21 de outubro de 2014

Lançado Tor Browser 4.0: Instale no Ubuntu

Foi lançado recentemente o Tor Browser 4.0, com importantes atualizações de segurança para Firefox e SSLv3 desativado, devido ao ataque POODLE.
tor-browser-1
Tor, The Onion Router, é uma rede de túneis virtuais que permite que os usuários se comuniquem de forma segura, bem como anonimamente através da Internet. O programa permite que organizações e indivíduos partilhem informação através de redes públicas sem comprometer a sua privacidade. Podemos usar o Tor para evitar que sites nos rastreiem e também nossos familiares, ou para se conectar a sites de notícias, serviços de mensagens instantâneas, ou a sites que são bloqueados pelos provedores de Internet e administradores de rede.

Para aqueles não estão familiarizados com o Tor Browser, ele traz um navegador baseado no Firefox ESR (Firefox com suporte estendido), configurado para proteger a privacidade e anonimato dos usuários usando Tor, que vem junto com ele. Em tempos de governos monitorando a vida até de presidentes e cidadãos, Tor é um ótima opção para ter mais privacidade.

Esta versão traz importantes atualizações de segurança para o Firefox. Além disso, devido ao ataque POODLE, o SSLv3 vem desativado nesta versão. Outra mudança voltada para o usuário que vem da série 3.6, é a transição para o Firefox 31 ESR. Mais importante para os usuários censurados que estavam usando 3.6, a série 4.0 apresenta também a adição de três versões do meek pluggable transport.

Conheça melhor o Tor Browser

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Instalando o Tor Browser 4.0 no Ubuntu 14.04 e derivados

Para instalar o Tor Browser 4.0 no Ubuntu 14.04 e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T;
Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema acessando as Configurações do Sistema e a opção “Detalhes” ou usando o comando abaixo:

uname -m

Passo 3. Se ainda não tiver o repositório e estiver usando um sistema de 32-bits, adicione ele com o comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:webupd8team/tor-browser 

Passo 6. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install tor-browser

Passo 7. Por fim, torne seu usuário proprietário da pasta do programa:

sudo chown $USER -Rv /usr/bin/tor-browser/

Depois de instalado, você pode executar o programa digitando no Dash: tor

Ao executar o programa, clique no botão “Connect” para que ele prepare tudo e inicie o navegador.tortor

Via UbuntuHandbook

Entenda melhor essa história

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Instalando o ambiente Budgie Desktop no Ubuntu 14.04/14.10

Se o que você precisa é de um ambiente gráfico leve, experimente instalar a nova versão do ambiente Budgie Desktop no Ubuntu 14.04/14.10 e seus derivados.
ambiente-budgie-desktop
Budgie é o ambiente desktop padrão da distribuição Linux Evolve OS, uma nova distribuição Linux desktop. Ele possui um único painel que, quando iniciado, utiliza quantidades triviais da RAM (em torno de 7MB). O ambiente foi projetado para o usuário moderno e é focado no desktop mínimo, elegante e simples.

O ponto principal deste ambiente é que ele não é um fork que surgiu a partir de qualquer outro projeto, mas sim um software escrito a partir do zero com a integração em mente, usando GTK e Vala ou C. Observe também que Budgie agora pode imitar a aparência do desktop GNOME 2, opcionalmente, através de um ajuste nas preferências do painel.

O agora pode ser instalado no Ubuntu, Arch, Fedora e openSUSE. Se você teve problemas ao instalar a versão anterior do ambiente no Ubuntu, a boa noticia é que aparentemente parece que ele está funcionando muito bem.

Conheça melhor o ambiente gráfico Budgie

Para saber mais sobre esse ambiente, clique nesse link.

Como instalar o ambiente Budgie Desktop no Ubuntu 14.04/14.10 e seus derivados

Para instalar o ambiente Budgie Desktop no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:evolve-os/ppa

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install budgie-desktop

Saia da sessão atual e quando aparecer a tela de login, clique no circulo que fica ao lado do nome de usuário e escolha o Budgie Desktop. Depois, entre com seu usuário e senha e comece a experimentar o ambiente.
budgie-2

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Anunciado o codinome da próxima versão do Ubuntu (15.04): Vivid Vervet

Faltando poucos dias para o lançamento oficial da versão 14.10 do sistema, Mark Shuttleworth anunciou o codinome para a próxima versão do Ubuntu (15.04): Vivid Vervet .
vervet
Entre as particularidades do Ubuntu, existe um codinome especial que é atribuído a cada nova versão e que é dedicado a um animal cujo nome começa com a letra sempre progressiva. Por exemplo, o Ubuntu 14.04 ganhou o codinome Trusty Thar (TT), enquanto o Ubuntu 14.10 Utopic Unicorn (UU), enquanto na versão futuro 15.04 será Verve Vivid (VV), ou seja, o nome de código para o Ubuntu 15.10 será iniciado com Z.

O codinome de uma versão de desenvolvimento do Ubuntu tem a forma “Animal Adjetivo”. Inicialmente estes não estavam em ordem alfabética – até o Dapper Drake (6.06). Para obter uma lista de codinomes usados ​​nas versões anteriores do Ubuntu e futuras sugestões de libertação, veja esta página.

No anúncio, Mark justificou a escolha com a seguinte frase:

Vexatórios, às vezes, voadores em voga em outros, um vervet fica em qualquer lugar e se deleita em provocar os cães e gatos da mesma forma. Como o macaco novato neste negócio que eu posso pensar em melhor mascote. E assim, vamos lançar o nosso ciclo vicenary, nosso varlet verist, o Verve Vivid!

Segundo a Wikipedia, o vervet é um macaco nativo da África, que foi introduzido nos EUA, Cuba, Jamaica e República Dominicana, entre outros. Vervets vivem em grupos sociais que variam de 10 a 70 indivíduos, eles têm rostos negros e cor do cabelo corpo cinza e “eles têm sido conhecido por ter características semelhantes a humanos, tais como hipertensão, ansiedade, uso social e dependência de álcool”. Será que o próximo Ubuntu promete ser problemático?

O novo “Vivid Vervet” (Vervet Animado, ou algo assim) atualmente não tem nenhuma novidade conhecida, provavelmente os desenvolvedores estarão trabalhando principalmente com o novo ambiente Unity 8 e com o servidor gráfico Mir, aguardando a chegada do suporte para os drivers proprietários da Nvidia e AMD nos próximos meses.

Assim como o Ubuntu 14.10, o Ubuntu 15.04 provavelmente também será lançado com Unity 7, por padrão, enquanto a ISO estará disponível com Unity 8 e Mir, para testar o novo ambiente de desktop e o novo servidor gráfico open source.

Saiba mais sobre o codinome da próxima versão do Ubuntu (15.04): Vivid Vervet

Para saber mais detalhes, leia o anúncio oficial.

E você? Gostou do codinome do Ubuntu 15.04?

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

20 de outubro de 2014

Alternativa ao Microsoft Project: Instale o RationalPlan

Se você procura uma alternativa ao Microsoft Project no Linux, experimente instalar o gerenciador de projetos RationalPlan.
rationalplan alternativa ao microsoft project
RationalPlan é um produto alternativo para o Microsoft Project, que é o software de gerenciamento de projeto que segue as orientações gerais recomendadas para o domínio de gerenciamento de projeto. o objetivo deste software para ajudar os gerentes de projeto para concluir seus projetos dentro do prazo e do orçamento, para tornar o processo de planejamento de projetos tão curtos e tão simples quanto possível, orientando os gerentes de projetos iniciantes através de cada passo, m mas oferecendo ferramentas suficientes para aqueles mais experientes. O programa está disponível para Linux, Mac OS e Windows.

A Versão Single Project do RationalPlan lida com projetos independentes que não requerem nenhum tipo de recursos compartilhados, vínculos entre tarefas de projetos diferentes. Ele permite programar e controlar projetos independentes individualmente. Tem características semelhantes e o poder de Microsoft Project, com layout simples e muito organizado. Você pode importar e exportar seus arquivos do Microsoft Project para o gerenciador de projetos RationalPlan e trabalhar neles sem qualquer problema.

