26 de janeiro de 2015

Simulador de circuitos: veja como instalar o QUCS

Procurando um aplicativo simulador de circuitos? Então instale e experimente QUCS, para começar desenhar sistemas digitais/analógicos.
simulador de circuitos
Quite Universal Circuit Simulator (QUCS) é um simulador de circuitos gratuito que permite que estudantes, engenheiros e quaisquer outros usuários possam facilmente desenhar sistemas digitais/analógicos antes de construir um protótipo. O programa é multiplataforma e está disponível para Windows, Linux e OS X.

QUCS ainda está em versão alpha, mas já possui recursos suficientes para você começar a usá-lo. Com QUCS você pode configurar um circuito através de uma interface fácil de usar para simular grandes/pequenos sinais (DC, AC, S-parameter) e comportamentos de ruído do circuito.

A interface do programa também permite a criação de esquemas de simulação com o suporte de vários tipos de diagramas. Com o QUCS você tem um editor de esquema e vários modelos e componentes (HICUM, BSIM2, BSIM3, OpAmps, diodos, MOSFETs, PMOSFETs) e etc. Além disso, nele você pode fazer simulação DC/AC/S-parameter, análise de equilíbrio harmônico, análise de ruído, análise transiente e importar modelos SPICE, entre outras funcionalidades.

Conheça melhor o simulador de circuitos QUCS

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o simulador de circuitos QUCS no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o simulador de circuitos QUCS no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:qucs/qucs

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install qucs -y

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite programa no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Via UpUbuntu

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Compiz no MATE: veja como instalar e ativar

Se você quiser experimentar o Compiz no MATE, veja como instalar e ativar esse recurso usando a ferramenta MATE Tweak.
compiz no mate
Desenvolvedores do Ubuntu MATE estão fazendo dessa distro um dos derivados mais completos e funcionais, graças inúmeras otimizações. Entre as muitas inovações desenvolvidas, destaque para as várias melhorias feitas no gerenciador de janelas Compiz, agora mantido pela Canonical.

Compiz permite que o usuário tenha uma série de personalizações, animações e efeitos no MATE. É possível instalar facilmente a versão do Compiz otimizada para Ubuntu MATE graças ao um repositório. A seguir, você verá como fazer isso, acompanhe. E melhor ainda, para facilitar ainda mais a ativação do Compiz nesse ambiente, os desenvolvedores disponibilizaram a ferramenta MATE Tweak.

Conheça melhor o ambiente MATE

Para saber mais sobre o ambiente MATE, clique nesse link.
Para mais informações, por favor consulte a página oficial da comunidade do Ubuntu MATE.

Caso você ainda não esteja usando o ambiente MATE no Ubuntu e queira instar a versão desenvolvida para o Ubuntu MATE, siga o procedimento abaixo antes de instalar o Compiz. Se você já etiver co o ambinete, pode pular para o segundo procedimento.

Como instalar a versão mais recente do ambiente MATE no Ubuntu

Para instalar a versão mais recente do ambiente MATE no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione os repositórios do MATE com este comando:

sudo apt-add-repository ppa:ubuntu-mate-dev/ppa
sudo apt-add-repository ppa:ubuntu-mate-dev/trusty-mate

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o MATE;

sudo apt-get install --no-install-recommends ubuntu-mate-core ubuntu-mate-desktop

Uma vez que a instalação estiver concluída, saia da sua sessão atual do Ubuntu. A partir daqui, clique no ícone que no canto superior direito da tela de login Ubuntu. Você será apresentado a uma tela com todas as opções de ambientes de desktop atualmente instalados. A mais recente adição a esta lista será o MATE. Clique nesta opção, e selecione “OK” para que seja solicitado suas credenciais de login.

Com o MATE instalado, faça o procedimento abaixo para instalar e ativar o Compiz:

Como instalar e ativar o compiz no MATE

Para instalar e ativar o compiz no MATE e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo apt-add-repository ppa:ubuntu-mate-dev/crazy-mate

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install mate-tweak compiz compiz-core compiz-mate compiz-plugins compiz-plugins-default compizconfig-settings-manager

Passo 5. Após a instalação, clique em “Sistema” e depois em “Centro de Controle”;
compiz no mate
Passo 6. Em “Centro de Controle”, clique na opção “MATE Tweak”;
compiz no mate
Passo 7. Dentro de “MATE Tweak”, clique na opção “Windows”. Nessa tela, clique na seta ao lado de “Windows Manager” opção “Compiz”, para ativá-lo como o gerenciador de janelas padrão do ambiente;
compiz no mate
Passo 8. Depois disso, encerre a sessão e faça login novamente ou reinicie o sistema.

Pronto! Com o Compiz instalado, agora você pode personalizar os efeitos, animações e etc, através da opção “CompizConfig Settings Manager” (ou CCSM) que fica no menu “Sistema” do ambiente, dentro do item “Preferências”.
compiz no mate

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

25 de janeiro de 2015

Resumo semanal de 19/01/2015 a 25/01/2015

Você já sabia que o segundo alpha do Ubuntu 15.04 está disponível para download ou que você pode instalar o ambiente Enlightenment E20 no Ubuntu? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essa postagem, mas não se preocupe, leia o resumo semanal do blog e se atualize.
19/01/2015 a 25/01/2015 resumo semanal
Mas você já deve saber quea ferramenta de backup e restauração TimeShift agora suporta partições encriptadas com LUKS? Ou já sabe que o Ubuntu MATE 15.04 Alpha 2 e o Tiny Core Linux 6.0 também já estão disponíveis para download? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

Resumo semanal do Blog do Edivaldo de 19/01/2015 a 25/01/2015

19/01/2015

20/01/2015

21/01/2015

22/01/2015

23/01/2015

24/01/2015

Ubuntu 14.10

O Ubuntu 14.10 já está disponível para download e se você quiser baixar a nova versão do Ubuntu, acesse os links nessa postagem.

Como gravar a imagem ISO do Ubuntu 14.10

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO

Como atualizar do 14.04 para o 14.10

Quem precisar atualizar do 14.04 para o 14.10, basta seguir esses tutoriais:
Desktop
Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10
Como atualizar o Ubuntu Server para uma nova versão

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem ainda está no Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas nas últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04


Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

24 de janeiro de 2015

Como instalar o editor de vídeo Cinelerra 4.6 no Linux

O editor de vídeo e software de composição Cinelerra agora está na versão 4.6. Veja aqui como instalar o programa a partir do binário de 64 bits para Linux, disponibilizado pela sua produtora.
editor de vídeo Cinelerra
Cinelerra é um software livre de edição não-linear e composição de vídeo profissional para Linux. Ele é distribuído sobre a GNU General Public License, foi lançado em 1 de Agosto de 2002, é produzido pela Heroine Virtual e foi baseado numa parte de um produto anterior conhecido como Broadcast 2000, pertencente à mesma empresa.

Cinelerra inclui suporte a vídeo e áudio de alta fidelidade: ele processa áudio usando de precisão, e pode trabalhar com espaços de cor tanto em RGBA como YUVA, usando ponto flutuante e representações de unidades em 16-bit, respectivamente. Ele é independente de resolução e frame rate, ou seja, suporta vídeo em qualquer velocidade e tamanho. O editor também inclui um mecanismo de composição de vídeo, permitindo ao usuário executar operações de composição avançadas como keying e mattes.

A versão 4.6 traz a divisão de painel de edição, suporte a OpenGL em Intel HD, melhorias no titulador e claro, várias correções de bugs.

Conheça melhor o editor de vídeo Cinelerra

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o editor de vídeo Cinelerra 4.6 no Linux

Para instalar o editor de vídeo Cinelerra 4.6 no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/cinelerra*
sudo rm -Rf /usr/bin/ʋ
sudo rm -Rf /usr/share/applications/cinelerra.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits (só existe pacote do programa para 64 bist), para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome cinelerra.tar.xz::

wget -O cinelerra.tar.xz http://ufpr.dl.sourceforge.net/project/heroines/cinelerra-4.6.x86_64.tar.xz

Passo 5. Depois de baixar, execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

unxz -c cinelerra.tar.xz | sudo tar xv -C /opt/

Passo 6. Se necessário, renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/cinelerra*/ /opt/cinelerra

Passo 7. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/cinelerra/cinelerra /usr/bin/cinelerra

Passo 8. Agora crie um lançador para o editor de vídeo Cinelerra, executando um editor de texto com o comando:

sudo gedit /usr/share/applications/cinelerra.desktop

Passo 9. Copie o conteúdo abaixo, cole no arquivo e salve-o;

[Desktop Entry]
Name=Cinelerra-HV
Comment=Video Editor
Categories=Application;AudioVideo;Multimedia;VideoEditing;
Encoding=UTF-8
Exec=/opt/cinelerra/cinelerra
Icon=
Terminal=false
Type=Application

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite cinelerra em um terminal, seguido da tecla TAB ou use o atalho criado.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

23 de janeiro de 2015

Ubuntu MATE 15.04 Alpha 2 também já está disponível para download

Complementando o lançamento dos sabores oficiais do Ubuntu, também foi lançado nessa quinta-feira (22) o Ubuntu 15.04 MATE Vivid Vervet alpha 2. Conheça mais um pouco sobre essa variante e descubra onde baixar a distro.
Ubuntu MATE 15.04 Alpha 2
Ubuntu MATE é uma variante não oficial (que provavelmente irá mudar no futuro) com base em MATE sabor Ubuntu. Para aqueles não familiarizados com MATE , este é um fork do GNOME 2 introduziu após GNOME 3 e GNOME Shell substituiu a metáfora do desktop clássico. Atualmente, companheiro só suporta GTK2, mas o plano é adicionar suporte GTK3 com MATE 1,12.

Em comparação com Ubuntu Companheiro 14,10 , o lançamento do Ubuntu MATE 15.04 Alpha 2 introduz alguns novos pacotes instalados por padrão:

  • Totem foi substituído pelo VLC;
  • MATE Tweak (um fork do MintDesktop): permite que você configure os ícones para mostrar na área de trabalho, habilitar/desabilitar a composição, alterar o layout botões da janela, exibir/ocultar ícones em menus e botões e muito mais;
  • Menu de MATE (um fork do MintMenu): um menu pesquisável para o painel do MATE. Este não é o menu padrão, mas você pode adicioná-lo ao painel com o botão direito do painel, selecionando “”Adicionar ao painel e em seguida, adicionando “Menu MATE”;

ubuntu-mate-vivid-menu
Se você estiver usando o Ubuntu MATE 14.04 LTS, as mudanças mencionadas acima não serão nenhuma novidade para você. Isso porque o Ubuntu 14.04 MATE foi liberado depois da versão 14.10 (Porque quando o Ubuntu 14.04 foi lançado, Ubuntu MATE não existia) e já incorpora essas mudanças. Contudo, há um novo recurso no MATE Tweak, que não estava presente no Ubuntu MATE 14.04: agora você pode usá-lo para alternar entre Compiz e Marco, assim como no Linux Mint 17.1 MATE.
ubuntu-mate-tweak-compiz
Além disso, o Ubuntu 15.04 MATE Alpha 2 vem com um novo tema padrão: Yuyo-Dark e há também uma alternativa clara do “Yuyo”, que está instalado por padrão. Os novos temas Yuyo ainda precisam de algum trabalho – por enquanto, alguns elementos da interface do usuário, tais como caixas de seleção e botões de rádio não são processados ​​corretamente.

ubuntu-mate-vivid-yuyo-dark
ubuntu-mate-vivid--yuyo

Conheça melhor a distribuição Ubuntu MATE

Para saber mais sobre a distribuição Ubuntu MATE, clique nesse link.

Baixe e experimente o Ubuntu MATE 15.04 Alpha 2

Antes de qualquer coisa, é importante esclarecer que versões alpha não são adequadas para quem necessita de um sistema estável ou não se sente confortável com os ocasionais e até mesmo frequentes bugs e quebras de sistema. No entanto, elas são recomendadas para desenvolvedores de variantes do Ubuntu e para aqueles que querem ajudar nos testes, elaboração de relatórios e correção de bugs, que serão usados para preparar a versão final para as próximas etapas do desenvolvimento do Ubuntu 15.04

Para saber mais sobre o Ubuntu MATE 15.04 Alpha 2 e baixar a imagem ISO acesse o link abaixo:
Ubuntu MATE 15.04 Alpha 2
Ou se preferir, acesse os links abaixo diretamente:

Como gravar a imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial:
Como gravar uma imagem ISO no Linux

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Backup e restauração: TimeShift agora suporta partições encriptadas com LUKS

Foi lançado recentemente a versão 1.7 do TimeShift, o sistema open source de backup e restauração de sistema. A principal novidade: a ferramenta agora suporta partições encriptadas com LUKS.
Backup e restauração timeshift-v1.7
TimeShift é um aplicativo Linux que fornece uma funcionalidade de backup e restauração do sistema, algo semelhante ao recurso “Restauração do sistema” no Windows e a ferramenta “Time Machine” no Mac OS.

