26 de julho de 2017

Videochamadas no Gtalk: Instalando o plugin Google Talk no Ubuntu, Debian e outras distros

Videochamadas no Gtalk: Instalando o plugin Google Talk no Ubuntu

Se você utiliza o Gtalk para fazer chamadas de voz e vídeo, veja como instalar o plugin Google Talk no Ubuntu e sistemas derivados.


O Google Talk é um plugin para navegador que permite que você faça um chat de voz e vídeo com seus amigos através de sua webcam e microfone conectados ao computador.

Videochamadas no Gtalk: Instalando o plugin Google Talk no Ubuntu

Videochamadas no Gtalk: Instalando o plugin Google Talk no Ubuntu, Debian e outras distros

O recurso permite conversar cara a cara pelo computador, possibilitando videochamadas gratuitas com até 10 pessoas. E nesse tutorial, você verá como instalar ele no Linux.

Conheça melhor o Google Talk Plugin

Para saber mais sobre as características do programa e o que ele pode fazer, clique nesse link.

Como instalar o plugin Google Talk no Ubuntu, Debian e derivados

Para instalar o plugin Google Talk no Ubuntu, Debian e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal, usando o Dash ou pressionando as teclas Ctrl+Alt+T;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo sh -c 'echo "deb http://dl.google.com/linux/talkplugin/deb/ stable main" >> /etc/apt/sources.list.d/google-talkplugin.list'

Passo 3. Baixe e importe a chave do repositório com este comando:

wget -q -O - https://dl-ssl.google.com/linux/linux_signing_key.pub | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install google-talkplugin

Como instalar o plugin Google Talk no Ubuntu, Debian e derivados manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição, você pode pegar o pacote de instalação do do programa nesse link.

Marque a opção correspondente a sua distribuição e clique em “Fazer o download do plug-in”.

Videochamadas no Gtalk: Instalando o plugin Google Talk no Ubuntu

Depois de baixar, dê um clique duplo no arquivo e confirme a instalação na tela do gerenciador de pacotes de sua distribuição:

Checando a instalação do plugin Google Talk no navegador

Uma vez instalado, os usuários do Firefox podem verificar se o plugin Google Talk está disponível no navegador, acessando no menu “Ferramentas”, o item “Complementos” e dentro dele, a opção “Plugins” ou digitar “about:plugins” (sem as aspas) na barra de endereço.

Videochamadas no Gtalk: Instalando o plugin Google Talk no Ubuntu

Usuários do Chrome só precisam digitar “chrome://plugins/” (também sem as aspas) na barra de endereços.

Usando plugin Google Talk

Com o plugin instalado e confirmada a disponibilidade no navegador, faça o login na sua conta do Gmail usando o navegador Firefox ou Chrome e selecione um contato que possa fazer videochamada.

Para saber se um contato pode ser contactado por videochamada, posicione o mouse sobre o nome dele e observe se aparece um ícone cinza de uma câmera na janela de informações dele.

Videochamadas no Gtalk: Instalando o plugin Google Talk no Ubuntu

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o media center Kodi via Snap sem complicações

Como instalar o media center Kodi via Snap sem complicações

Se você quiser experimentar um player multimídia e central de mídia completo, veja aqui como instalar o media center Kodi via Snap.


Kodi é um novo nome do antigo projeto XBMC. Atualmente Kodi pode ser usado para reproduzir quase todos os formatos populares de áudio e vídeo.

Como instalar o media center Kodi via Snap sem complicações

Como instalar o media center Kodi via Snap sem complicações

Com o Media Center Kodi você Utiliza a mídia como ela está, pois ele pode reproduzir CDs e DVDs diretamente do arquivo de disco ou de uma imagem, e suporta quase todos os formatos populares de arquivo do seu disco rígido, ele pode até mesmo reproduzir arquivos dentro de arquivos ZIP e RAR.

O aplicativo foi projetado para a reprodução de rede, para que você possa transmitir o seu conteúdo multimídia a partir de qualquer lugar da casa ou diretamente da internet, usando praticamente qualquer protocolo disponível.

Kodi pode digitalizar todas as suas mídias e criar automaticamente uma biblioteca personalizada completa com tampas de caixas (box covers), descrições e fanart.

Há funções de lista de reprodução e apresentação de slides, um recurso de previsão de tempo e muitas visualizações de áudio. Uma vez instalado, o computador se tornará um jukebox multimídia totalmente funcional.

Sua interface gráfica com o usuário (GUI) permite que o usuário navegue facilmente e veja vídeos, fotos, podcasts e música de um disco rígido, disco óptico, rede local e internet usando apenas alguns botões.

Kodi também está disponível para Android.

Como instalar o media center Kodi via Snap sem complicações

Como instalar o media center Kodi via Snap sem complicações

Conheça melhor o Media Center Kodi

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a versão mais recente do Kodi via Snap

Para instalar a versão mais recente do Kodi via Snap, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com esse comando (caso ainda não esteja instalado). Em versões recentes do Ubuntu (como 16.04 e 16.10 ou 17.04), este ele já deve estar instalado por padrão. Para o Ubuntu 14.04, você precisa instalar o snapd com esse comando;

sudo apt install snapd

Passo 3. Instale a versão mais recente do Kodi via SNAP, usando esse comando:

snap install kodi --edge

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o snap do Kodi, use:

sudo snap refresh kodi

Passo 5. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove kodi

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o Kodi no Ubuntu, digite kodi no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB).

Quer instalar apenas no Ubuntu e derivados? Veja esse outro tutorial:
Como instalar a versão mais recente do Media Center Kodi no Ubuntu

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Se você tem dificuldade para gravar imagens ISO, conheça, veja como instalar e criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux.


Etcher é um poderoso gravador de arquivos de imagem, construído com tecnologias web para garantir que a gravação de um pendrive ou SDCard, seja uma experiência agradável e segura.

Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

O programa evita que você grave acidentalmente em seus discos rígidos, garante que cada byte de dados seja escrito corretamente e muito mais. E claro, por causa de sua eficiência, funciona bem melhor que algumas outras ferramentas da categoria.

Novidades da mais recente versão do Etcher

Nessa nova versão, o programa exibe o nome da imagem, o nome da unidade e um ícone relevante (quando suportado) em suas notificações de desktop. Isso é útil para quando você está escrevendo uma imagem em segundo plano.

O Etcher 1.1 também adiciona suporte para gravação de imagens .sdcard. Isso complementa o suporte existente do aplicativo para .iso e .img descompactados, comprimido .img.xz, .iso.gz e imagens de arquivo como .zip.

Outros destaques dessa versão:

  • Agora o usuário verá telas de erro de gravação de imagens mais informativas quando algo der errado;
  • Também será exibido um aviso ao tentar gravar uma imagem que não tenha tabela de partição;
  • E algumas “melhorias de estilo menor” foram feitas na tela de confirmação da gravação de imagem./li>

Além disso tudo, há também uma correção para “scripts temporários de detecção de unidade de limpeza em GNU/Linux e macOS”.

Para saber mais sobre essa versão do programa, clique nesse link.

Conheça melhor o Etcher

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Etcher no Linux e criar um pendrive inicializável

Para instalar o Etcher no Linux e depois criar um pendrive inicializável com ele, siga os procedimentos abaixo.

Como instalar o Etcher no Linux

Para instalar instalar o Etcher no Linux, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se o seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome etcher.zip:

wget https://github.com/resin-io/etcher/releases/download/v1.1.1/etcher-1.1.1-linux-x86.zip -O etcher.zip

Passo 4. Se o seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome etcher.zip:

wget https://github.com/resin-io/etcher/releases/download/v1.1.1/etcher-1.1.1-linux-x64.zip -O etcher.zip

Passo 5. Descompacte o arquivo baixado com esse comando;

unzip etcher.zip

Passo 6. Renomeie o arquivo descompactado;

mv Etcher-1.0.0-rc.5-linux-x64.AppImage etcher.appimage

Passo 7. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

chmod +x etcher.appimage

Passo 8. Agora instale o programa com o comando;

./etcher.appimage

Passo 9. Na janela que será exibida, clique no botão “Yes” e aguarde o final da instalação.

Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Como instalar o Etcher no Linux Ubuntu, Debian, Mint e derivados

Para instalar o Etcher no Linux Ubuntu, Debian, Mint e derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo sh -c "echo 'deb https://dl.bintray.com/resin-io/debian stable etcher' >> /etc/apt/sources.list.d/etcher.list" 

Passo 3. Baixe a chave do repositório do programa com o comando:

sudo apt-key adv --keyserver hkp://pgp.mit.edu:80 --recv-keys 379CE192D401AB61

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install etcher-electron

Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Para criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Execute o Etcher e clique no botão “Select image”;

Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Passo 2. Na tela que aparece, vá até a pasta onde está o arquivo de imagem e clique nele. Confirme, clicando no botão “Abrir”;

Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Passo 3. Em seguida, clique no botão “Select drive”;

Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Passo 4. Na pequena janela que será exibida, clique no pendrive ou SD card e depois no botão “Continue”;

Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Passo 5. Agora, clique no botão “Flash!” para iniciar a gravação.

Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como mudar o visual do Grub com o tema Vimix Grub

Como mudar o visual do Grub com o tema Vimix Grub

Se você não gosta da aparência padrão do bootloader do Linux, veja como mudar o visual do Grub com o tema Vimix e deixe ele do jeito que você quer.


O Grub é o gerenciador de boot padrão da maioria das distribuições Linux, entretanto, ele não é muito personalizável, peno menos, não no modo padrão.

Como mudar o visual do Grub com o tema Vimix

Como mudar o visual do Grub com o tema Vimix Grub

Normalmente, quem precisa mudar o visual da inicialização do Linux, recorre ao Burg, como foi mostrado nesse tutorial:
Burg no Ubuntu – Embeleze o menu de inicialização do sistema

Mas a boa notícia é que dá para personalizar o Grub, mudando o tema dele como fazemos com os ambientes gráficos. Quer ver? Confira a seguir:

Conheça melhor o Vimix Grub

Para saber mais sobre esse tema, clique nesse link.

Como mudar o visual do Grub com o tema Vimix-grub

No procedimento abaixo, será mostrado como instalar o tema Vimix e depois configurar o Grub para usá-lo.

Instalando o tema Vimix Grub

Para mudar o visual do Grub com o tema Vimix Grub, para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Baixe o tema Grub2 Theme Vimix usando o comando abaixo grub-themes-vimix;

wget "https://drive.google.com/uc?export=download&id=0B1tVpdpC9bZDLWxKVHBMQWRXU0U" -O grub-themes-vimix.deb

Passo 3. Agora instale o tema com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i grub-themes-vimix.deb
sudo apt-get install -f

Passo 4. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o tema;

sudo apt install ./grub-themes-vimix.deb

Configurando o tema Vimix Grub para ser o padrão do Grub

Para configurar o tema Vimix Grub para ser o padrão do Grub, é necessário usar o Grub Customizer.
Se você não tiver o programa instalado, use o tutorial abaixo:
Como instalar o Grub Customizer no Ubuntu e seus derivados
Com o Grub Customizer instalado, execute o programa e clique na aba “Configurações da aparência”;

Como mudar o visual do Grub com o tema Vimix

Na tela do programa, clique na seta ao lado do campo “Tema:” e selecione a opção “Vimix”. Em seguida, clique no item “background.png” dentro do quadro esquerdo de “Conteúdo do tema” (se necessário, clique no campo “Carregar arquivo” para informar o caminho da imagem). Finalmente, clique no botão “salvar” para efetivar a mudança;
Como mudar o visual do Grub com o tema Vimix

Pronto! Para conferir o resultado, reinicie o computador.

Desinstalando o tema Vimix Grub no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o tema Vimix Grub no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove grub-themes-vimix
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

Se você sempre quis fazer busca de filmes ou programas de TV a partir do seu desktop, aqui está uma ferramenta que atende suas necessidades e faz isso por você, sempre que você quiser: VidMasta.


Nem todo mundo consegue assistir aquilo que gosta no horário em que passa na TV e mesmo com os modernos receptores, nem sempre dá pra gravar a programação para assistir depois. VidMasta é a solução para esse tipo de problema, ele é livre e multiplataforma, ou seja, pode ser instalado e executado no Linux, Windows e no Mac OS X.

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

Com o VidMasta você pode ler, visualizar, assistir e baixar todos os títulos de filmes ou televisão que estão sendo compartilhados online. Para usá-lo, nenhum software adicional é necessário além do Java (versão 6 ou superior).

Usando VidMasta, você pode fazer o seguinte:

  • Assistir ou baixar títulos de filmes e televisão em qualquer formato;
  • Manter seu anonimato via filtragem automática de IPs não confiáveis, o uso de proxies e criptografia;
  • “Deep Search, Best Source” algoritmo para encontrar links “superiores” para download de vídeo.
  • Download de legendas de vídeo;
  • Definir o número de resultados por pesquisa;
  • Definir o tamanho mínimo e máximo de um arquivo de vídeo que pode ser baixado;
  • Definir as extensões de arquivos de vídeo que podem ser baixados;
  • Pesquisar por títulos de filmes e televisão por nome, data de lançamento, gênero, classificação, país e idioma;
  • Ordenação automatica dos resultados de busca por popularidade
  • Ouvir e ler pequenos resumos de títulos;
  • Ver trailers de títulos;
  • Ver as datas de lançamento e avaliações de títulos.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o VidMasta

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Preparando o sistema para instalar o VidMasta no Linux

Um dos pré requisitos para o programa é a instalação do Java mais recente (o requisito mínimo atual é o Java 6), para isso, veja os tutoriais abaixo ou acesse esse link e siga as instruções dele:
Java no Ubuntu: veja como instalar o OpenJDK 8 nas versões LTS 12.04 e 14.04
Como instalar as versões 6, 7 ou 8 do Oracle Java no Ubuntu
Como instalar o Oracle Java 8 no Debian via repositório
Como instalar Java no Linux manualmente
Como instalar o Oracle Java 9 no Ubuntu, Debian e derivados

Instalando o VidMasta no Linux para fazer busca de filmes

Para instalar o VidMasta e poder fazer busca de filmes, faça o seguinte:
Passo 1. Execute um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão (com a extensão .jar) e salve-o com o nome vidmasta.jar:

wget https://ufpr.dl.sourceforge.net/project/vidmasta/vidmasta-setup-24.0.jar -O vidmasta.jar

Passo 3. Inicie o instalador do programa usando o seguinte comando. Na pequena janela que aparece, clique no ícone da seta e selecione a linguagem “Portuguese”, depois clique no botão “OK”:

sudo java -jar vidmasta.jar

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

Passo 5. A seguinte tela será exibida. Clique em “Próximo” para continuar:

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

Passo 6. Selecione o caminho de instalação e clique em “Próximo”;

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

Passo 7. Após concluir a instalação, clique em “Próximo” novamente;

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

Passo 8. Na janela “Processando”, clique em “Próximo”;

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

Passo 9. Em “Configurar atalhos”, marque as opções que deseja usar. Se puder, evite usar a opção “Criar atalhos adicionais na Área de trabalho, pois ela ainda está problemática. Para continuar, clique em “Próximo”;

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

Passo 9. Por fim, clique em “Pronto” para terminar a instalação;

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

Passo 9. O instalador cria um atalho, mas se ele falhar nisso e seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=vidmasta\n Exec=/usr/local/VidMasta/vidmasta/VidMasta.jar\n Icon=/usr/local/VidMasta/vidmasta/favicon.ico\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/vidmasta.desktop

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite em um terminal o seguinte comando

java -jar /usr/local/VidMasta/vidmasta/VidMasta.jar

Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

sudo chmod +x /usr/share/applications/vidmasta.desktop
cp /usr/share/applications/vidmasta.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

cp /usr/share/applications/vidmasta.desktop ~/Desktop

Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

Depois, use esse atalho para iniciar o programa.
Se quiser, você também pode usar o Nautilus para executar o programa apenas clicando com o botão direito nele, dentro da pasta do programa e escolhendo o Java como opção de execução.

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

Como remover o programa no Linux

Para remover o programa no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Execute um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para desinstalar o programa.

sudo java -jar /usr/local/VidMasta/Uninstaller/Uninstaller.jar

Passo 3. Na tela que aparece, marque a opção “Forçar a remoção de /usr/local/VidMasta/” e depois clique no botão “Desinstalar”.

VidMasta: uma aplicativo que faz busca de filmes e programas de TV

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Painel e lançador Unity no topo de janelas do Wine? Veja como resolver

Painel e lançador Unity no topo de janelas do Wine? Veja como resolver

Se quando você executa jogos ou aplicativos via Wine em tela cheia aparece o painel e lançador Unity no topo da janela, atrapalhando o uso, aqui está uma solução simples que você pode usar.


Painel e lançador Unity aparecendo no topo de janelas do Wine? Esse problema não é exclusividade de jogos ou aplicativos executados no Wine, pois afeta muitos jogos.

Painel e lançador Unity no topo de janelas do Wine? Veja como resolver

Painel e lançador Unity no topo de janelas do Wine? Veja como resolver

No entanto, o fenômeno pode ser visualizados mais facilmente quando se está executando jogos e aplicativos pelo Wine em modo tela cheia, como por exemplo, o World of Warcraft. Felizmente, a solução abaixo pode ajudar a resolver isso.

Conheça melhor o CompizConfig Settings Manager

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Painel e lançador Unity no topo de janelas do Wine? Veja como resolver

Para evitar que o painel e o lançador Unity apareçam no topo de janelas do Wine, faça o seguinte:
Passo 1. Se ainda não estiver instalado, procure e instale o CompizConfig Settings Manager na Central de programas (ou Ubuntu Software Center). Ou abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install compizconfig-settings-manager

Passo 4. Uma vez instalado, execute o programa clicando no Dash e digitando;

ccsm

Passo 5. Na tela do CompizConfig Settings Manager, clique dentro do campo “Filtro” e digite “soluções”. Quando aparecer a opção “Soluções” no lado direito, clique nela;

Painel e lançador Unity no topo de janelas do Wine? Veja como resolver

Passo 6. Na próxima tela do CompizConfig Settings Manager, marque a opção “Legacy Fullscreen Suport” e estará pronto.

Painel e lançador Unity no topo de janelas do Wine? Veja como resolver

Pronto! Agora você já pode executar seu programa ou jogo, sem que o Painel e lançador Unity no topo pra lhe atrapalhar.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instalando os conjuntos de ícones Moka e Faba no Ubuntu

Instalando os conjuntos de ícones Moka e Faba no Ubuntu

A equipe do Projeto Moka lançou mais uma versão dos conjuntos de ícones Moka e Faba. Se você quiser experimentar eles em seu desktop, veja aqui como instalar essas versões no Ubuntu.


Os conjuntos de ícones Moka e sua variante Faba são capazes de oferecer um excelente suporte para o ambiente de desktop Unity, Gnome Shell, Xfce etc. Eles são conjuntos de ícones de código aberto (desenvolvido no portal Github) concebidos para proporcionar um estilo plano mínimo, usando formas e cores simples.

