31 de outubro de 2014

5 Dicas para Digitar Mais Rápido e Melhor

Mas por que, Turicas?

O simples fato de você usar muito o teclado, independente de sua profissão, já é um bom sinal de que você deveria aprender a usá-lo melhor, como você provavelmente faria com qualquer outra ferramenta de trabalho -- não basta ter boas ferramentas, temos que saber utilizá-las eficientemente (programadores, aprendam a digitar!).

TL; DR

Esse artigo é longo e poderia ser resumido na seguinte frase:

Digitar bem é questão de técnica e prática (um bom teclado também ajuda).

Mas se você quer realmente entender como digitar mais rápido e melhor, além de saber alguns detalhes maneiros ("cultura inútil"?), continue lendo as 5 dicas a seguir. :-)

Dica #1: Use os DEZ Dedos

Para começar, que tal usar toda a capacidade que você tem? ;-) Não usar os 10 dedos para digitar é como ocupar só parte dos leitos disponíveis de um hospital quando existem pacientes suficientes para ocupar todos. Não subutilize sua capacidade!

A posição correta dos dedos segue ilustrada:

Digitar corretamente é TÃO FÁCIL!
Norman Saksvig já sabia disso em 1.947
Foto por Crossett Library

Por padrão, você apoia seus dados (com exceção dos dedões) na fileira principal, que é a que tem as letras "asdfghjklç" em um teclado padrão ABNT2 (falarei mais sobre o layout do teclado abaixo).

O dedo indicador é o único que toca duas teclas para a mesma fileira: o esquerdo toca as teclas "f" e "g" (fica "estacionado" na "f") e o direito toca "j" e "h" (fica "estacionado" na "j").

Dica #2: Não Olhe Para o Teclado

Confesso que fico inquieto quando vejo alguém "catando milho" (olhando para o teclado em busca da tecla desejada). O contrário de "catar milho" é "datilografar" (touch typing, em Inglês) e é isso que você precisa aprender! :-D

A razão da catação de milho é o desconhecimento sobre a posição das teclas e para contornar isso, segue uma dica infalível:

As teclas "f" e "j", onde você deve estacionar seus dedos indicadores, possuem ranhuras.

Tateando o teclado você consegue identificar onde colocar os dedos indicadores e, a partir da imagem da dica 1, você consegue posicionar os outros dedos também (existem até alguns adesivos que aumentam a ranhura para facilitar encontrar essas teclas, que são chamadas de home keys). Com isso, você consegue digitar todas as teclas da fileira principal sem olhar, bastando decorar a ordem das teclas e seus respectivos dedos.

Para as demais fileiras, basta deslocar os dedos para cima e para baixo: dessa forma, o dedo mindinho esquerdo digitará as teclas "a" na fileira principal, "q" na fileira acima e "z" na fileira abaixo.

Destaque para as ranhuras nas teclas 'f' e 'j' do meu Das Keyboard
Ranhuras do meu DasKeyboard Model S Ultimate

Como você pode perceber na foto acima, meu teclado não possui letras impressas -- não tê-las também ajuda bastante a não olhar para o teclado! ;-)

Os teclados físicos de celular (alguém lembra deles?) seguem a mesma lógica com relação a ranhuras (que também são bem úteis para cegos).

Destaque para a ranhura na tecla '5' do teclado do celular Nokia 3120
Ranhura na tecla "5" de um Nokia 3120

A tecla 5 também funciona como home key nos numpads, os teclados numéricos:

Destaque para a ranhura na tecla '5' de um teclado numérico
Ranhura na tecla "5" de um teclado numérico

No teclado numérico o dedo médio fica na tecla "5", o indicador na "4" e o anelar na "6". O "0" é digitado com o polegar, os sinais à direita com o mínimo e as demais teclas são digitadas deslocando-se os três dedos principais (indicador, médio e anelar).

Dica #3: Use um Bom Teclado

Saber digitar bem usando um teclado ruim não é algo prazeroso. Porém, definir se uma característica é boa ou ruim depende de cada um, é algo pessoal. Seguem as minhas preferências:

Características Desejáveis

  • Teclas bem separadas
  • Teclas ligeiramente côncavas
  • Teclas não tão pequenas (depende do tamanho de seu dedo)
  • Resposta boa (é o feedback que o teclado te dá ao apertar uma tecla -- o meu DasKeyboard, por exemplo, faz um "click")

Teclas separadas, côncavas e com tamanho adequado (para o meu gosto) do teclado do meu notebook Lenovo Z460
Teclado do notebook Lenovo Z460: exemplo de características desejáveis

Características Indesejáveis

  • "Fn" à esquerda de "Ctrl" e com variações de tamanho entre as teclas modificadoras ("Ctrl", "Win/Super", "Alt")
  • Setas, "Page Up" e "Page Down" em tamanho minúsculo
  • "Esc" e "Fn"s minúsculos
  • "Fn"s invertidos com funções multimídia
  • "Insert", "Delete", "Home" e "End" minúsculos e fora do posicionamento original ("Home" acima de "End", "Insert" acima de "Delete" e "Home" à direita de "Insert"); "Page Up" e "Page Down" também não estão nesse "grupo"

Características indesejáveis em um teclado
Características indesejáveis em um teclado

O teclado em questão é, ironicamente, também de um notebook Lenovo: dessa vez é de um Thinkpad.

Dica #4: Escolha um Bom Layout

Quem não usou PCs na década de 90 talvez não saiba que usamos layouts diferentes do (agora) onipresente ABNT2. O ABNT2 é só um dos diversos outros layouts possíveis e a boa notícia é que, independente do hardware do seu teclado, você pode trocar o layout através de uma configuração de software.

Obviamente, teclados já vem de fábrica com etiquetas nas teclas seguindo algum layout, mas você pode configurar seu sistema para identificar as teclas de forma diferente (isso só é ruim para quem cata milho ;-).

Layout Dvorak

Teclado antigo que troquei as teclas para o layout Dvorak
Teclado antigo que troquei as teclas para o layout Dvorak

Há alguns anos usei o layout Dvorak por algumas semanas e gostei bastante (um dia pretendo voltar a usá-lo), daí resolvi trocar as teclas de posição (só pra assustar quem tentava digitar nele ;-). Repare que nesse layout:

  • Das letras, as únicas que não foram trocadas (vindo de um layout ABNT2) são "a" e "m"
  • Todas as vogais são acessadas diretamente através da mão esquerda, sem precisar mudar de fileira (todas na fileira principal)
  • As home keys são as letras "u" e "h" (e não "f" e "j") e, por isso, fiz ranhuras nelas com um ferro de solda

Repare também que raspei o símbolo do Windows das duas teclas "Super". :-D

Usar um teclado com layout Dvorak foi uma experiência incrível: digitar é algo bastante natural para mim, mas quando me deparei com o Dvorak eu sabia apenas as posições das teclas "a" e "m" -- me senti inútil. Tive que reaprender a datilografar (achei mais difícil que aprender uma língua nova).

Eu cheguei a digitar em uma velocidade aceitável nele em 2010, mas na época ficava com Dvorak no desktop e ABNT2 no notebook, que me causou bastante confusão mental e me fez voltar 100% para o ABNT2 porque precisei de um pouco mais de produtividade naquele momento.

Mesmo não usando mais o Dvorak, recomendo fortemente testá-lo: ele foi criado na década de 20 por August Dvorak e é bem mais ergonômico e eficiente que um teclado ABNT2/QWERTY.

Layouts Personalizados

Além dos layouts pré-definidos, você pode fazer alterações em seu próprio layout também -- por exemplo, conheço desenvolvedores de software que:

  • Invertem o "caps lock" com o "ctrl" (preferem não usar "caps lock")
  • Invertem a ação do "shift" nas teclas numéricas ("!" é feito naturalmente e "1" é feito segurando "shift")

A configuração de layout e personalização varia de sistema para sistema. Para quem usa GNU/Linux, dê uma olhada no manual do arquivo de configuração .XCompose.

Dica #5: Treine, Treine, Treine!

De nada adianta saber toda essa teoria se você não pratica. Corrigir-se para usar os dedos corretos e fazer pequenos exercícios ajuda bastante no processo.

Uma forma bastante divertida e eficiente de treinar é usar o site TypeRacer, onde você consegue medir sua velocidade de digitação e ainda pode convidar amigos para "correr" contigo; dá pra ver sua evolução também através de um gráfico com o histórico de suas velocidades. Minha média no TypeRacer é de 82 palavras por minuto (WPM).

Se você fez um teste lá e acha 82 WPM um número alto, veja só esse vídeo:


Final do Campeonato DasKeyboard

Conclusão

Em resumo:

  • Saber usar o teclado (não olhar, usar os dez dedos)
  • Usar um bom teclado
  • Praticar

Boa digitação! o/

Se você gostou desse artigo, que tal compartilhá-lo com seus amigos? ;-)

Cliente não oficial para o Google Drive: Instale o Grive Tools no Ubuntu

Se você procura um bom cliente não oficial para o Google Drive, experimente instalar o Grive Tools no Ubuntu.
Grive-Tools-Logo
Com a ausência do Syncdrive, faltava um grande cliente não oficial para o Google Drive. O cliente de linha de comando Grive já estava disponível, mas ainda lhe faltava uma ferramenta de configuração gráfica fácil de usar. Até que o pessoal do thefanclub criar o Grive Tools.

Para que ainda não conhece, Grive é um cliente do Google Drive que substitui plenamente a falta de um aplicativo Google Drive oficial para Linux. O programa pode ser considerada ainda um beta, pois ele simplesmente faz o download de todos os arquivos em seu Google Drive para o diretório. Depois de fazer algumas alterações nos arquivos locais, ele irá sincronizar as alterações de volta para o seu Google Drive. Novos arquivos criados localmente ou no Google Drive serão sincronizados. Os arquivos excluídos também serão “removidos”. Vale observar que, o Grive não irá destruir qualquer um dos seus arquivos: ele só irá mover os arquivos para um diretório chamado .trash ou colocá-los no lixo do Google Drive, ou seja, você sempre poderá recuperá-los.

Já o Grive Tools é basicamente um front-end do Grive com alguns recursos avançados. O programa possui um indicador de painel que funciona nos ambientes Unity, Mate, Gnome Classic e LXDE, mas não acontece o mesmo no Gnome Shell, Cinnamon e Xfce.
Google-Drive-2

Conheça melhor o Grive Tools

Para saber mais sobre o Grive Tools , clique nesse link.

