25 de novembro de 2016

Como ampliar uma imagem sem perder qualidade usando o GIMP

Se você quer aumentar o tamanho de uma imagem mas não quer que ela fique distorcida, veja aqui como ampliar uma imagem sem perder qualidade usando o GIMP.


Para quem ainda não conhece, GIMP significa GNU Image Manipulation Program. O programa é expansível através de plugins e distribuído gratuitamente para ser usado em tarefas como retoque de fotos, composição de imagem e criação de imagem.

Como ampliar uma imagem sem perder qualidade usando o GIMP

O GIMP funciona em vários sistemas operacionais e é traduzido em muitas línguas, e mesmo tendo muitos recursos, ele pode ser usado como um simples programa de pintura, um programa de retoque de fotos especialista em qualidade, um sistema de processamento em lote on-line, um processador de imagem de produção em massa ou até como um conversor de formato de imagem, além de diversas outras tarefas.

O GIMP é um dos editores de mais utilizados pelos usuários do Linux e é capaz de oferecer uma alternativa viável aberta e gratuita para o popular Adobe Photoshop.

No GIMP há vários recursos que permitem manipular ao máximo imagens digitais, como por exemplo, a ampliação de uma foto sem perda de qualidade devido ao uso do algoritmo de reamostragem Lanczos (também chamado Lanczos2 e Lanczos3).

Com esse recurso, você pode aumentar o tamanho de uma imagem até 300% sem (em teoria) perder a qualidade, o que é uma funcionalidade muito útil, especialmente quando se trabalha com imagens pequenas.

E é exatamente graças a isso, que neste tutorial, será mostrado como ampliar o tamanho de uma imagem sem perder qualidade usando o GIMP.

Se você ainda não tem o programa, instale-o. Para isso, veja um dos tutorias disponíveis no blog:
Como instalar a última versão do GIMP no Ubuntu e seus derivados

Conheça melhor o GIMP

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como ampliar uma imagem sem perder qualidade usando o GIMP

Para ampliar uma imagem sem perder qualidade usando o GIMP, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra a imagem usando o Gimp. Para isso, vá para a psta onde ela está e clique com o botão direito sobre ela. No menu que aparece, selecione “Abrir com” e depois clique na opção “Editor de imagens GIMP”;

Como ampliar uma imagem sem perder qualidade usando o GIMP

Passo 2. Clique na imagem e em seguida mova o mouse para o topo da tela. Clique no menu “Imagem” e depois na opção “Redimensionar imagem…”;

Como ampliar uma imagem sem perder qualidade usando o GIMP

Passo 3. Na tela de redimensionamento, escolha o novo tamanho e clique valor que está depois do campo “Qualidade”. Na lista que aparece, escolha a opção “Sinc (Lanczos3)“. Finalmente, clique no botão “Redimensionar”;

Como ampliar uma imagem sem perder qualidade usando o GIMP

Passo 4. Depois disso, você já pode clicar no menu “Arquivo” depois na opção “Export As…”, para salvar no formato que desejar;

Como ampliar uma imagem sem perder qualidade usando o GIMP

Pronto! Agora sempre que precisar, você pode usar esse procedimento para ampliar suas imagens, sem perder a qualidade.

E para quem reconheceu a imagem usada no tutorial: Thundercats Ho!
Via lffl linux freedom

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Tor no Linux: veja como instalar manualmente

Se você precisa de um navegador seguro e com suporte a navegação realmente anônima, veja aqui como instalar manualmente o navegador no Linux.


Tor Browser, é um pacote que traz um navegador baseado no Firefox ESR (Firefox com suporte estendido), configurado para proteger a privacidade e anonimato dos usuários usando Tor (que vem junto com ele).

Tor no Linux: veja como instalar manualmente

Tor, The Onion Router, é uma rede de túneis virtuais que permite que os usuários se comuniquem de forma segura, bem como anonimamente através da Internet.

O recurso permite que organizações e indivíduos partilhem informação através de redes públicas sem comprometer a sua privacidade.

É possível usar o Tor para que sites nos rastreiem e também nossos familiares, ou para se conectar a sites de notícias, serviços de mensagens instantâneas, ou a sites que são bloqueados pelos provedores de Internet e administradores de rede.

Resumindo: Usar o Tor no Linux é um ótima estratégia para ter mais privacidade, principalmente em tempos de governos monitorando a vida até de presidentes e cidadãos.

Usar Tor no Linux é muito simples, mas ainda que os repositórios das principais distribuições forneçam uma versão do navegador Tor, ela as vezes pode vir desatualizada.

Nesse caso, se você quiser a versão mais recente (estável e experimental), basta seguir este tutorial para instalar o navegador Tor no Linux, independente de qual seja a sua distribuição favorita.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Antes de fazer o procedimento, desinstale qualquer versão do navegador Tor que já esteja em seu sistema.

Mais sobre Tor

Se o que você procura é uma forma de instalar ele no Ubuntu, Dê uma olhada nesses outros tutoriais:

Conheça melhor o navegador Tor

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar a última versão estável do navegador Tor no Linux

Para instalar a última versão estável do Navegador Tor no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/tor-browser*
sudo rm -Rf /usr/bin/tor-browser
sudo rm -Rf /usr/share/applications/torbrowser.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta mais recente que não contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

wget https://dist.torproject.org/torbrowser/6.0.6/tor-browser-linux32-6.0.6_pt-PT.tar.xz -O tor-browser.tar.xz

Passo 5. Se seu sistema for de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta mais recente que não contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

wget https://dist.torproject.org/torbrowser/6.0.6/tor-browser-linux64-6.0.6_pt-PT.tar.xz -O tor-browser.tar.xz

Passo 6. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -xvJf tor-browser.tar.xz -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/tor-browser*/ /opt/tor-browser

Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/tor-browser/Browser/start-tor-browser /usr/bin/torbrowser

Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=torbrowser\n Exec=/opt/tor-browser/Browser/start-tor-browser\n Icon=/opt/tor-browser/Browser/icons/updater.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/torbrowser.desktop

Como instalar a última versão experimental do navegador Tor no Linux (Experimental)

A versão experimental do navegador Tor é aquela que ainda está em desenvolvimento e portanto, traz as últimas novidade do programa, assim como seus bugs. Por causa disso, você deve instalar essa versão por sua própria conta e risco e claro, esteja pronto para alguns incidentes comuns em softwares que estão nesse estágio.
Para instalar a última versão experimental do Navegador Tor no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/tor-browser*
sudo rm -Rf /usr/bin/tor-browser
sudo rm -Rf /usr/share/applications/torbrowser.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema for de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta que contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

wget https://dist.torproject.org/torbrowser/6.5a4/tor-browser-linux32-6.5a4_pt-PT.tar.xz -O tor-browser.tar.xz

Passo 5. Se seu sistema for de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (clique na pasta que contém o nome alpha ou beta), baixe a última versão e salve-o com o nome tor-browser.tar.xz:

wget https://dist.torproject.org/torbrowser/6.5a4/tor-browser-linux64-6.5a4_pt-PT.tar.xz -O tor-browser.tar.xz

Passo 6. Execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -xvJf tor-browser.tar.xz -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/tor-browser*/ /opt/tor-browser

Passo 8. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/tor-browser/Browser/start-tor-browser /usr/bin/torbrowser

Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=torbrowser\n Exec=/opt/tor-browser/Browser/start-tor-browser\n Icon=/opt/tor-browser/Browser/icons/updater.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/torbrowser.desktop

Executando e configurando o Tor

Para iniciar o programa, digite tor em um terminal, seguido da tecla TAB.
Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

sudo chmod +x /usr/share/applications/torbrowser.desktop
cp /usr/share/applications/torbrowser.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

cp /usr/share/applications/torbrowser.desktop ~/Desktop

Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Ao executar o Tor no Linux pela primeira vez, clique no botão “Conectar” para que ele prepare tudo e inicie o navegador.

Tor no Linux: veja como instalar manualmente

Tor no Linux: veja como instalar manualmente

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Conheça três maneiras de criar um Hotspot Wi-Fi no Ubuntu

Está conectado a Internet e precisa um Hotspot Wi-Fi no Ubuntu, conheça três bem simples de fazer isso.


Quem já conhece o site há bastante tempo deve conhecer alguns dos tutoriais sobre como criar um Hotspot Wi-Fi no Ubuntu. Aqui, irei resumir todos eles para que fique mais fácil e acessível para os leitores.

Conheça três maneiras de criar um Hotspot Wi-Fi no Ubuntu

Conheça três maneiras de criar um Hotspot Wi-Fi no Ubuntu

As três maneiras de criar um Hotspot Wi-Fi no Ubuntu e são as seguintes:

  1. Para criar um um Hotspot Wifi no Ubuntu usando um aplicativo de terceiros chamado ap-hotspot, veja este tutorial;
  2. Para criar um um Hotspot Wifi no Ubuntu usando o editor de conexão do KDE, veja este tutorial;
  3. Se seu acesso a Internet é cabeado e você não tem um roteador Wi-Fi para distribuir o acesso da conexão, saiba que é possível usar um computador ou notebook para fazer isso. Para fazer, veja esse tutorial

Cuidado com a da rede

Independente do método, se puder use SSID oculto, use um bom protocolo de proteção e esteja atento ao uso de senhas.

Por questões óbvias de segurança, use senha fortes (no mínimo 8 caracteres, com letras e números, com letras maiúsculas e minúsculas).

Embora pareça exagero, tais cuidados além de evitarem que alguém entre na sua rede e tenha acesso às suas informações, também evitarão que este faça coisas na web usando sua estrutura, o que pode ser comprometedor para você em algumas situações.

Quando não estiver mais precisando de uma dessas soluções, desative-as e tenha mais segurança nos seus equipamentos, pois quando se trata de redes, todo cuidado é pouco.

Na prática, as três opções pode servir para qualquer tipo de aparelho. Experimente cada uma delas e veja qual serve para você e sua estrutura.

Se tiver dificuldade com uma, tente as outras, até encontrar aquela que seja a mais adequada às suas necessidades.

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como deixar o GIMP parecido com o Photoshop

Se você usa o GIMP, mas está com o estilo da interface do famoso editor de imagens da Adobe, veja aqui como deixar o GIMP parecido com o Photoshop.


Para ajudar aqueles que são usuários do Photoshop e estão para o GIMP ou para aqueles que apenas o estilo do Photoshop, foi criado uma coleção de ajustes para GIMP 2.8 (GIMP Photoshop Tweaks) que podem ajudar a diminuir essa diferença de visual entre os programas.

Como deixar o GIMP parecido com o Photoshop

Os ajustes incluem ícones da caixa de ferramentas como os do Photoshop, atalhos de teclado, diálogos acopláveis modificados e até mesmo uma cor de fundo ajustada para coincidir com o padrão do Photoshop, o que realmente deixa o GIMP parecido com o Photoshop.

Esses ajustes foram criados para o GIMP 2.8, então, se você usar o GIMP 2.9, nem tudo irá funcionar. Por exemplo, os atalhos de teclado podem não funcionar corretamente e há uma pequena falha com os ícones.

Conheça melhor o GIMP e o GIMP Photoshop Tweaks

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link e para a coleção de ajustes, acesse a página dele no DeviantArt.

Como deixar o GIMP parecido com o Photoshop

Para instalar o GIMP Photoshop Tweaks e deixar o GIMP parecido com o Photoshop, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Baixe o arquivo zip do GIMP Photoshop Tweaks no DeviantArt (há um link para download à direita) e coloque ele em sua pasta pessoal. Se quiser, pode usar o comando abaixo para baixar diretamente:

wget -c http://fc03.deviantart.net/fs70/f/2014/043/c/c/gimp_2_8_photoshop_tweaks_by_doctormo-d75n1qc.zip

Passo 3. Se o GIMP estiver aberto, feche-o;
Passo 4. Faça um backup de sua configuração atual do GIMP com o comando:

mv ~/.gimp-2.8 ~/.gimp-2.8.old

Passo 5. Agora para instalar o GIMP Photoshop Tweaks, apenas descompacte o arquivo baixado na sua pasta pessoal (o arquivo contém uma pasta .gimp-2.8 oculta com todos os ajustes), usando o menu de contexto no Nautilus ou o comando abaixo:

unzip gimp_2_8_photoshop_tweaks_by_doctormo-d75n1qc.zip

Passo 6. Execute o GIMP, e veja como ficou.

Como desfazer a modificação

Se você não gostar do resultado ou não achar que deixou o GIMP parecido com o photoshop, é possível reverter as alterações restaurando a configuração para o estado anterior, executando os comandos a seguir em um terminal (claro, com o GIMP fechado):

rm -r ~/.gimp-2.8
mv ~/.gimp-2.8.old ~/.gimp-2.8

Se você quiser deixar o Gimp ainda mais parecido, dê uma olhada nesse anuncio sobre o PhotoGIMP
Conheça PhotoGIMP, o GIMP com cara de Photoshop

Via WebUpd8

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu

Quer ver mais do que apenas a hora no seu desktop? Então veja como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu.


Por uma questão de espaço, o painel do Ubuntu (Unity) exibe apenas a horta atual. Felizmente, é possível mudar isso e exibir muitas outras informações relacionadas a data e a hora.

Como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu

Normalmente, para alterar as configurações de data e hora basta clicar no relógio na painel do Ubuntu:
Como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu

Depois, é só clicar na aba “Relógio” e fazer os ajustes que você:

Como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu

Embora já existam algumas opções disponíveis na página de configurações, este tutorial irá mostrar como personalizar o seu indicador de Data e Hora no painel do Ubuntu, para que ele fique do jeito que você quer.

Como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu

Para personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Se seu sistema ainda não tem o Dconf-Editor instalado, clique nesse link para abrir a central de programas do Ubuntu e instalar a ferramenta, ou use o seguinte comando em um terminal:

sudo apt-get install dconf-editor

Passo 2. Uma vez instalado, inicie o programa, digitando dconf no Dash ou em um terminal, seguido da tecla TAB;

Como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu

Passo 3. Quando o programa estiver aberto, no painel esquerdo, clique no item “com”, depois em “canonical”,  “indicator”, e finalmente em “datetime”. Defina o valor da opção “time-format” parta “custom”;

Como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu

Passo 4. Você também pode fazer isso por meio de um comando no terminal:

gsettings set com.canonical.indicator.datetime time-format 'custom'

Passo 5. Agora você pode personalizar o formato da data e Hora, clicando no valor da opção “custom-time-format” e editando seu conteúdo;

Como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu

Passo 6. Assim como no passo anterior, você também pode fazer isso através do comando (substituindo “FORMAT_VALUE_HERE” pelo valor que você quer usar):

gsettings set-tempo-formato personalizado com.canonical.indicator.datetime 'FORMAT_VALUE_HERE' 

Passo 7. As opções que pode ser usadas para cria o formato a ser usado são as seguintes:

%a = dia da semana abreviado
%A = dia da semana completo
%b = nome do mês abreviado
%B = nome do mês
%d = dia do mês
%l = hora (1..12),%I = hora (01..12)
%k = hora (1..23),%H = hora (01..23)
%M = minuto (00..59)
%p = AM ou PM, P=% am ou pm.
%S = segundo (00..59)

Para obter mais detalhes, abra um terminal e execute o comando:

man date

Veja abaixo alguns exemplos:
%a %H:%M %m/%d/%Y

Como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu

%a %r %b %d or %a %I:%M:%S %p %b %d

Como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu

%a %-d %b %l:%M %P %z

Como personalizar o formato de data e hora no painel do Ubuntu

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

Ficou curioso sobre como imprimir remotamente depois que viu o tutorial sobre como instalar o CUPS Cloud Print no Ubuntu? Então veja como conectar uma impressora no Google Cloud Print.


O Google Cloud Print é um recurso que permite imprimir em impressoras cadastradas na sua conta Google, sejam elas prontas para a nuvem ou que estejam conectadas a computadores com Mac OS ou Windows e que tenham acesso à Internet. Com o serviço é possível realizar a impressão a partir de qualquer dispositivo e lugar.

Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

O Google Cloud Print pode usar tanto impressoras autônomas com acesso à Internet, como aquelas conectadas a computadores.

O primeiro tipo exige que o usuário siga as instruções fornecidas pelo fabricante para poder conectá-las ao serviço.

Já o uso das impressoras tradicionais é bem mais e prático e será mostrado a seguir. No entanto, em ambos os casos, é necessário ter o navegador Google Chrome instalado no computador, o que pode ser feito usando o tutorial abaixo:

Como instalar a última versão estável do Google Chrome no Linux

Conheça melhor o Google Cloud Print

Para saber mais sobre o Google Cloud Print, clique nesse link.

Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

Para conectar uma impressora no Google Cloud Print, faça o seguinte:
Passo 1. Ligue sua impressora;
Passo 2. Abra o Google Chrome e faça login na sua conta do Google;
Passo 4. Clique no menu do Google Chrome, que fica na barra de ferramentas do navegador, e em seguida, selecione “Configurações”;

Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

Passo 5. Dentro de “Configurações”, vá para o final da página e clique na opção “Mostrar configurações avançadas…”;

Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

Passo 6. Role para baixo até a seção “Google Cloud Print”. Clique em “Gerenciar”;

Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

Passo 7. Na tela que aparece, clique no botão “Adicionar impressoras”;

Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

Passo 8. Na próxima tela, marque a impressora que você quer usar e em seguida, clique no botão “Adicionar impressora(s)”;

Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

Passo 9. No final, será exibida uma tela de confirmação da instalação da impressora. Nela, se quiser ver as impressoras instaladas, clique no link “Gerenciar suas impressoras”;

Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

Passo 9. Na tela que aparece, você poderá ver todas as impressoras instaladas e cada uma delas como quiser;

Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

Passo 10. Quando precisar imprimir, abra o documento no Google Drive e pressione as teclas CTRL + P. Será exibida a tela “Imprimir”, onde você poderá selecionar a impressora (clicando no botão “Alterar…”, se necessário) e enviar o documento para ela. Observe que a impressora precisa estar online no momento da impressão.

Como conectar uma impressora no Google Cloud Print

Pronto! Agora sempre que precisar usar sua impressora, você só precisa deixá-la online e mandar impressão de onde estiver.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar f.lux no Ubuntu 15.10 ou superior, e derivados

Você passa algumas horas da noite usando o PC? Pois então precisa de uma ajuda para “dormir melhor”, para isso, veja como instalar f.lux no Ubuntu ou superior, e seus derivados.


f.lux é um aplicativo que muda a temperatura da cor de seu monitor de computador de acordo com a localização e hora do dia, para reduzir a tensão ocular durante o uso noturno e evitar atrapalhar seu .

