21 de setembro de 2021

Como instalar o conversor de imagens imgpress no Linux via Snap

Se você precisa melhorar ou converter suas imagens, conheça e veja como instalar o conversor de imagens imgpress no Linux via Snap.

imgpress é uma ferramenta CLI para codificação e compactação de imagens para uso otimizado da web.

Como instalar o conversor de imagens imgpress no Linux via Snap Como instalar o conversor de imagens imgpress no Linux via Snap Como instalar o conversor de imagens imgpress no Linux via Snap

Escrito em Python utilizando a biblioteca de imagens Pillow. Os tipos de imagem suportados incluem JPEG, PNG e WEBP. As imagens salvas com o mesmo nome do arquivo de origem recebem um nome exclusivo.

Como instalar o conversor de imagens imgpress no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o conversor de imagens imgpress via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o conversor de imagens imgpress via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install imgpress

Passo 3. Instale a versão candidate do programa, usando esse comando:

sudo snap install imgpress --candidate

Passo 4. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install imgpress --edge

Passo 5. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh imgpress

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite imgpress ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Passe pelo menos um arquivo de entrada e formato de imagem.

Redimensione test.jpeg para 1000 x 1000, defina a qualidade para 75 e salve o arquivo como test-1000.jpeg:

imgpress test.jpeg -f JPEG -r 1000 1000 -q 75 -o test-1000.jpeg

Redimensione test.jpeg para 1000 de largura, preservando a proporção, codifique para o formato WEBP e defina a qualidade para 65:

imgpress image.jpeg -f WEBP -r 1000 0 -q 65

Como desinstalar

Para desinstalar o conversor de imagens imgpress no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove imgpress

Adblock test (Why?)

Como instalar o cliente Twitter Cawbird no Linux via Flatpak

Se você procura um bom aplicativo para tuitar sem complicações, conheça e veja como instalar o cliente Twitter Cawbird no Linux via Flatpak.

No passado, o cliente Corebird do Twitter para Linux era um dos aplicativos de desktop favoritos, então as alterações na API do Twitter efetivamente colocaram o aplicativo fora de ação.

Como instalar o cliente Twitter Cawbird no Linux via FlatpakComo instalar o cliente Twitter Cawbird no Linux via Flatpak

E agora, a alma do Corebird (seu código) vive na forma regenerada do Cawbird, um fork do Corebird com grandes ambições para o futuro. O Cawbird é um cliente de twitter GTK+ nativo que fornece recursos vitais, como mensagens diretas (DMs), notificações de tweets, visualizações de conversas.

“Caw” é o som que um corvo emite (mantendo o tema do ‘tweet’ do pássaro), mas a palavra também soa exatamente como “Core” quando você diz em voz alta. Então Corebird = Cawbird.

Não há “streaming em tempo real” no Cawbird. Os tweets não aparecem como publicados, ao vivo, automaticamente. Em vez disso, o Cawbird precisa verificar novos tweets a cada dois minutos.

O aplicativo também é limitado na frequência com que pode atualizar ou buscar outras estatísticas, como seguir/deixar de seguir, exclusão direta de mensagens e tweet não favorável, na inicialização. Portanto, se você costuma manter o aplicativo aberto enquanto trabalha, adquira o hábito de sair e reabri-lo periodicamente.

E embora a guia “notificações” do Twitter nos aplicativos oficiais informe você sobre novos seguidores, as pessoas gostando do seu tweet e assim por diante o Cawbird não pode: o fluxo de notificações é estritamente apenas para menções.

Como instalar o cliente Twitter Cawbird no Linux via Flatpak

Para instalar o cliente Twitter Cawbird via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o cliente Twitter Cawbird via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/uk.co.ibboard.cawbird.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update uk.co.ibboard.cawbird

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run uk.co.ibboard.cawbird em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite cawbird ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Para desinstalar o cliente Twitter Cawbird via Flatpak, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall uk.co.ibboard.cawbird

Ou

flatpak uninstall uk.co.ibboard.cawbird

Veja também

Você também pode instalar o programa usando esse outro tutorial:
Como instalar o cliente Twitter Cawbird no Ubuntu e derivados

Adblock test (Why?)

Confira a data de lançamento e as novidades do Ubuntu 21.10

Confira a data de lançamento e as novidades do Ubuntu 21.10 e fique por dentro do que vem por aí na próxima versão do sistema da Canonical.

Reconhecidamente, o desenvolvimento do Ubuntu 21.10 ainda está em um estado (um pouco) inicial, mas há rumores sobre o que podemos esperar do lançamento que seus desenvolvedores chamaram de “Impish Indri”.

O Ubuntu 21.10 será lançado em 14 de outubro de 2021 e neste artigo daremos uma olhada mais de perto nos novos recursos e mudanças que ele provavelmente virá.

Abaixo está um resumo de tudo o que sabemos até agora, incluindo quando o Ubuntu 21.10 será lançado e por quanto tempo ele terá suporte.

Além disso, há um link para baixar as compilações diárias do Ubuntu 21.10 se você quiser testar o lançamento antes de seu lançamento estável no outono.

Confira a data de lançamento e as novidades do Ubuntu 21.10

Confira a data de lançamento e as novidades do Ubuntu 21.10Confira a data de lançamento e as novidades do Ubuntu 21.10Confira a data de lançamento e as novidades do Ubuntu 21.10
Conforme revelado no início deste ano, o codinome Ubuntu 21.10 é “Impish Indri”. Este codinome não nos fornece muitos subtextos. A palavra “Impish” (travesso) significa “…fazer coisas levemente perversas por diversão”, enquanto um “indri” é um lêmure nativo de Madagascar que passa a maior parte do tempo fora do chão e nas árvores.

Uma versão de suporte de curto prazo, o Ubuntu 21.10 terá suporte por 9 meses com grandes correções de bugs, patches de segurança críticos e novos lançamentos de aplicativos importantes.

Esse suporte termina em julho de 2022, e o caminho de ‘atualização’ recomendado será para Ubuntu 22.04 LTS.

Os fãs de fato sem dúvida saberão que 21.10 é o 25º lançamento do Ubuntu desde 2004 e a segunda versão a ser nomeada em homenagem a um animal que começa com a letra ‘I’.

Você consegue se lembrar da outra versão do Ubuntu começando com ‘I’? Vou poupar você remexendo em sua memória: era o Ubuntu 8.10 “Intrepid Ibex” em 2008.

Data de Lançamento do Ubuntu 21.10

Você poderá baixar o Ubuntu 21.10 em 14 de outubro de 2021. Esta data é a que está listada no Launchpad, a casa do desenvolvimento do Ubuntu.

Antes disso, há vários marcos de desenvolvimento que virão como parte do ciclo de desenvolvimento do Impish Indri:

  • Congelamento de recursos (Feature Freeze): 19 de agosto de 2021
  • Congelamento da IU (UI Freeze): 9 de setembro de 2021
  • Ubuntu 21.10 Beta: 23 de setembro de 2021
  • Congelamento do kernel (Kernel Freeze): 30 de setembro de 2021
  • Candidato à liberação (Release Candidate): 7 de outubro de 2021

Lembre-se de que essas datas não são fixas e podem sofrer alterações.

Novos recursos do Ubuntu 21.10

Ok, então você veio aqui para aprender mais sobre os recursos que o Ubuntu 21.10 pode oferecer – então, vamos dar uma olhada no que sabemos até agora.

Lembre-se de que esta postagem será atualizada durante o desenvolvimento. Embora possa não haver muitas coisas novas e brilhantes listadas agora, isso não significa que novas mudanças não sejam esperadas.

A Canonical deseja distribuir o Ubuntu 21.10 com um novo instalador cuja IU é integrada ao Flutter. O trabalho no novo instalador do Ubuntu está progredindo lentamente e ainda está longe de ser “funcional”.

Será interessante ver se o desenvolvimento do novo instalador pode começar a tempo para 21.10, caso contrário, o novo instalador provavelmente não será lançado oficialmente antes da versão 22.10.

Os desenvolvedores do Ubuntu planejam distribuir o GNOME 40 como a experiência de desktop padrão no Ubuntu 21.10, embora não esteja atualmente disponível para teste nas compilações diárias mais recentes do lançamento.

O plano é manter o desktop Ubuntu como está, com um Ubuntu Dock colocado no lado esquerdo. Os desenvolvedores da Canonical fizeram contribuições upstream para o GNOME Shell que fazem a experiência baseada no Ubuntu Dock funcionar melhor.

Rumores dizem que a Canonical está considerando lançar o Ubuntu 21.10 com uma extensão que muda os espaços de trabalho horizontais do GNOME 40 para verticais.

E dependendo de como o desenvolvimento toma forma, o Ubuntu 21.10 pode oferecer o GNOME 41 em vez do GNOME 40

A equipe de design baseada na comunidade do Ubuntu escolheu usar Yaru Light como o tema padrão no Impish, citando problemas de esforço em manter as versões “mistas” atuais.

Nenhuma palavra sobre se a interface do usuário Shell também voltará a ser clara (ela foi alterada para uma aparência escura na versão anterior).

A compactação Zstd, vários anos depois do planejado, será habilitada para o arquivo principal. Isso tornará as instalações do Ubuntu 21.10 mais rápidas do que a instalação do 21.04 – em quanto? Teremos que esperar para ver!

Os usuários do Ubuntu que usam drivers gráficos proprietários da NVIDIA poderão, no Impish, usar o Wayland. O Wayland por experiência padrão no Ubuntu 21.04 está atualmente habilitado apenas em sistemas onde é suportado nativamente.

Então, são estas e outras mudanças no Ubuntu 21.10:

  • GNOME 40 por padrão
  • Kernel Linux 5.14 (ou mais recente)
  • Tema Yaru light por padrão
  • Novo instalador feito com Flutter
  • Nova marca Ubuntu
  • Compressão Zstd para pacotes
  • Wayland habilitado para usuários de drivers NVIDIA
  • Melhorias no touchpad
  • Novos papéis de parede

Manteremos este post atualizado e revisado conforme mais mudanças forem reveladas e novos recursos forem desenvolvidos.

Baixe o Ubuntu 21.10 (compilação diária)

Você pode baixar compilações diárias do Ubuntu 21.10 no site do Ubuntu.

O instalador é fornecido como uma imagem .iso de 64 bits.

Adblock test (Why?)

20 de setembro de 2021

GIMP 2.10.28 lançado com melhorias e correções de bugs, nova função Script-Fu, e mais

Foi lançado o GIMP 2.10.28 com melhorias e correções de bugs, nova função Script-Fu, e mais. Confira as novidades e veja como instalar ou atualizar no seu sistema.

O GIMP, ou GNU Image Manipulation Program, é um editor de imagens expansível através de plugins e distribuído gratuitamente para ser usado em tarefas como retoque de fotos, composição de imagem e criação de imagem.

GIMP é um editor de imagens bastante popular no mundo do Linux e talvez a melhor alternativa do Adobe Photoshop, porque, após tantos anos de desenvolvimento, ele alcançou grande aceitação pela comunidade.

Com isso, ele conseguiu se posicionar em um dos aplicativos de edição de imagens que podem ser encontrados em quase todos os repositórios das distribuições Linux.

Além disso, esse editor funciona em vários sistemas operacionais, e é traduzido em muitas línguas.

Mas, mesmo tendo muitos recursos, o Gimp pode ser usado como um simples programa de pintura, um programa de retoque de fotos especialista em qualidade, um sistema de processamento em lote on-line, um processador de imagem de produção em massa ou até como um conversor de formato de imagem, além de diversas outras tarefas.

Agora, o projeto GIMP lançou o GIMP 2.10.28 como uma nova atualização de manutenção para a série GIMP 2.10.

Novidades do GIMP 2.10.28

GIMP 2.10.28 lançado com melhorias e correções de bugs, nova função Script-Fu, e maisGIMP 2.10.28 lançado com melhorias e correções de bugs, nova função Script-Fu, e maisGIMP 2.10.28 lançado com melhorias e correções de bugs, nova função Script-Fu, e mais
O GIMP 2.10.28 não é uma grande atualização, já que a equipe de desenvolvedores por trás deste editor de imagens poderoso e gratuito usado por milhões de usuários de computador em todo o mundo está concentrando seus esforços no próximo grande lançamento, o GIMP 3, que espero que seja lançado pelo final do ano com vários novos recursos e aprimoramentos.

Além disso, o GIMP 2.10.28 está aqui mais de cinco meses após o lançamento do GIMP 2.10.24, que provavelmente a maioria de vocês está usando em suas distribuições Linux agora, para resolver vários bugs e problemas, bem como para melhorar o desempenho do aplicativo e adicionar algumas novas funcionalidades.

Os destaques desta versão incluem uma nova função Script-Fu chamada dir-make que permite aos usuários criar diretórios a partir de scripts, correções para vários problemas de acessibilidade em temas, como feedback de passar o mouse ou cores problemáticas, bem como correções de bugs para o BMP, C-source, DDS, DICOM, GIF, Gimpressionist, Metadata Viewer, PS, PSD, Sunras e plug-ins TIFF.

Vários scripts Script-Fu e o próprio interpretador Script-Fu também receberam algumas correções de bugs.

Obviamente, as bibliotecas GEGL e Babl também foram atualizadas para adicionar novas funcionalidades como RGB flutuante de 32 bits e processamento de cores CMYK usando o renderizador CTX e um novo parâmetro edge_handling.

Para saber mais sobre essa versão do GIMP, acesse a nota de lançamento.

Como instalar ou atualizar o GIMP

Até então, se você estiver usando o GIMP, atualize para a versão 2.10.28 assim que aparecer nos repositórios de software estáveis ​​de suas distribuições Linux favoritas.

Você também pode instalá-lo agora usando o binário universal Flatpak (flatpak update org.gimp.GIMP//stable) ou baixando e compilando o tarball de origem do site oficial (veja mais opções de instalação mais abaixo).

Para instalar a versão mais recente do GIMP nas principais distribuições Linux, use esse tutorial:
Como instalar o editor de imagens GIMP no Linux via Flatpak
Como instalar a última versão do GIMP no Ubuntu e seus derivados
Como instalar a última versão do GIMP no Ubuntu e seus derivados

Adblock test (Why?)

Como extrair o áudio de vídeos no formato original ou converter para MP3 ou Ogg Vorbis

Se tudo que você quer de um vídeo é o áudio, veja como extrair o áudio de vídeos no formato original ou converter para MP3 ou Ogg Vorbis.

Este artigo explica como usar o FFmpeg para extrair o fluxo de áudio de um vídeo, sem recodificar (mantendo o formato original) ou converter o arquivo de áudio resultante em MP3 ou Ogg Vorbis em CBR (taxa de bits constante) ou VBR (taxa de bits variável) .

Como extrair o áudio de vídeos no formato original ou converter para MP3 ou Ogg VorbisComo extrair o áudio de vídeos no formato original ou converter para MP3 ou Ogg VorbisComo extrair o áudio de vídeos no formato original ou converter para MP3 ou Ogg Vorbis

Extrair o áudio de vídeos pode ser útil quando você quer apenas o áudio de um vídeo e quer economizar espaço em disco.

Para usar os exemplos/comandos do FFmpeg abaixo, você precisará ter o FFmpeg instalado no seu sistema. Opcionalmente, também instale libmp3lame para converter para mp3 e libvorbis para converter o áudio extraído em Ogg Vorbis.

Novamente, usaremos o programa ffmpeg, pois é um excelente programa para esse tipo de operação.

E se você ainda não tem o ffmpeg instalado, para instalar a versão mais recente do FFmpeg nas principais distribuições Linux, use um desses tutoriais:
Como instalar o framework multimídia FFmpeg no Linux via Snap
Como instalar a versão mais recente do FFmpeg no Linux Debian, Ubuntu e Fedora
Como codificar vídeo H.265 usando FFmpeg no Linux (4K e 8K)

Como extrair o áudio de vídeos no formato original ou converter para MP3 ou Ogg Vorbis

Para extrair o áudio de vídeos no formato original ou converter para MP3 ou Ogg Vorbis usando o ffmpeg, primeira mente, abra um terminal.

Depois, use os procedimentos abaixo.

Descobrindo o formato de áudio original do vídeo

Para extrair o áudio de um vídeo e manter o formato de áudio original, a primeira coisa que você deve fazer é verificar qual é o formato de áudio original para saber qual extensão de arquivo usar usando ffprobe (parte do pacote FFmpeg). Substitua exemplo.mp4 pelo nome do arquivo do vídeo (e o caminho se o vídeo não estiver na pasta atual).:

ffprobe exemplo.mp4

Perto do final da saída deste comando, você deve ver o fluxo de áudio, por exemplo:

...............
Duration: 00:04:19.47, start: 0.000000, bitrate: 1261 kb/s
Stream #0:0: Video: h264 (Main), yuv420p(tv, bt709, progressive), 1280x720 [SAR 1:1 DAR 16:9], 25 fps, 25 tbr, 1k tbn, 50 tbc (default)
Metadata:
HANDLER_NAME : VideoHandler
DURATION : 00:04:19.440000000
Stream #0:1(eng): Audio: vorbis, 44100 Hz, stereo, fltp (default)
Metadata:
DURATION : 00:04:19.467000000

Como extrair o áudio de vídeos no formato original

Agora que você conhece o formato de áudio original, extraia o áudio do vídeo sem recodificá-lo usando o comando abaixo. Substitua exemplo.mp4 pelo nome do arquivo/caminho do vídeo e audio.ogg pelo nome que você deseja usar para o nome do arquivo de saída de áudio e a extensão:

ffmpeg -i exemplo.mp4 -vn -acodec copy audio.ogg

Nesse comando, -i é usado para especificar o caminho e o nome do arquivo do vídeo de entrada, -vn ignora a inclusão do fluxo de vídeo, enquanto -acodec copy é para copiar o áudio original (sem recodificação).

E para extrair apenas uma parte do áudio de um vídeo, usando o mesmo formato de áudio usado pela fonte original, use esse comando:

ffmpeg -i exemplo.mp4 -ss 00:00:00 -t 00:00:00.0 -vn -acodec copy audio.ogg

-ss é o início do registro de data e hora do áudio extraído e -t é a duração do áudio.

Por exemplo, para extrair 30 segundos de áudio iniciando 2 minutos no vídeo e usando o mesmo codec de áudio da fonte original:

ffmpeg -i exemplo.mp4 -ss 00:02:00 -t 00:00:30.0 -vn -acodec copy audio.ogg

Como extrair e converter para MP3

Como o mp3 não pode conter um fluxo de vídeo, para extrair o áudio do vídeo e convertê-lo em mp3, basta usá-lo (pule a adição de -vn):

ffmpeg -i exemplo.mp4 audio.mp3

O FFmpeg normalmente detecta automaticamente o formato de saída da extensão inserida nos arquivos de saída, portanto, na maioria dos casos, não é necessário especificar o formato/codec. Mas se você quiser especificar o codec, adicione -codec:a libmp3lame para converter para mp3:

ffmpeg -i exemplo.mp4 -codec:a libmp3lame audio.mp3

Agora, para extrair o áudio do vídeo, convertendo o áudio extraído para mp3 e especificando uma qualidade constante de taxa de bits de áudio (CBR), use o comando a seguir. Substitua BITRATE pelas opções CBR disponíveis: 8k, 16k, 24k, 32k, 40k, 48k, 64k, 80k, 96k, 112k, 128k, 160k, 192k, 224k, 256k ou 320k.:

ffmpeg -i exemplo.mp4 -b:a BITRATE audio.mp3

E para extrair o áudio do vídeo, convertendo o áudio para mp3 com codificação de taxa de bits variável, use esse outro comando. Especifique QUALIDADE no intervalo de 0 a 9, em que 0 é o melhor, 9 é o pior e 4 é o valor padrão. Uma tabela apresentando cada opção FFmpeg VBR está disponível nesse endereço.

ffmpeg -i exemplo.mp4 -codec:a libmp3lame -q:a QUALIDADE audio.mp3

Como extrair e converter para Ogg Vorbis

Já para extrair o áudio de um vídeo, usando Ogg como o contêiner resultante (ele deve detectar automaticamente o Vorbis como o formato de áudio), com taxa de bits variável (VBR), use esse comando. O intervalo de QUALIDADE é de -1,0 a 10,0, com 10,0 sendo a mais alta qualidade e 3 sendo o padrão (com uma meta de 112 kbps). Consulte esta página para obter detalhes sobre a configuração da qualidade Ogg Vorbis VBR:

ffmpeg -i exemplo.mp4 -vn -q:a QUALIDADE audio.ogg

No raro caso em que o FFmpeg falha na detecção automática do codec, especifique libvorbis usando -codec:a, assim:

ffmpeg -i exemplo.mp4 -vn -codec:a libvorbis -q:a QUALIDADE audio.ogg

Em alguns casos, convém converter em lote vários vídeos em áudio.

Confira este exemplo de processamento em lote (adapte isso às suas necessidades exatas), no qual todos os vídeos mp4 da pasta atual são convertidos para mp3 com um valor de perfil de taxa de bits variável 3, com o nome do arquivo igual ao vídeo original, mas com mp3 como a extensão do arquivo:

for i in *.mp4; do ffmpeg -i "$i" -codec:a libmp3lame -q:a 3 "${i%.*}.mp3"; done

Enfim, para mais detalhes sobre esses e outros comando do ffmpeg, consulte a documentação do FFmpeg.