Como instalar o cliente não oficial para o Google Drive Grive Tools no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o cliente não oficial para o Google Drive Grive Tools no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:thefanclub/grive-tools

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

ssudo apt-get install grive grive-tools

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digitando grive no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lubuntu: disponível imagem ISO da distro com o ambiente LXQt

Os desenvolvedores do Lubuntu 14.10 disponibilizaram uma nova versão da distro, só que com o ambiente LXQt pré-instalado. Conheça mais um pouco sobre ela e veja onde baixar a imagem ISO.
LXQt
O desenvolvimento de LXQt está atraindo o interesse de muitos usuários e desenvolvedores, incluindo também os desenvolvedores do Lubuntu mas, por enquanto, eles decidiram permanecer fieis ao LXDE. Por conta disso, há alguns dias também já está disponível uma nova imagem ISO da distribuição, só que com o ambiente LXQt pré-instalado.

A imagem foi anunciada pelo desenvolvedor Julien Lavergne em uma lista de discussão, indicando que a nova ISO do Lubuntu 14.10 com LXQt foi criada principalmente para testar o novo ambiente de trabalho.

Nunca é demais lembrar que o ambiente de trabalho LXQt ainda está em fase de desenvolvimento, o que significa que ele possui vários bugs ainda a serem resolvidas, bem como melhorias para serem incluídas. De qualquer forma, experimente por sua própria conta e risco.

Se não quiser baixar a imagem ISO, você pode instalar e testar o LXQt no Lubuntu com o repositório PPA Lubuntu-dev.

Conheça melhor a distribuição Lubuntu

Para saber mais sobre essa distribuição, clique nesse link.

Baixe e experimente o Lubuntu com LXQt

A imagem ISO do Lubuntu com LXQt já pode ser baixada acessando o link abaixo:
Lubuntu com LXQt

Como gravar a imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial:
Como gravar uma imagem ISO no Ubuntu

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

30 de outubro de 2014

Alpha 16 do Kingsoft WPS Office já está disponível para download

A Kingsoft anunciou o lançamento do Alpha 16 de sua suíte de escritório WPS Office. Se você quiser atualizar ou experimentar essa versão, veja aqui como fazer isso.
wps office
E continua o desenvolvimento do Kingsoft WPS Office, uma suíte de escritório multiplataforma com características muito interessantes. A idéia do projeto WPS Office é fornecer aos usuários uma alternativa gratuita ao Microsoft Office, incluindo um excelente suporte para formatos proprietários e uma interface gráfica moderna e intuitiva.

O WPS Office ou Kingsoft Office é uma suíte de escritório proprietário que está tendo um sucesso notável, especialmente entre os usuários orientais. E Graças à colaboração entre o Kingsoft Office International Community e a Canonical, a suíte de escritório tornou-se parte dos repositórios oficiais da distro Ubuntu Kylin, uma especificação oficial derivada do Ubuntu, voltada para os usuários chineses.

Além de várias correções de bugs, o Alpha 16 do Kingsoft WPS Office inclui uma nova ferramenta para comparação de documentos do Writer. Spreadsheets, o aplicativo de planilhas, agora inclui um novo modo de segurança, chamado Modo de proteção dos olhos (também disponível para documentos). Nessa versão, foram corrigidos alguns problemas relacionados a abertura de documentos protegidos por senha, também foram feitas melhorias na integração de imagens durante o processamento de HTML e no suporte para KDE, corrigindo alguns problemas relacionados ao gerenciador de janelas KWin.

Conheça melhor o WPS Office

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Para obter mais informações sobre o Alpha 16 do Kingsoft WPS Office Alpha 16, acesse esse link.

Instalando o Alpha 16 do WPS Office para Linux no Ubuntu e derivados

Para instalar o Alpha 16 do WPS Office para Linux no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Instale algumas dependências básicas do programa;

sudo apt-get install gtk2-engines-murrine:i386 gtk2-engines-pixbuf:i386

Passo 3. Baixe o pacote principal do aplicativo com esse comando:


wget http://kdl.cc.ksosoft.com/wps-community/download/a16/wps-office_9.1.0.4885~a16_i386.deb

Passo 4. Baixe o pacote de fontes da suíte:

wget http://kdl.cc.ksosoft.com/wps-community/download/a15/wps-office-fonts_1.0_all.deb

Passo 5. Baixe o pacote de tradução do programa:

wget http://kdl.cc.ksosoft.com/wps-community/download/a15/wps-office-mui-de_9.1.0.4751~a15_all.deb

Passo 6. Agora instale os pacotes baixados com o comando:

sudo dpkg -i wps-office_*.deb

Passo 7. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Depois de instalado, execute o programa digitando no Dash:wps

Instalando o Alpha 16 do WPS Office em outras distribuições Linux

Para instalar o Alpha 16 do WPS Office em outras distribuições Linux como Debian, Fedora, openSUSE e etc, basta baixar o deb ou rpm, dar um duplo clique sobre ele e confirme a instalação.

O Alpha 16 do WPS Office para Linux também está disponível para Arch Linux via AUR.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançado Ubuntu Developer Tools Center com suporte a Eclipse e Android ADT

Ubuntu Developer Tools Center (UDTC) 0.1 foi lançado na quarta-feira (29) e inclui suporte para o Eclipse como IDE autônomo, Android ADT (através Eclipse) e muito mais. Se quiser experimentá-lo, veja aqui como instalar o programa e as IDE´s que ele suporta.
ubuntu developer tools center
Há alguns meses atrás, a Canonical lançou o Ubuntu Developer Tools Center (UDTC), um projeto para “permitir a instalação fácil e rápida das necessidades comuns de desenvolvedores no Ubuntu”. Com ele, você pode facilmente instalar o Android Studio e o Android SDK no Ubuntu e, com a versão mais recente, o Eclipse e o Android ADT (para Eclipse).

No anúncio de lançamento, Didier Roche, engenheiro de software da Canonical, mencionou que, por enquanto, a Canonical está focando nos desenvolvedores do Android e em seguida serão outros, como os desenvolvedores Go, web, Dart e muito mais.

Conheça melhor o Ubuntu Developer Tools Center

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para conhecer as novidaes dessa versão, acesse esse link.

Como instalar o Ubuntu Developer Tools Center no Ubuntu 14.10 e 14.04 e seus derivados

Para instalar o Ubuntu Developer Tools Center no Ubuntu 14.10 e 14.04 e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:didrocks/ubuntu-developer-tools-center

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install ubuntu-developer-tools-center

Passo 5. Depois de instalado, se quiser instalar o Android Studio e o Android SDK usando o comando abaixo. Em seguida, escolha o caminho de instalação (ou use o caminho padrão), aceite a licença (“a”) e o UDTC fará o resto, a instalação de Android Studio e Android SDK. UDTC vai mesmo adicionar Android Studio no lançador do Unity;

udtc android

Passo 6. Para instalar o Eclipse, basta usar o comando abaixo. Assim como com Android Studio, após instalar o Eclipse, o UDTC irá adicionar o Eclipse no lançador do Unity;

udtc ide eclipse

Passo 7. Para suporte Android ADT (através Eclipse), use o seguinte comando:

udtc android eclipse-adt

Passo 8. Se você quiser remover uma das opções que foi instalada, basta acrescentar “–remove” para os comandos acima. Por exemplo, para remover Eclipse, use o seguinte comando:

udtc ide eclipse --remove

Pronto! Agora, quando quiser você pode iniciar sua IDE e começar a usar.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Extensão Folder Color já suporta os gerenciadores de arquivo Caja e Nemo

Precisando de uma forma de organizar melhor suas pastas ou destacar alguma delas? Experimente instalar e usar a extensão Folder Color no Nautilus, Caja e Nemo.
folder color
Folder Color é uma extensão para gerenciador de arquivos que permite que você altere facilmente a cor do ícone das pastas. Isso pode ser útil, por exemplo, para organizar as suas pastas ou destacar alguma pasta importante. Com ele você pode alterar a cor da pasta para algumas cores pré-definidas, como preto, azul, marrom, turquesa, verde, cinza, laranja, rosa, roxo, vermelho, branco ou amarelo.

A última versão do Folder Color, que já suporta o Nautilus, agora também possui suporte para o Caja (o gerenciador de arquivos padrão do MATE) e o Nemo (o gerenciador de arquivos padrão do Cinnamon).

folder-color-caja

Conheça melhor o Folder Color

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Folder Color no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Folder Color no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:costales/folder-color

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Se for utilizar o programa com o Nautilus, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install folder-color

Passo 5. Em seguida, reinicie o Nautilus com o comando:

nautilus -q

Passo 6. Se for utilizar o programa com o Nemo, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install folder-color-nemo

Passo 7. Em seguida, reinicie o Nemo com o comando:

nemo -q

Passo 8. Se for utilizar o programa com o Caja, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install folder-color-caja

Passo 9. Em seguida, reinicie o Caja com o comando:

caja -q

Passo 10. Se o Folder Color não aparecer no menu de contexto do Caja em um sistema de 32 bits, conserte usando o seguinte comando:

sudo ln -s /usr/lib/i386-linux-gnu/girepository-1.0/Caja-2.0.typelib /usr/lib/girepository-1.0/Caja-2.0.typelib

Passo 11. Se o Folder Color não aparecer no menu de contexto do Caja em um sistema de 64 bits, conserte usando o seguinte comando:

sudo ln -s /usr/lib/x86_64-linux-gnu/girepository-1.0/Caja-2.0.typelib /usr/lib/girepository-1.0/Caja-2.0.typelib

Pronto! Agora você já pode começar a mudar as cores das pastas, apenas clicando como o botão direito nelas em seu gerenciador de arquivos preferido, seja ele o Nautilus, Caja ou o Nemo.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

29 de outubro de 2014

Como instalar a última versão do Blender no Ubuntu

Se você já trabalha com 3d ou quer apenas experimentar o programa, veja aqui instalar a última versão do Blender no Ubuntu.
blender-272b
Blender, ou blender3d, é um programa de código aberto para modelagem, animação, texturização, composição, renderização, edição de vídeo e criação de aplicações interativas em 3D, tais como jogos, apresentações e outros, através de seu motor de jogo integrado, o Blender Game Engine. O programa é desenvolvido pela Blender Foundation e está disponível sob uma licença dupla: Blender License (BL)/GNU General Public License (GPL). O Blender possui ainda partes licenciadas sob a Python Software Foundation License. O programa é usado para a criação de filmes de animação, efeitos visuais, arte, modelos 3D impressos, aplicações interativas em 3D e jogos de vídeo.

Embora os repositórios do Ubuntu forneçam uma versão do Blender, ela é bem antiga. Por isso, você sempre pode seguir este tutorial para instalar a versão mais recente do pacote oficial (no caso, a 2.72b), que deve funcionar a partir do Ubuntu 10.04 até versões superior.