Como instalar f.lux no Ubuntu 15.10 e 16.04

O f.lux para Linux é composto de um daemon linha de comando e um applet indicador, que monitoram o horário do PC e ajustam o temperatura da cor de seu monitor de computador, conforme for necessário.

Conheça melhor o f.lux

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o f.lux no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o f.lux no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:nathan-renniewaldock/flux

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install fluxgui

Como instalar o f.lux manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite fluxgui no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o f.lux no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o f.lux no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:nathan-renniewaldock/flux --remove
sudo apt-get remove fluxgui
sudo apt-get autoremove

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

24 de novembro de 2016

Removedor de metadados de arquivos de mídia: instale e experimente MAT

Se você possui muitos arquivos de fotos, vídeos e outros formatos que guardam informações e quer ter mais privacidade, instale o removedor de metadados de arquivos de mídia MAT.


MAT (Metadata Anonymisation Toolkit), é um software que permite remover facilmente metadados de diversos arquivos de mídia, de forma a manter a nossa privacidade.

Removedor de metadados de arquivos de mídia: instale e experimente MAT

Quando você captura uma foto com seu smartphone ou câmera digital, o dispositivo salva metadados dentro da imagem. Esses metadados contem informações úteis, tais como a data, o local, informações sobre o dispositivo e etc.

Metadados também podem estar presentes em documentos, arquivos de vídeo, arquivos compactados e etc. Embora muitas vezes os metadados sejam usados para facilitar a busca, em alguns casos isso pode comprometer a sua privacidade.

Felizmente, para remover todas essas informações e garantir maior privacidade, é possível usar o MAT, um simples software livre para Linux.

Através do MAT é posssível remover metadados de imagens JPEG e PNG, documentos em Open Document (.odt, .odx, .ods, …), Office Openxml (.docx, .pptx, .xlsx, ecc) e PDF, ou em arquivos compactados ZIO ou arquivos de áudio e vídeo em MPEG, Ogg Vorbis e FLAC.

Conheça melhor o removedor de metadados de arquivos de mídia MAT

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o removedor de metadados de arquivos de mídia MAT no Ubuntu e seus derivados

Mat está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas, ou fzendo o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install mat

Como instalar o removedor de metadados de arquivos de mídia MAT no Arch e seus derivados

MAT também está disponível para Arch Linux via AUR.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite mat no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Mat no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Mat no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove mat

Via lffl linux freedom

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como configurar o layout do teclado no Ubuntu Linux

Instalou um novo teclado no PC e quer ajustar o sistema para usá-lo? Pois então descubra como configurar o layout do teclado no Ubuntu Linux.


Nem todo teclado é igual. A posição das teclas e a função de cada tecla é que forma o layout do teclado, um verdadeiro mapa do teclado.

Como configurar o layout do teclado no Ubuntu Linux

Essa informação é importante pois se não estiver com os ajustes corretos, teclas de acento e pontuação podem não funcionar da maneira esperada, resultando em confusão e até impedindo a utilização do sistema.

Apesar da aparente complexidade, configurar o layout do teclado no Ubuntu é algo simples, e neste tutorial, você verá exatamente como fazer isso.

Como alterar o layout do teclado no Ubuntu

Para alterar o layout do teclado no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra as “Configurações do Sistema” clicando no ícone dele na barra lateral do Unity. Se preferir, clique no ícone da engrenagem no painel superior, e no menu que aparece, na opção “Configurações do Sistema”;

Como configurar o layout do teclado no Ubuntu Linux

Passo 2. Em “Configurações do Sistema”, clique no item “Entrada de texto”;

Como configurar o layout do teclado no Ubuntu Linux

Passo 3. A tela “Entrada de texto” possui botões para adicionar, apagar, mover e visualizar layout. É partir daqui que você irá configurar o layout que quer no Ubuntu. Vale lembrar que a opção de mover permite colocar um item no topo, o que implica que este será o layout padrão do sistema;

Como configurar o layout do teclado no Ubuntu Linux

Passo 4. Para adicionar um layout, clique no símbolo de adição (+);

Como configurar o layout do teclado no Ubuntu Linux

Passo 5. Na janela “Escolha uma fonte de entrada”, digite no campo de busca uma palavra relacionada ao layout  e então selecione a opção que irá adicionar. Depois, clique no botão “Adicionar”;

Como configurar o layout do teclado no Ubuntu Linux

Passo 6. De volta a tela “Entrada de texto” , clique no botão de visualização para ver como é o layout escolhido e confirma se é ele mesmo que você quer usar. Depois, clique no novo layout e depois nos ícones das setas para levá-lo ao topo da lista. Feito isto, basta fechar a tela e estará pronto.

Como configurar o layout do teclado no Ubuntu Linux

Passo 7. Como você configurou mais de um layout, quando quiser alternar entre eles, basta clicar no indicador que fica no painel do Ubuntu, e escolher o layout.

Como configurar o layout do teclado no Ubuntu Linux

Pronto! Não é tão difícil, não é mesmo? Então da próxima vez que precisar adicionar ou remover um layout de teclado, basta seguir esse procedimento novamente.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Lançado Intel Graphics Update – veja como instalar no Ubuntu e Fedora

Intel Graphics Update Tool, a ferramenta que anteriormente era conhecida como Intel Graphics Installer, chegou agora a versão 2.0.3 com suporte para Ubuntu 16.10 e Fedora 24. veja como instalar esse utilitário.


A ferramenta Intel Graphics Update para Linux ganhou esse nome a partir da versão 2.0.2 do Intel Graphics Installer, a fim de refletir com mais precisão a finalidade da ferramenta.

Lançado Intel Graphics Update - veja como instalar no Ubuntu

Por padrão, as distribuições Linux já incluem um driver de gráficos Intel, sem precisar de nenhuma instalação extra. Esta ferramenta destina-se a disponibilizar a mais recente Intel Graphics Stack antes dele ser lançado oficialmente pelos fornecedores de Linux.

Especificamente, isso beneficia os usuários de Linux das distribuições Ubuntu e Fedora, que desejam atualizar seus subsistemas gráficos para plataformas Intel.

Isso permite que você mantenha-se atualizado com os mais recentes aprimoramentos, melhorias, otimizações e correções para o Intel Graphics Stack, e assim garantir a melhor experiência do usuário com o seu hardware de gráficos Intel.

Novidades do Intel Graphics Update

A versão 2.0.3 da ferramenta de atualização é direcionada especificamente para Ubuntu 16.10 e Fedora 24. As revisões anteriores para essas distribuições do Linux agora estão desativadas e não são mais suportadas pela ferramenta de atualização.

Essa versão inclui a a biblioteca gráfica Mesa 12.0.3 3D, a biblioteca gráfica Cairo 1.15.2, libva-intel-driver 1.7.2,, como todas as bibliotecas relacionadas ao libva, como libva-wayland, libva-tpi, libva-glx, libva-egl, libva-drm, libva-x11 e libva-utils. Também é suportada nesta versão o Intel Graphics Stack Recipe 2016Q3 for Linux.

Atualize para uma versão mais recente da distribuição do sistema operacional se desejar aproveitar esta versão.

Para mais detalhes sobre essa atualização, acesse a nota de lançamento oficial.

Conheça melhor o Intel Graphics Update

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.
Antes de instalar o programa, dê uma boa olhada na lista de compatibilidade de hardware dele.

Como instalar a versão mais recente do Intel Graphics Update

Depois, para instalar o Intel Graphics Update no Linux Fedora e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Baixe e importe as chaves do programa com os seguintes comandos:

wget --no-check-certificate https://download.01.org/gfx/RPM-GPG-KEY-ilg-4 ; sudo rpm --import RPM-GPG-KEY-ilg

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo dnf update

Passo 4. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 5. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o arquivo .RPM do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome intel-graphics-update-tool.rpm:

wget https://download.01.org/gfx/fedora/24/i686/intel-graphics-update-tool-2.0.3-24.intel20163.i686.rpm -O intel-graphics-update-tool.rpm

Passo 6. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o arquivo .RPM do programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome intel-graphics-update-tool.rpm:

wget https://download.01.org/gfx/fedora/24/x86_64/intel-graphics-update-tool-2.0.3-24.intel20163.x86_64.rpm -O intel-graphics-update-tool.rpm

Passo 7. Agora instale o programa com o comando:

sudo yum install intel-graphics-update-tool.rpm

Instalando a versão mais recente do Intel Graphics Update no Ubuntu e derivados

Para instalar a versão mais recente do Intel Graphics Update no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Baixe e importe as chaves do programa com o seguinte comando:

wget --no-check-certificate https://download.01.org/gfx/RPM-GPG-KEY-ilg-4 -O - | sudo apt-key add -

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update
sudo apt-get upgrade

Passo 4. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 5. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome intel-graphics-update-tool.deb:

wget https://download.01.org/gfx/ubuntu/16.10/main/pool/main/i/intel-graphics-update-tool/intel-graphics-update-tool_2.0.3_i386.deb -O intel-graphics-update-tool.deb

Passo 6. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome intel-graphics-update-tool.deb:

wget https://download.01.org/gfx/ubuntu/16.10/main/pool/main/i/intel-graphics-update-tool/intel-graphics-update-tool_2.0.3_amd64.deb -O intel-graphics-update-tool.deb

Passo 7. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i intel-graphics-update-tool.deb

Passo 8. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Como instalar os drivers Intel no Linux

Depois, para instalar os drivers Intel no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Inicie o aplicativo digitando: intel no terminal seguido da tecla tab;
Passo 2. Se for solicitado, digite a senha para autorizar a execução do programa;

Lançado Intel Graphics Update - veja como instalar no Ubuntu

Passo 3. Depois, é só clicar no botão “Begin” e seguir as instruções do programa, que em pouco tempo estará tudo pronto.

Lançado Intel Graphics Update - veja como instalar no Ubuntu

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o ClipGrab no Linux manualmente

Se você precisa de um programa para procurar e baixar vídeos em sites desse tipo de mídia, veja como instalar o ClipGrab no Linux manualmente.


ClipGrab é uma ferramenta gráfica simples que permite que você faça busca e download de vídeos do , Vimeo, Metacafe, e outros sites de vídeo, para salvar no formato original do vídeo ou converter para MPEG4, MP3, WMV, OGG.

Como instalar o ClipGrab no Linux manualmente

Se você usa Ubuntu e derivados…

Se o que você quer é instalar o ClipGrab no Ubuntu, veja esse outro tutorial:
Baixar vídeos do YouTube: veja como instalar o ClipGrab via repositório

Pré requisitos para instalar o ClipGrab

ClipGrab também suporta vídeos HD 1080p, claro, se o ffmpeg ou avconv estiver instalado. Se seu sistema não tiver nenhum dos dois, instale seguindo esses tutoriais:
Como codificar vídeo H.265 usando FFmpeg no Linux (4K e 8K)
11 comandos Avconv para gravar, converter e extrair vídeos e áudio no Linux
Como instalar a versão mais recente do FFmpeg no Debian, Ubuntu e Fedora
FFmpeg no Ubuntu: veja como instalar esse pacote no 14.04/14.10 via repositório

Indo além dos vídeos do YouTube com o ClipGrab

Você pode conferir aqui quais sites são suportados por este software. Mas a ferramenta não se limita aos sites listados, porque muitos mais locais são suportados “extra oficialmente” através do site de reconhecimento automático do ClipGrab.

Conheça melhor o ClipGrab

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o ClipGrab no Linux manualmente

Para instalar o ClipGrab no Linux manualmente a partir de um pacote, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se o seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e clique no link “Show all download options”. Depois, baixe a última versão e salve o arquivo com o nome clipgrab.tar.bz2:

wget https://download.clipgrab.org/clipgrab-3.6.1.bz2 -O clipgrab.tar.bz2

Passo 4. Depois de baixar, execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -xjvf clipgrab.tar.bz2 -C /opt/

Passo 5. Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

sudo mv /opt/clipgrab*/ /opt/clipgrab

Passo 6. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/clipgrab/clipgrab /usr/bin/clipgrab

Passo 7. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=clipgrab\n Exec=/opt/clipgrab/clipgrab\n Icon=Totem\n Type=Application\n Categories=Application;Network' | sudo tee /usr/share/applications/clipgrab.desktop

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite clipgrab no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

sudo chmod +x /usr/share/applications/clipgrab.desktop
cp /usr/share/applications/clipgrab.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para o atalho para sua área de trabalho:

cp /usr/share/applications/clipgrab.desktop ~/Desktop

Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Como remover o programa no Linux

Para remover o programa no Linux, basta fazer o segundo passo do procedimento anterior.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como Instalar a versão mais recente do Tomahawk Music Player no Ubuntu

Já conhece o social media player Tomahawk. Se você usar ou quer experimentar esse reprodutor, veja como instalar o Tomahawk Music Player no Ubuntu e seus derivados.


Tomahawk é um leitor de música que não só sua coleção local, mas também stream, utilizando plugins.

Como Instalar a versão mais recente do Tomahawk Music Player no Ubuntu

Com isso, ele unifica fontes de música como o Spotify, SoundCloud, Rdio, Beats, Google Play Music, YouTube e muitos mais. Você pode até mesmo conectar Tomahawk com seus amigos via Jabber/GTalk e compartilhar suas listas de reprodução e coleções.

Como Instalar a versão mais recente do Tomahawk Music Player no Ubuntu

Conheça melhor o Tomahawk Music Player

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais detalhes sobre essa versão, acesse o CHangeLog.

Como instalar o Tomahawk Music Player no Ubuntu e seus derivados (12.04, 14.04, 14.10, 15.04 e 15.10)

Em versões mais recentes do Ubuntu, o Tomahawk Music Player está disponível nos repositórios oficiais do sistema, e pode ser instalado através da Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install tomahawk. Se a versão que você está usando não possui o programa, para instalar o Tomahawk Music Player no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository :tomahawk/

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install tomahawk

Como instalar o Tomahawk Music Player manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite tomahawk no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Tomahawk Music Player no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Tomahawk Music Player no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:tomahawk/ppa --remove
sudo apt-get remove tomahawk
sudo apt-get autoremove

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Se você não quer utilizar a linha de comando para incluir novos repositórios, veja nesse tutorial como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal.


Na maioria dos tutoriais do blog sempre mostro como adicionar um repositório usando o terminal, por ser mais didático, simples e rápido.

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Entretanto, nem todo se acostuma ou gosta de usar o terminal. Para ajudar esses usuários a fazer isso, criei esse tutorial que mostra como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal.

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Para adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra a “Configurações do sistema”, clicando no ícone dele no lançado do Unity ou a partir do menu do painel;

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Passo 2. Em “Configurações do sistema”, clique no item “Programas e atualizações”;

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Passo 3. Dentro de “Programas e atualizações”, clique na aba “Outros programas”;

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Passo 4.  Na aba “Outros programas”, clique no botão “Adicionar…”;

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Passo 5. Na pequena janela que aparece, digite o nome do repositório PPA (como no exemplo: ppa:noobslab/themes) ou o endereço do repositório (como no exemplo: deb http://download.opensuse.org/repositories/home:/jgeboski/xUbuntu_15.04/ /) na caixa de texto que fica depois do campo “Linha do APT”. Finalmente, clique no botão “Adicionar Fonte”;

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Passo 6. Nesse momento será necessário digitar a senha de administrador e depois clicar no botão “Autenticar”;

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Passo 7. Caso seja necessário a chave do repositório, clique na aba “Autenticação”;

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Passo 8. Nessa aba, clique no botão “Importar Arquivo de Chave…”. Na janela “Importar chave”, informe onde está o arquivo de chave do repositório que você baixou e clique no botão “OK”;

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Passo 9. De volta a tela “Programas e atualizações”, clique no botão “Fechar”. Será exibido uma janela informando que será necessário atualizar as informações sobre as fontes de programas. Para isso, clique no botão “Recarregar”;

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Passo 10. Aguarde a atualização. Quando ela terminar, você já poderá usar a Central de programas do Ubuntu para instalar programas do novo repositório.

Como adicionar repositórios no Ubuntu sem usar o terminal

Pronto! Agora, com esse procedimento você poderá instalar novos repositórios sempre que precisar, tudo sem ter que usar o terminal.

Viu como sem usar o terminal é mais demorado 🙂

Via Ubuntu Community Help Wiki

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o 4K Video Downloader no Linux

Se você está a procura de um recurso para baixar vídeos de serviços online, veja como instalar o 4K Video Downloader no Linux.


4K Video Downloader é um aplicativo que permite baixar conteúdo do YouTube e outras plataformas de vídeo, fazer backup de fotos Instagram, converter vídeo para mp3, e para criar e compartilhar apresentações.

Como instalar o 4K Video Downloader no Linux

A ferramenta pode pegar vídeos do YouTube, Vimeo, Facebook e Dailymotion, além de possuir versões para Windows, Mac e Linux.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links .

Conheça melhor o 4K Video Downloader

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o 4K Video Downloader no Linux

Para instalar o 4K Video Downloader no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/4kvideodownloader*
sudo rm -Rf /usr/bin/4kvideodownloader
sudo rm -Rf /usr/share/applications/4kvideodownloader.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome 4kvideodownloader.tar.bz2:

wget https://downloads.4kdownload.com/app/4kvideodownloader_4.1_i386.tar.bz2 -O 4kvideodownloader.tar.bz2

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome 4kvideodownloader.tar.bz2:

wget https://downloads.4kdownload.com/app/4kvideodownloader_4.1_amd64.tar.bz2 -O 4kvideodownloader.tar.bz2

Passo 6. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

sudo tar -xjvf 4kvideodownloader.tar.bz2 -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/4kvideodownloader*/ /opt/4kvideodownloader

Passo 8. Adicione as bibliotecas do programa no sistema;

sudo ldconfig /opt/4kvideodownloader/

Passo 9. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/4kvideodownloader/4kvideodownloader-bin /usr/bin/4kvideodownloader

Passo 10. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=4kvideodownloader\n Exec=/opt/4kvideodownloader/./4kvideodownloader.sh\n Icon=/\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/4kvideodownloader.desktop

Passo 11. Depois, se precisar desinstalar o programa, apenas execute o passo 2.

