20 de janeiro de 2018

Como gerenciar programas abertos com o Fuzzy Window Switcher

Como gerenciar programas abertos com o Fuzzy Window Switcher

Usar as teclas ALT + TAB não é o suficiente para você? Não se preocupe, é possível ir além disso, basta instalar e gerenciar programas abertos com o Fuzzy Window Switcher.


Fuzzy Window Switcher é uma ferramenta que pode ser muito útil para aqueles que mantém um monte de janelas abertas: ele exibe uma lista das janelas abertas e permite que você alterne entre elas, clicando ou apenas digitando algumas letras que correspondem ao título da janela.

Como gerenciar programas abertos com o Fuzzy Window SwitcherComo gerenciar programas abertos com o Fuzzy Window Switcher

A ferramenta organiza a posição dos aplicativos na listagem acordo com a sua utilização, colocando no topo da lista a janela que está com o foco no momento.

Conheça melhor o Fuzzy Window Switcher

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Fuzzy Window Switcher e gerenciar programas abertos no Debian, Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Fuzzy Window Switcher e gerenciar programas abertos no Debian, Ubuntu e seus derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install libkeybinder-3.0-0 gir1.2-keybinder

Passo 3. Baixe o fuzzy Window Switcher, com o seguinte comando:

wget https://raw.github.com/XCMer/fuzzy-window-switcher/master/fuzzy-windows -O /tmp/fuzzy-windows

Passo 4. Inicie a instalação do programa com o comando abaixo:

sudo install /tmp/fuzzy-windows /usr/local/bin/

Como instalar o Fuzzy Window Switcher e gerenciar programas abertos em outras distribuições Linux

No procedimento acima, apenas o passo 2 é especifico de distribuições baseadas no Debian. Todo o resto pode ser feito em qualquer distribuição Linux.

O aplicativo requer GTK3, PyGi e Keybinder 3, e portanto, para instalar o Fuzzy Window Switcher e gerenciar programas abertos em outras distribuições Linux, basta instalar essas dependência nela (usando o gerenciador de pacotes da mesma), e fazer os outros passos normalmente.

Como usar o Fuzzy Window Switcher

Para iniciar o aplicativo digite fuzzy-windows no terminal. Por padrão, pressionar a tecla F10 mostra ou esconde o Fuzzy Window Switcher e você pode mudar a tecla de atalho, editando um arquivo.

Resumindo tudo: Use “F10” para ocultar ou exibir o Fuzzy Window Switcher, ou se você quiser mudar para um atalho de teclado diferente, edite o arquivo /usr/local/bin/fuzzy-windows usando um editor de texto como root;

Como configurar o Fuzzy Window Switcher para ser executado na inicialização do Unity

Para fazer como que o Fuzzy Window Switcher seja executado na inicialização do Unity, siga os passos do tutorial abaixo e no campo “Nome” digite Fuzzy Window Switcher, e no campo “Comando” digite fuzzy-windows.

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Como gerenciar programas abertos com o Fuzzy Window Switcher

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

Procurando uma forma bem simples e prática de usar o Spotify no sistema do pinguim? Então instale e experimente Sconsify e tenha o Spotify no Linux via Terminal.


Sconsify é um novo cliente Spotify não oficial, que pode ser executado no terminal do Mac ou Linux. Ele oferece dois tipos de interface, uma mais completa que apresenta uma interface de usuário de texto com listas de reprodução e faixas, e outra mais simples, que exibe apenas as faixas.

Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente SconsifySpotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

Infelizmente, de acordo com o arquivo readme do aplicativo e o relato de usuários, o programa só funciona em conjunto com uma conta Spotify Premium, possivelmente porque usa algum recurso desse tipo de conta para funcionar.

O aplicativo foi atualizado recentemente, e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o Sconsify

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Sconsify no Ubuntu para poder usar o Spotify no Linux via Terminal

Para instalar o Sconsify no Ubuntu e usar o Spotify no Linux via Terminal, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Baixe a chave do repositório com este comando:

wget -q -O - https://apt.mopidy.com/mopidy.gpg | sudo apt-key add -

Passo 4. Adicione o repositório com o comando:

sudo wget -q -O /etc/apt/sources.list.d/mopidy.list https://apt.mopidy.com/mopidy.list

Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar as dependências do programa;

sudo apt-get install -y libportaudio2 libspotify12 --no-install-recommends

Passo 7. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sconsify.zip:

wget https://github.com/fabiofalci/sconsify/releases/download/next-20170531/linux-x86_64-sconsify-0.5.0-next.zip -O sconsify.zip

Passo 8. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado e instalar o programa:

sudo unzip sconsify.zip -d /usr/local/bin/

Usando o Sconsify no Ubuntu para poder usar o Spotify no Linux via Terminal

Agora você já pode usar o Spotify no Terminal, para isso, digite sconsify em um terminal, seguido da tecla TAB.

A primeira coisa fazer ao iniciar o programa é digitar o nome e o usuário da sua conta Spotify, quando isso for solicitado. Depois de logar, você pode controlar a interface do usuário usando as teclas de atalho abaixo:

Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

Use as setas de direção do teclado para fazer a navegação.
espaço ou enter: reproduz a faixa selecionada.
>: reproduz a próxima faixa.
p: pausa.
/: abrir um campo de pesquisa.
s: shuffle faixas da lista de reprodução atual. Pressione novamente para voltar ao modo normal.
S: shuffle faixas de todas as listas de reprodução. Pressione novamente para voltar ao modo normal.
u: faixa selecionada fila para reproduz na próxima.
d: excluir faixa selecionada da fila ou excluir pesquisa selecionada.
D: exclua todas as faixas da fila, se o foco está na fila.
PageUp PageDown: Ir para o final.
Control C ou q: sair.

Abaixo você verá alguns exemplos de uso do programa:

Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

Spotify no Linux via Terminal: instale e experimente Sconsify

Mais detalhes sobre como usar o programa estão nessa página.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Experimente o jogo Planetary Annihilation no Linux via Steam

Experimente o jogo Planetary Annihilation no Linux via Steam

Se você está procurando um jogo de estrategia em tempo real intergaláctico, experimente o jogo Planetary Annihilation no Linux via Steam.


Planetary Annihilation é um jogo de estrategia com batalhas que irão agradar a muitos usuários fãs desse tipo de game. O jogo está disponível para Linux, Windows e MacOS.

Experimente o jogo Planetary Annihilation no Linux via SteamExperimente o jogo Planetary Annihilation no Linux via Steam

Conheça e experimente o Planetary Annihilation no Linux via Steam

Planetary Annihilation, é mais um jogo da empresa Uber Entertainment, que o desenvolveu para elevar o tão querido (e as vezes esquecido) gênero de RTS a uma nova era.

Planetary Annihilation leva os jogos de estrategia ao uma escala nunca vista antes e dá aos jogadores poderosas ferramentas para controlar os detalhes da ação.

Historia do jogo Planetary Annihilation

No Planetary Annihilation você coloniza sistemas solares, aniquila mundos inteiros e extermina seus inimigos em batalhas com múltiplos jogadores e centenas de unidades.

Nele você explode tudo, em qualquer lugar. Domina naves, robôs e varias maquinas futuristas de guerra. É possível até usar asteroides para destruir planetas, colocando-os em rota de colisão.

O jogo possui planetas com terreno de vários níveis tornam a conquista da galáxia mais emocionante do que nunca.

Imagens do jogo Planetary Annihilation

Experimente o jogo Planetary Annihilation no Linux via Steam

Experimente o jogo Planetary Annihilation no Linux via Steam

Experimente o jogo Planetary Annihilation no Linux via Steam

Experimente o jogo Planetary Annihilation no Linux via Steam

Vídeos do jogo Planetary Annihilation

.smarty-2609567_1516474764063 { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; height: auto; } .smarty-2609567_1516474764063 iframe, .smarty-2609567_1516474764063 object, .smarty-2609567_1516474764063 embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

.smarty-2609571_1516474814386 { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; height: auto; } .smarty-2609571_1516474814386 iframe, .smarty-2609571_1516474814386 object, .smarty-2609571_1516474814386 embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

Conheça melhor o jogo Planetary Annihilation

Para saber mais sobre esse jogo, acesse a página dele no Steam.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Fazendo pesquisas no Google via terminal com Googler

Fazendo pesquisas no Google via terminal com Googler

Se você usa muito o terminal e não quer ficar mudando (ou não pode) para um navegador apenas para fazer uma busca, descubra como fazer para fazer pesquisas no Google via terminal com o Googler.


O Googler é uma ferramenta de linha de comando poderosa, rica em recursos e baseada em Python para acessar o Google (Web e Notícias) e o Google Site Search, dentro do terminal Linux.

Fazendo pesquisas no Google via terminal com GooglerFazendo pesquisas no Google via terminal com Googler

Atualmente, a pesquisa do Google é o motor de busca mais conhecido e usado na Web. Portanto, se você quiser coletar informações de milhões de servidores na Internet, então essa é a ferramenta número um e mais confiável para esse propósito e muito mais.

Normalmente, a maioria das pessoas ao redor do mundo usam a pesquisa do Google através de uma interface gráfica do navegador web.

Entretanto, os usuários que preferem ficar sempre usando a linha de comando para suas tarefas relacionadas ao sistema no dia-a-dia, enfrentam dificuldades em usar a busca de Google via terminal. E é exatamente nesse ponto que entra o Googler.

O programa fornece uma interface da linha de comando para a pesquisa do Google via terminal, e exibe os resultados informados com título, URL e informações abstratas em páginas, com navegação de página semelhante à de um navegador Web.

Conheça melhor o Googler

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Googler no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Googler no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:twodopeshaggy/jarun

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install googler

Como instalar o Googler manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por essa opção de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Como instalar o Googler em outras distribuições usando o código fonte do programa

Se quiser instalar em outras distribuições usando o código fonte do programa, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome googler.tar.gz:

wget -c https://github.com/jarun/googler/archive/v3.1.tar.gz -O googler.tar.gz

Passo 3. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

tar -xvf googler.tar.gz

Passo 4. Acesse a pasta criada usando o comando a seguir;

cd googler-*

Passo 5. Compile o programa com este comando;

sudo make install

Passo 6. Acesse a pasta onde o arquivo binário do programa foi criado;

cd auto-completion/bash/

Passo 7. Use o comando abaixo para colocar o arquivo binário na pasta do sistema.

sudo cp googler-completion.bash  /etc/bash_completion.d/

Mas lembre-se! Ao optar por essa opção de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite googler no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Fazendo pesquisas no Google via terminal com Googler

A seguir estão alguns exemplos mostrando como o Googler funciona no Linux.
O comando básico abaixo mostrará informações sobre o edivaldobrito.com.br:

googler edivaldobrito.com.br

Fazendo pesquisas no Google via terminal com Googler

Nesse outro exemplo, serão pesquisadas as palavras citadas (flash no Linux) no edivaldobrito.com.br. Nesse comando, a opção “-n 8” diz ao googler para exibir no máximo 8 resultados por página (o padrão é 10), e o parametro -w permite a pesquisa no site escolhido (edivaldobrito.com.br);

googler -n 8 -w edivaldobrito.com.br \"flash no Linux\"

Fazendo pesquisas no Google via terminal com Googler

Você também pode exibir os resultados das últimas notícias sobre o Linux a partir da seção de notícias de pesquisa do Google, usando a opção -N da seguinte maneira:

googler -N Linux

Fazendo pesquisas no Google via terminal com Googler

Outro exemplo: Para simplificar suas buscas, defina um alias para obter quatro resultados mostrando o significado de uma palavra (linux neste caso) usando estes comandos (eles são apenas exemplos, você precisa ajustar para as suas necessidades):

alias linux='googler -n 4 linux'
linux

Fazendo pesquisas no Google via terminal com Googler

No final da página de resultados de pesquisa, você pode visualizar a página de ajuda do omniprompt digitando o caractere “?”, e pressionando Enter. Cada chave tem uma descrição detalhada da funcionalidade ao lado dela.

Fazendo pesquisas no Google via terminal com Googler

Para obter mais informações de uso visite o repositório Github do Google, ou leia a página de manual do Googler usando o comando:

man googler

Desinstalando o Googler no Linux

Para desinstalar o Googler no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se você usou o repositório para instalar, desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:twodopeshaggy/jarun --remove
sudo apt-get remove googler
sudo apt-get autoremove

Passo 3. Se você usou o repositório para instalar, desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo rm /etc/bash_completion.d/googler-completion.bash

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o Wireshark no Ubuntu e derivados

Como instalar o Wireshark no Ubuntu e derivados

Saiu mais uma versão do Wireshark. Se você quiser atualizar ou experimentar, veja como instalar o Wireshark no Ubuntu e seus derivados.


Anteriormente conhecido como Ethereal, o Wireshark é um analisador de protocolo de rede. Ele analisa o tráfego de rede, e o organiza por protocolos.

Como instalar o Wireshark no Ubuntu e derivadosComo instalar o Wireshark no Ubuntu e derivados

As funcionalidades do Wireshark são parecidas com as do tcpdump, mas com uma interface gráfica, com mais informação e com a possibilidade da utilização de filtros.

Com ele é possível controlar o tráfego de uma rede e saber tudo o que entra e sai do computador, em diferentes protocolos, ou da rede à qual o computador está ligado.

Também dá para controlar o tráfego de um determinado dispositivo de rede numa máquina que pode ter um ou mais desses dispositivos.

Wireshark possui uma interface completamente nova que fornece uma experiência do usuário suave e mais rápida, pois ele foi totalmente reescrito em Qt5.

Ele também tem suporte a novos protocolos, novo suporte de suporte de decodificação de formato de arquivo, novos diálogos, opções de captura, e muitas outras melhorias.

Novidades da última versão do Wireshark

O Wireshark 2.4.4 é uma pequena versão que traz principalmente correções de erros e atualizações referentes ao suporte de protocolos.

As correções de erros dese lançamento incluem:

  • Crash em Múltiplos dissectivos;
  • Crash no analisador de arquivos IxVeriWave;
  • Crash no dissecador do WCP poderia;
  • Desativação do compilador JIT BPF do kernel do Linux devido à segurança vulnerável;
  • Problemas em algumas combinações de atalhos de teclado;
  • Falha que impedia que interfaces remotas fossem salvas;
  • Wireshark & ​​Tshark 2.4.2 dumps do núcleo com falha de segmentação;
  • Modo promiscuo de captura remota SSH.

Para saber mais sobre a última versão desse programa, acesse a nota de lançamento.

Conheça melhor o Wireshark

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Wireshark no Ubuntu e derivados

Wireshark está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install wireshark.
Mas se a sua versão não disponibiliza ele ou você quer a versão mais recente, para instalar o programa no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:wireshark-dev/stable

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install wireshark

Como instalar o Wireshark manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite wireshark no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Wireshark no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Wireshark no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:wireshark-dev/stable --remove
sudo apt-get remove wireshark
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o Microsoft PowerShell no Linux

Como instalar o Microsoft PowerShell no Linux

Se você precisar fazer automação de tarefas baseadas nos softwares da gigante de Redmond, conheça e veja como instalar o Microsoft PowerShell no Linux.


O PowerShell é um sistema de gerenciamento de configuração e automação de tarefas desenvolvido pela Microsoft. Ele inclui um shell de linha de comando e uma estrutura para processar cmdlets. Além disso, é uma linguagem de script orientada a objetos muito poderosa, com classes e métodos, construída no .NET Framework.

Como instalar o Microsoft PowerShell no LinuxComo instalar o Microsoft PowerShell no Linux

Originalmente, era um componente apenas para Windows, que foi posteriormente aberto e se tornou multiplataforma em 18 de agosto de 2016, tornando-o disponível para Linux e Mac OS.

O Powershell oferece acesso completo ao WS-Management e ao CIM (Common Information Model) que permitem a administração de sistemas Linux remotos e dispositivos de rede. Nesta ferramenta, as tarefas administrativas são basicamente realizadas por classes .NET específicas chamadas cmdlets.

Semelhante aos scripts de shell no Linux, os usuários podem criar scripts ou executáveis ​​armazenando grupos de cmdlets em arquivos seguindo determinadas regras. Esses scripts podem ser usados ​​como utilitários de linha de comando independentes.

Além disso, inclui sua própria ajuda extensa, baseada em console (semelhante às páginas man na linha de comando do Linux) acessível através do cmdlet Get-Help. Você pode digitar get-help no console Powershell. Para completar, o conteúdo de ajuda local pode ser recuperado da Internet através Update-Help cmdlet Update-Help no console.

Conheça melhor o PowerShell

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Microsoft PowerShell no Linux

Para instalar o Microsoft PowerShell no Linux, basta usar um dos procedimentos abaixo, para fazer na instalação do Powershell em nas distribuições Linux mais populares.

Como instalar o Microsoft PowerShell no Linux Ubuntu e derivados

Para instalar o Microsoft PowerShell no Linux Ubuntu e derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com estes comandos ou use esse tutorial;

wget -q -O - https://packages.microsoft.com/keys/microsoft.asc | sudo apt-key add -
wget -q -O - https://packages.microsoft.com/config/ubuntu/17.04/prod.list | sudo tee /etc/apt/sources.list.d/microsoft.list

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install powershell -y

Como instalar o Microsoft PowerShell no Linux Debian e derivados

Para instalar o Microsoft PowerShell no Linux Debian e derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se ainda não tiver, instale as dependências e adicione o repositório do programa com estes comandos;

apt-get install curl gnupg apt-transport-https
wget -q -O - https://packages.microsoft.com/keys/microsoft.asc | sudo apt-key add -
sudo sh -c 'echo "deb [arch=amd64] https://packages.microsoft.com/repos/microsoft-debian-stretch-prod stretch main" > /etc/apt/sources.list.d/microsoft.list'

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install powershell -y

Como instalar o Microsoft PowerShell no Linux Fedora e derivados

Para instalar o Microsoft PowerShell no Linux Fedora e derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com estes comandos;

rpm --import https://packages.microsoft.com/keys/microsoft.asc
https://packages.microsoft.com/config/rhel/7/prod.repo | sudo tee /etc/yum.repos.d/microsoft.repo

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

dnf update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

dnf install powershell -y

Como instalar o Microsoft PowerShell no Linux CentOS e derivados

Para instalar o Microsoft PowerShell no Linux CentOS e derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando;

wget -q -O - https://packages.microsoft.com/config/rhel/7/prod.repo | sudo tee /etc/yum.repos.d/microsoft.repo

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

yun install powershell -y

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite powershell em um terminal (seguido da tecla TAB), ou clicando no ícone dele ou menu de aplicativos do sistema.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o editor de fontes BirdFont no Ubuntu e derivados

Como instalar o editor de fontes BirdFont no Ubuntu e derivados

Se você precisa produzir suas próprias fontes, veja como instalar o editor de fontes BirdFont no Ubuntu e derivados.


BirdFont é um editor de fontes de código aberto escrito por Johan Mattsson usando a linguagem de programação Vala.

Como instalar o editor de fontes BirdFont no Ubuntu e derivadosComo instalar o editor de fontes BirdFont no Ubuntu e derivados

O programa é ideal para a criação de fontes básicas com cores sólidas, a partir do zero ou a partir de imagens de fundo. Ele permite que você crie gráficos vetoriais e exporte fontes TTF, EOT & SVG. Ele está disponível para plataformas Windows, Linux, Mac e OpenBSD.

Então, se você não está satisfeito com as fontes disponíveis em seu sistema ou tem necessidade de um tipo muito especifico e tem o talento necessário, que tal produzir as suas própria fontes?

Conheça melhor o BirdFontBirdFont

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o BirdFont no Ubuntu e derivados

Para instalar o BirdFont no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:birdfont-team/birdfont

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install birdfont

Como instalar o BirdFont manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite programa no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Quando terminar, você já poderá começar a usá-lo, para isso, clique no Dash e digite: birdfont.

Embora a interface de BirdFont pareça um pouco confusa à primeira vista, você pode facilmente aprender a usá-lo acessando a página oficial de tutoriais.

O criador do programa tem feito e publicado no YouTube um screencast sobre como criar fontes usando BirdFont. Veja o vídeo tutorial abaixo para aprender a criar suas próprias fontes com o programa:

Desinstalando o BirdFont no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o BirdFont no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:birdfont-team/birdfont -r -y
sudo apt-get remove birdfont
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o aplicativo Stoq no Ubuntu e derivados

Como instalar o aplicativo Stoq no Ubuntu e derivados

Se você possui uma pequena empresa e procura um software para administrá-la, veja como instalar o aplicativo Stoq no Ubuntu e derivados.


A suíte de aplicativos Stoq é um conjunto de aplicativos de gestão comercial e industrial disponibilizado como software livre. O Stoq é desenvolvido em Python usando GTK+, Kiwi, PostgreSQL e outras bibliotecas e ferramentas.

