05 de março de 2021

Como instalar o conversor MakeMKV no Linux via Flatpak

Se você precisa criar arquivos MKV a partir de mídias óticas e outras fontes, conheça e veja como instalar o conversor MakeMKV no Linux via Flatpak.

MakeMKV é uma solução de um clique para converter o vídeo que você possui em formato livre e sem patentes que pode ser reproduzido em qualquer lugar.

Como instalar o conversor MakeMKV no Linux via FlatpakComo instalar o conversor MakeMKV no Linux via FlatpakComo instalar o conversor MakeMKV no Linux via Flatpak

MakeMKV é um conversor de formato, também chamado de “transcodificador”.

Ele converte os videoclipes de um disco proprietário (e geralmente criptografado) em um conjunto de arquivos MKV, preservando a maioria das informações, mas sem alterá-las de nenhuma maneira.

O formato MKV pode armazenar várias faixas de vídeo/áudio com todas as informações meta e preservar capítulos.

Além disso, o MakeMKV pode transmitir instantaneamente vídeos descriptografados sem conversão intermediária para uma ampla gama de players, então você pode assistir a discos Blu-ray e DVD com seu player favorito em seu sistema operacional favorito ou em seu dispositivo favorito.

MakeMKV lê discos de DVD e Blu-ray, lê discos Blu-ray protegidos com as versões mais recentes do AACS e BD+, preserva todas as faixas de vídeo e áudio, incluindo áudio HD, preserva informações de capítulos e preserva todas as meta-informações (linguagem da faixa, tipo de áudio).

Ele converte tão rápido quanto sua unidade pode ler dados, e nenhum software adicional é necessário para conversão ou descriptografia.

Como instalar o conversor MakeMKV no Linux via Flatpak

Para instalar o conversor MakeMKV no Linux via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o conversor MakeMKV no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/com.makemkv.MakeMKV.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update com.makemkv.MakeMKV

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run com.makemkv.MakeMKV em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite makemkv ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar o conversor MakeMKV no Linux via Flatpak

Para desinstalar o conversor MakeMKV no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall com.makemkv.MakeMKV

Ou

flatpak uninstall com.makemkv.MakeMKV

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o Video Downloader no Linux via Snap

Se você precisa baixar vídeos de site da Internet de um jeito fácil, veja como instalar o Video Downloader no Linux via Snap.

Video Downloader é um aplicativo que permite que você faça o download de vídeos de sites como o YouTube e muitos outros.

Com esse programa você baixa vídeos de sites com uma interface fácil de usar.

Como instalar o Video Downloader no Linux via Snap Como instalar o Video Downloader no Linux via Snap Como instalar o Video Downloader no Linux via Snap

Video Downloader fornece os seguintes recursos:

  • Converta vídeos para MP3;
  • Suporta vídeos protegidos por senha e privados;
  • Baixe vídeos únicos ou playlists inteiras;
  • Seleciona automaticamente um formato de vídeo com base na sua resolução preferida.

Como instalar o Video Downloader no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o Video Downloader no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o Video Downloader via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install video-downloader

Passo 3. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install video-downloader --edge

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh video-downloader

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite video-downloader ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar o Video Downloader no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para desinstalar o Video Downloader via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove video-downloader

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o conversor DirectPDF no Linux via Snap

Se você precisa transformar imagens em arquivos PDF com foco no texto delas, veja como instalar o conversor DirectPDF no Linux via Snap.

OCR (ou Optical Character Recognition) é uma tecnologia utilizada para reconhecer caracteres a partir de um arquivo de imagem ou mapa de bits sejam eles escaneados, escritos a mão, datilografados ou impressos. Desse modo, através do OCR é possível obter um arquivo de texto editável por um computador.

Como instalar o conversor DirectPDF no Linux via SnapComo instalar o conversor DirectPDF no Linux via SnapComo instalar o conversor DirectPDF no Linux via Snap

Já o DirectPDF é um utilitário que permite converter imagens para arquivo PDF com OCR.

Para completar, o arquivo PDF criado pode ser protegido por senha (RC4, AESv2 ou AESv3) e restringido por permissões.

Como instalar o conversor DirectPDF no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o conversor DirectPDF via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o conversor DirectPDF via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install directpdf

Passo 3. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh directpdf

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite directpdf ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Basicamente, para converter uma imagem, use o comando assim:

directpdf -i image.png -o output.pdf

Para converter todas as imagens em determinado diretório, use:

directpdf -i /home/user/images -o output.pdf

Para converter imagens em determinado diretório e proteja o arquivo PDF de saída com senhas e aplique a criptografia AESv3, use:

directpdf -i /home/user/images -o output.pdf -p openPassword -m masterPassword -a AESv3

Para converter imagens em determinado diretório, proteja o arquivo PDF de saída com a senha mestra, aplique a criptografia RC4v2_128 e aplique algumas permissões para o documento, use:

directpdf -i /home/user/images -o output.pdf -m ownerPassword -a RC4v2_128 -e print,edit,copy

Como desinstalar o conversor DirectPDF no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para desinstalar o conversor DirectPDF via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove directpdf

Let's block ads! (Why?)

Como instalar os ícones e o tema MacBuntu no Ubuntu e derivados

Se você gosta do visual do macos da Apple, conheça e veja como instalar os ícones e o tema MacBuntu no Ubuntu e derivados.

Parte do pacote de transformação MacBuntu, os ícones e o tema MacBuntu permitem deixar o Linux com o visual do macos Sierra/El Capitan/Yosemite. Ele foi feito basicamente para o ambiente Gnome e outros desktops, além de possuir uma versão voltada para o Unity.

Como instalar os ícones e o tema MacBuntu no Ubuntu e derivadosComo instalar os ícones e o tema MacBuntu no Ubuntu e derivadosComo instalar os ícones e o tema MacBuntu no Ubuntu e derivados

Existem agora versões escuras de temas do Mac neste pacote, para aqueles que não gostam de usar cores Mac tradicionais. Dois temas de cursores estão incluídos no pacote, e para completar, existem dois temas para o Gnome Shell, dois para Cinnamon e dois pacotes de ícones.

Instalando o tema os ícones e o tema MacBuntu no Ubuntu e derivados

Para instalar o tema os ícones e o tema MacBuntu no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/macbuntu

Passo 3. Depois, atualize o APT com este comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Finalmente, instale o tema os ícones e o tema MacBuntu usando o seguinte comando:

sudo apt-get install macbuntu-os-icons-v10 macbuntu-os-ithemes-v10

Como instalar o tema os ícones e o tema MacBuntu manualmente ou em outras distros

Se não quiser adicionar o repositório ou quer tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa na página de download do repositório e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Depois de instalar, você pode usar o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Desinstalando o tema os ícones e o tema MacBuntu no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o tema os ícones e o tema MacBuntu no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o tema os ícones e o tema MacBuntu, usando o comando abaixo;

sudo apt-get remove macbuntu-os-icons-v10 macbuntu-os-ithemes-v10

Para voltar ao estado anterior, use novamente o Unity Tweak Tool, Gnome-tweak-tool ou Ubuntu-Tweak, para mudar o tema, use este tutorial:

Como mudar o tema e conjunto de ícones padrão do Ubuntu.

Let's block ads! (Why?)

04 de março de 2021

Como usar a cabeça para controlar o mouse

Quer controlar o ponteiro do mouse do seu PC sem usar o mouse ou o teclado e nem mesmo a mão? Não, não é telepatia, você só precisa instalar o eViacam e depois, começar a usar a cabeça para controlar o mouse.

Enable Viacam (eViacam) é um software de código aberto que permite controlar o ponteiro do mouse usando apenas movimentos da cabeça, que são capturados através de uma simples WebCam. Para usá-la, só é necessário uma webcam padrão (você pode usar webcam com ou sem fio) e nenhum hardware adicional.

Como usar a cabeça para controlar o mouse Como usar a cabeça para controlar o mouse Como usar a cabeça para controlar o mouse

O desempenho do eViacam é bem impressionante, com pouca prática, já é possível começar a usar o programa. Ele é gratuito e está disponível para Windows e Linux.

Esta aplicação é extremamente útil como uma ferramenta de acessibilidade para pessoas que têm dificuldade de usar teclado e mouse.

eViacam também pode ser usado por pessoas que simplesmente querem controlar o seu computador com o movimento da cabeça, já que nenhum sistema operacional oferece essa funcionalidade nativamente.

Principais características do eViacam:

  • O programa permite que você defina a área de detecção ou você pode selecionar localizar automaticamente;
  • Se a sua cabeça ficar parada, eViacam vai fazer um clique (você pode configurar estes clique facilmente);
  • Você também pode usar o teclado virtual e usar o ponteiro do mouse para digitar usando eViacam;
  • Este programa tem uma barra superior para ativar outras ações tais como arrastar, clique duplo ou clique direito;
  • Você também pode desativar o clique ou modificar o atraso nas opções, e acessar outras opções;
  • Ao usar vários monitores você não pode mover a barra superior para qualquer outro monitor, ou seja, funcionará apenas no seu display primário.

Para mais detalhes, assista esse review:

alt
[embedded content]

Como instalar o eViacam e usar a cabeça para controlar o mouse

O software eViacam está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install eviacam.

Mas se a sua versão não disponibiliza ele ou você quer a versão mais recente, para instalar o programa no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial.

sudo add-apt-repository ppa:cesar-crea-si/eviacam

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install eviacam

Como instalar o eViacam manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa na página de download do repositório e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite eviacam ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como configurar o eViacam e usar a cabeça para controlar o mouse

Na primeira vez que você executar o programa, ele irá ajudá-lo a configurar sua webcam.

Você poderá definir a aceleração do movimento, personalizar a velocidade do ponteiro do mouse, a suavidade de movimento do ponteiro, dwelling time (o período de tempo que um elemento permanece em um determinado estado), diferentes opções de clique, e outros recursos.

Abaixo, você vê a sequencia de passos necessário para fazer essa configuração;

eViacam

eViacam

eViacam

eViacam

Como usar a cabeça para controlar o mouse

Como usar a cabeça para controlar o mouse

eViacam

eViacam

Como usar a cabeça para controlar o mouse

Como usar a cabeça para controlar o mouse

Como usar a cabeça para controlar o mouse

Como usar a cabeça para controlar o mouse

Fonte

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o cliente SSH PuTTy no Ubuntu e derivados

Se você não consegue viver sem esse famoso cliente SSH do Windows, veja como instalar o cliente SSH PuTTy no Ubuntu e derivados.

PuTTY é o cliente SSH obrigatório no Microsoft Windows. Ele é um software de emulação de terminal grátis e de código livre.

Como instalar o cliente SSH PuTTy no Ubuntu e derivados Como instalar o cliente SSH PuTTy no Ubuntu e derivados Como instalar o cliente SSH PuTTy no Ubuntu e derivados

Desenvolvido originalmente por Simon Tatham para a plataforma Windows, o PuTTY é um software de código aberto disponível com código-fonte e desenvolvido e suportado por um grupo de voluntários.

O Putty suporta SSH, destinado a suportar o acesso remoto a servidores via shell seguro e a construção de “túneis” cifrados entre servidores. Ele também suporta conexão direta, telnet, rlogin e por porta serial.

Mas você sabia que também é possível instalar este programa no Linux? Neste tutorial, você verá como colocar o cliente PuTTY SSH no buntu e sistemas derivados.

Como instalar o cliente SSH PuTTy no Ubuntu e derivados

Para instalar o cliente SSH PuTTy no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository universe

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install putty

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite putty ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Desinstalando o cliente SSH PuTTy no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o cliente SSH PuTTy, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt remove putty --auto-remove

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o gerenciador de arquivos Broot no Linux

Se você quer navegar nas pasta do seu PC usando a linh de comando, conheça e veja como instalar o gerenciador de arquivos Broot no Linux.

broot é uma ferramenta de linha de comando interativa escrita em Rust para navegar em diretórios usando uma exibição em árvore e uma busca difusa. Ele também incorpora um ncdu como o modo de uso do disco.

