24 de fevereiro de 2017

Estressando CPU, memória RAM e disco rígido com stress-ng no Ubuntu

Precisando testar até onde vai a estabilidade de seu PC? Para fazer isso, instale e use a ferramenta de stress stress-ng.


stress-ng é uma ferramenta com a qual podemos literalmente “estressar” o processador, memória RAM, disco rígido, sdd e outros componentes do PC, usando apenas o terminal do Linux.

Estressando CPU, memória RAM e disco rígido com stress-ng no Ubuntu

Existem muitos usuários que utilizam programas para “estressar” o computador pessoal, que é uma operação útil, pois permite verificar se o PC permanece estável e confiável em qualquer tipo de uso.

Graças a esse tipo de ferramenta, é possível colocar uma pressão sobre o processador, placa de vídeo, disco rígido e etc, para garantir que tudo está funcionando corretamente.

As características especiais do stress-ng, permitem a realização de testes específicos para cada componente. Com isso dá para lidar com a carga de trabalho da CPU, operando em velocidade de leitura e escrita de nosso disco rígido ou sdd etc ..

O stress-ng possui muitas opções dedicadas que permitem realizar teste direcionados para cada componente individual. Com isso é possível, por exemplo gerenciar cargas de trabalho de CPU, operações de leitura e escrita, velocidade do disco rígido ou sdd e etc.

Conheça melhor a ferramenta de stress stress-ng

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a ferramenta de stress stress-ng

stress-ng é uma ferramenta incluída nos repositórios oficiais do Debian SID, Jessie e 8 e Ubuntu. Para as versões anteriores, você pode baixar o pacote DEB que está disponível na página do programa ou no caso do Ubuntu e seus derivados, você pode fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:ferramroberto/lffl

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install stress-ng

Como instalar a ferramenta de stress stress-ng manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Como usar a ferramenta de stress stress-ng

Depois de instalado, para usar o programa, abra um terminal e use esse exemplo recomendado pelo desenvolvedor do projeto:

stress-ng --cpu 1 --vm 1 --hdd 1 --fork 1 --switch 1 --timeout 10 --metrics

Para conhecer todas as opções disponíveis, basta digitar:

stress-ng -h

Gostou da ferramenta? Comente como foi a sua experiência!

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar a versão multiplataforma do IRPF 2017 no Linux manualmente

Como instalar a versão multiplataforma do IRPF 2017 no Linux manualmente

Se você teve dificuldade para instalar o IRPF usando arquivos .bin, veja como instalar o IRPF 2017 no Linux manualmente, usando a versão multiplataforma.


Chegou a hora de acertar as contas com a Receita. E para começar a fazer sua declaração no Linux é preciso apenas instalar o programa gerador da declaração (IRRF), que está disponível na página da Receita Federal em versões para vários sistemas.

Como instalar o IRPF 2017 no Linux manualmente

Nesse tutorial, você verá como fazer isso usando a versão multiplataforma (que é um arquivo .Jar), que permite instalar o IRPF em praticamente qualquer distribuição Linux.

Preparando o sistema para instalar o programa IRPF 2017 no Linux

Um dos pré requisitos para instalar o programa IRPF no Linux é a instalação do Java mais recente (de acordo com o feedback dos leitores, é recomendável usar a versão 8), para isso, veja os tutoriais abaixo:

Java no Ubuntu: veja como instalar o OpenJDK 8
Como instalar as versões 6, 7 ou 8 do Oracle Java no Ubuntu
Como instalar o Oracle Java 8 no Debian via repositório
Como instalar Java no Linux manualmente

Conheça melhor o IRPF 2017

Para saber mais sobre o IRPF 2017 e as informações necessárias ao preenchimento de sua declaração, clique nesse link.

Mais sobre o IRPF 2017

Como instalar a versão multiplataforma do IRPF 2017 no Linux manualmente

Para instalar a versão multiplataforma do IRPF 2017 no Linux manualmente, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se for necessário, caso já tenha feito alguma instalação manual e ainda não tenha cadastrado nada no programa, apague a pasta e o atalho anterior com esses comandos;

sudo rm -Rf /opt/irpf*
sudo rm -Rf /usr/share/applications/irpf.desktop

Passo 3. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão (selecionando a opção multiplataforma) e salve-o com o nome irpf.zip:

wget http://downloadirpf.receita.fazenda.gov.br/irpf/2017/irpf/arquivos/IRPF2017-1.0.zip -O irpf2017.zip

Passo 4 (Opcional) Caso tenha um erro relacionado a certificados (ERRO: não foi possível verificar o certificado de downloadirpf.receita.fazenda.g…, emitido por “/C=BR/O=ICP-Brasil/OU=Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB/CN=Autoridade Certificadora SERPRORFBv4”:);

wget --no-check-certificate http://downloadirpf.receita.fazenda.gov.br/irpf/2017/irpf/arquivos/IRPF2017-1.0.zip -O irpf2017.zip

Passo 5. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

sudo unzip irpf2017.zip -d /opt/

Passo 6. Renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/IRPF*/ /opt/irpf2017

Passo 7. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=irpf2017\n Exec=java -Xms128M -Xmx512M -jar /opt/irpf2017/irpf.jar\n Icon=/\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/irpf2017.desktop

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite java -Xms128M -Xmx512M -jar /opt/irpf2017/irpf.jar em um terminal, seguido da tecla TAB.

Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

sudo chmod +x /usr/share/applications/irpf2017.desktop
cp /usr/share/applications/irpf2017.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

cp /usr/share/applications/irpf2017.desktop ~/Desktop

Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Como remover o IRPF no Linux

Para remover o IRPF no Linux, basta fazer o seguinte.
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Apague a pasta e o atalho do programa com esses comandos;

sudo rm -Rf /opt/irpf*
sudo rm -Rf /usr/share/applications/irpf2017.desktop

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Ubuntu 17.04 Beta 1 já está disponível para download! Baixe agora!

Ubuntu 17.04 beta 1 já está disponível para download

Saiu o Ubuntu 17.04 beta 1, o primeiro beta do do Zasty Zapus, que será a próxima versão do sistema da Canonical. Conheça mais um pouco sobre ele e descubra onde baixar.


Quem gosta de experimentar novas versões do Ubuntu já pode baixar as imagens do Ubuntu 17.04 beta 1. A seguir veja o que há de novo no Ubuntu 17.04 beta 1, especialmente no Ubuntu Budgie, Xubuntu, Ubuntu GNOME e Kubuntu.

Imagens do Ubuntu 17.04 beta 1 já estão disponíveis para download

Novidades do Ubuntu 17.04 beta 1

De acordo com suas notas de lançamento, esse release não traz quaisquer alterações interessantes no Lubuntu, Ubuntu Kylin e Ubuntu Studio. Outros sabores, como o Ubuntu MATE, bem como o Ubuntu (com Unity) não participaram da versão beta 17.04.

Todos as variantes do Ubuntu 17.04 Zesty Zapus beta 1 incluem Xorg servidor 1.18.4, Mesa 13.0.4 (17.0.0 está disponível nos repositórios proposed) e o 4.10.0-8.10 Ubuntu Linux kernel, com base no upstream do kernel 4.10-rc8.

Ubuntu Budgie 17.04 beta 1

Ubuntu 17.04 Beta 1 já está disponível para download! Baixe agora!

Ubuntu Budgie é um novato entre os sabores oficiais do Ubuntu. No beta 1, essa variante beta 1 inclui o mais recente Budgie Desktop 10.2.9 juntamente com, GNOME 3.22, Budgie Welcome, AppIndicator agora é suportado por padrão, e Terminix é o emulador de terminal padrão.

Em comparação com o não oficial Budgie Remix, Ubuntu Budgie 17.04 beta 1 inclui algumas aplicações extras do GNOME por padrão. Entre as aplicações incluídas estão: Arquivos, Software, Livros, Documentos, Eye of GNOME (Image Viewer), Monitor de Sistema, Mapas, Clima, Calendário, Contatos e Discos.

Ubuntu GNOME 17.04 beta 1

Ubuntu 17.04 Beta 1 já está disponível para download! Baixe agora!

Ubuntu GNOME é um sabor do Ubuntu que tenta oferecer uma experiência GNOME pura. Ele usa o GNOME Shell como o shell padrão e por padrão é fornecido com a maioria dos aplicativos do GNOME.

Ubuntu GNOME 17.04 Zesty Zapus beta 1 inclui:
GNOME Shell 3.24 beta (3.23.90), que inclui o Night Light, um novo recurso que pode ser usado para reduzir automaticamente a luz azul emitida pela tela do computador ao pôr do sol ou sempre que você escolher;

O GNOME 3.24 beta vem misturado com o GNOME 3.22. Entre os pacotes GNOME 3.24 beta incluídos estão: GNOME Control Center/Configurações Daemon, Fotos, Vídeos (Totem), Mapas, Música e Discos. Há algumas aplicações que não foram atualizadas a partir da versão 3.20: Arquivos (Nautilus) e Terminal;

O aplicativo de software foi atualizado para a versão 3.22 e agora suporta Flatpak. Aliás, o Flatpack 0.8 vem instalado por padrão (snapd também está disponível).

Essab variante vem com o Chrome GNOME Shell instalado por padrão. Esse é um pacote que oferece suporte para a instalação de extensões de shell do GNOME do Google Chrome, Chromium e outros navegadores baseados em Chromium (Opera, Vivaldi).

O mecanismo de indexação de pesquisa de rastreador agora é sandboxed e a resolução DNS padrão agora é systemd-resolved.

Alguns aplicativos não são mais instalados por padrão: Brasero, Evolution, Seahorse e Xdiagnose. Porém, eles continuam disponíveis nos repositórios.

Para novas instalações, um arquivo de permuta será usado por padrão, em vez de uma partição de swap.

Xubuntu 17.04 beta 1

Ubuntu 17.04 Beta 1 já está disponível para download! Baixe agora!

Xubuntu 17.04 Zesty Zapus beta 1 inclui o Parole 0.9.0 (que vem com um mini-modo novo e algumas outras mudanças),
Thunar 1.6.11 (que vem com algumas correções de bugs, incluindo falhas ao cortar/colar vários arquivos, renomear arquivos e muito mais) Whisker Menu 2.1.0 (que agora suporta lançadores de edição a partir do menu de contexto, suporta ações de desktop e há uma opção para ocultar nomes de categoria), Xfce4 Task Manager (que agora inclui a capacidade de clicar na janela para selecionar o processo), além de várias outras atualizações de aplicativos.

Kubuntu 17.04 beta 1

Ubuntu 17.04 Beta 1 já está disponível para download! Baixe agora!

Kubuntu 17.04 O Zesty Zapus beta 1 inclui o KDE Applications 16.12.1 e Plasma 5.9.2 com poucas mudanças como visualizações interativas para as notificações da área de trabalho, o Gerenciador de Tarefas agora suporta a fixação de diferentes aplicativos em cada atividade, aplicações que reproduzem o áudio agora são marcadas no gerenciador de tarefa, similar a como é feito na maioria dos navegadores web.

Agora também é possível pode facilmente silenciar um aplicativo do menu de contexto do Gerenciador de Tarefas, o applet Quick Launch agora suporta jump actions.

O sistema teve a aparência melhorada, incluindo um design mais compacto e bonito para as barras de deslocamento da Breeze, os menus globais retornaram e há um novo módulo de configuração para conexões de rede.

Mais sobre o Ubuntu 17.04 beta 1

Para mais detalhes, dê uma olhada na nota de lançamento, acessando a nota de lançamento.

Conheça melhor a distribuição Ubuntu

Para saber mais sobre a distribuição Ubuntu, clique nesse link.

Cronograma de lançamento do Ubuntu 17.04 Zasty Zapus

De acordo com o cronograma de lançamento do Ubuntu Ubuntu 17.04 Zasty Zapus, a versão estável estará disponível em uma quinta-feira, no dia 13 de abril de 2017, e será suportado por apenas 9 meses, até julho de 2017.

Como em versões anteriores, nos dois primeiros Alpha e o Beta 1 serão lançadas imagens ISO apenas dos derivados oficiais do Ubuntu e somente o Beta Final e a partir do Release Candidate, uma imagem ISO com o Unity também estará disponível para download.

O cronograma de lançamento do Ubuntu 17.04 Zasty Zapus ficou assim:

Ubuntu 17.04 Alpha 1 – 29 de dezembro de 2016
Ubuntu 17.04 Alpha 2 – 26 de janeiro de 2017
Ubuntu 17.04 Beta 1 – 23 de fevereiro de 2017
Ubuntu 17.04 Beta 2 (final) – 23 de março de 2017
Ubuntu 17.04 Release Candidate – 13 de abril de 2017
Ubuntu 17.04 versão final – 21 de abril de 2017

Baixe e experimente o Ubuntu 17.04 Zasty Zapus beta 1

Antes de fazer qualquer coisa, esteja ciente de que versões alpha não são adequadas para quem necessita de um sistema estável ou não se sente confortável com os ocasionais, e até mesmo frequentes, bugs e quebras de sistema.

Se você quiser usar uma versão do Ubuntu que é suportada por mais tempo, use uma versão LTS (16,04 LTS)!

Ciente de tudo isso, se quiser experimentar o Ubuntu 17.04 Zasty Zapus beta 1, as imagens ISO já podem ser baixadas acessando os links abaixo:

Kubuntu
Lubuntu
Ubuntu Budgie
Ubuntu GNOME
Ubuntu Kylin
Ubuntu Studio

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação
Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

Se você não quer usar o navegador que veio na sua distribuição e quer usar outro como o padrão do sistema, veja como fazer para definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados.


A maioria das distribuições Linux são liberadas com o Mozilla Firefox, um dos navegadores de código aberto mais utilizados no mundo.

Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

Mas nos repositórios oficiais também existem outros navegadores com características muito diferentes uns dos outros, como o Chromium (versão open source do Google Chrome), Midori, Gnome Web (também chamado Epiphany), Rekonq ou Konqueror e etc, além dos proprietários Maxthon, Opera e vários outros.

A boa noticia é que se você não gosta de ter o Firefox definido como navegador padrão do sistema, basta instalar outro navegador em sua distribuição. Depois disso, você pode defini-lo como browser padrão na opção correspondente, que normalmente o próprio navegador oferece.

Infelizmente, essa operação nem sempre funciona corretamente.

Por exemplo, se o Google Chrome ou o navegador Chromium estiverem instalados, você irá notar que cada vez que o navegador é iniciado, ele exibe uma mensagem questionando se o usuário quer defini-lo como navegador padrão, mesmo quando ele já é.

Para resolver o problema, basta seguir os passos desse pequeno tutorial abaixo. A vantagem dessa abordagem é que você não depende de um navegador especifico, e sempre que você quiser mudar o navegador padrão, basta executá-la novamente.

Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

Para definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Defina o navegador padrão, digitando o comando a seguir e teclando “enter”:

sudo update-alternatives --config x-www-browser

Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

Passo 3. Digite o número do navegador e confirme.

No caso do Ubuntu, para definir o navegador padrão, você pode usar esse tutorial:
Como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu

Pronto! Agora sua distribuição irá usar como padrão o navegador que você escolheu, e sempre que precisar, você pode refazer a mudança.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu

Como instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu

Se você quer gerenciar ambientes de aplicações Ruby, veja aqui como instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu.


Ruby Version Manager (ou simplesmente RVM ) é uma ferramenta que gerencia ambientes de aplicações Ruby e permite alternar entre eles.

Como instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu

RVM não foi empacotado para as versões recentes do Ubuntu (ele só está disponível para o Ubuntu 12.04, mas essa é uma versão muito antiga) e para instalar ou atualizar ele, você deve executar um script.

Para facilitar as coisas, um leitor do site WebUpd8 e deste blog (Rael Gugelmin Cunha), empacotou o RVM para Ubuntu e disponibilizou em um PPA, para facilitar a instalação, e claro, receber as atualizações automáticas.

Rael informou que se alguém precisar reportar um bug, pode fazê-lo diretamente no repositório GitHub do projeto, acessando esse link

Conheça melhor o Ruby Version Manager

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo apt-add-repository ppa:rael-gc/rvm

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install rvm

Como instalar o Ruby Version Manager manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome rvm.deb:

wget https://launchpad.net/~rael-gc/+archive/ubuntu/rvm/+files/rvm_1.29.1-1_all.deb -O rvm.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i rvm.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Executando o Ruby Version Manager no Ubuntu

A fim de sempre carregar o RVM, você precisa definir o GNOME Terminal (ou qualquer outro emulador de terminal que você usa) para executar Bash como shell de login.

Para fazer isso no GNOME Terminal, vá no menu, selecione “Editar” e depois “Preferências do perfil”. Na aba “Título e commando”, ative a opção “Executar comando como shell de sessão”.

Como instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu

Encerre a sessão e depois, abra novamente.
Agora você já pode começar a usar o RVM. Tente por exemplo, instalar a última versão de Ruby usando o comando abaixo:

rvm install ruby

Como instalar o Ruby Version Manager no Ubuntu

Para saber como utilizar o RVM, consulte sua página no GitHub ou execute o comando man RVM em um terminal.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Firefox no Linux: veja como instalar manualmente

Firefox no Linux: veja como instalar manualmente

Se você precisa ter a última versão do navegador da Mozilla no seu sistema, veja aqui como instalar o Firefox no Linux manualmente.


Embora os repositórios das principais distribuições forneçam uma versão do Firefox, ela as vezes pode vir desatualizada. Por isso, você sempre pode seguir este tutorial para instalar a versão mais recente do Firefox no Linux, independente de qual seja a sua distribuição favorita.

Firefox no Linux: veja como instalar manualmente

Se você usa Ubuntu e quer apenas atualizar o Firefox, veja esse outro tutorial:
Firefox:veja como atualizar para a última versão no Ubuntu

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.
Para ver as novidades dessa versão, acesse esse link.

Conheça melhor o Firefox

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Atenção! Antes de fazer o procedimento, desinstale qualquer versão do navegador que já esteja em seu sistema.

Como instalar a última versão do Firefox no Linux

Para instalar a última versão do Firefox no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/firefox*
sudo rm -Rf /usr/bin/firefox
sudo rm -Rf /usr/share/applications/firefox.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome firefox.tar.bz2:

wget "https://download.mozilla.org/?product=firefox-latest&os=linux&lang=pt-BR" -O firefox.tar.bz2

Passo 5. Se seu sistema for de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome firefox.tar.bz2:

wget "https://download.mozilla.org/?product=firefox-latest&os=linux64&lang=pt-BR" -O firefox.tar.bz2

Passo 6. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -jxvf  firefox.tar.bz2 -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

sudo mv /opt/firefox*/ /opt/firefox

Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/firefox/firefox /usr/bin/firefox

Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o Firefox, usando comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=46.0.1\n Encoding=UTF-8\n Name=Mozilla Firefox\n Comment=Navegador Web\n Exec=/opt/firefox/firefox\n Icon=/opt/firefox/browser/icons/mozicon128.png\n Type=Application\n Categories=Network' | sudo tee /usr/share/applications/firefox.desktop

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite firefox em um terminal, seguido da tecla TAB.

Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

sudo chmod +x /usr/share/applications/firefox.desktop
cp /usr/share/applications/firefox.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

cp /usr/share/applications/firefox.desktop ~/Desktop

Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Como remover o Firefox no Linux

Para remover o Firefox no Linux, basta fazer o segundo passo do procedimento anterior.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu

Como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu

Não gosta dos aplicativos que são usados por padrão no Ubuntu? Não se preocupe, leia esse tutorial e descubra como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu.


Ubuntu é fornecido com um conjunto de aplicativos padrão configurados para funções como navegador web, cliente de e-mail, calendário, reprodutor de músicas e vídeos, além de um visualizador de fotos. Mas apesar desse padrão, o usuário pode modificar essa configuração para utilizar o programa que quiser.

Como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu

Essa mudança é necessária porque nem todo mundo gosta dos aplicativos padrão que vem com o sistema. Por exemplo, quando se trata de navegadores, muitos preferem usar o Google Chrome, Opera, Epiphany, Chromium ou IceWeasel. Em vídeos, muitos preferem o VLC.

Independente da sua preferência, veja a seguir como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu.

Mas lembre-se! Antes de fazer a modificação instale o aplicativo desejado, caso ele ainda não esteja no sistema. Se precisar de uma ajuda, faça uma busca no blog que possivelmente você achará um tutorial mostrando como fazer isso. Se não tiver, use os comentários para pedir um tutorial.

Mas se o que você quer é apenas definir o navegador padrão do sistema, pode usar esse outro tutorial:
Como definir o navegador padrão no Debian, Ubuntu e derivados

Como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu

Para alterar os aplicativos padrão do Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra as “Configurações do sistema”, clicando em seu ícone no lançador do Unity;

Como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu

Passo 2. Na janela “Configurações do sistema”, clique no item “Detalhes”;

Como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu

Passo 3. Quando aparecer a janela “Detalhes”, clique na opção “Aplicativos padrão”;

Como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu

Passo 4. Em “Aplicativos padrão”, clique na seta ao lado da função e selecione a opção que você deseja usar.

Como alterar os aplicativos padrão do Ubuntu

Pronto! Bem simples, não é mesmo? Sempre que você precisar, basta repetir o processo e escolhar o que você precisa.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o programa IRPF 2017 no Linux

Como instalar a versão multiplataforma do IRPF 2017 no Linux manualmente

E chegou a hora de acertar as contas com o leão, por isso, se você quer fazer sua declaração do imposto de renda pessoa física no Linux, veja aqui como instalar o programa IRPF 2017 no Linux.


