13 de fevereiro de 2016

Resumo mês a mês de 2015

26/11/2007: Software livre é isso, Evolução! 16/11/2009: Carreira: A vida após uma graduação 04/11/2011: Descance em paz, André Gondim 22/11/2011: Aprenda a programar para Iphone/Ipad em Stanford de graça 29/11/2011: Minicomputador com ARM, USB, HDMI, saída pra TV e... Linux 03/11/2012: Resumão Ubuntu no TechTudo 10/11/2012: Android no Virtualbox 19/11/2012: Mudança no licenciamento poderá colocar o VLC novamente na App Store 29/11/2012: Mini computador Raspberry Pi de 512M já está sendo vendido no Brasil 01/11/2013: Instale o BirdFont no Ubuntu e derivados 01/11/2013: Conhecendo distribuições interessantes que podem ser úteis - Mythbuntu 02/11/2013: 10 tendências do mercado de Tecnologia da Informação para os próximos anos 03/11/2013: Resumo semanal - 28/10/2013 a 03/11/2013 06/11/2013: Como instalar o Flash Player no Ubuntu 13.10 06/11/2013: Atualizando o kernel do Ubuntu para uma nova versão - 3.12 07/11/2013: Instalando a dock Avant Window Navigator no Ubuntu 13.10 08/11/2013: Como escolher o gerenciador de sessão padrão do Ubuntu e derivados 09/11/2013: Qual o perfil do profissional de TI desejado pelas empresas? 10/11/2013: Resumo semanal - 04/11/2013 a 10/11/2013 11/11/2013: Instalando o Brackets no Ubuntu e derivados 11/11/2013: Instale o Mate Desktop no Ubuntu 13.10 12/11/2013: Instale o MintMenu no Mate Desktop do Ubuntu 13.10 12/11/2013: Instale o TopFeed no Ubuntu 13.10 13/11/2013: Como instalar o Wine 1.6 no Ubuntu 13.10 14/11/2013: Como instalar o Nightingale media player no Ubuntu e derivados 15/11/2013: Descobrindo mais informações sobre o Windows 16/11/2013: Baixe e deixe seu desktop mais bonito - papéis de parede de galáxias 17/11/2013: Resumo semanal - 11/11/2013 a 17/11/2013 18/11/2013: Como instalar o UMPlayer media player no Ubuntu e derivados 19/11/2013: Como deixar o Ubuntu com o visual do OS X - Instalando a Cairo Dock 20/11/2013: Como deixar o Ubuntu com o visual do OS X - Fazendo ajustes na interface 21/11/2013: Como instalar e experimentar Australis, a nova interface do Firefox, no Ubuntu 13.10 e 13.04 22/11/2013: Lançado Wine 1.7.6 - instale no Ubuntu e derivados 24/11/2013: Resumo semanal - 18/11/2013 a 24/11/2013 26/11/2013: Instale o SyncDrive 0.9 no Ubuntu e derivados 26/11/2013: Instale o Deepin Media Player e o Deepin Audio Player no Ubuntu e derivados 27/11/2013: Instale pacotes de ícones e temas para usuários que estão vindo do Windows 27/11/2013: Instale o gerenciador de arquivos Marlin no Ubuntu e derivados 27/11/2013: Dicas de Mac: Mexendo nas configurações ocultas para ajustar animações da dock 28/11/2013: Conhecendo distribuições interessantes que podem ser úteis - SLAMPP 28/11/2013: Conhecendo ferramentas para montar um site de comércio eletrônico baseado em Linux 29/11/2013: Como instalar o Brightness Indicator no Ubuntu 13.10 02/11/2014: Resumo semanal - 27/10/2014 a 02/11/2014 03/11/2014: Lançado Cinnamon 2.4: veja como instalar no Ubuntu 14.04/10.10 04/11/2014: Como adicionar uma opção "Abrir como Administrador/Root" no Nautilus 04/11/2014: Como reduzir o consumo de CPU do Skype 04/11/2014: Como instalar a versão mais recente do Exaile Music Player no Ubuntu 14.04 05/11/2014: Lançado Kodi (antigo XBMC) 14.0 "Helix" Beta 1 05/11/2014: Trisquel 7.0 LTS Belenos já está disponível para download 05/11/2014: Viber Wrapper Indicator adiciona AppIndicator e oculta ícone flutuante do Viber 05/11/2014: Instalando o tema Royal-Gtk no Ubuntu 06/11/2014: Como instalar o gerenciador financeiro KMyMoney 4.7.1 no Ubuntu 06/11/2014: Fedora 21 Beta já está disponível para download 06/11/2014: Lançado Pitivi Video Editor 0.94 com GTK HeaderBar: Veja como instalar 07/11/2014: Jogo de corrida: lançado Stunt Rally 2.5: veja como instalar 07/11/2014: Como instalar o driver Nvidia 340.58 no Ubuntu 14.04/14.10 07/11/2014: Update: uma ferramenta para atualizar facilmente o Arch Linux 08/11/2014: Como instalar o Teamviewer 10 Beta no Ubuntu 14.10/14.04 09/11/2014: Resumo semanal - 03/11/2014 a 09/11/2014 10/11/2014: KDE Plasma 5 será o ambiente padrão no Kubuntu 15.04 10/11/2014: Divulgados os codinomes das futuras versões 09 e 10 do Debian 11/11/2014: Como se conectar a Cisco AnyConnect VPN no Ubuntu 12/11/2014: Lançado cliente ownCloud 1.7.0 com suporte a sincronização seletiva 12/11/2014: Lançada a versão estável do Brackets 1.0 12/11/2014: Lançado Midori Browser 0.5.9 com importantes correções de bugs 13/11/2014: Ubuntu MATE 14.04 LTS já disponível para download 13/11/2014: Instale o Split View Patch e tenha visualização dividida no Thunar 13/11/2014: Parsix Linux 7.0 já está disponível para download 15/11/2014: Como instalar o Intel Linux Graphics Installer 1.0.7 no Ubuntu 14.04, Fedora 20 e derivados 16/11/2014: Resumo semanal - 10/11/2014 a 16/11/2014 17/11/2014: Release Candidate do Linux Mint 17.1 "Rebecca" já está disponível para download 17/11/2014: Atualizando o kernel do Ubuntu para uma nova versão – 3.17.3 18/11/2014: Como instalar o MintMenu no Ubuntu Mate 18/11/2014: Divulgado o cronograma de lançamento do Ubuntu 15.04 Vivid Vervet 19/11/2014: Privacidade no Unity: Como instalar o Indicator Privacy 0.0.4 no Ubuntu 14.10 e 14.04 19/11/2014: Instale e use o SARDU multiboot builder para criar pendrives ou imagens ISO de distribuições 19/11/2014: Instale e experimente a ferramenta de desligamento avançado Qshutdown 20/11/2014: Lançada a IDE Light Table 0.7.1, veja como instalar ele no Ubuntu 21/11/2014: FFmpeg retornará aos repositórios oficiais do Ubuntu na versão 15.04 22/11/2014: Combinando o tema GnomishBeige com os ícones zonColor 23/11/2014: Resumo semanal - 17/11/2014 a 23/11/2014 24/11/2014: Conhecendo melhor o OpenSUSE 13.2 KDE Edition 24/11/2014: Como usar o Compiz no Ubuntu MATE 14.04/14.10 24/11/2014: Lançado Virtualbox 4.3.20: como instalar no Ubuntu 25/11/2014: Lançada a versão 0.10.0 do conversor de vídeo HandBrake com suporte para novos encoders 25/11/2014: Atualizando o kernel do Ubuntu para uma nova versão – 3.17.4 26/11/2014: Instale DroidCam e use um dispositivo Android como webcam 26/11/2014: Disponível imagem ISO do desenvolvimento do Manjaro com o KDE Plasma 5 27/11/2014: Como ativar a aceleração por hardware no Chrome/Chromium 27/11/2014: Envie arquivos, links e notas do seu desktop Ubuntu para um dispositivo Android ou iOS usando o Pushbullet Indicator 27/11/2014: Como desativar ou ativar a aceleração por hardware no Firefox 28/11/2014: Como gravar chamadas do Skype, músicas e voz no Ubuntu via Audio Recorder 28/11/2014: Instale e experimente o cliente Google Drive Insync no Linux 28/11/2014: Como exibir o ícone Network Manager no Painel do XFCE4 28/11/2014: Linux leve: Conheça ToriOS a distro ultra leve baseada no Ubuntu LTS 29/11/2014: Linux Mint 17.1 Rebecca já está disponível para download 30/11/2014: Resumo semanal - 24/11/2014 a 30/11/2014 01/11/2015: Resumo semanal de 26/10/2015 a 01/11/2015 02/11/2015: Recuperando o boot do Linux (Grub), depois de instalar o Windows 02/11/2015: Como ativar o suporte a 32-bits no Ubuntu de 64-bits 02/11/2015: Como configurar o Ubuntu para inicializar diretamente em modo texto 02/11/2015: Instale o pacote de temas Ambiance Blackout Colors 02/11/2015: Como fazer para o GRUB exigir uma senha para iniciar o sistema 02/11/2015: Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 4.3 03/11/2015: Instalando o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors 03/11/2015: Como instalar o Unity Web Player no Ubuntu 03/11/2015: Instalando alguns indicadores úteis no Ubuntu 03/11/2015: Instalando o pacote de ícones Vibrancy Colors no Debian, Ubuntu e derivados 04/11/2015: Como ativar um driver proprietário no Ubuntu 04/11/2015: Use o PyAudioSelector para alternar entre dispositivos de áudio 04/11/2015: Fedora 23 já está disponível para download 04/11/2015: Como instalar o SimpleScreenRecorder no Ubuntu 05/11/2015: Temas Ambiance Crunchy atualizados: instale no Ubuntu 05/11/2015: Como trocar o Systemd pelo Upstart no Ubuntu 15.04/15.10 05/11/2015: Como instalar o tema StylishDark no Ubuntu 05/11/2015: Como adicionar os repositórios Remi, EPEL e RPMFusion no CentOS 7, RHEL 7 e SL 7 06/11/2015: Touchpad Indicator: ative ou desative o touchpad do laptop 06/11/2015: Instalando o conjunto de ícones Lubuntu-Box no Ubuntu 06/11/2015: Gerenciamento financeiro: gerencie suas contas pessoais com o HomeBank 06/11/2015: Desenho e pintura no PC: Instale o Krita no Ubuntu 06/11/2015: Como instalar a última versão do Netbeans no Linux manualmente 07/11/2015: Bate papo no terminal - instale o WeeChat no Ubuntu 07/11/2015: Java no Ubuntu: veja como instalar o OpenJDK 8 07/11/2015: Como instalar o FileZilla no Linux manualmente 07/11/2015: Como instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu 08/11/2015: Resumo semanal de 02/11/2015 a 08/11/2015 09/11/2015: Como instalar o Oracle Java no Debian via repositório 09/11/2015: SteamOS beta já está disponível para download 09/11/2015: Como instalar a ferramenta de configuração Unsettings no Ubuntu 09/11/2015: Instalando o Java no Linux: tudo que já foi publicado sobre o assunto 09/11/2015: Launcher para Linux: Instale e experimente o Albert 10/11/2015: Como instalar versão mais recente do Audacious no Ubuntu 10/11/2015: Drivers da Canon - veja como instalar o suporte a impressora ou scanner 10/11/2015: Monitoramento de sistema: Instale Monitorix no Ubuntu 10/11/2015: Deixe seu desktop Ubuntu com um visual parecido com o Mac 10/11/2015: Spotlight para linux: Instale e experimente o Mutate 10/11/2015: Como instalar o cliente VoIP Linphone no Ubuntu 11/11/2015: Como instalar programas no Linux manualmente 11/11/2015: Como fazer o terminal exibir asteriscos ao digitar uma senha 11/11/2015: Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu 11/11/2015: Instalando os conjuntos de ícones Moka e Faba no Ubuntu 11/11/2015: Como instalar o Grub Customizer no Debian, Ubuntu e derivados 11/11/2015: Resultado do sorteio do livro Linux – Simplicidade ao Seu Alcance [Atualizado] 12/11/2015: Como instalar o tema Aurora no Ubuntu 12/11/2015: Como instalar o SubDownloader no Ubuntu para baixar legendas 12/11/2015: Como atrasar a inicialização de aplicativos nos ambientes GNOME e Unity 12/11/2015: Usando rede Ethernet sob rede elétrica 12/11/2015: Como instalar o levíssimo visualizador de PDF MuPDF 13/11/2015: Como instalar o editor de imagens RAW RawTherapee no Ubuntu 13/11/2015: Netflix no Linux: Executando o serviço como um app 13/11/2015: Como instalar o navegador PolyBrowser no Linux manualmente 13/11/2015: VeltOS Technical Preview One já está disponível para download 13/11/2015: Como usar scanner de multifuncional HP no Ubuntu 14/11/2015: Como remover o Unity do Ubuntu definitivamente 14/11/2015: Como instalar a versão mais recente do Lightworks no Linux 14/11/2015: Muito cuidado com o que você posta nas redes sociais 14/11/2015: Conhecendo a história do Linux, software livre, código aberto e tudo mais 15/11/2015: Resumo semanal de 09/11/2015 a 15/11/2015 16/11/2015: Como instalar a IDE Komodo Edit no Ubuntu 16/11/2015: Como instalar o gerenciador de senhas Enpass no Linux 16/11/2015: Como adicionar o suporte a Silverlight no Ubuntu 17/11/2015: Instalando o tema Flatabulous no Ubuntu 17/11/2015: Linux AIO Ubuntu 15.10 - todas as variantes na mesma mídia 17/11/2015: Como instalar o 4K Video Downloader no Linux 17/11/2015: Cotton: o Xubuntu com o visual de Windows 8 17/11/2015: Instalando o tema DeLorean-Dark no Ubuntu 18/11/2015: Velocidade da internet: instale Linspeed e teste sua conexão 18/11/2015: Linux Mint 17.3 Rosa Beta já está disponível para download 18/11/2015: Como atualizar o Fedora 22 para 23 18/11/2015: OpenPCTV: uma distro para quem quer transformar o PC em TV 18/11/2015: Instale o Twitch Indicator e rastreie os canais que você segue no Twitch 19/11/2015: Simulador de circuitos: veja como instalar o QUCS 19/11/2015: Como instalar o jogo de corrida SuperTuxKart no Linux 19/11/2015: Youtube-dl no Ubuntu: baixe vídeos em vários sites de um jeito bem simples e rápido 19/11/2015: Instale Youtube-DLG: uma interface gráfica para o youtube-dl 19/11/2015: Como instalar o Visual Studio Code no Ubuntu 19/11/2015: Bodhi Linux 3.1.1 já está disponível para download 20/11/2015: Instale a ferramenta MACchanger para mudar endereço MAC no Linux 20/11/2015: Como instalar o RipperX no Ubuntu para ripar áudio 20/11/2015: Como consertar um sistema Ubuntu que não inicializa por causa de atualizações quebradas 20/11/2015: Como instalar o Intel Graphics no Ubuntu 15.10 20/11/2015: Fedora 23 Workstation - Tour e visão geral em vídeo e screenshots 21/11/2015: Instalando o conjunto de ícones Evolvere no Ubuntu 21/11/2015: Xubuntu 15.10 - Tour e visão geral em vídeo e screenshots 21/11/2015: Instale traGtor: uma interface gráfica para o ffmpeg 21/11/2015: Como verificar a velocidade da internet via Terminal no Linux 22/11/2015: Resumo semanal de 16/11/2015 a 22/11/2015 23/11/2015: Instalando os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu 23/11/2015: Como instalar o driver NVIDIA 358.16 no Linux 23/11/2015: Como converter vídeo em imagens usando o FFmpeg 23/11/2015: Como instalar o Google Earth no Ubuntu e derivados 23/11/2015: Como instalar a última versão do Blender no Ubuntu 24/11/2015: Vídeos do YouTube: como instalar o Minitube no Linux 24/11/2015: Backup e restauração de apps: Instale o Aptik 24/11/2015: Como instalar o conversor de áudio SoundKonverter no Ubuntu e OpenSUSE 24/11/2015: Como reduzir o volume do sistema de notificação no Ubuntu 24/11/2015: Como instalar a última versão do GIMP no Ubuntu e seus derivados 24/11/2015: Instalando o cliente BitTorrent Vuze no Ubuntu 25/11/2015: Animações no Linux - conheça e instale o Synfig Studio 25/11/2015: Conhecendo distribuições interessantes que podem ser úteis - Rescatux 25/11/2015: Como assistir Star Wars Episódio IV no terminal 25/11/2015: Como instalar o Wireshark 2.0 no Ubuntu 15.10 25/11/2015: Instalando o conjunto de ícones Vimix, Numix Circle ou Paper no Ubuntu 25/11/2015: Material Design - Instale o tema e os ícones Paper no Ubuntu 26/11/2015: Como instalar o FF Multi Converter no Ubuntu e derivados 26/11/2015: instale o QGifer no Ubuntu e converta vídeos em GIF animado 26/11/2015: Como instalar o cliente BitTorrent Vuze no Linux manualmente 26/11/2015: OpenSUSE Leap 42.1 - Tour e visão geral em vídeo e screenshots 26/11/2015: Como deixar o GIMP parecido com o Photoshop 27/11/2015: Instalando o conjunto de ícones Ardis e Ursa no Ubuntu 27/11/2015: Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa 27/11/2015: Instalando a versão mais recente do Midori Web Browser 27/11/2015: Baixar vídeos da internet - instale e experimente StreamStudio 27/11/2015: Sete maneiras fáceis de baixar vídeos do YouTube (e outros) no Linux 27/11/2015: Editor de legendas para Linux? Instale o Gaupol 28/11/2015: Ferramenta de backup: Instale Systemback no Ubuntu 28/11/2015: Instale e experimente o jogo 0 A.D. no Ubuntu 28/11/2015: Como instalar o Apache OpenOffice no Linux 29/11/2015: Resumo semanal de 23/11/2015 a 29/11/2015 30/11/2015: Como instalar o ambiente Cinnamon 2.8 no Ubuntu 15.04 e 15.10 30/11/2015: Como instalar o VokoScreen Caster no Ubuntu 30/11/2015: Como gravar uma imagem ISO no Nautilus 30/11/2015: Como instalar o Open Broadcaster no Ubuntu e derivados

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.10

Instalou o Ubuntu 15.10 e quer deixar seu sistema mais completo? Pois aqui você encontrará o que precisa para fazer isso, basta seguir essas dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.10.
depois de instalar o ubuntu 15.10
Todos sabemos que nenhum sistema vem com tudo que precisamos, por isso, depois de atualizar ou instalar o Ubuntu 15.10, é preciso fazer aqueles “pequenos” ajustes no sistema.

Atenção! Este texto está sendo atualizado constantemente, por isso, sempre consulte-o para saber das últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.10.

Também é importante avisar que alguns repositórios usados nos procedimentos abaixo, podem não estar atualizados para o Ubuntu 15.10. Nestes casos, é necessário aguardar até que os responsáveis pelos repositórios façam a atualização.

Mais sobre o Ubuntu 15.10

Veja também

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.10

Esse tutorial irá centralizar tudo que você precisa fazer para deixar o seu novo sistema do jeito que você quer. Ele descreve como é possível melhorar o Ubuntu 15.10 e outras versões mais antigas tais como Ubuntu 14.10/14.04/13.10/13.04/12.10/12.04, para você usá-lo nas atividades do seu dia a dia. Além disso, este artigo irá mostrar alguns insights interessantes e ideias sobre o que você pode e deve fazer após uma instalação bem-sucedida da mais recente versão desktop do Ubuntu.

1 – Atualize seu sistema

A primeira e mais importante coisa a fazer é atualizar os repositórios de software, para ter certeza de que seu sistema estará usando as versões mais recentes de todos os softwares. Para fazer isso, abra um terminal e execute o comando abaixo:

sudo apt-get update && sudo apt-get upgrade

2 – Se necessário, instale um Antivirus

Parece loucura. Mas como você já deve saber, o Linux não está completamente livre da distribuição de vírus, principalmente se ele tiver contato com equipamentos que rodam o Windows. Por isso, para não correr o risco de ter seu sistema afetado por algum tipo de vírus, utilize esses tutoriais.

3 – Melhore o desempenho do Dash

Se você se incomoda com a lentidão do Dash e outros detalhes do Unity, use esses tutoriais para melhorar o ambiente:

4 – Experimente outros ambientes

Você não precisa ficar apenas no Unity, o Ubuntu permite usar qualquer desktop Linux. Para fazer experimentar outras opções, tente usar esses artigos:


Depois, se você realmente não quiser mais usar Unity, veja como remover o Unity definitivamente do Ubuntu ou até como desfazer isso.