Conheça melhor o Blender

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a última versão do Blender no Ubuntu e derivados

Para instalar a última versão do Blender no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Instale a libsdl1.2debian usando a Central de programas do Ubuntu ou execute o seguinte comando:

sudo apt-get install libsdl1 -y

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo:

wget http://download.blender.org/release/Blender2.72/blender-2.72b-linux-glibc211-i686.tar.bz2

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo:

wget http://download.blender.org/release/Blender2.72/blender-2.72b-linux-glibc211-x86_64.tar.bz2

Passo 6. Depois de baixar, execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -jxvf blender-2.72b-linux-glibc211-*.tar.bz2 -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada para blender;

sudo mv /opt/blender-2.72b-linux-glibc211-*/ /opt/blender

Passo 8. Agora crie um lançador para o Sweet Home 3D, executando um editor de texto com o comando:

sudo gedit /usr/share/applications/blender-2.7.desktop

Passo 9. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=blender
Exec=/opt/blender/blender
Icon=/opt/blender/icons/scalable/apps/blender.svg
Categories=Application;

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digitando blender no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como reproduzir vídeo H.265 no Ubuntu

Se você precisa reproduzir vídeo H.265 no Ubuntu, veja aqui como instalar o suporte a esse formato no sistema.
reproduzir vídeo H.265
Por razões de licenciamento, o Ubuntu é lançado com suporte para reprodução de arquivos multimídia apenas para formatos livres. Quem quiser reproduzir formatos populares como MP3, MP4, AVI e etc, precisa instalar mais tarde os codecs multimídia.

Infelizmente, não é possível encontrar o suporte para todos os formatos de arquivos multimídia, como por exemplo, o High Efficiency Video Coding (HEVC ou H.265). A menos que você use o VLC, um player que inclui suporte próprio para este formato de reprodução.

Agora, se você não quiser usar o VLC para reproduzir vídeos no formato H.265, é possível usar a biblioteca de código aberto libde265, que adiciona no Linux a capacidade de reproduzir arquivos H.265.

Conheça melhor a libde265

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como reproduzir vídeo H.265 no Ubuntu

Para conseguir reproduzir vídeo H.265 no Ubuntu, você precisa instalar a libde265. Para isso, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo apt-add-repository ppa:strukturag/libde265

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar a libde265 no Ubuntu;

sudo apt-get install gstreamer1.0-libde265 gstreamer0.10-libde265

Após a instalação, apenas abra um vídeo com o Totem ou outro player de vídeo multimídia.

Para Arch Linux e derivados basta instalar GST-plugins-git-libde265 (para gstreamer 1.0) ou gstreamer0.10-plugins-git-libde265 (para gstreamer 0.1) através do AUR .

No site oficial da biblioteca libde265, você encontrá também vários vídeos de download para testar o High Efficiency Video Coding (HEVC ou H.265) em sua distribuição, para isso, acesse esse link.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

LxPup 14.10 – Puppy Linux, LXDE e Ubuntu juntos

Imagine uma mistura do Puppy Linux, LXDE e Ubuntu e você tem a distribuição LxPup 14.10. Conheça e veja onde baixar essa incrível distro.
LxPup
Puppy é atualmente uma das distribuições Linux mais populares, especialmente entre os usuários com PCs já ultrapassados ou que querem iniciar um sistema operacional pelo pendrive no modo persistente. Entre os muitos derivados do Puppy, está o LxPup, um projeto interessante que tem como base o ambiente desktop LXDE com o gerenciador de pacotes do Ubuntu.

LxPup permite ter um sistema operacional leve, que você pode usar tanto em um pendrive ou instalado em um PC. Simples e funcional, a distro também inclui ferramentas gráficas do Puppy Linux, que permitem configurar ou instalar com extrema facilidade.

Observe que a distro vem com o gerenciador de pacotes do Puppy Linux, um aplicativo gráfico com o qual é possível facilmente instalar ou remover as várias aplicações, e que o mesmo software também possui um gerenciador de repositório bastante útil. Nele, você pode instalar aplicativos que estão incluídos nos repositórios oficiais ou através de PPA, receber atualizações lançadas pela Canonical e instalar vários pacotes deb (como o Google Chrome, Skype, etc.).

Puppy Package Manager

Outra característica interessante do LxPup são os aplicativos padrão, na verdade ele vem com o Pale Moon como o navegador padrão e com o plugin Flash Player instalado. Além dele, a distro traz o cliente de e-mail Sylpheed, uGet como o gerenciador de downloads, XChat, o gerenciador de webcam GTKam camera manager, mtPaint e muitas outras aplicações úteis.

Conheça melhor a distribuição LxPup 14.10

Para saber mais sobre a distribuição LxPup 14.10, clique nesse link.

Baixe e experimente o LxPup 14.10

A imagem ISO do LxPup 14.10 jpode ser baixada acessando o link abaixo:
LxPup 14.10

Gravando a imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esses tutoriais que já foram publicados no blog:

Como gravar uma imagem ISO no Ubuntu

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

28 de outubro de 2014

Como instalar Sticky Notes Indicator no Ubuntu 14.10

Se você precisa de uma ferramenta para anotar rapidamente dados importantes, veja aqui como instalar Sticky Notes Indicator no Ubuntu 14.10.
sticky notes indicator
Ubuntu tem um app de notas chamado Sticky Notes. Assim como o Google Keep e o Sticky Notes do Windows, ele permite que você possa anotar pensamentos, listas e lembretes no desktop.

Sticky Notes Indicator foi criado para funcionar na interface Unity do Ubuntu. Entretanto, ele também foi testado no GNOME Shell, XFCE/Xubuntu, KDE/Kubuntu, MATE/Mint, e Cinnamon/Mint, mas o suporte para essas plataformas não é garantido.

Conheça melhor o Sticky Notes Indicator

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar Sticky Notes Indicator no Ubuntu 14.10 e seus derivados

Para instalar Sticky Notes Indicator no Ubuntu 14.10 e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:umang/indicator-stickynotes

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install indicator-stickynotes

Se não quiser adicionar o repositório, você pode pegar o arquivo .deb para fazer o processo de instalação mais fácil, acessando esse link. Uma vez baixado, clique duas vezes no pacote para abrir e instaalr o programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digitando stickynotes no Dash.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como Instalar o Adobe Reader no Ubuntu 14.10

Mesmo estando defasado e até sem suporte oficial, algumas pessoas ainda podem querer usar o leitor de pdf da Adobe no Linux. Para esses, basta seguir esse tutorial, para conseguir instalar o programa no Ubuntu 14.10, versões anteriores e seus derivados.
adobe reader ubuntu
Adobe Reader para Linux não está mais disponível para download no site da Adobe. A Adobe removeu recentemente o suporte ao Linux, a partir de sua página oficial de download. Mas felizmente, ainda é possível instalar o programa no Ubuntu através do velho repositório Canonical Partners para a versão 12.04. Resumindo, o pacote mais recente do Adobe Reader para Linux “AdbeRdr9.5.5-1_i386linux_enu.deb” ainda está disponível no repositório oficial, mas pode ser removido em futuro próximo.

Portanto, se você ainda quer este leitor de PDF, abaixo será mostrado como instalar o Adobe Reader (Acroread) 9 no Ubuntu 14.10 a partir do repositório Canonical Partners Ubuntu 12.04.

Conheça melhor o Adobe Reader

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Adobe Reader no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Adobe Reader no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório Canonical Partners para a versão 12.04, com este comando:

sudo add-apt-repository "deb http://archive.canonical.com/ precise partner"

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install acroread 

Passo 5. Será exibida uma tela para definir o Adobe Reader como leitor padrão de arquivos PDf. Se você quiser isso, use as teclas de direção para selecionar a opção “Sim” e confirme com a tecla “enter”. Se não quiser, escolhe a opção “Não”;
definir-adobe-reader
Passo 6. Depois de ter instalado o Adobe Reader, não se esqueça de remover o repositório Canonical Partners para a versão 12.04, com este comando:

sudo add-apt-repository -r "deb http://archive.canonical.com/ precise partner"

Passo 3. Por fim, atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digitando acroread no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB), ou simplesmente abra um arquivo PDF.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o GNOME 3.14 no Ubuntu GNOME 14.10

Já está disponível a nova versão estável do GNOME. Se você quiser experimentar essa versão, veja aqui como instalar o GNOME 3.14 no Ubuntu GNOME 14.10.
Gnome 3.14
O GNOME 3.14 inclui várias melhorias para suportar Wayland, uma melhor experiência de usuário para dispositivos com tela sensível ao toque (cada vez mais presentes no mercado) e novos recursos. A atualização traz consigo importantes mudanças que vão tornar o ambiente de trabalho, mais completo e confiável.

Como o lançamento da versão estável do Gnome 3.14 veio poucas semanas depois da estreia do Ubuntu GNOME 14.10 Utopic Unicorn, a nova atualização não foi incluída no sistema (por padrão, a distro vem com o Gnome 3.12). Felizmente, é possível instalar a versão mais recente, graças ao repositório PPA GNOME3 Staging.

Conheça melhor o GNOME 3.14

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o GNOME 3.14 no Ubuntu GNOME 14.10

AVISO:
Vale lembrar que a atualização para o Gnome 3.14 é recomendada apenas para o Ubuntu Gnome. Fazer isso em um sistema com o ambiente Unity pode resultar em alguns bugs que desestabilizam o ambiente de trabalho desenvolvido pela Canonical. Mas se você insistir em fazer isso, por favor leia bem a saída que aparece abaixo do comando “dist-upgrade”, antes de confirmar a instalação. Assim você evitará que pacotes importante sejam removidos. Se o comando “dist-upgrade” tentar remover páginas importantes, anular a instalação e remover o PPA, não continue o processo.

Ciente de tudo isso (e dos riscos), para instalar o GNOME 3.14 no Ubuntu GNOME 14.10, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo apt-add-repository ppa:gnome3-team/gnome3-staging

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get dist-upgrade

Passo 5. Para instalar todos os aplicativos do GNOME 3 (GNOME Clocks, Maps, Music, Bijiben, Polari, etc) que não são instalados por padrão, bem como as extensões do GNOME Shell padrão e GNOME Tweak Tool (que tenho certeza que você vai precisar mais tarde), use o seguinte comando:

sudo apt-get install bijiben polari gnome-clocks gnome-weather gnome-maps gnome-music gnome-photos gnome-documents gnome-contacts epiphany-browser gnome-sushi gnome-boxes gnome-shell-extensions gnome-tweak-tool

Após a instalação, reinicie o seu sistema (um logout/login pode ser o suficiente, mas para evitar problemas, uma reinicialização é bem mais segura).