Para fazer sua declaração no Linux é preciso instalar o programa gerador da declaração (IRRF), que está disponível na página da Receita Federal em versões para vários sistemas.

Como instalar o IRPF 2017 no Linux

Preparando o sistema para instalar o programa IRPF 2017 no Linux

Um dos pré requisitos para instalar o programa IRPF no Linux é a instalação do Java mais recente (de acordo com o feedback dos leitores, é recomendável usar a versão 8), para isso, veja os tutoriais abaixo:

Java no Ubuntu: veja como instalar o OpenJDK 8
Como instalar as versões 6, 7 ou 8 do Oracle Java no Ubuntu
Como instalar o Oracle Java 8 no Debian via repositório
Como instalar Java no Linux manualmente

Conheça melhor o IRPF 2017

Para saber mais sobre o IRPF 2017 e as informações necessárias ao preenchimento de usa declaração, clique nesse link.

Mais sobre o IRPF 2017

Instalando o programa IRPF 2017 no Linux

Para instalar o programa IRPF 2017 no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar baixar o instalador do programa do IRPF 2017. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome irpf2017.bin:

wget http://downloadirpf.receita.fazenda.gov.br/irpf/2017/irpf/arquivos/IRPF2017Linux-x86v1.0.bin -O irpf2017.bin

Ou caso tenha um erro relacionado a certificados (ERRO: não foi possível verificar o certificado de downloadirpf.receita.fazenda.g…, emitido por “/C=BR/O=ICP-Brasil/OU=Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB/CN=Autoridade Certificadora SERPRORFBv4”:);

wget --no-check-certificate http://downloadirpf.receita.fazenda.gov.br/irpf/2017/irpf/arquivos/IRPF2017Linux-x86v1.0.bin -O irpf2017.bin

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar baixar o instalador do programa do IRPF 2017. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome irpf2017.bin:

wget http://downloadirpf.receita.fazenda.gov.br/irpf/2017/irpf/arquivos/IRPF2017Linux-x86_64v1.0.bin -O irpf2017.bin

Ou caso tenha um erro relacionado a certificados (ERRO: não foi possível verificar o certificado de downloadirpf.receita.fazenda.g…, emitido por “/C=BR/O=ICP-Brasil/OU=Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB/CN=Autoridade Certificadora SERPRORFBv4”:);

wget --no-check-certificate http://downloadirpf.receita.fazenda.gov.br/irpf/2017/irpf/arquivos/IRPF2017Linux-x86_64v1.0.bin -O irpf2017.bin

Passo 5. Depois de baixado, dê permissão de execução ao programa, com o comando abaixo;

chmod +x irpf2017.bin

Passo 6. Execute o instalador do IRPF dando um duplo clique nele ou usando o comando abaixo;

./irpf2017.bin

Passo 7. Na primeira tela, clique no botão “Sim”;

Como instalar o IRPF 2017 no Linux

Passo 8. Na próxima telas, clique no botão “Avançar”;

Como instalar o IRPF 2017 no Linux

Passo 9. Agora, clique no botão “Procurar…” para selecionar a pasta onde deseja instalar o programa e depois clique no botão “Avançar”, ou apenas clique no botão “Avançar” (que é o mais recomendado);

Como instalar o IRPF 2017 no Linux

Passo 8. Confirme a instalação, clicando no botão “Avançar”;

Como instalar o IRPF 2017 no Linux

Passo 9. Na última tela, clique no botão “Concluir”;

Como instalar o IRPF 2017 no Linux

Depois de instalado, você já pode executá-lo (usando o atalho criado ou indo na pasta criada) e começar a fazer a sua declaração.

Como instalar o IRPF 2017 no Linux

Desinstalando o programa IRPF 2017 no Linux

Para desinstalar o programa IRPF 2017 no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra o gerenciador de arquivos e vá para a pasta onde o programa foi instalado. Lá, clique duas vezes no ícone do programa “uninstall” . Na pequena janela que aparece, confirme a desinstalação clicando no botão “Sim”.

Como instalar o IRPF 2017 no Linux

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar uma impressora virtual no Ubuntu

Como instalar o CUPS Cloud Print no Ubuntu

Precisando gerenciar melhor seus documentos antes de imprimir? Então instale uma impressora virtual no Ubuntu e derivados e resolva isso.


Boomaga é uma impressora virtual com suporte para as impressoras mais populares, via CUPS e Gutenprint. O aplicativo serve para visualizar um documento antes de imprimi-los, usando a impressora física, e para ajudá-lo a obter os seus documentos preparados um pouco antes da impressão.

Como instalar uma impressora virtual no Ubuntu

Ao contrário do CUPS e Gutenprint que fornecem drivers para impressoras, a impressora virtual do Boomaga permite aos usuários visualizar o documento antes de imprimir, ajustar as margens da página, gerenciar o número de documentos por página, exportar os arquivos a serem impressos como PDFs e outras tarefas.

O programa é muito simples de se trabalhar. Ao executar qualquer programa, clique em “Imprimir” e selecione “Boomaga” para que em alguns segundos, seja aberta a janela do programa (infelizmente, o CUPS leva algum tempo para responder).

Se você imprimir mais de um documento, ele é adicionado como o próximo da fila, e se quiser, você também pode imprimi-los como se fosse um só.

Independentemente se sua impressora suporta ou não a impressão frente e verso, você poderá imprimir facilmente em ambos os lados da folha.

Se sua impressora não oferece suporte a impressão frente e verso, informe isso nas configurações e o programa irá lhe pedir para virar as páginas no meio do processo de impressão do seu documento.

Como instalar uma impressora virtual no Ubuntu

O programa também pode ajudá-lo a obter os seus documentos preparados um pouco antes da impressão. Nesta fase ele torna possível:

  • Colar vários documentos juntos;
  • Imprimir várias páginas em uma única folha;
  • 1, 2, 4, 8 páginas por folha;
  • Dobrar as folhas em dois, para você montar o formato para impressão de um livro.

Conheça melhor o Boomaga

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando uma impressora virtual no Ubuntu e derivados

Boomaga está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install boomaga. No entanto, nem sempre é a versão mais recente. Por isso, para ter a última versão desse programa no Ubuntu, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository -y ppa:boomaga/ppa

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install boomaga

Como instalar uma impressora virtual manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser configurar o programa, digite boomaga no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Para usá-lo, basta escolher ele na hora de imprimir qualquer documento.

Como instalar uma impressora virtual no Ubuntu

Desinstalando o Boomaga no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Boomaga no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o Boomaga, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository -y ppa:boomaga/ppa --remove
sudo apt-get remove boomaga
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


23 de fevereiro de 2017

Alternativa ao Microsoft Project: Instale o RationalPlan

Alternativa ao Microsoft Project: Instale o RationalPlan

Se você procura uma alternativa ao Microsoft Project no Linux, experimente instalar o gerenciador de projetos RationalPlan.


RationalPlan é uma verdadeira alternativa ao microsoft project, que é o software de gerenciamento de projeto que segue as orientações gerais recomendadas para o domínio de gerenciamento de projeto. O programa está disponível para Linux, Mac OS e Windows.

Alternativa ao Microsoft Project: Instale o RationalPlan

O objetivo deste software é ajudar os gerentes de projeto a concluírem seus projetos dentro do prazo e do orçamento, para tornar o processo de planejamento de projetos tão curtos e tão simples quanto possível, orientando os gerentes de projetos iniciantes através de cada passo, mas oferecendo ferramentas suficientes para aqueles mais experientes.

O programa tem características semelhantes ao Microsoft Project, com layout simples e muito organizado. Você pode importar e exportar seus arquivos do Microsoft Project para o gerenciador de projetos RationalPlan e trabalhar neles sem qualquer problema.

A versão Single Project do RationalPlan lida com projetos independentes que não requerem nenhum tipo de recursos compartilhados, vínculos entre tarefas de projetos diferentes. Ele permite programar e controlar projetos independentes individualmente.

Já a versão Multi Project do RationalPlan é projetada especificamente para gerentes de projeto que precisam lidar com projetos e recursos da empresa de forma centralizada.

Além de todas as características da versão Single, a versão Multi Project vem com os adicionais quando os projetos são interligados por dependências de tarefas ou recursos comuns, ou se você só quiser ver os dados de todos os projetos em um só lugar.

Entretanto, apesar de também ter o uso liberado por período ilimitado de tempo, a versão Multi permite a criação de apenas 20 tarefas.

Conheça melhor o gerenciador de projetos RationalPlan – uma alternativa ao microsoft project

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Preparando o sistema para instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu Linux

Um dos pré requisitos para instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu Linux é a instalação do Java mais recente, para isso, veja os tutoriais abaixou ou acesse esse link e siga as instruções dele:
Java no Ubuntu: veja como instalar o OpenJDK 8 nas versões LTS 12.04 e 14.04
Como instalar as versões 6, 7 ou 8 do Oracle Java no Ubuntu
Como instalar o Oracle Java 8 no Debian via repositório
Como instalar Java no Linux manualmente

Como instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar a versão Single Project do RationalPlan. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome rationalplan-single.deb:

wget http://www.rationalplan.com/download/rationalplan-single-4.15.7389.deb -O rationalplan.deb

Passo 3. Use o comando abaixo para baixar a versão Multi Project do RationalPlan. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome rationalplan-single.deb:

wget http://www.rationalplan.com/download/rationalplan-multi-4.15.7389.deb -O rationalplan.deb

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo dpkg -i rationalplan.deb

Passo 5. Se for necessário, o comando a seguir para instalar as dependências do programa;

sudo apt-get install -f

Como instalar o gerenciador de projetos RationalPlan em outras distribuições Linux

Para instalar o gerenciador de projetos RationalPlan em outras distribuições Linux, acesse esse link e faça o download do arquivo zip do programa. Depois siga as instruções da página.

Uma vez instalado, inicie o programa digitando rationalplan no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove rationalplan-single
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como remover kernels antigos no Ubuntu ou Linux Mint com segurança

Como remover kernels antigos no Ubuntu ou Linux Mint com segurança

Se você já atualizou o kernel do Linux, certamente está com alguns arquivos ocupando espaço no disco do seu PC. Para resolver, veja como remover kernels antigos no Ubuntu ou Linux Mint com segurança.


Entre uma atualização ou outra, kernels do Linux podem consumir uma quantidade considerável de espaço em disco. Isso porque quando ocorre uma atualização do kernel (ou você atualiza ele usando nossa série “Atualizando o Kernel do Ubuntu”), por uma questão de segurança e possíveis problemas de compatibilidade, o sistema não apaga as instalações anteriores. Nessa dica, você verá com fazer essa remoção e recuperar mais espaço no disco do seu PC.

Como remover kernels antigos no Ubuntu ou Linux Mint com segurança

O Apt até tenta remover pacotes desnecessários (incluindo kernels Linux antigos), através do comando “sudo apt-get autoremove”, mas nem sempre consegue remover todos eles.

Até existem vários comandos externo, para fazer a remoção em massa de kernels Linux antigos, porḿe, a maioria deles são complicados, e difíceis de lembrar, além de alguns não serem considerados seguros.

Então, qual é a forma mais segura de massa purga kernels Linux antigos no Ubuntu? A resposta é o comando “purge-old-kernels”.

A página de ajuda do purge-old-kernels afirma que o comando não irá remover o kernel atualmente em execução. Além disso, por padrão, ele irá manter, pelo menos, o dois kernels.

Mas você pode substituí-lo utilizando o parâmetro “–keep” (como por exemplo, “–keep 1” para manter apenas um kernel Linux).

Como remover kernels antigos no Ubuntu ou Linux Mint com segurança

No Ubuntu 16.04 e mais recente, o comando purge-old-kernels é parte do pacote Byobu. Para versões mais antigas do Ubuntu, ele está disponível com o pacote bikeshed. Por isso, para instalar os pacotes e remover kernels antigos no Ubuntu ou Linux Mint com segurança, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Verifique a versão do seu sistema usando o seguinte comando;

lsb_release -cs
lsb_release -rs

Passo 3. Se seu sistema é um Ubuntu 16.04 e mais recente, Linux Mint 18 e derivados,instale o pacote com esse comando:

sudo apt install byobu

Passo 4. Para as versões do Ubuntu anteriores 16.04, Linux Mint 17.x e derivados, use este comando;

sudo apt install bikeshed

Uma vez instalado, você pode remover os kernels Linux antigos no Ubuntu (ou Linux Mint) em desktops ou servidores, usando o seguinte comando;

sudo purge-old-kernels

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Use vários serviços de armazenamento na nuvem com RcloneBrowser [Atualizado]

Use vários serviços de armazenamento na nuvem com RcloneBrowser

Se você possui contas Google Drive, Dropbox, OneDrive e outras opções, veja como fazer para usar vários serviços de armazenamento na nuvem com RcloneBrowser no Ubuntu, Arch Linux e derivados.


RcloneBrowser é uma interface gráfica de usuário para o Rclone, disponível para Linux, Mac e Windows. Já o Rclone, é uma ferramenta de linha de comando para sincronizar arquivos de ou para serviços de armazenamento em nuvem.

Use vários serviços de armazenamento na nuvem com RcloneBrowser

RcloneBrowser suporta o Google Drive, Google Cloud Storage, Dropbox, Microsoft One Drive, Amazon S3, Amazon Drive, Openstack Swift/Rackspace cloud files/Memset Memstore, Hubic, Yandex Disk e Backblaze B2. Ele pode sincronizar arquivos diretamente entre esses serviços em nuvem e seu sistema de arquivos local.

O programa permite a navegação e modificação (upload, download, remoção e etc.) de repositórios remotos, como o Google Drive, Dropbox, onedrive e assim por diante, incluindo as criptografadas, usando o mesmo arquivo de configuração do Rclone, para que você não tenha que configurar Serviços remotos duas vezes.

Além de executar várias operações em seus arquivos na nuvem, RcloneBrowser também pode montar e desmontar o seu armazenamento em nuvem remoto, e pode transmitir arquivos de mídia com um leitor externo, como o MPV.

Use vários serviços de armazenamento na nuvem com RcloneBrowser

Observe que o Rclone (e, portanto, o RcloneBrowser também) executa a sincronização sob demanda, sem qualquer monitoramento de arquivos em tempo real e upload/download automático de arquivos alterados.

Conheça melhor o RcloneBrowser e Rclone

Para saber mais sobre o Rclone, clique nesse link.
Para saber mais sobre o RcloneBrowser, clique nesse link.

Use vários serviços de armazenamento na nuvem com RcloneBrowser

Para usar vários serviços de armazenamento na nuvem com RcloneBrowser, você precisa apenas instalar esse programa e o Rclone, seguindo os procedimento abaixo.

Como instalar o RcloneBrowser no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o RcloneBrowser no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install rclone-browser

Como instalar o RcloneBrowser manualmente ou em outras distros com suporte a DEB

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Como instalar a versão mais recente do RcloneBrowser no Arch Linuxp

Usuários do Arch Linux pode instalar RcloneBrowser via AUR.

Como instalar o Rclone no Linux manualmente

O pacote instalado nos procedimentos acima inclui apenas o RcloneBrowser, mas você também vai precisar do Rclone para que tudo funcione corretamente. Para instalar o Rclone, basta fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome rclone.zip:

wget http://downloads.rclone.org/rclone-v1.35-linux-386.zip -O rclone.zip

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome rclone.zip:

wget http://downloads.rclone.org/rclone-v1.35-linux-amd64.zip -O rclone.zip

Passo 5. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

sudo unzip rclone.zip -d /usr/local/bin/

Como instalar a versão mais recente do Rclone Ubuntu e seus derivados via Snap

[Atualização Rápida] O Rclone está agora disponível como um pacote Snap, tornando fácil a instalação e atualização em uma ampla gama de distribuições Linux que suportam Snaps, como Ubuntu, Debian, Fedora, Gentoo, Arch Linux, openSUSe e muito mais.

Para instalar a versão mais recente do Rclone no Ubuntu e seus derivados via Snap, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Para que o comando “snap” funcione, você precisa do pacote “snapd”. Em versões recentes do Ubuntu (como 16.04 e 16.10 ou 17.04), este ele já deve estar instalado por padrão. Para o Ubuntu 14.04, você precisa instalar o snapd com esse comando;

sudo apt install snapd

Passo 3. Instale a versão mais recente do xx no Ubuntu via SNAP, usando esse comando:

sudo snap install rclone --classic

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o snap Rclone, use:

sudo snap refresh rclone --classic

Passo 5. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove rclone

Usando o RcloneBrowser

Execute o programa, digitando rclonebrowser no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Agora, acesse as preferências do RcloneBrowser e informe a localização do binário do Rclone. Depois é só configurar cada serviço individualmente e começar experimentar o programa.

Use vários serviços de armazenamento na nuvem com RcloneBrowser

Desinstalando o RcloneBrowser no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o RcloneBrowser no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8 --remove
sudo apt-get remove rclone-browser
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar a versão mais recente do Lightworks no Linux

Como instalar a versão mais recente do Lightworks no Linux

Precisando a instalar a versão mais recente do Lightworks no Linux? Siga os passos desse tutorial e veja como fazer isso.


Lightworks é um software de edição de vídeo popular, utilizado na indústria do cinema, como uma alternativa para o Apple Finalcut, Pinnacle Studio e Avid Media Composer, fornecendo ferramentas para o processamento de vídeos nos formatos livres e proprietários mais populares: H.264, XDCAM EX/HD 42, Avid DNxHD, AVC-Intra.

Como instalar a versão mais recente do Lightworks no Linux

O aplicativo já foi utilizado em alguns renomados filmes ganhadores do Oscar e do Emmy award, incluindo O Discurso do Rei, Hugo, Os Infiltrados de Martin Scorsese, Missão Impossível, Pulp Fiction, Coração Valente e Batman.

Lightworks está disponível como uma versão gratuita ou como uma versão paga com uma licença pro, que custa $ 7,99 por mês ou 79,99 dólares por ano ou uma taxa única de $ 279,99.

A diferença entre a versão gratuita e a paga (pro), é que a versão gratuita é limitada a formatos de web, como MPEG4/H.264 em até 720p, enquanto a versão Pro tem uma gama muito maior de opções de saída, inclui o compartilhamento de projetos, 3D saída estereoscópica e o usuário pode definir locais de projeto.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o Lightworks

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Lightworks no Linux Ubuntu, Debian e seus derivados

Para instalar o Lightworks no Linux Ubuntu, Debian e seus derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Abra um navegador, acesse esse endereço, clique em “Downloads” (e se necessário, na aba “Linux”) e baixe o arquivo DEB, ou se preferir, baixe o arquivo diretamente com o comando:

wget http://downloads.lwks.com/lwks-12.6.0-amd64.deb -O lwks.deb

Passo 3. Instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i lwks.deb

Passo 4. Para completar, instale as dependências com o comando:

sudo apt-get -f install

Passo 5. Caso seja necessário, desinstale o programa usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove lwks

Como instalar o Lightworks no Linux Fedora, CentOS e seus derivados

Para instalar o Lightworks no Linux Fedora, CentOS e seus derivados, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Abra um navegador, acesse esse endereço, clique em “Downloads” (e se necessário, na aba “Linux”) e baixe o arquivo RPM, ou se preferir, baixe o arquivo diretamente com o comando:

wget http://downloads.lwks.com/lwks-12.6.0-amd64.rpm -O lwks.rpm

Passo 4. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall lwks.rpm

ou

sudo dnf install lwks.rpm

Passo 5. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install lwks.rpm

Passo 6. Para instalar em um OpenMandriva, Mageia e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo urpmi lwks.rpm

Passo 7. Se depois você precisar desinstalar o programa no Fedora ou CentOS ou outro derivado deles, use o comando abaixo;

sudo yum remove lwks*

ou

sudo dnf remove lwks*

Passo 8. Se depois você precisar desinstalar o programa no OpenSUSE ou um derivado dele, use o comando abaixo;

sudo zypper remove lwks*

Passo 9. Se depois você precisar desinstalar o programa no Mageia ou OpenMandriva ou qualquer derivado deles, use o comando a seguir;

sudo urpme lwks*

Lembre-se! Depois da instalação, você precisa se registrar on-line para poder acessar o Lightworks.

Depois de cadastrado, basta entrar com suas informações na inicialização do aplicativo.

Como instalar a versão mais recente do Lightworks no Linux

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite lwks no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistemas com dual boot

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistemas com dual boot

Se você usa Ubuntu (ou qualquer outro Linux) e Windows em um mesmo computador e isso está gerando confusão no relógio do PC, veja como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistema com dual boot.


Nem todo mundo sabe, mas usar sistemas em dual boot pode gerar conflitos de tempo entre o Windows e o Ubuntu, por exemplo.

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistemas com dual boot

Isso ocorre porque o Ubuntu pode estar armazenando a hora no relógio de hardware como UTC por padrão (Tempo Universal Coordenado, ou Universal Time Coordinated), enquanto o Microsoft Windows armazena o tempo como hora local, causando tais conflitos.

Felizmente, a correção é muito fácil e pode ser feita a partir do Ubuntu ou do Windows.

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistema com dual boot a partir do Ubuntu

O procedimento a seguir, com poucos ajustes, pode ser usado em qualquer sistema Linux.

Para corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistema com dual boot a partir do Ubuntu, é preciso fazer o Ubuntu usar o tempo local.

