcrypt20) e algumas aplicações como o Spotify, Brackets e outros, não podem ser instalados ou executados, a menos que a libgcrypt11 esteja instalada.

Problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu 15.04 ou superior? Veja como resolver

Problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu 15.04 ou superior? Veja como resolver

Por exemplo, ao tentar executar o Spotify ocorre o seguinte erro:

spotify: error while loading shared libraries: libgcrypt.so.11: cannot open shared object file: No such file or directory

Já no caso do Brackets, o erro acontece durante a instalação do software:

sudo dpkg -i Brackets.1.2.Extract.64-bit.deb
..............................
dpkg: dependency problems prevent configuration of brackets:
 brackets depends on libgcrypt11 (>= 1.4.5); however:
  Package libgcrypt11 is not installed.

dpkg: error processing package brackets (--install):
 dependency problems - leaving unconfigured
Processing triggers for hicolor-icon-theme (0.14-0ubuntu1) ...
Errors were encountered while processing:
 brackets

Até que esses aplicativos de terceiros sejam ajustados e reempacotados com a libgcrypt20 em vez de libgcrypt11 como dependência, para que eles funcionem adequadamente no Ubuntu 15.04 ou superior, será preciso fazer um pequeno ajuste.

Sendo mais claro, para conseguir usar Spotify, Brackets e outros aplicativos que exigem a libgcrypt11 no Ubuntu 15.04 ou uma versão posterior, tudo que você tem a fazer é instalar a biblioteca a partir de uma versão mais antiga do Ubuntu, como o Ubuntu 14.04 LTS:

Instalando a libgcrypt11 para resolver problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu 15.04 ou superior

Para instalar a libgcrypt11 para resolver problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu ou superior, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira a versão do seu sistema, usando o comando abaixo no terminal:

lsb_release -rs

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa;

wget http://archive.ubuntu.com/ubuntu/pool/main/libg/libgcrypt11/libgcrypt11_1.5.3-2ubuntu4_i386.deb -O libgcrypt11.deb

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa;

wget http://archive.ubuntu.com/ubuntu/pool/main/libg/libgcrypt11/libgcrypt11_1.5.3-2ubuntu4_amd64.deb -O libgcrypt11.deb

Passo 6. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i libgcrypt11.deb

Passo 7. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Se preferir, você pode baixar manualmente os arquivos deb da libgcrypt11 para qualquer arquitetura nesse link.

Importante: em sistemas de 64 bits, você também pode precisar instalar o pacote de 32 bits se o aplicativo que requer libgcrypt11 usa um pacote multiarch.

Uma vez instalado, você já pode instalar e executar os programas problemáticos no Ubuntu 15.04 e começar a usá-los.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar versão mais recente do Audacious no Ubuntu

Como instalar versão mais recente do Audacious no Ubuntu

Se você procura um player de áudio leve, com alta qualidade de áudio e suporte para uma ampla gama de formatos de áudio, veja como instalar versão mais recente do Audacious no Ubuntu.


Audacious é um player de áudio de código aberto, um descendente do XMMS com foco no baixo consumo de recursos, na alta qualidade de áudio e no suporte para uma ampla gama de formatos de áudio.

Como instalar versão mais recente do Audacious no Ubuntu

Como instalar versão mais recente do Audacious no Ubuntu

O aplicativo é desenvolvido com baixo uso de recursos e alta qualidade de áudio em mente. Ele vem com plugins como hotkeys globais, letras, MPRIS v2, Scrobbler, Spectrum Analyzer, efeitos como Crystalizer, Voice Removal, Crossfade, Extra Stereo e muito mais. A interface Winamp-like suporta as capas de Winshamp 2.x wsz. E ele contém reprodução contínua embutida e suporta plugins e peles do Winamp 2.

Com o programa você pode arrastar e soltar pastas e arquivos de músicas individuais, procurar artistas e artistas em toda a sua biblioteca de músicas, criar e editar suas próprias listas de reprodução personalizadas, ouvir um CD ou fazer streaming de música a partir da Internet, ajustar o som com o equalizador gráfico ou experimentar os efeitos LADSPA.

Aproveite a interface GTK com temática moderna ou mude as coisas com peles do Winamp clássico. Para torná-lo mais completo, você pode usar os plugins incluídos no Audacious para buscar letras de suas músicas, para definir um alarme na parte da manhã, e muito mais.

Novidades da mais recente versão do Audacious

Alterações no Audacious 3.9 incluem:

  • Interface de usuário Qt:A janela principal Audacious é mais personalizável graças à adição de um menu View (inclui opções para visualizar/ocultar o menu principal, barra de informações, visualização da barra de informações, barra de status e tempo restante) e opções adicionais nas configurações da aplicação;
  • Colunas de lista de reprodução configuráveis;
  • Suporte de drag’n’drop para entradas de lista de reprodução;
  • Barra de pesquisa melhorada da lista de reprodução: está escondida até pressionar Ctrl + F , e corresponde aos resultados de forma mais inteligente;
  • Novos controles para gravação de fluxo;
  • Itens de menu integrados e atalhos de teclado para o Gerenciador de lista de reprodução e ferramenta de pesquisa;
  • Uma coluna de comentários agora pode ser exibida na lista de reprodução (e é compatível com a classificação por ela);
  • A formatação aprimorada dos resultados da Ferramenta de Pesquisa (negrito, itálico e maiúsculas destacam diferentes tipos de resultados);
  • Adicionado suporte para diretórios nas listas de reprodução do m3u;
  • Adicionado a troca automática entre os modos ReplayGain da faixa e do álbum quando o modo aleatório é ativado / desativado;
  • Vários outros aprimoramentos e correções de bugs.

Para saber mais detalhes sobre essa versão, clique nesse link.

Conheça melhor o Audacious

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Audacious no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Audacious no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository -y ppa:nilarimogard/webupd8

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install audacious audacious-plugins

Como instalar o Audacious manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link, e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digitando audacious no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Audacious no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Audacious no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove audacious audacious-plugins
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal

Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal

Se você precisa gravar uma imagem ISO usando o Terminal, veja nesse tutorial como fazer isso e entenda um pouco mais sobre o processo.


Atualmente gravar uma imagem ISO no Linux é muito fácil e existem várias ferramentas que podem fazer isso para você. Contudo, nem sempre é possível ter acesso a ferramentas gráficas e nessa situação, “o Terminal é seu melhor amigo”. Para ajudá-lo, veja a seguir, como gravar uma imagem ISO usando o Terminal.

Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal

Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal

Se você quiser verificar a integridade da imagem ISO, consulte esse tutorial:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal

Antes de começar, certifique-se de que o seu pendrive está formatado e todos os arquivos dele foram removidos. Ciente disso, para gravar uma imagem ISO usando o Terminal, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Plugue o pendrive no computador;
Passo 3. Provavelmente ele será montado automaticamente. Independente disso, se você quiser saber o endereço do pendrive, digite o comando abaixo;

lsblk

Passo 4. Como é possível ver na imagem da saída do comando anterior, o pendrive é o sdb (o sda é o disco onde o sistema está instalado e o sr0 é a unidade de CD/DVD);

Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal

Passo 5. Para gravar a imagem ISO nele, use o comando abaixo (lembre-se de ajustar o caminho e o nome da imagem ISO para o seu caso, bem como o caminho do pendrive). O processo começará e normalmente demora um pouco, por isso tenha paciência. Depois de um tempo, você verá no prompt do terminal exatamente a quantidade de dados copiados e a velocidade em que isso ocorreu, o que significa que processo deu certo;

sudo dd if=/home/edivaldo/Downloads/arquivoiso.iso of=/dev/sdb bs=4M

Passo 6. Depois de usar o novo pendrive, se você quiser limpar ele, basta digitar o comando a seguir. Este comando irá zerar seu pendrive. Depois disso, você vai precisar usar uma ferramenta de particionamento como o Gparted para criar uma nova partição nele;

sudo dd if=/dev/zero of=/dev/sdb bs=1M status=progress

Pronto! Agora sempre que precisar, você pode gravar seu pendrive, mesmo quando não tiver uma interface gráfica com aplicativos para essa tarefa.

Com poucos ajustes é possível usar o processo para gravar em um CD ou DVD. Mas se é isso o que você quer, pode usar esse tutorial:
Como gravar uma imagem ISO no Ubuntu

E se você quiser usar uma ferramenta grafica do DD, consulte esse tutorial:
Faça backup e gravação de IMG ou ISO com dd Utility

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu

Como instalar o ambiente LXQt no Debian

LXQt é baseado na biblioteca QT e é praticamente o ambiente gráfico da distribuição LXDE. Se você quiser experimentar esse desktop, veja aqui como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu e derivados.


LXQt é resultado da fusão entre os projetos LXDE-Qt e Razor-qt: um ambiente de desktop leve, modular, super rápido e fácil de usar. O ambiente é uma boa opção para quem não quer ficar no Unity ou quer experimentar novos ares.

Como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu

Como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu

Ele usa o gerenciador de janelas Openbox, gerenciador de arquivos PCManFM-Qt (que é um port em qt do PCManFM), o painel de desktop razor-panel, bem como outros itens Qt, como seus Core Components.

Como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu

Conheça melhor o ambiente gráfico LXQt

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o ambiente LXQt no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o ambiente LXQt no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository -y ppa:lubuntu-dev/lubuntu-daily

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Atualize o sistema com o comando:

sudo apt-get upgrade

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install lxqt-metapackage lxqt-panel openbox

Uma vez que a instalação estiver concluída, saia da sua sessão atual do Ubuntu. Na tela de login, clique no ícone usado para escolher o ambiente gráfico (o circulo branco).

Você será apresentado a uma tela com todas as opções de ambientes de desktop atualmente instalados. A mais recente adição a esta lista será o LXQt. Clique nesta opção e faça login novamente.

Como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu

Como instalar o ambiente gráfico LXQt em outras distribuições

Para instalar o ambiente gráfico LXQt em outras distribuições, acesse a página do projeto e clique no ícone da distro.

Como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu

Desinstalando o ambiente LXQt no Ubuntu e derivados

Se você não gostar ou se arrepender, para desinstalar o ambiente LXQt no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository -y ppa:lubuntu-dev/lubuntu-daily --remove
sudo apt-get remove lxqt-metapackage lxqt-session lxsession
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Descubra como instalar o WhatsApp Desktop no Linux

Descubra como instalar o WhatsApp Desktop no Linux

Se você quer usar o WhatsApp no seu sistema, sem ficar preso a um navegador, conheça e veja como instalar o WhatsApp Desktop no Linux.


O WhatsApp Desktop é um cliente de desktop WhatsApp não oficial de código aberto para Linux construído com o Framawork Electron, que é um conteiner de serviços web. Ou seja, ele é uma janela de navegador autônoma que usa o WhatsApp Web.

Descubra como instalar o WhatsApp Desktop no Linux

Descubra como instalar o WhatsApp Desktop no Linux

O programa oferece todas as características que seus clientes contemporâneos fazem, incluindo notificações de desktop nativas e suporte para atalhos com teclado, bem como opções extras, por exemplo, suporte para a folha de estilo CSS personalizada.

Como ele é construído com o Electron (que é famoso por usar muita memória), algumas pessoas simplesmente ficarão usando a WhatsApp Web. Mas mesmo que os aplicativos baseados no Electron não sejam de sua preferência, como você saberá se você gosta do aplicativo, se não o experimentar?

Principais características do WhatsApp Desktop:

  • Suporte para notificações de desktop nativas;
  • Ícone do emblema com contagem de notificações na dock/barra de tarefas;
  • Animação: o ícone da dock salta na entrada de uma nova mensagem;
  • Ícone da bandeja do sistema;
  • Abre links no navegador;
  • Executa automáticamente no logon, juntamente com a opção para começar a minimizar o ícone da bandeja;
  • Suporte para folhas de estilo CSS personalizadas;
  • Acesso à informação do telefone, ou seja, estado da bateria, versão do software, etc;
  • Pesquise (com um contato em foco) através de CTRL+F ou CMD+F;
  • Personalização: inclui opções de alternância e configurações;
  • Possui opção para definir a visibilidade do avatar;
  • Possui opção para visualizar a visibilidade da mensagem;

Conheça melhor o WhatsApp Desktop

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o WhatsApp Desktop no Linux Ubuntu, Debian e derivados

WhatsApp Desktop está disponível para Linux nos formatos DEB e RPM, e para instalar ele nos sistemas que suportam esses formatos, use um dos procedimentos abaixo.

Como instalar o WhatsApp Desktop no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o WhatsApp Desktop no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome whatsapp.deb:

wget https://github.com/Enrico204/Whatsapp-Desktop/releases/download/v0.3.12/whatsapp-desktop_0.3.12-1_amd64.deb -O whatsapp.deb

Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i whatsapp.deb
sudo apt-get install -f

Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./whatsapp.deb

Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove whatsapp-desktop*

Como instalar o WhatsApp Desktop no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados

Quem quiser instalar o WhatsApp Desktop no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome whatsapp.rpm:

wget link -O whatsapp.rpm

Passo 5. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install whatsapp.rpm

Passo 6. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall whatsapp.rpm

ou

sudo dnf install whatsapp.rpm

Passo 7. Para instalar o programa na maioria das distro com suporte a arquivos RPM, use o comando:

sudo rpm -i whatsapp.rpm

Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo rpm -e whatsapp*

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, use o atalho dele ou digite whatsapp em um terminal, seguido da tecla TAB.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Firefox no Linux – veja como instalar manualmente

Firefox no Linux: veja como instalar manualmente

Se você precisa ter a última versão do navegador da Mozilla no seu sistema, veja aqui como instalar o Firefox no Linux manualmente.


Embora os repositórios das principais distribuições forneçam uma versão do Firefox, ela as vezes pode vir desatualizada. Por isso, você sempre pode seguir este tutorial para instalar a versão mais recente do Firefox no Linux, independente de qual seja a sua distribuição favorita.