Como instalar o gerenciador de arquivos Broot no LinuxComo instalar o gerenciador de arquivos Broot no LinuxComo instalar o gerenciador de arquivos Broot no Linux

A ferramenta é inspirada no comando tree (que não é pesquisável interativamente e não atua como lançador) e o excelente localizador fuzzy da linha de comando fzf, permitindo que os usuários navegem para um diretório e localizem um arquivo específico com a quantidade mínima de teclas.

É executado no Linux, macOS e Windows. No entanto, existem algumas arestas no Windows – algumas coisas precisam ser corrigidas, e é bastante lento no Windows por enquanto. Funciona muito bem e é muito rápido no Linux (e eu assumo o macOS, embora eu não possua um Mac e não tentei).

Como instalar o gerenciador de arquivos Broot no Linux

Para instalar o gerenciador de arquivos Broot no Linux, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Baixe o binário do programa usando esse comando;

wget https://dystroy.org/broot/download/x86_64-linux/broot

Passo 3. Em seguida, inicie a instalação;

sudo install broot /usr/local/bin

Passo 4. Depois de instalar, execute-o com a opção --install para instalar a função br shell (isso adiciona automaticamente uma linha no seu arquivo ~/.bashrc ou ~/.zshrc que origina a função br ):;

broot --install

Passo 5. Depois disso, você pode começar a usar o broot apenas digitando o comando abaixo:

br

Sim, para iniciar o broot, digite br e você terá uma visão geral da árvore de um diretório. Alguns itens são exibidos em “não listado”, portanto a saída é curta e fácil de navegar.

Comece a digitar o nome do diretório para o qual deseja navegar – a pesquisa difusa filtrará os diretórios disponíveis, listando apenas os que correspondem ao que você digita (incluindo aqueles que podem estar originalmente em “não listado”).

Se você deseja pesquisar com uma expressão regular, adicione/antes ou depois do padrão.

Use as teclas de seta para cima e para baixo para selecionar um diretório. Pressione Enter para navegar para o diretório selecionado enquanto mantém o broot aberto, Esc para retornar ao estado anterior ou limpar sua pesquisa, ou Alt + Enter para retornar ao shell que possui o CD no diretório selecionado.

Por padrão, o broot tenta selecionar o arquivo mais relevante, dependendo do que você digita. Após selecionar um arquivo no broot, pressione Enter para abri-lo no programa padrão do sistema, Alt + Enter para abri-lo e feche o broot ou digite um verbo para manipulá-lo, como: e para abri-lo com o editor padrão.

Você também pode manipular o arquivo selecionado usando: mv (mover),: cp (copiar),: rm (remover) e criar um novo diretório com: mkdir. Você também pode adicionar seus próprios atalhos.

O broot suporta várias opções para mostrar permissões de arquivo, datas, espaço em disco usado e mostrar ou ocultar arquivos ocultos:

  • Pressione a tecla Espaço e digite s ou digite: s (sem espaço à frente) para ver o tamanho de cada arquivo e pasta em um diretório. Os tamanhos são armazenados em cache, mas você pode pressionar F5 para atualizá-los
  • Pressione Espaço e digite d ou digite: d para alternar para mostrar a data da última modificação para cada arquivo e diretório na árvore
  • Pressione Espaço e digite pe ou digite: pe para alternar entre mostrar permissões
  • Pressione Espaço e digite h ou digite: h para alternar para mostrar arquivos ocultos

Você pode exibir a ajuda do broot a qualquer momento pressionando? (Shift +?).

O Broot também possui suporte ao gitignore, com 3 modos: não (os arquivos .gitignore não são aplicados), sim (as regras .gitignore são aplicadas sempre que são encontradas; se a raiz contém vários projetos git, isso significa que subárvores visíveis diferentes seguem diferentes conjuntos de regras) e auto (se a raiz atual for um diretório git ou dentro de um, as regras serão aplicadas; caso contrário, não serão). Você pode alternar entre esses modos digitando: gi.

É importante observar que, quando você pesquisa usando broot em um disco muito grande/lento, a ferramenta para se encontrar correspondências suficientes para o seu padrão de pesquisa.

Se você quiser ir mais fundo e pesquisar todos os arquivos existentes, precisará ativar: total_search, que pode ser acionado usando o Ctrl + s.

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o WindowMaker no Ubuntu e derivados

Que tal experimentar um ambiente gráfico mais antigo, leve e bem diferente? Se você ainda não sabe qual é, estou falando do WindowMaker.

WindowMaker é um ambiente com um estilo bem diferente do que se está acostumado, com um toque de NEXTSTEP e influência de um brasileiro.

Não quero usar Unity, prefiro o WindowMaker no Ubuntu Não quero usar Unity, prefiro o WindowMaker no Ubuntu Não quero usar Unity, prefiro o WindowMaker no Ubuntu

O Window Maker é um ambiente gráfico criado pelo brasileiro Alfredo Kojima seguindo conceitos do projeto AfterStep.

Ele tem uma interface estável e vem com um editor de configuração chamado WPrefs, o que elimina a necessidade de editar manualmente alguns arquivos de configuração baseados em texto.

Como instalar o WindowMaker no Ubuntu e derivados

Como instalar o WindowMaker no Ubuntu e derivados

O ambiente também é conhecido por ser configurável e amigável, parcialmente dado seu pequeno tamanho e simplicidade que o tornam relativamente fácil de entender.

A aparência padrão pode ser confusa para quem espera uma barra de tarefas e um menu iniciar, mas todas as aplicações podem ser acessadas através de um clique com o botão direito do mouse na área no fundo de tela, o que retorna o menu principal.

Usuários que preferem o teclado também podem usar a tecla F12 para chamar o menu de aplicação, e F11 para um menu de janelas.

Window Maker tem a reputação de ser relativamente rápido e eficiente, claro, quando comparado com muitos outros gerenciadores de janelas e sistemas operacionais.

Além disso, o Window Maker é bastante usado em máquinas mais antigas que obviamente possuem limitações em memória, processador e no espaço em disco.

Outras opções

Veja como instalar o ambiente WindowMaker no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o ambiente WindowMaker no Ubuntu e seus derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Atualize o APT com o seguinte comando:

sudo apt-get update

Passo 3. Agora instale o ambiente usando o comando abaixo:

sudo apt-get install wmaker

Depois disso, saia da sessão atual, escolha a opção “Window maker” na tela de login, entre novamente e você já pode começar a experimentar o ambiente.

Desinstalando o ambiente WindowMaker no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o ambiente WindowMaker no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Saia da sessão atual, entre em outro ambiente, e então desinstale o ambiente WindowMaker, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove wmaker --auto-remove

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o gravador de tela Blue Recorder no Linux via Snap

Se você quer capturar o que se passa no desktop do seu PC, conheça e veja como instalar o gravador de tela Blue Recorder no Linux via Snap.

Blue RecorderUm gravador de tela simples para desktop Linux que suporta Wayland e Xorg, Construído em Python, GTK + 3 e ffmpeg.

Como instalar o gravador de tela Blue Recorder no Linux via Snap Como instalar o gravador de tela Blue Recorder no Linux via Snap Como instalar o gravador de tela Blue Recorder no Linux via Snap

Ele suporta gravação de áudio e vídeo em quase todas as interfaces Linux. Além disso, Blue Recorder é o primeiro programa de desktop a oferecer suporte ao servidor de exibição Wayland na sessão GNOME.

Os seguintes formatos são atualmente suportados: mkv, avi, mp4, wmv, gif e nut (E apenas WebM para a sessão GNOME de Wayland).

Você pode parar o processo de gravação facilmente clicando com o botão direito do mouse no ícone e escolhendo “Parar Gravação”. Ou clicar com o botão do meio no ícone de gravação na área de notificações (mas não funciona em todas as interfaces). Você pode escolher a fonte de entrada de áudio desejada na lista.

Você também pode definir os valores padrão que deseja simplesmente alterando-os na interface, e o programa os salvará para você na próxima vez que você abri-lo.

Como instalar o gravador de tela Blue Recorder no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o gravador de tela Blue Recorder via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o gravador de tela Blue Recorder via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install blue-recorder

Passo 3. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install blue-recorder --edge

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh blue-recorder

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite blue-recorder ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar o gravador de tela Blue Recorder via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para desinstalar o gravador de tela Blue Recorder no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove blue-recorder

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o visualizador de imagens térmicas Blackbody no Linux

Se você precisa tratar ou analisar fotos de câmeras térmicas, conheça como instalar o visualizador de imagens térmicas Blackbody no Linux.

Blackbody é um visualizador de termogramas que renderiza dados de temperatura em imagens RGB.

Como instalar o visualizador de imagens térmicas Blackbody no Linux Como instalar o visualizador de imagens térmicas Blackbody no Linux Como instalar o visualizador de imagens térmicas Blackbody no Linux

Ele permite o carregamento de termogramas FLIR de várias câmeras, carregamento TIFFs de banda única presumidos em °C, investigação de temperaturas com o mouse, exportação de dados térmicos ou renderizações para arquivos, renderização em muitas paletas de cores diferentes, incluindo inferno e turbo.

Traduzido para vários idiomas e disponível para Linux e Windows, com ele é possível especificar a faixa térmica para renderizar, aumentar e diminuir o zoom.

Câmeras que funcionam: FLIR C2, FLIR E4, FLIR E5, FLIR E6, FLIR E8, FLIR E8XT, FLIR E53, FLIR E75, FLIR P60 (PAL), FLIR T630SC e FLIR T660.

Como instalar o visualizador de imagens térmicas Blackbody no Linux via Flatpak

Para instalar o visualizador de imagens térmicas Blackbody via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o visualizador de imagens térmicas Blackbody via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/eu.nimmerfort.blackbody.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update eu.nimmerfort.blackbody

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run eu.nimmerfort.blackbody em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite blackbody ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar o visualizador de imagens térmicas Blackbody via Flatpak

Para desinstalar o visualizador de imagens térmicas Blackbody no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall eu.nimmerfort.blackbody

Ou

flatpak uninstall eu.nimmerfort.blackbody

Let's block ads! (Why?)

Como gerenciar senhas no terminal Linux com o Pass

Se você procura por uma ferramenta simples para armazenar senha, conheça e veja como gerenciar senhas no terminal Linux com o Pass.

O Pass é um aplicativo de gerenciamento de senha baseado em linha de comando, ou seja, usando apenas o terminal.

Como gerenciar senhas no terminal Linux com o PassComo gerenciar senhas no terminal Linux com o PassComo gerenciar senhas no terminal Linux com o Pass

O Pass implementa a filosofia do Unix salvando senhas em arquivos de GPG criptografados, que podem ser organizados em várias hierarquias de pastas, transferidos entre computadores e manipulados usando utilitários de gerenciamento de arquivos de linha de comando padrão.

Ele segue a premissa de que o gerenciamento de senhas deveria ser algo simples. Com Pass, cada senha vive dentro de um arquivo criptografado gpg cujo nome de arquivo é o título do site ou recurso que requer a senha.

Esses arquivos criptografados podem ser organizados em hierarquias de pastas significativas, copiadas de computador para computador e, em geral, manipuladas usando utilitários de gerenciamento de arquivos de linha de comando padrão.

Pass, sendo, em última instância, um script bash, faz uso de alguns Python e Ruby para, por exemplo, realizar tarefas como as importações de senha de outros gerenciadores de senha.

Ele salva suas senhas em uma pasta .password-store, escondida em seu diretório pessoal.

Principais características do Pass:

  • Autocompletar do Bash;
  • Possui clientes impressionantes, incluindo interfaces gráficas multi-plataforma para outras plataformas, clientes para Windows, Android, iOS, uma extensão do Firefox, uma UI de interface interativa e etc.;
  • Integração Git;
  • Suporte para extensões;
  • Permite importar senhas de outros gerenciadores de senhas incluindo LastPass, KeepassX, Keepass2 CSV e XML, CVS, 1Password e KWallet;
  • Geração de senha;
  • Uma documentação abrangente em sua página de manual.

Como gerenciar senhas no terminal Linux com o Pass

Para gerenciar senhas no terminal Linux com o Pass, primeiramente você precisa instalar ele, o que é bem simples. Veja abaixo como fazer isso, e depois, como usá-lo.