Instalando os conjuntos de ícones Moka e Faba no Ubuntu

Ícones Moka

Instalando os conjuntos de ícones Moka e Faba no Ubuntu

Ícones Faba

Instalando os conjuntos de ícones Moka e Faba no Ubuntu

Instalando os conjuntos de ícones Moka e Faba no Ubuntu

Conheça melhor os conjuntos de ícones Moka e Faba

Para saber mais sobre o conjunto de ícones Moka e Faba, clique nesse link.

Instalando os conjuntos de ícones Moka e Faba no Ubuntu e derivados

Para instalar os conjuntos de ícones Moka e Faba no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:moka/daily

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Para instalar o conjunto de ícones Moka, use o seguinte comando:

sudo apt-get install moka-icon-theme

Passo 5. Para instalar o conjunto de ícones Faba, use o comando:

sudo apt-get install faba-icon-theme faba-mono-icons

Como instalar o tema manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Desinstalando os conjuntos de ícones Moka e Faba no Ubuntu e derivados

Para desinstalar os conjuntos de ícones no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Para desinstalar o conjunto de ícones Moka, use o seguinte comando:

sudo apt-get remove moka-icon-theme

Passo 3. Para desinstalar o conjunto de ícones Faba, use o comando:

sudo apt-get remove faba-icon-theme

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o visualizador de arquivos CHM KchmViewer no Ubuntu

Como instalar o visualizador de arquivos CHM KchmViewer no Ubuntu

Se você está precisando abrir arquivos CHM, veja aqui como instalar o visualizador de arquivos CHM KchmViewer no Ubuntu e resolva seu problema.


kchmviewer é um visualizador de arquivos CHM (Winhelp) e EPUB, escrito em Qt. Ele pode ser usado na construção de um aplicativo autônomo baseado na biblioteca Qt, ou um aplicativo do KDE. Apesar de usar a Biblioteca QT do KDE, ele não requer KDE, mas pode ser compilado com suporte para widgets KDE. Desde a versão 5.0 que ele usa a API do Webkit para mostrar o conteúdo.

Como instalar o visualizador de arquivos CHM KchmViewer no Ubuntu

Para quem ainda não conhece, CHM (sigla para Microsoft Compiled HTML Help) são arquivos de ajuda. Na verdade, arquivos CHM são vários arquivos, como HTML e imagens, juntos em um único arquivo, formando um grande arquivo com várias páginas de ajuda.

O ponto principal do kchmviewer é a compatibilidade com arquivos CHM não ingleses, incluindo a maioria dos conjuntos de caracteres internacionais.Com isso, ao contrário de outros visualizadores, na maioria dos casos o kchmviewer é capaz de detectar corretamente a codificação de arquivo chm e mostrá-la.

Ele mostra corretamente o índice e a tabela de contexto em russo, espanhol, romeno, coreano, arquivos de ajuda chineses e árabes, e com o novo motor de busca, é capaz de pesquisar em qualquer arquivo chm, não importando o idioma que está escrito.

Conheça melhor o visualizador de arquivos CHM KchmViewer

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o visualizador de arquivos CHM KchmViewer no Ubuntu 14.04 e 14.10 e seus derivados

O visualizador de arquivos CHM KchmViewer está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install kchmviewer.

No entanto, em versões mais antigas (como o Ubuntu 14.04 e 14.10), para instalar o programa no Ubuntu e poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se estiver usando o Ubuntu 14.04, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo "deb http://archive.getdeb.net/ubuntu trusty-getdeb apps" >> /etc/apt/sources.list'

Passo 3. Se estiver usando o Ubuntu 14.10, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo "deb http://archive.getdeb.net/ubuntu utopic-getdeb apps" >> /etc/apt/sources.list'

Passo 4. Baixe e instale a chave do repositório com este comando:

wget -q -O- http://archive.getdeb.net/getdeb-archive.key | sudo apt-key add -

Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install kchmviewer

Como instalar o visualizador de arquivos CHM KchmViewer manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite kchmviewer no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o visualizador de arquivos CHM KchmViewer no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o visualizador de arquivos CHM KchmViewer no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove kchmviewer
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


25 de julho de 2017

BackBox Linux 5 já está disponível para download! Baixe agora!

BackBox Linux 5 já está disponível para download! Baixe agora!

A equipe BackBox anunciou o lançamento da mais uma atualização de sua distribuição, o BackBox Linux 5. Conheça mais um pouco sobre ela e descubra onde baixar a distro.


Baseada no Ubuntu (mas especificamente no Xubuntu), BackBox é um projeto italiano voltado para a área de segurança, e desenvolvido por Raffaele Forte.

BackBox Linux 5 já está disponível para download! Baixe agora!

BackBox Linux 5 já está disponível para download! Baixe agora!

Essa distribuição procura fornecer um sistema operacional completo (para ser usado no modo live) para realizar testes de Penetração e Avaliação de Vulnerabilidade e Mitigação através de inúmeros softwares e ferramentas dedicadas.

A distribuição BackBox pode ser útil para testar a segurança de infraestrutura, redes corporativas e etc, graças a numerosos softwares incluídos em um sistema operacional estável e confiável, baseada no Ubuntu LTS.

Requisitos do BackBox Linux 5

  • Requisitos do sistema: processador de 32 bits ou 64 bits;
  • 1,024 MB de memória do sistema (RAM);
  • 10 GB de espaço em disco para instalação;
  • Placa gráfica capaz de resolução de 800 × 600 pixels;
  • Unidade de DVD-ROM ou porta USB (3 GB).

Novidades do BackBox Linux 5

A nova versão apresenta o kernel Linux 4.8, um ovo logotipo e identidade, várias ferramentas de hacking atualizadas e compilações para computadores x86 de 32 bits e 64 bits.

Para saber mais sobre essa versão da distribuição, acesse a nota de lançamento.

Conheça melhor a distribuição BackBox Linux

Para saber mais sobre a distribuição BackBox Linux, clique nesse link.

Baixe e experimente o BackBox Linux 5

A imagem ISO do BackBox Linux 5 já pode ser baixada acessando a página de download da distribuição.

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação
Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o uTorrent no Linux manualmente

Como instalar o uTorrent no Linux manualmente

Se você não quer usar os clientes de torrent do Linux, então veja nesse tutorial como instalar o uTorrent no Linux manualmente, e faça downloads com o programa que você já está acostumado a usar.


Um dos gerenciadores de downloads mais famosos e usados por usuários do mundo inteiro, o uTorrent é um programa que utiliza o protocolo BitTorrent.

Como instalar o uTorrent no Linux manualmente

Como instalar o uTorrent no Linux manualmente

Ele é leve e oferece ótimos recursos, como leitor de RSS e a possibilidade de instalar outros aplicativos no próprio software (algo semelhante às extensões), além de garantir velocidade na transferência de seus arquivos.

O cliente uTorrent nativo para Linux é um aplicativo baseado na Web. E nesse tutorial, você verá como instalar o uTorrent no Linux manualmente, o que pode ser feito na maioria das distribuições. Confira!

Conheça melhor o uTorrent

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o uTorrent no Linux

Para instalar o uTorrent no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/utorrent*
sudo rm -Rf /usr/bin/utserver
sudo rm -Rf /usr/share/applications/utorrent.desktop

Passo 3. Abra o gerenciador de pacotes de sua distribuição (Central de programas, no caso do Ubuntu), procure e instale os pacotes “libssl0” para que o servidor do uTorrent funcione corretamente;

sudo apt-get install libssl0*

Passo 4. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 5. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. No exemplo, está sendo baixada a versão para o Ubuntu. Se o link estiver desatualizado ou você estiver usando outra distro, acesse essa página, baixe a última versão para a sua distribuição e salve-o com o nome utorrent.tar.gz:

wget http://download.ap.bittorrent.com/track/beta/endpoint/utserver/os/linux-i386-ubuntu-13-04 -O utserver.tar.gz

Passo 6. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. No exemplo, está sendo baixada a versão para o Ubuntu. Se o link estiver desatualizado ou você estiver usando outra distro, acesse essa página, baixe a última versão para a sua distribuição e salve-o com o nome utorrent.tar.gz:

wget http://download.ap.bittorrent.com/track/beta/endpoint/utserver/os/linux-x64-ubuntu-13-04 -O utserver.tar.gz

Passo 7. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

sudo tar xvf utserver.tar.gz -C /opt/

Passo 8. Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

sudo mv /opt/utorrent*/ /opt/utorrent

Passo 9. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/utorrent/utserver /usr/bin/utserver

Passo 10. Baixe e salve o ícone do programa com esse comando;

wget http://findicons.com/files/icons/2804/plex/256/utorrent.png -O /opt/utorrent/utorrent.png

Passo 11. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=utorrent\n Exec=utserver -settingspath /opt/utorrent/utserver\n Icon=/opt/utorrent/utorrent.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/utorrent.desktop

Executando o uTorrent

Para iniciar o programa, digite utserver -settingspath /opt/utorrent/utserver & em um terminal, seguido da tecla TAB.

Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

sudo chmod +x /usr/share/applications/utorrent.desktop
cp /usr/share/applications/utorrent.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

cp /usr/share/applications/utorrent.desktop ~/Desktop

Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Acessando o uTorrent

Agora que o servidor do uTorrent já está ativo, abra um navegador e acesse o endereço “localhost:8080/gui”.

Para fazer login pela primeira vez, use o usuário admin, deixe a senha em branco e clique no botão “OK”. Ao entrar lembre-se de criar colocar uma senha.

Como instalar o uTorrent no Linux manualmente

Como remover o programa no Linux

Para remover o programa no Linux, basta fazer o seguinte:

sudo rm -Rf /opt/utorrent*
sudo rm -Rf /usr/bin/utserver
sudo rm -Rf /usr/share/applications/utorrent.desktop

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar Bomi Multimedia Player no Ubuntu (ex CMPlayer)

Se você procurava uma boa interface para o player MPV que tenha interface de usuário amigável e vários recursos, experimente instalar o Bomi Multimedia Player no Ubuntu.


Bomi, anteriormente conhecido como CMPlayer, é uma interface gráfica do usuário para o media player de linha de comando MPV para Linux. O objetivo dele é ser fácil de usar e também oferecer vários recursos poderosos e funções bastante convenientes.

bomi multimedia player

Entre suas vantagens, ele tem uma interface de usuário amigável (todos os recursos estão disponíveis no menu de contexto), pode renderizar vários arquivos de legendas ao mesmo tempo, possui histórico de reprodução ilimitado, geração e restauração automática de playlist, suporte a decodificação acelerada por hardware pela GPU (Bomi irá utilizar API nativa disponível para o sistema entre VA-API e VDPAU), suporta reprodução de DVD, slideshow de imagens, e muitas outras características do reprodutores básicos

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.
Para saber mais detalhes sobre a versão mais recente, acesse o ChangeLog do programa.

Conheça melhor o Bomi Multimedia Player

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Bomi Multimedia Player no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Bomi Multimedia Player no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se você tiver o CMPlayer instalado em seu sistema, você tem que removê-lo primeiro, uma vez que entra em conflito com bomi. Para fazer isso, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove cmplayer

Passo 3. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:darklin20/bomi

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install bomi

Para aqueles que não querem adicionar o repositório, baixe o pacote DEB de instalação diretamente na página do programa no Launchpad e instale-o manualmente.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite bomi no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Bomi Multimedia Player no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Bomi Multimedia Player no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove bomi
sudo apt-get autoremove

UbuntuHandbook

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Se a inicialização do Ubuntu está se tornando cada vez mais lenta, os aplicativos executados durante essa etapa podem ser a causa disso. Para resolver, veja como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu.


Sempre que o Ubuntu inicia, alguns aplicativos e serviços de terceiros também iniciam automaticamente, junto com os serviços e aplicativos principais.

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Como alguns desses aplicativos são adicionados automaticamente à lista de inicialização depois de serem instalados, é importante verificar a lista de tempos em tempos e remover aqueles que você não precisa que sejam executados durante a inicialização.

Para fazer isso, é preciso usar o programa “Aplicativos de sessão”, que permite gerenciar facilmente esses programas que iniciam junto com o sistema.

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Para gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Clique no Dash e digite aplicativos. Quando aparecer a opção “Aplicativos de sessão”, clique nele para acessar a configuração;

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Passo 2. Para incluir um aplicativo usando o “Aplicativos de sessão”, clique no botão “Adicionar”. Na tela que aparece, coloque o nome, comando e descrição do programa. Quando finalizar, clique no botão “Adicionar”;

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Passo 3. Para remover um aplicativo, clique no item correspondente a ele e em seguida, clique no botão “Remover”;

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Passo 4. Para Editar a configuração de um aplicativo em “Aplicativos de sessão”, clique no item correspondente a ele e em seguida, clique no botão “Editar”. Faça as alterações necessárias e quando terminar, clique no botão “Salvar”;

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Passo 5. Se você quiser que o aplicativo inicie automaticamente, mas não quer que isso atrase todo o processo de inicialização, é possível definir um intervalo de tempo que será contado e depois disso, o programa será executado. Para definir esse intervalo, na hora da inclusão ou edição, digite o comando abaixo dentro do campo “Comando”, antes do comando de execução do programa. Não se esqueça de substituir “XX” pelo número de segundos.
sleep xx;

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Passo 6. Quando finalizar as alterações, clique no botão “Fechar” da janela “Aplicativos de sessão”;

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Ubuntu via PPA ou SNAP

Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Ubuntu via PPA ou SNAP

Saiu mais uma atualização do LibreOffice. E se você está querendo experimentar essa versão do LibreOffice no Ubuntu antes de todos, veja como instalar via PPA ou SNAP.


O LibreOffice é uma suíte de escritório livre compatível com os principais pacotes de escritório do mercado. Desenvolvido pela The Document Foundation, ele é bem mais que isso, o LibreOffice é uma das mais populares suíte de escritório multiplataforma e de código aberto.

Nova versão do LibreOffice já está disponível para testes via Snap

Nova versão do LibreOffice já está disponível para testes via Snap

O pacote oferece todas as funções esperadas de uma suíte profissional: editor de textos, planilha, apresentação, editor de desenhos e banco de dados.

Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Ubuntu via PPA ou SNAP

Para quem precisa instalar o pacote manualmente ou em distribuições que não suportam PPA ou SNAP, use este
Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux

Conheça melhor o pacote office LibreOffice

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link

Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Ubuntu via PPA ou SNAP

Para obter a versão mais recente do LibreOffice nesse sistema de um jeito bem fácil e rápido, você pode usar um repositório PPA ou fazer isso via SNAP, como será mostrado a seguir.

Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Ubuntu e seus derivados via PPA

Para instalar a versão mais recente do LibreOffice no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:libreoffice/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install libreoffice libreoffice-style-breeze

Passo 5. Mais tarde, caso seja necessário, desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove libreoffice
sudo apt-get autoremove

Como instalar a versão mais recente do LibreOffice Ubuntu e seus derivados via Snap

Para instalar a versão mais recente do LibreOffice no Ubuntu e seus derivados via Snap, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se for essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com esse comando;

sudo apt install snapd

Passo 3. Instale a versão mais recente do LibreOffice no Ubuntu via SNAP, usando esse comando:

sudo snap install libreoffice

Passo 4. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove libreoffice

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o LibreOffice no Linux, digite libreoffice em um terminal, seguido da tecla TAB.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Drivers da HP: Instale ou atualize o HPLIP no Linux

Drivers da HP: Instale ou atualize o HPLIP no Linux

Se você tem alguma impressora, fax e scanner da HP e precisa de suporte para isso no seu sistema Linux, veja como instalar ou atualizar o HPLIP para versão mais recente e obter os drivers da HP no Linux.


HPLIP ou Hewlett-Packard Linux Imaging and Printing, é um software que vem com drivers de impressão, fax e digitalização para mais de 2.295 impressoras HP sob sistemas baseados em Linux. Ele é um software livre, de código aberto distribuído sob a MIT, BSD e licença GPL.

Drivers da HP: Instale ou atualize o HPLIP no Linux

Drivers da HP: Instale ou atualize o HPLIP no Linux

Normalmente, a cada nova versão é adicionado o suporte para novos dispositivos de impressão, fax e digitalização da HP, novas distribuições, bem como várias correções.

Drivers da HP: Instale ou atualize o HPLIP

Para verificar todas as novidades e os problemas que foram corrigidos na última versão desse software, clique nesse link.

O aplicativo foi atualizado recentemente, e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Novidades da versão mais recente do HPLIP

O HPLIP 3.17.7 adiciona o novo suporte para as seguintes impressoras:

  • HP DeskJet Ink Advantage 2635 All-in-One;
  • HP DeskJet Ink Advantage 2636 All-in-One;
  • HP DeskJet Ink Advantage 2675 All-in-One;
  • HP DeskJet Ink Advantage 2676 All-in-One;
  • HP DeskJet Ink Advantage 2677 All-in-One;
  • HP DeskJet Ink Advantage 2678 All-in-One;
  • HP DeskJet 2620 All-in-One;
  • HP DeskJet 2621 All-in-One;
  • HP DeskJet 2622 All-in-One;
  • HP DeskJet 2623 All-in-One;
  • HP DeskJet Ink Advantage 2200 All-in-One;
  • HP DeskJet 3722 All-in-One;
  • HP DeskJet Ink Advanatge 3789 All-in-One;
  • HP DeskJet Ink Advanatge 3790 All-in-One.

Para mais detalhes sobre essa versão, acesse a nota de lançamento

Conheça melhor o HPLIP

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link

Atenção: A HP não fornece suporte formal ou comercial ao consumidor para este software. O suporte é fornecido informalmente através de uma série de recursos no site Launchpad.net, e no site oficial do link acima.

Instalando o HPLIP para obter os drivers da HP no Linux

Para instalar o HPLIP e obter os drivers da HP no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o instalador do HPLIP. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome hplip.run:
com o comando:

wget https://ufpr.dl.sourceforge.net/project/hplip/hplip/3.17.7/hplip-3.17.7.run -O hplip.run

Passo 3. Torne o instalador um executável usando esse comando:

chmod +x hplip.run

Passo 4. Agora inicie a instalação com o comando:

./hplip.run

Em seguida, siga as instruções de configuração e no final do assistente, tudo estará instalado.

Drivers da HP: Instale ou atualize o HPLIP

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Java no Linux: veja como Instalar manualmente

Como instalar o Oracle Java 9 no Ubuntu, Debian e derivados

Java é uma linguagem e ao mesmo tempo uma plataforma importante. No Linux, cada distribuição tem seu modo de fornecer o Java, e para dar aos usuários um método que funcione na maioria delas, hoje mostrarei como instalar Java no Linux manualmente (nesse caso o Java da Oracle).


Na maioria das distribuições Linux o Java não vem instalado por padrão, com isso, para ter Java no Linux, o usuário é obrigado a fazer o procedimento de instalação.

Java no Linux manualmente: veja como Instalar

O passo a passo a seguir foi testado por min e possivelmente deverá funcionar na maioria das distribuições, desde que o usuário adapte as particularidades e endereço de arquivos aos comandos. Depois de feito uma vez, nas próximas atualizações, só será necessário repetir o procedimento.

Conheça melhor o Java

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Caso já tenha feito alguma instalação manual, antes de fazer os passos abaixo vá para o procedimento “Como remover o Java no Linux manualmente”, que fica no final desse tutorial.