Como instalar o aplicativo Stoq no Ubuntu e derivadosComo instalar o aplicativo Stoq no Ubuntu e derivados

Stoq está dividido em 12 aplicativos para melhor organização e divisão de responsabilidades entre os usuários do sistema. O aplicativo oferece toda a funcionalidade necessária para controlar um comércio ou pequena empresa. No quesito automação, o software suporta NFe, NFP, ECF, Sintegra e TEF.

O Stoq é multi-loja e Multi-usuário. Ele suporta o cadastro e o controle de múltiplas unidades e/ou filiais e é possível incluir diversos usuários com permissões de acesso diferenciadas bastando para isso cadastrar determinados perfis.

Com ele você pode fazer a gestão de compras, vendas e estoque, acompanhamento de clientes (CRM), controle financeiro, impressão fiscal via ECF. exportação de NF-e

Cada aplicação contém recursos específicos para determinado departamento ou setor de uma empresa, sendo simples de usar, com número reduzido de itens de menu, botões e informações que possam confundir o usuário.

Conheça melhor o Stoq

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber como usar esse programa, acesse o Manual do Stoq.

Como instalar o aplicativo Stoq no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o aplicativo Stoq no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo apt-add-repository ppa:stoq-dev/lancamentos

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install stoq

Como instalar o aplicativo Stoq manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite stoq no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Como instalar o aplicativo Stoq no Ubuntu e derivados

Em seguida, será exibido o assistente de instalação do Stoq. Leia com calma e siga as instruções. Marque as opções que servem para o seu negocio ou infraestrutura, e em pouco tempo, você já poderá começar a usar o programa.

Como instalar o aplicativo Stoq no Ubuntu e derivados

Desinstalando o aplicativo Stoq no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o aplicativo Stoq no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-add-repository ppa:stoq-dev/lancamentos -r -y
sudo apt-get remove stoq
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como encontrar e remover arquivos duplicados com dupeGuru

Como encontrar e remover arquivos duplicados com dupeGuru

Se você precisa encontrar e remover arquivos duplicados em seus sistema, seja para organizá-lo ou simplesmente recuperar espaço em disco, experimente usar o aplicativo dupeGuru.


dupeGuru é um software livre licenciado pela GPLv3 e escrito em Python, focado em busca e remoção de arquivos duplicados, e que possui versões para Windows, Mac OS X e Linux.

Como encontrar e remover arquivos duplicados com dupeGuruComo encontrar e remover arquivos duplicados com dupeGuru

O programa pode procurar arquivos por nome ou conteúdo, e sua varredura apresenta um algoritmo de correspondência difusa que pode encontrar nomes de arquivos duplicados, mesmo quando eles não são exatamente os mesmos.

No tutorial a seguir, você verá como instalar o programa no Ubuntu e sistemas derivados e também aprenderá como usá-lo para encontrar e remover arquivos duplicados.

Conheça melhor o dupeGuru

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o dupeGuru no Ubuntu e usá-lo para encontrar e remover arquivos duplicados

Para instalar o dupeGuru no Ubuntu e sistemas derivados, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo apt-add-repository ppa:hsoft/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install dupeguru-se

Como instalar o dupeGuru manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Como encontrar e remover arquivos duplicados com dupeGuru

Passo 1. Inicie o programa, digitando dupe no Dash ou em um terminal, seguido da tecla TAB.
Passo 2. Na tela do programa, clique no botão com o símbolo de adição para acrescentar pastas para o programa procurar arquivos duplicados. Quando terminar, clique no botão “Scan” e aguarde;

Como encontrar e remover arquivos duplicados com dupeGuru

Passo 3. Quando finalizar a busca, o dupeGuru irá mostrar seus resultados, agrupando arquivos duplicados juntos em uma lista. Observe que, por padrão o dupeGuru corresponde a arquivos com base em seu conteúdo, e não o seu nome. Para ter certeza de que você não irá excluir alguma coisa importante, a coluna “Match %” mostra a precisão do algoritmo de correspondência.

Como encontrar e remover arquivos duplicados com dupeGuru

Passo 4. Tendo certeza que o(s) arquivo(s) é realmente duplicado, selecione-o(s) e clique no botão “Actiosn” (Ações) para ver as ações disponíveis;

Como encontrar e remover arquivos duplicados com dupeGuru

Passo 5. A escolha de ações é bastante extensa. Em suma, você pode excluir as duplicatas, movê-las para outro local, ignorá-las, abri-las, renomeá-las, ou mesmo invocar um comando personalizado sobre eles.

Como encontrar e remover arquivos duplicados com dupeGuru

Você não só pode enviar os arquivos duplicados para a lixeira ou excluí-los permanentemente, mas você também pode optar por deixar um link para o arquivo original (ou usando um link simbólico ou um hardlink).

Em outras palavras, as duplicatas serão apagadas, e um link para o original será deixado em vez disso, economizando um monte de espaço em disco.

Isto pode ser particularmente útil se você importou esses arquivos em um espaço de trabalho, ou têm dependências baseadas nelas.

Pronto! Agora você já pode encontrar e remover arquivos duplicados com dupeGuru.

Mas para usar todo o potencial (e atender as suas necessidades), não deixe dar uma olhada nas preferências do programa.

Como encontrar e remover arquivos duplicados com dupeGuru

Desinstalando o dupeGuru no Ubuntu e derivados

Se precisar desinstalar o dupeGuru no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-add-repository ppa:hsoft/ppa --remove
sudo apt-get remove dupeguru-se
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instale o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu

Instale o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu

Vamos experimentar novos ícones? Que tal instalar o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu? Veja aqui como instalar e deixe seu desktop com um visual diferente.


Faenza é um lendário pacote de ícones para Gnome que fornece ícones monocromáticos para painéis, barras de ferramentas e botões e ícones quadrados coloridos para dispositivos, aplicativos, pastas, arquivos e itens do menu do Gnome.

Instale o conjunto de ícones Faenza no UbuntuInstale o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu

Instale o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu

Para a imagem acima, foi usado o conjunto de ícones Faenza junto com o tema Zukimac.

Conheça melhor o conjunto de ícones Faenza

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu e derivados

Para instalar o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o conjunto de ícones Faenza;

sudo apt-get install faenza-icon-theme

Como instalar o conjunto de ícones Faenza manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome faenza.deb:

wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/icons/+files/faenza-icon-theme_1.3.1-2~xenial~NoobsLab.com_all.deb -O faenza.deb

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i faenza.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do pacote com o comando:

sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Instale o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu

Desinstalando o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o conjunto de ícones Faenza no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o conjunto de ícones Faenza, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove faenza-icon-theme

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Google Chrome no Linux Ubuntu, Debian, Fedora, Arch e derivados – veja como instalar

Google Chrome no Ubuntu, Fedora e derivados - veja como instalar

Se você gosta do Chrome e quer ter ele sempre atualizado no seu sistema, veja como instalar a última versão estável do Google Chrome no Linux Ubuntu, Fedora e derivados.


O Chrome é o navegador de internet do Google. Inicialmente o software foi desenvolvido com visual minimalista e compilado com base em componentes de código aberto, como o motor de renderização o WebKit, da Apple Inc.

Google Chrome no Linux Ubuntu, Debian, Fedora, Arch e derivados - veja como instalarGoogle Chrome no Linux Ubuntu, Debian, Fedora, Arch e derivados – veja como instalar

A partir da versão 28, o Chrome parou de usar o WebKit como motor de renderização de layout, e passou a usar o Blink, desenvolvido pelo Google.

Nos procedimentos abaixo, você verá como instalar a última versão do Google Chrome no Ubuntu, Fedora e seus derivados, mais especificamente Linux Mint, Pinguy OS, Elementary OS, LXLE, Linux Lite, Peppermint, Deepin, Debian, Crunchbang, SparkyLinux, CentOS, OpenSUSE, Mageia e OpenMandriva e também os sistemas derivados destes. Siga as instruções para o seu sistema e arquitetura corretamente e você terá uma instalação bem-sucedida.

Se por algum motivo, você prefere o Chromium, use esse outro tutorial:
Como instalar o Chromium no Ubuntu pelo canal Beta ou Dev

Conheça melhor o Google Chrome

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Google Chrome no Linux

Basicamente, instalar o Google Chrome no Linux consiste em acessar a página de download do programa e clicar no botão “Fazer o download do Google Chrome”;

Google Chrome no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados - veja como instalar

Escolher o formato da sua distribuição Linux e clicar no botão “Aceitar e instalar”;

Google Chrome no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados - veja como instalar

Depois do download, abra o arquivo baixado com o gerenciador de pacotes de sua distribuição. Para isso, basta dar um clique duplo nesse arquivo e depois clicar no botão “Instalar”.

Google Chrome no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados - veja como instalar

Mas se você prefere fazer isso usando o terminal, siga os procedimentos baixo:

Como instalar a última versão estável do Google Chrome no Linux Ubuntu, Debian e sistemas derivados

Para instalar o Google Chrome no Linux Ubuntu, Debian e sistemas derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo "deb [arch=amd64] http://dl.google.com/linux/chrome/deb/ stable main" >> /etc/apt/sources.list.d/google.list'

Passo 4. Baixe e importe a chave do repositório com o comando:

wget -q -O - https://dl.google.com/linux/linux_signing_key.pub | sudo apt-key add -

<!–
Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Se aparecer um erro com a mensagem abaixo…;

"Failed to fetch http://dl.google.com/linux/chrome/deb/dists/stable/Release\n Unable to find
expected entry 'main/binary-i386/Packages' in Release file (Wrong sources.list entry or malformed file)\n
Some index files failed to download. They have been ignored, or old ones used instead."

Passo 6. …execute o seguinte comando:

sudo sed -i -e 's/deb http/deb [arch=amd64] http/' "/etc/apt/sources.list.d/google.list" && sudo sed -i -e 's/deb http/deb [arch=amd64] http/' "/opt/google/chrome/cron/google-chrome"

–>
Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install google-chrome-stable

Passo 7. Se por algum motivo você precisar remover o programa, use o comando abaixo:

sudo apt-get remove google-chrome-stable

Como instalar o Google Chrome no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o programa no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome chrome.deb:

wget https://dl.google.com/linux/direct/google-chrome-stable_current_amd64.deb -O chrome.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i chrome.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Fim do Google Chrome de 32 bits

Atenção! Se seu sistema é de 32 bits, infelizmente o Google Chrome para essa arquitetura foi descontinuado e você deve remover o repositório e parar de usar o Google Chrome, uma vez que não receberá atualizações de segurança.

Para isso, no Ubuntu e Debian, use os comandos abaixo:

sudo rm /etc/apt/sources.list.d/google-chrome.list
sudo apt-get update

Como instalar a última versão estável do Google Chrome no Linux Fedora, CentOS e derivados

Para instalar nos sistemas Fedora e CentOS, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se ainda não tiver e seu sistema for de 32 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo -e "[google-chrome]\nname=google-chrome - 32-bit\nbaseurl=http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/i386\nenabled=1\ngpgcheck=1\ngpgkey=https://dl-ssl.google.com/linux/linux_signing_key.pub" >> /etc/yum.repos.d/google-chrome.repo'

Passo 4. Se ainda não tiver e seu sistema for de 64 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo -e "[google-chrome]\nname=google-chrome - 64-bit\nbaseurl=http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/x86_64\nenabled=1\ngpgcheck=1\ngpgkey=https://dl-ssl.google.com/linux/linux_signing_key.pub" >> /etc/yum.repos.d/google-chrome.repo'

Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo yum update

Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

yum install google-chrome-stable

Passo 7. Se por qualquer motivo você precisar remover o programa, use o comando abaixo:

sudo yum remove google-chrome-stable

Como instalar a última versão estável do Google Chrome no Linux OpenSUSE e derivados

Para instalar nos sistemas OpenSUSE, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se ainda não tiver e seu sistema for de 32 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo zypper ar http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/i386 Google-Chrome

Passo 4. Se ainda não tiver e seu sistema for de 64 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo zypper ar http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/x86_64 Google-Chrome

Passo 5. Baixe e importe a chave do repositório com os comandos:

wget https://dl-ssl.google.com/linux/linux_signing_key.pub
sudo rpm --import linux_signing_key.pub

Passo 6. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo zypper refresh

Passo 7. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo zypper install google-chrome-stable

Passo 8. Depois, se for necessário remover o programa, use o comando abaixo:

sudo zypper remove google-chrome-stable

Como instalar a última versão estável do Google Chrome no Linux Mageia, OpenMandriva e derivados

Para instalar em sistemas Mageia e OpenMandriva, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Baixe e importe a chave do repositório com o comando:

sudo rpm --import https://dl-ssl.google.com/linux/linux_signing_key.pub

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se ainda não tiver e seu sistema for de 32 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo urpmi.addmedia --update chrome_i386 http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/i386

Passo 4. Se ainda não tiver e seu sistema for de 64 bits, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo urpmi.addmedia --update chrome_x86_64 http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/x86_64

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo urpmi google-chrome-stable

Passo 6. Depois, caso seja necessário remover o programa, use o comando abaixo:

sudo urmpe google-chrome-stable

Pronto! Agora que você já está com a última versão estável do Google Chrome no Linux, quando quiser iniciar o programa, digite chrome em um terminal, seguido da tecla TAB.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o emulador de terminal Terminator no Ubuntu

Como instalar o emulador de terminal Terminator no Ubuntu

Se você procura um terminal mais completo, com diversas funcionalidades adicionais, experimente instalar o emulador de terminal Terminator no Ubuntu.


Terminator é emulador de terminal que inclui inúmeros recursos úteis, como vários terminais na mesma janela (visualização dividida), notificações, suporta salvar e restaurar layouts personalizados e muito mais.

Como instalar o emulador de terminal Terminator no UbuntuComo instalar o emulador de terminal Terminator no Ubuntu

Segundo a página do projeto no Launchpad:

O objetivo deste projeto é produzir uma ferramenta útil para organizar os terminais.
O aplicativo é inspirado em que programas como o gnome-multi-term, quadkonsole e etc.
O foco principal é organizar terminais em grades (abas é o método padrão mais comum, que o Terminator também suporta).

Como instalar o emulador de terminal Terminator no Ubuntu

Como instalar o emulador de terminal Terminator no Ubuntu

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Para saber mais sobre as versões do programa, acesse o ChangeLog.

Conheça melhor o emulador de terminal Terminator

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o emulador de terminal Terminator no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o emulador de terminal Terminator no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se seu sistema ainda usa GTK2, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:gnome-terminator/nightly

Passo 3. Se seu sistema já usa GTK3, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:gnome-terminator/nightly-gtk3

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install terminator

Como instalar o emulador de terminal Terminator manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite terminator em um terminal (seguido da tecla TAB), ou clicando no ícone dele ou menu de aplicativos do sistema.

Desinstalando o emulador de terminal Terminator no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o emulador de terminal Terminator no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:gnome-terminator/nightly -r -y
sudo apt-get remove terminator
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

Se você pretende largar o Photoshop e começar a usar o GIMP, existe um projeto que pode lhe ajudar nisso. Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop.


Todos sabemos que o GIMP é um programa com recursos poderosos e que rivalizam com muitas ferramentas proprietárias, como por exemplo, o Adobe Photoshop.

Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de PhotoshopConheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

No entanto, como se trata de um programa diferente, é natural que a maneira de trabalhar com ele também seja diferente do popular Adobe Photoshop. Isso infelizmente, afasta alguns usuários que não podem “perder tempo aprendendo” uma nova ferramenta.

Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

Para ajudar a diminuir a curva de aprendizado do Gimp, o Dionatan do site Diolinux lançou o projeto PhotoGIMP, que é um patch que você pode aplicar no GIMP 2.8, tanto para Linux, quanto para Windows.

O objetivo do projeto é deixar o GIMP o mais parecido possível com o Photoshop e torná-lo uma opção viável para iniciantes e para avançados.

Este Patch adiciona um visual semelhante ao do Photoshop e recursos adicionais como vários novos Brushes e filtros do Instagram.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o PhotoGIMP

Se você quiser saber mais sobre esse importante recurso, acesse esse link. E para ver a versão mais recente, acesse esse ou outro link.
Nas páginas você verá mais detalhes e até com instalar no GIMP.

Conheça melhor o PhotoGIMP

Para ter um ideia de como fica o GIMP, dê uma olhada nessa imagens publicadas pelo Dionatan:

Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o Adobe Reader no Ubuntu

Como instalar o Adobe Reader no Ubuntu

Se você precisa do leitor de PDF da Adobe em seu sistema, veja aqui como instalar o Adobe Reader no Ubuntu e seus derivados.


Apesar de todos os programas alternativos para Linux que existem, o Adobe Reader ainda é um dos melhores leitores de PDF, ao menos, para aqueles usuários que precisam de algumas de suas características únicas.

Como instalar o Adobe Reader no UbuntuComo instalar o Adobe Reader no Ubuntu

O Adobe Reader tinha uma versão para Linux e estava disponível no repositório de parceiros da Canonical, mas saiu de lá desde o Ubuntu 13.10.

A Adobe decidiu dizer adeus à versão para o Linux do Reader. A prova disso, o Linux já não é mais listado como um das plataformas suportadas para o Adobe Reader.

O Adobe Reader para Linux nunca foi considerado pelos usuários como o aplicativo principal para leitura de arquivos no formato PDF. Nas principais distribuições existem várias opções de leitores de PDF que podem fornecer mais funcionalidades e confiabilidade, além de serem muito frequentemente, programas de código aberto.

Resumindo, existem muitas aplicações que fornecem suporte a PDF, como Evince, Okular, Foxit, Master PDF e qpdfview, só para citar alguns. E ainda nem sequer mencionei o Mozilla Firefox e Google Chrome, que são capazes de abrir o arquivo PDF por padrão.

Para os usuários que ainda precisam instalar o Adobe Reader no Linux, a versão atual disponível para a plataforma é a 9.5.5, voltada para sistemas de 32 bits e que foi lançada em maio de 2013. Embora seja uma versão defasada, alguns usuários ainda usam esse aplicativo por causa de algumas particularidades dele.

E com este tutorial, você aprenderá como instalar o leitor de PDF da Adobe no Ubuntu, usando um pacote oficial.

Conheça melhor o Adobe Reader

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Instalando o Adobe Reader no Ubuntu e derivados

Para instalar o Adobe Reader no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. (opcional, use apenas se não conseguir instalar) Antes do programa, instale as bibliotecas de 32-bits que o programa precisa. Para isso, use o comando abaixo. Se você tiver com esse comando, execute os passos desse tutorial e volte a executar este passo:

sudo apt-get install libgtk2.0-0:i386 libnss3-1d:i386 libnspr4-0d:i386 lib32nss-mdns* libxml2:i386 libxslt1.1:i386 libstdc++6:i386

Passo 3. Baixe o pacote de instalação da versão 9.5.5 com o comando abaixo:

wget http://ardownload.adobe.com/pub/adobe/reader/unix/9.x/9.5.5/enu/AdbeRdr9.5.5-1_i386linux_enu.deb -O adobereader.deb

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i adobereader.deb

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite acroread em um terminal (seguido da tecla TAB), ou clicando no ícone dele ou menu de aplicativos do sistema.

Na primeira execução, clique no botão “Accept” para concordar com os termos de uso e começar a usar o programa.

Como instalar o Adobe Reader no Ubuntu

Desinstalando o Adobe Reader no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Adobe Reader no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixos;

sudo apt-get remove adobereader-enu
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


19 de janeiro de 2018

Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

Se você tem jogos do PSP e quer jogá-los no PC, este tutorial irá te ensinar a jogar seus jogos de PSP no Ubuntu, usando com o emulador do Sony PSP PPSSPP.


PPSSPP é um emulador de PSP open source, licenciado sob a GPL e escrito em C++, que traduz as instruções da CPU PSP diretamente para o código de máquina otimizado das arquiteturas x86, x64 e ARM, usando recompiladores JIT (dynarecs), o que possibilita executar o programa (e os jogos) em hardware de baixa especificação.

Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

O PPSSPP é uma aplicação multiplataforma e que pode até executar seus jogos de PSP em seu PC em resolução full HD. Em alguns casos, o programa pode até mesmo fazer upscale das texturas para evitar que elas fiquem muito embaçadas, por terem sidos produzidas para a tela do PSP original.

O programa pode executar o arquivo ISO do PSP do seu PC, e também do disco PSP, mas você precisa especificar o local de jogo dentro PPSSPP, o que será mostrado nesse tutorial.

PPSSPP pode até mesmo salvar e restaurar o estado do jogo em qualquer lugar, a qualquer hora; Continue de onde parou, transferindo “saves” do seu verdadeiro PSP.