5 – Configure suas contas online

Quer configurar suas contas online (Facebook, twitter, Google+ e etc) em seu sistema Ubuntu? Veja como fazer isso nesse tutorial:

6 – Use ferramentas de monitoramento

Conky é um monitor de sistema leve e que exibe todas as informações em seu desktop. Há muitos temas agradáveis disponíveis para ele que podem exibir relógio, uso da CPU, uso de memória RAM, swap, disco, rede e muito mais. Confira algumas postagens sobre o uso e configuração do conky no Ubuntu.

7 – Mude a aparência do sistema

Ninguém gosta de ficar sempre na mesma, não é? Se você sentir vontade de mudar a cara do Ubuntu (sem mudar de ambiente), veja esses tutoriais:

8 – Instale players multimídia

Para instalar alguns players multimídia, veja esses tutoriais:


Aqui você vê mais algumas postagens sobre o assunto:

9 – Instale Jogos

Para instalar alguns jogos e se divertir no novo sistema, veja esses artigos sobre o assunto:

10 – Instale mensageiros

Para conversar online, veja esses artigos sobre o assunto:

11 – Se precisar, instale programas do Windows

Isso não é nenhuma unanimidade, mas se você realmente precisa de um programa que só funciona no Windows, veja esses artigos sobre como executá-los no Linux:

12 – Compartilhe arquivos

Para conversar compartilhar arquivos no Ubuntu, veja esses artigos sobre o assunto:


13 – Instale Java e Flash

Para instalar Java e Flash no Ubuntu ou programas relacionados, veja esses artigos sobre o assunto:


14 – Instale um cliente torrent

Se você usa torrent, veja esses artigos sobre o assunto:

15 – Faça uma limpeza no sistema

Depois de instalar muita coisa no sistema, sempre pode ficar algum resíduo ocupando espaço. Para resolver isso, você usa o BleachBit. O programa exclui os arquivos desnecessários, libera cache, Exclui cookies, limpa o histórico de internet, apaga arquivos temporários, exclui registros e descarta o lixo que você nem mesmo sabia que estava lá. Para instalar ele e outras opções, siga um desses tutoriais abaixo:

16 – Instale ferramentas de ajustes

Para ajustar o sistema como você quer, instale algumas ferramentas de ajustes:

17 – Melhore e mexa no Grub

Quer mexer no Grub ou resolver alguns problemas, vejas esses artigos sobre isso:

18 – Instale indicadores

Com indicadores no painel tudo fica mais fácil. Para instalar alguns, vejas alguns artigos sobre o assunto, acessando esse link.



19 – Instale editores de vídeo

Trabalha com vídeos? Então vejas esses artigos sobre isso e instale alguns editores:

20 – Configure o Proxy

Está com dificuldade para acessar a Internet através de uma rede, mesmo depois de conectado? Então veja como configurar o acesso via proxy no Ubuntu, que talvez isso resolva o seu problema.
Como configurar o acesso via proxy no Ubuntu

21 – Instale Codecs e vários programas importantes

Para conseguir instalar boa parte do que é importante para seu uso diário, além das dicas acima, você também pode usar o Ubuntu After Install ou o PostInstallerF:


22 – Caso tenha problemas com pacotes quebrados

Com tanta instalação de programas, se você tiver problemas com pacotes quebrados, use um desses tutoriais:

23 – Experimente outro navegador

Se você não gosta do navegador padrão do Ubuntu, instale outro e mude isso:

24 – Deixe o Unity como você quer

Para deixar o Unity como você quer, leia um desses tutoriais:

25 – Encontre outras rede wireless

Se você quiser encontrar outras rede wireless, use o utilitário de rede do sistema ou instale esse programa:

26 – Navegue anonimamente

Se você precisa navegar anonimamente, use um desses tutoriais:

27 – Instale um driver de dispositivo

Se você possui algum dispositivo que precisa de um driver especifico, veja como instalar ele em um desses tutoriais:




28 – Use outros sistemas dentro do Linux

Se você precisar usar outro sistema dentro do Linux, veja algumas opções em um desses tutoriais:

29 – Atualize o kernel do sistema

Se você quiser atualizar o núcleo do Ubuntu para a versão mais recente, consulte essa listagem de tutoriais:
Atualizando o Kernel do Ubuntu

30 – Troque o Systemd pelo Upstart

Se você não gostou da escolha da Canonical, ao colocar o Systemd como gerenciador de inicialização padrão do novo Ubuntu, veja como trocar o Systemd pelo Upstart e deixe o sistema como você quer:

31 – Relaxe e assista algo

Com tudo instalado, relaxe e aproveite para assistir algo no seu novo sistema:

Não encontrou o que procura?

Por fim, se você não encontrar o que procura nesse texto, faça uma busca no site usando a caixa de pesquisa abaixo.

Novamente, vale lembrar que este artigo estará sendo atualizado constantemente e poderá receber novos links e informações nos próximos dias. E não esqueça! Fique de olho no blog para acompanhar as outras dicas que serão publicadas.

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

Originally posted 2015-10-22 10:15:37. Republished by Blog Post Promoter


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

12 de fevereiro de 2016

Como instalar OpenShot 2.0 Beta no Ubuntu

Sai mais uma atualização do OpenShot 2.0 Beta, e dessa vez, você pode baixar experimentar. Para isso, veja como instalar OpenShot 2.0 Beta no Ubuntu e sistemas derivados.


OpenShot é um editor de vídeo gratuito, open-source para Linux licenciado sob a GPL versão 3.0. Com ele você pode adicionar facilmente sub-títulos, transições e efeitos, e, em seguida, exportar o seu filme para DVD, YouTube, Vimeo, Xbox 360, e muitos outros formatos comuns.

OpenShot 2.0 tem uma nova versão beta disponível para testes. Essa é a terceira versão beta completa do editor de vídeo, mas apenas a primeiro a ser disponibilizada para testes públicos. Isso porque os apoiadores da campanha do OpenShot no crowdfunding têm conseguido usar versões beta do programa desde janeiro. Instaladores Windows e Mac OS X também estão disponíveis para download.
Como instalar OpenShot 2.0 Beta no Ubuntu
Como instalar OpenShot 2.0 Beta no Ubuntu
Como instalar OpenShot 2.0 Beta no Ubuntu

Conheça melhor o OpenShot

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Para saber mais sobre o OpenShot 2.0 Beta, acesse a nota de lançamento (versão traduzida) e assista o vídeo abaixo:

Como instalar o OpenShot 2.0 Beta no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o OpenShot 2.0 Beta no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:openshot.developers/libopenshot-daily

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install openshot-qt

Como instalar o OpenShot 2.0 Beta manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite openshot no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o OpenShot 2.0 Beta no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o OpenShot 2.0 Beta no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:openshot.developers/libopenshot-daily --remove
sudo apt-get remove openshot-qt
sudo apt-get autoremove

Via OMG! Ubuntu!

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

FFmpeg no Ubuntu: veja como instalar esse pacote no 14.04/14.10 via repositório

Ausente no Ubuntu desde a versão 14.04, o FFmpeg retornou aos repositórios oficiais do sistema na versão 15.04. Até lá, você pode usar esse tutorial para instalar o ffmpeg no Ubuntu 12.04, 14.04 e 14.10.


FFmpeg é um projeto de software livre que produz bibliotecas e programas que são utilizados para a manipulação de dados multimídia. Ele é um framework multimídia popular, que permite aos usuários para decodificar, codificar, transcodificar, mux, demux, stream, filtro e reproduzir praticamente qualquer coisa que os seres humanos e máquinas criaram. Ele suporta desde os formatos antigos mais obscuras até os mais atuais.
FFmpeg no Ubuntu: veja como instalar esse pacote no 14.04/14.10 via repositório
O pacote contém libavcodec, libavutil, libavformat, libavfilter, libavdevice, libswscale e libswresample que podem ser usados por aplicativos. Assim como ffmpeg, ffserver, ffplay e ffprobe que pode ser usado por usuários finais para transcodificação, streaming e reprodução. Em suma, ele é uma solução multiplataforma e completa para gravar, converter e transmitir áudio e vídeo.

Desde que saiu dos repositórios oficiais do Ubuntu (devido a conflitos na comunidade FFmpeg) e foi adotado o Libav (um fork dele do FFmpeg), um monte de aplicações ficaram inutilizáveis no Ubuntu 14.04 e 14.10, e em alguns sistema derivados. Desde então, várias mudanças da Libav foram levadas de volta para o FFmpeg, enquanto o projeto Libav fez o seu próprio desenvolvimento, ignorando quaisquer alterações do FFmpeg, e como consequência disso, muitos desenvolvedores preferem FFmpeg.

A boa notícia para aqueles que preferem FFmpeg é que com o Ubuntu 15.04 Vivid Vervet, o pacote voltou aos repositórios oficiais do Ubuntu. No entanto, ainda não existem repositórios oficiais do FFmpeg para Ubuntu 14.04 ou 14.10, que consequentemente, continuam sem contar com esse importante conjunto de ferramentas multimídia.

Felizmente, os aplicativos inutilizados pela ausência do FFmpeg ​​poderão ser usados novamente no Ubuntu 14.04, 14.10, graças a dois repositórios não oficiais que disponibilizam o FFmpeg para essas versões. A seguir, você verá com usar esses repositórios para instalar o FFmpeg no Ubuntu.]

Conheça melhor o FFmpeg

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o FFmpeg no Ubuntu 12.04, 14.04 e 14.10 via repositório

Para instalar o FFmpeg no Ubuntu 12.04, 14.04 e 14.10 e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se quiser instalar no Ubuntu 12.04, 14.04 e 14.10, Linux Mint 17 e 17.1, adicione repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:kirillshkrogalev/ffmpeg-next

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install ffmpeg

Como instalar o FFmpeg manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). OU se você quiser instalar o ffmpeg manualmente, acesse esse tutorial.
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, que você instalou o FFmpeg no Ubuntu, já pode voltar a usar aqueles utilitários que estavam inutilizados e até mesmo usá-lo diretamente em um terminal.

Desinstalando o FFmpeg no Ubuntu 12.04, 14.04 e 14.10 e derivados

Para desinstalar o FFmpeg no Ubuntu 12.04, 14.04 e 14.10 e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:kirillshkrogalev/ffmpeg-next --remove
sudo apt-get remove ffmpeg
sudo apt-get autoremove

Via NoobsLab

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

Como instalar o ambiente Cinnamon 2.8 no Ubuntu 14.04, 15.04 e 15.10

A versão mais recentes de um dos principais ambientes gráficos padrão do Linux Mint agora está disponível para as últimas versões do Ubuntu. Se você quiser experimentar, veja como instalar o ambiente Cinnamon 2.8 no Ubuntu 14.04, 15.04 e 15.10.


Cinnamon é um dos ambientes gráficos padrão do Linux Mint. Bastante parecido com o Gnome (até porque se baseia muito nesse ambiente), ele tem um visual fácil de usar e um leiaute familiar. Além disso, no Cinnamon você pode mudar a forma como o ambiente de trabalho funciona, o visual e o comportamento dele.
Como instalar o ambiente Cinnamon 2.8 no Ubuntu 14.04, 15.04 e 15.10

Principais características do Cinnamon

  • Um painel inferior único que você pode configurar para ficar oculto automaticamente;
  • Lista de janelas, botão para “mostrar área de trabalho”, ícones systray e outros recursos comuns em ambientes graficos mais populares;
  • Um menu com o mesmo leiaute do Menu do LinuxMint, com opções para adicionar aplicações aos favoritos, para o desktop ou para o painel;
  • Personalização de lançadores de painel;
  • Um applet de som que lhe permite executar e controlar a sua música, e mudar o som dos alto-falantes para os fones e vice-versa.

A boa noticia é que existe um repositório PPA que contém o Cinnamon 2.8 para Ubuntu 14.04, 15.04 e 15.10.

Novidades do Cinnamon 2.8

  • Os controles de informação e mídia de faixa agora fazem parte de uma nova imagem que paira sobre a arte da capa. Para reprodutores com suporte, uma barra de posição plana é exibida abaixo;

Como instalar o ambiente Cinnamon 2.8 no Ubuntu 14.04, 15.04 e 15.10

  • Os controles de entrada, aplicações e dispositivos de saída mudaram para o menu de contexto do botão direito. Os dispositivos de saída agora mostram suas origens. quando vários dispositivos de som são detectadas;

Como instalar o ambiente Cinnamon 2.8 no Ubuntu 14.04, 15.04 e 15.10

  • A opção de informações da bateria vendedor/modelo, exibe dados do fabricante nas configurações de energia e applet;
  • O applet workspace switcher agora mostra uma representação visual de seus espaços de trabalho, com pequenos cubos para as janelas dentro deles.

Conheça melhor o ambiente Cinnamon

Para saber mais sobre esse ambiente, clique nesse link.

Como instalar ambiente Cinnamon 2.8 no Ubuntu 14.04, 15.04 e 15.10

Para instalar o ambiente Cinnamon 2.8 no Ubuntu 14.04, 15.04 e 15.10 e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository -y ppa:moorkai/cinnamon

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install cinnamon

Saia da sessão atual e quando aparecer a tela de login, escolha o Cinnamon. Entre com seu usuário e senha, e depois comece a experimentar o ambiente.

Desinstalando o ambiente Cinnamon 2.8 no 14.04, 15.04 e 15.10 e derivados

Para desinstalar o ambiente Cinnamon 2.8 no 14.04, 15.04 e 15.10 e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o ambiente, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get purge --auto-remove cinnamon
sudo apt-get autoremove

Via UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

Como instalar o Screenlets no Ubuntu e derivados

Que tal dar um novo visual ao seu desktop? Veja como instalar o Screenlets e deixe como você quer.


Screenlets são mini aplicativos (widgets) que você pode usar em seu desktop para melhorar a usabilidade e enfeitar seu ambiente de trabalho. A aplicação “Screenlets” é utilizada para executar e exibir estes widgets em seu desktop.
Como instalar o Screenlets no Ubuntu e derivados
Com os Screenlets é possível exibir controles no desktop que fornecem informações em tempo real, como quantidade de memória consumida, memória SWAP, uso da CPU, calendário etc.
Como instalar o Screenlets no Ubuntu e derivados
Como instalar o Screenlets no Ubuntu e derivados

Conheça melhor o Screenlets

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Screenlets no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Screenlets no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/screenlets/

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install screenlets screenlets-pack-all

Como instalar o Screenlets manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite screenlets no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).
Como instalar o Screenlets no Ubuntu e derivados
Com o Gerenciador de Screelets na tela, clique no item que você quer usar e depois marque a opção “iniciar/Parar” (para desativar, basta repetir isso). Opcionalmente, se quiser que os itens sejam exibidos na próxima vez que você entrar no sistema, marque a opção “Auto-inicializar no login”;
Como instalar o Screenlets no Ubuntu e derivados

Desinstalando o Screenlets no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Screenlets no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/screenlets/ --remove
sudo apt-get remove screenlets screenlets-pack-all
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

KaOS 2016.01 tour e visão geral em vídeo e screenshots

KaOS 2016.01 foi lançada há poucos dias e se você ainda não experimentou essa distribuição, mas está curioso, então conheça, faça um tour e tenha uma visão geral dela através de um vídeo e uma galeria de screenshots.


Kaos é uma distribuição rolling release independente baseada no desktop KDE com o gerenciador de pacotes Pacman (do Arch Linux).
kaos 2016.01 já está disponível para download
Kaos 2016.01 traz o Plasma 5 como o desktop padrão, o kernel Linux 4.3.3, glibc 2.22, systemd 228, kmod 22, xorg-server 1.17.4, Qt 5.5.1 & Qt 4.8.7, mesa 11.1.1, calligra 3.0Alpha, Clementine e as últimas versões de qupzilla, octopi, kde-telepathy, seafile e gcc 4.9.3. Além do firefox 43.0.4, chrome 49, thunderbird 38.5.1, ardour 4.6.0, entre outros.

Conheça melhor a distribuição KaOS

Para saber mais sobre a distribuição KaOS, clique nesse link.
Para conhecer melhor, assista o vídeo abaixo e faça um tour através de uma galeria de screenshots da distribuição KaOS 2016.01, acessando essa página do site Linux Scoop.

Baixe e experimente o KaOS 2016.01

A imagem ISO do KaOS 2016.01 já pode ser baixada acessando o link abaixo:
KaOS 2016.01
Para baixar imagens prontas para usar no VirtualBox e VMware, acesse esse link.

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação
Via LinuxScoop

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

Como instalar o MySQL Workbench no Ubuntu e derivados

Se você trabalha com o MySQL e quer usar uma poderosa ferramenta para administrá-lo, veja como o instalar o MySQL Workbench no Ubuntu e derivados.


MySQL Workbench é uma ferramenta gráfica que permite aos usuários facilmente gerenciar e trabalhar com servidores e bancos de dados MySQL.
Como instalar o MySQL Workbench no Ubuntu e derivados
Com o programa, DBAs e desenvolvedores tem um ambiente de ferramentas integradas para modelagem e design de banco de dados, desenvolvimento SQL, administração e migração de banco de dados.

Conheça melhor o MySQL Workbench

Para saber mais sobre as características do programa e o que ele pode fazer, clique nesse link.

Instalando o MySQL Workbench no Ubuntu e derivados

Para instalar o MySQL Workbench no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 3. Confira a versão do seu sistema, para isso, use o seguinte comando no terminal:

lsb_release -rs

Passo 4. Se estiver usando Ubuntu 14.04 ou compatível, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome mysql-workbench-community.deb;

wget http://cdn.mysql.com/Downloads/MySQLGUITools/mysql-workbench-community-6.3.6-1ubu1404-amd64.deb -O mysql-workbench-community.deb

Passo 5. Se estiver usando Ubuntu 15.10 ou compatível, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome mysql-workbench-community.deb;

wget http://cdn.mysql.com/Downloads/MySQLGUITools/mysql-workbench-community-6.3.6-1ubu1510-amd64.deb -O mysql-workbench-community.deb

Passo 6. Instale o pacote baixado com o comando a seguir (mesmo que apareça um erro, vá para o próximo passo que ele corrigirá tudo);

sudo dpkg -i mysql-workbench-community.deb

Passo 7. Para instalar as dependências e finalizar a instalação, use o comando:

sudo apt-get -f install

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite mysql no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o MySQL Workbench no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o MySQL Workbench no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove mysql-workbench-community
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

Instalando o conjunto de ícones Lubuntu-Box no Ubuntu

Gosta do visual do Lubuntu? Então, que tal usar o ícones dele no seu sistema? Para isso, veja como instalar o conjunto de ícones Lubuntu-Box no Ubuntu e seus derivados.


Lubuntu-Box icon set é um elegante e bem desenhado conjunto de ícones criado pela equipe do Lubuntu para seu sistema operacional.
Instalando o conjunto de ícones Lubuntu-Box no Ubuntu
Para alcançar esse objetivo, eles fazem um trabalho árduo em cada pixel dos ícones. Nesse trabalho extremamente difícil, cada ícone está sendo retocada pixel por pixel, para obter uma interface agradável e o usuário possa se sentir confortável com o seu desktop.
Instalando o conjunto de ícones Lubuntu-Box no Ubuntu
Instalando o conjunto de ícones Lubuntu-Box no Ubuntu

Conheça melhor o conjunto de ícones Lubuntu-Box

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o conjunto de ícones Lubuntu-Box no Ubuntu e derivados

Para instalar o conjunto de ícones Lubuntu-Box no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o conjunto de ícones Lubuntu-Box usando o seguinte comando:

sudo apt-get install lubuntubox

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Como instalar o conjunto de ícones Lubuntu-Box manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, basta fazer o download do instalador .deb diretamente nesse link, e depois clicar nele para instalar manualmente.

Desinstalando o conjunto de ícones Lubuntu-Box no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o conjunto de ícones Lubuntu-Box no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o conjunto de ícones Lubuntu-Box, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove lubuntubox

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Via NoobsLab

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

11 de fevereiro de 2016

Fatura do NuBank em CSV

O Que é NuBank?

Para quem não conhece, NuBank é um cartão de crédito que não te cobra anuidade e tem um ótimo atendimento, além de um aplicativo para celular bastante fácil de usar (é sua única interface com eles). Em resumo: eles estão fazendo o que em geral os bancos não fazem e estão lucrando com isso! Já faz alguns meses que estou usando e recomendo! Se quiser saber mais detalhes acesse a página deles.