Adblock test (Why?)

Counterfit, uma ferramenta de código aberto para auditar IA

Conheça Counterfit, uma ferramenta de código aberto para auditar IA, criada pela Micorsoft para avaliar sua inteligência artificial e sistemas de aprendizado de máquina.

Há cada vez mais desenvolvimentos de inteligência artificial, a complexidade desta IA está aumentando, e também o campo de aplicação. Já está sendo utilizado no setor saúde, administrações públicas, pesquisa, serviços, etc.

Mas esses algoritmos não são à prova de falhas quando se trata de segurança; também há ameaças em potencial para eles. Na verdade, à medida que a IA avança, mais e mais ameaças estão sendo detectadas. É por isso que a importância de ferramentas como o counterfit.

Counterfit, uma ferramenta de código aberto para auditar IA

Counterfit, uma ferramenta de código aberto para auditar IA Counterfit, uma ferramenta de código aberto para auditar IA Counterfit, uma ferramenta de código aberto para auditar IA
Por serem sistemas bastante críticos, são necessários sistemas de inteligência artificial seguros. E para isso é necessário desenvolver uma série de padrões de auditorias e ferramentas para poder auditar com mais facilidade.

Um exemplo é essa ferramenta da Microsoft que mencionei no parágrafo anterior.

A Microsoft desenvolveu esta ferramenta que irá facilitar muito o trabalho, e tem feito isso sob uma licença open source (licença MIT) e através de sua plataforma GitHub, para que seja acessível a todos aqueles que desejam utilizá-la, e também ser capaz de participar do seu desenvolvimento.

O counterfit permitirá que os desenvolvedores testem a segurança dos sistemas de inteligência artificial em um estágio inicial de desenvolvimento, garantindo assim que não haja falhas críticas.

Se você estiver interessado em aprender sobre ele, pode acessar seu repositório no GitHub a partir deste link. Lá você encontrará o código-fonte, informações ou você pode fazer o download e testá-lo em várias plataformas.

Além disso, como foi escrito em Python, você também pode usá-lo no Linux sem problemas.

A ferramenta nasceu dentro da Microsoft, devido à necessidade própria de avaliar sua inteligência artificial e sistemas de aprendizado de máquina em busca de vulnerabilidades.

Ele foi originalmente planejado para sistemas de teste, mas agora também pode ser usado durante o estágio de desenvolvimento de IA.

Como você pode ver no site, você precisará instalar o Anaconda Python localmente para usar o script Python. Outra opção é usá-lo por meio do Azure Shell em um navegador da web.

Adblock test (Why?)

19 de setembro de 2021

Como instalar a ferramenta Qt Design Studio no Linux

Se você quer criar aplicativos baseados em QT sem complicações, conheça e veja como instalar a ferramenta Qt Design Studio no Linux.

O Qt Design Studio é uma ferramenta de design e desenvolvimento de interface do usuário que permite que designers e desenvolvedores criem rapidamente protótipos e desenvolvam interfaces complexas.

O Qt Design Studio oferece um fluxo de trabalho ideal para prototipagem e desenvolvimento de interfaces complexas com o Qt.

Como instalar a ferramenta Qt Design Studio no LinuxComo instalar a ferramenta Qt Design Studio no LinuxComo instalar a ferramenta Qt Design Studio no Linux

Tanto designers como desenvolvedores usam o Qt Design Studio e isso torna a colaboração entre os dois muito mais simples e mais simplificada. Para ter uma impressão, você deve assistir a este vídeo.

YouTube video
[embedded content]

Como instalar a ferramenta Qt Design Studio no Linux

Para instalar a ferramenta Qt Design Studio no Linux, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome qtdesignstudio.run:

wget https://download.qt.io/official_releases/qtdesignstudio/2.1.0/qt-designstudio-linux-x86_64-2.1.0-community.run -O qtdesignstudio.run

Passo 4. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

chmod +x qtdesignstudio.run

Passo 5. Agora instale o programa com o comando;

sudo ./qtdesignstudio.run

Passo 6. Na tela que será exibida, siga as instruções e em pouco tempo o programa estará instalado.

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite qt ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Adblock test (Why?)

Como instalar o AdoptOpenJDK no Ubuntu e derivados

Se você sempre quis ter uma opção aberta do Java em seu PC, conheça e veja como instalar o AdoptOpenJDK no Ubuntu e derivados.

AdoptOpenJDK é uma iniciativa que visa facilitar a difusão e instalação de OpenJDK especialmente entre usuários e do Windows Mac, já que aparentemente a maioria deles não conhecia este último projeto, apesar dele ser a base tecnológica de Java como a conhecemos hoje.

Como instalar o AdoptOpenJDK no Ubuntu e derivadosComo instalar o AdoptOpenJDK no Ubuntu e derivadosComo instalar o AdoptOpenJDK no Ubuntu e derivados

O java é está entre as principais linguagens e plataformas de programação do mundo.

O AdoptOpenJDK usa scripts de infraestrutura, construção e teste para produzir binários pré-compilados a partir de bibliotecas de classes OpenJDK e uma opção entre o OpenJDK HotSpot ou o Eclipse OpenJ9 VM.

Todos os binários e scripts do AdoptOpenJDK são de código aberto e estão disponíveis gratuitamente.

Embora AdoptOpenJDK seja destinado principalmente a usuários de Windows e Mac, nos nos últimos tempos aumentou a procura pro ele pelos usuários de Linux para obter melhor suporte a automatização de manutenção através de repositórios oficiais, em vez de ter que usar a instalação manual, já que isso tinha que ser feito a partir do arquivo tar.gz.

Como instalar o AdoptOpenJDK no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o AdoptOpenJDK no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

wget -qO - https://adoptopenjdk.jfrog.io/adoptopenjdk/api/gpg/key/public | sudo apt-key add -
sudo add-apt-repository --yes https://adoptopenjdk.jfrog.io/adoptopenjdk/deb/

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o JRE (Java Runtime Environment, ou Ambiente de Tempo de Execução Java), conforme a versão que você quer usar;

sudo apt install adoptopenjdk-8-hotspot-jre

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-11-hotspot-jre

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-12-hotspot-jre

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-13-hotspot-jre

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-14-hotspot-jre

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-15-hotspot-jre

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-16-hotspot-jre

Passo 5. Se quiser instalar o JDK (Java Development Kit, item necessário para desenvolver aplicativos java), utilize o comando abaixo conforme a versão que você quer usar. Lembre-se de que tem instalar o JRE como uma dependência;

sudo apt install adoptopenjdk-8-hotspot

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-11-hotspot

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-12-hotspot

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-13-hotspot

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-14-hotspot

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-15-hotspot

Ou

sudo apt install adoptopenjdk-16-hotspot

Desinstalando

Para desinstalar o AdoptOpenJDK no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove adoptopenjdk --auto-remove

Adblock test (Why?)

Como instalar o divertido jogo de tiro Xonotic no Linux via Snap

Se você quer se divertir através de um shooter bem diversificado, conheça e veja como instalar o jogo de tiro Xonotic no Linux via Snap.

Xonotic é um shooter em primeira pessoa viciante, estilo arena, com movimentos nítidos e uma grande variedade de armas.

Como instalar o jogo de tiro Xonotic no Linux via SnapComo instalar o jogo de tiro Xonotic no Linux via SnapComo instalar o jogo de tiro Xonotic no Linux via Snap

Esse game combina mecânica intuitiva com ação direta para elevar sua frequência cardíaca. Além disso, Xonotic é e sempre será free-to-play.

Xonótico tem 9 armas nucleares e 16 armas completas no seu arsenal. Cada um tem um fogo primário e um fogo secundário semelhante ao UT. Eles são úteis em situações particulares, então a escolha de armas é crítica.

Graças ao apoio da comunidade, a Xonotic tem uma enorme variedade de modos de jogo para você jogar.

Existem os modos normais de jogo que você esperaria de um shooter de arena como o Deathmatch (FFA), o Capture The Flag e o Clan Arena, além de outros modos como Nexball e Freeze Tag. Corrida Multiplayer também é suportada!

Naves xonóticas prontas para jogar com 25 mapas oficiais, com dúzias de mapas feitos na comunidade, a apenas um clique de distância.

Mapas clássicos do Nexuiz também são suportados, incluindo aqueles convertidos do Quake 3! Os interessados ​​em criar mapas podem usar o editor de mapas, que também acompanha o jogo.

Acompanhe seu progresso com o XonStat, o aplicativo integrado de estatísticas do jogador. Veja estatísticas vitais como sua morte: razão de morte, dano e precisão das armas e jogos recentes. O acompanhamento é totalmente opcional e não é necessário fazer login!

Adapte as informações na tela ao que você está acostumado com o editor de HUD fácil de usar. Fique com os padrões, adicione todos os widgets incríveis ou seja minimalista.

XonoticXonoticComo instalar o jogo de tiro Xonotic no Linux via Snap XonoticXonoticComo instalar o jogo de tiro Xonotic no Linux via Snap XonoticXonoticComo instalar o jogo de tiro Xonotic no Linux via Snap XonoticXonoticComo instalar o jogo de tiro Xonotic no Linux via Snap

Como instalar a versão mais recente do jogo de tiro Xonotic no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o jogo de tiro Xonotic via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o jogo de tiro Xonotic via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install xonotic

Passo 3. Instale a versão candidate do programa, usando esse comando:

sudo snap install xonotic --candidate

Passo 4. Instale a versão beta do programa, usando esse comando:

sudo snap install xonotic --beta

Passo 5. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install xonotic --edge

Passo 6. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh xonotic

Passo 7. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove xonotic

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite xonotic ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Adblock test (Why?)

Como instalar o menu global QuickAccess no Linux via Flatpak

Se você quer ter acesso a algumas opções em diferentes locais, conheça e veja como instalar o menu global QuickAccess no Linux via Flatpak.

O QuickAccess é um programa em execução em segundo plano que fornece um menu global para acessar rapidamente pastas definidas pelo usuário e suas subpastas, além de criar e executar comandos personalizados.

Como instalar o menu global QuickAccess no Linux via FlatpakComo instalar o menu global QuickAccess no Linux via FlatpakComo instalar o menu global QuickAccess no Linux via Flatpak

O menu pode ser aberto através de dois métodos dbus: showMenu e showDelayedMenu. Ambos os métodos podem abrir o menu em uma posição fixa predefinida ou na posição do mouse.

showMenu mostra o menu instantaneamente, mas em certas circunstâncias, há problemas com o menu não sendo exibido ou não sendo fechado. Nesses casos, use o showDelayedMenu, há um atraso padrão de 150 milissegundos, mas pode ser alterado (veja o exemplo abaixo).

Como instalar o menu global QuickAccess no Linux via Flatpak

Para instalar o menu global QuickAccess via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o menu global QuickAccess via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/com.georgefb.quickaccess.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update com.georgefb.quickaccess

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run com.georgefb.quickaccess em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite quickaccess ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Depois, para desinstalar o menu global QuickAccess via Flatpak, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall com.georgefb.quickaccess

Ou

flatpak uninstall com.georgefb.quickaccess

Adblock test (Why?)

Como instalar o software de colaboração Collabee no Linux via Snap

Se você quer integrar sua equipe sem complicações, conheça e veja como instalar o software de colaboração Collabee no Linux via Snap.

Collabee é um software de colaboração em equipe que permite que sua equipe se comunique, gerencie tarefas e eventos e compartilhe arquivos, tudo em uma página.

Como instalar o software de colaboração Collabee no Linux via Snap Como instalar o software de colaboração Collabee no Linux via Snap Como instalar o software de colaboração Collabee no Linux via Snap

Atribua tarefas, compartilhe arquivos e feedbacks e comunique-se com sua equipe em apenas uma página. Com o Collabee, você sabe o quanto seu projeto progrediu e o quão ativa sua equipe está se envolvendo.

Você pode ser coautor e coeditar um problema, um documento colaborativo e mencionar seus colegas de trabalho ou compartilhar tarefas, decisões e arquivos.

Cada etapa que sua equipe realiza para realizar os trabalhos será exibida na seção de comentários, permitindo que qualquer pessoa acompanhe o fluxo de trabalho rapidamente.

Como instalar o software de colaboração Collabee no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o software de colaboração Collabee no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o software de colaboração Collabee no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install collabee

Passo 3. Instale a versão beta do programa, usando esse comando:

sudo snap install collabee --beta

Passo 5. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh collabee

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite collabee ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar

Para desinstalar o software de colaboração Collabee no Linux via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove collabee

Adblock test (Why?)

Como instalar o aplicativo Password Calculator no Linux via Flatpak

Se você não quer ficar batendo cabeça com senhas, veja como instalar o aplicativo Password Calculator no Linux via Flatpak e descomplique a sua vida.

Password Calculator é um aplicativo que calcula senhas fortes para cada alias do seu segredo único. Ele é baseado em uma extensão do GNOME Shell que usa o mesmo algoritmo.

Como instalar o aplicativo Password Calculator no Linux via FlatpakComo instalar o aplicativo Password Calculator no Linux via FlatpakComo instalar o aplicativo Password Calculator no Linux via Flatpak

Com Password Calculator, você não precisará se lembrar de dezenas de senhas por mais tempo e não precisará mais de um gerenciador de senhas!

Você pode escolher entre os seguintes destinos para sua senha:

  • Seleção Primária (colar usando o botão do meio do mouse);
  • Área de transferência (colar usando Ctrl + V);
  • Notificação de Cópia Adicional sem Senha.

Como instalar o aplicativo Password Calculator no Linux via Flatpak

Para instalar o aplicativo Password Calculator no Linux via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o aplicativo Password Calculator no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --from https://flathub.org/repo/appstream/com.bixense.PasswordCalculator.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update com.bixense.PasswordCalculator

Passo 4. E se precisar desinstalar o programa, execute o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall com.bixense.PasswordCalculator

Ou

flatpak uninstall com.bixense.PasswordCalculator

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run com.bixense.PasswordCalculator em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite password ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Adblock test (Why?)

18 de setembro de 2021

Como instalar o divertido System no Linux via Flatpak

Se você quer ver como seu PC funciona de um jeito muito legal, conheça e veja como instalar o divertido System no Linux via Flatpak.

O System permite que você faça parte da magia que mantém seu computador funcionando!

Como instalar o divertido System no Linux via Flatpak Como instalar o divertido System no Linux via Flatpak Como instalar o divertido System no Linux via Flatpak

System brilha e zumbe com atividade encantadora. Inicie o System e dê uma olhada atrás da tela para ver como transformar seu cursor em uma fatia de queijo!

Para a melhor experiência, aproveite o System como parte dos episódios de hack com seus amigos no Clubhouse, orientando você por meio de seus recursos.

Como instalar o divertido System no Linux via Flatpak

Para instalar o divertido System no Linux via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o divertido System no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/com.hack_computer.OperatingSystemApp.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update com.hack_computer.OperatingSystemApp

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run com.hack_computer.OperatingSystemApp em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite operating ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar

Depois, se for necessário, para desinstalar o divertido System no Linux via Flatpak, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall com.hack_computer.OperatingSystemApp

Ou

flatpak uninstall com.hack_computer.OperatingSystemApp

Adblock test (Why?)

Como instalar o UPnP Router Control no Linux via Snap

Se você quer gerenciar seu roteador de um jeito fácil e prática, conheça e veja como instalar o UPnP Router Control no Linux via Snap.

UPnP Router Control é um aplicativo para controlar seu roteador via UPnP, uma aplicação GTK para acessar alguns parâmetros do roteador como: a velocidade da rede, o IP externo e o nome do modelo.

Como instalar o UPnP Router Control no Linux via Snap

Como instalar o UPnP Router Control no Linux via Snap

Ele também pode gerenciar o encaminhamento de portas por meio de uma interface GUI simples.

O controle do roteador UPnP usa o protocolo de dispositivo de gateway da Internet v1, portanto, o UPnP deve ser habilitado no roteador para usar suas funções.

Observe que nem todos os roteadores implementam corretamente as especificações IGD, portanto, alguns recursos serão desabilitados.

Como instalar o UPnP Router Control no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o UPnP Router Control no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o UPnP Router Control no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install upnp-router-control

Passo 3. Instale a versão candidate do programa, usando esse comando:

sudo snap install upnp-router-control --candidate

Passo 4. Instale a versão beta do programa, usando esse comando:

sudo snap install upnp-router-control --beta

Passo 5. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install upnp-router-control --edge

Passo 6. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh upnp-router-control

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite upnp-router-control ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar

Para desinstalar o UPnP Router Control via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove upnp-router-control

Veja também

Você também pode instalar o programa usando esse outro tutorial:
Como instalar o UPnP Router Control no Linux via Flatpak

Adblock test (Why?)

Como instalar a linguagem de programação R no Ubuntu e derivados

Se você precisa criar programas que trabalham com computação estatística e gráficos, conheça e veja como instalar a linguagem de programação R no Ubuntu e derivados.

A programação é uma parte elementar da ciência da computação. Cria aplicativos que resolvem alguns problemas diários. Você pode fazer aplicações de todos os tipos e algumas orientadas para estatísticas, usando a linguagem de programação R.

Como instalar a linguagem de programação R no Ubuntu e derivadosComo instalar a linguagem de programação R no Ubuntu e derivadosComo instalar a linguagem de programação R no Ubuntu e derivados

R é um ambiente de software livre para computação estatística e gráficos. Ele compila e roda em uma ampla variedade de plataformas UNIX, Windows e MacOS.

Além disso, é também uma linguagem muito bem documentada e tem seu próprio formato de documentação semelhante ao LaTeX.

Entre as vantagens do R, está sua grande semelhança sintática com o S-Plus, que facilitou a migração de muitos usuários.

Igualmente importante é o fato de ser uma linguagem com um ciclo de desenvolvimento muito ativo.

Um dos pontos fortes de R é a facilidade com que plotagens de qualidade de publicação bem projetadas podem ser produzidas, incluindo símbolos matemáticos e fórmulas, quando necessário.

Outra grande vantagem é que R é multiplataforma, ou seja, pode ser instalado tanto no Windows quanto em qualquer distribuição Linux.

Entretanto, R não é uma linguagem de programação para todas as pessoas ou para todas as circunstâncias.

Por outro lado, é uma linguagem bastante orientada para a manipulação de dados para fins estatísticos e que a torna uma alternativa bastante confiável para o seu assunto.

Como instalar a linguagem de programação R no Ubuntu e derivados

Para instalar a linguagem de programação R no Ubuntu e derivados, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se você estiver usando o Ubuntu 18.04, adicione o repositório do programa com este comando;

sudo add-apt-repository 'deb https://cloud.r-project.org/bin/linux/ubuntu bionic-cran35/'

Passo 3. Em seguida, baixe e instale a chave desse repositório;

sudo apt-key adv --keyserver keyserver.ubuntu.com --recv-keys E298A3A825C0D65DFD57CBB651716619E084DAB9

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install r-base

Como instalar a linguagem de programação R manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa na página de download do repositório e instalando ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora você pode começar a usar R.

Para verificar a instalação que fizemos. Para fazer isso, digite o comando abaixo em um terminal e você verá o console R.

sudo -i R

Desinstalando

Para desinstalar a linguagem de programação R no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository 'deb https://cloud.r-project.org/bin/linux/ubuntu bionic-cran35/' -r -y
sudo apt-get remove r-base --auto-remove

Adblock test (Why?)

Cliente Spotify no Terminal? Instale o ncspot via Snap!

Se você precisa usar um cliente Spotify no Terminal, conheça e veja como instalar o ncspot via Snap e resolva o seu roblema.

ncspot é um cliente Spotify baseado em ncurses escrito em Rust usando librespot.

Cliente Spotify no Terminal? Instale o ncspot via Snap! Cliente Spotify no Terminal? Instale o ncspot via Snap! Cliente Spotify no Terminal? Instale o ncspot via Snap!

Esse programa fortemente inspirado nos clientes ncurses MPD, como ncmpc.

A motivação do desenvolvedor desse programa era fornecer uma alternativa simples e de fácil utilização para o cliente oficial, além de oferecer suporte a plataformas que atualmente não possuem um cliente Spotify, como os * BSDs.

Cliente Spotify no Terminal? Instale o ncspot via Snap!

Para instalar o ncspot no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o ncspot no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install ncspot

Passo 3. Instale a versão beta do programa, usando esse comando:

sudo snap install ncspot --beta

Passo 4. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install ncspot --edge

Passo 5. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh ncspot

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite ncspot ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar

Para desinstalar o ncspot no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove ncspot

Adblock test (Why?)

Como instalar o IDE QML Creator no Linux via Snap

Se você quer criar projetos baseados em QML e JavaScript de um jeito simples, conheça e veja como instalar o IDE QML Creator no Linux via Snap.

QML Creator é um IDE QML simples e leve para projetos baseados em QML e JavaScript. Ele inclui todos os módulos Qt Quick disponíveis e muitos projetos de demonstração originais.

Como instalar o IDE QML Creator no Linux via Snap

Como instalar o IDE QML Creator no Linux via Snap

O QML Creator permite que você desenvolva projetos QML em qualquer dispositivo móvel. Além disso, o código-fonte dele é distribuído sob a licença GPLv3

Para ajudar no seu trabalho, o QML Creator possui interface responsiva, estilo de layout de projeto simples, realce de sintaxe, sobreposição de depuração e pode ser executado em desktops e dispositivos móveis.