Como remover o GNOME 3.14 no Ubuntu GNOME 14.10 e voltar para o Gnome padrão

Na prática, é possível fazer esse procedimento e instalar o GNOME 3.14 em sistemas com o Unity, mas isso pode fazer ele parar de funcionar e as instruções são mais complicadas, especialmente se você quiser reverter as alterações. De qualquer forma, se você encontrar problemas ou você simplesmente não gostar do GNOME 3.14, você pode reverter as alterações e voltar ao padrão do Ubuntu 14.04, para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se não estiver no seu sistema, instale o ppa-purge com o comando a seguir:

sudo apt-get install ppa-purge  

Passo 3. Purge e os repositórios com os comandos abaixo:

sudo ppa-purge ppa:gnome3-team/gnome3-staging

Passo 4. E uma vez que o PPA foi purgado, reinicie o seu sistema usando a opção padrão do ambinete ou através do comando.

sudo reboot

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o App Grid 0.199 no Ubuntu 14.10

Foi lançada recentemente a versão 0.199 do App Grid, o programa que é uma alternativa à Central de programas no Ubuntu. Se quiser experimentar essa versão, veja aqui como instalar o programa.
app-grid-main-view
App Grid é um projeto de código aberto que tem como objetivo levar para o Ubuntu e derivados, um centro de software completo, moderno e leve. A ideia do projeto é fornecer uma alternativa viável para a Central de programas do Ubuntu, proporcionando uma solução mais rápida e leve, com uma interface gráfica moderna e, especialmente, com uma experiência de usuário muito simples e intuitiva.

Há poucos dias saiu a nova versão do App Grid: 0.199. Essa é uma grande atualização que traz consigo o suporte para Ubuntu o 14.10 Utopic Unicorn e os derivados deste. Além de correções de erros, essa versão melhora a gestão da base de dados, reduzindo o tamanho dela em 33%. Tudo isto resulta em um ligeiro aumento nas buscas, como também melhora a indexação de aplicações (de acordo com o desenvolvedor, fica 25% mais rápido).

Com App Grid 0.199 foram removidos a opção para listar os aplicativos ou os resultados por nome, também foi adicionado o apt-key, que permite que você insira as chaves de autenticação correta de várias PPA.

Conheça melhor o App Grid

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Todas as novidades do App Grid 0.199 podem ser encontradas no changelog, disponível nesta página.

Como instalar o App Grid no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o App Grid no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:appgrid/stable

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install appgrid -y

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digitando appgrid no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como atualizar para o Rhythmbox 3.1 no Ubuntu 14.04/14.10

Rhythmbox chegou a versão 3.1. Entretanto, nesse momento o Ubuntu 14.04 e 14.10 ainda fornece a versão 3.0.x. Para resolver isso, veja aqui como instalar o Rhythmbox 3.1 no Ubuntu 14.04/14.10.
rhythmbox
Rhythmbox é o player padrão de música para Ubuntu Unity e Gnome. A versão 3.1 vem com várias correções de bugs, é compatível com GTK 3.14+, e agora inclui um arquivo AppData. Vale a pena atualizar o programa, principalmente se você tiver atualizado para o Gnome 3.14 ou já encontrou algum erro durante a execução da atual versão.

Rhythmbox é um software livre liberado sob a licença GPL (General Public License), projetado para funcionar bem sob o GNOME usando a estrutura de mídia GStreamer. Originalmente inspirado pelo iTunes da Apple, a versão atual suporta também Rádio Internet, integração com iPod, gravação de áudio CD, reprodução de áudio CD, compartilhamento de música e Podcasts. Ele é um muito fácil de usar para fazer a reprodução de músicas e suporta uma ampla gama de formatos de áudio (incluindo mp3 e ogg).

Conheça melhor o Rhythmbox

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Rhythmbox 3.1 no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Rhythmbox 3.1 no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:fossfreedom/rhythmbox

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install rhythmbox

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digitando rhythmbox no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB).

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

27 de outubro de 2014

Lançado Audacious 3.5.2: instale-o no Ubuntu 14.04/14.10

Audacious, o reprodutor de áudio padrão do Lubuntu, acaba de chegar a versão 3.5.2, trazendo traduções atualizadas e algumas correções de bugs.
audacious-gtk-interface
Audacious é um player de áudio de código aberto, um descendente do XMMS com foco no baixo consumo de recursos, na alta qualidade de áudio e no suporte para uma ampla gama de formatos de áudio. Ele contém reprodução contínua embutida e suporta plugins e peles do Winamp 2.

Com o programa você pode arrastar e soltar pastas e arquivos de músicas individuais, procurar artistas e álbuns em toda a sua biblioteca de músicas, criar e editar suas próprias listas de reprodução personalizadas, ouvir um CD ou fazer streaming de música a partir da Internet, ajustar o som com o equalizador gráfico ou experimentar os efeitos LADSPA. Aproveite a interface GTK com temática moderna ou mude as coisas com peles do Winamp clássico. Para torná-lo mais completo, você pode usar os plugins incluídos no Audacious para buscar letras de suas músicas, para definir um alarme na parte da manhã, e muito mais.

audacious-winamp-skin

Conheça melhor o Audacious

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Audacious no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Audacious no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:nilarimogard/webupd8

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install audacious audacious-plugins

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digitando audacious no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o Minecraft no Linux

Se você está procurando uma maneira fácil de instalar o Minecraft no Linux, veja a seguir como fazer isso.
instalar o minecraft no linux
Instalar o Minecraft no Linux já foi complicado e atualmente está bem mais simples. Mas antes de fazer isso, saiba que para obter uma melhor experiência de jogo, você deve primeiro instalar os drivers da sua placa de vídeo, observando o seguinte:

  • Para placas Intel, a melhor opção será usar os drivers open source padrão;
  • Para NVIDIA ou AMD, é melhor usar um driver de vídeo proprietário, ou seja, abra o utilitário de drivers adicionais do Unity, selecione o driver da NVIDIA ou AMD a partir da lista e instale-o.

Observado tudo isso, instalar o Minecraft no Linux se torna bem mais fácil e menos problemático. Tudo o que precisa fazer é instalar o Java, baixar e executar um arquivo executável .jar a partir do site oficial do jogo.

Conheça melhor o Minecraft

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Minecraft no linux

Para instalar o Minecraft no Linux e ainda, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Para instalar o Oracle Java, veja este post ou apenas execute os comandos abaixo, na mesma sequencia. Para outras distribuições, siga o seguinte procedimento:

sudo apt-add-repository ppa:webupd8team/java
sudo apt-get update
sudo apt-get install oracle-java8-installer

Passo 3. Uma vez que o Java Runtime já está instalado, baixe o arquivo do Minecraft com o comando:

wget https://s3.amazonaws.com/Minecraft.Download/launcher/Minecraft.jar

Passo 4. Crie uma pasta para o arquivo;

sudo mkdir /opt/minecraft

Passo 4. Copie o arquivo para a pasta;

sudo cp Minecraft.jar /opt/minecraft/

Passo 6. Agora crie um lançador para o programa, executando um editor de texto com o comando:

sudo gedit /usr/share/applications/minecraft.desktop

Passo 7. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=minecraft
Exec=java -jar /opt/minecraft/Minecraft.jar
Icon=
Categories=Application

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite em terminal minecraft (seguido da tecla TAB), ou no caso do Ubuntu com Unity, no Dash. Se o ambiente gráfico suportar, copia o arquivo .desktop criado para a sua área de trabalho usando um gerenciador de arquivos.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o emulador de terminal Cool-Retro-Term no Ubuntu 14.10

Já falei do emulador de terminal Cool-Retro-Term aqui no Blog, mas dessa vez, mostrarei como instalar ele usando um repositório.
emulador de terminal
Cool-Retro-Term é um emulador de terminal livre, que imita o visual e a sensação das antigas telas de tubo catódico. Se você está cansado de seu terminal atual, o programa é uma boa opção por ser um emulador de terminal personalizável e razoavelmente leve. Ele usa o engine Konsole que é poderoso e maduro, ele requer apenas a Qt 5.2 ou superior para funcionar. Se você usa o terminal com frequência (ou é fã dele), com esse aplicativo, você irá deixá-lo com um visual mais retrô.
emulador de terminal
O programa vem com modelos pré-configurados para que você possa usá-los com apenas um clique, os perfis incluem: Âmbar, Verde, Scanlines, Pixelado, Apple ][, Vintage, IBM Dos, IBM 3287, e Verde Transparente. Além desses, você pode criar seu próprio perfil e usá-lo, definindo a fonte, o dimensionamento e a largura da fonte.
emulador de terminal
As preferências do Cool-Retro-Term oferecem uma grande quantidade de personalização: você pode ajustar o brilho, contraste e opacidade.
emulador de terminal
Aplicar efeitos interessantes para terminais.
emulador de terminal
Você também pode controlar o FPS, a qualidade de textura, a qualidade das scanlines e qualidade do bloom.
emulador de terminal9

Conheça melhor o emulador de terminal Cool-Retro-Term

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o emulador de terminal Cool-Retro-Term via repositório no Ubuntu 14.10e seus derivados

Para instalar o emulador de terminal Cool-Retro-Term via repositório no Ubuntu 14.10, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/apps

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install cool-retro-term

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:col
Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digitando col no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Previsão do tempo: Como instalar o My Weather Indicator no Ubuntu 14.10

Ter a previsão do tempo sempre a vista é importante, por isso, para que você tenha ela no seu desktop, veja aqui como instalar o Weather Indicator no Ubuntu 14.10
Previsão do tempo
My Weather Indicator é um applet Unity indicator desenvolvido pela equipe atareao. Ele exibe informações do tempo, previsão, evolução e previsão dos locais selecionados no painel do Ubuntu. Ele também suporta widget de desktop e serviços meteorológicos online como Yahoo, Open Weather Map, wunderground.com, World Weather.

Conheça melhor o aplicativo de previsão do tempo My Weather Indicator

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o aplicativo de previsão do tempo My Weather Indicator no Ubuntu 14.10 e seus derivados

Para instalar o My Weather Indicator no Ubuntu 14.10, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:atareao/atareao 

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install my-weather-indicator

Se você não quiser adicionar o repositório PPA, pegue o instalador .deb diretamente na página do programa no Launchpad e instale-o manualmente.
Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:my, ou em terminal, seguido da tecla TAB.