Problemas

O NuBank, apesar de muito bom, para mim poderia melhorar em alguns detalhes:

  • Ainda não dá para transferir as milhas do cartão para compra de passagens aéreas;
  • Ainda não consigo colocar o pagamento da fatura como débito automático no Banco do Brasil (parece que só está disponível para Santander);
  • É chato ter que usar o PDF da fatura para conferir meus gastos.

Quando estou no Brasil tento usar o NuBank para todas as compras, pois isso facilita muito o controle dos meus gastos - caso não concorde que gastar no cartão é melhor para ter o controle dos gastos então leia o adendo (quando estou fora evito usar o cartão de crédito pois o IOF para compras internacionais é de 6,38%). Porém, como a fatura vem por email em PDF e não dá pra exportar para outros formatos pelo aplicativo, torna-se trabalhoso (e chato) demais o processo de jogar os gastos para minha planilha financeira pessoal e conferí-los. Como adoro programar e programar é, em resumo, automatizar coisas, resolvi criar um software para fazer a conversão da fatura do NuBank PDF para CSV (que antes eu fazia manualmente). :D

Convertendo a Fatura

O código do software está todo na minha conta no GitHub, chama-se nubank-to-csv. Ele foi escrito em Python usando a minha biblioteca rows (para facilitar a extração para CSV e qualquer outro formato tabular) e a biblioteca lxml para extrair os dados do HTML que é gerado pelo pdftohtml. Fique à vontade para contribuir com o script caso você manje dos paranauê (fiz uma lista de sugestões de contribuição).

O fluxo então é esse:

Fatura em PDF >[pdftohtml]> Fatura em HTML >[nubank-to-csv]> Fatura em CSV

Depois de instalar o nubank-to-csv e suas dependências basta rodar dois comandos:

pdftohtml fatura.pdf
python nubank.py faturas.html fatura-lindona.csv

O arquivo na segunda linha é faturas.html (com "s") mesmo -- esse arquivo é gerado pelo pdftohtml (junto com outros) depois da conversão. Você pode deletar os arquivos gerados pelo pdftohtml depois disso. Esse comando não segue bem a filosofia do UNIX e é bem inflexível (não dá pra especificar o nome do arquivo de saída, por exemplo). :-/

Uma coisa legal do script é que ele já junta as entradas relacionadas a IOF com o gasto que gerou o IOF, facilitando bastante meu controle! :D

Convertendo o CSV para Outro Formato

Se você tem a command-line interface da biblioteca rows instalada (pip install rows ou apt-get install rows) você também pode converter o CSV para diversos outros formatos, como XLS, XLSX, JSON, SQLite, HTML e TXT. Para converter, basta rodar:

rows convert fatura-lindona.csv fatura.xls

Caso queira outro formato em vez de XLS, basta trocar "xls" ali pela extensão desejada que o software é esperto o suficiente para identificar. :)

Adendo: Controle das Contas

Muita gente prefere evitar o uso do cartão de crédito para ter mais controle das contas (já vi muitos conselhos vindos de profissionais do ramo financeiro sobre evitar o uso do cartão). Eu prefiro usar o cartão sempre que possível (quando estou no Brasil) pois quando gasto em dinheiro em geral esqueço facilmente com o que gastei (e eu gosto de saber com o que gastei meu dinheiro - essa é a primeira ação para conseguir manter uma vida financeira saudável).

Muita gente se assusta quando eu digo isso porque a maior parte das pessoas que usa o cartão de crédito tem "uma surpresa" quando chega a fatura. Eu nunca tenho surpresas pois:

  • Na planilha onde controlo meus ganhos e gastos já tenho estimativas de entrada e saída para os próximos meses;
  • Duas vezes por semana vejo pelo aplicativo do NuBank o que gastei nos últimos dias e lanço na planilha do próximo mês (que é quando terei que pagar a fatura); e
  • Quando a fatura chega eu a converto para CSV, abro no LibreOffice e confiro se está de acordo com o que lancei na minha planilha financeira anteriormente.

Com esses simples passos eu sei exatamente o valor da fatura que virá e tenho como me conter caso esteja gastando demais!

Curtiu? Que tal compartilhar com seus amigos? ;)

Dúvidas e sugestões? Comente! :)

Baixe e deixe seu desktop mais bonito – papeis de parede de paisagens com arco-íris

Quer deixar sua área de trabalho mais bonita? Experimente colocar bonitos papeis de parede de paisagens com arco-íris nela e veja como ficará. Com certeza, muitos além de você gostarão do resultado.


Adicione um pouco de cor totalmente natural para o seu desktop com essas imagens. Além de cores, as imagens trazem paisagens naturais e belíssimos efeitos visuais por conta dos arco-íris presente em todas elas. Escolha uma das imagens (ou todas), baixe e dê um “novo horizonte” ao seu desktop.
Baixe e deixe seu desktop mais bonito - papeis de parede de paisagens com arco-íris

Ajustando as imagens

Estes papéis de parede variam em tamanho, por isso, pode ser que você tenha que cortar, esticar, ou colocá-los em um fundo colorido, a fim de melhor ajustá-lo à resolução de sua tela. Se precisar fazer algo nesse sentido, você pode usar um dos tutoriais abaixo para fazer isso:
Como ampliar uma imagem sem perder qualidade usando o GIMP
SmillaEnlarger – uma ferramenta gráfica para redimensionar imagens
Como instalar o Batch Image Resizer e redimensionar várias imagens ao mesmo tempo
Como redimensionar e converter imagens usando o ImageMagick no terminal
Como instalar a versão mais recente do conversor de imagens Converseen

Papeis de parede de paisagens com arco-íris

Deixe seu desktop mais bonito com estes papeis de parede de paisagens com arco-íris. Para vê-las em tamanho real, apenas clique na imagem:

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como jogar 2048 no terminal do Linux

Quer começar o dia relaxando? Então que tal um bom e nostálgico jogo? Melhor que tal jogar 2048 no terminal do Linux? Ficou curioso? Veja a seguir, como fazer isso.


2048 é um jogo nostálgico. Mesmo que na era dos smartphones, os jogos de terminais tenham perdido sua glória (se é que já tiveram isso), ainda existem muitas pessoas que gostam desse tipo de jogo.

Ok! Eu sei que é um tipo de jogo que está meio fora de moda, mas isso não é desculpa para não tentar jogar. Além disso, esta versão do 2048 para o terminal do Linux é tão boa, que você certamente ficará disposto a lhe dar uma chance, mesmo que você ache que terminal é sinônimo de trabalho sem diversão.
Como jogar 2048 no terminal do Linux
Caso você não goste tanto de jogos, mas curta programação, dê uma olhada no script, pois ele é um bom exemplo dessa arte.

Conheça melhor o jogo 2048

A ideia do jogo 2048 é muito simples: juntar os blocos para formar um no valor de 2048. Entretanto, não é tão fácil fazer isso. É necessário usar o raciocínio para movimentar os blocos da melhor maneira possível e atingir o objetivo antes que você fique sem movimentos. Use as setas do teclado para movimentar os blocos.
Para saber mais sobre esse aplicativo, clique nesse link.

Como jogar 2048 no terminal do Linux

Para instalar e jogar 2048 no terminal do Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Baixe o programa com o comando abaixo. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o no seu PC:

wget https://raw.githubusercontent.com/mydzor/bash2048/master/bash2048.sh

Passo 3. Depois de baixar, torne o script executável com o comando abaixo;

chmod +x bash2048.sh 

Passo 4. Agora, execute o jogo com, chamando o script;

./bash2048.sh

Pronto! Divirta-se e relaxe com esse simples jogo, mas cuidado para não viciar nele. :)

Via It’s F.O.S.S.

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Gravador de áudio para pc: Instale o Audio Recorder e grave áudio de sistema, microfone ou aplicações

Se você está precisando capturar o áudio de seu sistema, microfone ou aplicações, experimente instalar e usar o gravador de áudio para pc Audio Recorder.


Audio Recorder é um incrível programa de gravação de áudio. Essa pequena ferramenta permite ao usuário gravar o áudio de microfones, webcams, placa de som do sistema, media player ou navegador e etc Ele pode salvar a gravação em vários formatos listados: Ogg, MP3, Flac, Wav (22kHz), Wav (44kHz) e SPX.
Gravador de áudio para pc: Instale o Audio Recorder e grave áudio de sistema, microfone ou aplicações
Gravador de áudio para pc: Instale o Audio Recorder e grave áudio de sistema, microfone ou aplicações
O programa permite o uso de placa de som do sistema de origem, microfone, áudio/vídeo player, qualquer aplicativo (como chamadas Skype com qualquer interação do usuário) e um programa definido pelo usuário para gravação.
Gravador de áudio para pc: Instale o Audio Recorder e grave áudio de sistema, microfone ou aplicações
Ele também pode ser configurado para interromper a gravação se o limite do arquivo de saída definido pelo usuário, for alcançado. Além disso, você pode configurar um temporizador manualmente dentro do Audio Recorder para agendar gravações, e o programa irá iniciar/parar/pausar a gravação em determinado tempo. Ele também traz um indicador de painel para Ubuntu, de onde o usuário pode facilmente acessar algumas opções como: exibir/ocultar janela, iniciar/parar a gravação e abrir o local onde a gravação está sendo salva.

Gravador de áudio para pc: Instale o Audio Recorder e grave áudio de sistema, microfone ou aplicações

Conheça melhor o gravador de áudio para pc Audio Recorder

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Instalando o gravador de áudio para pc Audio Recorder no Ubuntu e derivados

Para instalar o gravador de áudio para pc Audio Recorder no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:osmoma/audio-recorder

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install audio-recorder

Como instalar o gravador de áudio para pc Audio Recorder manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite audio no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o gravador de áudio para pc Audio Recorder no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o gravador de áudio para pc Audio Recorder no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:osmoma/audio-recorder --remove
sudo apt-get remove audio-recorder
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Zorin OS 11 Tour e visão geral em vídeo e screenshots

Se você ainda não experimentou e está curioso, conheça, faça um tour e tenha uma visão geral da distribuição Zorin OS 11 através de um vídeo e uma galeria de screenshots.


Zorin OS 11 é uma distribuição Linux baseada no Ubuntu 15.10 Wily Werewolf que foi lançada recentemente pelo Zorin OS Development Team, e já está disponível para download.

Esta versão vem com o ambiente de desktop Zorin integrado com o Zorin Menu para customização sem precedentes e o Zorin Look Changer para extrema facilidade de uso. A distro também vem com o gerenciador Zorin Web Browser Manager, para facilitar a instalação dos navegadores web.

Zorin OS 11 traz por padrão o Linux Kernel 4.2, um utilitário gerenciador de contatos, um aplicativo Clocks para definir alarmes ou usar cronômetro e timer, e um novo aplicativo reprodutor de vídeo. Além disso, o Wine .1.6 e o PlayOnLinux 1.4.2 vem instalado por padrão para os usuários que precisam instalar jogos e aplicações do Windows no Zorin OS.
Zorin OS 11 Tour e visão geral em vídeo e screenshots
Zorin OS 11 Tour e visão geral em vídeo e screenshots

Conheça melhor a distribuição Zorin OS

Para saber mais sobre a distribuição Zorin OS, clique nesse link.
Para saber mais sobre essa versão da distribuição, acesse a nota de lançamento.
Para conhecer melhor, assista o vídeo abaixo e faça um tour através de uma galeria de screenshots da distribuição Zorin OS 11, acessando essa página do site Linux Scoop.

Baixe e experimente o Zorin OS 11

A imagem ISO do Zorin OS 11 já pode ser baixada acessando o link abaixo:
Zorin OS 11

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu
Via linuxscoop

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Aprenda a usar o Skype WiFi no Skype para Linux

Você usa o sistema do pinguim e quer utilizar WiFi em locais públicos? Então experimente usar o Skype WiFi no Skype para Linux e explore melhor esse aplicativo, e claro, a Internet.


Quem nunca precisou se conectar na Internet e na hora não tinha nem uma opção para usar? Isso é especialmente mais fácil de acontecer quando estamos fora de casa ou pior, em outro país, onde não dá para usar o plano de dados do celular. Para quem passou por uma situação como essa, existe uma possível solução: Skype Wifi.

Com esse recurso você consegue se conectar usando os mais de um milhão de pontos de acesso Wifi disponíveis em todo o mundo e paga apenas pelo tempo de uso, com Créditos Skype.

Mesmo que você “ainda” não precise desse recurso, é uma boa dar uma olhada nele. Afinal, quem sabe amanhã ou mais tarde você precisa e não consegue ver esse tutorial?

Conheça melhor o Skype Wifi

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como usar o Skype WiFi no Skype para Linux

O Skype para Linux já vem com Skype WiFi, ou seja, você só precisa ter a versão mais recente do Skype no seu sistema. Se você ainda não instalou o programa veja como fazer isso nesse tutorial:
Instalando o Skype no Ubuntu
Depois, conecte-se a um ponto de acesso compatível e execute o programa. Clique no ícone do Skype no painel e depois no item “Skype WiFi”.
Aprenda a usar o Skype WiFi no Skype para Linux
Caso a rede seleciona seja incompatível com o Skype WiFi, será exibida uma janela explicando e sugerindo que você selecione outra rede.
Aprenda a usar o Skype WiFi no Skype para Linux
Mas se a rede seleciona for compatível com o Skype WiFi, apenas siga as instruções exibidas na tela para selecionar e se conectar.Dependendo do provedor, o procedimento pode variar e em algum ponto dele será necessário digitar seu usuário e senha da conta Skype.
Aprenda a usar o Skype WiFi no Skype para Linux
Lembre-se que para ficar online, você precisará ter Crédito Skype na sua conta. Se tudo deu certo, você já pode navegar normalmente, acessar aplicativos online, mensagens, mandar e-mails, e também usar o Skype.

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Resumo semanal de 01/02/2016 a 07/02/2016

Você sabia que o Ubuntu 16.04 Alpha 2 já está disponível para download? Ou já sabe como assistir filmes do HBO e Telecine no Linux com Pipelight? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essas postagens. Mas não se preocupe, leia o resumo semanal de 01/02/2016 a 07/02/2016 e se atualize.
Resumo semanal de 01/02/2016 a 07/02/2016
Mas você já deve saber Comparar e sincronizar pastas: Como instalar o FreeFileSync no Ubuntu? Ou já sabe como ativar o recurso de minimizar janela de aplicativo ao clicar no Lançador Unity? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

Resumo semanal de 01/02/2016 a 07/02/2016

01/02/2016

02/02/2016

03/02/2016

04/02/2016

05/02/2016

06/02/2016

Ubuntu 15.10

Quem quiser experimentar o Ubuntu 15.10 pode baixá-lo, acessando os links nessa postagem.

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

Como atualizar para o Ubuntu 15.10

Quem precisar atualizar para o Ubuntu 15.10, basta seguir esses tutoriais:
Como atualizar para o Ubuntu 15.10 na versão desktop
Como atualizar para o Ubuntu 15.10 server
Como atualizar para o Ubuntu 15.10 usando disco de instalação

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.10

Quem acabou de mudar para o Ubuntu 15.10, pode dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.10

Ubuntu 15.04

Quem quiser experimentar o Ubuntu 15.04 pode baixá-lo, acessando os links nessa postagem.

Como atualizar para o Ubuntu 15.04

Quem precisar atualizar para o Ubuntu 15.04, basta seguir esses tutoriais:
Como atualizar para o Ubuntu 15.04 na versão desktop
Como atualizar para o Ubuntu 15.04 server
Como atualizar para o Ubuntu 15.04 usando disco de instalação

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.04

Quem acabou de mudar para o Ubuntu 15.04, pode dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.04

Ubuntu 14.10

Já se você quiser usar o Ubuntu 14.10 pode baixá-lo, acessando os links nessa postagem.

Como atualizar do 14.04 para o 14.10

Quem precisar atualizar do 14.04 para o 14.10, basta seguir esses tutoriais:
Desktop
Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10
Como atualizar o Ubuntu Server para uma nova versão

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Vale lembrar que a Canonical anunciou o fim do suporte ao Ubuntu 14.10, e portanto, embora isso não seja o fim da versão, é uma boa ideia começar a atualizar seu sistema para uma versão mais recente ou usar a 14.04 LTS, que tem um tempo de suporte maior.

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem ainda está no Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas nas últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

[bjd-responsive-iframe src=”http://www.edivaldobrito.com.br/quer-mais-informacoes-e-dicas.html” scrolling=”yes”]


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o Chromium no Ubuntu pelo canal Beta ou Dev

Se você é um usuário do navegador do Google e gosta de emoções fortes, experimente instalar o Chromium no Ubuntu a partir dos canais Beta ou Dev.


Para quem não sabe, Saikrishna Arcot mantém dois repositórios PPA do Chromium: um para o canal Beta e outro para o canal Dev do Chromium, e ambos são atualizados regularmente para todas as versões do Ubuntu que são suportadas pelo projeto.
Como instalar o Chromium no Ubuntu pelo canal Beta ou Dev
No entanto, há uma desvantagem de usar essas PPA´s: as versões do Chromium disponibilizadas neles não incluem as APIs do Google, o que significa que algumas características como a sincronização do navegador (Sync), não funcionarão por padrão.

Para obter esses recursos de volta, você precisa obter uma chave de API do Google e as instruções para fazer isso estão incluídas na descrição do PPA. Você pode até usar essas versões do Chromium fornecidas pelos repositórios sem a API do Google, mas lembre-se que o Sync, entre outros, não irão funcionar.

Outra coisa que você deve notar é que ao usar esses PPA´s, a instalação atual do Chromium será substituída por uma do PPA, ou seja, você não pode instalar o Chromium Estável, Beta ou Dev ao mesmo tempo.

Essa instalação é para quem quer se aventurar nas novidades desse navegador. Se o que você quer é apenas instalar o navegador do Google, siga o tutorial abaixo e instale o Chrome:
Como instalar o Google Chrome no Linux

Conheça melhor o Chromium

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Como instalar o Chromium no Ubuntu a partir do canal Beta

Para instalar o Chromium no Ubuntu a partir do canal Beta, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório com o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:saiarcot895/chromium-beta

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando a seguir:

sudo apt-get install chromium-browser

Como instalar o Chromium no Ubuntu a partir do canal Dev

Para instalar o Chromium no Ubuntu a partir do canal Dev, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório com o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:saiarcot895/chromium-dev

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando a seguir:

sudo apt-get install chromium-browser

Uma vez instalado, para abrir o programa clique no Dash e digite: chromium

Como reverter as alterações e retornar ao Chromium estável

Se você se arrepender, pode usar o PPA Purge para limpar os dois PPAs acima e voltar para a versão estável do Chromium disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu. Para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, instale o ppa-purge::

sudo apt-get install ppa-purge

Passo 3. Se você adicionou o repositório PPA do Chromium Canal Beta, remova e limpe ele com o seguinte comando:

sudo ppa-purge ppa:saiarcot895/chromium-beta

Passo 4. Mas, se você adicionou o repositório PPA do Chromium Canal Dev, remova e limpe ele com o comando:

sudo ppa-purge ppa:saiarcot895/chromium-dev

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Java no Linux: veja como Instalar manualmente

Java é uma linguagem e ao mesmo tempo uma plataforma importante. No Linux, cada distribuição tem seu modo de fornecer o Java e para dar aos usuários um método que funcione na maioria delas, hoje mostrarei como instalar Java no Linux manualmente (nesse caso o Java da Oracle).


Na maioria das distribuições Linux o Java não vem instalado por padrão, com isso, para ter Java no Linux, o usuário é obrigado a fazer o procedimento de instalação.
Java no Linux manualmente: veja como Instalar
O passo a passo a seguir foi testado por min e possivelmente deverá funcionar na maioria das distribuições, desde que o usuário adapte as particularidades e endereço de arquivos aos comandos. Depois de feito uma vez, nas próximas atualizações, só será necessário repetir o procedimento.

Conheça melhor o Java

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Caso já tenha feito alguma instalação manual, antes de fazer os passos abaixo vá para o procedimento “Como remover o Java no Linux manualmente”, que fica no final desse tutorial.