Como instalar Java no Linux manualmente

Para instalar Java no Linux manualmente, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se você já tiver feito a instalação manual do Java, vá para o procedimento “Como remover o Java no Linux manualmente” (que fica logo abaixo) e só então faça a instalação mostrada nesse procedimento;
Passo 3. Se você já tiver o OpenJDK instalado, vá para o procedimento “Desinstalando o OpenJDK Java no Ubuntu e derivados” (que fica nesse link) ou use o gerenciador de pacotes de sua distribuição para fazer isso. Só depois disso, faça a instalação mostrada nesse procedimento;
Passo 4. Se você já tiver o Oracle Java instalado, vá para o procedimento “Removendo o Oracle Java” (que fica nesse link) ou use o gerenciador de pacotes de sua distribuição para fazer isso. Só depois disso, faça a instalação mostrada nesse procedimento;
Passo 5. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 6. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o Java. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome jre-linux.tar.gz;

wget http://javadl.oracle.com/webapps/download/AutoDL?BundleId=224917_336fa29ff2bb4ef291e347e091f7f4a7 -O jre-linux.tar.gz

Passo 7. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o Java. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome jre-linux.tar.gz;

wget http://javadl.oracle.com/webapps/download/AutoDL?BundleId=224919_336fa29ff2bb4ef291e347e091f7f4a7 -O jre-linux.tar.gz

Passo 8. Depois de baixar, crie a pasta “jvm” em “/usr/lib” com o comando:

sudo mkdir /usr/lib/jvm

Passo 9. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta criada;

sudo tar zxvf jre-linux.tar.gz -C /usr/lib/jvm

Passo 10. Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

sudo mv /usr/lib/jvm/jre*/ /usr/lib/jvm/jre

Passo 11. Crie um link simbólico para a pasta criada;

sudo ln -s /usr/lib/jvm/jre /usr/lib/jvm/java-oracle

Como configurar o ambiente Java no Linux manualmente

Para configurar o ambiente Java no Linux manualmente, faça o seguinte:
Passo 1. Crie uma cópia do arquivo /etc/profile;

sudo cp -a /etc/profile /etc/profile.original

Passo 2. Agora abra o arquivo com seu editor de texto favorito;

sudo gedit /etc/profile

Passo 3. Digite ou cole (recomendável) o texto abaixo dentro do arquivo, mais exatamente pouco depois das primeiras linhas (os comentários com símbolo # no inicio da linha). A seguir, salve e feche o arquivo;

JAVA_HOME=/usr/lib/jvm/java-oracle/
PATH=$JAVA_HOME/bin:$PATH export PATH JAVA_HOME
CLASSPATH=$JAVA_HOME/lib/tools.jar
CLASSPATH=.:$CLASSPATH
export  JAVA_HOME  PATH  CLASSPATH

Java no Linux manualmente: veja como Instalar
Passo 4. Reinicie o sistema para efetivar a mudança;

sudo reboot

Como instalar o plugin Java no navegador Firefox manualmente

Para instalar o plugin Java no navegador Firefox manualmente, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Para descobrir em que pasta estão os plugins do Firefox, execute o navegador e digite o comando abaixo na caixa de endereço;

about:plugins

Java no Linux manualmente: veja como Instalar
Passo 2. Com a informação, crie um link simbólico do plugin Java para a pasta de plugins do Firefox, digitando o comando abaixo em um terminal (lembre-se de ajustar o endereço “/usr/lib/mozilla/plugins/” para o encontrado no passo anterior);

sudo ln -s /usr/lib/jvm/java-oracle/lib/amd64/libnpjp2.so /usr/lib/mozilla/plugins/libnpjp2.so

Como instalar o plugin Java no navegador Chrome manualmente (até versão 34)

Para instalar o plugin Java no navegador Chrome manualmente, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Para descobrir em que pasta estão os plugins do Chrome, execute o navegador e digite o comando abaixo na caixa de endereço. Na tela que aparece, se não for possível ver o endereço dos plugins, clique no link “Detalhes”;

chrome://plugins/

Passo 2. Com a informação, crie um link simbólico do plugin Java para a pasta de plugins do Chrome, digitando o comando abaixo em um terminal (ajuste o endereço “/opt/google/chrome/” para o encontrado no passo anterior);

sudo ln -s /usr/lib/jvm/java-oracle/lib/amd64/libnpjp2.so /opt/google/chrome/libnpjp2.so

Verificando a versão do Java e se o plugin está funcionando

Para saber se o plugin está funcionando, acesse a página de verificação do Oracle Java e clique no botão “Verificar versão do Java”;

Java no Linux manualmente: veja como Instalar

Java no Linux manualmente: veja como Instalar

Como remover o Java no Linux manualmente

Para remover o Java no Linux manualmente, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Apague a pasta “jvm” em “/usr/lib” com o comando:

sudo rm -Rf /usr/lib/jvm

Passo 3. Caso já tenha instalado plugin no Firefox, descubra em que pasta estão os plugins do Firefox, executando o navegador e digitando o comando about:plugins na caixa de endereço e depois apague o atalho com o comando abaixo (lembre-se de ajustar o endereço “/usr/lib/mozilla/plugins/” para o que foi encontrado);

sudo rm -Rf /usr/lib/mozilla/plugins/libnpjp2.so

Passo 4. Caso já tenha instalado plugin no Chrome, descubra em que pasta estão os plugins do Chrome, executando o navegador e digitando o comando chrome://plugins/ na caixa de endereço e depois apague o atalho com o comando abaixo (lembre-se de ajustar o endereço “/opt/google/chrome/” para o que foi encontrado);

sudo rm -Rf /opt/google/chrome/libnpjp2.so

Pronto! Com os procedimentos acima e pequenos ajustes, em poucos minutos você terá o Java funcionando em seu sistema Linux e poderá começar a usar seus recursos.

Fonte 1
Fonte 2

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Se você se incomoda com a lentidão do Dash, aprenda nesse tutorial como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu.


Por padrão, o Dash mostra uma série de informações, escopos, resultados de pesquisa on-line da Amazon, além de arquivo de registros e uso do aplicativo.

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Tudo isso pode terminar deixando ele mais lento e atrapalhando seu uso. Felizmente, você pode desativar alguns deles, para isso, basta seguir os passos desse tutorial.

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Para acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Acesse o item “Configurações do sistema” no lançador do Unity;

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Passo 2. Clique o item “Segurança e privacidade”;

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Passo 3. Dentro de “Segurança e privacidade”, clique na aba “Pesquisa”;

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Passo 4. Em “Pesquisa”, desative a opção “Incluir resultados de pesquisa on-line”, clicando na chave que fica ao lado do campo;

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Passo 5. Depois, clique na aba “Arquivos e aplicativos”. Nela, desative a opção “Gravar a utilização de arquivos e de aplicativos”. A seguir, clique no botão “Limpar dados de uso…”. Na janela que aparece, escolha o período e confirme a exclusão, clicando no botão “OK”;

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Passo 6. Abra a Central de programas do Ubuntu e pesquise por “unity-scope”. Quando sair o resultado, clique no item que deseja retirar e depois no botão “Remover”;

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Passo 7. Ainda na Central de programas do Ubuntu, procure por “Compiz Settings Manager” e instale-o. Se preferir, use o seguinte comando no terminal;

sudo apt-get install compizconfig-settings-manager

Passo 8. Abra o Gerenciador de configurações do CompizConfig, digitando ccsm no Dash;

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Passo 9. Na janela do programa, clique na opção “Ubuntu Unity Plugin”;

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Passo 10. Na tela “Ubuntu Unity Plugin”, clique na seta ao lado do campo “Dash Blur” e escolha a opção “No Blur”. Depois clique no botão “Voltar”;

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Passo 11. De volta a tela principal do programa, clique na opção “OpenGL”;

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Passo 12. Em “OpenGL”, clique na seta ao lado do campo “Filtro de Textura” e escolha a opção “Rápido”. Depois clique no botão “Voltar” e feche o programa;

Como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu

Pronto! Feitas as alterações, para aplicar todas as mudanças, reinicie o computador. Depois disso, você perceberá que o Dash ficará bem mais rápido. Exatamente como você queria.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Stop Motion: instale o Linux Stopmotion e facilmente crie videos com essa tecnica

Stop Motion: instale o Linux Stopmotion e facilmente crie videos com essa tecnica

Conheça Linux Stopmotion, um software de código aberto que permite facilmente criar vídeo com a técnica de Stop Motion.


Linux Stopmotion é um software de código aberto que nos permite criar facilmente animações de vídeo stop motion usando as imagens “tiradas” com a nossa webcam ou câmera de vídeo conectada ao PC, ou simplesmente importando imagens capturadas com nossos smartphones.

Stop Motion: instale o Linux Stopmotion e facilmente crie videos com essa tecnica

Stop Motion: instale o Linux Stopmotion e facilmente crie videos com essa tecnica

Para quem ainda não conhece, stop motion é uma técnica usada em muitos filmes e vários clips de vídeo que permite exibir uma sequência rápida de imagens de forma a dar o efeito óptico do movimento.

Entre os principais recursos incluídos no Linux Stopmotion está a sua capacidade de gerenciar múltiplas cenas e o processo de cada frame, o software permite adicionar uma ou mais faixas de áudio e gerenciar/processar imagens usando o Gimp.

Uma vez criado o vídeo com a técnica de stop motion, é possível salvar todos os formatos mais populares. Além disso, o aplicativo também tem suporte para criação de vídeos em DVD.

Conheça melhor o Linux Stopmotion

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Stop Motion: Como instalar o Linux Stopmotion no Ubuntu e seus derivados

Linux Stopmotion está presente nos repositórios oficiais do Debian e Ubuntu, por isso, para instalar ele nesses sistemas e seus derivados, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 3. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install stopmotion

Como instalar o Linux Stopmotion em outras distros

Se você quiser tentar instalar o programa em outra distribuição, basta acessar esse link e instalar ele manualmente, seguindo as sintruções do site.
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite stopmotion no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Linux Stopmotion no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Linux Stopmotion no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove stopmotion
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar a versão mais recente do MATE Dock Applet

Como instalar a versão mais recente do MATE Dock Applet

MATE Dock Applet foi atualizado recentemente. Por isso, se você usa o ambiente MATE, veja como instalar a versão mais recente do MATE Dock Applet.


MATE Dock Applet é um miniaplicativo do painel MATE que exibe as janelas do aplicativo em execução como ícones, que possui a opção de encaixar aplicativos no dock, suporta vários espaços de trabalho, permite alterar o ícone do painel MATE para a cor do papel de parede do desktop dominante e muito mais.

Como instalar a versão mais recente do MATE Dock Applet

Como instalar a versão mais recente do MATE Dock Applet

As versões mais recentes incluem um novo indicador para aplicativos em execução – uma barra sólida que usa a cor de destaque definida pelo tema GTK3 (já que apenas o Ubuntu MATE 16.10 usa GTK3, isso não se aplica a versões antigas do Ubuntu MATE).

Para GTK2, este indicador assume como padrão cinza, mas há uma nova opção nas preferências de applet que permite definir a cor desse indicador:

Como instalar a versão mais recente do MATE Dock Applet

Também é possível escolher entre um gradiente ou um preenchimento sólido para o fundo do ícone ativo. Além disso, a janela Preferências do MATE Dock Applet inclui uma visualização ao vivo, que exibe como o ícone e o ícone do ícone ativo se parecerão.

Novidades da mais recente versão do MATE Dock Applet

Dentre as mudanças na MATE Dock Applet 0.78, destacam-se as seguintes:

  • 5 novos tipos de indicadores de aplicação em execução: círculo, quadrado, triângulo, diamante e metrô. Para a versão GTK3 do applet (Ubuntu 16.10 e mais recente), a cor do indicador usará a cor do destaque do tema atual. Uma vez que não é possível para o GTK2, você pode usar a opção de cor alternativa para definir isso (veja as preferências do Mate Dock Applet, na guia Misc);
  • Agora você pode definir o espaçamento entre os ícones do dock usando as Preferências. Os valores suportados são 0-7;
  • Para janelas que exigem atenção, agora você pode configurar se um badge (ponto de exclamação) deve ser exibido em cima do ícone em vez de um ícone intermitente.
  • Para saber mais detalhes sobre essa versão, acesse a nota de lançamento.

    Conheça melhor o MATE Dock Applet

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o MATE Dock Applet no Ubuntu e seus derivados

    MATE Dock Applet está disponível nos repositórios oficiais de algumas versões do Ubuntu, e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install mate-dock-applet.

    No entanto, o software disponibilizado nem sempre é a versão mais recente. Por isso, para ter a última versão desse programa no Ubuntu, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/mate

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install mate-dock-applet

    Como instalar o MATE Dock Applet manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Se você já tiver o MATE Dock Applet adicionado em um painel, apenas reinicie a sessão (fazendo logout, e depois, login).

    Se ainda não tiver o MATE Dock Applet adicionado em um painel, para adicionar o applet ao painel MATE, clique com o botão direito do mouse nele, selecione “Adicionar ao Painel”, procure “Dock” e clique em “Adicionar”. E Pronto!

    Desinstalando o MATE Dock Applet no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o MATE Dock Applet no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/mate --remove
    sudo apt-get remove mate-dock-applet
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o QCAD no Linux manualmente

    Como instalar o QCAD no Linux manualmente

    Procurando um poderoso poderoso sistema de CAD 2D, que seja fácil de usar? Então conheça e instale o QCAD no Linux manualmente.


    QCAD é um software livre (GPL versão 3) para desenho assistido por computador (CAD), em duas dimensões (2D). Com QCAD você pode criar desenhos técnicos, tais como planos para edifícios, interiores, peças mecânicas ou esquemas e diagramas. QCAD funciona em Windows, Mac OS X e Linux.

    Como instalar o QCAD no Linux manualmente

    Como instalar o QCAD no Linux manualmente

    QCAD foi projetado com modularidade, extensibilidade e portabilidade em mente. Mas o que as pessoas percebem na maioria das vezes sobre QCAD é a sua interface de usuário intuitiva.

    Isso porque além de ser um poderoso sistema de CAD 2D para todos, o programa é muito fácil de usar. Por causa disso, você não precisa ter nenhuma experiência CAD para começar a usar o QCAD.

    Recursos do QCAD

    • Camadas (layers);
    • Blocos (agrupamento);
    • Já vem com 35 fontes CAD inclusas;
    • Suporte para fontes TrueType;
    • Unidades Metrical e imperiais;
    • Suporta entrada e saída de arquivos DXF e DWG;
    • Impressão em escala;
    • Imprimir em várias páginas;
    • Mais de 40 ferramentas de construção;
    • Mais de 20 ferramentas de modificação;
    • Construção e modificação de pontos, linhas, arcos, círculos, elipses, splines, polilinhas, textos, dimensões, escotilhas, preenchimentos de imagens raster;
    • Várias poderosa ferramentas de seleção de entidade;
    • Snaps de objeto;
    • Ferramentas de medição;
    • Biblioteca de peças com mais de 4800 peças de CAD;
    • Muito completo e extremamente poderoso por causa da interface de programação ECMAScript.

    Conheça melhor o QCAD

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o QCAD no Linux

    Para instalar o QCAD no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esses comandos;

    sudo rm -Rf /opt/qcad*
    sudo rm -Rf /usr/bin/qcad
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/qcad.desktop

    Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome qcad.tar.gz:

    wget http://www.qcad.org/archives/qcad/qcad-3.17.3-linux-x86_32.tar.gz -O qcad.tar.gz

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome qcad.tar.gz:

    wget http://www.qcad.org/archives/qcad/qcad-3.17.3-linux-x86_64.tar.gz -O qcad.tar.gz

    Passo 6. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

    sudo tar -vzxf qcad.tar.gz -C /opt/

    Passo 7. Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

    sudo mv /opt/qcad*/ /opt/qcad

    Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

    sudo ln -sf /opt/qcad/qcad-bin /usr/bin/qcad

    Passo 9. Adicione as bibliotecas do programa no sistema;

    sudo ldconfig /opt/qcad/

    Passo 10. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=qcad\n Exec=/opt/qcad/qcad-bin\n Icon=/opt/qcad/qcad_icon.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/qcad.desktop

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite qcad em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

    sudo chmod +x /usr/share/applications/qcad.desktop
    cp /usr/share/applications/qcad.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

    Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

    cp /usr/share/applications/qcad.desktop ~/Desktop

    Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
    Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

    Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

    Como remover o QCAD no Linux

    Para remover o QCAD no Linux, basta apagar a pasta, o link e o atalho anterior com esses comandos;

    sudo rm -Rf /opt/qcad*
    sudo rm -Rf /usr/bin/qcad
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/qcad.desktop

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o editor de partituras MuseScore no Linux

    Como instalar o editor de partituras MuseScore no Linux

    Se você trabalha com produção musical e precisa trabalhar com partituras, veja como instalar o editor de partituras MuseScore no Linux.


    MuseScore é um software gratuito de edição de partituras. Com ele, você pode criar, reproduzir e imprimir suas partituras, diretamente no PC. O programa é distribuído sob a licença GNU/GPL e possui versões para Windows, Mac OS X e Linux, além de tradução para 43 idiomas, incluindo o português.

    Como instalar o editor de partituras MuseScore no Linux

    Como instalar o editor de partituras MuseScore no Linux

    O MuseScore é bastante intuitivo e ótimo para aqueles que estão iniciando no universo das partituras, pois todos os seus recursos são de fácil acesso e assimilação.

    O programa suporta um número ilimitado de pautas, até quatro vozes por pauta, importa e exporta arquivos em MusicXML e MIDI e possui o sintetizador FluidSynth e sequenciador integrados.

    Conheça melhor o editor de partituras MuseScore

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Veja com usar o programa, assistindo o vídeo abaixo:

    Como instalar o editor de partituras MuseScore no Linux via arquivo AppImage

    Para instalar o editor de partituras MuseScore no Linux via arquivo AppImage, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome musescore.appimage:

    wget https://musescore.org/download/musescore-i686.AppImage -O musescore.appimage

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome musescore.appimage:

    wget https://musescore.org/download/musescore-x86_64.AppImage -O musescore.appimage

    Passo 5. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

    chmod +x musescore.appimage

    Passo 6. Agora instale o programa com o comando;

    sudo ./musescore.appimage

    Passo 7. Na janela que será exibida, clique no botão “Yes” e aguarde o final da instalação;

    Pronto! Agora você já pode iniciar o programa, usando o atalho dele ou digitando musescore em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Depois, comece a criar e editar as suas partituras!

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar a IDE IntelliJ IDEA no Ubuntu, Debian e derivados

    Como instalar a IDE IntelliJ IDEA no Ubuntu, Debian e derivados

    Se você quer desenvolver em Java e precisa de uma boa ferramenta para isso, veja como instalar a IDE IntelliJ IDEA no Ubuntu, Debian e derivados.


    IntelliJ IDEA é um ambiente de desenvolvimento integrado Java (IDE) para o desenvolvimento de software. Ele é desenvolvido pela JetBrains, que anteriormente, era conhecida como IntelliJ e também desenvolveu a IDE PyCharm.