Conheça melhor o gerenciador de projetos RationalPlan

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver instalado em seu sistema, instale o Java com este comando ou seguindo os passos desse tutorial:

sudo apt-get install openjdk-7-jre

Passo 3. Baixe o pacote DEB do programa usando estes comando:

wget -O rationalplan-single.deb http://www.rationalplan.com/download/rationalplan-single-4.9.4.deb

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo dpkg -i rationalplan-single.deb

Passo 4. Se for necessário, o comando a seguir para instalar as dependências do programa;

sudo apt-get install -f

Uma vez instalado, inicie o programa digitando rationalplan no Dash ou em um terminal.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Sabia que é possível adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity? Veja aqui como fazer isso, de um jeito bem simples.
atalho-3
Entre os muitos recursos incluídos no Unity, o ambiente gráfico padrão no Ubuntu, a barra lateral (ou lançador) é o recurso que permite iniciar rapidamente as aplicações favoritas dos usuários. No entanto, muitos usuários utilizam o lançador oculto, o que as vezes dificulta iniciar aplicações rapidamente. Nesse caso, a melhor solução é criar um atalho na área de trabalho no estilo dos outros ambientes ou do Windows e OS X.

Por padrão, o Ubuntu não inclui nenhuma opção para adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho. Mas é possível fazer isso usando o gerenciador de arquivos Nautilus para acessar a pasta /usr/share/applications/, onde estão os vários atalhos do menu/dash.

Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Para adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Use o gerenciador de arquivos Nautilus para acessar a pasta /usr/share/applications/ ou se preferir, abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T) e digite este comando:

nautilus /usr/share/applications/

Passo 3. Clique como o botão direito sobre o atalho do programa. No menu que aparece, clique na opção “Copiar para…”;
atalho-1
Passo 4. Será exibida a janela “Selecionar destino”, nela, clique na opção “Área de trabalho” (ou “Desktop”). Em seguida, clique no botão “Selecionar”;
atalho-2

Pronto! No final, o atalho já estará disponível em sua área de trabalho. Repita o processo para todos os programas que quiser, mas tome cuidado para não deixar o desktop superlotado e bagunçado.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

19 de outubro de 2014

Resumo semanal – 13/10/2014 a 19/10/2014

Você sabia que a distribuição BackBox Linux 4.0 já está disponível para download ou que o Notepadqq é praticamente um clone do Notepad++? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essas postagens, mas não se preocupe, leia o resumo semanal do blog e se atualize.
resumo semanal
Já sabe como instalar o mini aplicativo leitor de feeds feeder no Linux? Ou que o jogo de estratégia 0 A.D. Alpha 17 já está disponível para download e que foi lançado o ambiente gráfico LXQt 0.8.0 com compatibilidade completa com Qt 5? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

Resumo semanal do Blog do Edivaldo de 13/10/2014 a 19/10/2014

13/10/2014

14/10/2014

15/10/2014

16/10/2014

17/10/2014

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04


Atualizando o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10 beta final

Agora, se você já quer experimentar a próxima versão do Ubuntu, veja esse tutorial com vídeo:
Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10 beta final

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

17 de outubro de 2014

Desenho técnico de CAD: DraftSight é atualizado para a versão 2015

A Dassault Systemes lançou a versão 2015 do seu famoso software multiplataforma de desenho técnico de CAD, o DraftSight, que inclui suporte para Linux de 64 bits e novos recursos. Se você quiser experimentar ou atualizar para essa versão, veja aqui como fazer isso.
desenho técnico de CAD
DraftSight é um software gratuito para desenho técnico CAD 2D (e parcialmente 3D) desenvolvido pela Dassault Systemes (que também é desenvolvedora dos softwares Catia e Solidworks) e está disponível para Linux, Microsoft Windows e OS X. Ele é atualmente um dos melhores softwares para o design técnico de CAD 2D (e 3D parcialmente) disponível para Linux.

Entre as principais características do DraftSight está o suporte para leitura e gravação de arquivos em formato DWG e DXF (do AutoCad). Ele permite anexar modelos de referência externos e tem a capacidade de gerar arquivos no formato PDF com múltiplas páginas, tem um sistema de coordenadas cartesianas, além de desenho em camadas, máscaras de fundo para anotações, suporte para tabelas de estilo de plotagem CTB e STB e muito mais.

DraftSight 2015, é uma nova versão que abandora o formato de numeração V1 Rx e passa um nome mais intuitivo versão e, especialmente, abandona o suporte para Linux por software CAD de 32 bits, ou seja, só estará disponível para as distribuições de 64 bits (o mais utilizado Os usuários do Linux).

A compilação de 64 bits para Linux do DraftSight 2015 faz com que o software CAD da Dassault Systèmes fique mais poderoso e ágil. A nova versão também conta com interface gráfica QT5, melhorando a integração nos novos ambientes de trabalho.
Ele traz algumas melhorias para a interface gráfica, além de incluir uma nova ferramenta que permite-nos obter uma pré-visualização dos últimos 12 arquivos abertos antes, basta clicar sobre a pré-visualização para iniciar o arquivo em uma nova aba. Os desenvolvedores também melhoraram muito a mesa de edição com novas opções/customizações para criar, editar e inserir tabelas.

Para mais detalhes sobre essa versão, clique nesse link.

Conheça melhor o programa de desenho técnico de CAD DraftSight

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o programa de desenho técnico de CAD DraftSight no Ubuntu e derivados

Para instalar o DraftSight no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação do programa:

wget http://dl-ak.solidworks.com/nonsecure/draftsight/V1R6.0/draftSight.deb

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i draftSight.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Depois de instalado, execute o programa digitando no Dash:draftsight

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançado KDE Plasma 5.1: instale no Ubuntu 14.04 ou 14.10

KDE Plasma 5.1 foi lançado nessa quarta-feira (15) e já está disponível para download. Se você quiser experimentar essa versão, veja aqui como instalar.
kde-plasma-5_1
A grande novidade do KDE Plasma 5.1 é que ele traz de volta muitas características que os usuários se acostumaram no seu antecessor (4x). Voltaram Widgets adicionais populares como o Notas e o Visualizador de carga no Sistema. Nessa versão, o suporte para múltiplos fusos horários foi devolvido ao relógio do painel. As notificações foram visualmente melhoradas, juntamente com muitos maiores e menores correções de bugs.

Construído usando Qt 5 e Frameworks 5, o KDE Plasma 5 introduz um conceito de arte atualizado com visuais mais limpos e melhor legibilidade, chamada Breeze, juntamente com suporte melhorado a high DPI e um shell convergente, capaz de alternar entre experiências de usuário para diferentes dispositivos de destino.

Para quem não conhce, o KDE é uma equipe de tecnologia internacional que cria software livre e de código aberto para computação de desktop e portáteis. Entre os produtos do KDE estão um sistema de ambiente de trabalho moderno para plataformas Linux e UNIX, abrangentes ferramentas de produtividade de escritório, suites de groupware e centenas de títulos de software em muitas categorias, incluindo aplicações de Internet e web, multimídia, entretenimento, educacional, gráficos e desenvolvimento de software.

Conheça melhor o KDE Plasma 5.1

Para saber mais sobre o KDE Plasma 5, clique nesse link.

Caso queira ver como ficou o ambiente, você pode assistir ao video abaixo:
[embedded content]

Antes de prosseguir, por favor, note que os repositórios usados no processo são muito instáveis e provavelmente você irá encontrar bugs.

Como instalar o KDE Plasma 5.1 no Ubuntu 14.04 e seus derivados

Instalar o KDE Plasma 5.1 no Ubuntu 14.04 exige o uso do repositório do Projeto Neon KDE Frameworks 5. O Projeto Neon oferece instantâneos de desenvolvimento frequentemente atualizados do KDE Frameworks. Para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:neon/kf5

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install project-neon5-session project-neon5-utils project-neon5-konsole project-neon5-breeze project-neon5-plasma-workspace-wallpapers

Como instalar o KDE Plasma 5.1 no Ubuntu 14.10 e seus derivados

Para instalar o KDE Plasma 5.1 no Ubuntu 14.10 e seus derivados e ainda receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo apt-add-repository ppa:kubuntu-ppa/next

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Atualize o sistema com o comando:

sudo apt-get dist-upgrade

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install kubuntu-plasma5-desktop plasma-workspace-wallpapers

Uma vez instalado, reinicie o sistema, para evitar quaisquer problemas. Na hora de fazer login, clique no circulo próximo ao nome do usuário e na lista que aparece, clique na opção correspondente ao Plasma recém-instalado. Depois, entre com sua senha e comece a experimentar o novo ambiente.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

16 de outubro de 2014

Lançada a versão Release Candidate do Ubuntu MATE 14.10

O time de desenvolvimento do projeto Ubuntu MATE anunciou o lançamento da versão Release Candidate do Ubuntu MATE 14.10.
ubuntu mate 14.10
Ubuntu MATE é uma distribuição que tem como objetivo trazer a experiência do usuário do Gnome 2 na distribuição Linux mais conhecida no mundo, fornecendo suporte para o novo GTK+ 3 e algumas personalizações. Graças ao MATE é possível ter um sistema operacional estável e seguro que vem com várias personalizações como a capacidade de mudar rapidamente o modo de layout Gnome 2 (com os clássicos dois painéis) para Redmond (estilo Windows) com um simples comando de terminal.