Na primeira vez que você executar o indicador, a janela de Preferências será aberta. Nela você poderá definir a sua localização, um segundo local, se o programa deverá exibir ou não o widget, a pele (skin) do widget, os serviços meteorológicos, as unidades de medida, a auto inicialização, a frequência de atualização, e muito mais.

my-weather-indicator-settings
Via ubuntuhandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

26 de outubro de 2014

Resumo semanal – 20/10/2014 a 26/10/2014

Você sabia que já foi anunciado o codinome da próxima versão do Ubuntu (15.04) e que será Vivid Vervet? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essas postagens, mas não se preocupe, leia o resumo semanal do blog e se atualize.
resumo semanal
Já sabe que foi lançada a distribuição Tails 1.2, o Debian Wheezy 7.7 e o Ubuntu 14.10? Ou já conhece o UbuTricks, um programa que instala os aplicativos que não estão incluídos no Ubuntu 14.04/14.10? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

Resumo semanal do Blog do Edivaldo de 20/10/2014 a 26/10/2014

20/10/2014

21/10/2014

22/10/2014

23/10/2014

24/10/2014

Chegou o Ubuntu 14.10

Essa semana foi oficialmente lançado o Ubuntu 14.10. A versão,  já está disponível para download e se você estava na expectativa, é hora de baixar a nova versão do Ubuntu. Para fazer isso, acesse os links nessa postagem.

Como gravar a imagem ISO do Ubuntu 14.10

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:

Como gravar uma imagem ISO no Ubuntu

Como atualizar do 14.04 para o 14.10

Quem precisar atualizar do 14.04 para o 14.10, basta seguir esses tutoriais:
Desktop

Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10

Como atualizar o Ubuntu Server para uma nova versão

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10


Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

24 de outubro de 2014

Como remover a Sessão Convidado da tela de login do Ubuntu

Se você não quer que ninguém fique usando seu sistema como visitante, veja aqui como a Sessão Convidado da tela de login do Ubuntu.
remover a sessão convidado
A Sessão Convidado pode até ser útil em algumas situações, mas na maior parte do tempo, serve apenas para atrapalhar o login e servir de entrada para usuários indesejados. Por conta disso, uma das primeiras coisa a ser feita após a instalação do Ubuntu, é desativar essa opção.

Como remover a Sessão Convidado no Ubuntu 14.10

Para remover a Sessão Convidadode da tela de login do Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Use o comando abaixo para editar o arquivo de configuração:

sudo gedit /usr/share/lightdm/lightdm.conf.d/50-ubuntu.conf

Passo 3. Quando for solicitado, digite sua senha de usuário. Observe que não será mostrado nada ao digitar a senha. Se quiser esse efeito visual ao digitar uma senha, siga esse tutorial;
Passo 4. Com o arquivo aberto, adicione uma nova linha no final dele com o seguinte conteúdo (caso já exista, apenas ajuste);

allow-guest=false

remove-guest-session
Passo 5. Em seguida, salve o arquivo e feche o editor de texto.

Pronto! Na próxima inicialização a Sessão Convidado já não irá mais aparecer na tela de login.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu 14.10

Se você está sendo incomodado constantemente por mensagens de erros no Ubuntu, veja aqui como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu 14.10 ou versões anteriores.
error-report-dialog
Apport é a ferramenta de relatório de error do Ubuntu. Ele é um sistema que reúne informações potencialmente úteis sobre o acidente e o ambiente do sistema operacional. Se qualquer houver qulaque falha em um processo do sistema, uma caixa de diálogo aparece e pergunta ao usuário se ele quer enviar um relatório de erro para ajudar a resolver o problema.

Erros com títulos parecido com “ubuntu 14.10 sofreu um erro interno”, “Problema de programa de sistema detectado” etc. são comuns após a instalação do Ubuntu. Informar erros é importante, pois ajuda melhorar a estabilidade do sistema. Mas se você está constantemente recebendo popups de relatório do incidentes, você pode querer desativar essa funcionalidade para poder usar o sistema sem interrupções.

Conheça melhor o Apport

Para saber mais sobre esse recurso, clique nesse link.

Como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu 14.10

Para desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu 14.10, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Use o comando abaixo para editar o arquivo de configuração:

sudo gedit /etc/default/apport

Passo 3. Com o arquivo aberto, altere o valor da opção “enabled” de “1” para “0”;
desativar o relatório de erros do apport
Passo 4. Em seguida, salve o arquivo e feche o editor de texto.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançada oficialmente a primeira versão do Ubuntu MATE (14.10)

Junto com as outras variantes do sistema, nessa quinta-feira (23), foi lançada oficialmente a primeira versão do Ubuntu MATE (14.10). Conheça mais um pouco sobre ela e baixe a imagem do sistema.
ubuntu mate 14.10
O ambiente MATE é um fork do GNOME 2, que permite que você use a interface do GNOME 2 e aplicativos de desktop antigo, mas também permite que você use as novas aplicações assim, por exemplo, você pode usar o Gedit 3.

Esta é a primeira versão estável do sistema, mesmo ainda sendo uma variante não-oficial (ele muito provavelmente vai se tornar um sabor oficial do Ubuntu em um futuro próximo). MATE é mais uma variante do Ubuntu que se porões ser a distro “ideal para aqueles que querem o máximo proveito de seus desktops, laptops e netbooks e prefere uma metáfora do desktop tradicional”.
ubuntumate1410-desktop
Como o velho GNOME 2, MATE (e, portanto, o Ubuntu MATE) oferece um layout de área de trabalho tradicional, com dois painéis e é altamente personalizável: temas podem ser instalados ou alterados a partir do item “Aparência’ (e há muito poucos temas disponíveis por padrão), os painéis podem ser redimensionados e suportam autohide (auto ocultar) e uma infinidade de applets, a posição de notificações pode ser alterado e assim por diante.

Ubuntu MATE 14.10 inclui o mais recente MATE 1.8 que, em comparação com MATE 1.6 (disponível nos repositórios do Ubuntu 14.04) inclui suporte para Metacity como gerenciador de janelas, ladrilhos side-by-side e mais.

A distro vem com as aplicações MATE padrão como Caja (gerenciador de arquivos), Pluma (editor de texto) e assim por diante. O Ubuntu MATE 14.10 vem com alguns aplicativos que você também irá encontrar em outros sabores do Ubuntu, como o Firefox, Pidgin, Thunderbird, Transmission, LibreOffice, Totem ou Rhythmbox, então usuários provenientes de Ubuntu com Unity deve se sentir em casa no desktop dessa variante. Para completar, para o gerenciador de login, é usado por padrão o LightDM, com o GTK greeter.

Além disso, o Ubuntu MATE usa os ícones do Ubuntu padrão e um tema GTK com base em Ambiance do Ubuntu, para que além do layout do desktop tradicional, as coisas fiquem com um visual bem próximo dos padrões do Ubuntu.

É importante notar que, de acordo com a FAQ do Ubuntu MATE, como esta é a primeira versão MATE Ubuntu e não é um LTS, a equipe MATE Ubuntu disponibilizar imagens ISO de um Ubuntu MATE 14.04 LTS, “logo após o lançamento do Ubuntu MATE 14.10″.

Conheça melhor o Ubuntu MATE

Para saber mais sobre essa distribuição, clique nesse link.

Baixe e experimente a primeira versão do Ubuntu MATE (14.10)

A imagem ISO do Ubuntu MATE 14.10 já disponível para download, para baixar, acesse o link abaixo
Ubuntu MATE 14.10

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

UbuTricks: instale aplicativos que não estão incluídos no Ubuntu 14.04/14.10

Se os aplicativos que a Canonical disponibiliza não são suficientes para você, experimente o UbuTricks e instale aplicativos que não estão incluídos no Ubuntu.
UbuTricks
Para ajudar a instalar ou atualizar aplicativos não incluídos nos repositórios oficiais do Ubuntu, já está disponível para download a ferramenta UbuTricks, que torna possível realizar todas essas tarefas com uma interface gráfica simples. O programa suporta tanto o Ubuntu 14.04, como o recém lançado 14.10.

UbuTricks é uma aplicação útil que permite instalar aplicativos que não estão presentes nos repositórios oficiais do Ubuntu, com um único clique. O programa é na verdade um script simples que irá instalar 50 programas não incluídos nos repositórios oficiais do Ubuntu.

Entre as várias aplicações disponíveis com UbuTricks estão o Google Earth, PeaZip, Cinnamon, Fotoxx, LibreOffice, o navegador Pale Moon e QupZilla, Wine e PlayOnLinux e muitos outros.

A ferramenta irá baixar os arquivos deb necessários ou adicionar o repositório PPA automaticamente. Tudo que o usuários precisa fazer é simplesmente selecionar os vários aplicativos para instalar ou atualizar, e finalmente, confirmar a instalação.

Conheça melhor o instalador de aplicativos UbuTricks

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o instalador de aplicativos UbuTricks no Ubuntu e derivados

Para instalar o instalador de aplicativos UbuTricks no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se não tiver no seu sistema, instale o aplicativo Gksu, com este comando:

sudo apt-get install gksu

Passo 3. Baixe o script de instalação do UbuTricks com o comando a seguir;

wget http://www.tuxarena.com/intro/files/ubutricks.sh

Passo 4. Depois de baixar, torne o script executável com o comando abaixo:

chmod +x ubutricks.sh

Passo 5. Execute o script, usando o comando abaixo:

./ubutricks

Passo 6. Na primeira tela, clique no botão “OK”, para continuar;
ubutricks-1
Passo 7. A seguir, marque a versão do Ubuntu você está usando e clique no botão “OK”;
ubutricks-2
Passo 8. Na tela principal do UbuTricks, apenas marque os programas que deseja instalar e depois clique no botão “OK”, para ele começar a fazer seu trabalho;
ubutricks-3
Passo 9. Será pedida a senha de administrador para executar as mudanças necessárias a instalação dos programas, informe-a e clique no botão “OK”;
ubutricks-4
Passo 10. Qunado terminar o processo, o programa exibirá uma mensagem avisando. Clique no botão “OK”.
ubutricks-5
Pronto! Quando quiser, inicie o programa novamente e instale os programas que precisa.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

23 de outubro de 2014

Opencast #39 – Netflix e Android Pirulito

opencast-39-netflix-android-pirulito

Olá galera, o Opencast está de volta mais uma vez e agora temos algumas novidades. Se tudo der certo, e é o que parece porque estou postando este episódio, o Opencast passará a ser semanal mas com o tempo reduzido.

Neste tempo que ficamos em um hiato, eu(Ivan) não fiquei parado e dei uma estudada na edição e consegui acelerar bastante o processo.

Vamos logo ao episódio. Neste episódio Ivan, Diego e Og Maciel falamos um pouco sobre o Netflix e sua chegada ao Linux de vez, mesmo nos obrigando a utilizar o Google Chrome, mais uma cidade Alemã que migrou para Linux, Ubuntu 14.10, aniversário de 10 anos do Ubuntu, Android Pirulito e outra cositas mais.