Firefox no Linux: veja como instalar manualmente

Firefox no Linux – veja como instalar manualmente

Se você usa Ubuntu e quer apenas atualizar o Firefox, veja esse outro tutorial:
Firefox:veja como atualizar para a última versão no Ubuntu

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.
Para ver as novidades dessa versão, acesse esse link.

Conheça melhor o Firefox

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Atenção! Antes de fazer o procedimento, desinstale qualquer versão do navegador que já esteja em seu sistema.

Como instalar a última versão do Firefox no Linux

Para instalar a última versão do Firefox no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/firefox*
sudo rm -Rf /usr/bin/firefox
sudo rm -Rf /usr/share/applications/firefox.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome firefox.tar.bz2:

wget "https://download.mozilla.org/?product=firefox-latest&os=linux&lang=pt-BR" -O firefox.tar.bz2

Passo 5. Se seu sistema for de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome firefox.tar.bz2:

wget "https://download.mozilla.org/?product=firefox-latest&os=linux64&lang=pt-BR" -O firefox.tar.bz2

Passo 6. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -jxvf  firefox.tar.bz2 -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

sudo mv /opt/firefox*/ /opt/firefox

Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/firefox/firefox /usr/bin/firefox

Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o Firefox, usando comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=46.0.1\n Encoding=UTF-8\n Name=Mozilla Firefox\n Comment=Navegador Web\n Exec=/opt/firefox/firefox\n Icon=/opt/firefox/browser/icons/mozicon128.png\n Type=Application\n Categories=Network' | sudo tee /usr/share/applications/firefox.desktop

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite firefox em um terminal, seguido da tecla TAB.

Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

sudo chmod +x /usr/share/applications/firefox.desktop
cp /usr/share/applications/firefox.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

cp /usr/share/applications/firefox.desktop ~/Desktop

Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Como remover o Firefox no Linux

Para remover o Firefox no Linux, basta apagar a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/firefox*
sudo rm -Rf /usr/bin/firefox
sudo rm -Rf /usr/share/applications/firefox.desktop

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu

Combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu

Quando o tema Arc apareceu aqui no blog, ele fez muito sucesso. Agora, ele virou uma suíte de temas e já tem um pacotes de ícones. O resultado disso? Descubra combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu.


A suíte de tema Arc oferece oferece temas planos com elementos transparentes para Gtk 3/2 e Gnome.

Combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu

Combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu

Ele é compatível com Gnome 3.18/3.16 e GTK 3.18/3.16, funciona com a maioria dos ambientes de desktop que utilizam motores GTK para renderizar o tema, como Unity, Gnome, Cinnamon, Mate, e assim por diante. Infelizmente este tema não é compatível com o Linux Mint, porque a última versão do Linux Mint 17 é baseada no Ubuntu 14.04 Trusty, que usa versão antiga do GTK, que não é compatível.

Este pacote oferece três versões do mesmo tema; Arc, que é uma combinação de muita luz e cores menos escuras. O Arc Dark, que oferece cor escura completa. Por fim, tem Arc Dark, que também possui uma combinação de tema claro e escuro. Com essas opções, você pode escolher o tema que atender melhor às suas necessidades.

Combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu

Combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu

Para completar o quadro, tem os ícones Arc, que combinado com o ótimo tema Arc, dão um novo visual ao seu desktop. Faça o procedimento de instalação abaixo e veja como fica.

Conheça melhor o tema e os ícones Arc

Para saber mais sobre o tema Arc, clique nesse link.
Para saber mais sobre os ícones Arc, clique nesse link.

Instalando o tema e os ícones Arc no Ubuntu e derivados

Para instalar o tema e os ícones Arc no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes
sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema e os ícones Arc usando o seguinte comando:

sudo apt-get install arc-theme arc-icons

Como instalar o tema e os ícones Arc manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link (tema Arc) e nesse link (ícones Arc)instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar os pacotes. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome arc-icon.deb e arc-theme.deb:

wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/icons/+files/arc-icons_1.0~xenial~NoobsLab.com_all.deb -O arc-icon.deb
wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/themes/+files/arc-theme_16.04~xenial~NoobsLab.com_all.deb -O arc-theme.deb

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i arc*.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Desinstalando o tema e os ícones Arc no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o tema e os ícones Arc no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o tema e os ícones Arc, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove arc-theme arc-icons

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como corrigir erros na atualização de repositório do Ubuntu

Como corrigir erros na atualização de repositório do Ubuntu

Alguns usuários estão experimentando alguns erros durante a atualização dos repositórios do Ubuntu, por causa disso, mostrarei aqui como resolvê-los.


A Canonical libera atualizações regulares de manutenção e segurança, o que nos permite manter nosso sistema operacional estável e seguro.

Como corrigir erros na atualização de repositório do Ubuntu

Como corrigir erros na atualização de repositório do Ubuntu

Para atualizar, basta abrir o gerenciador de atualizações do Ubuntu ou iniciar o terminal para atualizar o repositório digitando sudo apt-get update. Entretanto, as vezes alguns usuários encontram erros ao atualizar o repositório do Ubuntu ou de um derivado.

As informações a seguir foram tiradas do site lffl linux freedom, no caso do autor ele recebeu um erro “Hash Sum mismatch” e “impossível recuperar bzip2” e ele alerta que em outros os erros podem ser diferentes.

Como essa é uma informação de terceiro a qual não pude testar (por ser uma ocorrência incomum), só a utilize se estiver em uma situação parecida e faça isso por sua própria conta e risco.

Como corrigir erros na atualização de repositório do Ubuntu e derivados

Para corrigir erros na atualização de repositório do Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Apague a lista de pacotes e reconstrua ela (isso normalmente é realizado automaticamente em uma atualização regular do repositório), para fazer isso, basta digitar no terminal:

sudo rm -r /var/lib/apt/lists/* -vf

Passo 3. Atualize o repositório com o comando “clássico”:

sudo apt-get update

Passo 4. Pode acontecer que, após a atualização de repositório aparecer algum erro de autenticação de chave. Por exemplo, se for detectado um erro na chave-xxxxx basta digitar em um terminal (substitua xxxxx pelo código da chave):

sudo apt-key adv --recv-keys --keyserver keyserver.ubuntu.com key-xxxxx

Passo 5. Por exemplo, no caso chave ser b725097b3acc3965 digite apenas:

sudo apt-key adv --recv-keys --keyserver keyserver.ubuntu.com b725097b3acc3965

Passo 6. Depois, atualize o repositório com o comando:

sudo apt-get update

Espero que isso ajude a resolver seu problema. Se não resolver explique sua situação nos comentários e quem sabe encontramos uma solução para isso.

E se o seu problema for outro, consulte esses tutoriais:
Pacotes quebrados: veja como corrigir isso em sistemas baseados no Debian
Como remover pacotes quebrados com o Synaptic
Como consertar um sistema Ubuntu que não inicializa por causa de atualizações quebradas

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instalando a versão mais recente do editor de vídeos Kdenlive no Ubuntu

Instalando a versão mais recente do editor de vídeos Kdenlive no Ubuntu

Quer instalar a versão mais recente do editor de vídeos Kdenlive no seu sistema? Então veja como fazer para ter o Kdenlive no Ubuntu e derivados.


Kdenlive é um editor de vídeo gratuito aberto para GNU/Linux e FreeBSD, que suporta AVCHD, DV e HDV. O programa depende de vários outros projetos open source, como o FFmpeg, o MLT video framework e Frei0r effects.

Instalando a versão mais recente do editor de vídeos Kdenlive no Ubuntu

Instalando a versão mais recente do editor de vídeos Kdenlive no Ubuntu

Como cineastas modernos precisam misturar diferentes tipos de mídia, incluindo vídeo, áudio e imagens, Kdenlive é construído em cima do MLT video framework e ffmpeg, que proporcionam recursos exclusivos para misturar praticamente qualquer tipo de mídia.

Conheça melhor o editor de vídeos Kdenlive

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a mais recente versão estável do editor de vídeos Kdenlive

Para instalar a mais recente versão estável do editor de vídeos Kdenlive e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository sudo add-apt-repository ppa:kdenlive/kdenlive-stable

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install kdenlive

Como instalar a mais recente versão estável do editor de vídeos Kdenlive manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Como instalar a versão mais recente do editor de vídeos Kdenlive

Para instalar o programa no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:sunab/kdenlive-release

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install kdenlive

Como instalar o editor de vídeos Kdenlive manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite kdenlive no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o editor de vídeos Kdenlive no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o editor de vídeos Kdenlive no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:sunab/kdenlive-release --remove

ou

sudo add-apt-repository ppa:kdenlive/kdenlive-stable --remove
sudo apt-get remove kdenlive
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


21 de agosto de 2017

Black Lab Enterprise Linux 11.0.3 lançado! Confira as novidades e baixe!

Black Lab Enterprise Linux 11.0.3 lançado! Confira as novidades e baixe!

A equipe do Black Lab Linux anunciou a disponibilidade de uma atualização menor para a série 11.x, o Black Lab Enterprise Linux 11.0.3. Conheça mais um pouco sobre o sistema e descubra onde baixá-lo.


Black Lab Linux é uma distribuição Linux personalizada que se concentra em trazer estabilidade para o desktop Linux. Este sistema oferece alto desempenho e melhor performance de multimídia para o uso em casa, negócios e tudo mais. Curiosamente, a distro era chamada anteriormente de OS4 OpenLinux.

Black Lab Enterprise Linux 11.0.3 lançado! Confira as novidades e baixe!

Black Lab Enterprise Linux 11.0.3 lançado! Confira as novidades e baixe!

A distribuição está disponível em muitas edições e spins, fornecendo uma variedade de ambientes de desktop, incluindo GNOME, LXDE, MATE Plasma e Xfce. As imagens oficiais incluem as seguintes edições: Enterprise, Education, Embedded e Studio. A empresa por trás da distribuição também vende um mini-sistema de desktop com Black Lab Linux pré-instalado.

Algumas de suas características mais interessantes incluem suporte para plugins de navegadores populares, a adição de pacotes para produção multimédia, criação de conteúdo e desenvolvimento de software, e um layout de área de trabalho inovadora baseada em GNOME Shell.

Novidades do Black Lab Enterprise Linux 11.0.3

Black Lab Enterprise Linux 11.0.3 é fornecido com a versão 4.10 do kernel do Linux, LibreOffice 5.4, Google Chrome 60, Samba 4, Webmin 1.8, Ksplice para atualizações de kernel sem reinicialização, OpenLDAP, suporte a container, suporte de contêiner da Web, suporte para os sistemas de arquivos XFS, JFS e Btrfs para objetivos de instalação.

Embora as compilações oficiais sejam baseadas na área de trabalho do GNOME, com exceção do Black Lab Embedded Linux, que é baseado no LXDE, o projeto oferece outros desktops para os usuários, que incluem KDE Plasma 5, Xfce, LXDE e MATE.

Para mais detalhes sobre essa versão, consulte o anuncio oficial.

Conheça melhor a distribuição Black Lab Linux

Para saber mais sobre a distribuição Black Lab Linux, clique nesse link.

Baixe e experimente o Black Lab Enterprise Linux 11.0.3

A imagem ISO do Black Lab Enterprise Linux 11.0.3 já pode ser baixada acessando a
página de download da distribuição.

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação
Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o SMPlayer com suporte a MPV

como-instalar-o-smplayer-com-suporte-mpv

SMPlayer pode ser usado em conjunto com outro reprodutor além do mplayer. Se você quer experimentar, veja aqui como instalar o SMPlayer com suporte a MPV.


O SMPlayer é um reprodutor multimídia que já vem com codificadores nativos e que consegue reproduzir a maioria dos formatos vídeo e áudio sem a necessidade de codificadores extra. Basta instalar o SMPlayer e ele já será capaz de reproduzir boa parte dos formatos de vídeo e áudio disponíveis.

como-instalar-o-smplayer-com-suporte-mpv

como-instalar-o-smplayer-com-suporte-mpv

Na verdade, o SMPlayer é um front-end gráfico baseado em Qt para mplayer. Mas agora, o programa também pode utilizar o player MPV para a reprodução, graças ao suporte a ele que foi adicionado recentemente. Entretanto, esse suporte irá demorar um pouco até aparecer na versão estável.

A boa notícia é que você já pode instalar o SMPlayer com o suporte a MPV no Ubuntu e algumas de suas variantes, usando o repositório PPA oficial SMPlayer Testing.

Para aqueles que ainda não conhecem o MPV, ele é um player de mídia baseado no mplayer2 (e mplayer), que vem com vários recursos extras e melhorias em relação ao mplayer2, tais como suporte nativo para VAAPI e VDA e melhorias na saída de vídeo VDPAU, opção para exibir duas legendas de uma só vez, suporte a Wayland, seeking preciso, função de codificação embutida (substituto para mencoder).

Além disso, ele possui suporte melhorado para PulseAudio, melhor suporte a MKV (por exemplo, ordenação de capítulos, metadados 3D), além de várias outras características que pode ser vistas nessa página.
muito mais.

Para completar, SMPlayer já suporta a reprodução de vídeos YouTube. No entanto, com MPV, ele pode reproduzir vídeos a partir de qualquer website suportado pelo youtube-dl (apesar do nome, youtube-dl suporta inúmeros sites de vídeo).

O suporte a vídeos online inclui Youtube (obviamente), DailyMotion, Vimeo, BlipTV, CBS, CollegeHumor, ComedyCentral, NBC, Vevo e muitos mais (são cerca de 500 sites são suportados e você pode ver uma lista completa nesse link).

Nota: para ser capaz de usar SMPlayer com MPV, você vai precisar de mpv versão 0.6.2 ou mais recente e para ter o suporte ao youtube-dl, você precisará instalar o mpv 0.7.0 ou mais recente.

