28 de novembro de 2014

Instale e experimente o cliente Google Drive Insync no Linux

Insync 1.1 foi liberado cerca de uma semana atrás, trazendo várias correções de bugs e otimizações. Se você quiser saber um pouco mais e instalar esse cliente Google Drive não oficial, veja aqui mais detalhes a seguir.
cliente Google Drive Insync
Insync é um cliente Google Drive não oficial que “estende a funcionalidade da unidade web para o seu desktop, integrando firmemente com Windows, Mac e Linux para que você possa começar o trabalho feito”.

O app não é gratuito: custa U$$ 15 por conta do Google (taxa única) e há planos separados para 3 contas do Google e para empresas (para mais informações, veja os preços do Insync na página). Além disso, se você quiser testar o Insync antes de comprar uma licença, há uma opção de avaliação de 15 dias.

Para aqueles não familiarizados o cliente Google Drive Insync, aqui está uma lista rápida dos recursos dele:

  • suporta múltiplas contas;
  • Possui Integração com o gerenciador de arquivos, o que permite compartilhar arquivos via gerenciador de arquivos;
  • Conversão Google Docs;
  • compartilhar arquivos fora da sua pasta Insync do gerenciador de arquivos (utiliza links simbólicos, pelo menos no Linux);
  • suporta drives externos e de rede;
  • mudanças recentes alimentar;
  • notificações no computador;
  • sincronização selectiva;
  • suporte a proxy;
  • e muito Mais.

A ferramenta suporta Ubuntu, Debian, Linux Mint, PCLinuxOS, Fedora e MEPIS com os seguintes ambientes de desktop: Unity, Cinnamon, GNOME Shell, KDE, LXDE, Xfce, MATE  e Openbox + fbpanel e cinco gerenciadores de arquivos: Nautilus, Nemo, Caja, Dolphin e Thunar.

No Linux, o Insync vem com área de notificação (bandeja do sistema) e suporte a Ubuntu AppIndicator. Além disso, ele se integra com a maioria dos gerenciadores de arquivos – há extensões disponíveis para Nautilus, Nemo, Caja, Thunar e Dolphin.

Insync 1.1 vem com várias correções de bugs e otimizações, como a sincronização inicial mais rápida e problemas de sincronização de metadados preso fixos, bem como a sincronização seletiva aninhados, um recurso há muito aguardado por muitos usuário se que permite seletivamente sincronizar sub-pastas e arquivos. Aqui está uma imagem com a interface de configurações do Insync para Linux, atualizado para suportar sincronização seletiva aninhada.
insync-nested-selective-sync

Conheça melhor o cliente Google Drive Insync

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o cliente Google Drive Insync

Para instalar o Insync, baixe o pacote a partir do site oficial da ferramenta ou clique em um dos links a seguir:

  • Ubuntu e derivados

  • Debian e derivados

  • Fedora e derivados ou que suportam arquivos RPM

  • Arch Linux e derivados

  • Qualquer distribuição

A instalação consiste basicamente em clicar duas vezes no arquivo baixado e instalar através do gerenciador de pacotes do sistema. O instalador tentará detectar o seu ambiente de trabalho e instalará o pacote necessário para a integração com o gerenciador de arquivos. Se você alterar o ambiente de trabalho ou usar um gerenciador de arquivos diferente, você terá que instalar o pacote de integração do gerenciador de arquivos a partir dos repositórios (o repositório Insync é adicionado automaticamente): Basta procurar Insync no gerenciador de pacotes do seu sistema (Central de programas, Synaptic e etc), e instalar o pacote (nsync-thunar, insync-nemo, insync-nautilus e assim por diante) para o seu gerenciador de arquivos. Usuários do openSUSE, devem testar o pacote destinado ao Fedora.

Atenção! Esse não é um post patrocinado, é apenas uma dica que pode ser muito útil para algumas pessoas que precisam de uma ferramenta como essa.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como gravar chamadas do Skype, músicas e voz no Ubuntu via Audio Recorder

Quer registrar o áudio do seu PC? Então veja aqui como gravar chamadas do Skype, músicas e voz no Ubuntu via Audio-Recorder.
Gravar chamadas do Skype, músicas e voz
Audio Recorder é uma ferramenta útil que permite gravar sua música e outros tipos de áudio para arquivos. Ele etem suport para gravação usando dispositivos como microfone, webcam, placa de áudio, reprodutores de música/filmes, chamadas do Skype, navegadores e etc. E com os plugins GStreamer, o programa passa a suportar os formatos de saída OGG, FLAC, MP3, AAC e WAV.

Conheça melhor o Audio Recorder

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Audio Recorder para gravar chamadas do Skype, músicas e voz

Para instalar o Audio Recorder no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:osmoma/audio-recorder

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install audio-recorder

Passo 5. Para suporte a mais formatos de áudio, instale os plugins GStreamer (ubuntu 14,04 e superior);

sudo apt-get install gstreamer1.0-plugins-base gstreamer1.0-plugins-good gstreamer1.0-plugins-ugly gstreamer1.0-plugins-bad gstreamer0.10-fluendo-mp3

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite audio no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB).

Depois, basta abrir o Skype ou seu reprodutor favorito (para gravar sua voz basta ter um microfone ativo) e clicar em “Start recording” no Audio Recorder. Se quiser, ajuste o temo de inicio ou fim da gravação em “Timer” ou configure a entrada e o formato de saída em “Audio settings”.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

27 de novembro de 2014

Como verificar a velocidade da internet via Terminal no Linux

Speedtest.net é um bom lugar para verificar a velocidade da Internet, aliás da sua conexão de Internet. Mas há uma maneira ainda mais simples. Usando o aplicativo de linha de comando speedtest-cli, você pode realmente verificar a velocidade atual de sua conexão de banda larga via Terminal. Então veja aqui como fazer isso.
verificar-velocidade-da-internet
Speedtest-cli é um pequeno aplicativo de linha de comando destinado a testar e com isso, verificar a velocidade da internet via Terminal em várias distribuições Linux, incluindo o Ubuntu. O programa é uma boa ferramenta foi porque ele interage com o popular site Speedtest.net e é especialmente útil para quem não tem acesso a um navegador no sistema operacional (servidores, por exemplo), além de permitir uma medição mais precisa.

A vantagem dessa abordagem em relação ao método tradicional, é que você não precisará abrir um navegador (nem mesmo precisará ter uma interface gráfica) e nem será necessário ter o plugin do flash instalado.

Conheça melhor o Speedtest-cli, o aplicativo que serve para verificar a velocidade da internet

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Instalando o Speedtest-cli no Linux, para verificar a velocidade da internet

Para instalar o Speedtest-cli no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Baixe o arquivo speedtest-li.py para o seu computador com o comando:

wget -O speedtest-cli https://raw.github.com/sivel/speedtest-cli/master/speedtest_cli.py

Passo 3. Torne o arquivo baixado um executável com o comando abaixo:

chmod +x speedtest-cli

Passo 4. Mova o arquivo para a pasta de binários do sistema:

sudo mv speedtest-cli /usr/bin/speedtest-cli

Passo 5. Agora, sempre que você quiser verificar a velocidade da internet, basta executar esse arquivo com o seguinte comando no Terminal:

speedtest-cli

Passo 6. Por padrão, o programa irá selecionar o “melhor” servidor de testes para sua localidade. Mas se você quiser determinar essa localidade manualmente, execute o comando abaixo para listar os servidores disponíveis:

speedtest-cli --list 

Passo 7. Será mostrada uma lista com um código e o nome da localidade. Para pesquisar por uma localidade em específica, executando o comando:

speedtest-cli --list | grep -i "nome-localidade"

Passo 8. Depois de escolher a melhor localidade (lembre-se que quanto mais distante for do local do seu provedor de internet, mais lenta será sua resposta), execute o comando abaixo, substituindo numero-ID pelo código da localidade escolhida:

speedtest-cli --server numero-ID

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Envie arquivos, links e notas do seu desktop Ubuntu para um dispositivo Android ou iOS usando o Pushbullet Indicator

Se você precisa enviar alguma coisa do seu Desktop Ubuntu para seu dispositivo com iOS ou Android, experimente instalar e usar o Pushbullet Indicator.
pushbullet-indicator-all
Pushbullet é um serviço que permite enviar facilmente arquivos, links, notas, listas e etc para o seu dispositivo Android ou iOS a partir de seu desktop. Ele pode ser usado através de extensões para Chrome ou Firefox e no Windows, há também um aplicativo desktop. Agora existe o Pushbullet indicador para Ubuntu, que deve funcionar corretamente não só no ambiente Unity, como também com o KDE, LXDE, Xfce e consequentemente nas versões do Ubuntu para esses ambientes gráficos (Kubuntu, Lubuntu, Xubuntu e outras variantes).

Conheça melhor o Pushbullet Indicator

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Como instalar o Pushbullet Indicator no Ubuntu e derivados

Para instalar o Pushbullet Indicator no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal usando o Dash ou pressionando as teclas Ctrl+Alt+T;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione esse repositório com o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:atareao/atareao

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install pushbullet-indicator

Como configurar e usar o Indicador Pushbullet

Para configurar e usar Indicador Pushbullet no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Crie uma conta Pushbullet, instale o app Pushbullet no iOS ou no Android (você pode encontrar os links de aplicativos Android/iOS, na parte inferior da página principal do Pushbullet) e configure o Pushbullet em seu dispositivo móvel;
Passo 2. Abra o site do Pushbullet em um navegador da web no ambiente de trabalho, faça o login e visite a página das configurações da sua conta . Lá, você vai encontrar uma chave de API – copie ela porque vamos precisar dela para o próximo passo.
Passo 3. Execute o programa digitando no Dash: pushbullet. Em seguida, clique no ícone do indicador e selecione Preferências. No campo chave da API do diálogo de preferências Indicador Pushbullet, cole a chave de API que você copiou no passo 2:
Passo 4. Se você quiser que o indicador inicie automaticamente quando você fizer login, ative-o nas suas preferências. Em seguida, clique em OK.
Se você seguiu todos os passos corretamente, o dispositivo móvel em que o Pushbullet está instalado deve aparecer no menu Indicador Pushbullet, como na figura abaixo:
pushbullet-indicator-prefs
Se não houver nenhum dispositivo listado aqui, certifique-se que Pushbullet está instalado no seu dispositivo móvel e que você está logado, reinicie o PushBullet AppIndicator (selecione a opção correspondente no menu indicador, em seguida, inicie-o novamente a partir do Dash) .