Como instalar Java no Linux manualmente

Para instalar Java no Linux manualmente, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se você já tiver feito a instalação manual do Java, vá para o procedimento “Como remover o Java no Linux manualmente” (que fica logo abaixo) e só então faça a instalação mostrada nesse procedimento;
Passo 3. Se você já tiver o OpenJDK instalado, vá para o procedimento “Desinstalando o OpenJDK Java no Ubuntu e derivados” (que fica nesse link) ou use o gerenciador de pacotes de sua distribuição para fazer isso. Só depois disso, faça a instalação mostrada nesse procedimento;
Passo 4. Se você já tiver o Oracle Java instalado, vá para o procedimento “Removendo o Oracle Java” (que fica nesse link) ou use o gerenciador de pacotes de sua distribuição para fazer isso. Só depois disso, faça a instalação mostrada nesse procedimento;
Passo 5. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 6. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o Java. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome jre-linux.tar.gz;

wget http://javadl.sun.com/webapps/download/AutoDL?BundleId=116019 -O jre-linux.tar.gz

Passo 7. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o Java. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome jre-linux.tar.gz;

wget http://javadl.sun.com/webapps/download/AutoDL?BundleId=116021 -O jre-linux.tar.gz

Passo 8. Depois de baixar, crie a pasta “jvm” em “/usr/lib” com o comando:

sudo mkdir /usr/lib/jvm

Passo 9. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta criada;

sudo tar zxvf jre-linux.tar.gz -C /usr/lib/jvm

Passo 10. Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

sudo mv /usr/lib/jvm/jre*/ /usr/lib/jvm/jre

Passo 11. Crie um link simbólico para a pasta criada;

sudo ln -s /usr/lib/jvm/jre /usr/lib/jvm/java-oracle

Como configurar o ambiente Java no Linux manualmente

Para configurar o ambiente Java no Linux manualmente, faça o seguinte:
Passo 1. Crie uma cópia do arquivo /etc/profile;

sudo cp -a /etc/profile /etc/profile.original

Passo 2. Agora abra o arquivo com seu editor de texto favorito;

sudo gedit /etc/profile

Passo 3. Digite ou cole (recomendável) o texto abaixo dentro do arquivo, mais exatamente pouco depois das primeiras linhas (os comentários com símbolo # no inicio da linha). A seguir, salve e feche o arquivo;

JAVA_HOME=/usr/lib/jvm/java-oracle/
PATH=$JAVA_HOME/bin:$PATH export PATH JAVA_HOME
CLASSPATH=$JAVA_HOME/lib/tools.jar
CLASSPATH=.:$CLASSPATH
export  JAVA_HOME  PATH  CLASSPATH

Java no Linux manualmente: veja como Instalar
Passo 4. Reinicie o sistema para efetivar a mudança;

sudo reboot

Como instalar o plugin Java no navegador Firefox manualmente

Para instalar o plugin Java no navegador Firefox manualmente, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Para descobrir em que pasta estão os plugins do Firefox, execute o navegador e digite o comando abaixo na caixa de endereço;

about:plugins

Java no Linux manualmente: veja como Instalar
Passo 2. Com a informação, crie um link simbólico do plugin Java para a pasta de plugins do Firefox, digitando o comando abaixo em um terminal (lembre-se de ajustar o endereço “/usr/lib/mozilla/plugins/” para o encontrado no passo anterior);

sudo ln -s /usr/lib/jvm/java-oracle/lib/amd64/libnpjp2.so /usr/lib/mozilla/plugins/libnpjp2.so

Como instalar o plugin Java no navegador Chrome manualmente (até versão 34)

Para instalar o plugin Java no navegador Chrome manualmente, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Para descobrir em que pasta estão os plugins do Chrome, execute o navegador e digite o comando abaixo na caixa de endereço. Na tela que aparece, se não for possível ver o endereço dos plugins, clique no link “Detalhes”;

chrome://plugins/

imagem
Passo 2. Com a informação, crie um link simbólico do plugin Java para a pasta de plugins do Chrome, digitando o comando abaixo em um terminal (ajuste o endereço “/opt/google/chrome/” para o encontrado no passo anterior);

sudo ln -s /usr/lib/jvm/java-oracle/lib/amd64/libnpjp2.so /opt/google/chrome/libnpjp2.so

Verificando a versão do Java e se o plugin está funcionando

Para saber se o plugin está funcionando, acesse a página de verificação do Oracle Java e clique no botão “Verificar versão do Java”;
Java no Linux manualmente: veja como Instalar

Java no Linux manualmente: veja como Instalar

Como remover o Java no Linux manualmente

Para remover o Java no Linux manualmente, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Apague a pasta “jvm” em “/usr/lib” com o comando:

sudo rm -Rf /usr/lib/jvm

Passo 3. Caso já tenha instalado plugin no Firefox, descubra em que pasta estão os plugins do Firefox, executando o navegador e digitando o comando about:plugins na caixa de endereço e depois apague o atalho com o comando abaixo (lembre-se de ajustar o endereço “/usr/lib/mozilla/plugins/” para o que foi encontrado);

sudo rm -Rf /usr/lib/mozilla/plugins/libnpjp2.so

Passo 4. Caso já tenha instalado plugin no Chrome, descubra em que pasta estão os plugins do Chrome, executando o navegador e digitando o comando chrome://plugins/ na caixa de endereço e depois apague o atalho com o comando abaixo (lembre-se de ajustar o endereço “/opt/google/chrome/” para o que foi encontrado);

sudo rm -Rf /opt/google/chrome/libnpjp2.so

Pronto! Com os procedimentos acima e pequenos ajustes, em poucos minutos você terá o Java funcionando em seu sistema Linux e poderá começar a usar seus recursos.

Via Oracle e Viva o Linux

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

10 de fevereiro de 2016

Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux

Saiu mais uma atualização do LibreOffice. Se você está querendo experimentar essa versão do LibreOffice no Linux antes de todos, veja como instalar.


O LibreOffice é uma suíte de escritório livre compatível com os principais pacotes de escritório do mercado. O pacote oferece todas as funções esperadas de uma suíte profissional: editor de textos, planilha, apresentação, editor de desenhos e banco de dados. Desenvolvido pela The Document Foundation, ele é bem mais que isso, o LibreOffice é uma das mais populares suíte de escritório multiplataforma e de código aberto.
Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux
Entre os recursos encontrados nessa versão, estão o suporte a Emoji e substituição em palavras, melhores recursos de recorte de imagem, realce de texto compatível com o word, melhorias para o formato DOC, melhorias no gerenciamento de tabelas, várias melhorias no formato OOXML, suporte a arrastar e soltar de imagens, previews de estilo na barra lateral, a falta estilo de parágrafo em notas de rodapé para documentos DOCX foi corrigido e também foram implementados algumas correções de OpenGL.

Conheça melhor o pacote office LibreOffice

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link
Para saber mais sobre o LibreOffice no Linux, clique nesse outro link.
Para ver o que há de novo no LibreOffice, acesse a nota de lançamento ou esse anúncio em português.

Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux

A seguir, você verá como instalar a versão a próxima versão do LibreOffice no Linux, mais especificamente em distribuições baseadas em pacotes RPM (como Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e seus derivados) e DEB (como Debian, Ubuntu e sistemas derivados destes).

Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e seus derivados

Para instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e sistemas derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se o programa já estiver instalado no seu sistema, remova-o usando o gerenciador de pacotes da sua disto;
Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.1.0/rpm/x86/LibreOffice_5.1.0_Linux_x86_rpm.tar.gz -O libeoffice.tar.gz
wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.1.0/rpm/x86/LibreOffice_5.1.0_Linux_x86_rpm_langpack_pt-BR.tar.gz -O libreOffice-pt-br.tar.gz

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.1.0/rpm/x86_64/LibreOffice_5.1.0_Linux_x86-64_rpm.tar.gz -O libreOffice.tar.gz
wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.1.0/rpm/x86_64/LibreOffice_5.1.0_Linux_x86-64_rpm_langpack_pt-BR.tar.gz -O libreOffice-pt-br.tar.gz

Passo 6. Descompacte os arquivos baixados com o comando:

tar -vzxf libreOffice.tar.gz
tar -vzxf libreOffice-pt-br.tar.gz

Passo 7. Vá para a pasta criada e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

cd LibreOffice_*
cd RPMS

Passo 8. Agora instale o programa, usando esse comando:

sudo rpm -i *.rpm

Passo 9. Vá para a pasta criada pelo pacote de linguagem e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

cd 
cd LibreOffice*langpack_pt-BR/
cd RPMS

Passo 10. Agora instale os pacotes de linguagem, usando esse comando:

sudo rpm -i *.rpm

Passo 11. Se depois você precisar desinstalar o programa no Fedora ou CentOS ou outro derivado deles, use o comando abaixo;

sudo yum remove libreoffice*

Passo 12. Se depois você precisar desinstalar o programa no OpenSUSE ou um derivado dele, use o comando abaixo;

sudo zypper remove libreoffice*

Passo 13. Se depois você precisar desinstalar o programa no Mageia ou OpenMandriva ou qualquer derivado deles, use o comando a seguir;

sudo urpme libreoffice*

Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Debian, Ubuntu e seus derivados

Para instalar ou atualizar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Debian, Ubuntu e seus derivados, usando os DEBs oficiais, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se o programa já estiver instalado no seu sistema, execute o comando a seguir para remover a instalação anterior:

sudo apt-get remove --purge libreoffice*

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.1.0/deb/x86/LibreOffice_5.1.0_Linux_x86_deb.tar.gz -O libreOffice.tar.gz
wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.1.0/deb/x86/LibreOffice_5.1.0_Linux_x86_deb_langpack_pt-BR.tar.gz -O libreOffice-pt-br.tar.gz

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.1.0/deb/x86_64/LibreOffice_5.1.0_Linux_x86-64_deb.tar.gz -O libreOffice.tar.gz
wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.1.0/deb/x86_64/LibreOffice_5.1.0_Linux_x86-64_deb_langpack_pt-BR.tar.gz -O libreOffice-pt-br.tar.gz

Passo 6. Descompacte os arquivos baixados com o comando:

tar -vzxf libreOffice.tar.gz
tar -vzxf libreOffice-pt-br.tar.gz

Passo 7. Vá para a pasta criada e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

cd LibreOffice_*
cd DEBS

Passo 8. Agora instale o programa, usando esse comando:

sudo dpkg -i *.deb

Passo 9. Vá para a pasta criada pelo pacote de linguagem e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

cd 
cd LibreOffice*langpack_pt-BR/
cd DEBS

Passo 10. Agora instale os pacotes de linguagem, usando esse comando:

sudo dpkg -i *.deb

Passo 11. Se depois você precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove libreoffice*

Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Ubuntu e seus derivados

Agora se você estiver usando o Ubuntu ou um de seus derivados, existe um repositório que permite instalar a versão mais recente do LibreOffice nesse sistema de um jeito bem fácil e rápido, como será mostrado a seguir.
Para instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:libreoffice/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install libreoffice

Passo 5. Caso seja necessário, desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove libreoffice
sudo apt-get autoremove

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o LibreOffice no Linux, digite libreoffice em um terminal, seguido da tecla TAB.

Mais sobre o LibreOffice no Linux

Via UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar a última versão do VLC no Ubuntu

Novas versões do VLC são lançadas com frequência, e mesmo que alguns não tragam nenhuma nova funcionalidade, sempre há importantes correções de bugs, que podem resolver muitos problemas. Por isso, para manter seu player sempre atualizado, veja aqui como instalar a última versão do VLC no Ubuntu.


VLC media player é um reprodutor multimídia, framework, streamer e encoder. Ele pode reproduzir arquivos, streams de rede, DVDs, CDs de áudio, Blu-Rays, dispositivos de captura, e telas. Na verdade, ele pode reproduzir a maioria dos codecs e formatos de áudio e vídeo (MPEG 1/2/4, H264, VC-1, DivX, WMV, Vorbis, AC3, AAC, MKV, etc.) e também pode ser usado para converter formatos diferentes ou enviar stream através da rede.
Como instalar a última versão do VLC no Ubuntu

Conheça melhor o VLC

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Quem precisa estar sempre com a última versão dele pode usar o PPA “VLC Daily build of stable branch” (compilação diária do ramo estável do VLC). A vantagem deste PPA é que ele tem pacotes para muitas versões do Ubuntu e também, é atualizado com mais frequência.

Como instalar a última versão estável do VLC no Ubuntu e seus derivados

Para instalar a última versão estável do VLC no Ubuntu, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:videolan/stable-daily

Passo 2. Se você estiver usando o Ubuntu 15.10, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:nicola-onorata/desktop

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install vlc

Como instalar a última versão estável do VLC manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do Unity LauncherSwitcher nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização dele.

Como instalar a última versão de testes do VLC no Ubuntu e seus derivados

Para instalar a última versão de testes do VLC no Ubuntu, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:videolan/master-daily

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install vlc

Como instalar a última versão instável do VLC manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do Unity LauncherSwitcher nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização dele.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite vlc no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o VLC no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o VLC no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove vlc
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo ago?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instalando o tema Ubuntu Touch no Ubuntu

Quer experimentar o Ubuntu touch sem ter que instalar o sistema em um smartphone? Então instale o tema Ubuntu Touch no Ubuntu e coloque um pouco do Ubuntu Touch no Unity para desktop.


Ubuntu Touch é uma versão móvel do sistema operacional Ubuntu, que está sendo desenvolvido pela Canonical em conjunto com a Comunidade Ubuntu. Ele é projetado principalmente para dispositivos móveis touchscreen, como smartphones e computadores tablet.
Instalando o tema Ubuntu Touch no Ubuntu
Por ser um sistema operacional Linux mobile bastante aguardado pelos usuários e que atrai a atenção de nerds, se você quiser “experimentar” o estilo do Ubuntu Touch no seu ambiente de trabalho, instale o tema Ubuntu Touch GTK.
Instalando o tema Ubuntu Touch no Ubuntu
Este tema foi criado para dar um pequeno toque de Ubuntu Touch no Unity para desktop. Aliás, o tema também é compatível com as versões 17/17.x do Linux Mint.

Para os curiosos, o conjunto de ícones Ultra-Flat foi usado ​​no imagens desse texto.

Conheça melhor o tema Ubuntu Touch

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o tema Ubuntu Touch no Ubuntu e derivados

Para instalar o tema Ubuntu Touch no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema Ubuntu Touch usando o seguinte comando:

sudo apt-get install ubuntu-touch-theme

Como instalar o tema Ubuntu Touch manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Desinstalando o tema Ubuntu Touch no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o tema Ubuntu Touch no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o tema Ubuntu Touch, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove ubuntu-touch-theme

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Via NoobsLab

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Filtros e efeitos para imagens: instale e experimente G’MIC

Se você trabalha com imagens e quer uma boa variedade de filtros e efeitos para usar nelas, experimente instalar o G’MIC.


G’MIC (GREYC’s Magic for Image Computing) é uma ferramenta de edição, que pode ser usada com o GIMP ou como um aplicativo independente. Ele fornece uma janela que permite que os usuários adicionem mais de 500 filtros sobre fotos, e visualizar o resultado.
Filtros e efeitos para imagens: instale e experimente G'MIC
G’Mic vem com interfaces diferentes: uma ferramenta de linha de comando, um serviço web, uma interface baseada em Qt para manipulação de webcam em tempo real, uma biblioteca e um plugin GIMP. Nesse tutorial, será mostrado como instalar o G’MIC e o plugin G’MIC GIMP.

Se você estiver interessado na lista completa de filtros disponíveis com o plugin G’MIC para o GIMP, você pode encontrá-lo nesse link.
Lá você também pode ver a maioria dos filtros G’MIC em ação.

Conheça melhor o G’MIC

Para saber mais sobre o G’MIC, clique nesse link.

Como instalar o G’MIC no Ubuntu e seus derivados

G’MIC e o plugin G’MIC GIMP estão disponíveis nos repositórios oficiais do Ubuntu, no entanto, essa não é a versão mais recente. Se você não está preocupado em conseguir a última versão, pode instalar eles usando a Central de programas ou digitando sudo apt-get install gmic gimp-gmic em um terminal. Mas se o que você quer mesmo é a ultima versão, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:otto-kesselgulasch/gimp

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install gmic gimp-gmic

Como instalar o G’MIC manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Uma vez instalado, abra uma foto no GIMP, vá em “Filtros” e em seguida em “G’MIC”. Em uma caixa de diálogo pop-up a partir do qual você pode selecionar o efeito que deseja aplicar.
Cada efeito é, naturalmente, personalizável e você pode ver uma visualização ao vivo na janela do G’MIC.

Desinstalando o G’MIC no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o G’MIC no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove gmic gimp-gmic
sudo apt-get autoremove

Via WebUpd8

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Drivers da HP: Instale ou atualize o HPLIP

Se você tem alguma impressora, fax e scanner da HP e precisa de suporte para isso no seu sistema Linux, veja como instalar ou atualizar o HPLIP para versão mais recente e obter os drivers da HP.


HPLIP ou Hewlett-Packard Linux Imaging and Printing, é um software que vem com drivers de impressão, fax e digitalização para cerca de 2.295 impressoras HP sob sistemas baseados em Linux. Ele é um software livre, de código aberto distribuído sob a MIT, BSD e licença GPL.
Drivers da HP: Instale ou atualize o HPLIP
Normalmente, a cada nova versão é adicionado o suporte para novos dispositivos de impressão, fax e digitalização da HP, novas distribuições, bem como várias correções.
Drivers da HP: Instale ou atualize o HPLIP
Para verificar todas as novidades e os problemas que foram corrigidos na última versão desse software, clique nesse link.

O aplicativo foi atualizado recentemente, e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o HPLIP

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link
A HP não fornece suporte formal ou comercial ao consumidor para este software. O suporte é fornecido informalmente através de uma série de recursos no site Launchpad.net, e no site oficial do link acima.

Instalando o HPLIP para obter os drivers da HP no Linux

Para instalar o HPLIP e obter os drivers da HP no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o instalador do HPLIP. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome hplip.run:
com o comando:

wget http://ufpr.dl.sourceforge.net/project/hplip/hplip/3.16.2/hplip-3.16.2.run -O hplip.run

Passo 3. Torne o instalador um executável usando esse comando:

chmod +x hplip.run

Passo 4. Agora inicie a instalação com o comando:

./hplip.run

Em seguida, siga as instruções de configuração e no final do assistente tudo estará instalado.

Via UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

Originally posted 2015-09-14 12:30:58. Republished by Blog Post Promoter


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como criptografar um pendrive para uso apenas no Linux

Se você precisar guardar informações importantes em um pendrive e quer deixá-lo mais seguro, veja nesse tutorial como criptografar um pendrive para ser usado apenas no Linux.


Quem possui uma unidade flash USB ou partições em dispositivos USB e que são usadas apenas em computadores Linux, pode facilmente adicionar uma senha para proteger a unidade ou partição via LUKS + EXT4 no Ubuntu Linux usando o utilitário de discos padrão do sistema.

A seguir, você verá como criptografar um pendrive para ser usado apenas no Linux. Antes de começar, é muito importante que você faça um backup da unidade ou partição que será usada.

Como criptografar um pendrive para ser usado apenas no Linux.

Para criptografar um pendrive para ser usado apenas no Linux. e, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Para adicionar suporte a criptografia de disco utilitário padrão de Discos, procure e instale o pacote cryptsetup na Central de programas do Ubuntu, ou se preferir, abra um terminal e use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install cryptsetup

Como criptografar um pendrive para uso apenas no Linux
Passo 2. Abra o utilitário Discos, digitando disco no Dash ou em um terminal;
Como criptografar um pendrive para uso apenas no Linux
Passo 3. Conecte seu pendrive no PC;
Passo 4. Quando o pendrive aparecer no painel esquerdo do aplicativo, clique nele e depois no ícone à esquerda do sinal de menos, para desmontá-lo;
Como criptografar um pendrive para uso apenas no Linux
Passo 5. Agora clique no ícone da engrenagem. No menu que aparece, selecione a opção “Formatar…”;
Como criptografar um pendrive para uso apenas no Linux
Passo 6. Na janela que será exibida, clique na seta ao lado do campo “Tipo” e selecione a opção “Criptografado, compatível com sistemas Linux (LUKS + EXT4)”. Depois digite um nome para a unidade/partição e defina uma senha. Finalmente, clique no botão “Formatar…”;
Como criptografar um pendrive para uso apenas no Linux

Pronto! Da próxima vez que você plugar o pendrive, será solicitada a senha para acessar a partição.

Via UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Não quero usar Unity, prefiro o Gnome Classic no Ubuntu

Não gosta de usar o Unity? Não tem problema, pois afinal existem boas opções para substitui-lo, dentre elas, está o Gnome Classic. Se isso lhe interessa, conheça um pouco mais sobre ele e veja como instalar o ambiente Gnome Classic no Ubuntu.


O ambiente Gnome Classic ou Flashback é uma sessão para o Gnome 3, que foi inicialmente chamado de “Gnome Fallback” (Gnome de contingência), e é instalado como uma sessão autônoma no Debian e Ubuntu. Ele fornece uma experiência de usuário similar às sessões séries 2.x do GNOME.