Como instalar o IDE QML Creator no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o IDE QML Creator via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o IDE QML Creator via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install qmlcreator

Passo 3. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install qmlcreator --edge

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh qmlcreator

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite qmlcreator ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Depois, para desinstalar o IDE QML Creator via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove qmlcreator

Adblock test (Why?)

Como instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu

Se você tem um gamepad do Xbox e quer usá-lo de forma completa no PC, veja aqui como instalar o driver para controle do Xbox no Ubuntu e derivados.

Já existem muitos jogos portados e muitos outros vindo para a plataforma Linux, e claro, você também já deve ter ouvido falar do Steam da Valve.

Como instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu Como instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu Como instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu

Para ficar melhor ainda, embora a maioria das pessoas usem o teclado para jogar, se você possui um Xbox, nada mais impede você de pegar o controle dele e usá-lo no Ubuntu para jogar seus games favoritos no PC.

Usando o software que será mostrado nesse tutorial você poderá usar o controle do Xbox no Ubuntu, com configurações adicionais.

Ele é um controlador de gamepad do Xbox/Xbox 360 para Linux que funciona em espaço de usuário e é uma alternativa para o xpad, o driver padrão do kernel.

Ele possui suporte para os controles do Xbox One e Xbox 360, tanto USB como sem fio, original ou de terceiros. A guitarra para Xbox 360 e alguns dancemats para Xbox One pode funcionar também.

O volante para Xbox 360 não é suportado, mas não deve ser difícil de adicionar se alguém estiver interessado.

Além de suportar quase tudo que está relacionado com o Xbox, o driver também tem suporte nativo para o gamepad Thrustmaster Dual Power 3, incluindo vibração e pode ser usado sobre o driver regular de joystick do Linux.

Ao contrário de do suporte do driver do kernel xpad, xboxdrv fornece uma ampla variedade de opções de configuração: permite simular eventos de teclado e mouse, remapear os botões e eixos, aplicar autofire, eixo invertido, ajustar eixo de sensibilidade, emular controles de aceleração e leme e enviar macros.

Como instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:rael-gc/ubuntu-xboxdrv

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o driver;

sudo apt-get install ubuntu-xboxdrv

Passo 5. Inicie o serviço do driver com o comando a seguir:

sudo service xboxdrv restart

Como instalar o driver para o controle do Xbox manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa na página de download do repositório e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalado, ligue o controle do Xbox, vá nas configurações do sistema e entre na opção “Joysticks”:

Como instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu

Como instalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu

Desinstalando

Para desinstalar o driver para o controle do Xbox no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get purge ubuntu-xboxdrv --auto-remove

Adblock test (Why?)

17 de setembro de 2021

Regolith Linux é o Ubuntu com o ambiente i3 e algo mais

Se você gosta do ambiente do Ubuntu e das facilidades do ambiente i3, conheça a distribuição Regolith Linux e veja o que ela pode te oferecer.

O Regolith Linux é uma distro para pessoas que preferem uma interface espartana com gerenciamento de sistema polido e consistente.

Esse sistema reúne um trecho da onipresença do Ubuntu, a interface eficiente e produtiva do gerenciador de janelas/ambiente i3 e os recursos de configuração do sistema do Gnome.

Se você ainda não conhece, o i3 é um gerenciador de janelas lado a lado criado para o X11 (o gerenciador de exibição que a maioria das distribuições de Linux usa, incluindo o Ubuntu).

O i3 suporta ladrilhos verticais horizontais verticais tradicionais – pense em encaixar janelas, mas arranje e redimensione automaticamente – bem como empilhar e tabular.

Como a maioria, você provavelmente está acostumado a gerenciar janelas de aplicativos com um mouse, mas o gerenciador de janelas do i3 é em grande parte orientado pelo teclado.

A ideia é que você use atalhos de teclado para mover, gerenciar e organizar aplicativos e janelas abertas (embora você também possa usar um mouse) e seja mais produtivo e ágil.

Regolith Linux é o Ubuntu com o ambiente i3 e algo mais Regolith Linux é o Ubuntu com o ambiente i3 e algo mais Regolith Linux é o Ubuntu com o ambiente i3 e algo mais

Como o Regolith utiliza o i3 para gerenciamento de janelas, você obtém mais de cada pixel na sua tela. Use mais para o que você gosta, ao invés de compartilhá-lo com anúncios ou recursos raramente usados.

Conheça o Regolith Linux

Regolith Linux é o Ubuntu com o ambiente i3 e algo mais

Regolith Linux é o Ubuntu com o ambiente i3 e algo mais

O Regolith é visualmente espartano por design. E isso é proposital, para ficar fora do seu caminho para evitar distrações.

Não há ícones, docks, painéis, menus, widgets ou anúncios que ocupem espaço na tela.

Uma pequena barra na parte inferior da tela mostra informações persistentes valiosas, como áreas de trabalho e status volátil do sistema.

Apesar de seu design visual mínimo, o Regolith Linux fornece recursos modernos de gerenciamento de sistemas e arquivos, como gerenciamento externo de monitor e armazenamento, configuração Wi-Fi e Bluetooth, além de configurações de idioma e privacidade.

Navegue, pesquise e inicie aplicativos rapidamente pelo iniciador de aplicativos. Este menu modal também pode ser usado para encontrar e selecionar janelas em todos os seus espaços de trabalho.

Como mencionado, o Regolith Linux está disponível como uma distro independente baseada em Ubuntu, mantida e desenvolvida por Ken Gilmer.

Ele vem com o “Regolith Desktop” como o ambiente de desktop padrão.

A área de trabalho do Regolith torna o i3 utilizável sem que o usuário precise fazer nada, pois tem padrões sadios e vem com tudo pré-configurado

Basicamente o desktop do Regolith é composto de um meta-pacote composto de uma série de componentes, incluindo: i3-gap (uma versão aprimorada do i3-wm), i3blocks, i3bar, conky, um GTK e um tema de ícones, rofi window switcher e app launcher, o compositor compton; e mais.

É importante notar que todos estes são pré-configurados com padrões normais.

Por exemplo, não é solicitado que você defina uma tecla modificadora (muito usada em i3-wm) quando fizer login pela primeira vez, já que ela é pré-definida para Super (também conhecida como tecla do Windows).

O Regolith Linux também usa o aplicativo Centro de Controle/Configurações do GNOME (e o Flashback do GNOME) para lidar com o material pesado da configuração do sistema.

Alguns verão essa inclusão como uma desvantagem, mas é uma vitória: basta fazer o login e começar; você não tem que lidar com arquivos de texto apenas para se conectar a uma rede wifi ou mudar seu papel de parede ou fazer qualquer outra coisa.

Em resumo, o Regolith Linux oferece uma experiência de área de trabalho i3 utilizável e pronta para uso que é super acessível a novos usuários.

Baixe e experimente o Regolith Linux

A imagem ISO do Regolith Linux já pode ser baixada acessando a página de download da distribuição.

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:

Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação
Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Adblock test (Why?)

Ubuntu 18.04.6 LTS lançado com as atualizações de segurança mais recentes

Dando continuidade ao suporte de longo prazo de sua atual versão LTS, a Canonical lançou o Ubuntu 18.04.6 LTS. Confira as novidades e descubra onde baixar a distro.

Lançado em 26 de abril de 2018, o Ubuntu 18.04 LTS deveria obter apenas cinco versões pontuais, até o Ubuntu 18.04.5 LTS, mas como é compatível até abril de 2023, a Canonical decidiu publicar outra versão pontual que inclui patches para segurança séria vulnerabilidades que afetam as versões pontuais anteriores.

Sim. A Canonical lançou o Ubuntu 18.04.6 LTS como o sexto e último lançamento pontual planejado da série de sistema operacional Ubuntu 18.04 LTS (apelidado de Bionic Beaver) com suporte de longo prazo.

O Ubuntu 18.04.6 LTS chega um mês após o lançamento pontual do Ubuntu 18.04.5 LTS e dois anos e meio após o lançamento do Ubuntu 18.04 LTS.

Novidades do Ubuntu 18.04.6 LTS

Ubuntu 18.04.6 LTS lançado com as atualizações de segurança mais recentesUbuntu 18.04.6 LTS lançado com as atualizações de segurança mais recentesUbuntu 18.04.6 LTS lançado com as atualizações de segurança mais recentes
Como dito antes, o Ubuntu 18.04.6 LTS está aqui como o sexto ponto de lançamento da série do sistema operacional Ubuntu 18.04 LTS (Bionic Beaver) com atenuações contra a infame vulnerabilidade de segurança BootHole descoberta no carregador de inicialização GRUB2, que permite que os invasores contornem o UEFI Secure Boot.

No anúncio, Łukasz Zemczak diz em nome da a Equipe de Lançamento do Ubuntu que:

“Ao contrário das versões pontuais anteriores, 18.04.6 é uma atualização da mídia do instalador amd64 e arm64 após a revogação da chave relacionada à vulnerabilidade do BootHole, reativando seu uso em sistemas habilitados para inicialização segura.”

Além dos patches BootHole, o novo lançamento pontual do Ubuntu 18.04 LTS também inclui todos os patches de segurança e atualizações de software mais recentes lançados para a série Bionic Beaver desde 13 de agosto de 2020, quando a atualização do Ubuntu 18.04.5 LTS chegou.

De acordo com a Canonical, o foco aqui é manter a estabilidade e compatibilidade com o Ubuntu 18.04 LTS.

Portanto, se você deseja implantar o sistema operacional Ubuntu 18.04 LTS (Bionic Beaver) em novos computadores, agora você pode baixar as imagens Ubuntu 18.04.6 LTS para Desktop e Servidor em plataformas de 64 bits e ARM64.

Para saber mais sobre essa versão da distribuição, acesse as notas de versão que podem ser encontradas nesse endereço (e ainda estão sendo atualizadas):

Baixe e experimente o Ubuntu 18.04.6 LTS

Observe que apenas as imagens do Ubuntu Desktop e Ubuntu Server foram atualizadas, pois os outros sabores oficiais como Kubuntu, Lubuntu, Xubuntu, Ubuntu MATE, Ubuntu Budgie, Ubuntu Studio e Ubuntu Kylin chegaram ao fim em 7 de maio de 2021. Usuários desses sabores deve atualizar para Ubuntu 20.04 LTS (Focal Fossa).

Você pode baixar as ISOs em:
18.04.6 LTS
Ubuntu 18.04.6 LTS Desktop
Ubuntu Server 18.04.6 LTS

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:

Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação
Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Adblock test (Why?)

Como instalar cliente iHeartRadio no Linux via Snap

Se você curte o iHeartRadio e quer usá-lo no seu PC, sem navegador, conheça e veja como instalar cliente iHeartRadio no Linux via Snap.

iHeartRadio é um rádio digital de propriedade da iHeartMedia. Fundado em abril de 2008 como um site chamado www.iheartmusic.com, o iHeartRadio passou a funcionar como um sistema de recomendação musical e como estação de rádio.

Como instalar cliente iHeartRadio no Linux via SnapComo instalar cliente iHeartRadio no Linux via SnapComo instalar cliente iHeartRadio no Linux via Snap

Já o aplicativoiHeartRadio é um Electron WebApp para iHeartRadio. Este é um aplicativo JavaScript Node.js, mas NÃO é um pacote NPM. Isso é apenas para uso em desktop.

Neste aplicativo, foi usado o Electron Framework para transformar uma página da web em um webapp. Como o Spotify, você poderá acessar todo o iHeartRadio para Linux e MacOS.

Como instalar o cliente iHeartRadio no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o cliente iHeartRadio no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o cliente iHeartRadio no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install iheartradio

Passo 3. Instale a versão candidate do programa, usando esse comando:

sudo snap install iheartradio --candidate

Passo 4. Instale a versão beta do programa, usando esse comando:

sudo snap install iheartradio --beta

Passo 5. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install iheartradio --edge

Passo 6. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh iheartradio

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite iheartradio ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar

Para desinstalar o cliente iHeartRadio no Linux via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove iheartradio

Adblock test (Why?)

Como instalar o gerenciador de mídia Olaris no Linux via Snap

Se você precisa de um servidor para oferecer suas mídias, conheça e veja como instalar o gerenciador de mídia Olaris no Linux via Snap.

OlarisUm servidor de código-fonte aberto, direcionado à comunidade, gerenciador de mídia e de transcodificação.

Como instalar o gerenciador de mídia Olaris no Linux via Snap Como instalar o gerenciador de mídia Olaris no Linux via Snap Como instalar o gerenciador de mídia Olaris no Linux via Snap

Dois diretórios são criados em tempo de execução:
/home/$USER/snap/olaris/common/media/Series
/home/$USER/snap/olaris/common/media/Movies

Essas pastas são adicionadas automaticamente ao Olaris, para que você possa adicionar sua mídia a esses diretórios. Simplesmente execute o olaris e visite http://localhost:8080.

Como instalar o gerenciador de mídia Olaris no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o gerenciador de mídia Olaris via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o gerenciador de mídia Olaris via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install olaris

Passo 3. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install olaris --edge

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh olaris

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite olaris ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

3367 / 5000
Resultados de tradução
Este snap é executado como um daemon. Visite http: // localhost: 8080 Para permitir o acesso ao seu diretório inicial, execute snap connect olaris: home.

Para executar em segundo plano:
olaris.olarisd start – Inicia o olaris
olaris.olarisd stop – Para o olaris
olaris.olarisd restart – reinicia o olaris
olaris.olarisd status – Mostra o status do olaris

Quando executado com olarisd, os arquivos de log são enviados para /home/$USER/snap/olaris/common/logs

Depois, para desinstalar o gerenciador de mídia Olaris via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove olaris

Adblock test (Why?)

Como instalar o framework Nervatura no Linux via Snap

Se você precisa de uma plataforma baseada na especificação Nervatura Object, veja como instalar o framework Nervatura no Linux via Snap.

Nervatura é um framework de gestão empresarial. Ele pode lidar com qualquer tipo de informação relacionada ao negócio, desde detalhes do cliente até informações de envio, estoque ou pagamento.

Como instalar o framework Nervatura no Linux via Snap Como instalar o framework Nervatura no Linux via Snap Como instalar o framework Nervatura no Linux via Snap

Os principais aspectos de seu design foram:

  • estrutura simples e transparente
  • capacidade de armazenar diferentes tipos de dados de uma empresa média
  • armazenamento de dados eficaz, facilmente expansível e seguro
  • suporte de vários tipos de banco de dados
  • bem documentado, fácil gerenciamento de dados

O framework é baseado na especificação Nervatura Object [MODEL] (https://nervatura.github.io/nervatura/model). É um modelo geral de dados abertos, que pode armazenar todas as informações geradas na operação de uma empresa normal.

O serviço da Nervatura é pequeno e rápido. Um único arquivo de ~5 MB contém todas as dependências necessárias. A estrutura inclui:

  • API CLI (linha de comando)
  • HTTP padrão [RESTful API] (https://nervatura.github.io/nervatura/api) para comunicação com o cliente
  • Baseado em HTTP/2 [gRPC API] (https://nervatura.github.io/nervatura/grpc) para comunicação do lado do servidor
  • Geração de JWT, validação de token externo, suporte SSL/TLS e outras [configurações] de segurança HTTP (https://github.com/nervatura/nervatura-service/blob/master/.env.example)
  • drivers de banco de dados embutidos para bancos de dados postgres, mysql, sqlite
  • uma biblioteca básica de geração de relatórios para a criação de documentos PDF simples (por exemplo, pedido, fatura, etc.) ou arquivos de dados CSV
  • modelos de relatório de amostra e [EDITOR DE RELATÓRIO] (https://nervatura.github.io/nervatura/docs/editor) GUI
  • Aplicativo PWA [CLIENTE] (https://nervatura.github.io/nervatura/docs) e uma interface ADMIN básica

A interface do cliente e do relatório oferece suporte a [multilinguismo] (https://nervatura.github.io/nervatura/#customize-the-appearance). A estrutura pode ser facilmente estendida com interfaces e funções adicionais nas [linguagens suportadas] (https://grpc.io/docs/languages/): C#, C++, Dart, Go, Java, Kotlin, Node, Objective-C, PHP, Python, Ruby.

Como instalar o framework Nervatura no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o framework Nervatura no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o framework Nervatura no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. nstale a versão beta do programa, usando esse comando:

sudo snap install nervatura --beta

Passo 3. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh nervatura

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite nervatura ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Verificando o status do serviço e os últimos registros:
systemctl status -l snap.nervatura.nervatura.service

Dados de snap padrão e caminho http.log: /var/snap/nervatura/common

Crie um novo banco de dados de demonstração:
sudo NT_API_KEY=DEMO_API_KEY NT_ALIAS_DEMO="sqlite://file:/var/snap/nervatura/common/demo.db?cache=shared&mode=rwc" \ /snap/nervatura/current/nervatura -c DatabaseCreate -k DEMO_API_KEY -o "{\"database\":\"demo\",\"demo\":true}"

Faça login no banco de dados: [Nervatura Client] (http://localhost:5000/client/)

Nome de usuário: admin
Senha: Senha vazia: Altere após o primeiro login!
Banco de dados: demo

Mais informações, consulte: [Nervatura Docs] (https://nervatura.github.io/nervatura)

Como desinstalar

Para desinstalar o framework Nervatura no Linux via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove nervatura

Adblock test (Why?)

Como instalar o conjunto de ícones La Capitaine no Linux

Se você gosta do visual dos ícones do macOS e quer experimentá-lo no seu sistema, veja como instalar o conjunto de ícones La Capitaine no Linux.

O La Capitaine é um conjunto de ícones que foi projetado para integrar-se à maioria dos ambientes de desktop.

Como instalar o conjunto de ícones La Capitaine no LinuxComo instalar o conjunto de ícones La Capitaine no LinuxComo instalar o conjunto de ícones La Capitaine no Linux

Esse conjunto de ícones se inspira nas últimas iterações do macOS e no material design do Google, por meio do uso de gradientes visualmente agradáveis, sombra e geometria simples de ícones.

Cada imagem neste tema é um gráfico vetorial escalável para ficar bem em qualquer tamanho, em qualquer tela. Durante seu tempo livre, o autor desse pacote trabalha adicionando novos ícones, atualizando os antigos e tornando o tema mais completo.

Instalando o conjunto de ícones La Capitaine no Linux

Para instalar o conjunto de ícones La Capitaine no Linux, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Baixe o tema com o seguinte comando:

wget https://github.com/keeferrourke/la-capitaine-icon-theme/archive/master.zip

Passo 3. Se você quiser instalar o tema apenas para o seu usuário, use o comando abaixo para descompactar o arquivo baixado na sua pasta de temas:

unzip master.zip -d .icons/

Passo 4. Se você quiser instalar o tema para todos os usuários, use o comando abaixo para descompactar o arquivo baixado na pasta de temas do sistema:

sudo unzip master.zip -d /usr/share/icons/

Depois de instalar, você pode escolher o conjunto de ícones do sistema usando os utilitários Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, .

Ou, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Para deixar o visual mais completo e próximo do sistema da Apple, instale a Plank dock, usando o tutorial abaixo:
Plank no Ubuntu – instale uma Dock leve no Ubuntu e derivados

Desinstalando

Para desinstalar o conjunto de ícones La Capitaine no Linux, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 3. Se você instalou o tema apenas para o seu usuário, use o comando abaixo para apagar a pasta dele dentro da sua pasta de temas:

rm -Rf .themes/la-capitaine-icon-theme-master/

Passo 3. Se você instalou o tema para todos os usuários, use o comando abaixo para apagar a pasta dele dentro da pasta de temas do sistema:

sudo rm -Rf /usr/share/la-capitaine-icon-theme-master

Para voltar ao estado anterior, você pode usar o comando gsettings set org.gnome.desktop.interface gtk-theme "" ou os utilitários Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema.

Ou, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Adblock test (Why?)

16 de setembro de 2021

Firefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da Mozilla

Conheça o Firefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da Mozilla, e se for necessário, veja também como desativá-lo.

O Firefox Suggest é um novo recurso de pesquisa personalizada e sugestões patrocinadas do navegador Mozilla Firefox. No mês passado, a Mozilla estava testando discretamente o Firefox Suggest em um número limitado de usuários nos Estados Unidos.

Agora a Mozilla está lançando um recurso de sugestão do Firefox para todos.

Firefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da Mozilla

Firefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da MozillaFirefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da MozillaFirefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da Mozilla
A Mozilla anunciou que está adicionando recomendações à barra de URL do Firefox por meio de um novo recurso chamado Firefox Suggest.

Selena Deckelmann, Vice-presidente Sênior de Mozilla para Firefox, disse que:

“No início deste ano, começamos a compartilhar com vocês nossa nova visão do que o Firefox pode ser, e o novo design que compartilhamos foi apenas o começo. Queremos ajudar os usuários do Firefox a obter o melhor da web, de forma mais rápida e fácil. Estamos começando a experimentar sugestões que ajudam as pessoas a encontrar itens de seu histórico, lugares que visitam com frequência e conteúdo da web mais relevante para suas consultas. experimentar não é novo para o Mozilla, e esta é a próxima etapa em nossa jornada de produto. E, como sempre, a transparência e a responsabilidade pelo nosso trabalho estão no centro. Este é o início de uma jornada para nós aqui no Firefox, e estamos ansiosos para aprender e compartilhar à medida que avançamos.”