E é isso, agora você já pode começar a usar Pushbullet. Para enviar um arquivo de texto, link e etc. a partir do Ubuntu para o seu dispositivo Android ou iOS usando o Pushbullet Indicator, selecione o dispositivo a partir do menu indicador, em seguida, clique na guia apropriada: mensagem, link, arquivo, lista ou endereço:
pushbullet-indicator-action-1

E finalmente coloque o que você gostaria de enviar e clique em “OK”.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como ativar a aceleração por hardware no Chrome/Chromium

Que tal dar uma melhorada nas reporoduções de vídeos e em visualizações 3D no Chrome. Para fazer isso, veja aqui como ativar a aceleração por hardware no Chrome/Chromium.
aceleração por hardware
Se você usa o navegador Chrome ou Chromium e a aceleração por hardware está desativada para sua placa de vídeo, você pode ativá-la para tentar forçá-lo a obter um melhor desempenho na reprodução de vídeo (por exemplo, no YouTube), bem como suporte para recursos como a visualização em 3D da Terra no Google Maps.

Antes de ativar a aceleração por hardware no Chrome/Chromium, é preciso verificar se seu navegador já está ou não com esse recurso ativo, para isso, faça o seguinte:

Verificando a aceleração por hardware no Chrome/Chromium

Para verificar se o seu navegador Chrome ou Chromium usa aceleração de hardware, abra uma nova aba e digite: “chrome://gpu” (sem as aspas). Em “Graphics Feature status”, todos (ou pelo menos a maior parte) dos recursos deve ter “Hardware accelerated” (aceleração de hardware).

Ativando a aceleração por hardware no Chrome/Chromium

Para forçar o navegador para usar a aceleração de hardware, abra uma nova guia, digite “chrome://flags” (sem aspas), procure por “Override software rendering list”, ative-o e reinicie o Chrome/Chromium.

Experimentando a aceleração por hardware no Chrome/Chromium

Agora você deve ser capaz de acessar o recurso 3D Earth no Google Maps (procure um ícone “Terra” no Google Maps visualização canto inferior direito). Para testar mais um pouco, experimente alguns vídeos do YouTube em HTML5 ou Flash com resolução 1080p em full-screen;

Desativando a aceleração por hardware no Chrome/Chromium

Se você tiver problemas após essa mudança, simplesmente reverta isso, abrindo uma nova guia, digite “chrome://flags” (sem aspas), procure por “Override software rendering list” e desative.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

26 de novembro de 2014

Instale DroidCam e use um dispositivo Android como webcam

Está precisando de uma webcam? Instale o DroidCam no Ubuntu e use seu dispositivo com Android como webcam.
Android como webcam
DroidCam é uma ferramenta que permite usar um dispositivo Android como uma webcam sem fio, que pode ser usado a partir de seu desktop (Linux ou Windows) para conversar no Skype, Google+ e assim por diante, usando o “DroidCam Webcam” no seu computador, com som e imagem. Ele pode se conectar pela Wifi, Bluetooth ou cabo USB. Além disso, ele é simples e eficiente, pois foi projetado para economizar bateria e espaço, tanto quanto possível.

O DroidCam pode ser usado gratuitamente, mas se você quiser recursos extras e melhorias, como o suporte a vídeo de alta resolução, câmera de vigilância/IP/Monitoramento, controles de câmera, como flash, foco automático, zoom e assim por diante, você deve comprar o DroidCamX.

Como normalmente a instalação do cliente desktop do DroidCam no Linux requer a execução de um script, baixando manualmente a cada atualização, foi criado um repositório para facilitar a instalação e manter o programa sempre atualizado com as últimas versões, no Ubuntu e seus derivados.

Conheça melhor o DroidCam

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o DroidCam no Ubuntu e seus derivados e usar um dispositivo Android como webcam

Antes de instalar o cliente de desktop, em primeiro lugar instale a versão mobile
(DroidCam, que é gratuito ou DroidCamX, que é pago e possui mais recursos) no dispositivo com Android e depois execute-o.
Depois, instale o DroidCam no Ubuntu, fazendo o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Instale os pacotes necessários a execução do script;

sudo apt-get install build-essential linux-headers-$(uname -r)

Passo 3. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo apt-add-repository ppa:paolorotolo/droidcam

Passo 4. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install droidcam

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:droidcam
Em seguida, selecione como você deseja que ele se conecte ao seu dispositivo Android (WiFi/LAN, Modo Wifi Server, Bluetooth, USB), digite o IP do telefone, se você está se conectando via WiFi, e clique em Conectar.
droidcam-cliente
Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Gis Weather: um Widget de tempo altamente personalizável para seu desktop Linux

Quer se informar sobre o tempo e ainda enfeitar seu desktop? Então instale o Widget Gis Weather no Ubuntu se seus derivados.
gis weather
O Gis Weather é um widget do tempo altamente personalizável para desktop Linux, que suporta os serviços de informações meteorológicas Gismeteo, Weather e AccuWeather. Ele apresenta previsões do tempo e informações do clima atual em detalhes e ainda permite que você altere a sua aparência (cor de fundo, ícones, texto), exibição em todos os desktops, a posição de bloqueio para o ambiente de trabalho e uma maior personalização pode ser feita a partir de suas preferências.
gis-weather-indicator
Usuários do My Weather Indicator provavelmente irão perguntar qual é a diferença entre Gis Weather e My Weather Indicator, uma vez que ambos vêm com widgets de desktop e um Ubuntu AppIndicator.

O Gis Weather é muito personalizável, mas o indicador dele só exibe o tempo atual, enquanto o My Weather Indicator oferece muito mais informações sobre o tempo em que no indicador, como a pressão, umidade, vento e assim por diante, juntamente com o acesso rápido a uma previsão do tempo de 3 a 5 dias (dependendo do serviço de meteorologia você está usando) e outras informações úteis.

Claro, My Weather Indicator vem com vários widgets que devem ser suficiente para a maioria dos usuários, mas eles não são personalizáveis, pelo menos não usando uma interface gráfica. Além disso, os dois suportam diferentes serviços meteorológicos. Resumindo tudo, as duas aplicações são ótimas e cabe a você escolher a que se adapte melhor às suas necessidades.

No momento, parece que o serviço de tempo Weather.com não funciona corretamente no Gis Weather 0.7.3 e está relatando que um código de localização inválido foi usado, então, por enquanto é melhor usar o AccuWeather.

Características do Gis Weather

  • Permite ver o tempo por vários dias – 3 a 12;
  • Previsão meteorológica detalhada para hoje e amanhã;
  • Troca rápida entre as cidades;
  • Permite selecionar o plano de fundo e ícones do tempo temáticos;
  • “Bussola” com a direção do vento, com ângulo ajustável de rotação;
  • Unidades configuráveis ​​para temperatura, vento, pressão e etc.;
  • Vem com 4 presets de widgets diferentes;
  • Permite múltiplas instâncias;
  • Destaca o vento forte.

gis-weather-widget1
gis-weather-widget3
gis-weather-widget4
O widget é altamente personalizável, permitindo que você mude o preenchimento, transparência, escala, bloqueie a sua posição, configure-o para ser exibido em todas as áreas de trabalho, selecione o número de dias para mostrar, personalize o fundo, tipo de letra, ícones e muito mais e oferece informações sobre o tempo completo, incluindo previsão, umidade e assim por diante.
gis-weather-preferences1

Conheça melhor o Widget Gis Weather

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Como instalar o Widget GisWeather no Ubuntu e derivados

Para instalar o Widget Gis Weather no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal usando o Dash ou pressionando as teclas Ctrl+Alt+T;
Passo 2. Baixe o pacote do programa com esse comando:

wget -O gis-weather.deb http://sourceforge.net/projects/gis-weather/files/gis-weather/0.7.3/gis-weather_0.7.3_all.deb/download

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i gis-weather.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Depois de instalado, execute o programa digitando no Dash:gis

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu

Se você quer gerenciar ambientes de aplicações Ruby, veja aqui como instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu.
rvm Ruby Version Manager
Ruby Version Manager (ou simplesmente RVM ) é uma ferramenta que gerencia ambientes de aplicações Ruby e permite alternar entre eles.

RVM não foi empacotado para as versões recentes do Ubuntu (ele só está disponível para o Ubuntu 12.04, mas essa é uma versão muito antiga) e para instalar ou atualizar ele, você deve executar um script. Para facilitar as coisas, um leitor do site WebUpd8 (Rael GC) empacotou o RVM para Ubuntu e disponibilizou em um PPA, para facilitar a instalação, e claro, receber as atualizações automáticas.

Conheça melhor o Ruby Version Manager

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo apt-add-repository ppa:rael-gc/rvm

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install rvm

Passo 5. A fim de sempre carregar o RVM, você precisa definir o GNOME Terminal (ou qualquer outro emulador de terminal que você usa) para executar Bash como shell de login. Para fazer isso no GNOME Terminal, vá no menu, selecione “Editar” e depois “Preferências do perfil”. Na aba “Título e commando”, ative a opção “Executar comando como shell de sessão”.
preferencia-perfil
Passo 6. Encerre a sessão e depois, abra novamente.
Passo 7. Agora você já pode começar a usar o RVM. Tente por exemplo, instalar a última versão de Ruby usando o comando abaixo:

rvm install ruby

ubuntu-rvm
Para saber como utilizar o RVM, consulte sua página no GitHub ou execute o comando man RVM em um terminal.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

25 de novembro de 2014

Atualizando o kernel do Ubuntu para uma nova versão – 3.17.4

Greg Kroah-Hartman anunciou a liberação da versão estável do Linux Kernel 3.17.4, se você quiser atualizar seu sistema para essa nova versão, veja abaixo como fazer isso.
Kernel 3.17.4
O kernel 3.17.3 é uma atualização de manutenção que, além de várias correções de bugs, traz várias melhorias importantes, como atualizações de arquitetura (ARM e x86), e atualizações de driver para wireless, ethernet, i915 e radeon, bem como outras correções.