Instalando o programa no Debian, Ubuntu e derivados

A instalação desse aplicativo não é garantida em todas as versões dos sistemas Debian, Ubuntu e derivados. De qualquer forma, vale a pena testar se ele é compatível com o sistema que você usa, e se for, comente para que os outros leitores saibam.
Para instalar o programa no Debian, Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome 4kvideodownloader.deb:

wget https://downloads.4kdownload.com/app/4kvideodownloader_4.1-1_i386.deb -O 4kvideodownloader.deb

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome 4kvideodownloader.deb:

wget https://downloads.4kdownload.com/app/4kvideodownloader_4.1-1_amd64.deb -O 4kvideodownloader.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i 4kvideodownloader.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Passo 7. Depois, se precisar desinstalar o programa, execute o comando abaixo;

sudo apt-get remove 4kvideodownloader

Como usar o 4K Video Downloader no Linux

Para usar o 4K Video Downloader no Linux, basicamente, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Copie o link do vídeo no navegador;
Passo 2. Se o programa não estiver sendo executado, inicie-o digitando 4kvideodownloader em um terminal, seguido da tecla TAB. Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho e use-o para iniciar o programa.
Passo 3. Na tela do programa, clique no botão “Colar link” e depois em “Baixar Vídeo”;

Como instalar o 4K Video Downloader no Linux

Passo 4. Aguarde o programa analisar o vídeo;

Como instalar o 4K Video Downloader no Linux

Passo 5. Escolha a qualidade do vídeo e em seguida, clique em “Baixar”;

Como instalar o 4K Video Downloader no Linux

Pronto! Aguarde o programa terminar de baixar o vídeo e em pouco tempo já poderá reproduzi-lo, acessando a pasta “Vídeos”.

Caso você não queria baixar o vídeo na íntegra, este aplicativo também faz a extração do áudio, ou seja, pode salvar apenas o áudio da gravação.

O formato suportado para esse recurso é o MP3. para selecionar a extração, utilize a opção “Extrair Áudio” na janela de download exibida no passo 5 acima.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instale o lançador Slingscold no Ubuntu

Procurando um launcher bonito, leve e funcional? Então instale o Slingscold em seu Ubuntu e resolva seu problema.


Slingscold é um lançador de aplicativos leve, no mesmo estilo do Launchpad para o Mac OS X. Ele está disponível em duas versões diferentes: uma trabalha em tela cheia e a outra não, mas ele também exibe ícones como filtro, como outras áreas de trabalho fazem (/Gnome shell).

Instale o lançador Slingscold no Ubuntu

Esse lançador pode trabalhar em todos os ambientes de desktop como o Unity, Gnome, Gnome Classic, Mate, Cinnamon, KDE, XFCE, Cairo Dock session, Phanteon e LXDE.

Conheça melhor o lançador Slingscold

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o lançador Slingscold no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o lançador Slingscold no Ubuntu e seus derivados, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/apps

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o Slingscold Launcher com filtro e sem o modo tela cheia;

sudo apt-get install slingscold-launcher

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o Slingscold Launcher com o modo tela cheia;

sudo apt-get install slingscold

Como instalar o lançador Slingscold manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome slingscold.deb:

wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/apps/+files/slingscold_1.2.1.7w~NoobsLab.com_i386.deb -O slingscold.deb

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome slingscold.deb:

wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/apps/+files/slingscold_1.2.1.7w~NoobsLab.com_amd64.deb -O slingscold.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i slingscold.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite slingscold no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o lançador Slingscold no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o lançador Slingscold no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove slingscold
sudo apt-get autoremove

Via NoobsLab

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Alternativa ao Microsoft Project: Instale o RationalPlan

Se você procura uma alternativa ao Microsoft Project no Linux, experimente instalar o gerenciador de projetos RationalPlan.


RationalPlan é uma verdadeira alternativa ao microsoft project, que é o software de gerenciamento de projeto que segue as orientações gerais recomendadas para o domínio de gerenciamento de projeto. O programa está disponível para Linux, Mac OS e Windows.

Alternativa ao Microsoft Project: Instale o RationalPlan

O objetivo deste software é ajudar os gerentes de projeto a concluírem seus projetos dentro do prazo e do orçamento, para tornar o processo de planejamento de projetos tão curtos e tão simples quanto possível, orientando os gerentes de projetos iniciantes através de cada passo, mas oferecendo ferramentas suficientes para aqueles mais experientes.

O programa tem características semelhantes ao Microsoft Project, com layout simples e muito organizado. Você pode importar e exportar seus arquivos do Microsoft Project para o gerenciador de projetos RationalPlan e trabalhar neles sem qualquer problema.

A versão Single Project do RationalPlan lida com projetos independentes que não requerem nenhum tipo de recursos compartilhados, vínculos entre tarefas de projetos diferentes. Ele permite programar e controlar projetos independentes individualmente.

Já a versão Multi Project do RationalPlan é projetada especificamente para gerentes de projeto que precisam lidar com projetos e recursos da empresa de forma centralizada.

Além de todas as características da versão Single, a versão Multi Project vem com os adicionais quando os projetos são interligados por dependências de tarefas ou recursos comuns, ou se você só quiser ver os dados de todos os projetos em um só lugar.

Entretanto, apesar de também ter o uso liberado por período ilimitado de tempo, a versão Multi permite a criação de apenas 20 tarefas.

Conheça melhor o gerenciador de projetos RationalPlan – uma alternativa ao microsoft project

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Preparando o sistema para instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu Linux

Um dos pré requisitos para instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu Linux é a instalação do Java mais recente, para isso, veja os tutoriais abaixou ou acesse esse link e siga as instruções dele:
Java no Ubuntu: veja como instalar o OpenJDK 8 nas versões LTS 12.04 e 14.04
Como instalar as versões 6, 7 ou 8 do Oracle Java no Ubuntu
Como instalar o Oracle Java 8 no Debian via repositório
Como instalar Java no Linux manualmente

Como instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar a versão Single Project do RationalPlan. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome rationalplan-single.deb:

wget http://www.rationalplan.com/download/rationalplan-single-4.14.7298.deb -O rationalplan-single.deb

Passo 3. Use o comando abaixo para baixar a versão Multi Project do RationalPlan. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome rationalplan-single.deb:

wget http://www.rationalplan.com/download/rationalplan-multi-4.14.7298.deb -O rationalplan-single.deb

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo dpkg -i rationalplan-single.deb

Passo 5. Se for necessário, o comando a seguir para instalar as dependências do programa;

sudo apt-get install -f

Como instalar o gerenciador de projetos RationalPlan em outras distribuições Linux

Para instalar o gerenciador de projetos RationalPlan em outras distribuições Linux, acesse esse link e faça o download do arquivo zip do programa. Depois siga as instruções da página.

Uma vez instalado, inicie o programa digitando rationalplan no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o gerenciador de projetos RationalPlan no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove rationalplan-single
sudo apt-get autoremove

Via lffl linux freedom

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instalando o conjunto de Ícones Shadow no Ubuntu

Procurando ícones bonitos para deixar seu sistema estiloso? Então experimente instalar o conjunto de Ícones Shadow no Ubuntu.


Shadow é um conjunto de ícones recém-chegado ao desktop Linux. Seu maior diferencial, é que ele fica muito bonito com todo o tipo de temas.

Instalando o conjunto de Ícones Shadow no Ubuntu

Os ícones Shadow foram criados para serem limpos, modernos e customizáveis, a cor principal deste conjunto é o azul e muitos ícones de apps estão em formato redondo.

Então, basicamente, este tema é a mistura de ícones de forma (quadrado) redonda e normal.

Quem quiser criar o dos screenshoots acima, deve usar o conjunto de ícones Shadow, junto com o tema Libra.

Conheça melhor o conjunto de Ícones Shadow

Para saber mais sobre o conjunto de Ícones Shadow, clique nesse link.

Instalando o conjunto de Ícones Shadow no Ubuntu e derivados

Para instalar o conjunto de Ícones Shadow no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se você ainda não tem, adicione o do tema com o comando:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o conjunto de Ícones Shadow usando o seguinte comando:

sudo apt-get install shadow-icon-theme

Como instalar o conjunto de Ícones Shadow manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Desinstalando o conjunto de Ícones Shadow no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o conjunto de Ícones Shadow no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o conjunto de Ícones Shadow, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove shadow-icon-theme

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Via NoobsLab

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

23 de novembro de 2016

Como instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux

Se você usa o virtualizador desktop da Oracle e quer estar sempre com as últimas funcionalidades a sua disposição, veja nesse tutorial como instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux.


VirtualBox é o software de virtualização x86 e AMD64/Intel64 da Oracle. Ele pode ser usado por usuários empresariais e domésticos, e roda como hospedeiro em Windows, Linux, Macintosh e Solaris, suportando um grande número de sistemas operacionais convidados, incluindo mas não limitado ao Windows (NT 4.0, 2000, XP, Server 2003, Vista, Windows 7, Windows 8), DOS/Windows 3.x, Linux (séries 2.4, 2.6 e 3.x), Solaris e OpenSolaris, OS/2 e OpenBSD.

Como instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux

Além disso, o programa também é a única solução profissional de alto desempenho que está disponível gratuitamente como software de código aberto sob os termos da GNU General Public License (GPL) versão 2.
O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Nesse tutorial, você verá como instalar a versão mais recente do Virtualbox no Linux, pois embora não seja garantido, o procedimento abaixo deverá funcionar na maioria das distribuições Linux.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o VirtualBox

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais detalhes sobre a versão mais recente do VirtualBox, clique nesse link.

Deixando sua VM VirtualBox mais completa

Depois de fazer o procedimento de instalação do VirtualBox, se você quiser ver como instalar os Adicionais para Convidado no VirtualBox, assista esse vídeo:

Como instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux

Para instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se você estiver um sistema de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (opção “All distributions”) e baixe a última versão e salve-o com o nome virtualbox.run:

wget http://download.virtualbox.org/virtualbox/5.1.10/VirtualBox-5.1.10-112026-Linux_x86.run -O virtualbox.run

Passo 4. Se você estiver usando um sistema de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página (opção “All distributions”) e baixe a última versão e salve-o com o nome virtualbox.run:

wget http://download.virtualbox.org/virtualbox/5.1.10/VirtualBox-5.1.10-112026-Linux_amd64.run -O virtualbox.run

Passo 5. Torne o arquivo executável com o comando abaixo;

chmod +x virtualbox.run

Passo 6. Inicie a instalação do programa, com o seguinte comando;

sudo ./virtualbox.run

Passo 7. Siga os passos do instalador e se necessário, responda as questões feitas por ele, que em pouco tempo o programa estará instalado e pronto para ser usado.

Instalando a versão mais recente do VirtualBox no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Para instalar a versão mais recente do VirtualBox no Linux Ubuntu, Debian e derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do aplicativo, usando o seguinte comando (para Linux Mint, substitua o “$(lsb_release -cs)” no código pelo codinome do lançamento do Ubuntu que ele se baseia, como trusty, precise, raring e etc):

sudo sh -c 'echo "deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian $(lsb_release -cs) contrib" >> /etc/apt/sources.list.d/virtualbox.list'

Passo 3. Agora instale a chave do repositório usando o seguinte comando:

wget -q https://www.virtualbox.org/download/oracle_vbox_2016.asc -O- | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. A versão 5.1 conflita com versões anteriores, por isso, se estiver usando uma delas, desinstale-as com esse comando;

sudo apt remove virtualbox virtualbox-5.0 virtualbox-4.*

Passo 6. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install virtualbox-5.1

Passo 7. Se depois você precisar desinstalar, use o comando abaixo:

sudo apt-get remove virtualbox-5.1

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite virtualbox em um terminal, seguido da tecla TAB.

Já se a sua distribuição suportar, use um atalho para iniciar o programa. Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivo para executar o programa, apenas clicando em seu ícone, dentro da pasta dele.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Converta arquivos multimídia com Selene Media Encoder

Se você precisa converter arquivos multimídia de diferentes formatos, experimente instalar e usar o Selene Media Encoder.


Selene é uma ferramenta de conversão de mídia, desenvolvido por Tony George (que também está por trás Conky Manager) usando GTK3/Vala.

Converta arquivos multimídia com Selene Media Encoder

O programa tem como objetivo fornecer uma interface gráfica simples para converter arquivos para os formatos populares, juntamente com opções de linha de comando poderosas para codificação autônoma/automatizada.

O Selene está em constante desenvolvimento e tem o suporte a SOX Audio Processing, uma opção para verificar se há encoders desaparecidos (ver imagem abaixo).

Converta arquivos multimídia com Selene Media Encoder

Converta arquivos multimídia com Selene Media Encoder

Além de suportar os formatos de áudio e vídeo mais populares, Selene suporta 2 tipos de presets: presets JSON (que determinam o formato de áudio/vídeo, codecs, bitrate, qualidade e assim por diante), bem como Bash presets de script que pode ser usado para converter arquivos usando qualquer utilitário de linha de comando.

Esse recurso é para a integração de ferramentas que não são suportadas diretamente pelo Selene, bem como para a codificação automática/automática.

Também é importante notar que Selene pode ser usado para cortar, redimensionar e fazer resample de vídeos ou incorporar legendas.

Conheça melhor o Selene Media Encoder

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instale o Selene Media Encoder e converta arquivos multimídia de diferentes formatos no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Selene Media Encoder no Ubuntu e poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo apt-add-repository ppa:teejee2008/ppa

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install selene

Como instalar o Selene Media Encoder manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). ou faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome selene.deb:

wget https://launchpad.net/~teejee2008/+archive/ubuntu/ppa/+files/aptik_16.5.2~200~ubuntu16.04.1_i386.deb -O selene.deb

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome selene.deb:

wget https://launchpad.net/~teejee2008/+archive/ubuntu/ppa/+files/aptik_16.5.2~200~ubuntu16.04.1_amd64.deb -O programa.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i selene.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Como instalar o encoder NeroAAC, para poder encodar no formato AAC/MP4

Para encodar no formato AAC/MP4, o programa precisa do encoder NeroAAC, que você pode instalar, fazendo o seguinte:
Passo 1. Se não estiver sendo executado, abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Vá para a pasta tmp;

cd /tmp

Passo 3. Baixe o arquivo de instalação do encoder com o comando:

wget http://ftp6.nero.com/tools/NeroAACCodec-1.5.1.zip

Passo 4. Descompacte o arquivo baixado usando o comando a seguir:

unzip -j NeroAACCodec-1.5.1.zip linux/neroAacEnc

Passo 5. Execute o instalador, com este comando:

sudo install -m 0755 neroAacEnc /usr/bin

Passo 6. Para finalizar, execute o comando abaixo:

sudo apt-get install gpac

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite selene no (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Selene Media Encoder no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Selene Media Encoder no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-add-repository ppa:teejee2008/ppa --remove
sudo apt-get remove selene
sudo apt-get autoremove

Via WebUpd8

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o módulo de segurança da Caixa no Ubuntu, Debian e derivados

Quer acessar o Banking da Caixa Econômica Federal? Então veja neste tutorial como instalar o módulo de segurança da Caixa no Ubuntu, Debian e derivados.


Para dar mais segurança ao acesso de seus clientes, a Caixa Econômica Federal utiliza uma solução de segurança desenvolvida pela GAS Software, o Warsaw. Com isso, quem usa o Internet Banking da Caixa precisa instalar esse programa. A boa noticia é que esse módulo de segurança da Caixa possui uma versão para Linux.

Como instalar o módulo de segurança da Caixa no Ubuntu, Debian e derivados

Infelizmente, nem tudo é perfeito. Acontece que a Caixa só disponibiliza pacotes no formato DEB, o que restringe a instalação ao Ubuntu, Debian e sistemas derivados.

Conheça melhor o módulo de segurança da Caixa (Warsaw)

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o módulo de segurança da caixa no Ubuntu, Debian e derivados

Para instalar o módulo de segurança da caixa no Ubuntu, Debian e derivados, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Atualize o repositório de pacotes com o comando;

sudo apt-get update

Passo 3. Caso você ainda não possua o Java em seu sistema, instale o suporte a essa tecnologia. Para isso, use o comando abaixo. Caso a versão do seu sistema ainda não tenha o pacote, utilize um esse tutorial:

sudo apt-get install openjdk-8-jdk

Passo 4. Instale os pacotes libnss3-tools e libcurl3;

sudo apt-get install libnss3-tools libcurl3

Passo 5. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 6. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome gbpcef.deb:

wget https://imagem.caixa.gov.br/banner/fgr/GBPCEFwr32.deb -O gbpcef.deb

Passo 7. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome gbpcef.deb:

wget https://imagem.caixa.gov.br/banner/fgr/GBPCEFwr64.deb -O gbpcef.deb

Passo 8. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i gbpcef.deb

Passo 9. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando;

sudo apt-get install -f

Passo 10. Confirme se o módulo de segurança da Caixa está funcional, com o comando abaixo;

ps -ef | grep warsaw

Como instalar o módulo de segurança da Caixa no Ubuntu, Debian e derivados

Passo 11. Feche todos os navegadores. Abra seu navegador favorito (preferencialmente, Chrome e Firefox) e acesse o Internet Banking da CAIXA.

Pronto! Com esse procedimento, você conseguirá usar o Internet Banking da Caixa Econômica Federal normalmente.

Desinstalando o módulo de segurança da Caixa Econômica no Ubuntu, Debian e derivados

Para desinstalar o programa no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove warsaw
sudo apt-get autoremove

Via Caixa Econômica Federal

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 4.8.10

Greg Kroah-Hartman anunciou o lançamento e disponibilidade da décima atualização da série 4.8, o kernel 4.8.10. Se você quiser atualizar seu sistema para essa nova versão, veja abaixo como fazer isso.


O kernel Linux 4.8.10 inclui algumas atualizações para os drivers Ethernet, para STMicroelectronics, dispositivos Broadcom e Mellanox.

Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 4.8.10

A maior parte dos novos patches são melhorias na arquitetura de hardware SPARC64, mas também há uma pilha de rede atualizada com muitas alterações IPv4 e algumas IPv6, DCCP e SCTP.

Para ver todas as mudanças presentes nesse kernel, acesse a nota de lançamento.

Atualizar ou não atualizar! Eis a questão

Essa série é voltada principalmente para os usuários que querem ter no seu sistema, a última versão do kernel Linux. Ela também serve para as pessoas que estão tendo problemas em algum hardware ou no reconhecimento deste e estão na expectativa de alguma correção.

Independente disso, o procedimento a seguir é muito simples e pode ser desfeito com poucos comandos, conforme mostrado no final. Na verdade, se o usuário quiser continuar dando boot pelo kernel anterior, basta apenas escolher a opção no menu do Grub e o novo kernel nem afetará seu sistema.