O Release Candidate do Ubuntu MATE 14.10 não inclui nada de novo em relação à versão Beta anterior, mas simplesmente inclui várias correções de bugs que o tornam mais seguro e mais confiável. Com ele é possível instalar o sistema no PC, para de pois mantê-lo atualizado para a futura versão estável, que estará disponível a partir da próxima quinta-feira, no dia 23 de outubro de 2014.

Conheça melhor o Ubuntu MATE 14.10

Para saber mais sobre essa distribuição, clique nesse link.
Para saber mais sobre esse release candidate, clique nesse link

Baixe e experimente o release candidate do Ubuntu MATE 14.10

A imagem ISO do release candidate do Ubuntu MATE 14.10 13.2 já está disponível, para baixar, acesse o link a seguir:
release candidate do Ubuntu MATE 14.10

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Gerenciador de notas multiplataforma: Instale o Kaqaz

Quem precisa estar coma as anotações sempre a mão, pode conseguir isso instalando o gerenciador de notas multiplataforma Kaqaz.
kaqaz-2
Kaqaz é um aplicativo gerenciador de notas multiplataforma, de código aberto (licenciado sob a GPLv3) e disponível para Linux, Windows, Mac OS, Android e iOS. Ele fornece uma interface conveniente para os usuários. Outra grande característica desta aplicação é que ela é capaz de sincronizar suas notas com outros dispositivos, como o seu laptop, celular ou desktop.

Você pode ler e editar os suas notas sempre que quiser. Se você estiver procurando por uma palavra específica, use a ferramenta de busca do programa. Se estiver procurando por um rótulo específico, escolha a etiqueta da barra lateral e se você estiver procurando por algumas notas modificadas em uma data específica, digite a data na ferramenta de histórico.

Conheça melhor o gerenciador de notas multiplataforma Kaqaz

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o gerenciador de notas multiplataforma Kaqaz no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Kagaz no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:sialan/desktop

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install kaqaz

Se não quiser adicionar o repositório, você pode simplesmente baixar o pacote do programa e instalar ele manualmente.

Como instalar o gerenciador de notas multiplataforma Kaqaz baixando o pacote manualmente

Para instalar manualmente o Kaqaz no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo:

wget -O kaqaz.deb http://dl.labs.sialan.org/kaqaz_1.1.1-1-i386.deb

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo:

wget -O kaqaz.deb http://dl.labs.sialan.org/kaqaz_1.1.1-1-amd64.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i kaqaz.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:kagaz

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Instale o visualizador de imagens Limoo

Precisando de um visualizador de imagens diferente e leve? Então experimente o Limoo.
visualizador de imagens
Existem muitos visualizadores de imagens disponíveis para desktop Linux, mas o Limoo é um visualizador de imagens leve, simples e moderno. Ele foi criado usando QT5 e QML tecnologias 2.0, disponível para Linux e OS X, e liberado sob Licença Pública Geral versão 3.

Conheça melhor o visualizador de imagens Limoo

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o visualizador de imagens Limoo no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o visualizador de imagens Limoo no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:sialan/desktop

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install limoo

Se não quiser adicionar o repositório, você pode simplesmente baixar o pacote do programa e instalar ele manualmente.

Como instalar o visualizador de imagens Limoo baixando o pacote manualmente

Para instalar manualmente o limoo no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo:

wget -O limoo.deb http://dl.labs.sialan.org/limoo_1.1.0-1-i386.deb

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo:

wget -O limoo.deb http://dl.labs.sialan.org/limoo_1.1.0-1-amd64.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i limoo.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:limoo

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

15 de outubro de 2014

Cotton: o Xubuntu com o visual de Windows 8

Usuários que migraram do Windows para o Linux e que precisam de um ambiente familiar, podem encontrar isso na distribuição Cotton, que traz o Xubuntu com o visual de Windows 8.
cotton_win8_xubuntu
Nos últimos anos, tem surgido diferentes temas, ícones, papéis de parede e etc, que podem dar ao Linux um visual parecido com o do Microsoft Windows. Na verdade, esses recursos que possibilitam deixar o Linux com um visual parecido com o do Mac OS X e do Microsoft Windows, estão entre os mais utilizados e ao mesmo tempo um dos mais odiados pelos usuários. Isso porque, embora eles sejam úteis para usuários que saíram do Windows, alguns usuários Linux abominam esse tipo de transformação.

Polemicas a parte, entre os novos projetos dedicados a trazer a experiência do usuário do sistema operacional proprietário da Microsoft no Linux destaca-se o Cotton, uma distribuição que possui o mesmo visual do Windows 8 no Xubuntu. A distro é baseada no Xubuntu 14.04 e traz um ambiente de trabalho completamente redesenhado, para se parecer o máximo possível com o Microsoft Windows 8.

Como é possível ver pelas imagens, a distribuição é realmente muito semelhante ao Windows 8, em todos os detalhes (ícones, painel e etc) e vale observar que ela também possui o painel lateral direito, que dá acesso à pesquisa, configurações e etc.cotton_win8_xubuntu-dock
Mas não se trata apenas de dar a aparência do Windows ao Linux, Cotton também traz o Wine e o PlayOnLinux pré-instalados, o que permite instalar e executar programas nativos do Microsoft Windows, no Linux.
Cotton também tem outros conjuntos de ícones e temas que são capazes de personalizar o ambiente de trabalho do Windows 8/XFCE. Na imagem abaixo, encontramos o estilo “dark”.
cotton_win8_nero
Observe também a tela e o visual do gerenciador de sessão LightDM, Plymouth e etc, completamente remodelado e com a aparência muito semelhante ao do sistema da Microsoft.
cotton_display-manager

Conheça melhor o Cotton

Para saber mais sobre essa distribuição, clique nesse link.
Para ver mais detalhes sobre essa versão e os requisitos mínimos do sistema, acesse essa página.

Baixe e experimente o Cotton

A imagem ISO do Cotton já está disponível para download. Para baixar, acesse o link abaixo:
Cotton 64 bits

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Jogos de estratégia: 0 A.D. Alpha 17 disponível para download

A Wildfire Games lançou a versão Alpha 17 do jogo 0 A.D., quem gosta de jogos de estratégia e quiser instalar ou atualizar o jogo, veja aqui como fazer isso e ainda conheça as novidades.
jogos de estratégia
O game 0 A.D. é um jogo gratuito e de código aberto, multiplataforma de estratégia em tempo real (RTS) de guerra antiga, desenvolvido pela Wildfire Game e que está disponível para Linux, Windows e Mac OS X.

0 A.D. é um jogo de guerra/economia baseada na história da humanidade, que apresenta várias civilizações antigas no seu auge e permite aos jogadores reviver ou reescrever a história dessas doze civilizações antigas.

Entretanto, ao mesmo tempo que ele apresenta sons e gráficos excelentes, tem funcionalidade single-player e multi-player, o jogo ainda carece de alguns recursos. por exemplo, ele ainda não possui nenhum serviço que possibilite que múltiplos jogadores usem uma rede peer-to-peer, sem um servidor central), e é exatamente por causa disso, que o jogo ainda é considerado um “alpha”. oad-alpha17
Essa nova versão inclui algumas mudanças importantes, como um grande reequilíbrio na jogabilidade, suporte melhorado e muito mais. Mas essas são apenas as mudanças mais importantes na última 0 AD alpha 17, existem muitas outras melhorias que foram adicionadas nesta versão, como o melhor desempenho, a melhoria da névoa da guerra, melhor IA, bem como várias melhorias gráficas e de interface de usuário e muito mais. Para mais detalhes sobre essa versão, acesse a nota de lançamento.

Abaixo, você pode assistir o trailer do 0 AD Alpha 17:
[embedded content]

Conheça melhor o jogo 0 A.D.

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o jogo 0 A.D. no Ubuntu e seus derivados

0 AD está disponível no repositório oficial do Debian, Ubuntu e derivados, no entanto, se você quiser jogar a versão mais recente e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:wfg/0ad

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install 0ad

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:0ad

Para baixar os binários do 0 A.D. para outras distribuições Linux e sistemas operacionais, acesse esse link.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançado ambiente gráfico LXQt 0.8.0 com compatibilidade completa com Qt 5

Foi lançado o ambiente gráfico LXQt 0.8.0, um port Qt e a próxima versão do ambiente gráfico LXDE. Se você quiser experimentar essa versão, veja aqui como instalar ela no Ubuntu.
lxqt-session
LXQt é resultado da fusão entre os projetos LXDE-Qt e Razor-qt: um ambiente de desktop leve, modular, super rápido e fácil de usar. O ambiente é uma boa opção para quem não quer ficar no Unity ou quer experimentar novos ares.