Instalando o Pass

Para instalar o Pass no Linux, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Para instalar o Pass no Debian, Ubuntu e derivados, use esse comando;

sudo apt-get install pass

Passo 3. Para instalar o Pass no Fedora, RHEL, CentOS e derivados, use esse comando;

sudo yum install pass

ou

sudo dnf install pass

Passo 4. Para instalar o Pass no OpenSuse e derivados, use esse comando;

sudo zypper install pass

Passo 5. Em seguida, inicialize o armazenamento de senhas com este comando;

pass init GPG_ID_OU_EMAIL

Nesse último comando, GPG_ID_OU_EMAIL é o ID da sua chave GPG de código hexadecimal de oito dígitos ou o endereço de e-mail que você usou para criar a chave GPG.
Se necessário, você sempre pode rever as duas chaves usando o comando: “gpg -list-secret-keys”.

Usando o Pass

Agora que o programa já está instalado, é hora de começar a usá-lo:

Passo 1. Use o comando abaixo para adicionar uma nova senha, por exemplo, para edivaldobrito.com na pasta “iniciante”:

pass insert iniciante/edivaldobrito.com

Passo 2. Para listar todas as suas senhas em uma exibição em árvore, use o comando a seguir;

pass

Passo 3. Você pode mostrar a senha usando o seguinte comando;

pass iniciante/edivaldobrito.com

Passo 4. Você pode copiar a senha para a área de transferência com o comando:

pass -c iniciante/edivaldobrito.com

Passo 5. Para editar uma senha existente, use o comando abaixo:

pass edit iniciante/edivaldobrito.com

Você será solicitado a inserir sua senha GPG e, depois disso, você pode editar a senha armazenada ou outras informações para o arquivo.

Gostou do aplicativo? Então compartilhe a sua experiência nos comentários!

Let's block ads! (Why?)

KDE Applications 20.12.3 lançado com melhorias no Spectacle, Gwenview e mais

E foi lançado o KDE Applications 20.12.3 com melhorias no Spectacle, Gwenview e mais. Confira todas as novidades dessa atualização.

O KDE Applications é uma iniciativa que instala vários aplicativos que permitem desfrutar plenamente do ambiente KDE Plasma.

Em resumo, o KDE Applications é um conjunto de software de código aberto projetado como parte do ecossistema KDE, mas também pode ser usado independentemente de ambiente, em qualquer sistema operacional baseado em Linux.

Agora, a comunidade KDE lançou hoje o terceiro e último lançamento pontual do pacote de software de código aberto mais recente do KDE Applications 20.12 como a atualização dos Apps do KDE para março de 2021, o KDE Applications 20.12.3.

O KDE Applications 20.12 terá suporte até março de 2021 com três atualizações de manutenção.

Novidades do KDE Applications 20.12.3

KDE Applications 20.12.3 lançado com melhorias no Spectacle, Gwenview e mais KDE Applications 20.12.3 lançado com melhorias no Spectacle, Gwenview e mais KDE Applications 20.12.3 lançado com melhorias no Spectacle, Gwenview e mais
Aplicativos do KDE 20.12.3 chega um mês após a atualização dos Aplicativos do KDE em fevereiro de 2021 para corrigir ainda mais bugs em vários dos aplicativos e componentes incluídos, a maioria dos quais são necessários ou são fornecidos por padrão com a última série de ambientes de desktop KDE Plasma.

Entre as melhorias implementadas na atualização do KDE Applications 20.12.3, há a capacidade de definir a qualidade de compressão no utilitário de captura de tela do Spectacle para 100%, suporte para uma nova visualização de desenho OpenGL para suportar transições aceleradas por hardware no Wayland e uma qualidade JPEG funcional seletor no visualizador de imagens Gwenview.

Outras mudanças dignas de nota incluem uma correção para classificação por duração no reprodutor de música Elisa, uma correção para um bug que fez o utilitário renomeador de arquivos do JuK criar pastas de nomes de faixas extras, implementação de suporte inicial para dosfstools 4.2, uma correção para conexões de baixa qualidade em krdc, bem como a capacidade do visualizador de documentos do Okular exibir melhor o status do botão “Reproduzindo”.

Como este é o último lançamento pontual da série KDE Applications 20.12, que foi inicialmente lançada em dezembro de 2021, a comunidade KDE agora está se preparando para entregar a próxima grande série, KDE Applications 21.04, com lançamento previsto para 22 de abril de 2021.

Para mais detalhes, você pode verificar o changelog completo.

Como atualizar para o KDE Applications mais recente

Você deve ficar de olho nos repositórios de software estáveis ​​de sua distribuição Linux favorita para os pacotes do KDE Applications 20.12.3 e atualizar o mais rápido possível para desfrutar de uma melhor experiência de Plasma e Apps.

Let's block ads! (Why?)

Gmail web não consegue lidar com emojis inclusivos adequadamente

Diferentemente do que acontece com a maioria dos aplicativos web atuais, o Gmail web não consegue lidar com emojis inclusivos adequadamente. Entenda.

Se você costuma usar o cliente da web nativo do Gmail para enviar e-mails, deve ter notado algo estranho sobre como ele lida com emoji.

O Google pode ter se despedido de seus blobs distintos em 2017, mas por algum motivo, o Gmail na web ainda renderiza a maioria dos emojis nesse estilo. Como alguém que ficará parado até o fim dos tempos, essa é uma peculiaridade do Gmail muitos adoram.

Mas acontece que a mesma tendência deixou o cliente web incapaz de renderizar os emojis mais inclusivos que foram aprovados pelo Consórcio Unicode nos últimos anos.

Quer incluir um emoji de uma cientista de pele escura em seu próximo e-mail? Você pode, mas se o seu amigo ler esse e-mail no navegador do desktop, ao contrário do telefone, ele verá uma caixa estranha entre dois outros emojis.

Gmail web não consegue lidar com emojis inclusivos adequadamente

Gmail web não consegue lidar com emojis inclusivos adequadamente Gmail web não consegue lidar com emojis inclusivos adequadamente Gmail web não consegue lidar com emojis inclusivos adequadamente
A Emojipedia documentou o problema em um artigo detalhado publicado na quarta-feira. Resumindo, parece que a equipe do Gmail ainda não atualizou a forma como o cliente da web lida com a tradução de emojis.

Não é possível combinar corretamente vários caracteres em um único emoji, o que é exigido de qualquer emoji que permita variações de gênero e tom de pele.

E não são apenas as mais recentes, incluindo gênero e raça, que não funcionam corretamente. O cliente não suporta a maioria dos novos personagens introduzidos desde meados de 2015.

O efeito é menos óbvio com alguns menos complicados, uma vez que será o padrão do sistema. Então, digamos que você esteja usando o Windows 10, verá emojis mais recentes renderizados no estilo da Microsoft.

Para ficar claro, isso não é um problema com o aplicativo Gmail no Android e iOS porque, nesse caso, ele também usa a fonte do sistema como padrão.

De acordo com a Emojipedia, não há solução conhecida para o problema no momento. De certa forma, seus relatórios destacam o desafio que às vezes pode estar envolvido na implementação desses tipos de recursos.

Mas como parte do Consórcio Unicode e provedor de um dos clientes de e-mail mais populares do planeta, está no Google para fazer esse tipo de trabalho.

Let's block ads! (Why?)

Como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal

Se você quer encontrar pacotes universais de seus programas sem complicações, conheça e veja como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal.

Atualmente, os usuários do Ubuntu têm uma boa quantidade de aplicativos “universais”, que são mais ou menos populares. Eles são chamado assim porque são empacotados com todas as bibliotecas e dependências necessárias em um único pacote.

Para usá-los, tudo o que os usuários precisam fazer é baixar e instalar/executar os pacotes. Os formatos dessas aplicações universais são AppImages, Flatpaks e Snaps.

Esses três formatos de aplicativos já estão sendo usados ​​por muitas empresas e desenvolvedores.

Como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminalComo pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminalComo pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal

O AppImage é um formato para distribuir software portátil no Linux que não precisa de permissões de superusuário para usar o aplicativo. Com este formato, tentamos permitir a distribuição de software independente da distribuição.

Este tipo de pacote foi lançados pela primeira vez em 2004 sob o nome de klik. Seu desenvolvimento tem continuado desde então, sendo renomeado em 2011 PortableLinuxApps e posteriormente, em 2013, eles acabaram sendo chamados de AppImage.

Aplicativos populares como Gimp, Firefox, Krita e muitos outros estão disponíveis neste formato. Podemos encontrá-los disponíveis diretamente em suas páginas de download correspondentes, para baixá-los e torná-los executáveis ​​para usá-los.

O Flatpak era conhecido como xdg-app até maio de 2016. O desenvolvedor do Flatpak é Alexander Larsson. Os aplicativos Flatpak são hospedados em um repositório central chamado ‘Flathub’.

Se você é um desenvolvedor e se incentiva a criar seus aplicativos no formato Flatpak, pode distribuí-los aos usuários por meio do Flathub.

Esse formato fornece um ambiente de isolamento de processo chamado Bubblewrap, no qual os usuários podem executar aplicativos isolados do resto do sistema.

Além disso, os aplicativos Flatpak exigem permissão do usuário para controlar dispositivos de hardware ou acessar arquivos do usuário.

Os pacotes Snaps são criados principalmente para o Ubuntu, pela Canonical. Os desenvolvedores de outras distribuições Linux também estão começando a criar esse tipo de pacote, e é por isso que eles também trabalham em outras distribuições Linux.

Os Snaps podem ser baixados diretamente da página de download do aplicativo ou da loja Snapcraft.

Se você está sempre à procura de uma aplicação deste tipo, você só tem que ir para a loja correspondente, pesquisar e baixar o aplicativo que você precisa.

É aqui que o chob vem para nos tornar uma vida um pouco mais fácil, porque nos permitirá procurar nas três lojas oficiais do terminal.

Chob é um aplicativo que permite pesquisar aplicativos AppImage, Flatpak e Snaps diretamente do terminal.

Para evitar a necessidade de pesquisar loja por loja, os usuários podem usar essa ferramenta. Ela realizará uma pesquisa de aplicativo a partir da linha de comando, o que nos permitirá procurar facilmente por aplicativos para o nosso Ubuntu nas plataformas AppImage, Flathub e Snapcraft.

Como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal

Para pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap no terminal com Chob, siga os procedimentos abaixo.

pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob – instalando o Chob no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o Chob no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o.

wget https://github.com/MuhammedKpln/chob/releases/download/0.9/chob_0.9_amd64.deb

Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i chob.deb
sudo apt-get install -f

Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./chob.deb

Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove chob*

Pesquise aplicativos AppImage, Flathub e Snapcraft usando o Chob

Depois que o pacote foi instalado, podemos procurar os aplicativos que desejamos. Para este exemplo, procurarei por aplicativos relacionados ao formato de vídeo avi:

chob avi

Chob irá procurar nas plataformas AppImage, Flathub e Snapcraft e mostrar os resultados.

Como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal

Como pesquisar pacotes AppImage, Flatpak e Snap com Chob no terminal

Quando os resultados forem exibidos, para escolher o aplicativo que nos interessa, basta digitar o número indicado à esquerda do nome.

Isso abrirá o link oficial no navegador padrão, onde o usuário poderá ler os detalhes do aplicativo.

Para obter mais detalhes sobre o Chob, basta dar uma olhada na página oficial do projeto no GitHub

Let's block ads! (Why?)

Canonical escolheu o Flutter UI SDK do Google para construir aplicativos

E a Canonical escolheu o Flutter UI SDK do Google para construir aplicativos Ubuntu. Confira os detalhes e motivos e conheça a ferramenta.

A Canonical anunciou que escolheu usar o Flutter framework do Google para construir aplicativos futuros para o sistema operacional Ubuntu Linux.