A principal característica do Gnome Classic é o seu visual simples e leve com acesso rápido às aplicações, que chega a lembrar muito o Ubuntu antigo. Na prática, ele é o ambiente ideal para quem quer experimentar um desktop tradicional.
Não quero usar Unity, prefiro o Gnome Classic no Ubuntu

Conheça melhor essa série

Conheça melhor o ambiente Gnome Classic

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o Gnome Classic no Ubuntu e derivados

Para instalar o Gnome Classic no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install gnome-session-fallback

Passo 4. Em sistemas mais recentes, instale o programa com o comando:

sudo apt-get install gnome-session-flashback

Passo 5. Uma vez instalado, encerre a sessão atual;
Passo 6. Quando você estiver na tela de login, clique no ícone do logotipo e no menu que aparece, selecione a opção Gnome Flashback (Compiz) ou Gnome Flashback (Metacity);
gnome classic no ubuntu
Passo 6. Selecione seu usuário e faça login.

Desinstalando o Gnome Classic no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Gnome Classic no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o Gnome Classic, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove gnome-session-fallback

ou

sudo apt-get remove gnome-session-flashback
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

09 de fevereiro de 2016

Zorin OS 11 já está disponível para download

Foi lançada recentemente a distribuição Linux Zorin OS 11. Conheça mais um pouco sobre ela e descubra onde baixar a distro.


Zorin OS 11 já está disponível para download
Zorin OS é uma distribuição amigável baseada no Ubuntu e projetada para os iniciantes em Linux. A versão 11 é baseada no Ubuntu 15.10 e vem com o Linux kernel 4.2 pré-instalado e atualizado, consequentemente, ele traz correções de bugs, melhor suporte a hardware e melhorias de desempenho.

Zorin OS 11 usa o ambiente Zorin Desktop com o Zorin Menu para customização sem precedentes e o Zorin Look Changer para extrema facilidade de uso. A distro também vem com o gerenciador Zorin Web Browser Manager, para facilitar a instalação dos navegadores web.

Neste release, além de versões novas e melhoradas dos aplicativos padrão pré-instalados, também foram incluídas novas aplicações para ajudar você a fazer mais no Zorin OS, de um jeito mais rápido, melhor e mais divertido. Estas aplicações incluem um gerenciador de contatos embutido, relógio (que permite definir alarmes, um temporizador, cronômetro, bem como ver as horas em diferentes partes do mundo) e um player de vídeo novo, simples e bonito.
Zorin OS 11 já está disponível para download
Zorin OS 11 já está disponível para download
O comportamento da rolagem foi renovado e modernizado para dar mais espaço para o conteúdo, permitindo que você navegue aplicações mais facilmente e de forma mais divertida. A barra de rolagem aparece somente quando você precisa dela, e se expande automaticamente quando o cursor se aproxima da mesma, o que permite rapidamente ter um controle mais preciso. Além disso, agora aparece uma bonita e útil animação brilhante quando você atinge o fim do conteúdo.
Zorin OS 11 já está disponível para download
Também foram feitas melhorias no tema e artes do sistema para deixá-lo melhor do que nunca. O novo tema Zorin Theme Changer é uma variante cinza do tema Zorin OS, disponível em estilo claro, escuro e variantes de preto.
Zorin OS 11 já está disponível para download

Conheça melhor a distribuição Zorin OS

Para saber mais sobre a distribuição Zorin OS, clique nesse link.
Para saber mais sobre essa versão da distribuição, acesse a nota de lançamento.

Baixe e experimente o Zorin OS 11

A imagem ISO do Zorin OS 11 já pode ser baixada acessando o link abaixo:
Zorin OS 11

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

Via Zorin Blog

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 4.4.1

Greg Kroah-Hartman anunciou a primeira atualização da série 4.4, o kernel 4.4.1. Se você quiser atualizar seu sistema para essa nova versão, veja abaixo como fazer isso.
Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 4.4.1
O kernel 4.4.1 é é uma compilação de manutenção bastante normal que promete tratar de várias questões relacionadas as arquiteturas de hardware x86, AMR64 (AArch64) e PPC (PowerPC), atualiza alguns driver USB e de rede (principalmente Ethernet), acrescenta múltiplos aprimoramentos de som e melhora a pilha de rede, especialmente para coisas como BATMAN Advanced, Open vSwitch, IPv6, IPv4, Phonet, SCTP (Stream Control Transmission Protocol), bem como XFRM.

Para ver todas as mudanças presentes nesse kernel, acesse a nota de lançamento.

Antes de iniciar começar a atualizar o kernel do Ubuntu, saiba que este é um procedimento, que apesar de simples, exige conhecimentos avançados do sistema e deve ser feito por sua própria conta e risco.

Outros assuntos


Se preferir, é possível fazer a atualização para esse kernel usando a ferramenta Kernel Update, que automatiza todo o processo, conforme mostrado nesse tutorial:
Como atualizar o kernel do Ubuntu com o Kernel Update
Mas quem quiser executar e ver cada etapa da atualização, basta seguir o procedimento abaixo:

Como atualizar o núcleo do Ubuntu para a versão final do kernel 4.4.1

Para atualizar o núcleo do Ubuntu para a versão final do kernel 4.4.1, faça o seguinte
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema acessando as Configurações do Sistema e a opção “Detalhes” ou usando o comando abaixo:

uname -m

Passo 3. Se estiver usando um sistema de 32 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-headers-4.4.1-040401_4.4.1-040401.201601311534_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-headers-4.4.1-040401-generic_4.4.1-040401.201601311534_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-image-4.4.1-040401-generic_4.4.1-040401.201601311534_i386.deb

Passo 4. Se estiver usando um sistema de 32 bits e quiser usar o kernel de baixa latência, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-headers-4.4.1-040401_4.4.1-040401.201601311534_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-headers-4.4.1-040401-lowlatency_4.4.1-040401.201601311534_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-image-4.4.1-040401-lowlatency_4.4.1-040401.201601311534_i386.deb

Passo 5. Se estiver usando um sistema de 64 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-headers-4.4.1-040401_4.4.1-040401.201601311534_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-headers-4.4.1-040401-generic_4.4.1-040401.201601311534_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-image-4.4.1-040401-generic_4.4.1-040401.201601311534_amd64.deb

Passo 6. Se estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar o kernel de baixa latência, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-headers-4.4.1-040401_4.4.1-040401.201601311534_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-headers-4.4.1-040401-lowlatency_4.4.1-040401.201601311534_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.4.1-wily/linux-image-4.4.1-040401-lowlatency_4.4.1-040401.201601311534_amd64.deb

Passo 7. Instale o kernel com o comando:

sudo dpkg -i linux-headers-4.4.1*.deb linux-image-4.4.1*.deb

Passo 8. Reinicie o sistema com o comando abaixo:

sudo reboot

Passo 9. Se você tiver algum problema e quiser desinstalar o kernel 4.4.1, reinicie o computador com um kernel anterior (usando Grub -> Advanced -> select previous kernel) e quando iniciar o sistema, faça login, abra um terminal e execute o comando abaixo para remover o Linux Kernel 4.4.1:

sudo apt-get remove linux-headers-4.4.1 linux-image-4.4.1

Passo 10. Finalmente atualize o menu do GRUB, com o comando:

sudo update-grub

Nota: Todos os drivers que não fazem parte da principal árvore do kernel (o que obviamente inclui drivers proprietários) devem ser recompilados para novas versões do kernel.

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo ago?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o criador de vídeos slow-motion SlowmoVideo

Compartilhe e ajude a divulgar

Gostou da dica? Aproveite e conte sua experiência nos comentários abaixo. E se quiser saber mais informações, assine nosso feed, pois com ele você receberá as novidades sempre que forem publicadas.

Assine e também compartilhe nossas postagens clicando nos botões do Facebook, Twitter, Google+ e YouTube, para ajudar a divulgar essas informações.

Muito obrigado por visitar o blog e participar dele!

Como instalar a versão mais recente do HandBrake no Ubuntu

Foi lançada mais uma versão de um dos mais poderosos conversores de vídeo. Se você quiser experimentar ou atualizar o programa, veja como instalar a versão mais recente do HandBrake no Ubuntu.
Como instalar a versão mais recente do HandBrake no Ubuntu
Bastante popular, o HandBrake é um decodificador de vídeo de código aberto para Linux, Windows e Mac OS X. O programa é também uma ferramenta para ripar DVDs. Ele converte os filmes em MPEG-4 e, além de oferecer diversas opções de configuração, insere a legenda desejada diretamente no resultado final.

Além de tudo isso, o aplicativo vem com presets embutidos (perfis) e, além de formatos multimídia comuns, ele suporta DVD ou Bluray desprotegidos, legendas e muito mais.
Como instalar a versão mais recente do HandBrake no Ubuntu
O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Outros assuntos

Conheça melhor o HandBrake

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para ver as novidades da última versão, acesse esse link.

Como instalar a versão mais recente do HandBrake no Ubuntu e derivados

Para instalar o HandBrake no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:stebbins/handbrake-releases

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar a versão GTK do HandBrake;

sudo apt-get install handbrake-gtk

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar a versão de linha de comando do HandBrake;

sudo apt-get install handbrake-cli

Como instalar o programa manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o instalador diretamente nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite handbrake no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).
Antes de começar a converter os vídeos, lembre-se que mesmo sendo um programa fácil de utilizar, é sempre bom dar uma olhada no manual dele. Por isso, visite o HandBrake Guide, se quiser aprender um pouco mais sobre como usá-lo.

Desinstalando o HandBrake no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o HandBrake no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove handbrake-gtk handbrake-cli
sudo apt-get autoremove

Via NoobsLab

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instale o editor de imagens Fotoxx no Ubuntu, Debian e derivados

Se você está precisando editar imagens e não quer ficar usando vários programas para conseguir o que quer, experimente instalar o editor de imagens Fotoxx no Ubuntu, Debian e derivados.
Instale o editor de imagens Fotoxx no Ubuntu, Debian e derivados
Fotoxx é uma ferramenta de manipulação de imagem poderosa, aberta e complexa. É o melhor editor para aquelas imagens feitas com câmara digital. Com ele você pode editar fotos e gerenciar uma grande coleção de imagens. O programa é usado principalmente para o corte, redimensionamento ou retoque de fotos, sem o uso de camadas, como o Photoshop.

O editor de imagens inclui navegador em miniatura, importação de arquivo RAW, um conjunto abrangente de funções de edição que trabalham em cor profunda, feedback visual rápido, editar/copiar/colar áreas da imagem selecionada, versões de arquivos, operações em lote, views, HDR, pilha, panorama, montagem, edição de metadados e relatório, pesquisa de imagens usando qualquer metadado e nomes de arquivo (parciais).

Com o Fotoxx você tem um editor de imagens que lhe permite cortar, girar, inverter, redimensionar, fazer a remoção de olhos vermelhos, nitidez de bordas fuzzy, reduzir o ruído em fotos de pouca luz, esticar e distorcer a funcionalidade. O programa suporta a visualização de imagens de câmera RAW (CR2, NEF, etc), bem como todos os outros formatos de imagem, incluindo JPG, PNG, DNG, GIF, TIFF e BMP, em 8 e 16 bits de cor.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o editor de imagens Fotoxx

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o editor de imagens Fotoxx no Ubuntu e derivados

Para instalar o editor de imagens Fotoxx no Ubuntu e derivados, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity, use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não estiver, adicione o repositório do programa como o comando abaixo:

sudo add-apt-repository ppa:dhor/myway

Passo 3. Atualize o APT com o seguinte comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o programa usando esse comando:

sudo apt-get install fotoxx

Como instalar o editor de imagens Fotoxx no Debian Jessie e derivados

Para instalar o editor de imagens Fotoxx no Debian Jessie e derivados, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome fotoxx.deb:

wget http://kornelix.net/downloads/packages/fotoxx-16.02.1-x86_64.deb -O fotoxx.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i fotoxx.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite fotoxx no Dash, ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Desinstalando o editor de imagens Fotoxx

Para desinstalar o editor de imagens Fotoxx, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove fotoxx
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

08 de fevereiro de 2016

BQ Aquaris M10 Tablet – a convergência do Ubuntu finalmente chegou

Com o anuncio do futuro lançamento do BQ Aquaris M10 Tablet, parece que a convergência do Ubuntu finalmente chegou. Conheça um pouco mais sobre o aparelho e o que ele tem de tão especial.
BQ Aquaris M10 Tablet - a convergência do Ubuntu finalmente chegou
Muito comentado nos últimos dias, o BQ Aquaris M10 Tablet pode ser considerado o primeiro tablet com Ubuntu a entregar a tão prometida convergência.

O que é como funciona a convergência do Ubuntu?

Para quem ainda não conhece, uma das características mais esperadas pelos usuários do Ubuntu é a chamada convergência: um perfil de software que lhe permite alternar entre o modo “móvel” de um tablet ou um smartphone, para o modo “Desktop” ou área de trabalho, simplesmente conectando o dispositivo a um monitor.
BQ Aquaris M10 Tablet - a convergência do Ubuntu finalmente chegou
Com essa funcionalidade, usuários do Ubuntu podem levar seu dispositivo móvel e trabalhar nele usando um interface mobile e quando tiver um monitor, teclado e mouse, podem conectar o aparelho e usá-lo como um desktop normal, aumentando assim a sua produtividade.
BQ Aquaris M10 Tablet - a convergência do Ubuntu finalmente chegou
A proposta não é nova, pois o recente Windows 10/Windows Mobile e o OS X/iOS já trabalham nisso há um bom tempo. Contudo, nenhum desses sistemas parece entregar algo próximo do que a Canonical está conseguindo: Um único sistema que se ajusta automaticamente ao modo como o usuário quer usar e com o que pode usar para trabalhar.BQ Aquaris M10 Tablet - a convergência do Ubuntu finalmente chegou

A Canonical afirma que a competição com a Microsoft e seu Continuum (Implementado no Windows 10), não é motivo de preocupação, porque o trabalho feito até agora produziu os resultados desejados, ao menos em termos de eficiência.

Embora o conjunto de aplicações disponíveis no modo tablet certamente não seja tão grande quanto o do iOS ou Android (por exemplo), a Canonical espera compensar esta falta oferecendo “escopos” totalmente funcionais e completos para o que ela chama de atividades chave, tais como mensagens, navegação, edição de documentos e etc.

Funcionalidades oferecidas pela convergência do Ubuntu

  • Multitarefa e gerenciamento de janelas sem esforço;
  • Uma gama completa de aplicações desktop e suporte de thin client para a mobilidade e produtividade;
  • Serviços integrados com notificações de desktop;
  • Capacidade de gerenciar aplicativos e facilmente organizar os favoritos para acesso rápido;
  • Navegação de arquivos simples, criação e gestão de arquivos e pastas;
  • Aplicações responsivas desenvolvidos para entrada via toque e clique com adaptação para qualquer interface que estiver sendo exibida;
  • Controle do sistema abrangente e acesso ao sistema operacional subjacente, se necessário;
  • Loja de aplicativos única com uma gama de serviços de terceiros compatíveis;
  • Comunicação da interface de desktop usando aplicativos de telefonia e mensagens do telefone;
  • Toda a segurança, atualizações e recursos de confiabilidade apreciado pelos usuários do Ubuntu em todo o mundo.

BQ Aquaris M10 Ubuntu Edition

Agora, o novo tablet BQ Aquaris M10 Ubuntu Edition, chegará para oferecer essa funcionalidade de maneira estável e plenamente funcional. Embora o hardware desse tablet não possa ser considerado moderno, e seu desempenho não possa ser comparado com um notebook de nível médio, o Aquaris M10 feito pela espanhola BQ é o primeiro tablet do mundo a entregar a tão sonhada convergência do Ubuntu.
BQ Aquaris M10 Tablet - a convergência do Ubuntu finalmente chegou

Especificações BQ Aquaris M10 Ubuntu Edition

  • Tela de 10,1 polegadas na diagonal com 1280 x 720 pixels;
  • 2 GB de RAM e 16GB de memória interna;
  • Processador Mediatek com clock de 1,5 GHz;
  • Saída micro HDMI;
  • Ubuntu com a convergência;
  • Bateria de alta capacidade de Li-Po (7280mAh);
  • Câmera HD (1080p) completa para gravação de vídeo super-afiada;
  • Câmera traseira de 8 megapixels com câmera frontal autofoco e 5 megapixel;
  • Slot MicroSD para armazenamento extra (até 64GB);
  • Alto-falantes frontais;
  • Dimensões: 246 x 171 x 8,2 milímetros;
  • Pesa apenas 470g.
  • Sistema operacional Ubuntu com convergência.

Quando será o lançamento do BQ Aquaris M10 Ubuntu Edition

Apesar do anuncio da Canonical, a BQ ainda está escolhendo uma data precisa para o lançamento do produto. Tudo indica que será muito em breve, podendo acontecer no mês que vem, já que tanto a BQ com a Canonical dizem que o tablet estará à venda em março.

Mas diferente dos lançamentos anteriores de smartphone com o sistema Ubuntu Touch, a BQ já avisou que: “Ao contrário do ano passado, não haverá venda feita por meio de promoção relâmpago com tempo limitado”.

Quanto custará o BQ Aquaris M10 Ubuntu Edition

A BQ também ainda está definindo um preço final. Mas baseando nos preços da versão do M10 que vem com Android e é vendido por € 259 (cerca de R$ 1.119 em uma conversão direta) e no fato de que tanto os Ubuntu Phones Bq Aquaris E4.5 e E5 estavam a venda no varejo por um preço semelhante ao seus irmãos com Android, é de se esperar que o preço dele fique por algo em torno da marca € 250 (perto de R$ 1.080), excluindo transporte.

Onde comprar o BQ Aquaris M10 Ubuntu Edition

O BQ Aquaris M10 Ubuntu Edition estará a venda diretamente no website global da BQ.

Vale a pena comprar o BQ Aquaris M10 Ubuntu Edition

Será que vai ser enviado para o meu país? No caso do Brasil ainda não dá para comprar diretamente. Mas se você estiver na Europa continental, no Reino Unido ou nos Estados Unidos, a BQ envia para esses locais e você pode comprar o aparelho. Mas claro, Lembre-se de levar em consideração o custo do transporte e quaisquer outras taxações de importação locais que podem ser aplicáveis.

Outros assuntos

Conheça melhor o BQ Aquaris M10 Tablet

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Via lffl linux freedom e OMG! Ubuntu!

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como mostrar o percentual de uso e o tempo restante da bateria no painel do Ubuntu

Se você usa um notebook ou qualquer dispositivo que usa bateria, veja aqui como configurar o sistema para mostrar o percentual de uso e o tempo restante da carga da bateria no painel do Ubuntu.
Como mostrar o percentual de uso e o tempo restante da bateria no painel do Ubuntu
Infelizmente, nem sempre é possível ver as informações da bateria no painel do Unity, pois embora o Ubuntu possa exibir o percentual de uso e o tempo restante da bateria em seu painel, isso nem sempre vem ativo por padrão.

Contudo, como o Linux é um sistema altamente personalizável, é possível modificar esse comportamento usando o editor de configurações do sistema. Se este é o seu caso, esta dica rápida e simples, pode ajudá-lo. Melhor ainda, caso você queira voltar ao estado anterior, basta desfazer o último passo.

Outros assuntos

Como mostrar o percentual de uso e o tempo restante da bateria no painel do Ubuntu

Para mostrar o percentual de uso e o tempo restante da bateria no painel do Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, instale o dconf Editor pela Central de programas do Ubuntu ou usando este comando:

sudo apt-get install dconf-editor

Passo 3. Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:

dconf

Como mostrar o percentual de uso e o tempo restante da bateria no painel do Ubuntu
Passo 4. No lado esquerdo, navegue até com -> canonical -> indicator -> power;
Passo 5. Marque as opções “show-percentage” e “show-time”. Em seguida, feche o programa;
Como mostrar o percentual de uso e o tempo restante da bateria no painel do Ubuntu

Pronto! Agora o painel irá sempre mostrar o percentual de uso e o tempo restante da carga da bateria, exatamente como você queria.
Como mostrar o percentual de uso e o tempo restante da bateria no painel do Ubuntu
Via UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Não quero usar Unity, prefiro o BlackBox no Ubuntu

Não gosta de usar o Unity? Tudo bem, pois existe uma boa quantidade de opções para você usar. Dentre elas, destaque para o BlackBox. Se isso lhe interessa, conheça um pouco mais sobre ele e veja como instalar o ambiente BlackBox no Ubuntu.
Não quero usar Unity, prefiro o BlackBox no Ubuntu
O BlackBox é um gerenciador de janelas de código aberto. Ele se destaca pela sua leveza, sendo ideal para quem usa computadores com poucos recursos e não quer abrir mão de uma interface gráfica. Apesar disso, ele também pode ser usado em computadores potentes tendo um desempenho melhor que a maioria dos outros ambientes gráficos.
Não quero usar Unity, prefiro o BlackBox no Ubuntu
Esse ambiente é muito minimalista em sua abordagem como um gerenciador de janelas, tanto é que ele não que traz ícones e atalhos de teclado, manuseio, menus chamativos, ferramentas e gadgets. Todos estes estão disponíveis através de ferramentas ferramentas de terceiros e add-ons, que você pode adicionar ao seu ambiente como quiser.