Conheça melhor o SMPlayer

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o SMPlayer com suporte a MPV no Ubuntu 14.04 ou superior e Linux Mint 17.x/13

Para instalar o SMPlayer com suporte a MPV no Ubuntu 14.04 ou superior e Linux Mint 17.x/13 e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se você estiver usando o Ubuntu 14.04/Linux Mint 17.x, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:mc3man/mpv-tests

Passo 2. Se você estiver usando o Ubuntu 15.10 ou 15.04, o MPV já está disponível nos repositórios oficiais, por isso, apenas adicione o repositório do SMPlayer com o comando abaixo ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:rvm/smplayer

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, use o comando abaixo para instalar todos os programas;

sudo apt-get install mpv smplayer smtube smplayer-themes smplayer-skins youtube-dl

Como instalar o SMPlayer com suporte a MPV no Ubuntu 12.04 / Linux Mint 13

Infelizmente não há nenhuma MPV 0.7.0+ PPA para o Ubuntu 12.04. O PPA oficial estável do SMPlayer fornece SMPlayer com suporte a MPV, na versão 0.6.2 e enquanto esta versão funciona, ele não vem com a integração youtube-dl, por causa disso, você não poderá usar o SMPlayer para reproduzir vídeos a partir do site suportados pelo youtube -dl.

Para instalar o SMPlayer com suporte a MPV no Ubuntu 12.04/Linux Mint 13 e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:rvm/testing

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install mpv smplayer smtube smplayer-themes smplayer-skins

Configurando o SMPlayer para usar o MPV

Para configurar o SMPlayer para usar MPV em vez de mplayer, faça o seguinte:
Passo 1. Inicie o programa, digitando smplayer no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).
Passo 2. Clique no menu  “Opções” e depois no item “Preferencias”. Na tela, clique em “Geral” e na aba “Geral”, preencha o campo  “Executável MPlayer” com o valor “mpv” (sem as aspas), como na imagem abaixo e clique em “Aplicar”:

Como instalar o SMPlayer com suporte a MPV

Passo 3. Para ser capaz de reproduzir vídeos de todos os sites suportados pelo youtube-dl (requer mpv 0.7.0 ou mais recente, por isso não vai funcionar no Ubuntu 12.04), na mesma tela, clique em “Rede” à esquerda e marque a opção “Reproduzir vídeos de sites de streaming”.

Como instalar o SMPlayer com suporte a MPV

Pronto! Agora você já pode aproveitar os recursos desse incrível player.

Desinstalando o SMPlayer no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o SMPlayer no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove mpv smplayer smtube smplayer-themes smplayer-skins
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o gerenciador de arquivos JumpFM no Linux

Como instalar o gerenciador de arquivos JumpFM no Linux

Se você quer gerenciar arquivos usando uma interface simples e com painel duplo, veja como instalar o gerenciador de arquivos JumpFM no Linux.


JumpFM é descrito como um “gerenciador de arquivos de painel duplo minimalista para Linux”. O desenvolvedor do aplicativo cita como principais influências o fman (um gerenciador de arquivos Qt multiplataforma) e Exa (uma ferramenta de terminal que permite adicionar bling ao comando ls).

Como instalar o gerenciador de arquivos JumpFM no Linux

Como instalar o gerenciador de arquivos JumpFM no Linux

Altamente configurável e extensível, o JumpFM possui uma série de características e integrações básicas, a maioria das quais você pode ativar/desativar e configurar, para atender às suas próprias necessidades.

Conheça melhor o gerenciador de arquivos JumpFM

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o gerenciador de arquivos JumpFM no Linux via arquivo AppImage

Para instalar o gerenciador de arquivos JumpFM no Linux via arquivo AppImage, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome jumpfm.appimage:

wget https://github.com/Gilad-Kutiel-App/jumpfm/releases/download/v0.16.1/jumpfm-0.16.1-x86_64.AppImage -O jumpfm.appimage

Passo 4. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

chmod a+x jumpfm.appimage

Passo 5. Agora instale o programa com o comando;

sudo ./jumpfm.appimage

Passo 6. Na janela que será exibida, clique no botão “Yes” e aguarde o final da instalação;

Como instalar o gerenciador de arquivos JumpFM no Linux

Como usar o gerenciador de arquivos JumpFM no Linux

Quando quiser iniciar o programa, digite jumpfm em um terminal, seguido da tecla TAB ou use um menu/atalho do seu sistema.

O JumpFM é um aplicativo orientado por teclado . Para obter a melhor experiência, é recomendável para familiarizar-se com seus atalhos de teclado agradável e cedo. A maioria é óbvia: você pode ativar/desativar arquivos ocultos pressionando ‘h’, alternar entre os painéis usando ‘tab’ e navegar dentro e fora das pastas usando as teclas de seta do teclado, backspace e ‘enter’ .

Como instalar o gerenciador de arquivos JumpFM no Linux

Além disso:

Jumping (‘j’) permite-lhe rapidamente “pular” para as suas pastas favoritas sem precisar clicar na pasta na qual você está. Os diretórios não precisam ser marcados como favoritos, pois o aplicativo ‘aprende’ qual pasta você freqüentemente visita.

Filtragem (‘f’) é um recurso de pesquisa simples que ajuda a encontrar os arquivos que você procura digitando parte do seu nome de arquivo.

O modo plano (‘r’) alterna a visualização baseada em diretório hierárquico padrão e um plano, nenhuma exibição de pasta que lista todos os arquivos dentro do diretório e seus subdiretórios.

Instant Gist ( ctrl + g ) permite que você crie rapidamente uma nova essência de um arquivo selecionado no gerenciador de arquivos.

O gerenciador de arquivos pode ser estendido ao instalar plugins extras. Esses plugins variam de mostrar o tempo e as condições climáticas atuais na barra de status do JumpFM, para adicionar recursos de gerenciador de arquivos integrados, como o descompactação de arquivo.

Por padrão, o JumpFM apenas listará os primeiros 100 arquivos e/ou pastas em um diretório. Isso não seria muito difícil se houvesse uma maneira de “fazer uma página” para o resto dos resultados. Mas não existe. Isso pode ser muito frustrante quando lidar com pastas com muitos arquivos, especialmente aqueles que você deseja filtrar.

Você pode aumentar o limite de arquivos no arquivo de configurações, embora, como isso poderia afetar o desempenho, eu aconselharia não configurá-lo em um número ridiculamente alto.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar a versão mais recente do Media Center Kodi no Ubuntu

Como instalar o Media Center Kodi no Ubuntu

Já conhece o Kodi? Um multimídia player e central de mídia que anteriormente era conhecido como o XBMC. Se você quiser experimentar a versão, veja aqui como instalar a versão mais recente do Kodi Media Center no Ubuntu.


Kodi é um novo nome para o projeto XBMC. Atualmente Kodi pode ser usado para reproduzir quase todos os formatos populares de áudio e vídeo.

Como instalar a versão mais recente do Media Center Kodi no Ubuntu

Como instalar a versão mais recente do Media Center Kodi no Ubuntu

Ele foi projetado para a reprodução de rede, para que você possa transmitir o seu conteúdo multimídia a partir de qualquer lugar da casa ou diretamente da internet, usando praticamente qualquer protocolo disponível.

Com o Media Center Kodi você Utiliza a mídia como ela está, pois ele pode reproduzir CDs e DVDs diretamente do arquivo de disco ou de uma imagem, e suporta quase todos os formatos populares de arquivo do seu disco rígido, ele pode até mesmo reproduzir arquivos dentro de arquivos ZIP e RAR.

O programa pode digitalizar todas as suas mídias e criar automaticamente uma biblioteca personalizada completa com tampas de caixas (box covers), descrições e fanart.

Há funções de lista de reprodução e apresentação de slides, um recurso de previsão de tempo e muitas visualizações de áudio. Uma vez instalado, o computador se tornará um jukebox multimídia totalmente funcional.

Sua interface gráfica com o usuário (GUI) permite que o usuário navegue facilmente e veja vídeos, fotos, podcasts e música de um disco rígido, disco óptico, rede local e internet usando apenas alguns botões.

Kodi também está disponível para Android.

Como instalar o Media Center Kodi no Ubuntu

Como instalar o Media Center Kodi no Ubuntu

Novidades da versão mais recente do Media Center ​​Kodi

​​Kodi 17.4 é uma pequena atualização que entrega algumas correções de bugs e de segurança, que segundo a equipe do projeto, foram identificados após do lançamento da versão 17.3

. Para dar a essas correções uma corrida de teste adequada antes de chamá-la final, queremos primeiro disponibilizar este candidato para o público mais amplo que possa estar enfrentando algumas dessas questões que corrigimos. Basta navegar na lista abaixo e experimentá-la.

Para ver todas as novidades, consulte a nota de lançamento.

Conheça melhor o Media Center Kodi

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Media Center Kodi no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Media Center Kodi no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:team-xbmc/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install kodi 

Passo 5. Se quiser, você também pode instalar o encoder e addons através do comando;

sudo apt-get install --install-suggests kodi

Para instalar complementos (tais como PVR) disponíveis para Kodi, use o comando de instalação sudo apt-get, seguido do nome do pacote (que estão listados abaixo):

Nome do Pacote PVR Descrição
Kodi-pvr-dev Kodi Media Center (pacote de desenvolvedores adicionais PVR)
Kodi-pvr-argustv Kodi PVR Addon Argustv
Kodi-pvr-demo Kodi PVR Demo Addon
Kodi-pvr-dvbviewer Kodi PVR Addon Dvbviewer
Kodi-pvr-iptvsimple Kodi PVR Iptv Addon
Kodi-pvr-mediaportal-tvserver Kodi PVR Addon Mediaportal Tvserver
Kodi-pvr-mythtv Kodi PVR Adicionar MythTv – Cmyth
Kodi-pvr-nextpvr Kodi PVR Addon NextPvr
Kodi-pvr-njoy Kodi PVR Addon Njoy
Kodi-pvr-tvheadend-hts Kodi PVR Addon TvHeadend Hts
Kodi-pvr-vdr-vnsi Kodi PVR Addon VDR Vnsi
Kodi-pvr-vuplus Kodi PVR Addon Vuplus
Kodi-pvr-dvblink DVBLink PVR
Kodi-pvr-filmon FilmOn PVR
Kodi-pvr-hts TVHeadEnd PVR
Kodi-pvr-pctv PCTV PVR
Kodi-pvr-stalker Stalker PVR
Kodi-pvr-vbox VBox Home TV Gateway PVR cliente
Kodi-pvr-wmc WMC PVR
Shairplay Implementação gratuita do servidor portátil AirPlay

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o Kodi no Ubuntu, digite kodi no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Media Center Kodi no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Media Center Kodi no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o Kodi no Ubuntu, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove kodi
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o leitor de ebook Bookworm no Ubuntu e derivados

Como instalar o leitor de ebook Bookworm no Ubuntu e derivados

Se vocẽ quer visualizar e até gerenciar seus livros eletrônicos, veja como instalar o leitor de ebook Bookworm no Ubuntu e derivados.


O Bookworm é um simples leitor de livros eletrônicos criado com ênfase em um modo livre de distração. Foi desenvolvido por Siddhartha Das para poder abrir uma variedade de formatos de arquivo, incluindo epub, pdf, Mobi e CBR, entre outros.

Como instalar o leitor de ebook Bookworm no Ubuntu e derivados

Como instalar o leitor de ebook Bookworm no Ubuntu e derivados

O programa também funciona como um gerenciador de livros eletrônicos, pois permite organizar, classificar e editar suas coleções .epub, PDF, .cbr/CBS e .mobi, tudo dentro do mesmo aplicativo.

Esta versão suporta os formatos EPUB, PDF e Comics (CBR e CBZ) com suporte para mais formatos a serem suportados em breve.

Principais características do leitor de ebook Bookworm:

  • Exibe sua biblioteca com uma exibição de grade ou uma exibição de lista;
  • Editar metadados do livro é possível tanto na visualização de grade, quanto na exibição de lista;
  • Classifique metadados de e-book enquanto usa a visualização de lista;
  • Pesquise e filtre resultados usando a barra de pesquisa na visualização da biblioteca;
  • Suporte à tradução do Weblate;
  • Personalize família de fontes, tema de cores (modo escuro);
  • Use uma lista de linhas clicáveis ​​contendo frases de pesquisa, como elas são encontradas nos livros;
  • Suporte para favoritos e preferências de favoritos;
  • Índice de conteúdo que permite ignorar os capítulos;
  • Suporte para atalhos de teclado.

O Bookworm é atualmente construído para o sistema operacional Elementary OS, mas há planos para torná-lo distro agnóstico com a ajuda de Snaps ou Flatpacks no futuro. Se você já estiver usando o sistema operacional Elementary OS, o Bookworm está disponível para instalar no Appcenter.

Nesse tutorial, será mostrado como fazer para instalar ele no Ubuntu e derivados, usando o repositório do programa e do Elementary OS.

Conheça melhor o leitor de ebook Bookworm

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o leitor de ebook Bookworm no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o leitor de ebook Bookworm no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione os repositórios do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:bookworm-team/bookworm -y
sudo add-apt-repository ppa:elementary-os/stable -y

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install libgranite3 bookworm

Como instalar o leitor de ebook Bookworm manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite bookworm no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o leitor de ebook Bookworm no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o leitor de ebook Bookworm no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:bookworm-team/bookworm -r -y
sudo add-apt-repository ppa:elementary-os/stable -r -y
sudo apt-get remove bookworm
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Exportar para PDF – como instalar o GScan2PDF no Ubuntu

Exportar para PDF - como instalar o GScan2PDF no Ubuntu

Está precisando digitalizar documentos e quer exportar para PDF? Use um scanner e o gscan2pdf e transforme todos eles em arquivos nesse formato, de um jeito simples e rápido.


