02 de março de 2015

Como instalar o IRPF no Linux

Chegou a hora de acertas as contas com o leão, por isso, se você quer fazer sua declaração do imposto de renda pessoa física no Linux, veja aqui como instalar o programa.
IRPF no Linux
Para fazer sua declaração no Linux é preciso instalar o programa gerador da declaração (IRRF), que está disponível na página da Receita Federal em Versões para vários sistemas. Para instalar o IRPF no Linux, a versão do instalador que será usada nesse tutorial será a binária (.bin), pois com ela é possível instalar em qualquer distribuição Linux.

Preparando o sistema para instalar IRPF no Linux

Um dos pré requisitos para o programa é a instalação do Java mais recente, para isso, veja esse tutorial ou acesse esse link e siga as instruções dele.

Instalando o IRPF no Linux

Para instalar o IRPF no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Baixe o programa do IRPF 2014 para o preenchimento da declaração, com o comando abaixo;

wget -c http://www28.receita.fazenda.gov.br/publico/programas/IRPF/2014/PGDIRPF2014/Java/Linux/IRPF2014Linuxv1.0.bin

Passo 3. Depois de baixado, dê permissão de execução ao programa, com o comando abaixo;

chmod +x IRPF2014Linuxv1.0.bin

Passo 4. Execute o instalador do IRPF dando um duplo clique nele ou usando o comando abaixo;

./IRPF2014Linuxv1.0.bin

Passo 5. Na primeira tela, clique no botão “Sim”;
IRPF no Linux
Passo 6. Na próxima telas, clique no botão “Avançar”;
IRPF no Linux
Passo 7. Agora, clique no botão “Procurar…” para selecionar a pasta onde deseja instalar o programa e depois clique no botão “Avançar”, ou apenas clique no botão “Avançar” (que é o mais recomendado);
IRPF no Linux
Passo 8. Confirme a instalação, clicando no botão “Avançar”;
IRPF no Linux
Passo 9. Na última tela, clique no botão “Concluir”. ;
IRPF no Linux

Depois de instalado, você já pode executá-lo (usando o atalho criado ou indo na pasta criada) e começar a fazer a sua declaração.


O que está sendo falado no blog hoje

This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar ou atualizar para o VLC 2.2.0 no Ubuntu 14.04

Ansioso pelo novo VLC, mas ele não aparece na atual versão LTS Ubuntu? Não se preocupe, siga esse tutorial e instale o VLC 2.2.0 no Ubuntu 14.04.
vlc 2.2.0 no ubuntu 14.04
O VLC 2.2.0 “Weatherwax” traz inúmeras novas funcionalidades, correções de mais de mil erros e melhora no alcance dos formatos suportados. A versão 2.2.0 possui detecção automática da orientação do vídeo, um recurso que permite que você gire os vídeos corretamente (com aceleração de hardware), nos formatos MP4, MOV, MKV e H.264.

VLC agora recomeça a reprodução de onde parou em todas as versões, ele também vem com suporte para Digital Cinema Package e melhorias no vídeo em Ultra HD. A nova versão do VLC melhora o suporte para a reprodução de Blu Ray, incluindo suporte nativo através da nova biblioteca libbdplus.

Com VLC 2.2.0 também estreia o novo gerenciador de plugins e extensões, recursos estes que permitem que você facilmente possa instalar novas funcionalidades e diversos temas para o player multimídia, graças ao suporte do portal addons.videolan.org. Agora, as extensões estão agora disponíveis para download, dentro do aplicativo.

Infelizmente, essa versão do VLC ainda não aparece na atual versão LTS do Ubuntu, por isso, você precisará seguir os passos desse tutorial para poder instalar o VLC 2.2.0 no Ubuntu 14.04.

Conheça melhor o VLC 2.2.0

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais detalhes sobre essa versão, acesse a nota de lançamento.

Como instalar o VLC 2.2.0 no Ubuntu 14.04 e seus derivados

Provavelmente o VLC já está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu 14.10 e 15.04, mas certamente não está na versão 14.04. Por isso, para instalar o VLC 2.2.0 no Ubuntu 14.04 e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:mc3man/trusty-media

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install vlc vlc-plugin-*

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite programa no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o VLC 2.2.0 no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o VLC 2.2.0 no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale o programa ppa-purge, usando o comando abaixo;

sudo apt-get install ppa-purge

Passo 3. Desinstale o repositório e o programa, usando o comando abaixo;

sudo ppa-purge ppa:mc3man/trusty-media

Mais sobre o VLC…

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lançado XFCE 4.12 – conheça as novidades e instale

Compartilhe isso ...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestEmail this to someoneDigg this

Os desenvolvedores do XFCE anunciaram o lançamento da mais recente versão estável de seu ambiente gráfico, o XFCE 4.12. Conheça as novidades e instale.
xfce 4.12
O XFCE é um ambiente de trabalho completo, rápido, leve e que consume poucos recursos do computador, além de possuir uma aparência agradável e ser fácil de usar. A cada versão, esse ambiente está mais bonito e prático.

Agora, finalmente está disponível a nova versão XFCE 4.12, uma atualização que o torna esse popular ambiente desktop de fonte aberto, mais completa, estável e funcional,

Além de inúmeras correções de bugs e otimizações, o novo XFCE 4.12 inclui novidades importantes a partir do gerenciador de janelas xfwm4 (se quiser usar outro gerenciador nesse ambiente, acesse esse link), que agora permite maximizar a janela quando ela é movida para a parte superior da área de trabalho. Outra novidade importante diz respeito ao alternador de aplicações (alt + tab), que inclui uma nova opção que permite ter pré-visualizações de janelas (miniaturas).
XFCE 4.12 - Alt Tab
Entre as novidades do xfce4-settings no XFCE 4.12 encontramos várias melhorias nas configurações da área de trabalho, como a possibilidade de estender a área de trabalho em dois monitores.
XFCE 4.12 - Display Settings
XFCE 4.12 - Xfpm
Essa versão também inclui suporte para definir automaticamente as configurações padrão, quando você conectar um teclado externo, incluindo suporte para touchpad com libinput. Com XFCE 4.12 teremos também uma melhor customização com novos previews dos temas e ícones (seção Aparência) e o xfce4-panel inclui um painel oculto e suporte inteligente para plugins escrito em GTK+3.

Nessa versão, o gerenciador de sessão foi atualizado para usar logind e/ou uPower, se disponível, para suportar melhor a suspensão e hibernação do sistema operacional.
XFCE 4.12 - Xfdesktop
Novidades também para o xfce4-screenshooter que inclui a capacidade de upload de imagens para Imgur e ZimageZ. E o xfce4-taskmanager agora inclui uma nova interface gráfica do usuário muito mais intuitiva e completa.

Conheça melhor o XFCE

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais detalhes sobre essa versão, acesse a nota de lançamento.

Como instalar o XFCE 4.12 no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o XFCE 4.12 no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:xubuntu-dev/xfce-4.12 -y

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Se você já está com o XFCE instalado, use o comando abaixo para atualizar o ambiente;

sudo apt-get dist-upgrade

Passo 5. Se você ainda não está com o XFCE instalado, use o comando abaixo para instalar o ambiente básico;

sudo apt-get install xfce4

Passo 6. Se você ainda não está com o XFCE instalado, use o comando abaixo para instalar o ambiente completo que corresponde ao Xubuntu;

sudo apt-get install xubuntu-desktop

Pronto! Depois de tudo isso, saia da sessão atual, escolha o Xfce na tela de login, entre novamente e comece a experimentar e conhecer as novidades do ambiente.

XFCE 4.12 em outras distribuições

O XFCE 4.12 estará disponível em breve, nos repositórios oficiais do Arch Linux e de outras distribuições Rolling Release.

Mais sobre o XFCE…

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

01 de março de 2015

Resumo mensal – fevereiro/2015

Nem todos que visitam o blog pode ficar vendo diariamente as postagens. Para ajudar estes, existe o resumo semanal, o resumo anual e agora, o resumo mensal.
resumo mensal fevereiro 2015
Esse resumo mensal serve para compilar os resumos semanais e já ir adiantando o resumo anual. Espero que com ele possa ser útil a todos, que por algum motivo, perderam postagens e querem ficar por dentro de tudo que apareceu no blog durando o mês.

Resumo mensal fevereiro/2015

É isso! No próximo mês tem outro, fiquem de olho no blog.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Resumo semanal – 23/02/2015 a 01/03/2015

Você sabia que a Canonical lançou um guia para ajudar desenvolvedores a criar ROM do Ubuntu Phone para dispositivos Android ou que o primeiro beta do Ubuntu 15.04 já está disponível para download? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essa postagem, mas não se preocupe, leia o resumo semanal do blog e se atualize.
resumo semanal
Mas você já deve saber como instalar a suíte office ONLYOFFICE no Ubuntu ou o LibreOffice 4.4.1 nas principais distribuições Linux? Ou já sabe que Linus Torvalds confirmou o kernel 4.0 e lançou um release? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

Resumo semanal do Blog do Edivaldo de 23/02/2015 a 01/03/2015

23/02/2015

24/02/2015

25/02/2015

26/02/2015

27/02/2015

28/02/2015

Ubuntu 14.10

O Ubuntu 14.10 já está disponível para download e se você quiser baixar a nova versão do Ubuntu, acesse os links nessa postagem.

Como gravar a imagem ISO do Ubuntu 14.10

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal

Como atualizar do 14.04 para o 14.10

Quem precisar atualizar do 14.04 para o 14.10, basta seguir esses tutoriais:
Desktop
Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10
Como atualizar o Ubuntu Server para uma nova versão

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem ainda está no Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas nas últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04


Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

28 de fevereiro de 2015

Como instalar o VMware Player no Linux

Está difícil colocar o virtualizador da VMware no Linux? Veja a seguir como instalar o VMware Player no Linux e resolva seu problema.
vmware player no linux
VMware Player é produto de virtualização como o VirtualBox. Ele é oferecido gratuitamente para uso pessoal pela VMware corporation. O programa pode executar aplicativos virtuais existentes e criar suas próprias máquinas virtuais (que requerem um sistema operacional a ser instalado para ser funcional) e pode ser muito útil para criar ambientes prontos para, por exemplo, criar demonstrações, fazer testes e até mesmo colocar serviços em VM´s. Ele usa o mesmo núcleo de virtualização do VMware Workstation, um programa semelhante com mais recursos, mas que não é gratuito. A VMware afirma que o Player oferece melhores gráficos, desempenho mais rápido e maior integração do que qualquer outra solução para virtualização, isso entretanto, precisa ser testado :).

Conheça melhor o VMware Player

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o VMware Player no Linux

Para instalar o VMware Player no Linux, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Baixe o script de instalação do programa com este comando:

wget -O vmware-install.sh http://drive.noobslab.com/data/apps/vmware/vmware-install.sh

Passo 3. Use o comando abaixo para tornar o script executável;

chmod +x vmware-install.sh

Passo 4. Inicie a instalação do programa e siga as instruções do instalador;

sudo ./vmware-install.sh

vmware-installer

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite vmware no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o programa no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o programa no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo vmware-installer -u vmware-player

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como ativar um menu global Unity para aplicações Java como Android Studio, NetBeans, IntelliJ IDEA

Se você usa aplicações Java que utilizam a tecnologia Swing, com o Android Studio, NetBeans, IntelliJ IDEA no Ubuntu, deve ter percebido que elas não possuem um menu global como os programas nativos do sistema. Para ativar um menu global Unity para aplicações Java e resolver essa pequena diferença de interface, você deve instalar o JAyatana.
menu global Unity para aplicações Java
Java Swing Ayatana é um projeto que traz Ubuntu menus global (AppMenu) e uma função parecida com o Dash, para aplicações Java Swing. Usando isso, você terá um Unity AppMenu e acesso a pesquisa de comandos para aplicações como: NetBeans IDE, IntelliJ IDEA, Android Studio, jDownloader e assim por diante.
java-hud

Conheça melhor JAyatana

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Como ativar um menu global Unity para aplicações Java no Ubuntu e derivados

Para ativar um menu global Unity para aplicações Java no Ubuntu e derivados, é preciso instalar o Ayatana a partir de um repositório. Para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione esses repositórios com os seguintes comandos:

sudo add-apt-repository ppa:danjaredg/jayatana

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install jayatana

Uma vez instalado, feche a sessão atual (logout) e depois entre novamente (login), para começar a usar o recurso.