Para ver todas as mudanças presentes nesse kernel, acesse esse o ChangeLog.

Antes de iniciar começar a atualizar o kernel do Ubuntu, saiba que este é um procedimento que apesar de simples, exige conhecimentos avançados do sistema e deve ser feito por sua própria conta e risco.

Como atualizar o kernel do Ubuntu para a versão 3.17.4

Para atualizar seu kernel para a versão 3.17.4 no Ubuntu e derivados, faça o seguinte
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema acessando as “Configurações do Sistema” e a opção “Detalhes” ou usando o comando abaixo:

uname -m

Passo 3. Se estiver usando um sistema de 32 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-headers-3.17.4-031704_3.17.4-031704.201411211317_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-headers-3.17.4-031704-generic_3.17.4-031704.201411211317_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-image-3.17.4-031704-generic_3.17.4-031704.201411211317_i386.deb

Passo 4. Se estiver usando um sistema de 32 bits e quiser usar o kernel de baixa latência (para usar em PC´s mais modestos), baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-headers-3.17.4-031704_3.17.4-031704.201411211317_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-headers-3.17.4-031704-lowlatency_3.17.4-031704.201411211317_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-image-3.17.4-031704-lowlatency_3.17.4-031704.201411211317_i386.deb

Passo 5. Se estiver usando um sistema de 64 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-headers-3.17.4-031704_3.17.4-031704.201411211317_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-headers-3.17.4-031704-generic_3.17.4-031704.201411211317_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-image-3.17.4-031704-generic_3.17.4-031704.201411211317_amd64.deb

Passo 6. Se estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar o kernel de baixa latência (para usar em PC´s mais modestos), baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-headers-3.17.4-031704_3.17.4-031704.201411211317_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-headers-3.17.4-031704-lowlatency_3.17.4-031704.201411211317_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.4-vivid/linux-image-3.17.4-031704-lowlatency_3.17.4-031704.201411211317_amd64.deb

Passo 7. Instale o kernel com o comando:

sudo dpkg -i linux-headers-3.17.4*.deb linux-image-3.17.4*.deb

Passo 8. Reinicie o sistema com o comando abaixo:

sudo reboot

Passo 9. Se você tiver algum problema e quiser desinstalar o atual kernel, reinicie o computador com um kernel anterior (usando Grub -> Advanced -> select previous kernel) e quando iniciar o sistema, faça login, abra um terminal e execute o comando abaixo para remover o Linux Kernel 3.17:

sudo apt-get remove linux-headers-3.17.4* linux-image-3.17.4*

Passo 10. Finalmente atualize o menu do GRUB, com o comando:

sudo update-grub

Nota: Todos os drivers que não fazem parte da principal árvore do kernel (o que obviamente inclui drivers proprietários) devem ser recompilados para novas versões do kernel.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançada a versão 0.10.0 do conversor de vídeo HandBrake com suporte para novos encoders

Boa notícia para quem lida muito com vídeos: Foi lançada a versão 0.10.0 do conversor de vídeo HandBrake com suporte para novos encoders. Se quiser instalar essa versão, veja aqui como fazer isso.
handbrake-010
HandBrake é um decodificador de vídeo de código aberto para Linux, Windows e Mac OS X. O programa é também uma ferramenta para ripar DVDs. Ele converte os filmes em MPEG-4 e, além de oferecer diversas opções de configuração, insere a legenda desejada diretamente no resultado final. O aplicativo vem com presets embutidos (perfis) e, além de formatos multimídia comuns, ele suporta DVD ou Bluray desprotegidos, legendas e muito mais.

Nessa atualização, além das diversas correções e melhorias, o programa traz o suporte para novos encoders, como H.265 e VP8, preset para Windows Phone 8 e várias outras mudanças interessantes.

Conheça melhor o conversor de vídeo HandBrake

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para mais detalhes sobre essa versão, acesse esse link.

Como instalar o conversor de vídeo HandBrake 0.10.0 no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o conversor de vídeo HandBrake 0.10.0 no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:stebbins/handbrake-releases

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install handbrake-gtk

Passo 5. O comando acima irá instalar o HandBrake com sua interface GTK3. Se você quiser instalar a versão de linha de comando, use o seguinte comando;

sudo apt-get install handbrake-cli

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:handbrake
Pronto. Handbrake instalado, é hora de começar a converter os vídeos. Mesmo sendo fácil de utilizar, dê uma olhada no HandBrake Guide, se quiser aprender um pouco mais sobre como usá-lo.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o Android Studio no Ubuntu 12.04/14.04/14.10

Pensando em desenvolver aplicações para Android no Linux? Então conheça o Android Studio e veja como instalar ele no Ubuntu 12.04/14.04/14.10 e seus derivados, de um jeito bem fácil.
android studio no ubuntu
Android Studio é o ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) do Google para quem quer construir aplicações para o Android. Assim como o Eclipse (com o plugin ADT), ele oferece uma ferramenta completa para o desenvolvimento e a depuração de aplicações para o sistema operacional do Google para dispositivos móveis.

O procedimento a seguir é apenas para a instalação do Android Studio, e portanto, não serve para atualizá-lo. Isso porque o programa tem a seu próprio “Update Manager” (gerenciador de atualizações). Com isso, para atualizar o Android Studio para a última versão, basta clicar em  “Check for updates now” (Verificar atualizações agora), na tela de boas-vindas e quando aparecer a informação da atualização, clique em “Update and Restart” (Atualizar e reiniciar):
android-studio-update

É importante notar que o pacote tenta instalar um dos seguintes JDKs: default-jdk, oracle-java7-installer ou oracle-java8-installer. É recomendável usar o Android Studio com o Oracle Java 7 ou Oracle Java 8, por isso, antes de iniciar o processo faça a instalação de um dos dois e depois faça a instalação do programa.

Conheça melhor o Android Studio

Para saber mais sobre as características do programa e o que ele pode fazer, clique nesse link.

Como instalar o Android Studio no Ubuntu 14.04

Para instalar o Android Studio no Ubuntu 14.04 e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal usando o Dash ou pressionando as teclas Ctrl+Alt+T;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione esse repositório com o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:paolorotolo/android-studio

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install android-studio

Uma vez instalado, inicie o assistente de configuração a partir do Dash (pode ser necessário reiniciar), ou apenas execute o comando /opt/android-studio/bin/studio.sh.

Via UbuntuHandbook

Entenda melhor essa história

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

24 de novembro de 2014

Lançado Virtualbox 4.3.20: como instalar no Ubuntu

A Oracle anunciou recentemente o VirtualBox 4.3.20 para Linux. Se você usa esse virtualizador, veja aqui como instalar ele no Ubuntu e seus derivados.
href=”http://www.edivaldobrito.com.br/lancado-virtualbox-4-3-20-como-instalar-no-ubuntu/”>virtualbox 4.3.20
O VirtualBox é um software de virtualização x86 e AMD64/Intel64 que pode ser usado por usuários empresariais e domésticos. Ele roda como hospedeiro em Windows, Linux, Macintosh e Solaris e suporta um grande número de sistemas operacionais convidados, incluindo mas não limitado ao Windows (NT 4.0, 2000, XP, Server 2003, Vista, Windows 7, Windows 8), DOS/Windows 3.x, Linux (séries 2.4, 2.6 e 3.x), Solaris e OpenSolaris, OS/2 e OpenBSD. O programa também é a única solução profissional de alto desempenho que está disponível gratuitamente como software de código aberto sob os termos da GNU General Public License (GPL) versão 2.

Essa é uma versão de manutenção do VirtualBox 4.3, que traz melhorias de estabilidade e corrige regressões. Ela corrige a questão da compilação do Linux Kernel 3.18 e algumas questões modo de tela cheia em hosts X11. Para mais detalhes, veja o ChangeLog.

Conheça melhor o VirtualBox

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Instalando o VirtualBox 4.3.10 no Ubuntu e derivados

Para instalar o VirtualBox 4.3.10 no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do aplicativo, usando o seguinte comando (para Linux Mint, substitua o “$(lsb_release -cs)” no código pelo codinome do lançamento do Ubuntu que ele se baseia, como trusty, precise, raring e etc):

sudo sh -c 'echo "deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian $(lsb_release -cs) contrib" >> /etc/apt/sources.list.d/virtualbox.list'

Passo 3. Agora instale a chave do repositório usando o seguinte comando:

wget -q https://www.virtualbox.org/download/oracle_vbox.asc -O- | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install virtualbox-4.3

Se você tiver problema com o repositório acima, você pode baixar o pacote deb. a partir desse link. Depois de baixar o pacote DEB, basta dar um duplo clique sobre nele para iniciar a instalação.

Depois de instalado, o programa pode se executando a partir do Dash, digitando: virtualbox (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como usar o Compiz no Ubuntu MATE 14.04/14.10

Se você estiver usando o Ubuntu MATE 14.04 LTS ou 14.10, aqui está um guia rápido de como instalar e configurar o Compiz. Se algo der errado ou você não ficar satisfeito com o gerenciador de janelas, o artigo também inclui instruções para reverter as alterações.
Compiz no Ubuntu MATE
O Compiz é um gerenciador de janelas e também um recurso interessante que acrescenta uma série de efeitos no desktop do Linux. Ele foi um dos primeiros gerenciadores de janelas 3D para o servidor de janela X, onde foi usada aceleração OpenGL. O gerenciador permite que as janelas tenham efeitos visuais, como animações ao minimizar e uma área de trabalho em forma de cubo.

No momento, tudo indica que ele é mantido apenas pela Canonical (encontrado por padrão no ambiente Unity 7), pois já não está presente nos repositórios oficiais de várias distribuições de Linux.