GScan2PDF é uma interface gráfica para facilitar o processo de produção de PDFs ou DjVus a partir de documentos digitalizados.

Exportar para PDF - como instalar o GScan2PDF no Ubuntu

Exportar para PDF – como instalar o GScan2PDF no Ubuntu

Com o programa você pode digitalizar páginas e exportar para PDFs. O usuário pode exportar scans um por um, em arquivos PDF separados, ou cria um PDF das páginas selecionadas.

São necessários cinco cliques para verificar várias páginas e, em seguida, salvar tudo ou uma seleção como um arquivo PDF ou DjVu, incluindo metadados, se necessário.

Gscan2pdf pode controlar scanners regulares ou alimentados por folhas (ADF) com SANE via libimage-sane-perl, scanimage ou scanadf e podem digitalizar várias páginas de uma vez. Ele apresenta uma visão em miniatura das páginas digitalizadas e permite operações simples, como cortar, girar e excluir páginas.

exportar para pdf GSCAN2PDF

OCR pode ser usado para reconhecer texto nas varreduras e a saída embutida no PDF ou DjVu. A conversão de PDF é feita por PDF :: API2. O documento resultante pode ser salvo como PDF, DjVu, arquivo TIFF de várias páginas ou arquivo de imagem de página única.

Suporte a scanner no Linux

Muitos scanners já são suportados pelo Linux, mas se você precisar de tutoriais sobre o suporte a esse tipo de dispositivo no sistema, consulte a lista abaixo:

Novidades da versão mais recente do GScan2PDF

Alterações no gscan2pdf 1.8.5 incluem:

  • Adicionado o suporte para Poppler (pdftops) como backend de postscript;
  • Removido o suporte para libsane-perl;
  • Permite reaplicar as configurações de digitalização atuais para os scanners que os redefinem quando forçam um recarregamento;
  • Eliminadas strings desnecessárias de gscan2pdf.pot, para evitar trabalhos desnecessários e confusão por parte dos tradutores;
  • Adicionado A3 aos tamanhos de papel padrão;
  • Atualizações de tradução.
  • Para saber mais sobre a última versão do programa, clique nesse link.

    Conheça melhor o GScan2PDF

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o GScan2PDF no Ubuntu e derivados para digitalizar documentos e exportar para PDF

    Para instalar o GScan2PDF no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:jeffreyratcliffe/ppa

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando abaixo:

    sudo apt-get install gscan2pdf

    Como instalar o GScan2PDF manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite gscan2pdf no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Depois, você já pode começar a digitalizar documentos e exportar para PDF, sempre que precisar.

    Desinstalando o GScan2PDF no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o GScan2PDF no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove gscan2pdf
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como melhorar o áudio do PC com o Pulse Audio Equalizer

    Como melhorar o áudio do PC com o Pulse Audio Equalizer

    Gosta de ouvir uma boa música e não está contente com o som do Ubuntu? Então veja como melhorar o áudio do PC com o Pulse Audio Equalizer.


    Áudio em Linux é algo bastante complexo que pode melhorar. Tudo interage com o servidor de som Pulse Audio. Muitos dispositivos de áudio diferentes e todos os programas comunicam com o sistema de alto-falantes do PC, a partir desse servidor. Por conta disso, tudo funciona e geralmente soa bem, pelo menos para a maioria das pessoas.

    Como melhorar o áudio do PC com o Pulse Audio Equalizer

    Como melhorar o áudio do PC com o Pulse Audio Equalizer

    Contudo, se você além de um usuário Linux for também um amante de música, terá um grande problema com o Pulse. Você poderá ficar desapontado ao descobrir que não pode ajustar toda a configuração de som do seu Linux (pelo menos facilmente) usando um equalizador.

    Chato, não é mesmo? Felizmente, alguém criou um software que torna bastante fácil de ter um equalizador de todo o sistema instalado e funcionando. O programa chama-se Pulse Audio Equalizer e certamente pode ajudar a melhorar o áudio do PC.

    Nota: O Pulse Audio Equalizer é um projeto que está sem atualizações há um bom tempo. Por isso, se você encontrar quaisquer erros ou problemas, infelizmente, você está sem sorte.

    Conheça melhor o Pulse Audio Equalizer

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Pulse Audio Equalizer e melhorar o áudio do P

    Para instalar o Pulse Audio Equalizer no Ubuntu para melhorar o áudio do pc e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Verifique qual a versão do seu sistema usando este comando:

    lsb_release -rcs

    Passo 3. Se você estiver usando Ubuntu 14.04, 14.10, 15.04, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:alex-wv/pulseaudio-equalizer-ppa

    Passo 4. Se você estiver usando Ubuntu 12.04, 14.04, 15.04 ou superior, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8

    Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install pulseaudio-equalizer

    Como instalar o Pulse Audio Equalizer manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link, e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Usando o Pulse Audio Equalizer para melhorar o áudio do pc

    Este equalizador é simples e fácil de usar. Uma vez instalado, tudo que você precisa fazer é executá-lo (digitando equalizer no Dash ou em um terminal, seguido da tecla TAB), para abrir a janela de configuração principal.

    A partir daqui, clique na seta abaixo de “Preset”. Percorra a lista e selecione a configuração que você acha que ficará melhor com o sistema de som do seu computador.

    Como melhorar o áudio do PC com o Pulse Audio Equalizer

    Depois disso, apenas marque a caixa “EQ Enabled” (EQ habilitado), a caixa “Keep Settings” (Manter configurações) e clique no botão “Apply” (Aplicar).

    Como melhorar o áudio do PC com o Pulse Audio Equalizer

    Isto se aplicará as configurações do equalizador diretamente para o sistema de som do Pulse (que também vai assumir como o principal saída de áudio no Pulse).

    Suas configurações recém aplicadas devem entrar em vigor quase que imediatamente.

    Desinstalando o Pulse Audio Equalizer no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Pulse Audio Equalizer no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove pulseaudio-equalizer
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o tema Matcha no Ubuntu e derivados

    Como instalar o tema Matcha no Ubuntu e derivados

    Se você gosta de temas planos e elegantes, como o Arc, veja como instalar o tema Matcha no Ubuntu e derivados.


    Existem muitos temas de design planos disponíveis para desktop Linux, como por exemplo, o Matcha, que é um tema plano com elementos transparentes, baseado no tema Arc.

    Como instalar o tema Matcha no Ubuntu e derivados

    Como instalar o tema Matcha no Ubuntu e derivados

    Matcha foi projetado para funcionar com a maioria dos ambientes de desktop, incluindo Gnome, Unity, Xfce, Mate, Cinnamon e assim por diante.

    Além do essencial, há também um tema para o Gnome Shell que pode acompanhar a versão Gtk.

    Conheça melhor o tema Matcha

    Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

    Instalando o tema Matcha no Ubuntu e derivados

    Para instalar o tema Matcha no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes

    Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o tema Matcha usando o seguinte comando:

    sudo apt-get install matcha-theme

    Como instalar o tema Matcha manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Desinstalando o tema Matcha no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o tema Matcha no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o tema Matcha, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove matcha-theme

    Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Franz – WhatsApp, Skype, Hangouts e outros mensageiros no mesmo app

    Franz - WhatsApp, Skype, Hangouts e outros mensageiros no mesmo app

    Que tal ter WhatsApp, Skype, Hangouts e outros mensageiros no mesmo app? Pois é isso já é possível graças ao Franz. Conheça melhor e veja com instalar esse incrível aplicativo.


    Franz é um aplicativo de mensagens que combina serviços de chat e mensagens em uma única aplicação. Ele atualmente suporta Slack, WhatsApp, WeChat, HipChat, Facebook Messenger, Telegram, o Google Hangouts, GroupMe, Skype e muito mais. Resumindo, com ele você pode ter vários mensageiros no mesmo app e fugir da dor de cabeça que é utilizar muitos aplicativos de bate papo.

    Franz - WhatsApp, Skype, Hangouts e outros mensageiros no mesmo app

    Franz – WhatsApp, Skype, Hangouts e outros mensageiros no mesmo app

    O programa é multiplataforma e possui versões para Mac, Windows e Linux. Nesse tutorial, você verá como instalar ele no Linux de uma forma que funciona em praticamente qualquer distribuição.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o Franz

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Franz no Linux e ter vários mensageiros no mesmo app

    Para instalar o Franz no Linux e ter vários mensageiros no mesmo app, você só precisa fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/franz*
    sudo rm -Rf /usr/bin/franz
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/franz.desktop

    Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome franz.tgz:

    wget https://github.com/meetfranz/franz-app/releases/download/4.0.4/Franz-linux-ia32-4.0.4.tgz -O franz.tgz

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome franz.tgz:

    wget https://github.com/meetfranz/franz-app/releases/download/4.0.4/Franz-linux-x64-4.0.4.tgz -O franz.tgz

    Passo 6. Crie uma pasta para o programa com este comando;

    sudo mkdir /opt/franz

    Passo 7. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

    sudo tar -vzxf franz.tgz -C /opt/franz/

    Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

    sudo ln -sf /opt/franz/Franz /usr/bin/franz

    Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=franz\n Exec=/opt/franz/Franz\n Icon=/opt/franz/resources/app.asar.unpacked/assets/franz.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/franz.desktop

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite franz em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou os comandos abaixo, e use-o para iniciar o programa.

    sudo chmod +x /usr/share/applications/franz.desktop

    cp /usr/share/applications/franz.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

    Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

    cp /usr/share/applications/franz.desktop ~/Desktop

    Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
    Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

    Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

    Como usar o Franz

    Depois de instalado e executado, para usar o Franz, faça o seguinte:
    Passo 1. Na tela inicial do programa, clique no serviço que você quer usar;

    Franz - WhatsApp, Skype, Hangouts e outros mensageiros no mesmo app

    Passo 2. Na janela que será exibida, marque as opções que quer usar e clique no botão de adicionar (no exemplo, "Add Messenger");

    Franz - WhatsApp, Skype, Hangouts e outros mensageiros no mesmo app

    Passo 3. Depois disso, o serviço será exibido na listagem "Enabled services" e a tela terá uma nova aba com o nome do serviço adicionado. Para configurar o serviço, clique na aba dele;

    Franz - WhatsApp, Skype, Hangouts e outros mensageiros no mesmo app

    Passo 4. Imediatamente será exibida a tela de configuração do serviços. Entre com as informações necessárias e confirme, clicando em "Continuar". Siga as instruções do programa e em pouco tempo você já poderá usar o serviço.

    Franz - WhatsApp, Skype, Hangouts e outros mensageiros no mesmo app

    Como remover o programa no Linux

    Para remover o programa no Linux, basta apagar a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/franz*
    sudo rm -Rf /usr/bin/franz
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/franz.desktop

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Verificar o processador no Linux – instale o aplicativo i7z

    Verificar o processador no Linux - instale o monitor de informações de processadores Intel i7z

    Se você precisa de uma ferramenta para monitorar as frequências da CPU de seu PC e verificar o processador no Linux, instale o i7z e resolva seu problema.


    i7z é uma ferramenta que exibe dados de processadores Intel Core i7, i5 e i3. O programa mostra o estado do Turbo Boost, informações de frequências por do núcleo da CPU, multiplicadores, temperatura, bem como os tempos gastos nos estados C0/C1/C3/C6/C7, tudo em tempo real.

    Verificar o processador no Linux - instale o monitor de informações de processadores Intel i7z

    Verificar o processador no Linux – instale o monitor de informações de processadores Intel i7z

    Esse utilitário possui uma versão modo texto (ncurses) e gráfica. No entanto, a versão com interface gráfica não tem todos os recursos disponíveis na versão de modo texto.

    Mais ainda, a versão gráfica pode incorretamente acrescentar valores de estado de C7 ao estado C0 em CPUs SandyBridge e Ivybridge. Por isso, ele relata as coisas de forma incorreta. Portanto, a versão modo texto é a mais recomendada.

    Conheça melhor o i7z

    Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

    Instalando o i7z para verificar o processador no Linux Ubuntu

    Para instalar o i7z para verificar o processador no Linux Ubuntu, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Instale o aplicativo usando esse comando:

    sudo apt-get install i7z

    Passo 3. Instale a versão com interface gráfica com o comando a baixo:

    sudo apt-get install i7z-gui

    Passo 4. Agora execute o programa com o comando:

    sudo i7z

    Verificar o processador no Linux - instale o monitor de informações de processadores Intel i7z

    Passo 5. Se preferir (não recomendado pelas razões expostas acima), execute a versão com interface gráfica usando o comando:

    gksu i7z_GUI

    Verificar o processador no Linux - instale o monitor de informações de processadores Intel i7z

    Como instalar o i7z manualmente ou em outras distros

    Para versões mais antigas do Ubuntu, você pode tentar usar os arquivos DEB para Ubuntu 13.10, que você pode baixar aqui: 32-bit | 64-bit (os pacotes deb podem ser encontrados em “Built files” na parte inferior).

    Instalando o i7z em outras distros para verificar o processador no Linux

    O i7z está disponível nos repositórios padrão da maioria das distribuições Linux. Por isso, para instalar o program nelas basta abrir o gerenciador de pacotes e procurar por ele. Em seguida instale o aplicativo e pronto!

    Pronto! Agora sempre que precisar, você pode rapidamente verificar o processador no Linux e ficar pode dentro de como ele está.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux

    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux

    Quer acessar o Internet Banking do Banco do Brasil no sistema do pinguim? Então veja neste tutorial como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux.


    Assim como a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil utiliza uma solução de segurança desenvolvida pela GAS Software, o Warsaw.

    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux

    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux

    O software é usado para dar mais segurança ao acesso dos clientes, mas as vezes, também pode dar muita dor de cabeça para aqueles que usam Linux. A boa noticia é que esse módulo de segurança do BB possui uma versão para Linux.