Ele não tem barra de tarefas, assim, se você minimizar uma janela, ela fica completamente escondida fora do ambiente de trabalho e você pode recuperá-lo a partir de um menu de contexto do desktop. Entretanto, barras de tarefas também podem ser adicionadas, por meio de ferramentas de terceiros.
Não quero usar Unity, prefiro o BlackBox no Ubuntu
O BlackBox fez tanto sucesso gerou alguns projetos derivados que se propuseram a continuar sua linha inicial de desenvolvimento. Alguns desses projetos são o FluxBox e o OpenBox, ambientes que serão vistos mais adiante.

Conheça melhor o ambiente gráfico BlackBox

Para saber mais sobre esse ambiente, clique nesse link.

Conheça melhor essa série

Instalando o BlackBox no Ubuntu e derivados

Ainda que você não tenha um computador antigo ele também serve para seu PC moderno. Por isso, se quiser instalar o BlackBox no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Feche todos os seus aplicativos em execução;
Passo 2. Abra um terminal (pressionando as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o ambiente com o comando:

sudo apt-get install blackbox

Saia da sessão atual e quando aparecer a tela de login, escolha o BackBox. Entre com seu usuário e senha e depois comece a experimentar o ambiente.

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu

Se você tem um gamepad do Xbox e quer usá-lo de forma completa no PC, veja aqui como instalar o driver para controle do Xbox no Ubuntu.
Como instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu
Já existem muitos jogos portados e muitos outros vindo para a plataforma Linux, e claro, você também já deve ter ouvido falar do Steam da Valve. Para ficar melhor ainda, embora a maioria das pessoas usem o teclado para jogar, se você possui um Xbox, nada mais impede você de pegar o controle dele e usá-lo no Ubuntu para jogar seus games favoritos no PC.

Usando o software que será mostrado nesse tutorial você poderá usar o controle do Xbox no Ubuntu, com configurações adicionais. Ele é um controlador de gamepad do Xbox/Xbox 360 para Linux que funciona em espaço de usuário e é uma alternativa para o xpad, o driver padrão do kernel.

Ele possui suporte para os controles do Xbox One e Xbox 360, tanto USB como sem fio, original ou de terceiros. A guitarra para Xbox 360 e alguns dancemats para Xbox One pode funcionar também. O volante para Xbox 360 não é suportado, mas não deve ser difícil de adicionar se alguém estiver interessado.

Além de suportar quase tudo que está relacionado com o Xbox, o driver também tem suporte nativo para o gamepad Thrustmaster Dual Power 3, incluindo vibração e pode ser usado sobre o driver regular de joystick do Linux.

Ao contrário de do suporte do driver do kernel xpad, xboxdrv fornece uma ampla variedade de opções de configuração: permite simular eventos de teclado e mouse, remapear os botões e eixos, aplicar autofire, eixo invertido, ajustar eixo de sensibilidade, emular controles de aceleração e leme e enviar macros.

Outros assuntos

Conheça melhor o driver para o controle do Xbox

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:rael-gc/ubuntu-xboxdrv

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o driver;

sudo apt-get install ubuntu-xboxdrv

Passo 5. Inicie o serviço do driver com o comando a seguir:

sudo service xboxdrv restart

Como instalar o driver para o controle do Xbox manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.
Depois de instalado, ligue o controle do Xbox, vá nas configurações do sistema e entre na opção “Joysticks”:
Como instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu

Desinstalando o driver para o controle do Xbox no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get purge ubuntu-xboxdrv
sudo apt-get autoremove

Via NoobsLab

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

06 de fevereiro de 2016

Leitor de impressão digital: Como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu

Se seu aparelho possui um leitor de impressão digital e você quer usá-lo no Linux, veja aqui como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu.
Leitor de impressão digital: Como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu
Infelizmente, alguns fornecedores de hardware leitor de impressão digital só disponibilizam seus drivers em formato proprietário, o que dificulta o seu uso no Linux. A boa notícia é que o Fingerprint GUI é uma solução gráfica e fácil para utilizar leitores biométricos nesse sistema.

Fingerprint GUI é uma aplicação open source para utilizar o leitor de impressão digital do laptop, um recurso que pode ser usado para reforçar a segurança de alguns modelos vendidos atualmente. Se seu aparelho não possui isso, já é possível adquirir um leitor biométrico USB externo por um preço bem acessível.

Conheça melhor o Fingerprint GUI

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Antes de instalar o programa, verifique se seu hardware é suportado por ele.

Como identificar seu leitor de impressão digital e verificar se ele é suportado

Para identificar seu leitor de impressão digital e verificar se ele é suportado pelo Fingerprint GUI, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Para descobrir o ID de seu leitor, execute o comando abaixo:

lsusb

Leitor de impressão digital: Como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu
Passo 3. Depois, verifique se a identificação está na lista de leitores suportados:

045e:00bb    08ff:1683    08ff:2580    08ff:268d
045e:00bc    08ff:1684    08ff:2660    08ff:268e
045e:00bd    08ff:1685    08ff:2680    08ff:268f
045e:00ca    08ff:1686    08ff:2681    08ff:2691
0483:2015    08ff:1687    08ff:2682    08ff:2810
0483:2016    08ff:1688    08ff:2683    08ff:5501
05ba:0007    08ff:1689    08ff:2684    08ff:5731
05ba:0008    08ff:168a    08ff:2685    138a:0001
05ba:000a    08ff:168b    08ff:2686    138a:0005
061a:0110    08ff:168c    08ff:2687    138a:0008
08ff:1600    08ff:168d    08ff:2688    147e:1000
08ff:1660    08ff:168e    08ff:2689    147e:2016
08ff:1680    08ff:168f    08ff:268a    147e:2020
08ff:1681    08ff:2500    08ff:268b    147e:3001
08ff:1682    08ff:2550    08ff:268c    1c7a:0603
0483:2015    147e:1003    147e:3000
0483:2016    147e:2015    147e:3001
147e:1000    147e:2016    147e:5002
147e:1001    147e:2020    147e:5003
147e:1002

Está é apenas uma cópia da lista de leitores suportados, por isso, lembre-se de sempre consultar a tabela original nesse link, para ter certeza que está visualizando a informação atualizada.

Como instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu e seus derivados

Se seu leitor estiver na lista, basta seguir o tutorial abaixo para instalar o Fingerprint GUI no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:fingerprint/fingerprint-gui

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install libbsapi policykit-1-fingerprint-gui fingerprint-gui

Passo 5. Saia da sessão atual e faça login novamente;
Passo 6. Execute o programa, digitando fingerpring no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB);
Passo 7. Depois disso, Apenas cadastre suas digitais e estará pronto.

Como instalar o FPrintDemo no Ubuntu e seus derivados

Se seu leitor não estiver na lista, experimente instalar o FPrintDemo, outra opção que faz o mesmo que o Fingerprint GUI (sugestão do Morvan). Para isso, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:fingerprint/fprint

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install fprint-demo libfprint0 libpam-fprintd

Pronto! Para testar, tente bloquear sua tela, fazer login, sudo no terminal e execução de aplicações gráficas que necessitam de privilégios de root.

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como redefinir senha de usuário no Ubuntu

Se você perdeu a sua senha de usuário, veja a seguir, como redefinir senha de usuário no Ubuntu usando o Grub.
Como redefinir senha de usuário no Ubuntu
Esquecer a senha é algo que pode acontecer com qualquer um, até mesmo com você. Felizmente, não é difícil redefinir sua senha, mesmo que você tenha esquecido o seu nome de usuário, veja como.

Como redefinir senha de usuário no Ubuntu

Para redefinir sua senha e conseguir acessar o sistema novamente, faça o seguinte:
Passo 1. Ligue o computador e aguarde;
Passo 2. Se você não visualizar o menu do Grub, pressione e segure a tecla Shift depois que você apertar o botão “Power” para inicializar o computador;
Passo 3. Quando aparecer o menu do GRUB, use as teclas de direção e vá para a opção “Advanced Options for Ubuntu” ou “Opções avançadas para Ubuntu”. Nela, tecle “Enter”;
Como redefinir senha de usuário no Ubuntu
Passo 4. Na tela que aparece, selecione a entrada de boot que possui “recovery mode” no final do nome. Novamente, tecle “Enter” e aguarde;

Como redefinir senha de usuário no Ubuntu Passo 5. No “Menu de recuperação”, selecione a opção “root Drop to root shell prompt” ou “root Desistir e ir para terminal em modo root” e pressione Enter. Depois disso, você deverá ver o prompt de comando no final da tela: Como redefinir senha de usuário no Ubuntu Passo 6. Remonte o sistema de arquivos com leitura e escrita permissão com o seguinte comando;

mount -o rw,remount /

Passo 7. Se você não se lembra do nome de usuário, use o comando abaixo para descobrir:

ls /home

Passo 8. Para alterar a senha do usuário, use o comando a seguir, substituindo NOME_USUARIO pelo seu nome de usuário;

passwd NOME_USUARIO

Passo 9. Quando for pedido, digite uma nova senha e depois confirme, digitando-a novamente. No final, será exibida a mensagem “passwd: password updated successfully” ou  “passwd: senha atualizada com sucesso”, confirmando que a senha de usuário foi redefinida com êxito.
Como redefinir senha de usuário no Ubuntu
Passo 10. Por fim executar o comando abaixo para voltar ao “Menu de recuperação” e nele, selecione a opção “resume Resume normal boot” ou “resume Continuar inicialização normal”, para sair do modo de recuperação.

exit

Pronto! Quando o sistema iniciar novamente, você já pode usar a nova senha. Fácil, não? Por isso, cuidado e não deixe ninguém acessar o menu do Grub do seu PC. Se quiser deixar ele mais seguro, acesse o seguinte tutorial:
Como fazer para o Grub exigir uma senha para iniciar o sistema

Via UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instale o pkTriggerCord para controlar remotamente sua câmera

Que tal controlar remotamente sua câmera, capturar e ainda baixar as fotos no PC? Experimente usar o pkTriggerCord.
Instale o pkTriggerCord para controlar remotamente sua câmera
pkTriggerCord é um aplicativo que permite controlar remotamente sua câmera DSLR Pentax. Depois de instalar o programa, conectar a câmera ao PC com o cabo USB, você pode controlar ela através do pkTriggerCord, obtendo informações como status de leitura, alterar configurações e tirar fotos. As fotos são armazenadas no buffer da câmera e podem ser baixadas para o PC. As imagens não são gravadas no cartão SD da câmera.
Instale o pkTriggerCord para controlar remotamente sua câmera
Atualmente, o programa suporta as seguintes câmeras:

  • Pentax K-x
  • Pentax K10D (Samsung GX-10)
  • Pentax K20D (Samsung GX-20)
  • Pentax K200D
  • Pentax K-7
  • Pentax K-r
  • Pentax K-5
  • Pentax K-m / K2000
  • Pentax K-30
  • Pentax K-01 (bugs)
  • Pentax K-5 II / K-5 IIs NEW

Outros assuntos

Conheça melhor o pkTriggerCord

Para mais detalhes sobre o programa, acesse esse link.

Instalando o pkTriggerCord para controlar remotamente sua câmera

Para instalar o pkTriggerCord no Ubuntu e controlar remotamente sua câmera, faça o seguinte:
Passo 1. Se não estiver aberto, execute um terminal usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:dhor/myway

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando abaixo:

sudo apt-get install pktriggercord

Como instalar o pkTriggerCord manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite pktriggercord no terminal, seguido da tecla TAB.

Desinstalando o pkTriggerCord no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o pkTriggerCord no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove pktriggercord
sudo apt-get autoremove

Via UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

05 de fevereiro de 2016

Conhecendo distribuições interessantes que podem ser úteis – Puppy Linux

A versatilidade do Linux produz distribuições com características únicas e incríveis. Um bom exemplo disso é a distribuição Puppy Linux.
Conhecendo distribuições interessantes que podem ser úteis - Puppy Linux
A distribuição Puppy Linux foi criada em 2003, por Barry Kauler e foi desenvolvida do zero, ou seja, não foi baseada em nenhuma outra distribuição. Ela é extraordinariamente pequena, mas muito completa e possui uma surpreendente gama de aplicações poderosas, além de ser muito rápida.
Conhecendo distribuições interessantes que podem ser úteis - Puppy Linux
O sistema foi desenvolvido para ser seguro, fácil de usar e completamente customizável. O live-CD dessa distro traz um conjunto completo de aplicações gráficas e como é muito pequena, Puppy Linux geralmente carrega completamente na RAM, o que explica a sua incrível velocidade.

Puppy pode ser muito útil para computadores antigos, como um disco de emergência, como uma demonstração do Linux, ou como um sistema operacional de uso geral.

Para completar, no Puppy é possível escolher entre dois servidores gráficos: X.org (grande e completo) e Xvesa (pequeno e leve). Existe um assistente durante o processo de inicialização para que o usuário escolha o servidor gráfico apropriadamente para sua placa de vídeo e monitor.

Conheça melhor a distribuição Puppy Linux

Para saber mais sobre a distribuição Puppy Linux, clique nesse link.

Baixe e experimente o Puppy Linux

A imagem ISO do Puppy Linux pode ser baixada acessando esse link link

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

Conhecendo distribuições interessantes que podem ser úteis

Essa é uma série antiga que está sendo reiniciada e em breve você verá novas distros. Enquanto isso, conheça outras distribuições interessantes e úteis:

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o Mono no Ubuntu, Debian e derivados

Quer programar em .Net no Linux e ainda não sabe por onde começar? Então veja como instalar o Mono no Ubuntu, Debian e derivados, e comece a produzir.
Como instalar o Mono no Ubuntu, Debian e derivados
Embora seja alardeada como uma plataforma de software projetada para permitir que os desenvolvedores criem facilmente aplicações multiplataforma, oficialmente o Framework .Net da Microsoft suporta apenas o sistema operacional Windows.

Infelizmente, para que possamos portar aplicativos escritos em .Net Framework para outras plataformas além do Windows, como Linux, Mac OS X, iPhone OS, Oracle Solaris, FreeBSD e outros, precisamos utilizar a plataforma chamada Mono que é patrocinada pela empresa Xamarin.

Resumindo, Mono é uma implementação de código aberto do .NET Framework da Microsoft com base nos padrões ECMA para C# e Common Language Runtime. A seguir você verá como instalar essa tecnologia no Ubuntu, Debian e derivados destes.

Outros assuntos

Conheça melhor o Mono

Para saber mais sobre essa tecnologia, clique nesse link.

Como instalar o programa no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o programa no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

echo "deb http://download.mono-project.com/repo/debian wheezy main" | sudo tee /etc/apt/sources.list.d/mono-xamarin.list

Passo 3. Baixe e instale a chave do repositáorio com este comando;

sudo apt-key adv --keyserver hkp://keyserver.ubuntu.com:80 --recv-keys 3FA7E0328081BFF6A14DA29AA6A19B38D3D831EF

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Para instalar apenas o necessário para compilar o código, use o comando abaixo;

sudo apt-get install mono-devel

Passo 6. Para instalar tudo do Mono, use o comando abaixo;

sudo apt-get install mono-complete

Passo 7. Para instalar o suporte de compilação PCL, use o comando abaixo;

sudo apt-get install eferenceassemblies-pcl

Passo 8. Para obter certificados SSL para conexões HTTPS no Mono, use o comando abaixo;

sudo apt-get install ca-certificates-mono

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite programa no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o programa no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o programa no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove mono-*
sudo apt-get autoremove

Via Mono Project

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Pacotes quebrados: veja como corrigir isso em sistemas baseados no Debian

Se seu sistema está com problemas no gerenciamento de pacotes, veja aqui como corrigir problemas relacionados a pacotes quebrados em sistemas baseados no Debian.

Pacotes quebrados: veja como corrigir isso em sistemas baseados no Debian

Como corrigir pacotes quebrados


O sistema de gerenciamento de pacotes do Debian é ótimo, tanto que até mesmo distribuições que não usam o formato de pacotes dele, copiaram essa parte e também surgiram várias distros derivadas do Debian por conta disso.

Entretanto, ele não é perfeito e se o usuário abusar dele, uma hora ele pode deixá-lo na mão. Depois de algum tempo instalando pacotes de fontes externas ou fazendo isso em momento que a Internet cai, podem ocorrer alguns erros complicados.

No Ubuntu, por exemplo, se a instalação do pacote falhar, isso pode fazer o gerenciador de pacotes congelar ou ficar bloqueado, e quando você iniciar a Central de programa, ele pede para você clicar em um botão para reparar pacotes quebrados em seu sistema, mas isso nem sempre funciona. Para ajudar nessas situações, aqui estão algumas dicas de como corrigir pacotes quebrados usando a linha de comando.

Se o seu problema estiver impedindo a inicialização do sistema, consulte o tutorial abaixo:
Como consertar um sistema Ubuntu que não inicializa por causa de atualizações quebradas

Atenção! Os passos a segui utilizam o comando sudo para serem executados com privilégios de administrador. Se seu sistema não usa esse recurso, acesse o terminal como administrador e depois disso, digite os comando sem o sudo.

Como corrigir pacotes quebrados em sistemas baseados no Debian

Para corrigir pacotes quebrados em sistemas baseados no Debian, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se a instalação do pacote falhar devido a questão de dependências, execute o comando abaixo (ele automaticamente resolverá as dependências ou removerá o pacote, se as dependências não estiverem disponíveis:

sudo apt-get -f install && sudo dpkg --configure -a

Passo 3. Se o erro avisar que você precisa executar o comando dpkg --configure -a, faça o que ele diz:

sudo dpkg --configure -a

Passo 4. Se ocorrer um problema com MergeList, aparecendo como uma falha com o erro “Package: header”, como no exempo abaixo:
E: Encountered a section with no Package: header
E: Problem with MergeList…
E: The package lists or status file could not be parsed or opened.

Apague as listas de pacotes e depois atualize o APT para recirá-las, usando os dois comando a seguir:

sudo rm /var/lib/apt/lists/* -vf
sudo apt-get update

Passo 5. Agora se ocorrer um problema com um bloqueio sobre o cache do apt, como no exemplo abaixo:
E: Could not get lock /var/cache/apt/archives/lock – open (11: Resource temporarily unavailable)
Exclua os bloqueios executando os comandos abaixo, um por um:

sudo fuser -cuk /var/lib/dpkg/lock 
sudo rm -f /var/lib/dpkg/lock
sudo fuser -cuk /var/cache/apt/archives/lock
sudo rm -f /var/cache/apt/archives/lock

Pronto! Talvez um dessas dicas resolva o seu problema. Mas se você tive alguma outra dica para ajudar a corrigir pacotes quebrados em sistemas baseados no Debian, por favor, não deixe de comentar aqui.

Via UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados

Se você usa MPD e procura um bom cliente para esse protocolo, experimente instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados.
Como instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados
MPD, ou Music Player Daemon é uma aplicação do lado do servidor para reproduzir músicas via protocolo de rede. Já o Cantata é um cliente para MPD, aliás, ele é um dos clientes MPD que mais possui características embutidas: ele suporta listas de reprodução, streams, gerenciamento de biblioteca e letras.

O programa também inclui muitas características encontradas em tocadores de mídia avançados, como listas de reprodução dinâmicas, sincronização com media players externos, transcodificação, digitalização ReplayGain e suporte para múltiplos servidores MPD.

Outros assuntos

Conheça melhor o Cantata

Para saber mais sobre as novidades desse lançamento, clique nesse link.

Como instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados

Para instalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Para a versão do programa para Kubuntu KDE, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/cantata

Passo 3. Para a versão do programa para QT, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/cantata-qt

Passo 4. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install mpd cantata

Como instalar o cliente MPD Cantata manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link ou nesse outro linke instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite cantata no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o cliente MPD Cantata no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/cantata --remove
sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/cantata-qt --remove
sudo apt-get remove cantata
sudo apt-get autoremove

UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu

Se você está precisando apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu, veja aqui como fazer isso.
Como apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu
Recursos como o histórico de arquivos abertos recentemente geralmente são bastante úteis, mas quando esse tipo de funcionalidades começa a comprometer a sua privacidade (quando aparecem na pesquisa do Dash, por exemplo), o melhor a fazer é apagar esse histórico e até desativar o registro. A verdade é que ninguém gosta de pessoas que ficam bisbilhotando suas informações, mesmo que sejam coisas simples.