Lembramos a todos que este é o último episódio do Opencast a ser publicado no ubuntero.com.br e tecnologiaaberta.com.br. Os próximos episódios serão publicados exclusivamente no tecnologiaaberta.com.br. Quem assinou o feed pelo link do iTunes, não precisa fazer nada, eu consegui o impossível e mudei o domínio do feed sem mudar o feed do iTunes.

Se você é do Rio Grande do Sul ou Santa Catarina e precisa de serviços de cabeamento estruturado, câmeras de segurança dentro do padrão de cabeamento estruturado, nobreaks(venda e manutenção), som ambiente, equipamentos de informática de padrão corporativo ou ainda consultoria na área de T.I., não deixe de entrar em contato com nosso patrocinador Dataware pelo telefone (54) 3712 0177.

Links do episódio

Twitter: @tecnologiaabert

Facebook: http://www.facebook.com/tecnologiaaberta

Google+: Tecnologia Aberta

Youtube: Tecnologia Aberta

E-Mail: opencast@tecnologiaaberta.com.br

Feed do Opencast: http://tecnologiaaberta.com.br/feed/opencast/

iTunes: http://itunes.apple.com/br/podcast/id424732898

Créditos das músicas usadas neste programa:
Josh Woodward

Olá galera, o Opencast está de volta mais uma vez e agora temos algumas novidades. Se tudo der certo, e é o que parece porque estou postando este episódio, o Opencast passará a ser semanal mas com o tempo reduzido. Neste tempo que ficamos em um hiato, eu(Ivan) não fiquei parado e dei uma estudada na edição e consegui acelerar bastante o processo. Vamos logo ao episódio. Neste episódio Ivan, Diego e Og Maciel falamos um pouco sobre o Netflix e sua chegada ao Linux de vez, mesmo nos obrigando a utilizar o Google Chrome, mais uma cidade Alemã que migrou para Linux, Ubuntu 14.10, aniversário de 10 anos do Ubuntu, Android Pirulito e outra cositas mais. Lembramos a todos que este é o último episódio do Opencast a ser publicado no ubuntero.com.br e tecnologiaaberta.com.br. Os próximos episódios serão publicados exclusivamente no tecnologiaaberta.com.br. Quem assinou o feed pelo link do iTunes, não precisa fazer nada, eu consegui o impossível e mudei o domínio do feed sem mudar o feed do iTunes. Se você é do Rio Grande do Sul ou Santa Catarina e precisa de serviços de cabeamento estruturado, câmeras de segurança dentro do padrão de cabeamento estruturado, nobreaks(venda e manutenção), som ambiente, equipamentos de informática de padrão corporativo ou ainda consultoria na área de T.I., não deixe de entrar em contato com nosso patrocinador Dataware pelo telefone (54) 3712 0177. Links do episódio Netflix chegou no Ubuntu Netflix já funciona no Ubuntu sem necessidade de hacks Suse no lugar do XP na Alemanha Android Pirulito Ubuntu 14.10 Anunciado o nome do Ubuntu 15.04 Unity 8 no Ubuntu 16.04 10 anos do Ubuntu Hack ‘n’ Cast Twitter: @tecnologiaabert Facebook: http://www.facebook.com/tecnologiaaberta Google+: Tecnologia Aberta Youtube: Tecnologia Aberta E-Mail: opencast@tecnologiaaberta.com.br Feed do Opencast: http://tecnologiaaberta.com.br/feed/opencast/ iTunes: http://itunes.apple.com/br/podcast/id424732898 Créditos das músicas usadas neste programa: Josh Woodward

Como Instalar o Adobe Flash Player no Ubuntu 14.10

Se você instalou o Ubuntu 14.10 e quando foi navegar na web percebeu que estava faltando o Adobe Flash Player para poder acessar algumas páginas, veja aqui como instalar esse plugin.
instalar adobe flash player ubuntu 1404
Adobe Flash Player é um plugin para navegador e um aplicativo com tempo de execução e muitos recursos para a Internet que oferece uma experiência web mais rica. Neste rápido tutorial, Você verá como instalar o Adobe Flash Player no Ubuntu 14.10, para o Firefox e outros navegadores. Se você estiver usando o Google Chrome, o flash player já está instalado por padrão.

Identificando se o Ubuntu é de 32-bits ou 64-bits

Antes de iniciar a instalação, verifique se o seu sistema é de 32-bits ou 64-bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

adobe flash detalhes

Instalando o Adobe Flash Player no Ubuntu 14.10de 32-bits

Se você estiver usando um Ubuntu de 32-bits, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 3. Em seguida, instale o Adobe Flash no Ubuntu com o comando:

sudo apt-get install flashplugin-installer.

Passo 4. Isso irá extrair a biblioteca Flash player 32-bit do pacote adobe-flashplugin (que é obtido a partir http://archive.canonical.com/) e configurá-la como padrão para navegadores de Internet.

Instalando o Adobe Flash Player no Ubuntu 14.10

Como o pacote “flashplugin-installer” instala uma versão de 32 bits do Flash e uma biblioteca de compatibilidade relacionada que pode ser mais lenta e menos estável, para sistemas de 64-bits é recomendado para instalar o pacote adobe-flashplugin do repositório de parceiros da Canonical. Para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra a opção “Programas e atualizações” de “Configurações do sistema” do Unity e marque os repositórios “Parceiros da Canonical”, na guia “Outros programas”
adobe flash
Passo 2. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Instale Adobe Flash no Ubuntu com o comando:

sudo apt-get install adobe-flashplugin

Pronto! Depois disso, basta abrir o navegador e começa a usar.


Entenda melhor essa história


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar um menu de aplicativos estilo Gnome no Ubuntu 14.10

Se na hora de executar programas você prefere usar um menu, em vez da busca do Unity Dash, então experimente instalar o Classic Menu Indicador no Ubuntu 14.10, que fornece um menu de aplicativos estilo Gnome.
classic-gnome-menu
Classic Menu Indicador é um applet da área de notificação para o painel superior do ambiente Unity do Ubuntu. Ele fornece uma maneira simples de obter um clássico menu do aplicativo no mesmo estilo do GNOME, para aqueles que não gostam do Unity Dash e preferem usar menus para executar aplicativos.

Conheça melhor o Classic Menu Indicador

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o Classic Menu Indicadorr no Ubuntu e derivados

Para instalar o Classic Menu Indicador no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Baixe o pacote de instalação do programa com o comando abaixo:

wget http://ppa.launchpad.net/diesch/testing/ubuntu/pool/main/c/classicmenu-indicator/classicmenu-indicator_0.09-1_all.deb

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i classicmenu-indicator_0.09-1_all.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Depois de instalado, você pode iniciar o programa digitando no Dash:classic, ou deixe ele ser iniciado automaticamente na próxima login.

Instalando um menu de aplicativos estilo GNOME em outras distribuições

Quem estiver usando outra distribuição, pode dar uma olhada no site do desenvolvedor do aplicativo acessando esse link. Lá tem um pacote com o código fonte do programa. Seguindo as instruções do site, é possível instalar ele em qualquer distribuição Linux.

Via ubuntuhandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançado Ubuntu 14.10 – baixe agora a imagem ISO do novo sistema

Nessa quinta-feira (23), será lançado oficialmente a versão final do tão aguardado Ubuntu 14.10. Se você estava na expectiva, é hora de baixar a nova versão do Ubuntu.
ubuntu 14.10 Utopic Unicorn
O Ubuntu 14.10 é composto suas versões principais (Ubuntu Desktop, Ubuntu Server e Ubuntu Core) e suas variantes Kubuntu, Edubuntu, Lubuntu
, Ubuntu Studio
, Ubuntu GNOME
, UbuntuKylin, 
Xubuntu
, Mythbuntu e outros mais.

Até o momento ele ainda não está disponível para download, mas dentro de algumas horas estará. Se você estiver com pressa, já é possível acessar as páginas de download do Ubuntu. 14.10 e suas variantes através dos links a seguir. Esse são os link oficiais, mas vale observar que essas páginas ainda estão sendo atualizadas e por isso, ainda pode aparecer a página do beta 2, uma página de manutenção ou um erro de página não encontrada. Portanto, se quando você entrar não página ainda não estiver atualizada, volte ao endereço mais tarde.

Faça o download do Ubuntu 14.10

Se você quiser instalar o sistema, baixe a imagem ISO, através dos links a seguir:

Ubuntu Desktop e Server

Ubuntu Cloud Server

Ubuntu Netboot

Ubuntu Core

Edubuntu DVD

Kubuntu

Lubuntu
Ubuntu Studio

Ubuntu GNOME

UbuntuKylin

Xubuntu

Mythbuntu

Como gravar a imagem ISO do Ubuntu 14.10

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esses tutoriais que já foram publicados no blog:

Como gravar uma imagem ISO no Ubuntu

Como atualizar do 14.04 para o 14.10

Quem precisar atualizar do 14.04 para o 14.10, basta seguir esses tutoriais:
Desktop

Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10

Como atualizar o Ubuntu Server para uma nova versão

Conheça as novidades do Ubuntu 14.10

A medida que forem publicadas as informações sobre as novidades do Ubuntu 14.10, publicarei nesse post, até lá, para saber mais detalhes sobre o lançamento do Ubuntu, acesse essa nota de lançamento com informações parciais.
E para ver as notas de lançamento para os derivados oficiais do sistema, acessem os links abaixo:

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Coisas para fazer depois da instalação do Ubuntu 14.10: instalar Java, codecs e ativar a reprodução de DVD encriptado

Nenhum sistema vem com tudo que precisamos, por isso, depois de atualizar ou instalar o Ubuntu 14.04, é preciso fazer aqueles “pequenos” ajustes no sistema. Para começar, que tal instalar o Java, alguns codecs e ativar a reprodução de DVD encriptado? Mas não esqueça, fique de olho no blog e acompanhe as outras dicas que virão nos próximos dias.
java codecs
Nessa primeira dica da série “Coisas para fazer depois da instalação do Ubuntu 14.04″, será mostrado como instalar codecs, Java e o suporte a reprodução de DVD encriptado. São três coisas bem básicas, mas que por diversos motivos, infelizmente não veem instaladas no Ubuntu.