É 100% seguro? Nada é, mas é exatamente por isso que você deve escolher se irá ou não atualizar (e por isso coloco sempre a mensagem de alerta no texto), pois assim como no uso do software livre/open source, a liberdade de escolha é sua.

Antes de iniciar começar a atualizar o kernel do Ubuntu, saiba que este é um procedimento, que apesar de simples, exige conhecimentos avançados do sistema e deve ser feito por sua própria conta e risco.

Como atualizar o núcleo do Ubuntu para a versão final do kernel 4.8 usando uma aplicativo

Se preferir, é possível fazer a atualização para esse kernel usando a ferramenta Kernel Update, que automatiza todo o processo, conforme mostrado nesses tutoriais:
Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 4.8

Como atualizar o kernel do Ubuntu com o Kernel Update

Como atualizar o núcleo do Ubuntu para o kernel 4.8

Como atualizar o kernel do Ubuntu com o Kernel Update

Mas quem quiser executar e ver cada etapa da atualização, basta seguir o procedimento abaixo:

Como atualizar o núcleo do Ubuntu para a versão final do kernel 4.8.10

Para atualizar o núcleo do Ubuntu para a versão final do kernel 4.8.10, o seguinte
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema acessando as Configurações do Sistema e a opção “Detalhes” ou usando o comando abaixo:

uname -m

Passo 3. Se estiver usando um sistema de 32 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-headers-4.8.10-040810_4.8.10-040810.201611210531_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-headers-4.8.10-040810-generic_4.8.10-040810.201611210531_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-image-4.8.10-040810-generic_4.8.10-040810.201611210531_i386.deb

Passo 4. Se estiver usando um sistema de 32 bits e quiser usar o kernel de baixa latência, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-headers-4.8.10-040810_4.8.10-040810.201611210531_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-headers-4.8.10-040810-lowlatency_4.8.10-040810.201611210531_i386.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-image-4.8.10-040810-lowlatency_4.8.10-040810.201611210531_i386.deb

Passo 5. Se estiver usando um sistema de 64 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-headers-4.8.10-040810_4.8.10-040810.201611210531_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-headers-4.8.10-040810-generic_4.8.10-040810.201611210531_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-image-4.8.10-040810-generic_4.8.10-040810.201611210531_amd64.deb

Passo 6. Se estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar o kernel de baixa latência, baixe os arquivos DEB com os comandos:

wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-headers-4.8.10-040810_4.8.10-040810.201611210531_all.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-headers-4.8.10-040810-lowlatency_4.8.10-040810.201611210531_amd64.deb
wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v4.8.10/linux-image-4.8.10-040810-lowlatency_4.8.10-040810.201611210531_amd64.deb

Passo 7. o kernel com o comando:

sudo dpkg -i linux-headers-4.8.10*.deb linux-image-4.8.10*.deb

Passo 8. Reinicie o sistema com o comando abaixo:

sudo reboot

Passo 9. Se você tiver algum problema e quiser desinstalar o kernel 4.8.10, reinicie o computador com um kernel anterior (usando Grub -> Advanced -> select previous kernel) e quando iniciar o sistema, faça login, abra um terminal e execute o comando abaixo para remover o Linux Kernel 4.8.10:

sudo apt-get remove linux-headers-4.8.10 linux-image-4.8.10

Passo 10. Finalmente atualize o menu do GRUB, com o comando:

sudo update-grub

Nota: Todos os drivers que não fazem parte da principal árvore do kernel (o que obviamente inclui drivers proprietários) devem ser recompilados para novas versões do kernel.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o navegador Vivaldi no Linux

Conheça melhor o navegador Vivaldi

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para ver mais detalhes sobre a versão mais recente desse navegador, acesse a nota de lançamento.

Para conhecer melhor o navegador, assista esse review:

Como instalar o navegador Vivaldi no Linux

Para instalar o programa, o site do Vivaldi oferece pacotes RPM e DEB das últimas versões, e por isso, a instalação do navegador não deve ser difícil.

Resumidamente, basta fazer o download do pacote rpm ou deb da arquitetura do seu sistema (i386/i686, para sistemas de 32 bits, e AMD64/x86_64, para sistemas de 64 bits) e instalar o pacote através do gerenciador de pacotes padrão (dpkg ou rpm).

Você pode baixar diretamente e instalar manualmente ou seguir o procedimento abaixo.

Instalando o navegador Vivaldi no Linux Ubuntu, Debian ou sistemas via repositório

Para instalar o navegador Vivaldi no Linux Ubuntu, Debian ou sistemas derivados via repositório, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo "deb http://repo.vivaldi.com/stable/deb/ stable main" >> /etc/apt/sources.list'

Passo 3. Baixe e importe a chave do repositório com o comando:

wget -q -O - http://repo.vivaldi.com/stable/linux_signing_key.pub | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install vivaldi-stable

Passo 6. Você também pode instalar Vivaldi beta, Vivaldi preview ou Vivaldi snapshot, usando um dos seguintes comandos:

sudo apt install vivaldi-beta
sudo apt install vivaldi-preview
sudo apt install vivaldi-snapshot

Instalando o navegador Vivaldi no Linux Ubuntu, Debian ou sistemas com suporte a pacotes DEB

Para instalar o navegador Vivaldi no Linux Ubuntu, Debian ou sistemas com suporte a pacotes DEB, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome vivaldi.deb:

wget https://downloads.vivaldi.com/stable/vivaldi-stable_1.5.658.44-1_i386.deb -O vivaldi.deb

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome vivaldi.deb:

wget https://downloads.vivaldi.com/stable/vivaldi-stable_1.5.658.44-1_amd64.deb -O vivaldi.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i vivaldi.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Passo 7. Depois, se for necessário, desinstale o programa usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove vivaldi*

Instalando o navegador Vivaldi no Linux Fedora e sistemas com suporte a pacotes RPM

Para instalar o navegador Vivaldi no Linux Fedora e sistemas com suporte a pacotes RPM, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome vivaldi.rpm;

wget https://downloads.vivaldi.com/stable/vivaldi-stable-1.5.658.44-1.i386.rpm -O vivaldi.rpm

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome vivaldi.rpm;

wget https://downloads.vivaldi.com/stable/vivaldi-stable-1.5.658.44-1.x86_64.rpm -O vivaldi.rpm

Passo 5. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall vivaldi.rpm

ou

sudo dnf install vivaldi.rpm

Passo 6. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install vivaldi.rpm

Passo 7. Para instalar em um OpenMandriva, Mageia e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo urpmi vivaldi.rpm

Passo 8. Para instalar o programa em qualquer distro que suporte RPM, use o comando:

sudo rpm -i vivaldi.rpm

Passo 9. Se depois você precisar desinstalar o programa em uma distro que suporte RPM, use o comando a seguir;

sudo rpm -e vivaldi*

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite vivaldi no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Instalou o navegador e o Flash e H.264 não estão funcionando? Veja a solução no tutorial abaixo:
Como adicionar suporte ao Flash e h.264 no Vivaldi

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como alterar os nomes das unidades de disco usando o Gparted

Se você precisa identificar melhor as unidades do seu computador, aprenda nesse tutorial como alterar os nomes das unidades de usando o Gparted.


Quando o gerenciador de arquivos Nautilus mostra as unidades de disco apenas com “x GB Volume” fica chato e as vezes complicado para descobrir qual é qual.

Como alterar os nomes das unidades de disco usando o Gparted

Nessa situação, o melhor a é nomear essas unidades de um jeito que o usuário não tenha que bater muita cabeça para identificar a unidade, conforme será mostrado a seguir.

Conheça melhor o Gparted

Para saber sobre esse programa, clique nesse link.

Como alterar os nomes das unidades de disco usando o Gparted

Para alterar os nomes das unidades de disco usando o Gparted, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Se você ainda não tiver o Gparted instalado, procure por ele na Central de programas e instale-o ou use o comando abaixo para isso;

sudo apt-get install gparted -y

Passo 2. Para executar o programa, clique no Dash e digite a palavra gparted. Quando ele aparecer no resultado da pesquisa, clique nele para executá-lo;

Como alterar os nomes das unidades de disco usando o Gparted

Passo 3. do programa, clique no disco que você deseja mudar o nome, para selecioná-lo;

Como alterar os nomes das unidades de disco usando o Gparted

Passo 4. Se a partição não estiver desmontada, clique com o botão direito sobre ela e no menu que aparece, selecione a opção “Desmontar”;

Como alterar os nomes das unidades de disco usando o Gparted

Passo 5. Com a partição já desmontada, clique novamente com o botão direito sobre ela e quando o menu aparecer, clique na opção “Rótulo”;

Como alterar os nomes das unidades de disco usando o Gparted

Passo 6. Na janela que será exibida, coloque o nome que deseja chamar a unidade e depois, clique no botão “OK” para confirmar;

Como alterar os nomes das unidades de disco usando o Gparted

Pronto! Agora que a unidade irá exibir o nome que você colocou, e certamente ficará bem mais fácil identificá-la

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Descobrindo novos endereços de repositórios PPA

Quer instalar novos programas no Ubuntu e não sabe por onde começar? Então conheça mais um pouco sobre o assunto e veja como descobrir novos endereços de repositórios PPA para poder instalar mais aplicativos no seu sistema.


Os repositórios PPA (Personal Package Archives) são um recurso importante que serve principalmente para acrescentar mais opções de programas ao Ubuntu. Esse tipo de repositório são servidores disponíveis na internet onde se encontram programas que não estão nos repositórios oficiais da sua distro.

Descobrindo novos endereços de repositórios PPA

A grande diferença entre instalar a versão de um programa através dos repositórios oficiais da Central de Programas e instalar via repositório PPA, é que no primeiro caso, os programas e suas possíveis atualizações já foram testadas e apresentam um nível bom de segurança e estabilidade. Porém, muitas vezes não trazem os mesmos recursos das versões mais recentes, disponíveis nos PPA´s.

Descobrindo novos endereços de repositórios PPA

Para descobrir novos endereços de repositórios PPA, basta dar uma olhada no site UbuntuUpdates.org.

Melhor ainda, se quiser ver uma lista bem completa desses repositórios acessem diretamente esse link.

Observe que nem todos os PPA´s listados estão ativos e é bom verificar antes de começar a usá-los em seu sistema.

Essa listagem pode ser útil para descobrir novos endereços de repositórios PPA ou se um repositório já é compatível com a última versão do Ubuntu.

Descobrindo novos endereços de repositórios PPA

Segundo o site, toda sua estrutura foi implementada usando o framework Ruby on Rails. Eles afirmam que tentam dar uma visão diferente sobre as atualizações de pacotes do Ubuntu e as informações apresentadas no site são inteiramente baseadas em dados que estão disponíveis gratuitamente em archive.ubuntu.com, launchpad.net, seus sites espelhos e outros repositórios de software dedicados ao Ubuntu.

A coleta e organização dos dados do é totalmente automatizada e nenhuma modificação é feita para empacotar descrições ou changelogs.

Mesmo com todas as informações do site UbuntuUpdates.org, se você sabe de algum endereço que não esteja na lista ou de alguma outra lista de repositórios PPA, coloque nos comentários para que os outros leitores também possam conhecer.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o editor de vídeo Cinelerra no Linux

Já ouviu falar do editor de vídeo Cinelerra? Conheça e veja aqui como instalar o programa a partir do binário de 64 bits para Linux, disponibilizado pela sua produtora.


Completando nossa seleção de editores de vídeo para Linux, conheçam Cinelerra, um software livre de edição não-linear e composição de vídeo profissional para Linux.

Como instalar o editor de vídeo Cinelerra no Linux

O programa é distribuído sobre a GNU General Public License, foi lançado em 1 de Agosto de 2002, é produzido pela Heroine Virtual e foi baseado numa parte de um produto anterior conhecido como Broadcast 2000, pertencente à mesma empresa.

Cinelerra inclui suporte a vídeo e áudio de alta fidelidade: ele processa áudio usando de precisão, e pode trabalhar com espaços de cor tanto em RGBA como YUVA, usando ponto flutuante e representações de unidades em 16-bit, respectivamente.

Além disso, o programa é independente de resolução e frame rate, ou seja, suporta vídeo em qualquer velocidade e tamanho.

O editor também inclui um mecanismo de composição de vídeo, permitindo ao usuário executar operações de composição avançadas como keying e mattes.

Quer conhecer outros editores de vídeo? Então não deixe de ver esse artigo:
Editores de vídeo para Linux

Conheça melhor o editor de vídeo Cinelerra

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o editor de vídeo Cinelerra no Linux

Para instalar o editor de vídeo Cinelerra no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual, apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/cinelerra*
sudo rm -Rf /usr/bin/cinelerra
sudo rm -Rf /usr/share/applications/cinelerra.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits (só existe pacote do programa para 64 bist), para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página e baixe a última versão e salve-o com o nome cinelerra.tar.xz;

wget http://ufpr.dl.sourceforge.net/project/heroines/cinelerra-6-x86_64.tar.xz -O cinelerra.tar.xz

Passo 5. Depois de baixar, execute um dos comandos abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar Jxf cinelerra.tar.xz -C /opt/

ou

unxz -c cinelerra.tar.xz | sudo tar xv -C /opt/

Passo 6. Se necessário, renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo;

sudo mv /opt/cinelerra*/ /opt/cinelerra

Passo 7. Finalmente, crie um atalho para facilitar a execução do programa;

sudo ln -sf /opt/cinelerra/cinelerra /usr/bin/cinelerra

Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=cinelerra\n Exec=/opt/cinelerra/cinelerra\n Icon=\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/cinelerra.desktop

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite cinelerra em um terminal, seguido da tecla TAB ou use o atalho criado.

Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

sudo chmod +x /usr/share/applications/cinelerra.desktop
cp /usr/share/applications/cinelerra.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

cp /usr/share/applications/cinelerra.desktop ~/Desktop

Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Como remover o editor de vídeo Cinelerra no Linux

Para remover o editor de vídeo Cinelerra no Linux, basta fazer o segundo passo do procedimento anterior.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente

Já conhece o Pale Moon, um navegador que é o Firefox rápido que o Firefox? Pois se você quiser experimentar esse programa, veja a seguir como instalar o Pale Moon no Linux manualmente.


Pale Moon é um navegador multiplataforma e open source, baseado no Mozilla Firefox, sendo que ele é até 25% mais rápido do que o original.

Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente

Também vale a pena mencionar, que devido ao fato do Pale Moon não ser afiliado a Mozilla, ele não adotou a interface Australis e manteve uma aparência inspirada na interface do Firefox clássico.

Além disso, o suporte para DRM não foi adicionado por padrão, mas os usuários têm a possibilidade de fazer isso, através de plugins de terceiros.

Caso não aconteça problemas com dependências, com o procedimento abaixo você poderá instalar o Pale Moon em praticamente qualquer distribuição Linux.

Se você quiser instalar o Pale Moon usando o instalador oficial do projeto, veja esse outro tutorial:
Firefox otimizado: Instale o navegador Pale Moon no Linux

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o Pale Moon

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para saber mais sobre essa versão, acesse a nota de lançamento.

Como instalar o Pale Moon no Linux manualmente

Para instalar o Pale Moon no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Caso já tenha feito alguma instalação manual (e queira uma instalação limpa), apague a pasta, o link e o atalho anterior com esse comando;

sudo rm -Rf /opt/palemoon*
sudo rm -Rf /usr/bin/palemoon
sudo rm -Rf /usr/share/applications/palemoon.desktop

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome palemoon.tar.bz2:

wget http://linux.palemoon.org/files/27.0.0/palemoon-27.0.0.en-US.linux-i686.tar.bz2 -O palemoon.tar.bz2

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome palemoon.tar.bz2:

wget http://linux.palemoon.org/files/27.0.0/palemoon-27.0.0.en-US.linux-x86_64.tar.bz2 -O palemoon.tar.bz2

Passo 6. Depois de baixar, execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado, para a pasta /opt/;

sudo tar -xjvf palemoon.tar.bz2 -C /opt/

Passo 7. Renomeie a pasta criada (se ocorrer um erro na execução do comando abaixo, pule este passo);

sudo mv /opt/palemoon*/ /opt/palemoon

Passo 8. Para ficar mais fácil de executar o programa, crie um link para ele como o comando abaixo:

sudo ln -sf /opt/palemoon/palemoon /usr/bin/palemoon

Passo 9. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=palemoon\n Exec=/opt/palemoon/palemoon\n Icon=/opt/palemoon/browser/icons/mozicon128.png\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/palemoon.desktop

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite pale em um terminal, seguido da tecla TAB.

Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

sudo chmod +x /usr/share/applications/palemoon.desktop
cp /usr/share/applications/palemoon.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

cp /usr/share/applications/palemoon.desktop ~/Desktop

Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Como deixar o Pale Moon em português do Brasil

Por padrão, esse navegador vem com a interface toda em inglês do Estados Unidos, por isso, para deixar o Pale Moon em português do Brasil, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Execute o Pale Moon e acesse esse link. Quando aparecer uma tela solicitando a instalação do pacote de linguagem, clique no botão “Install Now” e aguarde finalizar a instalação;

Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente

Passo 2. Depois que terminar a instalação, clique dentro da caixa de endereço do Pale Moon, digite o comando “about:config” (sem as aspas) e pressione a tecla enter;

Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente

Passo 3. Na tela que será exibida, clique dentro da caixa do campo “Search” e digite “general.useragent.locale” (também sem as aspas);

Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente

Passo 4. A seguir, dê um clique duplo sobre o valor “en-US”. Na tela janela que aparece, substitua “en-US” por “pt-BR” (sem as aspas) e clique no botão “OK”;

Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente

Passo 5. Feche o navegador e quando você iniciar ele novamente, sua interface já estará em português do Brasil.

Como remover o programa no Linux

Para remover o programa no Linux, basta fazer o segundo passo do procedimento de instalação.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu

Que tal colocar “um pouco” (só um pouco mesmo) do estilo do Windows 8 em seu desktop? Para fazer isso, você só precisa instalar o pacote de Sigma nele.


O pacote Sigma Metro contém ícones para a maioria das aplicações, pastas, estado, mime-types e outros que estão disponíveis para Linux, ele é liberado sob a licença GNU General Public. Se você gosta do trabalho criador, então não se esqueça de animá-los com a doação.

Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu

Este pacote de ícones é inspirado no Windows 8, em seus live tiles e na sua interface estilo metro, Modern, ou seja lá como chamam atualmente.