Essa versão, traz total compatibilidade com Qt 5, dois novos temas, e algumas novas funcionalidades como o novo componente lxqt-admin, que entrega um conjunto opcional de ferramentas básicas de administração, como a configuração de data e hora, bem como usuários e grupos, além de lotes e lotes de correções de bugs.

Conheça melhor o ambiente gráfico LXQt

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o ambiente gráfico LXQt 0.8.0 no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o ambiente gráfico LXQt no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:lubuntu-dev/lubuntu-daily

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Atualize o sistema com o comando:

sudo apt-get upgrade

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install lxqt-metapackage lxqt-session lxsession

Uma vez que a instalação estiver concluída, saia da sua sessão atual do Ubuntu. Na tela de login, clique no ícone usado para escolher o ambiente gráfico (o circulo branco). Você será apresentado a uma tela com todas as opções de ambientes de desktop atualmente instalados. A mais recente adição a esta lista será o LXQt. Clique nesta opção e faça login novamente.
LXQt-session

Se você não gostar ou se arrepender, para remover este ambiente, execute o comando abaixo no terminal:

sudo apt-get remove lxqt-metapackage lxqt-session lxsession && sudo apt-get autoremove

Como instalar o ambiente gráfico LXQt 0.8.0 em outras distribuições

Para instalar o ambiente gráfico LXQt 0.8.0 em outras distribuições, acesse a página do projeto e clique no ícone da distro.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

14 de outubro de 2014

Hackathon do SESI Cultura Digital 2014

As hackathons ("maratonas hacker"), também conhecidas como hack days, hack fests ou code fests são maratonas que envolvem desenvolvimento de algum software, em geral sobre um tema específico e com alguma premiação ao final. Em geral os grupos participantes possuem desenvolvedores de software, designers e administradores, remetendo à equipe de uma pequena empresa. Muitas hackathons visam resolver algum problema ou mesmo fomentar a criação de empresas startups na área-tema.

Desde que conheci o conceito gostei bastante, afinal é uma forma de incentivo a desenvolvimento de aplicativos inovadores, em geral com algum cunho social. Mesmo os grupos que não são premiados desenvolvem algum aplicativo, que pode ser útil ou até mesmo se tornar um negócio no futuro. Tenho visto várias hackathons relacionadas a dados abertos, que é um tema super interessante e, na minha visão, pode mudar a forma sobre como vivemos em sociedade.

Brasil.IO: Dados abertos para um Brasil mais ligado
Brasil.IO: meu projeto pessoal de dados abertos

Recentemente fui convidado pela organização do SESI Cultura Digital a ser tutor da Hackathon SESI Cultura Digital 2014, uma maratona com prêmios de R$ 20.000, R$ 10.000 e R$ 5.000 para os melhores projetos, podendo ser feitos por grupos de 3 a 5 pessoas. O objetivo dessa hackathon é fomentar o desenvolvimento de soluções ambientais para o estado do Rio de Janeiro, nos seguintes eixos temáticos:

Festival SESI de Cultura Digital 2014

Se você tem interesse, se inscreve logo pois as inscrições vão somente até dia 18 de outubro! Cada grupo participante receberá um Kit Arduino! o/

A minha tutoria será na área de fontes de dados relacionadas a monitoramento do ar e qualidade da água. Além da hackathon, o evento contará com várias outras atrações, como palestras e oficinas (também serei tutor de duas oficias de Arduino, que já estão lotadas!).

Os grupos terão dois dias (23 e 24 de outubro) para desenvolver um protótipo e terão de apresentá-los a uma banca avaliadora no dia 25. Durante os dias 23 e 24 serão feitas diversas apresentações para facilitar o trabalho dos grupos, bem como várias tutores estarão disponíveis para tirar dúvidas e colaborar no desenvolvimento dos protótipos.

Que tal participar? Curtiu a ideia? Compartilhe com seus amigos! :-)

Como instalar o mini aplicativo leitor de feeds feeder no Linux

Procurando um leitor de feeds simples? Então experimente o mini aplicativo leitor de feeds feeder, uma aplicação para Linux que permite ter acesso a seus feeds favoritos de um jeito bem prático, no painel do seu ambiente gráfico.
leitor de feeds
Muitas pessoas usam um leitor de feeds para ficar a par das novidades. Nos repositórios oficiais das principais distribuições Linux é possível encontrar diferentes agregadores como Liferea Akregator para Gnome e KDE, como uma alternativa também pode usar RSSOwl, excelente software multiplataforma. Agora para quem quer receber notificações de seus feeds favoritos no Linux usando um applet, existe o miniaplicativo leitor de feeds feeder.

feeder é um applet simples para Linux e que usa Qt 4 (suporta os ambientes de desktop mais populares como o Unity, Gnome Shell, Cinnamon, KDE, XFCE, LXDE, etc), com o qual é possível controlar, e acima de tudo receber as notícias de todos os seus sites favoritos no painel do ambiente.

Através do feeder você pode lidar com os seus feeds favoritos por categoria, gerenciar a quantidade de tempo antes de verificar se há novas notícias e etc. O programa ainda é um projeto em desenvolvimento, que já é bastante estável e funcional, com suporte para as principais distribuições Linux e ambientes de trabalho existentes.

Conheça melhor o mini aplicativo leitor de feeds feeder

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o mini aplicativo leitor de feeds feeder no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o feeder no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Instale os pacotes necessário para a compilação do programa com este comando;

sudo apt-get install build-essential qt4-qmake libqt4-dev git

Passo 3. Baixe o código fonte do programa;

git clone https://github.com/isamert/feeder.git

Passo 4. Vá para a pasta onde está o código fonte do programa;

cd feeder/src/

Passo 5. Use o comando a seguir para criar os arquivos necessário à compilação do programa;

qmake feeder.pro

Passo 6. Inicie a compilação;

make

Passo 7. Uma vez compilado, inicie o programa digitando no próprio terminal:

./feeder &

Pronto! Clique no ícone do programa e depois na opção “Add Feed Source”, para começar a incluir os feeds de sua preferência.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançado VirtualBox 4.3.18: veja como instalar no Ubuntu

Foi lançado o VirtualBox 4.3.18 para Linux. Para instalar ou atualizar ele no Ubuntu, veja aqui como fazer.
VirtualBox 4.3.18
Voltado para empresas e para uso doméstico, o VirtualBox é um poderoso produto de virtualização de x86 e AMD64/Intel64, sendo um produto rico em recursos e de alto desempenho, que está disponível gratuitamente como Software de código aberto sob os termos da GNU General Public License (GPL) versão 2. Atualmente, o VirtualBox roda como hospedeiro em Windows, Linux, Macintosh e Solaris e suporta um grande número de sistemas operacionais convidados, incluindo mas não limitado ao Windows (NT 4.0, 2000, XP, Server 2003, Vista, Windows 7, Windows 8), DOS/Windows 3.x, Linux (séries 2.4, 2.6 e 3.x), Solaris e OpenSolaris, OS/2 e OpenBSD.

Essa é uma versão de manutenção do VirtualBox 4.3, que traz melhorias de estabilidade e correções de bugs. Especificamente para o Ubuntu, foi consertado o problema da sobreposição do painel e do Lançador Unity na tela do sistema convidado em modo de tela cheia. Para mais detalhes, veja o ChangeLog.

Conheça melhor o VirtualBox

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Instalando o VirtualBox 4.3.18 no Ubuntu 14.04/13.10/13.04/12.10 e derivados

Para instalar o VirtualBox 4.3.18 no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Para adicionar o repositório do aplicativo no Ubuntu 14.04, use o seguinte comando:

sudo sh -c "echo 'deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian trusty contrib' >> /etc/apt/sources.list"

Passo 3. Se ainda não tiver, adicione o repositório do aplicativo. Para fazer isso no Ubuntu 13.10, use o seguinte comando:

sudo sh -c "echo 'deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian saucy contrib' >> /etc/apt/sources.list"

Passo 4. Para adicionar o repositório do aplicativo no Ubuntu 13.04, use o seguinte comando:

sudo sh -c "echo 'deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian raring contrib' >> /etc/apt/sources.list"

Passo 5. Para adicionar o repositório do aplicativo no Ubuntu 12.10, use o seguinte comando:

sudo sh -c "echo 'deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian quantal contrib' >> /etc/apt/sources.list"

Passo 6. Agora instale a chave PGP usando o seguinte comando:

wget -q http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian/oracle_vbox.asc -O- | sudo apt-key add -

Passo 7. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 8. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install virtualbox-4.3

Se você tiver problema com o repositório acima, você pode baixar o pacote deb. a partir desse link. Depois de baixar o pacote DEB, basta dar um duplo clique sobre nele para iniciar a instalação.