O Firefox Suggest exibe sugestões quando os usuários digitam na barra de endereço do Firefox. O recurso pode parecer sugestões de pesquisa à primeira vista, um recurso que o Firefox suportou por um longo tempo.

No entanto, as sugestões do Firefox Suggest não são oferecidas pelo mecanismo de pesquisa usado, mas pelo navegador Firefox da Mozilla.

Também parece que o Mozilla usará o Firefox Suggest para veicular anúncios, embora os usuários tenham algum grau de controle sobre as recomendações que veem.

Provavelmente o Firefox Suggest é uma nova maneira de o Mozilla ganhar dinheiro, que não envolve ser pago para tornar o Google seu mecanismo de busca padrão.

Por exemplo, as listagens do eBay são patrocinadas e os usuários podem esperar mais listagens de barras de endereços patrocinadas no futuro.

Há alguns anos, a empresa começou a buscar formas de ganhar dinheiro com seus produtos. Agora, a empresa está explorando sugestões de pesquisa patrocinada na barra de endereço para aumentar ainda mais sua receita.

Para obter informações detalhadas, você pode consultar o anúncio oficial ou assista o vídeo abaixo.

YouTube video
[embedded content]
Quais dados são compartilhados

O Firefox Suggest usa um serviço fornecido pela Mozilla para oferecer sugestões relevantes para o texto que você está digitando.

Quando as sugestões contextuais estão ativadas, o Mozilla recebe suas consultas de pesquisa.

Quando você vê ou clica em um resultado do Firefox Suggest, a Mozilla coleta e envia suas consultas de pesquisa e o resultado em que você clica para os parceiros da Mozilla por meio de um serviço de proxy de propriedade da Mozilla.

É importante observar que os dados que a Mozilla compartilha com seus parceiros não incluem informações de identificação pessoal e só são compartilhados quando você vê ou clica em uma sugestão.

Como desativar o Firefox Suggest no Firefox

Como a lista de sugestões do Firefox é baseada em sites que você já visitou, ela pode revelar seus hábitos de navegação a todos que usam o computador.

Portanto, caso você ache essa lista um pouco irritante, você pode desativá-la seguindo alguns passos fáceis e simples.

Passo 1. Clique no ícone Menu no canto superior direito da tela e selecione “Settings” (Configurações).

Firefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da MozillaFirefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da MozillaFirefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da Mozilla
Passo 2. Alterne para a guia “Search” (Pesquisar) disponível à esquerda e, em seguida, à direita, localize a seção “Search suggestion” (Sugestão de pesquisa).

Passo 3. Você precisa desmarcar a opção “Show search suggestion in the address bar results” (Mostrar sugestão de pesquisa nos resultados da barra de endereço).

Firefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da MozillaFirefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da MozillaFirefox Suggest, um novo recurso de pesquisa do navegador da Mozilla

Pronto! O que você achou desse recuro? Deixe a sua opinião nos comentários!

Adblock test (Why?)

LibreOffice 7.2.1 lançado com 87 correções de erros

A TDF anunciou o lançamento do LibreOffice 7.2.1 com 87 correções de erros, e mais. Confira as novidades e veja como instalar ou atualizar.

O LibreOffice é a suíte office desenvolvida pela The Document Foundation (TDF). Mas ele é bem mais que isso: é uma das mais populares suíte de escritório multiplataforma e de código aberto.

Em resumo, o LibreOffice é uma suíte de escritório livre compatível com os principais pacotes de escritório do mercado.

No início de agosto, a The Document Foundation lançou o LibreOffice 7.0. Foi um lançamento com melhorias importantes, entre as quais destaca-se a melhoria da compatibilidade com o Microsoft Office.

Agora, a The Document Foundation anunciou a disponibilidade geral do LibreOffice 7.2.1, como o primeiro lançamento pontual da mais recente e melhor série 7.2.

Novidades do LibreOffice 7.2.1

LibreOffice 7.2.1 lançado com 87 correções de errosLibreOffice 7.2.1 lançado com 87 correções de errosLibreOffice 7.2.1 lançado com 87 correções de erros
Lançado há menos de um mês, o pacote de escritório LibreOffice 7.2 já foi adotado por centenas de milhares de usuários de computador, pois é outro grande lançamento do pacote de escritório popular, multiplataforma e gratuito que continua a melhorar a interoperabilidade com o documento do MS Office formatos.

O LibreOffice 7.2 também é o primeiro lançamento do poderoso pacote de escritório a adicionar suporte nativo para máquinas Apple M1 e, como esperado, inclui dezenas de outros novos recursos e melhorias em todos os seus componentes principais, como Writer, Calc, Impress e Desenhe ou gráfico.

Agora, o LibreOffice 7.2.1 está aqui como a primeira atualização de manutenção da série LibreOffice 7.2, corrigindo até 87 bugs em todos os componentes principais. Detalhes sobre essas correções de bugs são fornecidos nos registros de mudanças dos marcos de desenvolvimento RC1 e RC2.

Portanto, se você já adotou o pacote de escritório LibreOffice 7.2 em suas distribuições GNU/Linux, é altamente recomendável que você atualize suas instalações para o LibreOffice 7.2.1 assim que os novos pacotes chegarem nos repositórios de software estáveis.

A Document Foundation recomenda a família LibreOffice 7.2 apenas para entusiastas de tecnologia e usuários avançados, já que o restante de vocês deve instalar a bem testada atualização do LibreOffice 7.1.6. Obviamente, para implantações corporativas, você deve usar a família de aplicativos LibreOffice Enterprise.

LibreOffice 7.2 será suportado pela The Document Foundation até 12 de junho de 2022, e o próximo lançamento pontual, LibreOffice 7.2.2, está planejado para meados de outubro de 2021.

Por outro lado, a série LibreOffice 7.1 será suportada até 30 de novembro de 2021 , portanto, certifique-se de atualizar para o LibreOffice 7.2 até então.

Para esclarecer melhor, a edição chamada “Community” é destinada a usuários domésticos ou organizações educacionais, enquanto as empresas precisam usar a família de aplicativos LibreOffice Enterprise de parceiros do ecossistema.

A série do pacote de escritório LibreOffice 7.2 terá o suporte da The Document Foundation com seis lançamentos de manutenção até 12 de junho de 2022. Enquanto isso, confira o vídeo abaixo para ver todos os novos recursos do lançamento do LibreOffice 7.2 em ação!

YouTube video
[embedded content]

Como instalar ou atualizar

Você pode baixar essa versão do LibreOffice agora mesmo no site oficial ou usar um dos tutoriais mais abaixo.

E para quem quer instalar ou atualizar o LibreOffice mais recente, basta usar um desses tutoriais:
Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux
Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux via FlatpakComo instalar o LibreOffice no Linux Ubuntu 18.04 LTS e outras distros
Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Ubuntu via PPA ou SNAP
Como instalar o LibreOffice beta no Linux via Snap

Adblock test (Why?)

Como alterar a senha do sudo, root ou outro usuário no Ubuntu

Se você é um administrador e um usuário do seu sistema perdeu a senha, veja como alterar a senha do sudo, root ou outro usuário no Ubuntu.

Se você é novo no Ubuntu, você pode querer saber como alterar a senha em seu sistema Ubuntu usando o bash shell ou a linha de comando.

Como alterar a senha do sudo, root ou outro usuário no UbuntuComo alterar a senha do sudo, root ou outro usuário no UbuntuComo alterar a senha do sudo, root ou outro usuário no Ubuntu

Afinal, é uma boa prática de segurança trocar as senhas de qualquer usuário, principalmente o Superusuário, que pode realizar todas as operações confidenciais no Ubuntu.

Apenas um superusuário ou root pode alterar a senha de qualquer conta de usuário. Outros usuários podem apenas alterar suas próprias senhas.

Como alterar a senha do sudo, root ou outro usuário no Ubuntu?

As senhas dos usuários são alteradas no Ubuntu usando o comando passwd.

Para executar este processo, precisamos usar a linha de comando no Ubuntu, para que você possa abrir um procurando o terminal no menu de aplicativos ou com o atalho “Ctrl + Alt + T”.

Como alterar a senha do root

Primeiramente, você deve logar como um usuário root, pois somente um usuário root pode alterar sua própria senha, para isso no terminal vamos digitar o seguinte comando:

sudo -i

O sistema pedirá que você digite a senha atual do sudo.

Feito isso, para alterar a senha do usuário root, no terminal você precisa digitar o seguinte comando:

passwd

Quando você entra com o comando passwd, o sistema pedirá que seja inserida a nova senha para seu usuário root e, em seguida, o sistema solicitará que eles digitem novamente a nova senha.

Depois disso, o sistema confirmará que a senha foi atualizada corretamente.

Agora, sempre que você precisar efetuar login como root ou executar qualquer operação de instalação e configuração que exija autorização de root, você estará usando essa nova senha.

Uma vez feito este processo, basta fechar a sessão root, para isso, basta digitar no terminal o seguinte comando:

exit

Como alterar a senha de outro usuário

Mas o que acontece quando você precisa alterar a senha de outro usuário, se você for o administrador do sistema?

Como mudar a senha de outro usuário no Ubuntu e derivados?

Bem, se você precisar alterar a senha de outro usuário, isso pode ser feito de maneira semelhante ao processo anterior, somente aqui você deve indicar o nome do usuário para o qual você irá atribuir uma nova senha.

Você pode fazer isso com o comando abaixo.

sudo passwd edivaldo

Como no exemplo acima, para mudar a senha do usuário root, você pode usar o comando da seguinte forma:

sudo passwd root

Claro, se o root não estiver ativado no sistema, você precisa ativá-lo. Para isso, use esse outro tutorial:
Como ativar e desativar a conta root no Linux sem complicações

Como recuperar a senha de usuário no Ubuntu?

Se o que você quer é recuperar a senha de usuário no Ubuntu, use esse outro tutorial:

Como redefinir senha de usuário no Ubuntu

Adblock test (Why?)

Como instalar o localizador de arquivos duplicados Czkawka no Linux

Se você quer encontrar e remover arquivos para liberar espaço, conheça e veja como instalar o localizador de arquivos duplicados Czkawka no Linux.

Czkawka Localizar e remover arquivos duplicados, vazios e corrompidos no Linux. Ele é um software simples, rápido e fácil de usar para remover arquivos desnecessários de sua máquina.

Como instalar o localizador de arquivos duplicados Czkawka no Linux Como instalar o localizador de arquivos duplicados Czkawka no Linux Como instalar o localizador de arquivos duplicados Czkawka no Linux

O Czkawka é um software livre e de código aberto escrito em Rust seguro para memória. Funciona em Linux, Mac e Windows. Devido a algoritmos avançados e multi-threading, é incrivelmente rápido!

Com ele, você pode verificar seus diretórios de pasta especificados para:

  • Arquivos duplicados com base no nome do arquivo, tamanho, hash, primeiro 1 MB de hash
  • Pastas vazias/arquivos vazios.
  • Arquivos grandes.
  • Arquivos temporários
  • Imagens semelhantes.
  • Arquivos zerados
  • Links simbólicos inválidos
  • Arquivos quebrados.

E oferece alguns botões de seleção para selecionar e remover os arquivos desejados da saída.

Como instalar o localizador de arquivos duplicados Czkawka no Linux via arquivo AppImage

Para instalar o localizador de arquivos duplicados Czkawka no Linux via arquivo AppImage, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome czkawka.appimage:

wget https://github.com/qarmin/czkawka/releases/download/3.2.0/linux_czkawka_gui.AppImage -O czkawka.appimage

Passo 4. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

chmod a+x czkawka.appimage

Passo 5. Agora instale o programa com o comando;

sudo ./czkawka.appimage --install

Passo 6. Quando você inicia o arquivo pela primeira vez, será perguntado se deseja integrar o programa com o sistema. Clique em “Yes” (Sim) se quiser integrá-lo ou clique em “No” (Não), se não quiser. Se você escolher Sim, o iniciador do programa será adicionado ao menu de aplicativos e ícones de instalação. Se você escolher “No”, sempre terá que iniciá-lo clicando duas vezes no arquivo AppImage.

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite yczkawkay ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Integrando os aplicativos AppImage no sistema

Se você quiser integrar melhor esse programa no seu sistema, instale o AppImageLauncher, usando esse tutorial:
Como instalar o integrador AppImageLauncher no Linux

Adblock test (Why?)

Como instalar o Xournal++ Mobile no Linux via Snap

Se você quer anotar e usar essas anotações em todos os seus dispositivos, como instalar o Xournal++ Mobile no Linux via Snap.

Xournal++ Mobile é um aplicativo que permite que você compartilhe cadernos Xournal++ em todos os seus dispositivos.

Como instalar o Xournal++ Mobile no Linux via Snap Como instalar o Xournal++ Mobile no Linux via Snap Como instalar o Xournal++ Mobile no Linux via Snap

Basta fazer anotações, esboçar em imagens, editar PDFs ou continuar seus blocos de anotações existentes em seu dispositivo Linux.

Xournal++ e Xournal++ Mobile são projetos de código aberto para fornecer uma solução fácil de usar para estudantes, cientistas e criativos para esboçar o que quiser.

Com uma interface intuitiva, Xournal permite que você use uma caneta sensível à pressão para pinturas e caligrafias realistas, faça um esboço e destaque em imagens ou fotografias digitalizadas, exiba fórmulas LaTeX, acesse documentos recentes rapidamente, compartilhe qualquer arquivo .xopp com o Xournal ++ Mobile. E ele integra-se perfeitamente com Nextcloud, e possui modo escuro nativo.

Como instalar o Xournal++ Mobile no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o Xournal++ Mobile no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o Xournal++ Mobile no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install xournalpp-mobile

Passo 3. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh xournalpp-mobile

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite xournalpp-mobile ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar

Para desinstalar o Xournal++ Mobile no Linux via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove xournalpp-mobile

Adblock test (Why?)

Como instalar o utilitário Playerctl no Linux via Flatpak

Se você quer controlar reprodutores de mídia compatíveis com MPRIS no terminal, conheça e veja como instalar o utilitário Playerctl no Linux via Flatpak.

Playerctl é um utilitário e biblioteca de linha de comando para controlar reprodutores de mídia que implementam a especificação de interface MPRIS D-Bus como vlc, mpv, RhythmBox, navegadores web, cmus, mpd, spotify e outros.

Como instalar o utilitário Playerctl no Linux via Flatpak Como instalar o utilitário Playerctl no Linux via Flatpak Como instalar o utilitário Playerctl no Linux via Flatpak

Playerctl torna mais fácil vincular as ações do player, como reproduzir e pausar, às teclas de mídia.

Você também pode obter metadados sobre a faixa em reprodução, como o artista e o título, para integração em geradores de statusline ou outras ferramentas de linha de comando.

O Playerctl também vem com um daemon que permite que ele atue no reprodutor de mídia ativo atualmente chamado playerctld.

Como instalar o utilitário Playerctl no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o utilitário Playerctl no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o utilitário Playerctl no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install playerctl --edge

Passo 3. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh playerctl

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite playerctl ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Para detalhes sobre as opções, consulte a página do projeto no GitHub.

Depois, para desinstalar o utilitário Playerctl no Linux via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove playerctl

Adblock test (Why?)

15 de setembro de 2021

CBL-Mariner 1.0.20210901 lançado com Kernel 5.10.60.1, e mais

E foi lançado o CBL-Mariner 1.0.20210901 com Kernel 5.10.60.1, e mais. Confira as novidades e descubra como criar sua própria compilação dela.

CBL-Mariner não é uma distribuição de propósito geral como qualquer outra que teríamos em mente (como Ubuntu ou Fedora), embora seja de código aberto e já esteja sendo usado por sistemas como o Windows Subsystem for Linux (WSL), Azure Sphere OS, SONiC e outros esforços baseados em Linux.

O projeto visa unificar as soluções Linux utilizadas na Microsoft e simplificar a manutenção dos sistemas Linux para diversos fins até hoje. Todas as tecnologias de software nesta prática são lançadas sob a licença do MIT.

A distribuição é notável porque fornece um pequeno conjunto típico de pacotes básicos que atuam como uma base universal para a criação de população de contêineres, ambientes de host e serviços executados em infraestruturas de nuvem e dispositivos de borda.

Soluções mais complexas e especializadas podem ser criadas adicionando pacotes adicionais ao CBL-Mariner, mas a base para todos esses sistemas permanece inalterada, simplificando a manutenção e preparando para atualizações.

O sistema de compilação CBL-Mariner permite gerar pacotes RPM separados com base em arquivos SPEC e códigos-fonte, e imagens de sistema monolítico geradas usando o kit de ferramentas rpm-ostree e atualizadas atomicamente sem quebrar em pacotes separados, além de poder criar mais complexos e especializados soluções adicionando combustível adicional no SVL-Mariner, mas a base para todos esses tempos

Agora, a Microsoft lançou recentemente a nova atualização de sua distribuição Linux “CBL-Mariner 1.0.20210901” (Common Base Linux Mariner), que está sendo desenvolvida como uma plataforma de base universal para ambientes Linux usados ​​em infraestrutura em nuvem e vários serviços da Microsoft.

Novidades do CBL-Mariner 1.0.20210901

CBL-Mariner 1.0.20210901 lançado com Kernel 5.10.60.1, e maisCBL-Mariner 1.0.20210901 lançado com Kernel 5.10.60.1, e maisCBL-Mariner 1.0.20210901 lançado com Kernel 5.10.60.1, e mais
Nesta nova versão de atualização do CBL-Mariner 1.0.20210901 uma das principais novidades é que a imagem ISO básica (700 MB) foi adicionada, já que na primeira versão da distribuição não foram fornecidas imagens ISO prontas para uso, por isso foi entendido que o usuário poderia criar uma imagem com o preenchimento necessário, embora também esta versão possa continuar a usar as instruções de compilação para o Ubuntu 18.04.

Para a parte das atualizações que foram feitas na CBL-Mariner 1.0.2021090, podemos descobrir que agora o kernel do Linux foi atualizado para a versão 5.10.60.1 e no pacote do sistema podemos encontrar as versões atualizadas do openvswitch 2.15.1, golang 1.16.7, logrus 1.8.1, tcell 1.4.0, gonum 0.9.3, testify 1.7.0, crocante 0.4.0, xz 0.5.10, swig 4.0.2, squashfs-tools 4.4, mysql 8.0.26.

Além disso, eles removeram os pacotes brp-strip-debug-symbols, brp-strip-needed e ca-legacy, e os arquivos SPEC para os pacotes Dotnet e aspnetcore, que agora são compilados pela equipe de desenvolvimento .NET principal, foram removidos e são colocados em um repositório separado.

Das outras mudanças da CBL-Mariner 1.0.2021090, destacam-se:

  • O suporte para atualizações automáticas de pacotes foi implementado, para o qual o aplicativo Dnf-Automatic está incluído.
  • O OpenSSL oferece a capacidade de retornar suporte para TLS 1 e TLS 1.1.
  • O utilitário sha256sum é usado para verificar o código-fonte do kit de ferramentas.
  • Novos pacotes estão incluídos: etcd-tools, cockpit, aide, fipscheck, tini.
  • As correções de vulnerabilidade foram migradas para as versões do pacote em uso.
  • Por fim, caso tenha interesse em saber mais sobre o assunto, consulte os detalhes no link a seguir.

Por fim, se você tiver interesse em saber mais sobre o assunto, consulte os detalhes no seguinte endereço.

Como criar sua própria compilação CBL-Mariner?

Para aqueles que estão interessados ​​em aprender mais sobre o CBL-Mariner, eles devem saber que podem construir sua própria imagem a partir do Ubuntu ou de qualquer distribuição Linux, somente neste caso seguiremos as instruções para gerar a imagem no Ubuntu.

Para fazer isso primeiro, devemos estabelecer alguns pré-requisitos que precisaremos para construir a imagem ISO:
sudo apt install make tar wget curl rpm qemu-utils golang-go genisoimage python2-minimal bison gawk

Agora procedemos para obter o código da CBL-Mariner:
git clone https://github.com/microsoft/CBL-Mariner.git

E agora teremos que entrar no diretório CBL-Mariner/toolkit e criar a imagem ISO de instalação.
cd CBL-Mariner/toolkit
sudo make iso REBUILD_TOOLS=y REBUILD_PACKAGES=n CONFIG_FILE=./imageconfigs/full.json

Quando terminar, podemos encontrar o arquivo ISO no diretório ../out/images/full/. Com a imagem do sistema criada, podemos testar o sistema em uma máquina virtual, seja com VirtualBox, VMWare, Boxes ou qualquer outro de sua preferência.

A única coisa que você precisa configurar na máquina virtual é que ela tenha pelo menos 2 GB de RAM, um núcleo e 16 GB de armazenamento.

Por fim, caso tenha interesse em saber mais sobre o assunto, consulte os detalhes no seguinte endereço.

Adblock test (Why?)

Como visualizar miniaturas de imagens no terminal com Lsix

Se você precisa dar uma olhada imagens sem precisar sair do Terminal, veja como visualizar miniaturas de imagens no terminal com Lsix.

O Lsix é um utilitário de linha de comando simples projetado para exibir imagens em miniatura no terminal usando gráficos Sixel.