Esse utilitário faz instantâneos (snapshots) incrementais do sistema de arquivos em intervalos regulares e esses instantâneos podem ser restaurados mais tarde para trazer o sistema para o estado exato em que se encontrava no momento em que o snapshot foi tirado. Arquivos do usuário, tais como documentos, fotos e músicas são excluídos do processo, ou seja, seus arquivos permanecerão inalterados quando você restaurar o sistema para uma data anterior.

A nova versão trouxe o suporte a backup e restaração de partições criptografados com LUKS.

LUKS ou Linux Unified Key Setup é uma especificação de disco de criptografia criado por Clemens Fruhwirth em 2004 e originalmente planejado para o Linux. O principal diferencial desse padrão é que enquanto a maioria dos softwares de criptografia de disco implementa formatos diferentes, incompatíveis e sem documentação, LUKS especifica um padrão de formato independente de plataforma on-disco para uso em várias ferramentas. Isso não só facilita a compatibilidade e interoperabilidade entre os diferentes programas, mas também garante que todos eles implementarão o gerenciamento de senhas de forma segura e documentada.

Assim, se o seu sistema está instalado em uma partição criptografada com LUKS, então agora você pode restaurar snapshots tanto on-line (a partir de sistema de execução), como off-line (a partir de outro sistema/LiveCD).

Além desse importante recurso, a versão 1.7 traz novas opções de linha de comando para restaurar, lista e apagar snapshots (instantâneos). Como nos exemplos a seguir:

timeshift --restore #interativo
timeshift --restore --snapshot "2015-01-21_19-28-43" --backup-device /dev/sda2 --target-device /dev/sda1 --skip-grub
timeshift --delete #interativo
timeshift --delete --snapshot "2015-01-21_19-28-43"
timeshift --delete-all #completely remove all snapshots

Conheça melhor o utilitário de Backup e restauração Timeshift

Para saber mais sobre o Timeshift, clique nesse link.
Para saber mais sobre o Timeshift 1.7, clique nesse link.

Como instalar o utilitário de Backup e restauração Timeshift no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Timeshift no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:teejee2008/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install timeshift

Passo 5. Para instalar o programa em sistemas de aquivos Btrfs, use o comando abaixo;

sudo apt-get install timeshift

Como instalar o utilitário de Backup e restauração Timeshift em outras distribuições Linux

Dependendo da distribuição que você estiver usando, você pode precisar instalar pacotes para satisfazer as seguintes dependências:libgee json-glib rsync.
Independente disso, para instalar o Timeshift m outras distribuições Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se for usar a versão normal do programa e seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o script de instalação do programa:

wget -O timeshift-latest.run https://dl.dropboxusercontent.com/u/67740416/linux/timeshift-latest-i386.run?dl=1

Passo 4. Se for usar a versão normal do programa e seu sistema for de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o script de instalação do programa:

wget -O timeshift-latest.run https://dl.dropboxusercontent.com/u/67740416/linux/timeshift-latest-amd64.run?dl=1

Passo 5. Se for usar a versão do programa com suporte a sistemas de arquivos BTRFS e seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o script de instalação do programa:

wget -O timeshift-latest.run http://dl.dropbox.com/u/67740416/linux/timeshift-btrfs-latest-i386.run?dl=1

Passo 6. Se for usar a versão do programa com suporte a sistemas de arquivos BTRFS e seu sistema for de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o script de instalação do programa:

wget -O timeshift-latest.run http://dl.dropbox.com/u/67740416/linux/timeshift-btrfs-latest-amd64.run?dl=1

Passo 7. Torne o script executável com o comando:

sudo chmod +x timeshift-latest.run

Passo 8. Para iniciar a instalação, use esse comando:

sudo ./timeshift-latest.run

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite timeshift no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje



Timeshift --delete-all #remover completamente todos os snapshots

Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Notificações recentes : veja como instalar o Recent Notifications

Perdeu alguma notificação? Agora não tem mais jeito. Mas para isso não acontecer de novo, veja aqui como instalar o Recent Notifications e ver as notificações recentes no Ubuntu.
notificações recentes
A maioria dos ambientes de desktop como Unity e Gnome tem suporte a notificação e isso é muito útil. Mas, por padrão, a notificação será exibida na parte superior da área de trabalho apenas por alguns segundos e, em seguida, ele desaparece. Nessa situação, se você ouvir o som de notificação, mas não olhar logo, como saberá qual foi a notificação?

Você pode facilmente manter o controle de todas as notificações recentes no Ubuntu Unity ou GNOME e ter um histórico de todas as notificações recentes, usando o indicador Recent Notifications.

Esse applet fica no painel superior e mantém o histórico de todas as notificações recentes. Quando houver novas notificações capturados por ele, o indicador ficará verde para alertá-lo de que existem notificações não lidas. Quando você clicar nele, verá todas as notificações recentes e poderá optar por limpar todas as notificações ou remover apenas algumas delas.

Infelizmente, não existem opções de configuração no applet. Portanto, você não pode bloquear notificações de aplicações específicas. Todo os tipos de notificações serão guardados aqui.

Conheça melhor o Recent Notifications

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Recent Notifications no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Recent Notifications no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:jconti/recent-notifications

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install indicator-notifications

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite indicator no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Via It’s F.O.S.S.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Segundo alpha do Ubuntu 15.04 já está disponível para download

O segundo alpha do Ubuntu 15.04 Vervet Vivid, a próxima versão LTS do sistema da Canonical, foi divulgado nessa quinta-feira (22). Conheça mais um pouco sobre ele e escubra onde baixar.
segundo alpha do Ubuntu 15.04
Como de costume, o Ubuntu (com Unity) não é disponibilizado nesse segundo alpha do Ubuntu 15.04. Além disso, alguns sabores do Ubuntu (como o Xubuntu) também não participaram desse alpha 2. Nesse lançamento, foram disponibilizadas imagens apenas para o Kubuntu, Ubuntu GNOME, Lubuntu, Ubuntu Kylin e Ubuntu Cloud. A seguir você verá um breve resumo de cada uma das variantes do Ubuntu disponibilizadas.

Observações sobre o segundo alpha do Ubuntu 15.04

Kubuntu

kubuntu-vivid
Kubuntu 15.04 usará Plasma 5 por padrão e, ao contrário Kubuntu 14.10, não haverá uma imagem ISO alternativa com Plasma. O Alpha 2 vem com o KDE Applications 14.12 e Plasma 5.2 beta.

Para mais informações sobre o Kubuntu 15.04 alpha 2, clique nesse link.

Ubuntu GNOME

ubuntu-gnome-vivid-maps-weather
No alpha do Ubuntu GNOME 15.04, a maioria dos componentes do GNOME foram atualizados para a versão mais recente 3.14 – o que inclui GNOME Shell, GNOME Control Center/Settings Daemon, Nautilus, Maps, Weather, Evince, Terminal e assim por diante. Infelizmente, ainda há um par de aplicativos que são bastante antigas: Gedit e Videos (Totem), que ainda estão na versão 3.10.

Outra pequena alteração, mas interessante, é que o tema Numix GTK agora é instalado por padrão. Adwaita continua a ser usado por padrão, mas o tema Numix GTK agora está a apenas alguns cliques de distância.

Para mais informações sobre o Ubuntu GNOME 15.04 alpha 2, clique nesse link.

Lubuntu

lubuntu-vivid
Não há um changelog disponível para o Lubuntu 15.04 alpha 2. A página wiki apenas menciona que a “LXQt ainda está em desenvolvimento, de modo que essa é uma outra versão de correção.”. Portanto, parece que LXQt não estará no Lubuntu 15.04.
Para mais informações sobre o Lubuntu 15.04 alpha 2, clique nesse link.

Ubuntu Kylin

ubuntu-kylin-vivid-lim

Ubuntu Kylin (uma variante do Ubuntu para os usuários chineses) alpha 2 vem com LIM (Locally Integrated Menus: menus integrados localmente) habilitado por padrão, com os novos “always-show-menus” ligado, portanto ele não usa autohide (AutoOcultar).

Além disso, o mais recente lançamento do Ubuntu Kylin 15.04 alpha 2 vem com “clique para minimizar” habilitado por padrão para o lançador do Unity, um recurso que é claro, também está disponível para usuários do Ubuntu (com Unity), mas não está habilitado por padrão. De acordo com as notas de lançamento, essas mudanças foram feita a “ajudar os usuários do Windows a adaptarem-se mais facilmente à interface de usuário do Unity”.

Outras mudanças no Ubuntu Kylin 15.04 alpha 2 incluem correções para as aplicações Kylin específicas: Uftware Center, Youker Assistant, Chinese Calendar e Unity China Music Scope.

Para mais informações sobre o Lubuntu 15.04 alpha 2, clique nesse link.

Ubuntu Cloud

Não há qualquer informação sobre o Ubuntu Cloud. Para ver algo, consulte a página na listagem a seguir.

Antes de qualquer coisa, é importante esclarecer que versões alpha não são adequadas para quem necessita de um sistema estável ou não se sente confortável com os ocasionais e até mesmo frequentes bugs e quebras de sistema. No entanto, elas são recomendadas para desenvolvedores de variantes do Ubuntu e para aqueles que querem ajudar nos testes, elaboração de relatórios e correção de bugs, que serão usados para preparar a versão final para as próximas etapas do desenvolvimento do Ubuntu 15.04

Se quiser experimentar o segundo alpha do Ubuntu 15.04, faça o Download acessando os links abaixo

Kubuntu
Ubuntu Gnome
Lubuntu
UbuntuKylin
Ubuntu Cloud

Como gravar a imagem ISO do segundo alpha do Ubuntu 15.04 no Linux

Para gravar a imagem ISO do segundo alpha do Ubuntu 15.04 após o download, você pode usar esse tutorial:
Como gravar uma imagem ISO no Ubuntu

Cronograma de lançamento do Ubuntu 15.04

O Ubuntu 15.04 será lançado em Abril. Para mais detalhes, consulte o cronograma de lançamento abaixo:

18 de dezembro de 2014 – Alpha 1
22 de janeiro de 2015 – Alpha 2
26 de fevereiro de 2015 – Beta 1
26 de março de 2015 – Beta Final
09 de abril de 2015 – Kernel Freeze
16 de abril de 2015 – Release Candidate
23 de abril de 2015 – Versão Final

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

22 de janeiro de 2015

Comparar e sincronizar pastas: Como instalar o FreeFileSync no Ubuntu

Precisando de uma ferramenta para comparar e sincronizar pastas? Então veja aqui como instalar o FreeFileSync no Ubuntu.
Comparar e sincronizar pastas freefilesync
FreeFileSync é uma ferramenta de código aberto multiplataforma para comparar e sincronizar pastas, disponível no Linux, Windows e Mac OS X. Entre outros, ele tem suporte para a realização de comparação de arquivo binário, identificador de links simbólicos, copiar atributos estendidos de NTFS e permissões de segurança, cópia de arquivo à prova de falhas, inclui/excluir arquivos via filtro, tem desempenho em tempo de execução otimizada, relatório de erros detalhado e pode automatizar trabalho em lotes.

Conheça melhor o FreeFileSync

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o FreeFileSync no Ubuntu comparar e sincronizar pastas

Para instalar o FreeFileSync no Ubuntu comparar e sincronizar pastas, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo "deb http://archive.getdeb.net/ubuntu utopic-getdeb apps" >> /etc/apt/sources.list'

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo "deb http://archive.getdeb.net/ubuntu trusty-getdeb apps" >> /etc/apt/sources.list'

Passo 5. Baixe e aadicione a chave do repositório com o comando:

wget -q -O- http://archive.getdeb.net/getdeb-archive.key | sudo apt-key add -

Passo 6. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 7. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install freefilesync

Passo 8. Depois, se precisar4, use o comando abaixo para remover o programa;

sudo apt-get remove freefilesync

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite freefilesync no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançado MegaChat: uma alternativa segura ao Hangout e Skype

Pouco tempo depois de avisar, Kim Dotcom anunciou o lançamento de MegaChat, um novo serviço web que permite fazer chamadas voip criptografadas com o objetivo de oferecer uma alternativa viável ao Google Hangout e Skype.
MegaChat
MegaChat é um serviço web que permite fazer chamadas e videochamadas gratuitas usando apenas o navegador, tudo sem uso de plugins de terceiros ou cliente dedicado. Uma das principais características do MegaChat é a segurança, de fato, o serviço faz chamadas através criptografado protocolo chamado User Controlled Encryption (UCE). O serviço web também permite a troca de arquivos entre os usuários de forma segura (uma vez que estes serão criptografados).