Canonical escolheu o Flutter UI SDK do Google para construir aplicativos

Canonical escolheu o Flutter UI SDK do Google para construir aplicativos Canonical escolheu o Flutter UI SDK do Google para construir aplicativos Canonical escolheu o Flutter UI SDK do Google para construir aplicativos
Para quem não conhece, o Flutter é um SDK (kit de desenvolvimento de software) de código aberto criado pelo Google para ajudar aqueles que desejam criar aplicativos rápidos e modernos para uma ampla variedade de sistemas operacionais, incluindo Android, Linux, Mac, iOS, Windows, Google Fuchsia, que funcionam em desktops, dispositivos móveis e na web.

Um ano atrás, a Canonical se associou ao Google para disponibilizar o Flutter SDK no Linux como Snap, a implantação universal de software e sistema de gerenciamento de pacotes para Ubuntu `e outras distribuições Linux, permitindo aos interessados ​​em construir belos aplicativos no desktop Linux.

Agora, a empresa por trás do Ubuntu está escrevendo outra página da história, visando o Flutter como a estrutura de UI (interface do usuário) padrão para construir seus próprios aplicativos Ubuntu, que funcionarão em uma ampla gama de hardware e configurações.

A Canonical já anunciou no mês passado que está reescrevendo seu instalador do Ubuntu para futuros lançamentos do Ubuntu no Flutter.

Isso permitirá que a Canonical forneça uma experiência de instalação consistente em todo o portfólio de produtos Ubuntu.

Ken VanDine, gerente de engenharia da Canonical para o Ubuntu Desktop, fala durante o evento online especial Flutter Engage do Google que ocorreu em 3 de março de 2021, sobre as contribuições da Canonical para o Flutter, que você pode assistir abaixo.

“Achamos que o Flutter está pronto para a tarefa, e escolhê-lo para o instalador está dizendo ao mundo que escolher o Flutter para aplicativos Linux é uma ótima escolha.”

“Flutter é a escolha padrão para futuros aplicativos de desktop e móveis criados pela Canonical.”

Essas novas contribuições incluem suporte completo a várias janelas para desktop e habilitação de suporte para plug-ins Flutter populares no Linux, incluindo suporte para Firebase, Bluetooth e conectividade de rede, notificações de desktop e muito mais.

Além disso, a Canonical também está trazendo o estilo Yaru exclusivo do Ubuntu para aplicativos para o Flutter, incentivando os desenvolvedores de aplicativos a trazer seus aplicativos para o desktop Linux.

Aqueles de vocês interessados ​​em experimentar o Flutter para construir aplicativos para Ubuntu, podem baixar o Flutter SDK da Snap Store.

Let's block ads! (Why?)

LibreOffice 7.1.1 lançado com correções para mais de 90 erros

A TDF anunciou o lançamento do LibreOffice 7.1.1 com correções para mais de 90 erros. Confira as novidades e veja como instalar ou atualizar.

O LibreOffice é a suíte office desenvolvida pela The Document Foundation (TDF). Mas ele é bem mais que isso: é uma das mais populares suíte de escritório multiplataforma e de código aberto.

Em resumo, o LibreOffice é uma suíte de escritório livre compatível com os principais pacotes de escritório do mercado.

No início de agosto, a The Document Foundation lançou o LibreOffice 7.0. Foi um lançamento com melhorias importantes, entre as quais destaca-se a melhoria da compatibilidade com o Microsoft Office.

Agora, a Document Foundation lançou o pacote de escritório de código-fonte aberto e multiplataforma LibreOffice 7.1.1 para todas as plataformas suportadas, um grande lançamento que apresenta novos recursos e melhorias.

Novidades do LibreOffice 7.1

LibreOffice 7.1.1 lançado com correções para mais de 90 erros LibreOffice 7.1.1 lançado com correções para mais de 90 erros LibreOffice 7.1.1 lançado com correções para mais de 90 erros
Lançado há um mês, o pacote de escritório LibreOffice 7.1 apresenta vários novos recursos e melhorias, como uma nova caixa de diálogo que permite selecionar o tipo de interface do usuário de sua escolha no início, uma nova caixa de diálogo de adições que permite pesquisar, baixar e instalar extensões com um único clique e interoperabilidade aprimorada com formatos de documentos proprietários como DOCX, XLSX e PPTX.

O LibreOffice 7.1 também apresenta a capacidade de exibir todos os arquivos suportados ao adicionar uma nova extensão no Extension Manager, uma caixa de diálogo de visualização de impressão aprimorada que atualiza de forma assíncrona para não bloquear a interface do usuário ao ajustar as configurações, bem como muitas outras melhorias para o Writer, Calc, Impress e Draw.

Agora, o LibreOffice 7.1.1 está aqui como o primeiro lançamento pontual da série, abordando mais de 90 bugs em todos os componentes principais do pacote de escritório.

Os detalhes dessas correções de bugs estão disponíveis aqui e aqui para meus usuários experientes em tecnologia que desejam saber o que exatamente foi corrigido nesta atualização de manutenção.

Como um lembrete, esta é a edição chamada “Comunidade” do LibreOffice 7.1, representando o que há de mais moderno em termos de recursos e direcionando apenas para entusiastas de tecnologia e usuários avançados que desejam usar os recursos mais recentes, e não é recomendada para implantação em empresas ambientes.

A série de suíte de escritório LibreOffice 7.1 terá suporte até 30 de novembro de 2021.

Para mais detalhes e para ver os novos recursos em ação, você pode conferir o vídeo abaixo ou as notas de lançamento completas.

alt
[embedded content]

Como instalar ou atualizar o LibreOffice 7.1.1

Em breve, os usuários do Linux também poderão instalar a versão do LibreOffice 7.0 a partir dos repositórios de software estáveis ​​de suas distribuições Linux favoritas.

Você pode baixar essa versão do LibreOffice agora mesmo no site oficial ou usar um dos tutoriais mais abaixo.

E para quem quer instalar ou atualizar o LibreOffice mais recente, basta usar um desses tutoriais:
Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux
Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Linux via FlatpakComo instalar o LibreOffice no Linux Ubuntu 18.04 LTS e outras distros
Como instalar a versão mais recente do LibreOffice no Ubuntu via PPA ou SNAP
Como instalar o LibreOffice beta no Linux via Snap

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o TeamViewer no Ubuntu, Debian, Fedora e derivados

Se você procura uma forma simples de acessar remotamente computadores, independente de que sistema eles usam, veja aqui como instalar o TeamViewer no Ubuntu, Debian, Fedora e derivados.

TeamViewer é um software gratuito para controle remoto através da Internet. Com ele você consegue estabelecer uma conexão com qualquer computador ou servidor em todo o mundo em apenas alguns segundos e a partir dela você pode controlar o computador de seu parceiro à distância como se estivesse sentado na frente dele.

Como instalar o TeamViewer no Linux manualmente Como instalar o TeamViewer no Linux manualmente Como instalar o TeamViewer no Ubuntu, Debian, Fedora e derivados

Para completar, durante uma sessão do TeamViewer você pode transferir arquivos de ou para computadores remotos.

Para isso você usa arrastar e soltar, copiar e colar através da área de transferência ou armazenamento na nuvem, para copiar arquivos individuais e pastas inteiras em poucos segundos e de qualquer localidade.

Com esse software também é possível enviar arquivos para contatos na sua lista de computadores e contatos, sem precisar estabelecer uma conexão.

Ou seja, servidores FTP e limite de tamanho para anexos nos e-mails não serão mais problema para você.

Como instalar o TeamViewer no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e sistemas derivados

A seguir, você verá como instalar o TeamViewer no Linux, mais especificamente em distribuições baseadas em pacotes RPM (como Fedora, CentOS, OpenSUSE, Mageia, OpenMandriva e seus derivados) e DEB (como Debian, Ubuntu e sistemas derivados destes).

Se você quiser instalar o aplicativo manualmente ou em outras distribuição que não suportam os pacotes RPM/DEB, veja esse outro tutorial:

Como instalar o TeamViewer no Linux manualmente

Como instalar o programa no Ubuntu, Debian, Mint e derivados via repositório

Para instalar o programa no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo sh -c "echo 'deb http://linux.teamviewer.com/deb stable main' >> /etc/apt/sources.list.d/teamviewer.list"
sudo sh -c "echo 'deb http://linux.teamviewer.com/deb preview main' >> /etc/apt/sources.list.d/teamviewer.list"

Passo 3. Baixe a chave do repositório do programa com o comando:

wget -q https://download.teamviewer.com/download/linux/signature/TeamViewer2017.asc -O- | sudo apt-key add -

Passo 4. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 5. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install teamviewer

Como instalar o TeamViewer no Ubuntu, Debian e sistemas que suportem o formato DEB

Para instalar o TeamViewer no Ubuntu, Debian e sistemas que suportem o formato DEB, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão de 32 bits e salve-o com o nome teamviewer.deb:

wget https://download.teamviewer.com/download/linux/teamviewer_i386.deb -O teamviewer.deb

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão de 64 bits e salve-o com o nome teamviewer.deb:

wget https://download.teamviewer.com/download/linux/teamviewer_amd64.deb -O teamviewer.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i teamviewer.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f -y

Passo 7. Depois, caso seja necessário, desinstale o programa usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove teamviewer
sudo apt-get autoremove

Instalando o TeamViewer no Fedora e em sistemas que suportem o formato RPM

Para instalar o TeamViewer no Fedora, OpenSUSE, CentOS e sistemas que suportem o formato RPM, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão de 32 bits e salve-o com o nome teamviewer.rpm:

wget https://download.teamviewer.com/download/linux/teamviewer.i686.rpm -O teamviewer.rpm

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão de 64 bits e salve-o com o nome teamviewer.rpm:

wget https://download.teamviewer.com/download/linux/teamviewer.x86_64.rpm -O teamviewer.rpm

Passo 5. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall teamviewer.rpm

ou

sudo dnf install teamviewer.rpm

Passo 6. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install teamviewer.rpm

Passo 7. Para instalar em um OpenMandriva, Mageia e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo urpmi teamviewer.rpm

Passo 8. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo rpm -e teamviewer

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite teamviewer em um terminal (seguido da tecla TAB), ou clicando no ícone dele ou menu de aplicativos do sistema.

Veja também

Você também pode instalar o programa usando esse outro tutorial:
Como instalar o TeamViewer no Linux manualmente

Fonte

Let's block ads! (Why?)

Kernel 5.10.20 lançado com correção das frequências de clock AMD

E foi lançado o Kernel 5.10.20 com correção das frequências de clock AMD. Confira as novidades e veja como instalar no Linux.

Linus Torvalds anunciou a disponibilidade do kernel 5.10 no dia 13 de dezembro de 2020, uma atualização que trouxe muitas novidades, melhorias, novos drivers e drivers atualizados para melhor suporte de hardware.

O Kernel 5.10 é uma das versões mais recente do kernel para distribuições Linux que desejam suporte de hardware de primeira linha. Além disso, é um ramo com suporte de longo prazo (LTS), o que significa que provavelmente receberá suporte nos próximos 5 anos.

Agora, o kernel 5.10.20 LTS foi lançado e vem com uma correção importante, especialmente para usuários do AMD Zen 2/Zen 3.

Kernel 5.10.1 lançado 24 horas após o lançamento anterior

Kernel 5.10.20 lançado com correção das frequências de clock AMD Kernel 5.10.20 lançado com correção das frequências de clock AMD Kernel 5.10.20 lançado com correção das frequências de clock AMD
Os point releases do kernel recentes estavam relatando frequências máximas errôneas em CPUs AMD Zen 2/Zen 3 na área de 6 GHz+ e o Kernel 5.10.1 corrige isso.

A correção do Linux 5.11 para a regressão de desempenho da AMD decorrente da introdução da invariância de frequência da CPU acabou introduzindo uma regressão no relatório de frequência da CPU.

Para o kernel 5.11 e depois portado para o Linux 5.10 LTS, o CPUFreq mudou e acabou expondo toda a gama de frequências turbo/boost sendo relatadas via /proc/cpuinfo e sysfs.

Infelizmente, toda essa faixa não é realmente precisa e, portanto, um novo patch foi introduzido para garantir que apenas a frequência máxima real da CPU seja exposta por meio dessas interfaces.

Isso não muda o desempenho do sistema ou qualquer coisa nesse sentido, trata-se simplesmente de relatar a frequência máxima correta da CPU para as ferramentas de espaço do usuário monitorando /proc/cpuinfo ou sysfs.