Apesar disso, aparentemente muitos usuários ainda gostam do Compiz. Para Ubuntu, além do Unity usuários do MATE podem utilizar Compiz em vez do gerenciador de janelas padrão usado atualmente. Se você é um desses usuários, veja a seguir como usar o Compiz no Ubuntu MATE 14.04/14.10 e até a removê-lo.

Conheça melhor o Compiz

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como usar o Compiz no Ubuntu MATE 14.04/14.10

Para usar o Compiz no Ubuntu MATE 14.04/14.10, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o Compiz (juntamente com alguns plugins extras) e o Gerenciador de configurações do CompizConfig;

sudo apt-get install compiz compiz-plugins compizconfig-settings-manager

Passo 3. Após a instalação, abra o Gerenciador de configurações do CompizConfig, digitando no terminal (ou a partir do menu “Sistema” > “Preferências”);

ccsm

Passo 4. Clique na opção “Efeitos” e marque o item “Decoração da Janela”. Este é o único plugin que você precisa habilitar manualmente para fazer o Compiz funcionar no MATE Ubuntu 14.04 ou 14.10 (todos os outros plugins necessários devem ser ativados por padrão). Claro, depois você pode ativar qualquer plugin extra que quiser;
Compiz no Ubuntu MATE
Passo 5. Mas se o que você quer é apenas executar o Compiz sem defini-lo como padrão (isto é útil se você quiser testar Compiz antes de usá-lo definitivamente como padrão). Para fazer isso, use o seguinte comando:

compiz --replace

Passo 4. Se você estiver satisfeito com o Compiz e quiser que ele inicie por padrão quando você entrar no MATE, use o seguinte comando:

gsettings set org.mate.session.required-components windowmanager compiz

Como reverter as alterações feitas no Ubuntu MATE 14.04/14.10

Para reverter as alterações feitas seguindo as instruções acima, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Para voltar a usar o gerenciador padrão do MATE em vez de Compiz, use o comando abaixo:

gsettings reset org.mate.session.required-components windowmanager

Passo 3. Em seguida, saia do ambiente e voltar a entrar, que o Compiz já não estará mais sendo usado. Se você quiser, agora você pode remover com segurança o Compiz, usando o seguinte comando:

sudo apt-get remove compiz compiz-plugins-default compiz-plugins compizconfig-settings-manager

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

23 de novembro de 2014

Resumo semanal – 17/11/2014 a 23/11/2014

Você sabia que já foi divulgado o cronograma de lançamento do Ubuntu 15.04 Vivid Vervet? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essa postagem, mas não se preocupe, leia o resumo semanal do blog e se atualize.
resumo semanal
Mas você já deve saber que o FFmpeg retornará aos repositórios oficiais do Ubuntu na versão 15.04? Ou já sabe como instalar o MintMenu no Ubuntu Mate? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

Resumo semanal do Blog do Edivaldo de 17/11/2014 a 23/11/2014

17/11/2014

18/11/2014

19/11/2014

20/11/2014

21/11/2014

22/11/2014

Chegou o Ubuntu 14.10

Foi lançado o Ubuntu 14.10 e ele já está disponível para download e se você estava na expectativa, é hora de baixar a nova versão do Ubuntu. Para fazer isso, acesse os links nessa postagem.

Como gravar a imagem ISO do Ubuntu 14.10

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO no Ubuntu

Como atualizar do 14.04 para o 14.10

Quem precisar atualizar do 14.04 para o 14.10, basta seguir esses tutoriais:
Desktop
Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10
Como atualizar o Ubuntu Server para uma nova versão

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem ainda está no Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas nas últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04


Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

22 de novembro de 2014

Gerenciador de downloads: Instale o JDownloader no Ubuntu e derivados

Procurando uma ferramenta para ajudar nos seus downloads? Experimente instalar o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e seus derivados.
gerenciador de downloads jdownloader
JDownloader é um gerenciador de downloads gratuito escrito em Java e consequentemente, multi-plataforma. A sua comunidade de desenvolvedores é muito grande e tenta torná-lo tão fácil e rápido quanto possível. Ele permite ao usuário iniciar, parar ou fazer uma pausa nos downloads, estabelecer limites de largura de banda, auto extrair arquivos e muito mais.

O JDownloader também tem a vantagem de baixar arquivos nos sites de hospedagem mais complicados como: RapidShare, EasyShare e vários outros. Se você tiver uma conta que dá privilégios em qualquer um dos sites compatíveis poderá aproveitar mais ainda este software. Ele baixa e converte vídeos do YouTube e vários outros sites similares, automaticamente (formato MP4, 3GP, MP3 ou FLV). Ele possui ferramentas que automatizam tarefas, ele se torna uma boa opção para evitar que você fique horas e horas na frente do PC esperando os downloads serem finalizados, basta selecionar o que deseja e ele faz tudo sozinho.

Conheça melhor o gerenciador de downloads JDownloader

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Veja como instalar o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e derivados

Para instalar o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do aplicativo com o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:jd-team/jdownloader

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Para instalar o programa, use este comando:

sudo apt-get install jdownloader-installer

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite jdownloader no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB). Se for necessário, o programa automaticamente será atualizado para a última versão, logo no inicio da execução.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje

This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Combinando o tema GnomishBeige com os ícones zonColor

Que tal combinar o tema GnomishBeige com os ícones zonColor e dar uma renovada no visual do seu desktop Unity? Então veja a seguir como fazer isso.
GnomishBeige-zonColor-1
GnomishBeige é um tema projetado para GTK 3, Gnome Shell e está disponível para o Gnome Shell versão 3.4/3.5.4. O tema um tom acastanhado para o desktop.

Já o zonColor é um conjunto completo de simples, mas bonitas, elegantes temas e ícones para Ubuntu e outros sistemas Linux com desktop baseado em GTK. Ele dá ao usuário a liberdade de personalização no tema, particularmente na cor, de modo que os usuários podem facilmente usar/aplicar a sua própria combinação de cor/paleta de cores/esquema de cores para os temas.

Combinados, os dois podem ser usados para deixar o seu desktop do jeito que você quer.

Conheça melhor o GnomishBeige e os ícones zonColor

Para saber mais sobre o tema GnomishBeige, clique nesse link.
Para saber mais sobre os ícones zonColor, clique nesse link.

Instalando o tema GnomishBeige com os ícones zonColor no Ubuntu e derivados

Para instalar o tema GnomishBeige com os ícones zonColor no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se você ainda não tem, adicione os repositórios com o comando:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes
sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema GnomishBeige com os ícones zonColor, usando o seguinte comando:

sudo apt-get install gnomishbeige-theme zoncolor-icons

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak para mudar o tema e os ícones.
GnomishBeige-zonColor-2

GnomishBeige-zonColor-3

Via noobslab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

21 de novembro de 2014

Atualizando o GNOME 3.12 para GNOME 3.14

Por padrão, no Ubuntu e Ubuntu GNOME 14.10 Utopic Unicorn vem com o GNOME 3.12, podendo através de PPA testar a versão 3.14. Esta última versão vem recheada de novas atualizações, melhorias e animações. Clique aqui para ter acesso as notas de lançamentos do GNOME 3.14.

Vamos lá! Para começar a instalar o GNOME 3.14, execute no terminal os seguintes comandos:

sudo add-apt-repository ppa:gnome3-team/gnome3 -y
sudo add-apt-repository ppa:gnome3-team/gnome3-staging -y
sudo apt-get update && sudo apt-get dist-upgrade -y

Caso apareça a seguinte mensagem de erro: “GdkPixbuf-WARNING **: Cannot open pixbuf loader module file ‘/usr/lib/x86_64-linux-gnu/gdk-pixbuf-2.0/2.10.0/loaders.cache': No such file or directory” durante o processo de instalação, corriga este problema instalando o pacote “libgdk-pixbuf2.0-dev”:

sudo apt-get install libgdk-pixbuf2.0-dev

Em seguida execute:

sudo -i
gdk-pixbuf-query-loaders > /usr/lib/i386-linux-gnu/gdk-pixbuf-2.0/2.10.0/loaders.cache
exit

Reinicie o sistema!

Alguns aplicativos não são instalados por padrão, caso queira conhecê-los, execute:

sudo apt-get install polari gnome-sound-recorder bijiben gnome-clocks gnome-music gnome-photos gnome-boxes

Até a próxima!

Instale LAMP no Linux e tenha um servidor web em seu PC

Abreviação de Linux, Apache, MySQL e PHP, esse conjunto de programas colocam em seu PC com (L)inux um servidor web (A)pache, a linguagem de programação voltada para web (P)HP e o poderoso banco de dados (M)ySQL. Se você precisa instalar o LAMP no Linux, veja como é fácil fazer isso.
lamp no Linux
Para que a instalação possa funcionar tanto no Ubuntu como nos outros derivados do Debian, o passo a passo será feito todo no terminal, acompanhe.