Normalmente, o histórico de arquivos abertos recentemente vem ativado por padrão no Ubuntu, sendo necessário desativá-lo caso não queira que as informações de seus acessos a arquivos sejam registrados. Por isso, neste tutorial será mostrado como apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu e também como desativar o registro dessas informações.

Outros assuntos

Como apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu

Para apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra o item “Configurações do sistema”, clicando no atalho dele no lançador do ambiente Unity;
Como apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu
Passo 2. Em “Configurações do sistema”, clique no item “Segurança e privacidade”;
Como apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu
Passo 3. Na tela seguinte, clique na aba “Arquivos e aplicativos”;
Como apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu
Passo 4. Em “Arquivos e aplicativos”, clique no botão “Limpar dados de uso…”;
Como apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu
Passo 5. Na tela que aparece, marque o período que deseja apagar e em seguida, clique no botão “OK”;
Como apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu
Passo 6. Para ficar mais completo, você também pode desligar a opção  “Gravar a utilização de arquivo e de aplicativos” para evitar que o sistema para gravar seus arquivos e aplicativos recentes.
Como apagar o histórico de arquivos abertos recentemente no Ubuntu

Pronto! Com essa mudança, ninguém mais saberá quais foram os arquivos que você abriu recentemente.

Via Ubuntu Geek

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instale os conjuntos de ícones Ardis e Ursa no Ubuntu

Quer “renovar” o visual dos ícones do seu desktop? Então experimente instalar os ícones Ardis e Ursa no Ubuntu.
Instale os conjuntos de ícones Ardis e Ursa no Ubuntu
Ardis é um conjunto de ícones com um design elegante e simples. O projeto dos ícones Ardis é inspirado nos ícones Numix uTouch, mas é completamente diferente e bonito.

Este tema de ícones tem variedade de cores agradáveis e é compatível com a maioria dos desktops Linux, como o Unity, Gnome, KDE, Cinnamon, entre outros. Este pacote de ícones contem mais de 900 ícones exclusivos. Ele ainda está em fase beta e está em desenvolvimento ativo.

Instale os conjuntos de ícones Ardis e Ursa no Ubuntu

Já o pacote de ícones Ursa é uma versão otimizada conjunto de ícones do Ardis, o que proporciona uma melhor experiência do usuário em telas menores, mas também funciona muito bem em telas grandes.

Instale os conjuntos de ícones Ardis e Ursa no Ubuntu

Ambos os temas de ícones são a escolha perfeita para todos que gostam de simplicidade. Se quiser, você pode apoiar o criador desses ícones, através da compra de seus temas de ícones Ardis e Ursa. Aproveite e também visite o site dele.

Outros assuntos

Instalando os ícones Ardis e Ursa no Ubuntu e derivados

Para instalar os ícones Ardis e Ursa no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Se quiser instalar os ícones Ardis, use o seguinte comando:

sudo apt-get install ardis-icons

Passo 5. Se quiser instalar os ícones Ursa, use o seguinte comando:

sudo apt-get install ursa-icons

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Desinstalando os ícones Ardis e Ursa no Ubuntu e derivados

Para desinstalar os ícones Ardis e Ursa Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se quiser desinstalar os ícones Ardis, use o seguinte comando:

sudo apt-get remove ardis-icons

Passo 3. Se quiser desinstalar os ícones Ursa, use o seguinte comando:

sudo apt-get remove ursa-icons

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Via NoobsLab

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o reprodutor de músicas leve DeaDBeeF no Ubuntu

Se você procura um player bom e personalizável para usar em seu sistema, veja como instalar o reprodutor de músicas leve DeaDBeeF no Ubuntu.
Como instalar o reprodutor de músicas leve DeaDBeeF no Ubuntu
DeaDBeeF é um reprodutor de músicas cheio de recursos e que utiliza pouquíssima memória RAM. Além disso, ele tem um modo de design que permite que você personalize a interface do usuário do jeito que gosta.
Como instalar o reprodutor de músicas leve DeaDBeeF no Ubuntu
Como instalar o reprodutor de músicas leve DeaDBeeF no Ubuntu

Como instalar o reprodutor de músicas leve DeaDBeeF no Ubuntu

Outros assuntos

Conheça melhor o Reprodutor de músicas leve DeaDBeeF

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o reprodutor de músicas leve DeaDBeeF no Ubuntu e derivados

Para instalar o reprodutor de músicas leve DeaDBeeF no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:starws-box/deadbeef-player

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install deadbeef

Como instalar o reprodutor de músicas DeaDBeeF manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite deadbeef no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o reprodutor de músicas leve DeaDBeeF no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o reprodutor de músicas leve DeaDBeeF no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:starws-box/deadbeef-player --remove
sudo apt-get remove deadbeef
sudo apt-get autoremove

Via UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

04 de fevereiro de 2016

Servidor de mídia: como instalar o PS3 Media Server no Ubuntu

Procurando um servidor de mídia compatível com diferentes sistemas e dispositivos? Então veja como instalar o PS3 Media Server no Ubuntu e sistema derivados.
Servidor de mídia: como instalar o PS3 Media Server no Ubuntu
O servidor de mídia PS3 Media Server é um Media Server UPnP multiplataforma compatível com DLNA e que suporta todos os principais sistemas operacionais, com versões para Windows, Linux e Mac OS X, pois é feito em Java.

Escrito originalmente para suportar o PlayStation 3, PS3 Media Server foi expandido para suportar uma variedade de outros representantes de mídia, incluindo smartphones, TVs, tocadores de música e muito mais. Para completar, os pacotes MPlayer e do FFmpeg também suportam o PS3 Media Server.

O programa faz stream ou transcodificação de diversos formatos de mídia, com pouca ou nenhuma configuração. Por baixo do capô, o ele utiliza o MEncoder, FFmpeg, tsMuxeR e AviSynth, que se combinam para oferecer suporte para uma ampla gama de formatos de mídia.

Não é necessário instalar pacotes de codecs, nem configuração de pasta e pré-análise ou esse tipo de coisa chata, todas as suas pastas poder ser navegadas diretamente pelo PS3, há uma atualização automática e transcodificação de vídeo em tempo real via MEncoder.

Dispositivos suportados pelo servidor de mídia de PS3 Media Server:

  • Sony PlayStation 3;
  • Microsoft XBOX 360;
  • Sony Bravia;
  • Google Android;
  • Freebox HD;
  • Freecom MusicPal;
  • Pioneer Kuro;
  • Nokia N900;
  • Philips Aurea;
  • Philips Net TV;
  • Popcorn Hour;
  • Asus O!Play;
  • Xtreamer;
  • AC Ryan PlayOn!HD;
  • Brite-view CinemaTube;
  • Samsung TVs;
  • Philips Streamium;
  • Western Digital WD TV Live;
  • XBMC Media Center;
  • Boxee.

Outros assuntos

Conheça melhor o servidor de mídia de PS3 Media Server

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o servidor de mídia PS3 Media Server no Ubuntu e seus derivados

Se você procura outras opções, dê uma olhada nesses tutoriais:
Como instalar e configurar um Plex Media Center Server no Linux
Lançado o Media Center XBMC 13 Gotham: Instale no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o servidor de mídia PS3 Media Server no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/apps

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install ps3mediaserver

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite ps3mediaserver no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).
Siga as instruções do programa e configure-o:
Servidor de mídia: como instalar o PS3 Media Server no Ubuntu

Servidor de mídia: como instalar o PS3 Media Server no Ubuntu

Servidor de mídia: como instalar o PS3 Media Server no Ubuntu

Servidor de mídia: como instalar o PS3 Media Server no Ubuntu

Servidor de mídia: como instalar o PS3 Media Server no Ubuntu

Via NoobsLab

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Comparar e sincronizar pastas: Como instalar o FreeFileSync no Ubuntu

Precisando de uma ferramenta para comparar e sincronizar pastas? Então veja aqui como instalar o FreeFileSync no Ubuntu.
Comparar e sincronizar pastas: Como instalar o FreeFileSync no Ubuntu
FreeFileSync é uma ferramenta de código aberto multiplataforma para comparar e sincronizar pastas no Linux, Windows e Mac OS X.

Entre outros, ele tem suporte para a realização de comparação de arquivo binário, identificador de links simbólicos, copiar atributos estendidos de NTFS e permissões de segurança, cópia de arquivo à prova de falhas, inclui/excluir arquivos via filtro, tem desempenho em tempo de execução otimizada, relatório de erros detalhado e pode automatizar trabalho em lotes.

Outros assuntos

Conheça melhor o FreeFileSync

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o FreeFileSync no Ubuntu comparar e sincronizar pastas

Para instalar o FreeFileSync no Ubuntu comparar e sincronizar pastas, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo sh -c 'echo "deb http://archive.getdeb.net/ubuntu $(lsb_release -sc)-getdeb apps" >> /etc/apt/sources.list'

Passo 3. Baixe e adicione a chave do repositório com o comando:

wget -q -O- http://archive.getdeb.net/getdeb-archive.key | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install freefilesync

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite freefilesync no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o FreeFileSync no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o FreeFileSync no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove freefilesync
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Chamadas de voz e vídeo através da Internet: instalando o Skype no Ubuntu

Se você precisa utilizar o Skype no Ubuntu, veja aqui como instalar ele pelo modo tradicional (a partir de um repositório) e baixando diretamente do site.
Chamadas de voz e vídeo através da Internet: instalando o Skype no Ubuntu
Skype permite que as pessoas se comuniquem uns com os outros através de mensagens, chamadas de voz e videochamadas através da Internet. Ele também oferece serviços para chamadas telefônicas nas redes de telefonia.

O programa está se tornando cada dia mais popular entre os usuários por conta de suas características adicionais, como compartilhamento de arquivos, compartilhamento de tela, videoconferência e etc.

Para completar, todo mundo pode fazer chamadas gratuitamente na rede Skype, não há limites para isso, pois o serviço só cobra quando são feitas ligações para telefones fixos e celulares.

Veja também:

Skype Web no Linux – como instalar o cliente não oficial
Integre o Skype com o ambiente Unity usando o Skype Wrapper
Lançado Viber para Linux – Instale esse popular IM / VoIP App

Esse tutorial foi atualizado e por isso, está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o Skype

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link

Preparando o sistema para instalar o Skype no Ubuntu

O pacote do Skype ainda é uma versão de 32 bits. Portanto, se seu sistema é de 64 bits (verifique com o comando uname -m), antes de fazer qualquer procedimento de instalação do Skype, ative o suporte a 32 bits seguindo esse tutorial:
Como ativar o suporte a 32-bits no Ubuntu de 64-bits

Como instalar o Skype no Ubuntu a partir de um repositório

Para instalar o Skype no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal, usando o Dash ou pressionando as teclas Ctrl+Alt+T;
Passo 2. Se ainda não tiver o repositório de parceiros da Canonical, adicione ele com o comando:

sudo add-apt-repository "deb http://archive.canonical.com/ $(lsb_release -sc) partner"

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install skype

Passo 5. Se tiver problemas com dependências do programa, instale elas com esse comando:

sudo apt-get -f install

Instalando diretamente o Skype no Ubuntu e derivados

Para instalar diretamente o Skype no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal, usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T;
Passo 2. Baixe o pacote de instalação com esse comando:

wget http://download.skype.com/linux/skype-ubuntu-precise_4.3.0.37-1_i386.deb -O skype.deb

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i skype.deb

Passo 4. Use esse comando para instalar as dependências do programa:

sudo apt-get -f install

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite skype no Dash ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Desinstalando o Skype no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Skype no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se você usou o repositório para instalar, desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove skype-bin:i386
sudo apt-get autoremove

Passo 3. Mas se você baixou o pacote diretamente, desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove skype:i386
sudo apt-get autoremove

Via NoobsLab

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

Originally posted 2015-05-28 08:10:45. Republished by Blog Post Promoter


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Conversor de áudio: veja como instalar o fre:ac no Linux

Procurando um bom conversor de áudio para seu sistema? Então veja como instalar o fre:ac no Linux e resolva seu problema.
Conversor de áudio: veja como instalar o fre:ac no Linux
fre:ac é um conversor de áudio e também CD Ripper de código aberto. Além de ser gratuito, ele suporta vários formatos de áudio e codificadores, e também está disponível em vários idiomas. Com fre:ac você pode converter entre muitos formatos de som como MP3, MP4, M4A, WMA, Ogg Vorbis, FLAC e AAC.
Conversor de áudio: veja como instalar o fre:ac no Linux
O aplicativo é portátil e pode ser instalado em qualquer mídia de armazenamento externo (unidade flash USB). Neste tutorial você verá como instalar e executar o aplicativo em qualquer distribuição Linux.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o conversor de áudio fre:ac

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o conversor de áudio fre:ac no Linux

Para instalar o conversor de áudio fre:ac no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome freac.tar.gz:

wget http://nbtelecom.dl.sourceforge.net/project/bonkenc/snapshots/20150725/freac-20150725-linux.tar.gz -O freac.tar.gz

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome freac.tar.gz:

wget http://nbtelecom.dl.sourceforge.net/project/bonkenc/snapshots/20150725/freac-20150725-linux-x64.tar.gz -O freac.tar.gz

Passo 5. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/freac*
sudo rm -Rf /usr/bin/freac
sudo rm -Rf /usr/share/applications/freac.desktop

Passo 6. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -zxvf  freac.tar.gz -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

sudo mv /opt/freac*/ /opt/freac

Passo 8. Adicione as bibliotecas do programa no sistema;

sudo ldconfig /opt/freac/

Passo 9. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/freac/freac /usr/bin/freac

Passo 10. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando um editor de texto com o comando (se for preciso, use outro editor de textos e substitua “gedit” por ele):

sudo gedit /usr/share/applications/freac.desktop

Passo 11. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=freac
Exec=/opt/freac/freac
Icon=/opt/freac/icons/freac.png
Categories=Application;

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite freac no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Como remover o freac no Linux

Para remover o freac no Linux, basta fazer o segundo passo do procedimento anterior.

Via Up Ubuntu

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar a versão mais recente do Opera no Linux

Foi lançada mais uma versão do Opera estável e de desenvolvimento para Linux. Se você quiser instalar o Opera no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e sistemas derivados, veja aqui como fazer.
Como instalar a versão mais recente do Opera no Linux
Opera é um popular navegador web, disponível para Linux, Mac OS X e Windows. No ano passado, ele adotou um fork do WebKit engine do Google, e por conta disso, suas novas versões estão sendo baseadas no Chromium.

A versão para Linux vem com todos os mesmos recursos do Opera para Windows e Mac, incluindo Speed Dial, o recurso Discover, Opera Turbo, bookmarks (favoritos) e compartilhamento de favoritos, temas, extensões e muito mais.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.
A maior novidade dessa última versão estável é que agora existe uma versão de 32 bits, algo que muitos usuários estavam aguardando anciosos.

Outros assuntos

Conheça melhor o Opera

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais sobre essa versão, acesse o Changelog.

Como instalar a mais recente versão estável do Opera no Linux

Para instalar a mais recente versão estável do Opera no Linux Ubuntu, Debian e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome opera.deb:

wget http://deb.opera.com/opera/pool/non-free/o/opera-stable/opera-stable_35.0.2066.37_i386.deb -O opera.deb

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome opera.deb:

wget http://deb.opera.com/opera/pool/non-free/o/opera-stable/opera-stable_35.0.2066.37_amd64.deb -O opera.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando abaixo. Será exibida uma tela perguntando se você deseja instalar o repositório do programa para receber as atualizações dele. Escolha a opção que lhe for mais conveniente:

sudo dpkg -i opera.deb

Como instalar a versão mais recente do Opera no Linux
Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Passo 7. Se por algum motivo você precisar, desinstale a versão estável do Opera, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove opera-stable

Como instalar a mais recente versão de desenvolvimento do Opera no Linux Ubuntu

Para instalar a mais recente versão de desenvolvimento do Opera no Linux Ubuntu, Debian e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome opera.deb:

wget http://get.geo.opera.com/pub/opera-developer/36.0.2120.0/linux/opera-developer_36.0.2120.0_i386.deb -O opera.deb

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome opera.deb:

wget http://get.geo.opera.com/pub/opera-developer/36.0.2120.0/linux/opera-developer_36.0.2120.0_amd64.deb -O opera.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando abaixo. Será exibida uma tela perguntando se você deseja instalar o repositório do programa para receber as atualizações dele. Escolha a opção que lhe for mais conveniente:

sudo dpkg -i opera.deb

Como instalar a versão mais recente do Opera no Linux
Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Passo 7. Se precisar, desinstale a versão de desenvolvimento do Opera, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove opera-developer

Como instalar a mais recente versão de desenvolvimento do Opera no Linux Fedora e sistemas derivados

Para instalar a mais recente versão de desenvolvimento do Opera no Linux Fedora e sistemas derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal
Passo 2. Torne-se root com o comando;

su

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome opera.rpm:

wget http://get.geo.opera.com/pub/opera-developer/36.0.2120.0/linux/opera-developer_36.0.2120.0_i386.rpm -O opera.rpm

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome opera.rpm:

wget http://get.geo.opera.com/pub/opera-developer/36.0.2120.0/linux/opera-developer_36.0.2120.0_amd64.rpm -O opera.rpm

spotify.repo

Passo 6. Para instalar em um Fedora e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall opera.rpm

ou

sudo dnf opera.rpm

Passo 7. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install opera.rpm

Passo 8. Para instalar em um OpenMandriva, Mageia e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo urpmi opera.rpm

Passo 9. Se depois você precisar desinstalar o programa em uma distro que usa apenas o RPM, use o comando a seguir;

sudo rpm -e opera*

Depois de instalado, execute o programa digitando no Dash:opera ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Resumo semanal de 25/01/2016 a 31/01/2016

Você já conhece três maneiras de criar um hotspot Wi-Fi no Ubuntu? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essa postagem. Mas não se preocupe, leia o resumo semanal de 25/01/2016 a 31/01/2016 e se atualize.
Resumo semanal de 25/01/2016 a 31/01/2016
Mas você já deve saber como instalar o Gis Weather, um widget de tempo altamente personalizável para seu desktop Linux? Ou já sabe como mapear uma unidade de rede no Ubuntu permanentemente? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

Resumo semanal de 25/01/2016 a 31/01/2016

25/01/2016

26/01/2016

27/01/2016

28/01/2016

29/01/2016

30/01/2016

Ubuntu 15.10

Quem quiser experimentar o Ubuntu 15.10 pode baixá-lo, acessando os links nessa postagem.

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
1Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

Como atualizar para o Ubuntu 15.10

Quem precisar atualizar para o Ubuntu 15.10, basta seguir esses tutoriais:
Como atualizar para o Ubuntu 15.10 na versão desktop
Como atualizar para o Ubuntu 15.10 server
Como atualizar para o Ubuntu 15.10 usando disco de instalação

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.10

Quem acabou de mudar para o Ubuntu 15.10, pode dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.10

Ubuntu 15.04

Quem quiser experimentar o Ubuntu 15.04 pode baixá-lo, acessando os links nessa postagem.

Como atualizar para o Ubuntu 15.04

Quem precisar atualizar para o Ubuntu 15.04, basta seguir esses tutoriais:
Como atualizar para o Ubuntu 15.04 na versão desktop
Como atualizar para o Ubuntu 15.04 server
Como atualizar para o Ubuntu 15.04 usando disco de instalação

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.04

Quem acabou de mudar para o Ubuntu 15.04, pode dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 15.04

Ubuntu 14.10

Já se você quiser usar o Ubuntu 14.10 pode baixá-lo, acessando os links nessa postagem.

Como atualizar do 14.04 para o 14.10

Quem precisar atualizar do 14.04 para o 14.10, basta seguir esses tutoriais:
Desktop
Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10
Como atualizar o Ubuntu Server para uma nova versão

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Vale lembrar que a Canonical anunciou o fim do suporte ao Ubuntu 14.10, e portanto, embora isso não seja o fim da versão, é uma boa ideia começar a atualizar seu sistema para uma versão mais recente ou usar a 14.04 LTS, que tem um tempo de suporte maior.

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem ainda está no Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas nas últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.

Mais assuntos


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

03 de fevereiro de 2016

Como acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no Unity

Se você quer acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no Unity, veja aqui como fazer isso.
Como acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no Unity
Entre os vários recursos incluídos no ambiente padrão no Ubuntu, o Unity, estão as Quicklist, ou seja, um menu de um aplicativo no lançador/barra lateral que contém links e que permite acessar rapidamente algumas características de um software.

