27 de junho de 2017

Anotações no Desktop? Instale Sticky Notes Indicator no Ubuntu

Instale Sticky Notes Indicator no Ubuntu

Está precisando fazer anotações enquanto usa o seu desktop? Então instale o Sticky Notes Indicator e tenha um bloco de notas sempre a mão, aliás, na tela.


Sticky Notes Indicator é uma aplicação simples semelhante ao Windows Sticky Notes, que permite que você anote pensamentos, listas e lembretes. Ele pode ser muito útil para fazer aquelas anotações que eventualmente aparecem enquanto você usa o PC e quase sempre está sem caneta (ou nem mesmo quer sair para procurar).

Instale Sticky Notes Indicator no Ubuntu

O programa foi feito para ser usado no ambiente Unity do Ubuntu. Mas ele também pode funcionar no GNOME Shell, XFCE, KDE, MATE e Cinnamon, embora suporte para esses outros ambientes não seja garantido.

Conheça melhor o Sticky Notes Indicator

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Veja como instalar o Sticky Notes Indicator no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Sticky Notes Indicator no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo apt-add-repository ppa:umang/indicator-stickynotes

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Para instalar o programa, use este comando:

sudo apt-get install indicator-stickynotes

Como instalar o Sticky Notes Indicator manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Uma vez instalado, inicie o aplicativo digitando stickynotes no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Instale Sticky Notes Indicator no Ubuntu

Desinstalando o Sticky Notes Indicator no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Sticky Notes Indicator no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o Sticky Notes Indicator, usando os comandos abaixo;

sudo apt-add-repository ppa:umang/indicator-stickynotes --remove
sudo apt-get remove indicator-stickynotes
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o cliente VoIP Linphone no Ubuntu

Como instalar o cliente VoIP Linphone no Ubuntu

Procurando uma opção para poder se comunicar via Internet utilizando serviços de voz sobre IP? Então veja como instalar o cliente VoIP Linphone no Ubuntu e comece a usá-lo.


Linphone é um cliente VoIP de código aberto que permite aos usuários realizar chamadas de voz, vídeo e conversas de texto com amigos e outros usuários. O melhor é que você pode usar o Linphone com qualquer operador VoIP SIP.

Como instalar o cliente VoIP Linphone no Ubuntu

Com Linphone você pode se comunicar livremente com pessoas através da internet, utilizando o Protocolo de Iniciação de Sessão (Session Initiation Protocol – SIP).

Como instalar o cliente VoIP Linphone no Ubuntu

Para quem não conhece, esse é um padrão aberto para telefonia via Internet que utiliza o modelo “requisição-resposta”, similar ao HTTP, para iniciar sessões de comunicação interativa entre usuários. O protocolo é um padrão da Internet Engineering Task Force (IETF), estabelecido na RFC 2543.

Como instalar o cliente VoIP Linphone no Ubuntu

Conheça melhor o cliente VoIP Linphone

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o cliente VoIP Linphone no Ubuntu e seus derivados

Linphone está disponível nos repositórios oficiais de algumas versões do Ubuntu, no entanto, nem sempre é a versão mais recente. Por isso, para ter a última versão desse programa no Ubuntu, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:linphone/release

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install linphone

Como instalar o cliente VoIP Linphone manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite linphone no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o cliente VoIP Linphone no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o cliente VoIP Linphone no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:linphone/release --remove
sudo apt-get remove linphone
sudo apt-get autoremove

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Instale DroidCam e use um dispositivo Android como webcam

Como instalar o DroidCam no Linux manualmente

Está precisando de uma webcam? Instale o DroidCam no Ubuntu e use seu dispositivo com Android como webcam.


DroidCam é uma ferramenta que permite usar um dispositivo Android como uma webcam sem fio, que pode ser usado a partir de seu desktop (Linux ou Windows) para conversar no Skype, Google+ e assim por diante, usando o “DroidCam Webcam” no seu computador, com som e imagem. Ele pode se conectar pela Wifi, Bluetooth ou cabo USB. Além disso, ele é simples e eficiente, pois foi projetado para economizar bateria e espaço, tanto quanto possível.

Instale DroidCam e use um dispositivo Android como webcam

O DroidCam pode ser usado gratuitamente, mas se você quiser recursos extras e melhorias, como o suporte a vídeo de alta resolução, câmera de vigilância/IP/Monitoramento, controles de câmera, como flash, foco automático, zoom e assim por diante, você deve comprar o DroidCamX.

Como normalmente a instalação do cliente desktop do DroidCam no Linux requer a execução de um script, baixando manualmente a cada atualização, foi criado um repositório para facilitar a instalação e manter o programa sempre atualizado com as últimas versões, no Ubuntu e seus derivados.

Conheça melhor o DroidCam

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o DroidCam em um dispositivo Android

Antes de instalar o cliente de desktop, em primeiro lugar instale a versão mobile
(DroidCam, que é gratuita ou DroidCamX, que é pago e possui mais recursos) no dispositivo com Android.

Como instalar o DroidCam em qualquer distribuição Linux e usar um dispositivo Android como webcam

Para instalar o DroidCam em qualquer distribuição Linux, siga os passos desse tutorial:
Como instalar o DroidCam no Linux manualmente

Como instalar o DroidCam no Ubuntu 12.04, 13,10, 14.04, 14.10 e 15.04 e usar um dispositivo Android como webcam

Se você usa o Ubuntu 12.04, 13,10, 14.04, 14.10 e 15.04, instale o DroidCam nessas versões, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Instale os pacotes necessários a execução do script;

sudo apt-get install build-essential linux-headers-$(uname -r)

Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo apt-add-repository ppa:paolorotolo/droidcam

Passo 4. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install droidcam

Como instalar o DroidCam manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Como usar o DroidCam

Uma vez instalado, execute o DroidCam no seu dispositivo mobile. Depois execute o app no PC, digitando droidcam em um terminal, seguido da tecla TAB.

Em seguida, selecione como você deseja que ele se conecte ao seu dispositivo Android (WiFi/LAN, Modo Wifi Server, Bluetooth, USB), digite o IP do telefone, se você está se conectando via WiFi, e clique em “Conectar”.

Instale DroidCam e use um dispositivo Android como webcam

Desinstalando o programa no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o programa no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-add-repository ppa:paolorotolo/droidcam --remove
sudo apt-get remove droidcam
sudo apt-get autoremove

Fonte

O que está sendo falado no blog nos últimos dias


Como instalar o gerenciador de senhas KeePassXC no Linux

Como instalar o gerenciador de senhas KeePassXC no Linux

Se você não consegue lembrar de todas as suas senhas, então precisa conhecer e ver como instalar o gerenciador de senhas KeePassXC no Linux.


O KeePassXC é um fork comunitário do KeePassX, com o objetivo de estendê-lo e aprimorá-lo com novos recursos e correções de erros, para fornecer um gerenciador de senha de código aberto, rico em recursos, totalmente multiplataforma e moderno.

Como instalar o gerenciador de senhas KeePassXC no Linux

Como instalar o gerenciador de senhas KeePassXC no Linux

O KeePassXC está disponível para baixar e instalar no Linux Ubuntu, Debian, Arch, Centos, Fedora, OpenSUSE e outras distribuições Linux usando uma variedade de métodos diferentes, incluindo um aplicativo AppImage e Snap.

Como instalar o gerenciador de senhas KeePassXC no Linux

Novidades da mais recente versão do gerenciador de senhas KeePassXC

Como instalar o gerenciador de senhas KeePassXC no Linux

Janek Bevendorff, anunciou o lançamento do KeePassXC 2.2.0 e informou que a atualização tem “muitos novos recursos e correções de bugs em um lançamento bem-arredondado”.

Entre esses novos recursos, você encontrará:

  • Gerador de senhas únicas com base em tempo (TOTP);
  • Gerador de senha do Diceware;
  • Suporte a YubiKey challenge-response/2FA;
  • Importação de banco de dados CSV;
  • Interface de linha de comando (CLI);
  • Modo portátil com o arquivo de configuração residente no mesmo diretório que o aplicativo;
  • Modo de instância única;
  • Suporte ascii estendido no gerador de senhas;
  • Bloqueio automático do banco de dados quando você trava a sessão da área de trabalho;
  • Nova tela de boas-vindas quando nenhuma base de dados está carregada.
  • Para mais detalhes sobre a mais recente versão do gerenciador de senhas KeePassXC, acesse a nota de lançamento.

    Conheça melhor o gerenciador de senhas KeePassXC

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o gerenciador de senhas KeePassXC no Linux

    Para instalar o gerenciador de senhas KeePassXC no Linux, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome peepassxc.appimage:

    wget https://github.com/keepassxreboot/keepassxc/releases/download/2.2.0/KeePassXC-2.2.0-x86_64.AppImage -O peepassxc.appimage

    Passo 4. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

    chmod +x peepassxc.appimageb

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando;

    ./peepassxc.appimage

    Passo 6. Na janela que será exibida, clique no botão “Yes” e aguarde o final da instalação;

    Como instalar a versão mais recente do gerenciador de senhas KeePassXC no Linux Ubuntu e outras distros que suportam Snap

    Para instalar a versão mais recente do gerenciador de senhas KeePassXC no Linux Ubuntu e seus derivados via Snap, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com esse comando (caso ainda não esteja instalado). Em versões recentes do Ubuntu (como 16.04 e 16.10 ou 17.04), este ele já deve estar instalado por padrão. Para o Ubuntu 14.04, você precisa instalar o snapd com esse comando;

    sudo apt install snapd

    Passo 3. Instale a versão mais recente do xx no Ubuntu via SNAP, usando esse comando:

    sudo snap install keepassxc

    Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o snap xx, use:

    sudo snap refresh keepassxc

    Passo 5. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo snap remove keepassxc

    Como instalar o gerenciador de senhas KeePassXC no Linux Ubuntu, Debian, Arch, Centos, Fedora, OpenSUSE e derivados

    Para instalar o gerenciador de senhas KeePassXC no Linux Ubuntu, Debian, Arch, Centos, Fedora, OpenSUSE e derivados, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal com privilégios de administrador (ou use sudo antes de cada comando);
    Passo 2. Se você estiver usando o Arch Linux, instale o programa com o seguinte comando;

    pacman -S keepassxc

    Passo 3. Se você estiver usando o Debian, Ubuntu e derivados, instale o programa com o seguinte comando;

    wget https://github.com/magkopian/keepassxc-debian/releases/download/2.2.0-1/keepassxc_2.2.0-1_i386_stable_stretch.deb -O keepassxc.deb

    ou

    wget https://github.com/magkopian/keepassxc-debian/releases/download/2.2.0-1/keepassxc_2.2.0-1_amd64_stable_stretch.deb -O keepassxc.deb
    dpkg -i keepassxc.deb
    apt-get install -f

    Passo 4. Se você estiver usando o Gentoo, instale o programa com o seguinte comando;

    emerge app-admin/keepassxc

    Passo 5. Se você estiver usando o CentOS, instale o programa com o seguinte comando;

    dnf copr enable bugzy/keepassxc
    dnf install keepassxc

    Passo 6. Se você estiver usando o Fedora, instale o programa com o seguinte comando;

    dnf install keepassxc

    Passo 7. Se você estiver usando o OpenSUSE, instale o programa com o seguinte comando;

    zypper install keepassxc

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, use o atalho dele ou digite keepassxc em um terminal, seguido da tecla TAB.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o ambiente Lumina Desktop no Ubuntu, Debian, Mint e derivados

    Como instalar o ambiente Lumina Desktop no Ubuntu, Debian, Mint e derivados

    Procurando o ambiente leve? Conheça e veja como instalar o ambiente Lumina Desktop no Ubuntu, Debian, Mint e sistemas derivados.


    Lumina-DE é um ambiente de desktop leve, projetado especificamente para uso no FreeBSD. Ele é coberto pela licença BSD e pode ser portado para outros sistemas operacionais semelhante ao Unix, como o Linux. O Lumina é baseado no Qt 5 (sem QML) e no gerenciador de janelas Fluxbox.

    Como instalar o ambiente Lumina Desktop no Ubuntu, Debian, Mint e derivados

    O ambiente utiliza uma abordagem baseada em plug-in, permitindo que a interface inteira seja montada/organizada por cada usuário individual, conforme desejado, com um layout padrão do sistema configurado pelo administrador do sistema.

    Essa característica permite que cada sistema (ou sessão de usuário) seja projetado para maximizar a produtividade do usuário individual.

    Os desenvolvedores do Lumina Desktop entendem que a principal função de um sistema é executar aplicativos, assim Lumina foi projetado para exigir o mínimo possível de dependências/requisitos do sistema. Em suma, ele foi projetada para exigir menos dependências do que a maioria dos outros ambientes de desktop.

    O Lumina Desktop não requer PolicyKit, HAL ou systemd, por exemplo. Isso o torna muito portátil e o ambiente pode ser executada na maioria dos sabores do BSD e do Linux.

    Além disso, com esse ambiente é possível revitalizar sistemas mais antigos ou permitir que o usuário execute aplicativos que podem precisar de uma porcentagem maior dos recursos do sistema, do que anteriormente eram exigidos em outros ambientes de desktop.

    O ambiente foi projetado para ser rápido, fácil de personalizar, flexível, requer poucos recursos e funciona em vários ambientes diferentes.

    Por essa e outras, o ambiente e deve funcionar tão bem em configurações de vários monitores como em laptops ou tablets de uma única tela.

    Novidades da mais recente versão do ambiente Lumina Desktop

    De acordo com o anúncio de lançamento, o Lumina 1.3.0 recebe um “grande número de atualizações e melhorias”, bem como “melhorias de desempenho sob o capô da área de trabalho”.

    O Lumina 1.3.0 agora traz seus próprios temas de ícones de “material-design” para serem usados ​​como o conjunto de ícones padrão. A área de trabalho anteriormente dependia do conjunto de ícones de Oxygen, desenvolvido pelo projeto KDE.

    Grandes melhorias de desempenho foram feitas no aplicativo padrão do gerenciador de arquivos. Além do carregamento mais rápido do conteúdo da pasta, o aplicativo também ganha uma nova exibição de “exibição em árvore”, facilitando a visualização de todos os diretórios em seu sistema. O gerenciador de arquivos também adota integração com o lumina-archiver que estreou no Lumina desktop 1.2.0.

    Agora você pode interagir com pastas na área de trabalho; Continuou o trabalho para melhorar a aparência da área de trabalho nas telas HiDPI; E o Ctrl + Q agora pode ser usado para sair de aplicativos.

    Um novo player de mídia está incluído como parte desta atualização, chamado (obviamente) de lumina-mediaplayer .

    Este utilitário é “projetado para transmitir conteúdo de rádio online (rádio Pandora no momento, alimentado pela CLI do piano bar ) e reprodução de arquivos de mídia locais”, de acordo com a equipe da Lumina. A maioria de formatos populares do áudio são suportados pelo aplicativo, incluindo .ogg , .mp3 , .mp4 , .flac e (se alguém ainda o usa) .wmv.

    O player não é chamativo e possui design voltado para ficar fora do caminho do usuário, em segundo plano. Ele pode ser controlado através de um pequeno ícone de bandeja.

    Para saber mais detalhes sobre essa versão, acesse a nota de lançamento.

    Conheça melhor o ambiente Lumina Desktop

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o ambiente Lumina Desktop no Ubuntu 16.04, Linux Mint 18 e derivados

    Para instalar o ambiente Lumina Desktop no Ubuntu 16.04, Linux Mint 18 e derivados, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo apt-add-repository ppa:samoilov-lex/lumina-desktop

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install lumina-desktop

    Como instalar o ambiente Lumina Desktop no Debian, Ubuntu 16.04, 16.10, 17.04, Linux Mint 18 e derivados

    Para instalar o ambiente Lumina Desktop no Debian, Ubuntu 16.04, 16.10, 17.04, Linux Mint 18 e derivados manualmente, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 3. Instale as dependências com o comando abaixo:

    sudo apt-get install build-essential git qt5-default qttools5-dev-tools libqt5gui5 qtmultimedia5-dev libqt5multimediawidgets5 libqt5network5 libqt5svg5-dev libqt5x11extras5-dev libxcb-icccm4-dev libxcb-ewmh-dev libxcb-composite0-dev libxcb-damage0-dev libxcb-util0-dev libphonon-dev libxcomposite-dev libxdamage-dev libxrender-dev libxcb-image0-dev libxcb-screensaver0-dev qtdeclarative5-dev fluxbox kde-style-oxygen xscreensaver xbacklight alsa-utils acpi numlockx pavucontrol xterm sysstat

    Passo 4. Agora use os comandos abaixo para compilar e instalar o ambiente;

    git clone https://github.com/trueos/lumina.git
    cd lumina;qmake
    make
    sudo make install

    Observe que depois de executar o qmake, deve haver uma mensagem sobre a detecção do Debian para a compatibilidade do sistema operacional – caso contrário, talvez seja necessário executar “qmake LINUX_DISTRO = Debian”

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Saia da sessão atual e quando aparecer a tela de login, escolha o Lumina Desktop. Entre com seu usuário e senha e depois comece a experimentar o ambiente.

    Como instalar o ambiente Lumina Desktop no Ubuntu, Debian, Mint e derivados

    Desinstalando o ambiente Lumina Desktop no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o ambiente Lumina Desktop no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Acesse o sistema em outro ambiente e abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-add-repository ppa:samoilov-lex/lumina-desktop --remove
    sudo apt-get remove lumina-desktop
    sudo apt-get autoremove

    Procurando outras opções? Conheça melhor essa série

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como colocar o Nemo como gerenciador de arquivos padrão do Ubuntu

    Como colocar o Nemo como gerenciador de arquivos padrão do Ubuntu

    Se você quer substituir o Nautilus pelo Nemo, veja aqui como colocar ele como gerenciador de arquivos padrão do Ubuntu.


    Nemo é um fork completo do Nautilus e sua meta é estender a experiência de usuário em gerenciamento de arquivos do ambiente Cinnamon para outros ambientes.

    Como colocar o Nemo como gerenciador de arquivos padrão do Ubuntu

    Como algumas pessoas não gostam das mudanças que tem sido feitas no Nautilus, o Nemo pode ser uma boa alternativa para substituir o gerenciador de arquivo padrão do Ubuntu, para esses, mostrarei como fazer isso.

    Conheça melhor o Nemo

    Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

    Colocando o Nemo como gerenciador de arquivos padrão do Ubuntu

    Se você ainda não está com o Nemo instalado, você pode fazer isso usando a Central de programas ou o comando sudo apt-get install nemo. No entanto, em versões mais antigas, faça isso acessando esse link.

    Depois, para tornar o Nemo o gerenciador de arquivos padrão do Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Execute os comandos abaixo para alterar o gerenciador de arquivos padrão do sistema:

    xdg-mime default nemo.desktop inode/directory application/x-gnome-saved-search
    gsettings set org.gnome.desktop.background show-desktop-icons false
    gsettings set org.nemo.desktop show-desktop-icons true

    Passo 3. Agora digite o comando abaixo para verificar se o Nemo é realmente o atual gerenciador de arquivos padrão.

    xdg-mime query default inode/directory

    Passo 4. Se você se arrepender da mudança, basta executar os comandos abaixo para que o Nautilus volte a ser o gerenciador de arquivos padrão do sistema:

    xdg-mime default nautilus*.desktop inode/directory application/x-gnome-saved-search
    gsettings set org.nemo.desktop show-desktop-icons false
    gsettings set org.gnome.desktop.background show-desktop-icons true

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Corel Draw para Linux – Conheça sK1 um editor vetorial com suporte a CMYK

    Corel Draw para Linux - Conheça sK1 um editor vetorial com suporte a CMYK

    Procurando um Corel Draw para Linux? Conheça e instale o SK1, um editor vetorial com suporte a CMYK e diversos outros recursos importante para editoração.


    sK1 é um programa de ilustração ou editor de gráficos vetoriais de código aberto, que por conta de seus recursos, pode substituir softwares profissionais proprietários como o Corel Draw, Adobe Illustrator ou Freehand.

    Corel Draw para Linux - Conheça sK1 um editor vetorial com suporte a CMYK

    O programa suporta recursos de publicação profissionais, como documento de várias páginas, cores CMYK, separações, gerenciamento de cor ICC e saída em PDF.

    O sK1 foi escrito usando a toolkit wxWidgets, por isso, é realmente um software multiplataforma que usa controles visuais específicos da plataformas. Isso faz com que o visual do programa seja semelhante a um software nativo da plataforma usada.

    suporte a CMYK

    sK1 suporta CMYK. Mas o que é CMYK? CMYK é a abreviação para as cores ciano, magenta, amarelo e preto. O termo vem do inglês “Cyan”, “Magenta”, “Yellow” e “Key” (ou “chave”).

    Essas quatro letras CMYK são as mais importantes no mundo do design gráfico e representam o sistema de impressão atual.

    O sK1 suporta esse padrão porque seu principal objetivo é ser uma aplicação estável e compatível com Corel Draw e Adobe Illustrator, para ser usado em trabalhos de pré-impressão.

    Para quem não conhece, a Pré-Impressão é uma fase importantíssima no processo de produção gráfica. Ela compõe todo o conjunto de procedimentos e cuidados a serem adotados depois de finalizada a arte a ser impressa e antes do processo de impressão propriamente dito, ou seja, a reprodução do grafismo em seu suporte final.

    Infelizmente, o projeto está parado nos últimos anos, por causa disso, não há nenhuma atualização recente.

    Outra opção de Corel Draw para Linux

    Mas o SK1 não é o único editor de vetoriais para Linux. Conheça no tutorial abaixo, outra alternativa ao Corel Draw para Linux:
    Inkscape no Ubuntu – Como atualizar para a versão mais recente

    Conheça melhor o SK1, o Corel Draw para Linux

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
    Além do sK1, no link acima tem outros utilitários interessantes que podem ser úteis. Dê uma olhada nisso.

    Como instalar o SK1 no Linux

    Para instalar o SK1 Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados, basta baixar o pacote RPM ou DEB, disponível nessa página, e dar um duplo clique sobre ele. Depois, confirme a instalação e aguarde terminar o processo. Se preferir, faça a instalação usando o terminal, seguindo os procedimentos abaixo.

    Vale observar que, apesar dos pacotes disponibilizados serem específicos para algumas versões de algumas das mais populares distribuições Linux (Ubuntu, Mint, Debian, Fedora, OpenSUSE e Mageia), eles podem ser instalados em versões mais recentes destes sistemas (testei no Ubuntu 16.04) e até em sistemas derivados.