    Como instalar a IDE IntelliJ IDEA no Ubuntu, Debian e derivados

    Como instalar a IDE IntelliJ IDEA no Ubuntu, Debian e derivados

    O software está disponível como uma edição Community (que é de código aberto e licenciada Apache 2), e em uma edição comercial e proprietária chamada de Ultimate. Apesar dessa diferenciação, as duas edições podem ser usadas para o desenvolvimento comercial.

    De acordo com a produtora do software, todos os aspectos do IntelliJ IDEA são especificamente projetados para maximizar a produtividade do desenvolvedor. Juntos, a análise poderosa do código estático e o design ergonômico tornam o desenvolvimento não apenas produtivo, mas também uma experiência agradável.

    Como instalar a IDE IntelliJ IDEA no Ubuntu, Debian e derivados

    Conheça melhor a IDE IntelliJ IDEA

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar a IDE IntelliJ IDEA no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar a IDE IntelliJ IDEA no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/apps

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install intellij-idea-community

    Como instalar a IDE IntelliJ IDEA no Linux Ubuntu, Debian e derivados

    Quem quiser instalar a IDE IntelliJ IDEA no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se você quiser instalar a versão Community da IDE IntelliJ IDEA, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome intellij.deb:

    wget http://ppa.launchpad.net/ubuntuhandbook1/apps/ubuntu/pool/main/i/intellij-idea-community/intellij-idea-community_2017.2-1_all.deb -O intellij.deb

    Passo 3. Se você quiser instalar a versão Ultimate da IDE IntelliJ IDEA, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome intellij.deb:

    wget http://ppa.launchpad.net/ubuntuhandbook1/apps/ubuntu/pool/main/i/intellij-idea-ultimate/intellij-idea-ultimate_2017.2-1_all.deb -O intellij.deb

    Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

    sudo dpkg -i intellij.deb
    sudo apt-get install -f

    Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt install ./intellij.deb

    Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo apt-get remove programa*

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite programa no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o IDE IntelliJ IDEA no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o IDE IntelliJ IDEA no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/apps -r -y
    sudo apt-get remove intellij-idea-community
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Tenha várias distros Linux sempre a mão com o Linux AIO

    Tenha várias distros Linux sempre a mão com o Linux AIO

    Quer ter todas as variantes, ou melhor, todos os sabores do Ubuntu e de outras distros? Conheça Linux AIO e descubra onde baixar esse conjunto.


    O Ubuntu tem vários sabores oficiais baseados em diferente ambientes de trabalho. Por exemplo, a instalação padrão do Ubuntu vem com o Unity desktop, o Kubuntu com KDE, o Lubuntu com LXDE, o Xubuntu, com Xfce e etc.

    Tenha várias distros Linux sempre a mão com o Linux AIO

    Tenha várias distros Linux sempre a mão com o Linux AIO

    Existem alguns outros sabores também, mas estas são as variantes oficiais mais importantes. Essa variedade é boa e importante, mas deixa alguns usuários confusos na hora de escolher qual opção utilizar. A solução para essa indecisão? Ubuntu AIO, do projeto Linux AIO.

    O projeto Linux AIO tem como principal objectivo disponibilizar várias distribuições Linux, em uma única mídia. Este projeto disponibiliza principalmente versões de 32 ou 64 bits do Ubuntu (14.04, 16.04, 16.10, 17.04 e anteriores) e suas variantes.

    Ele também fornece versões do Linux Mint, LMDE, Debian Live, Fedora, Zorin OS, Trisquel, SolydXK e muitas outras, com suas variações.

    Conheça melhor o Linux AIO

    Para saber mais sobre o Ubuntu AIO, clique nesse link.

    Baixe e experimente o Linux AIO

    O Linux AIO pode ser baixado acessando sua página de download.
    Nessa página, você encontra as seguintes opções para baixar:

    No caso do Ubuntu, a opção “LTS releases” dá acesso apenas as versões LTS, “Current releases” leva a atual versão, e claro, “Old releases” entrega as versões antigas que não eram LTS.

    Escolha qual a versão do Linux AIO que você quer baixe. Depois, descompacte os arquivos e grave as imagens ISO.

    Verifique se a imagem ISO está corrompida

    Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
    Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

    Como gravar uma imagem ISO no Linux

    Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
    Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
    Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
    Como criar um pendrive de instalação
    Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Adicionando uma opção para excluir arquivos permanentemente no Nautilus

    Adicionando uma opção para excluir arquivos permanentemente no Nautilus

    Se você quer uma opção que lhe permita excluir arquivos definitivamente, em vez de mandar para a lixeira, veja aqui como adicionar uma no menu de contexto do Nautilus.


    Enviar arquivos apagados para lixeira nem sempre é uma boa opção, pois continuará ocupando espaço no disco,visual e dificilmente você lembrará de entrar nela para limpar e liberar esse espaço.

    Adicionando uma opção para excluir arquivos permanentemente no Nautilus

    Adicionando uma opção para excluir arquivos permanentemente no Nautilus

    Uma boa saída para o problema é apagar alguns arquivos definitivamente. Muitas vezes isso pode até ser uma necessidade, quando precisamos realmente nos livrar de um arquivo.

    Embora pareça uma falha, na verdade o Nautilus permite excluir arquivos permanentemente. Contudo, ele não traz essa opção ativa por padrão, por isso, mostrarei como ativá-la nos passos abaixo. Acompanhe.

    Adicionando uma opção para excluir arquivos permanentemente no menu de contexto do Nautilus

    Para adicionar uma opção para excluir arquivos permanentemente no menu de contexto do Nautilus no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um o gerenciador de arquivos Nautilus;
    Passo 2. Vá no menu “Editar” e nele, clique na opção “Preferências”;

    Adicionando uma opção para excluir arquivos permanentemente no Nautilus

    Passo 3. Clique na guia “Comportamento”;

    Adicionando uma opção para excluir arquivos permanentemente no Nautilus

    Passo 4. Marque a caixa onde diz “Incluir um comando excluir que não usa a lixeira”.

    Adicionando uma opção para excluir arquivos permanentemente no Nautilus

    Pronto! A partir desse momento, basta clicar com o botão direito do mouse sobre um arquivo e escolher a opção “Excluir” para apagar definitivamente o arquivo, sem enviá-lo para a lixeira.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instalando o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu

    Instalando o pacote de ícones Buttonized no UbuntuInstalando o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu

    Se você gosta de um visual no estilo botão, experimente instalar o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu e deixe seu sistema com esse padrão.


    O pacote de ícones Buttonized foi projetado por Shaun. Ele oferece ícones completos para o sistema operacional Linux.

    Instalando o pacote de ícones Buttonized no UbuntuInstalando o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu

    Instalando o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu

    Este tema de ícone tem mais de 5000 ícones e suporta o Unity, GNOME, KDE e diversos outros ambientes de trabalho.

    Conheça melhor o pacote de ícones Buttonized

    Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

    Instalando o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu e derivados

    Para instalar o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

    Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o programa usando o seguinte comando:

    sudo apt-get install buttonized-icons

    Como instalar o pacote de ícones Buttonized manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Desinstalando o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o pacote de ícones Buttonized, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove buttonized-icons

    Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

    Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

    Se você pretende largar o Photoshop e começar a usar o GIMP, existe um projeto que pode lhe ajudar nisso. Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop.


    Todos sabemos que o GIMP é um programa com recursos poderosos e que rivalizam com muitas ferramentas proprietárias, como por exemplo, o Adobe Photoshop.

    Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

    Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

    No entanto, como se trata de um programa diferente, é natural que a maneira de trabalhar com ele também seja diferente do popular Adobe Photoshop. Isso infelizmente, afasta alguns usuários que não podem “perder tempo aprendendo” uma nova ferramenta.

    Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

    Para ajudar a diminuir a curva de aprendizado do Gimp, o Dionatan do site Diolinux lançou o projeto PhotoGIMP, que é um patch que você pode aplicar no GIMP 2.8, tanto para Linux, quanto para Windows.

    O objetivo do projeto é deixar o GIMP o mais parecido possível com o Photoshop e torná-lo uma opção viável para iniciantes e para avançados.

    Este Patch adiciona um visual semelhante ao do Photoshop e recursos adicionais como vários novos Brushes e filtros do Instagram.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o PhotoGIMP

    Se você quiser saber mais sobre esse importante recurso, acesse esse link. E para ver a versão mais recente, acesse esse ou outro link.
    Nas páginas você verá mais detalhes e até com instalar no GIMP.

    Conheça melhor o PhotoGIMP

    Para ter um ideia de como fica o GIMP, dê uma olhada nessa imagens publicadas pelo Dionatan:

    Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

    Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

    Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

    Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    24 de julho de 2017

    Como instalar o editor de fotos PhotoFlow no Ubuntu e Fedora

    Como instalar o editor de fotos PhotoFlow no Ubuntu e Fedora

    Procurando um software de edição não destrutiva de fotos? Então conheça, instale e experimente o editor de fotos PhotoFlow no Ubuntu e Fedora e derivados.


    PhotoFlow é um programa de código aberto voltado para edição não destrutiva de fotos, que permite ajustar fotos de imagens RAW para impressão de alta qualidade.

    Como instalar o editor de fotos PhotoFlow no Ubuntu e Fedora

    Como instalar o editor de fotos PhotoFlow no Ubuntu e Fedora

    O objetivo do projeto é proporcionar um programa de retoque fotográfico totalmente não destrutivo com um fluxo de trabalho completo, incluindo o desenvolvimento de imagem RAW.

    Caracteristicas do PhotoFlow

    • Totalmente não destrutivo, fluxo de trabalho de edição de fotos com base em camadas com visualização em tempo real da imagem final;
    • Suporte para 8-bits e 16-bits inteiro, bem como 32-bits e 64-bits com de precisão de ponto flutuante, selecionável em tempo de execução e em uma base per-imagem;
    • Permite carregar e editar imagens de tamanho arbitrário, graças ao motor de renderização subjacente baseadas na biblioteca VIPS
    • Completo fluxo de trabalho de gerenciamento de cor: perfis de entrada, de trabalho e de saída definidos pelo usuário, soft-proofing, etc …;
    • Suporte para agrupamento de camadas e máscaras de camadas;
    • Suporte para fotografias comum ferramentas de edição: níveis, curvas, controle de brilho de contraste, embaçamento, afiar, recortar, redimensionar, conversões colorspace, etc …, todos implementados na forma de camadas de imagem.

    Conheça melhor o editor de fotos PhotoFlow

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o editor de fotos PhotoFlow no Ubuntu e seus derivados

    Em versões mais recentes do Ubuntu, o PhotoFlow já está disponível nos repositório padrão do sistema. Assim, basta procurar por ele no gerenciador de pacotes e instalar. Se preferir, instale o programa usando o comando: sudo apt-get install photoflow.
    Em versões mais antigas do Ubuntu, para instalar o editor de fotos PhotoFlow e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:dhor/myway

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install photoflow

    Passo 5. Se precisar, para desinstalar o editor de fotos PhotoFlow no Ubuntu e derivados, use os seguintes comandos:

    sudo apt-get remove photoflow
    sudo apt-get autoremove

    Como instalar o editor de fotos PhotoFlow no Fedora e derivados

    Para instalar o editor de fotos PhotoFlow no Fedora e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Instale os plugins necessários com o comando:

    sudo dnf install dnf-plugins-core

    Passo 3. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando;

    sudo dnf copr enable oleastre/PhotoFlow

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo dnf install photoflow

    Passo 5. Se precisar, para desinstalar o editor de fotos PhotoFlow no Fedora e derivados, use esse comando:

    sudo dnf remove photoflow

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite photoflow no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como montar seu armazenamento no Box.com no Ubuntu com Box2Tux

    Como montar seu armazenamento no Box.com no Ubuntu

    Se você possui uma conta no serviço de armazenamento box.com, veja aqui como montar sua pasta do Box.com no Ubuntu com Box2Tux.


    Este rápido tutorial mostra como montar e mapear o seu armazenamento Box.com no desktop do Ubuntu para que você possa acessar o seu armazenamento em nuvem dentro do navegador de arquivos Nautilus.

    Como montar seu armazenamento no Box.com no Ubuntu

    Como montar seu armazenamento no Box.com no Ubuntu com Box2Tux

    Há muitos serviços de armazenamento em nuvem disponíveis para Ubuntu Linux. Box.com é um deles que oferece 10 GB de espaço livre da web com o tamanho de upload de arquivos de 250 MB.

    O serviço permite acesso direto através do protocolo WebDAV e existe um projeto de código aberto chamado Box2Tux, que faz a configuração do protocolo WebDAV de um jeito bem fácil.

    Tudo que você precisa fazer é inserir o nome e senha da sua conta Box, em seguida, ele permite que você acesse o armazenamento em nuvem diretamente no navegador de arquivos Nautilus e montá-lo automaticamente na inicialização.

    Conheça melhor o cliente box.com Box2Tux

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como montar seu armazenamento no Box.com no Ubuntu

    Para montar seu armazenamento no Box.com no Ubuntu , você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Instale o davfs2 (WebDAV) a partir da Central de programas do Ubuntu ou digite no terminal:

    sudo apt-get install davfs2*

    Passo 3. Baixe o Box2Tux com o comando:

    wget https://github.com/alfredobonino/Box2Tux/archive/master.zip

    Passo 4. Use o comando a seguir para extrair o pacote baixado;

    unzip master.zip

    Passo 5. Vá para a pasta criada;

    cd Box2Tux-master/

    Passo 6. Torne o aplicativo executável com o comando;

    chmod +x box2tux

    Passo 7. Execute o Box2Tux;

    ./box2tux

    Passo 8. Quando aparecer o prompt do box.com, entre com o usuário e a senha de sua conta.

    Como montar seu armazenamento no Box.com no Ubuntu

    Pronto! Agora o seu armazenamento box.com já estará montado como uma unidade de rede no lançador do Unity.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar a última versão do PeaZip no Ubuntu e derivados

    Como instalar a última versão do PeaZip no Ubuntu

    Procurando uma boa ferramenta para lidar com arquivos compactados? Então veja como instalar a última versão do PeaZip no Ubuntu e experimente esse incrível aplicativo.


    PeaZip é um gerenciador, compactador e extrator de arquivos fácil de usar e que suporta uma grande diversidade de formatos de compactação.

    Como instalar a última versão do PeaZip no Ubuntu

    Como instalar a última versão do PeaZip no Ubuntu

    Ele suporta divisão em volumes, compactação, autenticação criptografada e trabalha com os formatos 7Z, 7-Zip sfx, ACE, ARJ, BZ2, CAB, CHM, CPIO, DEB, GZ, ISO, JAR, LHA/LZH, NSIS, OOo, PAQ/LPAQ, PEA, QUAD, RAR, RPM, split, TAR, Z, ZIP, ZIPX.

    Conheça melhor o PeaZip

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o PeaZip no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o PeaZip no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome peazip.deb:

    wget http://heanet.dl.sourceforge.net/project/peazip/6.4.1/peazip_6.4.1.LINUX.GTK2-2_i386.deb -O peazip.deb

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome peazip.deb:

    wget http://heanet.dl.sourceforge.net/project/peazip/6.4.1/peazip_6.4.1.LINUX.GTK2-2_all.deb -O peazip.deb

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para instalar as dependências do programa, que no caso, são bibliotecas 32 bits:

    sudo apt-get install libatk1.0-0:i386 libc6:i386 libcairo2:i386 libgdk-pixbuf2.0-0:i386 libglib2.0-0:i386 libgtk2.0-0:i386 libpango1.0-0:i386 libx11-6:i386 libcanberra-gtk-module:i386

    Passo 6. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i peazip.deb

    Passo 7. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite peazip no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o PeaZip no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o PeaZip no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove peazip*
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Acessando os programas abertos em uma lista no Painel

    Acessando os programas abertos em uma lista no Painel

    Depois que abrimos muitas janelas ou algumas se sobrepõem a outras, fica complicado acessá-las. Para resolver isso, basta instalar o Window-List Indicator e acessar os programas abertos em uma lista no Painel.


    Window-List Indicator é um aplicativo que exibe uma lista de todas as janelas abertas no momento. Com ele você pode ir para a janela que deseja, apenas selecionando ela em uma lista no painel. Este applet indicador funciona no Gnome Classic, Unity, Xfce.

    Acessando os programas abertos em uma lista no Painel

    Acessando os programas abertos em uma lista no Painel

    Na imagem acima o programa pode ser visto rodando no Unity e abaixo, no Gnome Classic e Xfce.

    Acessando os programas abertos em uma lista no Painel

    Acessando os programas abertos em uma lista no Painel

    Conheça melhor o Window-List Indicator

    Para saber mais sobre as características do programa e o que ele pode fazer, clique nesse link.

    Acessando os programas abertos em uma lista no Painel com o Window-List Indicator

    Para instalar o Window-List Indicator no Ubuntu e derivados e poder acessar os programas abertos em uma lista no Painel, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:jwigley/window-list

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install window-list

    Como instalar o o Window-List Indicator manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite window no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB). Ou simplesmente feche a sessão atual e faça login novamente.

    Desinstalando o Window-List Indicator no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Window-List Indicator no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove window-list
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instalando a versão mais recente do Sweet Home 3D no Linux

    Instalando a versão mais recente do Sweet Home 3D no Linux

    Foi lançada mais uma versão do aplicativo Sweet Home 3D. Se você já é usuário ou quer experimentar esse programa, veja aqui como instalar a versão mais recente do Sweet Home 3D no Linux.


    Sweet Home 3D é uma aplicação de design interior que ajuda você colocar suas mobílias em sua casa em um plano 2D, com uma visualização em 3D.

    Instalando a versão mais recente do Sweet Home 3D no Linux

    Instalando a versão mais recente do Sweet Home 3D no Linux

    O programa é escrito em Java e está disponível em Português, Inglês, Francês, Italiano e Alemão, e pode ser executado em Windows, OS X, Linux e Solaris.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o Sweet Home 3D

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o Sweet Home 3D no Linux

    Sweet Home 3D está disponível nos repositórios padrão de boa parte das atuais distribuições Linux e pode ser instalada simplesmente usando o gerenciador de pacotes delas. Entretanto, essa versão nem sempre é a mais recente. Por isso, para instalar a versão mais recente do Sweet Home 3D no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/sweethome3d/
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/sweethome3d.desktop

    Passo 3. Use os comandos abaixo para baixar o programa e seu ícone. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sweethome3d.jar;

    wget http://ufpr.dl.sourceforge.net/project/sweethome3d/SweetHome3D/SweetHome3D-5.4/SweetHome3D-5.4.jar -O sweethome3d.jar
    wget http://www.sweethome3d.com/blog/images/5.2/SweetHome3DIcon512x512.png -O sweethome3d.png

    Passo 4. Depois de baixar, execute o comando abaixo para criar a pasta do programa dentro de /opt/;

    sudo mkdir /opt/sweethome3d

    Passo 5. Copie os arquivos baixados para a pasta criada, usando este comando;

    sudo mv sweethome3d.* /opt/sweethome3d/

    Passo 6. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=sweethome3d\n Exec=java -jar /opt/sweethome3d/sweethome3d.jar\n Icon=/opt/sweethome3d/sweethome3d.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/sweethome3d.desktop

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite java -jar /opt/sweethome3d/sweethome3d.jar em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

    sudo chmod +x /usr/share/applications/sweethome3d.desktop
    cp /usr/share/applications/sweethome3d.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

    Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

    cp /usr/share/applications/sweethome3d.desktop ~/Desktop

    Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
    Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

    Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

    Como remover o Sweet Home 3D no Linux

    Para remover o Sweet Home 3D no Linux, faça um backup dos seus arquivo e depois apague a pasta, o link e o atalho anterior com esses comandos;

    sudo rm -Rf /opt/sweethome3d/
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/sweethome3d.desktop

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instalando o conjunto de ícones Rave-X Colors no Ubuntu

    Instalando o conjunto de ícones Rave-X Colors no Ubuntu

    Se você quer dar uma repaginada no visual do seu desktop, experimente instalar o conjunto de ícones Rave-X Colors no Ubuntu.