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows (Ubuntu com Upstart)

Para fazer o Ubuntu usar o tempo local em versões anteriores do Ubuntu que ainda não usam o serviço de inicialização systemd (qualquer versão anterior ao 15.04), faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Abra o arquivo /etc/default/rcS com o comando a seguir:

sudo gedit /etc/default/rcS

Passo 3. Com o arquivo aberto, substituia “UTC = yes”, por “UTC = no” (ambos sem as aspas). Em seguida, salve e feche o arquivo;
Passo 4. Ou se preferir, faça isso automaticamente, digitando o seguinte:

sudo sed -i 's/UTC=yes/UTC=no/' /etc/default/rcS

Passo 5. Independente do método usado, reinicie o sistema com pelo ambiente gráfico ou digitando o comando:

sudo reboot

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows (Ubuntu com systemd)

Para fazer o Ubuntu usar o tempo local em versões mais recentes do Ubuntu que já usam o serviço de inicialização systemd, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Use o comando abaixo para desativar o UTC e usar Hora Local no Ubuntu

timedatectl set-local-rtc 1 --adjust-system-clock

Passo 3. Para verificar se o seu sistema usa hora local, basta executar este comando:

timedatectl

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistemas com dual boot

Finalmente reinicie o PC e acesse o Windows. Em seguida, ajuste a hora do relógio do sistema (se for necessário) e estará pronto.

Como corrigir diferenças de tempo entre o Ubuntu e o Windows em sistema com dual boot a partir do Windows

Outra maneira de corrigir esse problema é fazer as seguintes alterações no Windows:

Passo 1. Primeiro, se você mudou para a hora local no Ubuntu, execute comando no terminal Ubuntu para voltar a usar o UTC:

timedatectl set-local-rtc 0

Passo 2. Reinicie o PC e selecione a inicialização pelo Windows;

Passo 3. Quando já estiver na área de trabalho do Windows, pressione as teclas “Windows + X”. No menu que será exibido, clique em “Prompt de comando (Admin)”, para acessar o prompt como administrador;

prompt-1

Passo 4. Se o sistema for um Windows de 32 bits, execute o comando abaixo para criar um valor DWORD no registro do Windows;
Reg add HKLM\SYSTEM\CurrentControlSet\Control\TimeZoneInformation /v RealTimeIsUniversal /t REG_DWORD /d 1
Passo 5. Se o sistema for um Windows de 64 bits, execute o comando abaixo para criar um valor DWORD no registro do Windows;
Reg add HKLM\SYSTEM\CurrentControlSet\Control\TimeZoneInformation /v RealTimeIsUniversal /t REG_QWORD /d 1

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o SimpleScreenRecorder no Ubuntu

Como instalar o SimpleScreenRecorder no Ubuntu

Procurando um bom gravador de tela que permita até mesmo gravar jogos? Então conheça e veja como instalar o SimpleScreenRecorder no Ubuntu.


SimpleScreenRecorder é um gravador de tela que, apesar do nome, vem com mais recursos do que outras ferramentas semelhantes.

Como instalar o SimpleScreenRecorder no Ubuntu

A aplicação é muito fácil de usar e as configurações padrão devem ser suficientes para a maioria dos casos, pois normalmente não é necessário alterar as configurações.

Com ele, você pode gravar a tela inteira (com suporte multi-monitor), gravar um retângulo fixo, seguir o cursor ou gravar aplicativos OpenGL, (que pode ser usado para gravar jogos).

Características do SimpleScreenRecorder:

  • Grava a tela inteira ou parte dela, ou grava aplicativos OpenGL diretamente (semelhante ao Fraps no Windows);
  • Sincroniza o áudio e o vídeo corretamente (um problema comum com VLC e ffmpeg/avconv);
  • Mais rápido do que o VLC e ffmpeg/avconv;
  • Reduz a taxa de quadros de vídeo se o computador estiver muito lento (em vez de usando todos os seus RAM como o VLC);
  • Totalmente multithread: pequenos atrasos em qualquer um dos componentes nunca irão bloquear os outros componentes, resultando em um vídeo mais suave e melhor desempenho em computadores com vários processadores;
  • Pausar e continuar a gravação a qualquer momento (ou clicando em um botão ou usando uma tecla de atalho);
  • Mostra estatísticas durante a gravação (tamanho de arquivo, taxa de bits, tempo de gravação total, taxa de quadros reais,…);
  • Pode mostrar uma visualização durante a gravação, para que você não perca tempo gravando alguma coisa só para descobrir depois que alguma configuração estava errada;

O aplicativo tenta capturar os quadros antes que eles sejam exibidos na tela e isso pode ser considerado um hack em alguns jogos e você pode ser banido para verificar se você tem permissão para gravar um jogo antes de utilizar este recurso.

Iniciando o aplicativo, você verá uma interface simples que permite que você selecione a entrada de vídeo, escolha se você deseja gravar o cursor ou se você quer gravar o microfone e definir a taxa de quadros (vide imagem na introdução desse texto).

Ao clicar em “Continuar”, você pode selecionar o recipiente para o seu screencast (MP4, Matroska, WebM, OGG ou “Outros”, que você pode usar para selecionar qualquer recipiente apoiado por Libav), nome do arquivo, codec de vídeo (H.264, VP8 , ou Theora, assim como o container, selecione “Outros”, que permite que você use qualquer codec suportado pelo Libav), defina a qualidade do vídeo ou preset (padrão predefinido):

Como instalar o SimpleScreenRecorder no Ubuntu

Na próxima tela, você pode iniciar a gravação, permitir a gravação hotkeys que você pode pausar / retomar a gravação através de um atalho de teclado e muito mais.

Como instalar o SimpleScreenRecorder no Ubuntu

Conheça melhor o SimpleScreenRecorder

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o SimpleScreenRecorder no Ubuntu

Para instalar o SimpleScreenRecorder no Ubuntu usando seu repositório oficial. Para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:maarten-baert/simplescreenrecorder

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install simplescreenrecorder

Como instalar a versão mais recente do SimpleScreenRecorder Ubuntu e seus derivados via Snap

Para instalar a versão mais recente do SimpleScreenRecorder no Ubuntu e seus derivados via Snap, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se for essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com esse comando;

sudo apt install snapd

Passo 3. Instale a versão mais recente do xx no Ubuntu via SNAP, usando esse comando:

sudo snap install simplescreenrecorder-mardy

Passo 4. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove simplescreenrecorder-mardy

Como instalar o SimpleScreenRecorder manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite simplescreenrecorder no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o SimpleScreenRecorder no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o SimpleScreenRecorder no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:maarten-baert/simplescreenrecorder --remove
sudo apt-get remove simplescreenrecorder
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como mudar a tela de boot do Ubuntu e seus derivados

Se nada muda na inicialização do seu sistema e você quer saber como mudar a tela de boot do Ubuntu ou de algum derivado dele, veja aqui como fazer isso.


O plymouth é a tela de inicialização do sistema e normalmente traz uma animação de acordo a variante do Ubuntu que você estiver usando. Mas depois de um tempo, pode ficar meio chato ver sempre a mesma tela de boot.

como mudar a tela de boot do ubuntu

A boa noticia é que a animação que você vê no boot do Ubuntu pode ser modificada, e existe um conjunto de temas que podem ser instalados e configurados para substituir essa tela de boot padrão.

A seguir, você verá como fazer essa mudança.

Conheça melhor o Plymouth

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Como mudar a tela de Boot do Ubuntu e seus derivados

Para mudar a tela de Boot do Ubuntu e seus derivados, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Instale todos os temas para Plymouth com este comando:

sudo apt-get install plymouth-theme*

Passo 3. Para alterar a tela de boot use o seguinte comando:

sudo update-alternatives --config default.plymouth

Passo 4. Será exibido um menu com as opções de temas disponíveis. Digite o número de uma das opções e tecle “enter”, para confirmar.

como mudar a tela de boot do ubuntu

Passo 5. Finalmente, execute o comando a seguir para aplicar as alterações.

sudo update-initramfs -u

Se você quiser instalar um tema separado ou temas específicos, é possível instalar através da Central de programas do Ubuntu, fazendo uma busca por “plymouth theme”.

Está pronto! Reinicie o seu computador, que você já verá a nova tela de boot na inicialização.

A propósito, o tema usado na primeira imagem desse post é o Solar.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Spotlight do macOS no Linux – Conheça e instale o Cerebro

Spotlight do macOS no Linux - Conheça e instale o Cerebro

Se você gosta do recurso de busca do macOS, veja como instalar o Cerebro no Ubuntu e tenha um Spotlight do macOS no Linux.


Cerebro é um utilitário de código aberto que coloca um Spotlight do macOS no Linux. Multiplataforma, ele foi concebido para funcionar em sistemas Windows, Linux e até macOS.

Spotlight do macOS no Linux - Conheça e instale o Cerebro

Com esta ferramenta é possível procurar por tudo, seja no nosso PC ou na Internet. Dá para localizar arquivos, músicas, imagens, contatos e muito mais.

Além da pesquisa, esta ferramenta também permite exibir o conteúdo de arquivos, visualizar imagens, etc. Para completar, existe a possibilidade de adicionar plugins ao programa, o que acrescenta ainda mais funcionalidades a essa ferramenta.

Spotlight do macOS no Linux - Conheça e instale o Cerebro

Os plugins internos já permitem pesquisar na web com sugestões do Google, fazer pesquisa e lançamento de aplicativos, navegar no sistema de arquivos com visualizações de arquivos, fazer cálculos e até conversões de diferentes tipos (como moeda, por exemplo).

Spotlight do macOS no Linux - Conheça e instale o Cerebro

Conheça melhor o Cerebro

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Cerebro no Linux Ubuntu, Debian e derivados, e tenha o Spotlight do macOS no Linux

Quem quiser instalar o Cerebro no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome cerebro.deb:

wget https://github.com/KELiON/cerebro/releases/download/0.2.6/cerebro_0.2.6_amd64.deb -O cerebro.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i cerebro.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Executando e configurando o Cerebro

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite cerebro no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Assim como o Spotlight do macOS, para ativar o Cerebro, basta pressionar as tecls CTRL + ESPAÇO. Se quiser, você pode personalizar este atalho clicando no ícone na barra de menus, acessando a item “Preferences…”.

Se você quiser colocar o programa para iniciar junto com o sistema, consulte esse tutorial:

Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

Desinstalando o Cerebro no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Cerebro no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove cerebro
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Ubuntu completo – instale o Ubuntu After Install

Ubuntu completo - instale o Ubuntu After Install

Se depois de instalar ou atualizar seu sistema você achar que está faltando algo, experimente instalar o Ubuntu After Install para ter um Ubuntu completo.


Ubuntu After Install é um aplicativo que permite instalar uma grande coleção de programas no Ubuntu. Com ele você consegue deixar seu Ubuntu completo, seja para usá-lo em casa, empresa ou organização.

Ubuntu completo - instale o Ubuntu After Install

Para ter uma ideia, ele pode instalar os seguintes programas/utilitários: Ubuntu Restricted Extras video codecs e Plugin Flash, Gnome Tweak Tool/MyUnity/Unity Tweak Tool (dependendo da versão do Ubuntu), Faenza Icon Theme, XScreenSaver, My Weather Indicator, Calendar Indicator, Google Chrome, LibreOffice, Skype, DropBox, VLC, XBMC, GIMP, Darktable, Inkscape, Scribus, Samba, PDF Mod, SSH Server, Vinagre, FileZilla, OpenShot, Kdenlive, Handbrake, Audacity, Steam, KeePassX, Shutter e muitos outros programas.

Mas o mais importante de tudo isso é que com o programa, é você quem escolhe o que deverá ser instalado.

Conheça melhor o Ubuntu After Install

Para saber mais sobre Ubuntu After Install, clique nesse link.

Instalando o Ubuntu After Install para obter um Ubuntu completo

Para instalar o Ubuntu After Install e conseguir um Ubuntu completo, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:thefanclub/ubuntu-after-install

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install ubuntu-after-install

Como instalar o Ubuntu After Install manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome after-install.deb:

wget https://launchpad.net/~thefanclub/+archive/ubuntu/ubuntu-after-install/+files/ubuntu-after-install_2.7_all.deb -O programa.deb

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i after-install.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Instalando o Ubuntu After Install para obter um Ubuntu completo

Depois de instalado, inicie o programa, digitando after no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Ubuntu completo - instale o Ubuntu After Install

Assim que o programa carregar suas informações e exibir na tela, selecione os aplicativos que deseja instalar. Para confirmar, clique em “Install now”. Como a instalação irá demorar um pouco para ser concluída, você deve aguardar pacientemente.

Ubuntu completo - instale o Ubuntu After Install

Depois que um aplicativo for instalado com sucesso, ele será marcado com ponto verde como mostrado abaixo.

Se houver um problema com a instalação de um aplicativo, ou se ele não estiver disponível para a sua versão do Ubuntu, ele será marcado com um ponto vermelho.

Vale lembrar que não é uma boa ideia parar ou interromper o processo de instalação, uma vez que já começou.

Ubuntu completo - instale o Ubuntu After Install

Acrescentando outros aplicativos no Ubuntu After Install

Também é possível acrescentar outros aplicativos no Ubuntu After Install. Para isso, basta editar o arquivo /opt/thefanclub/ubuntu-after-install/ubuntu-after-install.xml.

Por exemplo, para colocar o grub-customizer acrescente as linhas abaixo após o último “</item>”.

<item>
<title>Grub-Customizer</title>
<description>Editor do Grub</description>
<installtitle>grub-customizer</installtitle>
<ppa>ppa:danielrichter2007/grub-customizer</ppa>
<getaptkey></getaptkey>
<aptlistentry></aptlistentry>
<preinstall></preinstall>
<pos tinstall></postinstall>
<minversion></minversion>
</item>

Depois, salve e feche o arquivo e teste.

Se precisar colocar mais programas, consulte os tutoriais de instalação do Blog do Edivaldo, que neles tem as informações necessários ao preenchimento das linhas (PPA, nome do programa, descrição).

Desinstalando o Ubuntu After Install no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Ubuntu After Install no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:thefanclub/ubuntu-after-install --remove
sudo apt-get remove ubuntu-after-install
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instale a última versão do MKVToolNix no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados

Instale a última versão do MKVToolNix no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados

Se você tem arquivos no formato Matroska (.mkv), então precisa instalar o MKVToolnix para poder manipular esse tipo de arquivo. Por isso, veja como instalar a última versão do MKVToolNix no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados


MKVToolnix é um conjunto de ferramentas para criar, alterar e inspecionar arquivos Matroska no Linux, Unix e Windows.

Instale a última versão do MKVToolNix no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados

Esse utilitário pode ser usada para obter informações sobre arquivos Matroska (mkvinfo), extrair faixas/dados de arquivos de Matroska (mkvextract) e criar (mkvmerge) arquivos Matroska a partir de outros arquivos de mídia.

O MKVToolnix fornece apenas as ferramentas de linha de comando. Se você quiser trabalhar com ferramentas gráficas, você deve instalar o MKVToolnix-gui, que é uma interface simples e fácil de usar.

Com MKVToolnix-gui, você pode adicionar o arquivo MKV (s) usando o navegador de arquivos ou simplesmente arrastando e soltando os arquivos na MKVToolnix.

O programa também permite que você edite as tags e nomes das faixas, também é usado para alterar a relação de aspecto de arquivos de vídeo, exibir a largura e altura e etc.

Conheça melhor o MKVToolNix

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando a última versão do MKVToolNix no Linux Debian, Ubuntu e derivados

A ferramenta está disponível em repositórios padrão do Debian e Ubuntu, mas essa versão pode estar um pouco obsoleta.
Então, para obter a última versão do MKVToolNix no Linux Debian, Ubuntu e derivados, adicione um repositório. Para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Primeiro você tem que importar a chave GPG com o seguinte comando:

wget -q -O - https://www.bunkus.org/gpg-pub-moritzbunkus.txt | sudo apt-key add -

Passo 3. Se você estiver usando o Ubuntu ou um derivado dele, adicione o repositório do aplicativo, usando o seguinte comando;

sudo sh -c "echo  'deb http://www.bunkus.org/ubuntu/$(lsb_release -cs)/ ./ ' >> /etc/apt/sources.list

Passo 3. Se você estiver usando o Debian ou um derivado dele, adicione o repositório do aplicativo, usando o seguinte comando;

sudo sh -c "echo  'deb http://www.bunkus.org/debian/$(lsb_release -cs)/ ./ ' >> /etc/apt/sources.list

Passo 4. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install mkvtoolnix mkvtoolnix-gui

Passo 6. Se for necessário, desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove mkvtoolnix mkvtoolnix-gui
sudo apt-get autoremove

Como instalar a última versão do MKVToolNix no Linux Fedora e sistemas derivados

Para instalar a última versão do MKVToolNix no Linux Fedora e sistemas derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Adicione o repositório RPMFusion com o comando ou seguindo a dica desse tutorial. Esse repositórios também podem ser instalado usando a ferramenta PostInstallerF, que já foi apresentada em outro tutorial;

su -c 'yum localinstall --nogpgcheck http://download1.rpmfusion.org/free/fedora/rpmfusion-free-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm http://download1.rpmfusion.org/nonfree/fedora/rpmfusion-nonfree-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm'

Passo 3. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

su -c 'yum install mkvtoolnix mkvtoolnix-gui'

Passo 4. Caso precise desinstalar, use o comando abaixo;

su -c 'yum remove mkvtoolnix mkvtoolnix-gui'

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite mkv no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Para instalar em outras distribuições, por favor, veja nesse link.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux manualmente

Como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux manualmente

Foi lançada recentemente mais uma versão de um dos melhores editores de vídeo para Linux. Se você quiser experimentar, veja a seguir como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux manualmente.


Shotcut é um editor de vídeos multiplataforma e de código aberto. Ele suporta uma grande quantidade de formatos de áudio e vídeo e codecs, além de suportar muitos formatos de imagem como BMP, GIF, JPEG, PNG, SVG, TGA, TIFF, bem como sequências de imagens.

Como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux manualmente

Atenção! As versões mais recentes já não possuem uma edição para sistemas de 32 bits, por isso, mantive o link da última versão disponibilizada.

Conheça melhor o editor de vídeo Shotcut

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

A seguir, você verá com instalar esse editor de vídeo no Linux, de um modo que funciona na maioria das distribuições atuais.

Como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux

Para instalar o cliente programa no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/shotcut*
sudo rm -Rf /usr/share/applications/shotcut.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome shotcut.tar.bz2:

wget https://github.com/mltframework/shotcut/releases/download/v15.08/shotcut-debian7-x86-150810.tar.bz2 -O shotcut.tar.bz2

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome shotcut.tar.bz2:

wget https://github.com/mltframework/shotcut/releases/download/v17.02/shotcut-linux-x86_64-170205.tar.bz2 -O shotcut.tar.bz2

Passo 6. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

sudo tar -xjvf shotcut.tar.bz2 -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada (se ocorrer um erro na execução do comando abaixo, pule este passo);

sudo mv /opt/Shotcut*/ /opt/shotcut

Passo 8. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=shotcut\n Exec=/opt/shotcut/Shotcut.app/./shotcut\n Icon=applications-multimedia\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/shotcut.desktop

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite /opt/shotcut/Shotcut.app/./shotcut em um terminal, seguido da tecla TAB.

Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

sudo chmod +x /usr/share/applications/shotcut.desktop
cp /usr/share/applications/shotcut.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

cp /usr/share/applications/shotcut.desktop ~/Desktop

Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity
Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Problemas ao executar o editor de vídeo Shotcut no Linux?

Se na hora de executar o programa ele pedir a instalação da biblioteca libSDL, abra um terminal e execute o comando de instalação dela.
Em derivados do Debian e Ubuntu, o comando é:

sudo apt-get install libsdl1.2-dev

Já em derivados do Red Hat, Fedora e Centos, é esse:

yum install SDL-devel

Como remover o editor de vídeo Shotcut no Linux

Para remover o editor de vídeo Shotcut no Linux, basta fazer o segundo passo do procedimento anterior.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu

Combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu

Quando o tema Arc apareceu aqui no blog, ele fez muito sucesso. Agora, ele virou uma suíte de temas e já tem um pacotes de ícones. O resultado disso? Descubra combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu.


A suíte de tema Arc oferece oferece temas planos com elementos transparentes para Gtk 3/2 e Gnome.

Combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu

Ele é compatível com Gnome 3.18/3.16 e GTK 3.18/3.16, funciona com a maioria dos ambientes de desktop que utilizam motores GTK para renderizar o tema, como Unity, Gnome, Cinnamon, Mate, e assim por diante. Infelizmente este tema não é compatível com o Linux Mint, porque a última versão do Linux Mint 17 é baseada no Ubuntu 14.04 Trusty, que usa versão antiga do GTK, que não é compatível.

Este pacote oferece três versões do mesmo tema; Arc, que é uma combinação de muita luz e cores menos escuras. O Arc Dark, que oferece cor escura completa. Por fim, tem Arc Dark, que também possui uma combinação de tema claro e escuro. Com essas opções, você pode escolher o tema que atender melhor às suas necessidades.

Combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu

Combinando o tema e os ícones Arc no Ubuntu

Para completar o quadro, tem os ícones Arc, que combinado com o ótimo tema Arc, dão um novo visual ao seu desktop. Faça o procedimento de instalação abaixo e veja como fica.