    Como instalar o SK1 no Linux Ubuntu, Mint, Debian e derivados e ter um Corel Draw para Linux

    Quem quiser instalar o SK1 no Linux Ubuntu, Mint, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é um Ubuntu 14.04 de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_0ubuntu1_14.04_i386.deb" -O sk1.deb

    Passo 4. Se seu sistema é um Ubuntu 14.04 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_0ubuntu1_14.04_amd64.deb" -O sk1.deb

    Passo 5. Se seu sistema é um Ubuntu 14.10 de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget http://superb-sea2.dl.sourceforge.net/project/sk1/sk1/sK1_v.0.9.3/python-sk1-0.9.3_1ubuntu1_14.10_i386.deb -O sk1.deb

    Passo 6. Se seu sistema é um Ubuntu 14.10 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget http://superb-sea2.dl.sourceforge.net/project/sk1/sk1/sK1_v.0.9.3/python-sk1-0.9.3_1ubuntu1_14.10_amd64.deb -O sk1.deb

    Passo 7. Se seu sistema é um Ubuntu 16.04 de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_0ubuntu1_16.04_i386.deb" -O sk1.deb

    Passo 8. Se seu sistema é um Ubuntu 16.04 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_0ubuntu1_16.04_amd64.deb" -O sk1.deb

    Passo 9. Se seu sistema é um Ubuntu 16.10 de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_0ubuntu1_16.10_i386.deb" -O sk1.deb

    Passo 10. Se seu sistema é um Ubuntu 16.10 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_0ubuntu1_16.10_amd64.deb" -O sk1.deb

    Passo 11. Se seu sistema é um Mint 17.x de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_0mint_17_i386.deb" -O sk1.deb

    Passo 12. Se seu sistema é um Mint 17.x de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_0mint_17_amd64.deb" -O sk1.deb

    Passo 13. Se seu sistema é um Mint 18.x de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_0mint_18_i386.deb" -O sk1.deb

    Passo 14. Se seu sistema é um Mint 18.x de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_0mint_18_amd64.deb" -O sk1.deb

    Passo 15. Se seu sistema é um Debian 7.x de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_debian7_i386.deb" -O sk1.deb

    Passo 16. Se seu sistema é um Debian 7.x de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_debian7_amd64.deb" -O sk1.deb

    Passo 17. Se seu sistema é um Debian 8.x de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_debian8_i386.deb" -O sk1.deb

    Passo 18. Se seu sistema é um Debian 8.x de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.deb:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=python-sk1-2.0rc2_debian8_amd64.deb" -O sk1.deb

    Passo 19. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i sk1.deb

    Passo 20. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Passo 21. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo apt-get remove python-sk1

    Como instalar o programa no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados e ter um Corel Draw para Linux

    Quem quiser instalar o programa no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é um Fedora 21 de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.rpm:

    wget http://iweb.dl.sourceforge.net/project/sk1/sk1/sK1_v.0.9.3/sk1-0.9.3-1.fc21.i686.rpm -O sk1.rpm

    Passo 4. Se seu sistema é um Fedora 21 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.rpm:

    wget http://iweb.dl.sourceforge.net/project/sk1/sk1/sK1_v.0.9.3/sk1-0.9.3-1.fc21.x86_64.rpm -O sk1.rpm

    Passo 5. Se seu sistema é um Fedora 23 de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.rpm:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=sk1-2.0rc2.fc23.i686.rpm" -O sk1.rpm

    Passo 6. Se seu sistema é um Fedora 23 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.rpm:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=sk1-2.0rc2.fc23.i686.rpm" -O sk1.rpm

    Passo 7. Se seu sistema é um Fedora 24 de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.rpm:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=sk1-2.0rc2.fc24.i686.rpm" -O sk1.rpm

    Passo 8. Se seu sistema é um Fedora 24 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.rpm:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=sk1-2.0rc2.fc24.x86_64.rpm" -O sk1.rpm

    Passo 9. Se seu sistema é um OpenSUSE 13.x de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.rpm:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=sk1-2.0rc2.opensuse13.i586.rpm" -O sk1.rpm

    Passo 10. Se seu sistema é um OpenSUSE 13.x de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.rpm:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=sk1-2.0rc2.opensuse13.x86_64.rpm" -O sk1.rpm

    Passo 11. Se seu sistema é um OpenSUSE 42.x de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.rpm:

    wget "https://sk1project.net/dc3.php?version=2.0rc2&target=sk1-2.0rc2.opensuse42.x86_64.rpm" -O sk1.rpm

    Passo 12. Se seu sistema é um Mageia 4.1 de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.rpm:

    wget http://iweb.dl.sourceforge.net/project/sk1/sk1/sK1_v.0.9.3/sk1-0.9.3-1.opensuse13.2.i586.rpm -O sk1.rpm

    Passo 13. Se seu sistema é um Mageia 4.1 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome sk1.rpm:

    wget http://iweb.dl.sourceforge.net/project/sk1/sk1/sK1_v.0.9.3/sk1-0.9.3-1.opensuse13.2.x86_64.rpm -O sk1.rpm

    Passo 14. Para instalar em um Fedora, RedHat, CentOS e seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo yum localinstall sk1.rpm

    ou

    sudo dnf install sk1.rpm

    Passo 15. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo zypper install sk1.rpm

    Passo 16. Para instalar o programa no Mageia e na maioria das distro com suporte a arquivos RPM, use o comando:

    sudo rpm -i sk1.rpm

    Passo 17. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo rpm -e python-sk1

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, use o atalho dele ou digite sk1 em um terminal, seguido da tecla TAB.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o conjunto de ícones Just Colors And Colors no Ubuntu e derivados

    Como instalar o conjunto de ícones Just Colors And Colors no Ubuntu e derivados

    Se você gosta de variar as cores dos ícones do seu sistema, conheça e veja como instalar o conjunto de ícones Just Colors And Colors no Ubuntu e derivados.


    Just Colors And Colors é um conjunto de ícones que usa vários ícones de outros temas de ícones, incluindo: Vibrancy-Colors, temas de ícones Faenza e Numix.

    Como instalar o conjunto de ícones Just Colors And Colors no Ubuntu e derivados

    Como instalar o conjunto de ícones Just Colors And Colors no Ubuntu e derivados

    Como a imagem acima mostra, existem muitas variações de cores neste tema (azul, verde, laranja, roxo, amarelo e versão padrão), com isso, você pode escolher o que se adapta melhor ao seu tema GTK e desktop.

    Como instalar o conjunto de ícones Just Colors And Colors no Ubuntu e derivados

    Uma vez que esses ícones são bastante novos e estão em desenvolvimento ativo, pode acontecer de você sentir falta de alguns ícones, o que deve ser informado e corrigido rapidamente.

    Como instalar o conjunto de ícones Just Colors And Colors no Ubuntu e derivados

    Conheça melhor o conjunto de ícones Just Colors And Colors

    Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

    Instalando o conjunto de ícones Just Colors And Colors no Ubuntu e derivados

    Para instalar o conjunto de ícones Just Colors And Colors no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do conjunto de ícones com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons2

    Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o conjunto de ícones Just Colors And Colors usando o seguinte comando:

    sudo apt-get install colors-just-colors-icons

    Como instalar o conjunto de ícones Just Colors And Colors manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Desinstalando o conjunto de ícones Just Colors And Colors no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o conjunto de ícones Just Colors And Colors no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o conjunto de ícones Just Colors And Colors, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove colors-just-colors-icons

    Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    26 de junho de 2017

    Como instalar a versão mais recente do Skype no Linux via repositório

    Como instalar a versão mais recente do Skype no Linux via repositório

    Você já viu como instalar a nova versão do Skype baixando o pacote, e nesse tutorial, verá como instalar a versão mais recente do Skype no Linux via repositório.


    A nova versão do Skype já está por aí. E apesar de ainda ser um Alpha, ela já está bastante completa, trazendo uma integração com a área de trabalho, ícone na área de indicadores do sistema, além de um indicador de mensagens na barra do Unity do Ubuntu.

    Como instalar a versão mais recente do Skype no Linux via repositório

    Como instalar a versão mais recente do Skype no Linux via repositório

    Baseada na tecnologia WebRTC, que permite o uso de VOIP sem ter que instalar plugins, essa versão é praticamente um empacotamento da versão web do Skype e a interface dele é igual à ela.

    Além disso, com a chegada dessa nova versão do skype, os usuários do ChromeOS agora poderão usar a versão web do Skype para fazer chamadas via navegador, no sistema operacional de desktop do Google.

    Novidades da versão mais recente do Skype para Linux

    Foi anunciada uma nova versão do Skype beta. Abaixo estão alguns dos muitos novos recursos e melhorias que vêm com o Skype para Linux Beta 5.2:

  • Correção para lidar com a junção de ligações (join.skype.com);
  • Correção para comutação de linguagem (Alt + Shift), que foi, por vezes, provocando o menu do aplicativo;
  • Adicionado o exportador histórico de conversas, que permite fazer backup de suas conversas de Skype para Linux v4.3 em formato HTML. Basta ir ao ‘Ferramentas-> Exportar histórico de bate-papo do Skype 4.3’ e experimentá-lo.
  • Para mais detalhes sobre essa versão acesse a nota de lançamento.

    Conheça melhor o Skype

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar a versão mais recente do Skype no Linux

    Para instalar a nova versão do Skype no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados, você só precisa acessar essa página, baixar o pacote para seu sistema (DEB ou RPM) e clicar nele, para que o gerenciador de pacote de sua distro faça a instalação.

    Mas se você prefere usar a linha de comando, siga os passos desse outro tutorial.
    Como instalar a nova versão do Skype no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Agora, se você quiser instalar o Skype e receber as futuras atualizações dele, siga um dos procedimentos abaixo.

    Como instalar a versão mais recente do Skype no Linux Ubuntu, Debian e derivados

    Para instalar a versão mais recente do Skype no Linux Ubuntu, Debian e derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Instale a dependência do programa com esse comando;

    sudo apt install apt-transport-https -y

    Passo 3. Baixe e importe a chave do repositório com o comando:

    wget -q -O - https://repo.skype.com/data/SKYPE-GPG-KEY | sudo apt-key add -

    Passo 4. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    echo "deb https://repo.skype.com/deb stable main" | sudo tee /etc/apt/sources.list.d/skypeforlinux.list

    Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install skypeforlinux

    Como instalar a versão mais recente do Skype no Linux Red Hat, CentOS, Fedora e derivados

    Para instalar a versão mais recente do Skype no Linux Red Hat, CentOS, Fedora e derivados, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Adicione o repositório do programa com um destes comandos;

    sudo yum-config-manager --add-repo=https://repo.skype.com/data/skype-stable.repo

    ou

    sudo dnf config-manager --add-repo https://repo.skype.com/data/skype-stable.repo 

    Passo 3. Agora use um dos comandos abaixo para instalar o programa;

    sudo yum install skypeforlinux -y

    ou

    sudo dnf install skypeforlinux -y 

    Como instalar a versão mais recente do Skype no Linux openSUSE e derivados

    Para instalar a versão mais recente do Skype no Linux openSUSE e derivados, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 4. Adicione o repositório do programa com este comando;

    sudo zypper ar -f https://repo.skype.com/rpm/stable skypeforlinux

    Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo zypper update

    Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo zypper install skypeforlinux

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite skype no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    MP4 para Avi – como converter usando o WinFF

    MP4 para Avi - como converter usando o WinFF

    Se você vive baixando vídeos online (legalmente, claro) ou trabalha com diferentes tipos de mídia, experimente instalar e usar o WinFF para converter seus vídeos e facilitar a sua vida. Nesse tutorial, você verá como converter um arquivo MP4 para Avi usando o programa.


    WinFF é um aplicativo versátil, que pode converter arquivos individuais ou múltiplos arquivos em vários formatos, tudo ao mesmo tempo.

    MP4 para Avi - como converter usando o WinFF

    MP4 para Avi – como converter usando o WinFF

    Ele é um conversor de vídeo gratuito de código aberto licenciado sob a GNU Public License v3 e escrito em Free Pascal e Lazarus. O programa é multi plataforma, por isso pode ser usado tanto em Linux e Windows. além de suportar várias línguas.

    A seguir será mostrado como instalar esse programa e como exemplo, você verá como converter um MP4 para Avi usando o WinFF, mas o mesmo processo pode ser feito de e para os outros formatos que o programa suporta.

    Conheça melhor o WinFF

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o WinFF no Ubuntu

    WinFF está disponível na Central de programas do Ubuntu, basta iniciá-la e digitar “WinFF” na barra de pesquisa ou usando o comando sudo apt-get install winff em um terminal.

    Observe que o aplicativo tem algumas dependências que devem ser instalados para que ele funcione. Um dessas dependências é o pacote libavcodec, que pode ser obtida instalando-se a versão de unstripped libavcodec-extra.

    Mas se você estiver executando uma versão antiga do Ubuntu (como o 12.04) ou recente (como o 16.10), você terá que instalar o WinFF através de um PPA fornecido pelo Launchpad. Para isso, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:paul-climbing/ppa

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install winff

    Passo 5. Por fim, se for necessário, instale a libav-tools;

    sudo apt-get install  libav-tools

    Como instalar o WinFF manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link (baixe os pacotes winff, winff-qt e winffgtk2) e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Como converter um arquivo MP4 para Avi usando o WinFF

    Para converter um arquivo MP4 para Avi usando o WinFF, faça o seguinte:
    Passo 1. Inicie o programa, digitando winff no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB);
    Passo 2. Clique no menu drop-down ao lado do campo “Converter para” e selecione a opção “AVI”;

    MP4 para Avi - como converter usando o WinFF

    Passo 3. Clique no menu drop-down ao lado do campo “Pré-ajuste” e e selecione a opção “XviD Widescreen Anarmorphic”. Sua escolha irá depender de relação de aspecto de seu vídeo original;

    MP4 para Avi - como converter usando o WinFF

    Passo 4. Em seguida, clique em “Adicionar” e na tela que aparece, vá até a pasta onde está o vídeo que você deseja converter. Depois disso, selecione o vídeo e clique no botão “Abrir”;

    MP4 para Avi - como converter usando o WinFF

    Passo 5. Se quiser mudar o padrão, clique no botão “…” e selecione a pasta de saída, onde você deseja que o vídeo convertido seja salvo. Se quiser salvar o novo vídeo na mesma pasta do vídeo original , apenas marque a opção “Utilizar a pasta de origem”;

    MP4 para Avi - como converter usando o WinFF

    Passo 6. Por fim, clique em “Converter”, e uma janela de terminal irá aparecer, mostrando todo o processo.

    MP4 para Avi - como converter usando o WinFF

    Pronto! Tudo que você tem a fazer agora é sentar e esperar o vídeo terminar de ser convertido. O tempo necessário para isso, irá depender do tamanho do seu vídeo e do poder de processamento do seu computador.

    Quando terminar, é só levar o vídeo para onde você quiser e assistir tranquilamente. Boa diversão!

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como transmitir vídeos para o Chromecast via terminal usando o Stream2Chromecast

    Como transmitir vídeos para o Chromecast via terminal usando o Stream2Chromecast

    Você possui um Chromecast plugado na sua TV ou projetor e quer controlar usando a linha de comando? Então veja como transmitir vídeos para o Chromecast via terminal usando o Stream2Chromecast.


    Stream2Chromecast é um streamer de mídia de linha de comando Chromecast para Linux. A ferramenta pode até transcodificar formatos não suportados em tempo real e reproduzi-los no Chromecast.

    Como transmitir vídeos para o Chromecast via terminal usando o Stream2Chromecast

    Como transmitir vídeos para o Chromecast via terminal usando o Stream2Chromecast

    Recursos do Stream2Chromecast:

  • Permite transmitir áudio e vídeo a um dispositivo Chromecast;
  • Permite passar uma URL a ser reproduzida no Chromecast;
  • O arquivo deve ser transmitido e um formato suportado pelo Chromecast, uma vez que não pode ser transcodificado;
  • Pode transcodificar qualquer formato não suportado pelo Chromecast em tempo real (usando FFmpeg ou Libav), para que você não precise converter nenhum vídeo manualmente;
  • Fornece comandos básicos de controle: pausar/parar a reprodução, aumentar/diminuir ou desligar o som (mute);
  • Permite especificar um dispositivo, quando vários Chromecasts estão conectados na mesma rede;
  • Suporta a passagem de parâmetros personalizados para o transcodificador ffmpeg ou avconv (graças a isso, você pode definir a qualidade, adicionar legendas e etc, mesmo que o Stream2Chromecast não suporte tudo isso diretamente);
  • Suporta a especificação da porta a ser usada para o streaming de mídia.
  • Para arquivos apenas de áudio, os Metadados (artista, título, imagem de capa, etc.) é exibido pelo Chromecast.

    Aqueles que preferem um programa gráfico para streaming de vídeos para o Chromecast, podem usar o Videostream for Google Chromecast.

    Essa é uma extensão do Google Chrome que permite reproduzir vídeos locais no Chromecast (incluindo formatos que não são suportados diretamente pelo Chromecast). Ela suporta legendas, vem com controles remotos para iOS e Android, e muito mais.

    Conheça melhor o Stream2Chromecast

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como transmitir vídeos para o Chromecast via terminal usando o Stream2Chromecast

    Para transmitir vídeos para o Chromecast via terminal usando o Stream2Chromecast, primeiramente você precisa instalar o programa. Para isso siga um dos procedimentos abaixo.

    Como instalar o Stream2Chromecast no Ubuntu, Linux Mint e seus derivados

    Para instalar o Stream2Chromecast no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8 -y

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install stream2chromecast

    Como instalar o Stream2Chromecast manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Usando o Stream2Chromecast

    Depois de instalar o programa, abra um terminal e digite comando abaixo para ver informações sobre o programa e o Chromecast que está na rede.

    stream2chromecast -h

    Para enviar um arquivo de mídia suportado para o seu Chromecast (você pode encontrar uma lista da mídia suportada pelo Google Cast, nesse link), basta usar o comando stream2chromecast, seguido do endereço completo do arquivo, como no exemplo abaixo:

    stream2chromecast ~/Downloads/teste.mp4

    Se você tiver de introduzir o endereço IP do dispositivo, digite o comando stream2chromecast, seguido do parâmetro -devicename, do IP ou nome do aparelho e o endereço completo do arquivo, como nos exemplos abaixo:

    stream2chromecast -devicename 10.0.0.5 ~/Downloads/teste.mp4
    stream2chromecast -devicename Chromecast6745 ~/Downloads/teste.mp4

    Se você quiser reproduzir um formato não suportado no seu Chromecast, você precisa adicionar o parâmetro “-transcode” e ter o pacote Libav ou FFmpeg instalado:

    stream2chromecast -transcode ~/Downloads/teste.avi

    O Stream2Chromecast também suporta a especificação de parâmetros personalizados do transcodificador. Como um exemplo, aqui está um comando que passa o endereço IP do dispositivo, transcodifica o vídeo e adiciona legendas através de um parâmetro FFmpeg personalizado (apenas para FFmpeg):

    stream2chromecast -devicename Chromecast6745 -transcodeopts '-vf subtitles=~/Downloads/teste.srt' ~/Downloads/teste.avi

    Stream2Chromecast também permite reproduzir um arquivo suportado a partir de uma URL (o arquivo deve ser transmitido e não pode ser transcodificado). Para reproduzir um arquivo a partir de um URL, basta usar o comando no padrão abaixo (substituindo o endereço web pelo o que você quer transmitir):

    stream2chromecast -playurl http://www.exemplo.com/teste.mp4

    Para parar a transmissão do stream2chromecast, pressione Ctrl + C no terminal onde você executou o comando Stream2Chromecast. Ás vezes isso pode não funcionar por causa de algum erro na comunicação, então, execute o seguinte comando em outra janela de terminal:

    stream2chromecast -stop

    Para exibir todas as opções do Stream2Chromecast, execute-o em um terminal sem qualquer parâmetro:

    stream2chromecast

    Desinstalando o Stream2Chromecast no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Stream2Chromecast no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove stream2chromecast
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Gerencie tarefas com o Google Task Indicator no Ubuntu e derivados

    Gerencie tarefas com o Google Task Indicator no Ubuntu e derivados

    Que tal usar o serviço gerenciamento de tarefas de sua conta Google diretamente no desktop? Com o Google Task Indicator isso é possível. Veja aqui como instalar ele.


    Oficialmente, não há nenhum aplicativo disponível para gerenciar suas tarefas do Google, mas o Google Task Indicator pode ajudá-lo a fazer isso de um jeito bem simples: usando um menu na barra superior do ambiente Unity.

    Gerencie tarefas com o Google Task Indicator no Ubuntu e derivados

    Ele possui recursos para gerenciar tarefas localmente ou externamente, o que significa que você pode definir as opções para apagar ou manter as tarefas.

    Você também pode gerenciar tarefas offline e sincronizar mais tarde. Além disso, você pode marcar a tarefa como concluída ou excluir localmente/externamente a partir deste utilitário.

    Conheça melhor o Google Task Indicator

    Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

    Veja como instalar o Google Task Indicator no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o Google Task Indicator no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:atareao/atareao

    Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

    apt-get update

    Passo 4. Para instalar o programa, use este comando:

    sudo apt-get install google-tasks-indicator

    Como instalar o Google Task Indicator manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite google no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o Google Task Indicator no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Google Task Indicator no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:atareao/atareao repositório --remove
    sudo apt-get remove google-tasks-indicator
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Launcher para Linux: Instale e experimente o Albert

    Launcher para Linux: Instale e experimente o Albert

    Procurando um lançador rápido para seu sistema? Experimente instalar e usar o launcher Alfred no Ubuntu.


    Albert é um novo e rápido launcher (lançador) para Linux, que lembra muito o Alfred (Mac) ou o Synapse (Linux).

    Launcher para Linux: Instale e experimente o Albert

    Com ele, você pode iniciar rapidamente aplicativos, abrir arquivos ou executar pesquisas na web, acessar os bookmarks do Chromium aberto (suporte aos do Firefox ainda está sendo feito) e calcular expressões matemáticas.

    Mas o que torna o Albert especial é que ele é muito rápido, leve e independe de ambiente desktop (ele é baseado no Qt5, escrito em C ++), para que você possa usá-lo com o que quiser, pois ele pode ser usado no Xfce, LXDE, LXQt, Cinnamon, Unity (isso se você não gostar do Dash) e assim por diante.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o Launcher Albert

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Launcher Albert no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o Launcher Albert no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:nilarimogard/webupd8

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install albert

    Como instalar o Launcher Albert manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite albert no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Atente para o fato de que não há nenhuma opção nas configurações do Albert que permita executá-lo automaticamente quando você entra, portanto, você deve adicioná-lo aos seus aplicativos de inicialização manualmente seguindo os passos desse tutorial:

    Como gerenciar a inicialização de aplicativos no Ubuntu

    Desinstalando o Launcher Albert no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Launcher Albert no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o Launcher Albert, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove albert
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Cliente BitTorrent WebTorrent Desktop suporta Chromecast, AirPlay e DLNA

    A procura de um bom cliente torrent? Conheça e descubra como instalar o Cliente BitTorrent WebTorrent Desktop, que suporta Chromecast, AirPlay e DLNA.


    WebTorrent desktop (beta) é um cliente de BitTorrent open source simples, que permite fazer stream de torrents. A aplicação vem com uma interface de usuário muito básica, que permite arrastar um arquivo torrent ou colar um link magnético para iniciar um stream.

    Cliente BitTorrent WebTorrent Desktop suporta Chromecast, AirPlay e DLNA

    Não há nenhuma base de dados torrent, pesquisa ou qualquer coisa assim em WebTorrent Desktop. Ele exibe apenas os quatro vídeos de open source mais populares (área que mais tarde é preenchida com as torrentes que você adicionar) e uma área onde você pode soltar arquivos torrent ou colar links magnet para iniciar a transmissão.

    O torrent pode ser tanto de vídeo ou áudio, pois o WebTorrent pode lidar com ambos. Além disso, seja um vídeo retirado do Internet Archive, música da Creative Commons, ou audiobooks de Librivox, você pode reproduzi-lo imediatamente, pois não é necessário esperar o fim do download”.

    Além de ser capaz de transmitir torrents para o seu desktop, WebTorrent Desktop também pode transmitir torrents para AirPlay, Chromecast e DLNA.

    Quanto à parte BitTorrent do WebTorrent Desktop, o aplicativo pode descobrir pares através de servidores tracker, DHT (Distributed Hash Table), e peer exchange (troca de pares). Além disso, a aplicação suporta o protocolo WebTorrent, o que lhe permite conectar-se com seus pares WebRTC (para instância de navegadores web).

    O aplicativo foi atualizado recentemente, e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o cliente BitTorrent WebTorrent Desktop

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o cliente BitTorrent WebTorrent Desktop no Linux

    Para instalar o cliente BitTorrent WebTorrent Desktop no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/webtorrent*
    sudo rm -Rf /usr/bin/webtorrent
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/webtorrent.desktop

    Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome programa.tar.bz2:

    wget https://github.com/feross/webtorrent-desktop/releases/download/v0.18.0/WebTorrent-v0.18.0-linux-ia32.zip -O webtorrent-desktop.zip

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome programa.tar.bz2:

    wget https://github.com/feross/webtorrent-desktop/releases/download/v0.18.0/WebTorrent-v0.18.0-linux.zip -O webtorrent-desktop.zip

    Passo 6. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

    unzip webtorrent-desktop.zip -d /opt/

    Passo 7. Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

    sudo mv /opt/WebTorrent*/ /opt/webtorrent

    Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

    sudo ln -sf /opt/webtorrent/WebTorrent /usr/bin/webtorrent

    Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=webtorrent\n Exec=/opt/webtorrent/WebTorrent\n Icon=/opt/webtorrent/resources/app.asar.unpacked/static/WebTorrentSmall.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/webtorrent.desktop

    Depois, se precisar remover o programa no Linux, basta fazer o segundo passo do procedimento.