Como remover o menu global Unity para aplicações Java no Ubuntu e derivados

Se por algum motivo for necessário, para restaurar as configurações, basta executar abrir um terminal e executar o comando abaixo para desinstalar o projeto:

sudo apt-get --purge remove jayatana libjayatana libjayatanaag libjayatana-java libjayatanaag-java

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

27 de fevereiro de 2015

Como instalar o LibreOffice 4.4.1 no Linux

Foi lançada mais uma atualização do LibreOffice. Se você está querendo atualizar ou instalar antes de dele aparecer nos repositórios de sua distro, veja como instalar LibreOffice 4.4.1 no Linux.
LibreOffice 4.4.1 no Linux
O LibreOffice é uma suíte de escritório livre compatível com as principais suítes de escritório do mercado. O pacote oferece todas as funções esperadas de uma suíte profissional: editor de textos, planilha, apresentação, editor de desenhos e banco de dados. Mais que isso, o LibreOffice é uma das mais populares suíte de escritório multiplataforma e de de código aberto, desenvolvido pela The Document Foundation.

A última versão do programa disponível é o LibreOffice 4.4.1, que foi divulgado na quinta-feira (26), trazendo com mais de 100 correções.

Conheça melhor o pacote office LibreOffice

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link
Para ver o que há de novo no LibreOffice 4.4, clique nesse link.

Como instalar o LibreOffice 4.4.1 no linux

A seguir, você verá como instalar o LibreOffice 4.4.1 no linux, mais especificamente em distribuições baseadas em pacotes RMP (Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e seus derivados) e DEB (Debian, Ubuntu e sistema derivados destes).

Como instalar o LibreOffice 4.4.1 no Linux Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e seus derivados

Para instalar o LibreOffice 4.4.1 no Linux Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e sistemas derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se o programa já estiver instalado no seu sistema, remova-o usando o gerenciador de pacotes da sua disto;
Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

wget -O libreOffice.tar.gz download.documentfoundation.org/libreoffice/stable/4.4.1/rpm/x86/LibreOffice_4.4.1_Linux_x86_rpm.tar.gz
wget -O libreOffice-pt-br.tar.gz download.documentfoundation.org/libreoffice/stable/4.4.1/rpm/x86/LibreOffice_4.4.1_Linux_x86_rpm_langpack_pt-BR.tar.gz

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

wget -O libreOffice.tar.gz download.documentfoundation.org/libreoffice/stable/4.4.1/rpm/x86_64/LibreOffice_4.4.1_Linux_x86-64_rpm.tar.gz
wget -O libreOffice-pt-br.tar.gz download.documentfoundation.org/libreoffice/stable/4.4.1/rpm/x86_64/LibreOffice_4.4.1_Linux_x86-64_rpm_langpack_pt-BR.tar.gz

Passo 6. Descompacte os arquivos baixados com o comando:

tar -vzxf libreOffice.tar.gz
tar -vzxf libreOffice-pt-br.tar.gz

Passo 7. Vá para a pasta criada e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

cd LibreOffice_*
cd RPMS

Passo 8. Agora instale o programa, usando esse comando:

sudo rpm -i *.rpm

Passo 9. Vá para a pasta criada pelo pacote de linguagem e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

cd 
cd LibreOffice*langpack_pt-BR/
cd RPMS

Passo 10. Agora instale os pacotes de linguagem, usando esse comando:

sudo rpm -i *.rpm

Passo 11. Se depois você precisar desinstalar o programa no Fedora ou CentOS ou outro derivado deles, use o comando abaixo;

sudo yum remove libreoffice*

Passo 12. Se depois você precisar desinstalar o programa no OpenSUSE ou um derivado dele, use o comando abaixo;

sudo zypper remove libreoffice*

Passo 13. Se depois você precisar desinstalar o programa no Mageia ou OpenMandriva ou qualquer derivado deles, use o comando a seguir;

sudo urpme libreoffice*

Como instalar o LibreOffice 4.4.1 no Linux Debian, Ubuntu e seus derivados

Para instalar ou atualizar o LibreOffice 4.4.1 no Linux Debian, Ubuntu e seus derivados, usando os DEBs oficiais, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se o programa já estiver instalado no seu sistema, execute o comando a seguir para remover a instalação anterior:

sudo apt-get remove --purge libreoffice*

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

wget -O libreOffice.tar.gz http://download.documentfoundation.org/libreoffice/stable/4.4.1/deb/x86/LibreOffice_4.4.1_Linux_x86_deb.tar.gz
wget -O libreOffice-pt-br.tar.gz http://download.documentfoundation.org/libreoffice/stable/4.4.1/deb/x86/LibreOffice_4.4.1_Linux_x86_deb_langpack_pt-BR.tar.gz

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome libreOffice.tar.gz e libreOffice-pt-br.tar.gz:

wget -O libreOffice.tar.gz http://download.documentfoundation.org/libreoffice/stable/4.4.1/deb/x86_64/LibreOffice_4.4.1_Linux_x86-64_deb.tar.gz
wget -O libreOffice-pt-br.tar.gz http://download.documentfoundation.org/libreoffice/stable/4.4.1/deb/x86_64/LibreOffice_4.4.1_Linux_x86-64_deb_langpack_pt-BR.tar.gz

Passo 6. Descompacte os arquivos baixados com o comando:

tar -vzxf libreOffice.tar.gz
tar -vzxf libreOffice-pt-br.tar.gz

Passo 7. Vá para a pasta criada e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

cd LibreOffice_*
cd DEBS

Passo 8. Agora instale o programa, usando esse comando:

sudo dpkg -i *.deb

Passo 9. Vá para a pasta criada pelo pacote de linguagem e depois para a pasta onde fica o arquivo de instalação, com os comandos abaixo:

cd 
cd LibreOffice*langpack_pt-BR/
cd DEBS

Passo 10. Agora instale os pacotes de linguagem, usando esse comando:

sudo dpkg -i *.deb

Passo 11. Se depois você precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove libreoffice*

Como instalar o LibreOffice 4.4.1 no Linux Ubuntu e seus derivados via PPA

Para instalar o LibreOffice 4.4.1 no Linux Ubuntu e seus derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se o programa já estiver instalado no seu sistema, execute o comando a seguir para remover a instalação anterior:

sudo apt-get remove libreoffice*

Passo 3. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:libreoffice/ppa

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install libreoffice

Passo 6. Se depois você precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove libreoffice*

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite libreoffice em um terminal, seguido da tecla TAB.

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Instalando a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu

Quer descobrir a diferença entre algumas imagens? Então experimente instalar a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu.
comparação de imagens
DiffImg é uma ferramenta de comparação de imagens escrito em Qt, que pode ser utilizado para comparar duas imagens e exibir as posições onde estão os pixels diferentes. Entre outros, ele tem uma interface intuitiva, usando OpenCV como backend pode ler e comparar as imagens de 8/16/24/32 bits sem problema, mas não tem suporte a canal alfa.

Uma das principais utilidades dessa ferramenta é verificação de modificações em imagens, onde várias métricas podem ser utilizadas para o cálculo de diferenças entre elas.

Como o DiffImg é escrito com Qt, funciona em Windows e Linux (talvez MacOSX) e OS/2. Ele pode ler os formatos básicos como BMP, PNG, JPG, mas também Tiff e OpenExR.

Conheça melhor a ferramenta de comparação de imagens DiffImg

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu e seus derivados

Para instalar a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:dhor/myway

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install diffimg

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite diffimg no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu e derivados

Para desinstalar a ferramenta de comparação de imagens DiffImg no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se depois você precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove diffimg

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Primeiro beta do Ubuntu 15.04 já está disponível para download

Foi divulgado nessa quinta-feira (26), o primeiro beta do Ubuntu 15.04 Vervet Vivid, a próxima versão do sistema da Canonical. Conheça mais um pouco sobre ele e descubra onde baixar.
primeiro beta do Ubuntu 15.04
Faltando apenas algumas semanas para o tão esperado lançamento da versão estável do Ubuntu 15.04 Vivid Vervet, saiu o Beta 1 dedicado aos derivados oficiais do Ubuntu 15.04. Esse beta traz diversas novidades que vamos encontrar na versão estável, a ser lançada em abril.

Observações sobre o primeiro beta do Ubuntu 15.04

No geral, todos os derivados oficiais do Ubuntu 15.04 Beta 1 vem por padrão com o Kernel Linux 3.18.0.13, Firefox 34, LibreOffice 4.4.0, X.org 1.16.2 e Mesa 10.5.0.

Como de costume, o Ubuntu (com Unity) não é disponibilizado nesse primeiro beta do Ubuntu 15.04. Nesse lançamento, foram disponibilizadas imagens apenas para o Kubuntu, Lubuntu, Xubuntu, Ubuntu GNOME, Ubuntu Kylin, Ubuntu MATE e Ubuntu Cloud. A seguir, você verá um breve resumo de cada uma das variantes do Ubuntu disponibilizadas.

Kubuntu

O Kubuntu 15.04 Beta 1 traz várias atualizações sobre KDE Plasma 5 e os desenvolvedores estão trabalhando para tornar essa versão ainda mais estável e segura, corrigindo diversos bugs.

Ubuntu GNOME

O Ubuntu GNOME 15.04 Beta 1 traz o GNOME Shell 3.14.3 como padrão e também a nova sessão dedicada ao servidor gráfico Wayland, que estará disponível somente para usuários que usam drivers de código aberto para suas placas gráficas.

Ubuntu MATE

O Ubuntu MATE 15.04 Beta 1 tornou recentemente um derivado oficial do Ubuntu e nesse primeiro beta traz apenas correções de bugs. Agora que ele é um sabor oficial do Ubuntu, todos os pacotes que vem com ele já estão disponíveis nos repositórios do Ubuntu – que incluem MATE Menu, MATE Tweak, o seu tema padrão GTK e assim por diante. Falando de MATE Tweak, a ferramenta recebeu um novo recurso muito importante, que permite alternar entre diferentes layouts de painel, incluindo: MATE Ubuntu (padrão), Eleven (com um painel de topo para o menu, systray, etc. e Plank na parte inferior, como o app switcher/lançador) e mais:
ubuntu-mate-vivid-plank-eleven

Xubuntu

O Xubuntu 15:04 Beta 1 traz por padrão a nova ferramenta LightDM GTK Greeter Settings (para personalizar o display manager), além de várias atualizações no XFCE.

Mais informações sobre o primeiro beta do Ubuntu 15.04

Para saber mais sobre esse primeiro beta do Ubuntu 15.04, acesse o anúncio oficial.