Conheça melhor o tema e os ícones Arc

Para saber mais sobre o tema Arc, clique nesse link.
Para saber mais sobre os ícones Arc, clique nesse link.

Instalando o tema e os ícones Arc no Ubuntu e derivados

Para instalar o tema e os ícones Arc no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes
sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema e os ícones Arc usando o seguinte comando:

sudo apt-get install arc-theme arc-icons

Como instalar o tema e os ícones Arc manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link (tema Arc) e nesse link (ícones Arc)instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar os pacotes. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome arc-icon.deb e arc-theme.deb:

wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/icons/+files/arc-icons_1.0~xenial~NoobsLab.com_all.deb -O arc-icon.deb
wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/themes/+files/arc-theme_16.04~xenial~NoobsLab.com_all.deb -O arc-theme.deb

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i arc*.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Desinstalando o tema e os ícones Arc no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o tema e os ícones Arc no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o tema e os ícones Arc, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove arc-theme arc-icons

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


22 de fevereiro de 2017

Instale o Clementine Player no Ubuntu e derivados

Instale o Clementine Player no Ubuntu e derivados

Procurando um super reprodutor? Conheça o Clementine Player. Saiba mais sobre esse incrível reprodutor e veja com instalar ele no Ubuntu.


Clementine é um player de música moderno e organizador de biblioteca. Ele é reprodutor de áudio multiplataforma disponível para Linux, Windows e Mac. Sua interface é inspirada no Amarok 1.4, com foco em uma interface rápida e fácil de usar para pesquisar e tocar sua música.

Instale o Clementine Player no Ubuntu e derivados

Ficou curioso? Então conheça algumas características do Clementine Player :

  • Ele é capaz de procurar e reproduzir a sua biblioteca de música local;
  • Permite rádio de internet do Spotify, Grooveshark, Last.fm, SomaFM, Magnatune, Jamendo, SKY.fm e Digitally Imported, e Icecast;
  • Cria listas de reprodução inteligentes e listas de reprodução dinâmicas;
  • Listas de reprodução com guias, importação e exportação, M3U, XSPF, PLS e ASX;
  • Suporta CUE;
  • Reproduz CDs de áudio;
  • Visualizações de projectM;
  • Letras e biografias e fotos;
  • Transcode música em MP3, Ogg Vorbis, AAC, Ogg Speex e FLAC;
  • Edita tags de arquivos MP3 e OGG, organiza a sua músicas;
  • Buscar tags faltando no MusicBrainz;
  • Download arte de capa do álbum faltando do Last.fm e Amazon;
  • Notificações desktop nativas no Linux (libnotify) e Mac OS X (rosnar);
  • Controle remoto usando um Wii Remote, MPRIS ou linha de comando;
  • Copie música para o iPod, iPhone, leitor de USB de armazenamento em massa ou MTP;
  • Gerenciador de filas.

O aplicativo foi atualizado recentemente, e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o Clementine Player

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o Clementine Player no Ubuntu

Clementine Player está disponível nos repositórios oficiais de algumas versões do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install clementine. No entanto, nem sempre é a versão mais recente. Por isso, para ter a última versão desse programa no Ubuntu, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:me-davidsansome/clementine

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Para instalar o programa, use este comando:

sudo apt-get install clementine

Como instalar o Clementine Player manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite clementine no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Clementine Player no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Clementine Player no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:me-davidsansome/clementine --remove
sudo apt-get remove clementine
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu

Como instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu

Se você está precisando usar o Oracle Java no Ubuntu (em vez do OpenJDK) e quer usar uma das últimas versões, por conta de algum tipo de compatibilidade (como internet banking, por exemplo), veja aqui como fazer isso.


Este simples tutorial irá mostrar como instalar o Oracle Java no Ubuntu (versões 6, 7, 8 e 9). Para isso, será usado um repositório do site WebUpd8, que foi criado para tornar o processo de instalação do Oracle Java bem mais fácil para usuários do Ubuntu e seus derivados.

Oracle Java no UbuntuComo instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu

O repositório foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Oracle Java no Debian

Usuários do Debian podem instalar o Oracle Java, seguindo esse tutorial:
Como instalar o Oracle Java 8 no Debian via repositório

Java no Linux

Para mais informações sobre o Java no Linux, acesse esse outro tutorial:
Java no Linux

Conheça melhor o Oracle Java

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Instalando o Oracle Java no Ubuntu e derivados

Para instalar o Oracle Java no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se você já tiver instalado o OpenJDK, remova ele executando o seguinte comando:

sudo apt-get purge openjdk*

Passo 3. Se ainda não tiver o repositório do Oracle Java, adicione ele o comando:

sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/java

Passo 4. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Se quiser instalar o Oracle Java 6, use o comando:

sudo apt-get install oracle-java6-installer

Passo 6. Se quiser instalar o Oracle Java 7, use o comando:

sudo apt-get install oracle-java7-installer

Passo 7. Se quiser instalar o Oracle Java 8, use o comando:

sudo apt-get install oracle-java8-installer

Passo 8. Ao executar o instalador, você terá que concordar com os termos de uso, para poder finalmente baixar e instalar o Java;

Como instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu

Como instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu

Como instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu

Passo 9. Depois disso, se for necessário configurar automaticamente as variáveis de ambiente Java, você pode instalar o seguinte pacote (ajuste o nome para a versão que deseja usar) :

sudo apt-get install oracle-java8-set-default

Java no Ubuntu… e o Java 9?

Importante !!! Por enquanto, você deve continuar a usar o Oracle Java 8, porque a versão 9 está disponível apenas como um release antecipado (que deve ser lançado em 2016)! Então, só use o Oracle Java 9 se você explicitamente precisar dele, porque este pode conter erros e pode não incluir as últimas correções de segurança! Além disso, algumas opções Java foram removidos no JDK9, assim você pode encontrar problemas com vários aplicativos Java.

Ciente disso, se o que você quer é realmente o Java 9, veja esse outro tutorial:
Como instalar o Oracle Java 9 no Ubuntu, Debian e derivados

Verificando a versão do Java e se o plugin está funcionando

Para saber se o plugin está funcionando, acesse a página de verificação do Oracle Java e clique no botão “Verificar versão do Java”;

Como instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu

Como instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu

E as atualizações do Java?

Depois de instalar usando esse procedimento, você não precisa se preocupar com as atualizações do Java. Como durante o processo você adicionou um repositório, as atualizações serão oferecidas automaticamente junto com os updates do sistema. Você só precisará confirmar a atualização e pronto!

Removendo o Oracle Java no Ubuntu

Se você não quiser usar o Oracle Java no Ubuntu e quiser voltar para o OpenJDK, tudo que você tem a fazer é remover o JDK Installer Oracle e depois instalar o Java que deseja usar, ou deixar sem nenhum, conforme for a sua necessidade. Para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o OpenJDK Java, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get install ppa-purge -y
sudo ppa-purge ppa:webupd8team/java
sudo apt-get update
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o tema StylishDark no Ubuntu

Quer experimentar mais um tema escuro e mudar o visual do seu desktop? Então veja como instalar o tema StylishDark no Ubuntu.

Este conjunto de temas foi inspirado pelo visual escuro padrão do WPS office. Ele apresenta um visual moderno e limpo em que você pode escolher entre três variantes.

Como instalar o tema StylishDark no Ubuntu

O pacote é totalmente integrado e possui suporte para muitos dos atuais ambientes populares, incluindo: Unity, Cinnamon, Mate, Xfce, LXDE, OpenBox, Gnome Classic & Fallback. Além disso, ele foi projetado para ser compatível com a maioria dos ambientes baseados em GTK2/3.

A seguir você pode ver as outras variações do tema:
Como instalar o tema StylishDark no Ubuntu

Como instalar o tema StylishDark no Ubuntu

Conheça melhor o tema StylishDark

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o tema StylishDark no Ubuntu e derivados

Para instalar o tema StylishDark no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema StylishDark usando o seguinte comando:

sudo apt-get install stylishdark-theme

Como instalar o tema manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome stylishdark.deb:

wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/themes/+files/stylishdark-theme_0.7-d~vivid~NoobsLab.com_all.deb -O stylishdark.deb

Passo 3. Agora instale o tema com o comando:

sudo dpkg -i stylishdark.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Quem quiser experimentar o tema e deixá-lo como nas imagens, use o conjunto ícones Vibrancy-Colors.

Desinstalando o tema StylishDark no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o tema StylishDark no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove stylishdark-theme

Passo 3. Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o Applet Netspeed Indicator no Ubuntu

netspeed-indicator-uubntu1404

Quer ver como está a velocidade de sua conexão? Então instale o Applet Netspeed Indicator no seu Ubuntu. Veja aqui como fazer isso.


O Netspeed Indicator é um applet monitor de tráfego para o ambiente Unity do Ubuntu, que é claramente inspirado no antigo miniaplicativo GNOME netspeed.

Netspeed Indicator

Ele exibe o total de tráfego de rede atual na área da bandeja do sistema no painel e você pode verificar o download e upload de velocidade atual a partir do seu menu.

Conheça melhor o Netspeed Indicator

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Como instalar o Netspeed Indicator no Ubuntu

Para instalar o Netspeed Indicator no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal usando o Dash ou pressionando as teclas Ctrl+Alt+T;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install indicator-netspeed

Como instalar o Netspeed Indicator manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Iniciando o Netspeed Indicator

Uma vez instalado, o Netspeed Indicator iniciará automaticamente no próximo login.
Caso ele não inicie automaticamente quando você fizer login, siga os passos desse tutorial e em “Nome”, digite “Netspeed Indicator” e em “Commando”, use: “indicator-netspeed”.

Desinstalando o Netspeed Indicator no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Netspeed Indicator no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8 -r
sudo apt-get remove indicator-netspeed
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Se você teve dificuldade para instalar o Receitanet usando arquivos .bin, veja como instalar o Receitanet no Linux usando a versão multiplataforma, que pode ser instalada em qualquer distribuição Linux.


Apesar do esforço da Receita, nem sempre é possível instalar o Receitanet usando os arquivos .bin, felizmente, eles disponibilizam uma versão multiplataforma do programa.

Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Nesse tutorial, você verá como fazer isso usando essa versão multiplataforma do Receitanet no Linux, que permite instalar o aplicativo em qualquer distribuição.

Conheça melhor o Receitanet

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Mais sobre o IRPF 2016

Mais sobre o IRPF 2015

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados e mais informações.

Preparando o sistema para instalar o Receitanet no Linux

Um dos pré requisitos para o programa é a instalação do Java mais recente, para isso, veja os tutoriais abaixou ou acesse esse link e siga as instruções dele:
Java no Ubuntu: veja como instalar o OpenJDK 8 nas versões LTS 12.04 e 14.04
Como instalar as versões 6, 7 ou 8 do Oracle Java no Ubuntu
Como instalar o Oracle Java 8 no Debian via repositório
Como instalar Java no Linux manualmente

Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Para instalar o Receitanet no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome receitanet.jar:

wget http://www.receita.fazenda.gov.br/publico/programas/receitanet/Receitanet-1.09.jar -O receitanet.jar

Passo 3. Execute o instalador usando o comando a seguir. Se aparecer uma tela pedindo autorização a executar o instaaldor, forneça a senha de administrador;

java -jar receitanet.jar

Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Passo 4. Na primeira tela, clique no botão “Próximo”;

Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Passo 5. Agora, clique no botão “Procurar…” para selecionar a pasta onde deseja instalar o programa e depois clique no botão “Próximo”, ou apenas clique no botão “Próximo” (que é o mais recomendado);

Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Passo 6. Na próxima tela, aguarde o programa fazer a instalação e quando ele terminar, clique no botão “Próximo”;

Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Passo 7. Em “Configurar atalhos”, marque a opção mais adequada ao seu uso e clique no botão “Próximo”;

Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Passo 8. Na última tela, clique no botão “Pronto” ;

Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Pronto! Depois de instalado, você já pode usá-lo (executando-o a partir do IRRF) e enviar a sua declaração.

Para remover o Receitanet no Linux, basta fazer o seguinte.
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Execute o desinstalador do programa com esse comando. Se aparecer uma tela pedindo autorização a executar o instalador, forneça a senha de administrador;

java -jar /opt/Programas\ RFB/Receitanet/Desinstalador/Desinstalador.jar

Passo 3. Na tela do programa, clique no botão “Desinstalar”;

Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Passo 4. Quando terminar, clique no botão “Sair”;

Como instalar a versão multiplataforma do Receitanet no Linux

Pronto! Agora que o programa está instalado, você já pode usá-lo (executando-o a partir do IRRF) e enviar a sua declaração.

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instale o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Instale o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Que tal ter controle total sobre o papel de parede de seu desktop? Se você se interessou, então instale e experimente o Wallpaper Manager.


O Wallpaper Manager é um trocador de papel de parede para o Ubuntu que tem muitos recursos, ele é muito rápido, simples, muito fácil de usar e funciona perfeitamente no Gnome Shell, Gnome Classic, Unity e Cinnamon.

Instale o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Para usar este utilitário você só precisa para colocar imagens na sua pasta /home/usuario/Imagens.

Com o programa você pode alterar o papel de parede com apenas um clique, aplicar efeitos como inversão visual, preto e branco, colocar um texto no papel de parede, colocar o papel de parede atual no Grub, alterar o modo de exibição facilmente e usar papeis de parede da Nasa.

Ficou curioso? Então veja o pode ser feito como o programa

Instale o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Instale o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Instale o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Instale o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Instale o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Instale o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Conheça melhor o Wallpaper Manager

Para mais detalhes sobre o programa, acesse esse link.

Instalando o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Para instalar o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:baitsart/wallpaper-manager

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando abaixo:

sudo apt-get install wallpaper-manager

Como instalar o Wallpaper Manager manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite wallpaper no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Depois, é só começar a mexer no menu do programa, para deixar o papel de parede de seu desktop como você quer.

Instale o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Desinstalando o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Wallpaper Manager no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:baitsart/wallpaper-manager --remove
sudo apt-get remove wallpaper-manager
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 4.10

Linus Torvalds anunciou o lançamento do novo kernel 4.10. Conheça as novidades, e se você quiser atualizar seu sistema para essa nova versão, veja abaixo como fazer isso.


Linux kernel 4.10 marca o inicio de uma nova série do núcleo do Linux e traz diversas novidades, principalmente na questão do suporte a hardwares.

Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 4.10

Principais destaques do Linux Kernel 4.10:

  • Suporte para “Boost” no Nouveau: Isso permitirá que placas de vídeo suportadas pelo driver de código aberto possam corrigir suas frequências de clock de “boost” para obter maior desempenho em alguns cenários específicos.
  • Suporte inicial para Intel GVT: Isso permitirá que VMs convidadas possam usar o driver de vídeo nativo do sistema operacional para acessar o hardware de gráficos Intel;
  • melhor suporte para dispositivos Microsoft Surface 3/4;
  • suporte para processadores AMD Ryzen habilitado;
  • Suporte para Turbo Boost Max 3.0;
  • Suporte para mais dispositivos ARM, como o Snapdragon 808/810, Huawei Nexus 6P, LG Nexus 5X, Pine64, Droid 4, e vários outros. Há também um trabalho inicial para o NVIDIA Tegra P1/Parker;
  • Diversas melhorias para placas Radeon Southern Islands e Sea Islands, bem como mais melhorias no AMDGPU para PowerPlay e gerenciamento de energia;U
  • Melhorias no suporte ao Raspberry Pi.
  • Para ver todas as mudanças presentes nesse kernel, acesse a nota de lançamento.

    Atualizar ou não atualizar! Eis a questão

    Essa série é voltada principalmente para os usuários que querem ter no seu sistema, a última versão do kernel Linux. Ela também serve para as pessoas que estão tendo problemas em algum hardware ou no reconhecimento deste e estão na expectativa de alguma correção.

    Independente disso, o procedimento a seguir é muito simples e pode ser desfeito com poucos comandos, conforme mostrado no final. Na verdade, se o usuário quiser continuar dando boot pelo kernel anterior, basta apenas escolher a opção no menu do Grub e o novo kernel nem afetará seu sistema.

    É 100% seguro? Nada é, mas é exatamente por isso que você deve escolher se irá ou não atualizar (e por isso coloco sempre a mensagem de alerta no texto), pois assim como no uso do software livre/open source, a liberdade de escolha é sua.

    Antes de iniciar começar a atualizar o kernel do Ubuntu, saiba que este é um procedimento, que apesar de simples, exige conhecimentos avançados do sistema e deve ser feito por sua própria conta e risco.

    Como atualizar o núcleo do Ubuntu para a versão final do kernel 4.10 usando uma aplicativo

    Se preferir, é possível fazer a atualização para esse kernel usando a ferramenta Kernel Update, que automatiza todo o processo, conforme mostrado nesses tutoriais:
    Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 4.10

    Como atualizar o kernel do Ubuntu com o Kernel Update

    Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 4.10

    Como atualizar o kernel do Ubuntu com o Kernel Update

    Mas quem quiser executar o procedimento manualmente para poder ver cada etapa da atualização, basta seguir o procedimento abaixo:

    Como atualizar o núcleo do Ubuntu para a versão final do kernel 4.10

    Para atualizar o núcleo do Ubuntu para a versão final do kernel 4.10, faça o seguinte
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema acessando as Configurações do Sistema e a opção “Detalhes” ou usando o comando abaixo:

    uname -m

    Passo 3. Se estiver usando um sistema de 32 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-headers-4.10.0-041000_4.10.0-041000.201702191831_all.deb
    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-headers-4.10.0-041000-generic_4.10.0-041000.201702191831_i386.deb
    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-image-4.10.0-041000-generic_4.10.0-041000.201702191831_i386.deb

    Passo 4. Se estiver usando um sistema de 32 bits e quiser usar o kernel de baixa latência, baixe os arquivos DEB com os comandos:

    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-headers-4.10.0-041000_4.10.0-041000.201702191831_all.deb
    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-headers-4.10.0-041000-lowlatency_4.10.0-041000.201702191831_i386.deb
    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-image-4.10.0-041000-lowlatency_4.10.0-041000.201702191831_i386.deb

    Passo 5. Se estiver usando um sistema de 64 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-headers-4.10.0-041000_4.10.0-041000.201702191831_all.deb
    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-headers-4.10.0-041000-generic_4.10.0-041000.201702191831_amd64.deb
    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-image-4.10.0-041000-generic_4.10.0-041000.201702191831_amd64.deb

    Passo 6. Se estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar o kernel de baixa latência, baixe os arquivos DEB com os comandos:

    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-headers-4.10.0-041000_4.10.0-041000.201702191831_all.deb
    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-headers-4.10.0-041000-lowlatency_4.10.0-041000.201702191831_amd64.deb
    wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.10/linux-image-4.10.0-041000-lowlatency_4.10.0-041000.201702191831_amd64.deb

    Passo 7. Instale o kernel com o comando:

    sudo dpkg -i linux-headers-4.10.0*.deb linux-image-4.10.0*.deb

    Passo 8. Reinicie o sistema com o comando abaixo:

    sudo reboot

    Atenção: Todos os drivers que não fazem parte da principal árvore do kernel (o que obviamente inclui drivers proprietários) devem ser recompilados para novas versões do kernel.

    Como desinstalar o kernel 4.10

    Se você tiver algum problema e quiser desinstalar o kernel 4.10, reinicie o computador com um kernel anterior (usando Grub -> Advanced -> select previous kernel, ou Grub -> Avançado -> selecionar o kernel anterior) e quando iniciar o sistema, faça login, abra um terminal e execute o comando abaixo para remover o Linux Kernel 4.10:

    sudo apt-get remove linux-headers-4.10 linux-image-4.10

    Em seguida, atualize o menu do GRUB, com o comando:

    sudo update-grub

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu

    Como instalar o ambiente LXQt no Debian

    LXQt é baseado na biblioteca QT e é praticamente o ambiente gráfico da distribuição LXDE. Se você quiser experimentar esse desktop, veja aqui como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu e derivados.


    LXQt é resultado da fusão entre os projetos LXDE-Qt e Razor-qt: um ambiente de desktop leve, modular, super rápido e fácil de usar. O ambiente é uma boa opção para quem não quer ficar no Unity ou quer experimentar novos ares.

    Como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu

    Ele usa o gerenciador de janelas Openbox, gerenciador de arquivos PCManFM-Qt (que é um port em qt do PCManFM), o painel de desktop razor-panel, bem como outros itens Qt, como seus Core Components.

    Como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu

    Conheça melhor o ambiente gráfico LXQt

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o ambiente LXQt no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o ambiente LXQt no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository -y ppa:lubuntu-dev/lubuntu-daily

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Atualize o sistema com o comando:

    sudo apt-get upgrade

    Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install lxqt-metapackage lxqt-panel openbox

    Uma vez que a instalação estiver concluída, saia da sua sessão atual do Ubuntu. Na tela de login, clique no ícone usado para escolher o ambiente gráfico (o circulo branco).

    Você será apresentado a uma tela com todas as opções de ambientes de desktop atualmente instalados. A mais recente adição a esta lista será o LXQt. Clique nesta opção e faça login novamente.

    Como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu

    Como instalar o ambiente gráfico LXQt em outras distribuições

    Para instalar o ambiente gráfico LXQt em outras distribuições, acesse a página do projeto e clique no ícone da distro.