Ele foi criado para dar um pouco desse estilo para o desktop Linux. O conjunto é compatível com os ambientes Unity, Gnome, Xfce, Mate e Cinnamon.

Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu

Conheça melhor o pacote de ícones Sigma Metro

Para saber sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu e derivados

Para instalar o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons2

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o programa usando o seguinte comando:

sudo apt-get install sigma-metro-icons

Como instalar o pacote de ícones Sigma Metro manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Instalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu

Desinstalando o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o pacote de ícones Sigma Metro no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o pacote de ícones Sigma Metro, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove sigma-metro-icons

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Via noobslab

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

22 de novembro de 2016

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll

Procurando um recurso para localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll no Ubuntu, Debian e sistemas derivados, e comece a pesquisar.


Recoll é um programa pesquisa de texto completo baseado em QT, licenciado sob a GPL e feito especialmente para sistemas Unix-like e Linux, mas que também está disponível para sistemas Windows e Mac.

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll

O programa fornece pesquisa de texto completa e eficiente com uma única palavra, chegando até a fazer pesquisas booleanas complexas.

Basicamente, ele indexa os dados originais (juntamente com suas versões compactadas) e o grande número de arquivos, em seguida, ajuda você a encontrar o que procura rapidamente.

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll

Recoll atualiza seu índice em intervalos concebidos (por exemplo através de tarefas Cron) mas, se desejar, a tarefa de indexação pode ser executado como um daemon de monitoramento do sistema de arquivos para atualizações de índice em tempo real.

A arquitetura de conversão e extração de texto do Recoll torna extremamente fácil escrever novos filtros, e muitos tipos de documentos são suportados.

Ele indexa o conteúdo de muitos tipos de documentos: texto, HTML, arquivos de armazenamento de E-mail de todos os tipos, OpenOffice.org, Microsoft Office e Office Open XML, AbiWord, KWord, Gaim, o LYX, Scribus, PDF, WordPerfect, PostScript, RTF, TeX , DVI, DjVu, MP3 e outros formatos de arquivo de áudio, JPEG e outros formatos de arquivo de imagem.

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll

Conheça melhor o Recoll

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para ver a completa de recursos do programa acesse a página de funcionalidades do programa.

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll no Ubuntu e seus derivados

Para poder localizar texto dentro de arquivos no seu sistema Linux, siga o procedimento abaixo. Com isso você instalará o Recoll no Ubuntu (ou um derivado dele) e ainda receberá automaticamente as futuras atualizações dele. Para isso, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:recoll-backports/recoll-1.15-on

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install recoll

Passo 5. Para KDE4, instale este pacote também:

sudo apt-get install kio-recoll

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll no Debian e seus derivados

Para poder localizar texto dentro de arquivos no seu sistema Linux, siga o procedimento abaixo. Com isso você instalará o Recoll no Debian (ou um derivado dele) e ainda receberá automaticamente as futuras atualizações dele. Para isso, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do aplicativo, usando o seguinte comando;

sudo sh -c 'echo "deb http://www.lesbonscomptes.com/recoll/debian/ $(lsb_release -cs) contrib" >> /etc/apt/sources.list.d/recoll.list'

Passo 3. Agora instale a chave do repositório usando o seguinte comando:

wget -O - http://www.lesbonscomptes.com/key/jf@dockes.org.gpg.key | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install recoll

Como instalar o Recoll manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite recoll no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Localizar texto dentro de arquivos no Linux? Instale Recoll

Desinstalando o Recoll no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Nem tduo é perfeito, por isso, se você não gostar do programa pode desinstalar o Recoll no Linux Ubuntu, Debian e derivados, fazendo o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:recoll-backports/recoll-1.15-on --remove
sudo apt-get remove recoll
sudo apt-get autoremove

Via NoobsLab

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o Bitcoin Core Wallet no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Se você quer trabalhar com Bitcoin no Linux, veja como instalar o Bitcoin Core Wallet no Ubuntu, Linux Mint e derivados.


Bitcoin Core é um software livre, um Bitcoin wallet desenvolvido pela Fundação Bitcoin.

Como instalar o Bitcoin Core Wallet no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Neste tutorial, você verá como instalar a carteira do Bitcoin Core no Ubuntu 16.04 e Ubuntu 16.10. Uma vez feito, você terá seu próprio endereço de carteira bitcoin que você pode usar para enviar, receber e armazenar bitcoins.

Conheça melhor o Bitcoin Core Wallet

Para saber mais sobre o Bitcoin Core Wallet, clique nesse link.

Como instalar o Bitcoin Core Wallet no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Bitcoin Core Wallet no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:bitcoin/bitcoin

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install bitcoin-qt bitcoind

Como instalar o Bitcoin Core Wallet manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Usando o Bitcoin Core Wallet no Ubuntu e derivados

Quando quiser iniciar o programa, digite bitcoin-qt no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Bitcoin-qt fornece uma interface gráfica, enquanto bitcoind é o daemon Bitcoin. Se você apenas quer uma interface gráfica e não tem nenhum plano para usar o daemon, então não digite bitcoind na linha de comando.

Na primeira execução, ele pedirá que você defina seu diretório de dados bitcoin que será usado para armazenar a cadeia de blocos Bitcoin e sua carteira. O padrão é .bitcoin/ em seu diretório pessoal. Verifique se o diretório de dados tem mais de 80 GB de espaço livre em disco.

Como instalar o Bitcoin Core Wallet no Ubuntu, Linux Mint e derivados

A cadeia de bloco é de cerca de 80 GB de tamanho. Então você pode precisar esperar por alguns dias para que ele seja baixado em seu computador e, em seguida, você pode começar a usar Bitcoin.

Desinstalando o Bitcoin Core Wallet no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Bitcoin Core Wallet no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:bitcoin/bitcoin --remove
sudo apt-get remove bitcoin-qt bitcoind
sudo apt-get autoremove

Via LinuxBabe

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

Se você não gosta do visual do GNU Image Program, veja aqui como usar no GIMP e mudar a aparência do programa, para deixá-lo do jeito que você quer.


Se você gosta de edição de fotos ou já precisou fazer algo em imagens, são grandes as chances de que você provavelmente já ouviu falar do programa conhecido como GIMP. Ele é bem conhecido, principalmente por ser uma alternativa livre e de código aberto para o extremamente popular Adobe Photoshop.

Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

O GIMP é um aplicativo impressionante com um monte de recursos interessantes para você escolher. Ainda assim, o seu visual precisa mudar para melhor. É um bom programa, mas não é exatamente o mais moderno visualmente.

Vamos apenas dizer que a interface de usuário do programa precisa de alguma modernização. Uma das coisas que provavelmente mais precisa ser atualizada é o tema de ícones.

Não parece muito bom, e por vezes, os ícones podem ser difícil de ler. Felizmente, com temas no GIMP, é possível personalizar o programa.

No procedimento a seguir será mostrado como baixar, instalar e usar um determinado tema. Isso servirá de base para que você possa mudar a interface do programa, para que ele fique próximo do que você quer.

Com poucas mudanças, o processo pode funcionar para outros temas e em qualquer distribuição Linux, e até em outros sistemas operacionais :).

Conheça melhor o GIMP

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para encontrar mais temas para esse programa, clique nesse link.

Como usar temas no GIMP para mudar a aparência do programa

Para baixar, instalar e usar temas no GIMP para mudar a aparência do programa, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Se você for usar comandos, abra um terminal;
Passo 2. Baixe o Flat GIMP icon Theme usando o comando abaixo ou acesse o link e clique na opção “Download” que fica no lado direito da página. Para ficar de acordo com os comandos usados nesse tutorial, salve o arquivo como -gimp-icon.zip;

wget http://orig14.deviantart.net/0ee4/f/2015/118/5/7/flat_gimp_icon_theme_v_2_1_by_android272-d679s6z.zip -O flat-gimp-icon.zip

Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

Passo 3. Descompacte o arquivo baixado com o comando a seguir ou abra o gerenciador de arquivo e clique nele com o botão direito do mouse. No menu que aparece, clique na opção “Extrair aqui”;

unzip flat-gimp-icon.zip

Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

Passo 4. Copie a pasta Decor e as pastas dentro de GIMP_Orange para a pasta ~/.gimp-2.8/themes/, usando o comando abaixo. Se quiser usar o mouse, clique com o botão direito na pasta e escolha a opção “Copiar” no menu (lembre-se copiar as pastas dentro de GIMP_Orange). Depois vá para a pasta ~/.gimp-2.8/themes/, clique com o botão direito e escolha a opção “Colar” no menu;

mv Flat\ GIMP\ icon\ Theme\ V2/Decor/ ~/.gimp-2.8/themes/
mv Flat\ GIMP\ icon\ Theme\ V2/GIMP_Orange/* ~/.gimp-2.8/themes/

Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

Passo 5. Inicie o programa, digitando gimp em um terminal, seguido da tecla TAB ou clicando no atalho do programa;
Passo 6. Com o Gimp aberto, vá para o menu “Editar” e clique na opção “Preferências”;

Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

Passo 7. Na janela “Preferências”, clique no item “Tema” e depois no tema que você quer utilizar.

Temas no GIMP: veja como mudar a aparência do programa

Pronto! Agora que você já sabe como usar temas no GIMP, pode mudar a aparência do programa e personalizá-lo para deixar do jeito que quiser. Divirta-se!

Via Make Tech Easier

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instale o Package Converter e faça conversão de pacotes de um jeito bem fácil

Precisando converter pacotes de uma distribuição, para o formato suportado por outra? Então instale o Package Converter e faça conversão de pacotes de um jeito bem fácil.


Se você quiser usar um pacote de outra distribuição Linux em seu sistema, você pode usar o Alien para convertê-lo para seu formato de pacotes preferido e então ele. Agora, para deixar a tarefa mais fácil ainda, experimente usar o Package Converter.

Instale o Package Converter e faça conversão de pacotes de um jeito bem fácil

Alien é um programa que é usado para converter Red Hat , Debian deb, Stampede slp, Slackware tgz, e formatos de arquivo pkg do Solaris. Ele também suporta pacotes .

Infelizmente para alguns, o Alien é um programa em modo texto, e para estes, pode ser meio assustador. Mas com o Converter Package é possível resolver essa dificuldade.

O programa é uma interface gráfica para o Alien, que permite fazer a conversão de pacotes de um jeito bem fácil.

Conheça melhor o Package Converter

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Para ver o programa em ação, assista o vídeo abaixo:

Instalando o Package Converter no Ubuntu

Para instalar o Package Converter no Ubuntu, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, acesse o tutorial abaixo para ativar o suporte a 32-bits no Ubuntu de 64-bits;
Como ativar o suporte a 32-bits no Ubuntu de 64-bits
Passo 4. Depois, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:upubuntu-com/ppa

Passo 5. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 6. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install package-converter

Como instalar o Package Converter ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB ou RPM do programa nesse link, ou as versões para Ubuntu, nesse link, e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite package no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Como converter arquivos de pacotes com o Package Converter

Fazer conversão entre formatos de pacote usando o Package Converter é muito mais fácil do que usar Alien:

  • Adicione o arquivo de origem clicando no sinal (+) e selecione o local de saída (onde será saldo o arquivo convertido), clicando no sinal (-).
  • Em seguida, selecione o formato de saída a ser convertido na caixa drop-down do campo “Packaje Type”. Por fim, clique no botão verde da engrenagem para iniciar a conversão.

Instale o Package Converter e faça conversão de pacotes de um jeito bem fácil

Desinstalando o Package Converter no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Package Converter no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:upubuntu-com/ppa --remove
sudo apt-get remove package-converter
sudo apt-get autoremove

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o Y PPA Manager no Ubuntu e derivados

Depois de instalar diversos programas via PPA (alguns até sugeridos aqui no blog), fica complicado administrar tudo isso, não é mesmo? Para resolver isso, veja como instalar o Y PPA Manager no Ubuntu e derivados


Para aqueles que ainda não conhecem, o Y PPA Manager é uma ferramenta que permite gerenciar PPAs. Com ele você pode , remover ou limpar PPAs, procurar pacotes nos PPAs, bem como outros recursos muitos úteis.

Como instalar o Y PPA Manager no Ubuntu e derivados

Ficou curioso? o Y PPA Manager também pode:

  • Listar os pacotes disponíveis em um PPA adicionado em seu sistema;
  • Baixar pacotes de PPAs sem adicioná-los;
  • Fazer backup/restauração de PPAs, juntamente com todas as chaves do PPA;
  • Atualizar repositórios únicos usando uma ferramenta de linha de comando (por falar nisso, quando você adiciona um PPA usando Y PPA Manager, ele é atualizado sem atualizar todas as fontes de software) chamada de “update-ppa” – Exemplo de uso: “sudo update-ppa ppa:webupd8team/java “;
  • Ajudá-lo a reativar PPAs para voltar a funcionar, quando fizer uma atualização para uma versão mais recente do Ubuntu/Linux Mint;
  • Remover PPAs duplicadas;
  • Fornecer Unity quicklists ou opcionalmente, AppIndicator;

Conheça melhor o Y PPA Manager

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Y PPA Manager no Ubuntu e derivados

Para instalar o Y PPA Manager no Ubuntu e derivados, o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/y-ppa-manager

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install y-ppa-manager

Como instalar o Y PPA Manager manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite y ppa no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Y PPA Manager no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Y PPA Manager no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/y-ppa-manager --remove
sudo apt-get remove y-ppa-manager
sudo apt-get autoremove

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Alternativa ao Dash: Instale o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu

Se você procura uma alternativa ao Dash, experimente o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu.


Synapse é um poderoso lançador de aplicações para o Ubuntu Linux, que permite iniciar aplicações, bem como encontrar e acessar documentos e arquivos relevantes, fazendo uso do mecanismo de Zeitgeist. Além dessas características, o programa também é uma ótima alternativa ao Dash.

Alternativa ao Dash: Instale o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu

Com os plugins padrão habilitados, Synapse também permite que você encontre e execute comandos arbitrários, calcule expressões básicas, faça logout ou bloqueie a tela da sessão atual, desligue, reinicie, suspenda ou hiberne o computador, compartilhe imagens usando Imgur, conecte com um servidor com SSH e faça pesquisas na web.

Alternativa ao Dash: Instale o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu

Synapse suporta atalhos de teclado. Por padrão, você pode

  • Pressiona as teclas Ctrl + espaço, para abrir a caixa de pesquisa;
  • Não digitar nada e usar as teclas de direção para cima ou para baixo e navegar entre os resultados;
  • Pressionar Enter para executar a aplicação ou abrir o documento ou arquivo.

Conheça melhor o lançador de aplicações Synapse

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu e ter uma alternativa ao Dash

Para instalar o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu e ter uma alternativa ao Dash, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:synapse-core/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install synapse

Como instalar o lançador de aplicações Synapse manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Com o programa instalado, quando quiser iniciá-lo, apenas digite synapse no terminal, seguido da tecla TAB.

Quando o programa estiver aberto, você pode configurar a inicialização automática, os atalhos de teclado e os plugins. Para fazer isso, use a janela de Preferências que fica no menu do indicador.

Alternativa ao Dash: Instale o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu

Desinstalando o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu e

Para desinstalar o lançador de aplicações Synapse no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:synapse-core/ppa --remove
sudo apt-get remove synapse
sudo apt-get autoremove

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar os ícones do Elementary OS no Ubuntu

Curte o visual do Elementary OS, mas prefere continuar usando o Ubuntu? Experimente o conjunto de ícones Elementary-Add e tenha os ícones do Elementary OS no Ubuntu, e muito mais ícones.


Não há dúvida de que Elementary OS tem ícones com um visual agradável, mas o conjunto de ícones Elementary-Add vai além do padrão e parece muito melhor. Ele contém ícones de diferentes temas de ícones padrão do sistema operacional Elementary OS, Circle and Elementary-Plus.

Como instalar os ícones do Elementary OS no Ubuntu

A ideia por trás do projeto é tornar tema de ícones mais elegante e completo, para que possa ser usado por qualquer usuário Linux. Elementary-Add contém mais de 1000 ícones para diferentes aplicações, e é compatível com a maioria dos ambientes de desktop como Unity, Gnome, Cinnamon, Mate, Pantheon e outros.

Como instalar os ícones do Elementary OS no Ubuntu

Como instalar os ícones do Elementary OS no Ubuntu

Como instalar os ícones do Elementary OS no Ubuntu

Como instalar os ícones do Elementary OS no Ubuntu

Além do conjunto de ícones Elementary-Add, foi usado o tema Arc nas imagens exibidas nesse texto.

Conheça melhor o conjunto de ícones Elementary-Add

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando os ícones do Elementary OS no Ubuntu e derivados

Para instalar os ícones do Elementary OS no Ubuntu e derivados, usando o conjunto de ícones Elementary-Add, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/icons

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o conjunto de ícones Elementary-Addx usando o seguinte comando:

sudo apt-get install elementary-add-icons

Como instalar o conjunto de ícones Elementary-Add manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome elementary.deb:

wget https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/icons/+files/elementary-add-icons_2.7.3-a~xenial~NoobsLab.com_all.deb -O programa.deb

Passo 3. Agora instale o tema com o comando:

sudo dpkg -i elementary.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Desinstalando os ícones do Elementary OS no Ubuntu e derivados

Para desinstalar os ícones do Elementary OS no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o conjunto de ícones Elementary-Add, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove elementary-add-icons
sudo apt-get autoremove

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Via NoosLab

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

21 de novembro de 2016

Como instalar a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu

Para mais detalhes, consulte o changelog

Conheça melhor o ambiente Cinnamon

Para saber mais sobre esse ambiente, clique nesse link.

Como instalar a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu

Para instalar a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se você estiver usando o Ubuntu 15.10/16.04, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:embrosyn/cinnamon

Passo 3. Se você estiver usando o Ubuntu 14.04, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository -y ppa:gwendal-lebihan-dev/cinnamon-nightly

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install cinnamon

Saia da sessão atual e quando aparecer a tela de login, escolha o Cinnamon. Entre com seu usuário e senha, e depois comece a experimentar o ambiente.