Antes de instalar e usar o programa, esteja ciente de que todas as marcas registradas são propriedade de seus respectivos proprietários. O emulador é apenas para fins educacionais e de desenvolvimento e não pode ser usado para jogar jogos que você não possui legalmente.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o PPSSPP

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o PPSSPP e jogar seus jogos de PSP no Ubuntu 14.04 ou superior e seus derivados

Para instalar o PPSSPP e jogar seus jogos de PSP no Ubuntu 14.04 ou superior e seus derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:ppsspp/stable

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Use o comando abaixo para instalar a versão normal do programa;

sudo apt-get install ppsspp

Passo 5. Use o comando abaixo para instalar a versão SDL do programa;

sudo apt-get install ppsspp-sdl

Como instalar o PPSSPP e jogar seus jogos de PSP no Ubuntu 12.04, 16 e Linux Mint 13

Para instalar o PPSSPP e jogar seus jogos de PSP no Ubuntu 12.04, 16 e Linux Mint 13, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/apps

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Use o comando abaixo para instalar a versão normal do programa;

sudo apt-get install ppsspp

Passo 5. Use o comando abaixo para instalar a versão SDL do programa;

sudo apt-get install ppsspp-sdl

Se você tiver algum erro relacionado a conflito de dependências, habilite o repositório Universe com esse comando (grato ao leitor Sergio Benjamim pela dica);

sudo add-apt-repository "deb http://archive.ubuntu.com/ubuntu $(lsb_release -sc) universe"

Como instalar o PPSSPP manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link ou nesse link, e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Como usar o PPSSPP e jogar seus jogos de PSP

Passo 1. Uma vez instalado, inicie o programa digitando ppsspp no Dash;

Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

Passo 2. Com o programa aberto, vá na aba “Games” e navegue até a pasta que você salva seus jogos de PSP (arquivos .iso);

Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

Passo 3. Use as setas para escolher e pressione a tecla “Enter” para carregar o jogo.

Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

Divirta-se!

Desinstalando o PPSSPP no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o PPSSPP no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove ppsspp*
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o conjunto de ícones Halo no Linux

Como instalar o conjunto de ícones Halo no Linux

Se você procura ícones bonitos para seus sistema, conheça e veja como instalar o conjunto de ícones Halo no Linux e deixe seu desktop mais bonito.


O conjunto de ícones Halo foi criado Alejandro Camarena para o Deepin e é utilizado no ArchMerge e também em outros sistemas/ambientes.

Como instalar o conjunto de ícones Halo no LinuxComo instalar o conjunto de ícones Halo no Linux

Mas esse conjunto de ícones não é limitado a apenas alguns sistemas. Felizmente é possível instalar ele em qualquer sistema Linux, fazendo os devidos ajustes na questão da pasta de temas.

Como instalar o conjunto de ícones Halo no Linux

No tutorial abaixo, você verá como instalar o conjunto de ícones Halo no Linux usando poucos comandos. Se depois de instalar, o conjunto de ícones não estiver disponível para ser usado, consulte a documentação do seu sistema Linux, descubra qual pasta de temas ele usa e ajuste o comando de cópia.

Conheça melhor o conjunto de ícones Halo

Para saber mais sobre esse tema, clique nesse link.

Como instalar o conjunto de ícones Halo no Linux/h2>
Para instalar o conjunto de ícones Halo no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Baixe o tema com o seguinte comando:

wget https://github.com/archmerge/Halo-icons/archive/master.zip

Passo 3. Descompacte o arquivo baixado usando os comandos abaixo (ajuste o nome da pasta de temas de acordo com o seu sistema):

sudo unzip master.zip -d /usr/share/themes/

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Desinstalando o conjunto de ícones Halo no Linux e derivados

Para desinstalar o conjunto de ícones Halo no Linux e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se depois você quiser excluir o temas, use o comando abaixo (ajuste o nome da pasta de temas de acordo com o seu sistema);

sudo rm -Rf /usr/share/themes/Suru*

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Conheça, instale e aprenda a utilizar o Inkscape

Conheça, instale e aprenda a utilizar o Inkscape

Se você quer começar a usar um dos principais editores de desenho vetorial livre, conheça instale e aprenda a utilizar o Inkscape


O Inkscape é um programa de gráficos vectoriais de qualidade profissional, que pode ser executado em sistemas Windows, Mac OS X e Linux.

Conheça, instale e aprenda a utilizar o InkscapeConheça, instale e aprenda a utilizar o Inkscape

O Inkscape têm ferramentas de desenho sofisticadas, com capacidades comparáveis com as do Adobe Illustrator, CorelDRAW e Xara Xtreme.

O programa é usado por profissionais de design e entusiastas em todo o mundo, para a criação de uma ampla variedade de gráficos, como ilustrações, ícones, logos, diagramas, mapas e gráficos web.

Ele usa o padrão aberto W3C SVG (Scalable Vector Graphics) como seu formato nativo, e é um software livre coberto pela licença GPL 2. Ele também consegue importar diversos formatos incluindo SVG, AI, EPS, PDF, PS CDR e PNG.

Inkscape utiliza o método vetorial, ou seja, gera imagens a partir de um caminho de pontos definindo suas coordenadas, de forma transparente ao usuário. Imagens vetoriais têm maior aplicação em desenho técnico ou artístico e são, geralmente, mais leves e não perdem a qualidade ao sofrer transformações, como redimensionamento ou giro, em oposição aos formatos bitmap, pese embora o facto dos formatos vectoriais ainda não possuem capacidade direta para lidar com captação de fotografias em tempo real, pelo que na maior parte das aplicações tecnológicas de captação de imagem, os formatos bitmap ainda são considerados standard.

Para completar, ele possui um abrangente conjunto de funcionalidades, uma interface simples, com suporte para múltiplos idiomas e desenhado para ser expandido; os usuários podem personalizar as funcionalidades do Inkscape recorrendo a extensões.

Se você quiser instalar a versão mais recente do Inkscape, acesse esse tutorial:
Inkscape no Ubuntu – Como atualizar para a versão mais recente

Para conhecer melhor o Inkscape, veja o vídeo abaixo:

.smarty-2532708_1512339310696 { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; height: auto; } .smarty-2532708_1512339310696 iframe, .smarty-2532708_1512339310696 object, .smarty-2532708_1512339310696 embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

Conheça melhor o Inkscape

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o Urban Terror no Linux

Como instalar o Urban Terror no Linux

Gosta de jogos de tiro em cenários urbanos? Então que tal instalar o Urban Terror no Linux e se divertir um pouco com esse game?


Urban Terror é um multiplayer de tiro em primeira pessoa gratuito desenvolvido pela FrozenSand, que não exige mais o Quake III Arena.

Como instalar o Urban Terror no LinuxComo instalar o Urban Terror no Linux

O jogo pode ser descrito como um shooter tático de Hollywood, o que resulta em um game muito original, agradável e viciante. E isso sem que seja necessário fazer um registro: Basta baixar, instalar e jogar!

Se você gosta desse jogo, veja como instalar ele no Linux. O procedimento a seguir pode ser feito na maioria das distribuições, se forem feitas as devidas adaptações nos nomes das pastas.

Conheça melhor o jogo Urban Terror

Para saber mais sobre esse jogo, clique nesse link.

Instalando o jogo Urban Terror no Linux

Para instalar o jogo Urban Terror no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Baixe o arquivo de instalação do programa a partir dessa página, e salve-o na sua pasta de usuários como urbanterror.tar.gz. Ou use o cmando abaixo no terminal;

wget http://www.urbanterror.info/downloads/software/urt/43/UrbanTerror43_ded.tar.gz -O urbanterror.tar.gz

Como instalar o Urban Terror no Linux

Passo 3. Dica do leitor Davidson: No Linux Mint, antes de seguir os próximos passos, execute o seguinte comando no terminal:

sudo apt-get install libxml2-utils

Passo 4. Se ainda não existir, crie a pasta Games dentro de sua pasta “Home”:

mkdir ~/Games/

Passo 4. Descompacte o arquivo baixado:

tar xvzf ~/urbanterror.tar.gz -C ~/Games/

Passo 5. Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

sudo mv ~/Games/UrbanTerror*/ ~/Games/urbanterror/

Passo 6. Acesse para a pasta do jogo:

cd ~/Games/urbanterror/

Passo 7. Use o comando abaixo para executar o instalador do jogo;

./UrTUpdater_Ded.sh 

Passo 8. Depois, é só responder as perguntas do instalador e esperar o final do processo, o que aliás, pode demorar bastante, dependendo da sua conexão.

Como instalar o Urban Terror no Linux

Como instalar o Urban Terror no Linux

Como instalar o Urban Terror no Linux

Em seguida, você pode iniciar o jogo clicando duas vezes sobre o arquivo Quake3-UrT.i386 ou Quake3-UrT.x86_64 (ou apenas Quake3-UrT), dependendo da arquitetura do seu sistema (32/64 bits);

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Configure mouse Razer no Linux com o Razercfg

Configure mouse Razer no Linux com o Razercfg

Se possui um mouse da Razer, conheça o Razercfg configure mouse Razer no Linux sem complicações, e todos os recursos que o hardware suporta.


Razer Synapse, o utilitário de configuração oficial da marca Razer, não funciona no Linux. No entanto, há uma ferramenta chamada Razercfg que permite configurar algumas das definições de mouse Razer no Linux.

Configure mouse Razer no Linux com o RazercfgConfigure mouse Razer no Linux com o Razercfg

A aplicação só suporta opções que são suportadas pelo hardware do mouse, como mudar o DPI, a frequência de varredura (taxa de sondagem) e cores de LED. Assim, por exemplo, se o hardware não suporta o remapeamento de botão, o Razercfg não oferecem essa opção.

Isso também significa que Razercfg não suporta macros. Razercfg também permite salvar e facilmente alternar entre perfis (Desktop, FPS gaming, RPG gaming, etc.).

Razercfg suporta os seguintes dispositivos:

  • Razer DeathAdder Classic;
  • Razer DeathAdder 3500 DPI;
  • Razer DeathAdder Black Edition;
  • Razer DeathAdder 2013;
  • Razer DeathAdder Chroma;
  • Razer Krait;
  • Razer Lachesis Classic;
  • Razer Naga Classic mouse;
  • Razer Naga 2012 mouse;
  • Razer Naga 2014 mouse;
  • Razer Naga Hex mouse;
  • Razer Taipan mouse.

E os dispositivos abaixo são listados como tendo características estáveis:

  • Razer Boomslang CE;
  • Razer Copperhead;
  • Razer Lachesis Classic.

Para obter uma lista completa de recursos de hardware para cada mouse, acesse essa página no site do Razercfg.

Conheça melhor o Razercfg

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Razercfg no Ubuntu e configurar mouse Razer no Linux

Para instalar o Razercfg no Ubuntu para configurar mouse Razer no Linux, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install razercfg qrazercfg-applet

Como instalar o Razercfg manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite razercfg no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Se o aplicativo não detectar o mouse (e o dispositivo está listado como suportado), tente reiniciar o sistema e também ver a primeira nota abaixo.

Desinstalando o Razercfg no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Razercfg no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8 -r -y
sudo apt-get remove razercfg qrazercfg-applet
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como remover senhas de arquivos pdf usando a ferramenta pdftops

Como remover senhas de arquivos pdf usando a ferramenta pdftops

Se você quer remover senhas de arquivos pdf, veja aqui como fazer isso de um jeito simples e rápido, usando a ferramenta pdftops.


Quando você quer acessar rapidamente arquivos pdf, uma senha só atrapalha. Felizmente é possível remover a senha de arquivos PDF de várias maneiras. Neste tutorial, vamos ver o modo mais fácil de fazer isso.

Como remover senhas de arquivos pdf usando a ferramenta pdftopsComo remover senhas de arquivos pdf usando a ferramenta pdftops

Vale lembrar que para remover senhas de arquivos pdf, você deve conhecê-la, assim, se você não sabe qual é a senha, é inútil continuar lendo este texto.

Normalmente, para remover senhas de arquivos pdf no Linux, você pode usar seu leito de PDF favorito, juntamente com a impressora virtual que geralmente é incluída por padrão nas principais distribuições Linux.

Basta abrir o documento PDF protegido com um leitor de documentos como Evince, Okular e etc. Uma vez que a senha foi digitada e você já abriu o PDF, basta ir na opção “Imprimir” e selecionar a impressora virtual.

Com isso você irá criar um documento PDF que será salvo sem qualquer proteção (ou você pode tentar usar a opção “salvar como” com alguma opção de remoção de senha).

Como alternativa, é possível remover senhas de arquivos pdf usando a ferramenta de linha de comando pdftops e assim criar um novo documento sem proteção de um jeito bem prático.

O programa, faz parte do pacote xpdf-utils. Veja a seguir, como usá-lo.

Conheça melhor o pdftops

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como remover senhas de arquivos pdf

Para remover senhas de arquivos pdf no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Primeiro você precisa instalar xpdf-utils, digitando o comando:

sudo apt-get install xpdf-utils

Passo 3. Uma vez instalado, você pode começar a usá-lo seguindo o formato abaixo, onde ao invés de “senha” você tem que inserir a senha do PDF, no lugar de “documento_com_senha.pdf” colocar nome do documento PDF protegido e em vez de “documento_sem_senha.pdf”, você deve colocar o nome do novo arquivo PDF sem senha a ser criado;

pdftops -upw senha documento_com_senha.pdf documento_sem_senha.pdf

Passo 4. Na prática, se você quiser remover a senha 123456 do documento exemplo.pdf criando um documento exemplo_sem_senha.pdf, basta digitar:

pdftops -upw 123456 exemplo.pdf exemplo_sem_senha.pdf

E está pronto! Sempre que precisar, você pode usar esse comando e retirar a senha do arquivo para facilitar o acesso a ele.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Drive virtual: Como instalar uma unidade de CD/DVD com CDemu

Drive virtual: Como instalar uma unidade de CD/DVD com CDemu

Se você precisa de um drive virtual no seu sistema, veja como instalar uma unidade de CD/DVD com CDemu no Ubuntu.


CDemu é um software de código aberto projetado para emular uma unidade de disco óptico (incluindo CD-ROM e DVD-ROM) no Linux, ou seja, criar um drive virtual. A mídia ótica emulada pelo CDemu pode ser montada dentro de Linux e é possível usar o recurso de automontagem.

Drive virtual: Como instalar uma unidade de CD/DVD com CDemuDrive virtual: Como instalar uma unidade de CD/DVD com CDemu

Basicamente, o CDEmu consiste dos seguintes componentes:

  • Um módulo do kernel que implementa um drive/controlador virtual;
  • Libmirage, que é uma biblioteca de software para interpretação de imagens de disco óptico;
  • Um daemon (servidor/serviço) que emula a funcionalidade de um + unidade de disco óptico;
  • Um cliente em modo texto e outro usando GTK, para controlar o emulador.

Principal programa do pacote, gCDEmu é uma aplicação GTK criada para gerenciar o CDEmu daemon. Ele fornece uma interface gráfica que permite realizar as tarefas fundamentais relacionadas com o controle do daemon CDEmu, tais como carga e descarga dos dispositivos, exibição do status, recuperação e configuração dos dispositivos.

Além disso, o aplicativo escuta sinais emitidos pelo CDEmu daemon e fornece notificações via libnotify (desde que os devidos bindings Python estejam instalados).

Conheça melhor o CDemu

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o CDemu e criar um drive virtual de CD/DVD

Para instalar o CDemu no Ubuntu e derivados, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações do aplicativo, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:cdemu/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install gcdemu cdemu-client

Como instalar o CDemu manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Como instalar um drive virtual de CD/DVD com CDemu

Para instalar um drive virtual de CD/DVD com CDemu, faça o seguinte:
Passo 1. Inicie o programa, para isso, digite gcdemu no Dash em um terminal;
Passo 2. Se quiser que o programa inicie automaticamente, acesse esse outro tutorial;
Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu
Passo 3. Por padrão o programa já vem com um “Device” criado, mas você pode criar outros clicando no indicador dele no painel e escolhendo a opçao “New device…”;
Passo 4. Para ativar um drive virtual, clique no indicador do programa no painel e depois clique no “Device” que você quer usar;

Drive virtual: Como instalar uma unidade de CD/DVD com CDemu

Passo 5. Na janela do Device, clique no botão “Load”;

Drive virtual: Como instalar uma unidade de CD/DVD com CDemu

Passo 6. Na janela “Open File” (Abrir arquivo), vá para a pasta onde está o arquivo de imagem e clique nele. Finalmente, clique no botão “Open” (Abrir);

Drive virtual: Como instalar uma unidade de CD/DVD com CDemu

Passo 7. Se tudo der certo, a imagem será montada imediatamente e será aberta uma janela do gerenciador de arquivos, mostrando o conteúdo da nova unidade.

Drive virtual: Como instalar uma unidade de CD/DVD com CDemu

Desinstalando o CDemu no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o CDemu no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:cdemu/ppa --remove
sudo apt-get remove gcdemu cdemu-client
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o cliente Slack no Linux via Snap

Como instalar o cliente Slack no Linux via Snap

Se você utiliza a plataforma de comunicação Slack e quer usar um cliente no sistema do pinguim, conheça e veja como instalar o cliente Slack no Linux via Snap.


A Canonical e a Slack anunciaram hoje que a plataforma popular de colaboração e comunicação da equipe Slack está agora disponível como Snap para Ubuntu e outras distribuições Linux habilitadas para esse formato de pacote.

Como instalar o cliente Slack no Linux via SnapComo instalar o cliente Slack no Linux via Snap

Para aqueles que ainda não conhecem, Slack é uma plataforma de comunicação para equipes, que fornece salas de chat persistentes organizadas por tema, grupos privados e mensagens diretas, tudo pesquisável através de uma caixa de busca. Além disso, o aplicativo se integra com o Google Docs e Dropbox, GitHub e muitos outros.

Com a promessa de tornar sua vida profissional mais simples, mais produtiva e agradável, o Slack é usado por numerosas organizações e empresas para aumentar a produtividade de seus funcionários.

É uma plataforma tudo-em-um que oferece mensagens, planejamento, calendário, orçamento, revisão de código e muitas outras ferramentas.

Segundo a página do projeto:

“Slack traz a comunicação e a colaboração da equipe em um só lugar para que você possa fazer mais trabalho, seja você de uma grande empresa ou de uma pequena empresa. Marque sua lista de tarefas e mova seus projetos para a frente, trazendo as pessoas certas, conversas, ferramentas e informações que você precisa juntos.”

Mas apesar do Slack fornecer aplicativos para Windows, Mac, iOS e Android, infelizmente, até pouco tempo não havia nenhum cliente oficial para Linux. Felizmente, agora existe.

Agora, se você usa uma distribuição Linux com suporte a pacotes Snap, você poderá instalar facilmente o Slack com apenas uma linha de comando, como será mostrado nesse tutorial.

Antes de instalar, lembre-se de que o Slack para Linux ainda está em estágios beta, pois a equipe Slack ainda está ocupada adicionando toques finais e corrigindo possíveis problemas.

Se você quiser experimentar um cliente Slack alternativo, experimente o ScudCloud:
Cliente Slack – conheça e instale o ScudCloud

Conheça melhor o cliente Slack no Linux

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a versão mais recente do cliente Slack no Linux em distros que suportam Snap

Para instalar a versão mais recente do cliente Slack no Linux via Snap, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com esse comando (caso ainda não esteja instalado). Em versões recentes do Ubuntu (como 16.04 e 16.10 ou 17.04), este ele já deve estar instalado por padrão. Para o Ubuntu 14.04, você precisa instalar o snapd com esse comando;

sudo apt-get install snapd snapd-xdg-open

Passo 3. Instale o programa, usando esse comando:

snap install slack --classic

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh slack --classic

Passo 5. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove slack

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite slack em um terminal (seguido da tecla TAB), ou clicando no ícone dele ou menu de aplicativos do sistema.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o Bucklespring e deixar sua digitação barulhenta ou vintage

Como instalar o Bucklespring e deixar sua digitação barulhenta ou vintage

Se você quer deixar a sua digitação barulhenta ou vintage, conheça e veja como instalar o Bucklespring no Linux via Snap.


Quem conheceu computadores mais antigos, deve lembrar bem do estranho clack, clack, clack que os teclados faziam ao digitar. O IBM Model-M, aliás, é um bom exemplo disso, um teclado com digitação barulhenta ou vintage (para alguns).

Como instalar o Bucklespring e deixar sua digitação barulhenta ou vintageComo instalar o Bucklespring e deixar sua digitação barulhenta ou vintage

Os teclados Buckling spring (algo como mola de fivela) são chamados assim, porque cada tecla contém uma mola que se encaixa quando pressionada, conforme mostra a figura abaixo:

Como instalar o Bucklespring e deixar sua digitação barulhenta ou vintage

E o aplicativo Buckling faz exatamente isso: executa o som das desse tipo de teclado, cada vez que uma tecla é pressionada. Ele é executado como um processo em segundo plano para reproduzir o som de cada tecla que você pressiona (e solta) no seu teclado.