    O conjunto de ícones Rave-X são uma mistura de Faenza, Elementary e outros ícones e também é uma espécie de continuação não oficial dos ícones Faenza, mas com novas pastas coloridas e lotes de pequenas atualizações.

    ícones Rave-X Colors Instalando o conjunto de ícones Rave-X Colors no Ubuntu

    Os ícones RAVE-X também são muito semelhantes aos do conjunto de ícones Mint-X. Ele possui painéis claros e escuros, permitindo que você deixe o ambiente com a aparência e estilo que você quer.

    Instalando o conjunto de ícones Rave-X Colors no Ubuntu

    Conheça melhor os temas e ícones Rave-X Colors

    Para saber mais sobre o conjunto de ícones, clique nesse link.

    Instalando o conjunto de ícones Rave-X Colors no Ubuntu e derivados

    Para instalar o conjunto de ícones Rave-X Colors no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ravefinity-project/ppa

    Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o conjunto de ícones Rave-X Colors usando o seguinte comando:

    sudo apt-get install rave-x-colors-icons

    Como instalar o conjunto de ícones Rave-X Colors manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Desinstalando o conjunto de ícones Rave-X Colors no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar conjunto de ícones Rave-X Colors no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove rave-x-colors-icons

    Passo 3. Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar a ferramenta para DJ Mixxx no Ubuntu

    Como instalar a ferramenta para DJ Mixxx no Ubuntu

    Procurando uma mesa para DJ para usar no Linux? Então conheça e veja como instalar a ferramenta para DJ Mixxx no Ubuntu.


    Mixxx é a mais legal de todas as ferramentas para DJ de código aberto criados por profissionais da área. Sua filosofia de design e funcionalidade em muito se assemelha a abordagem do popular software Traktor, que infelizmente, não está disponível para a plataforma Linux.

    Como instalar a ferramenta para DJ Mixxx no Ubuntu

    Como instalar a ferramenta para DJ Mixxx no Ubuntu

    Uma das partes mais importantes do trabalho de um DJ é a sincronização de faixas, e o Mixxx oferece boas características nessa parte.

    Ao pressionar o ícone de fones de ouvido, que está localizado logo acima do ícone play/pause de cada canal, o áudio é enviado para a saída correspondente que lhe permite ouvir e sincronizar a próxima faixa.

    Você também pode pressionar o botão “sync”, que está posicionado ao lado de onda de cada faixa, para deixar Mixxx auto-ajustar a sincronização da próxima faixa. Claro, isso funciona na maioria dos casos, mas nem sempre dá certo.

    Clicando em itens da sua biblioteca com o botão direito, você verá um conjunto de opções, como a adição de músicas para DJ session virtual crates (grades virtuais de sessões).

    Isso ajuda você a selecionar as faixas que deseja usar em sua sessão ao vivo. Você também pode usar o botão direito do mouse nas músicas em sua caixa ou na biblioteca para enviá-los para o “Auto DJ”.

    Como instalar a ferramenta para DJ Mixxx no Ubuntu

    Conheça melhor a ferramenta para DJ Mixxx

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Mixxx pode ser instalado em seu sistema Linux através da compilação do fonte de sua mais recente versão. Mas, se você estiver usando um derivado Ubuntu, você também pode adicionar um repositório de terceiros para instalar a última Mixxx, seguindo o procedimento abaixo.

    Como instalar a ferramentas para DJ Mixxx no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar a ferramentas para DJ Mixxx no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:mixxx/mixxx

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install mixxx libportaudio2

    Como instalar a ferramentas para DJ Mixxx manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório da ferramentas para DJ Mixxx ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite mixxx no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Ao ser executado pela primeira vez, Mixxx pede ao usuário para definir um local de música e então coloca tudo na biblioteca.

    De lá você pode arrastar e soltar músicas para um dos dois decks localizados nas laterais esquerda e direita. No centro você pode encontrar as duas barras de volume para cada canal e um crossfader acessível apenas por debaixo deles.

    Como instalar a ferramenta para DJ Mixxx no Ubuntu

    Desinstalando a ferramentas para DJ Mixxx no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar a ferramentas para DJ Mixxx no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:mixxx/mixxx --remove
    sudo apt-get remove mixxx
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o terminal Terminus no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados

    Como instalar o terminal Terminus no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados

    Se você está cansado do seu terminal padrão ou apenas quer uma alternativa que possa parecer legal e executar operações no seu sistema, conheça e veja como instalar o terminal Terminus no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados.


    Terminus é um terminal moderno projetado para ser altamente personalizável, e que certamente fará com que você goste ainda mais da linha de comando.

    Como instalar o terminal Terminus no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados

    Como instalar o terminal Terminus no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados

    Terminus é construído usando tecnologias web baseadas em Electron. Como é um terminal moderno, ele é multiplataforma e está disponível para Linux, Windows e Mac.

    No Linux o programa é um terminal completo que possui abas persistentes após o reinício, auto ancaixe para o lado de qualquer tela, suporte completo de caracteres Unicode e de largura dupla.

    Principais características do Terminus:

    • Suporta esquemas de tema e cores;
    • Suporta complementos;
    • Suporta a restauração de guias;
    • Permite arrastar um arquivo para colar o caminho;
    • Possui esquemas de atalhos totalmente configuráveis;
    • Possui Hotkeys de estilo de tela GNU disponíveis por padrão;
    • Permite clicar nos caminhos e URLs para abrir no navegador/gerenciador de arquivos;
    • Mantém o diretório atual em novas guias.;

    Teclas de atalho padrão do estilo Linux para Copiar (Ctrl + Shift + C) e Colar (Ctrl + Shift + V);
    Suporte Unicode completo incluindo caracteres de largura dupla;
    Não engasga em saídas rápidas;
    Persistência de tabulação em Linux e Mac OS;

    Como instalar o terminal Terminus no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados

    Conheça melhor o terminal Terminus

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o terminal Terminus no Linux Ubuntu, Debian e derivados

    Quem quiser instalar o terminal Terminus no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome terminus.deb:

    wget https://github.com/Eugeny/terminus/releases/download/v1.0.0-alpha.22/terminus_1.0.0-alpha.22_amd64.deb -O terminus.deb

    Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

    sudo dpkg -i terminus.deb
    sudo apt-get install -f

    Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt install ./terminus.deb

    Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo apt-get remove terminus*

    Como instalar o terminal Terminus no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados

    Quem quiser instalar o programa no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome terminus.rpm:

    wget https://github.com/Eugeny/terminus/releases/download/v1.0.0-alpha.22/terminus-1.0.0-alpha.22.rpm -O programa.rpm

    Passo 4. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo zypper install terminus.rpm

    Passo 5. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo yum localinstall terminus.rpm

    ou

    sudo dnf install terminus.rpm

    Passo 6. Para instalar o programa na maioria das distro com suporte a arquivos RPM, use o comando:
    Passo 7. Agora instale o programa com o comando:

    sudo rpm -i terminus.rpm

    Passo 8. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo rpm -e terminus*

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, use o atalho dele ou digite terminus em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o módulo de segurança do Banco Itaú no Linux

    Como instalar o módulo de segurança do Banco Itaú no Linux

    Se você quer acessar o Internet Banking do Banco Itaú no sistema do pinguim, veja neste tutorial como instalar o módulo de segurança do Banco Itaú no Linux.


    Assim como a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, o Banco Itaú utiliza uma solução de segurança desenvolvida pela GAS Software, o Warsaw.

    Como instalar o módulo de segurança do Banco Itaú no Linux

    Como instalar o módulo de segurança do Banco Itaú no Linux

    O software é um recurso de proteção e é usado para dar mais segurança ao acesso dos clientes, mas as vezes, também pode dar muita dor de cabeça para aqueles que usam Linux. A boa noticia é que esse módulo de segurança do Banco Itaú possui uma versão para Linux.

    Conheça melhor o módulo de segurança do Banco Itaú (Warsaw)

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o módulo de segurança do Banco Itaú no Linux

    É possível instalar o módulo de segurança do Banco Itaú no Linux utilizando pacotes DEB/RPM (somente para distribuições que suportam esses formatos). Escolha o método mais conveniente para você e siga um dos procedimentos abaixo.

    Como instalar o módulo de segurança do Banco Itaú no Linux Ubuntu, Debian e derivados

    Para instalar o módulo de segurança do Banco Itaú no Ubuntu, Debian, e outros sistemas que suportam arquivos .deb, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Atualize o repositório de pacotes com o comando;

    sudo apt-get update

    Passo 3. Instale os pacotes libnss3-tools e libcurl3;

    sudo apt-get install libnss3-tools libcurl3

    Passo 4. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa;

    wget https://guardiao.itau.com.br/warsaw/warsaw_setup_64.deb -O warsaw.deb

    Passo 6. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

    sudo dpkg -i warsaw.deb
    sudo apt-get install -f

    Passo 7. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt install ./warsaw.deb

    Passo 8. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo apt-get remove warsaw*

    Como instalar o módulo de segurança do Banco Itaú no Linux Fedora, OpenSUSE, CentOS e derivados

    Quem quiser instalar o módulo de segurança do Banco Itaú no Linux Fedora, OpenSUSE, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte (esteja ciente que o método não é garantido, pois utiliza a conversão de um pacote DEB para RPM):
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa;

    wget https://guardiao.itau.com.br/warsaw/warsaw_setup_64.deb -O warsaw.deb

    Passo 4. Converta o pacote baixado com o comando abaixo;

    alien --to-rpm warsaw.deb

    Passo 5. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo zypper install warsaw.rpm

    Passo 6. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo yum localinstall warsaw.rpm

    ou

    sudo dnf install warsaw.rpm

    Passo 7. Para instalar o programa na maioria das distros com suporte a arquivos RPM, use o comando:

    sudo rpm -i warsaw.rpm

    Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo rpm -e warsaw*

    Depois de instalar, reinicie seu computador, e em seguida, acesse o Internet Banking do Banco na Internet.

    Nos meus testes, o acesso funcionou tranquilamente no Firefox. No Google Chrome, o site continuou insistindo na instalação do Guardião, mesmo depois de dele já estar instalado.

    Se você teve alguma dificuldade ou descobriu algo útil ao processo, por favor, compartilhe suas informações nos comentários.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

    Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

    Está com dificuldades para usar o Google Drive no Linux? Então aqui está mais uma alternativa para gerenciar facilmente seus arquivos no serviço usando Linux:  google-drive-ocamlfuse.


    Já tem muito tempo que o Google anunciou seu serviço de armazenamento e sincronização de arquivos chamado Drive, e até agora ainda não há um cliente oficial do Linux.

    Existem alguns clientes não oficiais, mas eles não são perfeitos: Insync não é livre, overGrive é pago e o Grive só funciona em linha de comando e seu desenvolvimento parece ter parado.

    Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

    Uma boa opção é o google-drive-ocamlfuse, um backend do sistema de arquivos FUSE para o Google Drive, que você pode usar para montar o seu Google Drive no Linux.

    Entre as características do google-drive-ocamlfuse estão o suporte completo de leitura/gravação para arquivos e pastas regulares, suporte para múltiplas contas, manipulação de arquivos duplicados, bem como acesso ao diretório de lixo do Google Drive.

    O programa também fornece acesso somente leitura para o Google Docs, planilhas e Slides, que podem ser convertidos para ODT, ODS ou PDF. 

    Ele ainda está em testes e por isso, enquanto ele pode funcionar muito bem, você pode encontrar bugs. Também vale a pena mencionar que as mudanças não aparecem imediatamente – quando você editar ou enviar um novo arquivo, pode demorar 60 segundos (isso é configurável) até que as alterações aparecem no sistema de arquivos montado.

    Já se os arquivos adicionados recentemente não aparecem no gerenciador de arquivos, digite a pasta novamente ou atualize ela (Ctrl + F).

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o google-drive-ocamlfuse

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o google-drive-ocamlfuse no Ubuntu e Arch

    Para instalar o google-drive-ocamlfuse no Ubuntu e Arch, siga os procedimento abaixo.

    Instalando o google-drive-ocamlfuse no Ubuntu e derivados

    Para instalar o google-drive-ocamlfuse no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:alessandro-strada/ppa

    Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Para instalar o aplicativo, use este comando:

    sudo apt-get install google-drive-ocamlfuse

    Como instalar o google-drive-ocamlfuse manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Como instalar o google-drive-ocamlfuse no Arch Linux

    Os usuários do Arch Linux podem instalar o google-drive-ocamlfuse usando o AUR.

    Usando o google-drive-ocamlfuse

    Para autorizar o google-unidade-ocamlfuse com o Google,faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Execute o seguinte comando no terminal:

    google-drive-ocamlfuse

    Passo 2. Isso deve abrir uma aba no navegador da web padrão. Se não estiver logado em sua conta Google, entre com seu e-mail e senha para fazer login e então você verá uma tela  pedindo autorização para que o google-unidade-ocamlfuse acesse o seu Google Drive. Para autorizar, clique em “Permitir”;

    Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

    Passo 3. Se aparece a tela falando de gdfuse OAuth2 Endpoint, clique no botão “Allow” para autorizar;

    Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

    Passo 4. Agora vamos montar o Google Drive. Crie uma pasta no seu diretório home, chamada “gdrive”. Para isso, use esse comando:

    mkdir ~/gdrive

    Passo 5. E agora monte o Google Drive, usando o comando abaixo:

    google-drive-ocamlfuse ~/gdrive

    Passo 6. Imediatamente será aberta uma janela do navegador padrão, pedindo a autorização para ter acesso off-line ao Google Drive. Clique no botão “Permitir”;

    Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

    Pronto! Agora já está tudo funcionando. Se você quiser configurar o intervalo entre as consultas para detectar alterações no lado do servidor, o formato de exportação utilizado para documentos do Google e assim por diante, consulte o arquivo de configuração usando o comando abaixo:

    gedit ~/.gdfuse/default/config

    Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

    Desinstalando o google-unidade-ocamlfuse no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o google-unidade-ocamlfuse no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:alessandro-strada/ppa --remove
    sudo apt-get remove google-drive-ocamlfuse
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Editor de código para web: instale o Brackets no Ubuntu

    Editor de código para web: instale o Brackets no Ubuntu

    Se você trabalha com criação de código para web, experimente instalar e usar o editor de código para web Brackets em seu Ubuntu.


    Brackets é editor de código da Adobe. Ele é mais um editor de código, em vez de um editor de texto e é focado em web designers e desenvolvedores front-end.

    Editor de código para web: instale o Brackets no Ubuntu

    Editor de código para web: instale o Brackets no Ubuntu

    Esse aplicativo é construído de e para HTML, CSS e Java Script. Com ferramentas visuais especializadas e suporte a preprocessadores, o Brackets é um editor de textos moderno que facilita a criação de designs no navegador.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Novidades da versão mais recente do editor de código para web Brackets

    Brackets 1.10 traz as seguintes novidades:

  • Suporta mais de 40 diferentes codificações de arquivos. Você pode abrir/salvar arquivos com diferentes codificações;
  • Suporte ao histórico de pesquisa;
  • Agora as sugestões de código CSS suportam as sugestões @rule e pseudo seletor/elemento;
  • Fornece dicas de código CSS no valor de atributo de estilo em html;
  • Navegação para frente/para trás no histórico de edição;
  • Capacidade de ativar/desativar extensões padrão;
  • Os menus HTML foram substituídos por menus nativos no Linux.
  • Para saber mais detalhes sobre essa versão, clique nesse link.

    Conheça melhor o editor de código para web Brackets

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o editor de código para web Brackets no Ubuntu e seus derivados

    Brackets está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install brackets. Por isso, para ter a última versão desse programa no Ubuntu, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/brackets

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install brackets

    Veja como fazer isso, assistindo o vídeo abaixo:

    Como instalar o programa manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Se você tiver algum problema de instalação ou execução no Ubuntu, dê uma olhada nesse outro tutorial:
    Problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu 15.04/15.10/16.04? Veja como resolver

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite brackets no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o Brackets no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Brackets no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/brackets --remove
    sudo apt-get remove Brackets
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    23 de julho de 2017

    Resumo semanal de 17/07/2017 a 23/07/2017! Atualize-se!

    Resumo semanal de 17/07/2017 a 23/07/2017

    Você sabia que o distribuição Deepin 15.4.1 já está disponível para download? Ou sabia que o Remix OS será descontinuado? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essas postagens. Mas não se preocupe, leia o resumo semanal de 17/07/2017 a 23/07/2017 e se atualize.


    Mas você já deve conhecer o Phoenix OS, uma alternativa ao Remix OS? Ou já sabe que foi lançado o KDE Plasma 5.10.4 com suporte para janelas sombreadas? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

    Resumo semanal de 17/07/2017 a 23/07/2017

    Resumo semanal de 10/07/2017 a 16/07/2017

    Resumo semanal de 17/07/2017 a 23/07/2017

    17/07/2017

    18/07/2017

    19/07/2017

    20/07/2017

    21/07/2017

    22/07/2017

    Chegou o Ubuntu 17.04

    Conheça melhor e experimente o Ubuntu Kylin 17.04

    Já conhece o Ubuntu Kylin 17.04? Não? Veja mais detalhes sobre essa distribuição no artigo abaixo:
    Ubuntu Kylin 17.04 também já está disponível para download

    Originalmente, Ubuntu Kylin entregava um desktop como Ubuntu Unity, mas a partir dessa versão 17.04, ele substituído por um desktop personalizado chamado UKUI (baseado no MATE). O novo ambiente é um movimento de última hora (como resultado da recente decisão da Canonical de abandonar o desktop Unity).

    UKUI é um desktop personalizado baseado no MATE, redesenhado com um novo menu Iniciar, painel de controle, barra de tarefas da área de trabalho, tema da área de trabalho e ícones.

    Para ver o novo ambiente, assista esse vídeo:



    Conheça melhor e experimente o Ubuntu deepin 15.4

    Já conhece também o deepin 15.4? Veja mais detalhes sobre essa distribuição no artigo abaixo:
    Deepin 15.4 já está disponível para download

    Deepin (anteriormente Deepin, Linux Deepin, Hiweed GNU/Linux) é uma distribuição baseada em Debian (foi baseada no Ubuntu até a versão 15, lançada no final de 2015), que visa fornecer um sistema operacional elegante, fácil de usar e confiável.