Em versões recentes do Linux 5.10 e versões do Linux 5.11 até agora, frequentemente para os processadores AMD mais recentes, o kernel relatava uma frequência máxima na faixa de 6,0 ~ 6,5 GHz, o que infelizmente não é viável com os processadores de hoje.

Este patch é aquela correção que já está no Linux 5.12 Git e agora no Linux 5.10.20 e estará no lançamento pontual 5.11.3 iminente também.

Como instalar ou atualizar o kernel 5.10.20

Como de costume, você pode fazer o download do último kernel a partir do kernel.org ou use um desses tutoriais:
Como instalar o Ubuntu Mainline Kernel Installer no Ubuntu e derivados
Usando o Ubuntu Kernel Update Utility para atualizar o kernel do Ubuntu
Como instalar a versão mais recente do Kernel nos sistemas baseados em RPM

E se depois você quiser remover os kernel antigos, use esse tutorial:
Como remover kernels antigos no Ubuntu ou Linux Mint com segurança

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o app de transferência de arquivos Croc no Linux

Se você precisa levar arquivos de um lado para o outro via rede, conheça e veja como instalar o app de transferência de arquivos Croc no Linux.

Atualmente, os usuários podem encontrar muitas maneiras diferentes de transferir arquivos entre dois ou mais computadores.

O Croc nos fornecerá uma dessas formas, projetada para ser usada a partir da linha de comando e que nos permitirá transferir arquivos e pastas entre computadores de forma fácil, rápida e segura.

Como instalar o app de transferência de arquivos Croc no Linux Como instalar o app de transferência de arquivos Croc no Linux Como instalar o app de transferência de arquivos Croc no Linux
croc é uma ferramenta que permite que dois computadores transfiram arquivos e pastas de forma simples e segura. Use croc para enviar e receber arquivos da linha de comando.
Usando esta ferramenta, a transferência de dados é feita rapidamente, pois atua como um servidor de retransmissão entre os sistemas.

Ele cria uma camada de comunicação full-duplex em tempo real entre os dois computadores, de forma que as tarefas de ‘upload’ e ‘download’ sejam realizadas simultaneamente entre os computadores.

Croc oferece criptografia ponta a ponta usando a biblioteca de troca de chave autenticada por senha (PAKE).

A biblioteca PAKE permite que dois usuários gerem uma chave secreta forte usando uma chave fraca que ambos conheçam de antemão. Esta chave secreta é usada após criptografia adicional.

Como instalar o app de transferência de arquivos Croc no Linux

Para instalar o app de transferência de arquivos Croc no Linux, use um dos procedimentos abaixo.

Como instalar o app de transferência de arquivos Croc no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o app de transferência de arquivos Croc via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o app de transferência de arquivos Croc via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install croc

Passo 3. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh croc

Passo 4. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove croc

Como instalar o app de transferência de arquivos Croc no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o app de transferência de arquivos Croc no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome croc.deb:

wget https://github.com/schollz/croc/releases/download/v8.6.8/croc_8.6.8_Linux-64bit.deb -O croc.deb

Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i croc.deb
sudo apt-get install -f

Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./croc.deb

Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove croc*

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite croc ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o cliente Steam for Windows com Wine no Linux via Snap

Se você quer rodar jogos Steam do Windows no Linux, veja como instalar o cliente Steam for Windows com Wine no Linux via Snap.

O cliente Steam é o software oficial da Valve que permite acessar e jogar no PC. Ele também fornece serviços como atualização automática de jogos aos usuários.

Como instalar o cliente Steam for Windows com Wine no Linux via SnapComo instalar o cliente Steam for Windows com Wine no Linux via SnapComo instalar o cliente Steam for Windows com Wine no Linux via Snap

Disponível para Ubuntu através de um repositório de arquivos DEB, agora o Steam também está sendo distribuído via Flatpak, através do Flathub, um repositório centralizado para que os desenvolvedores de aplicativos possam hospedar seus aplicativos.

Entretanto, essas versões só permitem rodar jogos que são oficialmente suportados no Linux, o que apesar da atual quantidade, pode deixar muitos jogadores frustrados.

A boa notícia para esses usuários é que alguém desenvolveu um pacote snap que permite instalar a versão para Windows do cliente Steam. Com isso, é possível executar no Linux os jogos disponíveis para esse sistema.

Infelizmente, não há garantias de que todos os jogos possam ser executados, mas o recurso já facilita muito a vida de quem quer tentar isso.

Este snap faz o download e instala o Steam para Windows no WINE no Linux. A primeira configuração demora um pouco para baixar as partes necessárias, mas os lançamentos subsequentes são mais rápidos.

Tenha os drivers da placa gráfica instalados para poder usar o cliente Steam

Antes mesmo de tentar instalar o Steam, você precisa garantir que você tenha os drivers mais recentes para sua placa gráfica instalada e configurada corretamente. Parte disso envolve a compatibilidade de 32 bits no seu sistema.

Depois de instalar os drivers, eles permanecerão atualizados através das atualizações regulares do sistema. Isso significa que você só precisa configurar tudo isso uma vez, e tanto o Steam quanto os seus drivers continuarão sendo atualizados com o resto do Ubuntu.

Os métodos para instalar os drivers AMD e NVIDIA são diferentes, mas há algumas coisas que você deve fazer primeiro. Você precisa garantir que o suporte de 32 bits esteja habilitado.

O Steam funciona apenas em 32 bits, e você precisará habilitar o suporte de 32 bits para obter o suporte ao driver automaticamente, quando você for instalar os drivers. Para fazer isso, consulte esse tutorial:

Como ativar o suporte a 32-bits no Ubuntu de 64-bits

Instalando os drivers da Nvidia

Embora estejam disponíveis, dificilmente você conseguirá jogar usando drivers NVIDIA de código aberto.

A NVIDIA continua impedindo o progresso neles, de modo que eles estão severamente subdesenvolvidos. Como resultado, você precisará dos drivers proprietários da NVIDIA.

Felizmente, eles são realmente muito bons, e eles tendem a funcionar perfeitamente uma vez que você os instala.

Para instalar os drivers proprietários da NVIDIA no Ubuntu e fazer outros ajustes, consulte esses tutorial:

Como ativar um driver proprietário no Ubuntu
Instalando os mais recentes drivers gráficos proprietários no Ubuntu
Alternar entre placas gráficas Nvidia e Intel: Instale o Prime Indicator no Ubuntu
Como testar a aceleração 3D no Ubuntu e derivados

Para instalar os drivers proprietários da NVIDIA em qualquer distribuição Linux, utilize o esse tutorial:
Como instalar a última versão do driver Nvidia no Linux

Após a instalação dos drivers, execute o utilitário de configuração Nvidia.

sudo nvidia-xconfig --initial

E reinicie o sistema para que as alterações entrem em vigor.

Instalando os drivers da AMD

Os drivers de código aberto da AMD estão em rápido desenvolvimento, mas se você estiver em uma versão antiga do Ubuntu, não verá os benefícios dessa evolução.

Existem dois componentes importantes para fazer funcionar os drivers da AMD no sistema do pinguim: Mesa e o kernel Linux.

Para manter o kernel sempre atualizado, você pode usar esse tutorial:
Usando o Ubuntu Kernel Update Utility para atualizar o kernel do Ubuntu
Como instalar a versão mais recente do Kernel nos sistemas baseados em RPM

E para manter o driver Mesa sempre atualizado, use esse outro tutorial:
Como instalar a versão mais recente do driver Mesa no Ubuntu

Depois de atualizar seus pacotes para as novas versões, certifique-se de que você tenha o xserver-xorg-video-amdgpu instalado, usando o seguinte comando:

sudo apt upgrade
sudo dpkg -i steam_latest.debsudo apt install xserver-xorg-video-amdgpu

Novamente, talvez seja necessário reiniciar para que as alterações entrem em vigor.

Como instalar a versão mais recente do Steam for Windows com Wine no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o Steam for Windows com Wine no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o Steam for Windows com Wine no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install steamforwindows --edge

Passo 3. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh steamforwindows

Passo 4. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove steamforwindows

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite steamforwindows ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Veja também

Como instalar o cliente Steam no Ubuntu via Flatpak
Steam OS no Ubuntu e derivados – veja como instalar

Let's block ads! (Why?)

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Sabe aquele site que você precisa acessar mas nunca consegue porque está bloqueado? Pois é, agora tem como resolver isso. Para isso, veja como acessar sites bloqueados em regiões censuradas usando o app Lantern.

Lantern é um software de código aberto que serve para contornar mecanismos de censura da Internet. Segundo a página do aplicativo, ele é “gratuito e oferece acesso rápido, confiável e seguro à Internet aberta”.

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o LanternComo acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o LanternComo acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

A aplicação está disponível para desktops (Linux, Windows, Mac) e aparelhos com o sistema Android, mas ele não é novo.

Lantern é produzido pela empresa Brave New Software, cujo fundador e desenvolvedor líder é Adam Fisk, ex-desenvolvedor do LimeWire e LittleShoot.

O projeto começou em 2013, e inicialmente, era disponibilizado apenas através de um sistema para convidados.

Mas com o lançamento da versão 2.0 (em 2015), isso foi abandonado, e agora, qualquer um pode baixar, instalar e usar a aplicação.

Para desbloquear sites, Lantern depende dos seus próprios servidores e da largura de banda dos usuários (com conexões para vários usuários ao mesmo tempo) que estão em regiões sem censura, já que estes últimos acabam atuando como pontos de acesso.

De acordo com a FAQ do Lantern, o programa criptografa todo o tráfego quando você está acessando um site bloqueado.

É importante mencionar que o Lantern não foi concebido para ser uma ferramenta de anonimato. Se é isso que precisa, você deve usar o Tor em seu lugar, já que o objetivo do Lantern é apenas fornecer acesso rápido, fácil de usar e seguro aos sites bloqueados.

Por falar em facilidade, a aplicação é muito fácil de usar: basta instalar e executar. Ao iniciar, ele deve mudar automaticamente o proxy do seu sistema, permitindo que o seu navegador Web possa acessar sites bloqueados.

A interface de usuário do programa consiste em uma bandeja/appindicator e uma interface web (que abre automaticamente após o lançamento de Lantern).

Essa interface permite o acesso a algumas configurações, como a opção que permite executar o Lantern na inicialização do sistema, proxy de todo o tráfego, ativar/desativar as estatísticas de uso anônimas e gerenciar o proxy do sistema.

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

O programa pode ser muito útil para acessar serviços estrangeiros que não estão disponíveis no Brasil (como Hulu e Pandora), ou outros como a Netflix, que funciona no Brasil, mas possui um catálogo diferente em outros países.

Para mais informações sobre Lanterna, verificar a sua FAQ.

Como instalar o Lantern no Linux Ubuntu, Debian e derivados e acessar sites bloqueados

Para instalar o Lantern no Linux Ubuntu, Debian e derivados, basta baixar o pacote DEB, disponível nessa link, clicando em “Download Desktop”.

Depois de baixar, basta dar um duplo clique sobre ele. Então, confirme a instalação e aguarde terminar o processo.

Se preferir, você também pode fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome lantern.deb:

wget https://getlantern.org/lantern-installer-64-bit.deb -O lantern.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i lantern.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite lantern no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern é muito simples: basta executar o aplicativo.

Por padrão, o programa tenta usar um proxy apenas para sites que ele detecta como bloqueado. Infelizmente isso nem sempre funciona adequadamente para a maioria dos sites.

No entanto, tudo funciona como esperado depois que você ativa a opção “proxy all traffic” (proxy todo tráfego).

Para fazer essa mudança, clique no ícone do Lantern no painel do Ubuntu. Quando for exibido o menu, clique na opção “Mostre o Lanterna”;

Na tela do navegador, clique no ícone da engrenagem que fica no lado inferior direito;

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Em “Configurações”, marque a opção “Proxy todo o tráfego” e depois clique no botão “Fechar”;

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern

Como acessar sites bloqueados em regiões censuradas com o Lantern
Depois de fazer isso, você precisar reiniciar (fechar e executar novamente) o Lantern e seu navegador, para que a mudança seja aplicada.