Como instalar a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu

Resolvendo problemas do ambiente Cinnamon 3.x no Ubuntu 16.04/15.10

No Ubuntu 16.04, os temas Ambiance e Radiance têm alguns problemas no Cinnamon, para resolver isso, instale o tema Numix GTK Tema usando o seguinte comando:

sudo apt install numix-gtk-theme

No Ubuntu 15.10 pode acontecer da opção “Sair” no menu do Cinnamon (que permite desligar o computador) não funcionar corretamente. Para resolver isso, use os seguintes comandos…:

gsettings set org.cinnamon.desktop.session settings-daemon-uses-logind true
gsettings set org.cinnamon.desktop.session session-manager-uses-logind true
gsettings set org.cinnamon.desktop.session screensaver-uses-logind false

… E depois reinicie a sessão (faça o logout ou reinicie o sistema).

Pronto! Agora que você instalou a versão mais recente do ambiente Cinnamon no Ubuntu , aproveite o ambiente.

Desinstalando o ambiente Cinnamon no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o ambiente Cinnamon no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o ambiente, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get purge --auto-remove cinnamon
sudo apt-get autoremove

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Lista de coisas para fazer: Instale Go For It um To-Do List com timer

Que tal organizar seus objetivos em uma lista de coisas para fazer? Para conseguir isso, basta instalar o Go For It, um app de To-Do List com timer.


Go For It é um aplicativo open source de lista de coisas para fazer ou como alguns preferem chamar: To-Do List. Ele apresenta uma interface de usuário simples e elegante com timer (temporizador) integrado.

Lista de coisas para fazer: Instale Go For It um To-Do List com timer

Para facilitar ainda mais, as listas de tarefas são armazenadas no formato Todo.txt. Isso simplifica a sincronização com dispositivos móveis e faz com que seja possível editar tarefas usando outros front-ends além do padrão.

No programa, a lista de coisas para fazer e o temporizador são usados juntos: simplesmente selecione uma tarefa e mude para a aba “Timer” (temporizador), para ativá-lo. A partir da guia Timer, você pode optar por marcar uma tarefa como concluída, pular ou pausá-la a qualquer momento:

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o Go For It

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Se você quiser saber um pouco mais sobre o funcionamento desta aplicação, assista o vídeo abaixo:

Lista de coisas para fazer: Como instalar o Go For It no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Go For It no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:mank319/go-for-it

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install go-for-it

Como instalar o Go For It manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Ajustando o sistema para poder usar o programa

Se a versão do Ubuntu que você estiver usando utiliza a sobreposição de barras de rolagem no Unity (o programa tem um corrigir um bug relacionado a isso), faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Execute o comando abaixo para editar o arquivo de atalho do app.

sudo gedit /usr/share/applications/go-for-it.desktop

Passo 3. Com o arquivo aberto, edite a linha ‘Exec’ para que fique como abaixo (isso desativa as sobreposição das barras de rolagem para o app):

Exec=env LIBOVERLAY_SCROLLBAR=0 go-for-it

Lista de coisas para fazer: Instale Go For It um To-Do List com timer

Passo 4. Outra maneira de fazer essa modificação é usando o seguinte comando:

sudo sed -i "s/Exec=go-for-it/Exec=env\ LIBOVERLAY_SCROLLBAR=0\ go-for-it/g" /usr/share/applications/go-for-it.desktop

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite go no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Go For It no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Go For It no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove go-for-it
sudo apt-get autoremove

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar a ferramenta de captura Shutter no Ubuntu

Precisando de um bom aplicativo para capturar telas e gerenciar todas as capturas? Então você precisa conhecer e instalar a ferramenta de captura Shutter no Ubuntu.


Shutter é uma ferramenta de captura de tela, com diversos recursos de edição, gratuito, de código aberto e licenciado sob a GPL v3.

shutter no Ubuntu

Ele permite capturar quase qualquer coisa em sua tela, sem perder o controle sobre seus screenshots, pois ele utiliza uma interface com abas.

Para completar, Shutter possui uma grande variedade de plugins que permitem adicionar efeitos impressionantes para seus screenshots.

Com Shutter, você pode tirar um screenshot de uma área específica, da janela, da tela inteira, ou até mesmo de um site.

Depois é possível aplicar efeitos diferentes, destacar pontos, e em seguida, fazer o upload para um site de hospedagem de imagens, tudo dentro de uma janela.

como instalar a ferramenta de captura shutter no ubuntu

Conheça melhor a ferramenta de captura Shutter

Para saber sobre esse programa, clique nesse link.

instalar a ferramenta de captura Shutter no Ubuntu e seus derivados

Shutter está disponível para qualquer grande distribuição Linux e pode ser instalado usando o gerenciador de pacotes delas. Mas se você deseja atualizar para a versão mais da ferramenta de captura Shutter no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo apt-add-repository ppa:shutter/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install shutter

Como instalar a ferramenta de captura Shutter manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite shutter no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando a ferramenta de captura Shutter no Ubuntu e derivados

Para desinstalar a ferramenta de captura Shutter no Ubuntu, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-add-repository ppa:shutter/ppa --remove
sudo apt-get remove shutter
sudo apt-get autoremove

Via Sysads Gazette

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como gravar vídeos com uma antiga DSLR Canon no Ubuntu

Se você quer fazer vídeos usando aquela sua câmera meio ultrapassada, veja como gravar vídeos com uma antiga DSLR Canon no Ubuntu, usando o software EOS-MovRec.


Se a sua antiga Canon DSLR não tem recurso de gravação de vídeo, mas você ainda quer fazer um (até dar uma sobrevida a ela), você pode usar o EOS-MovRec (EOS Camera Movie Record), um software livre e multiplataforma, que grava filmes curtos a partir de uma Canon DSLR, diretamente o computador.

Como gravar vídeos com uma antiga DSLR Canon no Ubuntu

Na janela principal do programa você pode instantaneamente inicializar e parar o processo de gravação, ajustar o foco e zoom, escolher o balanço de brancos desejado e exibir a imagem capturada. Ele também tem pré-visualização, Av, Tv e controle WB.

Para funcionar, a câmera deve ter recurso LiveView. Aqui está uma lista das câmeras compatíveis conhecidas:

  • Canon EOS 450D;
  • Canon EOS 1000D;
  • Canon 40D;
  • Canon 50D;
  • Canon 5D Mark II;
  • Canon .

Conheça melhor o EOS-MovRec

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para entender como usar o software, assista esse vídeo:

Como instalar o EOS-MovRec para gravar vídeos com uma antiga DSLR Canon

Para instalar o EOS-MovRec e gravar vídeos com uma antiga DSLR Canon, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:dhor/myway

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install eos-movrec

Como instalar o EOS-MovRec manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório, não achou uma versão para seu sistema (caso do Ubuntu 16.04) ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome eos.deb:

wget https://launchpad.net/~dhor/+archive/ubuntu/myway/+files/eos-movrec_0.3.3-2dhor~wily_i386.deb -O eos.deb

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome eos.deb:

wget https://launchpad.net/~dhor/+archive/ubuntu/myway/+files/eos-movrec_0.3.3-2dhor~wily_amd64.deb -O eos.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i eos.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite eos no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o EOS-MovRec no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o EOS-MovRec no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove eos-movrec
sudo apt-get autoremove

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o indicador Pastie no Ubuntu e derivados

Se você usa bastante o recurso de copiar/colar e quer torná-lo ainda mais produtivos, experimente instalar o indicador Pastie.


Pastie é um gerenciador de área de transferência muito simples e que se encaixa perfeitamente em seu desktop Ubuntu e usa um indicador para mostrar e dar acesso ao seu do clipboard.

Como instalar o indicador Pastie no Ubuntu e derivados

O programa salva os dados copiados recentemente para a área de transferência, que podem ser facilmente acessíveis a partir do painel do Ubuntu.

Ele possui um modesto de preferências configuráveis, incluindo tamanho do histórico, opções para definir atalhos de teclado e pequenos ajustes de interface.

Esse indicador já está há um bom tempo sem receber atualizações, portanto, não há garantias que ele venha a funcionar em versões mais recentes do Ubuntu e derivados.

Conheça melhor o indicador Pastie

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link

Como instalar o indicador Pastie no Ubuntu e derivados

Para instalar o indicador Pastie no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:hel-sheep/pastie

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora o programa com o comando:

sudo apt-get install pastie

Como instalar o indicador Pastie manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele). Ou faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome pastie.deb:

wget https://launchpad.net/~hel-sheep/+archive/ubuntu/pastie/+files/pastie_0.6.7.5~ppam1_all.deb -O pastie.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i pastie.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite pastie no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB)

Desinstalando o indicador Pastie no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o indicador Pastie no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:hel-sheep/pastie --remove
sudo apt-get remove pastie
sudo apt-get autoremove

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instalando a última versão do Cliente BitTorrent Transmission no Ubuntu

Foi lançada mais uma atualização do Transmission. Se você usa esse aplicativo, veja aqui como instalar a última versão do Cliente BitTorrent Transmission no Ubuntu.


Transmission é um cliente de BitTorrent multiplataforma que apresenta uma interface gráfica bem prática, leve e simples. O programa é um software de código aberto, licenciado sob a licença MIT.

Instalando a última versão do Cliente BitTorrent Transmission no Ubuntu

Transmission também é o cliente de bittorrent que vem com a instalação padrão do Ubuntu. Ele recebe constantemente novas versões com várias correções de bugs, atualizações de bibliotecas e algumas novas funcionalidades.

Contudo, essas atualizações nem sempre estão disponíveis nos repositórios padrão do Ubuntu no momento. Mas se você não pode esperar, instale ele a partir de um repositório de terceiros, seguindo os passos desse tutorial.

Conheça melhor o cliente BitTorrent Transmission

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link.

Instalando o cliente BitTorrent Transmission no Ubuntu e derivados

Para instalar a última versão do cliente BitTorrent Transmission no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:transmissionbt/ppa

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o programa usando o seguinte comando:

sudo apt-get install transmission transmission-qt

Como instalar o cliente BitTorrent Transmission manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).
Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite transmission no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o cliente BitTorrent Transmission no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o cliente BitTorrent Transmission no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:transmissionbt/ppa --remove
sudo apt-get remove transmission transmission-qt
sudo apt-get autoremove

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o SMPlayer com suporte a MPV

SMPlayer agora pode ser usado em conjunto com outro reprodutor além do mplayer. Se você quer experimentar, veja aqui como instalar o SMPlayer com suporte a MPV.


O SMPlayer é um reprodutor multimídia que já vem com codificadores nativos e que consegue reproduzir a maioria dos formatos vídeo e áudio sem a necessidade de codificadores extra. Basta instalar o SMPlayer e ele já será capaz de reproduzir boa parte dos formatos de vídeo e áudio disponíveis.

Como instalar o SMPlayer com suporte a MPV

Na verdade, o SMPlayer é um front-end gráfico baseado em Qt para mplayer. Mas agora, o programa também pode utilizar o player MPV para a reprodução, graças ao suporte a ele que foi adicionado recentemente. Entretanto, esse suporte irá demorar um pouco até aparecer na versão estável.

A boa notícia é que você já pode instalar o SMPlayer com o suporte a MPV no Ubuntu e algumas de suas variantes, usando o repositório PPA oficial SMPlayer Testing.

Para aqueles que ainda não conhecem o MPV, ele é um player de mídia baseado no mplayer2 (e mplayer), que vem com vários recursos extras e melhorias em relação ao mplayer2, tais como suporte nativo para VAAPI e VDA e melhorias na saída de vídeo VDPAU, opção para exibir duas legendas de uma só vez, suporte a Wayland, seeking preciso, função de codificação embutida (substituto para mencoder).

Além disso, ele possui suporte melhorado para PulseAudio, melhor suporte a MKV (por exemplo, ordenação de capítulos, metadados 3D), além de várias outras características que pode ser vistas nessa página.
muito mais.

Para completar, SMPlayer já suporta a reprodução de vídeos YouTube. No entanto, com MPV, ele pode reproduzir vídeos a partir de qualquer website suportado pelo youtube-dl (apesar do nome, youtube-dl suporta inúmeros sites de vídeo).

O suporte a vídeos online inclui Youtube (obviamente), DailyMotion, Vimeo, BlipTV, CBS, CollegeHumor, ComedyCentral, NBC, Vevo e muitos mais (são cerca de 500 sites são suportados e você pode ver uma lista completa nesse link).

Nota: para ser capaz de usar SMPlayer com MPV, você vai precisar de mpv versão 0.6.2 ou mais recente e para ter o suporte ao youtube-dl, você precisará instalar o mpv 0.7.0 ou mais recente.

Conheça melhor o SMPlayer

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o SMPlayer com suporte a MPV no Ubuntu 14.04 ou superior e Linux Mint 17.x/13

Para instalar o SMPlayer com suporte a MPV no Ubuntu 14.04 ou superior e Linux Mint 17.x/13 e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se você estiver usando o Ubuntu 14.04/Linux Mint 17.x, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:mc3man/mpv-tests

Passo 2. Se você estiver usando o Ubuntu 15.10 ou 15.04, o MPV já está disponível nos repositórios oficiais, por isso, apenas adicione o repositório do SMPlayer com o comando abaixo ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:rvm/smplayer

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, use o comando abaixo para instalar todos os programas;

sudo apt-get install mpv smplayer smtube smplayer-themes smplayer-skins youtube-dl

Como instalar o SMPlayer com suporte a MPV no Ubuntu 12.04 / Linux Mint 13

Infelizmente não há nenhuma MPV 0.7.0+ PPA para o Ubuntu 12.04. O PPA oficial estável do SMPlayer fornece SMPlayer com suporte a MPV, na versão 0.6.2 e enquanto esta versão funciona, ele não vem com a integração youtube-dl, por causa disso, você não poderá usar o SMPlayer para reproduzir vídeos a partir do site suportados pelo youtube -dl.

Para instalar o SMPlayer com suporte a MPV no Ubuntu 12.04/Linux Mint 13 e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:rvm/testing

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install mpv smplayer smtube smplayer-themes smplayer-skins

Configurando o SMPlayer para usar o MPV

Para configurar o SMPlayer para usar MPV em vez de mplayer, faça o seguinte:
Passo 1. Inicie o programa, digitando smplayer no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).
Passo 2. Clique no menu  “Opções” e depois no item “Preferencias”. Na tela, clique em “Geral” e na aba “Geral”, preencha o campo  “Executável MPlayer” com o valor “mpv” (sem as aspas), como na imagem abaixo e clique em “Aplicar”:

Como instalar o SMPlayer com suporte a MPV

Passo 3. Para ser capaz de reproduzir vídeos de todos os sites suportados pelo youtube-dl (requer mpv 0.7.0 ou mais recente, por isso não vai funcionar no Ubuntu 12.04), na mesma tela, clique em “Rede” à esquerda e marque a opção “Reproduzir vídeos de sites de streaming”.

Como instalar o SMPlayer com suporte a MPV

Pronto! Agora você já pode aproveitar os recursos desse incrível player.

Desinstalando o SMPlayer no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o SMPlayer no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove mpv smplayer smtube smplayer-themes smplayer-skins
sudo apt-get autoremove

Via WebUpd8

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instalando o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors

Que tal melhorar um pouco mais o tema Ambiance? Se é isso que você quer, experimente instalar o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors.


O conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors é um moderno, totalmente escuro e plano “reboot/remake” dos temas Ubuntu Ambiance 2/3, que apresenta um visual plano moderno e limpo, em 13 cores vibrantes.

Instalando o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors

Na prática, o Ambiance Blackout Flat Colors é uma versão totalmente escura e plana do tema Ambiance padrão.

Instalando o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors

Ele foi projetado para oferecer um belo tom calmo de cinza escuro, mas mantendo todos os elementos altamente visíveis, limpos e não muitos escuros.

Instalando o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors

Esse conjunto de temas está totalmente integrado e testado, oferecendo suporte para muitos dos mais populares ambientes desktops, como o Unity, Cinnamon, Mate, , LXDE, OpenBox, Gnome Classic e Fallback.

Instalando o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors

Como o conjunto foi projetado para ser compatível com a maioria dos desktops GTK2/3, ele não requer uma compilação separada para funcionar no Xfce e LXDE.

Instalando o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors

Conheça melhor o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

Instalando o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors no Ubuntu e derivados

Para instalar o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:ravefinity-project/ppa

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors usando o seguinte comando:

sudo apt-get install ambiance-blackout-flat-colors

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Desinstalando o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o conjunto de temas Ambiance Blackout Flat Colors, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove ambiance-blackout-flat-colors

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Via NoobsLab

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o Nightingale media player no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Sempre é bom ter uma opção a mais, e em se tratando de reprodutores multimídia, melhor ainda. Por isso hoje mostrarei com instalar o Nightingale media player no Ubuntu e derivados.


Nightingale é um player de áudio completamente livre e baseado no código fonte do mídia player.

35

Como tal, o motor do Nightingale é baseado no Mozilla XULRunner com bibliotecas como framework de mídia do GStreamer e libtag, fornecendo marcação de mídia e suporte reprodução, entre outros.

Desde que o suporte oficial para o Linux foi abandonado pelo Songbird em abril de 2010, os membros da Comunidade Songbird que usam Linux divergiram e criaram o projeto Nightingale.

Em contraste com o Songbird, que é licenciado principalmente sob o GPLv2, mas inclui obras de arte que não é livremente distribuível, Nightingale é um software livre, licenciado sob a GPLv2, com porções sob as licenças MPL e BSD.

Nightingale suporta o uso extensões e peles, o que permite ampliar os recursos do programa, e a sua aparência.

Conheça melhor o Nightingale

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Instalando o Nightingale media player no Ubuntu e derivados

Para Instalar o Nightingale media player no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:nightingaleteam/nightingale-nightly

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando abaixo:

sudo apt-get install nightingale

Como instalar o Nightingale media player manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite nightingale no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

18

Desinstalando o Nightingale media player no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Nightingale media player no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:nightingaleteam/nightingale-nightly --remove
sudo apt-get remove programa
sudo apt-get autoremove

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

20 de novembro de 2016

Resumo semanal de 14/11/2016 a 20/11/2016! Atualize-se!

Copyright © 2006 - 2016 Edivaldo Bezerra Brito - Todos os direitos reservados
O conteúdo deste site pode ser divulgado, desde que a fonte (www.edivaldobrito.com.br) seja citada junto com um link para o texto.

Todas as marcas citadas pertencem aos seus respectivos proprietários. Os direitos autorais de todas as ilustrações pertencem aos respectivos autores, e elas são reproduzidas na intenção de atender ao disposto no art. 46 da Lei 9.610 - se ainda assim alguma delas infringe direito seu, entre em contato para que possamos removê-la imediatamente.