    Para ver a distro, assista esse vídeo:



    Ubuntu 16.04

    Quem quiser experimentar o Ubuntu 16.04 pode baixá-lo, acessando os links nessa postagem.

    Como atualizar para o Ubuntu 16.04

    Quem precisar atualizar para o Ubuntu 16.04, basta seguir esses tutoriais:

  • Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.10
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.10 na versão desktop
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.10 via terminal
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.10 usando o disco de instalação
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.04

    Quem precisar atualizar para o Ubuntu 16.04, basta seguir esses tutoriais:
    Como atualizar para o Ubuntu 16.04 na versão desktop
    Como atualizar para o Ubuntu 16.04 via terminal (server e desktop)
    Como atualizar para o Ubuntu 16.04 usando o disco de instalação

    Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.04

    Quem acabou de mudar para o Ubuntu 16.04, pode dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
    Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.04

    Veja também

  • Como Instalar o Adobe Flash Player no Ubuntu
  • Google Chrome no Ubuntu, Fedora e derivados – veja como instalar
  • Como instalar a versão mais recente do Wine no Ubuntu
  • Como instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu
  • Usando WhatsApp no Linux com Whatsie
  • Recuperando o boot do Linux (Grub), depois de instalar o Windows
  • Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.04
  • Como criar um pendrive bootável do Windows no Linux
  • 22 de julho de 2017

    Fedora Games Spin – um fedora voltado para os gamers

    Fedora Games Spin - um fedora voltado para os gamers

    Se você gosta do Fedora e de jogos (ou apenas de jogos), vai gostar do Fedora Games Spin. Conheça mais um pouco sobre essa distro e descubra onde baixá-la.


    O Projeto Fedora produz vários “spins” que são versões alternativas da distro, oferecendo ferramentas e componentes de software escolhidos para um propósito específico. E o Fedora Games é o spin voltado para jogos, mais especificamente para o público gamer.

    Fedora Games Spin - um fedora voltado para os gamers

    Fedora Games Spin – um fedora voltado para os gamers

    O spin Fedora Games apresenta uma vasta coleção de jogos espalhados por diferentes gêneros, como arcade, esportes, estratégia, aventura, ação, etc. Embora nem todos os jogos estejam incluídos, o Fedora tenta incorporar o melhor de cada gênero.

    O Fedora Games Spin é ideal para aqueles que procuram testar rapidamente títulos populares, como SuperTuxKart, The Battle for Wesnoth, Freeciv, Warzone 2100 e muitos mais.

    Fedora Games Spin - um fedora voltado para os gamers

    Para ver uma lista completa dos títulos disponíveis, clique nesse link).

    Apesar da quantidade de jogos, a distro não é fornecida com o Steam, Wine ou PlayOnLinux pré-instalado, mas estes podem ser instalados a partir dos repositórios de software, para acessar ainda mais jogos.

    A distro está disponível na forma de uma ISO de mais de 3.8 GB que você pode executar como um Live USB, ou, alternativamente, instalando no disco, como o Fedora normal. Você também pode instalar jogos adicionais a partir dos repositórios disponíveis.

    Conheça melhor a distribuição Fedora Games Spin

    Para saber mais sobre a distribuição Fedora Games Spin, clique nesse link.

    Baixe e experimente o Fedora Games Spin

    A imagem ISO do Fedora Games Spin pode ser baixada acessando a página de download da distribuição.

    Verifique se a imagem ISO está corrompida

    Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
    Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

    Como gravar uma imagem ISO no Linux

    Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
    Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
    Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
    Como criar um pendrive de instalação
    Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
    Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Material Design – Instale o tema e os ícones Paper no Ubuntu

    Material Design - Instale o tema e os ícones Paper no Ubuntu

    Quer experimentar o estilo Material Design no seu desktop? Então instale o tema e os ícones Paper no Ubuntu e sistemas derivados.


    Projetado e desenvolvido por Sam Hewitt, o tema e os ícones Paper levam o visual Material Design do Android para o desktop Linux. Distribuído sob os termos da GNU General Public License GPL v3, eles oferecem um tema moderno e ícones com mais design plano e uso mínimo de sombras para a profundidade.

    Material Design - Instale o tema e os ícones Paper no Ubuntu

    Material Design – Instale o tema e os ícones Paper no Ubuntu

    Ambos os pacotes funcionam em todas as versões atuais do Ubuntu, o que significa que esta suíte também pode funcionar em outros derivados do Ubuntu como o Linux Mint.

    Entretanto, como o Paper foi desenvolvido principalmente para ambientes de desktop com GTK3 moderno (GNOME-base) em mente, toolkits legados e ambientes GTK2 não terão uma experiência ideal.

    Material Design - Instale o tema e os ícones Paper no Ubuntu

    Para completar, o tema é compatível com a maioria dos ambientes de desktop como o Unity, Gnome, Cinnamon, Xfce, e assim por diante.

    Material Design - Instale o tema e os ícones Paper no Ubuntu

    Material Design - Instale o tema e os ícones Paper no Ubuntu

    Material Design - Instale o tema e os ícones Paper no Ubuntu

    O tema foi atualizado recentemente e já é compatível com o Ubuntu 16.04. Por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o tema e os ícones Paper

    Para saber mais sobre o tema Paper, clique nesse link.
    Para saber mais sobre os ícones Paper, clique nesse link.

    Instalando o tema e os ícones Paper no Ubuntu e derivados e experimente o estilo Material Design

    Para instalar o tema e os ícones Paper no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:snwh/pulp

    Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o tema Paper e o o conjunto de ícones Paper, usando o seguinte comando:

    sudo apt-get install paper-gtk-theme paper-icon-theme

    Como instalar o tema manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, basta fazer o download do instalador .deb diretamente nesse link, e depois clicar nele para instalar manualmente.

    Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Desinstalando o tema e os ícones Paper no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o tema e os ícones Paper no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o tema e os ícones Paper, usando os comandos abaixos;

    sudo apt-get remove paper-gtk-theme
    sudo apt-get remove paper-icon-theme

    Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como compartilhar uma conexão de Internet cabeada pela Wi-Fi no Ubuntu

    Como compartilhar uma conexão de Internet cabeada pela Wi-Fi no Ubuntu

    Se seu acesso a Internet é cabeado e você não tem um roteador Wi-Fi para distribuir o acesso da conexão, saiba que é possível usar um computador ou notebook para fazer isso. E se você usa Ubuntu, fica mais fácil ainda.


    Nem todo mundo dispõe de um roteador para compartilhar uma conexão de Internet. Se esse é o seu caso, tudo que você precisa é de um PC rodando o Ubuntu e que tenha uma placa de rede Ethernet e outra Wi-Fi.

    Como compartilhar uma conexão de Internet cabeada pela Wi-Fi no Ubuntu

    Como compartilhar uma conexão de Internet cabeada pela Wi-Fi no Ubuntu

    O procedimento a seguir serve para transformar um computador conectado a internet pela rede cabeada, em um roteador Wi-fi. Com isso, é possível compartilhar a conexão, sem precisar instalar um roteador dedicado, usando o PC para essa função.

    Claro, essa opção não serve para todos, apenas para quem tem um necessidade especifica que se enquadre nesse cenário.

    Para começar, conecte o cabo da conexão de Internet na entrada Ethernet do computador e depois, siga os passos deste tutorial para compartilhar a conexão de Internet cabeada pela Wi-Fi no Ubuntu.

    Como compartilhar uma conexão de Internet cabeada pela Wi-Fi no Ubuntu

    Passo 1. Abra as “Configurações do sistema”, clicando em seu ícone na barra lateral do Ubuntu;

    Como compartilhar uma conexão de Internet cabeada pela Wi-Fi no Ubuntu

    Passo 2. Em “Configurações do sistema”, clique na opção “Rede”;

    Como compartilhar uma conexão de Internet cabeada pela Wi-Fi no Ubuntu

    Passo 3. Na próxima tela, clique na opção “Sem fio” e depois no botão “Usar como ponto de acesso…”;

    Como compartilhar uma conexão de Internet cabeada pela Wi-Fi no Ubuntu

    Passo 4. Na tela que aparece, clique no botão “Ativar”;

    Como compartilhar uma conexão de Internet cabeada pela Wi-Fi no Ubuntu

    Passo 5. Serão exibidas as informações da nova rede. Use elas para se conectar na rede sem fio em outros computadores ou dispositivos móveis.

    Como compartilhar uma conexão de Internet cabeada pela Wi-Fi no Ubuntu

    Pronto. Qualquer outro aparelho já pode se conectar na sua rede sem fio e acessar a Internet.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

    Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

    Procurando uma forma bem simples e prática de usar o Spotify no sistema do pinguim? Então instale e experimente Sconsify e tenha o Spotify no Linux via Terminal.


    Sconsify é um novo cliente Spotify não oficial, que pode ser executado no terminal do Mac ou Linux. Ele oferece dois tipos de interface, uma mais completa que apresenta uma interface de usuário de texto com listas de reprodução e faixas, e outra mais simples, que exibe apenas as faixas.

    Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

    Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

    Infelizmente, de acordo com o arquivo readme do aplicativo e o relato de usuários, o programa só funciona em conjunto com uma conta Spotify Premium, possivelmente porque usa algum recurso desse tipo de conta para funcionar.

    O aplicativo foi atualizado recentemente, e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o Sconsify

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Sconsify no Ubuntu para poder usar o Spotify no Linux via Terminal

    Para instalar o Sconsify no Ubuntu e usar o Spotify no Linux via Terminal, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Baixe a chave do repositório com este comando:

    wget -q -O - https://apt.mopidy.com/mopidy.gpg | sudo apt-key add -

    Passo 4. Adicione o repositório com o comando:

    sudo wget -q -O /etc/apt/sources.list.d/mopidy.list https://apt.mopidy.com/mopidy.list

    Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar as dependências do programa;

    sudo apt-get install -y libportaudio2 libspotify12 --no-install-recommends

    Passo 7. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sconsify.zip:

    wget https://github.com/fabiofalci/sconsify/releases/download/next-20170213/linux-x86_64-sconsify-0.5.0-next.zip -O sconsify.zip

    Passo 8. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado e instalar o programa:

    sudo unzip sconsify.zip -d /usr/local/bin/

    Usando o Sconsify no Ubuntu para poder usar o Spotify no Linux via Terminal

    Agora você já pode usar o Spotify no Terminal, para isso, digite sconsify em um terminal, seguido da tecla TAB.

    A primeira coisa fazer ao iniciar o programa é digitar o nome e o usuário da sua conta Spotify, quando isso for solicitado. Depois de logar, você pode controlar a interface do usuário usando as teclas de atalho abaixo:

    Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

    Use as setas de direção do teclado para fazer a navegação.
    espaço ou enter: reproduz a faixa selecionada.
    >: reproduz a próxima faixa.
    p: pausa.
    /: abrir um campo de pesquisa.
    s: shuffle faixas da lista de reprodução atual. Pressione novamente para voltar ao modo normal.
    S: shuffle faixas de todas as listas de reprodução. Pressione novamente para voltar ao modo normal.
    u: faixa selecionada fila para reproduz na próxima.
    d: excluir faixa selecionada da fila ou excluir pesquisa selecionada.
    D: exclua todas as faixas da fila, se o foco está na fila.
    PageUp PageDown: Ir para o final.
    Control C ou q: sair.

    Abaixo você verá alguns exemplos de uso do programa:

    Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

    Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

    Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

    Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

    Mais detalhes sobre como usar o programa estão nessa página.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar e usar o Stacer no Linux via AppImage ou código fonte

    Como instalar e usar o Stacer no Linux via AppImage ou código fonte

    Se você está a procura de uma ferramenta para melhorar o desempenho do seu sistema, veja como instalar e usar o Stacer no Linux.


    Stacer é um utilitário que permite monitorar e melhorar o desempenho do Linux, fazendo uma otimização e limpeza de sistema.

    Como instalar e usar o Stacer no Linux via AppImage ou código fonte

    Como instalar e usar o Stacer no Linux via AppImage ou código fonte

    Na verdade, Stacer tem funcionalidades que cobrem várias outras aplicações. Ele permite monitorar o uso de recursos do sistema, limpar caches de aplicativos e arquivos de configuração de aplicativos que ficam depois de uma desinstalação, desinstalar aplicativos que você não precisa mais, parar e iniciar processos do sistema e muito mais.

    Muito possivelmente ele pode ser considerado uma alternativa Linux ao CCleaner (que não possui versão para Linux), mas não deixe a interface simples do programa enganá-lo: este é um aplicativo poderoso e você precisa usá-lo com cuidado.

    Mas se o que você procura são alternativas ao CCleaner, dê uma olhada em nossa lista desse tipo de aplicativos:

    Conheça algumas alternativas ao CCleaner no Linux

    Conheça melhor o programa

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Stacer no Linux

    Para instalar o Stacer em qualquer distribuição Linux, você pode usar um pacote AppImage ou código fonte do programa (compilando ele). Escolha o que serve melhor para a sua distribuição e siga um dos procedimentos abaixo.

    Mas se você quiser instalar o programa usando pacotes DEM e RPM, use esse outro tutorial:
    Como instalar e usar o Stacer no Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados

    Como instalar o Stacer no Linux via arquivo AppImage

    Para instalar o Stacer no Linux via arquivo AppImage, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome stacer.appimage:

    wget https://github.com/oguzhaninan/Stacer/releases/download/v1.0.7/stacer-1.0.7-x86_64.AppImage -O stacer.appimage

    Passo 4. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

    chmod +x stacer.appimage

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando;

    ./stacer.appimage

    Passo 6. Na janela que será exibida, clique no botão “Yes” e aguarde o final da instalação;

    Como instalar o Stacer a partir do código fonte

    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Instale os aplicativos necessários ao procedimento. O comando abaixo serve para o Ubuntu, Debian e derivados, em outras distros, basta procurar pelos dois programas no gerenciador de pacotes delas;

    sudo apt-get install git npm

    Passo 3. Baixe o código fonte do programa com este comando;

    git clone https://github.com/oguzhaninan/Stacer.git

    Passo 4. Acesse a pasta criada durante o download;

    cd Stacer

    Passo 5. Agora, instale o programa com os comandos abaixo;

    npm install && npm start

    Usando o Stacer

    Para iniciar o programa, digite Stacer em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Na tela inicial do Stacer, analise as informações exibidas.

    Como instalar e usar o Stacer no Linux via AppImage ou código fonte

    Depois, clique na opção que você quer utilizar (System Cleaner, Startup Apps, Services, Uninstaller e Resources). Cada um dessas opções é extremamente intuitiva e, portanto, fácil de usar:

    Como instalar e usar o Stacer no Linux via AppImage ou código fonte

    Como instalar e usar o Stacer no Linux via AppImage ou código fonte

    Como instalar e usar o Stacer no Linux via AppImage ou código fonte

    Como instalar e usar o Stacer no Linux via AppImage ou código fonte

    Como instalar e usar o Stacer no Linux via AppImage ou código fonte

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o PopCorn Time no Linux manualmente

    Como instalar o PopCorn Time no Linux

    Procurando um aplicativo semelhante ao Netflix que traz diversos filmes novos e sem custos? Então experimente instalar o PopCorn Time no Linux e comece a preparar a pipoca para a próxima sessão.


    Depois de um tempo offline, o Popcorn Time está disponível para download novamente. Popcorn Time é um aplicação open source de streaming usando o protocolo torrent, com uma interface estilo Netflix.

    Como instalar o PopCorn Time no Linux

    Como instalar o PopCorn Time no Linux

    O programa usa torrente para fazer streaming de filmes e possui funcionalidades, tais como: configurações avançadas que permitem alterar várias opções de conexão, opções de pasta de DHT e tmp, etc, bem como a capacidade de posicionar as legendas em qualquer lugar na tela através de arrastar e soltar.

    Se você tiver problemas com esse procedimento de instalação e quiser apenas experimentar uma alternativa ao Popcorn Time, veja esse outro tutorial:
    Como instalar o Stremio no Linux manualmente

    Aviso importante: Popcorn Time faz stream de filmes de torrents. Por isso, antes de instalar, esteja ciente de que o aplicativo permite transmitir filmes (com legendas) e séries de TV, sem nenhum custo, o que pode ser ilegal em seu país, por isso, certifique-se de ler o aviso antes de usar o Popcorn Time, e use-o por sua conta e risco!

    Por causa de um problema ainda não resolvido, o programa não está exibindo as capas dos filmes, e em alguns casos, as legendas. De resto ele ainda está funcionando normalmente. Caso apareça uma atualização ou uma solução para esses problemas, este tutorial será atualizado. Fiquem de olho no Blog!

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o PopCorn Time

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Como instalar o PopCorn Time no Linux

    Para instalar o PopCorn Time no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/popcorntime
    sudo rm -Rf /usr/bin/Popcorn-Time
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/popcorntime.desktop

    Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome popcorntime.tar.xz

    wget https://get.popcorntime.sh/build/Popcorn-Time-0.3.10-Linux-32.tar.xz -O popcorntime.tar.xz

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome popcorntime.tar.xz

    wget https://get.popcorntime.sh/build/Popcorn-Time-0.3.10-Linux-64.tar.xz -O popcorntime.tar.xz

    Passo 6. Crie a pasta do programa com este comando:

    sudo mkdir /opt/popcorntime

    Passo 7. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

    sudo tar Jxf popcorntime.tar.xz -C /opt/popcorntime/

    Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

    sudo ln -sf /opt/popcorntime/Popcorn-Time /usr/bin/Popcorn-Time

    Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=popcorntime\n Exec=/opt/popcorntime/Popcorn-Time\n Icon=/opt/popcorntime/src/app/images/icon.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/popcorntime.desktop

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite /opt/popcorntime/Popcorn-Time em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

    sudo chmod +x /usr/share/applications/popcorntime.desktop
    cp /usr/share/applications/popcorntime.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

    Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

    cp /usr/share/applications/popcorntime.desktop ~/Desktop

    Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:

    Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

    Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

    Como instalar o PopCorn Time no Linux

    Na primeira execução, leia atentamente os termos de serviço, para poder começar a usar o programa.

    Como instalar o PopCorn Time no Linux

    Como remover o PopCorn Time no Linux

    Para remover o PopCorn Time no Linux, basta apagar a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/popcorntime
    sudo rm -Rf /usr/bin/Popcorn-Time
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/popcorntime.desktop

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o criador de pessoas 3d MakeHuman no Ubuntu, Debian e derivados

    Como instalar o criador de pessoas 3d MakeHuman no Ubuntu, Debian e derivados

    Se você precisa criar seres humanos virtuais em 3d, veja como instalar o utilitário MakeHuman no Ubuntu, Debian e derivados, e comece a produzir.


    MakeHuman é um software livre que permite criar seres humanos virtuais em 3D com apenas alguns cliques. O programa é escrito completamente em python, a linguagem de script amplamente usada na ILM (Industrial Light and Magic) desde 1996.

    Como instalar o criador de pessoas 3d MakeHuman no Ubuntu, Debian e derivados

    Como instalar o criador de pessoas 3d MakeHuman no Ubuntu, Debian e derivados

    O MakeHuman utiliza uma interface gráfica intuitiva e fácil de usar. Ele pode ser útil principalmente para quem estuda e atua na área da saúde e para quem atua como engenheiro biomédico, além de outras áreas que necessitam dos recursos de simulação que o programa pode oferecer.