Não importa onde você digite, você ouvirá o clique, clack, clump, como se estivesse digitando em um verdadeiro teclado físico IBM Model-M. Você não obterá a gratificação física que vem do lançamento de uma chave de mola de encurvamento, mas você obtém o incômodo som.

A página Github do aplicativo informa que: “O som de cada tecla foi cuidadosamente amostrado, e é reproduzido ao mesmo tempo que simula a distância e a direção adequadas para uma paleta de som 3D realista, de puro bem-estar nostálgico”.

Conheça melhor o Bucklespring

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a versão mais recente do Bucklespring para deixar sua digitação barulhenta ou vintage

Para deixar sua digitação barulhenta ou vintage, veja abaixo como instalar a versão mais recente do Bucklespring no Ubuntu e seus derivados via Snap:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. No Ubuntu, se essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com o comando (caso ainda não esteja instalado). Em versões recentes do Ubuntu (como 16.04 e 16.10 ou 17.04), este ele já deve estar instalado por padrão. Para o Ubuntu 14.04, você precisa instalar o snapd com esse comando;

sudo apt install snapd

Passo 3. Instale a versão mais recente do Bucklespring no Ubuntu via SNAP, usando esse comando:

sudo snap install bucklespring

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o snap do Bucklespring, use:

sudo snap refresh bucklespring

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite bucklespring & no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Se você quiser que o aplicativo seja iniciado automaticamente junto com o sistema, use esse tutorial:
Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Não existe um modo fácil de parar o clacking de teclas depois que o programa foi executado. No entanto, você pode silenciar o aplicativo temporariamente, tocando duas vezes a tecla ScollLock.

Agora você escolhe, quer usar o programa por nostalgia ou apenas para irritar as pessoas ao seu redor?
Deixe sua resposta nos comentários.

Desinstalando o Bucklespring no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Bucklespring no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo snap remove bucklespring

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks

Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks

Procurando uma boa ferramenta para criar uma unidade USB inicializável? Então conheça e veja como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks.


Startup Disk Creator (Criador de disco de inicialização), é o criador padrão de midia USB de instalação, que vem na edição Desktop do Ubuntu. Infelizmente essa ferramenta é conhecida por as vezes apresentar bugs.

Como criar um pendrive inicializável com GNOME DisksComo criar um pendrive inicializável com GNOME Disks

Bem, alguns usuários podem não estar cientes disso, mas há outra ferramenta já instalada por padrão no Ubuntu (a versão com o ambiente Unity) e Ubuntu GNOME, bem como em outras distribuições Linux baseada no GNOME, que permite a criação de uma unidade USB inicializável: GNOME Disks.

O programa é confiável, muito fácil de usar e como foi dito antes, já deve estar instalado no sistema, se você usa o Ubuntu com Unity ou GNOME. E mesmo que o aplicativo não esteja instalado em seu sistema, basta procurar por ele no gerenciador de programas da sua distribuição e instalar.

Conheça melhor o GNOME Disks

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

sudo apt-get update

Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks

Para criar um pendrive inicializável com GNOME Disks, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra o gerenciador de arquivos;

Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks

Passo 2. Vá para a pasta onde está a imagem ISO e dê um clique duplo nela para abri-la. Dependendo da versão do sistema que você estiver usando, pode ser necessário clicar com o botão direito do mouse e escolher no menu de contexto a opção “Abrir com”, seguido de “Gravador de imagem de disco” (ou Open With > Disk Image Writer);

Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks

Passo 3. Se tudo deu certo, será exibida a janela do aplicativo “Discos” e uma pequena janela chamada “Restaurar imagem de disco”. Nessa janela, clique na seta ao lado do campo “Destino” e escolha a unidade correspondente ao pendrive;

Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks

Passo 4. Depois de escolher, clique no botão “Iniciar restauração…” para começar a gravação no pendrive (verifique bem para ter certeza que a unidade selecionada é a correta, pois os dados dentro dela serão apagados no processo). Se for solicitado, informe a senha de administrador para autorizar a tarefa.

Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks

Pronto! terminado o processo, você já pode usar sua nova mídia!

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Hardware open source: instale o editor Fritzing no Ubuntu

Hardware open source: instale o editor Fritzing no Ubuntu

Se você gosta de criar circuitos (preferencialmente com hardware open source), experimente instalar o editor Fritzing no Ubuntu e exercitar seus conhecimentos em eletrônica.


Fritzing é uma iniciativa de hardware open source que torna a eletrônica acessível e atende a usuários que desejam produzir ou documentar circuitos e experiências.

Hardware open source: instale o editor Fritzing no UbuntuHardware open source: instale o editor Fritzing no Ubuntu

A empresa Fritzing oferece uma ferramenta de software (o editor Fritzing), um site da comunidade e os serviços necessários para fomentar um ecossistema criativo que permite aos usuários documentar seus protótipos, compartilhá-los com os outros, ensinar eletrônica em sala de aula e muito mais.

Hardware open source: instale o editor Fritzing no Ubuntu

Com Fritzing você pode facilmente (e com baixo custo, transformar o seu circuito em uma realidade. Pois ele serve para montar protótipos de circuitos elétricos e oferece várias maneiras de criar facilmente a parte que você precisa.

Além disso, o programa é instalado com uma biblioteca de peças e cada nova versão traz novas peças. Essas peças são organizadas em “caixas” que podem ser acessados a partir da paleta de peças à direita.

Basta arrastar uma parte na área de desenho para usá-lo, e, em seguida, adaptar as suas propriedades na paleta info.

Contudo, é importante deixar claro que, embora o programa seja de fácil utilização (apenas clicar e arrastar), ele exige certo grau de conhecimento técnico para a composição dos itens de maneira apropriada.

Conheça melhor a iniciativa Fritzing

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o editor Fritzing (hardware open source) no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o editor Fritzing no Ubuntu e poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:ehbello/fritzing

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install fritzing

Como instalar o editor Fritzing manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, sempre que quiser iniciar o programa, digite fritzing no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o editor Fritzing no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o editor Fritzing no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:ehbello/fritzing --remove
sudo apt-get remove fritzing
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Cliente Slack – conheça e instale o ScudCloud

Cliente Slack - conheça e instale o ScudCloud

Se você utiliza a plataforma de comunicação Slack e quer usar um cliente Slack nativo, conheça, instale o ScudCloud e resolva o seu problema.


Para aqueles que ainda não conhecem, Slack é uma plataforma de comunicação para equipes, que fornece salas de chat persistentes organizadas por tema, grupos privados e mensagens diretas, tudo pesquisável através de uma caixa de busca. Além disso, o aplicativo se integra com o Google Docs e Dropbox, GitHub e muitos outros.

Cliente Slack - conheça e instale o ScudCloudCliente Slack – conheça e instale o ScudCloud

Mas apesar do Slack fornecer aplicativos para Windows, Mac, iOS e Android, infelizmente, não até pouco tempo não havia nenhum cliente oficial para Linux.

Até existe um beta e uma versão web, que pode ser usada em qualquer sistema operacional, mas ela não possui todos os recursos disponíveis nos clientes de desktop oficiais, como notificações nativas e assim por diante.

Para conseguir uma integração com o desktop Linux adequada para Slack, o Rael Gugelmin Cunha criou o ScudCloud, um cliente Slack não oficial para Linux. O programa é de código aberto e fornece notificações nativas, contagem de mensagens não lidas no lançador Unity ou bandeja e muito mais.

Como a dock Plank suporta emblemas e quicklists assim como o lançador Unity, o ScudCloud também se integra perfeitamente com o elementary OS e ambientes que usem a Plank.

Cliente Slack - conheça e instale o ScudCloud

Para ambientes onde os recursos como os quicklists e emblemas do lançador Unity não são suportados por padrão, você pode definir ScudCloud para ficar na bandeja (isto funciona em qualquer área de trabalho) e seu ícone irá exibir a contagem de mensagens não lidas:

Cliente Slack - conheça e instale o ScudCloud

Prefere a versão oficial? Veja esse outro tutorial:
Como instalar o cliente Slack no Linux via Snap

Conheça melhor o cliente Slack ScudCloud

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o cliente Slack ScudCloud no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o cliente Slack ScudCloud no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo apt-add-repository ppa:rael-gc/scudcloud

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install scudcloud

Como instalar o cliente Slack ScudCloud manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite scudcloud no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o cliente Slack ScudCloud no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o cliente Slack ScudCloud no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixos;

sudo apt-get remove scudcloud
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Lançado Wine 3.0 com o suporte Direct3D 11! Confira!

Lançado Wine 3.0 com o suporte Direct3D 11! Confira!

Wine 3.0 estável foi lançado trazendo suporte Direct3D 11, além de várias correções, melhorias e recursos. Confira as novidades e veja como instalar ou atualizar.


O Wine é um software livre e de código aberto, que tem como objetivo permitir que os aplicativos desenvolvidos para Microsoft Windows possam ser executados no Linux, Mac, FreeBSD e Solaris.

Lançado Wine 3.0 com o suporte Direct3D 11! Confira!Lançado Wine 3.0 com o suporte Direct3D 11! Confira!

Em resumo, o Wine é uma camada de compatibilidade do Windows para Linux que permite que você, embora com variadas notas de sucesso, executem aplicativos do Windows no Linux e no MacOS.

Por conta disso, o programa é muito importante para ex-usuários do sistema operacional Windows ou para qualquer pessoa que ainda precisa usar os aplicativos desse sistema no Linux.

Para aqueles que não conhecem o projeto, o Wine (originalmente um acrônimo para “Wine Is Not an Emulator” ou “Wine não é um emulador”) é uma camada de compatibilidade capaz de executar aplicativos Windows em vários sistemas operacionais compatíveis com POSIX, como Linux, Mac OSX, e BSD.

Além de uma versão estável, o programa possui uma versão de desenvolvimento que fornece correções de bugs e recursos que ainda não estão disponíveis em versões regulares de Wine. Com ela, você tem acesso aos novos recursos do Wine bem antes da maioria dos usuários.

Destaques do lançamento do Wine 3.0

Após um ano de envelhecimento no desenvolvimento, Wine 3.0 está disponível para download.

Wine 3.0 é composto por mais de 6.000 mudanças e apresenta uma série de grandes melhorias em relação às versões anteriores, incluindo:

  • Suporte Direct3D 10 e 11;
  • Direct3D command stream;
  • Android graphics driver;
  • Suporte aprimorado para DirectWrite e Direct2D;
  • Windows 7 agora é a versão padrão;
  • Safe DLL search mode;
  • Melhorias de memória;
  • Escala melhor nas telas HiDPI;
  • Wine inclui suporte aprimorado para Direct3D 10 e 11. O recurso gráfico também pode agora funcionar com um maior número de placas gráficas.

Entre os recursos Direct3D 10 e 11 suportados no Wine 3.0, estão compute shaders, stream output, cube-map arrays, renderização em camadas para texturas tridimensionais e arrays de textura, geração de mipmap e depth bias.

Para mais detalhes sobre essa versão, acesse a nota de lançamento.

Para instalar o Wine 3.0 estável, use esse tutorial:
Como instalar a versão mais recente do Wine

Para instalar a versão de desenvolvimento do Wine, use esse tutorial:
Experimente os novos recursos do Wine mais rápido com Wine Staging no Ubuntu, Debian, Mint e Fedora

Conheça melhor o Wine

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o media center Kodi via Snap sem complicações

Como instalar a versão mais recente do Media Center Kodi no Ubuntu

Se você quiser experimentar um player multimídia e central de mídia completo, veja aqui como instalar o media center Kodi via Snap.


Kodi é um novo nome do antigo projeto XBMC. Atualmente Kodi pode ser usado para reproduzir quase todos os formatos populares de áudio e vídeo.

Como instalar o media center Kodi via Snap sem complicaçõesComo instalar o media center Kodi via Snap sem complicações

Com o Media Center Kodi você utiliza a mídia como ela está, pois ele pode reproduzir CDs e DVDs diretamente do arquivo de disco ou de uma imagem, e suporta quase todos os formatos populares de arquivo do seu disco rígido, ele pode até mesmo reproduzir arquivos dentro de arquivos ZIP e RAR.

O aplicativo foi projetado para a reprodução de rede, para que você possa transmitir o seu conteúdo multimídia a partir de qualquer lugar da casa ou diretamente da internet, usando praticamente qualquer protocolo disponível.

Kodi pode digitalizar todas as suas mídias e criar automaticamente uma biblioteca personalizada completa com tampas de caixas (box covers), descrições e fanart.

Há funções de lista de reprodução e apresentação de slides, um recurso de previsão de tempo e muitas visualizações de áudio. Uma vez instalado, o computador se tornará um jukebox multimídia totalmente funcional.

Sua interface gráfica com o usuário (GUI) permite que o usuário navegue facilmente e veja vídeos, fotos, podcasts e música de um disco rígido, disco óptico, rede local e internet usando apenas alguns botões.

Kodi também está disponível para Android.

Como instalar o media center Kodi via Snap sem complicações

Como instalar o media center Kodi via Snap sem complicações

Conheça melhor o Media Center Kodi

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a versão mais recente do Kodi via Snap

Para instalar a versão mais recente do Kodi via Snap, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com esse comando (caso ainda não esteja instalado). Em versões recentes do Ubuntu (como 16.04 e 16.10 ou 17.04), este ele já deve estar instalado por padrão. Para o Ubuntu 14.04, você precisa instalar o snapd com esse comando;

sudo apt install snapd

Passo 3. Instale a versão mais recente do Kodi via SNAP, usando esse comando:

snap install kodi --edge

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o snap do Kodi, use:

sudo snap refresh kodi

Passo 5. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove kodi

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o Kodi no Ubuntu, digite kodi no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB).

Quer instalar apenas no Ubuntu e derivados? Veja esse outro tutorial:
Como instalar a versão mais recente do Media Center Kodi no Ubuntu

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instalando o Gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu

Instalando o Gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu

Procurando uma ferramenta para ajudar nos seus downloads? Experimente instalar o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e seus derivados.


JDownloader é um gerenciador de downloads gratuito escrito em Java e consequentemente, multiplataforma. Ele possui uma grande comunidade de desenvolvedores que trabalha continuamente para torná-lo tão fácil e rápido quanto possível.

Instalando o Gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu

Com o JDownloader o usuário pode iniciar, parar ou fazer uma pausa nos downloads, estabelecer limites de largura de banda, auto extrair arquivos e muito mais.

A principal vantagem do JDownloader é que ele pode baixar arquivos nos sites de hospedagem mais complicados como: RapidShare, EasyShare e vários outros. Assim, se você tiver uma conta que dá privilégios em qualquer um dos sites compatíveis, poderá aproveitá-lo ainda mais com este software.

Para completar, o JDownloader permite baixar e converter vídeos do YouTube e vários outros sites similares, automaticamente (formato MP4, 3GP, MP3 ou FLV).

O programa também possui ferramentas que automatizam tarefas, basta selecionar o que deseja e ele faz tudo sozinho. Com isso, os usuários podem evitar ter que ficar horas e horas na frente do PC, simplesmente esperando os downloads serem finalizados.

Conheça melhor o gerenciador de downloads JDownloader

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Veja como instalar o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e derivados

Para instalar o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:jd-team/jdownloader

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Para instalar o programa, use este comando:

sudo apt-get install jdownloader-installer

Como instalar o gerenciador de downloads JDownloader manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite jdownloader no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB).

Se for necessário, o programa automaticamente será atualizado para a última versão, logo no inicio da execução.

Desinstalando o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:jd-team/jdownloader --remove
sudo apt-get remove jdownloader-installer
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como Instalar a versão mais recente do Tomahawk Music Player no Ubuntu

Como Instalar a versão mais recente do Tomahawk Music Player no Ubuntu

Já conhece o social media player Tomahawk. Se você usar ou quer experimentar esse reprodutor, veja como instalar o Tomahawk Music Player no Ubuntu e seus derivados.


Tomahawk é um leitor de música que não só reproduz sua coleção local, mas também stream, utilizando plugins.

Como Instalar a versão mais recente do Tomahawk Music Player no UbuntuComo Instalar a versão mais recente do Tomahawk Music Player no Ubuntu

Com isso, ele unifica fontes de música como o Spotify, SoundCloud, Rdio, Beats, Google Play Music, YouTube e muitos mais. Você pode até mesmo conectar Tomahawk com seus amigos via Jabber/GTalk e compartilhar suas listas de reprodução e coleções.

Como Instalar a versão mais recente do Tomahawk Music Player no Ubuntu

Conheça melhor o Tomahawk Music Player

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais detalhes sobre essa versão, acesse o CHangeLog.

Como instalar o Tomahawk Music Player no Ubuntu e seus derivados (12.04, 14.04, 14.10, 15.04 e 15.10)

Em versões mais recentes do Ubuntu, o Tomahawk Music Player está disponível nos repositórios oficiais do sistema, e pode ser instalado através da Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install tomahawk.

Mas se a versão que você está usando não possui o programa, para instalar o Tomahawk Music Player no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:tomahawk/ppa

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install tomahawk

Como instalar o Tomahawk Music Player manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite tomahawk no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Tomahawk Music Player no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Tomahawk Music Player no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:tomahawk/ppa -r -y
sudo apt-get remove tomahawk
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


18 de janeiro de 2018

Como ler ebooks no terminal usando a ferramenta ePub

Como ler ebooks no terminal usando a ferramenta ePub

Que ler seus livros digitais no PC em uma tela bem conveniente? Então veja como ler ebooks no terminal usando a ferramenta epub.


Existem muitas pessoas que, diariamente, leem livros digitais ou ebooks em seus pc´s ou em dispositivos móveis, como leitores de ebook, tablets e assim por diante.

Como ler ebooks no terminal usando a ferramenta ePubComo ler ebooks no terminal usando a ferramenta ePub

Nos repositórios oficiais das principais distribuições Linux estão disponíveis diferentes softwares dedicados à leitura e à gestão de ebooks. Entre os mais populares está o Calibre, que permite até sincronizar os livros digitais com leitores de ebook.

Alternativamente, também é possível usar o terminal para ler os livros digitais com o aplicativo ePub, uma ferramenta de código aberto escrita em Python.

Ler um ebook no terminal pode vir a calhar, por exemplo, no caso de pessoas que possuem um computador ultrapassado ou apenas com poucos recursos ou até mesmo quando o usuário não quer mais instalar grandes pacotes somente para ler um livro.

Para fazer isso, a melhor opção é a ferramenta ePub, que nos permite visualizar e ler facilmente os livros diretamente em um terminal, aproveitando o velho padrão de telha de fundo preto com letras brancas (conveniente, não é mesmo?).

Como ler ebooks no terminal usando a ferramenta ePub

Conheça melhor o epub

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como ler ebooks no terminal usando a ferramenta epub

Para poder ler ebooks no terminal, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Para utilizar a ferramentas epub, primeiro é preciso instalar o pacote python-BeautifulSoup. Para fazer isso usando os repositórios oficiais das principais distribuições Linux, Ubuntu, Debian e derivados, basta digitar o comando:

sudo apt-get install python-beautifulsoup

Passo 3. Agora, basta baixar a ferramenta epub, usando o comando:

wget https://raw.githubusercontent.com/rupa/epub/master/epub.py

Passo 4. Para ler um ebook no termminal, basta usar o comando abaixo, substituindo nomedoebook.epub pelo nome completo do arquivo epub (com o caminho, se for necessário), como por exemplo, python epub.py linux.epub;

python epub.py nomedoebook.epub

Como usar a ferramenta epub para ler ebooks no terminal

Quando estiver com o programa na tela, os comandos de teclado dele são os seguintes:
Esc/q:Sair
Tab/Seta esquerda/direita:alternar entre as visualizações de TOC e dos capítulos
Visualização de TOC:
Up:uma linha
Down:para baixo uma linha
PgUp: uma página
PgDown: para baixo uma página
Visualização de capítulos:
Up: uma página
Down:para baixo uma página
PgUp: uma linha
PgDown: para baixo uma linha

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como monitorar o consumo de sua conexão de internet em um terminal Linux

Como monitorar o consumo de sua conexão de internet a partir de um terminal Linux

Precisando de uma ferramenta simples para monitorar a conexão de internet a partir de um terminal Linux? Então instale e experimente o Nbwmon.


nbwmon (ncurses monitor de banda) é uma ferramenta simples que nos permite ter informações detalhadas em tempo real sobre a atual conexão de Internet, diretamente do terminal.