Como visualizar miniaturas de imagens no terminal com LsixComo visualizar miniaturas de imagens no terminal com LsixComo visualizar miniaturas de imagens no terminal com Lsix

Para aqueles que se perguntam o que é Sixel, basta dizer que o nome é a abreviação de seis pixels e é um tipo de formato de gráficos de bitmap, um formato gráfico de bitmap suportado por terminais e impressoras da DEC.

Ele consiste em um padrão de seis pixels de altura e um de largura, resultando em 64 padrões possíveis. Cada padrão possível é atribuído a um caractere ASCII, facilitando a transmissão dos seiséis em links seriais de 7 bits.

Lsix usa o ImageMagick, para que quase todos os formatos de arquivo compatíveis com o imagemagick funcionem bem.

A qualidade da imagem em miniatura é surpreendentemente boa. As miniaturas são claramente visíveis.

Enfim, o Lsix é muito semelhante ao comando ‘ls’, mas apenas para mostrar miniaturas. Se você trabalha com muitas imagens, o lsix pode ser bastante útil.

Como visualizar miniaturas de imagens no terminal com Lsix

Para visualizar miniaturas de imagens no terminal com Lsix, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Como o lsix usa o ImageMagick, precisamos ter certeza de que ele esteja instalado em nosso sistema. O programa está disponível nos repositórios padrão da maioria das distribuições Linux, e no Debian, Ubuntu, Linux Mint e derivados, você só precisa abrir executar o seguinte comando no terminal (em outras distros, use o gerenciador de pacotes especifico do seu sistema);

sudo apt install imagemagick

Passo 3. Faça o download da última versão do lsix da página do Github do projeto, usando o comando abaixo;

wget https://github.com/hackerb9/lsix/archive/master.zip

Passo 4. Descompacte o arquivo baixado;

unzip master.zip

Passo 5. Copie o binário do lsix para o $PATH do seu sistema (comoo por exemplo, /usr/local/bin/);

sudo cp lsix-master/lsix /usr/local/bin/

Passo 6. Finalmente, torne o binário executável;

sudo chmod +x /usr/local/bin/lsix

Como usar o Lsix

Agora é hora de visualizar miniaturas de imagens no terminal. Antes de começar a usar o lsix, é importante saber que o programa ssó pode funcionar em um terminal que suporta gráficos Sixel.

Este script foi desenvolvido em um Xterm no modo de emulação vt340.

No entanto, o desenvolvedor diz que o lsix deve funcionar em qualquer terminal que suporte o Sixel. O Xterm suporta gráficos da Sixel, mas eles não estão ativados por padrão.

Você pode iniciar o Xterm com o modo Sixel ativado usando o seguinte comando a partir de outro terminal:

xterm -ti vt340

Dentro do Xterm, basta usar o lsix da seguinte forma:

lsix Imagens/imagem.jpg

Como visualizar miniaturas de imagens no terminal com Lsix

Como visualizar miniaturas de imagens no terminal com Lsix

Sim, este é um utilitário muito simples. Ele não possui nenhum tag ou parâmetro de linha de comando ou arquivos de configuração. Tudo o que você precisa fazer é passar o caminho do seu arquivo como um argumento.

Se você executá-lo sem um caminho, ele mostrará as miniaturas do diretório de trabalho atual.

lsix

Como visualizar miniaturas de imagens no terminal com Lsix

Como visualizar miniaturas de imagens no terminal com Lsix

Com isso, as miniaturas de todos os arquivos dentro do diretório são exibidas claramente no terminal. Se você usar o comando ‘ls’, verá apenas os nomes dos arquivos, não as miniaturas.

Também é possível ver um grupo de imagens de um tipo específico usando caracteres curingas. Para mostrar todas as imagens de um tipo específico, como JPG, você pode usar o curinga como mostrado abaixo:

lsix *.jpg

Se quiséssemos ver apenas imagens PNG, é preciso apenas alterar a extensão:

lsix *png

Pronto! Aproveite o Lsix e abuse de seus recursos.

Adblock test (Why?)

Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via AppImage e DEB

Se você quer colocar suas tarefas em ordem e ser mais produtivo, conheça e veja como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via AppImage.

O Google Tasks é o serviço de gerenciamento de tarefas do Google que está disponível para todos que possuem uma conta Google. Com ele, é possível adicionar, excluir e organizar as suas tarefas para aumentar a produtividade dos usuários.

Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via AppImage Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via AppImage Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via AppImage

E o Google Tasks Desktop é um aplicativo de desktop para o Google Tasks (não oficial), usando o React e a API de tarefas do google.

Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux

Para instalar o Google Tasks Desktop no Linux, use um dos procedimentos abaixo.

Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via arquivo AppImage

Para instalar o Google Tasks Desktop no Linux via arquivo AppImage, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome tasks.appimage:

wget https://github.com/Pong420/google-tasks-desktop/releases/download/3.1.3/Google.Tasks-3.1.3.AppImage -O tasks.appimage

Passo 5. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

chmod +x tasks.appimage

Passo 6. Agora instale o programa com o comando;

sudo ./tasks.appimage

Passo 7. Quando você inicia o arquivo pela primeira vez, será perguntado se deseja integrar o programa com o sistema. Clique em “Yes” (Sim) se quiser integrá-lo ou clique em “No” (Não), se não quiser. Se você escolher Sim, o iniciador do programa será adicionado ao menu de aplicativos e ícones de instalação. Se você escolher “No”, sempre terá que iniciá-lo clicando duas vezes no arquivo AppImage.

Como instalar o programa no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o programa no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome tasks.deb:

wget https://github.com/Pong420/google-tasks-desktop/releases/download/3.1.3/google-tasks-desktop_3.1.3_amd64.deb -O tasks.deb

Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i tasks.deb
sudo apt-get install -f

Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./tasks.deb

Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove tasks*

Como instalar o programa no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados

Quem quiser instalar o programa no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome tasks.rpm:

wget https://github.com/Pong420/google-tasks-desktop/releases/download/2.0.3/google-task-desktop-2.0.3.x86_64.rpm -O tasks.rpm

Passo 4. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install tasks.rpm

Passo 5. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall tasks.rpm

ou

sudo dnf install tasks.rpm

Passo 6. Para instalar o programa na maioria das distro com suporte a arquivos RPM, use o comando:

sudo rpm -i tasks.rpm

Passo 7. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo rpm -e tasks*

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite tasks ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Integrando os aplicativos AppImage no sistema

Se você quiser integrar melhor esse programa no seu sistema, instale o AppImageLauncher, usando esse tutorial:
Como instalar o integrador AppImageLauncher no Linux

Adblock test (Why?)

Como instalar o WindowMaker no Ubuntu e derivados

Se você que experimentar um ambiente gráfico mais antigo, leve e bem diferente, e você ainda não sabe qual é, estou falando do WindowMaker.

WindowMaker é um ambiente com um estilo bem diferente do que se está acostumado, com um toque de NEXTSTEP e influência de um brasileiro.

Não quero usar Unity, prefiro o WindowMaker no Ubuntu Não quero usar Unity, prefiro o WindowMaker no Ubuntu Não quero usar Unity, prefiro o WindowMaker no Ubuntu

O Window Maker é um ambiente gráfico criado pelo brasileiro Alfredo Kojima seguindo conceitos do projeto AfterStep.

Ele tem uma interface estável e vem com um editor de configuração chamado WPrefs, o que elimina a necessidade de editar manualmente alguns arquivos de configuração baseados em texto.

Como instalar o WindowMaker no Ubuntu e derivados

Como instalar o WindowMaker no Ubuntu e derivados

O ambiente também é conhecido por ser configurável e amigável, parcialmente dado seu pequeno tamanho e simplicidade que o tornam relativamente fácil de entender.

A aparência padrão pode ser confusa para quem espera uma barra de tarefas e um menu iniciar, mas todas as aplicações podem ser acessadas através de um clique com o botão direito do mouse na área no fundo de tela, o que retorna o menu principal.

Usuários que preferem o teclado também podem usar a tecla F12 para chamar o menu de aplicação, e F11 para um menu de janelas.

Window Maker tem a reputação de ser relativamente rápido e eficiente, claro, quando comparado com muitos outros gerenciadores de janelas e sistemas operacionais.

Além disso, o Window Maker é bastante usado em máquinas mais antigas que obviamente possuem limitações em memória, processador e no espaço em disco.

Outras opções

Veja como instalar o ambiente WindowMaker no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o ambiente WindowMaker no Ubuntu e seus derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Atualize o APT com o seguinte comando:

sudo apt-get update

Passo 3. Agora instale o ambiente usando o comando abaixo:

sudo apt-get install wmaker

Depois disso, saia da sessão atual, escolha a opção “Window maker” na tela de login, entre novamente e você já pode começar a experimentar o ambiente.

Desinstalando

Para desinstalar o ambiente WindowMaker no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Saia da sessão atual, entre em outro ambiente, e então desinstale o ambiente WindowMaker, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove wmaker --auto-remove

Adblock test (Why?)

Como instalar o jogo de estratégia/construção Serfs no Linux via Snap

Se você gosta de games, estratégia e construção, e quer tudo no mesmo lugar, conheça e veja como instalar o jogo de estratégia/construção Serfs no Linux via Snap.

Serfs é um novo jogo de estratégia/construção em tempo real, que combina muitos aspectos da jogabilidade estratégica para construir.

  • Construção da cidade: estabeleça edifícios e caminhos em um ambiente completamente sem grade para permitir o máximo controle e liberdade possível
  • Economia: construa e otimize suas linhas de produção para obter uma economia eficiente e lucrativa
  • Militar: crie uma proteção robusta para o seu império contra ataques recebidos e expanda suas fronteiras reivindicando terras desocupadas
  • Guerra: Conquiste território hostil e triunfar sobre seus inimigos em grandes batalhas
Como instalar o jogo de estratégia/construção Serfs no Linux via Snap Como instalar o jogo de estratégia/construção Serfs no Linux via Snap Como instalar o jogo de estratégia/construção Serfs no Linux via Snap
Colocar diferentes tipos de edifícios e conectá-los a caminhos é um processo fácil de aprender.

Mas à medida que o império cresce, as produções se tornam mais complexas e exigem mais bens e, de repente, os caminhos anteriormente vazios começam a parar e produções inteiras precisam desacelerar.

O processo de detectar pontos fracos, alterar e refatorar certas partes do império ou até realocar produções inteiras pode se tornar muito desafiador, mas o mais satisfatório se for bem-sucedido e a pequena vila desde o início começa a se transformar em um grande império otimizado.

As unidades militares são totalmente controláveis, podem ser movidas livremente, prédios da guarnição, ajustar seu comportamento, atacar e capturar prédios inimigos.

Edifícios militares expandem o império e exigem guarnição para defender ataques.

A produção militar é cara e exige grandes produções, sempre causa a necessidade de expandir o império. Uma produção eficiente e grande pode ser decisiva.

Observe: este jogo está em estado alfa e em desenvolvimento. No momento, nem todos os recursos estão totalmente disponíveis. Existem possíveis bugs, falhas e travamentos que podem prejudicar a experiência do jogo.

Você pode baixar o jogo gratuitamente. No início do jogo, você deve inserir um e-mail de sua escolha e uma chave. Se você quiser jogar a demonstração gratuita, basta cancelar o processo de ativação. Agora apenas o tutorial está desbloqueado.

YouTube video
[embedded content]

Como instalar o jogo de estratégia/construção Serfs no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o jogo de estratégia/construção Serfs via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o jogo de estratégia/construção Serfs via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install serfs

Passo 3. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh serfs

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite serfs ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar

Para desinstalar o jogo de estratégia/construção Serfs via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove serfs

[postlist tags=”stream” requesttype=”1″ number=

Adblock test (Why?)

Como instalar a versão mais recente do Enpass no Debian, Ubuntu e derivados

Quer usar um bom gerenciador de senhas para usar? Conheça e veja como instalar o Enpass no Debian, Ubuntu e sistemas derivados.

Enpass é um gerenciador de senhas multiplataforma, que possui versões para iOS, Android, Windows Phone, BlackBerry, e para desktops Windows, Mac e Linux.

Como instalar a versão mais recente do Enpass no Debian, Ubuntu e derivados Como instalar a versão mais recente do Enpass no Debian, Ubuntu e derivados Como instalar a versão mais recente do Enpass no Debian, Ubuntu e derivados

Enquanto as versões do programa para desktop podem ser usadas gratuitamente (sem limitações), as para dispositivos móveis são limitadas e oferecem compras internas (Android, iOS) ou são pagas (Windows Phone).

Embora o Enpass não seja um software de código aberto, sob o capô ele usa SQLCipher, uma extensão de código aberto para SQLite, que fornece criptografia 256-bit AES transparente de arquivos de banco de dados.

A última versão do Enpass para Linux traz extensões de navegador para Firefox e Chrome no Linux e Windows (e para o Safari no Mac), que permite o auto preenchimento seu nome de usuário/senha e outras informações confidenciais, diretamente a partir do navegador web.

Com essas extensões, você pode preencher automaticamente as credenciais de login (assim como qualquer outro dado que você já armazena no Enpass, como detalhes de cartão de crédito, etc.) armazenados em seu aplicativo de desktop Enpass no navegador da Web, clicando no ícone da extensão, que fornece uma lista de itens usados recentemente, bem como uma pesquisa, ou usando um atalho de teclado (Ctrl + \).

Você também pode salvar novos logins que digitar no navegador para Enpass.

A extensão do navegador também vem com algumas outras características menores, mas úteis, como o recurso de gerar senhas seguras, bloquear/desbloquear Enpass (que bloqueia/desbloqueia tanto a extensão, como o aplicativo de desktop), bem como a execução ou saida do aplicativo de desktop.

A extensão do Enpass para Chrome pode ser instalado a partir da Chrome Web Store, enquanto a extensão do Firefox é fornecida no arquivo baixado do aplicativo de desktop (para instalá-lo, arraste e solte o arquivo .xpi para o Firefox e o instalador de extensão deverá aparecer).

Depois de instalar a extensão, certifique-se de ativar o recurso “Extensões do navegador” no aplicativo de desktop (Ferramentas> Configurações> Navegador) para ser capaz de usá-lo.

Baixe o Enpass Password Manager (disponível para desktops: somente Linux 64-bit deb, Mac OS X e Windows, bem como mobile: iOS, Android, Windows Phone e BlackBerry).

O link para download real do Enpass será enviado a você, então você deve fornecer um endereço válido de e-mail na página de download no link acima. Os aplicativos de desktop são de uso livre, sem limitações.

Enpass possui suporte para logins com base no tempo One-Time Password Algorithm (TOTP).

Graças a esse suporte, você não tem que mudar de Enpass para outra aplicação para ver as suas senhas de uso único com base no tempo, e em vez disso, você pode fazer isso a partir Enpass.

Como instalar o gerenciador de senhas Enpass no Debian, Ubuntu e derivados

Infelizmente para alguns usuários, a versão para Linux só está disponível apenas para 64 bits, contudo, o repositório recém-lançado fornece ambos os pacotes de 32 e 64 bits.

Por isso, se você preferir baixar a versão estável do gerenciador de senhas Enpass no Debian, Ubuntu e sistemas, e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Adicione o repositório do programa com este comando:

sudo sh -c 'echo "deb http://repo.sinew.in/ stable main" >> /etc/apt/sources.list'

Passo 3. Baixe e adicione a chave do repositório com o comando:

wget -q -O- http://repo.sinew.in/keys/enpass-linux.key | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install enpass

Como instalar o gerenciador de senhas Enpass manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa na página do repositório e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite enpass no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o gerenciador de senhas Enpass no Debian, Ubuntu e derivados

Para desinstalar o gerenciador de senhas Enpass no Debian, Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove enpass --auto-remove

Adblock test (Why?)

14 de setembro de 2021

Como usar o Partclone no Linux para criação de imagens e clonagem de partições

Se você quer uma ferramenta de backup completa, conheça e veja como usar o Partclone no Linux para criação de imagens e clonagem de partições.

Você está procurando por uma ferramenta que irá clonar as partições e restaurá-las sem qualquer alteração? Se sim, este é o tutorial certo.

Como usar o Partclone no Linux para criação de imagens e clonagem de partiçõesComo usar o Partclone no Linux para criação de imagens e clonagem de partiçõesComo usar o Partclone no Linux para criação de imagens e clonagem de partições

Partclone é o seu aplicativo desejado para clonagem e restauração de partições.

É um software totalmente confiável para o backup de seus arquivos e não prejudica nenhum de seus arquivos.

O NCHC Free Software Labs em Taiwan desenvolveu este excelente software. Até o Clonezilla o usa como seu aplicativo de backup padrão.

Este aplicativo vem com o backup e restaura os utilitários apenas para os blocos usados ​​em suas partições. Ele nem sequer toca nos blocos não utilizados ou no sistema de arquivos de espaço livre.

Também é altamente compatível com as bibliotecas existentes do sistema de arquivos.

Surpreendentemente, Partclone pode suportar tantos formatos de arquivo incluindo f2fs, xfs, hfs +, jfs, nilfs, ntfs, ufs, reiser, reiserfs, btrfs, fat (12/16/32), exfat, ext2, ext3 e ext4 .

Esse recurso torna o Partclone mais forte e mais útil. Além disso, tem muitos outros recursos que o tornam completo.

Veja abaixo como usar essa incrível ferramenta.

Como usar o Partclone no Linux para criação de imagens e clonagem de partições

Partclone está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes das principais distribuições Linux e pode ser instalado suando o gerenciador de pacotes delas.

No caso do Ubuntu, Debian e derivados, ele também pode ser instalado usando o comando sudo apt-get install partclone.

Depois, para usar o Partclone no Linux para criação de imagens e clonagem de partições, abra um terminal e faça o seguinte:

Passo 1. Para clonar uma partição para uma imagem, use o comando abaixo (lembre-se de alterar /dev/sda1 pelo nome da unidade);

partclone.ext4 -d -c -s /dev/sda1 -o sda1.img

Passo 2. Para restaurar imagem para a partição, use assim;

partclone.ext4 -d -r -s sda1.img -o /dev/sda1

Passo 3. Partição para particionar o clone, use assim;

partclone.ext4 -d -b -s /dev/sda1 -o /dev/sdb1

Passo 4. Para exibir informações da imagem, use assim;

partclone.info -s sda1.img

Passo 5. Para Verificar a imagem, use assim;

partclone.chkimg -s sda1.img

Isso não é tudo. Com o Partclone, também está disponível um grande número de outros programas, como partclone.exfat, partclone.ext2, partclone.vmsf com v3 e v5, partclone.hfsp e assim por diante.

Você ainda está pensando? Apenas experimente. Não haverá decepções usando este aplicativo.

Você pode facilmente clonar suas partições exigidas usando o Partclone e restaurá-las rapidamente. Pode ser a melhor opção de backup para partições.

Adblock test (Why?)

Como gravar a sessão de terminal no Linux com o TermRecord

Se por algum motivo você precisa registrar tudo que faz no terminal, veja como gravar a sessão de terminal no Linux com o TermRecord.

O terminal é uma das ferramentas mais úteis de todo o Linux. É a principal ferramenta dos administradores e de muitos programadores. No entanto, às vezes é conveniente ter um registro de nossas atividades no terminal.

Para fazer isso, temos uma ferramenta criada no Python que pode gravar nossa sessão de terminal. Neste post, vou falar sobre TermRecord e mostrar como instalá-lo.

Como gravar a sessão de terminal no Linux com o TermRecordComo gravar a sessão de terminal no Linux com o TermRecordComo gravar a sessão de terminal no Linux com o TermRecord

TermRecord é um aplicativo escrito em Python que registra nossa sessão de terminal. Um que termina a gravação exporta para uma saída HTML independente que é fácil de compartilhar.

Por outro lado, o TermRecord pode ser instalado em várias distribuições Linux e MacOS. É open source liberado sob a licença do MIT e isso nos fornece a segurança de auditar o código fonte.

Além disso, o aplicativo possui alguns controles que permitem aproveitar melhor o conteúdo gravado.

O aplicativo é especialmente útil se precisarmos compartilhar nossa sessão de terminal. Vamos pensar que em um departamento de tecnologia você precisa contrastar algumas informações geradas no terminal.

Além disso, ele é ideal para aprender tutoriais no campo da educação ou formação.

Como gravar a sessão de terminal no Linux com o TermRecord

Como dito acima, para gravar a sessão de terminal com o TermRecord você precisa ter o TermRecord instalado no sistema, portanto, a primeira tarefa será instalar o programa.

Instalando o TermRecord no Linux

!

O aplicativo depende do Python, portanto, se você usa o Linux, é muito difícil não instalá-lo. Então podemos instalar o PIP para nos ajudar com a instalação.

Se você usa Debian, Ubuntu, Linux Mint ou derivados, basta escrever o seguinte em um terminal:

sudo apt install python-pip

Entretanto, se você usa o CentOS ou o RHLE, você pode instalá-lo com este comando:

sudo yum install python-pip

Caso você use o OpenSUSE, execute este comando:

sudo zypper in python-pip

Depois de instalar o PIP no seu sistema, instale o TermRecord usando o PIP.

sudo pip install TermRecord

Como gravar a sessão de terminal com o TermRecord

E para começar a gravar sua sessão de terminal, use o seguinte comando:

TermRecord -o session.html

Quando você quiser terminar a gravação, digite exit e pressione enter.

Em seguida, abra o arquivo usando seu navegador.

TermRecord é uma maravilha porque detecta o tamanho da nossa janela de terminal. Além disso, ele possui botões interativos na reprodução, como pausa, reprodução e capacidade de acelerar e desacelerar a reprodução.