    Instalando o cliente BitTorrent WebTorrent Desktop no Ubuntu, Debian e derivados

    Para instalar o cliente BitTorrent WebTorrent Desktop no Ubuntu, Debian e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome webtorrent-desktop.deb:

    wget https://github.com/feross/webtorrent-desktop/releases/download/v0.18.0/webtorrent-desktop_0.18.0-1_i386.deb -O webtorrent-desktop.deb

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome webtorrent-desktop.deb:

    wget https://github.com/feross/webtorrent-desktop/releases/download/v0.18.0/webtorrent-desktop_0.18.0-1_amd64.deb -O webtorrent-desktop.deb

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i webtorrent-desktop.deb

    Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite webtorrent no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

    sudo chmod +x /usr/share/applications/webtorrent.desktop
    cp /usr/share/applications/webtorrent.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

    Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

    cp /usr/share/applications/v.desktop ~/Desktop

    Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
    Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

    Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

    Desinstalando o cliente BitTorrent WebTorrent Desktop no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o cliente BitTorrent WebTorrent Desktop no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove webtorrent-desktop
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o app de diário RedNotebook no Ubuntu

    Como instalar o app de diário RedNotebook no Ubuntu

    Procurando uma ferramenta que lhe permita armazenar informações diárias de sua rotina para consultar depois? Então instale e experimente o app de diário RedNotebook.


    Para aqueles que nunca ouviram falar do RedNotebook, o programa é praticamente um diário multiplataforma e até uma revista, livre e moderna.

    Como instalar o app de diário RedNotebook no Ubuntu

    O programa possui uma navegação baseada em calendário, modelos personalizáveis, funcionalidade de exportação e nuvens de palavras. Com ele, você também pode formatar, colocar tag e procurar as suas entradas.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o app de diário RedNotebook

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o app de diário RedNotebook no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o app de diário RedNotebook no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:rednotebook/stable

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install rednotebook -y

    Como instalar o app de diário RedNotebook manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite rednotebook no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o app de diário RedNotebook no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o app de diário RedNotebook no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:rednotebook/stable --remove
    sudo apt-get remove rednotebook
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Lançado Wine 2.11 com correções e suporte OpenGL no driver do Android

    Laçado Wine 2.11 com correções e suporte OpenGL no driver do Android

    Wine 2.11 foi lançado trazendo correções e suporte OpenGL no driver do Android, além de outros recursos. Confira as novidades e veja como instalar ou atualizar.


    O Wine é um software livre e de código aberto, que tem como objetivo permitir que os aplicativos desenvolvidos para Microsoft Windows possam ser executados no Linux, Mac, FreeBSD e Solaris.

    Laçado Wine 2.11 com correções e suporte OpenGL no driver do Android

    Laçado Wine 2.11 com correções e suporte OpenGL no driver do Android

    O programa é muito importante para ex-usuários do sistema operacional Windows ou para qualquer pessoa que ainda precisa usar os aplicativos desse sistema no Linux.

    Para aqueles que não sabem nada sobre o projeto, o Wine (originalmente um acrônimo para “Wine Is Not an Emulator” ou “Wine não é um emulador”) é uma camada de compatibilidade capaz de executar aplicativos Windows em vários sistemas operacionais compatíveis com POSIX, como Linux, Mac OSX, e BSD.

    A versão de desenvolvimento do Wine fornece correções de bugs e recursos que ainda não estão disponíveis em versões regulares de Wine. Com ele, você tem acesso aos novos recursos do Wine bem antes da maioria dos usuários.

    Destaques do lançamento do Wine 2.11

    A nova versão de desenvolvimento do Wine 2.11 foi anunciada há dias. A versão está disponível para instalação em todos os lançamentos atuais do Ubuntu através do seu repositório oficial.

    De acordo com o anúncio , Wine 2.11 apresenta:

    • Suporte OpenGL no driver do Android;
    • Suporte para rótulos de segurança;
    • Relay debugging no ARM64;
    • Mais suporte de dicionário em WebServices;
    • Novo analisador de arquivos de registro no RegEdit;

    Além disso, os desenvolvedores do Wine fizeram um total de 16 correções de erros nessa versão.

    Para mais detalhes sobre essa versão, acesse a nota de lançamento.

    Para instalar o Wine 2.11, use esse tutorial:
    Experimente os novos recursos do Wine mais rápido com Wine Staging no Ubuntu, Debian, Mint e Fedora

    Para instalar o Wine estável, use esse tutorial:
    Como instalar a versão mais recente do Wine

    Conheça melhor o Wine

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Conheça, instale o Parlatype e faça transcrição de áudio no Ubuntu

    Conheça, instale o Parlatype e faça transcrição de áudio no Ubuntu

    Se você precisa tomar notas de uma palestra que gravou ou transcrever uma entrevista de áudio, então conheça, instale o Parlatype e faça transcrição de áudio no Ubuntu.


    Transformar uma gravação de áudio em formato de texto é uma tarefa demorada e às vezes tediosa, com intermináveis ​​paradas e reinícios, enquanto você apressadamente tenta manter o ritmo da palavra falada, rebobina para verificar novamente, e assim por diante.

    Conheça, instale o Parlatype e faça transcrição de áudio no Ubuntu

    Conheça, instale o Parlatype e faça transcrição de áudio no Ubuntu

    É por isso que usar um player de áudio feito para transcrição, é uma jogada realmente inteligente. Estou falando do Parlatype, um reprodutor de áudio para GNOME, criado especificamente para transcrição de áudio em texto.

    O programa é claramente feito por alguém que teve que de transcrever áudio regularmente. Ele tem um conjunto de características de som menores que fazem uma grande diferença ao caçar a tarefa de transcrever.

    Por exemplo, quando você pressiona o botão de pausa, o aplicativo rebobina automaticamente alguns segundos. Isso parece bobo, mas quando você retoma, é mais fácil “pegar” onde você parou, em contexto, sem perder as primeiras palavras.

    Conheças as outras características Parlatype:

    • Permite visualizar a forma de onda de áudio;
    • Permite ajuste na velocidade de reprodução (sem alteração de altura);
    • Rebobina em pausa (configurável);
    • Timestamps;
    • Macros do LibreOffice;
    • Suporte de chave de mídia;
    • Comece no topo.

    Conheça, instale o Parlatype e faça transcrição de áudio no Ubuntu

    Conheça melhor o Parlatype

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instale o Parlatype e faça transcrição de áudio no Ubuntu

    Para instalar o Parlatype e fazer transcrição de áudio no Ubuntu, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:gabor-karsay/parlatype

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install parlatype

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite parlatype no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o Parlatype no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Parlatype no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:gabor-karsay/parlatype -r -y
    sudo apt-get remove programa
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instale o Pipelight e tenha os plugins do Windows no Linux

    Instale o Pipelight e tenha os plugins do Windows no Linux

    Se você quer usar aqueles plugins de navegador que funcionam no Windows, veja como instalar o Pipelight e tenha os plugins do Windows no Linux.


    Pipelight é um aplicativo que permite usar no Linux, plugins feitos para funcionar no Windows. Entre esses plugins, os mais conhecidos são o Flash, Silverlight e Widevine, além de vários outros.

    Instale o Pipelight e tenha os plugins do Windows no Linux

    Para conseguir essa façanha ele utiliza o Wine e já inclui os pacotes do Wine necessários ao seu correto funcionamento. Basicamente ele é composto de duas partes: uma biblioteca Linux que é carregada no navegador e um programa para Windows, que é iniciado no Wine.

    Conheça melhor o Pipelight

    Para saber um pouco mais sobre o programa, acesse a página do Pipelight.

    Atenção! Antes de iniciar o processo de instalação, feche todos os navegadores que estiverem sendo executados, pois alguns navegadores tentam carregar o plugin imediatamente, o que pode causar falhas ou travar o navegador durante a instalação.

    Instalando o Pipelight para ter os plugins do Windows no Linux

    Para instalar o Pipelight e ter os plugins do Windows no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se você já tem a versão anterior do Pipelight, é recomendado remover os PPAs anteriores com o comando:

    sudo add-apt-repository -r ppa:mqchael/pipelight
    sudo add-apt-repository -r ppa:ehoover/compholio

    Passo 3. Se você já tiver o Flash instalado, desinstale-o com o comando;

    sudo apt-get remove adobe-flashplugin

    Passo 4. Adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:pipelight/stable

    Passo 5. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 6. Agora instale o ambiente com o comando:

    sudo apt-get install --install-recommends pipelight-multi

    Passo 7. Depois de instalar, execute o comando abaixo para atualizar o programa;

    sudo pipelight-plugin --update

    Ativando plugins no Pipelight

    Se você quiser ativar o plugin Flash, execute o comando abaixo em um terminal (claro, com todos os navegadores fechados) e confirme digitando “Y” (sem as aspas) :

    sudo pipelight-plugin --enable flash

    Instale o Pipelight e tenha os plugins do Windows no Linux

    Para ativar o Widevine, use o comando abaixo em um terminal (claro, com todos os navegadores fechados) e confirme digitando “Y” (sem as aspas):

    sudo pipelight-plugin --enable widevine

    E para Silverlight, use o comando abaixo em um terminal (claro, com todos os navegadores fechados) e confirme digitando “Y” (sem as aspas):

    sudo pipelight-plugin --enable silverlight

    Sempre você ativar um plugin, execute o comando abaixo para atualizar o Pipelight:

    sudo pipelight-plugin --update

    Agora que o Pipelight está totalmente configurado, a única coisa que resta a fazer é atualizar o Firefox usando o comando abaixo. Isso também pode ser feito para o Chrome, Midori e outros navegadores, mas para isso consulte a documentação do programa.

    sudo pipelight-plugin --create-mozilla-plugins

    Depois disso, abra o navegador. Será exibida uma pequena janela mostrando o download e a instalação dos plugins. Aguarde até que a instalação dos plugins seja concluída, pois esse procedimento pode demorar e não deve ser interrompido.

    Instale o Pipelight e tenha os plugins do Windows no Linux

    Checando os plugins no Firefox

    Para confirmar, abra o Firefox, vá na menu “Ferramentas” e clique na opção “Complementos”, ou simplesmente digite o comando about:addons na barra de endereço do navegador e tecle enter:

    Instale o Pipelight e tenha os plugins do Windows no Linux

    Desativando os plugin

    Se quiser desativar um plugin basta substituir o parâmetro --enable por --disable, como no exemplo abaixo:

    sudo pipelight-plugin --disable silverlight

    Plugins suportados

    Para saber quais pluguins estão disponíveis, use esse comando:

    pipelight-plugin --help

    Instale o Pipelight e tenha os plugins do Windows no Linux

    Pronto! Agora que você já instalou o suporte aos plugins do Windows no Linux, é hora de verificar se tudo está certo, antes de começar a usar o recurso.

    Testando o plugin

    Para testar o plugin, experimente acessar uma página que utiliza a tecnologia dele. Geralmente, existe uma página de teste no site da produtora do plugin.

    Forçando a reinstalação dos plugin

    Se algo parou de funcionar, você também pode querer redefinir o wineprefix para forçar uma reinstalação de todos os plugins executando esse comando:

    rm -rf ~/.wine-pipelight/

    Desinstalando o Pipelight no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Pipelight no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove pipelight-multi
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como baixar legendas automaticamente no Nautilus ou Nemo com Subliminal

    Depois de mostrar como o baixar legendas automaticamente no Nautilus ou Nemo com Periscope, é hora vermos com fazer isso usando o Subliminal em conjunto com o gerenciador de arquivos Nautilus ou Nemo, apenas clicando com o botão direito do mouse sobre um vídeo.


    Subliminal é uma biblioteca python para busca e download de legendas, que vem com uma interface de linha de comando. Ele suporta sites de legendas como Addic7ed, OpenSubtitles, Podnapisi, TheSubDB e TvSubtitles.

    Como baixar legendas automaticamente no Nautilus ou Nemo com Subliminal

    Abaixo você encontrará instruções sobre como instalar Subliminal no Ubuntu ou derivados e como adicionar um script no Nautilus ou Nemo, para que você possa facilmente baixar legendas usando Subliminal, a partir do menu de contexto de qualquer um desses dois gerenciadores de arquivos.

    Conheça melhor o Subliminal

    Para saber mais sobre o Subliminal, clique nesse link.

    Como baixar legendas automaticamente no Nautilus/Nemo com Subliminal

    Para poder baixar legendas automaticamente no Nautilus/Nemo com Subliminal, você precisa instalar o programa e um script para o Nautilus ou Nemo (o script é necessário para que a opção seja exibida no menu de contexto desses gerenciadores de arquivos). Para isso, faça o seguinte:

    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Primeiro instale o python-pip com este comando:

    sudo apt-get install python-pip

    Passo 3. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo pip install subliminal

    Passo 4. Usar Subliminal na linha de comando é muito fácil: você só precisa especificar o idioma da legenda usando o parâmetro “l” e o arquivo (s) de vídeo para o qual ele deve baixar o subtítulo. Aqui está um exemplo de como o download de legendas para um episódio de The Big Bang Theory (exemplo tirado da página do Subliminal no GitHub):

    subliminal -l en -- The.Big.Bang.Theory.S05E18.HDTV.x264-LOL.mp4

    O resultado será o seguinte:

    Collecting videos  [####################################]  100%
    1 video collected / 0 video ignored / 0 error
    Downloading subtitles  [####################################]  100%
    Downloaded 1 subtitle
    

    Passo 5. Se você usa o Nautilus, para ser capaz de baixar as legendas usando Subliminal no menu de contexto desse gerenciador de arquivos no Ubuntu 14.04 ou mais recente, use os comandos abaixo. Os comandos a seguir irão instalar uma dependência, criar a pasta scripts, baixar um script Nautilus nessa pasta, tornar o script executável e finalmente, reiniciar o Nautilus;

    sudo apt-get install wget libnotify-bin
    mkdir -p ~/.local/share/nautilus/scripts
    wget https://raw.githubusercontent.com/hotice/webupd8/master/download-subtitle -O ~/.local/share/nautilus/scripts/download-subtitle
    chmod +x ~/.local/share/nautilus/scripts/download-subtitle
    nautilus -q

    Passo 6. Se você usa o Nautilus, para ser capaz de baixar as legendas usando Subliminal no menu de contexto desse gerenciador de arquivos no Ubuntu 12.10, use os comandos abaixo. Os comandos a seguir irão instalar uma dependência, criar a pasta scripts, baixar um script Nautilus nessa pasta, tornar o script executável e finalmente, reiniciar o Nautilus;

    sudo apt-get install wget libnotify-bin
    mkdir -p ~/.gnome2/nautilus-scripts
    wget https://raw.githubusercontent.com/hotice/webupd8/master/download-subtitle -O ~/.gnome2/nautilus-scripts/download-subtitle
    chmod +x ~/.gnome2/nautilus-scripts/download-subtitle
    nautilus -q

    Passo 7. Se você usa o Nautilus, para ser capaz de baixar as legendas usando Subliminal no menu de contexto desse gerenciador de arquivos no Ubuntu 12.04, use os comandos abaixo. Os comandos a seguir irão instalar uma dependência, criar a pasta scripts, baixar um script Nautilus nessa pasta, tornar o script executável e finalmente, reiniciar o Nautilus;

    sudo apt-get install wget libnotify-bin
    mkdir -p ~/.gnome2/nemo-scripts
    wget https://raw.githubusercontent.com/hotice/webupd8/master/download-subtitle -O ~/.gnome2/nemo-scripts/download-subtitle
    chmod +x ~/.gnome2/nemo-scripts/download-subtitle
    nemo -q

    Passo 8. Para definir o idioma da legenda usado pelo script no Nautilus em um Ubuntu 14.04 ou mais recente, abra o arquivo com um editor de texto usando o comando abaixo e altere o parâmetro do idioma de “en” para aquele que você deseja usar, em seguida, salve e feche o arquivo :

    gedit ~/.local/share/nautilus/scripts/download-subtitle

    Passo 9. Para definir o idioma da legenda usado pelo script no Nautilus em um Ubuntu 12.04, abra o arquivo com um editor de texto usando o comando abaixo e altere o parâmetro do idioma de “en” para aquele que você deseja usar, em seguida, salve e feche o arquivo :

    gedit ~/.gnome2/nemo-scripts/download-subtitle

    Passo 10. Para definir o idioma da legenda usado pelo script no Nemo em um Ubuntu 12.04, abra o arquivo com um editor de texto usando o comando abaixo e altere o parâmetro do idioma de “en” para aquele que você deseja usar, em seguida, salve e feche o arquivo :

    gedit ~/.gnome2/nemo-scripts/download-subtitle

    Então, para usar baixar legendas automaticamente no Nautilus ou Nemo com Subliminal, clique com o botão direito do mouse em um arquivo de vídeo (ou vários arquivos de vídeo) e selecione Scripts> e download-subtitle, como você pode ver nas imagens acima.

    Como baixar legendas automaticamente no Nautilus ou Nemo com Subliminal

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar versão mais recente do DVDStyler no Ubuntu

    Como instalar versão mais recente do DVDStyler no Ubuntu

    Quer criar DVD no Linux ou manipular arquivos desse formato? Então veja como instalar o DVDStyler no Ubuntu e sistemas derivados.


    O DVDStyler é um software de código aberto e totalmente gratuito. Ele é uma ferramenta multiplataforma voltada para quem quer criar DVDs com aparência profissional.

    Como instalar versão mais recente do DVDStyler no Ubuntu

    O programa permite não só a queima de arquivos de vídeo em DVD, que podem ser reproduzidos em praticamente qualquer aparelho de DVD independente, mas também a criação de menus de DVD concebidos individualmente.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Além disso, o DVDStyler também suporta taxa de bits variável de codificação (VBR) por padrão.

    Como instalar versão mais recente do DVDStyler no Ubuntu

    Conheça melhor o DVDStyler

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o DVDStyler no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o DVDStyler no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/dvdstyler

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install dvdstyler

    Como instalar o DVDStyler manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite dvdstyler no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o DVDStyler no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o DVDStyler no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o DVDStyler, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/dvdstyler --remove
    sudo apt-get remove dvdstyler
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instalando o conjunto de ícones Vivacious Colors no Ubuntu

    Instalando o conjunto de ícones Vivacious Colors no Ubuntu

    Se você procura variedade e modernidade para mudar o visual do seu desktop, veja como instalar o conjunto de ícones Vivacious Colors no Ubuntu.


    Vivacious Colors é uma suíte de ícones moderna, que apresenta um novo conjunto de ícones de aplicativos baseados nos temas de ícones Plasma-Next, Flattr e Emerald (incluindo incríveis ícones de pasta e indicador). Todos os ícones desse conjunto são modernos e limpos, mas fazem uso de gradientes e sombreamento para obter mais detalhes e sofisticação.

    Instalando o conjunto de ícones Vivacious Colors no Ubuntu

    O conjunto de ícones Vivacious Colors é baseado no conjunto de ícones Vibrancy Colors (pastas, indicadores, ações etc).

    No entanto, os ícones arredondados de ícones foram substituídos completamente por um recém reprojetado (com algumas peças construídas a partir do zero) jogo de ícones de aplicativos vivos e bonitos, que vêm em várias formas e são totalmente SVG.

    Instalando o conjunto de ícones Vivacious Colors no Ubuntu

    Esse conjunto dispõe de quatro cores de pastas selecionáveis ​​por padrão: Stock Manila Folders, Blue, Purple, Mint Teal. Além disso, esta suíte tem mais dez cores para pastas, disponíveis através de pacote “Vivacious-Folder-Colors”: Aqua, Grafite, Blue Vivid (Dark), Brown, Green, Purple Vivid (Dark),Red, Pink, Orange, Teal, Yellow.

    Instalando o conjunto de ícones Vivacious Colors no Ubuntu

    Para completar, esse pacote é compatível com a maioria dos ambientes de desktop Linux, como Unity, Gnome, Cinnamon, Mate, Lxde e outros.

    O tema foi atualizado recentemente. Por isso, esse tutorial está sendo republicado.

    Conheça melhor o conjunto de ícones Vivacious Colors

    Para saber mais sobre o conjunto de ícones Vivacious Colors, clique nesse link.

    Instalando o conjunto de ícones Vivacious Colors no Ubuntu e derivados

    Para instalar o conjunto de ícones Vivacious Colors no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ravefinity-project/ppa

    Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o conjunto de ícones Vivacious Colors usando o seguinte comando:

    sudo apt-get install vivacious-colors
    sudo apt-get install vivacious-folder-colors-addon
    sudo apt-get install vivacious-colors-gtk-dark
    sudo apt-get install vivacious-colors-gtk-light

    Como instalar o conjunto de ícones Vivacious Colors manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, e baixe a última versão:

    wget https://launchpad.net/~ravefinity-project/+archive/ubuntu/ppa/+files/vivacious-colors_1.4~xenial~NoobsLab.com_all.deb
    wget https://launchpad.net/~ravefinity-project/+archive/ubuntu/ppa/+files/vivacious-colors-gtk-dark_16.04.4~xenial~NoobsLab.com_all.deb
    wget https://launchpad.net/~ravefinity-project/+archive/ubuntu/ppa/+files/vivacious-folder-colors-addon_1.1-c~xenial~NoobsLab.com_all.deb
    wget https://launchpad.net/~ravefinity-project/+archive/ubuntu/ppa/+files/vivacious-unity-gtk-dark_16.04.4-a~xenial~NoobsLab.com_all.deb

    Passo 5. Agora instale o conjunto de ícones com o comando:

    sudo dpkg -i vivacious*.deb

    Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do conjunto de ícones com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Desinstalando o conjunto de ícones Vivacious Colors no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o conjunto de ícones Vivacious Colors no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o conjunto de ícones Vivacious Colors, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove vivacious-colors
    sudo apt-get remove vivacious-folder-colors-addon
    sudo apt-get remove vivacious-colors-gtk-dark
    sudo apt-get remove vivacious-colors-gtk-light

    Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    25 de junho de 2017

    Resumo semanal de 19/06/2017 a 25/06/2017! Atualize-se!

    Resumo semanal de 19/06/2017 a 25/06/2017

    Você sabia que é possível gerenciar escolas com software livre usando o SchoolTool? Ou que o Debian Edu Skolelinux Stretch já está disponível para download? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essas postagens. Mas não se preocupe, leia o resumo semanal de 19/06/2017 a 25/06/2017 e se atualize.


    Mas você já deve saber como fazer para se conectar a uma VPN Global Protector no Linux? Ou já sabe como melhorar o desempenho do Ubuntu com o NeteXt’73? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

    Resumo semanal de 19/06/2017 a 25/06/2017

    Resumo semanal de 19/06/2017 a 25/06/2017

    Resumo semanal de 19/06/2017 a 25/06/2017

    19/06/2017

    20/06/2017

    21/06/2017

    22/06/2017

    23/06/2017

    24/06/2017

    Chegou o Ubuntu 17.04

    Conheça melhor e experimente o Ubuntu Kylin 17.04

    Já conhece o Ubuntu Kylin 17.04? Não? Veja mais detalhes sobre essa distribuição no artigo abaixo:
    Ubuntu Kylin 17.04 também já está disponível para download

    Originalmente, Ubuntu Kylin entregava um desktop como Ubuntu Unity, mas a partir dessa versão 17.04, ele substituído por um desktop personalizado chamado UKUI (baseado no MATE). O novo ambiente é um movimento de última hora (como resultado da recente decisão da Canonical de abandonar o desktop Unity).

    UKUI é um desktop personalizado baseado no MATE, redesenhado com um novo menu Iniciar, painel de controle, barra de tarefas da área de trabalho, tema da área de trabalho e ícones.