Para saber mais sobre cada variante do primeiro beta do Ubuntu 15.04, acesse as notas de lançamento abaixo:

Nota de lançamento do Kubuntu 15.04 Vivid Beta 1
Nota de lançamento do Lubuntu 15.04 Vivid Beta 1
Nota de lançamento do Xubuntu 15.04 Vivid Beta 1
Nota de lançamento do Ubuntu GNOME 15.04 Vivid Beta 1
Nota de lançamento do Ubuntu MATE 15.04 Vivid Beta 1
Nota de lançamento do UbuntuKylin 15.04 Vivid Beta 1

Baixando o o primeiro beta do Ubuntu 15.04

Antes de qualquer coisa, é importante esclarecer que versões beta não são adequadas para quem necessita de um sistema estável ou não se sente confortável com os ocasionais e até mesmo frequentes bugs e quebras de sistema. No entanto, elas são recomendadas para desenvolvedores de variantes do Ubuntu e para aqueles que querem ajudar nos testes, elaboração de relatórios e correção de bugs, que serão usados para preparar a versão final para as próximas etapas do desenvolvimento do Ubuntu 15.04

Se quiser experimentar o primeiro beta do Ubuntu 15.04, faça o Download acessando os links abaixo
Kubuntu
Lubuntu
Xubuntu
Ubuntu Gnome
Ubuntu MATE
UbuntuKylin
Ubuntu Cloud

Como gravar a imagem ISO do primeiro beta do Ubuntu 15.04 no Linux

Para gravar a imagem ISO do primeiro beta do Ubuntu 15.04 após o download, você pode usar esses tutoriais:
Como gravar uma imagem ISO no Nautikus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal

Cronograma de lançamento do Ubuntu 15.04

O Ubuntu 15.04 será lançado em Abril. Para mais detalhes, consulte o cronograma de lançamento abaixo:

18 de dezembro de 2014 – Alpha 1
22 de janeiro de 2015 – Alpha 2
26 de fevereiro de 2015 – Beta 1
26 de março de 2015 – Beta Final
09 de abril de 2015 – Kernel Freeze
16 de abril de 2015 – Release Candidate
23 de abril de 2015 – Versão Final

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

26 de fevereiro de 2015

Como instalar a suíte office ONLYOFFICE no Ubuntu

Compartilhe isso ...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestEmail this to someoneDigg this

Se você procura um suíte office que funcione via navegador e integre diferentes usuários, experimente Instalar a suíte office ONLYOFFICE no Ubuntu.
suíte office ONLYOFFICE
ONLYOFFICE é um projeto que tem como objetivo fornecer aos usuários e empresas uma suíte de escritório e outras várias ferramentas integradas dentro de um servidor Linux. ONLYOFFICE também inclui suporte para mais formatos como PDF, TXT, DOCX, DOC, ODT, RTF, HTML, EPUB, XLS, XLSX, ODS, CSV, HTML e PPTX, também tem um CRM capaz de gerir melhor nossos clientes/contatos, um sistema de faturamento e de gerenciamento de projeto.

A ferramenta também permite interagir com serviços populares de armazenamento em nuvem, como o Google Drive, OneDrive, Dropbox, Box, OneDrive e SharePoint com a possibilidade de editar ou comentar os vários documentos entre vários usuários.

Com ONLYOFFICE é possível acessar e operar documentos, planilhas, apresentações e etc remotamente, diretamente de nosso pc ou navegador móvel. Você pode gerenciar projetos, faturamento e outros itens, tudo através de uma simples e intuitiva interface gráfica HTML5.

Conheça melhor suíte office ONLYOFFICE

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a suíte office ONLYOFFICE no Ubuntu e seus derivados

Para instalar asuíte office ONLYOFFICE no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

 sudo sh -c "echo  'deb http://download.onlyoffice.com/repo/debian squeeze main' >> /etc/apt/sources.list"

Passo 3. Baixe e importe a chave do repositório com o comando:

wget --quiet -O - http://download.onlyoffice.com/repo/onlyoffice.key | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa. atente para o fato de que durante a instalação, você será solicitado a digitar a senha para o banco de dados MySQL;

sudo apt-get install onlyoffice

Pronto! Agora, abra um navegador e digite a url http://127.0.0.1. Depois, defina o nome de usuário/e-mail e senha para administrar a suíte office ONLYOFFICE.

Desinstalando a suíte office ONLYOFFICE no Ubuntu e derivados

Para desinstalar a suíte office ONLYOFFICE no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se depois você precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove onlyoffice

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar a ferramenta de análise de vídeo LongoMatch no Linux

Procurando uma ferramenta para ajudá-lo a melhorar o seu esporte favorito ou ajudar alguém a fazer isso? Então experimente instalar a ferramenta de análise de vídeo LongoMatch no Linux.
ferramenta de análise de vídeo LongoMatch
LongoMatch é uma ferramenta de análise de vídeo voltada para treinadores e entusiastas de esportes, para ajudá-los a criar a suas análises. Com ele o usuário tem acesso a algumas ferramentas intuitivas para marcação, revisão e edição de peças, que tornam as tarefas muito fáceis de serem feitas. Além disso, as peças podem ser agrupadas em categorias, o tempo de espera e lag de cada quadro a quadro do jogo é ajustável, e o software suporta listas de reprodução.

A possibilidade de criar modelos ilimitados ou usar modelos pré carregados, permite que você adapte e personalize o LongoMatch para atender às suas necessidades. Modelos podem ser usados para qualquer esporte, satisfazendo necessidades específicas em situações de análise diferentes.

LongoMatch já é usado no futebol, rugby, voleibol, floorball, netball, basquetebol, hóquei de campo, hóquei no gelo, wrestling, rugby de cadeira de rodas, pólo aquático, korfball, cricket, e muito mais (quem sabe serve para o seu esporte ou do seu filho).

Conheça melhor a ferramenta de análise de vídeo LongoMatch

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando a ferramenta de análise de vídeo LongoMatch no Linux

Para instalar a a ferramenta de análise de vídeo LongoMatch no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Para baixar a versão de 32 bits do instalador do programa para Debian, Ubuntu e seus derivados, use o comando abaixo:

wget -O longomatch.deb http://ftp.gnome.org/mirror/gnome.org/binaries/linux/longomatch/longomatch_1.0.2-1_i386.deb

Passo 3. Para baixar a versão de 64 bits do instalador do programa para Debian, Ubuntu e seus derivados, use o comando abaixo:

wget -O longomatch.deb http://ftp.gnome.org/mirror/gnome.org/binaries/linux/longomatch/longomatch_1.0.2-1_amd64.deb

Passo 4. Para baixar a versão de 32 bits do instalador do programa para Fedora, OpenSUSE, Mageia e outros sistemas que utilizam pacotes RPM, use o comando abaixo:

wget -O longomatch.rpm http://ftp.gnome.org/mirror/gnome.org/binaries/linux/longomatch/longomatch-1.0.2-1.i686.rpm

Passo 5. Para baixar a versão de 64 bits do instalador do programa para Fedora, OpenSUSE, Mageia e outros sistemas que utilizam pacotes RPM, use o comando abaixo:

wget -O longomatch.rpm http://ftp.gnome.org/mirror/gnome.org/binaries/linux/longomatch/longomatch-1.0.2-1.x86_64.rpm

Passo 6. Para instalar em um Debian, Ubuntu e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo dpkg -i longomatch.deb && sudo apt-get install -f

Passo 7. Para instalar em um Fedora, OpenSUSE, Mageia e outros sistemas que utilizam pacotes RPM, use o comando abaixo:

sudo rpm -i longomatch.rpm

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite longomatch em um terminal, seguido da tecla TAB.

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o Oracle Java 9 no Ubuntu, Debian e derivados

Quer experimentar a próxima versão do Java da Oracle? Então veja como instalar o Oracle Java 9 no Ubuntu, Debian e outros sistemas derivados deles.
Oracle Java 9
A instalação do Oracle Java 9 só é possível porque o site WebUpd8, que possui repositórios com diversos programas para Linux, disponibilizou os pacotes necessários para realizar esse processo, através do WebUpd8 Oracle Java PPA.

É importante esclarecer que o WebUpd8 Oracle Java PPA não inclui quaisquer binários do Oracle Java, porque isso não é permitido pela licença do programa, é por isso que o PPA fornece um instalador que baixa automaticamente a mais recente versão do Oracle Java 9 (com o JDK9 e o plugin Java 9 para navegador) e configura tudo para você. Além disso, o Oracle Java 9 Installer é considerada de qualidade alfa e é oferecido sem qualquer garantia, para usá-lo por sua conta e risco!

Também é importante mencionar que os servidores de download do Oracle Java 9 são muito lentos, por isso mesmo com uma conexão rápida com a Internet, o download pode demorar um pouco ou pode falhar (assim você terá que tentar novamente) e quanto a isso, não há nada que possa ser feito.

Você só deve usar o Oracle Java 9 se explicitamente precisar, pois ele pode conter erros e pode não incluir os patches de segurança mais recentes. Além disso, algumas opções do Java foram removidas na JDK9, assim você pode encontrar problemas com vários aplicativos Java. Para não ter problemas, por enquanto você deve continuar a usar o Java 8, já que o Oracle Java 9 está disponível apenas como uma versão de acesso antecipado (que deve ser lançado em 2016)!

Se o que você quer é instalar o Oracle Java 8 (que é considerado estável) do 9, consulte este tutorial:
Oracle Java no Ubuntu: Como instalar as versões 6, 7 ou 8 no Ubuntu e derivados

Mas se você quiser realmente se aventura no Oracle Java 9, instale-o por sua própria conta e risco, seguindo os passos do procedimento mais abaixo.

Conheça melhor o Oracle Java 9

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Oracle Java 9 no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Oracle Java 9 no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/java

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install oracle-java9-installer

Passo 5. Depois de instalar o pacote, você pode verificar a versão do Java executando o comando abaixo;

java -version

Como instalar o Oracle Java 9 no Debian e seus derivados

Para instalar o Oracle Java 9 no Debian e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Torne-se administrador com o comando abaixo;

su -

Passo 3. Adicione o repositório do programa com estes comandos:

echo "deb http://ppa.launchpad.net/webupd8team/java/ubuntu trusty main" | tee /etc/apt/sources.list.d/webupd8team-java.list
echo "deb-src http://ppa.launchpad.net/webupd8team/java/ubuntu trusty main" | tee -a /etc/apt/sources.list.d/webupd8team-java.list

Passo 4. Baixe e adicione a chave do repositório do programa com este comando:

apt-key adv --keyserver hkp://keyserver.ubuntu.com:80 --recv-keys EEA14886

Passo 5. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

apt-get update

Passo 6. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

apt-get install oracle-java9-installer

Passo 7. Depois de instalar o pacote, você pode verificar a versão do Java executando o comando abaixo;

java -version

Instalação automatizada (auto aceitar licença)

O Oracle Java 9 Installer pede ao usuário para aceitar a licença do Oracle antes de prosseguir com a instalação e só é necessário uma vez, para que você não tem que aceitar a licença a cada atualização. Mas se você deseja automatizar o processo de instalação, você pode usar o comando abaixo para aceitar automaticamente a licença do Oracle Java 9:

echo oracle-java9-installer shared/accepted-oracle-license-v1-1 select true | sudo /usr/bin/debconf-set-selections

Definindo as variáveis ​​de ambiente Java

Para ajustar automaticamente as variáveis ​​de ambiente do Java 9, você pode instalar o seguinte pacote:

sudo apt-get install oracle-java9-set-default

Atenção! Se você já instalou o oracle-Java7-set-default ou oracle-set-default-java8, eles serão automaticamente removidos ao instalar oracle-java9 set-default (e as variáveis ​​de ambiente serão definidas para o Oracle Java 9) .

Pronto! Agora você já tem Java 9 instalado e pode começar a testar essa nova versão. Depois se quiser voltar à versão 8, acesse esse tutorial (ajustando-o para a versão que você deseja usar).