O lançamento do serviço quase coincidia com a chegada da versão web do WhatsApp Web. O serviço ainda está em fase de desenvolvimento e para usá-lo, basta ter uma conta mega e se conectar ao portal web usando seu navegador favorito. Atualmente, apenas MegaChat lhe permite fazer chamadas e videochamadas, no futuro irá adicionar novas funcionalidades, tais como chat de texto, a capacidade de chat em grupo/videoconferência e etc.
MegaChat in Linux

Conheça melhor o MegaChat

Para saber mais sobre o MegaChat, clique nesse link.

Via
lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como fazer o sistema lembrar e restaurar a última sessão no Ubuntu

Se você quer fazer o sistema lembrar e restaurar a última sessão no Ubuntu, para não ter que reabrir seus aplicativos, veja aqui como configurar isso.
lembrar e restaurar a última sessão
Nesse rápido tutorial, você verá como salvar status da sessão atual para que o Ubuntu possa se lembrar e restaurar a última sessão, colocando automaticamente os atuais aplicativos em execução, no próximo login. A medida é bastante conveniente quando você quer ter tudo que estava usando antes de desligar o sistema. Veja a seguir como fazer isso, usando o terminal ou a ferramenta Dconf-Editor.

Como fazer o sistema lembrar e restaurar a última sessão no Ubuntu usando apenas o terminal

Para fazer o sistema lembrar e restaurar a última sessão no Ubuntu usando apenas o terminal, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Execute o comando a seguir para habilitar o salvamento automático de sessão;

gsettings set org.gnome.SessionManager auto-save-session true

Passo 3. Se quiser desfazer depois, execute o comando abaixo para desabilitar o salvamento automático de sessão;

gsettings set org.gnome.SessionManager auto-save-session false

Como fazer o sistema lembrar e restaurar a última sessão no Ubuntu usando o Dconf-Editor

Para fazer o sistema lembrar e restaurar a última sessão no Ubuntu usando o Dconf-Editor, faça o seguinte:
Passo 1. Clique nesse link para abrir a central de programas do Ubuntu e instalar a ferramenta Dconf-Editor ou use o seguinte comando em um terminal:

sudo apt-get install dconf-editor

Passo 2. Uma vez instalado, inicie o programa, digitando dconf no Dash ou em um terminal, seguido da tecla TAB;
restaurar a última sessão
Passo 3. Quando o programa estiver aberto, no painel esquerdo, clique no item “org”, depois em “gnome”, e finalmente em “gnome-session”. Em seguida, marque o item “auto-save-session”, para habilitar o salvamento automático de sessão;
restaurar a última sessão
Passo 4. Quando precisar desfazer, basta voltar no programa e desmarcar a opção.

Pronto! Da próxima vez que você acessar, os aplicativos em execução atuais serão restaurados automaticamente.
Percebeu como no terminal é bem mais rápido? De qualquer fora, agora você já sabe como fazer das duas maneiras possíveis.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

21 de janeiro de 2015

Conversor de áudio: veja como instalar o fre:ac no Linux

Procurando um bom conversor de áudio para seu sistema? Então veja como instalar o fre:ac no Linux e resolva seu problema.
onversor de áudio
fre:ac é um conversor de áudio e também CD Ripper de código aberto. Além de ser gratuito, ele suporta vários formatos de áudio e codificadores, e também está disponível em vários idiomas. Com fre:ac você pode converter entre muitos formatos de som como MP3, MP4, M4A, WMA, Ogg Vorbis, FLAC e AAC.

O aplicativo é portátil e pode ser instalado em qualquer mídia de armazenamento externo (unidade flash USB). Neste tutorial você verá como instalar e executar o aplicativo em qualquer distribuição Linux.

Conheça melhor o conversor de áudio fre:ac

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o conversor de áudio fre:ac no Linux

Para instalar o conversor de áudio fre:ac no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome freac.tar.gz:

wget -O freac.tar.gz http://ufpr.dl.sourceforge.net/project/bonkenc/snapshots/20141005/freac-20141005-linux.tar.gz

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome freac.tar.gz:

wget -O freac.tar.gz http://ufpr.dl.sourceforge.net/project/bonkenc/snapshots/20141005/freac-20141005-linux-x64.tar.gz

Passo 5. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/freac*
sudo rm -Rf /usr/bin/freac
sudo rm -Rf /usr/share/applications/freac.desktop

Passo 6. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -zxvf  freac.tar.gz -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada para blender;

sudo mv /opt/freac*/ /opt/freac

Passo 8. Adicione as bibliotecas do programa no sistema;

sudo ldconfig /opt/freac/

Passo 9. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/freac/freac /usr/bin/freac

Passo 10. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o Skype, executando um editor de texto com o comando (se for preciso, use outro editor de textos e substitua “gedit” por ele):

sudo gedit /usr/share/applications/freac.desktop

Passo 11. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=freac
Exec=/opt/freac/freac
Icon=/opt/freac/icons/freac.png
Categories=Application;

Pronto! Quando quiser, inicie o programa digitando no Dash:freac

Via Up Ubuntu

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançador de aplicativos circular: Instale Gnome-Pie no seu desktop

Que tal dar uma incrementada no seu desktop e usar um lançador diferente? Conheça o Gnome-Pie, um lançador de aplicativos circular.
lançador de aplicativos circular
Gnome-Pie é um lançador de aplicativos circular para Linux. O circulo do programa é dividido em várias fatias (daí a analogia à torta, pois “Pie” significa torta). O usuário pressiona um conjunto de teclas de atalho, que abre a torta desejada (por exemplo, CTRL+ALT+A chama a torta aplicativos). Ativando uma de suas fatias, aplicações podem ser lançadas, pressionamentos de teclas podem ser simulados ou arquivos podem ser abertos.

Cada ambiente gráfico para Linux tem o seu próprio lançador, mas às vezes você quer um substituto para ele, ou até um complemento. Não há dúvida de que o lançador de aplicativos nativo pode ser perfeito, otimizado, liso, rápido e tem um bom funcionamento. Mas aí vem outro grande lançador, como o Gnome-Pie, que pode lançar qualquer coisa que você quiser e ainda é rápido, estável, suave e bem otimizado para desktop Linux. Embora ele não possa ser o melhor lançador ou nem mesmo o melhor substituto para o lançador do seu desktop, ele é simplesmente um ótimo lançador que pode ser usado para fazer as coisas mais rapidamente.

Existem muitos lançadores de aplicações disponíveis como o Slingscold, Launchy, Duck, Synapse, Albert, Xfdashboard, Unity Dash, Gnome Activities e vários outros. Entretanto, usando esses lançadores você deve digitar algo para procurar o seu aplicativo, arquivo ou pasta desejada, mas no Gnome-Pie, basta clicar sobre a sua fatia, você também pode criar sua torta personalizada e adicionar aplicativos, arquivos e pastas para a torta.

Conheça melhor o lançador de aplicativos circular Gnome-Pie

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para ver o o lançador de aplicativos circular Gnome-Pie em ação, assista o vídeo abaixo:
[embedded content]

Como instalar o lançador de aplicativos circular Gnome-Pie no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o lançador de aplicativos circular Gnome-Pie no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:simonschneegans/testing

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install gnome-pie

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite gnome-pie no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).
Quando abrir a janela do programa, clique no botão “Configurações Gerais” e marque a opção “Iniciar o Gnome-Pie ao logar”. Com isso, o programa irá iniciar no próximo login.
gnome-pie-2

Instalando o Gnome-Pie em outras distribuições

Quem estiver usando outra distribuição, pode dar uma olhada no site do desenvolvedor do aplicativo acessando esse link. Lá tem as instruções, e possivelmente, um pacote para instalar ele em outras distribuições Linux.

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Gerenciador de senhas: Instale o Password Safe no Ubuntu

Muitas senhas e nomes de usuários para lembrar? Então já é hora de começar a usar um gerenciador de senhas, por isso, veja como instalar o Password Safe no Ubuntu e sistemas derivados.
gerenciador de senhas
Password Safe é um gerenciador de senha de código aberto que ajuda usuários a armazenarem suas senhas com segurança em um banco de dados criptografado no computador. O aplicativo cria um lugar seguro para armazenar suas senhas, assim você não tem que escrevê-las em um documento de texto ou folha de papel, já que essas opções além de não serem seguras, também podem facilmente ser visualizadas por qualquer pessoa.

Password Safe permite que você facilmente e com segurança crie uma lista protegida e criptografada de suas senhas. Com o programa você só precisará de uma única “senha mestra” de sua escolha, para desbloquear todos os seus nomes de usuário e senhas armazenados.

Conheça melhor o gerenciador de senhas Password Safe

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o gerenciador de senhas Password Safe no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o gerenciador de senhas Password Safe no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:upubuntu-com/system

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install passwordsafe

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o gerenciador de senhas Password Safe, digite password no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Via UpUbuntu

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

20 de janeiro de 2015

Dash no XFCE: Instale o Xfdashboard no Ubuntu

Quer ter uma ferramenta como o Dash no Xfce? Então experimente instalar o Xfdashboard no Ubuntu, para procurar e executar facilmente aplicações.
Dash no XFCE
Xfdashboard é um aplicativo de busca e execução de aplicativo para XFCE praticamente um Dash no XFCE. Ele fornece uma visão geral dos aplicativos atualmente abertos, o que permite que o usuário possa facilmente alternar entre essas diferentes aplicações. Xfdashboard possui um seletor de espaço de trabalho, um lançador de app e uma ferramenta de busca.

Conheça melhor o Xfdashboard

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber como utilizar Xfdashboard, consulte ESTE guia. Você também pode querer verificar as configurações Xfdashboard Xfconf, que estão documentados AQUI .

Nota: para sair/fechar o Xfdashboard, ou selecionar uma janela ou iniciar uma aplicação ou simplesmente pressione ESC (se você digitou algum texto na caixa de pesquisa, ESC vai limpar a pesquisa por isso, nesse caso, você precisa pressionar ESC duas vezes para fechar o Xfdashboard).

Abaixo, você pode assistir a um vídeo de demonstração do Xfdashboard:
[embedded content]

Como instalar o Xfdashboard no Ubuntu e ter um Dash no XFCE

Para instalar o Xfdashboard no Ubuntu e ter um Dash no XFCE, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:xubuntu-dev/extras

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install xfdashboard

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite xfdashboard em um terminal, seguido da tecla TAB.

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Launcher para Linux: Instale e experimente o Albert

Procurando um lançador rápido para seu sistema? Experimente instalar e usar o launcher Alfred no Ubuntu.
launcher albert
Albert é novo launcher (lançador) rápido para Linux, que lembra muito o Alfred (Mac) ou o Synapse (Linux). Com ele, você pode iniciar rapidamente aplicativos, abrir arquivos ou executar pesquisas na web., acessar os bookmarks do Chromium aberto (suporte aos do Firefox ainda está sendo feito) e calcular expressões matemáticas.

Mas o que torna o Albert especial é que ele é muito rápido, leve e independe de ambiente desktop (ele é baseado no Qt5, escrito em C ++), para que você possa usá-lo com o que quiser, pois ele pode ser usado no Xfce, LXDE, LXQt, Cinnamon, Unity (isso se você não gostar do Dash) e assim por diante.

Conheça melhor o Launcher Albert

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Antes de instalar o Albert, observe que ele está atualmente em alfa e então você poderá encontrar bugs! Nos teste feitos pelo site WebUpd8 teste, foi encontrado o seguinte problema: inicialmente, Albert usou cerca de 9-10 MB de RAM do sistema, mas depois de indexar algumas pastas que contêm um grande número de arquivos (cerca de 280.000), seu uso de memória foi aumentado para cerca de 280-300 MB. Então, por enquanto, é melhor não adicionar pastas que contêm um grande número de arquivos para o módulo FileIndex!