Desinstalando o Lantern no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Para desinstalar o Lantern no Linux Ubuntu, Debian e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove lantern --auto-remove

Let's block ads! (Why?)

Pale Moon 29.1 lançado com melhorias de desempenho, segurança e muito mais

E foi lançado o Pale Moon 29.1 com melhorias de desempenho, segurança e muito mais. Confira as novidades e veja como instalar no Linux.

Pale Moon é um navegador de código aberto, baseado no Goanna e construído inteiramente a partir de sua própria fonte independente desenvolvida que foi extraída do código Mozilla Firefox há vários anos.

Ou seja, ele é um fork da base de código do Firefox para fornecer melhor desempenho, preservar a interface clássica, minimizar o consumo de memória e fornecer opções adicionais de personalização.

O projeto segue a organização clássica da interface, sem mudar para a interface Australis integrada no Firefox 29, e com a oferta de amplas possibilidades de customização.

Os componentes remotos incluem DRM, API social, WebRTC, visualizador de PDF, Crash Reporter, código para coleta de estatísticas, controle dos pais e pessoas com deficiência. Comparado ao Firefox, o navegador mantém o suporte para a tecnologia XUL e mantém a capacidade de usar temas completos e leves.

O navegador concentra-se na eficiência e facilidade de uso, selecionando cuidadosamente os recursos e otimizações para melhorar a estabilidade e a experiência do usuário, oferecendo personalização completa e uma crescente coleção de extensões e temas.
 
O Pale Moon visa fornecer estreita aderência aos padrões e especificações oficiais da web em sua implementação (com um compromisso mínimo) e exclui deliberadamente vários recursos para alcançar um bom equilíbrio entre uso geral, desempenho e avanços técnicos em Web.

Agora, o Pale Moon 29.1 já está disponível e esta nova versão se destaca pela inclusão de novos pacotes de idiomas juntamente com melhorias de desempenho, segurança e, acima de tudo, correções de bugs.

Novidades do Pale Moon 29.1

Pale Moon 29.1 lançado com melhorias de desempenho, segurança e muito mais Pale Moon 29.1 lançado com melhorias de desempenho, segurança e muito mais Pale Moon 29.1 lançado com melhorias de desempenho, segurança e muito mais
Nesta nova versão do navegador, algumas substituições de agente de usuário específicas foram atualizadas para compatibilidade com a web, bem como a biblioteca lz4 para atualizações de desempenho e segurança.

Outra mudança importante é o suporte aprimorado ao FreeBSD, além do codec AV1 desabilitado ser usado novamente por padrão, já que nossa implementação tem grandes problemas de streaming (particularmente áudio) que precisam de mais trabalho.

Também implementado é o método String.prototype.replaceAll() que retorna uma nova string (a string original não muda), na qual todas as correspondências são substituídas com base no modelo especificado.

Uma proposta foi implementada para tratar qualquer texto JSON como um subconjunto sintático do ECMAScript, que permite o uso de caracteres delimitadores de linha (U + 2028) e delimitadores de parágrafo (U + 2029) em literais de string.

Das outras mudanças que se destacam:

  • Dados de fuso horário atualizados para 2021a.
  • Redação atualizada e inclusão de mais blocos de licença selecionados em cerca de: licença.
  • Melhor desempenho de stringify JSON.
  • Corrigida uma regressão em que as alterações no suporte do agente de uso exigiam uma reinicialização para entrar em vigor.
  • Corrigida uma regressão em que AES-GCM em WebCrypto (API de criptografia “sutil”) não funcionava. Além disso, a formatação correta das strings retornadas pelo método JSON.stringify() foi fornecida.
  • Adicionado suporte para delimitadores para exibir grandes números em JavaScript (por exemplo, 1_000_000). Substituições de agente de usuário específicas do site atualizadas.

Para saber mais sobre essa versão do Pale Moon, acesse a nota de lançamento.

Como instalar ou atualizar

Para instalar a versão mais recente do Pale Moon nas principais distribuições Linux, use esse tutorial:
Como instalar o navegador Pale Moon no Linux manualmente
Como instalar o navegador Pale Moon no Ubuntu, Debian e derivados

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o Playonlinux no Ubuntu e derivados

Está precisando rodar alguma aplicação ou jogo no Linux e não quer complicação? Para ajudá-lo nessa tarefa, que tal instalar o Playonlinux no Ubuntu?

Embora alguns aplicativos e jogos do Windows já sejam compatíveis com o Linux, ainda existem muitos que só funcionam no Windows.

Como instalar o Playonlinux no Ubuntu e derivados

Como instalar o Playonlinux no Ubuntu e derivados

O PlayOnLinux traz uma solução gratuita, acessível e eficiente para este problema, pois ele permite que você instale e use facilmente inúmeros aplicativos e jogos projetados para funcionar com o Microsoft Windows.

O programa é uma interface simplificada para o Wine, e por isso, você precisa ter ele instalado.

A boa notícia é que para usá-lo, você não precisa possuir uma licença do Windows.

Claro, nem todos os aplicativos e jogos são suportados, entretanto, você pode usar o módulo de instalação manual para tentar resolver isso.

Para conhecer os aplicativos e jogos projetados para funcionar com o Microsoft Windows que funcionam no PlayOnLinux, consulte essa lista.

Veja algumas imagens do Playonlinux

Como instalar o Playonlinux no Ubuntu e derivados

Como instalar o Playonlinux no Ubuntu e derivados

Como instalar o Playonlinux no Ubuntu e derivados

Como instalar o Playonlinux no Ubuntu e derivados

Como instalar o PlayOnLinux no Ubuntu e derivados

Em versões mais recentes, o PlayOnLinux já está disponível nos repositórios padrão do Ubuntu e pode ser instalado pela Central de programas ou usando o comando: sudo apt-get install playonlinux

Mas se você estiver usando uma versão anterior, para instalar PlayOnLinux no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Baixe e instale a chave do repositório do programa com este comando;

wget -q "http://deb.playonlinux.com/public.gpg" -O- | sudo apt-key add -

Passo 3. Adicione o repositório do programa com este comando. Para Linux Mint, substitua $(lsb_release -sc) por xenial no Mint 18.x, e por bionic no Mint 19;

sudo sh -c 'echo "deb http://deb.playonlinux.com/ $(lsb_release -sc) main" >> /etc/apt/sources.list.d/playonlinux.list'

Passo 4. Atualize o APT com o comando;

sudo apt-get update

Passo 5.Agora instale o programa com o comando abaixo:

sudo apt-get install playonlinux

Como instalar o PlayOnLinux no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o PlayOnLinux no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para adicionar o suporte a 32 bits (se necessário);

sudo dpkg --add-architecture i386

Passo 3. Instale o Wine;

sudo apt-get install wine

Passo 4. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome playonlinux.deb:

wget https://www.playonlinux.com/script_files/PlayOnLinux/4.3.4/PlayOnLinux_4.3.4.deb -O playonlinux.deb

Passo 5. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i playonlinux.deb
sudo apt-get install -f

Passo 6. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./playonlinux.deb

Passo 7. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove playonlinux*

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite playonlinux ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Usando o PlayOnLinux

Veja nesse outro tutorial, como instalar um programa usando o PlayOnLinux:
Como instalar o jogo League Of Legends usando o PlayOnLinux

Desinstalando o PlayOnLinux no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o PlayOnLinux no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo apt-get remove playonlinux --auto-remove

Veja também

Você também pode instalar o programa usando esse outro tutorial:
Como instalar o Playonlinux no Linux manualmente

Let's block ads! (Why?)

MakuluLinux Aero – Uma distro que usa um ambiente estilo Windows Aero

Se você é um usuário do Windows que está chegando ao Linux e quer se ‘sentir em casa’, conheça o MakuluLinux Aero descubra onde baixar a distro.

O MakuluLinux é uma distribuição Linux distribuída derivada dos aclamados sistemas operacionais Debian e Ubuntu e projetada a partir do offset para oferecer uma experiência de desktop única no estilo do Windows Aero.

MakuluLinux Aero - Uma distro que usa um ambiente estilo Windows AeroMakuluLinux Aero - Uma distro que usa um ambiente estilo Windows AeroMakuluLinux Aero – Uma distro que usa um ambiente estilo Windows Aero

O ambiente de área de trabalho exclusivo do MakuluLinux Aero foi projetado desde o início para se parecer exatamente com a interface do usuário do sistema operacional Microsoft Windows 7. Os usuários do Windows se sentirão em casa.

A edição Aero do MakuluLinux é atualmente distribuída como uma única imagem ISO Live DVD que contém pacotes otimizados apenas para arquiteturas de hardware de 64 bits (x86_64) e pode ser gravada em uma unidade flash USB de 2 GB ou superior, bem como em um DVD.

Os especialistas em Linux podem reconhecer imediatamente que, de fato, o MakuluLinux Aero usa um tema personalizado que imita o estilo Aero do sistema operacional Windows, além de um ambiente de área de trabalho Cinnamon padrão.

O MakuluLinux Aero oferece uma grande e impressionante coleção de software. Ele vem pré-instalado com o Wine e o PlayOnLinux para que você possa instalar todos os aplicativos e jogos do Windows que desejar, bem como o cliente Steam para Linux, o navegador Web Chromium, o Gerenciador de Pacotes Synaptic e o cliente de mensagens instantâneas Pidgin.

Além disso, o sistema também inclui o cliente de e-mail e groupware Evolution, limpador de sistema BleachBit, programa de desenho Paint do GNOME, cliente torrent Deluge, a suíte de escritório WPS, o conversor de vídeo HandBrake, o editor de vídeo PiTiVi, o software antivírus ClamTk, o Adobe Flash Player, o VLC Media Player, Boot Repair e o Popcorn-Time.

Baixe e experimente o MakuluLinux Aero

A imagem ISO do MakuluLinux já pode ser baixada acessando a página de download da distribuição.

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:

Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação
Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Detalhes da inicialização do MakuluLinux Aero

Ao inicializar o sistema operacional MakuluLinux Aero a partir da mídia inicializável preferida, você notará que a sessão ao vivo será iniciada automaticamente em dez segundos se você não fizer nada.

Pressionar qualquer tecla durante o tempo limite de 10 segundos revelará o menu de inicialização, que permite aos usuários inicializar um sistema operacional existente a partir da unidade local, acessar opções avançadas como a capacidade de iniciar o MakuluLinux em modos de compatibilidade ou recuperação e verificar a integridade de a mídia inicializável (somente se inicializando de um DVD), bem como para reinicializar ou desligar o PC.

Imediatamente após a inicialização do sistema operacional, a sessão live já está totalmente carregada.

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o Money Manager Ex no Linux via Snap

Se você quer ter mais controle sobre seus gastos usando o PC, conheça e veja como instalar o Money Manager Ex no Linux via Snap.

O Money Manager Ex (MMEX) é um software de finanças pessoais gratuito, de código aberto, multiplataforma e fácil de usar.

Como instalar o Money Manager Ex no Linux via SnapComo instalar o Money Manager Ex no Linux via SnapComo instalar o Money Manager Ex no Linux via Snap

Ela ajuda principalmente a organizar as finanças e a saber onde, quando e como vai o dinheiro. O MMEX inclui todos os recursos básicos que 90% dos usuários gostariam de ver em um aplicativo de finanças pessoais.

Os objetivos do projeto são concentrar-se na simplicidade e facilidade de uso – algo que se pode usar todos os dias.

alt
[embedded content]

Como instalar o Money Manager Ex no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o Money Manager Ex via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o Money Manager Ex via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install mmex

Passo 3. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install mmex --edge

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh mmex

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite mmex ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Depois, caso seja necessário, desinstale o Money Manager Ex via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove mmex

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o app de desenho Tux Paint no Linux via Flatpak

Se você quer uma opção para as crianças exercitarem sua criatividade, conheça e veja como instalar o app de desenho Tux Paint no Linux via Flatpak.

Tux Paint é um programa de desenho premiado e gratuito para crianças de 3 a 12 anos. O Tux Paint é usado em escolas de todo o mundo como uma atividade de desenho em informática.