Instalando o LAMP no Linux

Passo 1. Abra um terminal, para isso, vá ao seu Dash e digite palavra “terminal” (sem as aspas) e então clique no aplicativo encontrado ou pressione as teclas CTRL+ALT+T simultaneamente;

Passo 2. Dentro do terminal, digite o comando abaixo. Observe que o símbolo ^ não é um erro, o comando é assim mesmo. Depois de digitar o comando, pressione a tecla “enter”:

sudo apt-get install lamp-server^

Passo 3. Quando for solicitado, digite a senha e a tecla “enter” novamente;

Passo 3. Após a listagem dos pacotes necessários, será perguntado se deseja realmente continuar a instalação. Para confirmar, digite S e tecle “enter”;

Passo 4. Na hora de instalar o MySQL será pedido para criar uma senha para o administrador do banco, digite-a tecle “enter”;

Passo 5. Na próxima tela será pedido para digitar novamente a senha, repita-a e tecle “enter”. Depois basta aguardar a finalização da instalação;
Passo 6. Se quiser instalar uma ótima ferramenta de administração para o MySQL, use o comando abaixo;

sudo apt-get install phpmyadmin

Passo 7. Para saber como ficou a instalação é preciso criar uma página em PHP, para isso, no terminal digite o comando abaixo e e em seguida, tecle “enter”;

echo "" | sudo tee /var/www/html/test.php

Passo 8. Reinicie o servidor apache digitando o comando abaixo e depois tecle “enter”;

sudo /etc/init.d/apache2 restart

Passo 9. Abra seu navegador favorito e na barra de endereço dele digite “http://localhost/test.php” (sem as aspas) e depois tecle “enter”. Serão mostradas todas as informações sobre a versão do PHP, MySQL e Apache que foram instalados.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Instalando o cliente BitTorrent Vuze 5.5.0 no Ubuntu 14.10/14.04

Chamado anteriormente de Azureus, o cliente BitTorrent Vuze chegou recentemente a versão 5.5.0 com novas funcionalidades e melhorias. Se você usa ou quer experimentar esse programa, veja como instalar ou atualizar ele no Ubuntu.
cliente BitTorrent Vuze 5.5.0
Vuze é um cliente BitTorrent escrito em Java, que usa o Azureus Engine. Além de download de dados ligados a arquivos .torrent, Azureus permite aos usuários visualizar, publicar e compartilhar DVD originais e conteúdo de vídeo com qualidade HD. O conteúdo é apresentado por meio de canais e categorias que contêm programas de TV, vídeos de música, filmes, jogos de vídeo, séries e outros. Além disso, se os usuários preferem publicar o seu conteúdo original, eles podem ganhar dinheiro com isso.

Novidades do cliente BitTorrent Vuze 5.5.0

De acordo com a nota de lançamento, a nova versão traz:

  • Um novo guia visual;
  • Dicas e sugestões adicionais são fornecidos para o uso Vuze;
  • Permite o bloqueio de tentativas de resolução de DNS locais para trackers anfitriões ao usar um proxy SOCKS;
  • Implementado um atalho de teclado para o local de download, usando CTRL+ para salvar os torrents;
  • Adições de vários comandos console-UI para melhorar a usabilidade;
  • Adicionado funcionalidade Speed Limit Scheduler;
  • Páginas de configuração agora têm atalhos para acessar rapidamente as configurações específicas.

Conheça melhor o cliente BitTorrent Vuze

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais detalhes sobre essa versão, acesse a nota de lançamento.

Instalando o cliente BitTorrent Vuze 5.5.0 no Ubuntu 14.10/14.04 e derivados

Para instalar o cliente BitTorrent Vuze 5.5.0 no Ubuntu 14.10/14.04 e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Antes de instalar o Vuze, instale o Java 6, 7 ou posterior acessando esse outro tutorial;
Baixe o Azureus Engine usando o comando a seguir;

wget http://archive.getdeb.net/getdeb/ubuntu/pool/apps/a/azureus/azureus_5.5.0.0-1~getdeb1_all.deb

Passo 3. Em seguida baixe o Vuze com esse comando

wget http://archive.getdeb.net/getdeb/ubuntu/pool/apps/a/azureus/vuze_5.5.0.0-1~getdeb1_all.deb

Passo 4. Agora instale o Azureus Engine com o comando:

sudo dpkg -i azureus_5.5.0.0-1~getdeb1_all.deb

Passo 5. Agora instale o Vuze com o comando:

sudo dpkg -i vuze_5.5.0.0-1~getdeb1_all.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale outras dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Depois de instalado, execute o programa digitando no Dash:vuze

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o Pale Moon 25.1.0 no Linux

Foi lançado recentemente o Pale Moon 25.1.0, o navegador que é o Firefox mais rápido que o Firefox. Se você quiser experimentar essa versão, veja a seguir como instalar o Pale Moon 25.1.0 no Linux.
pale-moon-25-1-0
Pale Moon é um navegador multiplataforma e open source, baseado no Mozilla Firefox, sendo que ele é até 25% mais rápido do que o original.Também vale a pena mencionar, que devido ao fato do Pale Moon não ser afiliado a Mozilla, ele não adotou a interface Australis e manteve uma aparência inspirada na interface do Firefox clássico. Além disso, o suporte para DRM não serão adicionados por padrão, os usuários têm a possibilidade de fazer isso, através de plugins de terceiros.

Abaixo você verá como instalar o Pale Moon no Ubuntu, Linux Mint, Pinguy OS, Elementary OS, LXLE, Linux Lite, Peppermint, Deepin, Debian, Crunchbang, SparkyLinux, Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e qualquer outra distribuição Linux.

Se você quiser instalar o Pale Mon usando um instalador, veja esse outro tutorial:
Firefox otimizado: Instale o navegador Pale Moon no Linux

Conheça melhor o Pale Moon 25.1.0

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais sobre essa versão, acesse a nota de lançamento.

Como instalar o Pale Moon 25.1.0 no Linux

Para instalar o Pale Moon 25.1.0 no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa:

wget sourceforge.net/projects/pm4linux/files/25.1.0/palemoon-25.1.0.en-US.linux-i686.tar.bz2

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa:

wget sourceforge.net/projects/pm4linux/files/25.1.0/palemoon-25.1.0.en-US.linux-x86_64.tar.bz2

Passo 5. Depois de baixar, execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

tar -xjvf palemoon-25.1.0.en-US.linux-*.tar.bz2 -C /opt/

Passo 6. Para ficar mais fácil de executar o programa, crie um link para ele como o comando abaixo:

sudo ln -sf /opt/palemoon25.1.0/palemoon /usr/bin/palemoon

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite pale em um terminal, seguido da tecla TAB.

Via linuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o Google Chrome 39 no Linux

Foi lançado recentemente o Google Chrome 39, com uma série de mudanças para todas as plataformas. Se você quiser experimentar essa versão, veja aqui como instalar ela no Ubuntu, Linux Mint, Pinguy OS, Elementary OS, LXLE, Linux Lite, Peppermint, Deepin, Debian, Crunchbang, SparkyLinux, Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia e OpenMandriva.
google chrome 39
Entre as novidades dessa versão, destaque para o suporte para novos aplicativos e extensões de APIs, um monte de alterações de estabilidade e mais importante ainda, 42 correções de segurança.

Conheça melhor o Google Chrome

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Google Chrome 39 no Ubuntu, Debian sistemas derivados deles

Para instalar o programa no Ubuntu, Debian e sistemas derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo "deb http://dl.google.com/linux/chrome/deb/ stable main" >> /etc/apt/sources.list.d/google.list'

Passo 3. Baixe e importe a chave do repositório com o comando:

wget -q -O - https://dl-ssl.google.com/linux/linux_signing_key.pub | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install google-chrome-stable

Passo 6. Se por algum motivo você precisar remover o programa, use o comando abaixo:

sudo apt-get remove google-chrome-stable

Como instalar o Chrome 39 nos sistemas Fedora e CentOS

Para instalar nos sistemas Fedora e CentOS, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se ainda não tiver e seu sistema for de 32 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo -e "[google-chrome]\nname=google-chrome - 32-bit\nbaseurl=http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/i386\nenabled=1\ngpgcheck=1\ngpgkey=https://dl-ssl.google.com/linux/linux_signing_key.pub" >> /etc/yum.repos.d/google-chrome.repo'

Passo 4. Se ainda não tiver e seu sistema for de 64 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo -e "[google-chrome]\nname=google-chrome - 64-bit\nbaseurl=http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/x86_64\nenabled=1\ngpgcheck=1\ngpgkey=https://dl-ssl.google.com/linux/linux_signing_key.pub" >> /etc/yum.repos.d/google-chrome.repo'

Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo yum update

Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

yum install google-chrome-stable

Passo 7. Se por qualquer motivo você precisar remover o programa, use o comando abaixo:

sudo yum remove google-chrome-stable

Como instalar o Chrome 39 em sistemas OpenSUSE

Para instalar nos sistemas OpenSUSE, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se ainda não tiver e seu sistema for de 32 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo zypper ar http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/i386 Google-Chrome

Passo 4. Se ainda não tiver e seu sistema for de 64 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo zypper ar http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/x86_64 Google-Chrome

Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo zypper refresh

Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo zypper install google-chrome-stable

Passo 7. Depois, se for necessário remover o programa, use o comando abaixo:

sudo zypper remove google-chrome-stable

Como instalar o Chrome 39 em sistemas Mageia e OpenMandriva

Para instalar em sistemas Mageia e OpenMandriva, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Baixe e importe a chave do repositório com o comando:

sudo rpm --import https://dl-ssl.google.com/linux/linux_signing_key.pub

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se ainda não tiver e seu sistema for de 32 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo urpmi.addmedia --update chrome_i386 http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/i386

Passo 4. Se ainda não tiver e seu sistema for de 64 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo urpmi.addmedia --update chrome_x86_64 http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/x86_64

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo urpmi google-chrome-stable

Passo 6. Depois, caso seja necessário remover o programa, use o comando abaixo:

sudo urmpe google-chrome-stable

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite chrome em um terminal, seguido da tecla TAB.

Via linuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

FFmpeg retornará aos repositórios oficiais do Ubuntu na versão 15.04

O pacote FFmpeg não está disponível em versões recentes do Ubuntu, mas isso irá mudar com o Ubuntu 15.04: FFmpeg retornará aos repositórios oficiais do Ubuntu na versão 15.04.
ffmpeg ubuntu
FFmpeg é um projeto de software livre que produz as bibliotecas e os programas para a manipulação de dados multimídia.

Devido a conflitos na comunidade FFmpeg, surgiu um fork dele no ano de 2011 e o projeto resultante foi chamado de Libav.

Desde então, várias mudanças da Libav foram levadas de volta para o FFmpeg, enquanto o projeto Libav fez o seu próprio desenvolvimento, ignorando quaisquer alterações do FFmpeg, e como conseqüência disso, muitos desenvolvedores preferem FFmpeg.

A distribuição Ubuntu tem substituído o FFmpeg pelo Libav há um bom tempo atrás. O Ubuntu 14.04 e 14.10 têm apenas Libav. Mas, existem algumas boas notícias para aqueles que preferem FFmpeg: com o Ubuntu 15.04 Vivid Vervet, FFMpeg retorna aos repositórios oficiais do Ubuntu. Essa versão, atualmente está em desenvolvimento e serrá lançado em abril de 2015.