    Como instalar ou atualizar para o ambiente LXQt no Ubuntu

    Desinstalando o ambiente LXQt no Ubuntu e derivados

    Se você não gostar ou se arrepender, para desinstalar o ambiente LXQt no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository -y ppa:lubuntu-dev/lubuntu-daily --remove
    sudo apt-get remove lxqt-metapackage lxqt-session lxsession
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu

    Como instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu

    Se você usa o sistema da Canonical e não conseguiu instalar o Shotcut seguindo as instruções desse tutorial, veja como instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e sistemas derivados.


    Shotcut é um editor de vídeos multiplataforma e de código aberto, que tem abundância de recursos, incluindo suporte a 4K Ultra HD TV.

    Como instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu

    O programa é fácil de usar e oferece toneladas de funções e recursos para editar/gerenciar os seus vídeos com apenas alguns cliques do mouse.

    Nele você pode facilmente analisar o vídeo quadro a quadro, ajustar todos os aspectos do vídeo e muitas outras tarefas de edição complexas.

    O programa pode trabalhar com uma grande quantidade de formatos de áudio e vídeo e codecs como AVI, M4A, MXF, VOB, FLV, MP4, M2T, MPG, MOV, OGG, WEBM, e outros. Além disso, ele também suporta muitos formatos de imagem como BMP, GIF, JPEG, PNG, SVG, TGA, TIFF, bem como sequências de imagens.

    Conheça melhor o editor de vídeos Shotcut

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:haraldhv/shotcut

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install shotcut

    Como instalar a versão mais recente do editor de vídeos Shotcut Ubuntu e seus derivados via Snap

    Para instalar a versão mais recente do editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e seus derivados via Snap, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se for essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com esse comando;

    sudo apt install snapd

    Passo 3. Instale a versão mais recente do editor de vídeos Shotcut no Ubuntu via SNAP, usando esse comando:

    sudo snap install shotcut --classic

    Passo 4. Mais tarde, quando uma nova versão for lançada, atualize o atalho usando o seguinte comando:

    sudo snap refresh shotcut --classic

    Passo 5. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo snap remove shotcut

    Observe que o pacote snap do Shotcut não inclui um arquivo de lançado (.desktop), ou pelo menos, seu nome não aparece no menu ou Dash do Ubuntu. Para executá-lo, abra um terminal ou pressione ALT + F2 e digite “shotcut” (sem as aspas).

    Para adicionar o Shotcut ao menu, você pode usar uma ferramenta como o MenuLibre, que está disponível nos repositórios do Ubuntu.

    Como instalar o editor de vídeos Shotcut manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Se quiser instalar manualmente em qualquer distribuição, veja esse outro tutorial:
    Como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux manualmente

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite shotcut no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:haraldhv/shotcut --remove
    sudo apt-get remove shotcut
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como tirar print da tela do PC? instale a ferramenta HotShots no Linux

    Como instalar a ferramenta de captura de tela HotShots no Linux

    Procurando uma boa ferramenta de ferramenta de captura de tela? Então veja aqui como instalar o HotShots no Linux para tirar print da tela do PC.


    HotShots é uma ferramenta de captura de tela com alguns recursos de edição (redimensionar, cortar, etc). Ele é particularmente adequado para escrever documentação, mas você pode usá-lo para destacar alguns detalhes de uma imagem, de mapa ou o que você quiser.

    Como instalar a ferramenta de captura de tela HotShots no Linux

    Como o programa é escrito com Qt, ele tem poucas dependências e usa poucos recursos do computador. O programa tem as mesmas características que Shutter, apesar do fato de que ele é bem mais leve.

    Também vale a pena mencionar que além dos recursos de edição de imagem, ele também permite que os usuários facilmente façam upload de seus screenshots  para servidores FTP ou para os serviços imgur.com, imageshack.us e freeimagehosting.net.

    Conheça melhor o HotShots

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    A seguir você verá como instalar esse aplicativo nas principais distribuições Linux. Acompanhe:

    Como instalar o HotShots no Linux OpenSUSE e seus derivados

    Para instalar o HotShots no Linux OpenSUSE e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se você estiver usando um sistema OpenSUSE 13.1 ou um sistema baseado nele, adicione o repositório do programa com este comando:

    zypper addrepo http://download.opensuse.org/repositories/home:/Lazy_Kent/openSUSE_13.1/home:Lazy_Kent.repo

    Passo 3. Se você estiver usando um sistema OpenSUSE 13.2 ou um sistema baseado nele, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo zypper addrepo http://download.opensuse.org/repositories/home:/Lazy_Kent/openSUSE_13.2/home:Lazy_Kent.repo

    Passo 4. Se você estiver usando um sistema OpenSUSE 42.1 ou um sistema baseado nele, adicione o repositório do programa com este comando:

    zypper addrepo http://download.opensuse.org/repositories/home:/Lazy_Kent/openSUSE_Leap_42.1/home:Lazy_Kent.repo

    Passo 5. Se você estiver usando um sistema OpenSUSE 42.2 ou um sistema baseado nele, adicione o repositório do programa com este comando:

    zypper addrepo http://download.opensuse.org/repositories/home:/Lazy_Kent/openSUSE_Leap_42.2/home:Lazy_Kent.repo

    Passo 6. Se você estiver usando um sistema OpenSUSE Tumbleweed ou um sistema baseado nele, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo zypper addrepo http://download.opensuse.org/repositories/home:/Lazy_Kent/openSUSE_Tumbleweed/home:Lazy_Kent.repo

    Passo 7. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando;

    zypper refresh

    Passo 8. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    zypper install hotshots

    Passo 9. Se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    zypper remove hotshots

    Como instalar o HotShots no Linux Fedora e seus derivados

    Para instalar o HotShots no Linux Fedora e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se você estiver usando um sistema Fedora 24 ou um derivado dele, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/home:/zhonghuaren/Fedora_24/home:zhonghuaren.repo -O /etc/yum.repos.d/zhonghuaren.repo

    Passo 2. Se você estiver usando um sistema Fedora 25 ou um derivado dele, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/home:/zhonghuaren/Fedora_25/home:zhonghuaren.repo -O /etc/yum.repos.d/zhonghuaren.repo

    Passo 7. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo yum install hotshots

    ou

    sudo dnf install hotshots

    Passo 8. Quando for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo yum remove hotshots

    ou

    sudo dnf remove hotshots

    Como instalar o HotShots no Arch Linux, Manjaro, Antergos e seus derivados

    Para instalar o HotShots no Arch Linux, Manjaro, Antergos e seus derivados você precisa ter o yaourt instalado. Se este é o seu caso, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Instale o Yaourt com o comando abaixo;

    sudo pacman -Sy yaourt

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo yaourt hotshots

    Passo 5. Quando for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo yaourt -Rsn hotshots

    Como instalar o HotShots no Linux Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o HotShots no Linux Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/apps

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install hotshots

    Passo 5. Quando for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove hotshots

    Como instalar o HotShots manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite hotshots em um terminal, seguido da tecla TAB.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    YouTube Viewer: um completo cliente YouTube para Linux

    YouTube Viewer: um completo cliente YouTube para Linux

    Complementando a nossa lista de opções para baixar vídeos do YouTube no Linux, conheçam outro app cliente desse serviço de vídeos, o YouTube Viewer.


    YouTube Viewer é um aplicativo escrito em Perl que podem ser usados para pesquisar, reproduzir e baixar vídeos do YouTube.

    YouTube Viewer: um completo cliente YouTube para Linux

    YouTube Viewer: um completo cliente YouTube para Linux

    O programa possui uma interface gráfica, baseada em GTK2 e outra de linha de comando e oferece uma ampla gama de recursos, como uma pesquisa avançada, navegação de categorias do YouTube, visualização de suas assinaturas, favoritos ou vídeos recomendados, visualização completa das informações de vídeo e muito mais.

    YouTube Viewer: um completo cliente YouTube para Linux

    Conheça melhor o YouTube Viewer

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o YouTube Viewer no Ubuntu e seus derivados

    YouTube Viewer está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install youtube-viewer. No entanto, em versões mais antigas, para instalar o YouTube Viewer no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Embora o YouTube Viewer suporte vários players de vídeo, agora ele só funciona corretamente com MPV. Para instalar ele, use o comando abaixo;

    sudo apt-get install mpv

    Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install youtube-viewer

    Como instalar o YouTube Viewer manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite youtube no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o programa no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o programa no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove youtube-viewer
    sudo apt-get autoremove

    Como instalar o YouTube Viewer em outras distribuições Linux

    Usuários do Arch Linux pode instalar YouTube Viewer (GIT) via AUR: cli | gtk

    Para outras distribuições Linux, consulte as páginas do Google Code e GitHub YouTube Viewer.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    21 de fevereiro de 2017

    Gerenciar fotos no Linux – instale o Picty no Ubuntu e derivados

    Procurando uma aplicação para gerenciar fotos? A busca acabou, veja como instalar o Picty no Ubuntu e sistemas derivados, e organize suas fotos.


    Existe uma abundância de outros gerenciadores de grandes bibliotecas de fotos, e o Picty é um deles. O programa é um gerenciador de coleção de fotos gratuito, poderoso e simples que ajuda o usuário a gerenciar fotos, sem qualquer aborrecimento.

    Gerenciar fotos no Linux - instale o Picty no Ubuntu e derivados

    Ele usa uma abordagem de menor perda para lidar com imagens e também gerenciar metadados. Em sistemas de arquivos locais, metadados (informações descritivas) e edições de imagem (cortar, girar, melhorar) são armazenadas nas imagens.

    Na medida do possível, os bancos de dados/índices são arquivos temporários que podem ser excluídos sem perder dados úteis.

    Picty pode lidar com mais de 20.000 coleção de fotos, permite que você crie coleção de imagens na unidade local, câmeras, dispositivos móveis, outros dispositivos de mídia e serviços de fotografia baseados na web (atualmente suporta: Flickr).

    A boa notícia é que você pode abrir quantas coleções quiser e transferi-los em qualquer lugar você quiser.

    Ele escreve e lê metadados em formatos padrão: IPTC, Xmp e Exif. Outras características importantes desta aplicação incluem a edição básica de imagens, suporte a múltiplos monitores, tagging de imagens, exibição de pasta e assim por diante.

    O programa também tem poderosos recursos de pesquisa e suporta plugins (recursos de interface do usuário como marcação e mapeamento de geolocalização, são fornecidos por plugins).

    Gerenciar fotos no Linux - instale o Picty no Ubuntu e derivados

    Gerenciar fotos no Linux - instale o Picty no Ubuntu e derivados

    Conheça melhor o Picty

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Picty no Ubuntu e gerenciar fotos

    Para instalar o Picty no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:damien-moore/ppa

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install picty

    Passo 5. Para obter outras funcionalidades como Flickr, suporte GeoTagging, Processing, e miniaturas de vídeo, execute o comando abaixo:

    sudo apt-get install dcraw totem python-gdata python-flickrapi python-osmgpsmap

    Como instalar o Picty manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite picty no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o Picty no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Picty no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:damien-moore/ppa --remove
    sudo apt-get remove picty
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como ativar um menu global Unity para aplicações Java como Android Studio, NetBeans, IntelliJ IDEA

    Como ativar um menu global Unity para aplicações Java como Android Studio, NetBeans, IntelliJ IDEA

    Se você usa aplicações Java que utilizam a tecnologia Swing, com o Android Studio, NetBeans, IntelliJ IDEA no Ubuntu, deve ter percebido que elas não possuem um menu global como os programas nativos do sistema. Para ativar um menu global Unity para aplicações Java e resolver essa pequena diferença de interface, você deve instalar o JAyatana.


    Java Swing Ayatana é um projeto que traz Ubuntu menus global (AppMenu) e uma função parecida com o Dash, para aplicações Java Swing. Usando isso, você terá um Unity AppMenu e acesso a pesquisa de comandos para aplicações como: NetBeans IDE, IntelliJ IDEA, Android Studio, jDownloader e assim por diante.

    Como ativar um menu global Unity para aplicações Java como Android Studio, NetBeans, IntelliJ IDEA

    Como ativar um menu global Unity para aplicações Java como Android Studio, NetBeans, IntelliJ IDEA

    Conheça melhor JAyatana

    Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

    Como ativar um menu global Unity para aplicações Java no Ubuntu e derivados

    JAyatana está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install jayatana. No entanto, em versões mais antigas, para ativar um menu global Unity para aplicações Java no Ubuntu e derivados, é preciso instalar o Ayatana a partir de um repositório. Para isso, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial. Em versões mais recentes do Ubuntu (15.04), basta fazer o próximos passos e ignorar este;

    sudo add-apt-repository ppa:danjaredg/jayatana

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install jayatana

    Como instalar o Ayatana manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Uma vez instalado, feche a sessão atual (logout) e depois entre novamente (login), para começar a usar o recurso.

    Como remover o menu global Unity para aplicações Java no Ubuntu e derivados

    Se por algum motivo for necessário, para restaurar as configurações, basta executar abrir um terminal e executar o comando abaixo para desinstalar o projeto:

    sudo apt-get --purge remove jayatana libjayatana libjayatanaag libjayatana-java libjayatanaag-java

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Anotações em PDF – conheça e instale o Xournal no Ubuntu

    Anotações em PDF: instale o Xournal no Ubuntu

    Precisando fazer anotações em PDF? Então conheça o Xournal. E se você quiser instalar ele em seu sistema, veja aqui como fazer isso.


    Para aqueles não familiarizados com o Xournal, ele é uma aplicação GTK+ para fazer anotações, desenhar e manter um diário usando uma caneta em Tablet PCs e outras plataformas.

    Anotações em PDF: instale o Xournal no Ubuntu

    O aplicativo vem com várias ferramentas, tais como: caneta, borracha, marca-texto, ferramenta de texto e forma de reconhecimento. Além disso, traços e blocos de texto podem ser selecionados, movidos e copiados usando uma ferramenta de seleção retangular.

    Além de servir para tomar notas ou esboços, essas ferramentas podem ser usadas para anotar em arquivos PDF (ele usa a biblioteca Poppler para processar documentos PDF), que podem ser salvos no formato de arquivo nativo do Xournal, ou exportados para PDF.

    O aplicativo possui uma opção de exportação para PDF usando Cairo, um modo de visualização horizontal e opções de configuração para dispositivos touchscreen.

    Conheça melhor o Xournal

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o aplicativo de anotações em PDF Xournal no Ubuntu e seus derivados

    Xournal está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu (começando com o Ubuntu 15.04) e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install xournal. No entanto, em versões mais antigas, para instalar o aplicativo de anotações em PDF Xournal no Ubuntu e poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install xournal

    Como instalar o aplicativo de anotações em PDF Xournal manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite xournal no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o aplicativo de anotações em PDF Xournal no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o aplicativo de anotações em PDF Xournal no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove xournal
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o jogo The Battle for Wesnoth no Ubuntu

    Como instalar o jogo The Battle for Wesnoth no Ubuntu

    Foi lançada mais uma atualização do jogo de estratégia The Battle for Wesnoth. Se você se interessa por esse tipo de disputa, veja aqui com instalar ele no Ubuntu.


    The Battle for Wesnoth (A batalha por Wesnoth), também chamado simplesmente de Wesnoth, é um game de estratégia baseado em turnos em um mapa hexagonal e que pode ser jogado em modo singleplayer e combate multiplayer on-line/hotseat. O jogo é programado em C++ e é um software livre, licenciado pela GPL.

    Como instalar o jogo The Battle for Wesnoth no Ubuntu

    O jogo Battle for Wesnoth foi desenvolvido originalmente por David White em junho de 2003. Atualmente ele atua como o coordenador do projeto.

    David se baseou nos jogos do Sega Genesis Master of Monsters e Warsong. Ele tentou criar um jogo de estratégia de código-aberto que tivesse regras muito simples, mas com uma poderosa inteligência artificial, e ele obteve sucesso e diversão.

    Em Wesnoth, o jogador treina soldados, para criar um exército invencível, controla aldeias e derrota inimigos.
    O jogo é vagamente baseado nos jogos para Sega Genesis, Master of Monsters e Warsong.

    Ele é muito competitivo, o usuário pode escolher entre centenas de tipos diferentes de soldados, como infantaria, cavalaria, arqueiros, magos, e etc e lutar com os amigos ou estranhos, no modo multiplayer.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o jogo The Battle for Wesnoth

    Para saber mais sobre esse jogo, clique nesse link.
    Para mais informações sobre a última versão, acesse a página oficial do jogo.

    Como instalar o jogo The Battle for Wesnoth no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o jogo Battle for Wesnoth no Ubuntu, procure por “wesnoth” na Central de programas do sistema. Se quiser experimentar a versão mais recente do jogo e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:vincent-c/wesnoth

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install wesnoth-1.12

    Como instalar o The Battle for Wesnoth manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite wesnoth no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

    Desinstalando o jogo The Battle for Wesnoth no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o jogo The Battle for Wesnoth no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:vincent-c/wesnoth --remove
    sudo apt-get remove wesnoth-1.12
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o Receitanet no Debian, Fedora e derivados

    Como instalar o Receitanet no Debian, Fedora e derivados

    Se você quer instalar o Receitanet no Debian, Fedora e derivados ou sistema que suportem pacotes deb e rpm, veja como fazer isso.


    Além da versão binária (bin) e multiplataforma (jar), a receita também disponibiliza versões do instalador do Receitanet em formato deb e rpm, para que os usuários Linux instalem o programa em sistemas que suportem esses formatos.

    Receitanet no Debian, Fedora e derivados,

    A seguir, você verá como fazer a instalação do Receitanet no Debian, Fedora e derivados, usando esses tipos de pacotes. Mas antes, dê uma boa olhada nos pré requisitos do programa.

    Conheça melhor o Receitanet

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Mais sobre o IRPF 2016

    Mais sobre o IRPF 2015

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Preparando o sistema para instalar o Receitanet no Debian, Fedora e derivados

    Um dos pré requisitos para o programa é a instalação do Java mais recente, para isso, veja os tutoriais abaixou ou acesse esse link e siga as instruções dele:
    Java no Ubuntu: veja como instalar o OpenJDK 8 nas versões LTS 12.04 e 14.04
    Como instalar as versões 6, 7 ou 8 do Oracle Java no Ubuntu
    Como instalar o Oracle Java 8 no Debian via repositório
    Como instalar Java no Linux manualmente

    Como instalar o Receitanet no Debian, Fedora e derivados

    Para fazer a instalação do Receitanet no Debian, Fedora e derivados, siga os procedimentos abaixo:

    Instalando o Receitanet no Debian e derivados

    Para instalar o Receitanet no Debian e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Para baixar o instalador do no Debian e derivados, use o comando abaixo. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome receitanet.deb;

    wget http://www.receita.fazenda.gov.br/publico/programas/receitanet/receitanet-1.09.deb -O receitanet.deb

    Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i receitanet.deb

    Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Passo 5. Se depois você precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

    sudo apt-get remove receitanet*

    Instalando o Receitanet no Fedora e sistemas derivados

    Para instalar o Receitanet no Fedora e sistemas derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Para baixar o instalador do Receitanet no Fedora e sistemas derivados, use o comando abaixo. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome receitanet.rpm;

    wget http://www.receita.fazenda.gov.br/publico/programas/receitanet/receitanet-1.09-1.noarch.rpm -O receitanet.rpm

    Passo 3. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo yum localinstall receitanet.rpm

    ou

    sudo dnf install receitanet.rpm

    Passo 4. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo zypper install receitanet.rpm

    Passo 5. Para instalar em um OpenMandriva, Mageia e seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo urpmi receitanet.rpm

    Passo 11. Se depois você precisar desinstalar o programa, use o comando a seguir;

    sudo rpm -e receitanet*

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite receitanet em um terminal, seguido da tecla TAB.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o Kingsoft WPS Office no Ubuntu, Debian, Fedora e derivados

    Como instalar o Kingsoft WPS Office no Ubuntukingsoft wps office

    Procurando uma suíte de escritório compatível com o MS office e multiplataforma? Conheça o Kingsoft WPS Office. Se você quiser atualizar ou experimentar essa versão, veja aqui como fazer isso.


    O Kingsoft WPS Office é uma suíte de escritório proprietária que está tendo um sucesso notável, especialmente entre os usuários orientais.

    Como instalar o Kingsoft WPS Office no Ubuntu

    A ideia do projeto WPS Office é fornecer aos usuários uma alternativa gratuita ao Microsoft Office, incluindo um excelente suporte para formatos proprietários e uma interface gráfica moderna e intuitiva.

    Graças à colaboração entre o Kingsoft Office International Community e a Canonical, a suíte de escritório tornou-se parte dos repositórios oficiais da distro Ubuntu Kylin, uma especificação oficial derivada do Ubuntu, voltada para os usuários chineses.

    Apesar de ainda ser um Alpha, o continuo desenvolvimento do Kingsoft WPS Office lhe dá cada dia mais funcionalidades e estabilidade, tornado-a uma suíte de escritório multiplataforma com características muito interessantes.

    Conheça melhor o Kingsoft WPS Office

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
    Para obter mais informações sobre o Kingsoft WPS Office, acesse esse link.

    Como instalar o Kingsoft WPS Office no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e sistemas derivados

    A seguir, você verá como instalar o Kingsoft WPS Office no Linux, mais especificamente em distribuições baseadas em pacotes RPM (como Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e seus derivados) e DEB (como Debian, Ubuntu e sistemas derivados destes).