Depois de instalado, o programa pode se executando a partir do Dash, digitando: virtualbox

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

13 de outubro de 2014

BackBox Linux 4.0 já está disponível para download

O BackBox Team anunciou o lançamento da mais recente versão de sua distribuição, BackBox Linux 4.0. Conheça as novidades, baixe e experimente.
BackBox Linux 4
BackBox é um projeto italiano desenvolvido por Raffaele Forte, que visa fornecer um sistema operacional completo (para ser usado no modo live) para realizar testes de Penetração e Avaliação de Vulnerabilidade e Mitigação através de inúmeros softwares e ferramentas dedicadas. A distribuição que pode ser útil para testar a segurança de infraestrutura, redes corporativas e etc, graças a numerosos softwares incluídos em um sistema operacional estável e confiável, baseada no Ubuntu 14.04 LTS, mas especificamente no Xubuntu.

Justamente por ser baseada no Xubuntu 14.04 LTS, o lançamento já traz consigo todas as melhorias e atualizações introduzidas pela Canonical, como a última versão LTS do Kernel Linux (3.13), a capacidade de criar um sistema de partição independente da estrutura física do disco subjacente graças a LVM (Logical Volume Management, que pode criptografar todo o sistema operacional), além de melhorias no suporte a hardware e EFI.

Com BackBox Linux 4.0 são atualizados os diversos softwares e ferramentas dedicadas. A nova versão inclui várias otimizações para lidar com a memória RAM durante a reinicialização e desligamento, também melhora o “anônimo”. Essa versão também introduziu o suporte para arquiteturas ARM e plataformas BackBox na nuvem (BackBox VPS).

Conheça melhor o BackBox

Para saber mais sobre essa distribuição, clique nesse link.
Para ver mais detalhes sobre essa versão e os requisitos mínimos do sistema, acesse essa página.

Baixe e experimente o BackBox 4.0

A imagem ISO do BackBox 4.0 já está disponível nos servidores oficiais da empresa e em seus espelhos. Para baixar, acesse o link abaixo:
BackBox 4.0

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Driver da HP para Linux: HPLIP 3.14.10 traz suporte para novas impressoras

Se tem alguma impressora, fax ou scanner da HP ou já tem o driver da HP para Linux instalado, veja aqui como instalar ou atualizar para o HPLIP 3.14.10.
hp
HPLIP (Hewlett-Packard Linux Imaging & Printing) é uma solução que fornece driver da HP para Linux, para produtos de impressão, digitalização e fax. O projeto HPLIP fornece suporte de impressão para 2.388 modelos de impressoras da HP sob sistemas baseados em Linux, incluindo Deskjet, Officejet, Photosmart, PSC (Impressão Digitalização Copy), Business Inkjet, LaserJet, Edgeline MFP, e LaserJet MFP.

O HPLIP é um software livre, de código aberto distribuído sob a MIT, BSD e licença GPL. Nessa nova versão (3.14.10), foi adicionado o suporte para novas impressoras, novas distribuições, bem como algumas pequenas correções.

Novas impressoras adicionadas na HPLIP 3.14.6:

  • HP Deskjet 2541 All-in-One Printer;
  • HP Envy 4501 e-All-in-One;
  • HP Envy 4503 e-All-in-One;
  • HP Envy 4505 e-All-in-One;
  • HP Envy 4507 e-All-in-One;
  • HP Envy 4508 e-All-in-One;
  • HP ENVY 5534 e-All-in-One Printer;
  • HP Envy 5640 e-All-in-One;
  • HP Envy 5642 e-All-in-One;
  • HP Envy 5643 e-All-in-One;
  • HP Envy 5644 e-All-in-One;
  • HP Envy 5660 e-All-in-One;
  • HP Envy 5665 e-All-in-One;
  • HP Envy 7640 e-All-in-One;
  • HP Envy 7645 e-All-in-One;
  • HP LaserJet Pro MFP M125r;
  • HP LaserJet Pro MFP M125ra;
  • HP LaserJet Pro M201n Printer;
  • HP LaserJet Pro M201dw Printer;
  • HP LaserJet Pro M202n Printer;
  • HP LaserJet Pro M202dw Printer;
  • HP LaserJet Pro MFP M225rdn;
  • HP LaserJet Pro MFP M225dw;
  • HP LaserJet Pro MFP M225dn;
  • HP LaserJet Pro MFP M226dw;
  • HP LaserJet Pro MFP M226dn;
  • HP LaserJet Enterprise MFP M630dn;
  • HP LaserJet Enterprise MFP M630f;
  • HP LaserJet Enterprise MFP M630h;
  • HP LaserJet Enterprise Flow MFP M630z;
  • HP Officejet 5740 e-All-in-One;
  • HP Officejet 5742 e-All-in-One;
  • HP Officejet 5745 e-All-in-One;
  • HP OfficeJet 8040 e-All-in-One;
  • HP OfficeJet 6810 e-All-in-One Printer Series;
  • HP OfficeJet 6812 e-All-in-One Printer;
  • HP OfficeJet 6815 e-All-in-One Printer;
  • HP Officejet 7612 Wide Format e-All-in-One Printer;
  • HP OfficeJet Pro 6230 ePrinter;
  • HP OfficeJet Pro 6830 e-All-in-one;
  • HP OfficeJet Pro 6835 e-All-in-one;
  • HP OfficeJet Pro 8616 e-All-in-One Printer.
  • Novas distribuições Linux suportadas:
  • Debian 6.0.10;
  • Debian 7.6;
  • Ubuntu 14.10 Beta;
  • RHEL 7.0.

Para saber mais detalhes sobre as novidades dessa versão, acesse esse link.

Conheça melhor o HPLIP

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link
A HP não fornece suporte formal ou comercial ao consumidor para este software. O suporte é fornecido informalmente através de uma série de recursos no site Launchpad.net, e no site oficial do link acima.

Instalando o HPLIP 3.14.10 no Ubuntu e derivados

Para instalar o HPLIP 3.14.10 no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Baixe o instalador do HPLIP com o comando:

wget http://ufpr.dl.sourceforge.net/project/hplip/hplip/3.14.10/hplip-3.14.10.run

Passo 3. Torne o instalador um executável usando esse comando:

chmod +x hplip-3.14.10.run

Passo 4. Agora inicie a instalação com o comando:

./hplip-3.14.10.run

Passo 5. Quando o processo de instalação for iniciado, serão feitas algumas perguntas. Se quiser automatizar o processo, responda “a” (sem as aspas) na primeira pergunta e tecle enter, para selecionar o modo automático. A seguir, digite sua senha de usuário (não será mostrado nada na tela) e continue com o assistente de instalação até o final do processo.
Passo 6. Quando tudo estiver pronto, reinicie o computador e seu periférico deverá funcionar.

Mais dicas e tutoriais sobre HP

Se esse tutorial nõa serviu para você, procure por mais informações relacionadas a HP na lista abaixo:


Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Notepadqq: um Notepad++ para Linux

Se você procura uma alternativa completamente idêntica, na verdade, um clone do Notepad++ para Linux, experimente instalar o Notepadqq.
notepadqq
Notepad++ é um editor de código-fonte e também um ótimo substituto do tradicional bloco de notas do Windows. O programa é regido pela licença GPL e suporta várias linguagens de programação.

Infelizmente, ainda não existe uma versão nativa do Notepad++ para Linux e mesmo existindo uma abundância de editores de texto que podem ser usados como alternativa ao Notepad++ no Linux, como o SciTE, se você estiver acostumado com a versão Windows do aplicativo, você desejará ter o mesmo conjunto de recursos em todas as plataformas. E é aí que entra o Notepadqq, um programa que possui um visual igual ao do Notepad++ e quase as mesmas características.