19 de novembro de 2016

/sbin/vboxconfig não está funcionando? Veja como resolver

Se você atualizou o VirtualBox ou o Kernel do seu sistema, está tendo problemas com dos módulos de kernel desse virtualizador, e o comando /sbin/vboxconfig não está funcionando, veja como resolver isso manualmente.


Depois de uma atualização do Oracle VirtualBox ou do Kernel, muitas vezes os pacotes oficiais não conseguem recompilar os módulos de host (anfitrião) do kernel do VirtualBox, de modo que o usuário é obrigado a fazer essa tarefa manualmente.

/sbin/vboxconfig não está funcionando? Veja como resolver

Ainda não está muito claro o porque dessa falha acontecer. Porém, isso só ocorre com pacotes baixados a partir do site ou repositório do VirtualBox.

Outro problema é que até o VirtualBox 5.0.8, para recompilar os módulos manualmente era preciso usar o comando sudo /etc/init.d/vboxdrv setup.

Mas com a versão mais recente, este comando foi substituído, e agora, a tela de erro do aplicativo afirma que é preciso executar o sudo /sbin/vboxconfig, ao invés do antigo comando.

/sbin/vboxconfig não está funcionando? Veja como resolver

No entanto, de acordo com relatos de alguns usuários, este comando parece não estar funcionando atualmente, ou pelo menos não em alguns casos (como em um Ubuntu 15.10).

Felizmente, se o /sbin/vboxconfig não está funcionando em seu sistema, a solução solução para isso é muito simples e consiste basicamente em abrir um terminal e executar o comando:

sudo /sbin/rcvboxdrv setup

Ao executar o comando acima, ele deverá recompilar o módulos de host (anfitrião) do kernel do VirtualBox e fazer com que o aplicativo volte a funcionar novamente.

Caso apareça alguma mensagem de erro relacionada a outro programa, anote o nome e tente instalar, pois pode ser que seja alguma dependência que ainda não está no sistema.

Por ser um problema um tanto quanto “obscuro”, deixe sua experiência nos comentários para que todos possam compartilhar das dificuldades e das soluções.

Conheça melhor o VirtualBox

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Via WebUpd8

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

De olho no tempo – instale o Cumulus Weather no Ubuntu, Debian e derivados

Quer ficar de olho no tempo a partir do seu desktop? Então veja como instalar o Cumulus Weather no Ubuntu, Debian e sistemas derivados.


Stormcloud, era um elegante aplicativo de tempo para desktop que foi abandonado por seu criador, e que felizmente, agora está sendo ressuscitado. Seu novo nome é Cumulus.

De olho no tempo - instale o Cumulus Weather no Ubuntu, Debian e derivados

Na prática, Cumulus é um fork do Typhoon que é uma versão comunitária bifurcada do Stormcloud 1.1. Como o Typhoon não está em desenvolvimento ativo, Daryl Bennett ressuscitou o aplicativo de tempo com a ajuda do desenvolvedor do Typhoon em seu tempo livre, e o chamou de Cumulus.

Cumulus já está disponível para download e, sem choque, ele funciona exatamente como os seus antecessores. É uma aplicação do tempo simples, com uma estética limpa. Previsões são alimentadas pela recente API Yahoo! Weather.

E se você nunca experimentou o Stormcloud ou Typhoon, você terá uma surpresa. Cumulus é tão fácil de usar quanto seus antecessores.

Ele tem um design arrojado, limpo, faz uso pesado de ícones simbólicos de tempo, exibe velocidade do vento e umidade, e coloca uma previsão de 5 dias com temperaturas máximas e mínimas.

Para configurar o aplicativo, basta executá-lo e abrir seu painel de configuração, e configurá-lo ao seu gosto. Lá você pode:

  • Definir um local;
  • Escolher a temperatura (Celsius, Fahrenheit, ou kelvin);
  • Escolher a unidade de velocidade do vento (milhas por hora, quilômetros por hora ou metros por segundo);Escolher o emblema de alternância do Lançador do Unity;
  • Definir uma cor de fundo personalizada;
  • Ajustar a opacidade.

    De olho no tempo - instale o Cumulus Weather no Ubuntu, Debian e derivados

Conheça melhor o Cumulus Weather

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Cumulus Weather no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o Cumulus Weather no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome cumulus.deb:

wget https://github.com/kd8bny/cumulus/releases/download/v1.0.0/cumulus_1.0.0_amd64.deb -O cumulus.deb

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i cumulus.deb

Passo 5. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Passo 6. Se você tiver problemas ao executivo o aplicativo, use o comando a seguir para instalar gir1.2-webkit-3.0:

sudo apt install gir1.2-webkit-3.0

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite cumulus no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Cumulus Weather no Ubuntu, Debian e derivados

Para desinstalar o Cumulus Weather no Ubuntu, Debian e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove cumulus*
sudo apt-get autoremove

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o Carnê Leão no Linux manualmente

Se você está com dificuldade para instalar o Carnê Leão no Linux, veja como fazer isso de um jeito simples, prático e que funciona em qualquer distribuição Linux.


Quem recebe valores como física, sem ter qualquer vínculo empregatício, precisa recolher o imposto de renda mensalmente.

Como instalar o Carnê Leão no Linux manualmente

Na verdade, tem mais detalhes além disso, então, consulte seu contador ou a Receita Federal, ok?.

Para fazer esse recolhimento mensal, é preciso usar o programa Carnê Leão. E se você usa Linux, o programa está disponível na página da Receita Federal em uma versão .

Nesse tutorial, você verá como fazer para instalar o programa em qualquer distribuição Linux.

Conheça melhor o Carnê Leão

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Mais sobre programas da Receita Federal para Linux

Preparando o sistema para instalar o Carnê Leão no Linux

Um dos pré requisitos para o programa é a instalação do mais recente, para isso, veja os tutoriais abaixou ou acesse esse link e siga as instruções dele:
Java no Ubuntu: veja como instalar o OpenJDK 8 nas versões LTS 12.04 e 14.04
Como instalar as versões 6, 7 ou 8 do Oracle Java no Ubuntu
Como instalar o Oracle Java 8 no Debian via repositório
Como instalar Java no Linux manualmente

Como instalar o Carnê Leão no Linux

Para instalar o Carnê Leão no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se for necessário, caso já tenha feito alguma instalação manual e ainda não tenha cadastrado nada no programa, apague a pasta e o atalho anterior com esses comandos;

sudo rm -Rf /opt/leao/
sudo rm -Rf /usr/share/applications/leao.desktop

Passo 3. Para fatos ocorridos em 2015, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão (selecionando a opção multiplataforma) e salve-o com o nome leao.zip:

wget http://www.receita.fazenda.gov.br/Publico/programas/irpf/2015/CarneLeao/Java/LEAO2015v1.4.zip -O leao.zip

Passo 4. Para fatos ocorridos em 2016, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão (selecionando a opção multiplataforma) e salve-o com o nome leao.zip:

wget http://www.receita.fazenda.gov.br/Publico/programas/irpf/2016/CarneLeao/Java/LEAO2016v1.0.zip -O leao.zip

Passo 5. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

sudo unzip leao.zip -d /opt/

Passo 6. Renomeie a pasta criada;

sudo mv /opt/LEAO*/ /opt/leao/

Passo 7. Se seu ambiente gráfico atual suportar, crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;

echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=leao\n Exec=java -server -Xms128M -Xmx512M -jar /opt/leao/PgdCarneLeao.jar\n Icon=/opt/leao/RFB.ico\n Type=Application\n Categories=Application' | sudo tee /usr/share/applications/leao.desktop

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite java -server -Xms128M -Xmx512M -jar /opt/leao/PgdCarneLeao.jar em um terminal, seguido da tecla TAB.

Já se a sua distribuição suportar, coloque o atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.

sudo chmod +x /usr/share/applications/leao.desktop
cp /usr/share/applications/leao.desktop  ~/Área\ de\ Trabalho/

Se seu sistema estiver em inglês, use este comando para copiar o atalho para sua área de trabalho:

cp /usr/share/applications/leao.desktop ~/Desktop

Para mais detalhes sobre essa tarefa, consulte esse tutorial:
Como adicionar atalhos de aplicativos na área de trabalho do Unity

Se quiser, você também pode usar o gerenciador de arquivos do sistema para executar o programa, apenas abrindo a pasta dele e clicando em seu executável.

Como remover o Carnê Leão no Linux

Para remover o Carnê Leão no Linux, basta fazer os dois primeiros passos do procedimento anterior.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o Folder Color no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Precisando de uma forma de organizar melhor suas pastas ou destacar alguma delas? instalar e usar a extensão Folder Color no Nautilus, Caja e Nemo.


Folder Color é uma extensão para gerenciador de arquivos que permite que você altere facilmente a do ícone das pastas. Isso pode ser útil, por exemplo, para organizar as suas pastas ou destacar alguma pasta importante.

Como instalar o Folder Color no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Com ele você pode alterar a cor da pasta para algumas cores pré-definidas, como preto, azul, marrom, turquesa, verde, cinza, laranja, rosa, roxo, vermelho, branco ou amarelo.

Folder Color suporta o Nautilus, o Caja (o gerenciador de arquivos padrão do MATE) e o Nemo (o gerenciador de arquivos padrão do Cinnamon).

Como instalar o Folder Color no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Conheça melhor o Folder Color

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Folder Color no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o Folder Color no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo add-apt-repository ppa:costales/folder-color

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Se for utilizar o programa com o Nautilus, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install folder-color

Passo 5. Em seguida, reinicie o Nautilus com o comando:

nautilus -q

Passo 6. Se for utilizar o programa com o Nemo, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install folder-color-nemo

Passo 7. Em seguida, reinicie o Nemo com o comando:

nemo -q

Passo 8. Se for utilizar o programa com o Caja, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install folder-color-caja

Passo 9. Em seguida, reinicie o Caja com o comando:

caja -q

Passo 10. Se o Folder Color não aparecer no menu de contexto do Caja em um sistema de 32 bits, conserte usando o seguinte comando (ajuste o número da versão para a que está instalada):

sudo ln -s /usr/lib/i386-linux-gnu/girepository-1.0/Caja-2.0.typelib /usr/lib/girepository-1.0/Caja-2.0.typelib

Passo 11. Se o Folder Color não aparecer no menu de contexto do Caja em um sistema de 64 bits, conserte usando o seguinte comando (ajuste o número da versão para a que está instalada):

sudo ln -s /usr/lib/x86_64-linux-gnu/girepository-1.0/Caja-2.0.typelib /usr/lib/girepository-1.0/Caja-2.0.typelib

Como instalar o Folder Color manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora você já pode começar a mudar as cores das pastas, apenas clicando como o botão direito nelas em seu gerenciador de arquivos preferido, seja ele o Nautilus, Caja ou o Nemo.

Desinstalando o Folder Color no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Folder Color no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:costales/folder-color --remove
sudo apt-get remove folder-color*
sudo apt-get autoremove

Via WebUpd8

Não está aparecendo algo?

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como colocar um papel de parede diferente em cada área de trabalho do Ubuntu

Que tal sair da rotina e ter diferentes áreas de trabalho e papéis de parede? Gostou da ideia? Então veja como fazer para colocar um papel de parede diferente em cada área de trabalho do Ubuntu.


Para conseguir colocar um papel de parede diferente em cada área de trabalho será preciso o suporte a múltiplas áreas de trabalho e instalar alguns pacotes que permitirão que você atribua vários papéis de parede para seus espaços de trabalho, com os bônus adicionais manuseio adequado de transparências e ícones do desktop.

Como colocar um papel de parede diferente em cada área de trabalho do Ubuntu

Colocando mais de uma área de trabalho

Para habilitar mais de uma área de trabalho, faça o seguinte:
Passo 1. Abra as “Configurações do Sistema” e clique na opção “Aparência”;

papel de parede diferente

Passo 2. Em “Aparência”, clique na aba “Comportamento”;

papel de parede diferente

Passo 3. Dentro da aba “Comportamento”, marque a opção “Habilitar espaços de trabalho” (ou “Enable workspaces”).
papel de parede diferente

Como colocar um papel de parede diferente em cada área de trabalho do Ubuntu

Para colocar um papel de parede diferente em cada área de trabalho do Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Se ainda não estiver instalado, procure e instale o Compizconfig Settings Manager e compiz-plugins-extra na Central de programas do Ubuntu (ou Ubuntu Software Center). Ou abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install compizconfig-settings-manager compiz-plugins-extra

Passo 4. Uma vez instalado, execute o programa clicando no Dash e digitando;

ccsm

Passo 5. No campo “Filtro”, digite “Wallpaper. Ative o plugin e em seguida, clique no nome dele para entrar em sua página de configurações;

papel de parede diferente

Passo 6. Clique no botão “New” (Novo) e adicione alguns papéis de parede;
Passo 7. Marque a opção “Cycle Wallpapers”.

papel de parede diferente

Para voltar, basta desabilitar o plugin ou seguir esse procedimento para resetar as configurações do Compiz.

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Quer ouvir rádios online no Linux? Use o Gradio

Na hora de rádios no Linux, quanto mais opções melhor, certo? Pois então conheça e veja como instalar o Gradio em seu sistema.


Já existem algumas aplicações disponíveis para ouvir estações de rádio internet no Desktop. Mas Gradio é algo novo. O programa permite que os usuários possam encontrar estações de rádio, digitando em sua caixa de pesquisa. Em seguida, já é possível ouvir uma rádio de internet, apenas clicando sobre ela.

Quer ouvir rádios online no Linux? Use o Gradio

A versão mais recente do Gradio requer GTK3 >= 3.18, por isso ele funciona no Ubuntu 16.04, o Ubuntu 16.10, e seus derivados, como por exemplo, o Linux Mint 18 e Elementary OS 0.4 Loki. Para versões mais antigas, use esse link.

Conheça melhor o Gradio

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Gradio para ouvir rádios online no Linux Ubuntu

Gradio está disponível nos repositórios oficiais nas versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado a Central de programas ou o comando sudo apt-get install gradio. No entanto, essa nem sempre é a versão mais recente. Por isso, para ter a última versão do Gradio no Ubuntu mais atual, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:haecker-felix/gradio-daily

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install gradio

Como instalar o Gradio manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link (Ubuntu 16.04 e 16.10) ou esse linke instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite programa no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Gradio no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Gradio no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:haecker-felix/gradio-daily --remove
sudo apt-get remove gradio
sudo apt-get autoremove

Se você usa Android, dá para usar o Youtube mesmo com a tela desligada:

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu

Se você está sendo incomodado constantemente por mensagens de erros no Ubuntu, veja aqui como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu.


Apport é a ferramenta de relatório de error do Ubuntu. Ele é um sistema que reúne informações potencialmente úteis sobre o acidente e o ambiente do sistema operacional. Se qualquer houver qualquer falha em um processo do sistema, uma caixa de diálogo aparece e pergunta ao usuário se ele quer enviar um relatório de erro para ajudar a resolver o problema.

Como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu

Erros com títulos parecido com “Ubuntu xx.xx sofreu um erro interno”, “Problema de programa de sistema detectado” etc. são comuns após a instalação do Ubuntu.

Informar erros é importante, pois ajuda melhorar a estabilidade do sistema. Mas se você está constantemente recebendo pop-up de relatório do incidentes, você pode querer desativar essa funcionalidade para poder usar o sistema sem interrupções.

Desativar essa funcionalidade não é recomendável, portanto, faça isso por sua própria conta e risco.

Conheça melhor o Apport

Para saber mais sobre esse recurso, clique nesse link.

Como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu

Para desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Para parar o serviço Apport, execute o comando abaixo:

sudo service apport stop

Passo 3. Em seguida, use o comando abaixo para editar o arquivo de configuração:

sudo gedit /etc/default/apport

Passo 3. Com o arquivo aberto, altere o valor da opção “enabled” de “1” para “0”;

Como desativar o relatório de erros do Apport no Ubuntu

Passo 4. Em seguida, salve o arquivo e feche o editor de texto.

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu

Usa o Ubuntu com Unity? Se você quiser fazer mais ajustes no seu sistema para deixá-lo ao seu gosto, veja como instalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu.


Unity Tweak Tool é um gerenciador de configurações para o desktop Unity, e também umas das ferramentas de ajustes mas conhecidas.

Como instalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu

Com esse utilitário você pode gerenciar seu ambiente Ubuntu mudando temas, ícones, fontes, cursor e assim por diante, e deixar o sistema com a aparência que você deseja.

Uma das grande vantagens de usar Linux é exatamente a flexibilidade que ele oferece na hora de ajustar o sistema para as necessidades do usuário. Nesse quesito, o Ubuntu dispõe de boas ferramentas, sendo o Unity Tweak Tool, uma das mais importantes.

Essa ferramenta de configuração é a mais especifica para o ambiente Unity, e proporciona aos usuários acesso a recursos e opções de configuração do ambiente de trabalho, que normalmente são complicados de achar e modificar, mostrando tudo junto em uma única interface elegante e fácil de usar.

Com Unity Tweak Tool você pode configurar a aparência do lançador do Unity (como por exemplo, mover ele para a parte inferior da tela), mudar os temas, temas de ícones, cursores e fontes. Além disso, você pode configurar as múltiplas áreas de trabalho e o seu comportamento, escolher os efeitos das janelas e menus, a transparência da barra superior do Unity e muitas outras definições.

Conheça melhor o Unity Tweak Tool

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu e seus derivados

Unity Tweak Tool está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install unity-tweak-tool em um terminal.

Quando quiser iniciar o programa, digite unity no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Unity Tweak Tool no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu e derivados você também pode usar a Central de programas, ou fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove unity-tweak-tool
sudo apt-get autoremove

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instale os ícones Ravefinity-X no Ubuntu

Se você quer usar ícones bonitos e variar apenas as cores deles, experimente instalar os ícones Ravefinity-X no Ubuntu e depois veja como fica seu sistema.


Ravefinity-X é um conjunto de ícones que oferece diferentes variantes de cores. Ele é uma mistura dos temas Faenza, Humanity, Elementary e outros temas de ícones.

Instale os ícones Ravefinity-X no Ubuntu

Esta suíte de ícones oferece 12 variantes de cores e cada cor está disponível para painel claro e escuro, assim você pode usar qualquer cor com qualquer tema (não importando, se ele é claro ou escuro).

O pessoal do Ravefinity também forneceu conjunto de temas Ambiance & Radiance em cores diferentes que você pode conferir aqui.