    Instalando o Kingsoft WPS Office para Linux no Ubuntu e derivados

    Para instalar o Kingsoft WPS Office para Linux no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits e você quer usar versão mais recente do WPS Office, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome wps-office.deb:

    wget http://kdl.cc.ksosoft.com/wps-community/download/a21/wps-office_10.1.0.5672~a21_i386.deb -O wps-office.deb

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits e você quer usar versão mais recente do WPS Office, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome wps-office.deb:

    wget http://kdl.cc.ksosoft.com/wps-community/download/a21/wps-office_10.1.0.5672~a21_amd64.deb -O wps-office.deb

    Passo 5. Baixe o pacote de fontes da suíte:

    wget http://kdl.cc.ksosoft.com/wps-community/download/fonts/wps-office-fonts_1.0_all.deb -O web-office-fonts.deb

    Passo 6. Se seu sistema é de 32 bits e você quer usar versão a20 do WPS Office, acesse essa página e baixe os seguintes arquivos: wps-office_10.1.0.5503-a20p2_i386, wps-office-language-all_0.1_all.deb e wps-office-mui-pt-br_1.1.0-0kaiana1_all.deb;
    Passo 7. Se seu sistema é de 64 bits e você quer usar versão a20 do WPS Office, acesse essa página e baixe os seguintes arquivos: wps-office_10.1.0.5503~a20p2_amd64.deb, wps-office-language-all_0.1_all.deb e wps-office-mui-pt-br_1.1.0-0kaiana1_all.deb;
    Como instalar o Kingsoft WPS Office no Ubuntu
    Passo 8. Agora, instale os pacotes baixados clicando neles ou usando o comando abaixo (claro, dentro da pasta onde foram baixados os arquivos):

    sudo dpkg -i wps-office*.deb

    Passo 9. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Passo 10. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo apt-get remove wps-office

    Como instalar o Kingsoft WPS Office no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados

    Quem quiser instalar o Kingsoft WPS Office no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome wps-office.rpm:

    wget http://kdl.cc.ksosoft.com/wps-community/download/a21/wps-office-10.1.0.5672-1.a21.i686.rpm -O wps-office.rpm

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome wps-office.rpm:

    wget http://kdl.cc.ksosoft.com/wps-community/download/a21/wps-office-10.1.0.5672-1.a21.x86_64.rpm -O wps-office.rpm

    Passo 5. Baixe o pacote de fontes da suíte:

    wget http://kdl.cc.ksosoft.com/wps-community/download/fonts/wps-office-fonts-1.0-1.noarch.rpm -O web-office-fonts.rpm

    Passo 6. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo zypper install wps-office*.rpm

    Passo 7. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo yum localinstall wps-office*.rpm

    ou

    sudo dnf install wps-office*.rpm

    Passo 8. Para instalar o programa na maioria das distro com suporte a arquivos RPM, use o comando:

    sudo rpm -i wps-office*.rpm

    Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo rpm -e wps-office

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite wps no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB) e escolha uma das opções.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como fazer para o GRUB exigir uma senha para iniciar o sistema

    Como fazer para o GRUB exigir uma senha para iniciar o sistema

    Que tal colocar um pouco mais de segurança no gerenciador de boot do Linux? Então veja aqui como fazer para o GRUB exigir uma senha para iniciar o sistema.


    A grande maioria das distribuições Linux usam o GRUB como gerenciador de boot padrão, a solução também pode fornecer recursos úteis. No Ubuntu e seus derivados, está disponível o acesso ao modo de recuperação do GRUB, o que também permite o acesso ao sistema como root sem saber a senha.

    Como fazer para o GRUB exigir uma senha para iniciar o sistema

    O perigo dessa configuração é que vários recursos poderiam ser usados, por exemplo, é possível mudar credenciais, criar novos usuários e assim por diante.

    Para tornar o GRUB mais seguro, basta criar uma senha para acessar o bootloader, dificultando assim o acesso o modo de recuperação ou a inicialização dos sistemas operacionais, por usuários mal-intencionados.

    Conheça melhor o GRUB

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Para complementar esse tutorial, assista o vídeo abaixo:

    Como fazer para o GRUB exigir uma senha para iniciar o sistema

    Para fazer com que o GRUB exija uma senha para iniciar o sistema, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Execute o comando abaixo para criar a senha que será usada (digite sua senha de administrador e depois a senha a ser usada. Fique atento a cada detalhe desse passo, ok?);

    sudo grub-mkpasswd-pbkdf2

    Como fazer para o GRUB exigir uma senha para iniciar o sistema

    Passo 3. Faça uma cópia do arquivo de configuração do GRUB;

    sudo cp /etc/grub.d/40_custom /etc/grub.d/40_custom.old

    Passo 4. Abra o arquivo de configuração do GRUB com um editor de texto;

    sudo gedit /etc/grub.d/40_custom

    Passo 5. Com o arquivo aberto, adicione o conteúdo abaixo no final dele. Depois, substitua grub.pbkdf2.sha512.xxxxx, pelo conteúdo exibido no final do passo 2;

    set superusers="root"
    password_pbkdf2 root grub.pbkdf2.sha512.xxxxx

    Como fazer para o GRUB exigir uma senha para iniciar o sistema

    Passo 6. Execute o configurador do GRUB;

    sudo grub-mkconfig -o /boot/grub/grub.cfg

    Pronto! Agora você já pode reiniciar o sistema, que na inicialização será pedido o usuário (root) e a senha (criada no passo 2).

    Como voltar o GRUB para a configuração padrão

    Para voltar o GRUB para a configuração padrão, faça seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Volte o arquivo de configuração do GRUB;

    sudo cp /etc/grub.d/40_custom.old /etc/grub.d/40_custom

    Passo 3. Execute o configurador do GRUB;

    sudo grub-mkconfig -o /boot/grub/grub.cfg

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Firefox no Ubuntu: veja como manter o navegador atualizado

    Firefox no Ubuntu: veja como manter o navegador atualizado

    A Mozilla lança frequentemente atualizações do seu navegador. Se você quer estar sempre com a última versão do Firefox no Ubuntu, veja como manter o navegador atualizado nesse sistema.


    A cada nova versão do Firefox, mais e mais funcionalidades são adicionadas e diversas melhorias são feitas, além de inúmeras correções de segurança e muitos outros ajustes. Por isso, é sempre bom estar com a versão mais recente desse navegador.

    Firefox no Ubuntu:  veja como manter o navegador atualizado

    Conheça melhor o Firefox

    Para saber mais sobre o Firefox, clique nesse link.

    Normalmente a última versão do Firefox fica disponível como uma atualização de segurança em todas as versões suportadas do Ubuntu, depois de algumas horas do anúncio da Mozilla. Mas se você atualizou o sistema e a nova versão não apareceu, siga os passos a seguir e resolva seu problema.

    Como atualizar o Firefox no Ubuntu e derivados

    Para atualizar o Firefox no Ubuntu e instalar a versão mais recente do navegador, faça o seguinte:

    Passo 1. Certifique-se de que o repositório de atualizações recomendadas está habilitado. Para fazer isso, abra as “Configurações do sistema” e depois clique no item a opção “Programas e atualizações”. Quando aparecer a tela, vá para a aba “Atualizações” e veja se o item repositório de atualizações recomendadas está habilitado. Se não estiver, marque o item;

    Firefox no Ubuntu:  veja como manter o navegador atualizado

    Passo 2. Para executar o atualizador do sistema, digite update no Dash ou em um terminal, seguido da tecla TAB;

    Firefox no Ubuntu:  veja como manter o navegador atualizado

    Passo 3. Clique no ícone do atualizador e espere ele receber as informações de atualização;

    Firefox no Ubuntu:  veja como manter o navegador atualizado

    Passo 4. Na tela do programa, clique em “Detalhes das atualizações” para ver se o Firefox está no meio das atualizações. Se estiver, confirme a atualização clicando em “Instalar agora” e espere até finalizar.

    Firefox no Ubuntu:  veja como manter o navegador atualizado

    Se tudo correu bem, no final do processo, seu Firefox estará com a última versão instalada.

    Se mesmo com esse procedimento, o Firefox não ficou na versão mais recente, experimente usar esse outro tutorial, que mostra como instalar ele em qualquer distribuição Linux:
    Firefox no Linux: veja como instalar manualmente

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Trabalhando com planilhas? Conheça algumas alternativas ao MS Excel no Linux

    Trabalhando com planilhas? Conheça algumas alternativas ao MS Excel no Linux

    Trabalhar com planilhas é algo muito comum no dia a dia e isso não é diferente para um usuário do Linux. Se você é um desses usuários, conheça algumas alternativas ao MS Excel no Linux, que podem lhe ajudar nessa tarefa.


    Há pouco tempo, compatibilidade com pacotes de aplicativos de escritório era algo complicado no Linux. Mas com os mais recentes pacotes “office” disponíveis, isso já não é mais um grande problema, pois a diversidades de opções é muito boa, principalmente em se tratando dos editores de planilhas.

    Trabalhando com planilhas? Conheça algumas alternativas ao MS Excel no Linux

    As aplicações listadas a seguir, tem interface, suporte e comportamento similar ao do MS Excel, e por isso, mudar para um deles deve ser bastante simples. Além disso, nesses programas a exportação e importação de e para o MS Excel formato funciona bem, e não há muitos problemas de compatibilidade.

    No entanto, vale observar que alguns desses programas usam o formato OpenDocument Spreadsheet (ODS) como o formato nativo padrão e, embora embora não seja o recomendado, alguns deles podem ser configurados para utilizar o formato do Excel como padrão, caso isso seja necessário.

    Conheça algumas alternativas ao MS Excel no Linux para trabalhar com planilhas

    LibreOffice/Openoffice Calc

    Trabalhando com planilhas? Conheça algumas alternativas ao MS Excel no Linux

    Este é o aplicativo de planilha, que vem com as poderosas suites LibreOffice/Openoffice. Aparentemente, ele é o editor de planilhas para Linux mais poderoso e rico em recursos.

    Calc possui suporte para fórmulas, gráficos, formatação de textos e células, inserção de imagens, macros, exportação e importação de arquivos do MS Excel. O programa salva em formato OpenDocument Spreadsheet (ODS), tem uma função de exportação de PDF e diversas opções de configuração poderosas.

    Conheça melhor o LibreOffice/Openoffice Calc

    Para saber mais sobre o LibreOffice Calc, clique nesse link.
    Para saber mais sobre o Openoffice Calc, clique nesse link.

    Para instalar o aplicativo no seu sistema, veja esse tutorial:
    Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux
    Como instalar o Apache OpenOffice no Linux

    Calligra Sheets

    Trabalhando com planilhas? Conheça algumas alternativas ao MS Excel no Linux

    Sheets está incluído na suíte de escritório KDE, Calligra. O programa é uma ferramenta de cálculo e planilha com recursos completos, incluindo suporte para funções, gráficos, texto e formatação de células.

    O aplicativo também se beneficia da mesma tecnologia de todos os outros produtos Calligra, o que significa que você pode fazer muito mais que uma simples planilha.

    Conheça melhor o Calligra Sheets

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
    Para instalar, veja esse tutorial:

    utra alternativa ao Office: instale o Calligra Suíte no Ubuntu

    Gnumeric

    Trabalhando com planilhas? Conheça algumas alternativas ao MS Excel no Linux

    Gnumeric é o aplicativo de planilha do ambiente GNOME. Com muitos recursos, ele oferece uma interface consistente, com destaque para a letra da coluna e o número da linha, suporte para gráficos, inserção de imagens e um sistema de ajuda muito abrangente com exemplos sobre como realizar várias tarefas.

    O programa é uma boa alternativa para o MS Excel, principalmente se você já está acostumado com ele, mas também é uma ótima ferramenta para começar a aprender a criar e trabalhar com planilhas.

    Contudo, embora possa salvar arquivos no formato OpenDocument Spreadsheet (ODS), ele não parece ser capaz de importar gráficos a partir de arquivos criados com outros aplicativos de planilha (por exemplo, Calligra Sheets).

    Conheça melhor o Gnumeric

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Gnumeric está disponível nos repositórios oficiais das principais distribuições, e portanto, pode ser instalado usando o gerenciador de pacotes de sua distro.

    Planilhas Google

    Trabalhando com planilhas? Conheça algumas alternativas ao MS Excel no Linux

    Google Drive Spreadsheet ou novo Planilhas Google é na verdade um serviço web/aplicativo de nuvem fornecido pelo Google. Por causa disso, ele pode ser acessado a partir de seu navegador, se você tiver uma conta do Google (que oferece 15 GB de armazenamento gratuito compartilhado entre todos os seus serviços, incluindo o Gmail, fotos ou Blogger).

    O serviço salva as alterações instantaneamente, pode exportar seus documentos como OpenDocument ou MS Excel, tem suporte para gráficos, fórmulas e muitas outras ferramentas.

    Ele salva os arquivos automaticamente no servidor de nuvem, ou seja, você pode acessá-los de qualquer lugar (desde que você tenha uma conexão de Internet), sem precisar instalar nada.

    Conheça melhor o Google Drive Spreadsheet

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Kingsoft Spreadsheet

    Trabalhando com planilhas? Conheça algumas alternativas ao MS Excel no Linux

    Quem está muito acostumado ao Microsoft Excel irá gostar de usar o Kingsoft Spreadsheet no Linux, pois ele tem praticamente o mesmo padrão de interface do programa da Microsoft, além de permitir visualizar e editar planilhas dessa suite no Linux.

    Embora não seja um software livre, a versão personal da suíte Kingsoft é totalmente gratuita e oferece a maioria dos recursos e funcionalidades que você pode precisar para manipular planilhas, como no Microsoft Excel.

    Conheça melhor o Kingsoft Spreadsheet

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
    Para instalar, use esses tutoriais:

    Como instalar o Kingsoft WPS Office no Linux manualmente
    Como instalar o Kingsoft WPS Office no Ubuntu

    Bom, agora que você já conhece as opções, experimente e escolha aquela que for mais conveniente para as suas atividades com planilhas.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Editor de legendas para Linux? Instale o Gaupol

    Editor de legendas para Linux? Instale o Gaupol

    Procurando um editor de legendas para Linux para criar ou consertar arquivos desse tipo? Então instale e experimente a ferramenta Gaupol.


    Gaupol é um editor de legendas para Linux, sendo um software livre liberado sob a licença GNU General Public License (GPL). Ele é um editor para arquivos de legendas baseadas em texto.

    Editor de legendas para Linux? Instale o Gaupol

    Ele suporta múltiplos formatos de arquivos de legenda e provê um meio para criar legendas, editar textos e tempos de legendas para corresponder ao vídeo.

    Editor de legendas para Linux? Instale o Gaupol

    O programa, tem todas as características necessárias: atalhos, extensões de terceiros, verificação ortográfica e reconhecimento de voz.

    Além disso, ele suporta vários formatos de arquivo de legendas e fornece meios de criar legendas, fazer edição de textos e cronometrar as legendas para coincidir com o vídeo.

    A interface de usuário é projetada com atenção para o processamento em lote de vários documentos e a conveniência de traduzir.

    Gaupol contém aeidon, um pacote Python para uso geral de instalação própria para ler, escrever e manipular arquivos de legendas baseadas em texto.

    Conheça melhor o Editor de legendas para Linux Gaupol

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o ditor de legendas para Linux Gaupol no Linux

    Gaupol está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install gaupol.

    No entanto, se você quiser usar a versão mais recente, para instalar o Gaupol no Ubuntu e derivados, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome gaupol.tar.gz :

    wget https://github.com/otsaloma/gaupol/archive/1.0.tar.gz -O gaupol.tar.gz

    Passo 3. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

    sudo tar -vzxf gaupol.tar.gz

    Passo 4. Vá para a pasta criada;

    cd gaupol*

    Passo 5. Execute a instalação do programa com este comando:

    sudo python3 setup.py clean install

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite gaupol em um terminal, seguido da tecla TAB.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como deixar o GIMP parecido com o Photoshop

    Como deixar o GIMP parecido com o Photoshop

    Se você usa o GIMP, mas está acostumado com o estilo da interface do famoso editor de imagens da Adobe, veja aqui como deixar o GIMP parecido com o Photoshop.


    Para ajudar aqueles que são usuários do Photoshop e estão migrando para o GIMP ou para aqueles que apenas preferem o estilo do Photoshop, foi criado uma coleção de ajustes para GIMP 2.8 (GIMP Photoshop Tweaks) que podem ajudar a diminuir essa diferença de visual entre os programas.

    Como deixar o GIMP parecido com o Photoshop

    Os ajustes incluem ícones da caixa de ferramentas como os do Photoshop, atalhos de teclado, diálogos acopláveis modificados e até mesmo uma cor de fundo ajustada para coincidir com o padrão do Photoshop, o que realmente deixa o GIMP parecido com o Photoshop.

    Esses ajustes foram criados para o GIMP 2.8, então, se você usar o GIMP 2.9, nem tudo irá funcionar. Por exemplo, os atalhos de teclado podem não funcionar corretamente e há uma pequena falha com os ícones.

    Conheça melhor o GIMP e o GIMP Photoshop Tweaks

    Para saber mais sobre o programa, clique nesse link e para a coleção de ajustes, acesse a página dele no DeviantArt.

    Como deixar o GIMP parecido com o Photoshop

    Para instalar o GIMP Photoshop Tweaks e deixar o GIMP parecido com o Photoshop, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Baixe o arquivo zip do GIMP Photoshop Tweaks no DeviantArt (há um link para download à direita) e coloque ele em sua pasta pessoal. Se quiser, pode usar o comando abaixo para baixar diretamente:

    wget -c http://fc03.deviantart.net/fs70/f/2014/043/c/c/gimp_2_8_photoshop_tweaks_by_doctormo-d75n1qc.zip

    Passo 3. Se o GIMP estiver aberto, feche-o;
    Passo 4. Faça um backup de sua configuração atual do GIMP com o comando:

    mv ~/.gimp-2.8 ~/.gimp-2.8.old

    Passo 5. Agora para instalar o GIMP Photoshop Tweaks, apenas descompacte o arquivo baixado na sua pasta pessoal (o arquivo contém uma pasta .gimp-2.8 oculta com todos os ajustes), usando o menu de contexto no Nautilus ou o comando abaixo:

    unzip gimp_2_8_photoshop_tweaks_by_doctormo-d75n1qc.zip

    Passo 6. Execute o GIMP, e veja como ficou.

    Como desfazer a modificação

    Se você não gostar do resultado ou não achar que deixou o GIMP parecido com o photoshop, é possível reverter as alterações restaurando a configuração para o estado anterior, executando os comandos a seguir em um terminal (claro, com o GIMP fechado):

    rm -r ~/.gimp-2.8
    mv ~/.gimp-2.8.old ~/.gimp-2.8

    Se você quiser deixar o Gimp ainda mais parecido, dê uma olhada nesse anuncio sobre o PhotoGIMP
    Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu

    Como instalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu

    Usa o Ubuntu com Unity? Se você quiser fazer mais ajustes no seu sistema para deixá-lo ao seu gosto, veja como instalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu.


    Unity Tweak Tool é um gerenciador de configurações para o desktop Unity, e também umas das ferramentas de ajustes mas conhecidas.

    Como instalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu

    Com esse utilitário você pode gerenciar seu ambiente Ubuntu mudando temas, ícones, fontes, cursor e assim por diante, e deixar o sistema com a aparência que você deseja.

    Uma das grande vantagens de usar Linux é exatamente a flexibilidade que ele oferece na hora de ajustar o sistema para as necessidades do usuário. Nesse quesito, o Ubuntu dispõe de boas ferramentas, sendo o Unity Tweak Tool, uma das mais importantes.

    Essa ferramenta de configuração é a mais especifica para o ambiente Unity, e proporciona aos usuários acesso a recursos e opções de configuração do ambiente de trabalho, que normalmente são complicados de achar e modificar, mostrando tudo junto em uma única interface elegante e fácil de usar.

    Com Unity Tweak Tool você pode configurar a aparência do lançador do Unity (como por exemplo, mover ele para a parte inferior da tela), mudar os temas, temas de ícones, cursores e fontes. Além disso, você pode configurar as múltiplas áreas de trabalho e o seu comportamento, escolher os efeitos das janelas e menus, a transparência da barra superior do Unity e muitas outras definições.

    Conheça melhor o Unity Tweak Tool

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu e seus derivados

    Unity Tweak Tool está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install unity-tweak-tool em um terminal.

    Quando quiser iniciar o programa, digite unity no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o Unity Tweak Tool no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu e derivados você também pode usar a Central de programas, ou fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove unity-tweak-tool
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    20 de fevereiro de 2017

    Spotify no Ubuntu Linux, Debian e derivados – veja como instalar

    Spotify no Ubuntu Linux, Debian e derivados - veja como instalar

    Se você gosta de ouvir músicas enquanto usa seu desktop Linux, veja como instalar o Spotify no Ubuntu Linux, Debian e derivados.


    Spotify é uma ótima maneira de ouvir música por meio de streaming em computadores com sistemas operacionais Microsoft Windows, Mac OS X e Linux e em dispositivos móveis como Symbian, iPhone, iPad, Android e BlackBerry.

    Spotify no Ubuntu Linux, Debian e derivados - veja como instalar

    Com o Spotify você pode transmitir tudo, atualizar e sincronizar faixas e listas offline ou comprar faixas individuais para guardar para sempre.