    Para ver o novo ambiente, assista esse vídeo:



    Conheça melhor e experimente o Ubuntu deepin 15.4

    Já conhece também o deepin 15.4? Veja mais detalhes sobre essa distribuição no artigo abaixo:
    Deepin 15.4 já está disponível para download

    Deepin (anteriormente Deepin, Linux Deepin, Hiweed GNU/Linux) é uma distribuição baseada em Debian (foi baseada no Ubuntu até a versão 15, lançada no final de 2015), que visa fornecer um sistema operacional elegante, fácil de usar e confiável.

    Para ver a distro, assista esse vídeo:



    Ubuntu 16.04

    Quem quiser experimentar o Ubuntu 16.04 pode baixá-lo, acessando os links nessa postagem.

    Como atualizar para o Ubuntu 16.04

    Quem precisar atualizar para o Ubuntu 16.04, basta seguir esses tutoriais:

  • Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.10
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.10 na versão desktop
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.10 via terminal
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.10 usando o disco de instalação
  • Como atualizar para o Ubuntu 16.04

    Quem precisar atualizar para o Ubuntu 16.04, basta seguir esses tutoriais:
    Como atualizar para o Ubuntu 16.04 na versão desktop
    Como atualizar para o Ubuntu 16.04 via terminal (server e desktop)
    Como atualizar para o Ubuntu 16.04 usando o disco de instalação

    Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.04

    Quem acabou de mudar para o Ubuntu 16.04, pode dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
    Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.04

    Veja também

  • Como Instalar o Adobe Flash Player no Ubuntu
  • Google Chrome no Ubuntu, Fedora e derivados – veja como instalar
  • Como instalar a versão mais recente do Wine no Ubuntu
  • Como instalar as últimas versões do Oracle Java no Ubuntu
  • Usando WhatsApp no Linux com Whatsie
  • Recuperando o boot do Linux (Grub), depois de instalar o Windows
  • Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 16.04
  • Como criar um pendrive bootável do Windows no Linux
  • 24 de junho de 2017

    Como instalar o TeamViewer no Ubuntu, Debian, Fedora e derivados

    Como instalar o TeamViewer no Ubuntu, Fedora e derivados

    Se você procura uma forma simples de acessar remotamente computadores, independente de que sistema eles usam, veja aqui como instalar o TeamViewer no Ubuntu, Debian, Fedora e derivados.


    TeamViewer é um software gratuito para controle remoto através da Internet. Com ele você consegue estabelecer uma conexão com qualquer computador ou servidor em todo o mundo em apenas alguns segundos e a partir dela você pode controlar o computador de seu parceiro à distância como se estivesse sentado na frente dele.

    Como instalar o TeamViewer no Ubuntu, Debian Fedora e derivados

    Para completar, durante uma sessão do TeamViewer você pode transferir arquivos de ou para computadores remotos. Para isso você usa arrastar e soltar, copiar e colar através da área de transferência ou armazenamento na nuvem, para copiar arquivos individuais e pastas inteiras em poucos segundos e de qualquer localidade.

    Com esse software também é possível enviar arquivos para contatos na sua lista de computadores e contatos, sem precisar estabelecer uma conexão. Ou seja, servidores FTP e limite de tamanho para anexos nos e-mails não serão mais problema para você.

    Conheça melhor o TeamViewer

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o TeamViewer no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e sistemas derivados

    A seguir, você verá como instalar o TeamViewer no Linux, mais especificamente em distribuições baseadas em pacotes RPM (como Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e seus derivados) e DEB (como Debian, Ubuntu e sistemas derivados destes).

    Se você quiser instalar o aplicativo manualmente ou em outras distribuição que não suportam os pacotes RPM/DEB, veja esse outro tutorial:

    Como instalar o TeamViewer no Linux manualmente

    Como instalar o TeamViewer no Ubuntu, Debian e sistemas que suportem o formato DEB

    Para instalar o TeamViewer no Ubuntu, Debian e sistemas que suportem o formato DEB, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão de 32 bits e salve-o com o nome teamviewer.deb:

    wget http://download.teamviewer.com/download/teamviewer_i386.deb -O teamviewer.deb

    Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i teamviewer.deb

    Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f -y

    Passo 5. Depois, caso seja necessário, desinstale o programa usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove teamviewer
    sudo apt-get autoremove

    Instalando o TeamViewer no Fedora e em sistemas que suportem o formato RPM

    Para instalar o TeamViewer no Fedora, OpenSUSE, CentOS e sistemas que suportem o formato RPM, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal
    Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão de 32 bits e salve-o com o nome teamviewer.rpm:

    wget http://download.teamviewer.com/download/teamviewer.i686.rpm -O teamviewer.rpm

    Passo 3. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo yum localinstall teamviewer.rpm

    ou

    sudo dnf install teamviewer.rpm

    Passo 4. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo zypper install teamviewer.rpm

    Passo 5. Para instalar em um OpenMandriva, Mageia e seus derivados, use o comando abaixo:

    sudo urpmi teamviewer.rpm

    Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

    sudo rpm -e teamviewer

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite teamviewer no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o MAME para jogar jogos clássicos de arcade

    Como instalar o MAME para jogar jogos clássicos de arcade

    Quer matar a saudade e jogar jogos clássicos de arcade? Então veja como instalar o MAME no Ubuntu e derivados para poder fazer isso.


    MAME (Multiple Arcade Machine Emulator) é um software de emulação que permite aos usuários jogar games clássicos de arcade em computadores e plataformas modernas.

    Como instalar o MAME para jogar jogos clássicos de arcade

    Quando usado em conjunto com imagens de ROM e disco de dados do jogo de arcade original, MAME tenta reproduzir esse jogo tão fielmente quanto possível. O emulador suporta mais de 7000+ jogos clássicos de arcade da era da década de 1970 até a atual.

    De acordo com a página do software, MAME é gratuito e sem fins lucrativos. Seu principal objetivo é ser uma referência para o funcionamento interno das máquinas de arcade emulados.

    Isso é feito tanto para fins educacionais e para fins de preservação, a fim de evitar que muitos jogos históricos desapareçam para sempre, uma vez que o hardware em que são executados não funcionam mais.

    É claro que, a fim de preservar os jogos e demonstrar que o comportamento emulado corresponda ao original, você também deve ser capaz de realmente jogar os jogos. Este é considerado um bom efeito colateral, mas não é o foco principal do MAME.

    Na página do projeto é possível encontrar diversas ROMs que graças à generosidade de alguns dos criadores originais de jogos clássicos de arcade, foram liberadas para gratuitamente para uso não comercial.

    Com isso, além de fornecer o emulador, o site ainda entrega as ROMs necessárias para jogar os jogos clássicos de arcade que você tanto quer.

    Conheça melhor o MAME

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    No tutorial a seguir, você verá como instalar MAME no Ubuntu e sistemas derivados.

    Como instalar o MAME para jogar jogos clássicos de arcade

    Para instalar o MAME no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:c.falco/mame -y

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install mame

    Como instalar o MAME manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Configurando o MAME

    Passo 1. Se ainda não estiver sendo executado, abra um terminal;
    Passo 2. Inicie o programa, digitando mame, para que ele crie a pasta do programa;
    Passo 3. Fechar o emulador e depois execute o comando abaixo, para criar o arquivo de configuração para MAME;

    cd ~/.mame && mame -cc

    Passo 4. O arquivo “mame.ini” será criado na pasta ~/.mame. Agora edite este arquivo com o comando (se você estiver no Linux Mint, substitua o gedit por pluma);

    gedit ~/.mame/mame.ini

    Passo 5. Em “rompath”, você pode definir o seu próprio caminho de diretório ROM ou deixar os caminhos padrão. Depois de alterar, salve e feche o arquivo;

    Como instalar o MAME para jogar jogos clássicos de arcade

    Passo 6. Em seguida, crie os diretório nvram, sta, roms, memcard, inp, comments, snap e diff na pasta ~/.mame, usando este comando;

    mkdir  ~/.mame/nvram memcard roms inp comments sta snap diff

    Passo 7. Finalmente, você pode acessar a pasta rom com o comando abaixo, para colocar suas roms baixadas nela e depois executar o emulador para jogar. Para baixar ROMs, acesse esse a página do MAME dedicada ao assunto;

    sudo nautilus /usr/local/share/games/mame/roms

    Quanto aos controles do player, você pode facilmente configurá-los a partir da interface principal do MAME, usando a opção “Configure General Inputs”. Depois disso, sempre que quiser você pode jogar seus jogos clássicos de arcade.

    Desinstalando o MAME no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o MAME no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:c.falco/mame --remove
    sudo apt-get remove mame
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar a última versão do driver Nvidia no Linux

    Como instalar a última versão do driver Nvidia no Linux

    Foi lançada mais uma atualização do Nvidia Driver para Linux. Se você utiliza um hardware suportado por esse pacote, veja aqui como instalar a última versão do driver Nvidia no Linux, ou melhor, em qualquer distribuição Linux suportada por ele.


    NVIDIA é uma multinacional americana com sede em Santa Clara, no estado da Califórnia, que fabrica peças de computador, e é mais popularmente conhecida por sua série de placas de vídeo GeForce.

    Como instalar a última versão do driver Nvidia no Linux

    A empresa também é uma das poucas que produz drivers para Linux, mas apesar de todo o esforço dela, nem sempre é fácil instalar o driver de suas placas no sistema. Para ajudar os usuários desse sistema, esse tutorial mostrará como fazer para instalar a última versão do driver Nvidia no Linux.

    Conheça melhor o driver NVIDIA

    Para saber mais sobre o Driver Nvidia, clique nesse link

    Antes de iniciar começar a instalar o driver NVIDIA no Linux, saiba que este é um procedimento que apesar de simples, exige conhecimentos avançados do sistema e deve ser feito por sua própria conta e risco.

    Como instalar a última versão do driver Nvidia no Linux

    Para instalar a última versão do driver Nvidia no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema, usando o comando abaixo:

    uname -m

    Passo 3. Se você estiver usando um sistema de 32 bits e quiser usar a versão Short Lived Branch (ramo de curta duração) do driver Nvidia, baixe o instalador com o comando:

    wget http://us.download.nvidia.com/XFree86/Linux-x86/381.22/NVIDIA-Linux-x86-381.22.run -O nvidia-linux.run

    Passo 4. Se você estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar a versão Short Lived Branch (ramo de curta duração) do driver Nvidia, baixe o instalador com o comando:

    wget http://us.download.nvidia.com/XFree86/Linux-x86_64/381.22/NVIDIA-Linux-x86_64-381.22.run -O nvidia-linux.run

    Passo 5. Se você estiver usando um sistema de 32 bits e quiser usar a versão Long Lived Branch (ramo de longa duração) do driver Nvidia, baixe o instalador com o comando:

    wget http://us.download.nvidia.com/XFree86/Linux-x86/375.66/NVIDIA-Linux-x86-375.66.run -O nvidia-linux.run

    Passo 6. Se você estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar a versão Long Lived Branch (ramo de longa duração) do driver Nvidia, baixe o instalador com o comando:

    wget http://us.download.nvidia.com/XFree86/Linux-x86_64/375.66/NVIDIA-Linux-x86_64-375.66.run -O nvidia-linux.run

    Passo 7. Se houver um driver proprietário já instalado, remova ele com usando o gerenciador de pacotes de sua distro e se necessário, reinicie o computador:
    Passo 8. Pressione as teclas Ctrl + Alt + F1 (ou F2,F3,F4,F5,F6) para mudar para o console de comando;
    Passo 9. Em seguida, entre com seu nome de usuário e senha;
    Passo 10. Pare a sessão gráfica atual com um dos comandos abaixo, de acordo com o gerenciador de login que estiver usando. Se sua distribuição não suportar algum dos comandos, por favor, consulte a documentação dela:
    LightDM

    sudo service lightdm stop

    ou

    sudo /etc/init.d/lightdm stop

    GDM

    sudo service gdm stop

    ou

    sudo /etc/init.d/gdm stop

    MDM

    sudo service mdm stop

    ou

    sudo /etc/init.d/kdm stop

    KDM

    sudo service kdm stop

    ou

    sudo /etc/init.d/mdm stop

    Passo 11. Torne o instalador executável com o comando:

    sudo chmod +x nvidia-linux.run

    Passo 12. Finalmente, inicie o instalador e siga as instruções dele:

    sudo sh nvidia-linux.run

    Passo 13. Depois de instalar, inicie a sessão gráfica com um dos comandos abaixo, de acordo com o gerenciador de login que estiver usando ou simplesmente reinicie o computador. Se sua distribuição não suportar algum dos comandos, por favor, consulte a documentação dela;
    LightDM

    sudo service lightdm start

    ou

    sudo /etc/init.d/lightdm start

    GDM

    sudo service gdm start

    ou

    sudo /etc/init.d/gdm start

    MDM

    sudo service mdm start

    ou

    sudo /etc/init.d/kdm start

    KDM

    sudo service kdm start

    ou

    sudo /etc/init.d/mdm start

    Como desinstalar o driver NVIDIA no Linux

    Você deve guardar o arquivo do instalador, pois se por algum motivo esse driver não funcionar corretamente, desinstale-o fazendo o seguinte:
    Passo 1. Pressione as teclas Ctrl + Alt + F1 (ou F2,F3,F4,F5,F6) para mudar para o console de comando;
    Passo 2. Em seguida, entre com seu nome de usuário e senha;
    Passo 3. Pare a sessão gráfica atual com um dos comandos abaixo, de acordo com o gerenciador de login que estiver usando. Se sua distribuição não suportar algum dos comandos, por favor, consulte a documentação dela:
    LightDM

    sudo service lightdm stop

    ou

    sudo /etc/init.d/lightdm stop

    GDM

    sudo service gdm stop

    ou

    sudo /etc/init.d/gdm stop

    MDM

    sudo service mdm stop

    ou

    sudo /etc/init.d/kdm stop

    KDM

    sudo service kdm stop

    ou

    sudo /etc/init.d/mdm stop

    Passo 4. Finalmente, inicie o instalador e desinstale o driver com o comando abaixo:

    sudo sh nvidia-linux.run  --uninstall

    Passo 5. Depois de desinstalar, inicie a sessão gráfica com um dos comandos abaixo, de acordo com o gerenciador de login que estiver usando ou simplesmente reinicie o computador. Se sua distribuição não suportar algum dos comandos, por favor, consulte a documentação dela;
    LightDM

    sudo service lightdm start

    ou

    sudo /etc/init.d/lightdm start

    GDM

    sudo service gdm start

    ou

    sudo /etc/init.d/gdm start

    MDM

    sudo service mdm start

    ou

    sudo /etc/init.d/kdm start

    KDM

    sudo service kdm start

    ou

    sudo /etc/init.d/mdm start

    Se você estiver usando o Ubuntu ou um derivado dele e não quiser usar o procedimento acima, use este tutorial:
    Instalando os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Adicionando um usuário ao SUDO no Debian 9

    Usuários do Ubuntu já estão bem acostumados a utilizar o sudo para executar comandos que requerem permissões elevadas. Ao migrarem/testarem o Debian, devem ter percebido que o seu usuário criado durante a instalação não possui esta permissão e são obrigados a utilizar o su para virar root.


    A solução é bem simples! Basta adicionar o seu usuário ao sudo. Para isso apenas execute os comandos abaixo:

    su (confirme sua senha de root quando solicitado)
    adduser nome do seu usuário sudo

    Após executar este comando, faça logout e logon novamente.
    Pronto! O seu usuário já pode executar comandos sudo.

    Como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux manualmente

    Como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux manualmente

    Foi lançada recentemente mais uma versão de um dos melhores editores de vídeo para Linux. Se você quiser experimentar, veja a seguir como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux manualmente.


    Shotcut é um editor de vídeos multiplataforma e de código aberto. Ele suporta uma grande quantidade de formatos de áudio e vídeo e codecs, além de suportar muitos formatos de imagem como BMP, GIF, JPEG, PNG, SVG, TGA, TIFF, bem como sequências de imagens.

    Como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux manualmente

    Atenção! As versões mais recentes já não possuem uma edição para sistemas de 32 bits, por isso, mantive o link da última versão disponibilizada.

    Conheça melhor o editor de vídeo Shotcut

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    A seguir, você verá com instalar esse editor de vídeo no Linux, de um modo que funciona na maioria das distribuições atuais.

    Como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux

    Para instalar o cliente programa no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/shotcut*
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/shotcut.desktop

    Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome shotcut.tar.bz2:

    wget https://github.com/mltframework/shotcut/releases/download/v15.08/shotcut-debian7-x86-150810.tar.bz2 -O shotcut.tar.bz2

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome shotcut.tar.bz2:

    wget https://github.com/mltframework/shotcut/releases/download/v17.06/shotcut-linux-x86_64-170601.tar.bz2 -O shotcut.tar.bz2

    Passo 6. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

    sudo tar -xjvf shotcut.tar.bz2 -C /opt/

    Passo 7. Renomeie a pasta criada (se ocorrer um erro na execução do comando abaixo, pule este passo);

    sudo mv /opt/Shotcut*/ /opt/shotcut

    Passo 8. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=shotcut\n Exec=/opt/shotcut/Shotcut.app/./shotcut\n Icon=applications-multimedia\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/shotcut.desktop

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite /opt/shotcut/Shotcut.app/./shotcut em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

    sudo chmod +x /usr/share/applications/shotcut.desktop
    cp /usr/share/applications/shotcut.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

    Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

    cp /usr/share/applications/shotcut.desktop ~/Desktop

    Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
    Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity
    Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

    Problemas ao executar o editor de vídeo Shotcut no Linux?

    Se na hora de executar o programa ele pedir a instalação da biblioteca libSDL, abra um terminal e execute o comando de instalação dela.
    Em derivados do Debian e Ubuntu, o comando é:

    sudo apt-get install libsdl1.2-dev

    Já em derivados do Red Hat, Fedora e Centos, é esse:

    yum install SDL-devel

    Como remover o editor de vídeo Shotcut no Linux

    Para remover o editor de vídeo Shotcut no Linux, basta apagar a pasta e o atalho anterior com esses comandos;

    sudo rm -Rf /opt/shotcut*
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/shotcut.desktop

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instale o PinguyBuilder e crie uma ISO personalizada do Ubuntu ou Linux Mint

    Instale o PinguyBuilder e crie uma ISO personalizada do Ubuntu ou Linux Mint

    Se você quer ter sua própria versão do seu sistema, instale o PinguyBuilder e crie uma ISO personalizada do Ubuntu ou Linux Mint.


    PinguyBuilder é um script que permite criar uma ISO personalizada (remasterização) do Ubuntu ou Linux Mint, que pode ser usado tanto como uma ISO da distribuição ou como um backup.

    Instale o PinguyBuilder e crie uma ISO personalizada do Ubuntu ou Linux Mint

    O script é um fork do remastersys, criado pelo desenvolvedor do Pinguy OS e é a ferramenta usada por ele para construir esse sistema.

    PinguyBuilder permite criar um backup completo do sistema (incluindo dados do usuário) ou uma ISO personalizada e distribuível do sistema de arquivos com a sua interface de usuário.

    Nele é possível selecionar uma imagem do menu de inicialização, tema Plymouth, bem como o usuário cuja configuração será usada como padrão.

    Outras características importantes incluem: suporte a EFI (incluindo partição EFI em ISO), instalação off-line do grub-efi-amd64-signed (para que ele funcione com Linux Mint), suporte a MDM e GDM e muito mais.

    A ferramenta vem com uma interface de usuário GTK, mas também pode ser usado a partir da linha de comando. Para fazer isso, basta executar “sudo PinguyBuilder” e seguir as instruções.

    Conheça melhor o PinguyBuilder

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    A instalação desse aplicativo não é garantida em todas as versões dos sistemas Debian, Ubuntu e derivados. De qualquer forma, vale a pena testar se ele é compatível com o sistema que você usa, e se for, comente para que os outros leitores saibam.

    Instalando o PinguyBuilder para criar e uma ISO personalizada do Ubuntu ou Linux Mint

    Para instalar o PinguyBuilder no Ubuntu e criar uma ISO personalizada do Ubuntu ou Linux Mint, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Confira qual a versão do Ubuntu que você está usando, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

    lsb_release -rs

    Passo 4. Se seu sistema for um Ubuntu 14.04 ou 14.10, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome pinguybuilder.deb:

    wget http://liquidtelecom.dl.sourceforge.net/project/pinguy-os/ISO_Builder/pinguybuilder_3.3-7_all.deb -O pinguybuilder.deb

    Passo 4. Se seu sistema for um Ubuntu 15.04 ou 15.10, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome pinguybuilder.deb:

    wget http://heanet.dl.sourceforge.net/project/pinguy-os/ISO_Builder/pinguybuilder_15.10.deb -O pinguybuilder.deb

    Passo 5. Se seu sistema for um Ubuntu um 16.04 ou posterior, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome pinguybuilder.deb:

    wget https://sourceforge.net/projects/pinguy-os/files/ISO_Builder/pinguybuilder_4.3-8_all-beta.deb/download -O pinguybuilder.deb

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i pinguybuilder.deb

    Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite pinguy no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB). Depois, é só usar o programa para criar a sua ISO personalizada do sistema.

    Desinstalando o PinguyBuilder no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o PinguyBuilder no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove pinguybuilder*
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Debian 9 "Stretch" disponível


    Foi lançado no último dia 17 de junho a nova versão estável do Debian apelidada de Stretch. Foram 26 meses de desenvolvimento desta versão e as principais novidades são:

    • Apache 2.4.25
    • Asterisk 13.14.1
    • Chromium 59.0.3071.86
    • Firefox 45.9 (como pacote firefox-esr)
    • GIMP 2.8.18
    • GNOME desktop environment 3.22
    • GNU Compiler Collection 6.3
    • GnuPG 2.1
    • Golang 1.7
    • KDE Frameworks 5.28, KDE Plasma 5.8 e KDE Applications 16.08
    • LibreOffice 5.2
    • Linux 4.9
    • MariaDB 10.1
    • MATE 1.16
    • OpenJDK 8
    • Perl 5.24
    • PHP 7.0
    • PostgreSQL 9.6
    • Python 2.7.13 and 3.5.3
    • Ruby 2.3
    • Samba 4.5
    • systemd 232
    • Thunderbird 45.8
    • Tomcat 8.5
    • Xen Hypervisor
    • Xfce 4.12
     Mais detalhes desta versão disponível em https://www.debian.org/News/2017/20170617

    Para fazer o download, acesse https://www.debian.org/distrib/
     

    Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux

    Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Ubuntu via PPA ou SNAP

    Saiu mais uma atualização do LibreOffice. Se você está querendo experimentar essa versão do LibreOffice no Linux antes de todos, veja como instalar.


    O LibreOffice é uma suíte de escritório livre compatível com os principais pacotes de escritório do mercado.

    Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux

    O pacote oferece todas as funções esperadas de uma suíte profissional: editor de textos, planilha, apresentação, editor de desenhos e banco de dados.

    Desenvolvido pela The Document Foundation, ele é bem mais que isso, o LibreOffice é uma das mais populares suíte de escritório multiplataforma e de código aberto.

    Entre os recursos encontrados nessa versão, estão o suporte a Emoji e substituição em palavras, melhores recursos de recorte de imagem, realce de texto compatível com o word, melhorias para o formato DOC e melhorias no gerenciamento de tabelas.

    Para completar, também há várias melhorias no formato OOXML, suporte a arrastar e soltar de imagens, previews de estilo na barra lateral, a falta estilo de parágrafo em notas de rodapé para documentos DOCX foi corrigido e também foram implementados algumas correções de OpenGL.

    Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o pacote office LibreOffice

    Para saber mais sobre o programa, clique nesse link

    Novidades da versão mais recente do LibreOffice

    Este release é apenas uma atualização da série LibreOffice 5.3.x, que estreou no início deste ano, com a opção de interface Ribbon, e como tal, não há quaisquer novos recursos principais para se entusiasmar.

    Apesar disso, há algumas novidades menores. Por exemplo, o conjunto de ícones monocromáticos Sifr continua a evoluir bem, e pega uma lista de novos ícones para esta versão; As barras de rolagem nos desktops GTK3 agora parecem mais estreitas; E, se você estiver fazendo uso do recurso, a autenticação de dois fatores do Google Drive deve estar funcionando novamente.