    Desde o primeiro lançamento, o MakeHuman usa uma malha única, que evoluiu através de lançamentos sucessivos, incorporando o feedback da comunidade e resultado de estudos e experimentação.

    Como instalar o criador de pessoas 3d MakeHuman no Ubuntu, Debian e derivados

    Para completar, o program possui pode interagir com o Blender, para importar modelos MakeHuman no Blender 2.7x ou para criar novos recursos da MakeHuman com o Blender 2.7x.

    Conheça melhor o MakeHuman

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o MakeHuman no Ubuntu e seus derivados (14.04, 15.04, 16.04 e 16.10)

    Para instalar o MakeHuman no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:makehuman-official/makehuman-11x

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install makehuman

    Como instalar o MakeHuman manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada no Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite makehuman no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o MakeHuman no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o MakeHuman no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:makehuman-official/makehuman-11x
    sudo apt-get remove makehuman
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o emulador de Atari 2600 Stella no Linux

    Como instalar o emulador de Atari 2600 Stella no Linux

    Se você é dos anos 70 ou 80, então provavelmente deve saber que esses foram os velhos tempos do Atari. E se quiser matar saudades dessa época, veja como instalar o emulador de Atari 2600 Stella no Linux.


    Stella é um emulador de Atari 2600 VCS multiplataforma liberado sob a licença GNU General Public License (GPL). Com ele, você aproveitar o seus jogos favoritos do velho Atari 2600 em seu computador moderno.

    Como instalar o emulador de Atari 2600 Stella no Linux

    Como instalar o emulador de Atari 2600 Stella no Linux

    Para quem não conhece, o Atari 2600 Video Computer System (VCS), foi introduzido em 1977 e se tornou o sistema de jogos de vídeo doméstico mais popular do início dos anos 1980.

    Como instalar o emulador de Atari 2600 Stella no Linux

    Stella foi originalmente desenvolvido para Linux por Bradford W. Mott, e é atualmente mantido por Stephen Anthony. Desde o seu lançamento original várias pessoas se juntaram à equipe de desenvolvimento para portar Stella para outros sistemas operacionais, como AcornOS, AmigaOS, DOS, FreeBSD, IRIX, Linux, OS/2, MacOS, Unix e Windows. A equipe de desenvolvimento está trabalhando duro para aperfeiçoar o emulador.

    Como instalar o emulador de Atari 2600 Stella no Linux

    Conheça melhor o emulador de Atari 2600 Stella

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o emulador de Atari 2600 Stella no Linux Ubuntu, Debian e derivados

    Quem quiser instalar o emulador de Atari 2600 Stella no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome stella.deb:

    wget https://github.com/stella-emu/stella/releases/download/release-4.7.3/stella_4.7.3-1_i386.deb -O stella.deb

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome stella.deb:

    wget https://github.com/stella-emu/stella/releases/download/release-4.7.3/stella_4.7.3-1_amd64.deb -O stella.deb

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i stella.deb

    Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Passo 7. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo apt-get remove stella*

    Como instalar o emulador de Atari 2600 Stella no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados

    Quem quiser instalar o emulador de Atari 2600 Stella no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome stella.rpm:

    wget https://github.com/stella-emu/stella/releases/download/release-4.7.3/stella-4.7.3-2.i386.rpm -O stella.rpm

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome stella.rpm:

    wget https://github.com/stella-emu/stella/releases/download/release-4.7.3/stella-4.7.3-2.x86_64.rpm -O stella.rpm

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

    sudo rpm -i stella.rpm

    Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo rpm -e stella*

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, use o atalho dele ou digite stella em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Com o instalar a última versão do Scribus no Ubuntu e derivados

    Com o instalar a última versão do Scribus no Ubuntu

    Foi lançada mais uma versão do aplicativo de desktop publishing (DTP) Scribus. Se você quer experimentar essa versão, veja aqui com instalar ela no Ubuntu


    Scribus é um aplicativo de código aberto e multiplataforma focado em Desktop Publishing e que possui versões Linux, BSD, Solaris, Mac OS X, Windows e outros.

    Com o instalar a última versão do Scribus no Ubuntu

    Com o instalar a última versão do Scribus no Ubuntu

    O programa fornece uma interface de usuário intuitiva e amigável, possuindo recursos avançados de layout, similares aos encontrados no Adobe PageMaker, QuarkXPress e no Adobe InDesign.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o aplicativo de desktop publishing Scribus

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar a última versão do aplicativo de desktop publishing Scribus no Ubuntu e derivados

    Scribus está disponível nos repositórios oficiais de algumas versões do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install scribus. No entanto, nem sempre essa é a versão mais recente. Por isso, para ter a última versão desse programa no Ubuntu, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity, use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/apps

    Passo 3. Atualize o APT com o seguinte comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o programa usando esse comando:

    sudo apt-get install scribus

    Como instalar a versão instável do aplicativo de desktop publishing Scribus no Ubuntu e derivados

    Para instalar a versão instável do Scribus no Ubuntu e derivados, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity, use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:scribus/ppa

    Passo 3. Atualize o APT com o seguinte comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o programa usando esse comando:

    sudo apt-get install scribus-trunk

    Como instalar o programa manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite scribus no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Como desinstalar o Scribus no Ubuntu

    Se depois você quiser remover ao Scribus e voltar para a versão original disponível no repositório do Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity, use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove ppa-purge

    Passo 3. Se estiver usando a versão estável, desinstale o programa usando os comandos abaixo;

    ppa:ubuntuhandbook1/apps --remove
    sudo apt-get remove scribus
    sudo apt-get autoremove

    Passo 4. Se estiver usando a versão instável, desinstale o programa usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:scribus/ppa --remove
    sudo apt-get remove scribus-trunk
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Não quero usar Unity, prefiro o BlackBox no Ubuntu

    Não quero usar Unity, prefiro o BlackBox no Ubuntu

    Não gosta de usar o Unity? Tudo bem, pois existe uma boa quantidade de opções para você usar. Dentre elas, destaque para o BlackBox. Se isso lhe interessa, conheça um pouco mais sobre ele e veja como instalar o ambiente BlackBox no Ubuntu.


    O BlackBox é um gerenciador de janelas de código aberto. Ele se destaca pela sua leveza, sendo ideal para quem usa computadores com poucos recursos e não quer abrir mão de uma interface gráfica. Apesar disso, ele também pode ser usado em computadores potentes, tendo um desempenho melhor que a maioria dos outros ambientes gráficos.

    Não quero usar Unity, prefiro o BlackBox no Ubuntu

    Não quero usar Unity, prefiro o BlackBox no Ubuntu

    Esse ambiente é muito minimalista em sua abordagem como um gerenciador de janelas, tanto é que ele não traz ícones e atalhos de teclado, manuseio, menus chamativos, ferramentas e gadgets. Todos estes estão disponíveis através de ferramentas ferramentas de terceiros e add-ons, que você pode adicionar ao seu ambiente como quiser.

    Ele não tem barra de tarefas, assim, se você minimizar uma janela, ela fica completamente escondida fora do ambiente de trabalho e você pode recuperá-lo a partir de um menu de contexto do desktop. Entretanto, barras de tarefas também podem ser adicionadas, por meio de ferramentas de terceiros.

    Não quero usar Unity, prefiro o BlackBox no Ubuntu

    O BlackBox fez tanto sucesso gerou alguns projetos derivados que se propuseram a continuar sua linha inicial de desenvolvimento. Alguns desses projetos são o FluxBox e o OpenBox, ambientes que serão vistos mais adiante.

    Conheça melhor o ambiente gráfico BlackBox

    Para saber mais sobre esse ambiente, clique nesse link.

    Conheça melhor essa série

    Instalando o BlackBox no Ubuntu e derivados

    Ainda que você não tenha um computador antigo ele também serve para seu PC moderno. Por isso, se quiser instalar o BlackBox no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Feche todos os seus aplicativos em execução;
    Passo 2. Abra um terminal (pressionando as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o ambiente com o comando:

    sudo apt-get install blackbox

    Saia da sessão atual e quando aparecer a tela de login, escolha o BackBox. Entre com seu usuário e senha e depois comece a experimentar o ambiente.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como esconder arquivos de texto em imagens com o Steghide

    Como esconder arquivos de texto em imagens com o Steghide

    Já imaginou poder embutir mensagens em arquivos de imagens ou áudio? Pois isso é possível, veja como esconder arquivos de texto em imagens com o Steghide.


    Steghide é uma ferramenta open source de linha de comando que permite eesconder arquivos de texto em imagens ou arquivos de áudio, usando esteganografia, tudo diretamente no terminal do Linux.

    Como esconder arquivos de texto em imagens com o Steghide

    Como esconder arquivos de texto em imagens com o Steghide

    Infelizmente, não é possível inserir um arquivo de texto em qualquer tipo de arquivo, pois atualmente o Steghide suporta apenas imagens digitais em formato JPEG e BMP e arquivos de áudio em WAV ou AU.

    O programa também tem uma variedade de parâmetros, tais como a opção -cf que permite converter o arquivo de imagem/áudio gerado (logicamente em formatos suportados pela ferramenta). Usando a opção -z seguida de um número de 1 a 9, é possível lidar com compactação de arquivos em arquivos de imagem/som, de forma a torná-lo menor.

    Para completar, os arquivos que ficam ocultos dentro de imagens ou arquivos de áudio, serão criptografados e só podem ser acessados depois de entrar com a senha que permitirá extrair e descriptografar o arquivo.

    Conheça melhor o Steghide

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como esconder arquivos de texto em imagens com o Steghide

    Steghide está disponível nos repositórios oficiais das principais distribuições Linux. Com isso, para instalar ele e esconder arquivos de texto em imagens, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Para instalar Steghide no Debian, Ubuntu e derivados, use este comando:

    sudo apt-get install steghide

    Passo 3. Para instalar Steghide no Fedora, digite use este comando:

    sudo yum install steghide

    Passo 4. Para instalar Steghide no Arch Linux, apenas digite:

    sudo pacman -S steghide

    Passo 5. Uma vez instalado, para inserir um arquivo de imagem em JPEG e BMP ou arquivos de áudio WAV ou AU basta usar o comando steghide embed -cf arquivo-de-imagem.jpg -ef arquivo-de-texto.txt. Por exemplo, se quiser inserir o arquivo de texto teste.txt no arquivo de imagem teste.jpeg, basta digitar:

    steghide embed -cf teste.jpg -ef teste.txt

    Passo 6. Com isso, será necessário digitar a senha que permitirá extrair mais tarde o arquivo de texto a partir do arquivo de imagem ou arquivo de áudio;
    Passo 7. Quando for preciso extrair o arquivo de texto de dentro da imagem ou arquivo de áudio, basta digitar o comando steghide extract -sf imagem.jpg ou usando o exemplo desse tutorial:

    steghide extract -sf teste.jpg

    Passo 8. Uma vez dado o comando, é preciso digitar a senha e o arquivo de texto será extraído.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados

    Como instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados

    Se você usa MPD e procura um bom cliente para esse protocolo, experimente instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados.


    MPD, ou Music Player Daemon é uma aplicação do lado do servidor para reproduzir músicas via protocolo de rede. Já o Cantata é um cliente para MPD, aliás, ele é um dos clientes MPD que mais possui características embutidas: ele suporta listas de reprodução, streams, gerenciamento de biblioteca e letras.

    Como instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados

    Como instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados

    O programa também inclui muitas características encontradas em tocadores de mídia avançados, como listas de reprodução dinâmicas, sincronização com media players externos, transcodificação, digitalização ReplayGain e suporte para múltiplos servidores MPD.

    Conheça melhor o Cantata

    Para saber mais sobre as novidades desse lançamento, clique nesse link.

    Como instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados

    Para instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Para a versão do programa para Kubuntu KDE, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/cantata

    Passo 3. Para a versão do programa para QT, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/cantata-qt

    Passo 4. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install mpd cantata

    Como instalar o cliente MPD Cantata manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link ou nesse outro linke instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite cantata no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/cantata -r -y
    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/cantata-qt -r -y
    sudo apt-get remove cantata
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    21 de julho de 2017

    Tor no Linux: veja como instalar manualmente

    Tor no Linux: veja como instalar manualmente

    Se você precisa de um navegador seguro e com suporte a navegação realmente anônima, veja aqui como instalar manualmente o navegador Tor no Linux.


    Tor Browser, é um pacote que traz um navegador baseado no Firefox ESR (Firefox com suporte estendido), configurado para proteger a privacidade e anonimato dos usuários usando Tor (que vem junto com ele).

    Tor no Linux: veja como instalar manualmente

    Tor no Linux: veja como instalar manualmente

    Tor, The Onion Router, é uma rede de túneis virtuais que permite que os usuários se comuniquem de forma segura, bem como anonimamente através da Internet.

    O recurso permite que organizações e indivíduos partilhem informação através de redes públicas sem comprometer a sua privacidade.

    É possível usar o Tor para evitar que sites nos rastreiem e também nossos familiares, ou para se conectar a sites de notícias, serviços de mensagens instantâneas, ou a sites que são bloqueados pelos provedores de Internet e administradores de rede.

    Resumindo: Usar o Tor no Linux é um ótima estratégia para ter mais privacidade, principalmente em tempos de governos monitorando a vida até de presidentes e cidadãos.

    Usar Tor no Linux é muito simples, mas ainda que os repositórios das principais distribuições forneçam uma versão do navegador Tor, ela as vezes pode vir desatualizada.

    Nesse caso, se você quiser a versão mais recente (estável e experimental), basta seguir este tutorial para instalar o navegador Tor no Linux, independente de qual seja a sua distribuição favorita.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Antes de fazer o procedimento, desinstale qualquer versão do navegador Tor que já esteja em seu sistema.

    Mais sobre Tor

    Se o que você procura é uma forma de instalar ele no Ubuntu, Dê uma olhada nesses outros tutoriais:

    Conheça melhor o navegador Tor

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar a última versão estável do navegador Tor no Linux

    Para instalar a última versão estável do Navegador Tor no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/tor-browser*
    sudo rm -Rf /usr/bin/tor-browser
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/torbrowser.desktop

    Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta mais recente que não contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

    wget https://dist.torproject.org/torbrowser/7.0.2/tor-browser-linux32-7.0.2_pt-BR.tar.xz -O tor-browser.tar.xz

    Passo 5. Se seu sistema for de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta mais recente que não contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

    wget https://dist.torproject.org/torbrowser/7.0.2/tor-browser-linux64-7.0.2_pt-BR.tar.xz -O tor-browser.tar.xz

    Passo 6. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

    sudo tar -xvJf tor-browser.tar.xz -C /opt/

    Passo 7. Renomeie a pasta criada;

    sudo mv /opt/tor-browser*/ /opt/tor-browser

    Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

    sudo ln -sf /opt/tor-browser/Browser/start-tor-browser /usr/bin/torbrowser

    Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=torbrowser\n Exec=/opt/tor-browser/Browser/start-tor-browser\n Icon=/opt/tor-browser/Browser/icons/updater.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/torbrowser.desktop

    Como instalar a última versão experimental do navegador Tor no Linux (Experimental)

    A versão experimental do navegador Tor é aquela que ainda está em desenvolvimento e portanto, traz as últimas novidade do programa, assim como seus bugs. Por causa disso, você deve instalar essa versão por sua própria conta e risco e claro, esteja pronto para alguns incidentes comuns em softwares que estão nesse estágio.
    Para instalar a última versão experimental do Navegador Tor no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/tor-browser*
    sudo rm -Rf /usr/bin/tor-browser
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/torbrowser.desktop

    Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta que contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

    wget https://dist.torproject.org/torbrowser/7.5a2/tor-browser-linux32-7.5a2_pt-BR.tar.xz -O tor-browser.tar.xz

    Passo 5. Se seu sistema for de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta que contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

    wget https://dist.torproject.org/torbrowser/7.5a2/tor-browser-linux64-7.5a2_pt-BR.tar.xz -O tor-browser.tar.xz

    Passo 6. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

    sudo tar -xvJf tor-browser.tar.xz -C /opt/

    Passo 7. Renomeie a pasta criada;

    sudo mv /opt/tor-browser*/ /opt/tor-browser

    Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

    sudo ln -sf /opt/tor-browser/Browser/start-tor-browser /usr/bin/torbrowser

    Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=torbrowser\n Exec=/opt/tor-browser/Browser/start-tor-browser\n Icon=/opt/tor-browser/Browser/icons/updater.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/torbrowser.desktop

    Executando e configurando o Tor

    Para iniciar o programa, digite tor em um terminal, seguido da tecla TAB.
    Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

    sudo chmod +x /usr/share/applications/torbrowser.desktop
    cp /usr/share/applications/torbrowser.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

    Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

    cp /usr/share/applications/torbrowser.desktop ~/Desktop

    Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
    Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

    Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

    Ao executar o Tor no Linux pela primeira vez, clique no botão “Conectar” para que ele prepare tudo e inicie o navegador.

    Tor no Linux: veja como instalar manualmente

    Tor no Linux: veja como instalar manualmente

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como desativar as notificações no Ubuntu temporariamente

    Como desativar as notificações no Ubuntu temporariamente

    As notificações do sistema estão perturbando você? Veja como desativar as notificações no Ubuntu temporariamente usando o indicador NoNotifications, e resolva seu problema.


    NoNotifications é um indicador simples para o Ubuntu (Unity 7) que permite desativar as notificações no Ubuntu (NotifyOSD) temporariamente.

    Como desativar as notificações no Ubuntu temporariamente

    Como desativar as notificações no Ubuntu temporariamente

    A ferramenta é útil para quem faz apresentações, quando se trabalha, e assim por diante, para evitar notificações indesejados que ficam chamando a atenção na tela e causando distrações.

    Bastante simples, além da opção “Quit” (Sair), o indicador NoNotifications oferece apenas mais duas opções: “Don’t disturb” (Não perturbe), que desativa as notificações e muda o ícone do indicador de vermelho, e “Show notifications” (Mostrar notificações), que como você adivinhou, permite que as notificações voltem a ser exibidas, e muda o ícone do indicador para verde.

    Conheça melhor o NoNotifications

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o NoNotifications no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o NoNotifications no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:vlijm/nonotifs

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install nonotifs

    Como instalar o NoNotifications manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Como desativar as notificações no Ubuntu temporariamente

    Para desativar as notificações no Ubuntu temporariamente inicie programa, digitando nonotifs no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Em seguida, clique no ícone do programa no painel (que é um circulo). No menu que aparece, clique na opção “Don’t disturb” e pronto. Quando quiser voltar, marque a opção “Show notifications”.

    Como desativar as notificações no Ubuntu temporariamente

    Desinstalando o NoNotifications no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o NoNotifications no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:vlijm/nonotifs --remove
    sudo apt-get remove nonotifs
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o Geary Mail no Ubuntu e derivados

    Como instalar o Geary Mail no Ubuntu e derivados

    Não gosta do Thunderbird e Evolution, ou quer apenas um cliente de e-mail simples? Então conheça e veja como instalar o Geary Mail no Ubuntu e derivados.