Conheça melhor o Notepadqq

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Notepadqq no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Notepadqq no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:notepadqq-team/notepadqq

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install notepadqq

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:notepadqq

Removendo o Notepadqq

Se você não gostou do Notepadqq, você pode desinstalá-lo, fazendo o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Remova o programa com este comando:

sudo apt-get remove notepadqq

Passo 3. Remova o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository --remove ppa:notepadqq-team/notepadqq

Instalando o Notepadqq em outras distribuições Linux

Além de pacotes do Notepadqq para Debian, Ubuntu e derivados, também existem pacotes para o Arch Linux e para outras distros, você pode obter o código-fonte do programa, acessando esse link.

Via It’s F.O.S.S.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

12 de outubro de 2014

Resumo semanal – 06/10/2014 a 12/10/2014

Você sabia que o Netflix já funciona no Ubuntu sem qualquer hack, mas apenas no Chrome? ou como remover a senha de arquivos PDF? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essas postagens, mas não se preocupe, leia o resumo semanal do blog e se atualize.
resumo semanal
Já sabe como atualizar o kernel do Ubuntu para a nova versão estável do Linux Kernel 3.17? Como instalar o Google Earth 7 no Ubuntu? Você sabia que o Timeshift ganhou uma ferramenta de clonagem e um fork com suporte a sistemas de arquivos Btrfs? Já sabe como atualizar o driver de sua placa AMD com o AMD Catalyst 14.9? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e aprenda isso e muito mais.

Resumo semanal do Blog do Edivaldo de 06/10/2014 a 12/10/2014

06/10/2014

07/10/2014

08/10/2014

09/10/2014

10/10/2014

11/10/2014

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04


Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

11 de outubro de 2014

Evento: Latinoware 2014 – XI Conferência Latino-americana de Software Livre

Começa na próxima quarta-feira (15), a XI Conferência Latino-americana de Software Livre, ou Latinoware 2014.
latinoware 2014
A Latinoware é um evento que abre espaço para discussões e reflexões sobre a utilização do Software Livre na América Latina. O evento acontecerá entre os dias 15 e 17 de outubro de 2014 e será realizado em Foz do Iguaçu, no estado do Paraná, nas dependências do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), situado dentro da área da Usina Hidrelétrica Itaipu Binacional.

Entre os palestrantes convidados para este ano estarão Daniel Lara, que falará sobre as facilidades de utilização de ferramentas como Nagios e Bacula, Ole Peter Smith falará sobre as diversas utilizações do sistema LaTeX, Daniel Basconcello Filho apresentará novidades relacionadas à robótica, Ramilton Costa Gomes Júnior abordará temas relacionados à busca e recuperação de arquivos, Christiane Borges falará sobre ferramentas de redes de computadores, linguagem de script open source e suas formas de uso serão temas abordados por Valéria Barros, Anderson Tamborim discutirá engenharia social e suas definições, Er Galvão Abbott discute sobre a Linguagem de Programação PHP e suas utilidades, Gilberto Sudré falará sobre a Rede TOR e a Deep Web, Jon “Maddog” Hall, o Diretor Executivo da Linux International e Kern Sibbald, o criador do Bacula, também estarão lá.

A conferência trará muito outros palestrantes, para ver todos eles dê uma olhada nessa página. Mas olhe bem (bem mesmo), talvez você encontre alguém que conheça.

Acompanhando a Latinoware 2014

Se for possível, durante a próxima semana o Blog terá alguns posts com informações sobre os acontecimentos na Latinoware 2014, fiquem de olho.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

10 de outubro de 2014

Netflix já funciona no Ubuntu sem qualquer hack, mas apenas no Chrome

Mais uma boa noticia para os fãs do mais conhecido serviço de streaming de vídeos: Netflix já funciona no Ubuntu sem qualquer hack, mas apenas no Chrome.
Netflix já funciona no Ubuntu
Poucos dias depois de ser publicado aqui no blog tutoriais mostrando como executar o Netflix nativamente no Linux e até como um app, A empresa silenciosamente e sem qualquer alarde, apertou o botão necessário para permitir que os usuários do Google Chrome no Ubuntu (e outras distribuições Linux modernas) possam assistir a filmes e programas de TV no navegador.

No mês passado, o engenheiro do Netflix, Paul Adolph, se comprometeu a retirar o filtro de user-agent, o último obstáculo que impedia que os usuários do linux fizessem streaming de conteúdo (o serviço checava o navegador e o sistema operacional e como o Linux não era suportado, não permitia o acesso). Agora que a nova versão da biblioteca de segurança (nss3) foi lançado para os usuários, a empresa retirou essa restrição ao sistema.

O único problema da novidade é que a reprodução de streaming só funciona no Google Chrome. Nem tente assistir algum filme no Chromium, Opera, Firefox ou qualquer outro navegador que você pode goste de usar, pois você não vai conseguir nada. Isso acontece, porquê o Google Chrome é o único navegdor que vem com um módulo específico que o Netflix exige para permitir a reprodução em um sistema através do HTML5. O módulo é chamado de “Encrypted Mídia Extensão” (ou simplesmente “EME”) e, sem ser muito técnico sobre isso, é uma forma de DRM user-friendly, utilizado pela empresa para evitar a pirataria de seu conteúdo.

Assim, para usar o serviço no sistema só é preciso estar como o sistema atualizado, instalar o Google Chrome seguindo os passos desse tutorial e depois entrar no site do serviço usando este navegador. Em outras distribuições, possivelmente, vale o mesmo caminho.

Instalando a versão estável do Google Chrome

Para instalar a versão estável do Google Chrome, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Comece a adicionar o repositório do programa com o comando:

wget -q -O - https://dl-ssl.google.com/linux/linux_signing_key.pub | sudo apt-key add -

Passo 3. Depois digite esse comando, para finalizar a tarefa:

sudo sh -c 'echo "deb http://dl.google.com/linux/chrome/deb/ stable main" >> /etc/apt/sources.list.d/google-chrome.list'

Passo 3. Atualize o Apt com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Instale a versão estável do Chrome com o comando:

sudo apt-get install google-chrome-stable

Com o Chrome instalado, você já pode executar o navegador e acessar o serviço.

Criando um atalho para executar o Netflix no Linux como se fosse um app

Agora se você quiser criar um lançador para executar o Netflix como um app, execute um editor de texto com o comando:

sudo gedit /usr/share/applications/netflix.desktop

Com o arquivo aberto, cole o conteúdo abaixo dentro dele. Em seguida, salve e feche o editor de texto;


[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=Netflix
Exec=google-chrome --no-default-browser-check --user-data-dir=/$HOME/.config/netflix --app=http://netflix.com/
Icon=
Categories=Application;Network;

Pronto! Agora você já poderá executar o Netflix no Linux como se fosse um app, digitando no Dash netflix. Se preferir, copie o atalho para o lançado do Unity ou se estiver usando outro ambiente, para a sua área de trabalho.

Via OMG! Ubuntu!

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Instalando o Flash player no Linux: tudo que já foi publicado sobre o assunto

Instalar o Flash player no Linux é umas primeiras coisas que um usuário de desktop faz depois de instalar o sistema. Para ajudá-lo nessa tarefa, separei aqui uma lista dos tutoriais relacionados a esse procedimento.
instalar-flash-player-ubuntu-1404
Quem precisa navegar na web termina sempre esbarrando em sites com Flash e com os usuários do Linux, isso não é diferente. O problema maior para esses usuários é que a Adobe fornece uma versão desatualizada e problemática. A verdade é que, infelizmente, alguns serviços web usam plugins proprietários que dão muita dor de cabeça aos usuários do Linux e algumas empresas de software estão se lixando para a plataforma, o que deixa estes abandonados ou mal suportados.

A seguir listarei as postagens que podem ajudá-lo a instalar o Flash player no Linux. Para quem quer apenas instalar o Flash player no Linux (a versão oficial), basta seguir esses dois tutoriais. O primeiro é especifico para o Ubuntu e o outro é voltado para qualquer distribuição:
Como instalar o Adobe Flash no Ubuntu-14.04
Como instalar manualmente o Adobe Flash no Linux

Se nenhum destes dois tutoriais der certo para você, é hora de tentar outras alternativas não oficiais. Para fazer isso, experimente esses outros tutoriais que trazem soluções baseadas em emulação (ou algo próximo disso):
Fresh Player Plugin: Pepper Flash Wrapper para o Firefox e outros navegadores compatíveis com NPAPI
Fazendo ajustes nos navegadores Firefox, Google Chrome/Chromium no Ubuntu 14.04

Tudo que já foi publicado blog sobre o Flash Player

Abaixo veja a lista de tudo que já foi publicado blog sobre o Flash Player. Essa lista, será atualizada a medida que novas postagens sobre o assunto forem feitas, por isso, sempre que precisar de uma nova informação, consulte-a.