    Conheça melhor o módulo de segurança do Banco do Brasil (Warsaw)

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux

    É possível instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux de duas formas: executando um instalador (serve para a maioria das distribuições) ou utilizando pacotes DEB/RPM (somente para distribuições que suportam esses formatos). Escolha o método mais conveniente para você e siga um dos procedimentos abaixo.

    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux usando um instalador

    Para instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux usando um instalador, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa:

    wget https://www14.bancobrasil.com.br/downloads/ws/linux/diagbb-1.0.32.run -O diagbb.run

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa:

    wget https://www14.bancobrasil.com.br/downloads/ws/linux/diagbb-1.0.64.run -O diagbb.run

    Passo 6. Torne o arquivo executável com o comando abaixo;

    chmod +x diagbb.run

    Passo 7. Inicie a instalação do programa, com o seguinte comando;

    sudo ./diagbb.run

    Passo 8. Será exibida a tela de boas vindas de instalação do Módulo de Segurança Banco do Brasil. Para continuar, use as setas do teclado para ir até a opção “Sim” e tecle enter;

    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux

    Passo 9. Na próxima tela, selecione a opção “Instalar” para prosseguir com a instalação;

    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux

    Passo 10. Aguarde até que o Módulo de Segurança seja instalado;

    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux

    Passo 11. Depois que o Módulo de Segurança for instalado, será iniciada a geração e instalação do certificado, além de configurações em seus navegadores. Ao final do processo, você receberá a mensagem indicando o fim da instalação, e finalmente, o serviço do Módulo de Segurança será iniciado em seu computador.

    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux

    Passo 12. Reinicie seu computador e acesse o Autoatendimento BB na Internet.

    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux Ubuntu, Debian e derivados

    Para instalar o módulo de segurança Banco do Brasil no Ubuntu, Debian, e outros sistemas que suportam arquivos .deb, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Atualize o repositório de pacotes com o comando;

    sudo apt-get update

    Passo 3. Instale os pacotes libnss3-tools e libcurl3;

    sudo apt-get install libnss3-tools libcurl3

    Passo 4. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 5. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa;

    wget https://cloud.gastecnologia.com.br/bb/downloads/ws/warsaw_setup.deb -O warsaw.deb

    Passo 6. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa;

    wget https://cloud.gastecnologia.com.br/bb/downloads/ws/warsaw_setup64.deb -O warsaw.deb

    Passo 7. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i warsaw.deb

    Passo 8. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando;

    sudo apt-get install -f

    Passo 9. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo apt-get remove warsaw*

    Como instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux Fedora, OpenSUSE, CentOS e derivados

    Quem quiser instalar o módulo de segurança do Banco do Brasil no Linux Fedora, OpenSUSE, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa;

    wget https://cloud.gastecnologia.com.br/bb/downloads/ws/warsaw_setup.rpm -O warsaw.rpm

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa;

    wget https://cloud.gastecnologia.com.br/bb/downloads/ws/warsaw_setup64.rpm -O warsaw.rpm

    Passo 5. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo zypper install warsaw.rpm

    Passo 6. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo yum localinstall warsaw.rpm

    ou

    sudo dnf install warsaw.rpm

    Passo 7. Para instalar o programa na maioria das distros com suporte a arquivos RPM, use o comando:

    sudo rpm -i warsaw.rpm

    Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo rpm -e warsaw*

    Depois de instalar, reinicie seu computador, e em seguida, acesse o Internet Banking do Banco na Internet.

    Nos meus testes, o acesso funcionou tranquilamente no Firefox. No Google Chrome, o site continuou insistindo na instalação do Guardião, mesmo depois de dele já estar instalado.

    Se você teve alguma dificuldade ou descobriu algo útil ao processo, por favor, compartilhe suas informações nos comentários.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    Se você gosta de ficar mudando os ícones de seus sistema, conheça a lista dos melhores pacotes de ícones para o desktop Linux.


    Para quem gosta de variar o visual do seu sistema, ícones nunca são demais. Para sorte dos usuários de Linux, existem muitas opções desse tipo de recurso. Tanto, que quase que diariamente publico algo sobre isso.

    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    Para esse usuários, mostrarei alguns dos melhores pacotes de ícones para você usar no seu desktop. Esses pacotes vão desde conjuntos de ícones modernos e planos, até um pacote de ícones circular com um toque colorido.

    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    Confira abaixo a lista dos melhores pacote de ícones para o desktop Linux e depois escolha aquele que é o melhor para você. E no final, veja mais opções de ícones…

    Vibrancy Colors

    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    Vibrancy Color é um corajoso, moderno, bonito e “vibrante” pacote de ícones. Vibrancy é uma mistura de muitos projetos incríveis de temas de ícones livres, resultando em um novo e belo tema de ícones.

    Esse conjunto de cores é descrito como “moderno e limpo”. Faz uso de gradientes e sombreamento para mais detalhes e sofisticação e ícones de aplicativos arredondados para milhares de aplicativos

    Como instalar o Vibrancy Colors

    Para instalar esse conjunto de ícones, acesse esse tutorial:
    Instalando o pacote de ícones Vibrancy Colors no Debian, Ubuntu e derivados


    Moka

    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    Moka é um conjunto de ícones estilizado para o desktop Linux. Eles foram projetados para serem um claros, simples e consistentes. Apesar de ser um tema moderno, Moka não usa ícones vetorizados. Em vez disso, cada ícone foi perfeitamente concebido em sete tamanhos para o melhor resultado em toda a sua área de trabalho.

    Os ícones Moka usam uma forma de azulejo arredondado para todos os seus ícones de aplicativos. Não é um tema plano por si só, com uma mistura de ícones simples e claros e desenhos mais intrincados.

    Como instalar o Moka

    Para instalar esse conjunto de ícones, acesse esse tutorial:
    Como instalar o conjunto de ícones Moka no Ubuntu e derivados


    Obsidian

    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    O conjunto de ícones Obisidian baseia-se no tema de ícone Faenza. Ele oferece ícones para painéis, barras de ferramentas e botões e ícones quadrados coloridos para dispositivos, aplicativos, pastas, arquivos e itens de menu, e há duas versões incluídas para atender temas claros ou escuros.

    Obsidian possui uma pilha de ícones voltados para aplicativos clássicos, como o Firefox, o GIMP e o LibreOffice, e oferece suporte amplo para aplicativos mais novos, como Vivaldi, Wire e Signal.

    Como instalar o Obsidian

    Para instalar esse conjunto de ícones, acesse esse tutorial:
    Instalando o conjunto de ícones Obisidian no Ubuntu e derivados


    Papirus

    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    Papirus é um conjunto de ícones para o KDE desktop, que agora também está disponível para outros ambientes de trabalho, como Unity, Gnome, Mate, Cinnamon e outros.

    Ele é o pacote de ícones perfeito para a moderna área de trabalho do Linux. Além de ser colorido, inventivo e bem ajustado, o conjunto ainda consegue manter uma coesão. Existem duas variantes deste pacote de ícones com ícones do painel de claros e escuros, e ele tem mais de 1000 ícones para diferentes aplicações.

    Como instalar o Papirus

    Para instalar esse conjunto de ícones, acesse esse tutorial:
    Instalando o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu


    Shadow

    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    Shadow é um conjunto de ícones recém-chegado ao desktop Linux. Seu maior diferencial, é que ele fica muito bonito com todo o tipo de tema. Usando glifos 2D simplistas e uma longa sombra que cai para a esquerda, o tema do ícone Sombra segue a tendência “Material Design” que atualmente é bastante popular.

    Além disso, os ícones das aplicações são predominantemente redondos e duotônicos, embora as pastas sejam quadradas e azuis e há uma variedade de tipos de mime de arquivos.

    Como instalar o Shadow

    Para instalar esse conjunto de ícones, acesse esse tutorial:
    Instalando o conjunto de Ícones Shadow no Ubuntu


    Uniform

    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    Existem muitos temas de ícones disponíveis para Linux, e normalmente, todos os ícones de um pacote têm o mesmo padrão. Mas este não é o caso do conjunto de ícones Uniform. É, eles são assim mesmo, totalmente sem uma forma padrão. Isso os torna únicos e ao mesmo tempo interessantes.

    Qual seria então a vantagem desses ícones? Esse “diferencial” na forma deles, ajuda a dar à sua área de trabalho uma sensação informal e despojada.

    Como instalar o Uniform

    Para instalar esse conjunto de ícones, acesse esse tutorial:
    Instalando o conjunto de ícones Uniform no Ubuntu


    Numix

    Conheça os melhores pacotes de ícones para o desktop Linux

    Projeto Numix é conhecido por criar temas e ícones de alta qualidade para desktop Linux GTK. E o pacote Numix Icon Packs é um conjunto dos principais pacotes de ícones desse projeto.

    Este pacote contem duas variantes de ícone temáticos: Numix Main e Numix circle. Cada variante contém mais de 700 ícones, todos eles estão em desenvolvimento e os criadores liberam uma versão de atualização semanal, com novos ícones, o que significa que você pode sugerir ícones para os criadores.

    Como instalar o Numix

    Para instalar esse conjunto de ícones, acesse esse tutorial:
    Mude o visual: Instale Numix Icon Packs no Ubuntu e derivados


    Esses são os melhores?

    Não. Esses na verdade não são os melhores conjuntos de ícones para o desktop Linux. Até porque, o conceito de “melhor” depende do gosto de cada.

    Por isso, abaixo você verá uma lista de artigos sobre conjuntos de ícones, para escolher qual deles é o melhor, para você (e seu desktop):

  • Mais artigos sobre ícones…
  • Faltou algum pacote de ícones? Coloque nos comentários que publicarei. Obrigado!!

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Depois de aprender a instalar no Ubuntu e derivados, é hora de aprender a integrar o Xtreme Download Manager ao Firefox, Opera, Chrome e a outros navegadores.


    Xtreme Download Manager (XDM) é utilitário de gerenciamento de download que tem a capacidade de aumentar a velocidade de download.

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Ele também permite pausar/retomar downloads, pegar vídeos disponíveis na internet, fazer agendamento de downloads, algoritmo de segmentação dinâmica, compressão de dados e reutilização da conexão para acelerar o processo de download.

    O programa possui suporte a HTTP, HTTPS e FTP, firewalls, servidores proxy, redirecionamentos de arquivos, cookies, autorização etc, e até mesmo pode retomar downloads quebrados que não oferecem a opção de retomar.

    Apesar de muito poderoso, infelizmente, o Xtreme Download Manager não se integra automaticamente com os navegadores, sendo necessário um pequeno procedimento para fazer isso.

    A boa notícia é que o procedimento é bem simples e rápido e funciona no Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores. Acompanhe.

    Conheça melhor o Xtreme Download Manager

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox

    No Firefox, tudo que você precisa fazer é instalar uma extensão acessando o seguinte endereço:
    http://127.0.0.1:9614/xdmff.xpi
    Quando aparecer a tela de instalação, apenas confirme e estará pronto.

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Chrome/Chromium

    Para integrar o Xtreme Download Manager com o Chrome/Chromium, faça o seguinte:
    Passo 1. Digite “chrome://extensions” na caixa de endereço do Google Chrome e tecle enter. Na tela que será exibida, marque a opção “Modo do desenvolvedor”, e em seguida, clique no botão “Carregar extensão expandida…”;

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Passo 3. Na janela “Selecionar o diretório da extensão”, vá até a sua pasta de usuário (/home/usuario) e clique na pasta xdm-helper. Finalmente, clique no botão “Open” (Abrir). Assim que a janela fechar, você já verá a extensão instalada e ativa no Chrome.

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Como integrar o Xtreme Download Manager nos principais navegadores do Linux

    Para integrar o Xtreme Download Manager nos principais navegadores do Linux, siga as instruções abaixo,

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Opera

    Vá para a tela de “Preferências” do Opera, depois clique na aba “Avançado”, em seguida no item “Rede” e finalmente, clique no botão na opção “Servidores Proxy”. Marque a opção”Usar configuração automática de proxy” e forneça o seguinte endereço: http://127.0.0.1:9614/proxy.pac

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Como integrar o Xtreme Download Manager com outros navegadores

    No Ubuntu, para integrar o Xtreme Download Manager com outros navegadores, vá para “Configurações do Sistema”, depois para “Rede” e finalmente para “Proxy da rede”. Na configuração, mude o campo “Método” para “Automático”. Para completar, cole o seguinte endereço no campo “URL de configuração”: http://127.0.0.1:9614/proxy.pac

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Quer saber mais sobre proxy no Ubuntu?
    Como configurar o acesso via proxy no UbuntuPara saber mais detalhes sobre a integração do XDM com os navegadores, clique no menu “Tools” e depois na opção “Browser Integration”.

    integrar-o-xtreme-download-manager-4

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

    Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

    Se você não quer usar o navegador que veio na sua distribuição e quer usar outro como o padrão do sistema, veja como fazer para definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados.


    A maioria das distribuições Linux são liberadas com o Mozilla Firefox, um dos navegadores de código aberto mais utilizados no mundo.

    Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

    Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

    Mas nos repositórios oficiais também existem outros navegadores com características muito diferentes uns dos outros, como o Chromium (versão open source do Google Chrome), Midori, Gnome Web (também chamado Epiphany), Rekonq ou Konqueror e etc, além dos proprietários Maxthon, Opera e vários outros.

    A boa noticia é que se você não gosta de ter o Firefox definido como navegador padrão do sistema, basta instalar outro navegador em sua distribuição. Depois disso, você pode defini-lo como browser padrão na opção correspondente, que normalmente, o próprio navegador oferece.

    Infelizmente, essa operação nem sempre funciona corretamente.