Como instalar o app de desenho Tux Paint no Linux via Flatpak Como instalar o app de desenho Tux Paint no Linux via Flatpak Como instalar o app de desenho Tux Paint no Linux via Flatpak

Ele combina uma interface fácil de usar, efeitos sonoros divertidos e um animador mascote de desenho animado que orienta as crianças enquanto elas usam o programa.

O Tux Paint se destaca de outros programas de edição gráfica (como GIMP ou Photoshop) por ter sido projetado para ser utilizado por crianças a partir dos três anos de idade.

As crianças recebem uma tela em branco e uma variedade de ferramentas de desenho para ajudá-las a serem criativas.

Como instalar o app de desenho Tux Paint no Linux via Flatpak

Para instalar o app de desenho Tux Paint via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o app de desenho Tux Paint via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/org.tuxpaint.Tuxpaint.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update org.tuxpaint.Tuxpaint

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run org.tuxpaint.Tuxpaint em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite tuxpaint ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Depois, se for necessário, desinstale o app de desenho Tux Paint no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall org.tuxpaint.Tuxpaint

Ou

flatpak uninstall org.tuxpaint.Tuxpaint

Let's block ads! (Why?)

Use o PyAudioSelector para alternar entre dispositivos de áudio

Quem não gosta de ter que ficar abrindo as configurações de som apenas para mudar a fonte de áudio, precisa instalar e experimentar o PyAudioSelector, um recurso que permite alternar entre dispositivos de áudio.

PyAudioSelector é um applet indicador GTK3 para os usuários do Ubuntu que permite que estes possam alternar facilmente entre dispositivos de áudio, para todas ou algumas das fontes de áudio.

Use o PyAudioSelector para alternar entre dispositivos de áudio Use o PyAudioSelector para alternar entre dispositivos de áudio Use o PyAudioSelector para alternar entre dispositivos de áudio

Com o applet indicador, você pode até mesmo definir as diferentes fontes de áudio para diferentes dispositivos de saída.

Normalmente, para alternar entre dispositivos de áudio no Ubuntu, basta clicar no indicador de som que fica no painel do Ubuntu e clicar na opção “Configurações de som…”.

Use o PyAudioSelector para alternar entre dispositivos de áudio

Use o PyAudioSelector para alternar entre dispositivos de áudio

Contudo, esse é um longo caminho a ser percorrido para simplesmente alternar entre dispositivos de áudio.
Com o PyAudioSelector isso pode ser resolvido com apenas poucos cliques, e sem precisar abrir uma nova janela.

Instale e use o PyAudioSelector para alternar entre dispositivos de áudio

PyAudioSelector é um projeto de código aberto escrito em Python. Como ele agora está em estágio inicial de desenvolvimento, ainda não possui pacotes de instalação prontos.

Em breve, um repositório para será criado para tornar sua instalação mais fácil. Até lá, siga os passos abaixo para instalar o indicador PyAudioSelector usando o git:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Atualize o sistema com o comando;

sudo apt-get update

Passo 3. Se não tiver o Git no sistema, instale-o com este comando;

sudo apt-get install git

Passo 4. Use o comando abaixo para baixar o código fonte do programa;

cd /tmp/ && git clone https://github.com/agustinmista/PyAudioSelector.git

Passo 5. Navegue até a pasta de origem e executar o script de instalação;

cd /tmp/PyAudioSelector && sudo sh install.sh

Pronto! Uma vez instalado, basta fechar a sessão atual e ele iniciará automaticamente no próximo login.

Não quer trocar entre dispositivos de áudio? Desinstale o PyAudioSelector

Se você não gostar de ter um recurso para alternar entre dispositivos de áudio, basta desinstalar o PyAudioSelector.

Infelizmente ainda não existe um script de desinstalação no momento, mas você pode facilmente remover o applet.

Para isso, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Remova o script python com este comando;

sudo rm /usr/local/bin/PyAudioSelector/PyAudioSelector.py

Passo 3. Remova o arquivo de configuração do programa;

sudo rm /usr/share/PyAudioSelector/config.ini

Passo 4. Finalmente remova o arquivo de auto inicialização do indicador:

rm ~/.config/autostart/PyAudioSelector.desktop

Veja também

Você também pode experimentar usar esse outro aplicativo:
Instale o Sound Switcher Indicator no Ubuntu e derivados

Let's block ads! (Why?)

Como jogar seus jogos da Nintendo no Linux com ZSNES

Se você é fã dos games da Nintendo e quer usá-los no sistema do pinguim, veja como fazer para jogar seus jogos da Nintendo no Linux com ZSNES.

Muitas pessoas amam os jogos da Nintendo, principalmente porque já jogaram eles na infância ou adolescência. Lembra-se de Mario Bros? Se você deseja jogar seus jogos favoritos da Nintendo, então este tutorial é para você.

Como jogar seus jogos da Nintendo no Linux com ZSNES

Como jogar seus jogos da Nintendo no Linux com ZSNES

Para jogar seus games da Nintendo no Linux, tudo o que você precisa para começar é de um emulador SNES e roms SNES.

Para o primeiro quesito, nesse tutorial será usado o ZSNES, um emulador SNES programado em linguagem assembly. Já para o segundo quesito, você pode procura roms SNES no google e baixá-las.

Lembre-se de usar apenas roms autorizadas pela produtora do jogo ou que tenha a cessão de direito autoral em domínio público, para não se enquadrar no crime de pirataria, certo?

Como jogar seus jogos da Nintendo no Linux com ZSNES

Você pode instalar o ZSNES facilmente em sua distribuição Linux usando o gerenciador de pacotes. Basta procurar por znes e instalar.

Se preferir, abra um terminal e execute o comando de instalação para o ZSNES.

No caso do Ubuntu, Debiam e derivados ficaria assim:

sudo apt-get install zsnes

Já no caso do Fedora, CentOS e derivados ficaria assim:

dnf install zsnes

Usando o ZSNES para jogar Roms

Com o aplicativo instalado, execute o ZSNES no menu de aplicativos ou digite ‘zsnes‘ no terminal.

Em seguida, clique no menu “GAME” e depois na opção “LOAD”;

Como jogar seus jogos da Nintendo no Linux com ZSNEComo jogar seus jogos da Nintendo no Linux com ZSNEComo jogar seus jogos da Nintendo no Linux com ZSNE

Na tela que será exibida, vá para a pasta que você baixou a rom do seu jogo, clique no arquivo e depois no botão “LOAD”;

Como jogar seus jogos da Nintendo no Linux com ZSNEComo jogar seus jogos da Nintendo no Linux com ZSNEComo jogar seus jogos da Nintendo no Linux com ZSNE

Pronto! Agora você tem seus jogos favoritos em execução na sua distribuição Linux. Se você precisar de mais roms, pesquise na Internet e encontrará muito mais.

Aproveite os seus jogos favoritos da Nintendo no Linux e divirta-se!

Let's block ads! (Why?)

Como executar o Ubuntu no Chrome OS em um contêiner

Se você prefere rodar o sistema da Canonical no seu Chromebook, veja como executar o Ubuntu no Chrome OS em um contêiner.

Desde o Chrome OS 69, os usuários do Chrome OS (em Chromebooks selecionados) podem instalar e usar aplicativos Linux.

Como executar o Ubuntu no Chrome OS em um contêinerComo executar o Ubuntu no Chrome OS em um contêinerComo executar o Ubuntu no Chrome OS em um contêiner

Referido como projeto Crostini, o que ele faz é executar um sistema operacional Linux em um contêiner LXD (semelhante a uma máquina virtual) para que você possa instalar e executar aplicativos Linux em um ambiente em área restrita.

A distribuição Linux padrão usada no Crostini é o Debian, que é uma distribuição estável em que você pode confiar. No entanto, se você não é fã do Debian por causa de sua antiga lista de softwares, pode mudar para o Ubuntu.

Se você prefere estabilidade e segurança, seguir o contêiner Debian padrão é a melhor escolha.

Caso contrário, você pode mudar para o Ubuntu, pois fornece mais flexibilidade e opções de software.

Claro, existem muitas imagens LXD que você pode usar, portanto você não está restrito ao Ubuntu, prefere o Arch Arch Linux? Também está disponível.

Como executar o Ubuntu no Chrome OS em um contêiner

Este procedimento de comutação exigirá que você acesse o Terminal e digite toneladas de comandos. Se você não estiver confortável com o terminal, isso não é para você. De resto, veja como você pode executar o contêiner Ubuntu no Chrome OS.

Passo 1. Inicialize seu Chromebook e abra o navegador Chrome. Pressione Ctrl + Alt + T para iniciar o Crosh shell. Depois, inicie o terminal com este comando:

vmc start termina

Passo 2. O container Debian padrão é noemado como “penguin”, que é usado para integrar-se ao sistema de arquivos do Chrome OS. Para substituir o Debian, primeiro precisamos remover o contêiner Debian do seu rótulo “penguin”. para isso, use:

lxc stop penguin --force
lxc rename penguin debian

Passo 3. Em seguida, crie um novo contêiner Ubuntu chamado penguin (Isso levará bastante tempo, pois ele puxa a imagem da Internet):

lxc launch ubuntu:18.04 penguin

Passo 4. Depois disso, inicialize no novo contêiner:

lxc exec penguin -- bash

Passo 5. Atualize e atualize o sistema:

apt update
apt upgrade

Passo 6. Instale os pacotes Crostini para que eles possam se integrar ao sistema de arquivos nativo. Digite os seguintes comandos para adicionar o repo de cros-packages’:

echo "deb https://storage.googleapis.com/cros-packages stretch main" > /etc/apt/sources.list.d/cros.list
if [ -f /dev/.cros_milestone ]; then sudo sed -i "s?packages?packages/$(cat /dev/.cros_milestone)?" /etc/apt/sources.list.d/cros.list; fi
apt-key adv --keyserver keyserver.ubuntu.com --recv-keys 1397BC53640DB551
apt update

Passo 7. Instale as dependências com o comando:

apt install binutils

Passo 8. Embora tenhamos adicionado o repositório, não poderemos instalar os pacotes Crostini diretamente. Aqui está a solução alternativa. Faça o download do pacote Crostini com o comando (Você receberá uma mensagem de aviso. Ignore isto):

apt download cros-ui-config

asso 9. Quando o Chromeos Termina de Baixar os pacotes, extraia os pacotes baixados:

ar x cros-ui-config_0.12_all.deb data.tar.gz
gunzip data.tar.gz
tar f data.tar --delete ./etc/gtk-3.0/settings.ini
gzip data.tar
ar r cros-ui-config_0.12_all.deb data.tar.gz
rm -rf data.tar.gz

Passo 10. Instale o pacote Crostini a partir do arquivo deb:

apt install cros-guest-tools ./cros-ui-config_0.12_all.deb

Passo 11. Por fim, remova o pacote baixado:

rm cros-ui-config_0.12_all.deb

Passo 12. Instale o pacote adwaita-icon-theme-full. Sem este pacote, os aplicativos Linux da GUI podem ter um cursor muito pequeno.

apt install adwaita-icon-theme-full

Passo 13. O usuário padrão no contêiner é “ubuntu”. Precisamos removê-lo e substituí-lo pelo seu nome de usuário do Gmail. É essencial usar seu nome de usuário do Gmail (a conta do Gmail que você usa para fazer login no Chromebook) se quiser integrar esse contêiner Ubuntu ao sistema de arquivos nativo. Sem isso, você não poderá acessar seus arquivos Linux no gerenciador de arquivos (lembre-se: nos comandos abaixo, substitua “gmail-username” por seu próprio nome de usuário do Gmail);

killall -u ubuntu
groupmod -n gmail-username ubuntu
usermod -md /home/gmail-username -l gmail-username ubuntu
usermod -aG users gmail-username
loginctl enable-linger gmail-username
sed -i 's/ubuntu/gmail-username/' /etc/sudoers.d/90-cloud-init-users

Passo 14. Quando isso estiver concluído, desligue o recipiente e reinicie o Chromebook;

shutdown -h now

Passo 15. Depois de reiniciado, inicie o aplicativo Terminal no lançador. Se falhar, tente novamente;
Passo 16. Tente atualizar o sistema novamente;

sudo apt update

Passo 17. Se você vir a mensagem de erro: “Não foi possível verificar as seguintes assinaturas porque a chave pública não está disponível: NO_PUBKEY 7638D0442B90D010 NO_PUBKEY 04EE7237B7D453EC”, isso ocorre porque a chave privada do pacote Crostini não foi encontrada no sistema. Adicione a chave privada com o comando abaixo (depois você poderá executar o apt update sem nenhum problema):

sudo apt-key adv --keyserver keyserver.ubuntu.com --recv-keys 7638D0442B90D010 8B48AD6246925553

Pronto! Agora você pode começar a instalar aplicativos Linux com o comando apt install. Por exemplo, para instalar a versão mais recente do Firefox, use o comando:

sudo apt install firefox

Removendo o contêiner Debian

Se você não tiver mais uso para o contêiner Debian, poderá removê-lo para liberar espaço de armazenamento.