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

25 de fevereiro de 2015

Lançado digiKam 4.8.0: Instale no Ubuntu e derivados

A Equipe do digiKam anunciou recentemente o lançamento do digiKam 4.8.0. Se você usa ou quer experimentar essa versão, veja como instalar ela no Ubuntu e sistemas derivados.
digikam 4.5.0
digiKam é um software de código aberto para gerenciamento avançado de fotos digitais para Linux, Windows e Mac OS X. Ele possui diversas funcionalidades que permitem importar, exportar, visualizar, gerenciar, editar, melhorar, organizar, rotular, e compartilhar fotos em sistemas Linux.

Apesar dos desenvolvedores estarem nesse momento voltados para o DigiKam 5.0 (que será integrado ao KDE Plasma 5), eles lançaram recentemente o DigiKam 4.8.0, uma atualização que traz mais de 18 correções de bugs,

Conheça melhor o DigiKam

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais detalhes sobre essa versão, consulte a nota de lançamento.

Como instalar o DigiKam 4.8.0 no Ubuntu com KDE 4.13 ou outros ambientes

Para instalar o DigiKam 4.8.0 no Ubuntu com KDE 4.13 ou com outros ambientes gráficos, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:philip5/extra

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install digikam

Como instalar o DigiKam 4.8.0 no Ubuntu com KDE 4.14

Para instalar o DigiKam 4.8.0 no Ubuntu com KDE 4.14, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:philip5/kubuntu-backports

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install digikam

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite digikam no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Como remover o DigiKam 4.8.0 no Ubuntu e seus derivados

Para remover o DigiKam 4.8.0 no Ubuntu, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 4. Para desinstalar o programa, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove digikam

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Camicri Cube: Uma ótima ferramenta para gerenciamento Offline/Online de Backup de pacotes

Está difícil manter seu Ubuntu atualizado com sua conexão lenta (ou a falta dela)? Use o Camicri Cube e resolva seu problema.
Camicri Cube
Camicri Cube é um gerenciador de pacotes portátil (como o Synaptic e Ubuntu Software Center, mas portátil), desenvolvido por Jake Capangpangan. Ele pode ser utilizado e executado em qualquer plataforma (Windows, distribuições Linux baseadas em Apt), on-line e off-line, em flashdrive ou quaisquer dispositivos removíveis, sem precisar instalar nada.

Basicamente, este aplicativo permite que você baixe pacotes de repositórios e salve-os para instalar mais tarde, quando você estiver offline (sem qualquer conexão à Internet). Com ele, você pode baixar aplicativos Linux em qualquer computador com uma conexão à Internet, e depois instalar eles de volta em seu computador original. O programa foi desenvolvido na esperança de ajudar a comunidade de usuários Linux que tem conexão lenta ou vive offline e com isso, tornar mais fácil a tarefa de baixar e instalar aplicações Linux.

Camicri Cube é escrito em linguagem C#, que usa o Microsoft .net framework e licenciada sob GPL-v2. Ele usa aceleradores de download de terceiros (Aria2 e Axel) que tem uma característica multi-segmento/multi-conexão para aumentar a velocidade do download de pacotes e repositórios. Reinicio de download também é suportado pelos dois aceleradores.

Conheça melhor o Camicri Cube

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Instalando o Camicri Cube no Ubuntu e derivados

Para instalar o Camicri Cube no Ubuntu e derivados a partir de um repositório, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Verifique se o seu sistema é de 32-bits ou 64-bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32-bits, use o comando abaixo para baixar o programa:

wget -O cube.zip https://launchpad.net/camicricube/1.0/1.0.9/+download/cube-1.0.9.3_32bit.zip

Passo 4. Mas se seu sistema for de 64-bits, use esse comando para baixar o programa:

wget -O cube.zip https://launchpad.net/camicricube/1.0/1.0.9/+download/cube-1.0.9.3_64bit.zip

Passo 5. Descompacte o arquivo baixado com o comando:

unzip cube.zip

Passo 6. Vá para a pasta criada;

cd cube

Passo 7. Torne o arquivo executável com o comando abaixo;

chmod +x cube-linux

Passo 8. Agora execute o programa;

./cube-linux

Via UbuntuGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar e ativar o OpenBox no XFCE

Se você usa o XFCE e quer usar um gerenciador de janelas minimalista e leve, veja como instalar e ativar o OpenBox no XFCE.
OpenBox no XFCE
O gerenciador de janelas OpenBox é muito apreciado e utilizado por usuários de Linux, principalmente por causa de sua leveza. Ele possui suporte para os mais recentes padrões freedesktop.org, bem como a aderência cuidadosa aos padrões anteriores.

Além disso, levando em conta que a maioria dos aplicativos modernos foram escritos com o GNOME e o KDE em mente, o OpenBox permite utilizar essas aplicações fora de seu ambiente desktop original, o que diminui bastante o peso do ambiente no uso da memória.

OpenBox é o ambiente padrão no LXDE, mas também é possível usá-lo sozinho, por exemplo, com um painel como o Tint2, ou como o gerenciador de janelas padrão em outros ambientes como KDE ou XFCE. Ao usar o OpenBox como gerenciador de janelas no XFCE, ao invés do xfwm4, isto tornará o ambiente desktop ainda mais rápido e ágil, bem como proporcionará várias personalizações, graças à ferramenta OpenBox Configuration Manager (obconf).

Conheça melhor o OpenBox

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar e ativar o OpenBox no XFCE

Para instalar e ativar o OpenBox no XFCE, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Para instalar o OpenBox no Debian, Ubuntu e sistemas derivados, use este comando;

sudo apt-get install openbox obconf

Passo 3. Para instalar o OpenBox no Arch Linux, Manjaro e sistemas derivados, use este comando;

sudo pacman -S openbox obconf

Passo 4. Para instalar o OpenBox no Red Hat, Fedora, CentOS e sistemas derivados, use este comando;

sudo yum install openbox obconf

Passo 5. Para instalar o OpenBox no OpenSUSE Linux e sistemas derivados, use este comando;

sudo zypper install openbox obconf

Passo 6. Depois de instalar, dentro do XFCE, clique no menu de aplicativo. Cliqeu no item “Configurações” e a seguir, em “Sessão e Inicialização”;
openbox-1
Passo 7. Em “Sessão e Inicialização”, acesse a aba “Início automático de aplicativo”. Nessa aba, clique no botão “Adicionar”. Na pequena janela que aparece, preencha os campos conforme a figura abaixo e depois confirme, clicando no botão “OK. Finalmente clique no botão “Fechar” e estará pronto.
openbox-2

Pronto! Saia da sessão ou reinicie o sistema e depois faça login para ver como ficou.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

24 de fevereiro de 2015

Como instalar o gerenciador de área de transferência Diodon no Ubuntu

Quer se tornar mais produtivo aproveitamento o recurso de copiar e colar? Então experimente instalar o gerenciador de área de transferência Diodon no Ubuntu e sistemas derivados.
gerenciador de área de transferência Diodon
Diodon é um software gerenciador de área de transferência leve, bem integrado com o Ubuntu Unity e Gnome Desktop. O programa possui um indicador de painel, uma lente Unity que permite pesquisar a histórico, clipboard sync e uma integração zeitgeist para um histórico infinito da área de transferência.
search-clipboard
Diodon também suporta imagens e plugins e ele faz exatamente o que um gerenciador de área de transferência deve fazer. Se você gostaria de mais recursos (por exemplo, histórico de edição), tente o CopyQ.

Conheça melhor o gerenciador de área de transferência Diodon

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o gerenciador de área de transferência Diodon no Ubuntu e seus derivados

Diodon está disponível na Central de programas do Ubuntu desde a versão 13.10, mas a Canonical não fornecerá atualizações futuras para este app. Por isso, para instalar o gerenciador de área de transferência Diodon no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:diodon-team/stable

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install diodon unity-scope-diodon

Pronto! O gerenciador de área de transferência Diodon começará a trabalhar no próximo log-in, mas se você quiser executá-lo, digite diodon no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o gerenciador de área de transferência Diodon no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o gerenciador de área de transferência Diodon no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se depois você precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove diodon unity-scope-diodon

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o MintUpdate no Ubuntu

Quer experimentar um novo e moderno gerenciador de atualizações? Então veja como instalar o MintUpdate no Ubuntu e derivados.
MintUpdate no Ubuntu
Desenvolvedores do Linux Mint introduziram inovações importantes nas versões mais recentes, que afetam não só o ambiente, mas também os desktops Cinnamon e Mate e várias aplicações dedicadas. Entre estas aplicações está o novo gerenciador de atualização chamado MintUpdate (ou Update Manager), um aplicativo que fornece uma interface gráfica moderna e uma lista de todos os vários pacotes para fazer o download/instalação.

Observe que o programa também traz o agrupamento de vários pacotes com diferentes dependências dedicadas, com muita informação sobre a nova atualização (indicando o changelog relacionado), descrição e etc. Nas preferências dele é possível gerenciar vários repositórios, ignorar atualizar de alguns pacotes e muitas outras opções que podem ser bastante úteis.

A boa notícia é que é possível instalar e usar o MintUpdate no Ubuntu e derivados, graças aos novos pacotes criados pelo pessoal do site lffl linux freedom.

Conheça melhor o MintUpdate

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o MintUpdate no Ubuntu e derivados

Para instalar o MintUpdate no Ubuntu e derivados, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:ferramroberto/lffl -y

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install mintupdate synaptic -y

Se você não quiser instalar o repositório basta instalar o Synaptic e baixar o pacote .DEB do MintUpdate nesse link, e instalar manualmente.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite mintupdate no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o MintUpdate no Ubuntu e derivados

Se depois você precisar, para desinstalar o MintUpdate no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove mintupdate synaptic

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Linus Torvalds confirma o kernel 4.0 e lança RC1

Em vez de 3.20, Linus Torvalds confirmou que a próxima versão estável do núcleo do Linux será o kernel 4.0 e já lançou o RC1 dele. Entenda melhor essa história e conheça algumas novidades do próximo kernel.
kernel 4.0
Em recente mensagem para o Linux Kernel Mailing List (LKML), Linus informou que estava pulando a numeração do kernel de 3.19 para 4.0 e já lançou o primeiro release candidate dessa versão. Esta versão RC1 é a primeira versão de desenvolvimento do que será do kernel Linux 4.0 em cerca de 3-4 meses. A versão final do kernel do Linux 4.0 provavelmente irá chegar até o verão americano (entre junho e setembro), quando todos os mantenedores do kernel irão sair de férias.

A confirmação veio pouco tempo depois da conclusão da enquete feita por Linus Torvalds no Google Plus. Com isso, a próxima versão do kernel Linux será 4.0 em vez de 3.20, opção que ganhou com 56% dos votos dos usuários.

Mesmo com essa grande mudança, o salto é apenas na numeração. Pois Linus Torvalds assegurou que essa mudança número de versão não trará qualquer característica maior ou quebrará a compatibilidade com versões anteriores.

De importante mesmo, o kernel Linux 4.0 irá incluir o tão esperado live patching. Esse recurso permitirá que os usuários apliquem patches de segurança, incluam novos módulos e outros recursos no kernel, sem ter de reiniciar o sistema operacional.

Entre outras melhorias planejadas para o novo Linux Kernel 4.0 estão o suporte para zIntel Quark SoC, TPM 2.0 e IBM z13, além de melhorias em matéria de suporte de hardware para laptops Toshiba, Logitech HID++ e placas gráficas AMD e Nvidia.

Conheça melhor o kernel 4.0

Para saber mais sobre o kernel 4.0, acesse a nota de lançamento.