Nesse momento o Ubuntu 15.04 tem atualmente o FFMpeg 2.4.3 (importado do Debian) e como tanto Libav e FFmpeg usar os mesmos nomes de biblioteca, o novo pacote FFmpeg vem com bibliotecas renomeadas, como “libavdevice-ffmpeg”, “libavutil-ffmpeg”, e assim por diante. Por conta disso, os pacotes podem coexistir nos repositórios do Ubuntu (e Debian).

Conheça melhor o FFmpeg

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

20 de novembro de 2014

Lançada a IDE Light Table 0.7.1, veja como instalar ele no Ubuntu

Foi lançada a IDE Light Table 0.7.1. Se você é usuário ou quer experimentar essa incrível IDE, veja aqui como instalar ela no Ubuntu.
IDE Light Table
A IDE Light Table pode ser considerada a próximo geração dos editores de código. Ela simplesmente conecta você à sua criação com feedback instantâneo, mostrando os valores de dados que fluem através de seu código.

O programa chegou a sua versão 0.7.1 trazendo uma boa quantidade de pequenas correções e uma série de grandes mudanças que justificam a chegada de mais uma versão.

Conheça melhor a IDE Light Table

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais detalhes sobre essa versão, veja a nota de lançamento.

Instalando a IDE Light Table 0.7.1 no Ubuntu 14.04/14.10 e derivados

Para instalar a IDE Light Table 0.7.1 no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo:

wget https://d35ac8ww5dfjyg.cloudfront.net/playground/bins/0.7.1/LightTableLinux.tar.gz

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo:

wget https://d35ac8ww5dfjyg.cloudfront.net/playground/bins/0.7.1/LightTableLinux64.tar.gz

Passo 5. Depois de baixar, execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -zxvf LightTableLinux*.tar.gz -C /opt/

Passo 6. Agora crie um lançador para o Sweet Home 3D, executando um editor de texto com o comando:

sudo gedit /usr/share/applications/light-table.desktop

Passo 7. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Name=Light Table
GenericName=Text Editor
Exec=/opt/LightTable/LightTable
Terminal=false
Icon=/opt/LightTable/core/img/lticon.png
Type=Application
Categories=GTK;Utility;TextEditor;Application;IDE;Development;

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite light no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Conheça e instale a nova versão do cliente para Twitter Corebird

Se você precisa de um cliente para Twitter, experimente instalar o Corebird no Ubuntu 14.04/14.10.
Cliente para Twitter Corebird
Corebird é um cliente de Twitter nativo para Linux. Ele possui um design moderno e ágil que lhe dá um um visual muito parecido com o aplicativo oficial do Twitter para Mac. O programa é um projeto de código livre e aberto que possui toda as características essenciais do twitter, tais como streaming de tweets, menções/notificações, favoritos, mensagens diretas, listas, filtros e uma pesquisa integrada.

A aplicação é bem integrada com a área de trabalho GNOME. Ele suporta GNOME Shell Application Menu, exibe o número de notificações do Twitter na lockscreen e com o gstreamer e plugins gstreamer, Corebird permite visualizar quaisquer vídeos.

Corebird, chegou a versão 0.9 com grandes melhorias na interface e na performance. Nessã versão, menções, hashtags e links agora ficam destacados diretamente na janela de composição, você pode clicar o avatar para editar e alterar a conta de usuário, você pode alternar o interruptor “autostart” na janela de configurações de cada conta de usuário, ao visualizar uma imagem de um tweet com várias imagens/vídeos em anexo, agora você pode usar as teclas do cursor para navegar entre elas, os avatares em tweets e perfis mostram agora se o usuário é verificada e algumas coisas agora são aplicadas imediatamente, em vez de precisar de uma reinicialização.

Atenção!!

Corebird depende de gtk+3 (>= 3.12), de modo que no Ubuntu 14.04 será preciso adicionar os repositórios GNOME3 e GNOME3 Staging. Como o repositório Staging é para uso de teste, ele pode quebrar seu sistema. Por isso, use-o por sua conta e risco!

Conheça melhor o cliente para Twitter Corebird

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais detalhes dessa versão, acesse a nota de lançamento.

Como instalar o cliente do Twitter Corebird no Ubuntu 14.04/14.10 e seus derivados

Para instalar o cliente do Twitter Corebird no Ubuntu 14.04/14.10 e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório GNOME3 e GNOME3 Staging com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:gnome3-team/gnome3
sudo add-apt-repository ppa:gnome3-team/gnome3-staging

Passo 3. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/corebird

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install corebird

Passo 6. Depois de instalar, remova o repositório Gnome 3 Staging com esse comando:

sudo add-apt-repository -r ppa:gnome3-team/gnome3-staging

Se você tiver problema com o repositório do programa ou não quiser adicioná-lo, você pode baixar o pacote DEB a partir desse link. Depois de baixar, basta dar um duplo clique sobre o arquivo, para iniciar a instalação.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite corebird no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançado digiKam 4.5.0: Instale no Ubuntu e derivados

A Equipe do digiKam anunciou recentemente o lançamento do digiKam 4.5.0. Se você usa ou quer experimentar essa versão, veja como instalar ela no Ubuntu e seus derivados.
digikam 4.5.0
digiKam é um software de código aberto para gerenciamento avançado de fotos digitais para Linux, Windows e Mac OS X. Ele possui diversas funcionalidades que permitem visualizar, gerenciar, editar, melhorar, organizar, rotular, e compartilhar fotos em sistemas Linux.

Essa nova versão do digiKam traz diversas correções de bugs e novas dependências opcionais para suportar plug-ins Kipi, gestão de faces e mapas de localização geográfica.

Conheça melhor o DigiKam

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais detalhes sobre essa versão, consulte a nota de lançamento.

Como instalar o DigiKam 4.5.0 no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o DigiKam 4.5.0 no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:philip5/extra

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install digikam

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite digikam no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Como remover o DigiKam 4.5.0 no Ubuntu e seus derivados

Para remover o DigiKam 4.5.0 no Ubuntu, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Agora use o comando abaixo para instalar o programa ppa-purge;

sudo apt-get install ppa-purge

Passo 3. Remova o repositório do programa com este comando:

sudo ppa-purge ppa:philip5/extra

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

[unable to retrieve full-text content]

19 de novembro de 2014

Instale e experimente a ferramenta de desligamento avançado Qshutdown

Se você precisar programar o desligamento do seu PC, instale a ferramenta de desligamento avançado Qshutdown.
ferramenta de desligamento qshutdown
Qshutdown é um programa baseado em Qt que permite fazer o desligamento, reinicialização, suspensão ou hibernação do computador em um determinado momento ou após um determinado número de minutos. Este programa pode ser muito útil para pessoas que querem trabalhar com o computador apenas durante um certo tempo.

Ele mostra o tempo até o desligamento e então envia o pedido de desligamento para o Gnome, KDE-session-manager, HAL ou DeviceKit e se nenhum destes funcionar, o comando sudo shutdown -P now é usado.

Quando estiver faltando menos de 70 segundos para o prazo de desligamento, o programa irá mostrar automaticamente um aviso três vezes.

Vale observar que quando o programa usa o comando sudo shutdown -P now, a sessão nunca será salva e o programa só será capaz de fazer o desligamento e reinicialização. Então se nada acontece quando o tempo de desligamento ou reinicialização é alcançado, isso significa que o usuário que executou o programa não possui os direitos necessários para o comando de desligamento.

Conheça melhor a ferramenta de desligamento avançado Qshutdown

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a ferramenta de desligamento avançado Qshutdown no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Qshutdown no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install qshutdown

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite qshutdown no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Via Ubuntu Geek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Instale e use o SARDU multiboot builder para criar pendrives ou imagens ISO de distribuições

Já está disponível para download o SARDU Multi Boot 3 beta for Linux. Se você quer usar o programa para criar pendrives ou imagens ISO de suas distribuições favoritas, veja como instalar ele no Debian, Ubuntu e derivados.
criar pendrives ou imagens ISO de distribuições
Sardu Multi Boot Builder é um projeto italiano que tem como objetivo fornecer um software completo para que o usuário possa facilmente usar para criar uma unidade flash ou imagens ISO de distribuições Linux ou software Windows acessados ​​através de um gerenciador de inicialização personalizada.

Entre os muitos recursos incluídos no Sardu, há também a possibilidade de baixar as distribuições Linux como uma imagem ISO diretamente no software (ou ir para a página inicial da distribuição), também é possível testar as imagens dentro do próprio sistema operacional usando o QEMU.

Sardu Multi Boot Builder versão 3 é uma prévia da futura versão (atualmente ainda em desenvolvimento), que inclui todas as características da versão para o Linux, bem como suporte para EFI.

O programa foi disponibilizado com binários pré-compilados, o que permitem iniciar ele a partir de qualquer distribuição, mas antes, é preciso primeiro instalar algumas dependências de software (libx11-6:i386 e libgtk2.0), necessários para que o programa funcione corretamente. No tutorial a seguir, será mostrado como fazer isso no Debian, Ubuntu e derivados, mas o procedimento pode ser feito em qualquer distribuição, desde que você instale as dependências antes de usar o programa.

Conheça melhor o Sardu Multi Boot Builder

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o Sardu Multi Boot Builder no Ubuntu e derivados

Para instalar o Sardu Multi Boot Builder no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Instale as dependências do programa com esse comando:

sudo apt-get install gtk2-engines-murrine:i386 gtk2-engines-pixbuf:i386 libgtk2.0-0:i386 libx11-6:i386

Passo 3. Use o comando abaixo para baixar o SARDU:

wget http://www.sarducd.it/linux/sardu_3-linux.zip

Passo 4. Depois de baixar, execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

unzip sardu_3-linux.zip

Passo 5. Coloque a pasta criada na pasta /opt:

sudo mv sardu_3/ /opt/

Passo 6. Agora crie um lançador para o SARDU, executando um editor de texto com o comando:

sudo gedit /usr/share/applications/sardu.desktop

Passo 7. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=sardu
Exec=/opt/sardu_3/sardu_3
Icon=
Categories=Application

Pronto! Quando quiser, inicie o programa digitando no Dash:sardu.