Como instalar o Launcher Albert no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Launcher Albert no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install albert

Se você não quiser adicionar o PPA, você pode baixar os arquivos .deb do programa, acessando esse link e depois instalando manualmente.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite albert no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Atente para o fato de que não há nenhuma opção nas configurações do Albert que permita executá-lo automaticamente quando você entra, portanto, você deve adicioná-lo aos seus aplicativos de inicialização manualmente seguindo os passos desse tutorial:
Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Instale e experimente PhotoQt: Um visualizador de imagens estilo Lightbox

O PhotoQt é um visualizador de imagens estilo Lightbox. Se você gosta que visualizar suas imagens com estilo, veja como instalar esse aplicativo.
visualizador de imagens photoqt
PhotoQt é um visualizador de imagens rápido e elegante que suporta manipulação de imagem básico e gerenciamento de arquivos. Além disso, o aplicativo agora usa GraphicsMagick o que significa que suporta mais de 80 tipos de arquivos.

O programa é semelhante aos “Lightbox”, plugins javascript disponíveis em muitos sites: ele usa um fundo semitransparente e há miniaturas na parte inferior, que podem ser usadas ​​para navegar facilmente através das imagens disponíveis na pasta atual. 

Além de alguns recursos básicos de manipulação de imagem (girar, lançar, zoom) e de gerenciamento de arquivos (renomear, apagar, mover, copiar), o aplicativo também vem com teclado ​​e atalhos do mouse customizáveis, pode exibir informações EXIF, exibir imagens como slideshow e muito mais.visualizador de imagens photoqt

A versão 1.2 do PhotoQt foi lançada recentemente e inclui algumas melhorias importantes, como melhor suporte a SVG, suporte XCF, melhor manuseio de pastas grandes(mais de 15.000 arquivos), Shuffle e opções de loop para a apresentação de slides e muito mais.

Conheça melhor o PhotoQt

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o PhotoQt no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o PhotoQt no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:samrog131/ppa

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install photoqt

Se você não quiser adicionar o PPA, você pode simplesmente pegar o arquivo .deb do PhotoQt nesse link e instalar manualmente.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite photoqt no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Para usar PhotoQt no modo janela, a partir de seu menu, selecione “Configurações” > “Aparência e Comportamento” (Setting > Look and Behaviour) em seguida, na sub-aba “Comportamento” (Behaviour), marque a opção “Executar PhotoQt no modo janela” (Run PhotoQt in Window Mode). Se quiser que o aplicativo use as decorações das janelas, verifique também o “Exibir Decoração Janela” (Show Window Decoration). O menu está oculto por padrão – para acessá-lo, aponte o mouse para a borda superior direita da janela do aplicativo:

Instalando o PhotoQt em outras distribuições

Quem estiver usando outra distribuição, pode dar uma olhada no site do desenvolvedor do aplicativo acessando esse link. Lá tem as instruções, e se for o caso, o pacote para instalar ele em outras distribuições Linux. Apesar de estar em inglês, as instruções são bem simples. Se quiser pode tentar uma versão traduzida pelo Google Translator clicando aqui. Mas cuidado com os comandos, eles não devem ser traduzidos.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o driver NVIDIA 346.35 estável no Ubuntu 14.04

O driver NVIDIA 346.35, é a primeira versão estável da série 346.xx, foi lançado com novas funcionalidades, melhorias e inúmeras correções de bugs. Se você utiliza um hardware suportado por esse pacote, veja aqui como instalar ele.
driver nvidia 346.35
Além das correções de bugs e pequenas melhorias, o driver NVIDIA 346.35 traz as seguintes novidades como destaque:

  • Suporte a novas GPUs: GeForce 800A, GeForce 800M, GeForce GTX 970m, GeForce GTX 980 milhões;
  • Suporte para X.Org xserver ABI 19 (xorg-server 1.17);
  • Suporte para decodificação de fluxos de vídeo VP8 utilizando a API NVCUVID em GPUs com suporte a decodificação de hardware VP8;
  • Suporte a novas extensões EGL: EGL_EXT_device_base, EGL_EXT_platform_device, EGL_EXT_output_base;
  • Suporte para NVENC em GPUs GeForce;
  • Adicionada a capacidade de aumentar a tensão de operação em certas GPUs GeForce na GeForce GTX série 400 e posterior. Cuidado! Ajustes de tensão é feito por conta e risco do usuário;
  • Suporte acelerado para formatos de RENDER r8g8b8a8, r8g8b8x8, b8g8r8a8 e b8g8r8x8;
  • Suporte na nvidia-settings para uma interface de usuário GTK+ 3 em x86 e x86_64;
  • Adicionada a opção nvidia-settings -use-gtk2 para forçar o uso da biblioteca GTK+ 2;

Conheça melhor o Driver Nvidia 346.35

Para saber mais sobre o Driver Nvidia 346.35, clique nesse link
Para saber mais sobre o NVIDIA Linux Graphics Driver, clique nesse link

Instalando o Driver Nvidia 346.35 no Ubuntu 12.04, 13.10, 14.04 e derivados

Depois, para instalar o Driver Nvidia 346.35 no Ubuntu 12.04, 13.10, 14.04 e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema acessando as Configurações do Sistema e a opção “Detalhes” ou usando o comando abaixo:

uname -m

Passo 3. Se você estiver usando um sistema de 32 bits, baixe o instalador com o comando:

wget -O nvidia-linux.run http://us.download.nvidia.com/XFree86/Linux-x86/346.35/NVIDIA-Linux-x86-346.35.run

Passo 4. Se você estiver usando um sistema de 64 bits, baixe o instalador com o comando:

wget -O nvidia-linux.run http://us.download.nvidia.com/XFree86/Linux-x86_64/346.35/NVIDIA-Linux-x86_64-346.35.run

Passo 5. Se você estiver usando um sistema ARM de 32 bits, baixe o instalador com o comando:

wget -O nvidia-linux.run http://us.download.nvidia.com/XFree86/Linux-x86-ARM/346.35/NVIDIA-Linux-armv7l-gnueabihf-346.35.run

Passo 6. Se houver um driver proprietário já instalado, remova ele com estes comandos:

sudo apt-get purge nvidia*
sudo apt-get update
sudo apt-get install nvidia-346-updates-dev

Passo 7. Para barrar o driver de código aberto nouveau, execute o comando abaixo para editar o arquivo de configuração:

gksudo gedit /etc/modprobe.d/blacklist-nouveau.conf

Passo 8. Com o arquivo aberto, cole as informações a seguir e depois salve o arquivo;

blacklist nouveau
blacklist lbm-nouveau
options nouveau modeset=0
alias nouveau off
alias lbm-nouveau off

Passo 9. Você também pode desativar o módulo de Kernel Nouveau, executando os comandos abaixo, um por um:

echo options nouveau modeset=0 | sudo tee -a /etc/modprobe.d/nouveau-kms.conf
update-initramfs -u

Passo 10. Reinicie o computador;
Passo 11. Pressione as teclas Ctrl + Alt + F1 (ou F2,F3,F4,F5,F6) para mudar para o console de comando;
Passo 12. Em seguida, entre com seu nome de usuário e senha;
Passo 13. Pare a sessão gráfica atual com um dos comandos abaixo, de acordo com o gerenciador de login que estiver usando:

sudo service lightdm stop
sudo service gdm stop
sudo service mdm stop

Passo 14. Torne o instalador executável com o comando:

sudo chmod +x nvidia-linux.run

Passo 15. Finalmente, inicie o instalador e siga as instruções dele:

sudo sh nvidia-linux.run

Passo 16. Depois de instalar, inicie a sessão gráfica com um dos comandos abaixo, de acordo com o gerenciador de login que estiver usando ou simplesmente reinicie o computador:

sudo service lightdm start
sudo service gdm start
sudo service mdm start

Passo 17. Você deve guardar o arquivo do instalador, pois se por algum motivo esse driver não funcionar corretamente, refaça o sétimo passo e remova esse driver usando os comandos abaixo:

sudo sh nvidia-linux.run  --uninstall
sudo apt-get autoremove

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

19 de janeiro de 2015

Impedir o bloqueio da tela: instale Caffeine no Ubuntu

Se você procura um modo de impedir bloqueio da tela, sem desativar o recurso, veja aqui como instalar o Caffeine no Ubuntu.
caffeine-2-5-disable-screensaver
Caffeine é um applet simples, no formato de um indicador no painel Ubuntu, que permite impedir temporariamente a ativação do protetor de tela, bloqueio de tela, o modo de economia de energia e outras funções que desativam a tela. Ele é particularmente útil quando se deseja impedir que o computador entre nesse modo e atrapalhe as atividades atuais, como por exemplo, quando estamos assistindo a filmes. Funciona em Ubuntu Unity, Ubuntu Gnome, Kubuntu, Xubuntu e Lubuntu.

Conheça melhor o Caffeine

Para saber mais sobre as características do programa e o que ele pode fazer, clique nesse link.

Instalando o Caffeine 2.5 no Ubuntu para impedir o bloqueio da tela

Para instalar o Caffeine 2.5 no Ubuntu e impedir o bloqueio da tela, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do aplicativo com o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:caffeine-developers/ppa

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install caffeine

Se você não quiser adicionar o PPA, baixe e instale o ‘caffeine_2.8.2_all.deb’ a partir desta página.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite caffeine no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Para usá-lo, basta clicar na opção que ativa ou desativa ele no desktop.

caffeine-indicator

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o ambiente Enlightenment E20 no Ubuntu

Já está disponível o novo ambiente gráfico Enlightenment E20, se você quiser instalar ou atualizar no seu sistema, veja aqui como instalar ele no Ubuntu e seus derivados.
Enlightenment E20
O Enlightenment é um ambiente de desktop de código aberto que fornece um Gerenciador de janela eficiente baseado nas Enlightenment Foundation Libraries juntamente com outros componentes essenciais de desktop como um Gerenciador de arquivos, ícones e widgets. Ele permite numerosas personalizações, efeitos, transparências etc, tudo isso usando poucos recursos, o que é bom para os novos computadores pessoais e para os antigos também.

O Enlightenment não é apenas um gerenciador de janelas para Linux / X11 e outros, mas também todo um conjunto de bibliotecas para ajudar a criar interfaces de usuário bonitas, com muito menos trabalho do que fazê-lo à moda antiga e lutar com toolkits tradicionais, para não mencionar um tradicional gerenciador de janelas. Ele pode ser usado em pequenos dispositivos móveis como telefones e até em poderosos desktops multi-core (que são o ambiente de desenvolvimento primário). Com ele, você poder ter beleza e personalização, enquanto continum sendo capaz de realizar tarefas em hardware mais antigo ou dispositivos embarcados.

Conheça melhor o ambiente Enlightenment E20

Para saber mais sobre as características desse ambiente e o que pode ser feito nele, clique nesse link.

Como instalar o ambiente Enlightenment E20 no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o ambiente Enlightenment E20 no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:enlightenment-git/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install e20 terminology

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install e17 terminology

Acessando o ambiente Enlightenment E20

Uma vez que a instalação estiver concluída, saia da sua sessão atual do Ubuntu. Clique no ícone que fica no canto superior direito da tela de login Ubuntu (No 13.10 é o circulo branco, depois do nome de usuário) e será mostrado um menu com todas as opções de ambientes de desktop atualmente instalados. A mais recente adição a esta lista será o “Enlightenment”. Clique nesta opção e em seguida, coloque suas credenciais de login e confirme para iniciar o novo ambiente.

Ao entrar no ambiente pela primeira vez, será necessário responder as perguntas de um assistente de configuração. Primeiro, selecione o seu país e depois vá respondendo conforme seu gosto como nas imagens a seguir. No Final, você poderá começar a usar e experimentar o ambiente gráfico.

ambiente grafico enlightenment e19

ambiente grafico enlightenment e19

ambiente grafico enlightenment e19

ambiente grafico enlightenment e19

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 3.18.3

Greg Kroah-Hartman anunciou a liberação da terceira atualização da mais recente série do núcleo Linux: o Kernel 3.18.3. Se você quiser atualizar seu sistema para essa nova versão, veja abaixo como fazer isso.
kernel 3.18.3
Linux Kernel 3.18.3 é um pequeno lançamento que traz várias melhorias importantes, como atualizações de arquitetura (ARM, ARM64, x86), atualizações de driver e várias correções. De acordo com Greg Kroah-Hartman, é importante que todos os usuários desta série do kernel atualizem o mais rápido possível.

Para ver todas as mudanças presentes nesse kernel, acesse a nota de lançamento.