Via lffl linux freedom e Linux Veda

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

23 de fevereiro de 2015

Canonical lança guia para criar ROM do Ubuntu Phone para dispositivos Android

Inesperadamente a Canonical lançou um guia oficial para desenvolvedores que quiserem criar ROM do Ubuntu Phone para dispositivos com Android.
ROM do Ubuntu Phone
A chegada do BQ Aquaris E4.5 Ubuntu Edition, o primeiro smartphone do mundo a vir com o novo sistema operacional mobile da Canonical por padrão, levantou a dúvida sobre como seria o suporte do sistema a dispositivos que já vem com o Android pré instalado.ubub30

A questão foi surgiu porque para o desenvolvimento do Ubuntu Phone, a Canonical decidiu trabalhar apenas com dois dispositivos: o smartphone Google Nexus 4 e o tablet Nexus 7 em 2013 (além do novo BQ Aquaris e do futuro dispositivo Meizu e etc.). Contudo, é possível instalar o sistema operacional móvel também em alguns dispositivos com Android através de imagens ROM de terceiros.

Agora, respondendo a essa questão, a Canonical lançou um guia oficial para facilitar a portabilidade de Ubuntu Phone. Esse guia permitirá que os desenvolvedores possam trabalhar no desenvolvimento de novas ROM do sistema e consigam levar o sistema para smartphones e tablets que vem com o Android pré-instalado.

Como se trata de desenvolvimento de imagens ROM, percebe-se que o Ubuntu Phone para dispositivos com Android não será tão simples, no entanto, com esse guia a Canonical quer incentivar os desenvolvedores a trabalhar no novo sistema operacional móvel. Mas o suporte não se resume apenas ao guia, as futuras imagens ROM do Ubuntu Phone também receberão atualizações OTA (Over-The-Air), de modo que os usuários poderão ter seus dispositivos sempre atualizados pela própria Canonical.

Para ver esse o guia oficial da Canonical, clique nesse link.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o Calibre no Linux de um jeito simples

Se você procura uma forma de gerenciar seus livros eletrônicos, experimente instalar o Calibre no Linux. O programa pode tornar o controle de seus e-books muito mais simples.
calibre no Linux
Calibre é um software de gerenciamento de livros eletrônicos de código aberto, com muitos recursos interessantes, incluindo a conversão de e-book, visualizador de e-book, biblioteca para sincronização com leitor de ebook e suporte para os formatos de e-book mais populares como epub, cbz, mobi, fb2 e etc. Por ser multiplataforma, o aplicativo funciona em Linux, Windows e Mac OS X.

O programa possui um editor de ebooks (que permite modificar ebooks já convertidos) com suporte aos populares formatos EPUB e AZW3 (Kindle) e também um suporte para dispositivos MTP (Android phones/tablets) no Mac OS X e o suporte para os sites General Knowledge Today, BBC Arabic, TIME Magazine, The Atlantic, Down to Earth, Heraldo de Aragón, Radikal (portal turco), Wired Daily Edition e Orange County Register.

A última versão disponível do Calibre é a 2.20.0, que traz algumas melhorias e diversas correções de bugs. Para ver com detalhes todas as novidades dessa versão, acesse esse link.

Conheça melhor o Calibre

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Calibre no Linux

Para a grande maioria das distribuições Linux ainda não existe um repositório disponível para o Calibre 2.20.0, mas os desenvolvedores do programa fornecem um instalador em Python para instalar a versão mais recente do programa. Por isso, para instalar o Calibre no Linux, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale o Calibre no Linux, executando o seguinte comando (lembre-se de usar aspas simples e duplas, caso o site exiba o site esteja exibindo aspas inglesas):

sudo -v && wget -nv -O- https://raw.githubusercontent.com/kovidgoyal/calibre/master/setup/linux-installer.py | sudo python -c "import sys; main=lambda:sys.stderr.write('Download failed\n'); exec(sys.stdin.read()); main()"

Passo 3. Após a instalação, se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando um editor de texto com o comando (se for preciso, use outro editor de textos e substitua “gedit” por ele):

sudo gedit /usr/share/applications/calibre.desktop

Passo 4. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=calibre
Exec=/opt/calibre/calibre
Icon=/
Categories=Application;

Como instalar o Calibre no Arch Linux e derivados

Para Arch Linux, Manjaro, Antergos e outros sistemas baseados no Arch Linux, Calibre está disponível através do repositório AUR. Nesse caso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se ainda não tiver, instale o yaourt com o comando;

sudo pacman -Sy yaourt

Passo 3. Agora use o comando abaixo para instalar o Calibre;

sudo yaourt calibre

Executando e configurando o Calibre

Passo 1. Depois de instalado, execute o atalho do programa ou digite calibre em um terminal;
Passo 2. Na primeira inicialização, será exibida uma sequencia de telas do assistente de inicialização do Calibre. Na primeira delas, selecione o fabricante do seu dispositivo de livros digitais, depois o dispositivo e em seguida, clique no botão “Seguinte”.
calibre no Linux
Passo 3. Na próxima tela, se necessário, marque a marque a opção “Ligar servidor de conteúdo” para poder acessar sua coleção de livros do Calibre diretamente no dispositivo, via rede sem fio. Para continuar, clique no botão “Seguinte”;
calibre no Linux
Passo 4. Na última tela, apenas clique no botão “Concluir”.
calibre no Linux

Pronto! A partir de agora você já pode começar a fazer o gerenciamento de livros digitais com o Calibre e organizar a sua biblioteca.

Desinstalando o Calibre no Linux

Se você instalou o Calibre no Linux usando o primeiro método e depois precisar desinstalar o programa, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Apague a pasta, o link e o atalho criados pelo instalador, usando esse comando;

sudo rm -Rf /opt/calibre*
sudo rm -Rf /usr/bin/calibre*
sudo rm -Rf /usr/share/applications/calibre.desktop

Desinstalando o Calibre no Arch Linux e derivados

Se depois você precisar desinstalar o programa no Arch Linux e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 4. Use o comando abaixo, para desinstalar o programa;

sudo yaourt -Rsn calibre

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar um menu global no XFCE com TopMenu

Quer usar um menu global XFCE? então veja com instalar o plugin do TopMenu nesse ambiente para conseguir esse recurso e aproveitar melhor a tela do desktop.
menu global xfce
Para economizar espaço na tela, o ambiente Unity usa menus globais no mesmo estilo do Mac OS X, que integra a barra de menus das aplicações no painel superior do desktop. Assim, ao clicar em uma janela, o menu do aplicativo selecionado aparece no painel superior do ambiente. Infelizmente, usuários do Xfxe não possuem esse recurso.

Mas você se lembra do TopMenu? O programa é um menu global independente que até recentemente só suportava o ambiente MATE. A boa notícia é que o desenvolvedor do TopMenu adicionou um novo plugin, que permite utilizar o programa no painel do ambiente Xfce.

Por padrão, TopMenu suporta plenamente aplicações GTK2 e, de acordo com a wiki dele, GTK3 é parcialmente suportado. Além disso, existem plugins adicionais para aplicações Qt4 e Mozilla (Firefox, Thunderbird e Zotero).

Se você quiser experimentá-lo, saiba que o TopMenu não vem com suporte a múltiplos monitores (apenas um applet pode ser usado, por isso, se você tem dois monitores com dois painéis no topo, você só pode colocar TopMenu em um deles), não suporta transparência, e mais importante, ele não se encaixa bem com muitos temas Xfce. Um dos poucos que parece funcionar bem com o TopMenu é o Numix.

Antes de instalar, observe que TopMenu não é considerado estável, de modo que você pode encontrar bugs! Use por sua conta e risco! Se você encontrar problemas não relacionados com a embalagem, comunicá-las nesse link.

Conheça melhor o TopMenu

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar um menu global XFCE com TopMenu

Para instalar um menu global XFCE com TopMenu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository -y ppa:webupd8team/mate

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o “xfce4-topmenu-plugin”, bem como outros plugins extras.

sudo apt-get install xfce4-topmenu-plugin libtopmenu-gtk3 libtopmenu-qt topmenu-mozilla-extension -y

Passo 5. Após a instalação do plugin, você tem reiniciar reiniciar a sessão Xfce para poder carregar os módulos do TopMenu. Para isso, saia do ambiente e depois faça login;
Passo 6. Clique com botão direito no painel Xfce e no menu que aparece, clique na opção “Painel” e a seguir, em “Preferências do painel”;
menu global xfce
Passo 7. Em “Preferências do painel”, clique na aba “Itens”
menu global xfce
Passo 8. Na aba “Itens”, clique no símbolo de adição “+”. Na tela que aparece, pesquise ou desça a tela para encontrar o item “TopMenu”. Clique nele e depois no botão “Adicionar”. Arraste e posicione o TopMenu no inicio da listagem da aba “Itens” (ou onde você achar que fica melhor). Clique no botão “Fechar” de ambas as telas, para finalizar o procedimento;
menu global xfce

Usuários do Arch Linux pode instalar topmenu para Xfce via AUR.

Para outras distribuições Linux, consulte as instruções da wiki do aplicativo.

Pronto! Agora, sempre que você estiver usando um aplicativo, o menu dele aparecerá automaticamente no painel do Xfce.

Como remover o menu global com TopMenu no XFCE

Se depois você precisar desinstalar, faça o seguinte:
Passo 1. Remova o plugin do painel;
Passo 2. Abra um terminal;
Passo 3. Use o comando abaixo para remover o plugin;

sudo apt-get remove xfce4-topmenu-plugin libtopmenu-gtk3 libtopmenu-qt topmenu-mozilla-extension

Via UbuntuHandbook e WeUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

22 de fevereiro de 2015

Resumo semanal – 16/02/2015 a 22/02/2015

Você sabia que já saiu a segunda grande atualização do Ubuntu 14.04 ou que o Lubit 5 também já está disponível para download? Não? Pois é, se você ainda não sabia disso é porque perdeu essa postagem, mas não se preocupe, leia o resumo semanal do blog e se atualize.
resumo semanal
Mas você já deve saber como fazer para instalar o cliente Viber ou o Google Earth no Linux? Se ainda não sabe nada disso, confira a seguir tudo que foi postado no Blog durante essa semana e se informe sobre isso e muito mais.

Resumo semanal do Blog do Edivaldo de 16/02/2015 a 22/02/2015

16/02/2015

17/02/2015

18/02/2015

19/02/2015

20/02/2015

21/02/2015

Ubuntu 14.10

O Ubuntu 14.10 já está disponível para download e se você quiser baixar a nova versão do Ubuntu, acesse os links nessa postagem.

Como gravar a imagem ISO do Ubuntu 14.10

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:
Como gravar uma imagem ISO

Como atualizar do 14.04 para o 14.10

Quem precisar atualizar do 14.04 para o 14.10, basta seguir esses tutoriais:
Desktop
Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 14.04 para a 14.10
Como atualizar o Ubuntu Server para uma nova versão

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.10

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem ainda está no Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas nas últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04


Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

21 de fevereiro de 2015

Como instalar o eliminador de arquivos e informações BleachBit no Linux

Se você está a procura de um software de limpeza para eliminar informações e até ganhar um pouco mais de espaço no disco, experimente instalar o eliminador de arquivos e informações BleachBit no Linux.
bleachbit-ubuntu
BleachBit é um aplicativo open source escrito em Python e que usa PyGTK. Ele serve para liberar rapidamente o espaço em disco e proteger a sua privacidade. Ele libera cache, exclui cookies, limpa o histórico de Internet, apaga arquivos temporários, apaga registros e descarta lixo que você nem sabia que estava lá.