    Geary Mail é um cliente de e-mail de desktop de código aberto e gratuito desenvolvido pelo projeto Gnome.

    Como instalar o Geary Mail no Ubuntu e derivados

    Como instalar o Geary Mail no Ubuntu e derivados

    Se você está procurando uma alternativa para seu atual cliente de e-mail, Geary Mail é uma ótima alternativa. Tanto, que o cliente de e-mail padrão para Elementary OS, Pantheon Mail, é um fork do Geary.

    Características do Geary Mail:

    • Interface moderna e direta;
    • Configuração rápida de contas;
    • Suporta Gmail, Yahoo! Mail, Outlook.com e servidores IMAP populares (Dovecot, Cyrus, Zimbra, etc.
    • Visualização de conversação;
    • Capacidade de responder diretamente em conversas ou abri-lo em uma janela separada;
    • Assinatura;
    • Suporte para envio como outra identidade;
    • Compositor de correio com HTML completo;
    • Busca rápida de palavras-chave com valores como from:john, is:read, is:unread and is:starred;
    • Notificação na área de trabalho de novos e-mails.

    Conheça melhor o Geary Mail

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Geary Mail no Ubuntu e seus derivados

    Geary Mail está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt install geary. Mas se a sua versão não disponibiliza ele ou você quer a versão mais recente, para instalar o programa no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:geary-team/releases

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt install geary

    Como instalar o Geary Mail manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite geary no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Como instalar o Geary Mail no Ubuntu e derivados

    O assistente de configuração é bastante direto. O Geary Mail já ajusta as configurações do servidor SMTP e IMAP para o Gmail, Yahoo! Mail e Outlook.com. Assim, fazer login com uma dessas 3 contas de e-mail não exige que você insira manualmente as configurações de SMTP e IMAP.

    Como instalar o Geary Mail no Ubuntu e derivados

    Se você usar outros serviços de e-mail ou tiver seu próprio servidor de e-mail, escolha “Outro” e insira manualmente os detalhes de SMTP e IMAP.

    Como instalar o Geary Mail no Ubuntu e derivados

    Desinstalando o Geary Mail no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Geary Mail no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:geary-team/releases --remove
    sudo apt-get remove geary
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o aplicativo de pesquisa de arquivos FSearch no Ubuntu

    Como instalar o aplicativo de pesquisa de arquivos FSearch no Ubuntu

    Foi lançada a primeira versão de testes do aplicativo de pesquisa de arquivos FSearch, por isso, saiba mais um pouco sobre ele e veja como instalar o FSearch no Ubuntu.


    O FSearch é inspirado pelo Everything Search Engine for Microsoft Windows e suporta um monte de recursos, incluindo resultados instantâneos (enquanto você digita), suporte ao RegEx e uma gama de filtros e opções de classificação ágil.

    Como instalar o aplicativo de pesquisa de arquivos FSearch no Ubuntu

    Como instalar o aplicativo de pesquisa de arquivos FSearch no Ubuntu

    FSearch foi criado somente depois que seu desenvolvedor fez uma avaliação cuidadosa dos recursos e desempenho, oferecidos por projetos existentes e ferramentas de pesquisa de arquivos.

    Segundo o desenvolvedor: “Não é que a pesquisa de arquivos do Nautilus seja ruim (não é), mas ela é um pouco lenta”. Por isso, o grande diferencial do Fsearch é a sua velocidade.

    É certo que existem também muitas ferramentas de linha de comando para pesquisa de arquivos disponíveis no Linux, mas em um fluxo de trabalho conduzido por mouse, estas não possuem a eficiência e a facilidade de clicar, copiar, excluir ou abrir um arquivo, pasta ou aplicativos.

    FSearch constrói uma ponte sobre a lacuna, e cai em algum lugar entre os dois: ele tem a velocidade e finesse de um utilitário de linha de comando, mas com uma interface de um aplicativo tradicional.

    Embora bastante simples de usar, é preciso salientar que este aplicativo não é destinado a usuários regulares que procuram encontrar um selfie equivocada ou copiar rapidamente um arquivo MP3. FSearch é uma ferramenta avançada de pesquisa de arquivos criada para as necessidades dos usuários avançados.

    Tenha em mente que o aplicativo ainda não é um software de “qualidade estável”. Você encontrará bugs, recursos ausentes e outras coisas estranhas.

    Conheça melhor o aplicativo de pesquisa de arquivos FSearch

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o aplicativo de pesquisa de arquivos FSearch no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o aplicativo de pesquisa de arquivos FSearch no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:christian-boxdoerfer/fsearch-daily

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install fsearch-trunk

    Como instalar o aplicativo de pesquisa de arquivos FSearch manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite fsearch no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o aplicativo de pesquisa de arquivos FSearch no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o aplicativo de pesquisa de arquivos FSearch no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:christian-boxdoerfer/fsearch-daily --remove
    sudo apt-get remove fsearch-trunk
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o cliente BitTorrent Tribler no Ubuntu

    Como instalar o cliente BitTorrent Tribler no Ubuntu

    Procurando uma boa opção de cliente BitTorrent? Então veja como instalar o cliente BitTorrent Tribler no Ubuntu.


    Tribler é um cliente peer-to-peer de código aberto, multiplataforma, descentralizado e baseado no protocolo BitTorrent, disponível para Linux, Windows e Mac OS X.

    Como instalar o cliente BitTorrent Tribler no Ubuntu

    Como instalar o cliente BitTorrent Tribler no Ubuntu

    Por ser descentralizado, ele não requer qualquer site torrent para encontrar e fazer download de conteúdo. Outro recurso interessante é que você pode transmitir vídeos diretamente, sem ter que baixar completamente (usa VLC).

    Assim como outros clientes de BitTorrent, Tribler possui uma caixa de busca que você pode usar para encontrar o conteúdo no entanto, os resultados da pesquisa vêm diretamente de outros colegas, sem o uso de um servidor central.

    O aplicativo também inclui recursos como canais de estilo wiki, video-on-demand (assistir vídeos enquanto eles são baixados) e muito mais.

    Conheça melhor o Tribler

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o Tribler no Ubuntu

    Para instalar o Tribler no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/tribler

    Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install tribler

    Como instalar o Tribler manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se você quiser usar a versão estável, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome tribler.deb:

    wget https://github.com/Tribler/tribler/releases/download/v6.5.2/tribler_6.5.2_all.deb -O tribler.deb

    Passo 3. Se você quiser usar a versão de desenvolvimento, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome tribler.deb:

    wget https://github.com/Tribler/tribler/releases/download/v7.0.0-rc2/tribler_7.0.0-rc2_all.deb -O tribler.deb

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt install ./tribler.deb

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite tribler no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o Tribler no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Tribler no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/tribler --remove
    sudo apt-get remove tribler
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o Carnê Leão no Linux manualmente

    Como instalar o Carnê Leão no Linux manualmente

    Se você está com dificuldade para instalar o Carnê Leão no Linux, veja como fazer isso de um jeito simples, prático e que funciona em qualquer distribuição Linux.


    Quem recebe valores como pessoa física, sem ter qualquer vínculo empregatício, precisa recolher o imposto de renda mensalmente.

    Como instalar o Carnê Leão no Linux manualmente

    Como instalar o Carnê Leão no Linux manualmente

    Na verdade, tem mais detalhes além disso, então, consulte seu contador ou a Receita Federal, ok?.

    Para fazer esse recolhimento mensal, é preciso usar o programa Carnê Leão. E se você usa Linux, o programa está disponível na página da Receita Federal em uma versão multiplataforma.

    Nesse tutorial, você verá como fazer para instalar o programa em qualquer distribuição Linux.

    Conheça melhor o Carnê Leão

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Mais sobre programas da Receita Federal para Linux

    Preparando o sistema para instalar o Carnê Leão no Linux

    Um dos pré requisitos para o programa é a instalação do Java mais recente, para isso, veja os tutoriais abaixou ou acesse esse link e siga as instruções dele:
    Java no Ubuntu: veja como instalar o OpenJDK 8 nas versões LTS 12.04 e 14.04
    Como instalar as versões 6, 7 ou 8 do Oracle Java no Ubuntu
    Como instalar o Oracle Java 8 no Debian via repositório
    Como instalar Java no Linux manualmente

    Como instalar o Carnê Leão no Linux

    Para instalar o Carnê Leão no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se for necessário, caso já tenha feito alguma instalação manual e ainda não tenha cadastrado nada no programa, apague a pasta e o atalho anterior com esses comandos;

    sudo rm -Rf /opt/leao/
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/leao.desktop

    Passo 3. Para fatos ocorridos em 2015, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão (selecionando a opção multiplataforma) e salve-o com o nome leao.zip:

    wget http://www.receita.fazenda.gov.br/Publico/programas/irpf/2015/CarneLeao/Java/LEAO2015v1.4.zip -O leao.zip

    Passo 4. Para fatos ocorridos em 2016, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão (selecionando a opção multiplataforma) e salve-o com o nome leao.zip:

    wget http://downloadirpf.receita.fazenda.gov.br/irpf/2016/carne-leao/LEAO2016v1.1.zip -O leao.zip

    Passo 5. Para fatos ocorridos em 2017, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão (selecionando a opção multiplataforma) e salve-o com o nome leao.zip:

    wget https://downloadirpf.receita.fazenda.gov.br/irpf/2017/carne-leao/LEAO2017v1.0.zip -O leao.zip

    Passo 6. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

    sudo unzip leao.zip -d /opt/

    Passo 7. Renomeie a pasta criada;

    sudo mv /opt/LEAO*/ /opt/leao/

    Passo 8. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=leao\n Exec=java -server -Xms128M -Xmx512M -jar /opt/leao/PgdCarneLeao.jar\n Icon=/opt/leao/RFB.ico\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/leao.desktop

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite java -server -Xms128M -Xmx512M -jar /opt/leao/PgdCarneLeao.jar em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

    sudo chmod +x /usr/share/applications/leao.desktop
    cp /usr/share/applications/leao.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

    Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

    cp /usr/share/applications/leao.desktop ~/Desktop

    Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
    Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

    Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

    Como remover o Carnê Leão no Linux

    Para remover o Carnê Leão no Linux, basta fazer uma cópia de segurança dos seus dados e depois executar os seguintes comandos:

    sudo rm -Rf /opt/leao/
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/leao.desktop

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instale o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu

    Instale o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu

    Vamos experimentar novos ícones? Que tal instalar o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu? Veja aqui como instalar e deixe seu desktop com um visual diferente.


    Faenza é um lendário pacote de ícones para Gnome que fornece ícones monocromáticos para painéis, barras de ferramentas e botões e ícones quadrados coloridos para dispositivos, aplicativos, pastas, arquivos e itens do menu do Gnome.

    Instale o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu

    Instale o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu

    Instale o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu

    Para a imagem acima, foi usado o conjunto de ícones Faenza junto com o tema Zukimac.

    Conheça melhor o conjunto de ícones Faenza

    Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

    Instalando o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu e derivados

    Para instalar o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o conjunto de ícones Faenza;

    sudo apt-get install faenza-icon-theme

    Como instalar o conjunto de ícones Faenza manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome faenza.deb:

    wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/icons/+files/faenza-icon-theme_1.3.1-2~xenial~NoobsLab.com_all.deb -O faenza.deb

    Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i faenza.deb

    Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do pacote com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Instale o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu

    Desinstalando o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o conjunto de ícones Faenza, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove faenza-icon-theme

    Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como adicionar um marcador local personalizado no Nautilus

    Como adicionar um marcador local personalizado no Nautilus

    Se você acessa determinadas pastas com muita frequência, uma boa ideia é ter um atalho para elas. Por isso, experimente adicionar um marcador local personalizado no Nautilus, para acessar essas pastas mais rapidamente.


    O Nautilus contém alguns marcadores pré-definidos, um recurso que permite o acesso rápido e fácil a algumas pastas comuns, como músicas e imagens, bem como dispositivos, como unidades flash USB e locais da rede.

    Como adicionar um marcador local personalizado no Nautilus

    Como adicionar um marcador local personalizado no Nautilus

    Enquanto os marcadores padrão do Nautilus ficam no painel esquerdo como “Locais” (locais em seu disco rígido), “Dispositivos” e “Rede”, os marcadores personalizados são adicionados a uma seção “Marcadores”, também no painel esquerdo. Entretanto, essa seção só aparece depois que é criado o primeiro marcador.

    Por conta dessa característica, você verá a seguir como adicionar um marcador local personalizado no Nautilus e depois disso, poderá criar todos os outros que precisar.

    Conheça melhor o Nautilus

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como adicionar um marcador local personalizado no Nautilus

    Para adicionar um marcador local personalizado no Nautilus, para poder acessar pastas mais rapidamente, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra o Nautilus, clicando no ícone “Arquivos” na barra do Unity;

    Como adicionar um marcador local personalizado no Nautilus

    Passo 2. No Nautilus, navegue até a pasta que você deseja marcar. Depois, clique no menu “Marcadores” e então na opção “Marcar este local”;

    Como adicionar um marcador local personalizado no Nautilus

    Passo 3. O nome da pasta será exibido na seção “Marcadores” no painel esquerdo. Observe que quando você move o mouse sobre o nome do marcador, o caminho completo aparece;

    Como adicionar um marcador local personalizado no Nautilus

    Pronto! Agora sempre que precisar, você pode acessar as pastas que estão nos marcadores, sem precisar passar por outras até chegar nela.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Ubuntu conecta mas não navega? Se você está tentando usar a Internet, mas o sistema não acessar nada, veja como resolver o problema com um pequeno ajuste.


    Tudo parece normal até que você tenta acessar algum site e percebe que, apesar de estar conectado, não é possível navegar na Internet.

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Embora pareça um problema incomum, ele pode acontecer em algumas versões do Ubuntu, independente do tipo de conexão usada. A boa notícia é que a solução é bem simples e esse tutorial mostra como resolver.

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Ubuntu conecta mas não navega? Para resolver o problema e voltar a navegar no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Clique no ícone de redes no painel do Ubuntu (esse ícone varia, dependendo da conexão). No menu que aparece, clique na opção “Editar conexões”;

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Passo 2. Na janela “Conexões de rede”, clique na conexão que está conectando, mas não navega. Em seguida, clique no botão “Editar”;

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Passo 3. Na janela de edição, clique na aba “Configurações IPv4”;

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Passo 4. Em “Configurações IPv4”, clique na informação do campo “Método” e no menu que aparece, clique na opção “Somente endereços (DHCP) automáticos”;

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Passo 5. Depois, preencha o campo “Servidores DNS” com o valor “8.8.8.8, 8.8.4.4” (sem as aspas) e clique no botão “Salvar”;

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Passo 6. De volta a janela “Conexões de rede”, clique no botão “Fechar”;

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Passo 7. Clique no ícone da engrenagem no painel do Ubuntu. No menu que aparece, clique em “Desligar…”;

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Passo 8. Finalmente, clique na opção “Reiniciar”.

    Ubuntu conecta mas não navega? veja como resolver

    Pronto! Depois de reiniciar, seu sistema já estará navegando normalmente.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como alternar entre o GDM, LightDM e outros gerenciadores de login no Debian, Ubuntu e seus derivados

    Como alternar entre o GDM, LightDM e outros gerenciadores de login no Debian, Ubuntu e seus derivados

    Se você tem vários gerenciadores de login (ou exibição) instalados, veja aqui como colocar aquele que mais lhe agrada como padrão.


    O Ubuntu vem com o LightDM como gerenciador de exibição padrão. Mas se você quiser experimentar outros gerenciadores de login ou vários ambientes desktop, e esse tutorial mostrará como mudar isso de um jeito simples e rápido.

    Como alternar entre o GDM, LightDM e outros gerenciadores de login no Debian, Ubuntu e seus derivados

    Como alternar entre o GDM, LightDM e outros gerenciadores de login no Debian, Ubuntu e seus derivados

    Apesar de simples, o procedimento de mudança de gerenciador de login nem sempre é tranquilo, muitas vezes por causas das dependências do sistema utilizado. Por isso, utilize por sua própria conta e risco.

    Veja também

    Como substituir o LightDM pelo LXDM no Ubuntu
    Como substituir o LightDM pelo GDM no Ubuntu
    Como substituir o LightDM pelo MDM no Ubuntu
    Dê um novo visual ao LightDM com o LightDM GTK+ Greeter

    Como alternar entre o GDM, LightDM e outros gerenciadores de login no Ubuntu

    Para alternar entre o GDM, LightDM e outros gerenciadores de login no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Execute o comando abaixo, para escolher qual será o gerenciador de login padrão (se quiser, você pode usar lightdm em vez do gdm no final do comando, pois o procedimento é o mesmo para ambos):

    sudo dpkg-reconfigure gdm

    Passo 3. Ao usar o comando acima, será exibida uma tela com informações sobre gerenciadores de login. Tecle “enter” para ir para a tela seguinte;

    Como alternar entre o GDM, LightDM e outros gerenciadores de login no Debian, Ubuntu e seus derivados

    Passo 4. Na próxima tela, você verá todos os gerenciadores de login disponíveis. Use a setas direcionais do teclado para ir até a opção que você quer usar. Depois, tecle “tab” para ir ao botão “OK” e pressione “enter” novamente;

    Como alternar entre o GDM, LightDM e outros gerenciadores de login no Debian, Ubuntu e seus derivados

    Reinicie o sistema e você será recepcionado pelo gerenciador que escolheu. O mesmo procedimento pode ser aplicado para alternar entre o GDM, KDM, LightGDM, MDM e etc.

    Agora que você já sabe como fazer para alternar entre os gerenciadores de login no Ubuntu e derivados, sempre que precisar, é só repetir esse processo.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

    Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

    Se você quer saber mais detalhes sobre seu PC, veja como instalar a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados


    As vezes as ferramentas do sistema não mostram informações suficientes sobre o hardware, então é preciso procurar outras opções, como o i-Nex.

    Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

    Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

    I-Nex é uma ferramenta de informações de hardware que coleta dados sobre os principais componentes do sistema (dispositivos), como CPU, GPU, placa mãe, memória, memória de vídeo, som, dispositivos USB e assim por diante.

    Através de uma interface limpa, baseada em abas, o aplicativo exibe informações sobre o hardware do sistema. Aliás, ele apresenta uma quantidade significativa de detalhes do sistema.

    Ficou curioso? Então veja algumas imagens do i-Nex

    Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

    Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

    Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

    Conheça melhor o i-Nex

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o i-Nex no Ubuntu

    Para instalar o i-Nex no Ubuntu, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:i-nex-development-team/stable

    Passo 3. (opcional) Se ainda não tiver, também adicione o repositório do runtime do programa com comando abaixo:

    sudo add-apt-repository ppa:nemh/gambas3

    Passo 4. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install i-nex

    Como instalar o i-Nex manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite i-nex no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o i-Nex no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o i-Nex no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove i-nex
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Planeta Ubuntu Brasil

    O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


    Última atualização:
    26 de julho de 2017, 16:02
    Horário UTC

    Planet ATOM
    RSS10 RSS20
    OPML FOAF

    Blogs inscritos


    © 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
    Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.