Antes de iniciar começar a atualizar o kernel do Ubuntu, saiba que este é um procedimento que apesar de simples, exige conhecimentos avançados do sistema e deve ser feito por sua própria conta e risco.

Como atualizar o kernel do Ubuntu para a versão 3.18.3

Para atualizar seu kernel para a versão 3.18.3 do Ubuntu e derivados, faça o seguinte
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema acessando as Configurações do Sistema e a opção “Detalhes” ou usando o comando abaixo:

uname -m

Passo 3. Se estiver usando um sistema de 32 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-headers-3.18.3-031803_3.18.3-031803.201501161810_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-headers-3.18.3-031803-generic_3.18.3-031803.201501161810_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-image-3.18.3-031803-generic_3.18.3-031803.201501161810_i386.deb

Passo 4. Se estiver usando um sistema de 32 bits e quiser usar o kernel de baixa latência (para usar em PC´s mais modestos), baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-headers-3.18.3-031803_3.18.3-031803.201501161810_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-headers-3.18.3-031803-lowlatency_3.18.3-031803.201501161810_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-image-3.18.3-031803-lowlatency_3.18.3-031803.201501161810_i386.deb

Passo 5. Se estiver usando um sistema de 64 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-headers-3.18.3-031803_3.18.3-031803.201501161810_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-headers-3.18.3-031803-generic_3.18.3-031803.201501161810_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-image-3.18.3-031803-generic_3.18.3-031803.201501161810_amd64.deb

Passo 6. Se estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar o kernel de baixa latência (para usar em PC´s mais modestos), baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-headers-3.18.3-031803_3.18.3-031803.201501161810_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-headers-3.18.3-031803-lowlatency_3.18.3-031803.201501161810_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.18.3-vivid/linux-image-3.18.3-031803-lowlatency_3.18.3-031803.201501161810_amd64.deb

Passo 7. Instale o kernel com o comando:

sudo dpkg -i linux-headers-3.18.3*.deb linux-image-3.18.3*.deb

Passo 8. Reinicie o sistema com o comando abaixo:

sudo reboot

Passo 9. Se você tiver algum problema e quiser desinstalar o atual kernel, reinicie o computador com um kernel anterior (usando Grub -> Advanced -> select previous kernel) e quando iniciar o sistema, faça login, abra um terminal e execute o comando abaixo para remover o Linux Kernel 3.18:

 sudo apt-get remove linux-headers-3.18.3 linux-image-3.18.3

Passo 10. Finalmente atualize o menu do GRUB, com o comando:

sudo update-grub

Nota: Todos os drivers que não fazem parte da principal árvore do kernel (o que obviamente inclui drivers proprietários) devem ser recompilados para novas versões do kernel.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Tor no Linux: veja como instalar manualmente

Se você precisa de um navegador seguro e com suporte a navegação realmente anônima, veja aqui como instalar manualmente o navegador Tor no Linux.
tor no linux
Tor Browser, é um pacote que traz um navegador baseado no Firefox ESR (Firefox com suporte estendido), configurado para proteger a privacidade e anonimato dos usuários usando Tor (que vem junto com ele).

Tor, The Onion Router, é uma rede de túneis virtuais que permite que os usuários se comuniquem de forma segura, bem como anonimamente através da Internet. O recurso permite que organizações e indivíduos partilhem informação através de redes públicas sem comprometer a sua privacidade. É possível usar o Tor para evitar que sites nos rastreiem e também nossos familiares, ou para se conectar a sites de notícias, serviços de mensagens instantâneas, ou a sites que são bloqueados pelos provedores de Internet e administradores de rede. Resumindo: Tor é um ótima opção para ter mais privacidade, principalmente em tempos de governos monitorando a vida até de presidentes e cidadãos.

Ainda que os repositórios das principais distribuições forneçam uma versão do navegador Tor, ela as vezes pode vir desatualizada. Nesse caso, se você quiser a versão mais recente (estável e experimental), basta seguir este tutorial para instalar o navegador Tor no Linux, independente de qual seja a sua distribuição favorita.

Antes de fazer o procedimento, desinstale qualquer versão do navegador Tor que já esteja em seu sistema.

Conheça melhor o navegador Tor

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a última versão estável do navegador Tor no Linux

Para instalar a última versão estável do Navegador Tor no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/tor-browser*
sudo rm -Rf /usr/bin/tor-browser
sudo rm -Rf /usr/share/applications/torbrowser.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta mais recente que não contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

wget -O tor-browser.tar.xz https://www.torproject.org/dist/torbrowser/4.0.3/tor-browser-linux32-4.0.3_pt-PT.tar.xz

Passo 5. Se seu sistema for de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta mais recente que não contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

wget -O tor-browser.tar.xz https://www.torproject.org/dist/torbrowser/4.0.3/tor-browser-linux64-4.0.3_pt-PT.tar.xz

Passo 6. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -xvJf tor-browser.tar.xz -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/tor-browser*/ /opt/tor-browser

Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/tor-browser/start-tor-browser /usr/bin/torbrowser

Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o Thunderbird, executando um editor de texto com o comando (se for preciso, use outro editor de textos e substitua “gedit” por ele):

sudo gedit /usr/share/applications/torbrowser.desktop

Passo 10. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=torbrowser
Exec=/opt/tor-browser/start-tor-browser
Icon=/opt/tor-browser/Browser/icons/updater.png
Categories=Application;

Como instalar a última versão experimental do navegador Tor no Linux (Experimental)

A versão experimental do navegador Tor é aquela que ainda está em desenvolvimento e portanto, traz as últimas novidade do programa, assim como seus bugs. Por causa disso, você deve instalar essa versão por sua própria conta e risco e claro, esteja pronto para alguns incidentes comuns em softwares que estão nesse estágio.
Para instalar a última versão experimental do Navegador Tor no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/tor-browser*
sudo rm -Rf /usr/bin/tor-browser
sudo rm -Rf /usr/share/applications/torbrowser.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta que contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

wget -O tor-browser.tar.xz https://www.torproject.org/dist/torbrowser/4.5-alpha-2/tor-browser-linux32-4.5-alpha-2_pt-PT.tar.xz

Passo 5. Se seu sistema for de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta que contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

wget -O tor-browser.tar.xz https://www.torproject.org/dist/torbrowser/4.5-alpha-2/tor-browser-linux64-4.5-alpha-2_pt-PT.tar.xz

Passo 6. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -xvJf tor-browser.tar.xz -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/tor-browser*/ /opt/tor-browser

Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/tor-browser/start-tor-browser /usr/bin/torbrowser

Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o Thunderbird, executando um editor de texto com o comando (se for preciso, use outro editor de textos e substitua “gedit” por ele):

sudo gedit /usr/share/applications/torbrowser.desktop

Passo 10. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=torbrowser
Exec=/opt/tor-browser/start-tor-browser
Icon=/opt/tor-browser/Browser/icons/updater.png
Categories=Application;

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite tor em um terminal, seguido da tecla TAB. Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho e use-o para iniciar o programa.
Ao executar o programa pela primeira vez, clique no botão “Conectar” para que ele prepare tudo e inicie o navegador.
tor-1

tor-2
Se o que você procura é uma forma de instalar ele no Ubuntu, Dê uma olhada nesses outros tutoriais:

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

18 de janeiro de 2015

Resumo semanal – 12/01/2015 a 18/01/2015

Você sabia que já é possível atualizar para Firefox 35 ou instalar os drivers de Impressora ou scanner da Canon no Ubuntu? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essa postagem, mas não se preocupe, leia o resumo semanal do blog e se atualize.
resumo semanal 12/01/2015 a 18/01/2015
Mas você já deve saber como encontrar e remover arquivos duplicados? Ou já sabe como instalar o XAMPP no Linux? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

Resumo semanal do Blog do Edivaldo de 12/01/2015 a 18/01/2015

12/01/2015

13/01/2015

14/01/2015

15/01/2015

16/01/2015

17/01/2015

Chegou o Ubuntu 14.10

O Ubuntu 14.10 já está disponível para download e se você estava na expectativa, é hora de baixar a nova versão do Ubuntu. Para fazer isso, acesse os links nessa postagem.

Como gravar a imagem ISO do Ubuntu 14.10

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO

Como atualizar do 14.04 para o 14.10

Quem precisar atualizar do 14.04 para o 14.10, basta seguir esses tutoriais:
Desktop
Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10
Como atualizar o Ubuntu Server para uma nova versão

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem ainda está no Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas nas últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04


Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

17 de janeiro de 2015

Como instalar o player de músicas Pragha no Ubuntu

Se você procura um reprodutor de áudio leve e cheio de recursos, experimente instalar o player de músicas Pragha no Ubuntu;
player de músicas pragha ubuntu
Pragha é um player de músicas leve para Linux, baseado em Gtk, SQLite, e completamente escrito em C. O programa foi construído para ser rápido, leve, e, simultaneamente, tenta ser completo, sem atrapalhar o trabalho diário.

Conheça algumas características do player de músicas Pragha

  • Gestão de biblioteca usando sqlite3;
  • Versátil fila de reprodução no estilo Winamp/Amarok;
  • Busca/Filtro da biblioteca e lista de reprodução atual;
  • Vários modos de exibição de biblioteca;
  • Letras da pesquisa, bios do artista e arte do álbum de qualquer música;
  • Suporte OSD com libnotify;
  • Edição de tags ID3;
  • Suporte a mp3, ogg, flac, modplug, wav e CD de áudio;
  • Last.fm scrobbling.;
  • Gerenciamento de Playlist (exportador M3U);
  • Interface de gerenciamento DBUS;
  • Suporte MPRIS2.

Uma pequena história do projeto

Consonance (Consonância), um excelente reprodutor que surgiu nos fóruns archlinux, foi descontinuado. O autor, Sacamano disse em seu blog:

“O que não significa que ele não será mantida. Eu ainda estaria corrigindo bugs, mas as principais adições de recursos não estão no pipeline, porque eu terminei tudo o que eu queria ver em Consonance. Foi um projeto divertido. :)

Bem .. O Dissonance (dissonância) é o projeto criado para continuar a desenvolver o Consonance, e seu resultado é o Pragha Music Player. Um novo reprodutor de música ..;)

Conheça melhor o player de músicas Pragha

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o player de músicas Pragha no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o player de músicas Pragha no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/pragha

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install pragha

Se você não quiser adicionar o repositório PPA, faça o download e instale o pacote .deb diretamente a partir da página do repositório do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite pragha no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

16 de janeiro de 2015

CAD gratuito: veja como instalar o LibreCad no Ubuntu e derivados

Se você procura um software de CAD gratuito e poderoso, experimente instalar o LibreCad no Ubuntu e derivados.
CAD gratuito librecad
LibreCAD é programa de CAD gratuito. Ele é uma aplicação CAD 2D totalmente abrangente, que você pode baixar e instalar gratuitamente. Há uma grande base de usuários LibreCAD em todo o mundo e o programa está disponível em mais de 20 línguas e para todos os principais sistemas operacionais, incluindo Microsoft Windows, Mac OS X e Linux (Debian, Ubuntu, Fedora, Mandriva, Suse…).

LibreCAD é um aplicativo 2D-CAD maduro, repleto de funcionalidades e com algumas grandes vantagens:

  • Gratuito: Você não tem que se preocupar com os custos de licença ou taxas anuais;
  • Não há barreiras linguísticas: Ele está disponível em um grande número de línguas, com muitas outras sendo adicionadas continuamente;
  • Livre: O programa é licenciado pela licença pública GPLv2 e por causa disso, você pode usá-lo, personalizá-lo, alterá-lo e copiá-lo;
  • Comunitário: LibreCAD é um projeto dirigido por uma comunidade e o desenvolvimento está aberto a novos talentos e novas ideias. Também por conta disso, o software é testado e utilizado diariamente por uma comunidade de usuários, grande e dedicada; Com isso, você também pode se envolver e influenciar o seu desenvolvimento futuro.

Conheça melhor o aplicativo de CAD gratuito LibreCAD 2.0

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Instalando o aplicativo de CAD gratuito LibreCAD

Para instalar o aplicativo de CAD gratuito LibreCAD no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione esse repositório com o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:librecad-dev/librecad-daily

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install librecad

Passo 5. Depois, se por algum motivo você precisar reomver o aplicativo, use esse comando;

sudo apt-get remove librecad

Para baixar as versões para Windows e Mac OS acesse a página oficial do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite librecad no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 3.17.8

Como sempre, Greg Kroah-Hartman anunciou a liberação de mais uma versão estável do Linux, dessa vez da série 3.17, o Kernel 3.17.8. Se você está usando essa série e quiser atualizar seu sistema para essa nova versão, veja abaixo como fazer isso.
Kernel 3.17.8
O kernel 3.17.8 é uma atualização de manutenção que traz várias melhorias importantes, como atualizações de arquitetura (ARM e x86), atualizações de drivers, além de várias correções de bugs, bem como outros tipos de correções.