    Por exemplo, se o Google Chrome ou o navegador Chromium estiverem instalados, você irá notar que cada vez que o navegador é iniciado, ele exibe uma mensagem questionando se o usuário quer defini-lo como navegador padrão, mesmo quando ele já é.

    Para resolver o problema, basta seguir os passos desse pequeno tutorial abaixo. A vantagem dessa abordagem é que você não depende de um navegador especifico, e sempre que você quiser mudar o navegador padrão, basta executá-la novamente.

    Mas atenção! O método abaixo não é a única forma de definiri o navegador padrão do sistema. Ele se destaca por ser o único que está embutido no gerenciamento de pacotes das distribuições baseadas em Debian e por não necessitar de uma interface gráfica.

    Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

    Para definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Defina o navegador padrão, digitando o comando a seguir e teclando “enter”:

    sudo update-alternatives --config x-www-browser

    Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

    Passo 3. Digite o número do navegador e confirme.

    No caso do Ubuntu, para definir o navegador padrão, você pode usar esse tutorial:
    Como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu

    Pronto! Agora sua distribuição irá usar como padrão o navegador que você escolheu, e sempre que precisar, você pode refazer a mudança.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instalando a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu

    Instalando a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu

    Quer descobrir a diferença entre algumas imagens? Então experimente instalar a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu.


    DiffImg é uma ferramenta de comparação de imagens escrito em Qt, que pode ser utilizado para comparar duas imagens e exibir as posições onde estão os pixels diferentes.

    Instalando a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu

    Entre outros, ele tem uma interface intuitiva, usando OpenCV como backend pode ler e comparar as imagens de 8/16/24/32 bits sem problema, mas não tem suporte a canal alfa.

    Uma das principais utilidades dessa ferramenta é verificação de modificações em imagens, onde várias métricas podem ser utilizadas para o cálculo de diferenças entre elas.

    Como o DiffImg é escrito com Qt, funciona em Windows e Linux (talvez MacOSX) e OS/2. Além disso, ele pode ler os formatos básicos como BMP, PNG, JPG, mas também Tiff e OpenExR.

    Conheça melhor a ferramenta de comparação de imagens DiffImg

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:dhor/myway

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install diffimg

    Como instalar a ferramenta de comparação de imagens DiffImg manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite diffimg no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se depois você precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:dhor/myway --remove
    sudo apt-get remove diffimg
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o gerenciador de arquivos Sunflower no Linux

    Como instalar o gerenciador de arquivos Sunflower no Linux

    Procurando uma nova opção para administrar seus arquivos? Então veja como instalar o gerenciador de arquivos Sunflower no Ubuntu, Debian e derivados.


    Sunflower é um gerenciador de arquivos com painel duplo altamente personalizável para Linux e Unix. O programa foi escrito em GTK e embora ele já venha com alguns plugins habilitados por padrão, novos plugins podem ser adicionados.

    Como instalar o gerenciador de arquivos Sunflower no Linux

    De acordo com a página do aplicativo, seu principal objetivo é ser um gerenciador de arquivos fácil de usar e poderoso que se integra perfeitamente ao ambiente de desktop GNOME, além de outros ambientes.

    Atenção! Alguns pacotes desse programa estão um pouco desatualizados, por isso, pode ser que em algumas versões do Linux ele talvez não seja possível instalar ele.

    Conheça melhor o gerenciador de arquivos Sunflower

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o gerenciador de arquivos Sunflower no Ubuntu e seus derivados via repositório

    Para instalar o gerenciador de arquivos Sunflower no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo add-apt-repository ppa:atareao/sunflower

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install sunflower

    Passo 5. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo apt-get remove sunflower*

    Como instalar o programa no Linux Ubuntu, Debian e derivados

    Quem quiser instalar o programa no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se você usa Debian ou um sistema derivados dele, use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sunflower.deb:

    wget http://sunflower-fm.org/pub/sunflower-0.3.61-1.all.deb -O sunflower.deb

    Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i sunflower.deb

    Passo 4. Caso seja necessário (Por exemplo, se ocorrer um erro na instalação do aplicativo), instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Passo 5. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo apt-get remove sunflower*

    Como instalar o programa no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados

    Quem quiser instalar o programa no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se você usa OpenSUSE ou um sistema derivados dele, use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sunflower.rpm:

    wget http://sunflower-fm.org/pub/sunflower-0.3.61-1.noarch.opensuse.rpm -O sunflower.rpm

    Passo 3. Se você usa Fedora, RedHat ou um sistema derivados deles, use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sunflower.rpm:

    wget http://sunflower-fm.org/pub/sunflower-0.3.61-1.noarch.rpm -O sunflower.rpm

    Passo 4. Se você usa PCLinuxOS ou um sistema derivados deles, use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sunflower.rpm:

    wget http://sunflower-fm.org/pub/sunflower-0.3.61-1.noarch.rpm -O sunflower.rpm

    Passo 5. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo zypper install sunflower.rpm

    Passo 6. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo yum localinstall sunflower.rpm

    ou

    sudo dnf install sunflower.rpm

    Passo 7. Para instalar o programa na maioria das distro com suporte a arquivos RPM, use o comando:

    sudo rpm -i sunflower.rpm

    Passo 8. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo rpm -e sunflower*

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite sunflower em um terminal, seguido da tecla TAB.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    20 de agosto de 2017

    Resumo semanal de 14/08/2017 a 20/08/2017! Atualize-se!

    Resumo semanal de 14/08/2017 a 20/08/2017! Atualize-se!

    Você já sabe como instalar o ArcMenu, um bonito menu para o GNOME 3? Ou já conhece a Ubuntu Dock, a nova Dock do Ubuntu 17.10? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essas postagens. Mas não se preocupe, leia o resumo semanal de 14/08/2017 a 20/08/2017 e se atualize.


    Mas você já deve saber que o GPD Pocket com Ubuntu já está sendo enviado? Ou já viu a lista de distribuições Linux inspiradas no macOS? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

    Resumo semanal de 14/08/2017 a 20/08/2017! Atualize-se!

    Resumo semanal de 14/08/2017 a 20/08/2017! Atualize-se!

    Resumo semanal de 14/08/2017 a 20/08/2017

    14/08/2017

    15/08/2017

    16/08/2017

    17/08/2017

    18/08/2017

    19/08/2017

    Chegou o Ubuntu 17.04

    Conheça melhor e experimente o Ubuntu Kylin 17.04

    Já conhece o Ubuntu Kylin 17.04? Não? Veja mais detalhes sobre essa distribuição no artigo abaixo:
    Ubuntu Kylin 17.04 também já está disponível para download

    Originalmente, Ubuntu Kylin entregava um desktop como Ubuntu Unity, mas a partir dessa versão 17.04, ele substituído por um desktop personalizado chamado UKUI (baseado no MATE). O novo ambiente é um movimento de última hora (como resultado da recente decisão da Canonical de abandonar o desktop Unity).

    UKUI é um desktop personalizado baseado no MATE, redesenhado com um novo menu Iniciar, painel de controle, barra de tarefas da área de trabalho, tema da área de trabalho e ícones.

    Para ver o novo ambiente, assista esse vídeo:



    Conheça melhor e experimente o Ubuntu deepin 15.4

    Já conhece também o deepin 15.4? Veja mais detalhes sobre essa distribuição no artigo abaixo:
    Deepin 15.4 já está disponível para download

    Deepin (anteriormente Deepin, Linux Deepin, Hiweed GNU/Linux) é uma distribuição baseada em Debian (foi baseada no Ubuntu até a versão 15, lançada no final de 2015), que visa fornecer um sistema operacional elegante, fácil de usar e confiável.

    Para ver a distro, assista esse vídeo:



    Ubuntu 16.04

    Quem quiser experimentar o Ubuntu 16.04 pode baixá-lo, acessando os links nessa postagem.

    Como atualizar para o Ubuntu 16.04

    Quem precisar atualizar para o Ubuntu 16.04, basta seguir esses tutoriais:

  • Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.10
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.10 na versão desktop
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.10 via terminal
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.10 usando o disco de instalação
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.04

    Quem precisar atualizar para o Ubuntu 16.04, basta seguir esses tutoriais:
    Como atualizar para o Ubuntu 16.04 na versão desktop
    Como atualizar para o Ubuntu 16.04 via terminal (server e desktop)
    Como atualizar para o Ubuntu 16.04 usando o disco de instalação

    Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.04

    Quem acabou de mudar para o Ubuntu 16.04, pode dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
    Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.04

    Veja também

  • Como Instalar o Adobe Flash Player no Ubuntu
  • Google Chrome no Ubuntu, Fedora e derivados – veja como instalar
  • Como instalar a versão mais recente do Wine no Ubuntu
  • Como instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu
  • Usando WhatsApp no Linux com Whatsie
  • Recuperando o boot do Linux (Grub), depois de instalar o Windows
  • Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.04
  • Como criar um pendrive bootável do Windows no Linux
  • 19 de agosto de 2017

    LibreELEC 8.1.0 Beta lançado! Confira as novidades e baixe!

    LibreELEC 8.1.0 Beta lançado! Confira as novidades e baixe!

    O projeto LibreELEC lançou um novo snapshot de desenvolvimento, o LibreELEC 8.1.0 Beta. Conheça mais um pouco sobre o sistema e descubra onde baixá-lo.


    O LibreELEC é um sistema operacional multi-plataforma e mínimo para executar o media center Kodi. Ele é “apenas o sistema operacional suficiente” para executar o centro de mídia Kodi, pois essa é uma distribuição Linux construída para executar o Kodi em um hardware atual e popular.

    LibreELEC 8.1.0 Beta lançado! Confira as novidades e baixe!

    LibreELEC 8.1.0 Beta lançado! Confira as novidades e baixe!

    O software é um fork e uma evolução do projeto OpenELEC, e por isso, é familiar para usuários OpenELEC. A distribuição é executada em computadores desktop x86, dispositivos Raspberry Pi e computadores ODroid e WeTek.

    Novidades do LibreELEC 8.1.0 Beta

    O novo snapshot expande a biblioteca de segurança LibreSSL para o OpenSSL, apresenta suporte ao protocolo SMB3 através do Samba 4.6 e apresenta várias atualizações de driver e firmware.

    Este beta busca aprimorar o suporte e as capacidades de hardware. LibreELEC 8.1.0 Beta adiciona suporte HEVC de 10 bits para as recentes gerações de GPU’s Intel, Samba 4.6 (que traz suporte para SMB2/SMB3), e vários problemas SSL foram resolvidos em uma mudança para o OpenSSL.

    A equipe do projeto continua a refinar o firmware que incorporou: Removendo arquivos antigos e não utilizados para reduzir o tamanho da imagem ao adicionar novos drivers e firmwares com base nas descobertas da equipe e nos relatórios dos usuários.

    Nessa versão, o Kodi foi atualizado para a versão 17.4-RC1 com pequenas correções de bugs desde a v17.3 e o driver nVidia foi atualizado para a versão 384.59.

    Para saber mais sobre essa versão da distribuição, acesse a nota de lançamento.

    Conheça melhor a distribuição LibreELEC

    Para saber mais sobre a distribuição LibreELEC, clique nesse link.

    Baixe e experimente o LibreELEC 8.1.0 Beta

    A imagem ISO do LibreELEC 8.1.0 Beta já pode ser baixada acessando a página de download da distribuição.

    Verifique se a imagem ISO está corrompida

    Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
    Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

    Como gravar uma imagem ISO no Linux

    Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
    Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
    Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
    Como criar um pendrive de instalação
    Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
    Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar a última versão do qBittorrent no Ubuntu

    Como instalar a última versão do qBittorrent no Ubuntu

    Você costuma baixar arquivo torrents e usa ou quer experimentar o qBittorrent no Ubuntu? Então veja aqui como instalar a última versão do dele.


    O qBittorrent é um cliente BitTorrent multiplataforma e de código aberto. Ele foi escrito em C++/Qt4, usando a biblioteca LibTorrent-rasterbar, e foi criado para ser uma alternativa ao popular cliente μtorrent.

    Como instalar a última versão do qBittorrent no Ubuntu

    Como instalar a última versão do qBittorrent no Ubuntu

    QBittorrent é rápido, estável, leve, suporta unicode e fornece um bom motor de busca integrado. Ele também vem com o encaminhamento de porta UPnP/NAT-PMP, criptografia (compatível com Vuze), FAST extension (mainline) e suporta PeX (compatível com utorrent).

    A aplicação vem com um motor de busca integrado, possui interface web, suporte para download sequencial, scheduler banda larga, suporte a RSS avançado com filtros de download, ferramenta de criação de torrent, filtragem IP e outras características úteis.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o qBittorrent

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o qBittorrent no Ubuntu e derivados

    Enquanto os repositórios oficiais do Ubuntu fornecem uma versão antiga, com esse tutorial você aprenderá a instalar a última versão do qBittorrent no Ubuntu e sistemas derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:qbittorrent-team/qbittorrent-stable

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install qbittorrent

    Como instalar o qBittorrent manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite qbittorrent no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB)

    Instalando o qBittorrent no Ubuntu server

    Você pode instalar o daemon qBittorrent Ubuntu server e gerenciá-lo através da interface Web do qBittorrent. Para isso, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando;

    sudo add-apt-repository ppa:qbittorrent-team/qbittorrent-stable

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install qbittorrent-nox

    Passo 5. Uma vez instalado, crie um usuário para o qBittorrent;

    sudo adduser qbtuser

    Passo 6. Você será solicitado para definir a senha para este usuário. Em seguida, adicione este usuário ao grupo sudo.

    sudo gpasswd -a qbtuser sudo

    Passo 7. Em seguida, crie um arquivo de serviço systemd qbittorrent-nox, usando este comando;

    echo -e '[Unit]\n Description=qBittorrent Daemon Service\n After=network.target\n \n [Service]\n Type=forking\n User=qbtuser\n ExecStart=/usr/bin/qbittorrent-nox -d\n \n [Install]\n WantedBy=multi-user.target'| sudo tee /etc/systemd/system/qbittorrent-nox.service

    Passo 8. Agora, inicie o qBittorrent-nox:

    sudo systemctl start qbittorrent-nox

    Passo 9. Você também pode querer ativar a inicialização automática do serviço quando o Ubuntu iniciar;

    sudo systemctl enable qbittorrent-nox

    Passo 10. Se quiser verificar o status do serviço, use este comando:

    systemctl status qbittorrent-nox

    Passo 11. Com o serviço ativo, você já pode acessar a interface Web, digitando na barra de endereços do navegador, o endereço ip do servidor seguido de :8080, como no exemplo abaixo;

    ip-do-servidor:8080

    Como instalar a última versão do qBittorrent no Ubuntu

    Desinstalando o qBittorrent no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o qBittorrent no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove qbittorrent
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Quer ouvir rádios online no Linux? Use o Gradio

    Quer ouvir rádios online no Linux? Use o Gradio

    Na hora de ouvir rádios online no Linux, quanto mais opções melhor, certo? Pois então conheça e veja como instalar o Gradio em seu sistema.