    A boa noticia é que é possível instalar o Spotify no Ubuntu Linux, Debian e derivados, através de um repositório especifico para estes sistemas Linux. E neste tutorial, será mostrado como fazer isso.

    O aplicativo foi atualizado recentemente, e por isso, esse tutorial está sendo republicado.

    Para obter mais detalhes sobre essa versão, leia a nota de lançamento.

    Spotify no Ubuntu Linux, Debian e derivados - veja como instalar

    Se você estiver usando o Fedora, CentOS ou um derivado deles, use esse outro tutorial para instalar o Spotify no Linux:
    Como instalar o Spotify no Fedora Linux e derivados

    Conheça melhor o Spotify

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o cliente Spotify no Ubuntu Linux, Debian e derivados

    Para instalar o cliente Spotify no Ubuntu Linux, Debian e derivados, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se quiser instalar a versão estável do programa, adicione o repositório usando o seguinte comando:

    sudo sh -c "echo 'deb http://repository.spotify.com stable non-free' >> /etc/apt/sources.list.d/spotify.list"

    Passo 3. Se quiser instalar a versão de desenvolvimento, adicione o repositório usando o seguinte comando:

    sudo sh -c "echo 'deb http://repository.spotify.com testing non-free' >> /etc/apt/sources.list.d/spotify.list"

    Passo 4. Instale a chave do repositório usando o seguinte comando:

    sudo apt-key adv --keyserver hkp://keyserver.ubuntu.com:80 --recv-keys D2C19886

    Passo 5. Atualize o Apt digitando o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 6. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install spotify-client

    Como instalar o Spotify manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização dele.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite spotify no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Se você tiver algum problema de instalação ou execução no Ubuntu 15.04 e 15.10, basta fazer o download do pacote da biblioteca libgcrypt11 (libgcrypt11 de 32-bit | libgcrypt11 de 64-bit) e instalar via Central de programas.

    Se preferir, acesse o tutorial abaixo para resolver o problema:
    Problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu 15.04, 15.10 e 16.04? Veja como resolver

    Pronto! Agora que você já instalou o Spotify no Ubuntu Linux, Debian e derivados, é hora de começar a curtir suas músicas no PC. Divirta-se!

    Desinstalando o cliente Spotify no Ubuntu Linux, Debian e derivados

    Para desinstalar o cliente Spotify no Ubuntu Linux, Debian e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove spotify-client
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o levíssimo visualizador de PDF MuPDF

    Como instalar o levíssimo visualizador de PDF MuPDF

    Procurando uma opção para visualizar arquivos PDF, XPS e OpenXPS? Experimente instalar e usar levíssimo visualizador de PDF MuPDF.


    MuPDF é um visualizador de PDF leve e um toolkit escrito em C portátil, que também lê arquivos nos formtatos XPS, OpenXPS e documentos EPUB. Multiplataforma, ele possui versões para Windows, Android e Linux.

    Como instalar o levíssimo visualizador de PDF MuPDF

    O renderizador do MuPDF é adaptado para gráficos anti-aliasing (suavização de serrilhado) de alta qualidade. Ele processa o texto com espaçamento e métricas de precisão de frações de um pixel, para obter a mais alta fidelidade na reprodução da aparência de uma página impressa na tela.

    O aplicativo foi atualizado recentemente. Por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o visualizador de PDF MuPDF

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
    Para saber mais sobre a última versão do programa, clique nesse link.

    Quem quiser instalar o programa no Android e outros sistema, deve acessa a página oficial de download.

    Como instalar o visualizador de PDF MuPDF no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o visualizador de PDF MuPDF no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/apps

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install mupdf mupdf-tools

    Como instalar o visualizador de PDF MuPDF manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite mupdf no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o visualizador de PDF MuPDF no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o visualizador de PDF MuPDF no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove mupdf mupdf-tools
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar as ferramentas do Kali Linux no Ubuntu com o Katoolin

    Como instalar as ferramentas do Kali Linux no Ubuntu com o Katoolin

    Já imaginou poder usar as ferramentas do Kali Linux no Ubuntu, Debian ou derivados? Basta instalar e usar o Katoolin que você consegue isso.


    Entre as muitas distribuições de Linux disponíveis, também é possível encontrar soluções projetadas para testar a segurança das infraestruturas, servidores e etc. E um bom exemplo desse tipo de distro é a Kali Linux.

    Como instalar as ferramentas Kali do Linux no Ubuntu com o Katoolin

    Baseado no Debian, Kali Linux fornece um sistema operacional que inclui todas as ferramentas incluídas com BackTrack (e estas são constantemente atualizadas, graças a um repositório dedicado), além de várias otimizações.

    A boa noticia é que se você quiser instalar algumas ferramentas presentes no Kali Linux/BackTrack no Ubuntu, Debian ou derivados, basta usar o Katoolin.

    Katoolin é uma ferramenta de código aberto, escrita em Python, que permite adicionar os repositórios Kali Linux e com isso, instalar facilmente vários aplicativos.

    Conheça melhor o katoolin

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar as ferramentas do Kali Linux no Ubuntu, Debian ou derivado com o katoolin

    Para instalar as ferramentas Kali Linux no Ubuntu, Debian ou derivados com o katoolin, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Baixe o katoolin com o comando abaixo;

    wget https://raw.githubusercontent.com/LionSec/katoolin/master/katoolin.py

    Passo 3. Depois de baixar, leve o arquivo para a pasta /usr/bin/ do sistema;

    sudo mv katoolin.py /usr/bin/katoolin

    Passo 4. Finalmente, use o comando abaixo para tornar o programa executável;

    sudo chmod +x /usr/bin/katoolin

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite katoolin no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Observe que ao executar o Katoolin ele exibe uma lista de opções que vão desde a inclusão (e atualização) dos repositórios dos programas, as categorias, a instalação do Classic Menu Indicator e do Kali menu, e finalmente, uma ajuda.

    Como instalar as ferramentas Kali do Linux no Ubuntu com o Katoolin

    Para você ter uma ideia dos softwares disponíveis, essas são as categorias:

    1) Information Gathering
    2) Vulnerability Analysis
    3) Wireless Attacks
    4) Web Applications
    5) Sniffing & Spoofing
    6) Maintaining Access
    7) Reporting Tools
    8) Exploitation Tools
    9) Forensics Tools
    10) Stress Testing
    11) Password Attacks
    12) Reverse Engineering
    13) Hardware Hacking
    14) Extra

    Basta escolher uma categoria para obter uma lista de todas as várias aplicações e então escolher qual ferramenta instalar.

    Como instalar as ferramentas do Kali Linux no Ubuntu com o Katoolin

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Depois de aprender a instalar no Ubuntu e derivados, é hora de aprender a integrar o Xtreme Download Manager ao Firefox, Opera, Chrome e a outros navegadores.


    Xtreme Download Manager (XDM) é utilitário de gerenciamento de download que tem a capacidade de aumentar a velocidade de download.

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Ele também permite pausar/retomar downloads, pegar vídeos disponíveis na internet, fazer agendamento de downloads, algoritmo de segmentação dinâmica, compressão de dados e reutilização da conexão para acelerar o processo de download.

    O programa possui suporte a HTTP, HTTPS e FTP, firewalls, servidores proxy, redirecionamentos de arquivos, cookies, autorização etc, e até mesmo pode retomar downloads quebrados que não oferecem a opção de retomar.

    Apesar de muito poderoso, infelizmente, o Xtreme Download Manager não se integra automaticamente com os navegadores, sendo necessário um pequeno procedimento para fazer isso.

    A boa notícia é que o procedimento é bem simples e rápido e funciona no Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores. Acompanhe.

    Conheça melhor o Xtreme Download Manager

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox

    No Firefox, tudo que você precisa fazer é instalar uma extensão acessando o seguinte endereço:
    http://127.0.0.1:9614/xdmff.xpi
    Quando aparecer a tela de instalação, apenas confirme e estará pronto.

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Chrome/Chromium

    Para integrar o Xtreme Download Manager com o Chrome/Chromium, faça o seguinte:
    Passo 1. Digite “chrome://extensions” na caixa de endereço do Google Chrome e tecle enter. Na tela que será exibida, marque a opção “Modo do desenvolvedor”, e em seguida, clique no botão “Carregar extensão expandida…”;

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Passo 3. Na janela “Selecionar o diretório da extensão”, vá até a sua pasta de usuário (/home/usuario) e clique na pasta xdm-helper. Finalmente, clique no botão “Open” (Abrir). Assim que a janela fechar, você já verá a extensão instalada e ativa no Chrome.

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Como integrar o Xtreme Download Manager nos principais navegadores do Linux

    Para integrar o Xtreme Download Manager nos principais navegadores do Linux, siga as instruções abaixo,

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Opera

    Vá para a tela de “Preferências” do Opera, depois clique na aba “Avançado”, em seguida no item “Rede” e finalmente, clique no botão na opção “Servidores Proxy”. Marque a opção”Usar configuração automática de proxy” e forneça o seguinte endereço: http://127.0.0.1:9614/proxy.pac

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Como integrar o Xtreme Download Manager com outros navegadores

    No Ubuntu, para integrar o Xtreme Download Manager com outros navegadores, vá para “Configurações do Sistema”, depois para “Rede” e finalmente para “Proxy da rede”. Na configuração, mude o campo “Método” para “Automático”. Para completar, cole o seguinte endereço no campo “URL de configuração”: http://127.0.0.1:9614/proxy.pac

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Quer saber mais sobre proxy no Ubuntu?
    Como configurar o acesso via proxy no UbuntuPara saber mais detalhes sobre a integração do XDM com os navegadores, clique no menu “Tools” e depois na opção “Browser Integration”.

    integrar-o-xtreme-download-manager-4

    Como integrar o Xtreme Download Manager com o Firefox, Opera, Chrome e outros navegadores

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Alternador de papel de parede: instale o Slidewall no Ubuntu e derivados

    Alternador de papel de parede: instale o Slidewall no Ubuntu e derivados

    Se você está cansado de ter que ficar trocando de papel de parede, mas quer estar sempre com um novo visual no desktop, experimente instalar o alternador de papel de parede Slidewall e deixar isso por conta dele.


    Slidewall é um alternador de papel de parede para a Unity e para Gnome desktop. Criado com Unity em mente, Slidewall é divertido, simples e muito rápido.

    Alternador de papel de parede: instale o Slidewall no Ubuntu e derivados

    Slidewall mostra relógios em tempo real (live clock), com diferentes wallpapers projetados, o que fica muito legal.

    Este utilitário também oferece slideshow de papéis de parede personalizados e mudança de papéis de parede depois de determinado tempo, ele também oferece slideshow live wallpaper baseado no site wallbase.cc. O Slidewall funciona no Unity, Gnome Shell, Cinnamon, Gnome ambiente Classic, e talvez em outros ambientes.

    Veja algumas imagens e conheça melhor o alternador de papel de parede Slidewall

    Alternador de papel de parede: instale o Slidewall no Ubuntu e derivados

    alternador de papel de parede slidewall-3

    Alternador de papel de parede: instale o Slidewall no Ubuntu e derivados

    Alternador de papel de parede: instale o Slidewall no Ubuntu e derivados

    Alternador de papel de parede: instale o Slidewall no Ubuntu e derivados

    Alternador de papel de parede: instale o Slidewall no Ubuntu e derivados

    Conheça melhor o alternador de papel de parede Slidewall

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o alternador de papel de parede Slidewall no Ubuntu e derivados

    Para instalar o Slidewall no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se estiver usando o Ubuntu 15.04 ou inferior, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:noobslab/apps

    Passo 3. Se estiver usando o Ubuntu 16.04, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:fioan89/slidewall

    Passo 4. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install slidewall

    Como instalar o alternador de papel de parede Slidewall manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link (Ubuntu 15.04 ou inferior) ou nesse link Ubuntu 16.04), e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite slidewall no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Para baixar mais mais papéis de parede com relógio, clique aqui.

    Desinstalando o alternador de papel de parede Slidewall no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o alternador de papel de parede Slidewall no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove slidewall
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu

    Como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu

    Se você está sendo incomodado constantemente por mensagens de erros no Ubuntu, veja aqui como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu.


    Apport é a ferramenta de relatório de error do Ubuntu. Ele é um sistema que reúne informações potencialmente úteis sobre o acidente e o ambiente do sistema operacional.

    Como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu

    Se qualquer houver qualquer falha em um processo do sistema, uma caixa de diálogo aparece e pergunta ao usuário se ele quer enviar um relatório de erro para ajudar a resolver o problema.

    Erros com títulos parecido com “Ubuntu xx.xx sofreu um erro interno”, “Problema de programa de sistema detectado” etc. são comuns após a instalação do Ubuntu.

    Informar erros é importante, pois ajuda melhorar a estabilidade do sistema. Mas se você está constantemente recebendo pop-up de relatório do incidentes, você pode querer desativar essa funcionalidade para poder usar o sistema sem interrupções.

    Desativar essa funcionalidade não é recomendável, portanto, faça isso por sua própria conta e risco.

    Conheça melhor o Apport

    Para saber mais sobre esse recurso, clique nesse link.

    Como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu

    Para desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Para parar o serviço Apport, execute o comando abaixo:

    sudo service apport stop

    Passo 3. Em seguida, use o comando abaixo para editar o arquivo de configuração:

    sudo gedit /etc/default/apport

    Passo 3. Com o arquivo aberto, altere o valor da opção “enabled” de “1” para “0”;

    Como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu

    Passo 4. Em seguida, salve o arquivo e feche o editor de texto e estará pronto.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu

    Como instalar ambiente Cinnamon 3.0 no Ubuntu 16.04/15.10

    Um dos principais ambientes gráficos padrão do Linux Mint foi atualizado recentemente. Conheça as novidades e veja como instalar a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu.


    Cinnamon é um dos ambientes gráficos padrão do Linux Mint. Bastante parecido com o Gnome (até porque se baseia muito nesse ambiente), ele tem um visual fácil de usar e um leiaute familiar.

    Como instalar a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu

    Além disso, no Cinnamon você pode mudar a forma como o ambiente de trabalho funciona, o visual e o comportamento dele.

    Principais características do Cinnamon

    • Um painel inferior único que você pode configurar para ficar oculto automaticamente;
    • Lista de janelas, botão para “mostrar área de trabalho”, ícones systray e outros recursos comuns em ambientes graficos mais populares;
    • Um menu com o mesmo leiaute do Menu do LinuxMint, com opções para adicionar aplicações aos favoritos, para o desktop ou para o painel;
    • Personalização de lançadores de painel;
    • Um applet de som que lhe permite executar e controlar a sua música, e mudar o som dos alto-falantes para os fones e vice-versa.

    Últimas novidades do ambiente Cinnamon

    Cinnamon 3.2 vem com centenas de alterações, traz suporte para painéis verticais, a capacidade de reproduzir efeitos sonoros ao exibir notificações, applet Teclado renovado, uma configuração para as novas animações de menu, e para completar:

  • Novo recurso “Peek at desktop”;
  • Melhorias do alternador de espaço de trabalho;
  • gerenciador de plano de fundo simplificado;
  • Navegação por teclado para menus de contexto;
  • Appindicators atualizados e configurações;
  • Suporte para exibir porcentagem ao lado do controle deslizante de volume
  • Funcionalidade Hover delay para hot corners (cantos quentes).
  • Para mais detalhes, consulte o changelog

    Conheça melhor o ambiente Cinnamon

    Para saber mais sobre esse ambiente, clique nesse link.

    Como instalar a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu

    Para instalar a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se você estiver usando o Ubuntu 15.10/16.04/16.10, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:embrosyn/cinnamon

    Passo 3. Se você estiver usando o Ubuntu 14.04, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository -y ppa:gwendal-lebihan-dev/cinnamon-nightly

    Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install cinnamon

    Saia da sessão atual e quando aparecer a tela de login, escolha o Cinnamon. Entre com seu usuário e senha, e depois comece a experimentar o ambiente.

    Como instalar a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu

    Resolvendo problemas do ambiente Cinnamon 3.x no Ubuntu 16.10/16.04/15.10

    No Ubuntu 16.04, os temas Ambiance e Radiance têm alguns problemas no Cinnamon, para resolver isso, instale o tema Numix GTK Tema usando o seguinte comando:

    sudo apt install numix-gtk-theme

    No Ubuntu 15.10 pode acontecer da opção “Sair” no menu do Cinnamon (que permite desligar o computador) não funcionar corretamente. Para resolver isso, use os seguintes comandos…:

    gsettings set org.cinnamon.desktop.session settings-daemon-uses-logind true
    gsettings set org.cinnamon.desktop.session session-manager-uses-logind true
    gsettings set org.cinnamon.desktop.session screensaver-uses-logind false

    … E depois reinicie a sessão (faça o logout ou reinicie o sistema).

    Pronto! Agora que você instalou a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu , aproveite o ambiente.

    Desinstalando o ambiente Cinnamon no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o ambiente Cinnamon no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o ambiente, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get purge --auto-remove cinnamon
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Alternar entre placas gráficas Nvidia e Intel: Instale o Prime Indicator no Ubuntu

    Se por algum motivo, você precisa alternar entre placas gráficas Nvidia e Intel, instale o Prime Indicator e resolva seu problema.


    Prime Indicator é um pequeno e útil Ubuntu AppIndicator para usuários de placas Nvidia Optimus que estão utilizando o Ubuntu. Ele permite que os usuários possam rapidamente alternar entre placas gráficas Nvidia e Intel.

    Alternar entre placas gráficas Nvidia e Intel: Instale o Prime Indicator no Ubuntu 14.04

    No Ubuntu já é possível alternar entre placas gráficas da Nvidia e da Intel, mas para fazer isso, você deve abrir as Configurações da Nvidia (Nvidia Settings), mudar a placa de vídeo, digitar sua senha, fazer o logout e login novamente.

    Usando Prime Indicador, você pode fazer isso de um jeito muito mais fácil: um único clique passará automaticamente a placa de vídeo e fará o logout, depois é só fazer login e pronto.

    Esse indicador é especialmente útil se você precisa alternar muitas vezes entre placas gráficas Nvidia e Intel. Uma vez que ele é um “indicador”, ele informa qual o chip gráfico que está sendo usado exibindo no painel, um ícone correspondente à marca (Nvidia ou Intel).

    Entretanto, O Prime Indicator original não tem sido atualizado desde fevereiro de 2015. Paar resolver isso, André Brait criou um fork do indicador e o melhorou fazendo correções de bugs e adicionando novas funcionalidades. Agora, o novo aplicativo é chamado Prime Indicator Plus.

    Como existem grandes mudanças entre o fork do André e o Prime Indicator, o repositório usado nesse procedimento traz os pacotes dos dois aplicativos. Então, se por algum motivo você não quiser usar o fork Prime Indicator Plus, você pode continuar a usar o velho Prime Indicator.

    No entanto, observe que você não pode instalar ambos os indicadores ao mesmo tempo (instalar um automaticamente remove o outro).

    Conheça melhor o Prime Indicator e Prime Indicator Plus

    Para saber mais sobre o Prime Indicator, clique nesse link
    Para saber mais sobre o Prime Indicator Plus, clique nesse link

    Instalando Prime Indicator, um indicador para alternar entre placas gráficas nvidia e Intel no Ubuntu

    Para instalar o Prime Indicator, o indicador para alternar entre placas gráficas nvidia e Intel no Ubuntu, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver o repositório, adicione ele com o comando:

    sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Instale o Prime Indicator com o comando:

    sudo apt-get install prime-indicator

    Passo 5. Se preferir instalar o Prime Indicator Plus, use este comando:

    sudo apt-get install prime-indicator-plus

    Como instalar o Prime Indicator manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    O Prime Indicator deve iniciar automaticamente quando você fizer logon. Ao iniciá-lo pela primeira vez, faça logout e login novamente para que tudo funcione corretamente.

    Desinstalando o Prime Indicator no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Prime Indicator no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8 --remove
    sudo apt-get remove prime-indicator
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o Nightingale media player no Ubuntu, Linux Mint e derivados

    Como instalar o Nightingale media player no Ubuntu, Linux Mint e derivados

    Sempre é bom ter uma opção a mais, e em se tratando de reprodutores multimídia, melhor ainda. Por isso hoje mostrarei com instalar o Nightingale media player no Ubuntu e derivados.


    Nightingale é um player de áudio completamente livre e baseado no código fonte do Songbird mídia player.

    35

    Como tal, o motor do Nightingale é baseado no Mozilla XULRunner com bibliotecas como framework de mídia do GStreamer e libtag, fornecendo marcação de mídia e suporte para reprodução, entre outros.

    Desde que o suporte oficial para o Linux foi abandonado pelo Songbird em abril de 2010, os membros da Comunidade Songbird que usam Linux divergiram e criaram o projeto Nightingale.

    Em contraste com o Songbird, que é licenciado principalmente sob o GPLv2, mas inclui obras de arte que não é livremente distribuível, Nightingale é um software livre, licenciado sob a GPLv2, com porções sob as licenças MPL e BSD.

    Nightingale suporta o uso extensões e peles, o que permite ampliar os recursos do programa, e a sua aparência.

    Conheça melhor o Nightingale

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o Nightingale media player no Ubuntu e derivados

    Para Instalar o Nightingale media player no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:nightingaleteam/nightingale-nightly

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando abaixo:

    sudo apt-get install nightingale

    Como instalar o Nightingale media player manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite nightingale no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    18

    Desinstalando o Nightingale media player no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Nightingale media player no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:nightingaleteam/nightingale-nightly --remove
    sudo apt-get remove programa
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Gravação e edição de áudio – Instale Audacity no Ubuntu e derivados

    Gravação e edição de áudio - Instale Audacity no Ubuntu e derivados

    Se você precisa de uma ferramenta para gravar e editar áudio, aprenda a instalar a versão mais recente do Audacity no Ubuntu e seus derivados.