Para ver todas as mudanças presentes nesse kernel, acesse esse o ChangeLog.

Atualizar ou não atualizar! Eis a questão

A série “Atualizando o Kernel do Ubuntu” é voltada principalmente para os usuários que querem ter no seu sistema, a última versão do kernel Linux. Ela também serve para as pessoas que estão tendo problemas em algum hardware ou no reconhecimento deste e estão na expectativa de alguma correção. Independente disso, o procedimento a seguir é muito simples e pode ser desfeito com poucos comandos, conforme mostrado no final. Na verdade, se o usuários quiser continuar dando boot pelo kernel anterior, basta apenas escolher a opção no menu do Grub e o novo kernel nem afetará seu sistema. É 100% seguro? Nada é, mas é exatamente por isso que você deve escolher se irá ou não atualizar (e por isso coloco sempre a mensagem de alerta a seguir), pois assim como no uso do software livre/open source, a liberdade de escolha é sua.

Antes de iniciar começar a atualizar o kernel do Ubuntu, saiba que este é um procedimento que apesar de simples, exige conhecimentos avançados do sistema e deve ser feito por sua própria conta e risco.

Como atualizar o kernel do Ubuntu para a versão 3.17.8

Para atualizar seu kernel para a versão 3.17.8 no Ubuntu e derivados, faça o seguinte
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema acessando as “Configurações do Sistema” e a opção “Detalhes” ou usando o comando abaixo:

uname -m

Passo 3. Se estiver usando um sistema de 32 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-headers-3.17.8-031708_3.17.8-031708.201501081837_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-headers-3.17.8-031708-generic_3.17.8-031708.201501081837_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-image-3.17.8-031708-generic_3.17.8-031708.201501081837_i386.deb

Passo 4. Se estiver usando um sistema de 32 bits e quiser usar o kernel de baixa latência (para usar em PC´s mais modestos), baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-headers-3.17.8-031708_3.17.8-031708.201501081837_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-headers-3.17.8-031708-lowlatency_3.17.8-031708.201501081837_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-image-3.17.8-031708-lowlatency_3.17.8-031708.201501081837_i386.deb

Passo 5. Se estiver usando um sistema de 64 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-headers-3.17.8-031708_3.17.8-031708.201501081837_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-headers-3.17.8-031708-generic_3.17.8-031708.201501081837_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-image-3.17.8-031708-generic_3.17.8-031708.201501081837_amd64.deb

Passo 6. Se estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar o kernel de baixa latência (para usar em PC´s mais modestos), baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-headers-3.17.8-031708_3.17.8-031708.201501081837_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-headers-3.17.8-031708-lowlatency_3.17.8-031708.201501081837_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.8-vivid/linux-image-3.17.8-031708-lowlatency_3.17.8-031708.201501081837_amd64.deb

Passo 7. Instale o kernel com o comando:

sudo dpkg -i linux-headers-3.17.8*.deb linux-image-3.17.8*.deb

Passo 8. Reinicie o sistema com o comando abaixo:

sudo reboot

Passo 9. Se você tiver algum problema e quiser desinstalar o atual kernel, reinicie o computador com um kernel anterior (usando Grub -> Advanced -> select previous kernel) e quando iniciar o sistema, faça login, abra um terminal e execute o comando abaixo para remover o Linux Kernel 3.17:

sudo apt-get remove linux-headers-3.17.8 sudo apt-get remove linux-image-3.17.8

Passo 10. Finalmente atualize o menu do GRUB, com o comando:

sudo update-grub

Nota: Todos os drivers que não fazem parte da principal árvore do kernel (o que obviamente inclui drivers proprietários) devem ser recompilados para novas versões do kernel.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o cliente FTP gFTP no Ubuntu

Se você precisa acessar servidores FTP e o FileZilla não serviu para você, experimente instalar o cliente FTP gFTP.
cliente ftp gftp
Para aqueles que ainda não conhecem, gFTP é um cliente de FTP open source, desenvolvido para sistemas Linux e Unix. O programa foi escrito em C e tem uma interface de texto e outra em GTK+ 1.2/2.x, alé de ser distribuído sob os termos da Licença Pública GNU. Cheio de recursos, o aplicativo é multi-threaded, suporta FTP, FTPS (apenas conexão de controle), HTTP, HTTPS, SSH e protocolos FSP, suporta FTP e servidor proxy HTTP, suporta transferências de arquivos FXP (transferência de arquivos entre dois servidores remotos via FTP), suporta UNIX, EPLF, Novell, MacOS, VMS, MVS e listagens de diretórios no estilo NT (DOS) e também possui menu de favoritos para que você possa conectar-se rapidamente para locais remotos.

Conheça melhor o cliente FTP gFTP

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o cliente FTP gFTP no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o cliente FTP gFTP no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:klaus-vormweg/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install gftp

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite gftp no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB)

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Telegram no Linux : Instale o cliente alternativo Cutegram

Nos últimos dias, mostrei como é fácil instalar o cliente oficial do Telegram no Linux via repositório e manualmente. Agora se você quer ter Telegram no Linux, usando um cliente alternativo experimente instalar o Cutegram.
Telegram no Linux
Para alegria dos usuários desse popular serviço de mensagens instantâneas, ele é multiplataforma. Por causa disso, além do cliente oficial Telegram, existem outros projetos dedicados como o Sigram, o plugin para o Pidgin e também o novo Cutegram.

Cutegram é um cliente open source para Telegram no Linux com interface gráfica Qt5, desenvolvido e baseado em QML, libqtelegram, libappindication e AsemanQtTools e equipado com muitos recursos úteis.

Além de uma interface gráfica moderna, que vai integrar no principal ambiente de desktop Linux, Cutegram inclui recursos importantes como Emoji do Twitter, a integração com as notificações do sistema (com a opção de desativá-las) e a capacidade de enviar facilmente arquivos de mídia como música, vídeos, documentos, etc., simplesmente arrastando-os para a mensagem a ser enviada.

Mais que colocar Telegram no Linux, Cutegram também pode gerenciar contatos e grupos. Graças ao seu indicador que fica no painel, é possível manter o cliente ativo ao minimizá-lo, para que se possa obter mais espaço no ambiente de trabalho.

Conheça melhor o Cutegram

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Use o Telegram no Linux instalando o cliente alternativo Cutegram no Linux

Para ter o Telegram no Linux instalando o cliente alternativo Cutegram no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/Aseman*
sudo rm -Rf/usr/share/applications/cutegram.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se você estiver usando um sistema de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome cutegram.run:

wget -O cutegram.run http://aseman.co/downloads/cutegram/cutegram-1.0.1-linux-x64-installer.run

Passo 5. Se você estiver usando um sistema de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome cutegram.run:

wget -O cutegram.run http://aseman.co/downloads/cutegram/cutegram-1.0.1-linux-installer.run

Passo 6. Torne o arquivo executável com o comando abaixo;

chmod +x cutegram.run

Passo 7. Inicie a instalação do Cutegram, com o seguinte comando;

sudo ./cutegram.run

Passo 8. Quando aparecer, siga os passos do instalador, conforme as imagens a seguir;
cutegram-1
cutegram-2
cutegram-3
cutegram-4
cutegram-5
cutegram-6
Passo 9. Renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/Aseman/cutegram*/ /opt/Aseman/cutegram

Passo 10. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando um editor de texto com o comando (se for preciso, use outro editor de textos e substitua “gedit” por ele):

sudo gedit /usr/share/applications/cutegram.desktop

Passo 11. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=cutegram
Exec=/opt/Aseman/cutegram/cutegram/run
Icon=/opt/Aseman/cutegram/cutegram/icons/icon.png
Categories=Application;

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite cutegram em um terminal, seguido da tecla TAB. Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho e use-o para iniciar o programa.

Note que na tela que pede para escolher o país você deve clicar em qualquer nome, segurar e arrastar até chegar a opção “Brazil”. Se você simplesmente clicar, ele entra pelo país clicado e como o “Brazil” fica longe na lista, você entrará com o país errado. Depois disso, basta entrar com o número do seu telefone e as outras informações necessárias.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje

Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

15 de janeiro de 2015

Como instalar a última versão do qBittorrent no Ubuntu e derivados

Você costuma baixar arquivo torrents e usa ou quer experimentar o qBittorrent? Então veja aqui como instalar a última versão do dele no Ubuntu e derivados.
qBittorrent
qBittorrent é um cliente BitTorrent multiplataforma e de código aberto. Ele foi escrito em C + + / Qt4, usando a biblioteca LibTorrent-rasterbar, tendo sido criado para ser uma alternativa ao popular cliente μtorrent. QBittorrent é rápido, estável, leve, suporta unicode e fornece um bom motor de busca integrado. Ele também vem com o encaminhamento de porta UPnP/NAT-PMP, criptografia (Vuze compatível), FAST extension (mainline) e suporta PeX (compatível com utorrent).

Conheça melhor o qBittorrent

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais as novidades sobre esse programa, clique na sua página de notícias.

Enquanto os repositórios oficiais do Ubuntu fornecem uma versão antiga, com esse tutorial você aprenderá a instalar a última versão do qBittorrent no Ubuntu e sistemas derivados.

Instalando o qBittorrent no Ubuntu e derivados

Para instalar o qBittorrent no Ubuntu e sistemas derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione esse repositório com o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:qbittorrent-team/qbittorrent-stable

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install qbittorrent

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite qbittorrent no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB)

Via ubuntuhandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Thunderbird no Linux: veja com instalar manualmente

Se você precisa ter a última versão do cliente de e-mail da Mozilla no seu sistema, veja aqui como instalar o Thunderbird no Linux manualmente.
thunderbird no linux
Ainda que os repositórios das principais distribuições forneçam uma versão do Thunderbird, ela as vezes pode vir desatualizada. Nesse caso, se você quiser a versão mais recente, basta pode seguir este tutorial para instalar o Thunderbird no Linux, independente de qual seja a sua distribuição favorita.

Antes de fazer o procedimento, desinstale qualquer versão do Thunderbird que já esteja em seu sistema.

Conheça melhor o Thunderbird

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a última versão do Thunderbird no Linux

Para instalar a última versão do Thunderbird no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome thunderbird.tar.bz2:

wget -O thunderbird.tar.bz2 ftp.mozilla.org/pub/mozilla.org/thunderbird/releases/31.4.0/linux-i686/pt-BR/thunderbird-31.4.0.tar.bz2

Passo 4. Se seu sistema for de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome thunderbird.tar.bz2:

wget -O thunderbird.tar.bz2 ftp.mozilla.org/pub/mozilla.org/thunderbird/releases/31.4.0/linux-x86_64/pt-BR/thunderbird-31.4.0.tar.bz2

Passo 5. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/thunderbird*
sudo rm -Rf /usr/bin/thunderbird
sudo rm -Rf /usr/share/applications/thunderbird.desktop

Passo 6. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -jxvf  thunderbird.tar.bz2 -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/thunderbird*/ /opt/thunderbird

Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/thunderbird/thunderbird /usr/bin/thunderbird

Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o Thunderbird, executando um editor de texto com o comando (se for preciso, use outro editor de textos e substitua “gedit” por ele):

sudo gedit /usr/share/applications/thunderbird.desktop

Passo 10. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=thunderbird
Exec=/opt/thunderbird/thunderbird
Icon=/opt/thunderbird/icons/updater.png
Categories=Application;

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite thunderbird em um terminal, seguido da tecla TAB. Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho e use-o para iniciar o programa.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o gerenciador de login MDM e temas

Quer mudar o visual de sua tela de login? Então experimente instalar o gerenciador de login MDM e temas feitos para ele.
MDM e temas
MDM é um gerenciador de exibição (ou gerenciador de login) que é desenvolvido pela equipe do Mint para o seu sistema operacional conhecido como “Linux Mint”, um popular derivado do Ubuntu.
mdm-1
MDM é baseada no GDM e fornece ferramentas gráficas de configuração, que permitem alterar os temas, o acesso remoto, o login automático e temporizado, scripts de eventos, seleção de idioma, além de possuir mais recursos do que qualquer outro gerenciador de exibição disponível no momento.