Instale os ícones Ravefinity-X no Ubuntu

Conheça melhor os ícones Ravefinity-X

Para saber mais sobre o tema, clique nesse link.

os ícones Ravefinity-X no Ubuntu e derivados

Para instalar os ícones Ravefinity-X no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:ravefinity-project/ppa

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o programa usando o seguinte comando:

sudo apt-get install ravefinity-x-icons

Como instalar os ícones Ravefinity-X manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Desinstalando os ícones Ravefinity-X no Ubuntu e derivados

Para desinstalar os ícones Ravefinity-X no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale os ícones Ravefinity-X, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove ravefinity-x-icons

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Via NoobsLab

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

18 de novembro de 2016

Receba notificações do Android em seu Desktop Ubuntu com LinConnect

Que tal receber suas notificações do Android no seu desktop Linux? Então veja aqui fazer isso, usando o LinConnect.


LinConnect é uma aplicação que permite exibir notificações do Android no seu desktop Linux. O programa suporta quase todos os aplicativos do Android e você terá notificações quando você receber uma chamada, um SMS ou mensagem no WhatsApp, notificações do Facebook e assim por diante.

Receba notificações do Android em seu Desktop Ubuntu com LinConnect

A partir das definições do LinConnect você pode selecionar quais aplicações podem enviar notificações do Android para a sua área de trabalho para que você não fique inundado com notificações inúteis.

Como receber notificações do Android não é uma funcionalidade nativa, infelizmente, você não pode interagir com as notificações para que você possa responder diretamente a uma mensagem na área de trabalho, por exemplo.

No entanto, o aplicativo ainda é útil, especialmente se você estiver usando uma ferramenta como um indicador de notificações recentes, que mantém uma lista de notificações recentes para que você possa ler mesmo após elas desaparecerem.

Conheça melhor o LinConnect

Para saber mais sobre o LinConnect, clique nesse link
Para saber mais sobre o Recent Notifications, clique nesse link.

Instalando o cliente e o servidor LinConnect no Ubuntu e derivados

LinConnect está atualmente em Alpha, por conta disso, você pode encontrar alguns erros. Ele é composto de um cliente e um servidor e você deve instalar ambos:

Para pode receber notificações do Android, o cliente deve ser instalado no seu dispositivo Android via Play Store (requer Android 4.0 +), acessando esse link.

Receba notificações do Android em seu Desktop Ubuntu com LinConnect

O servidor deve ser instalado no seu desktop Linux. Para instalar ele no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Baixe o script de instalação com o comando abaixo:

wget http://raw.github.com/hauckwill/linconnect-server/master/LinConnectServer/install.sh

Passo 3. Torne o script executável com o comando:

chmod +x install.sh

Passo 4. Agora inicie a instalação do programa com o comando:

./install.sh

Passo 5. Responda “Y” para todas as perguntas. O script de instalação irá perguntar se você deseja executar o LinConnect na inicialização – se você selecionar “não”, você deve iniciá-lo manualmente usando o seguinte comando:

python ~/.linconnect/LinConnectServer/main/linconnect_server.py

Instalando Recent Notifications, um indicador de notificações recentes no Ubuntu e derivados para receber as notificações do Android

Para obter um histórico de notificações recentes que torna esta aplicação muito útil, tente o Recent Notifications. Para instalar ele, faça o seguinte:
Passo 1. Se não estiver sendo executado, abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver o repositório, adicione ele com o comando:

sudo add-apt-repository ppa:jconti/recent-notifications

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora instale o programa com o comando:

sudo apt-get install indicator-notifications

Receba notificações do Android em seu Desktop Ubuntu com LinConnect

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como instalar o Peek Animated GIF recorder no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Precisando uma seleção de sua tela para uma imagem GIF animada? Então conheça e instale o Peek Animated GIF recorder no Ubuntu, Linux Mint e derivados.


Peek é uma ferramenta de código aberto para Linux que oferece uma janela simples, que pode ser redimensionada para selecionar uma área de tela, e gravar imagens GIF animadas curtas.

Como instalar o Peek Animated GIF recorder no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Atualmente, apenas sistemas Linux com X11 é suportado. O programa também deve funcionar em outros sistemas baseados no Unix que usam X11. Como está no planejamento o suporte a Wayland, talvez ele funcione também em outros sistemas operacionais no futuro.

Conheça melhor o Peek Animated GIF recorder

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o Peek Animated GIF recorder no Ubuntu, Linux Mint e seus derivados

Para instalar o Peek Animated GIF recorder no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome peek.deb:

wget https://github.com/phw/peek/releases/download/v0.8.0/peek-0.8.0-Linux.deb -O peek.deb

Passo 3. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i peek.deb

Passo 4. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com os comandos:

sudo apt install libsdl1.2debian ffmpeg libavdevice-ffmpeg56
sudo apt-get install -f

Usando o Peek Animated GIF recorder no Ubuntu e derivados

Agora, quando quiser iniciar o programa, digite peek no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Depois de executá-lo, redimensione a janela do Peek para cobrir a área de tela a ser gravada, e clique no botão “Record” (gravar), para iniciar a gravação. Quando quiser finalizar, clique no botão correspondente (Stop).

Como instalar o Peek Animated GIF recorder no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Uma vez que você parar a gravação, uma caixa de diálogo aparece e solicita que você dê um nome e selecione onde salvar a imagem GIF.

Como instalar o Peek Animated GIF recorder no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Depois de salvar a imagem GIF, uma caixa de diálogo pop-up permite que você abra a pasta de arquivos rapidamente com a imagem GIF, clicando no botão “Show in file manager”.

Como instalar o Peek Animated GIF recorder no Ubuntu, Linux Mint e derivados

Desinstalando o Peek Animated GIF recorder no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Peek Animated GIF recorder no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove peek*
sudo apt-get autoremove

Via UbuntuHandbook

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse . E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu 15.04 ou superior? Veja como resolver

Se você instalou o Ubuntu 15.04 ou superior e na hora de instalar ou executar alguns apareceram alguns erros e nada aconteceu, veja a seguir como resolver problemas ao instalar ou executar no Ubuntu 15.04 ou superior.


No Ubuntu 15.04 ou superior (qualquer sabor, seja Xubuntu, Ubuntu MATE, Kubuntu, etc.), a biblioteca libgcrypt11 já não está disponível nos repositórios (ele usa apenas a libgcrypt20) e algumas aplicações como o Spotify, Brackets e outros, não podem ser instalados ou executados, a menos que a libgcrypt11 esteja instalada.

Problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu 15.04, 15.10 e 16.04? Veja como resolver

Por exemplo, ao tentar executar o Spotify ocorre o seguinte erro:

spotify: error while loading shared libraries: libgcrypt.so.11: cannot open shared object file: No such file or directory

Já no caso do Brackets, o erro acontece durante a instalação do software:

sudo dpkg -i Brackets.1.2.Extract.64-bit.deb
..............................
dpkg: dependency problems prevent configuration of brackets:
 brackets depends on libgcrypt11 (>= 1.4.5); however:
  Package libgcrypt11 is not installed.

dpkg: error processing package brackets (--install):
 dependency problems - leaving unconfigured
Processing triggers for hicolor-icon-theme (0.14-0ubuntu1) ...
Errors were encountered while processing:
 brackets

Até que esses aplicativos de terceiros sejam ajustados e reempacotados com a libgcrypt20 em vez de libgcrypt11 como dependência, para que eles funcionem adequadamente no Ubuntu 15.04 ou superior, será preciso fazer um pequeno ajuste.

Sendo mais claro, para conseguir usar Spotify, Brackets e outros aplicativos que exigem a libgcrypt11 no Ubuntu 15.04 ou uma versão posterior, tudo que você tem a fazer é instalar a biblioteca a partir de uma versão mais antiga do Ubuntu, como o Ubuntu 14.04 LTS:

Instalando a libgcrypt11 para resolver problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu 15.04 ou superior

Para instalar a libgcrypt11 para resolver problemas ao instalar ou executar programas no Ubuntu ou superior, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira a versão do seu sistema, usando o comando abaixo no terminal:

lsb_release -rs

Passo 3. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa;

wget http://archive.ubuntu.com/ubuntu/pool/main/libg/libgcrypt11/libgcrypt11_1.5.3-2ubuntu4_i386.deb -O libgcrypt11.deb

Passo 5. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa;

wget http://archive.ubuntu.com/ubuntu/pool/main/libg/libgcrypt11/libgcrypt11_1.5.3-2ubuntu4_amd64.deb -O libgcrypt11.deb

Passo 6. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i libgcrypt11.deb

Passo 7. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Se preferir, você pode baixar os arquivos deb da libgcrypt11 para qualquer arquitetura nesse link.

Importante: em de 64 bits, você também pode precisar instalar o pacote de 32 bits se o aplicativo que requer libgcrypt11 usa um pacote multiarch.

Uma vez instalado, você já pode instalar e executar os programas problemáticos no Ubuntu 15.04 e começar a usá-los.

Via WebUpd8

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Instalando a versão mais recente do editor de vídeos Kdenlive no Ubuntu

Quer instalar a versão mais recente do editor de vídeos Kdenlive no seu sistema? Então veja como fazer para ter o Kdenlive no Ubuntu e derivados.


Kdenlive é um editor de vídeo gratuito aberto para GNU/Linux e FreeBSD, que suporta AVCHD, DV e HDV. O programa depende de vários outros projetos open source, como o FFmpeg, o MLT video framework e Frei0r effects.

Instalando a versão mais recente do editor de vídeos Kdenlive no Ubuntu

Como cineastas modernos precisam misturar diferentes tipos de mídia, incluindo vídeo, áudio e imagens, Kdenlive é construído em cima do MLT video framework e ffmpeg, que proporcionam recursos exclusivos para misturar praticamente qualquer tipo de mídia.

O aplicativo foi atualizado recentemente e por isso, esse tutorial está sendo republicado com os links atualizados.

Conheça melhor o editor de vídeos Kdenlive

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Já sabe usar o Kdenlive? Veja como colocar uma explosão em um vídeo:

Como instalar a versão mais recente do editor de vídeos Kdenlive

Para instalar o programa no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:sunab/kdenlive-release

Passo 3. Atualize o de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install kdenlive

Como instalar o editor de vídeos Kdenlive manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite kdenlive no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o editor de vídeos Kdenlive no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o editor de vídeos Kdenlive no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:sunab/kdenlive-release --remove
sudo apt-get remove kdenlive
sudo apt-get autoremove

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Canonical anuncia a prévia pública do Microsoft SQL Server para Linux

Depois da adesão a Linux Foundation, agora a Microsoft está lançando uma prévia prévia pública do Microsoft SQL para Linux, e o anuncio vem da própria Canonical.


Em maio de 2016, algumas informações indicavam que a Microsoft tinha planos de levar o seu SQL Server para a plataforma Linux. E agora, parece que a Canonical preparou uma prévia pública do SQL Server para Linux, permitindo que os usuários do Ubuntu se familiarizem com ele.

Canonical anuncia a prévia pública do Microsoft SQL Server para Linux

No comunicado à imprensa, a Canonical afirma que: “Com a próxima versão do SQL Server, a Microsoft traz o poder do SQL Server no Linux e no Windows, incluindo o suporte a contêineres Docker”.

“Além disso, com o SQL Server no Ubuntu, há significativas economias de custos, melhorias de desempenho e a capacidade de dimensionar e implantar recursos adicionais de armazenamento e computação sem precisar adicionar mais hardware”.

Todos nós sabemos que as empresas dedicadas ao software open source não substituirão as soluções MariaDB ou MySQL gratuitas e poderosas pelo o SQL Server, mas parece que o sistema de gerenciamento de banco de dados relacional da Microsoft promete suporte para containers Docker e possibilita a escolha de tipos de dados e linguagens de desenvolvimento.

Se quiser dar uma chace ao Microsoft SQL Server no Ubuntu, você deve saber que as imagens da prévia pública estão disponíveis no site do Microsoft SQL Server para Linux, bem como no Microsoft Azure e Docker Hub.

Para mais detalhes e links, acesse o link abaixo.

Conheça melhor a prévia pública do Microsoft SQL Server para Linux

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Como tirar print da tela do PC? instale a ferramenta HotShots no Linux

Procurando uma boa ferramenta de ferramenta de captura de tela? Então veja aqui como instalar o HotShots no Linux para tirar print da tela do PC.


HotShots é uma ferramenta de captura de tela com alguns de edição (redimensionar, cortar, etc). Ele é particularmente adequado para escrever documentação, mas você pode usá-lo para destacar alguns de uma imagem, de mapa ou o que você quiser.

Como instalar a ferramenta de captura de tela HotShots no Linux

Como o programa é escrito com Qt, ele tem poucas dependências e usa poucos recursos do computador. O programa tem as mesmas características que Shutter, apesar do fato de que ele é bem mais leve.

Também vale a pena mencionar que além dos recursos de edição de imagem, ele também permite que os usuários facilmente façam upload de seus screenshots  para servidores FTP ou para os serviços imgur.com, imageshack.us e freeimagehosting.net.

Conheça melhor o HotShots

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

A seguir você verá como instalar esse aplicativo nas principais distribuições Linux. Acompanhe:

Como instalar o HotShots no Linux OpenSUSE e seus derivados

Para instalar o HotShots no Linux OpenSUSE e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se você estiver usando um sistema OpenSUSE 42.1 ou um sistema baseado nele, adicione o repositório do programa com este comando:

zypper addrepo http://download.opensuse.org/repositories/home:/Lazy_Kent/openSUSE_42.1/home:Lazy_Kent.repo

Passo 3. Se você estiver usando um sistema OpenSUSE Tumbleweed ou um sistema baseado nele, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo zypper addrepo http://download.opensuse.org/repositories/home:/Lazy_Kent/openSUSE_Tumbleweed/home:Lazy_Kent.repo

Passo 4. Se você estiver usando um sistema OpenSUSE 13.1 ou um sistema baseado nele, adicione o repositório do programa com este comando:

zypper addrepo http://download.opensuse.org/repositories/home:Lazy_Kent/openSUSE_13.1/home:Lazy_Kent.repo

Passo 5. Se você estiver usando um sistema OpenSUSE 13.2 ou um sistema baseado nele, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo zypper addrepo http://download.opensuse.org/repositories/home:Lazy_Kent/openSUSE_13.2/home:Lazy_Kent.repo

Passo 6. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando;

zypper refresh

Passo 7. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

zypper install hotshots

Passo 8. Se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

zypper remove hotshots

Como instalar o HotShots no Linux Fedora e seus derivados

Para instalar o HotShots no Linux Fedora e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Se você estiver usando um sistema Fedora 20 ou um derivado dele, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/home:/zhonghuaren/Fedora_20/home:zhonghuaren.repo -O /etc/yum.repos.d/zhonghuaren.repo

Passo 3. Se você estiver usando um sistema Fedora 21 ou um derivado dele, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/home:zhonghuaren/Fedora_21/home:zhonghuaren.repo -O /etc/yum.repos.d/zhonghuaren.repo

Passo 4. Se você estiver usando um sistema Fedora 22 ou um derivado dele, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/home:zhonghuaren/Fedora_22/home:zhonghuaren.repo -O /etc/yum.repos.d/zhonghuaren.repo

Passo 5. Se você estiver usando um sistema Fedora 23 ou um derivado dele, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/home:zhonghuaren/Fedora_23/home:zhonghuaren.repo -O /etc/yum.repos.d/zhonghuaren.repo

Passo 6. Se você estiver usando um sistema Fedora 24 ou um derivado dele, adicione o repositório do programa com este comando:

sudo wget http://download.opensuse.org/repositories/home:/zhonghuaren/Fedora_24/home:zhonghuaren.repo -O /etc/yum.repos.d/zhonghuaren.repo

Passo 7. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo yum install hotshots

ou

sudo dnf install hotshots

Passo 8. Quando for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo yum remove hotshots

ou

sudo dnf remove hotshots

Como instalar o HotShots no Arch Linux, Manjaro, Antergos e seus derivados

Para instalar o HotShots no Arch Linux, Manjaro, Antergos e seus derivados você precisa ter o yaourt instalado. Se este é o seu caso, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale o Yaourt com o comando abaixo;

sudo pacman -Sy yaourt

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo yaourt hotshots

Passo 5. Quando for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo yaourt -Rsn hotshots

Como instalar o HotShots no Linux Ubuntu e seus derivados

Para instalar o HotShots no Linux Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/apps

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install hotshots

Passo 5. Quando for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove hotshots

Como instalar o HotShots manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa nesse link e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite hotshots em um terminal, seguido da tecla TAB.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Editor de legendas para Linux? Instale o Gaupol

Procurando um editor de legendas para Linux para criar ou consertar arquivos desse tipo? Então instale e experimente a ferramenta Gaupol.


Gaupol é um editor de legendas para Linux, sendo um software livre liberado sob a licença GNU General Public License (GPL). Ele é um editor para arquivos de legendas baseadas em texto.

Editor de legendas para Linux? Instale o Gaupol

O programa, tem todas as características necessárias: atalhos, extensões de terceiros, verificação ortográfica e reconhecimento de voz.

Além disso, ele suporta vários formatos de arquivo de legendas e fornece meios de criar legendas, fazer edição de textos e cronometrar as legendas para coincidir com o vídeo.

A interface de usuário é projetada com atenção para o processamento em lote de vários documentos e a conveniência de traduzir.

Gaupol contém aeidon, um pacote Python para uso geral de instalação própria para ler, escrever e manipular arquivos de legendas baseadas em texto.

Conheça melhor o Editor de legendas para Linux Gaupol

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como instalar o ditor de legendas para Linux Gaupol no Linux

Gaupol está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install gaupol. No entanto, em versões mais antigas, para instalar o Gaupol no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome gaupol.tar.gz :

wget http://download.gna.org/gaupol/0.9/gaupol-0.9.tar.gz -O gaupol.tar.gz

Passo 3. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

sudo tar -vzxf gaupol.tar.gz

Passo 4. Vá para a pasta criada;

cd gaupol*

Passo 5. Execute a instalação do programa com este comando:

sudo python3 setup.py clean install

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite gaupol em um terminal, seguido da tecla TAB.

Se você teve alguma dificuldade ou sabe de alguma dica relacionada ao assunto acima, escreva um comentário e ajude a melhorar esse texto. E não esqueça de compartilhar também, ok?

O que está sendo falado no blog nos últimos dias



Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.


blog comments powered by

Planeta Ubuntu Brasil

O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


Última atualização:
08 de dezembro de 2016, 05:01
Horário UTC

Planet ATOM
RSS10 RSS20
OPML FOAF

Blogs inscritos


© 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.