Procurando mais postagens sobre o Flash Player

Se a lista não for o suficiente, acesse o link abaixo para fazer uma busca sobre o termo “flash” dentro do site:
Resultado da busca por Flash no Blog do Edivaldo

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Configure a tela de login com o LightDM GTK+ Greeter Settings

Se você quer configurar a tela de login do seu sistema, para deixá-la do jeito que você tanto quer, então instale o LightDM GTK+ Greeter Settings.
tela de login LightDM GTK+ Greeter Settings
LightDM GTK+ Greeter é a tela de login padrão do Xubuntu e Lubuntu. Já o LightDM GTK+ Greeter Settings é uma pequena interface escrita em Python, que permite modificar diversas configurações do LightDM GTK + Greeter, tais como o tema, fonte, fundo, posição da janela e mais, configurações que de outra forma só poderiam ser definidas através da modificação dos arquivos de configuração.

A ferramenta estava quase pronta para ser adicionada por padrão no Xubuntu 14.10, mas foi adiada, provavelmente por isso, ela ainda não está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu.

Conheça melhor o LightDM GTK+ Greeter Settings

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como configurar a tela de login com o LightDM GTK+ Greeter Settings no Ubuntu e seus derivados

Para configurar a tela de login com o LightDM GTK+ Greeter Settings no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:kalgasnik/ppa

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install lightdm-gtk-greeter-settings

Uma vez instalado, inicie o programa digitando lightdmno Dash ou em um terminal

Usuários do Arch Linux podem instalar o LightDM GTK+ Greeter Settings via AUR: stable | bzr

Para pegar o código fonte, reportar bugs, etc , acessa a página do LightDM GTK+ Greeter Settings no Launchpad.

Para saber como mudar o gerenciador de login do Ubuntu, veja esse outro tutorial.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

09 de outubro de 2014

Programação web: Lançado Brackets 0.44 com visualização de código lado a lado

Se você trabalha com programação web, deveria experimentar o editor Brackets. A boa notícia para quem já usa ele é que o programa chegou a versão 0.44 e agora possui uma visualização de código lado a lado.
programação web
Para aqueles não familiarizados com o Brackets, o programa é um editor de código aberto para web design e desenvolvimento construído em cima de tecnologias web como HTML, CSS e JavaScript, disponível para Linux, Windows e Mac OS X.

O programa foi atualizado para a versão 0.44 recentemente e recebeu um dos recursos mais solicitados pelos usuários: a exibição de arquivos de código lado a lado ou uma sobre a outra. O novo recurso de visualização pode ser acessado a partir do menu View ou usando o ícone ao lado do arquivo de trabalho (painel esquerdo). Por enquanto, não é possível visualizar os mesmos arquivos em dois painéis. Para mais detalhes sobre essa versão, acesse o changelog.

Conheça melhor o editor de código web Brackets

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o editor de código web Brackets no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o editor de código web Brackets no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/brackets

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install brackets

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:brackets

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Gerenciador de tarefas: Experimente QTodoTxt, uma interface para Todo.txt

Se você procura um gerenciador de tarefas para o Todo.txt, a maneira mais simples para por ordem nas suas tarefas é usar o QTodoTxt, uma interface para esse arquivo.
gerenciador de tarefas
Todo.txt é um popular formato minimalista de lista de tarefas em que os dados são armazenados em um arquivo de texto simples. Desse modo, Todo.txt é uma arquivo legível, ou seja, você pode verificar as suas tarefas com um simples editor de texto a partir de qualquer sistema operacional, sincronizá-lo com as ferramentas de sincronização nuvem como Dropbox e etc. Já o QTodoTxt é uma simples interface gráfica para Todo.txt, que permite que você gerencie suas tarefas de um jeito bem GTD (Getting Things Done).

Claro, você pode facilmente gerenciar suas tarefas np Todo.txt com um editor de texto simples, mas usando uma ferramenta como o QTodoTxt você simplifica as coisas, proporcionando uma melhor visão de suas tarefas usando prioridades coloridas e as datas de vencimento, bem como uma barra lateral com visualização em arvore que permite acessar rapidamente contextos e projetos.

Como QTodoTxt é multiplataforma, isso significa que você pode gerenciar suas tarefas no Linux, Windows e Mac OS X (o aplicativo só não está disponível para dispositivos móveis, mas há outros clientes Todo.txt para isso). Apesar do próprio aplicativo não sincronizar suas tarefas, existe um jeito, isso pode ser feito usando Dropbox, Owncloud, Megasync, Copy ou outras ferramentas similares. Assim, quando o QTodoTxt solicitar que você salve o arquivo Todo.txt, basta salvá-lo na pasta local de seu serviço de armazenamento em nuvem preferido e pronto, a sincronização será feita automaticamente.

Conheça melhor o QTodoTxt

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Gerencie suas tarefas instalando o QTodoTxt no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o QTodoTxt no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

echo "deb http://dl.bintray.com/mnantern/deb /" | sudo tee -a /etc/apt/sources.list.d/qtodotxt.list

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install qtodotxt -y --force-yes

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:qtodotxt

Gerencie suas tarefas instalando o QTodoTxt em outras distribuiçoes Linux

Existem binários QTodoTxt disponíveis para Ubuntu, Debian, Linux Mint e derivados, Windows, Mac OS X, bem como um arquivo no formato .tar.gz, para ser instalado em outras distros Linux genérico arquivo.
Usuários do Arch Linux podem instalar o QTodoTxt via AUR (mas é uma versão antiga).
Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o Google Earth 7 no Ubuntu

Se você quer instalar o Google Earth 7 no Ubuntu, mas está tendo problemas porque seu sistema é de 64 ou 32 bits, veja aqui como resolver isso e instalar definitivamente esse incrível programa do Google.
google earth 7 ubuntu
É fácil instalar o Google Earth em um sistema Ubuntu de 32 bits, entretanto, no Ubuntu de 64 bits não é possível instalar o pacote oficial, devido à dependência do pacote ia32-libs, que não está disponível desde o Ubuntu 14.04. Uma solução alternativa é instalar o pacote de 32 bits no Ubuntu de 64 bits e resolver as dependências de pacotes manualmente, o que será mostrado nesse tutorial.

Conheça melhor o Google Earth

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o Google Earth 7 no Ubuntu e derivados

Para instalar o Google Earth 7 no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Baixe o arquivo DEB do programa usando o comando abaixo:

wget https://dl.google.com/dl/earth/client/current/google-earth-stable_current_i386.deb

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se você estiver usando um sistema de 64 bits, instale as bibliotecas de 32 bits que o programa precisa, digitando o comando abaixo. Para o Ubuntu 32 bits, basta pular esse passo:

sudo apt-get install libfontconfig1:i386 libx11-6:i386 libxrender1:i386 libxext6:i386 libgl1-mesa-glx:i386 libglu1-mesa:i386 libglib2.0-0:i386 libsm6:i386

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i google-earth-stable_current_*.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f -y

Depois de instalado, execute o programa digitando no Dash:google

google earth 7 dash

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Instalando o tema HackStation e o pacote de ícones Ghost-Flat no Ubuntu

Se você gosta de um tema escuro, combinado com ícones brancos, experimente instalar o tema HackStation e o pacote de ícones Ghost-Flat no Ubuntu e veja como fica o seu desktop.
hackstation
Hackstation é um pacote para desktop Linux, que contém o tema HackStation e que é baseado nos pacotes de ícones boje-red e Ghost-Flat. O pacote dá um visual escuro, vermelho e branco para o desktop, que pode agradar a muitos usuários que gostam dessa combinação. O tema é compatível com GTK3/2 e está disponível para as seguintes ambientes: Unity, Gnome Shell, Gnome Classic, Mate, Cinnamon, e OpenBox. Além disso, o pacote HackStation funciona tanto no Ubuntu 14.04, como no Ubuntu 14.10.
hackstation

Conheça melhor o tema HackStation

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o tema HackStation e o pacote de ícones Ghost-Flat no Ubuntu e derivados

Para instalar o tema HackStation e o pacote de ícones Ghost-Flat no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se você ainda não tem, adicione os repositórios do tema e do pacote de ícones com o comando:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes
sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema HackStation e o pacote de ícones Ghost-Flat usando o seguinte comando:

sudo apt-get install hackstation-theme
sudo apt-get install ghost-flat-icons

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak para mudar o tema e os ícones.