Para completar, existem vários temas HTML e GDM feitos para o MDM, boa parte deles projetados pela equipe do Linux Mint e outras pessoas.

Conheça melhor o gerenciador de login MDM

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o gerenciador de login MDM e alguns temas no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o gerenciador de login MDM e alguns temas no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/mint

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install mdm mdm-themes

Passo 5. Se durante a instalação for questionado qual será o gerenciador padrão do sistema, selecione o MDM e confirme.
selecionar-mdm

Pronto! Agora, quando quiser configurar o MDM, digite mdm no Dash. Se for em um terminal, digite sudo mdmsetup, seguido da tecla TAB.
mdm-config

Se um dia você quiser mudar para outro gerenciador de login, basta instalar ele. Caso já esteja instalado, siga os passos do tutorial abaixo para escolher ele:
Como alternar entre o GDM, LightDM e outros gerenciadores de login no Debian, Ubuntu e seus derivados

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Flash atualizado no Linux: Tenha a versão mais recente com o Fresh Player Plugin

Se você já seguiu todos os tutorias sobre a instalação do Flash desse Blog e não conseguiu ou ficou insatisfeito com a versão desatualizada do Flash Player no Linux, tenha o Flash atualizado no Linux com o Fresh Player Plugin.
Flash Player no Linux versão mais recente
Fresh Player Plugin é um wrapper que permite que os usuários do Linux possam utilizar o Pepper Flash do Google Chrome no Firefox, Opera e outros navegadores compatíveis com NPAPI, para poder usar um Flash atualizado no Linux.

Como você provavelmente já deve saber, as últimas versões do Adobe Flash Player para Linux só estão disponíveis via Google Chrome (pois é empacotado junto com ele), enquanto outros navegadores, como o Firefox, estão presos a uma antiga versão 11.2., ou seja, nada de Flash atualizado para esses navegadores.

O que acontece é que o plug-in Adobe Flash Player que vem empacotado com o Google Chrome está na forma de um plugin PPAPI (ou Pepper Plugin API) e a Fundação Mozilla não está interessada em adicionar o suporte para ele. Por conta dessa dificuldade, Rinat Ibragimov desenvolveu o Fresh Player Plugin, uma interface que permite que os usuários do Linux possam utilizar o Pepper Flash do Google Chrome no Firefox e em outros navegadores compatíveis.

Agora, uma nova versão Fresh Player Plugin (0.2.2), acaba de ser lançado, trazendo várias melhorias e novas funcionalidades. A mudança mais importante nesta versão é, obviamente, a implementação da interface Flash DRM, no entanto, o Pepper Flash que é empacotado com o Google Chrome tem o código relacionado ao DRM desabilitado no Linux.

De acordo como o site WebUpd8 (que testou o Fresh Player Plugin com o Firefox por meses) praticamente tudo funciona, embora só tenha testado em alguns sites com Flash. Vale lembrar que de acordo com a sua página GitHub, o Fresh Player Plugin “funciona na maior parte, mas algumas APIs essenciais estão para ser implementadas”, por isso, ele pode não funcionar com alguns websites. Ainda assim, só em poder usar o Flash atualizado, já vale a pena instalar o programa.

Conheça melhor o Fresh Player Plugin

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Antes de instalar o Fresh Player Plugin, se você ainda não tem o Chrome no seu sistema, use esse tutorial:
Como instalar o Google Chrome no Linux

Como instalar o Fresh Player Plugin e ter o Flash atualizado no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Fresh Player Plugin e ter o Flash atualizado, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install freshplayerplugin

Passo 5. Depois de instalado, copie o arquivo libfreshwrapper.so da pasta do Chrome para a pasta de plugin do navegador. No caso do Firefox, copie-o para /usr/lib/mozilla/plugins/, usando o comando abaixo (para outros navegadores consulte a documentação dos mesmos):

sudo cp /opt/google/chrome/PepperFlash/libfreshwrapper.so /usr/lib/mozilla/plugins/

flash-atualizado-no -firefox
Passo 6. Para testar, acesse esse link.
flash-instalado

Como instalar o Fresh Player Plugin e ter o Flash atualizado em outras distribuições

Usuários do Arch Linux pode instalar a última Pepper Flashr Plugin (Git) via AUR.

Para outras distribuições do Linux, será preciso compilar o programa a partir do código fonte, o que pode ser visto nesse tutorial;
Fresh Player Plugin: Pepper Flash Wrapper para o Firefox e outros navegadores compatíveis com NPAPI

Pronto! Você já está com o Flash atualizado no Linux e pode começar a testar aqueles sites que não aceitavam a versão antiga. Deixe seu comentário e diga como ficou.

Veja também:
Instalando Pepper Flash para o navegador Chromium

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

14 de janeiro de 2015

Firefox no Linux: veja como instalar manualmente

Se você precisa ter a última versão do navegador da Mozilla no seu sistema, veja aqui como instalar o Firefox no Linux manualmente. O procedimento deve funcionar nas principais distribuições Linux.
firefox no linux
descricao
Embora os repositórios das principais distribuições forneçam uma versão do Firefox, ela as vezes pode vir desatualizada. Por isso, você sempre pode seguir este tutorial para instalar a versão mais recente do Firefox no Linux, independente de qual seja a sua distribuição favorita.

Conheça melhor o Firefox

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a última versão do Firefox no Linux

Para instalar a última versão do Firefox no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome blender.tar.bz2:

wget -O firefox.tar.bz2 ftp.mozilla.org/pub/mozilla.org/firefox/releases/35.0/linux-x86_64/en-US/firefox-35.0.tar.bz2

Passo 3. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/firefox*
sudo rm -Rf /usr/bin/firefox
sudo rm -Rf /usr/share/applications/firefox.desktop

Passo 4. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -jxvf  firefox.tar.bz2 -C /opt/

Passo 5. Renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/firefox*/ /opt/firefox

Passo 6. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/firefox/firefox /usr/bin/firefox

Passo 7. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o Skype, executando um editor de texto com o comando (se for preciso, use outro editor de textos e substitua “gedit” por ele):

sudo gedit /usr/share/applications/firefox.desktop

Passo 8. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=skype
Exec=/opt/firefox/firefox
Icon=/opt/firefox/icons/updater.png
Categories=Application;

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite firefox em um terminal, seguido da tecla TAB. Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho e use-o para iniciar o programa.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Firefox 35: veja como atualizar para essa versão no Ubuntu

A Mozilla lançou o Firefox 35 nessa terça-feira (13). Se você quer experimentar essa nova versão, veja aqui como atualizar para ela no Ubuntu.
firefox 35
A nova versão do Firefox traz a ferramenta de chat de vídeo “Hello” com melhorias de desempenho, suporte embutido para H.264 no OS X via APIs nativas, melhorias de desempenho no redimensionamento de imagens de alta qualidade, suporte à CSS Font Loading API, PDF.js atualizado, e inúmeras outras alterações, além de várias correções de segurança e muitos outros ajustes.

Conheça melhor essa versão

Para saber mais sobre as novidades dessa versão, clique nesse link.

Como atualizar o Firefox no Ubuntu e derivados

Normalmente a última versão do Firefox fica disponível como uma atualização de segurança em todas as versões suportadas do Ubuntu, depois de algumas horas do anúncio da Mozilla. Mas se você atualizou o sistema e a nova versão não apareceu, siga os passos a seguir e resolva seu problema. Para atualizar o Firefox e instalar a versão mais recente do navegador no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Certifique-se de que o repositório de atualizações recomendadas está habilitado. Para fazer isso, abra as “Configurações do sistema” e depois clique no item a opção “Programas e atualizações”. Quando aparecer a tela, vá para a aba “Atualizações” e veja se o item repositório de atualizações recomendadas está habilitado. Se não estiver, marque o item;
atualizar o firefox atualizacoes recomendadas
Passo 2. Para executar o atualizador do sistema, clique no Dash e digite: update
Passo 3. Clique no ícone do atualizador e espere ele receber as informações de atualização;
atualiza-firefox-1
Passo 4. Na tela do programa, clique em “Detalhes das atualizações” para ver se o Firefox está no meio das atualizações. Se estiver, confirme a atualização clicando em “Instalar agora” e espere até finalizar.
atualizar-firefox-2
Se tudo correu bem, no final do processo, seu Firefox estará com a última versão instalada.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Wine 1.7.34: Veja como instalar no RedHat, openSUSE, Ubuntu e derivados

Foi lançado o Wine 1.7.34, a versão de desenvolvimento do aplicativo que permite executar programas do Windows no Linux ou qualquer Unix. Para instalar ou atualizar, veja aqui como fazer isso em sistemas baseados no RedHat, openSUSE e Ubuntu.
Wine 1.7.34 programas do windows
Wine é um software livre em constante desenvolvimento que permite que os usuários do Linux, Mac, FreeBSD e Solaris possam instalar e executar programas do Windows, sem uma cópia do Microsoft Windows.

O Wine 1.7.34 é uma nova versão de desenvolvimento chega com uma série de novas funcionalidades importantes e 63 correções de bugs.

De acordo com o changelog, as principais novidades do Wine 1.7.34 são as seguintes:

  • Melhor suporte execução de texto em DirectWrite;
  • Muitas correções de engine HTML;
  • Mais suporte para objetos WBEM;
  • Mais algumas funções C/C ++ em tempo de execução.
  • E muito mais.

Para obter mais detalhes sobre as novidades dessa versão, acesse o changelog.

Conheça melhor o Wine e execute programas do Windows no Linux

Se você precisa usar o aplicativos do Windows no Linux, você pode fazer isso com o Wine. O programa permite que você execute o software do sistema operacional Windows em outros sistemas operacionais, como Linux, Mac OS e Unix, sem a necessidade de instalar o sistema operacional físico. Ele também fornece implementações alternativas das bibliotecas DLL, que são chamados pelos programas do sistema operacional da Microsoft. Dessa forma, você pode rodar aplicativos para Windows no Linux.
Para saber mais sobre o programa, clique nesse link ou veja essa série de artigos:
Instalando e manipulando aplicativos para Windows no Linux e outros assuntos relacionados

Como instalar o Wine 1.7.34 em sistemas baseados no Ubuntu

Nota: Nota: No momento em que este artigo foi, a versão disponível era a 1.7.33 e a nova compilação ainda não estava atualizada no repositório oficial do Wine, mas as instruções a seguir irá instalar a versão 1.7.34 quando ela estiver disponível.
Para instalar o Wine 1.7.34 em sistemas baseados no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:ubuntu-wine/ppa

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install wine1.7 winetricks

Passo 5. Depois, se você precisar remover o Wine em sistemas baseados no Ubuntu, use este comando:

sudo apt-get remove wine1.7 winetricks

Como instalar o Wine 1.7.34 no openSUSE

Para instalar o Wine 1.7.34 em sistemas baseados no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se seu sistema é um openSUSE 12.3, use o comando abaixo para adicionar o repositório do programa:

sudo zypper ar -f http://download.opensuse.org/repositories/Emulators:/Wine/openSUSE_12.3/ wine

Passo 3. Se seu sistema é um openSUSE 13.1, use o comando abaixo para adicionar o repositório do programa:

sudo zypper ar -f http://download.opensuse.org/repositories/Emulators:/Wine/openSUSE_13.1/ wine

Passo 4. Se seu sistema é um openSUSE 13.2, use o comando abaixo para adicionar o repositório do programa:

sudo zypper ar -f http://download.opensuse.org/repositories/Emulators:/Wine/openSUSE_13.2/ wine

Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo zypper refresh

Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo zypper install wine1.7 winetricks

Passo 7. Depois, se você precisar remover o Wine a partir de qualquer uma dessas versões do openSUSE, use este comando:

sudo zypper remove wine1.7 winetricks

Como instalar o Wine 1.7.34 em sistemas derivados do Red Hat (Fedora, CentOS e etc)

Infelizmente, não há repositório Wine oficial disponível para os sistemas baseados no Red Hat e a única maneira de instalar o Wine e assim poder executar programas do Windows no Linux, é compilar o código fonte. Por isso, para instalar o Wine 1.7.34 em sistemas derivados do Red Hat, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando;

uname -m

Passo 3. instale algumas dependências que são necessários para poder compilar o código fonte do Wine, usando o comando a seguir;

yum -y groupinstall 'Development Tools'
yum -y install flex bison libX11-devel freetype-devel

Passo 4. Baixe o código fonte do Wine, com o seguinte comando:

wget -O wine.tar.bz2 http://citylan.dl.sourceforge.net/project/wine/Source/wine-1.7.34.tar.bz2

Passo 5. Descompacte o arquivo baixado com o comando:

tar -xvf wine.tar.bz2

Passo 6. Vá para a pasta criada pelo descompactador:

Passo 7. Vá para a pasta criada, com o comando abaixo:

cd wine-*/

Passo 8. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo apara compilar o Wine:

./tools/wineinstall

Passo 9. Se seu sistema é de 64 bits, use os comandos abaixo para compilar o Wine:

./configure --enable-win64
make
make install

Passo 10. Depois, se você precisar remover o Wine em sistemas derivados do Red Hat, use este comando:

sudo yum remove wine1.7

Uma vez instalado, você já pode testar o programa. Para instalar e rodar aplicativos para Windows no Linux, vá para uma pasta onde está um programa Windows e digite: wine programa
Só não esqueça de substituir “programa” pelo nome do executável Windows.
Abaixo, três exemplos práticos e bem simples da execução de um aplicativo Windows, usando o bloco de notas padrão do sistema:

wine notepad
wine notepad.exe
wine c:\\windows\\notepad.exe

Via Tecmint e Tecmint

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Java no Ubuntu: veja como instalar o OpenJDK 8 nas versões LTS 12.04 e 14.04

Se você está precisando colocar o Java no Ubuntu, mais precisamente a versão open source, veja como instalar o OpenJDK 8 nas versões LTS 12.04 e 14.04.
Java no Ubuntu openjdk 8
OpenJDK é uma uma implementação open source do Java que provê um Java Development Kit totalmente baseado em software livre e de código aberto.