Adblock test (Why?)

Como instalar o KDiskMark no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados

Se você quer fazer o benchmarking dos discos do seu PC, conheça e veja como instalar o KDiskMark no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados.

KDiskMark é uma alternativa gratuita e de código aberto ao CrystalDiskMark (que é somente Windows) para Linux, um software de benchmarking de GUI HDD/SSD.

O KDiskMark vem com uma interface de usuário simples, muito semelhante à usada pelo CrystalDiskMark, com predefinições. Por baixo do capô, ele usa FIO (Testador de E/S flexível) e possui tamanho de bloco configurável, filas e contagem de threads para cada teste.

O aplicativo também pode gerar relatórios de benchmark (Arquivo -> Salvar) que você pode usar para compartilhar facilmente os resultados de benchmark com outras pessoas e para futuras comparações.

Apesar do nome (começando com K), este aplicativo Qt5 não possui dependências específicas do KDE, portanto, você pode instalá-lo independentemente do ambiente de trabalho que estiver usando, sem ter que instalar um grande número de dependências.

Como instalar o KDiskMark no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Como instalar o KDiskMark no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados Como instalar o KDiskMark no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados Como instalar o KDiskMark no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados
Para instalar o KDiskMark no Linux Ubuntu, Debian e derivados, use um dos procedimentos abaixo.

Como instalar o KDiskMark no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o KDiskMark no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome kdiskmark.deb:

wget https://github.com/JonMagon/KDiskMark/releases/download/2.2.0/kdiskmark_2.2.0_amd64.deb -O kdiskmark.deb

Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i kdiskmark.deb
sudo apt-get install -f

Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./kdiskmark.deb

Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove kdiskmark*

Como instalar o KDiskMark no Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados

Quem quiser instalar o KDiskMark no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome kdiskmark.rpm:

wget https://github.com/JonMagon/KDiskMark/releases/download/2.2.0/kdiskmark-2.2.0-1.x86_64.rpm -O kdiskmark.rpm

Passo 4. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install kdiskmark.rpm

Passo 5. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall kdiskmark.rpm

ou

sudo dnf install kdiskmark.rpm

Passo 6. Para instalar o programa na maioria das distro com suporte a arquivos RPM, use o comando:

sudo rpm -i kdiskmark.rpm

Passo 7. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo rpm -e kdiskmark*

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite kdiskmark em um terminal (seguido da tecla TAB), ou clicando no ícone dele ou menu de aplicativos do sistema.

Quando você executa o aplicativo pela primeira vez, notará uma interface semelhante ao CrystalDiskMark, com 4 testes de benchmarking de disco, cada um com colunas de leitura e gravação.

Para começar, selecione o disco no menu suspenso superior (o padrão é o disco que contém seu diretório inicial) e clique em Todos para realizar todos os testes disponíveis. Você também pode clicar em um teste específico no lado esquerdo, para realizar apenas esse teste (por exemplo, clique em SEQ1MQ8T1).

Adblock test (Why?)

Como instalar o conversor DirectPDF no Linux via Snap

Se você precisa transformar imagens em arquivos PDF com foco no texto delas, veja como instalar o conversor DirectPDF no Linux via Snap.

OCR (ou Optical Character Recognition) é uma tecnologia utilizada para reconhecer caracteres a partir de um arquivo de imagem ou mapa de bits sejam eles escaneados, escritos a mão, datilografados ou impressos. Desse modo, através do OCR é possível obter um arquivo de texto editável por um computador.

Como instalar o conversor DirectPDF no Linux via SnapComo instalar o conversor DirectPDF no Linux via SnapComo instalar o conversor DirectPDF no Linux via Snap

Já o DirectPDF é um utilitário que permite converter imagens para arquivo PDF com OCR.

Para completar, o arquivo PDF criado pode ser protegido por senha (RC4, AESv2 ou AESv3) e restringido por permissões.

Como instalar o conversor DirectPDF no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o conversor DirectPDF via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o conversor DirectPDF via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install directpdf

Passo 3. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh directpdf

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite directpdf ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Basicamente, para converter uma imagem, use o comando assim:

directpdf -i image.png -o output.pdf

Para converter todas as imagens em determinado diretório, use:

directpdf -i /home/user/images -o output.pdf

Para converter imagens em determinado diretório e proteja o arquivo PDF de saída com senhas e aplique a criptografia AESv3, use:

directpdf -i /home/user/images -o output.pdf -p openPassword -m masterPassword -a AESv3

Para converter imagens em determinado diretório, proteja o arquivo PDF de saída com a senha mestra, aplique a criptografia RC4v2_128 e aplique algumas permissões para o documento, use:

directpdf -i /home/user/images -o output.pdf -m ownerPassword -a RC4v2_128 -e print,edit,copy

Para desinstalar o conversor DirectPDF via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove directpdf

Adblock test (Why?)

Como instalar o mapeador de teclas Key Mapper no Linux

Se você quer remapear as teclas do teclado do seu computador, conheça e veja como instalar o mapeador de teclas Key Mapper no Linux.

Key Mapper é uma nova ferramenta GUI para remapear o teclado e os botões do mouse em desktops Linux (suporta X11 e Wayland).

O aplicativo suporta predefinições por dispositivo e permite o uso de macros cronometradas com a capacidade de repetir teclas, esperar entre as teclas, segurar um modificador enquanto usa uma tecla e muito mais.

Além de teclados e mouses, o Key Mapper também vem com suporte básico para gamepads.

Outros recursos incluem suporte para interromper qualquer mapeamento e usar padrões do sistema para um dispositivo (usando o botão Aplicar padrões) e suporte para carregar predefinições automaticamente no login para dispositivos conectados.

Além disso, o Key Mapper usa evdev para ler os códigos-chave e exibi-los dentro do aplicativo, para que o usuário não precise fazer isso manualmente.

O aplicativo não oferece suporte para comandos ou scripts de ligação a botões de teclado ou mouse.

Para versões futuras, o desenvolvedor planeja adicionar suporte para mapeamento de direções de D-Pad e Joystick como botões, automaticamente carregando predefinições quando um dispositivo é conectado após o login e mapeando um pressionamento de botão combinado para uma tecla.

Como instalar o mapeador de teclas Key Mapper no Linux

Para instalar o mapeador de teclas Key Mapper no Linux, use um dos procedimentos abaixo.

Como instalar o mapeador de teclas Key Mapper no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Como instalar o mapeador de teclas Key Mapper no Linux Como instalar o mapeador de teclas Key Mapper no Linux Como instalar o mapeador de teclas Key Mapper no Linux
Key Mapper pode ser instalado facilmente em distribuições Debian/Ubuntu e Linux com base neles (como Linux Mint, Pop!_OS, Zorin OS, Elementary OS, etc.) usando o pacote DEB python3-key-mapper que pode ser baixado na página de lançamentos de aplicativos.

Quem quiser instalar o mapeador de teclas Key Mapper no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome key-mapper.deb:

wget https://github.com/sezanzeb/key-mapper/releases/download/1.0.0/key-mapper-1.0.0.deb -O key-mapper.deb

Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i key-mapper.deb
sudo apt-get install -f

Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./key-mapper.deb

Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove key-mapper*

Como instalar o Key Mapper em outras distribuições Linux

Os usuários do Arch Linux e Manjaro podem instalar o Key Mapper usando um pacote AUR.

Você também pode instalar o Mapeador de Chaves usando PIP conforme explicado nesse endereço, que funciona em qualquer distribuição Linux (eu não recomendo usar PIP com sudo; além disso, em algumas distribuições Linux você precisará usar pip3 em vez de pip, pois isso precisa Python 3).

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite key-mapper em um terminal (seguido da tecla TAB), ou clicando no ícone dele ou menu de aplicativos do sistema.

Como remapear o teclado e os botões do mouse no Linux usando o Mapeador de Teclas

Usando o Mapeador de teclas, você pode atribuir a ação associada a um botão do teclado ou mouse a um botão diferente. Você também pode usá-lo para atribuir uma macro (uma sequência de pressionamentos de botões/ações) a uma tecla.

Na primeira vez que você executa o Key Mapper, você deseja selecionar o dispositivo (mouse ou teclado) na lista suspensa de dispositivos. Escolha um dispositivo e você pode começar a criar uma nova predefinição para remapear facilmente o teclado ou os botões do mouse.

Clique com o botão esquerdo na coluna “Key” (Chave) e, em seguida, pressione a tecla do teclado ou o botão do mouse que deseja remapear e ela aparecerá na caixa da chave.

Caso isso não funcione, pode ser necessário clicar no botão “Apply” (Aplicar) padrões que é exibido no lado direito da lista suspensa do dispositivo e adicionar a chave depois disso.

Depois de inserir a chave que deseja remapear, é hora de escolher seu mapeamento. Clique dentro da célula de Mapeamento correspondente à chave que deseja remapear e, em seguida, comece a digitar para o que deseja remapear o botão.

Você pode digitar as primeiras letras em vez da palavra inteira, por exemplo, você pode digitar “con” e um menu suspenso deve mostrar as opções disponíveis, como control_l, control_r, etc: Como instalar o mapeador de teclas Key Mapper no Linux

Como instalar o mapeador de teclas Key Mapper no Linux
Depois de concluir os mapeamentos, clique no botão Salvar. E, finalmente, clique em Aplicar para começar a usar os novos mapeamentos. Você deve primeiro Salvar os novos mapeamentos e, em seguida, clicar no botão Aplicar, ou as alterações não terão nenhum efeito!

É importante notar que usar combinações de teclas como mapeamentos não é tão simples quanto você pode pensar, pelo menos não usando a versão mais recente (porque como já mencionei, mapear um pressionamento de botão combinado para uma tecla está na lista de tarefas).

Por exemplo, se você deseja usar Ctrl + F1 como o mapeamento de uma tecla, adicionar control_l + f1 à coluna Mapeamento do Mapeador de Teclas não funcionará. Em vez disso, você precisará usar esta macro como mapeamento: m (control_l, k (f1)).

Para saber como usar macros, verifique a documentação de macro do Mapeador de Chaves, que também inclui alguns exemplos.

Adblock test (Why?)

Como instalar a última versão do driver Nvidia no Linux

Foi lançada mais uma atualização do Nvidia Driver para Linux. Se você utiliza um hardware suportado por esse pacote, veja aqui como instalar a última versão do driver Nvidia no Linux, ou melhor, em qualquer distribuição Linux suportada por ele.

NVIDIA é uma multinacional americana com sede em Santa Clara, no estado da Califórnia, que fabrica peças de computador, e é mais popularmente conhecida por sua série de placas de vídeo GeForce.

Como instalar a última versão do driver Nvidia no LinuxComo instalar a última versão do driver Nvidia no LinuxComo instalar a última versão do driver Nvidia no Linux

A empresa também é uma das poucas que produz drivers para Linux, mas apesar de todo o esforço dela, nem sempre é fácil instalar o driver de suas placas no sistema.

E para ajudar os usuários desse sistema, esse tutorial mostrará como fazer para instalar a última versão do driver NVIDIA no Linux.

Antes de iniciar começar a instalar o driver NVIDIA no Linux, saiba que este é um procedimento que apesar de simples, exige conhecimentos avançados do sistema e deve ser feito por sua própria conta e risco.

Como instalar a última versão do driver Nvidia no Linux

Para instalar a última versão do driver Nvidia no Linux, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema, usando o comando abaixo:

uname -m

Passo 3. Se você estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar o Latest Production Branch Version do driver Nvidia, baixe o instalador com o comando abaixo. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome nvidia-linux.run;

wget https://us.download.nvidia.com/XFree86/Linux-x86_64/460.84/NVIDIA-Linux-x86_64-460.84.run -O nvidia-linux.run

Passo 3. Se você estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar o Latest New Feature Branch Version do driver Nvidia, baixe o instalador com o comando abaixo. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome nvidia-linux.run;

wget https://us.download.nvidia.com/XFree86/Linux-x86_64/470.63.01/NVIDIA-Linux-x86_64-470.63.01.run -O nvidia-linux.run

Passo 7. Se houver um driver proprietário já instalado, remova ele com usando o gerenciador de pacotes de sua distro e se necessário, reinicie o computador:
Passo 8. Pressione as teclas Ctrl + Alt + F1 (ou F2,F3,F4,F5,F6) para mudar para o console de comando;
Passo 9. Em seguida, entre com seu nome de usuário e senha;
Passo 10. Pare a sessão gráfica atual com um dos comandos abaixo, de acordo com o gerenciador de login que estiver usando. Se sua distribuição não suportar algum dos comandos, por favor, consulte a documentação dela:
LightDM

sudo service lightdm stop

ou

sudo /etc/init.d/lightdm stop

GDM

sudo service gdm stop

ou

sudo /etc/init.d/gdm stop

MDM

sudo service mdm stop

ou

sudo /etc/init.d/kdm stop

KDM

sudo service kdm stop

ou

sudo /etc/init.d/mdm stop

Passo 11. Torne o instalador executável com o comando:

sudo chmod +x nvidia-linux.run

Passo 12. Finalmente, inicie o instalador e siga as instruções dele:

sudo sh nvidia-linux.run

Passo 13. Depois de instalar, inicie a sessão gráfica com um dos comandos abaixo, de acordo com o gerenciador de login que estiver usando ou simplesmente reinicie o computador. Se sua distribuição não suportar algum dos comandos, por favor, consulte a documentação dela;
LightDM

sudo service lightdm start

ou

sudo /etc/init.d/lightdm start

GDM

sudo service gdm start

ou

sudo /etc/init.d/gdm start

MDM

sudo service mdm start

ou

sudo /etc/init.d/kdm start

KDM

sudo service kdm start

ou

sudo /etc/init.d/mdm start

Como desinstalar o driver NVIDIA no Linux

Você deve guardar o arquivo do instalador, pois se por algum motivo esse driver não funcionar corretamente, desinstale-o fazendo o seguinte:

Passo 1. Pressione as teclas Ctrl + Alt + F1 (ou F2,F3,F4,F5,F6) para mudar para o console de comando;
Passo 2. Em seguida, entre com seu nome de usuário e senha;
Passo 3. Pare a sessão gráfica atual com um dos comandos abaixo, de acordo com o gerenciador de login que estiver usando. Se sua distribuição não suportar algum dos comandos, por favor, consulte a documentação dela:
LightDM

sudo service lightdm stop

ou

sudo /etc/init.d/lightdm stop

GDM

sudo service gdm stop

ou

sudo /etc/init.d/gdm stop

MDM

sudo service mdm stop

ou

sudo /etc/init.d/kdm stop

KDM

sudo service kdm stop

ou

sudo /etc/init.d/mdm stop

Passo 4. Finalmente, inicie o instalador e desinstale o driver com o comando abaixo:

sudo sh nvidia-linux.run  --uninstall

Passo 5. Depois de desinstalar, inicie a sessão gráfica com um dos comandos abaixo, de acordo com o gerenciador de login que estiver usando ou simplesmente reinicie o computador. Se sua distribuição não suportar algum dos comandos, por favor, consulte a documentação dela;
LightDM

sudo service lightdm start

ou

sudo /etc/init.d/lightdm start

GDM

sudo service gdm start

ou

sudo /etc/init.d/gdm start

MDM

sudo service mdm start

ou

sudo /etc/init.d/kdm start

KDM

sudo service kdm start

ou

sudo /etc/init.d/mdm start

Veja também

Se você estiver usando o Ubuntu ou um derivado dele e não quiser usar o procedimento acima, use este tutorial:
Instalando os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu

Adblock test (Why?)

13 de setembro de 2021

Como instalar o Netflix WEB no Linux via Snap

Se você não quer ficar assistindo o Netflix em uma aba do seu navegador, conheça e veja como instalar o Netflix WEB no Linux via Snap.

Diferente do que acontecia no passado, atualmente, o Netflix pode ser assistido no Linux nos principais navegadores do sistema, desde que estes tenham suporte a DRM.

Apesar disso, nem todo mundo gosta de deixar esse serviço aberto em uma aba, preferindo usá-lo em outra janela. E, para simplificar isso, foi criado o Netflix WEB.

Como instalar o Netflix WEB no Linux via SnapComo instalar o Netflix WEB no Linux via SnapComo instalar o Netflix WEB no Linux via Snap

Esse aplicativo exibe uma janela autônoma para que você possa assistir seus filmes e série, independente do navegador que estiver sendo usado.

Como instalar o Netflix WEB via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o Netflix WEB via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o Netflix WEB no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install netflix-web

Passo 3. Instale a versão candidate do programa, usando esse comando:

sudo snap install netflix-web --candidate

Passo 4. Instale a versão beta do programa, usando esse comando:

sudo snap install netflix-web --beta

Passo 5. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install netflix-web --edge

Passo 6. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh netflix-web

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite netflix-web ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar

Para desinstalar o Netflix WEB no Linux via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove netflix-web

Adblock test (Why?)

OpenShot 2.6.1 lançado com algumas correções e melhorias

O projeto OpenShot lançou o OpenShot 2.6.1 com algumas correções e melhorias. Confira as novidades e veja como instalar ou atualizar.

O OpenShot é um editor de vídeo fácil de usar e poderoso para Windows, macOS e Linux, e um software livre licenciado sob a GPL versão 3.0. Possui poderosas animações de quadros principais baseadas em curva, tracks/camadas ilimitadas, redimensionamento de clipe, redimensionamento, corte, encaixe, rotação e corte.

Com ele, você também pode adicionar transições de vídeo com visualizações em tempo real, composição, sobreposições de imagem, marcas d’água, títulos e efeitos animados em 3D e muito mais.

O aplicativo faz uso da biblioteca FFmpeg, podendo ler e gravar a maioria dos formatos de vídeo e imagem.

Esse editor permite adicionar facilmente sub-títulos, transições e efeitos, e em seguida, exportar o seu filme para DVD, YouTube, Vimeo, Xbox 360, e muitos outros formatos comuns.

Os arquivos de projeto também são multiplataforma, o que significa que você pode salvar um projeto de vídeo em um sistema operacional e abri-lo em outro.

Enfim, todos os recursos do software de edição de vídeo estão disponíveis em todas as plataformas.

Agora, o OpenShot 2.6.1 foi lançado como a versão mais recente deste sistema de edição de vídeo de código aberto não linear para Linux.

Novidades do OpenShot 2.6.1

OpenShot 2.6.1 lançado com algumas correções e melhoriasOpenShot 2.6.1 lançado com algumas correções e melhoriasOpenShot 2.6.1 lançado com algumas correções e melhorias
Lançado em agosto, a versão 2.6 foi a grande atualização do editor de vídeo OpenShot, enquanto que neste fim de semana foi sucedido por seu primeiro lançamento pontual.

O OpenShot 2.6 trouxe uma nova visão computacional (CV) e efeitos de IA, novos efeitos de áudio, continua a evoluir a interface do usuário para este editor de vídeo não linear, várias ferramentas de edição de vídeo aprimoradas, adicionado suporte FFmpeg 4.x, melhor integração com o Blender, e talvez muito importante se esforçou para obter melhor desempenho e estabilidade.

Também havia muitos bugs corrigidos no processo do OpenShot 2.6.

O OpenShot 2.6.1 é focado principalmente na correção de bugs e no início do grande lançamento do mês passado.

OpenShot 2.6.1 adiciona a migração automática de frames-chave de recorte de projetos OpenShot 2.5.1, corrigindo arquivos de projeto do Windows em configurações de vários drives, muitas atualizações de tradução, várias melhorias de segurança de memória e muitas correções por toda parte.

Para saber mais sobre essa versão do OpenShot, acesse o anúncio de lançamento.

YouTube video
[embedded content]

Como instalar ou atualizar o OpenShot

Para instalar a versão mais recente do OpenShot nas principais distribuições Linux, use esse tutorial:
Como instalar o editor de vídeos OpenShot no Linux
Como instalar o editor de vídeos OpenShot no Linux via AppImage
Como instalar o OpenShot no Ubuntu e derivados

Adblock test (Why?)

KDE Frameworks 5.86 lançado com mais de 200 alterações, e mais

E foi lançado o KDE Frameworks 5.86 com mais de 200 alterações, e mais. Confira as novidades dessa atualização e veja como instalar.

Sempre que se fala sobre o software KDE, a primeira coisa que vem à mente das pessoas (obviamente) é o Plasma, seu ambiente gráfico para desktop.

Mas ainda existem pelo menos mais dois componentes que tornam a experiência em sistemas operacionais como o Kubuntu especial: o primeiro desses componentes são os aplicativos KDE (KDE Applications), entre os quais encontramos softwares como o Kdenlive ou o Spectacle.

O segundo é o que nos interessa neste artigo, já que o Framework 5.64 já está disponível. Por alguma razão, a Comunidade KDE não fala sobre Frameworks, Plasma ou seus aplicativos (pacote Applications).

Provavelmente porque o Frameworks é algo que achamos mais “oculto”, ou seja, são coisas menos visíveis, mas necessárias para que tudo funcione conforme o esperado.

Os lançamentos de plasma são muito mais impressionantes. É no ambiente gráfico em que o KDE apresenta muitas de suas novidades mais interessantes, mas outras que valem a pena adicionar são adicionadas a seus aplicativos (KDE Applications).