    Audacity é um gravador de som e editor de áudio multi-track de código aberto. Fácil de usar e multi-plataforma, ele tem versões para Linux, Windows e OS X.

    Gravação e edição de áudio - Instale Audacity no Ubuntu e derivados

    Com ele é possível fazer gravações de áudio ao vivo através do microfone ou mixer, converter fitas e discos em gravações digitais ou CDs, suporte à edição de som (WAV, AIFF, FLAC, MP2, MP3 ou Ogg Vorbis), alterar a velocidade ou o timbre de uma gravação, cortar, copiar, colar ou misturar sons.

    Importe arquivos de som, para editá-los e combiná-los com outros arquivos ou novas gravações. Exporte suas gravações em diversos formatos de arquivo, incluindo vários arquivos de uma só vez.

    O programa também tem a capacidade de capturar streaming de áudio, gerenciar múltiplos dispositivos de entrada e saída. Medidores de nível podem monitorar níveis de volume antes, durante e depois da gravação.

    Conheça melhor o editor de áudio Audacity

    Para saber mais sobre as novidades desse lançamento, clique nesse link.

    Instale Audacity no Ubuntu e derivados

    O editor de áudio Audacity está disponível nos repositórios padrão do Ubuntu e das principais distribuições Linux, mas se você quiser instalar uma versão mais recente do programa ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, siga os procedimentos a abaixo.

    Instalando a versão mais recente do editor de áudio Audacity no Ubuntu e derivados (16.04.1 ou superior)

    Para instalar a versão mais recente do editor de áudio Audacity no Ubuntu e derivados (16.04.1 ou superior), faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:audacity-team/daily

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install audacity

    Instalando o editor de áudio Audacity em versões mais antigas do Ubuntu e derivados (15.10 ou inferior)

    Para instalar o editor de áudio Audacity em versões mais antigas do Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/audacity

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install audacity

    Como instalar o editor de áudio Audacity manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link (Ubuntu 15.10 ou inferior) ou nesse link (Ubuntu 16.04.1 ou superior), e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Depois de instalado, o programa pode se executando a partir do Dash, digitando: audacity

    Desinstalando o editor de áudio Audacity no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o editor de áudio Audacity no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/audacity --remove
    sudo apt-get remove audacity
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o CUPS Cloud Print no Ubuntu

    Como instalar o CUPS Cloud Print no Ubuntu

    Precisando imprimir remotamente ou em impressoras proprietárias? Então veja como instalar o CUPS Cloud Print no Ubuntu e resolva essa problema.


    CUPS Cloud Print é o Cloud Print driver do Google para Linux, Unix e sistemas de derivados como o Mac OS X e BSDs. Ele se conecta as impressoras para a Web e através do Google Cloud Print, você pode usar impressoras remotamente.

    Como instalar o CUPS Cloud Print no Ubuntu

    O software está disponível em telefones, tablets, PCs, Chromebooks e outros dispositivos que tenham acesso à internet e permite que qualquer aplicação que imprima via CUPS possa imprimir diretamente via Google Cloud Print.

    Por quê usar o CUPS Cloud Print?

    Supondo que você tenha uma impressora Print-Cloud-Ready, Google Cloud Print permite a impressão para essa impressora, sem que seja necessário instalar qualquer driver de impressora específico.

    Claro, além das vantagens óbvias de não ter que instalar drivers para cada impressora que você for conectar, ele permite que você possa usar uma impressora em plataformas proprietárias que normalmente você não conseguiria usar de um jeito fácil (por exemplo, você pode imprimir a partir de um ARM Raspberry Pi para uma impressora onde o fabricante fornece somente drivers x86 proprietários).

    Além disso, como o Google Drive apresenta-se como uma impressora para Cloud Print, isso também significa que você pode imprimir diretamente para o Google Drive usando CUPS Cloud Print (alguns usuários têm aproveitado essa funcionalidade para digitalizar para o Google Docs).

    Conheça melhor o CUPS Cloud Print

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o CUPS Cloud Print no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o CUPS Cloud Print no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:simon-cadman/niftyrepo

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install cupscloudprint

    Passo 5. Em seguida, para criar uma impressora CUPS para cada impressora Google Cloud, execute o comando:

    sudo /usr/share/cloudprint-cups/setupcloudprint.py

    Como instalar o CUPS Cloud Print manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser gerenciar as impressoras, abra um navegador de Internet e acesse o seguinte endereço nele: http://127.0.0.1:631

    Ainda não sabe como adicionar uma impressora para poder imprimir remotamente? Veja esse outro tutorial:
    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Desinstalando o CUPS Cloud Print no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o CUPS Cloud Print no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o CUPS Cloud Print, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove cupscloudprint
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    18 de fevereiro de 2017

    Pacotes quebrados: veja como corrigir isso em sistemas baseados no Debian

    Pacotes quebrados: veja como corrigir isso em sistemas baseados no Debian

    Se seu sistema está com problemas no gerenciamento de pacotes, veja aqui como corrigir problemas relacionados a pacotes quebrados em sistemas baseados no Debian.


    O sistema de gerenciamento de pacotes do Debian é ótimo, tanto que até mesmo distribuições que não usam o formato de pacotes dele, copiaram essa parte e também surgiram várias distros derivadas do Debian por conta disso.

    Entretanto, ele não é perfeito e se o usuário abusar dele, uma hora ele pode deixá-lo na mão. Depois de algum tempo instalando pacotes de fontes externas ou fazendo isso em momento que a Internet cai, podem ocorrer alguns erros complicados.

    Pacotes quebrados: veja como corrigir isso em sistemas baseados no Debian

    No Ubuntu, por exemplo, se a instalação do pacote falhar, isso pode fazer o gerenciador de pacotes congelar ou ficar bloqueado, e quando você iniciar a Central de programa, ele pede para você clicar em um botão para reparar pacotes quebrados em seu sistema, mas isso nem sempre funciona. Para ajudar nessas situações, aqui estão algumas dicas de como corrigir pacotes quebrados usando a linha de comando.

    Se o seu problema estiver impedindo a inicialização do sistema, consulte o tutorial abaixo:
    Como consertar um sistema Ubuntu que não inicializa por causa de atualizações quebradas

    Atenção! Os passos a segui utilizam o comando sudo para serem executados com privilégios de administrador. Se seu sistema não usa esse recurso, acesse o terminal como administrador e depois disso, digite os comando sem o sudo.

    Antes de tentar qualquer uma das opções abaixo, experimente reiniciar o sistema e depois disso, verificar se já é possível instalar algo.

    Como corrigir pacotes quebrados em sistemas baseados no Debian

    Para corrigir pacotes quebrados em sistemas baseados no Debian, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se a instalação do pacote falhar devido a questão de dependências, execute o comando abaixo (ele automaticamente resolverá as dependências ou removerá o pacote, se as dependências não estiverem disponíveis:

    sudo apt-get -f install && sudo dpkg --configure -a

    Passo 3. Se o erro avisar que você precisa executar o comando dpkg --configure -a, faça o que ele diz:

    sudo dpkg --configure -a

    Passo 4. Se ocorrer um problema com MergeList, aparecendo como uma falha com o erro “Package: header”, como no exemplo abaixo:
    E: Encountered a section with no Package: header
    E: Problem with MergeList…
    E: The package lists or status file could not be parsed or opened.

    Apague as listas de pacotes e depois atualize o APT para recirá-las, usando os dois comando a seguir:

    sudo rm /var/lib/apt/lists/* -vf
    sudo apt-get update

    Passo 5. Agora se ocorrer um problema com um bloqueio sobre o cache do apt, como no exemplo abaixo:
    E: Could not get lock /var/cache/apt/archives/lock – open (11: Resource temporarily unavailable)
    Para resolver isso, feche todos os aplicativos relacionados a instalação de pacotes e exclua os bloqueios executando os comandos abaixo, um por um:

    Antes de fazer esses comandos, experimente reiniciar o sistema para ver se o erro já foi resolvido. Esse cuidado é necessário porque em alguns casos, o primeiro comando pode fazer o sistema reiniciar e entrar em modo de recuperação.

    sudo fuser -cuk /var/lib/dpkg/lock 
    sudo rm -f /var/lib/dpkg/lock
    sudo fuser -cuk /var/cache/apt/archives/lock
    sudo rm -f /var/cache/apt/archives/lock

    Pronto! Talvez um dessas dicas resolva o seu problema. Mas se você tive alguma outra dica para ajudar a corrigir pacotes quebrados em sistemas baseados no Debian, por favor, não deixe de comentar aqui.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

    Se você não gosta do visual do GNU Image Manipulation Program, veja aqui como usar temas no GIMP e mudar a aparência do programa, para deixá-lo do jeito que você quer.


    Se você gosta de edição de fotos ou já precisou fazer algo em imagens, são grandes as chances de que você provavelmente já ouviu falar do programa conhecido como GIMP. Ele é bem conhecido, principalmente por ser uma alternativa livre e de código aberto para o extremamente popular Adobe Photoshop.

    Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

    O GIMP é um aplicativo impressionante com um monte de recursos interessantes para você escolher. Ainda assim, o seu visual precisa mudar para melhor. É um bom programa, mas não é exatamente o mais moderno visualmente.

    Vamos apenas dizer que a interface de usuário do programa precisa de alguma modernização. Uma das coisas que provavelmente mais precisa ser atualizada é o tema de ícones.

    Não parece muito bom, e por vezes, os ícones podem ser difícil de ler. Felizmente, com temas no GIMP, é possível personalizar o programa.

    No procedimento a seguir será mostrado como baixar, instalar e usar um determinado tema. Isso servirá de base para que você possa mudar a interface do programa, para que ele fique próximo do que você quer.

    Com poucas mudanças, o processo pode funcionar para outros temas e em qualquer distribuição Linux, e até em outros sistemas operacionais :).

    Conheça melhor o GIMP

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
    Para encontrar mais temas para esse programa, clique nesse link.

    Como usar temas no GIMP para mudar a aparência do programa

    Para baixar, instalar e usar temas no GIMP para mudar a aparência do programa, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Se você for usar comandos, abra um terminal;
    Passo 2. Baixe o Flat GIMP icon Theme usando o comando abaixo ou acesse o link e clique na opção “Download” que fica no lado direito da página. Para ficar de acordo com os comandos usados nesse tutorial, salve o arquivo como flat-gimp-icon.zip;

    wget http://orig14.deviantart.net/0ee4/f/2015/118/5/7/flat_gimp_icon_theme_v_2_1_by_android272-d679s6z.zip -O flat-gimp-icon.zip

    Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

    Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

    Passo 3. Descompacte o arquivo baixado com o comando a seguir ou abra o gerenciador de arquivo e clique nele com o botão direito do mouse. No menu que aparece, clique na opção “Extrair aqui”;

    unzip flat-gimp-icon.zip

    Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

    Passo 4. Copie a pasta Decor e as pastas dentro de GIMP_Orange para a pasta ~/.gimp-2.8/themes/, usando o comando abaixo. Se quiser usar o mouse, clique com o botão direito na pasta e escolha a opção “Copiar” no menu (lembre-se copiar as pastas dentro de GIMP_Orange). Depois vá para a pasta ~/.gimp-2.8/themes/, clique com o botão direito e escolha a opção “Colar” no menu;

    mv Flat\ GIMP\ icon\ Theme\ V2/Decor/ ~/.gimp-2.8/themes/
    mv Flat\ GIMP\ icon\ Theme\ V2/GIMP_Orange/* ~/.gimp-2.8/themes/

    Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

    Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

    Passo 5. Inicie o programa, digitando gimp em um terminal, seguido da tecla TAB ou clicando no atalho do programa;

    Passo 6. Com o Gimp aberto, vá para o menu “Editar” e clique na opção “Preferências”;

    Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

    Passo 7. Na janela “Preferências”, clique no item “Tema” e depois no tema que você quer utilizar.

    Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

    Pronto! Agora que você já sabe como usar temas no GIMP, pode mudar a aparência do programa e personalizá-lo para deixar do jeito que quiser. Divirta-se!

    Mais informações sobre temas no GIMP

    Com temas é possível até mesmo deixar o GIMP parecido com o Photoshop. Duvida? Então confira esses tutoriais:
    Como deixar o GIMP parecido com o Photoshop
    Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

    E se você quiser encontrar mais temas para esse programa, clique nesse link.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Ficou curioso sobre como imprimir remotamente depois que viu o tutorial sobre como instalar o CUPS Cloud Print no Ubuntu? Então veja como conectar uma impressora no Google Cloud Print.


    O Google Cloud Print é um recurso que permite imprimir em impressoras cadastradas na sua conta Google, sejam elas prontas para a nuvem ou que estejam conectadas a computadores com Mac OS ou Windows e que tenham acesso à Internet. Com o serviço é possível realizar a impressão a partir de qualquer dispositivo e lugar.

    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    O Google Cloud Print pode usar tanto impressoras autônomas com acesso à Internet, como aquelas conectadas a computadores.

    O primeiro tipo exige que o usuário siga as instruções fornecidas pelo fabricante para poder conectá-las ao serviço.

    Já o uso das impressoras tradicionais é bem mais e prático e será mostrado a seguir. No entanto, em ambos os casos, é necessário ter o navegador Google Chrome instalado no computador, o que pode ser feito usando o tutorial abaixo:

    Como instalar a última versão estável do Google Chrome no Linux

    Conheça melhor o Google Cloud Print

    Para saber mais sobre o Google Cloud Print, clique nesse link.

    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Para conectar uma impressora no Google Cloud Print, faça o seguinte:
    Passo 1. Ligue sua impressora;
    Passo 2. Abra o Google Chrome e faça login na sua conta do Google;
    Passo 4. Clique no menu do Google Chrome, que fica na barra de ferramentas do navegador, e em seguida, selecione “Configurações”;

    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Passo 5. Dentro de “Configurações”, vá para o final da página e clique na opção “Mostrar configurações avançadas…”;

    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Passo 6. Role para baixo até a seção “Google Cloud Print”. Clique em “Gerenciar”;

    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Passo 7. Na tela que aparece, clique no botão “Adicionar impressoras”;

    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Passo 8. Na próxima tela, marque a impressora que você quer usar e em seguida, clique no botão “Adicionar impressora(s)”;

    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Passo 9. No final, será exibida uma tela de confirmação da instalação da impressora. Nela, se quiser ver as impressoras instaladas, clique no link “Gerenciar suas impressoras”;

    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Passo 9. Na tela que aparece, você poderá ver todas as impressoras instaladas e configurar cada uma delas como quiser;

    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Passo 10. Quando precisar imprimir, abra o documento no Google Drive e pressione as teclas CTRL + P. Será exibida a tela “Imprimir”, onde você poderá selecionar a impressora (clicando no botão “Alterar…”, se necessário) e enviar o documento para ela. Observe que a impressora precisa estar online no momento da impressão.

    Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

    Pronto! Agora sempre que precisar usar sua impressora, você só precisa deixá-la online e mandar impressão de onde estiver.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Alternativa ao Dash: Instale o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu

    Alternativa ao Dash: Instale o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu

    Se você procura uma alternativa ao Dash, experimente instalar o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu.


    Synapse é um poderoso lançador de aplicações para o Ubuntu Linux, que permite iniciar aplicações, bem como encontrar e acessar documentos e arquivos relevantes, fazendo uso do mecanismo de Zeitgeist. Além dessas características, o programa também é uma ótima alternativa ao Dash.

    Alternativa ao Dash: Instale o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu

    Com os plugins padrão habilitados, Synapse também permite que você encontre e execute comandos arbitrários, calcule expressões básicas, faça logout ou bloqueie a tela da sessão atual, desligue, reinicie, suspenda ou hiberne o computador, compartilhe imagens usando Imgur, conecte com um servidor com SSH e faça pesquisas na web.

    Alternativa ao Dash: Instale o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu

    Synapse suporta atalhos de teclado. Por padrão, você pode

    • Pressiona as teclas Ctrl + espaço, para abrir a caixa de pesquisa;
    • Não digitar nada e usar as teclas de direção para cima ou para baixo e navegar entre os resultados;
    • Pressionar Enter para executar a aplicação ou abrir o documento ou arquivo.

    Conheça melhor o lançador de aplicações Synapse

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu e ter uma alternativa ao Dash

    Para instalar o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu e ter uma alternativa ao Dash, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:synapse-core/ppa

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install synapse

    Como instalar o lançador de aplicações Synapse manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Com o programa instalado, quando quiser iniciá-lo, apenas digite synapse no terminal, seguido da tecla TAB.

    Quando o programa estiver aberto, você pode configurar a inicialização automática, os atalhos de teclado e os plugins. Para fazer isso, use a janela de Preferências que fica no menu do indicador.

    Alternativa ao Dash: Instale o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu

    Desinstalando o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:synapse-core/ppa --remove
    sudo apt-get remove synapse
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Vídeos do YouTube: como instalar o Minitube no Linux

    Vídeos do YouTube: como instalar o Minitube no Linux

    Foi lançada mais uma versão do cliente YouTube Minitube. Se você quiser experimentar essa versão e assistir vídeos do YouTube, veja abaixo como instalar ela no Ubuntu, OpenSUSE, Arch Linux, Manjaro e sistemas derivados.


    Minitube é um cliente YouTube leve, que permite que os usuários assistam vídeos no YouTube de uma nova maneira: você digita uma palavra-chave em uma caixa de pesquisa e o MiniTube imediatamente carrega os resultados.

    Vídeos do YouTube: como instalar o Minitube no Linux

    O programa é um cliente nativo do YouTube que tenta proporcionar uma experiência semelhante a uma TV para o usuário, em vez de clonar a interface original web YouTube.

    O melhor de tudo é que ele não requer o Flash Player para poder funcionar, ou seja, ele consome menos CPU e preserva a bateria do seu laptop.

    Vídeos do YouTube: como instalar o Minitube no Linux

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Novidades do Minitube

    Minitube 2.6 está agora disponível com uma correção para vídeos do VEVO. Agora também existe um novo “Modo Restrito” que bloqueia conteúdos inadequados. Este é obviamente um plus muito útil se o Minitube for usado para o entretenimento de crianças. Minitube agora impede que a tela de dormir quando o usuário está ocioso.

    Conheça melhor o Minitube e assista vídeos do YouTube

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o Minitube para assistir Vídeos do YouTube no Ubuntu, Debian e derivados

    Para instalar o Minitube para assistir Vídeos do YouTube no Ubuntu, Debian e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome minitube.deb:

    wget http://flavio.tordini.org/files/minitube/minitube.deb -O minitube.deb

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome minitube.deb:

    wget http://flavio.tordini.org/files/minitube/minitube64.deb -O minitube.deb

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i minitube.deb

    Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Passo 7. Se depois você precisar desinstalar o programa, use este comando:

    sudo apt-get remove minitube

    Como instalar o Minitube para assistir vídeos do YouTube no OpenSUSE e seus derivados

    Atenção! Essa versão já não está disponível para o OpenSUSE 13.1, por isso, mantive o link da última versão disponibilizada.
    Para instalar o Mitube para assistir vídeos do YouTube no OpenSUSE, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se você estiver usando o openSUSE Factory, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/multimedia:/apps/openSUSE_Factory/multimedia:apps.repo -O /etc/zypp/repos.d/multimedia:apps.repo

    Passo 3. Se você estiver usando o openSUSE Factory PowerPC, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/multimedia:/apps/openSUSE_Factory_PowerPC/multimedia:apps.repo -O /etc/zypp/repos.d/multimedia:apps.repo

    Passo 4. Se você estiver usando o openSUSE Leap 42.1, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/multimedia:/apps/openSUSE_Leap_42.1/multimedia:apps.repo -O /etc/zypp/repos.d/multimedia:apps.repo

    Passo 5. Se você estiver usando o openSUSE Leap 42.2, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/multimedia:/apps/openSUSE_Leap_42.2/multimedia:apps.repo -O /etc/zypp/repos.d/multimedia:apps.repo

    Passo 6. Se você estiver usando o openSUSE Tumbleweed, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/multimedia:/apps/openSUSE_Tumbleweed/multimedia:apps.repo -O /etc/zypp/repos.d/multimedia:apps.repo

    Passo 7. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo zypper update

    Passo 8. Agora instale o programa com o comando:

    sudo zypper install minitube

    Passo 9. Se depois você precisar desinstalar o programa, use este comando:

    sudo zypper remove minitube

    Como instalar o Minitube para assistir vídeos do YouTube no Arch Linux, Manjaro e sistemas derivados

    Para instalar o Minitube para assistir vídeos do YouTube no Arch Linux, Manjaro e sistemas derivados, você precisa ter o Yaourt instalado. Se tiver, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Agora instale o programa com o comando:

    sudo yaourt minitube

    Passo 3. Se depois você precisar desinstalar o programa, use este comando:

    sudo pacman -Rsn minitube

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite minitube em um terminal, seguido da tecla TAB.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Planeta Ubuntu Brasil

    O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


    Última atualização:
    24 de fevereiro de 2017, 19:01
    Horário UTC

    Planet ATOM
    RSS10 RSS20
    OPML FOAF

    Blogs inscritos


    © 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
    Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.