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

08 de outubro de 2014

Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu

Que tal colocar “um pouco” (só um pouco mesmo) do estilo do Windows 8 em seu desktop? Para fazer isso, você só precisa instalar o pacote de ícones Sigma Metro nele.
sigma-metro-1
O pacote Sigma Metro contém ícones para a maioria das aplicações, pastas, estado, mime-types e outros que estão disponíveis para Linux, ele é liberado sob a licença GNU General Public. Se você gosta do trabalho criador, então não se esqueça de animá-los com a doação.

Este jogo do ícone é inspirado no Windows 8, em seus live tiles e na sua interface estilo metro. Ele foi criado para dar um pouco desse estilo para o desktop Linux. O conjunto é compatível com os ambientes Unity, Gnome, Xfce, Mate e Cinnamon.

Conheça melhor o pacote de ícones Sigma Metro

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu e derivados

Para instalar o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se você ainda não tem, adicione o repositório do tema com o comando:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons2

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o programa usando o seguinte comando:

sudo apt-get install sigma-metro-icons

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak para mudar o tema.

Via noobslab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Gerenciamento de energia: Lançada a versão 0.6 da ferramenta TLP

Se você procura uma forma de fazer o gerenciamento de energia de seu laptop ou dispositivo móvel com Linux, o TLP pode ser uma boa opção. O programa, foi atualizado para a versão 0.6 e está cada vez mais completo e fácil de usar.
gerenciamento de energia
Para aqueles não familiarizados com o TLP, esta é uma ferramenta avançada de gerenciamento de energia que aplica várias configurações e ajustes para ajudar o seu laptop economizar bateria. O aplicativo tenta fazer tudo automaticamente, dependendo da sua distribuição Linux e hardware no entanto, você pode alterar manualmente as configurações editando o arquivo de configuração TLP /etc/default/tlp.

TLP recentemente foi atualizado para a versão 0.6, recebendo algumas correções para Linux Kernel 3.15 e 3.16, juntamente com melhorias relacionadas ao systemd e outras mudanças. Além disso, a partir deste lançamento, o programa já não é desativado quando o laptop-mode-tools for detectado e em vez disso, será exibido um aviso sobre possíveis conflitos.

Conheça melhor a ferramenta de gerenciamento de energia TLP

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a ferramenta de gerenciamento de energia TLP no Ubuntu e seus derivados

Para instalar a ferramenta de gerenciamento de energia TLP no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Caso você esteja o utilitário laptop-mode-tools, é melhor remover ele antes de instalar o TLP, para evitar possíveis conflitos. Para fazer isso, use o seguinte comando:

sudo apt-get purge laptop-mode-tools

Passo 3. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:linrunner/tlp

Passo 4. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install tlp

Passo 6. O TLP será iniciado automaticamente na inicialização, mas se você quer evitar ter de reiniciar o sistema depois da instalação, você pode iniciá-lo manualmente, usando o seguinte comando:

sudo tlp start

Como instalar a ferramenta de gerenciamento de energia TLP em outras distribuições

Para saber como instalar o TLP no Fedora, Debian, Arch Linux ou Gentoo, veja a página de instalação do programa.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Capturar imagens de vídeos: Conheça e experimente Videocut

Se você precisa capturar imagens de vídeos, então conheça e experimente o programa Videocut.
capturar imagens de vídeos Videocut in Ubuntu
Existem diferentes softwares e ferramentas para Linux que permitem capturar imagens de vídeos. Por exemplo, é possível usar a função Thumbnail Generator no SMPlayer para criar uma imagem com alguns previews do filme e outras informações, o mesmo resultado também pode ser obtido com o programa Video Thumbnails Maker ou com a ferramenta de linha de comando ScreenGen. Outro software útil para capturar screenshot de um vídeo ou criar imagens com miniaturas e detalhes é o Videocut, um utilitário que está disponível por padrão, nos repositórios oficiais do Debian, Ubuntu e derivados.

Videocut é um software de código aberto, com interface gráfica em Qt4, que permite processar imagens de vídeo extrair/criar composições de quadros de screenshots. Através de uma interface gráfica simples e intuitiva, é possível criar imagens personalizadas com vários quadros e detalhes de um vídeo, como título, duração, formato, tamanho e etc. O programa suporta os formatos de vídeo mais comuns e com ele você pode salvar as imagens no formato png e jpeg.

Também dá para salvar um único frame de um vídeo (sem a necessidade de criar para forçar uma composição) e as preferências do software permite definir o tamanho de vários quadros, cor de fundo e cor da fonte do texto e muito mais.

Videocut - preferenze

Videocut - image

Conheça melhor o Videocut

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Videocut no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Videocut no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Você pode instalar o Videocut diretamente na Central de programas do Ubuntu ou use o comando abaixo em um terminal:

sudo apt-get install videocut -y

Passo 2. Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:videocut

Como instalar o Videocut em outras distribuições

O Videocut também está disponível para PCLinuxOS e Mageia/OpenMandriva graças aos pacotes RPM disponíveis nesta página. Para Arch Linux e derivados, basta instalar o software via AUR.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como remover a senha de arquivos PDF

Se você quer remover a senha de arquivos PDF, veja aqui com fazer isso de um jeito simples e rápido.
remover a senha de arquivos pdf
Remover a senha de arquivos PDF é útil quando você quer poder acessar os arquivos mais rapidamente. É possível remover a senha de arquivos PDF de várias maneiras, neste tutorial, que vamos ver o modo mais fácil de fazer isso. Vale lembrar que para remover a senha de um documento PDF, você deve ser conhecê-la, assim, se você não sabe qual é a senha, é inútil continuar lendo este texto.

Normalmente, para remover a senha de arquivos PDF no Linux, você pode usar seu leito de PDF favorito, juntamente com a impressora virtual que geralmente é incluída por padrão nas principais distribuições Linux. Basta abrir o documento PDF protegido com um leitor de documentos como Evince, Okular e etc. Uma vez que a senha foi digitada e você já abriu o PDF, basta ir na opção “Imprimir” e selecionar a impressora virtual, para criar um documento PDF que será salvo sem qualquer proteção.

Como alternativa, é possível remover a senha de um PDF usando a ferramenta de linha de comando pdftops e assim criar criar um novo documento sem proteção de um jeito bem prático. O programa, faz parte do pacote xpdf-utils. Veja a seguir, como usá-lo.

Como remover a senha de um arquivo PDF

Para remover a senha de um arquivo PDF no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Primeiro você precisa instalar xpdf-utils, digitando o comando:

sudo apt-get install xpdf-utils

Passo 3. Uma vez instalado, você pode começar a usá-lo seguindo o formato abaixo, onde ao invés de “senha” você tem que inserir a senha do PDF, no lugar de “documento_com_senha.pdf” colocar nome do documento PDF protegido e em vez de “documento_sem_senha.pdf”, você deve colocar o nome do novo arquivo PDF sem senha a ser criado;

pdftops -upw senha documento_com_senha.pdf documento_sem_senha.pdf

Passo 4. Na prática, se você quiser remover a senha 123456 do documento exemplo.pdf criando um documento exemplo_sem_senha.pdf, basta digitar:

pdftops -upw 123456 exemplo.pdf exemplo_sem_senha.pdf

E está pronto! Sempre que precisar, você pode usar esse comando e retirar a senha do arquivo para facilitar o acesso a ele.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Temas Ambiance Crunchy atualizados: instale no Ubuntu

Na hora de dar uma mudada no visual do seu desktop, é sempre bom ter mais de uma opção de cor no mesmo tema. Um bom exemplo dessa tipo de opção, são os Temas Ambiance Crunchy. A boa noticia é que eles foram atualizados e você verá aqui como instalar ele em seus sistema.
temas ambiance crunchy
Temas Ambiance Crunchy são inspiradas pelos temas originais do Ubuntu Ambiance e Radiance. Você pode aplicar esses temas para Gnome-Shell, GTK, e Cinnamon. O autor fez esses temas com cores diferentes e por isso, os temas Ambiance Crunchy podem ser configurados para quatro variantes diferentes e estes são compatíveis com GTK 3.4/3.6/3.8/3.10, Gnome Shell 3.10/3.8/3.6/3.4/, XFCE, Openbox, LXDE e Cinnamon.
ambiance-crunchy-1

Conheça melhor o tema Ambiance Crunchy

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o tema Ambiance Crunchy no Ubuntu e derivados

Para instalar o Ambiance Crunchy no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se você ainda não tem, adicione o repositório do tema com o comando:

 sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o programa usando o seguinte comando:

 sudo apt-get install ambiance-crunchy

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak para mudar o tema.

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Planeta Ubuntu Brasil

O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


Última atualização:
21 de outubro de 2014, 15:56
Horário UTC

Planet ATOM
RSS10 RSS20
OPML FOAF

Blogs inscritos


© 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.