    Há também várias correções para a interoperabilidade com documentos do Microsoft Office (como, muitos deles), além de uma longa lista de correções de bugs e ajudas de banda para outras falhas e erros diversos.

    Para ver o que há de novo no LibreOffice, acesse a nota de lançamento ou nas versão em português das link.

    Para saber mais sobre a instalação do LibreOffice no Linux, clique nesse outro Notas da versão.

    Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux

    Descubra como usar o LibreOffice

    Para aprender a usar o LibreOffice, baixe a Apostila Modular de LibreOffice (obrigado Morvan), clicando nesse link.

    Este documento é utilizado na Escola de Gestão Pública do Ceará e já traz as mudanças de Interface do Usuário e os novos recursos introduzidos a partir da versão 5.1.x.

    Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux

    A seguir, você verá como instalar a versão a próxima versão do LibreOffice no Linux, mais especificamente em distribuições baseadas em pacotes RPM (como Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e seus derivados) e DEB (como Debian, Ubuntu e sistemas derivados destes).

    Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e seus derivados

    Para instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e sistemas derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Se o programa já estiver instalado no seu sistema, remova-o usando o gerenciador de pacotes da sua disto;
    Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

    wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.3.4/rpm/x86/LibreOffice_5.3.4_Linux_x86_rpm.tar.gz -O libeoffice.tar.gz
    wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.3.4/rpm/x86/LibreOffice_5.3.4_Linux_x86_rpm_langpack_pt-BR.tar.gz -O libreOffice-pt-br.tar.gz

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

    wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.3.4/rpm/x86_64/LibreOffice_5.3.4_Linux_x86-64_rpm.tar.gz -O libreOffice.tar.gz
    wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.3.4/rpm/x86_64/LibreOffice_5.3.4_Linux_x86-64_rpm_langpack_pt-BR.tar.gz -O libreOffice-pt-br.tar.gz

    Passo 6. Descompacte os arquivos baixados com o comando:

    tar -vzxf libreOffice.tar.gz
    tar -vzxf libreOffice-pt-br.tar.gz

    Passo 7. Vá para a pasta criada e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

    cd LibreOffice_*
    cd RPMS

    Passo 8. Agora instale o programa, usando esse comando:

    sudo rpm -i *.rpm

    Passo 9. Vá para a pasta criada pelo pacote de linguagem e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

    cd 
    cd LibreOffice*langpack_pt-BR/
    cd RPMS

    Passo 10. Agora instale os pacotes de linguagem, usando esse comando:

    sudo rpm -i *.rpm

    Passo 11. Se depois você precisar desinstalar o programa no Fedora ou CentOS ou outro derivado deles, use o comando abaixo;

    sudo yum remove libreoffice*

    Passo 12. Se depois você precisar desinstalar o programa no OpenSUSE ou um derivado dele, use o comando abaixo;

    sudo zypper remove libreoffice*

    Passo 13. Se depois você precisar desinstalar o programa no Mageia ou OpenMandriva ou qualquer derivado deles, use o comando a seguir;

    sudo urpme libreoffice*

    Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Debian, Ubuntu e seus derivados

    Para instalar ou atualizar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Debian, Ubuntu e seus derivados, usando os DEBs oficiais, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se o programa já estiver instalado no seu sistema, execute o comando a seguir para remover a instalação anterior:

    sudo apt-get remove --purge libreoffice*

    Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

    wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.3.4/deb/x86/LibreOffice_5.3.4_Linux_x86_deb.tar.gz -O libreOffice.tar.gz
    wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.3.4/deb/x86/LibreOffice_5.3.4_Linux_x86_deb_langpack_pt-BR.tar.gz -O libreOffice-pt-br.tar.gz

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

    wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.3.4/deb/x86_64/LibreOffice_5.3.4_Linux_x86-64_deb.tar.gz -O libreOffice.tar.gz
    wget http://tdf.c3sl.ufpr.br/libreoffice/stable/5.3.4/deb/x86_64/LibreOffice_5.3.4_Linux_x86-64_deb_langpack_pt-BR.tar.gz -O libreOffice-pt-br.tar.gz

    Passo 6. Descompacte os arquivos baixados com o comando:

    tar -vzxf libreOffice.tar.gz
    tar -vzxf libreOffice-pt-br.tar.gz

    Passo 7. Vá para a pasta criada e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

    cd LibreOffice_*
    cd DEBS

    Passo 8. Agora instale o programa, usando esse comando:

    sudo dpkg -i *.deb

    Passo 9. Vá para a pasta criada pelo pacote de linguagem e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

    cd 
    cd LibreOffice*langpack_pt-BR/
    cd DEBS

    Passo 10. Agora instale os pacotes de linguagem, usando esse comando:

    sudo dpkg -i *.deb

    Passo 11. Se depois você precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

    sudo apt-get remove libreoffice*

    Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Ubuntu e seus derivados

    Agora se você estiver usando o Ubuntu ou um de seus derivados, existe um repositório que permite obter a versão mais recente do LibreOffice nesse sistema de um jeito bem fácil e rápido, como será mostrado a seguir.
    Para instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo add-apt-repository -y ppa:libreoffice/ppa

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install libreoffice libreoffice-style-breeze

    Passo 5. Caso seja necessário, desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove libreoffice
    sudo apt-get autoremove

    Como instalar a versão mais recente do LibreOffice Ubuntu e distros com suporte a Snap

    Para instalar a versão mais recente do LibreOffice Ubuntu e distros com suporte a Snap, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se for essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com esse comando;
    Passo 2. Para que o comando “snap” funcione, você precisa do pacote “snapd”. Em versões recentes do Ubuntu (como 16.04 e 16.10 ou 17.04), este ele já deve estar instalado por padrão. Para o Ubuntu 14.04, você precisa instalar o snapd com esse comando;

    sudo apt install snapd

    Passo 3. Instale a versão mais recente do xx no Ubuntu via SNAP, usando esse comando:

    sudo snap install libreoffice

    Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o snap xx, use:

    sudo snap refresh libreoffice

    Passo 5. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo snap remove libreoffice

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o LibreOffice no Linux, digite libreoffice em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Mais sobre suítes office no Linux

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instale e use WildGuppy para ajustar o brilho da tela automaticamente

    Instale e use WildGuppy para ajustar o brilho da tela automaticamente

    Se você quer obter o melhor ajuste para o brilho da tela de seu automaticamente, basta instala e usar o WildGuppy no Ubuntu.


    WildGuppy é uma aplicação simples que ajusta automaticamente o brilho da tela do laptop no Ubuntu, baseando-se na luz ambiente.

    Instale e use WildGuppy para ajustar o brilho da tela automaticamente

    O aplicativo muda o brilho da tela do seu laptop usando amostras tomadas de câmera em um intervalo definido pelo usuário.

    Além disso, você sempre pode ajustar o brilho manualmente a partir do menu na opção “Brightness Levels” (níveis de brilho). Claro, ao escolher esta opção, o processo de amostragem na webcam deixará de ser usado.

    Instale e use WildGuppy para ajustar o brilho da tela automaticamente

    Conheça melhor o WildGuppy

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o WildGuppy no Ubuntu 14.04 (ou inferior) e seus derivados

    Para instalar o WildGuppy no Ubuntu e poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo add-apt-repository ppa:fantasyleague0629/wildguppy

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install wildguppy

    Como instalar o WildGuppy no Linux Ubuntu, Debian e derivados

    Quem quiser instalar o WildGuppy no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome programa.deb:

    wget https://launchpad.net/~fantasyleague0629/+archive/ubuntu/wildguppy/+files/wildguppy_1.0.3-1_all.deb -O wildguppy.deb

    Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i wildguppy.deb

    Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Como colocar o WildGuppy para ser executado automaticamente

    Para fazer com que o WildGuppy seja executado automaticamente, abra um terminal e execute o comando abaixo:

    cp /usr/share/applications/wildguppy.desktop ~/.config/autostart/

    Depois disso, feche a sessão atual e faça login novamente, para que o programa seja executado automaticamente.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar a ferramenta de configuração Ubuntu Tweak

    Como instalar a ferramenta de configuração Ubuntu Tweak

    Quer fazer alguns ajustes no Ubuntu mas não quer se arriscar em mexer no que não conhece? Veja como instalar a ferramenta de configuração Ubuntu Tweak e resolva o seu problema.


    Ubuntu Tweak é uma popular ferramenta de configuração do Ubuntu que permite ajustar diversos aspectos operacionais e visuais do sistema, boa parte dessas opções, não existem no ambiente padrão ou são de difícil acesso.

    Como instalar a ferramenta de configuração Ubuntu Tweak

    Resumindo: o programa é uma excelente opção para quem não quer se arriscar mexendo no editor de configurações do Ubuntu e outros locais de configuração.

    Como instalar a ferramenta de configuração Ubuntu Tweak

    Como instalar a ferramenta de configuração Ubuntu Tweak

    Como instalar a ferramenta de configuração Ubuntu Tweak

    Como instalar a ferramenta de configuração Ubuntu Tweak

    Conheça melhor o Ubuntu Tweak

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Ubuntu Tweak no Ubuntu 16.10, 16.04, 17.04 e seus derivados via repositório

    Para instalar o Ubuntu Tweak no Ubuntu 16.10, 16.04, 17.04 e seus derivados via repositório, para poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:trebelnik-stefina/ubuntu-tweak

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install ubuntu-tweak

    Como instalar o Ubuntu Tweak no Ubuntu 16.10, 16.04, 17.04 e seus derivados baixando o pacote

    Atenção! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Quem quiser instalar o Ubuntu Tweak no Ubuntu 16.10, 16.04 e seus derivados baixando o pacote de instalação, deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se você usa o Ubuntu 16.04, use o comando abaixo para baixar o programa;

    wget https://launchpad.net/~trebelnik-stefina/+archive/ubuntu/ubuntu-tweak/+files/ubuntu-tweak_0.8.8-5~xenial_all.deb -O ubuntu-tweak.deb

    Passo 3. Se você usa o Ubuntu 16.10, use o comando abaixo para baixar o programa;

    wget https://launchpad.net/~trebelnik-stefina/+archive/ubuntu/ubuntu-tweak/+files/ubuntu-tweak_0.8.8-5~yakkety_all.deb -O ubuntu-tweak.deb

    Passo 4. Se você usa o Ubuntu 17.04, use o comando abaixo para baixar o programa;

    wget https://launchpad.net/~trebelnik-stefina/+archive/ubuntu/ubuntu-tweak/+files/ubuntu-tweak_0.8.8-5~zesty_all.deb -O ubuntu-tweak.deb

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando. Se aparecer um erro (e nesse caso, aparecerá), vá para o próximo passo:

    sudo dpkg -i ubuntu-tweak.deb

    Passo 6. Instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Como instalar o Ubuntu Tweak no Ubuntu 15.10 ou versões anteriores e seus derivados

    Para instalar o Ubuntu Tweak no Ubuntu 15.10 ou versões anteriores e seus derivados, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:tualatrix/ppa

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install ubuntu-tweak

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite ubuntu-tweak no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o Ubuntu Tweak no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Ubuntu Tweak no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:tualatrix/ppa --remove
    sudo add-apt-repository ppa:trebelnik-stefina/ubuntu-tweak --remove
    sudo apt-get remove ubuntu-tweak
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o Oracle Java no Debian via repositório

    Como instalar o Oracle Java no Debian via repositório

    Se você está precisando usar o Oracle Java no Debian (em vez do OpenJDK) e quer usar uma das últimas versões, por conta de algum tipo de compatibilidade (como internet banking, por exemplo), veja aqui como fazer isso usando o repositório do site WebUpd8.


    Normalmente, os pacotes disponíveis em repositórios PPA não suportam o sistema Debian porque eles foram compilados para bibliotecas específicas do Ubuntu, mas o repositório do site WebUpd8 contém apenas um instalador, por isso, ele também funciona com Debian.

    Como instalar o Oracle Java no Debian via repositório

    Usando este repositório PPA, você será capaz de instalar o Oracle Java 8 (que inclui o JRE8 e JDK8) no Debian para 32 bits e 64 bits.

    O instalador faz o download e instala automaticamente o Oracle JDK8, mas nenhum arquivo Java real está disponível nesse repositório, pois isso não é permitido pela licença do Oracle Java.

    Mas se o que você quer é instalar o Java 8 no Ubuntu, acesse esse link.
    O repositório foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o Oracle Java

    Para saber mais sobre o Oracle Java, clique nesse link.

    Veja como instalar o Oracle Java no Debian via repositório

    Para instalar o Oracle Java no Debian via repositório, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Torne-se superusuário com o comando:

    su -

    Passo 3. Adicione o repositório de binários;

    echo "deb http://ppa.launchpad.net/webupd8team/java/ubuntu trusty main" | tee /etc/apt/sources.list.d/webupd8team-java.list

    Passo 4. Adicione o repositório de código fonte;

    echo "deb-src http://ppa.launchpad.net/webupd8team/java/ubuntu trusty main" | tee -a /etc/apt/sources.list.d/webupd8team-java.list

    Passo 5. Adicione a chave do repositório;

    apt-key adv --keyserver keyserver.ubuntu.com --recv-keys EEA14886

    Passo 6. Atualize o Apt;

    apt-get update

    Passo 7. Agora instale o programa com o seguinte comando:

    apt-get install oracle-java8-installer

    Passo 8. Ao executar o instalador, você terá que concordar com os termos de uso, para poder finalmente baixar e instalar o Java;

    Como instalar o Oracle Java no Debian via repositório

    Como instalar o Oracle Java no Debian via repositório

    Como instalar o Oracle Java no Debian via repositório

    Passo 9. Há um pacote no repositório que define automaticamente as variáveis de ambiente Java 8 e define JDK8 como o JDK padrão. Para instalá-lo, use o seguinte comando:

    sudo apt-get install oracle-java8-set-default

    Verificando a versão do Java e se o plugin está funcionando

    Para saber se o plugin está funcionando, acesse a página de verificação do Oracle Java e clique no botão “Verificar versão do Java”;

    Como instalar o Oracle Java no Debian via repositório

    Como instalar o Oracle Java no Debian via repositório

    Desinstalando o Oracle Java 8 no Debian e derivados

    Para desinstalar o Oracle Java 8 no Debian e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o Oracle Java 8 no Debian, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove oracle-java*
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o Grub Customizer no Debian, Ubuntu e derivados

    Como instalar o Grub Customizer no Ubuntu

    Se você usa um sistema baseado no Debian e quer configurar o Grub de um jeito fácil, veja como instalar o Grub Customizer no Debian, Ubuntu e derivados para poder fazer isso.


    Para a grande maioria das pessoas mudar as configurações do Grub é algo que pode ser um pouco assustador. Para esses (e quem não quiser ficar alterando arquivo de configuração manualmente), existe o Grub Customizer.

    Como instalar o Grub Customizer no Debian, Ubuntu e derivados

    O programa é uma interface gráfica para alteração das configurações do grub2 (gerenciador de boot padrão do Ubuntu). Ele é uma aplicação agradável, que permite ao usuário editar as entradas do menu a partir da tela de inicialização do GRUB e definir o sistema operacional padrão.

    Conheça melhor o Grub Customizer

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Para complementar esse tutorial, assista o vídeo abaixo:

    O procedimento abaixo mostra como instalar o Grub Customizer no Debian, Ubuntu e derivados usando o pacote DEB. Se você quiser fazer isso no Ubuntu, usando um repositório, veja esse outro tutorial:
    Como instalar o Grub Customizer no Ubuntu

    Instalando o Grub Customizer no Debian, Ubuntu e derivados

    Para instalar o Grub Customizer no Debian, Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link abaixo não servir, acesse essa página, baixe a versão certa para seu sistema e salve-o com o nome grub-customizer.deb:

    wget https://launchpad.net/~danielrichter2007/+archive/ubuntu/grub-customizer/+files/grub-customizer_5.0.6-0ubuntu1~ppa1x_i386.deb -O grub-customizer.deb

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link abaixo não servir, acesse essa página, baixe a versão certa para seu sistema e salve-o com o nome grub-customizer.deb:

    wget https://launchpad.net/~danielrichter2007/+archive/ubuntu/grub-customizer/+files/grub-customizer_5.0.6-0ubuntu1~ppa1x_amd64.deb -O grub-customizer.deb

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i grub-customizer.deb

    Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite grub no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o Grub Customizer no Debian, Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Grub Customizer no Debian, Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove grub-customizer
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instalando a versão mais recente do digiKam no Ubuntu, Debian, Fedora, openSUSE e derivados

    Instalando a versão mais recente do digiKam no Ubuntu

    Quem precisa de uma ótima ferramenta para administrar e editar suas fotos pode usar o digiKam. E para ter sempre a versão mais recente do digiKam no Ubuntu, basta seguir este tutorial.


    digiKam é um software de código aberto para gerenciamento avançado de fotos digitais para Linux, Windows e Mac OS X.

    Instalando a versão mais recente do digiKam no Ubuntu

    Ele possui diversas funcionalidades que permitem importar, exportar, visualizar, gerenciar, editar, melhorar, organizar, rotular, e compartilhar fotos em sistemas Linux.

    Neste tutorial será mostrado como instalar o DigiKam no Kubuntu, Linux Mint KDE e outros sistemas derivados do Ubuntu que usam o KDE como ambiente desktop padrão.

    O programa também pode ser instalado em sistema baseados no Ubuntu que não usam o KDE, através do repositório philip5/extra, mas isso irá instalar um monte de bibliotecas do KDE.

    Novidades da versão mais recente do digiKam

    De acordo com o anúncio, os novos recursos no digiKam 5.6.0 são os seguintes:

  • A galeria do HTML e as ferramentas de apresentação de vídeo estão de volta e estão disponíveis no menu de ferramentas;
  • O encolhimento de banco de dados também é possível para bancos de dados MySQL;
  • Melhorou o recurso de itens de agrupamento;
  • Suporte para sidecars personalizados;
  • Os marcadores de geolocalização foram reescritos para trabalhar com a versão do pacote do digiKam (por exemplo, Appimage).
  • Para saber mais sobre a versão mais recente do digiKam, acesse a nota de lançamento.

    Conheça melhor o DigiKam

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o DigiKam para criar animações no Linux Ubuntu, Debian, Fedora, openSUSE e derivados

    Para instalar o DigiKam e usá-lo para criar animações no Linux, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome digikam.appimage:

    wget https://download.kde.org/stable/digikam/digikam-5.6.0-01-i386.appimage -O digikam.appimage

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome digikam.appimage:

    wget https://download.kde.org/stable/digikam/digikam-5.6.0-01-x86-64.appimage -O digikam.appimage

    Passo 5. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

    chmod +x digikam.appimageb

    Passo 6. Agora instale o programa com o comando;

    ./digikam.appimage

    Passo 7. Na janela que será exibida, clique no botão “Yes” e aguarde o final da instalação;

    Instalando a versão mais recente do digiKam no Ubuntu

    Para instalar a versão mais recente do digiKam no Ubuntuo, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Para instalar o DigiKam no Ubuntu com KDE ou com outros ambientes gráficos, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo add-apt-repository ppa:philip5/extra

    Passo 3. Para instalar o DigiKam no Ubuntu com KDE (Kubuntu), adicione o repositório do programa com este comando;

    sudo add-apt-repository ppa:philip5/kubuntu-backports

    Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install digikam

    Como instalar o DigiKam manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link ou nesse link, e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite digikam no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

    Como remover o DigiKam no Ubuntu e seus derivados

    Para remover o DigiKam no Ubuntu, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 4. Para desinstalar o programa, use o comando abaixo;

    sudo apt-get remove digikam
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR

    Como acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR

    Descubra como acessar sites que estão bloqueados em seu país, usando o aplicativo SelekTOR, que trabalha com a rede de anonimato Tor.


    SelekTOR é uma interface para o Tor que permite selecionar os nós de saída do Tor por país, para poder acessar sites que estão bloqueados em determinada região.

    Como acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR

    Feito em Java, SelekTOR é um front-end gráfico de código aberto para o cliente Tor, que tem algumas vantagens sobre a interface padrão do Tor, tais como:

    • Facilita o uso e configuração do Tor no modo cliente, pois o SelekTOR faz a maioria do trabalho pesado para você;
    • Você pode selecionar rapidamente Nodes de saida por país;
    • SelekTOR pode monitorar continuamente e manter uma conexão com o nó de saída com o melhor tempo de resposta, com tão pouco tempo de inatividade possível;
    • Colocar em proxy todo o tráfego através do nó Tor ativo. SelekTOR também pode fazer o roteamento seletivo de tráfego através do nó Tor ativo com base em padrões de URL.

    A opção para selecionar os nós de saída do Tor por país pode ser usada, por exemplo, para acessar sites que não estão disponíveis em seu país ou que possuem um catálogo melhor em outro país, como Netflix, Hulu, CBS, ABC, Pandora, British TV, HBO Go e assim por diante.

    SelekTOR precisa de pouquíssima configuração: simplesmente selecione o node de saída do país (e, opcionalmente, o modo de proxy) e você estará pronto – você não tem que configurar o seu navegador web manualmente e não há necessidade de instalar qualquer complemento no navegador.

    Entre os navegadores suportados estão o Google Chrome, Chromium, Opera, Firefox e Palemoon.

    O aplicativo também apresenta detalhes dos nodes, bem como possui um “Whois” de IP embutido:

    Como acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR

    Como acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR

    Conheça melhor o SelekTOR

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando os pré requisitos necessário para execução do SelekTOR

    Instalar os pré requisitos necessário para execução do SelekTOR, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Se não estiver instalado, instale o Java 7 ou 8 (Oracle o OpenJDK), seguindo esse outro tutorial;
    Tor está disponível nos repositórios padrão do Ubuntu, mas eles podem estar um pouco desatualizados. Então, para instalar o Tor atualizado no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 2. Se você estiver usando uma versão mais recente do Ubuntu e o Tor não estiver instalado, instale-o usando simplesmente o comando;

    sudo apt-get install tor

    Passo 3. Mas se você estiver usando uma versão mais antiga do Ubuntu e o Tor não estiver instalado, adicione esses repositórios usando o comando abaixo:

    sudo sh -c "echo  'deb     http://deb.torproject.org/torproject.org $(lsb_release -cs) main ' /etc/apt/sources.list.d/tor.list"

    Passo 5. Baixe e adicione a chave do repositório com o comando:

    sudo apt-key adv --keyserver hkp://keyserver.ubuntu.com:80 --recv-keys 886DDD89

    Passo 6. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 7. Agora instale o programa com o comando abaixo:

    sudo apt-get install tor

    Passo 8. Se durante a instalação, você for perguntado qual será usuário que deverá ser capaz de controlar o serviço Tor. Selecione o usuário e confirme clicando em “OK”;
    Como acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR
    Passo 9. Uma vez que o tor está instalado, você deve desabilitar o serviço dele. Para fazer isso, abra o arquivo de configuração /etc/default/tor, com o comando a seguir:

    sudo gedit /etc/default/tor

    Passo 10. Com o arquivo aberto, procure pela seguinte linha:

    RUN_DEAMON="yes"

    Passo 11. Substitua a linha por isto:

    RUN_DEAMON="no".