Agora, o Projeto KDE lançou hoje o pacote de software de código aberto KDE Frameworks 5.86, uma coleção de mais de 80 bibliotecas complementares ao Qt, fornecendo uma ampla variedade de funcionalidades comumente necessárias para a maioria dos aplicativos KDE, o ambiente de desktop KDE Plasma e outros projetos.

Novidades do KDE Frameworks 5.86

KDE Frameworks 5.86 lançado com mais de 200 alterações, e maisKDE Frameworks 5.86 lançado com mais de 200 alterações, e maisKDE Frameworks 5.86 lançado com mais de 200 alterações, e mais
Existem mais de 200 alterações incluídas no lançamento do KDE Frameworks 5.86, o que a torna uma atualização recomendada para todos os usuários de desktop KDE Plasma.

O KDE Frameworks 5.86 está aqui para melhorar ainda mais a sessão Plasma Wayland, desta vez para usuários de GPU NVIDIA que encontraram falhas de atualização de conteúdo no redimensionamento da janela ou o KRunner não exibiu os resultados da pesquisa.

Ele também corrige dois vazamentos de memória crítica que podem afetar o ambiente de trabalho do KDE Plasma e os widgets do Plasma.

O KDE Frameworks 5.86 também melhora os miniaplicativos e pop-ups da bandeja do sistema do Plasma’a com itens de lista expansíveis para ser mais confiável e estável em geral, ser mais consistente visualmente, ser mais responsivo na rolagem do mouse e na navegação do teclado e ser totalmente interativo ao usar uma caneta (apenas para miniaplicativos).

Entre as melhorias, esta versão traz de volta as conversões de moeda no KRunner e o menu do aplicativo Kickoff, adiciona suporte para editar os ícones para todos os aplicativos instalados através do menu “Editar Aplicativo…” do Kickoff, exibe os aplicativos iniciados a partir de um atalho global em “Aplicativos’ do Monitor de Sistema página e melhora as sombras para pop-ups, diálogos, OSDs e notificações do Plasma para serem mais consistentes com as sombras das janelas de aplicativos.

O miniaplicativo de calendário também foi aprimorado para não exibir mais o número incorreto de pontos em cada dia, mês ou ano quando estiver aberto.

Também foi aprimorado o novo KHamburgerMenu introduzido no KDE Frameworks 5.81 para não exibir mais uma cópia duplicada da estrutura do menu no menu de contexto quando você estiver usando um miniaplicativo de Menu Global.

Um novo atalho de teclado padrão (Ctrl + Alt + Vírgula) foi adicionado nesta versão para abrir a janela “Configurar atalhos de teclado”, bem como um novo aviso que será exibido ao tentar copiar ou mover arquivos ou pastas que contenham caracteres em seus nomes que não são compatíveis com o sistema de arquivos para o qual você está movendo ou copiando os arquivos/pastas, dando a você a oportunidade de corrigi-lo.

Para aplicativos baseados em QtQuick, o KDE Frameworks 5.86 torna o botão de “texto claro” dentro dos campos de texto do mesmo tamanho que em aplicativos QtWidgets, remove a dica de ferramenta que duplica o texto de um botão para botões que têm um ícone e um texto (só será exibido se o texto do botão for ocultado automaticamente) e adiciona suporte para idiomas RTL em pop-ups da caixa de combinação.

Também para aplicativos baseados em QtQuick, melhora as alças de rolagem para interpretar corretamente um clique do botão do mouse como um clique na trilha quando aplicado na parte superior da alça, melhora os cabeçalhos nas configurações do sistema baseadas em QtQuick para que os usuários de touchscreen não desapareçam mais quando rolar a exibição para cima e aumentar seu desempenho e velocidade de inicialização, reimplementando as definições de “Unidades” em C++.

Além disso, os aplicativos baseados em Kirigami agora são iniciados mais rapidamente, há alguns novos ícones bonitos para as pastas “Pública” e “Modelos”, faz com que a opção “Permitir expansão de pasta” nas caixas de diálogo abrir e salvar seja respeitada em todos os contextos relevantes, melhora alguns dos ícones do Breeze com o tema de favoritos para serem mais distintos uns dos outros e unifica o botão giratório de carregamento, que agora se parece com uma engrenagem giratória, na área de trabalho do KDE Plasma, nos aplicativos e na tela inicial.

O changelog completo está disponível nesse endereço para aqueles leitores com conhecimento de tecnologia que desejam saber exatamente o que foi alterado nesta versão mensal do KDE Frameworks.

Como instalar

O KDE Frameworks não é algo que você pode baixar e instalar no seu computador. É um enorme pacote de software que normalmente é distribuído por meio dos repositórios de software de sua distribuição, então procure os novos pacotes nos próximos dias e atualize o mais rápido possível, especialmente se você estiver usando o ambiente de desktop KDE Plasma mais recente.

Resumindo, em breve esse pacote estará disponível para instalação nos repositórios de software estáveis ​​do seu sistema Linux, portanto, atualize o mais rápido possível para aproveitar uma melhor experiência do KDE Plasma. Para isso, basta manter seu sistema atualizado.

Adblock test (Why?)

Como instalar o utilitário Font Manager no Linux via Flatpak

Se você quer gerenciar as fontes do seu sistema, conheça e veja como instalar o utilitário Font Manager no Linux via Flatpak.

O Font Manager se destina a fornecer uma maneira para que os usuários comuns gerenciem facilmente as fontes da área de trabalho, sem ter que recorrer a ferramentas de linha de comando ou editar arquivos de configuração manualmente.

Como instalar o utilitário Font Manager no Linux via Flatpak Como instalar o utilitário Font Manager no Linux via Flatpak Como instalar o utilitário Font Manager no Linux via Flatpak

Embora projetado principalmente com o Ambiente de Trabalho Gnome em mente, ele deve funcionar bem com outros ambientes de área de trabalho Gtk+.

Paesar dos seus recursos, vale lembrar que o Font Manager NÃO é uma solução de gerenciamento de fontes de nível profissional.

Como instalar o utilitário Font Manager no Linux via Flatpak

Para instalar o utilitário Font Manager via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o utilitário Font Manager via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/org.gnome.FontManager.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update org.gnome.FontManager

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run org.gnome.FontManager em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite fontmanager ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Depois, para desinstalar o utilitário Font Manager no Linux via Flatpak, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall org.gnome.FontManager

Ou

flatpak uninstall org.gnome.FontManager

Adblock test (Why?)

Como ativar o Toque para clicar na Tela de login do Ubuntu

Quer ativar o Toque para clicar na Tela de login do Ubuntu? Veja como fazer isso e não perca mais tempo na hora de fazer login.

Nem sempre o recurso ‘Toque para clicar’ do touchpad funciona no Ubuntu 17.10 ou superior.

Como ativar o Toque para clicar na Tela de login do UbuntuComo ativar o Toque para clicar na Tela de login do UbuntuComo ativar o Toque para clicar na Tela de login do Ubuntu

Infelizmente, enquanto você está na tela de login do GDM no Ubuntu, o Toque para clicar realmente não funciona. O recurso só é ativado quando o usuário faz login.

Apesar de ser um detalhe pequeno, isso pode atrapalhar quem utiliza laptop com suporte ao toque.

Por isso, se você tiver o mesmo problema e quiser reativar o recurso Toque para clicar na tela de login, antes que a Canonical o adicione, basta seguir os passos desse tutorial.

Você pode ativar o Toque para clicar no utilitário Configurações ou pelo comando gsettings. Mas para trabalhar na tela de login, você precisa fazê-lo sob o usuário do GDM, conforme será mostrado abaixo. Confira!

Como ativar o Toque para clicar na Tela de login do Ubuntu

Para ativar o Toque para clicar na Tela de login do Ubuntu, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Execute o comando abaixo para obter privilégios de root, digite sua senha quando for solicitada e pressione Enter. ;

sudo -i

Passo 3. Permita que o usuário gmd crie uma conexão com o servidor X (não requerido na sessão Wayland padrão):

xhost +SI:localuser:gdm

Passo 4. Mude para o usuário gdm usando o comando a seguir;

su gdm -s /bin/bash

Passo 5. Finalmente, ative o Toque para clicar com este comando;

gsettings set org.gnome.desktop.peripherals.touchpad tap-to-click true

Como desativar o Toque para clicar na Tela de login do Ubuntu

Se você precisar desativar o Toque para clicar na Tela de login do Ubuntu, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Execute o comando abaixo para obter privilégios de root, digite sua senha quando for solicitada e pressione Enter. ;

sudo -i

Passo 3. Permita que o usuário gmd crie uma conexão com o servidor X (não requerido na sessão Wayland padrão):

xhost +SI:localuser:gdm

Passo 4. Mude para o usuário gdm usando o comando a seguir;

su gdm -s /bin/bash

Passo 5. Finalmente, desative o Toque para clicar com este comando;

gsettings set org.gnome.desktop.peripherals.touchpad tap-to-click false

O que está sendo falado no blog

<a href="https://www.edivaldobrito.com.br////” rel=”noopener noreferrer” target=”_blank”>Veja mais artigos publicados neste dia…

Adblock test (Why?)

Como instalar o gerador de álbum de fotos proof-it no Linux via Snap

Se você trabalha com fotografia e quer agradar seus clientes, conheça e veja como instalar o gerador de álbum de fotos proof-it no Linux via Snap.

proof-it é um aplicativo que permite que você crie lindos livros de prova digital para dar aos seus clientes uma lembrança das fotos de suas sessões enquanto aumenta as vendas para o seu negócio!

Como instalar o gerador de álbum de fotos proof-it no Linux via Snap Como instalar o gerador de álbum de fotos proof-it no Linux via Snap Como instalar o gerador de álbum de fotos proof-it no Linux via Snap

Esses livros de prova são salvos como arquivos PDF e podem ser facilmente enviados por e-mail, texto ou a maioria das outras formas de comunicação!

Este aplicativo é pago e pode ser acessado com sua compra. A chave de acesso é fornecida assim que a compra for concluída.

Como instalar o gerador de álbum de fotos proof-it no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o gerador de álbum de fotos proof-it no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o gerador de álbum de fotos proof-it via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install proof-it

Passo 3. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh proof-it

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite proof-it ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar

Para desinstalar o gerador de álbum de fotos proof-it via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove proof-it

Adblock test (Why?)

12 de setembro de 2021

Como instalar o sistema de impressão CUPS no Linux via Snap

Se você quer transformar seu PC em um servidor de impressão, conheça e veja como instalar o sistema de impressão CUPS no Linux via Snap.

CUPS é um sistema de impressão modular para sistemas operacionais do tipo Unix que permite que um computador aja como um servidor de impressão. Ele é o ambiente de impressão padrão para sistemas operacionais Linux.

Como instalar o sistema de impressão CUPS no Linux via SnapComo instalar o sistema de impressão CUPS no Linux via SnapComo instalar o sistema de impressão CUPS no Linux via Snap

Na prática, um computador executando o CUPS é um hospedeiro que pode aceitar trabalhos de impressão de computadores clientes, processá-los e enviá-los à impressora apropriada.

Além disso, o CUPS oferece drivers prontos para diversas impressoras, o que facilita muito a instalação desse tipo de dispositivo.

Como instalar o sistema de impressão CUPS no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o sistema de impressão CUPS no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o sistema de impressão CUPS no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install cups --edge

Passo 3. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh cups

Pronto! O principal meio para gerenciar e administrar o servidor CUPS é através da sua interface web, que pode ser acessada por meio de um navegador web, para isto execute o navegador e digite a URL http://localhost:631 na barra de endereços de um navegador web.

Como desinstalar

Para desinstalar o sistema de impressão CUPS no Linux via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove cups

Adblock test (Why?)

Como instalar o gerenciador de arquivos Dolphin no Linux via Flatpak

Se você quer experimentar uma nova maneira de administrar seus arquivos, conheça e veja como instalar o gerenciador de arquivos Dolphin no Linux via Flatpak.

O Dolphin é um gerenciador de arquivos leve. Ele foi projetado com facilidade de uso e simplicidade em mente, enquanto ainda permite flexibilidade e personalização.

Como instalar o gerenciador de arquivos Dolphin no Linux via FlatpakComo instalar o gerenciador de arquivos Dolphin no Linux via FlatpakComo instalar o gerenciador de arquivos Dolphin no Linux via Flatpak

Isso significa que você pode fazer o gerenciamento de arquivos exatamente da maneira que deseja fazer.

As principais características do Dolphin são:

  • Barra de navegação (ou breadcrumb) para URLs, permitindo que você navegue rapidamente pela hierarquia de arquivos e pastas;
  • Suporta vários tipos diferentes de estilos e propriedades de visualização e permite configurar a exibição exatamente como você deseja;
  • Vista dividida, permitindo copiar ou mover facilmente arquivos entre locais;
  • Informações adicionais e atalhos estão disponíveis como painéis acopláveis, permitindo que você os movimente livremente e exiba exatamente o que deseja;
  • Suporte a múltiplas abas;
  • Os diálogos informativos são exibidos de maneira discreta;
  • Suporte para desfazer/refazer;
  • Acesso transparente à rede através do sistema KIO.

Como instalar o gerenciador de arquivos Dolphin no Linux via Flatpak

Para instalar o gerenciador de arquivos Dolphin no Linux via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o gerenciador de arquivos Dolphin via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/org.kde.dolphin.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update org.kde.dolphin

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run org.kde.dolphin em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite dolphin ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Depois, para desinstalar o gerenciador de arquivos Dolphin via Flatpak, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall org.kde.dolphin

Ou

flatpak uninstall org.kde.dolphin

Adblock test (Why?)

Como instalar o spaced repetition system Space no Linux via Flatpak

Se você quer criar seus flashcards e gerenciá-los, conheça e veja como instalar o spaced repetition system Space no Linux via Flatpak.

Os Flashcards são basicamente pequenos cartões para testar sua memória. Essencialmente, eles têm de um lado, uma pergunta, e do outro, a resposta. Isso também pode variar, como: tópico e palavras-chave ou termo e definição. Enfim, qualquer outra dicotomia que possa imaginar.

E o Space é um aplicativo Spaced Repetition System (SRS) fácil de usar que permite que você crie e aprenda flashcards de qualquer lugar da maneira mais eficaz possível.

Como instalar o spaced repetition system Space no Linux via FlatpakComo instalar o spaced repetition system Space no Linux via FlatpakComo instalar o spaced repetition system Space no Linux via Flatpak

Compartilhe seus flashcards e trabalhe neles juntos em todos os dispositivos, pois ele é suportado no Android, iOS, Windows, macOS, Linux e em breve Web.

Crie seus flashcards e projete seus flashcards com formatação e imagens. Nele, tudo é gratuito e sem publicidade, mas você pode apoiar por meio de doações.

A missão do Space é tornar o aprendizado eficaz e prazeroso. Esperamos que você se junte a nós!

Como instalar o spaced repetition system Space no Linux via Flatpak

Para instalar o spaced repetition system Space no Linux via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o spaced repetition system Space no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/app.getspace.Space.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update app.getspace.Space

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run app.getspace.Space em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite space ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar

Depois, se for necessário, para desinstalar o spaced repetition system Space no Linux via Flatpak, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall app.getspace.Space

Ou

flatpak uninstall app.getspace.Space

Adblock test (Why?)

Como instalar e usar o framework Cordova no linux

Se você tem planos de desenvolver aplicativos para as plataformas mobile iOS e Android no sistema do pinguim, conheça e veja como instalar e usar o framework Cordova no linux.

O Apache Cordova (anteriormente PhoneGap) é uma estrutura de desenvolvimento móvel de código aberto, originalmente criada pela Nitobi.

Como instalar e usar o framework Cordova no linuxComo instalar e usar o framework Cordova no linuxComo instalar e usar o framework Cordova no linux

A Adobe Systems comprou a Nitobi em 2011, rebatizou-a como PhoneGap e depois lançou uma versão de código aberto do software chamado-o de Apache Cordova.

Cordova permite que você use tecnologias web padrão, como HTML5, CSS3 e JavaScript, para o desenvolvimento de várias plataformas, inclusive mobile, evitando o idioma de desenvolvimento nativo de cada plataforma móvel como Android, iOS ou Windows Phone (RIP).

Ele permite o encapsulamento de código CSS, HTML e JavaScript, dependendo da plataforma do dispositivo. Ele estende os recursos de HTML e JavaScript para trabalhar com o dispositivo.

Os aplicativos resultantes são híbridos, o que significa que eles não são aplicativos móveis realmente nativos (porque toda a renderização de layout é feita por meio de visualizações Web em vez da estrutura de UI nativa da plataforma), nem puramente baseados na Web (porque não são apenas aplicativos da Web, mas são empacotados como aplicativos para distribuição e acesso a APIs de dispositivos nativos).

Como instalar o Cordova no Linux

Cordova precisa do Nodejs para ser instalado em seu sistema. Se você não tem esse recurso em seu sistema, use um dos tutoriais abaixo:

Descubra como instalar o Node.js no Linux
Veja como instalar o interpretador Node.js no Linux via Snap

Depois, para instalar o Cordova no Linux, abra um terminal e execute o seguinte comando para instalar o Cordova em seu sistema usando o comando npm.

sudo npm install -g cordova

Após a instalação bem-sucedida do Cordova em seu sistema, use o seguinte comando para verificar a versão do Cordova.

cordova --version

Começando a usar o Cordova

Depois de instalar, você pode criar um novo projeto Cordova no seu computador usando o seguinte comando.

cordova create myapp

Agora, adicione a plataforma necessária em seu aplicativo.

Agora use um dos comandos abaixo para ativar a plataforma iOS ou Android. Lembre-se que a plataforma iOS funcionará apenas no MacOS.

cordova platform add ios
cordova platform add android

Isso criará os arquivos necessários para a plataforma correspondente nos diretórios platform/android e platform/ios.

Use o comando abaixo para listar as plataformas instaladas e disponíveis para o aplicativo Cordova.

cordova platform -ls 

Se você acidentalmente adicionou qualquer plataforma que você não precisa mais, basta remover os comandos usando como abaixo.

cordova platform remove ios
cordova platform remove android

Antes de criar um aplicativo Cordova, certifique-se de que o sistema atenda a todos os requisitos para o seu ambiente de criação, usando esse comando.

cordova requirements

Com todos os requisitos concluídos com êxito, execute o comando build para compilar seu aplicativo.

cordova build
cordova build android

Adblock test (Why?)

Como instalar o navegador Brave no Ubuntu e derivados

Se você procura um navegador rápido para melhorar a sua experiência de navegação, conheça e veja como instalar o navegador Brave no Ubuntu e derivados.

O navegador Brave é um browser de internet veloz, gratuito e seguro, com monitoramento e proteção de segurança e experiência otimizada, e que possui versões para macOS, Windows, Linux, Android e iOS.

Como instalar o navegador Brave no Ubuntu e derivadosComo instalar o navegador Brave no Ubuntu e derivadosComo instalar o navegador Brave no Ubuntu e derivados

Essa navegador não usa plugins externos, nem pop-ups, malware, configurações para definir ou outros aborrecimentos.

Resumindo: o Brave se foca simplesmente em proporcionar a experiência de navegação mais rápida e segura.

Brave é um navegador Web de código aberto desenvolvido pela empresa Brave Software Inc., e baseado no navegador Chromium e em seu mecanismo Blink, que bloqueia anúncios e rastreadores de sites.

Como instalar o navegador Brave no Ubuntu e derivados

Para instalar o navegador Brave no Ubuntu e derivados e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando;

echo "deb [arch=amd64] https://brave-browser-apt-release.s3.brave.com/ $UBUNTU_CODENAME main" | sudo tee /etc/apt/sources.list.d/brave-browser-release-${UBUNTU_CODENAME}.list

Ou

sudo sh -c 'echo "deb [arch=amd64] https://brave-browser-apt-release.s3.brave.com `lsb_release -sc` main" >> /etc/apt/sources.list.d/brave.list'

Passo 3. Baixe a chave do repositório do programa com o comando:

wget -q -O - https://brave-browser-apt-release.s3.brave.com/brave-core.asc | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install brave-browser brave-keyring

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite brave ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Desinstalando o navegador Brave no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o navegador Brave no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove brave-browser brave-keyring --auto-remove

Veja também

Você também pode instalar o programa usando esse outro tutorial:
Como instalar o navegador Brave no Linux via Snap

Adblock test (Why?)

11 de setembro de 2021

Como remover senhas de arquivos pdf usando a ferramenta pdftops

Se você quer remover senhas de arquivos pdf, veja aqui como fazer isso de um jeito simples e rápido, usando a ferramenta pdftops.

Quando você quer acessar rapidamente arquivos pdf, uma senha só atrapalha. Felizmente é possível remover a senha de arquivos PDF de várias maneiras. Neste tutorial, vamos ver o modo mais fácil de fazer isso.

Como remover senhas de arquivos pdf usando a ferramenta pdftops

Como remover senhas de arquivos pdf usando a ferramenta pdftops

Vale lembrar que para remover senhas de arquivos pdf, você deve conhecê-la, assim, se você não sabe qual é a senha, é inútil continuar lendo este texto.

Normalmente, para remover senhas de arquivos pdf no Linux, você pode usar seu leito de PDF favorito, juntamente com a impressora virtual que geralmente é incluída por padrão nas principais distribuições Linux.

Basta abrir o documento PDF protegido com um leitor de documentos como Evince, Okular e etc. Uma vez que a senha foi digitada e você já abriu o PDF, basta ir na opção “Imprimir” e selecionar a impressora virtual.