Como monitorar o consumo de sua conexão de internet a partir de um terminal LinuxComo monitorar o consumo de sua conexão de internet em um terminal Linux
O programa suporta qualquer tipo de conexão como wireless, Ethernet ou Mobile Internet e tem várias personalizações, bem como pode detectar automaticamente o tipo de conexão ativa.

Graças a ncurses, nbwmon tem gráfico de largura de banda e também irá fornecer detalhes como a velocidade de upload e download atual, média e máxima durante o tráfego total. ncurses adapta-se automaticamente para a janela e ajusta a escala dos vários gráficos e redimensiona os vários detalhes da conexão.

Conheça melhor o nbwmon

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instale o nbwmon no Linux para monitorar o consumo de sua conexão de internet a partir de um terminal Linux

Para instalar o nbwmon no Linux e monitorar o consumo de sua conexão de internet a partir de um terminal Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome nbwmon:

wget https://ufpr.dl.sourceforge.net/project/linuxfreedomfor/Linux/nbwmon%20bin/32bit/nbwmon

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome nbwmon:

wget https://ufpr.dl.sourceforge.net/project/linuxfreedomfor/Linux/nbwmon%20bin/64bit/nbwmon

Passo 5. Coloque o arquivo na pasta de binários do Linux, com o comando;

sudo mv nbwmon /usr/bin/nbwmon

Passo 6. Torne o arquivo executável com este comando:

sudo chmod +x /usr/bin/nbwmon

Passo 7. Inicie o programa digitando o comando abaixo;

nbwmon

Para terminar o programa basta teclar q, digitar CTRL+C ou fechar o terminal. Nbwmon também tem algumas opções de personalização que podem ser inseridas após o comando:

-n nenhuma cor
-u graphmax unificado
-i interface de rede
-d segundos para atualizar
-l altura do gráfico

Se quiser, com essas opções, você pode por exemplo, monitorar a conexão wireless (wlan0) e atualizá-los a cada segundo. Para isso, apenas use esse comando:

nbwmon-i wlan0 d 1

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Xfce Theme Manager: um aplicativo simples para mudar qualquer tema Xfce

Xfce Theme Manager: um aplicativo simples para mudar qualquer tema Xfce

Você usa Xfce e está com dificuldades para gerenciar os detalhes da aparência de seu ambiente? que tal instalar um gerenciador de temas completo para ele? Conheça, instale e experimente o Xfce Theme Manager.


O ambient gráfico Xfce usa várias GUIs de configurações para definir a borda da janela, controles, ícones, tema do cursor do mouse e assim por diante, e não inclui qualquer pré visualização de como ficará.

Xfce Theme Manager: um aplicativo simples para mudar qualquer tema Xfce

No entanto, se você personalizar seu desktop Xfce com frequência, você pode usar uma ferramenta chamada Xfce Theme Manager que permite que você altere os temas em uma interface gráfica simples e também inclui miniaturas para que você possa ver como o tema parece antes de aplicá-la.

O Xfce Theme Manager permite configurar os seguintes itens:  temas Xfce (borda da janela, controles), temas de ícones, temas do cursor e o papel de parede.

Xfce Theme Manager: um aplicativo simples para mudar qualquer tema Xfce

Também, em “Advanced” (veja imagem acima), você pode ajustar várias configurações como pano de fundo, brilho e saturação, layout de botão da janela, posição de título da janela, altera a fonte e o tamanho do cursor.

Instalando o Xfce Theme Manager no Xubuntu

Xfce Theme Manager está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install xfce-theme-manager. No entanto, essa nem sempre é a versão mais recente. Por isso, para ter a última versão desse programa no Ubuntu, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:rebuntu16/other-stuff

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install xfce-theme-manager

Como instalar o Xfce Theme Manager no Xubuntu manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Uma vez instalado, o aplicativo deve aparecer no Gerenciador de Configurações do Xfce.

Desinstalando o Xfce Theme Manager no Xubuntu no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Xfce Theme Manager no Xubuntu no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:rebuntu16/other-stuff --remove
sudo apt-get remove xfce-theme-manager
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como ouvir rádios online no terminal com PyRadio

Como ouvir rádios online no terminal com PyRadio

Se você quer curtir músicas e ainda aproveitar melhor os recursos do seu PC, veja como ouvir rádios online no terminal com PyRadio.


Ouvir rádios online no terminal é uma forma interessante de se distrair enquanto trabalha na frente do PC, sem consumir muitos recursos. Para fazer isso, uma boa opção é o aplicativo PyRadio.

Como ouvir rádios online no terminal com PyRadioComo ouvir rádios online no terminal com PyRadio

PyRadio é um reprodutor de rádio baseadas na internet que é executado no terminal. O software é implementado com Python e usa mplayer ou VLC para reprodução de mídia.

Conheça melhor o PyRadio

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como ouvir rádios online no terminal

Para ouvir rádios online no terminal, primeiramente, você precisa instalar o PyRadio. Para isso, use as instruções a seguir.

Como instalar a versão mais recente do PyRadio no Linux em distros que suportam Snap

Para instalar a versão mais recente do PyRadio no Linux em distros que suportam Snap, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com esse comando (caso ainda não esteja instalado). Em versões recentes do Ubuntu (como 16.04 e 16.10 ou 17.04), este ele já deve estar instalado por padrão. Para o Ubuntu 14.04, você precisa instalar o snapd com esse comando;

sudo apt-get install snapd snapd-xdg-open

Passo 3. Instale a versão mais recente do PyRadio via SNAP, usando esse comando:

sudo snap install pyradio

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o snap do PyRadio, use:

sudo snap refresh pyradio

Passo 5. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove pyradio

Como usar o PyRadio para ouvir rádios online no terminal

Quando quiser iniciar o programa, digite pyradio --play em um terminal.

Depois, basta usar os atalhos do teclado abaixo:

Up/Down/j/k/PgUp/PgDown Alterar a seleção da estação
Enter Reproduz a estação selecionada
-/+ Mudar o volume
m Mute
r Selecione e reproduza uma estação aleatória
g Ir para a primeira estação
<n>G Ir para a estação n-ésima
Espaço Parar/Iniciar a repdodução a estação selecionada
Esc Sair

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como exibir o efeito chuva de código da Matrix no terminal

Como exibir o efeito chuva de código da Matrix no terminal

Se você quer ter um pouco da Matrix no seu PC, veja como exibir o efeito chuva de código da Matrix no terminal, usando um simples aplicativo.


The Matrix é um filme de ação de ficção científica de 1999 e que foi escrito e dirigido pelos Irmãos Wachowski, e protagonizado por Keanu Reeves, Laurence Fishburne e Carrie-Anne Moss.

Como exibir o efeito chuva de código da Matrix no terminalComo exibir o efeito chuva de código da Matrix no terminal

No filme, um jovem programador é atormentado por estranhos pesadelos nos quais sempre está conectado por cabos a um imenso sistema de computadores do futuro. E à medida que o sonho se repete, ele começa a levantar dúvidas sobre a realidade.

E quando ele finalmente encontra os misteriosos Morpheus e Trinity, ele descobre que é vítima do Matrix, um sistema inteligente e artificial que manipula a mente das pessoas e cria a ilusão de um mundo real enquanto usa os cérebros e corpos dos indivíduos para produzir energia.

Em algumas cenas do filme tem caracteres verdes em queda na tela. Essa chuva de código da Matrix representa a atividade da realidade virtual em “The Matrix”. Agora você pode ter a chuva digital Matrix com CMatrix em um terminal Linux ou Unix também.

Conheça melhor o Cmatrix

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como exibir o efeito chuva de código da Matrix no terminal

Para exibir o efeito chuva de código da Matrix no terminal, primeiramente, você precisa instalar o aplicativo cmatrix. Para isso, veja as instruções a seguir.

Como instalar o aplicativo cmatrix

Para instalar o aplicativo cmatrix em um Debian, Ubuntu ou derivado, use esse comando:

sudo apt install cmatrix

Para instalar o aplicativo cmatrix em um Fedora ou derivado, use esse comando:

sudo dnf install cmatrix

ou

sudo yum install cmatrix

Para instalar o aplicativo cmatrix em um Arch Linux ou derivado, use esse comando:

sudo pacman -S cmatrix

Para instalar o aplicativo cmatrix em um sistema FreeBSD, use esse comando:

pkg install cmatrix

Para instalar o aplicativo cmatrix em um sistema MacOS Unix, use esse comando:

brew install cmatrix

Para instalar o aplicativo cmatrix em um sistema OpenBSD, use esse comando:

pkg_add cmatrix

Como usar o aplicativo cmatrix

Para usar o aplicativo cmatrix, apenas abra um terminal e execute o comando abaixo:

cmatrix

Com o programa em execução, use as teclas abaixo para configurá-lo:

KEYSTROKES Descrição
a Alternar rolagem assíncrona
b Caracteres negrito aleatórios
B Todos os caracteres em negrito
n Desativar caracteres negrito
0-9 Ajustar a velocidade de atualização
! @ # $% ^ &) Mude a cor da matriz para a cor correspondente:! – vermelho, @ –
verde, # amarelo, $ – azul,% – magenta, ^ – ciano, e – branco,) – preto.
q Feche o programa

Gostou? Comente e dê sua opinião!

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Quer localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll

Quer localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll

Procurando um recurso para localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll no Ubuntu, Debian e sistemas derivados, e comece a pesquisar.


Recoll é um programa pesquisa de texto completo baseado em QT, licenciado sob a GPL e feito especialmente para sistemas Unix-like e Linux, mas que também está disponível para sistemas Windows e Mac.

Quer localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale RecollQuer localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll

O programa fornece pesquisa de texto completa e eficiente com uma única palavra, chegando até a fazer pesquisas booleanas complexas.

Basicamente, ele indexa os dados originais (juntamente com suas versões compactadas) e o grande número de arquivos, em seguida, ajuda você a encontrar o que procura rapidamente.

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll

Recoll atualiza seu índice em intervalos concebidos (por exemplo através de tarefas Cron) mas, se desejar, a tarefa de indexação pode ser executado como um daemon de monitoramento do sistema de arquivos para atualizações de índice em tempo real.

A arquitetura de conversão e extração de texto do Recoll torna extremamente fácil escrever novos filtros, e muitos tipos de documentos são suportados.

Ele indexa o conteúdo de muitos tipos de documentos: texto, HTML, arquivos de armazenamento de E-mail de todos os tipos, OpenOffice.org, Microsoft Office e Office Open XML, AbiWord, KWord, Gaim, o LYX, Scribus, PDF, WordPerfect, PostScript, RTF, TeX , DVI, DjVu, MP3 e outros formatos de arquivo de áudio, JPEG e outros formatos de arquivo de imagem.

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll

Conheça melhor o Recoll

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para ver a lista completa de recursos do programa acesse a página de funcionalidades do programa.

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll no Ubuntu e seus derivados

Para poder localizar texto dentro de arquivos no seu sistema Linux, siga o procedimento abaixo. Com isso você instalará o Recoll no Ubuntu (ou um derivado dele) e ainda receberá automaticamente as futuras atualizações dele. Para isso, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:recoll-backports/recoll-1.15-on

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install recoll

Passo 5. Para KDE4, instale este pacote também:

sudo apt-get install kio-recoll

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll no Debian e seus derivados

Para poder localizar texto dentro de arquivos no seu sistema Linux, siga o procedimento abaixo. Com isso você instalará o Recoll no Debian (ou um derivado dele) e ainda receberá automaticamente as futuras atualizações dele. Para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do aplicativo, usando o seguinte comando;

sudo sh -c 'echo "deb http://www.lesbonscomptes.com/recoll/debian/ $(lsb_release -cs) contrib" >> /etc/apt/sources.list.d/recoll.list'

Passo 3. Agora instale a chave do repositório usando o seguinte comando:

wget -O - http://www.lesbonscomptes.com/key/jf@dockes.org.gpg.key | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install recoll

Como instalar o Recoll manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite recoll no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll

Desinstalando o Recoll no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Nem tduo é perfeito, por isso, se você não gostar do programa pode desinstalar o Recoll no Linux Ubuntu, Debian e derivados, fazendo o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:recoll-backports/recoll-1.15-on --remove
sudo apt-get remove recoll
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o editor de vídeo Flowblade no Ubuntu, Debian e derivados

Como instalar o editor de vídeo Flowblade no Ubuntu, Debian e derivados

Se você está procurando um novo e promissor editor de vídeo, veja como instalar o editor de vídeo Flowblade no Ubuntu, Debian e derivados.


Flowblade é um editor de vídeo multitrack para Linux que é coberto pela licença GPL3, e que fornece ferramentas poderosas para mixar e filtrar áudio e vídeo: cortar ou juntar vídeos, criar filmes a partir de clipes de vídeo, áudio e arquivos gráficos e assim por diante.

Como instalar o editor de vídeo Flowblade no Ubuntu, Debian e derivadosComo instalar o editor de vídeo Flowblade no Ubuntu, Debian e derivados

Esse editor foi projetado para fornecer uma experiência de edição rápida, precisa e realizar a tarefa da forma mais simples possível. Com Flowblade você pode inserir seus clipes na linha do tempo, aplicar zoom, efeitos de transição, mover e girar o vídeo.

Ele tem um fluxo de trabalho de linha de tempo (timeline) avançado, que oferece um conjunto de ferramentas de edição padrão da indústria combinadas com o conceito de edição de inserção da Flowblade – ou “linha de tempo magnética”, como é chamado por alguns – fazer adicionar, mover e cortar clipes uma brisa.

Combine e misture imagens e áudio com as poderosas ferramentas disponíveis. Corrija a cor da imagem para se adequar à sua visão e modificar o áudio, para obter o humor que deseja expressar.

Flowblade também suporta o G’MIC, que é uma poderosa tecnologia de filtragem de imagens de código aberto que o Flowblade disponibiliza facilmente com uma ferramenta dedicada.

O programa suporta todas as mídias disponíveis no sistema Linux quando a biblioteca FFMPEG está funcionando como backend. Uma mensagem de inicialização típica no terminal diz que 146 formatos, 78 codecs de vídeo e 58 codecs de áudio estão disponíveis para serem usados.

As predefinições de renderização estão disponíveis em grande variedade para escolher e o usuário também pode escolher opções: MPEG-2 .mpg, H.264 .mp4. MPEG-4 .mp4, Theora .ogv, Lossless HuffYUV .avi, Lossless MPEG-2 .mpg, Lossless MPEG-4 .mp4, Lossless H.264 .mp4.

Como instalar o editor de vídeo Flowblade no Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o programa no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome flowblade.deb:

wget https://github.com/jliljebl/flowblade/releases/download/v1.14/flowblade-1.14.0-1_all.deb -O flowblade.deb

Passo 3. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i flowblade.deb
sudo apt-get install -f

Passo 4. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./flowblade.deb

Passo 5. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove flowblade*

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flowblade no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Alternativa ao Computer Janitor – Como instalar o Ubuntu Cleaner

Alternativa ao Computer Janitor - Como instalar o Ubuntu Cleaner

Procurando uma alternativa ao Computer Janitor do Ubuntu Tweak para fazer uma limpeza no seu sistema? Conheça e veja como instalar o Ubuntu Cleaner!


O Ubuntu Cleaner é uma ferramenta de código aberto que facilita a limpeza do seu sistema Ubuntu. O programa é um fork do Ubuntu Tweak para o recurso Computer Janitor.

Alternativa ao Computer Janitor - Como instalar o Ubuntu CleanerAlternativa ao Computer Janitor – Como instalar o Ubuntu Cleaner

Por causa disso, a ferramenta oferece uma interface semelhante ao Ubuntu Tweak, e também permite limpar:

  • Cache do aplicativo (navegador);
  • Cache de miniaturas;
  • Kernels antigos;
  • Cache do Apt;
  • Configurações do pacote e pacotes desnecessários.

Conheça melhor o Ubuntu Cleaner

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Ubuntu Cleaner no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Ubuntu Cleaner no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:gerardpuig/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install ubuntu-cleaner

Como instalar o Ubuntu Cleaner manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite ubuntu-cleaner no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o programa no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o programa no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:gerardpuig/ppa --remove
sudo apt-get remove ubuntu-cleaner
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Descubra como fazer para liberar memoria no Firefox

Como fazer para liberar memoria no Firefox

Se o navegador da Mozilla está usando muitos recursos do seu PC, veja como fazer para liberar memoria no Firefox e resolva seu problema.


Com lançamento feito no dia 14 de novembro de 2017 e com sérias mudanças de design/velocidade, o Firefox Quantum (ou Firefox 57) marcou o inicio da próxima geração do navegador da Mozilla.

Como fazer para liberar memoria no FirefoxComo fazer para liberar memoria no Firefox

O Firefox Quantum é duas vezes mais rápido que as compilações anteriores e também traz um consumo de memória reduzido (até 30%), além de um novo e bonito visual.

Ou seja, o Firefox evoluiu e na versão mais recente, oferece melhor velocidade, além de vários recursos importantes para a rotina de seus usuários. Entretanto, ele ainda consome muitos recursos, principalmente memoria e espaço em disco.

Infelizmente, esse não é um problema apenas do Firefox. Se você experimentar outros navegadores, perceberá que a maioria deles sofre dos mesmos males. Muito disso de deve a diversas facilidades oferecidas atualmente, como o recurso de abas, suporte a plugins e vários outros benefícios.

Como resultado disso, para usar um navegador com várias abas abertas e alguns complementos instalados, você precisa ter bastante memória e espaço em disco no PC.

Portanto, se o consumo de memória está próximo do máximo, talvez seja hora de você adicionar mais memória no seu computador e liberar espaço no disco rígido. RAM é barata e vai proporcionar um enorme aumento de desempenho.

Mas se você não puder fazer isso agora, é possível usar uma funcionalidade do próprio Firefox para liberar parte da memória usada pelo navegador. Confira!

Como fazer para liberar memoria no Firefox

Para liberar memoria no Firefox, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra o Firefox, digite about:memory na caixa de endereço e tecle enter;

Como fazer para liberar memoria no Firefox

Passo 2. Na tela que será exibida, clique no botão “Minimize memory usage”;

Como fazer para liberar memoria no Firefox

Passo 3. Imediatamente será exibida uma informação que o Firefox está liberando memória e em poucos segundos estará pronto!

Como fazer para liberar memoria no Firefox

Conheça mais dicas sobre consumo de memória do Firefox

Para saber mais dicas sobre consumo de memória do Firefox, clique nesse link.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Java no Linux: veja como Instalar manualmente

Instalando o Java no Linux: tudo que já foi publicado sobre o assunto

Java é uma linguagem e ao mesmo tempo uma plataforma importante. No Linux, cada distribuição tem seu modo de fornecer o Java, e para dar aos usuários um método que funcione na maioria delas, hoje mostrarei como instalar Java no Linux manualmente (nesse caso o Java da Oracle).


Na maioria das distribuições Linux o Java não vem instalado por padrão, com isso, para ter Java no Linux, o usuário é obrigado a fazer o procedimento de instalação.

Veja como Instalar o Java no Linux: manualmenteVeja como Instalar o Java no Linux: manualmente

O passo a passo a seguir foi testado por min e possivelmente deverá funcionar na maioria das distribuições, desde que o usuário adapte as particularidades e endereço de arquivos aos comandos. Depois de feito uma vez, nas próximas atualizações, só será necessário repetir o procedimento.

Conheça melhor o Java

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Caso já tenha feito alguma instalação manual, antes de fazer os passos abaixo vá para o procedimento “Como remover o Java no Linux manualmente”, que fica no final desse tutorial.