    Passo 12. Salve e feche o arquivo;
    Passo 13. Agora, pare o serviço do tor, usando o comando;

    sudo service tor stop

    Mais sobre Tor

    Se o que você procura é uma outra forma de instalar ele, Dê uma olhada nesses tutoriais:

    Conheça melhor o navegador Tor

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o SelekTOR no Linux, para poder acessar sites que estão bloqueados em seu país

    Para instalar o SelekTOR no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome selektor.tar.gz;

    wget "https://www.dazzleships.net/?wpdmact=process&did=My5ob3RsaW5r" -O selektor.tar.gz

    Passo 3. Extraia o arquivo baixado usando o comando:

    tar -xvzf selektor.tar.gz

    Passo 4. Entre na pasta criada usando este comando:

    cd selektor-*/

    Passo 5. Se seu sistema é baseado no Debian (Ubuntu, Linux Mint, KNOPPIX e etc), execute os seguintes comandos para instalar o programa:

    sudo ./install.sh

    Passo 6. Para instalar o programa em outras distribuições Linux, execute os estes comandos:

    su -c ./install.sh

    Passo 7. Se seu sistema é baseado no Debian (Ubuntu, Linux Mint, KNOPPIX e etc), e por algum motivo você precisar desinstalar o programa, use este comando:

    sudo /opt/selektor/uninstall.sh

    Passo 8. Em outras distribuições Linux, se você precisar desinstalar o programa, use este comando:

    su -c /opt/selektor/uninstall.sh

    Instalando o SelekTOR no Debian, Ubuntu e derivados

    Para instalar o SelekTOR no Debian, Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome selektor.deb:

    wget "https://www.dazzleships.net/?wpdmact=process&did=Mi5ob3RsaW5r" -O selektor.deb

    Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i selektor.deb

    Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Passo 5. Depois, se precisar desinstalar use este o comando:

    sudo apt-get remove selektor

    Como acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR

    Com tudo instalado, para acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Execute o programa, digitando selektor no terminal ou no Dash;
    Passo 2. Clique no drop-down do campo “Active Country”, e selecione o país que você deseja usar (que obviamente, é o país onde o site que você deseja acessar não é bloqueado);

    Como acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR

    Passo 3. A seguir, clique em “Menu” e depois no item “Proxy Pattern Editor”;

    Como acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR

    Passo 4. Na janela “SelekTOR Pattern Editor”, clique em “Add New”. Na pequena tela que aparece, digite o padrão para o site que você está tentando acessar (para isso, utilize os padrões já existentes como exemplo) e clique em “Add New”. Ao voltar a tela anterior, clique no botão “Save” para efetivar o cadastramento;

    Como acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR

    o método acima tem a vantagem de permitir que você use o Tor apenas para os sites que você quer (como Netflix, por exemplo), deixando todos os outros sites/tráfego sem utilizar proxy. Porém, ele tem uma desvantagem também: se algum site, como o Netflix, por exemplo, usa o código colocado em algum outro domínio, para verificar o seu país, este método irá falhar assim, para tais casos, você deve clicar no drop-down do campo “Proxy Mode”, e selecionar a opção “Anonymous (Proxy all traffic)”;

    Como acessar sites que estão bloqueados em seu país usando o SelekTOR

    Ao selecionar o modo proxy “Anonymous (Proxy all traffic)”, todo o tráfego será feito pelo proxy. Por isso, não será necessário introduzir quaisquer padrões, basta selecionar o país que você deseja usar em “Active Country” e você já poderá acessar o site bloqueado.

    Mais informações

    Para mais detalhes sobre o processo, assista esse vídeo:

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instalando o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu

    Instalando o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu

    Cansou dos ícones padrão do Unity, KDE, Gnome, Mate, Cinnamon e outros ambientes? Então veja como instalar conjunto de ícones Papirus no Ubuntu.


    Papirus é um conjunto de ícones para o KDE desktop, que agora também está disponível para outros ambientes de trabalho, como Unity, Gnome, Mate, Cinnamon e outros. Antes tínhamos uma versão portada de ícones chamado Papirus KDE, mas agora ele está sendo diretamente suportado e mantido pelo criador do conjunto de ícones Papirus.

    Instalando o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu

    Instalando o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu

    Existem duas variantes deste pacote de ícones com ícones do painel de claros e escuros, ele tem mais de 1000 ícones para diferentes aplicações.

    Instalando o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu

    Instalando o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu

    Instalando o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu

    Conheça melhor o conjunto de ícones Papirus

    Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

    Instalando o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu e derivados

    Para instalar o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

    Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o conjunto de ícones Papirus usando o seguinte comando:

    sudo apt-get install papirus-icons

    Como instalar o conjunto de ícones Papirus manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Desinstalando o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o conjunto de ícones Papirus no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o conjunto de ícones, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove papirus-icons

    Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    23 de junho de 2017

    Como controlar o Ubuntu com comandos de voz

    Como controlar o Ubuntu com comandos de voz

    Já imaginou poder usar seu sistema apenas falando? Pois então instale o Voice Commands e controle seu Ubuntu com comandos de voz.


    Voice Commands permite que você execute algumas das principais ações do sistema com voz. Ele oferece esta facilidade em 67 idiomas e, neste momento, 95 comandos de voz estão disponíveis. Ele permite ao usuário usar a sua própria voz para melhorar a sua experiência global de Linux.

    Como controlar o Ubuntu com comandos de voz

    A instalação do Voice Commands via repositório só é possível no Ubuntu 10.04, 12.04, 13.10, 14.04 e 14.10 e seus derivados. Uma alternativa para outras versões seria baixar os pacotes e instalar manualmente, mas não há garantias que funcione.

    Conheça melhor o Voice Commands

    Para saber mais sobre esse programa e ver uma lista dos comandos de voz que podem ser usados, clique nesse link.

    Como instalar o Voice Commands e controlar o Ubuntu e seus derivados com comandos de voz

    Para instalar o Voice Commands no Ubuntu 10.04, 12.04, 13.10, 14.04 e 14.10 e poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo add-apt-repository ppa:baitsart/voice-commands

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install voice-commands

    Como instalar o Voice Commands manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome voice-commands.deb:

    wget https://launchpad.net/~baitsart/+archive/ubuntu/voice-commands/+files/voice-commands_1.0.2-5~ubuntu14.10.1_all.deb -O voice-commands.deb

    Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i voice-commands.deb

    Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Completando a instalação e usando o Voice Commands

    Passo 1. Se o arquivo de comandos estiver faltando, crie uma pasta para ele com comando:

    mkdir -p .voice_commands/v-c\ LANGS/

    Passo 2. Baixe o arquivo de comandos (se quiser usar em inglês, troque pt por en:

    wget https://github.com/baitsart/voice_commands/blob/master/voice_commands/v-c%20LANGS/commands-pt

    Passo 3. Coloque o arquivo baixado na pasta de arquivo de comandos:

    mv commands-pt .voice_commands/v-c\ LANGS/

    Passo 4. Defina a linguagem a ser usada com este comando:

    v-c -l -lang pt

    Passo 5. Para obter ajuda sobre o uso do programa, execute este comando:

    v-c --help

    Passo 6. Para usar o programa, execute este comando:

    v-c -r

    Passo 7. Se precisar baixar outras linguagens, acesse esse link;

    A função deste programa começa ao executar o script play_stop.sh, que começará a gravar a sua voz, e se depois de cinco segundos, iniciar o reconhecimento de voz.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar a dock DockbarX no Ubuntu

    Como instalar a dock DockbarX no Ubuntu

    Quer experimentar uma dock completa e altamente personalizável? Então veja como instalar a dock DockbarX no Ubuntu e transforme sua área de trabalho.


    DockbarX é um software livre licenciado sob GPL3 que pode ser usado como um substituto leve para as funções de dock, barra de tarefas e painel em desktops Linux.

    Como instalar a dock DockbarX no Ubuntu

    O DockbarX pode funcionar como uma dock autônoma (chamada Dockx), como um applet Avant Window Navigator, como um applet de painel do Xfce4, como um applet matepanel ou como um applet de painel legado do Gnome2. DockbarX é um fork do dockbar feita por Aleksey Shaferov e o ramo DockbarX é desenvolvido por Matias SARS.

    Como instalar a dock DockbarX no Ubuntu

    Como instalar a dock DockbarX no Ubuntu

    Como instalar a dock DockbarX no Ubuntu

    Como instalar a dock DockbarX no Ubuntu

    Como instalar a dock DockbarX no Ubuntu

    Conheça melhor o DockBarX

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o DockBarX no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o DockBarX no Ubuntu e poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:dockbar-main/ppa

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install dockbarx dockbarx-themes-extra

    Passo 5. Se você estiver usando Xfce, você precisa instalar o Xfce Plugin para Painel Xfce:

    sudo apt-get install xfce4-dockbarx-plugin

    Passo 6. Se você quiser usar DockbarX como um applet AWN, execute o seguinte comando:

    sudo apt-get install awn-applet-dockbarx

    Como instalar o DockBarX manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite dockbarx no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o DockBarX no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o DockBarX no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:dockbar-main/ppa --remove
    sudo apt-get remove dockbarx dockbarx-themes-extra
    sudo apt-get remove xfce4-dockbarx-plugin
    sudo apt-get remove awn-applet-dockbarx
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

    Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

    Se você tem jogos do PSP e quer jogá-los no PC, este tutorial irá te ensinar a jogar seus jogos de PSP no Ubuntu, usando com o emulador do Sony PSP PPSSPP.


    PPSSPP é um emulador de PSP open source, licenciado sob a GPL e escrito em C++, que traduz as instruções da CPU PSP diretamente para o código de máquina otimizado das arquiteturas x86, x64 e ARM, usando recompiladores JIT (dynarecs), o que possibilita executar o programa (e os jogos) em hardware de baixa especificação.

    Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

    O PPSSPP é uma aplicação multiplataforma e que pode até executar seus jogos de PSP em seu PC em resolução full HD. Em alguns casos, o programa pode até mesmo fazer upscale das texturas para evitar que elas fiquem muito embaçadas, por terem sidos produzidas para a tela do PSP original.

    O programa pode executar o arquivo ISO do PSP do seu PC, e também do disco PSP, mas você precisa especificar o local de jogo dentro PPSSPP, o que será mostrado nesse tutorial.

    PPSSPP pode até mesmo salvar e restaurar o estado do jogo em qualquer lugar, a qualquer hora; Continue de onde parou, transferindo “saves” do seu verdadeiro PSP.

    Antes de instalar e usar o programa, esteja ciente de que todas as marcas registradas são propriedade de seus respectivos proprietários. O emulador é apenas para fins educacionais e de desenvolvimento e não pode ser usado para jogar jogos que você não possui legalmente.

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o PPSSPP

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o PPSSPP e jogar seus jogos de PSP no Ubuntu 14.04 ou superior e seus derivados

    Para instalar o PPSSPP e jogar seus jogos de PSP no Ubuntu 14.04 ou superior e seus derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ppsspp/stable

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Use o comando abaixo para instalar a versão normal do programa;

    sudo apt-get install ppsspp

    Passo 5. Use o comando abaixo para instalar a versão SDL do programa;

    sudo apt-get install ppsspp-sdl

    Como instalar o PPSSPP e jogar seus jogos de PSP no Ubuntu 12.04, 16 e Linux Mint 13

    Para instalar o PPSSPP e jogar seus jogos de PSP no Ubuntu 12.04, 16 e Linux Mint 13, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:noobslab/apps

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Use o comando abaixo para instalar a versão normal do programa;

    sudo apt-get install ppsspp

    Passo 5. Use o comando abaixo para instalar a versão SDL do programa;

    sudo apt-get install ppsspp-sdl

    Se você tiver algum erro relacionado a conflito de dependências, habilite o repositório Universe com esse comando (grato ao leitor Sergio Benjamim pela dica);

    sudo add-apt-repository "deb http://archive.ubuntu.com/ubuntu $(lsb_release -sc) universe"

    Como instalar o PPSSPP manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link ou nesse link, e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Como usar o PPSSPP e jogar seus jogos de PSP

    Passo 1. Uma vez instalado, inicie o programa digitando ppsspp no Dash;

    Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

    Passo 2. Com o programa aberto, vá na aba “Games” e navegue até a pasta que você salva seus jogos de PSP (arquivos .iso);

    Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

    Passo 3. Use as setas para escolher e pressione a tecla “Enter” para carregar o jogo.

    Jogos de PSP: Como instalar o PPSSPP no Ubuntu

    Divirta-se!

    Desinstalando o PPSSPP no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o PPSSPP no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove ppsspp*
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar e usar programas do Windows no Linux com o Wine

    Como instalar e usar programas do Windows no Linux com o Wine

    Precisa usar um aplicativo que só possui versões para o sistema da Microsoft? Então aprenda como fazer para instalar e usar programas Windows no Linux, usando o Wine.


    Wine (Wine Is Not an Emulator) é um software livre e de código aberto, que tem como objetivo permitir que os aplicativos desenvolvidos para Microsoft Windows possam ser executados no Linux, Mac, FreeBSD e Solaris.

    Como instalar e usar programas do Windows no Linux com o Wine

    O Wine é muito importante para ex-usuários do sistema operacional Windows ou para qualquer pessoa que ainda precisa usar os aplicativos desse sistema no Linux.

    Apesar disso ser obvio, muitos não conseguem fazer isso, por não entenderem como funciona a execução de aplicativos Windows no Linux.

    Por isso, você verá a seguir um exemplo da instalação de um programa para Windows no Linux e poderá usar melhor esse recurso. O exemplo foi feito usando o SketchUp Make, mas pode ser usado com qualquer programa do Windows, seja um instalador ou o próprio executável de um aplicativo.

    Conheça melhor o Wine

    Para saber mais sobre o programa, clique nesse link ou veja essa série de artigos:
    Instalando e manipulando aplicativos para Windows no Linux e outros assuntos relacionados

    Como instalar a versão mais recente do Wine

    Para sabe como instalar o Wine, veja este tutorial:
    Como instalar a versão mais recente do Wine no Ubuntu
    Como instalar a versão mais recente do Wine no Linux
    Experimente os novos recursos do Wine mais rápido com Wine Staging no Ubuntu, Debian, Mint e Fedora

    Como instalar programas do Windows no Linux com o Wine

    Uma vez instalado o Wine no Ubuntu, você já pode testar o programa. Para instalar e rodar aplicativos para Windows no Linux, faça o seguinte:
    Passo 1. Baixe o instalador do programa que você quer instalar;
    Passo 2. Abra o Nautilus (ou outro gerenciador de arquivo que suporte o programa) e vá para a pasta onde foi baixado o instalador do programa Windows;

    Como instalar e usar programas do Windows no Linux com o Wine

    Passo 3. Clique com o botão direito do mouse sobre o instalador. No menu que aparece, clique em “Abrir com” e depois na opção “Carregador de aplicativos Windows Wine”;

    Como instalar e usar programas do Windows no Linux com o Wine

    Passo 4. Se preferir usar a linha de comando, abra um terminal e vá para uma pasta onde está um programa Windows e digite (substitua “programa” pelo nome do instalado que você baixou;

    wine ~/Downloads/programa

    Passo 5. Independente de qual das opções você uso para executar o instalador, quando ele aparecer na tela, siga suas instruções (como você faria se estive instalando no Windows) e em poucos minutos o programa estará instalado (talvez com ícones na sua área de trabalho);

    Como instalar e usar programas do Windows no Linux com o Wine

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, use o atalho criado e execute-o (se precisar, ajuste o comando usado no talho);

    Como instalar e usar programas do Windows no Linux com o Wine

    Para ver mais detalhes do processo de instalação usado no exemplo acima, veja este tutorial:
    Como instalar o SketchUp Make no Linux usando Wine

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como remover a Sessão Convidado da tela de login do Ubuntu

    Como remover a Sessão Convidado da tela de login do Ubuntu

    Se você não quer que ninguém fique usando seu sistema como visitante, veja aqui como remover a sessão Convidado da tela de login do Ubuntu.


    Mesmo que você ainda não tenha usado, já deve ter percebido que na tela de login do Ubuntu existe uma opção de usuário “convidado”, que serve para iniciar uma sessão temporária que não guarda nenhuma informação de usuário ao finalizar.

    Como remover a Sessão Convidado da tela de login do Ubuntu

    O grande problema é que essa conta convidado por padrão vem ativa e sem senha, o que torna a opção uma porta aberta para invasões, pois pode ser usada para obter privilégios para obter acesso root (super usuário) no Ubuntu.

    Resumindo tudo, a sessão Convidado pode até ser útil em algumas situações, mas na maior parte do tempo, serve apenas para atrapalhar o login e servir de entrada para usuários indesejados. Por conta disso, uma das primeiras coisa a ser feita após a instalação do Ubuntu, é remover a Sessão Convidado.

    Como remover a Sessão Convidado no Ubuntu

    Para remover a Sessão Convidado da tela de login do Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Use o comando abaixo para editar o arquivo de configuração:

    sudo gedit /usr/share/lightdm/lightdm.conf.d/50-ubuntu.conf

    Passo 3. Quando for solicitado, digite sua senha de usuário. Observe que não será mostrado nada ao digitar a senha. Se quiser esse efeito visual ao digitar uma senha, siga esse tutorial;
    Passo 4. Com o arquivo aberto, adicione uma nova linha no final dele com o seguinte conteúdo (caso já exista, apenas ajuste);

    allow-guest=false

    Como remover a Sessão Convidado da tela de login do Ubuntu

    Passo 5. Em seguida, salve o arquivo e feche o editor de texto.

    Pronto! Na próxima inicialização a Sessão Convidado já não irá mais aparecer na tela de login.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Editor LaTeX: Instale o Texmaker no Ubuntu e derivados

    Editor LaTeX: Instale o Texmaker no Ubuntu

    Se você precisa de um editor LaTeX com bons recursos, experimente instalar o Texmaker no seu Ubuntu e sistemas derivados.


    Texmaker é um editor LaTeX open source com um visualizador de PDF integrado. Ele é um aplicativo Qt multiplataforma que funciona em Windows, Linux e MacOS.

    Editor LaTeX: Instale o Texmaker no Ubuntu

    O editor inclui suporte completo a unicode, verificação ortográfica inline, auto-completar, dobramento de código e seleção de bloco retangular. As expressões regulares também são suportadas para as ações de localizar e substituir.

    Conheça melhor o editor LaTeX Texmaker

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o editor LaTeX Texmaker no Ubuntu e derivados

    Para instalar o editor LaTeX Texmaker no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome texmaker.deb:

    wget http://www.xm1math.net/texmaker/texmaker_ubuntu_$(lsb_release -rs)_4.5_i386.deb -O texmaker.deb

    Passo 4.Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome texmaker.deb:

    wget http://www.xm1math.net/texmaker/texmaker_ubuntu_$(lsb_release -rs)_4.5_amd64.deb -O texmaker.deb

    Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

    sudo dpkg -i texmaker.deb

    Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite texmaker no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o editor LaTeX Texmaker no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o editor LaTeX Texmaker no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o editor LaTeX Texmaker, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove texmaker
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar a versão mais recente do HandBrake no Ubuntu

    Como instalar a versão mais recente do HandBrake no Ubuntu

    Foi lançada mais uma versão de um dos mais poderosos conversores de vídeo. Se você quiser experimentar ou atualizar o programa, veja como instalar a versão mais recente do HandBrake no Ubuntu.


    Bastante popular, o HandBrake é um decodificador de vídeo de código aberto para Linux, Windows e Mac OS X. O programa é também uma ferramenta para ripar DVDs. Ele converte os filmes em MPEG-4 e, além de oferecer diversas opções de configuração, insere a legenda desejada diretamente no resultado final.

    Como instalar a versão mais recente do HandBrake no Ubuntu

    Além de tudo isso, o aplicativo vem com presets embutidos (perfis) e, além de formatos multimídia comuns, ele suporta DVD ou Bluray desprotegidos, legendas e muito mais.

    Como instalar a versão mais recente do HandBrake no Ubuntu

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o HandBrake

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
    Para ver as novidades da última versão, acesse esse link.

    Como instalar a versão mais recente do HandBrake no Ubuntu e derivados

    HandBrake está disponível nos repositórios oficiais de algumas versões do Ubuntu, no entanto, não é a versão mais recente. Por isso, para ter a última versão desse programa no Ubuntu, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:stebbins/handbrake-releases

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar a versão GTK do HandBrake;

    sudo apt-get install handbrake-gtk

    Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar a versão de linha de comando do HandBrake;

    sudo apt-get install handbrake-cli

    Como instalar o programa manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o instalador diretamente nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite handbrake no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Usando o HandBrake

    Antes de começar a converter os vídeos, lembre-se que mesmo sendo um programa fácil de utilizar, é sempre bom dar uma olhada no manual dele.
    Por isso, visite o HandBrake Documentation, se quiser aprender um pouco mais sobre como usá-lo.

    Desinstalando o HandBrake no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o HandBrake no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:stebbins/handbrake-releases --remove
    sudo apt-get remove handbrake-gtk handbrake-cli
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o cliente oficial Telegram no Linux manualmente

    Como instalar o cliente oficial Telegram no Linux manualmente

    Já mostrei como instalar esse aplicativo no Ubuntu e Fedora e hoje como instalar o cliente oficial Telegram no Linux manualmente.


    Se você está a procura de uma alternativa ao WhatsApp e outros comunicadores, experimente usar o Telegram no Linux.

    Como instalar o cliente oficial Telegram no Linux manualmente

    Telegram é um serviço de mensagens criptografadas baseado em nuvem, rápido e que permite que você compartilhe dados ilimitados. Ao contrário do WhatsApp, Telegram é focado na segurança, velocidade e no respeito a privacidade do usuário.

    Com ele você pode enviar mensagens, fotos, vídeos e arquivos de qualquer tipo (doc, zip, mp3, etc) para pessoas que estão em seus contatos de telefone e têm Telegram. Você também pode criar grupos de até 200 pessoas.

    O melhor é que você pode fazer tudo isso em qualquer número dos seus dispositivos, seja ele um dispositivo móvel ou um desktop.

    Para aqueles usuários interessados em obter o máximo de privacidade, Telegram oferece Secret Chats, com criptografia end-to-end para garantir que a mensagem só possa ser lida pelo seu destinatário.

    Quando se trata de desse recurso, nada é registrado nos servidores do serviço e você pode programar automaticamente as mensagens para a autodestruição em ambos os dispositivos, dessa forma, nunca haverá qualquer registro delas.

    O serviço possui um cliente para todos os principais sistemas operacionais móveis (iOS, Android e Windows Phone). Ele também tem uma versão desktop para Windows e Mac, além de um cliente oficial Telegram no Linux. Neste artigo, veremos como instalar Telegram oficial em qualquer distribuição Linux.

    Esse tutorial utiliza um procedimento de instalação manual que funciona na maioria das distribuições Linux.
    Se você prefere instalar usando pacotes e repositórios, veja esse outro tutorial:

    Telegram no Ubuntu e Fedora: como instalar a versão oficial via repositório

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Conheça melhor o cliente Telegram

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o cliente oficial Telegram no Linux manualmente

    Para instalar o cliente oficial Telegram no Linux manualmente, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/telegram*
    sudo rm -Rf /usr/bin/telegram
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/telegram.desktop

    Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome telegram.tar.xz:

    wget "https://telegram.org/dl/desktop/linux32" -O telegram.tar.xz

    Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome telegram.tar.xz:

    wget "https://telegram.org/dl/desktop/linux" -O telegram.tar.xz

    Passo 6. Depois de baixar, execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

    sudo tar Jxf telegram.tar.xz -C /opt/

    Passo 7. Se for necessário, renomeie a pasta criada;

    sudo mv /opt/Telegram*/ /opt/telegram

    Passo 8. Caso queira, crie um lançador para o programa, executando um editor de texto com o comando:

    sudo ln -sf /opt/telegram/Telegram /usr/bin/telegram

    Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Exec=/opt/telegram/Telegram\n Icon=Telegram\n Type=Application\n Categories=Application;Network;' | sudo tee /usr/share/applications/telegram.desktop

    Pronto! Agora você já tem o cliente oficial do Telegram no linux, quando quiser iniciar o programa, digite telegram no Dash do Ubuntu ou em um terminal (seguido da tecla TAB), em todas as distribuições.

    Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

    sudo chmod +x /usr/share/applications/telegram.desktop
    cp /usr/share/applications/telegram.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

    Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

    cp /usr/share/applications/telegram.desktop ~/Desktop

    Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
    Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

    Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

    Como deixar a interface do Telegram em Português do Brasil

    Caso o programa inicie com em inglês, para deixar a interface do Telegram em Português do Brasil, faça o seguinte;
    Passo 1. Na tela do programa, clique na opção “Settings”;

    Como instalar o cliente oficial Telegram no Linux manualmente

    Passo 2. Em “Settings”, clique em “Change language”;

    Como instalar o cliente oficial Telegram no Linux manualmente

    Passo 3. No menu que aparece, marque a opção “Português (Brasil)”;

    Como instalar o cliente oficial Telegram no Linux manualmente

    Passo 4. feito isso, aparecerá uma pequena tela pedindo para reiniciar o programa e aplicar a mudança. Confirme clicando no botão “OK”.