Instalando codecs no Ubuntu 14.10

Devido a restrições legais em muitos países, o Ubuntu não vem por padrão com codecs multimídia para reproduzir MP3, filmes e DVDs. Por isso, para ser capaz de reproduzir a maioria dos formatos de áudio e vídeo, instale o pacote Ubuntu Restricted Extras, abrindo um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T) e usando o seguinte comando:

sudo apt-get install ubuntu-restricted-extras

Ao instalar o pacote, ele irá puxar o suporte para reprodução de MP3 e decodificação, suporte para vários outros formatos de áudio e vídeo como MP4, AVI, RMVB, WMV e mais, fontes da Microsoft, plugin do Flash, LAME (para criar arquivos de áudio comprimido), e reprodução de DVD.

Sugiro instalar também as versões irrestritas de libavformat e libavcodec, assim você não encontrará problemas com codecs em falta ao tentar usar alguns editores de vídeo ou transcodificadores (transcoders). Você pode instalá-los, abrindo um terminal e usando o seguinte comando:

sudo apt-get install libdvdread4 libav-tools

Instalando o suporte a reprodução de DVD encriptado no Ubuntu 14.10

Para ativar o suporte a reprodução de DVD encriptado é necessário instalar a biblioteca livdvdcss, para isso, abra um terminal e faça o seguinte:
Passo 1. Instale a biblioteca libdvdread com o seguinte comando:

sudo apt-get install libdvdread4

Passo 2. Execute o script de instalaçao da livdvdcss com o seguinte comando:

sudo /usr/share/doc/libdvdread4/install-css.sh

Instalando Java no Ubuntu 14.10

Você também pode precisar de Java, mas antes, tem que descobrir o que você precisa.

A maioria dos usuários só precisam do OpenJRE e o plugin Java para o navegador que você pode instalar abrindo um terminal e usando o seguinte comando:

sudo apt-get install icedtea-7-plugin openjdk-7-jre

Para o desenvolvimento, você também vai querer instalar o OpenJDK que você pode instalar abrindo um terminal e usando o seguinte comando:

sudo apt-get install openjdk-7-jdk

Se, por várias razões, for necessário o Java da Oracle (o pacote inclui JDK, JRE e o plugin para o navegador), você pode instalar o Oracle Java 8, fazendo o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se você já tiver instalado o OpenJDK, remova ele executando o seguinte comando:

sudo apt-get purge openjdk*

Passo 3. Se ainda não tiver, adicione esse repositório com o seguinte comando:

sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/java

Passo 4. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Instale o programa com o comando:

sudo apt-get install oracle-java8-installer

Passo 6. Depois de executar o instalador, basta concordar com os termos de uso e finalmente baixar e instalar o Java;
Passo 7. Se for necessário configurar automaticamente as variáveis ​​de ambiente Java e tornar o Oracle Java 8 como padrão do sistema (se quiser, você pode substituir o número 8 com 6 ou 7), você pode instalar o seguinte pacote:

sudo apt-get install oracle-java8-set-default

Entenda melhor essa história


Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Removedor de metadados de arquivos de mídia: instale e experimente MAT

Se você quer ter mais privacidade, instale o removedor de metadados de arquivos de mídia MAT.
removedor de metadados Mat in Ubuntu
MAT (Metadata Anonymisation Toolkit), é um software útil que permite remover facilmente metadados de diversos arquivos de mídia, de forma a manter a nossa privacidade.

Quando você tirar uma foto com seu smartphone ou câmera digital, o dispositivo guarda dentro da imagem metadados, que incluem informações úteis, tais como a data, local, informações sobre o dispositivo e tec. Metadados também podem estar presentes em documentos, arquivos vídeo, arquivos compactados, etc, e muitas vezes são usados ​​para facilitar a procura, embora em alguns casos isso possa comprometer a sua privacidade. Metadados Exemplo imagens compartilhadas pode dizer bem ou mal a nossa história, por exemplo, para incluir datas e o local, se você quiser, mesmo quando elas foram tiradas.

Felizmente, para remover todas essas informações e garantir maior privacidade, é possível usar para fazer MAT, um simples software de código aberto para Linux. Através do MAT é posssível remover metadados de imagens JPEG e PNG, documentos em Open Document Format (odt, .odx, .ods, …), o Office OpenXML (docx, pptx, xlsx, etc) e PDF, ou em arquivos compactados ZIO ou arquivos de áudio e vídeo em MPEG, Ogg Vorbis e FLAC.

Conheça melhor o removedor de metadados de arquivos de mídia MAT

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o removedor de metadados de arquivos de mídia MAT no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Mat no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install mat

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:mat

MAT também está disponível para Arch Linux via AUR.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

22 de outubro de 2014

Lançada a Cairo Dock 3.4

Foi lançada a versão 3.4 da famosa Cairo-Dock. Veja aqui como instalar ela.
cairo-dock-1
Cairo Dock é uma barra para desktop rápida e personalizável, que pode ser usada como um complemento ao Unity e Gnome-Shell ou como uma alternativa ao painel do Xfce e KDE.

A Cairo Dock fica no centro de sua área de trabalho, o que além de lhe dar uma barra de tarefas poderosa, permite monitorar e controlar seus aplicativos favoritos: players de música, mensageiros, twitter, torrents downloaders, feeds RSS, calendário/tarefas, tempo e checador de e-mail. A barra também inclui muitos plugins/applets, tais como: tempo, relógio, Messaging Menu, monitor do sistema, indicadores de teclado, ícones personalizados, área de notificação, gerenciador da área de transferência e muitos outros plugins.

cairo-dock-1-1

Nessa versão, os menus já podem ser personalizados, o estilo de todos os componentes da dock foi unificado, a barra agora tem um integração melhor com o Compiz e Cinnamon, as aplicações de menu e applets irão esperar o fim de uma atualização antes de exibir notificações, foram feitas várias melhorias para o menu de aplicativos, atalhos, Status-Notifier e applets de Terminal, foi iniciado o suporte a EGL e Wayland e como sempre … foram feitas várias correções de bugs e melhorias!

cairo-dock-configuracao

Conheça melhor a Cairo Dock

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais detalhes sobre essa versão, veja o anuncio oficial.

Instalando a Cairo-Dock em outras distribuições

Quem estiver usando outra distribuição, pode dar uma olhada no site do desenvolvedor do aplicativo acessando esse link. Lá tem as instruções, e se for o caso, o pacote para instalar ele em outras distribuições Linux. Apesar de estar em inglês, as instruções são bem simples. Se quiser, você pode tentar uma versão traduzida clicando aqui. Caso existam comandos a serem executados nas instruções, lembre-se que eles não devem ser traduzidos.

Como instalar a Cairo Dock 3.4 no Ubuntu e seus derivados

Para instalar a Cairo Dock 3.4 no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:cairo-dock-team/ppa

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install cairo-dock cairo-dock-plug-ins

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:cairo

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançado o programa planetario Stellarium 0.13.1

O programa planetário Stellarium chegou recentemente a versão 0.13.1 com novos recursos e algumas correções. Se você gosta desse tipo de aplicação, veja aqui como instalar ela no Ubuntu.
programa planetario stellarium
Stellarium é um software planetário livre e de código aberto disponível para Linux, Windows e Mac OS X. Ele usa OpenGL para renderizar uma projeção realista do céu noturno em tempo real, assim como o que você vê a olho nu, com binóculos ou telescópio. O programa também pode ser usado em projetores de planetários. Basta definir suas coordenadas e ir embora.

Stellarium possui um catálogo padrão de mais de 600.000 estrelas e um catálogo extra com mais de 210 milhões de estrelas, asterismos e ilustrações das constelações, constelações de 19 culturas diferentes, imagens de nebulosas (catálogo completo Messier), uma visão realista da Via Láctea, atmosfera muito realista, nascer e pôr do sol, os planetas e seus satélites.

A interface do programa é multilíngüe e permite fazer um zoom poderoso, fazer projeção fisheye para cúpulas de planetários, projeção espelho esférico para a sua própria cúpula de baixo custo, ter amplo controle de teclado, controle do telescópio e controle de tempo.

Conheça melhor o programa planetário Stellarium

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para conhecer as novidades dessa versão, acesse esse link.

Como instalar o programa planetário Stellarium no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o programa planetário Stellarium no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:stellarium/stellarium-releases

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install stellarium

Uma vez instalado, inicie o programa digitando no Dash:stellarium

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

21 de outubro de 2014

Lançado Tor Browser 4.0: Instale no Ubuntu

Foi lançado recentemente o Tor Browser 4.0, com importantes atualizações de segurança para Firefox e SSLv3 desativado, devido ao ataque POODLE.
tor browser 4.0
Tor, The Onion Router, é uma rede de túneis virtuais que permite que os usuários se comuniquem de forma segura, bem como anonimamente através da Internet. O programa permite que organizações e indivíduos partilhem informação através de redes públicas sem comprometer a sua privacidade. Podemos usar o Tor para evitar que sites nos rastreiem e também nossos familiares, ou para se conectar a sites de notícias, serviços de mensagens instantâneas, ou a sites que são bloqueados pelos provedores de Internet e administradores de rede.

Para aqueles não estão familiarizados com o Tor Browser, ele traz um navegador baseado no Firefox ESR (Firefox com suporte estendido), configurado para proteger a privacidade e anonimato dos usuários usando Tor, que vem junto com ele. Em tempos de governos monitorando a vida até de presidentes e cidadãos, Tor é um ótima opção para ter mais privacidade.

Esta versão traz importantes atualizações de segurança para o Firefox. Além disso, devido ao ataque POODLE, o SSLv3 vem desativado nesta versão. Outra mudança voltada para o usuário que vem da série 3.6, é a transição para o Firefox 31 ESR. Mais importante para os usuários censurados que estavam usando 3.6, a série 4.0 apresenta também a adição de três versões do meek pluggable transport.

Conheça melhor o Tor Browser

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Instalando o Tor Browser 4.0 no Ubuntu 14.04 e derivados

Para instalar o Tor Browser 4.0 no Ubuntu 14.04 e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T;
Passo 2. Se ainda não tiver o repositório e estiver usando um sistema de 32-bits, adicione ele com o comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:webupd8team/tor-browser 

Passo 3. Atualize o APT usando o comando abaixo:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install tor-browser

Passo 5. Caso seja necessário, torne seu usuário proprietário da pasta do programa:

sudo chown $USER -Rv /usr/bin/tor-browser/

Depois de instalado, você pode executar o programa digitando no Dash: tor

Ao executar o programa, clique no botão “Connect” para que ele prepare tudo e inicie o navegador.tortor

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Instalando o ambiente Budgie Desktop no Ubuntu 14.04/14.10

Se o que você precisa é de um ambiente gráfico leve, experimente instalar a nova versão do ambiente Budgie Desktop no Ubuntu 14.04/14.10 e seus derivados.
ambiente-budgie-desktop
Budgie é o ambiente desktop padrão da distribuição Linux Evolve OS, uma nova distribuição Linux desktop. Ele possui um único painel que, quando iniciado, utiliza quantidades triviais da RAM (em torno de 7MB). O ambiente foi projetado para o usuário moderno e é focado no desktop mínimo, elegante e simples.