Projetado para sistemas Linux e Windows, o programa limpa mil aplicações, incluindo Firefox, Internet Explorer, Adobe Flash, Google Chrome, Opera, Safari e muito mais. Além de simplesmente apagar arquivos, BleachBit inclui características avançadas, tais como destruir arquivos para impedir a recuperação do mesmo, limpeza de espaço livre em disco para esconder vestígios de arquivos apagados por outros aplicativos, e vacuuming no Firefox para torná-lo mais rápido.

Conheça melhor o BleachBit

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o BleachBit no Linux

Para instalar o BleachBit no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Para baixar o instalador do programa para Ubuntu 14.04 e seus derivados, use o comando abaixo:

wget -O bleachbit.deb http://bleachbit.sourceforge.net/download/file?file=bleachbit_1.6_all_ubuntu1404.deb

Passo 3. Para baixar o instalador do programa para Ubuntu 14.10 e seus derivados, use o comando abaixo:

wget -O bleachbit.deb http://bleachbit.sourceforge.net/download/file?file=bleachbit_1.6_all_ubuntu1410.deb

Passo 4. Para baixar o instalador do programa para Debian 7 e seus derivados, use o comando abaixo:

wget -O bleachbit.deb http://bleachbit.sourceforge.net/download/file?file=bleachbit_1.6_all_debian7.deb

Passo 5. Para baixar o instalador do programa para Fedora 20 e derivados, use o comando abaixo:

wget -O bleachbit.rpm http://bleachbit.sourceforge.net/download/file?file=bleachbit-1.6-1.1.fc20.noarch.rpm

Passo 6. Para baixar o instalador do programa para RedHat, use o comando abaixo:

wget -O bleachbit.rpm http://bleachbit.sourceforge.net/download/file?file=bleachbit-1.6-1.1.el7.noarch.rpm

Passo 7. Para baixar o instalador do programa para CentOS 7, use o comando abaixo:

wget -O bleachbit.rpm http://bleachbit.sourceforge.net/download/file?file=bleachbit-1.6-1.1.centos7.noarch.rpm

Passo 8. Para baixar o instalador do programa para openSUSE, use o comando abaixo:

wget -O bleachbit.rpm http://bleachbit.sourceforge.net/download/file?file=bleachbit-1.6-1.1.opensuse132.noarch.rpm

Passo 9. Para instalar em um Debian, Ubuntu e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo dpkg -i bleachbit.deb && sudo apt-get install -f

Passo 10. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall bleachbit.rpm

Passo 11. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install bleachbit.rpm

Passo 12. Para instalar em um OpenMandriva, Mageia e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo urpmi bleachbit.rpm

Os links de download acima são apenas das versões mais recentes. Para baixar outros pacotes de instalação de versões anteriores dessas distros, acesse esse link.

Depois de instalado, execute o programa digitando bleachbit

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

20 de fevereiro de 2015

Ubuntu 14.04.2 LTS disponível para download/atualização

Foi lançada a segunda grande atualização do sistema da Canonical, o Ubuntu 14.04 LTS nessa sexta-feira (20), com correções de segurança, novo kernel (3.16) e X atualizado.
Ubuntu 14.04.2
O Ubuntu 14.04.2 Trusty Tahr inclui todas as atualizações lançadas pela Canonical até poucos dias atrás, portanto, permitindo que os usuários possam instalar o sistema operacional já atualizado sem ter que baixar e instalar centenas de MB de pacotes de atualizações.

Ubuntu 14.04.2 LTS inclui Kernel Linux 3.16 e uma versão atualizada do servidor de exibição Xorg, a mesma liberada para a versão 14.10. O Kernel Linux 3.16 foi lançado em agosto de 2014. Esse update traz melhorias no suporte de hardware como o suporte a ARM 64 bits EFI stub, novo Synaptics input driver, o suporte inicial a GK20A, e muito mais. Além disso, entre as várias atualizações incluídas no Ubuntu 14.04.2 LTS estão o Firefox atualizado para a versão 35.0.1 e o Thunderbird 31.4.0, bem como várias atualizações de segurança e manutenção.

Para mais detalhes sobre essa atualização, consulte a nota de lançamento ou este artigo.

Como instalar a atualização do Ubuntu 14.04.2 LTS

Para instalar a atualização do Ubuntu 14.04.2 LTS (a nova atualização também está disponível para os derivados oficiais), você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 3. Agora, atualize o sistema com o comando:

sudo apt-get upgrade

Passo 4. Se você estiver usando uma versão desktop do Ubuntu, para receber o Kernel 3.16 e o stack X atualizado, você tem que instalar os pacotes manualmente, executando o comando:

sudo apt-get install --install-recommends linux-generic-lts-utopic xserver-xorg-lts-utopic libgl1-mesa-glx-lts-utopic libegl1-mesa-drivers-lts-utopic

Passo 5. Se você estiver usando uma versão server do Ubuntu, para receber o Kernel 3.16 e o stack X atualizado, você tem que instalar os pacotes manualmente, executando o comando:

sudo apt-get install --install-recommends linux-generic-lts-utopic

Passo 6. Depois, você pode precisar atualizar o Grub após a instalação, usando o comando:

sudo update-grub

Passo 7. Reinicie o sistema com o comando;

sudo reboot

Passo 8. Finalmente, verifique a sua versão do sistema operacional através do comando;

cat /etc/issue && uname -sr

Baixando o Ubuntu 14.04.2 LTS

Se você ainda não tem o sistema ou prefere baixar e atualizar usando a imagem ISO do Ubuntu 14.04.2 LTS, acesse o link abaixo:
Ubuntu 14.04.2 LTS
Para as outras variantes do sistema, acesse os links abaixo e procure pelo Ubuntu 14.04.2 LTS:

Como gravar a imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esses tutoriais:
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como gravar uma imagem ISO no Nautilus

Via UbuntuHandbook e lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Veja como baixar apps no PC com o Google Play Downloader

Que tal baixar apps no PC e guardar seu arquivos APKs da loja Google Play no seu computador? Para fazer isso, basta instalar o Google Play Downloader no Ubuntu e começar a usar.
Baixar apps no PC google play downloader
Google Play Downloader é um simples aplicativo de código aberto que pode ser usado para baixar apps no PC e guardar APKs da loja Google Play para o seu computador. De acordo com seu desenvolvedor, o aplicativo foi criado porque ele “não gostava que seu sistema Android AOSP fosse manchado por serviços de raiz do Google, nem que fosse arquivado no banco de dados da conta Google”.

O Google Play Downloader permite baixar apps no PC, mas não é uma ferramenta de pirataria e não permitirá que você baixe aplicativos e jogos pagos. A ferramenta só pode baixar jogos e aplicativos gratuitos. O programa é útil se você quiser fazer backup de arquivos Android APK para o seu computador, se você não que instalar alguns aplicativos diretamente via Googe Play por questões de privacidade ou por outros motivos (por exemplo, você pode usá-lo com o Genymotion, que já não inclui mais a loja Google Play em suas imagens Android) e assim por diante.

A aplicação tem tudo que você precisa baixar apps no PC (os arquivos APK), como uma conta do Gmail e o Android ID, mas você pode mudar isso (por exemplo, você pode criar uma conta do Gmail especialmente para isso) a partir das configurações do Google Play Downloader. Contudo, se você alterar o endereço de e-mail nas configurações do programa, certifique-se de clicar no botão “Generate new Android ID” (Gerar novo Android ID) ou então o download de APKs não irá funcionar.

Conheça melhor o Google Play Downloader

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Nota importante para usuários do Ubuntu: o pacote deb do programa só funciona com o Ubuntu 14.04 e 14.10. Para o Ubuntu 14.04, você vai precisar baixar python-NDG-httpsclient a partir desse link e instalar ele antes de tentar instalar o Google Play Downloader (mas não se preocupe, isso está no tutorial abaixo).

Instalando o Google Play Downloader para baixar apps no PC

Para instalar o Google Play Downloader para baixar apps no PC, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Baixe o pacote python-ndg-httpsclient com esse comando (o Google Play Downloader depende dele para ser instalado);

wget -O python-ndg-httpsclient.deb http://mirrors.kernel.org/ubuntu/pool/universe/n/ndg-httpsclient/python-ndg-httpsclient_0.3.2-1_all.deb

Passo 3. Agora instale o pacote com o comando:

sudo dpkg -i python-ndg-httpsclient.deb

Passo 4. A seguir, instale as dependências do pacote com o comando:

sudo apt-get install -f -y

Passo 5. Com as dependências instaladas, use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome googleplaydownloader.deb:

wget -O googleplaydownloader.deb http://codingteam.net/project/googleplaydownloader/download/file/googleplaydownloader_1.7-1_all.deb

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i googleplaydownloader.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f -y

Instalando o Google Play Downloader no Arch Linux

Usuários do Arch Linux pode instalar o Google Play Downloader via AUR .

Usando o Google Play Downloader

Depois de instalado, execute o programa digitando googleplaydownloader no Dash ou em um terminal. Na tela do programa digite o nome do aplicativo no campo de busca e tecle “enter”. Depois, selecione os itens que quer baixar e clique no botão “Download selected APK(s)”.

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o gerenciador de senhas Enpass no Linux

O gerenciador de senhas Enpass agora possui uma versão para Linux. Por isso, se você quiser testá-lo, veja como instar o programa nesse sistema.
gerenciador de senhas Enpass
Enpass é um gerenciador de senhas multi-plataforma que recebeu uma grande atualização recentemente e, com ela, o aplicativo recebeu uma versão para Linux (64 bits apenas).

Enquanto o gerenciador de senhas Enpass não é um software de código aberto, ele usa SQLCipher, uma extensão open source para SQLite que fornece criptografia AES de 256-bit transparente de arquivos de banco de dados, e a versão desktop (Linux, Windows e Mac) é gratuita.

O que faz o programa interessante é que ele é multiplataforma, possuindo versões para iOS, Android, Windows Phone, BlackBerry, e para desktops: Windows, Mac e Linux. O Enpass também possui uma ferramenta embutida de backup/sincronização para Dropbox, Google Drive, OneDrive e Box.

Outras características do Enpass:

  • Usa motor SQLCipher com criptografia AES-256 bit – você pode ler mais sobre isso na página de segurança do Enpass;
  • Além de senhas, o aplicativo pode ser usado para armazenar várias outras informações seguras, como informações de cartão credito, notas seguras e etc;
  • Possui um gerador de senha com indicador de força e opção de usar gerar senhas pronunciáveis;
  • Mecanismo de bloqueio automático: o aplicativo pode bloquear automaticamente ou quando o aplicativo estiver ocioso ou quando o sistema estiver ocioso por um número de minutos;
  • Pode importar as senhas de outros gerenciadores de senha (suporta TXT, CSV e XML);
  • Busca embutido, categorias organizáveis ​​com suporte para pastas personalizadas, campos personalizáveis ​​para cada categoria e muito mais.
  • Para ver o gerenciador de senhas Enpass para Linux em ação, assista o vídeo abaixo:
    [embedded content]

    Conheça melhor o gerenciador de senhas Enpass

    Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

    Como instalar o gerenciador de senhas Enpass no Linux

    Para instalar o gerenciador de senhas Enpass no Linux, você deve fazer o seguinte:
    Passo 1. Abra um terminal;
    Passo 3. Confira se o seu sistema realmente é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

    uname -m
    

    Passo 2. Para instalar Enpass em distribuições Linux baseadas em Debian (Ubuntu, Linux Mint e etc.), em primeiro lugar instale o pacote “libxss1″;

    sudo apt-get install libxss1
    

    Passo 3. Para instalar Enpass em distribuições Linux baseadas no Red Hat (como o CentOS, Fedora e etc.), em primeiro lugar instale o pacote “libxss1″;

    yum install libXScrnSaver
    

    Passo 4. Para instalar Enpass em distribuições Linux baseadas no OpenSuSE, em primeiro lugar instale o pacote “libxss1″;

    zypper install libXss1
    

    Passo 5. Baixe o programa com o comando a seguir;

    wget http://dl.sinew.in/linux/setup/EnpassInstaller
    

    Passo 6. A seguir, use o comando abaixo para dar a permissão de execução para o instalador;

    chmod +x EnpassInstaller
    

    Passo 7. Agora use o comando abaixo para executar o instalador;

    ./EnpassInstaller
    

    Passo 8. Siga as instruções do instalador, conforme as imagens a seguir;
    gerenciador de senhas Enpass
    gerenciador de senhas Enpass
    gerenciador de senhas Enpass
    gerenciador de senhas Enpass
    gerenciador de senhas Enpass
    gerenciador de senhas Enpass

    Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite enpass ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

    Via WebUpd8

    Não está aparecendo algo?

    Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


    O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

19 de fevereiro de 2015

Como instalar o Google Earth 7 no Ubuntu

Se você quer instalar o Google Earth 7 no Ubuntu, mas está tendo problemas porque seu sistema é de 64 ou 32 bits, veja aqui como resolver isso e instalar definitivamente esse incrível programa do Google.
google earth 7 ubuntu
É fácil instalar o Google Earth em um sistema Ubuntu de 32 bits, entretanto, no Ubuntu de 64 bits não é possível instalar o pacote oficial de 32 bits, devido à dependência do pacote ia32-libs, que não está disponível desde o Ubuntu 14.04. Uma solução alternativa é instalar o pacote de 32 bits no Ubuntu de 64 bits e resolver as dependências de pacotes manualmente, o que será mostrado nesse tutorial.

Conheça melhor o Google Earth

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o Google Earth 7 no Ubuntu e derivados

Para instalar o Google Earth 7 no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Baixe o arquivo DEB do programa usando o comando abaixo:

wget https://dl.google.com/dl/earth/client/current/google-earth-stable_current_i386.deb

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se você estiver usando um sistema de 64 bits, instale as bibliotecas de 32 bits que o programa precisa, digitando o comando abaixo. Para o Ubuntu 32 bits, basta pular esse passo:

sudo apt-get install libfontconfig1:i386 libx11-6:i386 libxrender1:i386 libxext6:i386 libgl1-mesa-glx:i386 libglu1-mesa:i386 libglib2.0-0:i386 libsm6:i386

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i google-earth-stable_current_*.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f -y

Depois de instalado, execute o programa digitando no Dash:google

google earth 7 dash

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Instale o simulador de voo FlightGear no Ubuntu e derivados

Que tal instalar um jogo que é um verdadeiro simulador de voo em seu Linux? Fácil, instale o FlightGear no Ubuntu e sistemas derivados.
simulador de voo FlightGear
FlightGear é um simulador de vôo de código-fonte aberto. Ele suporta uma variedade de plataformas populares (Windows, Mac, Linux, etc.) e é desenvolvido por voluntários qualificados de todo o mundo. O código fonte de todo o projeto está disponível e licenciado sob a GNU General Public License. O objetivo do projeto FlightGear é criar um sofisticado e aberto simulador de voo para uso em ambientes de pesquisa ou acadêmica, formação de pilotos, como uma ferramenta de engenharia da indústria, e por último, mas certamente não menos importante, como um divertido, realista e desafiador simulador de vôo para desktop.

É um jogo realista, sendo jogado por usuários normais e futuros pilotos de avião, por causa de seus detalhes precisos. Ele permite que o usuário para voar em aeronaves, helicópteros, aviões ou modernos aviões de combate em muitas faixas.

Conheça melhor o simulador de voo FlightGear

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o simulador de voo FlightGear no Ubuntu e derivados

Para instalar o simulador de voo FlightGear no Ubuntu e derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:saiarcot895/flightgear

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install flightgear

Passo 5. Se depois você precisar desinstalar, use o comando:

sudo apt-get remove flightgear

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flightgear no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o conjunto de ícones Victory

Procurando ícones com um visual parecido com o do seu antigo sistema? Então experimente instalar o conjunto de ícones Victory e veja se ele deixa seu sistema como você quer.
ícones Victory
Os ícones do conjunto de ícones Victory parecem ser bastante semelhantes aos do Windows 7 ícones, mas isso não é verdade, eles são completamente diferente dos ícones do Windows 7 e parecem ser bem melhores. O criador desses ícones lançou sua primeira versão há 5 anos, que era baseado em diferentes conjunto de ícones. Desde o último ano ele retrabalhou a maioria dos ícones deste tema e criou tudo em formato SVG. Ele é compatível com a maioria dos ambientes de desktop Linux, como o Unity, Gnome, Xfce, Lxde, Mate, Cinnamon, , mas não está disponível para o KDE ainda

victory-0

Conheça melhor o conjunto de ícones Victory

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o conjunto de ícones Victory no Ubuntu e derivados

Para instalar o conjunto de ícones Victory no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se você ainda não tem, adicione o repositório do tema com o comando:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema xxx usando o seguinte comando:

sudo apt-get install victory-icon-theme

Instalando o conjunto de ícones Victory no Debian e sistemas derivados

Para instalar o conjunto de ícones Victory no Debian e sistemas derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação:

wget -O victory-icons.deb https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/icons/+files/victory-icon-theme_0.1%7Etrusty%7ENoobslab.com_all.deb

Passo 3. Agora instale o pacote com o comando:

sudo dpkg -i victory-icons.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do pacote com o comando:

sudo apt-get install -f

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak para mudar o tema.

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar Bomi Multimedia Player no Ubuntu (ex CMPlayer)

Se você procurava uma boa interface para o player MPV que tenha interface de usuário amigável e vários recursos, experimente instalar o Bomi Multimedia Player no Ubuntu.
bomi multimedia player
Bomi, anteriormente conhecido como CMPlayer, é uma interface gráfica do usuário para o media player de linha de comando MPV para Linux. O objetivo dele é ser fácil de usar e também oferecer vários recursos poderosos e funções bastante convenientes.

Entre suas vantagens, ele tem uma interface de usuário amigável (todos os recursos estão disponíveis no menu de contexto), pode renderizar vários arquivos de legendas ao mesmo tempo, possui histórico de reprodução ilimitado, geração e restauração automática de playlist, suporte a decodificação acelerada por hardware pela GPU (Bomi irá utilizar API nativa disponível para o sistema entre VA-API e VDPAU), suporta reprodução de DVD, slideshow de imagens, e muitas outras características do reprodutores básicos

Conheça melhor o Bomi Multimedia Player

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Bomi Multimedia Player no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Bomi Multimedia Player no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se você tiver o CMPlayer instalado em seu sistema, você tem que removê-lo primeiro, uma vez que entra em conflito com bomi. Para fazer isso, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove cmplayer

Passo 3. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:darklin20/bomi

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install bomi

Passo 6. Se depois você precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove bomi

Para aqueles que não querem adicionar o repositório, baixe o pacote DEB de instalação diretamente na página do programa no Launchpad e instale-o manualmente.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite bomi no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Outros artigos relacionados ao assunto

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

18 de fevereiro de 2015

Como instalar o MKVToolnix 7.6 no Ubuntu, Debian, Fedora e derivados

Quer criar ou manipular arquivos no formato Matroska (.mkv), então veja como instalar o MKVToolnix 7.5 no Ubuntu, Debian, Fedora e derivados.
mkvtoolnix 7.5
mkvtoolnix é um pacote com ferramenta de manipulação multimídia de arquivos Matroska (MKV). Muito mais que um aplicativo, MKVToolnix é um conjunto de ferramentas que permite criar, alterar e inspecionar arquivos Matroska no Linux, Unix e Windows. A ferramenta pode ser usada para obter informações sobre arquivos Matroska (mkvinfo), extrair faixas/dados de arquivos de Matroska (mkvextract) e criar (mkvmerge) arquivos Matroska a partir de outros arquivos de mídia.

Apesar do MKVToolnix fornecer apenas as ferramentas de linha de comando, para trabalhar com ferramentas gráficas, você deve instalar o MKVToolnix-gui, que é uma interface simples e fácil de usar. Com ele, você pode adicionar o arquivo MKV (s) usando o navegador de arquivos ou simplesmente arrastando e soltando os arquivos na MKVToolnix. Ele também permite que você edite as tags e nomes das faixas, também é usado para alterar a relação de aspecto de arquivos de vídeo, exibir a largura e altura, etc.

Foi lançado recentemente a versão 7.6 do programa, com diversas correções correções, que podem ser vistas nesse link.

Conheça melhor o MKVToolnix

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o MKVToolnix 7.6 No Ubuntu, Debian e sistemas derivados

Para instalar o MKVToolnix 7.6 no Ubuntu e sistemas derivados, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Baixe a chave do repositório do programa com este comando:

wget -q -O - https://www.bunkus.org/gpg-pub-moritzbunkus.txt | sudo apt-key add -

Passo 3. Se seu sistema é um Ubuntu 14.10, ou um derivado dele, use o comando abaixo para adicionar o repositório do programa:

sudo sh -c 'echo "deb http://www.bunkus.org/ubuntu/utopic/ ./" >> /etc/apt/sources.list'

Passo 4. Se seu sistema é um Ubuntu 14.04, ou um derivado dele, use o comando abaixo para adicionar o repositório do programa:

sudo sh -c 'echo "deb http://www.bunkus.org/ubuntu/trusty/ ./" >> /etc/apt/sources.list'

Passo 5. Se seu sistema é um Debian 8 Jessie, ou um derivado dele, use o comando abaixo para adicionar o repositório do programa:

sudo sh -c 'echo " deb http://www.bunkus.org/debian/jessie/ ./" >> /etc/apt/sources.list'

Passo 6. Se seu sistema é um Debian 7 Wheezy, ou um derivado dele, use o comando abaixo para adicionar o repositório do programa:

sudo sh -c 'echo " deb http://www.bunkus.org/debian/wheezy/ ./" >> /etc/apt/sources.list'

Passo 7. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 8. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install mkvtoolnix mkvtoolnix-gui

Passo 9. Depois, se precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove mkvtoolnix mkvtoolnix-gui

Como instalar o MKVToolnix 7.6 no Fedora 21, 20 e sistemas derivados

Para instalar o MKVToolnix 7.6 no Fedora 21, 20 e sistemas derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Adicione o repositório RPMFusion com o comando ou seguindo a dica desse tutorial. Esse repositórios também podem ser instalado usando a ferramenta PostInstallerF, que já foi apresentada em outro tutorial;

su -c 'yum localinstall --nogpgcheck http://download1.rpmfusion.org/free/fedora/rpmfusion-free-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm http://download1.rpmfusion.org/nonfree/fedora/rpmfusion-nonfree-release-$(rpm -E %fedora).noarch.rpm'

Passo 3. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

su -c 'yum install mkvtoolnix mkvtoolnix-gui'

.
Passo 4. Caso precise desinstalar, use o comando abaixo;

su -c 'yum remove mkvtoolnix mkvtoolnix-gui'

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite mkv no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o Simple Image Resizer no Ubuntu

Se você procura uma ferramenta simples e completa para lidar com imagens, experimente instalar o Simple Image Resizer no Ubuntu.
simple image resizer
Simple Image Resizer (SIR) é uma ferramenta de código aberto escrita em C ++ e criada usando a Qt GUI toolkit, para redimensionamento em lote, rotação e conversão de imagens. Além disso, ele tem um recurso para adicionar molduras ou texto e aplicar filtros de cor e gradientes para as imagens, algumas funções para manipular o histograma e trabalha com várias fotos, dividindo as tarefas nos processadores.