    Como instalar o cliente oficial Telegram no Linux manualmente

    Como remover o programa no Linux

    Para remover o programa no Linux, basta apagar a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/telegram*
    sudo rm -Rf /usr/bin/telegram
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/telegram.desktop

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o DroidCam no Linux manualmente

    Como instalar o DroidCam no Linux manualmente

    Que tal usar seu dispositivo com Android como webcam do PC? Para fazer isso, primeiro veja como instalar o DroidCam no Linux manualmente.


    DroidCam é uma ferramenta que permite usar um dispositivo Android como uma webcam sem fio, que pode ser usado a partir de seu desktop (Linux ou Windows) para conversar no Skype, Google+ e assim por diante, usando o “DroidCam Webcam” no seu computador, com som e imagem.

    Como instalar o DroidCam no Linux manualmente

    Como instalar o DroidCam no Linux manualmente

    Ele pode se conectar pela Wifi, Bluetooth ou cabo USB. Além disso, ele é simples e eficiente, pois foi projetado para economizar bateria e espaço, tanto quanto possível.

    Conheça melhor o DroidCam

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o DroidCam no Linux manualmente

    Para instalar o DroidCam no Linux manualmente faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

    sudo rm -Rf /opt/droidcam*
    sudo rm -Rf /usr/bin/droidcam
    sudo rm -Rf /usr/share/applications/droidcam.desktop

    Passo 3. Abra o gerenciador de pacotes de sua distribuição e instale o pacote linux-headers do kernel que o linux estiver usando.
    Em sistemas baseados no Debiam, o comando de instalação é o seguinte:

    sudo apt-get install linux-headers-`uname -r`

    Em sistemas baseados no Fedora, o comando de instalação é o seguinte:

    sudo dnf install linux-headers-`uname -r`

    Em sistemas baseados no openSUSE, o comando de instalação é o seguinte:

    sudo zypper install linux-headers-`uname -r`

    Passo 4. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 5. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa e salvá-lo com o nome droidcam.tar.bz2:

    wget https://www.dev47apps.com/files/600/droidcam-32bit.tar.bz2 -O droidcam.tar.bz2

    Passo 6. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa e salvá-lo com o nome droidcam.tar.bz2:

    wget https://www.dev47apps.com/files/600/droidcam-64bit.tar.bz2 -O droidcam.tar.bz2

    Passo 7. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

    sudo tar -xjvf droidcam.tar.bz2

    Passo 8. Acesse a pasta criada

    cd droidcam*/

    Passo 9. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

    sudo ./install

    Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

    echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=DroidCam\n Exec=droidcam\n Icon=droidcam\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/droidcam.desktop

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite droidcam em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

    sudo chmod +x /usr/share/applications/programa.desktop
    cp /usr/share/applications/programa.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

    Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

    cp /usr/share/applications/programa.desktop ~/Desktop

    Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
    Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

    Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

    Para saber como usar o Droicam, consulte esse outro tutorial:
    Instale DroidCam e use um dispositivo Android como webcam

    Como remover o DroidCam no Linux

    Para remover o DroidCam no Linux, execute o script de desinstalação através do comando:

    sudo /opt/droidcam-uninstall

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como melhorar o desempenho do Ubuntu? NeteXt’73

    Como melhorar o desempenho do Ubuntu? NeteXt’73

    Quer deixar seu sistema mais responsivo e menos gastador de energia? Então veja aqui como melhorar o desempenho do Ubuntu usando a ferramenta NeteXt’73.


    NeteXt’73 é uma ferramenta que permite facilmente melhorar o desempenho do Ubuntu e derivados no Kernel do Linux, bem como fazer a instalação de drivers, firmware e etc.

    melhorar o desempenComo melhorar o desempenho do Ubuntu? NeteXt’73ho do ubuntu

    Esse utilitário é na verdade uma coleção de patchs (correções) feitas no mais recente kernel Linux liberado, para melhorar o desempenho e o gerenciamento de energia. Vale lembrar que os pacotes também incluem ferramentas de benchmarking, para medir as melhorias.

    As otimizações são em torno do CPU microcode (microcódigo para os processadores Intel e AMD64), Linux Firmware package (firmware para os drivers do kernel do Linux ) e Advanced Power Management (gerenciamento avançado de energia).

    O pacote oferece uma interface gráfica para ajustar vários parâmetros, bem como para definir as suas próprias preferências para esses componentes e o kernel.

    As modificações foram testadas com o famoso Phoronix Test Suite e tem demonstrado um desempenho e economia de energia melhor do que o alcançado no uso do kernel padrão.

    NeteXt’73 dá ao usuário diversas ferramentas com as quais é possível melhorar o Ubuntu e derivados a partir de drivers de código aberto e proprietários para placas gráficas AMD, Nvidia e Intel.

    Com um simples clique, é possível instalar o Linux Firmware atualizado para incluir script APM, manipular o bootloader GRUB, testar o desempenho do sistema operacional, mexer no software instalado e etc.

    Também é possível instalar um Kernel Linux otimizado para o processador usado, instalar patch dedicado para torná-lo mais eficiente e ágil no sistema operacional (uma opção que aliás, é paga e custa U$$ 15).

    Infelizmente para alguns usuários, o programa só está disponível para sistemas de 64 bits

    Conheça melhor o NeteXt’73

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como melhorar o desempenho do Ubuntu e seus derivados com NeteXt’73

    Para melhorar o desempenho do Ubuntu e seus derivados com NeteXt’73, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

    sudo add-apt-repository ppa:netext/netext73

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install netext73 -y

    Como instalar o NeteXt’73 manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Usando o NeteXt’73

    Para usar o NeteXt’73, faça o seguinte:
    Passo 1. Inicie o programa, digitando netext no Dash ou em um terminal, seguido da tecla TAB.
    Passo 2. Com programa na tela, clique na opção “The first installation”. Quando aparecer uma pequena janela, marque as opções que deseja atualizar e em seguida, clique no no botão “OK”;

    Como melhorar o desempenho do Ubuntu? NeteXt’73

    Passo 3. Dependendo do que você escolheu, serão feitas algumas confirmações através de pequenas telas ou do terminal;

    Como melhorar o desempenho do Ubuntu? NeteXt’73

    Como melhorar o desempenho do Ubuntu? NeteXt’73

    Como melhorar o desempenho do Ubuntu? NeteXt’73

    Para mais detalhes, assista o vídeo abaixo:

    Pronto! Essa primeira opção já fornece boa parte do que é preciso para deixar o Ubuntu com um desempenho e economia de energia melhor.

    As opções restantes, devem ser exploradas com calma e individualmente, para que você possa avaliar melhor as consequências do uso de cada uma.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Recuperando o boot do Linux (Grub), depois de instalar o Windows

    Recuperando o boot do Linux (Grub), depois de instalar o Windows

    Se você tinha o Windows e o Linux instalados em dual boot no seu PC, depois instalou uma nova versão desse sistema e agora o computador vai direto para ela e não mostra mais o menu do Grub para escolher qual sistema inicializar, não se preocupe, siga esse pequeno tutorial e faça tudo voltar ao normal.


    Esse tipo de problema também acontece quando fazemos a instalação dos dois sistemas pela primeira vez e deixamos o Windows por último – quanto o correto é instalar o Linux por último, para que ele gerencie o boot com o Grub. De qualquer forma, nas duas situações, a solução é a mesma. Acompanhe.

    Recuperando o boot do Linux (Grub), depois de instalar o Windows

    Antes de começar, saiba que alguns comandos precisam ser ajustados para o seus sistema e que este procedimento “pode” não funcionar em dispositivos com UEFI.

    Para fazer o procedimento você precisará do Live CD do Ubuntu, que será usado para restaurar o Grub. Ao fazer isso, você estará Recuperando o boot do Linux e então já poderá usar o PC normalmente.

    Conheça melhor o Grub

    Para saber mais sobre o Grub, clique nesse link.

    Recuperando o boot do Linux depois de instalar o Windows usando o disco do Ubuntu

    Para recuperar o boot do Linux depois de instalar o Windows usando o disco do Ubuntu, faça o seguinte:
    Passo 1. Ligue o computador e rapidamente insira o CD de instalação do Ubuntu na unidade;
    Passo 2. Quando aparecer a tela “Bem-vindo” do CD de instalação, selecione a língua “Português do Brasil” e em seguida, clique na opção “Experimentar o Ubuntu”;

    Recuperando o boot do Linux (Grub), depois de instalar o Windows

    Passo 3. Depois que o computador inicializar o Ubuntu completamente, abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 4. Quando a tela do terminal abrir, digite o seguinte código:

    sudo fdisk -l

    Passo 5. Esse comando exibirá todas as partições que existem no seu computador. Normalmente, a partição que contém o Ubuntu (e qualquer outro Linux) é exibida com o nome “Linux” no final da linha;

    Recuperando o boot do Linux (Grub), depois de instalar o Windows

    Passo 6. Depois de descobrir em qual partição está o Linux, digite o comando abaixo. Observe que o parâmetro nomedaparticao deve ser substituído pelo nome da partição que está com o Linux instalado, que no caso desse exemplo, é /dev/sda1:

    sudo mount nomedaparticao /mnt

    Passo 7. Depois que a partição já estiver montada, digite o comando abaixo. Atente para o fato que o /dev/sda é o disco que está sendo usado para dar boot no PC e que essa informação está no inicio da saída do comando fdisk -l, conforme mostra a imagem do quinto passo:

    sudo grub-install --root-directory=/mnt /dev/sda

    Passo 8. Reinicie o computador usando a opção correspondente no ambiente gráfico do atual sistema e quando for solicitado, retire o disco da unidade.

    Recuperando o boot do Linux (Grub), depois de instalar o Windows

    Recuperando o boot do Linux depois de instalar o Windows usando o disco do SystemRescueCd

    Abaixo, você verá uma dica do Morvam em que ele mostra como fazer para recuperar o boot do Linux depois de instalar o Windows usando o disco do SystemRescueCd.
    Primeiramente, baixe a imagem ISO do sistema e grave em uma mídia ótica ou pendrive. Para isso, consulte esse artigo:
    Conhecendo distribuições interessantes que podem ser úteis – SystemRescueCD

    Passo 1. Ligue o computador e rapidamente insira o CD do SystemRescueCd na unidade;
    Passo 2. Se necessário, pressione a tecla de seleção para selecionar a mídia do SystemRescueCd.
    Passo 3. Aguarde até que o sistema seja carregado;
    Passo 4. No menu do SysRescCD, escolha a opção “Ferramentas do CD” ou similar (em inglês);
    Passo 5. Escolha o SGD (Super Grub Disk) e execute-o. Ele vai localizar um grub.cfg na sua máquina e vai permitir que você rode o Linux a partir de lá.
    Passo 6. Depois de entrar no ambiente Linux, execute o comando abaixo para saber onde está o seu sistema Linux. Como foi dito antes, esse comando exibirá todas as partições que existem no seu computador. Normalmente, a partição que contém o Ubuntu (e qualquer outro Linux) é exibida com o nome “Linux” no final da linha;

    sudo fdisk -l

    Passo 7. Execute o comando abaixo para instalar o Grub (lembre-se de subistituir /dev/sdx pela partição ou disco identificado no paso 6.

    grub-install /dev/sdx

    Feito isso, tudo voltará ao normal e você terá o sistema de inicialização que tinha antes de reinstalar o Windows.

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como usar scanner de multifuncional HP no Ubuntu

    Como usar scanner de multifuncional HP no Ubuntu

    Se você possui um scanner ou uma impressora multifuncional com essa funcionalidade, veja aqui como usar scanner de multifuncional HP no Ubuntu.


    Apesar desse tutorial ser focado na impressora multifuncional HP Deskjet F2050, ele pode funcionar com boa parte dos scanners e multifuncionais que existem atualmente. Isso porque a maioria deles podem ser acessados usando o programa XSane.

    Como usar scanner de multifuncional HP no Ubuntu

    No ubuntu, por padrão você pode usar o aplicativo Digitalizador Simples para escanear documentos. O aplicativo é prático, intuitivo e muito fácil de usar. Contudo, ele pode ser um pouco limitado nas opções de digitalização e outros recursos.

    Como usar scanner de multifuncional HP no Ubuntu

    Por baixo do capô do Digitalizador Simples está o Sane, XSane e diversas outras ferramentas que tornam possível digitalizar documentos no Linux sem complicações.

    XSane é uma aplicação que serve para controlar um scanner e adquirir imagens através dele. Com ele você pode facilmente escanear e copiar documentos e de pois salvá-los, enviar por fax ou e-mail.

    Ele também pode salvar seus scans como documentos de múltiplas páginas, em vez de documentos de páginas únicas. O XSane também pode ser usado diretamente no GIMP e outros programas que suportam o recurso.

    Conheça melhor o Xsane

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
    Para saber se seu scanner é compatível com o programa, acesse esse link:

    Atualizando o HPlip

    Para usar scanner de multifuncional HP no Ubuntu e seus derivados, primeiramente você deve atualizar o software HPlip, responsável pelo suporte a equipamento da HP no Linux. Para isso, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Atualize o APT para receber as informações sobre os últimos pacotes, usando esse comando (opcional, mas importante):

    sudo apt-get update

    Passo 3. Agora baixe as últimas atualizações com esse comando (opcional, mas importante):

    sudo apt-get upgrade -y

    Passo 4. Para um suporte completo, instale os pacotes HPlib, usando este comando (opcional):

    sudo apt-get install hplib* -y

    Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install xsane -y

    Se você quiser usar a versão mais recente do HPlip, consulte esse tutorial:
    Drivers da HP: Instale ou atualize o HPLIP no Linux

    Como usar scanner de multifuncional HP no Ubuntu.

    Para usar scanner de multifuncional HP no Ubuntu. e seus derivados, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Inicie o programa digitando xsane no Dash ou em um terminal (seguido da tecla tab);
    Passo 2. Na tela do Xsane, escolha os parâmetros que influenciam a captura (modo de digitalização, cor, resolução e outros) e no final, clique no botão “Digitalizar”;

    Como usar scanner de multifuncional HP no Ubuntu

    Passo 8. Aguarde mas um pouco e a imagem será exibida em uma nova janela. Nessa janela, você pode usar os botões para mudar a posição, inverter e fazer várias outras tarefas na imagem. Cada botão é bem claro sobre sua função, o que torna muito fácil usar a janela. Quando terminar, clique no ícone do disquete para salvar a imagem.

    Como usar scanner de multifuncional HP no Ubuntu

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o tema Aurora no Ubuntu

    Como instalar o tema Aurora no Ubuntu

    Que tal dar uma melhorada no visual do ambiente Gnome Shell ou Cinnamon (e Unity)? Para conseguir isso, uma boa pedida é usar o tema Aurora. Conheça um pouco mais sobre ele e veja com instalar.


    Como você já deve ter notado, atualmente não há muitos temas para o Gnome Shell. Isso acontece por causa do desenvolvimento do ambiente, que é muito rápido. Felizmente, ainda tem algumas pessoas que estão trabalhando nos bastidores para trazer temas para tornar a experiência do usuário muito melhor com o Gnome Shell.

    Como instalar o tema Aurora no Ubuntu

    Um bom exemplo disso é o tema Aurora, que é um tema de cor acinzentada. Existem três versões do tema de Aurora para para suportar Gtk e as versões 3.12/3.14/3.16 (ou superior) do Gnome Shell. Este pacote funciona perfeitamente sob Gnome Shell e Cinnamon. Mas a boa noticia é que agora ele também é compatível com o ambiente Unity.

    Como instalar o tema Aurora no Ubuntu

    Como instalar o tema Aurora no Ubuntu

    Como instalar o tema Aurora no Ubuntu

    Como instalar o tema Aurora no Ubuntu

    Conheça melhor o tema Aurora

    Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

    Instalando o tema Aurora no Ubuntu e derivados

    Para instalar o tema Aurora no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:noobslab/themes

    Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Finalmente, instale o tema Aurora usando o seguinte comando:

    sudo apt-get install next-aurora-gtk

    Como instalar o tema Aurora manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome aurora.deb:

    wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/themes/+files/next-aurora-gtk_15.10-2~xenial~NoobsLab.com_all.deb -O aurora.deb

    Passo 3. Agora instale o tema com o comando:

    sudo dpkg -i aurora.deb

    Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

    sudo apt-get install -f

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Desinstalando o tema Aurora no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o tema Aurora no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o tema Aurora, usando o comando abaixo;

    sudo apt-get remove next-aurora-gtk

    Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

    Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    22 de junho de 2017

    Como instalar o reprodutor ExMplayer no Ubuntu e derivados

    Como instalar o ExMplayer no Ubuntu e derivados

    Quer usar um reprodutor poderoso, para poder assistir seus filmes e ouvir suas musicas com mais tranquilidade? Então conheça e veja como instalar o ExMplayer no Ubuntu e sistemas derivados.


    ExMplayer significa “MPlayer Extendido”, ou seja, ele é o MPlayer com algumas funcionalidades as mais. Este reprodutor foi construído com 203 codecs de áudio e 421 codecs de vídeo, o que significa que não há necessidade de instalar codecs adicionalmente, pois ele reproduz a maioria dos formatos, o que o torna muito útil e perfeito para usar em seu desktop.

    Como instalar o ExMplayer no Ubuntu e derivados

    Ele também suporta streaming de rede e outros tipos de áudio, formatos de vídeo como: dvd (. VOB), VCD (.. Mpg, dat) e assim por diante … Também há suporte para legendas e biblioteca ass usados ​​para decodificar as legendas.

    Outra grande característica deste Player: você pode aumentar o volume até 5000%, o que significa que se um vídeo tem volume baixo, ele facilmente resolve isso.

    Ele pode fazer a conversão para mais de dez tipos diferentes de arquivos de áudio. Ele também pode extrair de áudio de qualquer vídeo, inclusive extraindo áudio de alta qualidade, e por fim, ele poder ser usado para cortar arquivos de mídia.

    O ExMplayer também oferece recurso de vídeo 3D, o que faz com que ele seja único. Coloque seus óculos 3D e ative o 3D usando o botão 3D ou o menu do programa. Menu 3D é um menu completo que irá cumprir todas as suas necessidades em 3D.

    E se você não tem óculos 3D, então esse reprodutor pode converter o filme em 3D para 2D, para que você assistir o vídeo como visão normal, tudo isso com apenas um clique. Formatos 3D suportados: Side-by-Side, Side-by-Side Half size, Above-Below, Above-Below Half size

    Conheças algumas características do programa:

    • Suporte para reprodução de vídeo 3D;
    • Volume reforço;
    • Seekview;
    • Extrator de áudio;
    • Conversor de áudio;
    • Equalizador com 10 bandas de áudio;
    • Vídeo equalizador;
    • Suporta plugins Winamp DSP;
    • 8 filtros de efeitos de áudio;
    • 17 filtros de efeitos de vídeo;
    • Atalhos de teclado e do mouse configuráveis;
    • 199 codecs de áudio e 416 de vídeo;
    • Flow browser;
    • Cortador/mixer de Mídia.

    Veja algumas imagens do programa:

    Como instalar o ExMplayer no Ubuntu e derivados

    Como instalar o ExMplayer no Ubuntu e derivados

    Como instalar o ExMplayer no Ubuntu e derivados

    Conheça melhor o ExMplayer

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Instalando o ExMplayer no Ubuntu e derivados

    Para instalar o ExMplayer no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Se não estiver aberto, execute um terminal usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T;
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:exmplayer-dev/exmplayer

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando abaixo:

    sudo apt-get install exmplayer

    Como instalar o programa manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite exmplayer no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o ExMplayer no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o ExMplayer no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:exmplayer-dev/exmplayer --remove
    sudo apt-get remove exmplayer
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como se conectar a uma VPN Global Protector no Linux

    Como se conectar a uma VPN Global Protector no Linux

    Se você trabalha remotamente e não consegue acessar a VPN porque a empresa usa GlobalProtect, veja como se conectar a uma VPN Global Protector no Linux.


    Quem precisa se conectar a uma rede remota usando a tecnologia GlobalProtect da PaloAlto, logo descobre que a empresa não fornece nenhum cliente para o linux.

    Como se conectar a uma VPN Global Protector no Linux

    Como se conectar a uma VPN Global Protector no Linux

    Na verdade, você até pode se conectar usando essa tecnologia no linux, mas precisará da cooperação da equipe de TI da rede remota, o que nem sempre é possível.

    Felizmente, David Šmíd adicionou o suporte a essa tecnologia no cliente OpenConnect e disponibilizou um repositório para quem quiser instalar.

    Conheça melhor o cliente OpenConnect com suporte a GlobalProtect VPN

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como se conectar a uma VPN Global Protector no Linux

    Para se conectar a uma VPN Global Protector no Linux, você precisará instalar o OpenConnect com suporte a essa VPN. Essa é uma versão modificada do fantástico cliente open-source VPN OpenConnect que suporta a PAN GlobalProtect VPN em seus modos nativos (SSL e ESP), e pode ser usada sem a necessidade da assistência ou cooperação dos administradores da VPN.

    Primeiramente, veja abaixo como instalar o aplicativo.

    Como instalar o cliente OpenConnect com suporte a GlobalProtect VPN

    Para instalar o cliente OpenConnect com suporte a GlobalProtect VPN no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:lenski/openconnect-gp

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install openconnect

    Como instalar o cliente OpenConnect com suporte a GlobalProtect VPN manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Ou você pode seguir as instruções de compilação do programa que ficam nesse link no item “Installation”.

    Mas lembre-se! Ao optar por esses tipos de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Como usar o cliente OpenConnect para se conectar a uma VPN Global Protector no Linux

    Para conectar, abra um terminal e use o seguinte comando e tecle enter (lembre-se de ajustar o nome do domínio e o seu id ou e-mail):

    sudo openconnect --protocol=gp nome.dominio.com -u id-email

    Segue um exemplo prático:

    sudo openconnect --protocol=gp vpnpub.microsoft.com -u edivaldo@microsoft.com

    Digite a senha de administrador e tecle enter. Em seguida, digite a senha de seu acesso na VPN.

    Desinstalando o cliente OpenConnect com suporte a GlobalProtect VPN no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o cliente OpenConnect com suporte a GlobalProtect VPN no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:lenski/openconnect-gp --remove
    sudo apt-get remove openconnect
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu

    Como instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu

    Se você usa o sistema da Canonical e não conseguiu instalar o Shotcut seguindo as instruções desse tutorial, veja como instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e sistemas derivados.


    Shotcut é um editor de vídeos multiplataforma e de código aberto, que tem abundância de recursos, incluindo suporte a 4K Ultra HD TV.

    Como instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu

    O programa é fácil de usar e oferece toneladas de funções e recursos para editar/gerenciar os seus vídeos com apenas alguns cliques do mouse.

    Nele você pode facilmente analisar o vídeo quadro a quadro, ajustar todos os aspectos do vídeo e muitas outras tarefas de edição complexas.

    O programa pode trabalhar com uma grande quantidade de formatos de áudio e vídeo e codecs como AVI, M4A, MXF, VOB, FLV, MP4, M2T, MPG, MOV, OGG, WEBM, e outros. Além disso, ele também suporta muitos formatos de imagem como BMP, GIF, JPEG, PNG, SVG, TGA, TIFF, bem como sequências de imagens.

    Conheça melhor o editor de vídeos Shotcut

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:haraldhv/shotcut

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install shotcut

    Como instalar a versão mais recente do editor de vídeos Shotcut Ubuntu e seus derivados via Snap

    Para instalar a versão mais recente do editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e seus derivados via Snap, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se for essa for a primeira vez que instala um aplicativo usando o pacote SNAP, antes você pode precisa instalar o snapd com esse comando;

    sudo apt install snapd

    Passo 3. Instale a versão mais recente do editor de vídeos Shotcut no Ubuntu via SNAP, usando esse comando:

    sudo snap install shotcut --classic

    Passo 4. Mais tarde, quando uma nova versão for lançada, atualize o atalho usando o seguinte comando:

    sudo snap refresh shotcut --classic

    Passo 5. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

    sudo snap remove shotcut

    Observe que o pacote snap do Shotcut não inclui um arquivo de lançado (.desktop), ou pelo menos, seu nome não aparece no menu ou Dash do Ubuntu. Para executá-lo, abra um terminal ou pressione ALT + F2 e digite “shotcut” (sem as aspas).