O ponto principal deste ambiente é que ele não é um fork que surgiu a partir de qualquer outro projeto, mas sim um software escrito a partir do zero com a integração em mente, usando GTK e Vala ou C. Observe também que Budgie agora pode imitar a aparência do desktop GNOME 2, opcionalmente, através de um ajuste nas preferências do painel.

O agora pode ser instalado no Ubuntu, Arch, Fedora e openSUSE. Se você teve problemas ao instalar a versão anterior do ambiente no Ubuntu, a boa noticia é que aparentemente parece que ele está funcionando muito bem.

Conheça melhor o ambiente gráfico Budgie

Para saber mais sobre esse ambiente, clique nesse link.

Como instalar o ambiente Budgie Desktop no Ubuntu 14.04/14.10 e seus derivados

Para instalar o ambiente Budgie Desktop no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:evolve-os/ppa

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install budgie-desktop

Saia da sessão atual e quando aparecer a tela de login, clique no circulo que fica ao lado do nome de usuário e escolha o Budgie Desktop. Depois, entre com seu usuário e senha e comece a experimentar o ambiente.
budgie-2

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Anunciado o codinome da próxima versão do Ubuntu (15.04): Vivid Vervet

Faltando poucos dias para o lançamento oficial da versão 14.10 do sistema, Mark Shuttleworth anunciou o codinome para a próxima versão do Ubuntu (15.04): Vivid Vervet .
vervet
Entre as particularidades do Ubuntu, existe um codinome especial que é atribuído a cada nova versão e que é dedicado a um animal cujo nome começa com a letra sempre progressiva. Por exemplo, o Ubuntu 14.04 ganhou o codinome Trusty Thar (TT), enquanto o Ubuntu 14.10 Utopic Unicorn (UU), enquanto na versão futuro 15.04 será Verve Vivid (VV), ou seja, o nome de código para o Ubuntu 15.10 será iniciado com Z.

O codinome de uma versão de desenvolvimento do Ubuntu tem a forma “Animal Adjetivo”. Inicialmente estes não estavam em ordem alfabética – até o Dapper Drake (6.06). Para obter uma lista de codinomes usados ​​nas versões anteriores do Ubuntu e futuras sugestões de libertação, veja esta página.

No anúncio, Mark justificou a escolha com a seguinte frase:

Vexatórios, às vezes, voadores em voga em outros, um vervet fica em qualquer lugar e se deleita em provocar os cães e gatos da mesma forma. Como o macaco novato neste negócio que eu posso pensar em melhor mascote. E assim, vamos lançar o nosso ciclo vicenary, nosso varlet verist, o Verve Vivid!

Segundo a Wikipedia, o vervet é um macaco nativo da África, que foi introduzido nos EUA, Cuba, Jamaica e República Dominicana, entre outros. Vervets vivem em grupos sociais que variam de 10 a 70 indivíduos, eles têm rostos negros e cor do cabelo corpo cinza e “eles têm sido conhecido por ter características semelhantes a humanos, tais como hipertensão, ansiedade, uso social e dependência de álcool”. Será que o próximo Ubuntu promete ser problemático?

O novo “Vivid Vervet” (Vervet Animado, ou algo assim) atualmente não tem nenhuma novidade conhecida, provavelmente os desenvolvedores estarão trabalhando principalmente com o novo ambiente Unity 8 e com o servidor gráfico Mir, aguardando a chegada do suporte para os drivers proprietários da Nvidia e AMD nos próximos meses.

Assim como o Ubuntu 14.10, o Ubuntu 15.04 provavelmente também será lançado com Unity 7, por padrão, enquanto a ISO estará disponível com Unity 8 e Mir, para testar o novo ambiente de desktop e o novo servidor gráfico open source.

Saiba mais sobre o codinome da próxima versão do Ubuntu (15.04): Vivid Vervet

Para saber mais detalhes, leia o anúncio oficial.

E você? Gostou do codinome do Ubuntu 15.04?

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

20 de outubro de 2014

Vivid Vervet será o nome do Ubuntu 15.04

vervet4-small

Como de costume, nem foi lançada a versão final do Ubuntu 14.10 e já temos o nome da próxima versão. O nome escolhido por Mark Shuttleworth foi “Vivid Vervet”.

O Ubuntu 15.04 será lançado em abril de 2015 e já sabemos que não trará o Unity 8 com o servidor gráfico Mir por padrão. Vamos esperar para ver o que esta versão nos trará de novidades além do mascote, já que a versão 14.10 está bem decepcionante em novidades.

Ubuntu Day Hortolândia 2014

Dia 29 de novembro acontecerá em Hortolândia o Ubuntu Day Hortolândia 2014, realizado pela comunidade oficial Ubuntu no Estado de São Paulo (LoCo Team Ubuntu São Paulo). O evento tem como objetivo a troca de informações e partilha de conhecimento de forma livre e aberta a todos.

A primeira edição do evento foi no ano de 2013 na sede social do Sport Club Corinthias, na cidade de São Paulo, o Ubuntu Day marcou a reestruturação da comunidade Ubuntu com as demais comunidades de Software Livre e Open Source. Neste ano, o Ubuntu Day será realizado na cidade de Hortolândia, no Instituto Federal São Paulo Campus Hortolândia. Hortolândia é uma cidade pertencente à região metropolitana de Campinas e sede de importantes empresas no segmento de tecnologia, dentre elas IBM e DELL. Formatado de maneira modular, o Ubuntu Day é um evento a ser levado para todo o estado de São Paulo, de forma a garantir a inclusão das comunidades distantes da capital.

Contando com a presença de palestrantes de grande representatividade no cenário de Software Livre e Open Source, o Ubuntu Day Hortolândia 2014 terá a presença de representantes da Fundação Mozilla e Fedora, além de diversos colunistas de portais online como Seja Livre e iMasters.

O evento é aberto ao público e tem entrada gratuita, devendo o interessado apenas fazer sua inscrição no endereço www.ubuntubrsp.org/ubuntuday para reservar a vaga.

Alternativa ao Microsoft Project: Instale o RationalPlan

Se você procura uma alternativa ao Microsoft Project no Linux, experimente instalar o gerenciador de projetos RationalPlan.
rationalplan alternativa ao microsoft project
RationalPlan é um produto alternativo para o Microsoft Project, que é o software de gerenciamento de projeto que segue as orientações gerais recomendadas para o domínio de gerenciamento de projeto. o objetivo deste software para ajudar os gerentes de projeto para concluir seus projetos dentro do prazo e do orçamento, para tornar o processo de planejamento de projetos tão curtos e tão simples quanto possível, orientando os gerentes de projetos iniciantes através de cada passo, m mas oferecendo ferramentas suficientes para aqueles mais experientes. O programa está disponível para Linux, Mac OS e Windows.

A Versão Single Project do RationalPlan lida com projetos independentes que não requerem nenhum tipo de recursos compartilhados, vínculos entre tarefas de projetos diferentes. Ele permite programar e controlar projetos independentes individualmente. Tem características semelhantes e o poder de Microsoft Project, com layout simples e muito organizado. Você pode importar e exportar seus arquivos do Microsoft Project para o gerenciador de projetos RationalPlan e trabalhar neles sem qualquer problema.

Conheça melhor o gerenciador de projetos RationalPlan

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver instalado em seu sistema, instale o Java com este comando ou seguindo os passos desse tutorial:

sudo apt-get install openjdk-7-jre

Passo 3. Baixe o pacote DEB do programa usando estes comando:

wget -O rationalplan-single.deb http://www.rationalplan.com/download/rationalplan-single-4.9.4.deb

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo dpkg -i rationalplan-single.deb

Passo 4. Se for necessário, o comando a seguir para instalar as dependências do programa;

sudo apt-get install -f

Uma vez instalado, inicie o programa digitando rationalplan no Dash ou em um terminal.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Sabia que é possível adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity? Veja aqui como fazer isso, de um jeito bem simples.
atalho-3
Entre os muitos recursos incluídos no Unity, o ambiente gráfico padrão no Ubuntu, a barra lateral (ou lançador) é o recurso que permite iniciar rapidamente as aplicações favoritas dos usuários. No entanto, muitos usuários utilizam o lançador oculto, o que as vezes dificulta iniciar aplicações rapidamente. Nesse caso, a melhor solução é criar um atalho na área de trabalho no estilo dos outros ambientes ou do Windows e OS X.

Por padrão, o Ubuntu não inclui nenhuma opção para adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho. Mas é possível fazer isso usando o gerenciador de arquivos Nautilus para acessar a pasta /usr/share/applications/, onde estão os vários atalhos do menu/dash.

Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Para adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Use o gerenciador de arquivos Nautilus para acessar a pasta /usr/share/applications/ ou se preferir, abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T) e digite este comando:

nautilus /usr/share/applications/

Passo 3. Clique como o botão direito sobre o atalho do programa. No menu que aparece, clique na opção “Copiar para…”;
atalho-1
Passo 4. Será exibida a janela “Selecionar destino”, nela, clique na opção “Área de trabalho” (ou “Desktop”). Em seguida, clique no botão “Selecionar”;
atalho-2

Pronto! No final, o atalho já estará disponível em sua área de trabalho. Repita o processo para todos os programas que quiser, mas tome cuidado para não deixar o desktop superlotado e bagunçado.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

19 de outubro de 2014

Resumo semanal – 13/10/2014 a 19/10/2014

Você sabia que a distribuição BackBox Linux 4.0 já está disponível para download ou que o Notepadqq é praticamente um clone do Notepad++? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essas postagens, mas não se preocupe, leia o resumo semanal do blog e se atualize.
resumo semanal
Já sabe como instalar o mini aplicativo leitor de feeds feeder no Linux? Ou que o jogo de estratégia 0 A.D. Alpha 17 já está disponível para download e que foi lançado o ambiente gráfico LXQt 0.8.0 com compatibilidade completa com Qt 5? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

Resumo semanal do Blog do Edivaldo de 13/10/2014 a 19/10/2014

13/10/2014

14/10/2014

15/10/2014

16/10/2014

17/10/2014

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04


Atualizando o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10 beta final

Agora, se você já quer experimentar a próxima versão do Ubuntu, veja esse tutorial com vídeo:
Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10 beta final

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Planeta Ubuntu Brasil

O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


Última atualização:
31 de outubro de 2014, 15:56
Horário UTC

Planet ATOM
RSS10 RSS20
OPML FOAF

Blogs inscritos


© 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.