Entre outros, ele tem suporte para os formatos mais populares, incluindo: JPEG, JPG, PNG, GIF, BMP, XPM, PGM, PBM, PPM e RAW.

Conheça melhor o Simple Image Resizer

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Simple Image Resizer no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Simple Image Resizer no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo apt-add-repository ppa:dhor/myway

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install sir

Passo 5. Se você precisar desinstalar o programa, use o comando abaixo;

sudo apt-get remove sir

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite sir no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Via LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Bodhi Linux 3.0.0 já está disponível para download

Bodhi Linux, uma distribuição Linux rápida, minimalista que usa Enlightenment (E19) por padrão, já chegou a versão 3.0.0. Conheça mais um pouco sobre ela e descubra onde baixar a distro.
bodhi linux 300
Bodhi Linux 3.0.0 é uma distro baseado no Ubuntu 14.04 LTS. Ela usa o Enlightenment E19.3, e já que a intenção é ser leve, ela só vem com alguns aplicativos por padrão: Midori (web browser) 0.5.9, nm-applet (gerenciador de conexões applet) 0.9.8 e, claro, algumas aplicações específicas do Enlightenment como Terminology 0.8.0 (emulador de terminal), ePad 0.9.0 (editor de texto), ePhoto build 20150125 (visualizador de imagens), eepDater 0.14 (gerenciador de de atualização) e Enlightenment File Manager.

Também vale a pena mencionar que o Bodhi Linux é usando os ícones Numix (Bevel) por padrão.
bodhilinux300_2
Sob o capô, o Bodhi Linux 3.0.0 vem com o servidor Xorg 1.15.1, Mesa 10.1.3 e Linux Kernel 3.16 e além das imagens ISOs 32bit e 64bit regulares, há também uma ISO “legacy” que vem com um Linux Kernel non-PAE (3.2 ) e suporta i486, para que ele possa ser usado em hardware antigo, bem como a ISO Chromebook (para Chromebooks que incluem SeaBIOS).

Junto com Bodhi Linux 3.0.0, o Bodhi AppCenter, Wiki e Fóruns também foram atualizados. Além de um design reformulado, o AppCenter (um pequeno banco de dados on-line software especialmente criado para Bodhi Linux, que você pode usar para navegar, pesquisar e instalar aplicativos) recebeu uma busca melhorada, bem como um sistema de classificação.
bodhi-appcenter

Conheça melhor a distribuição Bodhi Linux

Para saber mais sobre a distribuição Bodhi Linux, clique nesse link.
Para saber mais sobre essa versão da distribuição, acesse a nota de lançamento.

Baixe e experimente o Bodhi Linux 3.0.0

A imagem ISO do Bodhi Linux 3.0.0 já pode ser baixada acessando o link abaixo:
Bodhi Linux 3.0.0
Ou se preferir, acesse os links abaixo diretamente:

bodhi-3.0.0-32.iso

bodhi-3.0.0-64.iso

bodhi-3.0.0-legacy.iso

bodhi-3.0.0-chromebook.iso

Como gravar a imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esses tutoriais:
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como gravar uma imagem ISO no Nautilus

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

17 de fevereiro de 2015

Instale a última versão do cliente alternativo Cutegram

Nos últimos dias, mostrei como é fácil instalar o cliente oficial do Telegram no Linux via repositório e manualmente. Agora se você quer ter Telegram no Linux, usando um cliente alternativo experimente instalar o Cutegram.
cutegram
Nos últimos dias a equipe Aseman anunciou o lançamento da versão estável do Cutegram 2.0.0. A nova versão inclui novas e importantes funcionalidades, tais como a capacidade de usar o cliente Telegram com várias contas.

Cutegram 2.0.0 inclui a capacidade de pesquisa em nossas mensagens recebidas e enviadas, estréia também o novo chat secreto para você que não quer salvar as mensagens no PC, quando terminar uma conversa. Essa versão traz o modo off-line, que permite que você salvar as nossas mensagens em um banco de dados para para poder acessá-lo mais tarde, mesmo sem uma conexão com a internet. A versão 2.0 também melhora a interface gráfica do cliente com a capacidade de enviar arquivos para os nossos amigos, simplesmente arrastando-os para a janela.

Para alegria dos usuários do popular serviço de mensagens instantâneas Telegram, ele é multiplataforma. Por causa disso, além do cliente oficial Telegram, existem outros projetos dedicados como o Sigram, o plugin para o Pidgin e também o novo Cutegram.

Cutegram é um cliente open source para Telegram no Linux com interface gráfica Qt5, desenvolvido e baseado em QML, libqtelegram, libappindication e AsemanQtTools e equipado com muitos recursos úteis.

Além de uma interface gráfica moderna, que vai integrar no principal ambiente de desktop Linux, Cutegram inclui recursos importantes como Emoji do Twitter, a integração com as notificações do sistema (com a opção de desativá-las) e a capacidade de enviar facilmente arquivos de mídia como música, vídeos, documentos, etc., simplesmente arrastando-os para a mensagem a ser enviada.

Mais que colocar Telegram no Linux, Cutegram também pode gerenciar contatos e grupos. Graças ao seu indicador que fica no painel, é possível manter o cliente ativo ao minimizá-lo, para que se possa obter mais espaço no ambiente de trabalho.

Conheça melhor o Cutegram

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Use o Telegram no Linux instalando o cliente alternativo Cutegram no Linux

Para ter o Telegram no Linux instalando o cliente alternativo Cutegram no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/Aseman*
sudo rm -Rf /usr/share/applications/cutegram.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se você estiver usando um sistema de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome cutegram.run:

wget -O cutegram.run http://aseman.co/downloads/cutegram/2/cutegram-2.0.0-linux-installer.run

Passo 5. Se você estiver usando um sistema de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome cutegram.run:

wget -O cutegram.run http://aseman.co/downloads/cutegram/2/cutegram-2.0.0-linux-x64-installer.run

Passo 6. Torne o arquivo executável com o comando abaixo;

chmod +x cutegram.run

Passo 7. Inicie a instalação do Cutegram, com o seguinte comando;

sudo ./cutegram.run

Passo 8. Quando aparecer, siga os passos do instalador, conforme as imagens a seguir;
cutegram-1
cutegram-2
cutegram-3
cutegram-4
cutegram-5
cutegram-6
Passo 9. Renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/Aseman/cutegram*/ /opt/Aseman/cutegram

Passo 10. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando um editor de texto com o comando (se for preciso, use outro editor de textos e substitua “gedit” por ele):

sudo gedit /usr/share/applications/cutegram.desktop

Passo 11. Copie o conteúdo abaixo e cole ele no arquivo aberto. Em seguida, salve e feche o arquivo;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=cutegram
Exec=/opt/Aseman/cutegram/cutegram/run
Icon=/opt/Aseman/cutegram/cutegram/icons/icon.png
Categories=Application;

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite cutegram em um terminal, seguido da tecla TAB. Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho e use-o para iniciar o programa e ter Telegram no Linux, usando um cliente alternativo.

Note que na tela que pede para escolher o país você deve clicar em qualquer nome, segurar e arrastar até chegar a opção “Brazil”. Se você simplesmente clicar, ele entra pelo país clicado e como o “Brazil” fica longe na lista, você entrará com o país errado. Depois disso, basta entrar com o número do seu telefone e as outras informações necessárias.

Via lffl linux freedom e LinuxGeek

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje

Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Como instalar o conjunto de ícones Octagon

Na busca pelo visual ideal para o seu desktop, os ícones são muito importantes. Por isso, experimente instalar o conjunto de ícones Octagon e veja como ele pode deixar seu sistema ainda mais bonito.
ícones Octagon
O conjunto de ícones Malys-ex foi projetado por Malys do deviantart, ele também fez alguns outros ícones e temas populares (UniBlue & UniBlack). Agora um cara do gnome-look modificou o conjunto Malys-ex, deixou os ícones com um formato hexagonal e deu ao pacote o nome de Octagon, o que parece bastante singular. Este conjunto de ícones contém mais de 3000 ícones e pode ser usado com qualquer tipo de tema claro ou escuro, além de ser compatível com a maioria dos ambientes de desktop Linux, como o Unity, Gnome, Cinnamon, Mate e outros.
ícones Octagon

Conheça melhor o conjunto de ícones Octagon

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o conjunto de ícones Octagon no Ubuntu e derivados

Para instalar o conjunto de ícones Octagon no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se você ainda não tem, adicione o repositório do tema com o comando:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema xxx usando o seguinte comando:

sudo apt-get install octagon-icons

Instalando o conjunto de ícones Octagon no Debian e sistemas derivados

Para instalar o conjunto de ícones Octagon no Debian e sistemas derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o pacote de instalação:

wget -O octagon-icons.deb https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/icons/+files/octagon-icons_1.0%7Etrusty%7ENoobslab.com_all.deb

Passo 3. Agora instale o pacote com o comando:

sudo dpkg -i octagon-icons.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do pacote com o comando:

sudo apt-get install -f

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak para mudar o tema.

Via NoobsLab

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Lubit 5 já está disponível para download

Foi lançada a versão estável do Lubit 5 “Jean”, uma distro baseada no Ubuntu e que usa o gerenciador de janelas OpenBox. Conheça mais um pouco sobre ela e descubra onde baixar a distro.
Lubit 5
Lubit é um projeto italiano que tem como objetivo fornecer um sistema operacional estável, leve e mais rápido graças à conjugação entre a base do Ubuntu e o gerenciador de janelas OpenBox. Nos últimos anos, o desenvolvimento do lubit levou a várias otimizações, novas ferramentas e aplicativos projetados para tornar a distribuição mais completa e funcional, mantendo a leveza.
Lubit 5
Apenas recentemente foi lançada a versão estável do lubit 5 “Jean”, que é baseada no Ubuntu LTS 14.04 (suportado até abril de 2019) que, além de várias atualizações, incluem novas ferramentas dedicadas que podem ser iniciadas a partir do novo Lubit Control Panel.
Lubit 5
O Lubit Control Panel permite personalizar e configurar a distribuição facilmente através de uma interface gráfica simples e intuitiva. Nele é possível, por exemplo, personalizar tema, definir o conjunto de ícones, configurar a conexão, áudio, notificações, línguas, data e etc.
Lubit 5 Control Center
Entre as novas ferramentas incluídas no Lubit 5, destaque para o Lubit IMC, utilitário que nos permite calcular facilmente o índice de massa corporal, também tem a Conky Change, ferramenta para personalizar o tema Conky e por fim, tem o Lubit Radio, para ouvir rádio.

Com Lubit 5 também estreia o novo Lubit Software Center, ferramenta com a qual podemos instalar com um clique as principais aplicações, como a suíte de escritório LibreOffice, GIMP, Firefox, Skype etc.
Lubit 5 Software Center

Conheça melhor a distribuição Lubit

Para saber mais sobre a distribuição Lubit, clique nesse link.

Para saber mais sobre essa versão da distribuição, acesse a nota de lançamento.

Baixe e experimente o Lubit 5

A imagem ISO do Lubit 5 já pode ser baixada acessando o link abaixo:
Lubit 5
Ou se preferir, acesse os links abaixo diretamente:
Lubit 5 32 bits
Lubit 5 64 bits

Como gravar a imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esses tutoriais:
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como gravar uma imagem ISO no Nautilus

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


Recommended article: Chomsky: We Are All – Fill in the Blank.
This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.

Planeta Ubuntu Brasil

O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


Última atualização:
02 de março de 2015, 14:05
Horário UTC

Planet ATOM
RSS10 RSS20
OPML FOAF

Blogs inscritos


© 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.