Assim como a versão oficial da Oracle, o software está na versão 8. Lançado em março de 2014, o OpenJDK 8 já está disponível na Central de programas do Ubuntu 14.10 e no futuro 15.04. Entretanto, até então ele ainda não podia ser instalado nas versões LTS do Ubuntu (12.04 e 14.04). Felizmente, agora você já pode instalar o OpenJDK 8 a partir de um repositório PPA, conforme será mostrado a seguir.

Java no Ubuntu: Conheça melhor o OpenJDK

Para saber mais sobre o OpenJDK, clique nesse link.

Java no Ubuntu: Como instalar o OpenJDK 8 no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o OpenJDK 8 e ter o Java no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com o comando abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:openjdk-r/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install openjdk-8-jdk

Passo 5. Se você tiver mais de uma versão do Java instalado em seu sistema, execute o comando abaixo para definir o interpretador Java padrão:

sudo update-alternatives --config java

Passo 7. Na tela que aparece, escolha e digite um número para selecionar uma versão do Java e depois tecle enter;
set-default-java
Passo 8. Para definir o compilador Java padrão, executando o comando a seguir:

sudo update-alternatives --config javac

Passo 9. Finalmente confira qual é a versão Java atual, executando:

java -version

Pronto! Agora você já com a última versão do Java no Ubuntu.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

13 de janeiro de 2015

Instalando o conjunto de ícones Dalisha no Ubuntu

Se você gosta de ícones circulares e quer dar uma repaginada no visual do seu desktop, experimente instalar o conjunto de ícones Dalisha no Ubuntu.
ícones Dalisha
O conjunto de ícones Dalisha é uma bela peça de arte criada por Eep Setiawan e que oferece ícones circulares para serem usados em desktops Linux. O melhor de tudo é que ele contém ícones para todos os ambientes de desktop Linux como Unity, Gnome, Cinnamon, KDE, Mate e outros. Este conjunto de ícones oferece mais de 30.000 ícones que estão disponíveis como a maioria dos tamanhos, incluindo uma versão escalável. Ele também traz ícones simbólicos utilizados a partir de ícones moka, a fim de melhorar e completar o conjunto.
dalisha-2

Conheça melhor o conjunto de ícones Dalisha

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o conjunto de ícones Dalisha no Ubuntu e derivados

Para instalar o conjunto de ícones Dalisha no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se você ainda não tem, adicione o repositório do tema com o comando:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o conjunto de ícones Dalisha usando o seguinte comando:

sudo apt-get install dalisha-icons

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak para mudar o tema.

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o XAMPP no Linux

Ter um servidor web completo localmente pode ser complicado, mas existe um pacote que torna esse processo fácil: XAMPP. Para ter esse recurso no seu sistema, veja a seguir como instalar o XAMPP no Linux.
xampp no linux
XAMPP é um servidor independente de plataforma, que consiste principalmente na base de dados MySQL, o servidor web Apache e os interpretadores para linguagens de script: PHP e Perl. O nome provem da abreviação de X (para qualquer dos diferentes sistemas operacionais), Apache, MySQL, PHP, Perl. O programa está disponível sob a licença GNU e atua como um servidor web livre, fácil de usar e capaz de interpretar páginas dinâmicas. Atualmente XAMPP está disponível para Microsoft Windows, GNU/Linux, Solaris, e MacOS X.

O XAMPP em sua última versão (5.5.19) traz os seguintes recursos: Apache 2.4.10, MySQL 5.6.21, PHP 5.5.19 & PEAR + SQLite 2.8.17/3.7.17 + multibyte (mbstring) support, Perl 5.16.3, ProFTPD 1.3.4c, phpMyAdmin 4.2.11, OpenSSL 1.0.1j, GD 2.0.35, Freetype2 2.4.8, libpng 1.5.9, gdbm 1.8.3, zlib 1.2.8, expat 2.0.1, Sablotron 1.0.3, libxml 2.0.1, Ming 0.4.5, Webalizer 2.23-05, pdf class 0.11.7, ncurses 5.9, pdf class 0.11.7, mod_perl 2.0.8-dev, FreeTDS 0.91, gettext 0.18.1.1, IMAP C-Client 2007e, OpenLDAP (client) 2.4.21, mcrypt 2.5.8, mhash 0.9.9.9, cUrl 7.30.0, libxslt 1.1.28, libapreq 2.12, FPDF 1.7, ICU4C Library 4.8.1, APR 1.4.6, APR-utils 1.5.1

Conheça melhor o XAMPP

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para mais detalhes sobre como configurar e proteger XAMPP, por favor, visite esta página.

Instalando o XAMPP no Linux

Para instalar o XAMPP no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se você estiver usando um sistema de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome xampp-installer.run:

wget -O xampp-installer.run http://ufpr.dl.sourceforge.net/project/xampp/XAMPP%20Linux/5.5.19/xampp-linux-5.5.19-0-installer.run

Passo 4. Se você estiver usando um sistema de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome xampp-installer.run:

wget -O xampp-installer.run http://ufpr.dl.sourceforge.net/project/xampp/XAMPP%20Linux/5.5.19/xampp-linux-x64-5.5.19-0-installer.run

Passo 5. Torne o arquivo executável com o comando abaixo;

chmod +x xampp-installer.run

Passo 6. Inicie a instalação do XAMPP, com o seguinte comando;

sudo ./xampp-installer.run

Passo 7. Quando aparecer, siga os passos do assistente de instalação e configuração:
instalador-xampp

Administrando, verificando e desinstalando o XAMPP no Linux

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se você quiser iniciar o XAMPP através do terminal, use este comando:

sudo /opt/lampp/lampp start

Passo 3. Ou simplesmente use a interface gráfica do programa para iniciar ou parar o servidor web:
xampp-gui
Passo 4. Para verificar se o servidor web está sendo executado, digite o seguinte endereço em um navegador:

http://localhost

Passo 5. Se a instalação funcionou, irá aparecer essa página:
xampp-firefox
Passo 6. Se for necessário desinstalar o XAMPP do seu sistema, simplesmente execute o seguinte comando em um terminal:

sudo rm -rf /opt/lampp

Pronto! Agora você já tem um servidor web no seu sistema. Mas se você prefere o LAMP, dê uma olhada nesse tutorial:
Instale LAMP no Linux e tenha um servidor web em seu PC

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje

Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Impressora ou scanner da Canon: veja como instalar os drivers no Ubuntu

Se você possui uma impressora ou scanner da Canon, e precisa fazê-la funcionar no seu sistema, veja aqui como instalar alguns drivers dessa marca no Ubuntu e sistemas derivados.
impressora ou scanner da canon
Bastante conhecida, a Canon produz bons equipamentos de impressão e scanner. Mas, infelizmente, nem sempre a empresa disponibiliza drivers para Linux. A boa noticia para usuários do sistema é que já é possível instalar os drivers necessários para fazer alguns equipamentos dessa marca funcionar, basta usar um repositório PPA. Embora esse repositório permita instalar os drivers para muitos modelos de impressoras Canon, ele não funciona com qualquer modelo, por isso, antes fazer qualquer coisa, verifique se seu dispositivo é suportado por esses drivers. Se ele estiver na lista abaixo, veja a seguir como instalar os drivers no Ubuntu.

Impressora ou scanner da Canon suportados:

  • bjf9000, bjf900, bjs300, bjs500, bjs700 series;
  • e500, e510, e600, e610 series;
  • i250, i255, i550, i560, i850, i860, i950, i990 series;
  • ip100, ip1800, ip1900, ip2200, ip2500, ip2600, ip2700, ip3000, ip3300, ip3500, ip3600, ip4000, ip4200, ip4300, ip4500, ip4600, ip4700, ip4800, ip4900, ip5000, ip5200, ip6600, ip7200, ip7500, ip8500, ip90 series;
  • ix6500 series;
  • mg2100, mg2200, mg3100, mg3200, mg4100, mg4200, mg5100, mg5200, mg5300, mg5400, mg6100, mg6200, mg6300, mg8100, mg8200 series;
  • mp140, mp160, mp190, mp210, mp230, mp240, mp250, mp270, mp280, mp490, mp495, mp500, mp510, mp520, mp540, mp550, mp560, mp600, mp610, mp620, mp630, mp640, mp750, mp780 series;
  • mx320, mx330, mx340, mx350, mx360, mx370, mx390, mx410, mx420, mx430, mx450, mx510, mx520, mx710, mx720, mx860, mx870, mx880, mx890, mx920 series;
  • pixmaip1000, pixmaip1500 series;
  • pixus250, pixus255, pixus550, pixus560, pixus850, pixus860, pixus950, pixus990 series;
  • pixusip3100, pixusip4100, pixusip8600 series.

Conheça melhor o repositório de drivers de impressora ou scanner da Canon

Para saber mais sobre esse repositório, clique nesse link.

Como instalar drivers para impressora ou scanner da Canon no Ubuntu e seus derivados

Para instalar drivers para impressora ou scanner da Canon no Ubuntu e seus derivados, você deve fazer o seguinte:

Preparando o sistema

Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:inameiname/stable

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Se o Gerenciador de pacotes Synaptic não estiver instalado no seu sistema, procure-o e instale-o a partir da Central de programas do Ubuntu ou use o comando abaixo no terminal;

sudo apt-get install synaptic

Instalando o driver

Passo 1. Depois disso, inicie o Synaptic, digitando synaptic no Dash ou em um terminal, seguido da tecla TAB;
synaptic-dash
Passo 2. Para instalar um driver de impressora, na caixa de filtro rápido, digite “cnijfilter” (sem as aspas);
driver-canon
Passo 3. Para instalar um scanner, na caixa de filtro rápido, digita “scangearmp” (sem as aspas);
scangear
Passo 4. Clique com o botão direito do mouse sobre o pacote e selecione a opção “Marcar para instalação”
selecionando-driver
Passo 5. Se aparecer uma tela listando algumas dependências, confirme clicando no botão “Marcar”;
marcando-dependencias
Passo 6. Por fim, clique no botão “Aplicar” para instalar o driver.
aplicando

Testando o dispositivo

Passo 1. Uma vez que os drivers de impressora ou scanner estão instalados, conecte o dispositivo ao computador e ligue;
Passo 2. Para impressoras, inicie o utilitário “Impressoras”, digitando impressoras no Dash. Com o programa aberto, verifique se ela está funcionando corretamente;
impressoras
Passo 3. Para o scanner, execute o utilitário “Digitalizador simples” e digitando digitalizar no Dash. Com o programa aberto, clique no menu “Documento” e depois em “Preferências”. Na tela que aparece, clique na opção “Origem da digitalização”, selecione seu scanner e verifique se ele funciona;
digitalizador
origem-difitalização

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Planeta Ubuntu Brasil

O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


Última atualização:
26 de janeiro de 2015, 14:05
Horário UTC

Planet ATOM
RSS10 RSS20
OPML FOAF

Blogs inscritos


© 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.