    Para adicionar o Shotcut ao menu, você pode usar uma ferramenta como o MenuLibre, que está disponível nos repositórios do Ubuntu.

    Como instalar o editor de vídeos Shotcut manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Se quiser instalar manualmente em qualquer distribuição, veja esse outro tutorial:
    Como instalar o editor de vídeo Shotcut no Linux manualmente

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite shotcut no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o editor de vídeos Shotcut no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:haraldhv/shotcut --remove
    sudo apt-get remove shotcut
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar o navegador Pale Moon no Ubuntu, Debian e derivados

    Como instalar o navegador Pale Moon no Ubuntu e derivados

    Não quer ficar instalando o Pale Moon manualmente? Então veja como instalar o navegador Pale Moon no Ubuntu, Debian e derivados.


    Pale Moon é um navegador web gratuito e de código aberto, baseado no Mozilla Firefox, disponível para Linux, Windows e Android e foco na eficiência e facilidade de uso. Por causa disso, ele é até 25% mais rápido do que o original.

    Como instalar o navegador Pale Moon no Ubuntu

    Também vale a pena mencionar, que devido ao fato do Pale Moon não ser afiliado a Mozilla, ele não adotou a interface Australis e manteve uma aparência inspirada na interface do Firefox clássico.

    Além disso, o suporte para DRM não foi adicionado por padrão, mas os usuários têm a possibilidade de fazer isso, através de plugins de terceiros.

    Conheça melhor o Pale Moon

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
    Para saber mais sobre a última versão, acesse a nota de lançamento.

    Como instalar o navegador Pale Moon no Ubuntu, Debian e seus derivados

    Não há atualmente nenhum repositório oficial do Pale Moon para o Ubuntu ou Debian, e seu PPA oficial não é mais mantido. No entanto, podemos instalá-lo a partir de um repositório de terceiros hospedado em download.opensuse.org.

    Portanto, para instalar o navegador Pale Moon no Ubuntu, Debian e derivados, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. B com este comando;
    Passo 3. Se você estiver usando o Ubuntu 14.04, 16.04, 16.10 ou 17.04, baixe a chave do repositório e adicione o repositório do programa com o comando abaixo;

    wget -q http://download.opensuse.org/repositories/home:stevenpusser/xUbuntu_$(lsb_release -rs)/Release.key -O- | sudo apt-key add -
    sudo sh -c "echo 'deb http://download.opensuse.org/repositories/home:/stevenpusser/xUbuntu_$(lsb_release -rs)/ /' >> /etc/apt/sources.list.d/palemoon.list"

    Passo 4. Se você estiver usando o Debian 7.x, baixe a chave do repositório e adicione o repositório do programa com o comando abaixo;

    wget -q http://download.opensuse.org/repositories/home:/stevenpusser/Debian_7.0/Release.key -O- | sudo apt-key add -
    sudo sh -c "echo 'deb http://download.opensuse.org/repositories/home:/stevenpusser/Debian_7.0/ /' >> /etc/apt/sources.list.d/palemoon.list"

    Passo 5. Se você estiver usando o Debian 8.x, baixe a chave do repositório e adicione o repositório do programa com o comando abaixo;

    wget -q http://download.opensuse.org/repositories/home:/stevenpusser/Debian_8.0/Release.key -O- | sudo apt-key add -
    sudo sh -c "echo 'deb http://download.opensuse.org/repositories/home:/stevenpusser/Debian_8.0/ /' >> /etc/apt/sources.list.d/palemoon.list"

    Passo 6. Se você estiver usando o Debian 9.x, baixe a chave do repositório e adicione o repositório do programa com o comando abaixo;

    wget -q http://download.opensuse.org/repositories/home:/stevenpusser/Debian_8.0/Release.key -O- | sudo apt-key add -
    sudo sh -c "echo 'deb http://download.opensuse.org/repositories/home:/stevenpusser/Debian_9.0/ /' >> /etc/apt/sources.list.d/palemoon.list"

    Passo 7. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 8. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install palemoon

    Como instalar o programa manualmente ou em outras distros

    Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Para realmente instalar manualmente e em qualquer distribuição Linux, use este tutorial:
    Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente

    Se você quiser instalar o Pale Moon usando o instalador oficial do projeto, veja esse outro tutorial:
    Firefox otimizado: Instale o navegador Pale Moon no Linux

    Mas lembre-se! Ao optar por esses tipos de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite pale no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

    Como deixar o Pale Moon em português do Brasil

    Por padrão, esse navegador vem com a interface toda em inglês do Estados Unidos, por isso, para deixar o Pale Moon em português do Brasil, você deve fazer o seguinte:

    Passo 1. Execute o Pale Moon e acesse esse link. Quando aparecer uma tela solicitando a instalação do pacote de linguagem, clique no botão “Install Now” e aguarde finalizar a instalação;

    Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente

    Passo 2. Depois que terminar a instalação, clique dentro da caixa de endereço do Pale Moon, digite o comando “about:config” (sem as aspas) e pressione a tecla enter;

    Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente

    Passo 3. Na tela que será exibida, clique dentro da caixa do campo “Search” e digite “general.useragent.locale” (também sem as aspas);

    Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente

    Passo 4. A seguir, dê um clique duplo sobre o valor “en-US”. Na tela janela que aparece, substitua “en-US” por “pt-BR” (sem as aspas) e clique no botão “OK”;

    Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente

    Passo 5. Feche o navegador e quando você iniciar ele novamente, sua interface já estará em português do Brasil.

    Desinstalando o navegador Pale Moon no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o navegador Pale Moon no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove palemoon
    sudo apt-get autoremove

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Animações no Linux – conheça e instale o Synfig Studio

    Quer criar animações no Linux? Então conheça e veja como instalar o Synfig Studio e comece a criar animação vetorial 2D.


    Para aqueles que não conhecem Synfig Studio é um software de animação 2D livre e de código aberto, projetado como uma poderosa solução para criar animação de qualidade cinematográfica usando trabalho artístico em vetor e mapa de bits.

    Animações no Linux - conheça e instale o Synfig Studio

    Ele elimina a necessidade de criar animação quadro a quadro, permitindo produzir animação 2D de alta qualidade com poucas pessoas e recursos. Synfig Studio é um aplicativo multiplataforma, e por isso, está disponível para Windows, Linux e OS X.

    Entre as principais características do Synfig Studio estão a capacidade de criar vários conjuntos de quadros para criar um movimento simulado (característica chamada técnica de interpolação), além de ferramentas úteis para inserir recursos tais como sombras, lidar com a opacidade, adicionar efeitos em tempo real e etc.

    Animações no Linux - conheça e instale o Synfig Studio

    Ao alcançar a versão 1.0, o Synfig Studio abandonou o layout mais no estilo GIMP, e agora vem com uma interface de usuário completamente revisada com janela única, baseada em GTK+3.

    Essa versão melhorou as várias ferramentas e adicionou novos recursos. Ela permite aplicar deformações complexas para gráficos de bitmap usando o novo nível de distorção do esqueleto.

    Novas ferramentas não destrutivas de recorte, efeitos de fricção, suporte inicial para full frame-by-frame animação bitmap e a adição de uma camada de som para sincronizar a linha do tempo da animação com uma trilha sonora, poderão ajudar a desbloquear a criatividade dos animadores de código aberto.

    Com certeza o programa é uma ótima ferramenta para criar animações no Linux. Contudo, embora as melhorias presentes nesta última versão possa ajudar a convencer alguns animadores a experimentarem o software, o Synfig Studio não é uma ferramenta adequada para todos. Mas vale a pena dar uma olhada.

    Conheça melhor o Synfig Studio

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Conheça melhor o Synfig Studio assistindo esse vídeo:

    No vídeo abaixo, você verá um trabalho feito com a ferramenta:

    Como instalar o Synfig Studio para criar animações no Linux (versão estável)

    Para instalar o Synfig Studio e usá-lo para criar animações no Linux, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m

    Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome synfigstudio.appimage:

    wget https://ufpr.dl.sourceforge.net/project/synfig/releases/1.2.0/linux/synfigstudio-1.2.0-32bit.appimage -O synfigstudio.appimage

    Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome synfigstudio.appimage:

    wget https://ufpr.dl.sourceforge.net/project/synfig/releases/1.2.0/linux/synfigstudio-1.2.0-64bit.appimage -O synfigstudio.appimage

    Passo 5. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

    chmod +x synfigstudio.appimageb

    Passo 6. Agora instale o programa com o comando;

    ./synfigstudio.appimage

    Passo 5. Na janela que será exibida, clique no botão “Yes” e aguarde o final da instalação;

    Animações no Linux - conheça e instale o Synfig Studio

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite synfigstudio no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB) e comece a criar suas animações no Linux!

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Instalando os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu

    Instalando os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu

    Em um esforço para tornar mais fácil a instalação dos mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu, foi lançado um novo PPA oficial chamado Graphics Drivers Team. Saiba mais um pouco sobre ele e como ficará com a chegada dele.


    Nos últimos anos temos visto uma melhoria significativa no suporte a hardware no Linux, em parte, principalmente graças à chegada da plataforma Steam ao sistema.

    Instalando os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu

    Por conta disso, drivers proprietários para placas gráficas NVIDIA e AMD têm feito grandes progressos nos últimos anos, proporcionando uma performance gráfica em Linux muito semelhante (se não superior) ao que ocorre no Microsoft Windows.

    No Ubuntu você pode facilmente instalar drivers proprietários para placas gráficos da Nvidia e AMD diretamente a partir das configurações do sistema ou seguindo os tutoriais postados aqui do Blog:

    Como instalar um driver Nvidia e outros assuntos relacionados

    Agora, para os usuários que gostam de ter os últimos drivers drivers de GPU proprietárias, foi lançado um PPA oficial chamado Graphics Drivers Team, que pretende tornar mais fácil a instalação dos mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu.

    O novo PPA permite ter os drivers proprietários sempre atualizados, simplesmente atualizando a distribuição. Atualmente, o PPA ainda está em testes e fornece apenas drivers da Nvidia e ainda não está claro se ele irá incluir outros pacotes como drivers de AMD e etc, apesar desse ser o próximo passo lógico.

    Até a publicação desse artigo, o PPA fornece a versão mais recente do driver estável da Nvidia, bem como o mais recente beta, juntamente com libvdpau e vdpauinfo, para o Ubuntu 14.04, 15.04, 15.10,16.04 e 16.10, com mais alguns pacotes antigos (Nvidia 346.87) para o Ubuntu 12.04.

    Conheça melhor o PPA Graphics Drivers Team

    Para saber mais sobre esse repositório, clique nesse link.

    Como adicionar e usar o novo PPA com os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu e seus derivados

    Para adicionar e usar o novo PPA com os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu e seus derivados, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial.

    sudo add-apt-repository ppa:graphics-drivers/ppa

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get upgrade

    Pronto! Depois de adicionar este repositório, se quiser ver os novos drivers, eles estarão disponíveis no programa de instalação de drivers adicionais do sistema.

    Como selecionar o mais recente driver gráfico proprietário no Ubuntu

    Para selecionar o mais recente driver gráfico proprietário no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra a “Configurações do sistema”, clicando no ícone dele no lançado do Unity ou a partir do menu do painel;

    Instalando os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu

    Passo 2. Em “Configurações do sistema”, clique no item “Programas e atualizações”;

    Instalando os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu

    Passo 3. Dentro de “Programas e atualizações”, clique na aba “Drivers adicionais”. Escolha o driver que for mais adequado, confirme e siga as instruções do sistema;

    Instalando os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu

    Desinstalando o PPA Graphics Drivers no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o PPA Graphics Drivers no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o PPA Graphics Drivers, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:graphics-drivers/ppa -r
    sudo apt-get update
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como instalar a versão mais recente do Media Center Kodi no Ubuntu

    Como instalar o Media Center Kodi no Ubuntu

    Já conhece o Kodi? Um multimídia player e central de mídia que anteriormente era conhecido como o XBMC. Se você quiser experimentar a versão, veja aqui como instalar a versão mais recente do Kodi Media Center no Ubuntu.


    Kodi é um novo nome para o projeto XBMC. Atualmente Kodi pode ser usado para reproduzir quase todos os formatos populares de áudio e vídeo.

    Como instalar o Media Center Kodi no Ubuntu

    Ele foi projetado para a reprodução de rede, para que você possa transmitir o seu conteúdo multimídia a partir de qualquer lugar da casa ou diretamente da internet, usando praticamente qualquer protocolo disponível.

    Com o Media Center Kodi você Utiliza a mídia como ela está, pois ele pode reproduzir CDs e DVDs diretamente do arquivo de disco ou de uma imagem, e suporta quase todos os formatos populares de arquivo do seu disco rígido, ele pode até mesmo reproduzir arquivos dentro de arquivos ZIP e RAR.

    O programa pode digitalizar todas as suas mídias e criar automaticamente uma biblioteca personalizada completa com tampas de caixas (box covers), descrições e fanart.

    Há funções de lista de reprodução e apresentação de slides, um recurso de previsão de tempo e muitas visualizações de áudio. Uma vez instalado, o computador se tornará um jukebox multimídia totalmente funcional.

    Sua interface gráfica com o usuário (GUI) permite que o usuário navegue facilmente e veja vídeos, fotos, podcasts e música de um disco rígido, disco óptico, rede local e internet usando apenas alguns botões.

    Kodi também está disponível para Android.

    Como instalar o Media Center Kodi no Ubuntu

    Como instalar o Media Center Kodi no Ubuntu

    O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

    Novidades do Media Center ​​Kodi 17.3

    ​​Kodi 17.3 é uma pequena atualização que entrega algumas correções de bugs e de segurança, como o problema do bloqueio em distros mais antigos, como o Ubuntu 14.04 com o compilador GCC 4.8 e o problema devido ao empacotamento de alguns complementos binários como o PVR.

    Para ver todas as novidades, consulte a nota de lançamento.

    Conheça melhor o Media Center Kodi

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o Media Center Kodi no Ubuntu e seus derivados

    Para instalar o Media Center Kodi no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:team-xbmc/ppa

    Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

    sudo apt-get install kodi 

    Passo 5. Se quiser, você também pode instalar o encoder e addons através do comando;

    sudo apt-get install --install-suggests kodi

    Para instalar complementos (tais como PVR) disponíveis para Kodi, use o comando de instalação sudo apt-get, seguido do nome do pacote (que estão listados abaixo):

    Nome do Pacote PVR Descrição
    Kodi-pvr-dev Kodi Media Center (pacote de desenvolvedores adicionais PVR)
    Kodi-pvr-argustv Kodi PVR Addon Argustv
    Kodi-pvr-demo Kodi PVR Demo Addon
    Kodi-pvr-dvbviewer Kodi PVR Addon Dvbviewer
    Kodi-pvr-iptvsimple Kodi PVR Iptv Addon
    Kodi-pvr-mediaportal-tvserver Kodi PVR Addon Mediaportal Tvserver
    Kodi-pvr-mythtv Kodi PVR Adicionar MythTv – Cmyth
    Kodi-pvr-nextpvr Kodi PVR Addon NextPvr
    Kodi-pvr-njoy Kodi PVR Addon Njoy
    Kodi-pvr-tvheadend-hts Kodi PVR Addon TvHeadend Hts
    Kodi-pvr-vdr-vnsi Kodi PVR Addon VDR Vnsi
    Kodi-pvr-vuplus Kodi PVR Addon Vuplus
    Kodi-pvr-dvblink DVBLink PVR
    Kodi-pvr-filmon FilmOn PVR
    Kodi-pvr-hts TVHeadEnd PVR
    Kodi-pvr-pctv PCTV PVR
    Kodi-pvr-stalker Stalker PVR
    Kodi-pvr-vbox VBox Home TV Gateway PVR cliente
    Kodi-pvr-wmc WMC PVR
    Shairplay Implementação gratuita do servidor portátil AirPlay

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o Kodi no Ubuntu, digite kodi no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB).

    Desinstalando o Media Center Kodi no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o Media Center Kodi no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o Kodi no Ubuntu, usando os comandos abaixo;

    sudo apt-get remove kodi
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

    Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

    Baixou uma imagem ISO do Ubuntu e quer colocar o conteúdo dela em um pendrive? Então veja aqui como criar um pendrive de instalação.


    Ter uma distribuição Linux num pendrive é um recurso interessante para quem vive mexendo em outros computadores. Além da grande portabilidade proporcionada e da praticidade da mídia, está cada vez mais fácil usar pendrive para iniciar um sistema.

    Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

    Por isso, nada melhor do que criar um disco de instalação do Ubuntu e depois usá-lo para instalar, consertar sistemas danificados ou infectados, ou simplesmente testar o sistema e suas futuras versões.

    Para fazer essa tarefa, será usado o Criador de discos de inicialização ou USB Creator, um aplicativo que é muito fácil de usar, porque funciona como um assistente. Melhor ainda, desde a versão 8.10 do Ubuntu, esse programa já vem pré-instalado no Ubuntu.

    Conheça melhor o USB Creator

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Verifique se a imagem ISO está corrompida

    Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
    Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

    Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

    Para criar um pendrive de instalação do Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Clique no Dash e digite criador. Quando aparecer o ícone do “Criador de discos de inicialização”, clique nele para executá-lo:

    Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

    Passo 2. Dentro do programa, clique no botão “Outro…”. Na tela que aparece, vá para a pasta onde está a imagem ISO e clique nela. Depois, clique no botão “Abrir”;

    Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

    Passo 3. Se o pendrive ainda não estiver formatado ou quiser “limpar” ele, clique no botão “Apagar disco”. Quando solicitado, confirme e informe a autorização necessária para fazer a formatação;

    Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

    Passo 4. Para iniciar a criação do disco, clique no botão “Criar disco de inicialização”;

    Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

    Passo 5. Aguarde. Quando finalizar, você já pode ejetar o pendrive e então usá-lo a vontade.

    Como criar um pendrive de instalação do Ubuntu

    Como gravar uma imagem ISO no Linux

    Essa ferramenta também pode ser usada para criar mídias inicializáveis de outras distribuições. E se ele não servir para a que você precisa, experimente esse outros tutoriais:

    Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
    Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
    Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
    Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Gravação e edição de áudio – Instale Audacity no Ubuntu e derivados

    Gravação e edição de áudio - Instale Audacity no Ubuntu e derivados

    Se você precisa de uma ferramenta para gravar e editar áudio, aprenda a instalar a versão mais recente do Audacity no Ubuntu e seus derivados.


    Audacity é um gravador de som e editor de áudio multi-track de código aberto. Fácil de usar e multi-plataforma, ele tem versões para Linux, Windows e OS X.

    Gravação e edição de áudio - Instale Audacity no Ubuntu e derivados

    Com ele é possível fazer gravações de áudio ao vivo através do microfone ou mixer, converter fitas e discos em gravações digitais ou CDs, suporte à edição de som (WAV, AIFF, FLAC, MP2, MP3 ou Ogg Vorbis), alterar a velocidade ou o timbre de uma gravação, cortar, copiar, colar ou misturar sons.

    Importe arquivos de som, para editá-los e combiná-los com outros arquivos ou novas gravações. Exporte suas gravações em diversos formatos de arquivo, incluindo vários arquivos de uma só vez.

    O programa também tem a capacidade de capturar streaming de áudio, gerenciar múltiplos dispositivos de entrada e saída. Medidores de nível podem monitorar níveis de volume antes, durante e depois da gravação.

    Novidades do Audacity 2.1.3

    Audacity 2.1.3 traz um novo efeito de Distorção, Ritmo de Rastreamento (foi chamado de Rastreamento de Cliques) e Importação de Dados de Amostra. Agora, os efeitos não ficam mais acinzentados quando em pausa.

    Essa versão também traz uma nova régua de limpeza e opção “fixada” para que a forma de onda se mova e a cabeça de gravação/reprodução permaneça imóvel, além de novos recursos no Timer Record. Tudo isso e mais de 60 bugs corrigidos, incluindo cinco bugs de longa data.

    Conheça melhor o editor de áudio Audacity

    Para saber mais sobre as novidades desse lançamento, clique nesse link.

    Instale Audacity no Ubuntu e derivados

    O editor de áudio Audacity está disponível nos repositórios padrão do Ubuntu e das principais distribuições Linux, mas se você quiser instalar uma versão mais recente do programa ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, siga os procedimentos a abaixo.

    Instalando a versão mais recente do editor de áudio Audacity no Ubuntu e derivados (16.04.1 ou superior)

    Para instalar a versão mais recente do editor de áudio Audacity no Ubuntu e derivados (16.04.1 ou superior), faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:audacity-team/daily

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install audacity

    Instalando o editor de áudio Audacity em versões mais antigas do Ubuntu e derivados (15.10 ou inferior)

    Para instalar o editor de áudio Audacity em versões mais antigas do Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/audacity

    Passo 3. Atualize o APT com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

    sudo apt-get install audacity

    Como instalar o editor de áudio Audacity manualmente ou em outras distros

    Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link (Ubuntu 15.10 ou inferior) ou nesse link (Ubuntu 16.04.1 ou superior), e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

    Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

    Depois de instalado, o programa pode se executando a partir do Dash, digitando: audacity

    Desinstalando o editor de áudio Audacity no Ubuntu e derivados

    Para desinstalar o editor de áudio Audacity no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

    sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/audacity --remove
    sudo apt-get remove audacity
    sudo apt-get autoremove

    Fonte

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Convertendo uma instalação do Ubuntu server para desktop

    Aprenda como gerenciar um Servidor Ubuntu Linux

    Primeiro convertemos uma instalação desktop do Ubuntu em server, agora é hora de fazer o caminho inverso, do Ubuntu server para desktop. A boa noticia é que o processo é bem mais simples, porém, mais demorado.


    Com já foi dito antes, embora falar de Ubuntu “desktop” e “server”, possa fazer parecer que existem duas versões do Ubuntu, isso não é verdade. Basicamente só existe um sistema, só que cada instalação traz aplicativos padrão voltados para o uso em PC´s desktop ou servidor.

    Convertendo uma instalação do Ubuntu server para desktop

    Por conta disso, converter uma instalação do Ubuntu server para desktop é perfeitamente possível. Antes de iniciar a conversão, é importante saber que este não é o procedimento recomendado para instalar um desktop Ubuntu, pois está sujeito a falhas, dependendo do seu hardware.

    Mas se você já tem o Ubuntu server e não irá usá-lo, dá para facilmente transformá-lo em um desktop, seguindo os passos do tutorial abaixo.

    Conheça melhor as versões desktop e server do Ubuntu

    Para saber mais sobre o Ubuntu desktop, clique nesse link.
    Para saber mais sobre o Ubuntu server, clique nesse link.

    Convertendo uma instalação do Ubuntu server para desktop

    Para fazer a conversão, faça o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
    Passo 2. Atualize o Apt com o comando:

    sudo apt-get update

    Passo 3. Inicie a instalação do desktop usando o comando abaixo. Essa etapa pode demorar alguns minutos;

    sudo apt-get install ubuntu-desktop

    Passo 4. Quando terminar o processo, você deverá reiniciar o Ubuntu, usando o comando;

    sudo reboot

    Se você tiver algum problema e o sistema insistir em iniciar em modo texto, dê uma olhada no tutorial abaixo, e desfaça as configurações modificadas nele:

    Como configurar o Ubuntu para inicializar diretamente em modo texto

    Pronto. Agora é só começar a usar.

    Quer administar remotamente? Tente um desses tutoriais:
    Como instalar o Webmin no Ubuntu, Debian e derivados
    Como instalar o Ajenti no Ubuntu, Debian e derivados

    O que está sendo falado no blog nos últimos dias


    Planeta Ubuntu Brasil

    O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


    Última atualização:
    27 de junho de 2017, 17:02
    Horário UTC

    Planet ATOM
    RSS10 RSS20
    OPML FOAF

    Blogs inscritos


    © 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
    Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.