Como instalar Java no Linux manualmente

Para instalar Java no Linux manualmente, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se você já tiver feito a instalação manual do Java, vá para o procedimento “Como remover o Java no Linux manualmente” (que fica logo abaixo) e só então faça a instalação mostrada nesse procedimento;
Passo 3. Se você já tiver o OpenJDK instalado, vá para o procedimento “Desinstalando o OpenJDK Java no Ubuntu e derivados” (que fica nesse link) ou use o gerenciador de pacotes de sua distribuição para fazer isso. Só depois disso, faça a instalação mostrada nesse procedimento;
Passo 4. Se você já tiver o Oracle Java instalado, vá para o procedimento “Removendo o Oracle Java” (que fica nesse link) ou use o gerenciador de pacotes de sua distribuição para fazer isso. Só depois disso, faça a instalação mostrada nesse procedimento;
Passo 5. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 6. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o Java. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome jre-linux.tar.gz;

wget http://javadl.oracle.com/webapps/download/AutoDL?BundleId=230530_2f38c3b165be4555a1fa6e98c45e0808 -O jre-linux.tar.gz

Passo 7. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o Java. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome jre-linux.tar.gz;

wget http://javadl.oracle.com/webapps/download/AutoDL?BundleId=230532_2f38c3b165be4555a1fa6e98c45e0808 -O jre-linux.tar.gz

Passo 8. Depois de baixar, crie a pasta “jvm” em “/usr/lib” com o comando:

sudo mkdir /usr/lib/jvm

Passo 9. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta criada;

sudo tar zxvf jre-linux.tar.gz -C /usr/lib/jvm

Passo 10. Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

sudo mv /usr/lib/jvm/jre*/ /usr/lib/jvm/jre

Passo 11. Crie um link simbólico para a pasta criada;

sudo ln -s /usr/lib/jvm/jre /usr/lib/jvm/java-oracle

Como configurar o ambiente Java no Linux manualmente

Para configurar o ambiente Java no Linux manualmente, faça o seguinte:
Passo 1. Crie uma cópia do arquivo /etc/profile;

sudo cp -a /etc/profile /etc/profile.original

Passo 2. Agora abra o arquivo com seu editor de texto favorito;

sudo gedit /etc/profile

Passo 3. Digite ou cole (recomendável) o texto abaixo dentro do arquivo, mais exatamente pouco depois das primeiras linhas (os comentários com símbolo # no inicio da linha). A seguir, salve e feche o arquivo;

JAVA_HOME=/usr/lib/jvm/java-oracle/
PATH=$JAVA_HOME/bin:$PATH export PATH JAVA_HOME
CLASSPATH=$JAVA_HOME/lib/tools.jar
CLASSPATH=.:$CLASSPATH
export  JAVA_HOME  PATH  CLASSPATH

Java no Linux manualmente: veja como Instalar
Passo 4. Reinicie o sistema para efetivar a mudança;

sudo reboot

Como instalar o plugin Java no navegador Firefox manualmente

Para instalar o plugin Java no navegador Firefox manualmente, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Para descobrir em que pasta estão os plugins do Firefox, execute o navegador e digite o comando abaixo na caixa de endereço;

about:plugins

Java no Linux manualmente: veja como Instalar
Passo 2. Com a informação, crie um link simbólico do plugin Java para a pasta de plugins do Firefox, digitando o comando abaixo em um terminal (lembre-se de ajustar o endereço “/usr/lib/mozilla/plugins/” para o encontrado no passo anterior);

sudo ln -s /usr/lib/jvm/java-oracle/lib/amd64/libnpjp2.so /usr/lib/mozilla/plugins/libnpjp2.so

Como instalar o plugin Java no navegador Chrome manualmente (até versão 34)

Para instalar o plugin Java no navegador Chrome manualmente, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Para descobrir em que pasta estão os plugins do Chrome, execute o navegador e digite o comando abaixo na caixa de endereço. Na tela que aparece, se não for possível ver o endereço dos plugins, clique no link “Detalhes”;

chrome://plugins/

Passo 2. Com a informação, crie um link simbólico do plugin Java para a pasta de plugins do Chrome, digitando o comando abaixo em um terminal (ajuste o endereço “/opt/google/chrome/” para o encontrado no passo anterior);

sudo ln -s /usr/lib/jvm/java-oracle/lib/amd64/libnpjp2.so /opt/google/chrome/libnpjp2.so

Verificando a versão do Java e se o plugin está funcionando

Para saber se o plugin está funcionando, acesse a página de verificação do Oracle Java e clique no botão “Verificar versão do Java”;

Java no Linux manualmente: veja como Instalar

Java no Linux manualmente: veja como Instalar

Como remover o Java no Linux manualmente

Para remover o Java no Linux manualmente, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Apague a pasta “jvm” em “/usr/lib” com o comando:

sudo rm -Rf /usr/lib/jvm

Passo 3. Caso já tenha instalado plugin no Firefox, descubra em que pasta estão os plugins do Firefox, executando o navegador e digitando o comando about:plugins na caixa de endereço e depois apague o atalho com o comando abaixo (lembre-se de ajustar o endereço “/usr/lib/mozilla/plugins/” para o que foi encontrado);

sudo rm -Rf /usr/lib/mozilla/plugins/libnpjp2.so

Passo 4. Caso já tenha instalado plugin no Chrome, descubra em que pasta estão os plugins do Chrome, executando o navegador e digitando o comando chrome://plugins/ na caixa de endereço e depois apague o atalho com o comando abaixo (lembre-se de ajustar o endereço “/opt/google/chrome/” para o que foi encontrado);

sudo rm -Rf /opt/google/chrome/libnpjp2.so

Pronto! Com os procedimentos acima e pequenos ajustes, em poucos minutos você terá o Java funcionando em seu sistema Linux e poderá começar a usar seus recursos.

Fonte 1
Fonte 2

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Notificações recentes : veja como instalar o Recent Notifications

Notificações recentes : veja como instalar o Recent Notifications

Perdeu alguma notificação? Agora não tem mais jeito. Mas para isso não acontecer de novo, veja aqui como instalar o Recent Notifications e ver as notificações recentes no Ubuntu.


A maioria dos ambientes de desktop como Unity e Gnome tem suporte a notificação e isso é muito útil. Mas, por padrão, a notificação será exibida na parte superior da área de trabalho apenas por alguns segundos e, em seguida, ele desaparece. Nessa situação, se você ouvir o som de notificação, mas não olhar logo, como saberá qual foi a notificação?

Notificações recentes : veja como instalar o Recent NotificationsNotificações recentes : veja como instalar o Recent Notifications

Você pode facilmente manter o controle de todas as notificações recentes no Ubuntu Unity ou GNOME e ter um histórico de todas as notificações recentes, usando o indicador Recent Notifications.

Esse applet fica no painel superior e mantém o histórico de todas as notificações recentes. Quando houver novas notificações capturados por ele, o indicador ficará verde para alertá-lo de que existem notificações não lidas.

Quando você clicar nele, verá todas as notificações recentes e poderá optar por limpar todas as notificações ou remover apenas algumas delas.

Infelizmente, não existem opções de configuração no applet. Portanto, você não pode bloquear notificações de aplicações específicas. Todo os tipos de notificações serão guardados aqui.

Conheça melhor o Recent Notifications

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Recent Notifications no Ubuntu e ter um histórico de todas as notificações recentes

Para instalar o Recent Notifications no Ubuntu e ter um histórico de todas as notificações recentes, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:jconti/recent-notifications

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install indicator-notifications

Como instalar o Recent Notifications manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite indicator no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Recent Notifications no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Recent Notifications no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:jconti/recent-notifications --remove
sudo apt-get remove indicator-notifications
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o leitor de música Noise no Ubuntu

Como instalar o leitor de música Noise no Ubuntu

Se você procura um player de música leve, minimalista e com bons recursos, veja como instalar o leitor de música Noise no Ubuntu.


Noise, o leitor de música oficial do Elementary OS, é um leitor de áudio GTK3 rápido e bonito, com foco em música e bibliotecas. Além disso, ele se parece que muitos outros players do gênero, como o Rhytmbox e o Banshee, e lida com dispositivos externos, CDs e arte do álbum.

Como instalar o leitor de música Noise no UbuntuComo instalar o leitor de música Noise no Ubuntu

A boa noticia é que como a equipe do Elementary OS criou alguns APPs no launchpad.net, é possível instalar e testar algumas aplicações do sistema no desktop do Ubuntu, incluindo o Noise. Por isso, você verá nesse tutorial como instalar o leitor de música Noise no Ubuntu 15.04, 15.10, 16.04 e 16.10.

Conheça melhor o leitor de música Noise

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o leitor de música Noise no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o leitor de música Noise no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:elementary-os/daily

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install noise

Passo 5. Finalmente, remova o PPA para não correr o risco de instalar algum aplicativo instável:

sudo add-apt-repository -r ppa:elementary-os/daily

Passo 6. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 7. Devido a um bug relacionado com a sobreposição de barras de rolagem do Unity, existe um problema que pode ser corrigido executando o comando abaixo para editar o arquivo lançador do Noise:

sudo gedit /usr/share/applications/noise.desktop

Passo 6. Com o arquivo aberto, altere o item Exec para o valor abaixo, de modo que fique como na imagem a seguir:

env LIBOVERLAY_SCROLLBAR=0 noise %U

Como instalar o leitor de música Noise no Ubuntu

Como instalar o Noise manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite noise no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o leitor de música Noise no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o leitor de música Noise no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;

sudo apt-get remove noise
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


17 de janeiro de 2018

Instalando o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu

Instalando o pacote de ícones Buttonized no UbuntuInstalando o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu

Se você gosta de um visual no estilo botão, experimente instalar o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu e deixe seu sistema com esse padrão.


O pacote de ícones Buttonized foi projetado por Shaun. Ele oferece ícones completos para o sistema operacional Linux.

Instalando o pacote de ícones Buttonized no UbuntuInstalando o pacote de ícones Buttonized no UbuntuInstalando o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu

Este tema de ícone tem mais de 5000 ícones e suporta o Unity, GNOME, KDE e diversos outros ambientes de trabalho.

Conheça melhor o pacote de ícones Buttonized

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu e derivados

Para instalar o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o programa usando o seguinte comando:

sudo apt-get install buttonized-icons

Como instalar o pacote de ícones Buttonized manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Desinstalando o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o pacote de ícones Buttonized no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o pacote de ícones Buttonized, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove buttonized-icons

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


DontWaitUp: Faça o sistema executar uma tarefa quando uma janela mudar ou fechar

DontWaitUp: Faça o sistema executar uma tarefa quando uma janela mudar ou fechar

Já imaginou poder executar uma tarefa quando o título de uma janela mudar, quando ela for fechada ou redimensionada? Isso já é possível graças ao DontWaitUp. Conheça um pouco mais sobre ele e instale-o em seu sistema.


DontWaitUp é um novo aplicativo que permite que você atribua uma ação quando a janela de um aplicativo for fechada, seu título mudar ou quando ela for redimensionada.

DontWaitUp: Faça o sistema executar uma tarefa quando uma janela mudar ou fecharDontWaitUp: Faça o sistema executar uma tarefa quando uma janela mudar ou fechar

Você pode usá-lo, por exemplo, para encerrar ou suspender o computador quando um vídeo terminar de ser reproduzido, quando algum gerenciador de download (que não tem esse recurso embutido) terminar o download de um arquivo grande e assim por diante.

Eis como funciona: quando você iniciar DontWaitUp, uma lista de janelas abertas é exibida na guia Eventos e você pode atribuir uma ação para cada uma destas janelas.

DontWaitUp: Faça o sistema executar uma tarefa quando uma janela mudar ou fechar

Assim, quando ocorrer mudanças no título da janela, quando a janela é redimensionada (por exemplo, quando um jogador sai de vídeo em tela cheia depois de terminar a reprodução de um vídeo), ou quando a janela é fechada, DontWaitUp desencadeia a sua ação que foi atribuída.

Por padrão, DontWaitUp vem com as seguintes ações: desligar, reiniciar, suspender, hibernar ou reproduzir um som, mas você pode adicionar suas próprias ações personalizadas (comandos).

Para cada ação, você pode selecionar para exibir uma janela de confirmação opcional ou para executar diretamente a ação.

DontWaitUp: Faça o sistema executar uma tarefa quando uma janela mudar ou fechar

Para completar, o programa vem com um Ubuntu AppIndicator opcional que pode ser desativado a partir de suas preferências.

Nessas preferências, você também pode configurar por quanto tempo a caixa de diálogo/confirmação abortar é exibido (se habilitado) e se as janelas do sistema devem ser exibidas ou não.

sistema executar uma tarefa

O aplicativo é bem básico e não permite que você insira manualmente o título da janela em que uma ação deve ser acionada (para que você não possa executar ações para aplicações com títulos dinâmicos, quando um título específico vem à tona – como um exemplo, o aplicativo não será capaz de executar uma ação quando um leitor de música pára de tocar, se o seu título da janela muda para cada nova canção, ou se o título da janela exibe o tempo restante).

Contudo, mesmo sendo ainda muito simples e não oferecendo muitas ações por padrão, o DontWaitUp ainda pode vir a ser muito útil em várias situações, e é praticamente certo que alguns de vocês vão precisar dele em algum momento.

Conheça melhor o DontWaitUp

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o DontWaitUp para sistema executar uma tarefa no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o DontWaitUp no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:alessandro-blarco/ppa

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install dontwaitup consolekit

Como instalar o DontWaitUp manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente, clicando duas vezes nele ou executando os comandos abaixo:

wget http://ppa.launchpad.net/alessandro-blarco/ppa/ubuntu/pool/main/d/dontwaitup/dontwaitup_14.08.8_all.deb -O dontwaitup.deb
sudo apt-get install consolekit
sudo dpkg -i dontwaitup.deb
sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite dontwaitup no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o DontWaitUp no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o DontWaitUp no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixos;

sudo add-apt-repository ppa:alessandro-blarco/ppa --remove
sudo apt-get remove dontwaitup consolekit
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux

Como instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux

Se você usa o virtualizador desktop da Oracle e quer estar sempre com as últimas funcionalidades a sua disposição, veja nesse tutorial como instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux.


VirtualBox é o software de virtualização x86 e AMD64/Intel64 da Oracle. Ele pode ser usado por usuários empresariais e domésticos, e roda como hospedeiro em Windows, Linux, Macintosh e Solaris, suportando um grande número de sistemas operacionais convidados, incluindo mas não limitado ao Windows (NT 4.0, 2000, XP, Server 2003, Vista, Windows 7, Windows 8), DOS/Windows 3.x, Linux (séries 2.4, 2.6 e 3.x), Solaris e OpenSolaris, OS/2 e OpenBSD.

Como instalar a versão mais recente do VirtualBox no LinuxComo instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux

Além disso, o programa também é a única solução profissional de alto desempenho que está disponível gratuitamente como software de código aberto sob os termos da GNU General Public License (GPL) versão 2.
O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Nesse tutorial, você verá como instalar a versão mais recente do Virtualbox no Linux, pois embora não seja garantido, o procedimento abaixo deverá funcionar na maioria das distribuições Linux.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Novidades da mais recente versão do VirtualBox

Dentre as mudanças do Virtualbox 5.2.6 destacam-se os seguintes itens:

  • Corrigida a corrupção ocasional da tela quando a resolução da tela do host era alterada;
  • Aumentado o tamanho do disco proposto ao criar novas VMs para Windows 7 e versões mais recentes;
  • Várias melhorias para telas de alta resolução;
  • Corrigidos problemas ao usar 256MB VRAM em VMs em modo raw;
  • Suporte implementado para reprodução de áudio e gravação para convidados do MacOS;
  • Outras melhorias de tempo para sistema Windows 10 convidados;
  • Corrigido o problema ao acessar a mini-barra de ferramentas sob XFCE.

Para saber mais detalhes sobre a versão mais recente do VirtualBox, clique nesse link.

Conheça melhor o VirtualBox

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux

Para instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se você estiver usando um sistema de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (opção “All distributions”) e baixe a última versão e salve-o com o nome virtualbox.run:

wget https://download.virtualbox.org/virtualbox/5.2.6/VirtualBox-5.2.6-120293-Linux_x86.run -O virtualbox.run

Passo 4. Se você estiver usando um sistema de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (opção “All distributions”) e baixe a última versão e salve-o com o nome virtualbox.run:

wget https://download.virtualbox.org/virtualbox/5.2.6/VirtualBox-5.2.6-120293-Linux_amd64.run -O virtualbox.run

Passo 5. Torne o arquivo executável com o comando abaixo;

chmod +x virtualbox.run

Passo 6. Inicie a instalação do programa, com o seguinte comando;

sudo ./virtualbox.run

Passo 7. Siga os passos do instalador e se necessário, responda as questões feitas por ele, que em pouco tempo o programa estará instalado e pronto para ser usado.
Passo 8. Se depois você precisar desinstalar programa, use o seguinte comando:

sudo sh /opt/VirtualBox/uninstall.sh

Instalando a versão mais recente do VirtualBox no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Para instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux Ubuntu, Debian e derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do aplicativo, usando o seguinte comando (para Linux Mint, substitua o “$(lsb_release -cs)” no código pelo codinome do lançamento do Ubuntu que ele se baseia, como trusty, precise, raring e etc):

sudo sh -c 'echo "deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian $(lsb_release -cs) contrib" >> /etc/apt/sources.list.d/virtualbox.list'

Passo 3. Agora instale a chave do repositório usando o seguinte comando:

wget -q https://www.virtualbox.org/download/oracle_vbox_2016.asc -O- | sudo apt-key add -
wget -q https://www.virtualbox.org/download/oracle_vbox.asc -O- | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. A versão 5.1 conflita com versões anteriores, por isso, se estiver usando uma delas, desinstale-as com esse comando;

sudo apt remove virtualbox virtualbox-5.0 virtualbox-4.*

Passo 6. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install virtualbox

Passo 7. Se depois você precisar desinstalar, use o comando abaixo:

sudo apt-get remove virtualbox

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite virtualbox em um terminal, seguido da tecla TAB.

Já se a sua distribuição suportar, use um atalho para iniciar o programa. Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivo para executar o programa, apenas clicando em seu ícone, dentro da pasta dele.

Deixando sua VM VirtualBox mais completa

Depois de fazer o procedimento de instalação do VirtualBox, se você quiser ver como instalar os Adicionais para Convidado no VirtualBox, assista esse vídeo:

.smarty-2605981_1516215563207 { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; height: auto; } .smarty-2605981_1516215563207 iframe, .smarty-2605981_1516215563207 object, .smarty-2605981_1516215563207 embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

Ou veja mais detalhes sobre como usar o programa:

.smarty-2605984_1516215774342 { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; height: auto; } .smarty-2605984_1516215774342 iframe, .smarty-2605984_1516215774342 object, .smarty-2605984_1516215774342 embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

Está com dificuldades para usar o Google Drive no Linux? Então aqui está mais uma alternativa para gerenciar facilmente seus arquivos no serviço usando Linux:  google-drive-ocamlfuse.


Já tem muito tempo que o Google anunciou seu serviço de armazenamento e sincronização de arquivos chamado Drive, e até agora ainda não há um cliente oficial do Linux.

Existem alguns clientes não oficiais, mas eles não são perfeitos: Insync não é livre, overGrive é pago e o Grive só funciona em linha de comando e seu desenvolvimento parece ter parado.

Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

Uma boa opção é o google-drive-ocamlfuse, um backend do sistema de arquivos FUSE para o Google Drive, que você pode usar para montar o seu Google Drive no Linux.

Entre as características do google-drive-ocamlfuse estão o suporte completo de leitura/gravação para arquivos e pastas regulares, suporte para múltiplas contas, manipulação de arquivos duplicados, bem como acesso ao diretório de lixo do Google Drive.

O programa também fornece acesso somente leitura para o Google Docs, planilhas e Slides, que podem ser convertidos para ODT, ODS ou PDF. 

Ele ainda está em testes e por isso, enquanto ele pode funcionar muito bem, você pode encontrar bugs. Também vale a pena mencionar que as mudanças não aparecem imediatamente – quando você editar ou enviar um novo arquivo, pode demorar 60 segundos (isso é configurável) até que as alterações aparecem no sistema de arquivos montado.

Já se os arquivos adicionados recentemente não aparecem no gerenciador de arquivos, digite a pasta novamente ou atualize ela (Ctrl + F).

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o google-drive-ocamlfuse

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o google-drive-ocamlfuse no Ubuntu e Arch

Para instalar o google-drive-ocamlfuse no Ubuntu e Arch, siga os procedimento abaixo.

Instalando o google-drive-ocamlfuse no Ubuntu e derivados

Para instalar o google-drive-ocamlfuse no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:alessandro-strada/ppa

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Para instalar o aplicativo, use este comando:

sudo apt-get install google-drive-ocamlfuse

Como instalar o google-drive-ocamlfuse manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Como instalar o google-drive-ocamlfuse no Arch Linux

Os usuários do Arch Linux podem instalar o google-drive-ocamlfuse usando o AUR.