    Já existem algumas aplicações disponíveis para ouvir estações de rádio internet no Desktop. Mas Gradio é algo novo. O programa permite que os usuários possam encontrar estações de rádio, digitando em sua caixa de pesquisa. Em seguida, já é possível ouvir uma rádio de internet, apenas clicando sobre ela.

    Quer ouvir rádios online no Linux? Use o Gradio

    Quer ouvir rádios online no Linux? Use o Gradio

    A versão mais recente do Gradio requer GTK3 >= 3.18, por isso ele funciona no Ubuntu 16.04, o Ubuntu 16.10, e seus derivados, como por exemplo, o Linux Mint 18 e Elementary OS 0.4 Loki. Para versões mais antigas, use esse link.

    Conheça melhor o Gradio

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Gradio para ouvir rádios online no Linux Ubuntu

    Gradio está disponível nos repositórios oficiais nas versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install gradio. No entanto, essa nem sempre é a versão mais recente. Por isso, para ter a última versão do Gradio no Ubuntu mais atual, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:haecker-felix/gradio-daily

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install gradio

    Como instalar o Gradio manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link (Ubuntu 16.04 e 16.10) ou esse linke instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite programa no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB) e comece a ouvir rádios online no Linux.

    Desinstalando o Gradio no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Gradio no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:haecker-felix/gradio-daily --remove
    sudo apt-get remove gradio
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instale a dock Plank e o Plank-Themer no Ubuntu

    Instale a dock Plank e o Plank-Themer no Ubuntu

    Quer uma dock simples e com temas variados? Então instale a dock Plank e o Plank-Themer no Ubuntu.


    Plank pretende ser a dock mais simples do planeta. O objetivo dela é fornecer exatamente o que o usuário precisa de uma dock e absolutamente nada mais.

    Instale a dock Plank e o Plank-Themer no Ubuntu

    Instale a dock Plank e o Plank-Themer no Ubuntu

    Já o Plank-Themer é um pequeno programa que permite que você altere temas da dock Plank sem qualquer consumo adicional de recursos. Ele permite que você escolha os temas de forma rápida e fácil.

    Para ficar ainda mais simples, este pequeno programa escrito em bash script, agora está disponível via repositório PPA, para que o usuário faça uma instalação fácil e depois ainda possa receber as atualizações posteriores.

    Instale a dock Plank e o Plank-Themer no Ubuntu

    Conheça melhor a dock e o tema Plank

    Para saber mais sobre o Plank-Themer, clique nesse link e sobre a dock, clique nesse outro link.

    Instalando a dock Plank no Ubuntu e derivados

    Para instalar a dock Plank no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:docky-core/stable

    Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale a dock usando o seguinte comando:

    sudo apt-get install plank

    Como instalar a dock Plank manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Instalando o Plank-Themer no Ubuntu e derivados

    Para instalar o Plank-Themer no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:noobslab/apps

    Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o tema usando os seguintes comandos:

    sudo apt-get install plank-themer
    cd /tmp/ && ./Replace.sh;cd

    Como instalar o Plank-Themer manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar a dock, digite plank no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB). Ou simplesmente feche a sessão atual e entre novamente.

    Desinstalando a dock Plank e o Plank-Themer no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar a dock Plank e o Plank-Themer no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove plank plank-themer
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o Gnome Twitch no Linux via Snap

    Como instalar o Gnome Twitch no Linux via Snap

    Se vocês estava querendo usar o Gnome Twitch em seu sistema, veja como instalar o Gnome Twitch no Linux via Snap em distros que suportam essa tecnologia.


    O Gnome Twitch é um app Twitch não oficial, que permite assistir em um desktop Linux as transmissões desse serviço. Com ele você pode desfrutar de seus streams favoritos, sem o incômodo de ter de usar um navegador web, ou o Adobe Flash.

    Como instalar o Gnome Twitch no Linux via Snap

    Como instalar o Gnome Twitch no Linux via Snap

    Esse projeto Gnome Twitch é novo, baseado em GTK 3, e utiliza gstreamer 1.0, para lidar com a reprodução de áudio e vídeo.

    A boa notícia é que agora, o aplicativo também está disponível como pacote Snap no canal beta para testes. E nesse tutorial, você verá como instalar essa versão do programa.

    Alternativa ao Gnome Twitch

    Mas se você procura por uma opção mais simples para ter Twitch no Ubuntu, veja esse outro tutorial:
    Instale o Twitch Indicator e rastreie os canais que você segue no Twitch

    Como instalar o Gnome Twitch no Ubuntu e derivados

    Se você usa Ubuntu, experimente usar esse outro tutorial. Se não servir, então faça a instalação via Snap.
    Como instalar o Gnome Twitch no Ubuntu

    Conheça melhor o Gnome Twitch

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Gnome Twitch no Linux via Snap em distros que suportam essa tecnologia

    Para instalar a versão mais recente do Gnome Twitch no Linux via Snap, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com esse comando (caso ainda não esteja instalado). Em versões recentes do Ubuntu (como 16.04 e 16.10 ou 17.04), este ele já deve estar instalado por padrão. Para o Ubuntu 14.04, você precisa instalar o snapd com esse comando;

    sudo apt install snapd snapd-xdg-open

    Passo 3. Instale a versão mais recente do Gnome Twitch no Ubuntu via SNAP, usando esse comando:

    sudo snap install --beta gnome-twitch
    sudo snap install gnome-3-24
    sudo snap connect gnome-twitch:gnome-3-24-platform gnome-3-24:gnome-3-24-platform

    Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o snap xx, use:

    sudo snap refresh gnome-twitch

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite gnome-twitch no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o Gnome Twitch no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Gnome Twitch no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo snap remove gnome-twitch
    sudo snap remove gnome-3-24

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o Calibre no Linux de um jeito simples

    Como instalar o Calibre no Linux de um jeito simples

    Se você procura uma forma de gerenciar seus livros eletrônicos, experimente instalar o Calibre no Linux. O programa pode tornar o controle de seus e-books muito mais simples.


    Calibre é um software de gerenciamento de livros eletrônicos de código aberto, com muitos recursos interessantes, incluindo a conversão de e-book, visualizador de e-book, biblioteca para sincronização com leitor de ebook e suporte para os formatos de e-book mais populares como epub, cbz, mobi, fb2 e etc.

    Como instalar o Calibre no Linux de um jeito simples

    Como instalar o Calibre no Linux de um jeito simples

    Por ser multiplataforma, o aplicativo funciona em Linux, Windows e Mac OS X.

    O programa possui um editor de ebooks (que permite modificar ebooks já convertidos) com suporte aos populares formatos EPUB e AZW3 (Kindle) e também um suporte para dispositivos MTP (Android phones/tablets) no Mac OS X e o suporte para os sites General Knowledge Today, BBC Arabic, TIME Magazine, The Atlantic, Down to Earth, Heraldo de Aragón, Radikal (portal turco), Wired Daily Edition e Orange County Register.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Para ver com detalhes todas as novidades da versão mais recente, acesse esse link.

    Conheça melhor o Calibre

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Calibre no Linux

    Para a grande maioria das distribuições Linux ainda não existe um repositório disponível para o Calibre, mas os desenvolvedores do programa fornecem um instalador em Python para instalar a versão mais recente do programa.

    Por isso, para instalar o Calibre no Linux, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Instale o Calibre no Linux, executando o seguinte comando (lembre-se de usar aspas simples e duplas, caso o site esteja exibindo aspas inglesas):

    sudo -v && wget -nv -O- https://raw.githubusercontent.com/kovidgoyal/calibre/master/setup/linux-installer.py | sudo python -c "import sys; main=lambda:sys.stderr.write('Download failed\n'); exec(sys.stdin.read()); main()"

    Passo 3. Após a instalação, se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=calibre\n Exec=/opt/calibre/calibre\n Icon=/opt/calibre/resources/images/library.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/calibre.desktop

    Passo 4. Coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou com o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

    sudo chmod +x /usr/share/applications/calibre.desktop
    cp /usr/share/applications/calibre.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

    Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

    cp /usr/share/applications/calibre.desktop ~/Desktop

    Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
    Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

    Como instalar o Calibre no Arch Linux, Manjaro, ArchBang, Antergos e derivados

    Para Arch Linux, Manjaro, Antergos e outros sistemas baseados no Arch Linux, Calibre está disponível através do repositório AUR. Nesse caso, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se ainda não tiver, instale o yaourt com o comando;

    sudo pacman -Sy yaourt

    Passo 3. Agora use o comando abaixo para instalar o Calibre;

    sudo yaourt calibre

    Executando e configurando o Calibre

    Passo 1. Depois de instalado, execute o atalho do programa ou digite calibre em um terminal;
    Passo 2. Na primeira inicialização, será exibida uma sequencia de telas do assistente de inicialização do Calibre. Na primeira delas, selecione o fabricante do seu dispositivo de livros digitais, depois o dispositivo e em seguida, clique no botão “Seguinte”.

    calibre no Linux

    Passo 3. Na próxima tela, se necessário, marque a marque a opção “Ligar servidor de conteúdo” para poder acessar sua coleção de livros do Calibre diretamente no dispositivo, via rede sem fio. Para continuar, clique no botão “Seguinte”;
    calibre no Linux
    Passo 4. Na última tela, apenas clique no botão “Concluir”.
    calibre no Linux

    Pronto! A partir de agora você já pode começar a fazer o gerenciamento de livros digitais com o Calibre e organizar a sua biblioteca.

    Desinstalando o Calibre no Linux

    Se você instalou o Calibre no Linux usando o primeiro método e depois precisar desinstalar o programa, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Apague a pasta, o link e o atalho criados pelo instalador, usando esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/calibre*
    sudo rm -Rf /usr/bin/calibre*
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/calibre.desktop

    Desinstalando o Calibre no Arch Linux e derivados

    Se depois você precisar desinstalar o programa no Arch Linux, Manjaro, ArchBang, Antergos e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 4. Use o comando abaixo, para desinstalar o programa;

    sudo yaourt -Rsn calibre

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar e jogar o clone de Bastet Tetris no Ubuntu, Debian e derivados

    Como instalar e jogar o clone de Bastet Tetris no Ubuntu, Debian e derivados

    Se você gosta de jogos como o tetris e não sai da linha de comando, conheça e veja como instalar e jogar o clone de Bastet Tetris no Ubuntu, Debian e derivados.


    Você achava que o Tetris era ruim porque não lhe dava aquele tijolo “I” que você precisava para limpar quatro linhas ao mesmo tempo? Bem, Tetris provavelmente não é ruim, mas Bastet certamente é. Bastet significa “bastard tetris”, e é um clone simples do Tetris baseado em ncurses para Linux.

    Como instalar e jogar o clone de Bastet Tetris no Ubuntu, Debian e derivados

    Ao contrário do Tetris normal (R), no entanto, Bastet não escolhe o seu próximo tijolo ao acaso. Em vez disso, o game usa um algoritmo especial projetado para escolher o pior tijolo possível. Como você pode imaginar, jogar Bastet pode ser uma experiência muito frustrante!

    Conheça melhor o clone de Bastet Tetris

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o clone de Bastet Tetris no Ubuntu, Debian e derivados

    Bastet Tetris está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu, Debian e derivados, e pode ser instalado usando a Central de programa/gerenciador de pacotes dessas distribuições ou usando o seguinte comando:

    sudo apt-get install bastet

    Como jogar o clone de Bastet Tetris

    As instruções do Bastet Tetris são simples. Teclas de seta esquerda e direita para mover seu tetronimo para a esquerda e para a direita. Seta para cima e espaço para girar o seu tetronimo. Seta para baixo para mover o tetronimo para baixo. Pressionar R irá reiniciar o jogo e CTRL + C, sai do jogo. Como eu disse, simples!

    Abaixo, a tabela de teclas:

    Tecla Descrição
    Seta para baixo Move o tetromino para baixo (um único passo)
    Seta para a esquerda Move o tetromino para a esquerda
    Seta para a direita Move o direito tetromino
    Espaço Gira CW
    Seta para cima Gira CCW
    Enter Deixa cair o tetromino o mais para baixo possível (queda dura)
    P Pausa o jogo
    CTRL + C Sai do jogo sem qualquer aviso adicional

     

    Agora confira uma demo do jogo:

    Como instalar e jogar o clone de Bastet Tetris no Ubuntu, Debian e derivados

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como corrigir o erro “Cannot Add PPA” no Ubuntu

    Como corrigir o erro

    Se você estava adicionando um repositório e foi interrompido pela mensagem “Cannot Add PPA” (ou em bom português “Não é possível adicionar o PPA”), veja aqui como resolver isso.


    Boa parte dos procedimentos de instalação feitos aqui no blog começam com a adição de um repositório. Mas se seu procedimento ficou parado logo nesse primeiro passo, será preciso fazer uns ajustes.