Para usar essa funcionalidade, basta clicar com o botão direito do mouse sobre o ícone na barra lateral do Unity para acessar o menu da aplicação. No Firefox, esse recurso possibilita, por exemplo, iniciar uma nova janela privativa (anônima) do navegador.

Também é possível criar e adicionar novos recursos ao Quicklist atual, o que pode ser útil para acessar rapidamente os seus sites favoritos com um único clique, como será mostrado nesse tutorial:

Antes de executar o procedimento, é preciso entender que as Quicklist são “comandos” integrados no atalho do aplicativo no menu, que na verdade são arquivos com a extensão .desktop que ficam no diretório /usr/share/applications/ ou na pasta home do usuário, em .local/share/applications/.

Embora seja possível editar esses arquivos manualmente com um editor de textos, o melhor jeito de criar e editar Quicklist será usando o programa Arronax, um software livre que serve para criar novos links no menu, que possui vários recursos, incluindo um editor de Quicklist.

Para instalar o Arronax basta consultar o tutorial abaixo:
Editor de Quicklist: Arronax 0.66 traz interface melhorada e otimizações.

Feito isso, já é possível criar ou modificar Quicklist.

Vale observar que no exemplo a seguir, será usado o Firefox, no entanto, usando o mesmo método é possível adicionar os sites favoritos no Google Chrome, Chromium, Opera, Maxthon, ou qualquer outro navegador.

Outros assuntos

Como acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no Unity

Para poder acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no Unity, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Copie o arquivo .desktop do Firefox que está na pasta /usr/share/applications/ para a pasta.local/share/, usando este comando:

cp /usr/share/applications/firefox.desktop ~/.local/share/applications/

Passo 3. Abra o Arronax, digitando arronax no Dash e clicando no item que aparece;
Como acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no UnityPasso 4. Dentro do programa, clique no ícone da pasta. Na janela que aparece, clique com o botão direito em uma área vazia para que seja exibido o menu de contexto. No menu, clique na opção “Mostrar arquivos ocultos” ;
Como acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no Unity
Passo 5. Vá para a pasta .local/share/applications, clique no arquivo e depois no botão “OK”;
Como acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no Unity
Passo 6. De volta a tela do programa, clique na aba “Quicklist”;
Como acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no Unity
Passo 7. Em Quicklist, clique no botão “Novo” e na tela que aparece, digite o titulo da opção em “Title” e o endereço web seguido do comando xdg-open no campo “Command”. Finalmente, clique em “Aplicar”;
Como acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no UnityPasso 8. Na tela principal do programa, clique no menu “Arquivo” e depois no item “Salvar”. Feche o programa;
Como acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no Unity
Passo 9. Abra o Nautilus e vá para a pasta .local/share/applications. Arraste o arquivo .desktop para o lançador do Unity e solte-o nele.
Como acessar seus sites favoritos a partir de uma Quicklist no UnityPronto! Agora sempre que precisar, basta clicar com o botão direito nesse ícone e depois clicar no link cadastrado. Para adicionar outros links, basta fazer o procedimento a partir do terceiro passo.

Via lffl linux freedom

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

LxPup: Puppy Linux, LXDE e Ubuntu juntos

Imagine uma mistura do Puppy Linux, LXDE e Ubuntu e você tem a distribuição LxPup. Conheça e veja onde baixar essa incrível distro.
LxPup: Puppy Linux, LXDE e Ubuntu juntos
Puppy é atualmente uma das distribuições Linux mais populares, especialmente entre os usuários com PCs já ultrapassados ou que querem iniciar um sistema operacional pelo pendrive no modo persistente. Entre os muitos derivados do Puppy, está o LxPup, um projeto interessante que tem como base o ambiente desktop LXDE com o gerenciador de pacotes do Ubuntu.

LxPup permite ter um sistema operacional leve, que você pode usar tanto em um pendrive ou instalado em um PC. Simples e funcional, a distro também inclui ferramentas gráficas do Puppy Linux, que permitem configurar ou instalar com extrema facilidade.

Observe que a distro vem com o gerenciador de pacotes do Puppy Linux, um aplicativo gráfico com o qual é possível facilmente instalar ou remover as várias aplicações, e que o mesmo software também possui um gerenciador de repositório bastante útil. Nele, você pode instalar aplicativos que estão incluídos nos repositórios oficiais ou através de PPA, receber atualizações lançadas pela Canonical e instalar vários pacotes deb (como o Google Chrome, Skype, etc.).

LxPup: Puppy Linux, LXDE e Ubuntu juntos

Outra característica interessante do LxPup são os aplicativos padrão, na verdade ele vem com o Pale Moon como o navegador padrão e com o plugin Flash Player instalado. Além dele, a distro traz o cliente de e-mail Sylpheed, uGet como o gerenciador de downloads, XChat, o gerenciador de webcam GTKam camera manager, mtPaint e muitas outras aplicações úteis.

Outros assuntos

Conheça melhor a distribuição LxPup

Para saber mais sobre a distribuição LxPup, clique nesse link.

Baixe e experimente o LxPup

A imagem ISO do LxPup pode ser baixada acessando o link abaixo:
LxPup

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação

Via lffl linux freedom

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Faça backup e gravação de IMG ou ISO com dd Utility

Procurando uma ferramenta para fazer backup e gravação de arquivos IMG ou ISO em disco ou cartão de memória, experimente instalar e usar dd Utility.
Faça backup e gravação de IMG ou ISO com dd Utility
Existem várias ferramentas disponíveis para copiar e instalar arquivos IMG e ISO para cartões de memória e outras mídias removíveis, mas somente o dd Utility permite fazer backup e restaurar arquivos de imagem de disco para Raspberry Pi, bem como criar drives USB de instalação Linux inicializáveis a partir da ISO com o OS X e Ubuntu.

O programa também permite escrever arquivos compactados IMG diretamente para o cartão de memória sem a necessidade de descomprimir os arquivos de imagem primeiro. O dd Utility faz tudo isso porque, na verdade, ele é uma interface gráfica para o utilitário de linha de comando dd.

Faça backup e gravação de IMG ou ISO com dd Utility

Outros assuntos

Conheça melhor o dd Utility

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o dd Utility no Ubuntu e derivados para fazer backup e gravação de arquivos IMG ou ISO

Para instalar o dd Utility no Ubuntu e derivados e para fazer backup e gravação de arquivos IMG ou ISO, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome ddutility.deb:

wget https://github.com/thefanclub/dd-utility/blob/master/DEB/ddutility_1.4_all.deb -O ddutility.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i ddutility.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite ddutility no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o dd Utility no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o dd Utility no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove ddutility
sudo apt-get autoremove

Via Ubuntu Geek

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Comparar arquivos PDF – Instale o DiffPDF no Ubuntu e derivados

Se você precisa comparar arquivos no formato PDF, instale e use o DiffPDF e o trabalho ficará bem mais fácil de fazer.
Comparar arquivos PDF - Instale o DiffPDF no Ubuntu e derivados
DiffPDF é uma aplicação gráfica usada para comparar dois arquivos no formato PDF. Esse é um utilitário simples para comparar visualmente dois arquivos PDF. O programa é especialmente útil quando você tem dois arquivos bastante semelhantes e quer descobrir as pequenas diferenças entre eles.
Comparar arquivos PDF - Instale o DiffPDF no Ubuntu e derivados
DiffPDF é um aplicativo que permite comparar arquivos PDF. Por padrão, a comparação do texto é feita em cada par de páginas, mas a comparação do aspecto visual das páginas, também é suportada (por exemplo, se um diagrama é alterada ou se é um ponto reformatado). Também é possível comparar determinadas páginas ou intervalos de páginas.

DiffPDF mostra pares de páginas dos dois PDFs que estão sendo comparadas com quaisquer diferenças destacadas. As comparações podem ser feitas com base no texto, independentemente do layout, ou com base na aparência (que responde por fontes, cores, layout, diagramas, imagens, etc).

DiffPDF é útil para quem precisa comparar arquivos PDF, relatórios, livro e etiquetas, como por exemplo, arquivistas, engenheiros, jornalistas, empacotadores, editores, pesquisadores, testadores de software e tradutores. DiffPDF é usada em uma grande variedade de contextos, de autores de livros de bancos, companhias de seguros e governo.

Outros assuntos

Conheça melhor o DiffPDF

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o DiffPDF no Ubuntu e seus derivados para poder comparar arquivos PDF

Para instalar o DiffPDF no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Instale o programa usando o comando abaixo:

sudo apt-get install diffpdf

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite diffpdf no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o DiffPDF no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o DiffPDF no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove diffpdf
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Skype Web no Linux – como instalar o cliente não oficial

Se você não gosta do cliente Skype para Linux, experimente instalar o cliente não oficial Skype Web no Linux.
Skype Web no Linux - como instalar o cliente não oficial
Para ajudar aqueles usuários que não querem utilizar um aplicativo desatualizado e tornar seu comunicador multiplataforma, a Microsoft fornece uma versão web do Skype que permite aos usuários conversar e fazer ligações para seus amigos, usando apenas um navegador web.

No Linux, você pode executar o Skype como uma aplicação desktop (sem navegador) através de um programa de código aberto chamado skype-unofficial-client, que é baseado no Skype Web. Esse programa foi todo construído em cima do WebKit (engine do Google Chrome e do Safari) e usa notificação do sistema.
Skype Web no Linux - como instalar o cliente não oficial
Esse aplicativo pode muito bem substituir a atual versão do Skype para Linux, que está bastante desatualizada e bem difícil de instalar nas atuais distribuições Linux.

Outros assuntos

Conheça melhor o cliente não oficial Skype Web para Linux

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o cliente não oficial Skype Web no Linux

Para instalar o cliente não oficial Skype Web no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -R /opt/skype_unofficial_client/
sudo rm /usr/share/applications/Skype.desktop
sudo rm /usr/bin/skype-desktop

Passo 3. Se você estiver usando um sistema baseado em arquivos RPM e o Git ainda não está instalado, use os seguintes comandos no terminal para instalar o programa:

sudo rpm -Uvh https://dl.fedoraproject.org/pub/epel/epel-release-latest-5.noarch.rpm
sudo yum install git

Passo 4. Se você estiver usando um sistema baseado em arquivos DEB e o Git ainda não está instalado, use o seguinte comando no terminal para instalar o programa:

sudo apt-get install git

Passo 5. Use o comando abaixo para baixar o programa;

git clone https://github.com/haskellcamargo/skype-unofficial-client.git

Passo 6. Acesse a pasta crida pelo git;

cd skype-unofficial-client

Passo 7. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 8. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para compilar e instalar o programa;

sudo make linux_x86

Passo 9. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para compilar e instalar o programa;

sudo make linux_x64

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite /opt/skype_unofficial_client/skype em um terminal, seguido da tecla TAB.

Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

cp /usr/share/applications/skype-desktop.desktop  ~/Área de Trabalho/

ou

cp /usr/share/applications/skype-desktop.desktop ~/Desktop

Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Como remover o Skype Web no Linux

Para remover o Skype Web no Linux, basta fazer o segundo passo do procedimento anterior.

Via UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instalando o tema e ícones Humanitary no Ubuntu

Você está usando o Ubuntu há muito tempo e sente falta daqueles velhos tempos? Instale o tema e ícones Humanitary no Ubuntu e reviva o visual antigo do sistema.
Instalando o tema e ícones Humanitary no Ubuntu
Sam Hewitt fez um fork dos temas GTK e ícones do Elementary OS para tornar o visual parecido como o do Ubuntu 8.04 e os chamou de Humanitary. O resultado pode agradar a muitos usuários saudosistas.
Instalando o tema e ícones Humanitary no Ubuntu
Apesar deste tema ter sido feito para uso no Elementary OS, que usa o desktop Pantheon, você pode usá-lo no Ubuntu ou Linux Mint, se você estiver usando o Gnome Shell. Infelizmente, ele não é compatível com outros desktops.
Instalando o tema e ícones Humanitary no Ubuntu

Outros assuntos

Conheça melhor o tema e ícones Humanitary

Para saber mais sobre o tema Humanitary, clique nesse link.
Para saber mais sobre o conjunto de ícones Humanitary, clique nesse link.

Instalando o tema e ícones Humanitary no Ubuntu e derivados

Para instalar o tema e ícones Humanitary no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes
sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema e ícones Humanitary usando o seguinte comando:

sudo apt-get install humanitary-gtk-theme humanitary-icon-theme

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Como instalar o tema e ícones Humanitary manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do tema nesse link e dos ícones nesse outro link, e depois instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Desinstalando o tema e ícones Humanitary no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o tema e ícones Humanitary no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o tema e ícones Humanitary, usando o comando abaixo;

sudo apt-get install humanitary-gtk-theme humanitary-icon-theme

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Via NoobsLab

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o ambiente Pantheon no Debian 8 Jessie

Se você usa Debian e gostou do ambiente gráfico do elementary OS, veja como instalar o ambiente Pantheon no Debian 8 Jessie.
Como instalar o ambiente Pantheon no Debian 8 Jessie
A chegada do elementary OS 0.3 Freya trouxe inúmeras inovações nesse popular derivado do Ubuntu Linux. Entre essas inovações, um dos maiores destaques é o ambiente de desktop Pantheon, completamente redesenhado com vários aprimoramentos, incluindo aplicações dedicadas.
Como instalar o ambiente Pantheon no Debian 8 Jessie
A boa noticia é que como o Pantheon é um ambiente desktop de código aberto, você pode instalar o Pantheon em outras distribuições, como por exemplo o Debian 8 Jessie, graças a um repositório dedicado dele.

Outros assuntos

Conheça melhor o ambiente Pantheon

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o ambiente Pantheon no Debian 8 Jessie

Para instalar o ambiente Pantheon no Debian 8 Jessie e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Atualize o gerenciador de pacotes e o sistema com os comandos:

sudo apt-get update
sudo apt-get upgrade

Passo 3. Adicione o repositório do programa com este comando;

echo "deb http://dl.bintray.com/mithrandirn/pantheon-debian/ jessie main" | tee /etc/apt/sources.list.d/pantheon-debian.list

Passo 4. Adicione a chave do repositório;

sudo apt-key adv --keyserver keyserver.ubuntu.com --recv-keys CBF6E0B8483170E9

Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install pantheon desktop-base

Pronto! Saia da sessão atual e quando estiver na tela de login, selecione o ambiente Pantheon. Faça login e depois de entrar, comece a explorar o novo ambiente.

Desinstalando o ambiente Pantheon no Debian e derivados

Para desinstalar o ambiente Pantheon no Debian e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove pantheon desktop-base
sudo apt-get autoremove

Via site

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

02 de fevereiro de 2016

Compiz no MATE: veja como instalar e ativar

Se você quiser experimentar o Compiz no MATE, veja como instalar e ativar esse recurso usando a ferramenta MATE Tweak.
Compiz no MATE: veja como instalar e ativar
Desenvolvedores do Ubuntu MATE estão fazendo dessa distro um dos derivados mais completos e funcionais, graças inúmeras otimizações. Entre as muitas inovações desenvolvidas, destaque para as várias melhorias feitas no gerenciador de janelas Compiz, agora mantido pela Canonical.

Compiz permite que o usuário tenha uma série de personalizações, animações e efeitos no MATE. É possível instalar facilmente a versão do Compiz otimizada para Ubuntu MATE graças ao um repositório. A seguir, você verá como fazer isso, acompanhe. E melhor ainda, para facilitar ainda mais a ativação do Compiz nesse ambiente, os desenvolvedores disponibilizaram a ferramenta MATE Tweak.

Outros assuntos

Conheça melhor o ambiente MATE

Para saber mais sobre o ambiente MATE, clique nesse link.
Para mais informações, por favor consulte a página oficial da comunidade do Ubuntu MATE.

Caso você ainda não esteja usando o ambiente MATE no Ubuntu e queira instar a versão desenvolvida para o Ubuntu MATE, siga o procedimento abaixo antes de instalar o Compiz. Se você já estiver com o ambiente, pode pular para o segundo procedimento.

Como instalar a versão mais recente do ambiente MATE no Ubuntu 15.10 ou anterior

Para instalar a versão mais recente do ambiente MATE no Ubuntu 15.10 ou anterior e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione os repositórios do MATE com este comando:

sudo apt-add-repository ppa:ubuntu-mate-dev/ppa
sudo apt-add-repository ppa:ubuntu-mate-dev/trusty-mate

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o MATE;

sudo apt-get install --no-install-recommends ubuntu-mate-core ubuntu-mate-desktop

Uma vez que a instalação estiver concluída, saia da sua sessão atual do Ubuntu. A partir daqui, clique no ícone que no canto superior direito da tela de login Ubuntu. Você será apresentado a uma tela com todas as opções de ambientes de desktop atualmente instalados. A mais recente adição a esta lista será o MATE. Clique nesta opção, e selecione “OK” para que seja solicitado suas credenciais de login.

Com o MATE instalado, faça o procedimento abaixo para instalar e ativar o Compiz:

Como instalar e ativar o compiz no MATE

Para instalar e ativar o compiz no MATE e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo apt-add-repository ppa:ubuntu-mate-dev/crazy-mate

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install mate-tweak compiz compiz-core compiz-mate compiz-plugins compiz-plugins-default compizconfig-settings-manager

Passo 5. Após a instalação, clique em “Sistema” e depois em “Centro de Controle”;
Compiz no MATE: veja como instalar e ativar
Passo 6. Em “Centro de Controle”, clique na opção “MATE Tweak”;
Compiz no MATE: veja como instalar e ativar
Passo 7. Dentro de “MATE Tweak”, clique na opção “Windows”. Nessa tela, clique na seta ao lado de “Windows Manager” opção “Compiz”, para ativá-lo como o gerenciador de janelas padrão do ambiente;
Compiz no MATE: veja como instalar e ativar
Passo 8. Depois disso, encerre a sessão e faça login novamente ou reinicie o sistema.

Pronto! Com o Compiz instalado, agora você pode personalizar os efeitos, animações e etc, através da opção “CompizConfig Settings Manager” (ou CCSM) que fica no menu “Sistema” do ambiente, dentro do item “Preferências”.
Compiz no MATE: veja como instalar e ativar

Via lffl linux freedom

O que está sendo falado no blog hoje

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como carregar iPhone ou iPad rapidamente via USB no Ubuntu com o iPad Charge

Compartilhe e ajude a divulgar

Gostou da dica? Aproveite e conte sua experiência nos comentários abaixo. E se quiser saber mais informações, assine nosso feed, pois com ele você receberá as novidades sempre que forem publicadas.

Assine e também compartilhe nossas postagens clicando nos botões do Facebook, Twitter, Google+ e YouTube, para ajudar a divulgar essas informações.

Muito obrigado por visitar o blog e participar dele!

Como ativar o recurso de minimizar janela de aplicativo ao clicar no Lançador Unity

Quer deixar seu ambiente Unity mais prático? Veja como ativar o recurso de minimizar janela de aplicativo ao clicar no Lançador Unity.
Como ativar o recurso de minimizar janela de aplicativo ao clicar no Lançador Unity
Como seria bom simplesmente clicar no ícone do aplicativo e minimizá-lo, não é mesmo? Depois de ter aparecido no Ubuntu 12.04 e sumido nas versões posteriores, o recurso que permite clicar em um ícone no Lançador Unity para minimizar uma janela de aplicativo aberta, está de volta no Ubuntu 14.04. Claro, só é preciso ativar, o que você verá como fazer nesse tutorial.

Outros assuntos

Como ativar o recurso de minimizar janela de aplicativo ao clicar no Lançador Unity

Para ativar o recurso de minimizar janela de aplicativo ao clicar no Lançador Unity no Ubuntu 14.04 e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Procure e instale o compizconfig settings manager na Central de programas (ou Ubuntu Software Center). Ou abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install compizconfig-settings-manager

Passo 4. Uma vez instalado, execute o programa clicando no Dash e digitando;

ccsm

Passo 5. Com o programa aberto Clique em “Ubuntu Unity Plugin” e em seguida, navegue até a guia “Launcher”.
Passo 6. Ative a opção “Minimize Single Window Applications (Unsupported)”, marcando a caixa que fica depois da linha
Como ativar o recurso de minimizar janela de aplicativo ao clicar no Lançador Unity
Via UbuntuHandbook

O que está sendo falado no blog hoje


Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Planeta Ubuntu Brasil

O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


Última atualização:
13 de fevereiro de 2016, 23:00
Horário UTC

Planet ATOM
RSS10 RSS20
OPML FOAF

Blogs inscritos


© 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.