Se ao executar pela primeira vez o programa não aparecer, abra o gerenciador de arquivos e vá para a pasta dele (/opt/sardu_3/). Depois, dê um clique duplo no arquivo sagu_3.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Privacidade no Unity: Como instalar o Indicator Privacy 0.0.4 no Ubuntu 14.10 e 14.04

Se você quer ter mais privacidade no Unity, veja aqui como instalar o Indicator Privacy 0.0.4 no Ubuntu 14.10 e 14.04.
privacidade no unity
Como você deve saber, o Dash do ambiente Unity armazena todas as pesquisas realizadas pelos usuários, enquanto o Zeitgeist lembra os últimos arquivos abertos. Se você está preocupado com sua privacidade, a maneira mais fácil de desativar todas as características do Unity que armazenam a atividade recente é instalar o Indicator Privacy.

Ele é um applet de área de notificação (indicador de aplicativo) para o painel superior do ambiente de desktop Unity. O objetivo do Indicator Privacy é facilitar a mudança de configurações que influenciam a privacidade do usuário ou o recolhimento automático de dados e também a exclusão automática de dados coletados.

A última versão do programa disponível é a 0.0.4, que vem com um recurso que permite aos usuários exibir os ícones na área de trabalho, usar o papel de parede padrão, ativar ou desativar o Ubuntu GeoIP, ou usar ou não usar HUD.

Conheça melhor o Indicator Privacy

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Indicator Privacy 0.0.4 no Ubuntu e ter mais privacidade no Unity

Para instalar o Indicator Privacy 0.0.4 no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:diesch/testing

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install indicator-privacy

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite indicator no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

18 de novembro de 2014

Divulgado o cronograma de lançamento do Ubuntu 15.04 Vivid Vervet

Depois do anuncio do nome da próxima versão do Ubuntu, agora foi divulgado cronograma de lançamento do Ubuntu 15.04 Vivid Vervet.
cronograma de lançamento do Ubuntu 15.04
Algumas semanas atrás, começou oficialmente o desenvolvimento do Ubuntu 15.04, a nova versão trará mudanças importantes, nomeadamente em matéria do novo ambiente de desktop Unity 8 e o servidor X Mir. Agora, os desenvolvedores da Canonical divulgaram o cronograma de lançamento de várias versões em desenvolvimento e do lançamento da versão estável do Ubuntu 15.04 Vivid Vervet, que estará disponível em uma quinta-feira, no dia 23 de abril de 2015.

Como em versões anteriores, os dois primeiros Alpha e Beta 1 serão lançado apenas para o derivado oficial do Ubuntu e somente o Beta Final e o Release Candidate terão uma imagem ISO com o Unity disponível para download.

O cronograma de lançamento do Ubuntu 15.04 Vivid Vervet ficou assim:

18 de dezembro de 2014 – Alpha 1
22 de janeiro de 2015 – Alpha 2
26 de fevereiro de 2015 – Beta 1
26 de março de 2015 – Beta Final
09 de abril – Kernel Freeze
16 de abril de 2015 – Release Candidate
23 de abril de 2015 – versão Final

Fique de olho no Blog que será postado algo sempre que surgir alguma novidade ou for lançada uma das versões do cronograma acima.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o MintMenu no Ubuntu Mate

Está usando a mais nova variante do Ubuntu e quer usar o mesmo menu do Linux Mint? Então veja aqui como instalar o MintMenu no Ubuntu Mate.
instalar o MintMenu no Ubuntu Mate
Entre as muitas inovações que estrearam nos últimos meses destaca-se o Ubuntu Mate, o novo derivado que leva a experiência do usuário do Gnome 2, para a distribuição suportada pela Canonical. A boa noticia para aqueles que usam Ubuntu Mate e desejam ter o padrão do Linux Mint em seu ambiente, é que é possível instalar o menu padrão no Linux Mint.

Para quem não conhece, MintMenu é um menu moderno que oferece acesso rápido aos aplicativos favoritos através de uma barra de pesquisa, onde é possível realizar pesquisas segmentadas e muito mais. Ele também possui inúmeras opções que permitem que o usuário personalize o mintMenu para deixá-lo de acordo com as suas preferências.

Como instalar o MintMenu no Ubuntu Mate

Para instalar o MintMenu no Ubuntu Mate, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o pacote do MintMenu:

wget http://ppa.launchpad.net/eugenesan/ppa/ubuntu/pool/main/m/mintmenu/mintmenu_5.5.2-0~eugenesan~trusty1_all.deb

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i mintmenu_5.5.2-0~eugenesan~trusty1_all.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Passo 5. Para adicionar o menu na barra superior, clique com o botão direito nela e no menu que aparece, selecione a opção “Add to Panel” (Adicionar no Painel). Na tela que aparece, escolha o MintMenu e depois clique no botão “Add” (Adicionar). Você pode manter ambos os menus se você quiser);

Quando precisar, você pode remover o menu tradicional ou o próprio mintMenu, para isso, basta clicar com o botão direito do mouse e no menu que aparece, clicar em “Remover do painel”. Mas se preferir, é possível manter os dois menus.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Combinando o tema Royal-Gtk com os ícones Numix

Que tal combinar o tema Royal-Gtk com os ícones Numix, para dar uma repaginada no visual do seu desktop Unity? Veja a seguir como fazer isso.
tema Royal-Gtk com os ícones Numix
A chegada do Ubuntu 14.10 não trouxe qualquer coisa nova no visual do sistema, pois o tema e o conjunto de ícones continua praticamente das versões anteriores. Felizmente, existem muitas opções de terceiros, como o tema Royal-Gtk e o conjunto de ícones Numix. O melhor de tudo, é possível combiná-los e obter um visual bem bacana.

Conheça melhor o Royal-Gtk e os ícones Numix

Royal-Gtk é um tema flat moderno com uma combinação de elementos claros e escuros com base no Numix.
Para saber mais sobre o tema Royal-Gtk, clique nesse link.
Projeto Numix é conhecido criar temas e ícones de alta qualidade para desktop Linux GTK.
Para saber mais sobre os ícones Numix, clique nesse link.

Instalando o tema Royal-Gtk com os ícones Numix no Ubuntu e derivados

Para instalar o tema Royal-Gtk com os ícones Numix no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se você ainda não tem, adicione o repositório do tema com o comando:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes
sudo add-apt-repository ppa:numix/ppa

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema o tema Royal-Gtk com os ícones Lumix, usando o seguinte comando:

sudo apt-get install numix-icon-theme numix-icon-theme-circle royal-gtk-theme

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak para mudar o tema e os ícones.
definir-tema-royal

definir-icones-numix
Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

17 de novembro de 2014

Como instalar o Nvidia Driver 346.16 Beta no Ubuntu 14.04/14.10

A NVIDIA lançou recentemente a série 346.xx de drivers gráficos para Linux com o lançamento do Driver 346.16 Beta. Se você utiliza um hardware suportado por esse pacote, veja aqui como instalar o Nvidia Driver 346.16 beta no Ubuntu 14.04.
Nvidia Driver 346.16 Beta
Além de diversas correções de bugs, esse driver adiciona o suporte para as GPUs GeForce GTX 970M e GeForce GTX 980M. Também foi adicionado o suporte para decodificação de stream de vídeo VP8, utilizando a API NVCUVID em GPUs com suporte de decodificação de hardware VP8. O driver permite aumentar a voltagem de operação em certas GPUs GeForce na série GeForce GTX 400 ou posterior (ajustes de tensão é feito por conta e risco do usuário).

A seguir, será mostrado como instalar esse driver a partir do repositório Xorg-Edgers PPA, que fornece os pacotes binários do driver para o Ubuntu 14.10 e Ubuntu 14.04.

Conheça melhor o Driver Nvidia 346.16

Para saber mais sobre o Driver Nvidia 346.16, clique nesse link
Para saber mais sobre o NVIDIA Linux Graphics Driver, clique nesse link

Instalando o Driver Nvidia 346.16 no Ubuntu 14.04/14.10 e derivados

Para instalar o Driver Nvidia 346.16 no Ubuntu 14.04/14.10 e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:xorg-edgers/ppa

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install nvidia-346 nvidia-settings

Passo 5. Depois disso, reinicie o computador com o comando.

sudo reboot

Removendo o Driver Nvidia 346.16 no Ubuntu 14.04/14.10 e derivados

Se por algum motivo, o novo driver não funcionar corretamente ou você simplesmente quiser removê-lo, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T) ou faça login no console de comando usando Ctrl + Alt + F2 (funciona em qualquer independente de onde você estiver no sistema);
Passo 2. Instale o pacote ppa-purge;

sudo apt-get install ppa-purge

Passo 3. Purgue o PPA:

sudo ppa-purge ppa:xorg-edgers/ppa

Passo 4. Remova o dirver com o comando:

sudo apt-get remove nvidia-346

Passo 5. Execute a auto remoção de pacotes;

sudo apt-get autoremove

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Atualizando o kernel do Ubuntu para uma nova versão – 3.17.3

Apenas 15 dias depois da atualização anterior, já está disponível o novo Linux Kernel 3.17.3. Se você quiser atualizar seu sistema para essa nova versão, veja abaixo como fazer isso.
Kernel 3.17.3
O kernel 3.17.3 é uma atualização de manutenção que, além de várias correções de bugs, inclui inovações interessantes melhorias no suporte para ELAN Smart-Touchscreen. Para AMD chegam importantes melhorias sobre drm/radeon com otimizações para o acesso direto à memória (DMA), além de correção de um bug que impedia o reconhecimento adequado da placa de vídeo instalada no PCI.

Essa versão também melhora o suporte para alguns portáteis: Asus X750LN, Fujitsu Lifebook A544 e Lifebook AH544, Acer KAV80 e Apple Macbook.