Usando o google-drive-ocamlfuse

Para autorizar o google-unidade-ocamlfuse com o Google,faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Execute o seguinte comando no terminal:

google-drive-ocamlfuse

Passo 2. Isso deve abrir uma aba no navegador da web padrão. Se não estiver logado em sua conta Google, entre com seu e-mail e senha para fazer login e então você verá uma tela  pedindo autorização para que o google-unidade-ocamlfuse acesse o seu Google Drive. Para autorizar, clique em “Permitir”;

Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

Passo 3. Se aparece a tela falando de gdfuse OAuth2 Endpoint, clique no botão “Allow” para autorizar;

Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

Passo 4. Agora vamos montar o Google Drive. Crie uma pasta no seu diretório home, chamada “gdrive”. Para isso, use esse comando:

mkdir ~/gdrive

Passo 5. E agora monte o Google Drive, usando o comando abaixo:

google-drive-ocamlfuse ~/gdrive

Passo 6. Imediatamente será aberta uma janela do navegador padrão, pedindo a autorização para ter acesso off-line ao Google Drive. Clique no botão “Permitir”;

Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

Pronto! Agora já está tudo funcionando. Se você quiser configurar o intervalo entre as consultas para detectar alterações no lado do servidor, o formato de exportação utilizado para documentos do Google e assim por diante, consulte o arquivo de configuração usando o comando abaixo:

gedit ~/.gdfuse/default/config

Monte Google Drive no Linux com o google-drive-ocamlfuse

Desinstalando o google-unidade-ocamlfuse no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o google-unidade-ocamlfuse no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:alessandro-strada/ppa --remove
sudo apt-get remove google-drive-ocamlfuse
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Alternativa ao TrueCrypt – Como instalar o VeraCrypt no Linux

Alternativa ao TrueCrypt - Como instalar o VeraCrypt no Linux

Se você está a procura de uma alternativa ao TrueCrypt, conheça um pouco mais e veja como instalar o VeraCrypt no Linux.


Como você deve saber, o desenvolvimento de TrueCrypt foi descontinuado. Mas vários desenvolvedores adotaram o projeto e decidiram continuar o trabalho no código-fonte do aplicativo. Isso, claro, gerou alguns forks, ou seja, projetos derivados do TrueCrypt.

Alternativa ao TrueCrypt - Como instalar o VeraCrypt no LinuxAlternativa ao TrueCrypt – Como instalar o VeraCrypt no Linux

Dentre esses forks do TrueCrypt, o VeraCrypt destaca-se como um do mais interessantes. VeraCrypt tem toda a funcionalidade do TrueCrypt, mas também foram adicionadas melhorias de segurança, permitindo que os usuários criptografem contêineres em discos rígidos, e até mesmo partições e discos rígidos.

De acordo com seus desenvolvedores, VeraCrypt entrega várias melhorias de segurança sobre o TrueCrypt. TrueCrypt usa 1.000 iterações do algoritmo PBKDF2-RIPEMD160 para partições do sistema, já o VeraCrypt usa 327.661 iterações. E para contêineres normais e outras partições, VeraCrypt usa 655.331 iterações de RIPEMD160 e 500.000 iterações de SHA-2 e Whirlpool.

Enquanto essa diferença torna VeraCrypt ligeiramente mais lento ao abrir partições criptografadas, faz o software de um mínimo de 10 e um máximo de cerca de 300 vezes mais difícil de força bruta. Ou sejam, algo que poderia levar um mês para quebrar com TrueCrypt pode demorar um ano com VeraCrypt.

Conheça melhor o VeraCrypt

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Alternativa ao TrueCrypt – Como instalar o VeraCrypt no Linux

Para instalar o VeraCrypt no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o instalador do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome veracrypt.tar.bz2:

wget https://ufpr.dl.sourceforge.net/project/veracrypt/VeraCrypt%201.21/veracrypt-1.21-setup.tar.bz2 -O veracrypt.tar.bz2

Passo 3. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

tar -xjvf veracrypt.tar.bz2

Passo 4. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 5. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para iniciar a instalação;

./veracrypt-1.21-setup-console-x86

Passo 6. Se seu sistema é de 32 bits e quiser um instalador gráfico, use o comando abaixo para iniciar a instalação;

./veracrypt-1.21-setup-gui-x86

Passo 7. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para iniciar a instalação;

./veracrypt-1.21-setup-console-x64

Passo 8. Se seu sistema é de 64 bits e quiser um instalador gráfico, use o comando abaixo para iniciar a instalação;

./veracrypt-1.21-setup-gui-x64

Passo 9. Siga as instruções do instalador, e em pouco tempo o programa estará pronto para ser usado;

Alternativa ao TrueCrypt - Como instalar o VeraCrypt no Linux

Alternativa ao TrueCrypt - Como instalar o VeraCrypt no Linux

Alternativa ao TrueCrypt - Como instalar o VeraCrypt no Linux

Alternativa ao TrueCrypt - Como instalar o VeraCrypt no Linux

Passo 8. Quando terminar, use esse comando para apagar os arquivos usados na instalação.

rm veracrypt*

Como instalar o VeraCrypt no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o VeraCrypt no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:unit193/encryption

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install veracrypt

Passo 5. Caso seja necessário, desinstale o programa usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove veracrypt

Como usar o VeraCrypt no Linux

A seguir, conheça os principais comandos para usar o programa:
Criar um novo volume:

veracrypt -t -c

Montar um volume:

veracrypt volume.hc /media/veracrypt1

Montar um volume como somente leitura, usando keyfiles:

veracrypt -m ro -k keyfile1,keyfile2 volume.tc

Montar um volume sem montar seu sistema de arquivos:

veracrypt --filesystem=none volume.tc

Montar um volume com prompt apenas para a sua senha:

veracrypt -t -k "" --protect-hidden=no volume.hc /media/veracrypt1

Desmontar um volume:

veracrypt -d volume.tc

Desmonte todos os volumes montados:

veracrypt -d

Para mais detalhes, consulte a ajuda do aplicativo

veracrypt -h

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o cliente Viber no Linux

Como instalar o cliente Viber no Linux

Procurando por uma alternativa ao famoso WhatsApp? Experimente instalar o cliente Viber no Linux, seja em distribuições que suportem arquivos em formato DEB ou RPM.


Viber é um aplicativo de comunicação que possui mais de 100 milhões de usuários mensais ativos, e mais de 280 milhões de usuários registrados. O programa está disponível para Android, iOS, Windows Phone, BlackBerry, Windows, Mac e Linux.

Como instalar o cliente Viber no LinuxComo instalar o cliente Viber no Linux

O programa pode ser usado para enviar mensagens gratuitas e fazer ligações gratuitas (VoIP) a outros usuários Viber, em qualquer dispositivo e rede, em qualquer país.

Com o programa você enviar fotos e mensagens de vídeo sem ter que adicionar contatos manualmente (todos os contatos telefônicos que instalaram Viber serão listados como contatos Viber) e sincronizar seus contatos e mensagens com seu dispositivo móvel.

Conheça melhor o Viber

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o cliente Viber no Linux

A seguir, você verá como instalar o o cliente Viber em distribuições Linux que usam arquivos .DEB e .RPM. Confira!

Instalando o cliente Viber no Linux em distros que usam arquivos .DEB

Para instalar o cliente Viber no Linux em distros que usam arquivos .DEB, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é realmente de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Depois de confirmar que seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação do Viber:

wget http://download.cdn.viber.com/cdn/desktop/Linux/viber.deb

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i viber.deb

Passo 5. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Instalando o cliente Viber no Linux em distros que usam arquivos .RPM

Para instalar o cliente Viber no Linux em distros que usam arquivos .RPM, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é realmente de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Depois de confirmar que seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação do Viber:

wget http://download.cdn.viber.com/desktop/Linux/viber.rpm

Passo 4. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall viber.rpm

ou

sudo dnf install viber.rpm

Passo 6. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install viber.rpm

Passo 7. Para instalar em um OpenMandriva, Mageia e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo urpmi viber.rpm

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite viber em um terminal, seguido da tecla TAB.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Baixar vídeos da internet – instale e experimente StreamStudio

Baixar vídeos da internet - instale e experimente StreamStudio

Já viu nossa lista de programas para baixar vídeos da internet? Pois acrescente mais um: StreamStudio. A seguir, veja como instalar ele no Ubuntu e sistemas derivados.


StreamStudio é um aplicativo de streaming de vídeo multiplataforma baseado no webkit e desenvolvido usando tecnologias web como o HTML5, JavaScipt e CSS.

Baixar vídeos da internet - instale e experimente StreamStudioBaixar vídeos da internet – instale e experimente StreamStudio

O programa permite assistir vídeos do YouTube, Dailymotion e plugins podem ser instalados para suportar stream de outros serviços. Com ele, você pode acessar e baixar vídeos da internet de boa parte dos mais famosos sites de vídeo como YouTube e DailyMotion, a partir do seu desktop.

Baixar vídeos da internet - instale e experimente StreamStudio

O player do StreamStudio oferece todas as funcionalidades como a reprodução em HD, suporte de tela cheia, suporte para vídeos mais populares ou com melhor avaliação, pesquisa de categoria e procurar algo, bem como a reprodução de vídeos de jogo salvos da sua unidade de disco rígido local, com suporte de banco de dados de navegação.

Com o StreamStudio, você será capaz de pesquisar (com filtros como HD ou 3D) e ver os vídeos ou listas de reprodução de vídeo, extrair o áudio do vídeo, salvar vídeos para o disco rígido local (disponível em qualidades diferentes), ou procurar vídeos sugeridos.

Conheça melhor o StreamStudio

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Baixar vídeos da internet – veja como instalar o StreamStudio no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o StreamStudio no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository "deb http://ppa.streamstudio.cc/ $(lsb_release -cs) main"

Passo 3. Baixe a chave do repositório;

sudo apt-key adv --keyserver keyserver.ubuntu.com --recv-keys DD91DF2D9C84CD39

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install streamstudio

Como instalar o StreamStudio manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite streamstudio no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o StreamStudio no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o StreamStudio no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove streamstudio

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Purism publica primeira atualização sobre o progresso do Librem 5

Purism publica primeira atualização sobre o progresso do Librem 5

A Purism apresentou a primeira atualização sobre o progresso do Librem 5, um smartphone Linux criptografado que foi anunciado no ano passado. Confira os detalhes.


Anda em fase inicial, as decisões sobre o tipo de hardware que irá equipar o dispositivo, já estão sendo tomadas. Por conta disso, algumas especificações foram ou podem estar sendo modificadas.

Purism publica primeira atualização sobre o progresso do Librem 5Purism publica primeira atualização sobre o progresso do Librem 5

Detalhes sobre o progresso do Librem 5

As informações sobre o progresso do Librem 5 dadas pela empresa Purism apotam para mudanças no hardware.

Antes desse relatório, as especificações do Librem 5 eram essas:

  • Tela sensível ao toque de 5 polegadas;
  • CPU i.MX6 ou i.MX8;
  • GPU Vivante (driver acelerado de software livre do Etnaviv);
  • Porta multifunções;
  • Baseband mobile separada;
  • RAM LPDDR3 de 3 GB;
  • Armazenamento eMMC de 32 GB;
  • Slot MicroSD;
  • Câmeras dianteiras e traseiras;
  • Courage jack (aka 3.5mm headphone).

Agora, a Purism parece confiante de que o aparelho Librem 5 usará o SoC (System On Chip, ou sistema em um chip) i.MX8, que é mais novo, rápido e bem mais eficiente em termos de energia. O chipset escolhido inicialmente, o i.MX6, que é mais antigo e menos poderoso, parece ter sido descartado.

As especificações do sistema listava o i.MX6 como um combo de CPU e GPU, já que a Purism sabe que este chip funciona bem com software livre (através do driver Etnaviv). Entretanto, a empresa expressou sua esperança de que algo mais novo poderia vir a ser usado.

Agora, com base nas discussões que a Purism teve com a fabricante de chips NXP, e abordado no primeiro relatório de progresso do Librem 5, sua confiança parece bem fundamentada. Eles dizem que o SoC i.MX8 é “o candidato mais provável para usarmos no Librem 5”.

Por outro lado, a empresa também começou a avaliar as telas. A esperança é usar um touchscreen de 5 ou 5,5 polegadas com uma resolução full HD (1920 × 1080). Para ajudar a desenvolver o desenvolvimento do lado do software das coisas em andamento, a Purism está conectando displays de alta definição de 5,5 polegadas aos seus painéis de desenvolvimento.

Com novos membros da equipe a bordo e novas parcerias e cooperação entre projetos de código aberto a serem construídos, parece que a Purism está em uma boa posição para cumprir seu objetivo de enviar o telefone Librem 5 para os apoiadores a partir do início de 2019.

Agora, é esperar para ver!

Conheça melhor o Librem 5

Se a ideia de um telefone criptografado que coloque tanta ênfase na preservação da sua privacidade como faz em recursos de hardware e especificações técnicas, lhe deixou interessado, veja mais detalhes no link abaixo.

Página de financiamento coletivo do Librem 5.

Para obter mais detalhes sobre outros aspectos do aparelho, leia esse artigo:
Purism quer produzir o Librem 5, um smartphone Linux criptografado

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Vídeos H.265 (HEVC) – instale o IFME e converta para esse formato de um jeito fácil

Vídeos H.265 (HEVC) - instale o IFME e converta para esse formato de um jeito fácil

Quer ver vídeos High Efficiency Video Coding (HEVC)? Então instale o IFME e converta para Vídeos H.265 (e vice-versa), de um jeito fácil no Ubuntu e sistemas derivados.


IFME ou Internet Friendly Media Encoder Installation, é um poderoso codificador de vídeo que permite aos usuários converter seus clips favoritos para vídeos H.265, utilizando X265. Mas o programa não se limita a apenas converter para H.265, ele também faz o caminho inverso.

Vídeos H.265 (HEVC) - instale o IFME e converta para esse formato de um jeito fácilVídeos H.265 (HEVC) – instale o IFME e converta para esse formato de um jeito fácil

Com esta ferramenta você será capaz de comprimir arquivos de vídeo para até 50%, o que irá reduzir o tamanho de seus arquivos pela metade, sem que estes percam a qualidade original.

O H.265, também chamado de HEVC (High Efficiency Video Coding) é o sucessor do formato de compressão é H.264, ou Advanced Video Coding (AVC), utilizado em TVs HD e até em smartphones e tablets.

Esse formato, tem uma grande vantagem sobre seu antecessor: ele fornece a mesma qualidade de imagem de um vídeo H.264, porém, com a utilização de 35% menos bytes, proporcionando uma grande economia de espaço no PC e nos servidores de operadoras de telecom, inclusive das que ofertam IPTV.

Mais sobre H.265

Conheça melhor o conversor de arquivos IFME

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o IFME no Ubuntu 15.10 ou superior

Para instalar o IFME no Ubuntu 15.10 ou superior (e derivados), faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa;

wget https://launchpad.net/~upubuntu-com/+archive/ubuntu/multimedia/+files/ifme_4.8.0.0-un_amd64.deb -O ifme.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i ifme.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Instale o IFME e converta para Vídeos H.265 formato de um jeito fácil

IFME não está disponível no repositório oficial do Ubuntu, por isso, para instalar o conversor de arquivos ele no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository -y ppa:upubuntu-com/multimedia

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install ifme

Como instalar o conversor de arquivos IFME manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite ifme no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o conversor de arquivos IFME no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o conversor de arquivos IFME no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove ifme

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instalando a versão mais recente do digiKam no Linux

Instalando a versão mais recente do digiKam no Ubuntu

Quem precisa de uma ótima ferramenta para administrar e editar suas fotos pode usar o digiKam. E para ter sempre a versão mais recente do digiKam no Linux, basta seguir este tutorial.


digiKam é um software de código aberto para gerenciamento avançado de fotos digitais para Linux, Windows e Mac OS X.

Instalando a versão mais recente do digiKam no Ubuntu

Ele possui diversas funcionalidades que permitem importar, exportar, visualizar, gerenciar, editar, melhorar, organizar, rotular, e compartilhar fotos em sistemas Linux.

Neste tutorial será mostrado como instalar o DigiKam no Kubuntu, Linux Mint KDE e outros sistemas derivados do Ubuntu que usam o KDE como ambiente desktop padrão.

O programa também pode ser instalado em sistema baseados no Ubuntu que não usam o KDE, através do repositório philip5/extra, mas isso irá instalar um monte de bibliotecas do KDE.

Novidades da versão mais recente do DigiKam

DigiKam 5.8.0 apresenta uma nova ferramenta que permite aos usuários exportar suas coleções de imagens para dispositivos compatíveis com UPnP / DLNA. Pode ser acessado em todas as visualizações do digiKam através do menu Ferramentas.

Instalando a versão mais recente do digiKam no Linux

Além de uma nova ferramenta de exportação UPnP/DLNA, o digiKam 5.8.0 adiciona várias melhorias ao suporte ao banco de dados MySQL e MariaDB, as portas das ferramentas de exportação Dropbox para a API de autorização OAuth2 e aborda mais de 200 erros que foram relatados pelos usuários desde a O lançamento do digiKam 5.7.0 anunciado no ano passado em setembro, melhorando assim o desempenho geral do aplicativo.

O digiKam 5.8.0 também melhora o pacote AppImage para sistemas operacionais baseados em Linux ao atualizá-lo para o mais recente SDK (Software Development Kit) para permitir aos usuários executá-lo em ambientes sandboxing Firejail (para uma melhor segurança) e atualiza o instalador do Windows para o último NSIS, adicionando compatibilidade com sistemas operacionais Windows 10.

A compilação do pacote do MacOS também foi melhorada nesta versão com o sistema de compilação de Pacotes mais recente, adicionando uma camada extra de recursos opcionais tanto para digiKam quanto para Showfoto.

Por fim, existem algumas novas bibliotecas de baixo nível portadas para o Qt5 puro, incluindo o suporte a scanner digital e o suporte a arquivos de eventos com a exportação para a ferramenta Calendário.

Para saber mais detalhes sobre essa versão do programa, clique nesse link.

Conheça melhor o DigiKam

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a versão mais recente do digiKam no Linux

Para instalar a versão mais recente do digiKam no Linux, use um dos procedimentos abaixo.

Como instalar a versão mais recente do digiKam no Linux usando arquivo AppImage

Para instalar o a versão mais recente do digiKam no Linux usando um usando arquivo AppImage, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome digikam.appimage:

wget https://download.kde.org/stable/digikam/digikam-5.8.0-01-i386.appimage -O digikam.appimage

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome digikam.appimage:

wget https://download.kde.org/stable/digikam/digikam-5.8.0-01-x86-64.appimage -O digikam.appimage

Passo 5. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

chmod +x digikam.appimageb

Passo 6. Agora instale o programa com o comando;

./digikam.appimage

Passo 7. Na janela que será exibida, clique no botão “Yes” e aguarde o final da instalação;

Instalando a versão mais recente do digiKam no Ubuntu e derivados

Para instalar a versão mais recente do digiKam no Ubuntu e derivados, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Para instalar o DigiKam no Ubuntu com KDE ou com outros ambientes gráficos, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:philip5/extra

Passo 3. Para instalar o DigiKam no Ubuntu com KDE (Kubuntu), adicione o repositório do programa com este comando;

sudo add-apt-repository ppa:philip5/kubuntu-backports

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install digikam

Como instalar o DigiKam manualmente no Linux Ubuntu, Debian ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link ou nesse link, e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite digikam no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Como remover o DigiKam no Ubuntu e seus derivados

Para remover o DigiKam no Ubuntu, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 4. Para desinstalar o programa, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove digikam
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o leitor de ebook FBReader no Ubuntu, Debian e derivados

Como instalar o leitor de ebook FBReader no Ubuntu, Debian e derivados

Se você está a procura de uma opção para ler seus livros digitais, conheça e veja como instalar o leitor de ebook FBReader no Ubuntu, Debian e derivados.


O FBReader é um leitor de ebook multiplataforma de código aberto com uma interface minimalista e suporte para uma ampla gama de formatos de ebook, incluindo etf, mobi, ePub, texto simples e HTML, entre outros.

Como instalar o leitor de ebook FBReader no Ubuntu,  Debian e derivadosComo instalar o leitor de ebook FBReader no Ubuntu, Debian e derivados

Além disso, esse aplicativo é leve e personalizável com opções para que os usuários escolham suas fontes preferidas, dicionários, marcadores, animações de página, cores e etc.

Os usuários do FBReader têm acesso automático a uma rede de bibliotecas de livros a partir das quais podem baixar e sincronizar ebooks gratuitos e pagos em seus dispositivos.

Se você precisa de um aplicativo de ebook moderno, leve e sempre melhorando para o seu Linux, Windows, Mac ou smartphone, o FBReader é uma excelente opção.

Conheça melhor o leitor de ebook FBReader

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o leitor de ebook FBReader no Ubuntu, Debian e derivados

O leitor de ebook FBReader está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu, Debian e derivados e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install fbreader.

No entanto, essa não é a versão mais recente. Por isso, para ter a última versão desse programa no Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome libunibreak.deb e fbreader.deb:

wget https://fbreader.org/files/desktop/libunibreak1_1.0-1_i386.deb -O libunibreak.deb
wget https://fbreader.org/files/desktop/fbreader_0.99.4-1_i386.deb -O fbreader.deb

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome libunibreak.deb e fbreader.deb:

wget https://fbreader.org/files/desktop/libunibreak1_1.0-1_amd64.deb -O libunibreak.deb
wget https://fbreader.org/files/desktop/fbreader_0.99.4-1_amd64.deb -O fbreader.deb

Passo 5. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i libunibreak.deb
sudo dpkg -i fbreader.deb
sudo apt-get install -f

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite fbreader em um terminal (seguido da tecla TAB), ou clicando no ícone dele ou menu de aplicativos do sistema.