Com isso você irá criar um documento PDF que será salvo sem qualquer proteção (ou você pode tentar usar a opção “salvar como” com alguma opção de remoção de senha).

Como alternativa, é possível remover senhas de arquivos pdf usando a ferramenta de linha de comando pdftops e assim criar um novo documento sem proteção de um jeito bem prático.

O programa, faz parte do pacote xpdf-utils. Veja a seguir, como usá-lo.

Como remover senhas de arquivos pdf

Para exluir senhas de arquivos pdf no Ubuntu, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Primeiro você precisa instalar xpdf-utils, digitando o comando:

sudo apt-get install xpdf-utils

Passo 3. Uma vez instalado, você pode começar a usá-lo seguindo o formato abaixo, onde ao invés de “senha” você tem que inserir a senha do PDF, no lugar de “documento_com_senha.pdf” colocar nome do documento PDF protegido e em vez de “documento_sem_senha.pdf”, você deve colocar o nome do novo arquivo PDF sem senha a ser criado;

pdftops -upw senha documento_com_senha.pdf documento_sem_senha.pdf

Passo 4. Na prática, se você quiser remover a senha 123456 do documento exemplo.pdf criando um documento exemplo_sem_senha.pdf, basta digitar:

pdftops -upw 123456 exemplo.pdf exemplo_sem_senha.pdf

E está pronto! Sempre que precisar, você pode usar esse comando e retirar a senha do arquivo para facilitar o acesso a ele.

Adblock test (Why?)

Como instalar o renomeador de arquivo Bulky no Ubuntu e derivados

Se você precisa mudar o nome de vários arquivos simultaneamente, conheça e veja como instalar o renomeador de arquivo Bulky no Ubuntu e derivados.

O Linux Mint introduziu um novo aplicativo renomeador de arquivo em lote chamado ‘Bulky’ no próximo lançamento 20.2. Bulky é uma ferramenta simples e elegante para renomear vários arquivos e pastas no Linux.

Como instalar o renomeador de arquivo Bulky no Ubuntu e derivadosComo instalar o renomeador de arquivo Bulky no Ubuntu e derivadosComo instalar o renomeador de arquivo Bulky no Ubuntu e derivados

Essa é uma ferramenta gratuita e de código aberto desenvolvida pela equipe do Linux Mint.

Com renomeador Bulky, você pode encontrar e substituir nomes de arquivos/pastas com suporte a expressões regulares, enquanto visualiza as alterações na seção ‘Novo nome’ antes de clicar no botão “Renomear”.

Além disso, permite remover letras e inserir texto com a posição especificada, alterar em lote o nome do arquivo para minúsculas, maiúsculas, maiúsculas ou maiúsculas no primeiro caractere.

A pequena ferramenta é um XApp que funciona em qualquer distribuição e em muitos ambientes de desktop. Requer apenas algumas bibliotecas Python3.

O que significa que você pode obter o pacote deb do repositório Mint e instalar em todas as versões atuais do Ubuntu (Ubuntu 18.04 e superior) sem nenhum problema.

E, abaixo, você verá como instalá-lo no Ubuntu 18.04, Ubuntu 20.04, Ubuntu 21.04, e seus derivados.

Como instalar o renomeador de arquivo Bulky no Ubuntu e derivadosComo instalar o renomeador de arquivo Bulky no Ubuntu e derivadosComo instalar o renomeador de arquivo Bulky no Ubuntu e derivados

Como instalar o renomeador de arquivo Bulky no Ubuntu e derivados

Quem quiser instalar o renomeador de arquivo Bulky no Ubuntu e derivados, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome bulky.deb:

wget http://packages.linuxmint.com/pool/main/b/bulky/bulky_1.7_all.deb -O bulky.deb

Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i bulky.deb
sudo apt-get install -f

Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./bulky.deb

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite bulky ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar

Para desinstalar o renomeador de arquivo Bulky no Linux via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 7. Para desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt remove bulky

Adblock test (Why?)

Removedor de metadados de arquivos de mídia: instale e experimente MAT

Se você possui muitos arquivos de fotos, vídeos e outros formatos que guardam informações e quer ter mais privacidade, instale o removedor de metadados de arquivos de mídia MAT.

MAT (Metadata Anonymisation Toolkit), é um software que permite remover facilmente metadados de diversos arquivos de mídia, de forma a manter a nossa privacidade.

Removedor de metadados de arquivos de mídia: instale e experimente MAT Removedor de metadados de arquivos de mídia: instale e experimente MAT Removedor de metadados de arquivos de mídia: instale e experimente MAT

Quando você captura uma foto com seu smartphone ou câmera digital, o dispositivo salva metadados dentro da imagem.

Esses metadados contem informações úteis, tais como a data, o local, informações sobre o dispositivo e etc. Metadados também podem estar presentes em documentos, arquivos de vídeo, arquivos compactados e etc.

Embora muitas vezes os metadados sejam usados para facilitar a busca, em alguns casos, isso pode comprometer a sua privacidade.

Felizmente, para remover todas essas informações e garantir maior privacidade, é possível usar o MAT, um simples software livre para Linux.

Através do MAT é posssível remover metadados de imagens JPEG e PNG, documentos em Open Document (.odt, .odx, .ods, …), Office Openxml (.docx, .pptx, .xlsx, ecc) e PDF, ou em arquivos compactados ZIO ou arquivos de áudio e vídeo em MPEG, Ogg Vorbis e FLAC.

Como instalar o removedor de metadados de arquivos de mídia MAT no Ubuntu e seus derivados

Mat está disponível nos repositórios oficiais do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas, ou fzendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install mat

Como instalar o removedor de metadados de arquivos de mídia MAT no Arch e seus derivados

MAT também está disponível para Arch Linux via AUR.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite mat no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Desinstalando o Mat no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Mat no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove mat

Adblock test (Why?)

Musikcube no Linux – Conheça esse player baseado no terminal

Se você está procurando um player de música baseado em terminal, conheça e veja como instalar o Musikcube no Linux Ubuntu, Debian, Fedora, openSUSE e derivados.

Musikcube é um mecanismo de áudio, biblioteca, player e servidor de plataforma, baseado em terminal, escrito em C++.

Musikcube no Linux - Conheça esse player baseado no terminalMusikcube no Linux - Conheça esse player baseado no terminalMusikcube no Linux – Conheça esse player baseado no terminal

Você está procurando um player de música baseado em terminal ou um software de streaming de áudio? O Musikcube é a solução que você procura.

Ele é um mecanismo de áudio gratuito baseado em terminal e multiplataforma. Ele é rápido, estável e usa poucos recursos, e também permite que você tenha uma coleção de músicas baseadas no seu gosto.

Ele possui um sistema de streaming de áudio padrão que é executado inerentemente no Linux, Windows, Raspberry Pi e macOS. O Musikcube usa um servidor integrado para streaming de áudios.

De longe, este é um dos melhores aplicativos baseados em terminal nesta categoria. No entanto, ele suporta muitos codecs de áudio populares, mas não todos.

Como instalar o Musikcube no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o Musikcube no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira a versão e se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m
lsb_release -crs

Passo 3. Se seu sistema é um Ubuntu 18.04 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome musikcube.deb:

wget https://github.com/clangen/musikcube/releases/download/0.96.3/musikcube_0.96.3_ubuntu_bionic_amd64.deb -O musikcube.deb

Passo 4. Se seu sistema é um Ubuntu 20.04 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome musikcube.deb:

wget https://github.com/clangen/musikcube/releases/download/0.96.3/musikcube_0.96.3_ubuntu_focal_amd64.deb -O musikcube.deb

Passo 5. Se seu sistema é um Ubuntu 20.04 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome musikcube.deb:

wget https://github.com/clangen/musikcube/releases/download/0.96.3/musikcube_0.96.3_ubuntu_focal_amd64.deb -O musikcube.deb

Passo 6. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i musikcube.deb
sudo apt-get install -f

Passo 7. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./musikcube.deb

Passo 8. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove musikcube*

Como instalar o Musikcube no Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados

Quem quiser instalar o Musikcube no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira a versão e se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m
lsb_release -crs

Passo 3. Se seu sistema é um Fedora 31 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome musikcube.rpm:

wget https://github.com/clangen/musikcube/releases/download/0.96.3/musikcube-0.96.3-fc31.x86_64.rpm -O musikcube.rpm

Passo 4. Se seu sistema é um Fedora 32 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome musikcube.rpm:

wget https://github.com/clangen/musikcube/releases/download/0.96.3/musikcube-0.96.3-fc32.x86_64.rpm -O musikcube.rpm

Passo 5. Se seu sistema é um Fedora 33 de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome musikcube.rpm:

wget https://github.com/clangen/musikcube/releases/download/0.96.3/musikcube-0.96.3-fc33.x86_64.rpm -O musikcube.rpm

Passo 6. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install musikcube.rpm

Passo 7. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall musikcube.rpm

ou

sudo dnf install musikcube.rpm

Passo 8. Para instalar o programa na maioria das distro com suporte a arquivos RPM, use o comando:

sudo rpm -i musikcube.rpm

Passo 9. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo rpm -e musikcube*

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite musikcube ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Adblock test (Why?)

XubEcol uma distro Xubuntu voltada para uso em escolas

Se você quer levar o Linux para o meio escolar, conheça XubEcol uma distro Xubuntu voltada para uso em escolas. Conheça mais um pouco sobre ela e descubra onde baixar a distro.

Distribuições do Linux existem muitas, cada uma destinada a um uso particular ou simplesmente para uso geral, como é o caso do mais conhecido dos quais os outros são derivados e cada um é criado para diferentes usos.

XubEcol uma distro Xubuntu voltada para uso em escolasXubEcol uma distro Xubuntu voltada para uso em escolasXubEcol uma distro Xubuntu voltada para uso em escolas

Embora para o campo educacional haja realmente poucas distribuições que tenham esse enfoque, levando em conta o grande número de distros que existem, as que são voltadas para fins educacionais realmente representam muito pouco.

É por isso que esse artigo irá falar sobre uma excelente distribuição do Linux que toma o Xubuntu como base e é de onde os desenvolvedores partem, para oferecer um sistema para as escolas.

A distro chama-se XubEcol. Ela é mais do que um sistema, mas uma solução que pode ser instalada nas escolas rurais, segundo os diretores, para estender a vida útil de computadores cujos sistemas proprietários originais se tornaram obsoletos.

Configuração com impressoras, projetor de vídeo é garantida, assim como treinamento e manutenção do usuário.

Sobre o XubEcol

Como todos sabem, as escolas não têm o mesmo equipamento que as grandes multinacionais, e é por isso que em muitas instituições os equipamentos que eles contam são classificados como obsoletos,

E o problema piorou desde que a Microsoft abandonou o Windows XP em abril de 2014. É financeira e tecnicamente inconcebível atualizar tudo para uma versão mais recente do Windows.

É nesse ponto que o XubEcol entra como uma opção concebida para essa área e para equipamentos datados.

Atualmente a distro XubEcol está em sua versão B1809 que é baseada no Xubuntu 18.04.1 LTS Bionic Beaver, com as atualizações de setembro de 2018. O link é esse.

A imagem ISO que é oferecida para download é gerada com a ferramenta Pinguim Builder.

Um acesso direto ao instalador pode ser encontrado no diretório XubEcol da pasta pessoal (sessão do aluno). Um script permite a construção desta adaptação do Xubuntu.

Além disso, os desenvolvedores desta distribuição Linux oferecem em seu site alguns scripts de personalização nos quais os usuários podem usá-los para personalizar a distribuição de acordo com as necessidades que eles têm com o sistema.

Por que o Xubuntu e por que personalizá-lo?

O Xubuntu é uma pequena distribuição Linux que não precisa de apresentação. Foi demonstrado que agora é possível ter um sistema com poucos recursos, confiável e seguro.

Ele é muito eficiente em termos de recursos e, portanto, permite reviver computadores antigos, e como muitas das distribuições do Linux, o Xubuntu é totalmente personalizável.

Características

Nessa distribuição, os seguintes aplicativos foram eliminados: Abiword, Gnumeric, Pidgim, Gmusicbrowser, Transmission, Xchat, Word, Thunderstorm

E em seu lugar foram adicionados os seguintes: Vlc, Pinta, Chromium, LibreOffice, Gcompris, Tuxpaint, Tuxtype, Audacity.

Como forma de garantir tanto quanto possível a navegação web dos alunos, eles decidiram configurar o navegador Firefox com as seguintes opções na sessão do aluno:

  • Qwant Junior é o mecanismo de pesquisa padrão (o Google foi removido);
  • O AdBlok Plus está configurado. Ele será substituído na próxima versão pelo uBlock Origin, que parece ser muito menos intensivo em recursos;
  • Para as escolas da Academia de Montpellier, a procuração do reitor é estabelecida, mas não é ativada, porque é necessário ter os identificadores da escola.

Baixe e experimente o XubEcol

A imagem ISO do XubEcol já pode ser baixada acessando a página de download da distribuição.

Verifique se a imagem ISO do XubEcol está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:

Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação
Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Adblock test (Why?)

10 de setembro de 2021

Como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal

Se você quer encontrar pacotes universais de seus programas sem complicações, conheça e veja como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal.

Atualmente, os usuários do Ubuntu têm uma boa quantidade de aplicativos “universais”, que são mais ou menos populares. Eles são chamado assim porque são empacotados com todas as bibliotecas e dependências necessárias em um único pacote.

Para usá-los, tudo o que os usuários precisam fazer é baixar e instalar/executar os pacotes. Os formatos dessas aplicações universais são AppImages, Flatpaks e Snaps.

Esses três formatos de aplicativos já estão sendo usados ​​por muitas empresas e desenvolvedores.

Como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminalComo pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminalComo pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal

O AppImage é um formato para distribuir software portátil no Linux que não precisa de permissões de superusuário para usar o aplicativo. Com este formato, tentamos permitir a distribuição de software independente da distribuição.

Este tipo de pacote foi lançados pela primeira vez em 2004 sob o nome de klik. Seu desenvolvimento tem continuado desde então, sendo renomeado em 2011 PortableLinuxApps e posteriormente, em 2013, eles acabaram sendo chamados de AppImage.

Aplicativos populares como Gimp, Firefox, Krita e muitos outros estão disponíveis neste formato. Podemos encontrá-los disponíveis diretamente em suas páginas de download correspondentes, para baixá-los e torná-los executáveis ​​para usá-los.

O Flatpak era conhecido como xdg-app até maio de 2016. O desenvolvedor do Flatpak é Alexander Larsson. Os aplicativos Flatpak são hospedados em um repositório central chamado ‘Flathub’.

Se você é um desenvolvedor e se incentiva a criar seus aplicativos no formato Flatpak, pode distribuí-los aos usuários por meio do Flathub.

Esse formato fornece um ambiente de isolamento de processo chamado Bubblewrap, no qual os usuários podem executar aplicativos isolados do resto do sistema.

Além disso, os aplicativos Flatpak exigem permissão do usuário para controlar dispositivos de hardware ou acessar arquivos do usuário.

Os pacotes Snaps são criados principalmente para o Ubuntu, pela Canonical. Os desenvolvedores de outras distribuições Linux também estão começando a criar esse tipo de pacote, e é por isso que eles também trabalham em outras distribuições Linux.

Os Snaps podem ser baixados diretamente da página de download do aplicativo ou da loja Snapcraft.

Se você está sempre à procura de uma aplicação deste tipo, você só tem que ir para a loja correspondente, pesquisar e baixar o aplicativo que você precisa.

É aqui que o chob vem para nos tornar uma vida um pouco mais fácil, porque nos permitirá procurar nas três lojas oficiais do terminal.

Chob é um aplicativo que permite pesquisar aplicativos AppImage, Flatpak e Snaps diretamente do terminal.

Para evitar a necessidade de pesquisar loja por loja, os usuários podem usar essa ferramenta. Ela realizará uma pesquisa de aplicativo a partir da linha de comando, o que nos permitirá procurar facilmente por aplicativos para o nosso Ubuntu nas plataformas AppImage, Flathub e Snapcraft.

Como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal

Para pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap no terminal com Chob, siga os procedimentos abaixo.

pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob – instalando o Chob no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o Chob no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o.

wget https://github.com/MuhammedKpln/chob/releases/download/0.9/chob_0.9_amd64.deb

Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i chob.deb
sudo apt-get install -f

Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./chob.deb

Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove chob*

Pesquise aplicativos AppImage, Flathub e Snapcraft usando o Chob

Depois que o pacote foi instalado, podemos procurar os aplicativos que desejamos. Para este exemplo, procurarei por aplicativos relacionados ao formato de vídeo avi:

chob avi

Chob irá procurar nas plataformas AppImage, Flathub e Snapcraft e mostrar os resultados.

Como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal

Como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal

Quando os resultados forem exibidos, para escolher o aplicativo que nos interessa, basta digitar o número indicado à esquerda do nome.

Isso abrirá o link oficial no navegador padrão, onde o usuário poderá ler os detalhes do aplicativo.

Para obter mais detalhes sobre o Chob, basta dar uma olhada na página oficial do projeto no GitHub

Adblock test (Why?)

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Sabe aquele site que você precisa acessar mas nunca consegue porque está bloqueado? Pois é, agora tem como resolver isso. Para isso, veja como acessar sites bloqueados em regiões censuradas usando o app Lantern.

Lantern é um software de código aberto que serve para contornar mecanismos de censura da Internet. Segundo a página do aplicativo, ele é “gratuito e oferece acesso rápido, confiável e seguro à Internet aberta”.

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o LanternComo acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o LanternComo acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

A aplicação está disponível para desktops (Linux, Windows, Mac) e aparelhos com o sistema Android, mas ele não é novo.

Lantern é produzido pela empresa Brave New Software, cujo fundador e desenvolvedor líder é Adam Fisk, ex-desenvolvedor do LimeWire e LittleShoot.

O projeto começou em 2013, e inicialmente, era disponibilizado apenas através de um sistema para convidados.

Mas com o lançamento da versão 2.0 (em 2015), isso foi abandonado, e agora, qualquer um pode baixar, instalar e usar a aplicação.

Para desbloquear sites, Lantern depende dos seus próprios servidores e da largura de banda dos usuários (com conexões para vários usuários ao mesmo tempo) que estão em regiões sem censura, já que estes últimos acabam atuando como pontos de acesso.

De acordo com a FAQ do Lantern, o programa criptografa todo o tráfego quando você está acessando um site bloqueado.

É importante mencionar que o Lantern não foi concebido para ser uma ferramenta de anonimato. Se é isso que precisa, você deve usar o Tor em seu lugar, já que o objetivo do Lantern é apenas fornecer acesso rápido, fácil de usar e seguro aos sites bloqueados.

Por falar em facilidade, a aplicação é muito fácil de usar: basta instalar e executar. Ao iniciar, ele deve mudar automaticamente o proxy do seu sistema, permitindo que o seu navegador Web possa acessar sites bloqueados.

A interface de usuário do programa consiste em uma bandeja/appindicator e uma interface web (que abre automaticamente após o lançamento de Lantern).

Essa interface permite o acesso a algumas configurações, como a opção que permite executar o Lantern na inicialização do sistema, proxy de todo o tráfego, ativar/desativar as estatísticas de uso anônimas e gerenciar o proxy do sistema.

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

O programa pode ser muito útil para acessar serviços estrangeiros que não estão disponíveis no Brasil (como Hulu e Pandora), ou outros como a Netflix, que funciona no Brasil, mas possui um catálogo diferente em outros países.

Para mais informações sobre Lanterna, verificar a sua FAQ.

Como instalar o Lantern no Linux Ubuntu, Debian e derivados e acessar sites bloqueados

Para instalar o Lantern no Linux Ubuntu, Debian e derivados, basta baixar o pacote DEB, disponível nessa link, clicando em “Download Desktop”.

Depois de baixar, basta dar um duplo clique sobre ele. Então, confirme a instalação e aguarde terminar o processo.

Se preferir, você também pode fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome lantern.deb:

wget https://getlantern.org/lantern-installer-64-bit.deb -O lantern.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i lantern.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite lantern no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern é muito simples: basta executar o aplicativo.

Por padrão, o programa tenta usar um proxy apenas para sites que ele detecta como bloqueado. Infelizmente isso nem sempre funciona adequadamente para a maioria dos sites.

No entanto, tudo funciona como esperado depois que você ativa a opção “proxy all traffic” (proxy todo tráfego).

Para fazer essa mudança, clique no ícone do Lantern no painel do Ubuntu. Quando for exibido o menu, clique na opção “Mostre o Lanterna”;

Na tela do navegador, clique no ícone da engrenagem que fica no lado inferior direito;

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Em “Configurações”, marque a opção “Proxy todo o tráfego” e depois clique no botão “Fechar”;

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern
Depois de fazer isso, você precisar reiniciar (fechar e executar novamente) o Lantern e seu navegador, para que a mudança seja aplicada.

Desinstalando o Lantern no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Para desinstalar o Lantern no Linux Ubuntu, Debian e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove lantern --auto-remove

Adblock test (Why?)

Planeta Ubuntu Brasil

O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


Última atualização:
21 de setembro de 2021, 11:06
Horário UTC

Planet ATOM
RSS10 RSS20
OPML FOAF

Blogs inscritos


© 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.