Para ver todas as mudanças presentes nesse kernel, acesse esse ChangeLog.

Antes de iniciar começar a atualizar o kernel do Ubuntu, saiba que este é um procedimento que apesar de simples, exige conhecimentos avançados do sistema e deve ser feito por sua própria conta e risco.

Como atualizar o kernel do Ubuntu para a versão 3.17.3

Para atualizar seu kernel para a versão 3.17.3 no Ubuntu e derivados, faça o seguinte
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema acessando as “Configurações do Sistema” e a opção “Detalhes” ou usando o comando abaixo:

uname -m

Passo 3. Se estiver usando um sistema de 32 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-headers-3.17.3-031703_3.17.3-031703.201411141335_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-headers-3.17.3-031703-generic_3.17.3-031703.201411141335_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-image-3.17.3-031703-generic_3.17.3-031703.201411141335_i386.deb

Passo 4. Se estiver usando um sistema de 32 bits e quiser usar o kernel de baixa latência (para usar em PC´s mais modestos), baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-headers-3.17.3-031703_3.17.3-031703.201411141335_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-headers-3.17.3-031703-lowlatency_3.17.3-031703.201411141335_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-image-3.17.3-031703-lowlatency_3.17.3-031703.201411141335_i386.deb

Passo 5. Se estiver usando um sistema de 64 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-headers-3.17.3-031703_3.17.3-031703.201411141335_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-headers-3.17.3-031703-generic_3.17.3-031703.201411141335_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-image-3.17.3-031703-generic_3.17.3-031703.201411141335_amd64.deb

Passo 6. Se estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar o kernel de baixa latência (para usar em PC´s mais modestos), baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-headers-3.17.3-031703_3.17.3-031703.201411141335_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-headers-3.17.3-031703-lowlatency_3.17.3-031703.201411141335_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.17.3-vivid/linux-image-3.17.3-031703-lowlatency_3.17.3-031703.201411141335_amd64.deb

Passo 7. Instale o kernel com o comando:

sudo dpkg -i linux-headers-3.17.3*.deb linux-image-3.17.3*.deb

Passo 8. Reinicie o sistema com o comando abaixo:

sudo reboot

Passo 9. Se você tiver algum problema e quiser desinstalar o atual kernel, reinicie o computador com um kernel anterior (usando Grub -> Advanced -> select previous kernel) e quando iniciar o sistema, faça login, abra um terminal e execute o comando abaixo para remover o Linux Kernel 3.17:

sudo apt-get remove linux-headers-3.17.3* linux-image-3.17.3*

Passo 10. Finalmente atualize o menu do GRUB, com o comando:

sudo update-grub

Nota: Todos os drivers que não fazem parte da principal árvore do kernel (o que obviamente inclui drivers proprietários) devem ser recompilados para novas versões do kernel.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

16 de novembro de 2014

Resumo semanal – 10/11/2014 a 16/11/2014

Você sabia que nessa semana foram divulgados os codinomes das futuras versões 09 e 10 do Debian? Bom, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essa postagem, mas não se preocupe, leia o resumo semanal do blog e se atualize.
resumo semanal
Mas você já deve saber como instalar o jogo Unvanquished Alpha 33 no Ubuntu, Debian e derivados? Ou como acelerar a resposta do Unity Dash no Ubuntu 14.04/14.10? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

Resumo semanal do Blog do Edivaldo de 10/11/2014 a 16/11/2014

10/11/2014

11/11/2014

12/11/2014

13/11/2014

14/11/2014

15/11/2014

Chegou o Ubuntu 14.10

Foi lançado o Ubuntu 14.10. A versão, já está disponível para download e se você estava na expectativa, é hora de baixar a nova versão do Ubuntu. Para fazer isso, acesse os links nessa postagem.

Como gravar a imagem ISO do Ubuntu 14.10

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO no Ubuntu

Como atualizar do 14.04 para o 14.10

Quem precisar atualizar do 14.04 para o 14.10, basta seguir esses tutoriais:
Desktop
Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10
Como atualizar o Ubuntu Server para uma nova versão

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem ainda está no Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas nas últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04


Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

15 de novembro de 2014

Como instalar o Intel Linux Graphics Installer 1.0.7 no Ubuntu 14.04, Fedora 20 e derivados

A versão 1.0.7 do Intel Graphics Installer foi lançadada recentemente. Se você quiser usar os últimos drivers para placas Intel, veja como fazer para instalar o Intel Linux Graphics Installer 1.0.7 no Ubuntu 14.04, Fedora 20 e derivados.
intel-linux-installer-1-0-7
O Intel Graphics Installer é uma ferramenta gráfica simples, que possibilita instalar facilmente os mais recentes drivers para as placas gráficas da Intel em seu computador. Isso permite que você mantenha-se atualizado com os mais recentes aprimoramentos, melhorias, otimizações e correções para o Intel Graphics Stack para garantir a melhor experiência do usuário com o seu hardware de gráficos Intel.

A versão 1.0.7 do Intel Graphics Installer suporta o Ubuntu 14.04, Fedora 20 e sistemas derivados que venham com os pacotes abaixo: O Linux Kernel 3.16.2, Mesa – 10.3, xf86-video-intel 2.99.911, Libdrm 2.4.56, Libva 1.4.0, vaapi intel-driver 1.4.0, Cairo 1.12.16, Xserver Xorg 1.16.0 e Intel-gpu-tools 1.8.

Conheça melhor o Intel Linux Graphics Installer

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Antes de instalar o programa, dê uma boa olhada na lista de compatibilidade de hardware dele.

Instalando o Intel Linux Graphics Installer 1.0.7 no Ubuntu 14.04 e derivados

Para instalar o Intel Linux Graphics Installer 1.0.7 no Ubuntu 14.04 e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Baixe e importe as chaves do programa com o seguinte comando:

wget --no-check-certificate https://download.01.org/gfx/RPM-GPG-KEY-ilg -O - | sudo apt-key add -

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 5. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo:

wget https://download.01.org/gfx/ubuntu/14.04/main/pool/main/i/intel-linux-graphics-installer/intel-linux-graphics-installer_1.0.7-0intel1_i386.deb

Passo 6. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo:

wget https://download.01.org/gfx/ubuntu/14.04/main/pool/main/i/intel-linux-graphics-installer/intel-linux-graphics-installer_1.0.7-0intel1_amd64.deb

Passo 7. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i intel-linux-graphics-installer_1.0.7-0intel1_*.deb

Passo 8. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Instalando o Intel Linux Graphics Installer 1.0.7 no Fedora 20 e derivados

Para instalar o Intel Linux Graphics Installer 1.0.7 no Fedora 20 e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Baixe e importe as chaves do programa com o seguinte comando:

wget --no-check-certificate https://download.01.org/gfx/RPM-GPG-KEY-ilg ; sudo rpm --import RPM-GPG-KEY-ilg

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo yum update

Passo 4. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 5. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo:

wget https://download.01.org/gfx/fedora/20/i686/intel-linux-graphics-installer-1.0.7-20.intel20143.i686.rpm

Passo 6. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo:

wget https://download.01.org/gfx/fedora/20/x86_64/intel-linux-graphics-installer-1.0.7-20.intel20143.x86_64.rpm

Passo 7. Agora instale o programa com o comando:

sudo yum localinstall intel-linux-graphics-installer-1.0.7-20.intel20143.*.rpm

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite sudo intel-linux-graphics-installer.

Via Linux Geek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

14 de novembro de 2014

Brilho da tela: como instalar Brightness Indicator no Ubuntu

A tecla de controle de brilho não funciona em seu laptop com Ubuntu? Então experimente instalar Brightness Indicator, um applet que fica no painel e permite definir o brilho da tela. Aproveite e crie um atalho de teclado para aumentar e diminuir o brilho com outras teclas.
screenbrightness
O Brightness Indicator é inspirado pelo applet Gnome brightness original e permite que os usuários do ambiente Unity possam definir o brilho da tela usando o menu indicador ou a roda de rolagem do seu mouse sobre o ícone do indicador. Com ele, você também pode atribuir atalhos de teclado personalizados para controlar o brilho com o teclado.

Conheça melhor o Brightness Indicator

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Brightness Indicator no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Brightness Indicator no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação:

wget http://ppa.launchpad.net/indicator-brightness/ppa/ubuntu/pool/main/i/indicator-brightness/indicator-brightness_0.4~bzr11~ubuntu14.04.1_all.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i indicator-brightness*.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Como adicionar atalhos personalizados para controlar o brilho da tela

Para adicionar atalhos personalizados para controlar o brilho da tela pelo teclado, faça o seguinte:
Passo 1. Abra o opção “Configurações do sistema”;
configuracoes-sistema
Passo 2. “Configurações do sistema”, clique no item “Teclado”;
teclado
Passo 3. Em “Teclado”, clique na aba “Atalhos de teclado”;
conf-teclado
Passo 4. Dentro da aba, clique em “Atalhos personalizados” e depois no simbolo de adição. Será exibida uma pequena tela, onde você deverá colocar um nome no primeiro campo, um comando no segundo campo e finalmente, clicar no botão “Aplicar”. Para criar o atalho para aumentar e diminuir o brilho, use os seguintes valores:

Nome: Aumenta Brilho
Comando: /opt/extras.ubuntu.com/indicator-brightness/indicator-brightness-adjust --up

Nome: Diminui Brilho
Comando: /opt/extras.ubuntu.com/indicator-brightness/indicator-brightness-adjust --down
criando-atalho
Passo 5. Com os atalhos criados, clique no final da linha onde está o nome dele e pressione as teclas que quer usar para executar o comando. Faça o processo com os dois atalhos e no final ele ficará parecido com a imagem abaixo:
conf-atalho

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digitando brightness no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB) ou apenas reinicie o sistema para ele ser executado automaticamente na inicialização.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Planeta Ubuntu Brasil

O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


Última atualização:
28 de novembro de 2014, 11:00
Horário UTC

Planet ATOM
RSS10 RSS20
OPML FOAF

Blogs inscritos


© 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.