    Antes veja o exemplo do que acontece normalmente quando ocorre esse tipo de erro (cortesia do leitor João):

    joao@joao:~$ sudo add-apt-repository -r ppa:mqchael/pipelight
    Cannot add PPA: 'ppa:mqchael/pipelight'.
    
    Please check that the PPA name or format is correct.
    joao@joao:~$

    Se você encontrar um erro semelhante ao adicionar um PPA no Ubuntu ou alguma distro derivada dele, não se preocupe. Esse é um problema (menos) comum com PPA e que pode ser facilmente resolvido.

    Veja também

    Como corrigir erros na atualização de repositório do Ubuntu
    Pacotes quebrados: veja como corrigir isso em sistemas baseados no Debian
    Como remover pacotes quebrados com o Synaptic

    Veja como corrigir o erro “Cannot Add PPA” no Ubuntu e seus derivados

    Primeiramente, verifique se o nome do repositório esta realmente correto. Descartado esse problema, pode haver duas razões principais por trás deste tipo de erro: Os certificados de CA em seu sistema estão quebrados ou há um proxy em sua rede.

    Certificados de CA do sistema estão quebrados

    Caso seu problema seja Para resolver o primeiro Certificados de CA do sistema quebrados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (No Unity use o Dash ou pressione as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Primeiramente, tente reinstalar os certificados de CA com o seguinte comando:

    sudo apt-get install --reinstall ca-certificates

    Sua conexão está usando um proxy

    Se o comando acima não funcionar, talvez sua conexão esteja usando um proxy.

    Neste caso, será necessário configurar o sistema para utilizá-lo. Para isso, você pode usar o tutorial abaixo e depois tentar adicionar o repositório novamente:
    Como configurar o acesso via proxy no Ubuntu

    Ou se preferir, abra um terminal e passe as configurações de proxy para sudo, usando a opção E da seguinte forma:

    sudo -E add-apt-repository ppa:mqchael/pipelight

    Isto provavelmente irá fazer o PPA funcionar. De qualquer forma, espero que esta dica rápida possa ajudá-lo a livrar-se desse erro e a resolver seu problema.

    Se não der certo, escreva nos comentários e mande uma captura de tela (vulgarmente conhecida como screenshot) e quem sabe aparece a solução. Sugestões serão sempre bem-vindas!

    Fonte 1
    Fonte 2

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Conheça e instale o Xournal no Ubuntu e faça anotações em PDF

    Anotações em PDF: instale o Xournal no Ubuntu

    Se você está precisando fazer anotações em PDF, então conheça o Xournal. E se você quiser instalar ele em seu sistema, veja aqui como fazer isso.


    Para aqueles não familiarizados com o Xournal, ele é uma aplicação GTK+ para fazer anotações, desenhar e manter um diário usando uma caneta em Tablet PCs e outras plataformas.

    Anotações em PDF: instale o Xournal no Ubuntu

    Anotações em PDF: instale o Xournal no Ubuntu

    O aplicativo vem com várias ferramentas, tais como: caneta, borracha, marca-texto, ferramenta de texto e forma de reconhecimento. Além disso, traços e blocos de texto podem ser selecionados, movidos e copiados usando uma ferramenta de seleção retangular.

    Além de servir para tomar notas ou esboços, essas ferramentas podem ser usadas para anotar em arquivos PDF (ele usa a biblioteca Poppler para processar documentos PDF), que podem ser salvos no formato de arquivo nativo do Xournal, ou exportados para PDF.

    O aplicativo possui uma opção de exportação para PDF usando Cairo, um modo de visualização horizontal e opções de configuração para dispositivos touchscreen.

    Conheça melhor o Xournal

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o aplicativo de anotações em PDF Xournal no Ubuntu e seus derivados

    Xournal está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu (começando com o Ubuntu 15.04) e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install xournal. No entanto, em versões mais antigas, para instalar o aplicativo de anotações em PDF Xournal no Ubuntu e poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install xournal

    Como instalar o aplicativo de anotações em PDF Xournal manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite xournal no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o aplicativo de anotações em PDF Xournal no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o aplicativo de anotações em PDF Xournal no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove xournal
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Vídeos do YouTube: como instalar o Minitube no Linux

    Vídeos do YouTube: como instalar o Minitube no Linux

    Foi lançada mais uma versão do cliente YouTube Minitube. Se você quiser experimentar essa versão e assistir vídeos do YouTube, veja abaixo como instalar ela no Ubuntu, OpenSUSE, Arch Linux, Manjaro e sistemas derivados.


    Minitube é um cliente YouTube leve, que permite que os usuários assistam vídeos no YouTube de uma nova maneira: você digita uma palavra-chave em uma caixa de pesquisa e o MiniTube imediatamente carrega os resultados.

    Vídeos do YouTube: como instalar o Minitube no Linux

    Vídeos do YouTube: como instalar o Minitube no Linux

    O programa é um cliente nativo do YouTube que tenta proporcionar uma experiência semelhante a uma TV para o usuário, em vez de clonar a interface original web YouTube.

    O melhor de tudo é que ele não requer o Flash Player para poder funcionar, ou seja, ele consome menos CPU e preserva a bateria do seu laptop.

    Vídeos do YouTube: como instalar o Minitube no Linux

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o Minitube e assista vídeos do YouTube

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o Minitube para assistir Vídeos do YouTube no Ubuntu, Debian e derivados

    Para instalar o Minitube para assistir Vídeos do YouTube no Ubuntu, Debian e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome minitube.deb:

    wget http://flavio.tordini.org/files/minitube/minitube.deb -O minitube.deb

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome minitube.deb:

    wget http://flavio.tordini.org/files/minitube/minitube64.deb -O minitube.deb

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i minitube.deb

    Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Passo 7. Se depois você precisar desinstalar o programa, use este comando:

    sudo apt-get remove minitube

    Como instalar o Minitube para assistir vídeos do YouTube no OpenSUSE e seus derivados

    Atenção! Essa versão já não está disponível para o OpenSUSE 13.1, por isso, mantive o link da última versão disponibilizada.
    Para instalar o Mitube para assistir vídeos do YouTube no OpenSUSE, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se você estiver usando o openSUSE Factory PowerPC, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/multimedia:/apps/openSUSE_Factory_PowerPC/multimedia:apps.repo -O /etc/zypp/repos.d/multimedia:apps.repo

    Passo 3. Se você estiver usando o openSUSE Leap 42.2, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/multimedia:/apps/openSUSE_Leap_42.2/multimedia:apps.repo -O /etc/zypp/repos.d/multimedia:apps.repo

    Passo 4. Se você estiver usando o openSUSE Leap 42.3, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/multimedia:/apps/openSUSE_Leap_42.3/multimedia:apps.repo -O /etc/zypp/repos.d/multimedia:apps.repo

    Passo 5. Se você estiver usando o openSUSE Tumbleweed, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/multimedia:/apps/openSUSE_Tumbleweed/multimedia:apps.repo -O /etc/zypp/repos.d/multimedia:apps.repo

    Passo 6. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo zypper update

    Passo 7. Agora instale o programa com o comando:

    sudo zypper install minitube

    Passo 8. Se depois você precisar desinstalar o programa, use este comando:

    sudo zypper remove minitube

    Como instalar o Minitube para assistir vídeos do YouTube no Arch Linux, Manjaro e sistemas derivados

    Para instalar o Minitube para assistir vídeos do YouTube no Arch Linux, Manjaro e sistemas derivados, você precisa ter o Yaourt instalado. Se tiver, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Agora instale o programa com o comando:

    sudo yaourt minitube

    Passo 3. Se depois você precisar desinstalar o programa, use este comando:

    sudo pacman -Rsn minitube

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite minitube em um terminal, seguido da tecla TAB.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu

    Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu

    Que tal colocar “um pouco” (só um pouco mesmo) do estilo do Windows 8 em seu desktop? Para fazer isso, você só precisa instalar o pacote de ícones Sigma Metro.


    O pacote Sigma Metro contém ícones para a maioria das aplicações, pastas, estado, mime-types e outros que estão disponíveis para Linux, ele é liberado sob a licença GNU General Public. Se você gosta do trabalho criador, então não se esqueça de animá-los com a doação.

    Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu

    Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu

    Este pacote de ícones é inspirado no Windows 8, em seus live tiles e na sua interface estilo metro, Modern, ou seja lá como chamam atualmente.

    Ele foi criado para dar um pouco desse estilo para o desktop Linux. O conjunto é compatível com os ambientes Unity, Gnome, Xfce, Mate e Cinnamon.

    Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu

    Conheça melhor o pacote de ícones Sigma Metro

    Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

    Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu e derivados

    Para instalar o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons2

    Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o programa usando o seguinte comando:

    sudo apt-get install sigma-metro-icons

    Como instalar o pacote de ícones Sigma Metro manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sigma.deb:

    wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/icons2/+files/sigma-metro-icons_0.2~xenial~NoobsLab.com_all.deb -O sigma.deb

    Passo 5. Agora instale o pacote com o comando:

    sudo dpkg -i sigma.deb

    Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu

    Desinstalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o pacote de ícones Sigma Metro, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove sigma-metro-icons

    Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Lista de coisas para fazer: Instale Go For It um To-Do List com timer

    Lista de coisas para fazer: Instale Go For It um To-Do List com timer

    Que tal organizar seus objetivos em uma lista de coisas para fazer? Para conseguir isso, basta instalar o Go For It, um app de To-Do List com timer.


    Go For It é um aplicativo open source de lista de coisas para fazer ou como alguns preferem chamar: To-Do List. Ele apresenta uma interface de usuário simples e elegante com timer (temporizador) integrado.

    Lista de coisas para fazer: Instale Go For It um To-Do List com timer

    Lista de coisas para fazer: Instale Go For It um To-Do List com timer

    Para facilitar ainda mais, as listas de tarefas são armazenadas no formato Todo.txt. Isso simplifica a sincronização com dispositivos móveis e faz com que seja possível editar tarefas usando outros front-ends além do padrão.

    No programa, a lista de coisas para fazer e o temporizador são usados juntos: simplesmente selecione uma tarefa e mude para a aba “Timer” (temporizador), para ativá-lo. A partir da guia Timer, você pode optar por marcar uma tarefa como concluída, pular ou pausá-la a qualquer momento:

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o Go For It

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Lista de coisas para fazer: Como instalar o Go For It no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o Go For It no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:mank319/go-for-it

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install go-for-it

    Como instalar o Go For It manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Ajustando o sistema para poder usar o programa

    Se a versão do Ubuntu que você estiver usando utiliza a sobreposição de barras de rolagem no Unity (o programa tem um corrigir um bug relacionado a isso), faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Execute o comando abaixo para editar o arquivo de atalho do app.

    sudo gedit /usr/share/applications/go-for-it.desktop

    Passo 3. Com o arquivo aberto, edite a linha ‘Exec’ para que fique como abaixo (isso desativa as sobreposição das barras de rolagem para o app):

    Exec=env LIBOVERLAY_SCROLLBAR=0 go-for-it

    Lista de coisas para fazer: Instale Go For It um To-Do List com timer

    Passo 4. Outra maneira de fazer essa modificação é usando o seguinte comando:

    sudo sed -i "s/Exec=go-for-it/Exec=env\ LIBOVERLAY_SCROLLBAR=0\ go-for-it/g" /usr/share/applications/go-for-it.desktop

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite go no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o Go For It no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Go For It no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove go-for-it
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    18 de agosto de 2017

    feren OS 2017.08 lançado – Confira as novidades, baixe e instale

    feren OS 2017.08 lançado - Confira as novidades, baixe e instale

    O projeto feren OS lançou mais um snapshot de sua distribuição, o feren OS 2017.08. Conheça mais um pouco sobre o sistema e descubra onde baixá-lo.


    O feren OS é um sistema operacional de desktop baseado em Linux Mint, que é fornecido com o ambiente de desktop Cinnamon.

    feren OS 2017.08 lançado - Confira as novidades, baixe e instale

    feren OS 2017.08 lançado – Confira as novidades, baixe e instale

    Essa distro é baseada na edição principal do Linux Mint e inclui uma camada de compatibilidade WINE para executar aplicativos do Windows. A distribuição também é fornecida com o navegador Vivaldi e o software de produtividade WPS, que é compatível com o Microsoft Office.

    Novidades do feren OS 2017.08

    O novo snapshot feren OS 2017.08 apresenta uma série de outras melhorias, incluindo a disponibilização de componentes opcionais através da tela de boas-vindas.

    Este Snapshot é baseado em Linux Mint 18.2 e é um ponto de definição para o sistema operacional feren como uma distribuição.

    Principais alterações nesta versão:

    • Base de Mint do Linux atualizada para 18.2;
    • Alguns aplicativos foram removidos e agora estão disponíveis para instalação na tela de boas-vindas> Aplicativos recomendados;
    • Feren Welcome recebeu uma grande atualização, agora redimensionável, móvel, e com suporte a temas;
    • Foi corrigido problema de inicialização USB.

    Para saber mais sobre essa versão da distribuição, acesse a nota de lançamento.

    Conheça melhor a distribuição feren OS

    Para saber mais sobre a distribuição feren OS, clique nesse link.

    Baixe e experimente o feren OS 2017.08

    A imagem ISO do feren OS 2017.08 já pode ser baixada acessando a página de download da distribuição.

    Verifique se a imagem ISO está corrompida

    Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
    Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

    Como gravar uma imagem ISO no Linux

    Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
    Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
    Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
    Como criar um pendrive de instalação
    Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
    Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Planeta Ubuntu Brasil

    O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


    Última atualização:
    23 de agosto de 2017, 22:03
    Horário UTC

    Planet ATOM
    RSS10 RSS20
    OPML FOAF

    Blogs inscritos


    © 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
    Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.