Desinstalando o leitor de ebook FBReader no Ubuntu, Debian e derivados

Para desinstalar o leitor de ebook FBReader no Ubuntu, Debian e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove fbreader --auto-remove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Lançado KDE Frameworks 5.42 para o KDE Plasma 5.12 LTS

Lançado KDE Frameworks 5.42 para o KDE Plasma 5.12 LTS

O Projeto KDE anunciou a atualização mensal para janeiro de 2018 do pacote de software de código aberto KDE Frameworks 5, que será a base para o futuro ambiente KDE Plasma 5.12 LTS. Confira as novidades.


KDE Frameworks é uma coleção de bibliotecas e frameworks de software do KDE que forma a base tecnológica para o KDE Plasma 5 e aplicativos do KDE, distribuídos sob a GNU Lesser General Public License (LGPL) e disponíveis para vários sistemas operacionais.

Lançado KDE Frameworks 5.42 para o KDE Plasma 5.12 LTSLançado KDE Frameworks 5.42 para o KDE Plasma 5.12 LTS

Essa estruturas individuais incluídas oferecem uma grande variedade de funcionalidades que fornecem soluções, incluindo integração de hardware, suporte de formato de arquivo, elementos de controle gráficos adicionais, funções de traçado, verificação ortográfica e muito mais.

KDE Neon – o jeito fácil de experimentar a última versão do KDE Plasma

Novidades do KDE Frameworks 5.42

O KDE Frameworks 5.42.0 está chegando a tempo para o ambiente de desktop KTS Plasma 5.12 LTS Beta, que já será lançado, e inclui inúmeras melhorias e correções de bugs para vários componentes, como Baloo, ícones Breeze, KActivities, KCoreAddons, KDeclarative, KDED, DBusAddons, KConfig, KDocTools, KHTML, KEmoticons, KFileMetaData, KI18n, KIO, KInit, Kirigami e KJobWidgets.

Essa versão também melhora coisas como KNewStuff, KNotification, KRunner, KWayland, KTextEditor, KWallet Framework, KWidgetsAddons, KXMLGUI, NetworkManagerQt, Plasma Framework, Prison, QQC2StyleBridge, Sonnet, destaque de sintaxe, KPackage Framework, além de suporte KDELibs 4 e módulos CMake adicionais.

“O KDE anuncia o lançamento do KDE Frameworks 5.42.0. O KDE Frameworks são 70 bibliotecas adicionais para o Qt, que oferecem uma ampla variedade de funcionalidades comuns em bibliotecas maduras, revisadas e bem testadas com termos de licenciamento amigáveis. Esta versão faz parte de uma série de lançamentos mensais planejados, disponibilizando melhorias aos desenvolvedores de forma rápida e previsível”.

Destaques do KDE Frameworks 5.42

Entre os destaques da versão do KDE Frameworks 5.42.0, podemos citar correções para o CMake 3.10 ou com avisos AUTOMOC, uso mais generalizado do registro categorizado, que pode ser usado para desativar a saída de depuração por padrão.

O tema do ícone da Breeze agora usa o ícone original do aplicativo Vivaldi, inclui um ícone do artista do álbum atualizado, bem como suporte ao ícone da brisa gnumeric e o suporte ao editor de layout do labplot.

A detecção de caminho absoluto para o CMake 3.5 agora funciona em sistemas operacionais baseados em Linux.

O KDeclarative inclui controles QML para a criação do KCM, o KDELibs 4 agora deve compilar no MinGW32, um vazamento de memória foi corrigido no KuitStaticData, o BatchRenameJob foi adicionado ao KIO, além de suprimir o suporte, e o KPackage Framework agora compila contra a estrutura de aplicativos do Qt 5.7.

KDE Frameworks 5.42.0 é essencial para o próximo ambiente de desktop LTS do KDE Plasma 5.12, e está chegando em breve aos repositórios estáveis ​​de software do seu sistema operacional Linux favorito.

Para saber mais detalhes sobre essa versão do KDE Frameworks, acesse a nota delançamento.

Conheça melhor o KDE Frameworks

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como fazer para montar uma partição do Windows 10 no Ubuntu sem erros

Como fazer para montar uma partição do Windows 10 no Ubuntu sem erros

Se você está tendo problemas ao tentar acessar alguma partição do Windows 10 no Ubuntu Linux, veja como fazer para montar e acessar essa partição sem erros.


Em computadores com dual boot do Ubuntu e Windows 10, ao tentar montar uma partição do Windows 10 no Ubuntu, você pode receber um erro com a mensagem “Windows is not fully shutdown” (O Windows não foi desligado totalmente).

Como fazer para montar uma partição do Windows 10 no Ubuntu sem errosComo fazer para montar uma partição do Windows 10 no Ubuntu sem erros

Isso normalmente acontece por causa do novo recurso de inicialização híbrido, e felizmente, pode ser resolvido com a adoção de desligamento completo no Windows e um pequeno ajuste nas configurações de montagem da unidade, no Linux.

Como fazer para montar uma partição do Windows 10 no Ubuntu sem erros

Atualmente, em algumas instalações do Windows 10 o sistema não é desligado totalmente, ele apenas hiberna (por isso que depois ele inicia tão rápido). Esse também é o principal motivo pela qual o Ubuntu não consegue acessar a unidade do sistema, já que ela não foi totalmente desmontada.

Por causa disso, você precisa adotar o hábito de fazer um desligamento completo no Windows. Para isso, quando você for sair do Windows e ir para o Ubuntu, selecione a opção “Reiniciar”, ou caso você queira apenas desligar, mantenha a tecla SHIFT enquanto clica na opção “Desligar”.

Ajustando o Ubuntu

Agora que o desligamento já está sendo feito corretamente no Windows, você deve conseguir acessar a partição do Windows 10 no Ubuntu. Mas, para ter permissão de gravação, você ainda precisa fazer o seguinte:
Passo 1. Clique no Dash e digite a palavra discos. Quando aparecer o item “Discos”, clique nele para executá-lo;

Como fazer para montar uma partição do Windows 10 no Ubuntu sem erros

Passo 2. Na tela do utilitário “Discos”, clique no ícone do disco e depois na partição do Windows 10 (que estará no formato NTFS). Em seguida, clique no botão da engrenagem;

Como fazer para montar uma partição do Windows 10 no Ubuntu sem erros

Passo 3. No menu que aparece, clique na opção “Editar opções de montagem…”;

Como fazer para montar uma partição do Windows 10 no Ubuntu sem erros

Passo 4. Em “Opções de montagem”, Desative o item “Opções automáticas de montagem” para poder modificar as informações atuais. No campo dos parâmetros de montagem da unidade, adicione uma vírgula e o comando “remove_hiberfile“. Para confirmar tudo, clique no botão “OK”.

Como fazer para montar uma partição do Windows 10 no Ubuntu sem erros

Pronto! Com essas mudanças, “possivelmente” você não verá mais aquela mensagem de erro, e poderá utilizar a partição do Windows 10 sem problemas, usando o Nautilus ou qualquer outro gerenciador de arquivo do Linux.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

Se você quer saber mais detalhes sobre seu PC, veja como instalar a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados.


As vezes as ferramentas do sistema não mostram informações suficientes sobre o hardware, então é preciso procurar outras opções, como o i-Nex.

Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivadosInstale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

I-Nex é uma ferramenta de informações de hardware que coleta dados sobre os principais componentes do sistema (dispositivos), como CPU, GPU, placa mãe, memória, memória de vídeo, som, dispositivos USB e assim por diante.

Através de uma interface limpa, baseada em abas, o aplicativo exibe informações sobre o hardware do sistema. Aliás, ele apresenta uma quantidade significativa de detalhes do sistema.

Ficou curioso? Então veja algumas imagens do i-Nex

Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

Instale a ferramenta de informações de hardware i-Nex no Ubuntu e derivados

Conheça melhor o i-Nex

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o i-Nex no Ubuntu

Para instalar o i-Nex no Ubuntu, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:i-nex-development-team/stable

Passo 3. (opcional) Se ainda não tiver, também adicione o repositório do runtime do programa com comando abaixo:

sudo add-apt-repository ppa:nemh/gambas3

Passo 4. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install i-nex

Como instalar o i-Nex manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite i-nex no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o i-Nex no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o i-Nex no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove i-nex
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar uma impressora no Ubuntu sem complicações

Como instalar uma impressora no Ubuntu

Comprou uma impressora e quer usá-la no seu PC com Linux? Então veja nesse tutorial como instalar uma impressora no Ubuntu.


Atualmente instalar uma impressora no Ubuntu é algo muito simples e rápido, até porque, já existe o recurso de detecção automática. Mas as vezes, pode ser que você tenha de fazer isso manualmente.

Como instalar uma impressora no UbuntuComo instalar uma impressora no Ubuntu sem complicações

Para instalar uma impressora no Ubuntu, você deve primeiramente conectá-la ao computador. Ainda que sua impressora seja wireless, use um cabo específico para realizar essa configuração. E se ela for detectada automaticamente, nem será preciso fazer nada. Caso contrário, faça o procedimento a seguir.

É claro, a instalação só será possível se a impressora for compatível com o sistema. Como muitos fabricantes não informam que são compatíveis com o Linux, a melhor maneira de saber se ela funciona é tentando instalar, o que você verá logo abaixo.

Mais sobre suporte a impressoras no Linux

Drivers da HP: Instale ou atualize o HPLIP no Linux
Drivers da Canon – veja como instalar o suporte a impressora ou scanner
Artigos sobre impressoras

Como instalar uma impressora no Ubuntu

Para instalar uma impressora no Ubuntu, faça o seguinte:
Passo 1. Abra as “Configurações do Sistema” clicando no ícone dele na barra lateral do Unity. Se preferir, clique no ícone da engrenagem no painel superior, e no menu que aparece, na opção “Configurações do Sistema”;

Como instalar uma impressora no Ubuntu

Passo 2. Em “Configurações do Sistema”, clique no item “Impressoras”;

Como instalar uma impressora no Ubuntu

Passo 3. Em seguida, clique em “Adicionar”;

Como instalar uma impressora no Ubuntu

Passo 4. Na próxima tela, clique no modelo e depois no botão “Forward”;

Como instalar uma impressora no Ubuntu

Passo 5. Na janela seguinte, digite o nome, descrição e localização da impressora (ou deixe como está (recomendável). Depois de fazer os ajustes, clique no botão “Apply”;

Como instalar uma impressora no Ubuntu

Passo 6. Por fim, será exibida uma janela questionando se você quer imprimir uma página de teste. Para fazer o teste, clique no botão “Imprimir página de teste”. Se não quiser, clique em “Cancelar”,

Como instalar uma impressora no Ubuntu

Pronto! Agora que a impressora já está instalada, você já pode usá-la para imprimir em qualquer aplicativo do sistema.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instale o Classic Menu Indicator no Ubuntu

Instale o Classic Menu Indicator no Ubuntu

Se você usa o Ubuntu com Unity e sente falta de um menu de aplicativos, experimente instalar o Classic Menu Indicator e resolva seu problema.


Apesar do Dash encontrar aplicativos rapidamente, nem todo mundo se acostuma com ele. Classic Menu Indicator é uma boa solução para isso.

Instale o Classic Menu Indicator no UbuntuInstale o Classic Menu Indicator no Ubuntu

Como o próprio nome dele diz, ele é um menu no estilo GNOME clássico, disponível como um AppIndicator, então ele pode ser usado no ambiente Unity, como uma alternativa para aqueles que não gostam Dash, mas também deve funcionar em outros ambientes de trabalho.

Conheça melhor o Classic Menu Indicator

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Veja como instalar o Classic Menu Indicator no Ubuntu

Classic Menu Indicator está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install classicmenu-indicator.

Mas se a sua versão não disponibiliza ele ou você quer a versão mais recente, para instalar o programa no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:diesch/testing

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Para instalar o programa, use este comando:

sudo apt-get install classicmenu-indicator

Como instalar o Classic Menu Indicator manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, saia da sessão atual e quando fizer login, o indicador já estará no painel.

Desinstalando o Classic Menu Indicator no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Classic Menu Indicator no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove classicmenu-indicator
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


16 de janeiro de 2018

Como instalar o novo Skype Preview no Linux – o novo redesign do Skype

Como instalar no novo Skype Preview no Linux usando repositório

O redesenho “radical” do Skype que a maior parte da internet parece odiar agora está disponível no Linux. Confira os detalhes e veja como instalar o novo Skype Preview no Linux.


A nota de lançamento diz que o “O Skype Preview coloca o bate-papo em frente e no centro, tornando este o skype mais expressivo de todos. Você também pode fazer mais juntos em chamadas de grupo, com tela em tempo real e compartilhamento de foto”

Como instalar o novo Skype Preview no Linux - o novo redesign do SkypeComo instalar o novo Skype Preview no Linux – o novo redesign do Skype

Muito mais do que uma refinada no visual, o novo redesenho do Skype reimagina fundamentalmente o que é o serviço – ou, para denunciá-lo mais cínicamente, o que quer ser.

Através do uso de cores ousadas e forte iconografia, o aplicativo certamente parece ter mais vida para ele. Uma forte ênfase é colocada em mensagens, compartilhamento de mídia e reações através de menções, gifs e emoji.

Outras alterações incluem novas chamadas de grupo; Um painel de notificação para acompanhar as menções em conversas em grupo; E há uma galeria de mídia útil para cada bate-papo, facilitando a busca rápida de um arquivo ou imagem compartilhada.

O Skype Preview para Linux é basicamente o mesmo do Windows, desde a tela inicial até os recursos — é basicamente uma cópia. Isso porque ele foi desenvolvido usando plataforma Electron.

Se você optar por optar usar o Skype Preview, lembre-se de que tudo que você vê, ainda é um trabalho em andamento.

Se você quiser instalar no novo Skype Preview no Linux a partir de um repositório (para receber atualizações automaticamente), use esse outro tutorial:
Como instalar no novo Skype Preview no Linux usando repositório

Conheça melhor o Skype

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Skype Preview no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados

Para instalar o Skype Preview no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados, você só precisa acessar essa página, baixar o pacote para seu sistema (DEB ou RPM) e clicar nele para que o gerenciador de pacote de sua distro faça a instalação. Mas se você prefere usar a linha de comando, siga os procedimentos abaixo.

Como instalar o Skype Preview no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o Skype Preview no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome skype.deb:

wget https://go.skype.com/skypeforlinux-64-preview.deb -O skype.deb

Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i skype.deb
sudo apt-get install -f

Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./skype.deb

Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove skype*

Como instalar o Skype Preview no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados

Quem quiser instalar o Skype Preview no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome skype.rpm:

wget https://go.skype.com/skypeforlinux-64-preview.rpm -O skype.rpm

Passo 4. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install skype.rpm

Passo 5. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall skype.rpm

ou

sudo dnf install skype.rpm

Passo 6. Para instalar o programa na maioria das distro com suporte a arquivos RPM, use o comando:

sudo rpm -i skype.rpm

Passo 7. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo rpm -e skype*

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, use o atalho dele ou digite skype em um terminal, seguido da tecla TAB.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instale a última versão do MKVToolNix no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e openSUSE

Instale a última versão do MKVToolNix no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados

Se você tem arquivos no formato Matroska (.mkv), então precisa instalar o MKVToolnix para poder manipular esse tipo de arquivo. Por isso, veja como instalar a última versão do MKVToolNix no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e openSUSE.


MKVToolnix é um conjunto de ferramentas para criar, alterar e inspecionar arquivos Matroska no Linux, Unix e Windows.

Instale a última versão do MKVToolNix no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivadosInstale a última versão do MKVToolNix no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e openSUSE

Esse utilitário pode ser usada para obter informações sobre arquivos Matroska (mkvinfo), extrair faixas/dados de arquivos de Matroska (mkvextract) e criar (mkvmerge) arquivos Matroska a partir de outros arquivos de mídia.

O MKVToolnix fornece apenas as ferramentas de linha de comando. Se você quiser trabalhar com ferramentas gráficas, você deve instalar o MKVToolnix-gui, que é uma interface simples e fácil de usar.

Com MKVToolnix-gui, você pode adicionar o arquivo MKV (s) usando o navegador de arquivos ou simplesmente arrastando e soltando os arquivos na MKVToolnix.

O programa também permite que você edite as tags e nomes das faixas, também é usado para alterar a relação de aspecto de arquivos de vídeo, exibir a largura e altura e etc.

Se sua distribuição suporta o formato de pacotes Snap, use esse outro tutorial:
Como instalar o MKVToolNix no Linux via Snap

Conheça melhor o MKVToolNix

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando a última versão do MKVToolNix no Linux Debian, Ubuntu e derivados

A ferramenta está disponível em repositórios padrão do Debian e Ubuntu, mas essa versão pode estar um pouco obsoleta.
Então, para obter a última versão do MKVToolNix no Linux Debian, Ubuntu e derivados, adicione um repositório. Para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Primeiro você tem que importar a chave GPG com o seguinte comando:

wget -q -O - https://www.bunkus.org/gpg-pub-moritzbunkus.txt | sudo apt-key add -

Passo 3. Se você estiver usando o Ubuntu ou um derivado dele, adicione o repositório do aplicativo, usando o seguinte comando;

sudo sh -c "echo  'deb http://www.bunkus.org/ubuntu/$(lsb_release -cs)/ ./ ' >> /etc/apt/sources.list

Passo 3. Se você estiver usando o Debian ou um derivado dele, adicione o repositório do aplicativo, usando o seguinte comando;

sudo sh -c "echo  'deb http://www.bunkus.org/debian/$(lsb_release -cs)/ ./ ' >> /etc/apt/sources.list

Passo 4. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install mkvtoolnix mkvtoolnix-gui

Passo 6. Se for necessário, desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove mkvtoolnix mkvtoolnix-gui
sudo apt-get autoremove

Como instalar a última versão do MKVToolNix no openSUSE Leap 42.1, 42.2 e 42.3

Para instalar a última versão do MKVToolNix no openSUSE Leap 42.1, 42.2 e 42.3, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Baixe a chave do repositório;

wget https://mkvtoolnix.download/gpg-pub-bunkusorg-rpm-signing.txt

Passo 3. Em seguida, use o comando abaixo para importar a chave para o gerenciador de pacotes do seu sistema;

sudo rpmkeys --import gpg-pub-bunkusorg-rpm-signing.txt

Passo 4. Se você estiver usando o openSUSE Leap 42.1, use o comando a seguir para adicionar o repositório do programa;

sudo zypper addrepo --refresh https://mkvtoolnix.download/opensuse/42.1/ MKVToolNix

Passo 5. Se você estiver usando o openSUSE Leap 42.2, use o comando a seguir para adicionar o repositório do programa;

sudo zypper addrepo --refresh https://mkvtoolnix.download/opensuse/42.2/ MKVToolNix

Passo 6. Se você estiver usando o openSUSE Leap 42.3, use o comando a seguir para adicionar o repositório do programa;

sudo zypper addrepo --refresh https://mkvtoolnix.download/opensuse/42.3/ MKVToolNix

Passo 7. Agora instale o programa com o seguinte comando;

sudo zypper install mkvtoolnix

Como instalar a última versão do MKVToolNix no Linux Fedora e sistemas derivados

Para instalar a última versão do MKVToolNix no Linux Fedora e sistemas derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Adicione o repositório RPMFusion com o comando ou seguindo a dica desse tutorial. Esse repositórios também podem ser instalado usando a ferramenta PostInstallerF, que já foi apresentada em outro tutorial;

su -c 'yum localinstall --nogpgcheck http://download1.rpmfusion.org/free/fedora/rpmfusion-free-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm http://download1.rpmfusion.org/nonfree/fedora/rpmfusion-nonfree-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm'

ou

sudo rpm -Uhv https://mkvtoolnix.download/fedora/bunkus-org-repo-2-3.noarch.rpm

Passo 3. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

su -c 'yum install mkvtoolnix mkvtoolnix-gui'

Ou

su -c 'dnf install mkvtoolnix mkvtoolnix-gui'

Passo 4. Caso precise desinstalar, use o comando abaixo;

su -c 'yum remove mkvtoolnix mkvtoolnix-gui'

Ou

su -c 'dnf remove mkvtoolnix mkvtoolnix-gui'

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite mkv no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Para instalar em outras distribuições, por favor, veja nesse link.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Planeta Ubuntu Brasil

O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


Última atualização:
21 de janeiro de 2018, 02:03
Horário UTC

Planet ATOM
RSS10 RSS20
OPML FOAF

Blogs inscritos


© 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.