Passo 1. No navegador Chrome, pressione Ctrl + Alt + T para iniciar o shell Crosh.
Passo 2. Inicie o terminal:

vmc start termina

Passo 3. Remova o contêiner Debian:

lxc delete debian

Fonte: MakeTechEasier

Let's block ads! (Why?)

03 de março de 2021

Como instalar o Uber Cli no Linux e obter taxas e informações

Se você quer consultar o preço e tempo gasto para chegar a um local usando o Uber no PC, conheça e veja como instalar o Uber Cli no Linux, e obtenha taxas e informações no terminal.

UBER é um serviço que oferece aos seus clientes veículos de transporte com motorista, através do seu software de aplicação móvel, que conecta passageiros com condutores de veículos registrados em seus serviços.

Como instalar o Uber Cli no Linux e obter taxas e informaçõesComo instalar o Uber Cli no Linux e obter taxas e informaçõesComo instalar o Uber Cli no Linux e obter taxas e informações

Por conta disso, o serviço se tornou popular em todo o mundo e gerou muitos debates com os serviços de ‘táxis’ locais de muitas grandes cidades.

Uma das grandes vantagens que o UBER impôs inicialmente foram, em primeiro lugar, suas taxas acessíveis, o poder de aceitar pagamentos por cartão ou paypal e depois em dinheiro. Além do tratamento e bom atendimento (ao menos no inicio).

Para aqueles de vocês que usam regularmente o aplicativo Uber para reservar um táxi, o Uber CLI pode ser um excelente aplicativo que pode ganhar um espaço no seu computador.

O Uber CLI pode ser uma ótima ferramenta que pode ser funcional. Este aplicativo exclusivo de linha de comando permite que você consulte as estimativas de tempo e preço do Uber, sem ter que tirar os olhos da tela do computador.

O Uber CLI é baseado na API do Uber e usa a API de codificação do Google GE para determinar o tempo e o preço.

Esta ferramenta atualmente possui duas funcionalidades: Calcule a taxa que o Uber cobra de um local para outro e verificar o tempo que pode levar um Uber para chegar ao local indicado.

É importante mencionar que o aplicativo não pode ser usado para solicitar o serviço, é apenas para consultar informações.

Dito isso, dá para dizer que é bastante útil, porque você economiza muito tempo em ser consultado a todo momento em seu telefone, quando no computador você pode ter o terminal de um lado e verificar as informações.

Desta forma, quanto você acha que o preço ou a hora de chegada é suficiente para fazer o processo no seu Smartphone e pedir o seu serviço ao preço ou tempo ideal.

Para aqueles que têm interesse em instalar ou testar o aplicativo, basta seguir as instruções do procedimento abaixo.

Como instalar o Uber Cli no Linux

Para instalar o Uber CLI em seu sistema, você deve ter instalado primeiro o npm, que é um gerenciador de pacotes para a linguagem de programação JavaScript.

Ele é o gerenciador de pacotes padrão para o ambiente de execução do JavaScript Node.js. O npm tem um cliente baseado na linha de comando e em seu próprio repositório de pacotes.

Ou seja, o Uber Cli precisa do Nodejs para ser instalado em seu sistema. Se você não tem esse recurso em seu sistema, use um dos tutoriais abaixo:

Descubra como instalar o Node.js no Linux
Veja como instalar o interpretador Node.js no Linux via Snap

Para instalar o Uber Cli no Linux, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Execute o seguinte comando para instalar o Uber Cli em seu sistema usando o comando npm. Ele instalará todos os outros módulos de nó necessários em seu sistema;

sudo npm install -g uber-cli

Usando o UberCli

Como mencionamos no início, o Uber CLI é um aplicativo que é usado a partir da linha de comando, portanto, para o seu uso, vamos abrir um terminal.

Agora, se você quiser saber o tempo estimado que o motorista levará para chegar aonde você está, basta usar o seguinte comando (Onde você vai substituir ‘endereço’ com o seu endereço e você deve respeitar o ”):

uber time 'endereço'

Agora, caso você queira saber o custo do serviço de uma viagem que deseja fazer, faça isso executando o seguinte comando (Onde obter o preço estimado entre o pickup onde você indica com -s e o endereço de destino indicado com -e. E da mesma forma você deve respeitar o ”):

uber price -s 'endereço onde você está' -e 'endereço onde você quer ir'

Em muitos casos, é importante colocar a cidade, pois há momentos em que há muitas ruas com o mesmo nome.

Let's block ads! (Why?)

Como instalar a ferramenta RAD Glade no Linux via Flatpak

Se você precisa agilizar o desenvolvimento de interfaces de usuário, conheça e veja como instalar a ferramenta RAD Glade no Linux via Flatpak.

O Glade é uma ferramenta RAD para permitir o desenvolvimento rápido e fácil de interfaces de usuário para o kit de ferramentas GTK + 3 e o ambiente de desktop GNOME.

Como instalar a ferramenta RAD Glade no Linux via Flatpak Como instalar a ferramenta RAD Glade no Linux via Flatpak Como instalar a ferramenta RAD Glade no Linux via Flatpak

As interfaces de usuário projetadas no Glade são salvas como XML e podem ser carregadas pelos aplicativos dinamicamente conforme necessário, usando o GtkBuilder ou usadas diretamente para definir uma nova classe de objeto derivada do GtkWidget usando o novo recurso de modelo do GTK +.

Usando o GtkBuilder, os arquivos XML Glade podem ser usados em várias linguagens de programação, incluindo C, C ++, C #, Vala, Java, Perl, Python e outros.

Como instalar a ferramenta RAD Glade no Linux via Flatpak

Para instalar a ferramenta RAD Glade via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar a ferramenta RAD Glade no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/org.gnome.Glade.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update org.gnome.Glade

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run org.gnome.Glade em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite glade ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Depois, se for necessário, para desinstale a ferramenta RAD Glade via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall org.gnome.Glade

Ou

flatpak uninstall org.gnome.Glade

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o gerenciador de jogos Lutris no Linux

Se você quer centralizar seus games instalados ou não, conheça e veja como instalar o gerenciador de jogos Lutris no Linux.

Lutris é uma plataforma de jogos de código aberto para Linux. Ela permite que você colete e gerencie (instale, configure e inicie) todos os seus jogos adquiridos a partir de qualquer fonte, em uma única interface.

Como instalar o gerenciador de jogos Lutris no Linux Como instalar o gerenciador de jogos Lutris no Linux Como instalar o gerenciador de jogos Lutris no Linux

Lutris nada mais é do que um aplicativo que busca centralizar todos os jogos que sua equipe pode rodar coletando os jogos que você possui em lojas virtuais como GOG, Humble Bumble ou o todo-poderoso Steam e, além disso, irá gerenciar os jogos que você instalou em seu computador, tanto nativo quanto emulado.

Claro, é um aplicativo que conta com a criação de scripts de instalação criados pela Comunidade, por isso tem o poder das pessoas por trás dele.

Lutris é um aplicativo que utiliza bibliotecas Python 3 e GTK, e sua instalação é muito simples em quase todas as distribuições, mas acho bom fazer uma explicação para aqueles usuários que ainda não têm muita experiência no mundo GNU/Linux.

Este é um projeto pessoal de Mathieu Comandon que precisa de todo apoio que pudermos dar, então recomendo que você visite sua página de doações se você gosta do projeto e deseja financiá-lo de alguma forma (qualquer doação é bem-vinda, por menor que seja).

Como instalar o gerenciador de jogos Lutris no Linux

Para instalar o gerenciador de jogos Lutris no Linux, use um dos procedimentos abaixo.

Como instalar o gerenciador de jogos Lutris no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o gerenciador de jogos Lutris no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:lutris-team/lutris

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install lutris

Como instalar o gerenciador de jogos Lutris no Debian e seus derivados

Para instalar o gerenciador de jogos Lutris no Debian e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Adicione o repositório do programa e sua chave com estes comandos;

echo "deb http://download.opensuse.org/repositories/home:/strycore/Debian_10/ ./" | sudo tee /etc/apt/sources.list.d/lutris.list
wget -q https://download.opensuse.org/repositories/home:/strycore/Debian_10/Release.key -O- | sudo apt-key add -

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install lutris

Como instalar o gerenciador de jogos Lutris em outras distribuições

Nas seguintes distribuições Solus, opeSUSE, Arch Linux, Manjaro, Fedora e Clear Linux, Lutris está em seus repositórios básicos, portanto, a ordem de instalação deve simplesmente ser executada no console:

Solus: sudo eopkg it lutris
openSUSE: sudo zypper in lutris
Arch Linux, Manjaro e derivados: sudo pacman -S lutris
Manjaro: sudo dnf install lutris
Clear Linux: sudo swupd bundle-add lutris

E finalmente, em distribuições como Mageia, Gentroo, CentOS, Pop!_OS ou Slackware, basta pesquisar seus Centros de Software.

Além disso, se formos para a página de download do Lutris, veremos que temos uma explicação detalhada para dezenas de distribuições, então explicarei apenas algumas.

Veja também

Como instalar o cliente Lutris no Linux Ubuntu, Debian, Mint, Fedora, OpenSuSe e derivados
postlist tags=”jogos” requesttype=”1″ number=”4″]

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o utilitário Video Downloader no Linux via Flatpak

Se você precisa baixar vídeos de algum serviço online de um jeito fácil, conheça e veja como instalar o utilitário Video Downloader no Linux via Flatpak.

Baseado no youtube-dl, o Video Downloader é um utilitário que permite que o usuário baixe vídeos de sites com uma interface fácil de usar.

O programa torna possível converter vídeos para MP3, suporta vídeos protegidos por senha e privados
Baixe vídeos únicos ou playlists inteiras e seleciona automaticamente um formato de vídeo com base na sua resolução preferida.

Como instalar o utilitário Video Downloader no Linux via FlatpakComo instalar o utilitário Video Downloader no Linux via FlatpakComo instalar o utilitário Video Downloader no Linux via Flatpak

Como instalar o utilitário Video Downloader no Linux via Flatpak

Para instalar o utilitário Video Downloader via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o utilitário Video Downloader via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/com.github.unrud.VideoDownloader.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update com.github.unrud.VideoDownloader

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run com.github.unrud.VideoDownloader em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite video ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar o utilitário Video Downloader no Linux via Flatpak

Para desinstalar o utilitário Video Downloader via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall com.github.unrud.VideoDownloader

Ou

flatpak uninstall com.github.unrud.VideoDownloader

Veja também

Você também pode instalar o programa usando esse outro tutorial:
Como instalar o Video Downloader no Linux via Snap

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via AppImage e DEB

Se você quer colocar suas tarefas em ordem e ser mais produtivo, conheça e veja como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via AppImage.

O Google Tasks é o serviço de gerenciamento de tarefas do Google que está disponível para todos que possuem uma conta Google. Com ele, é possível adicionar, excluir e organizar as suas tarefas para aumentar a produtividade dos usuários.

Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via AppImage Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via AppImage Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via AppImage

E o Google Tasks Desktop é um aplicativo de desktop para o Google Tasks (não oficial), usando o React e a API de tarefas do google.

Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux

Para instalar o Google Tasks Desktop no Linux, use um dos procedimentos abaixo.

Como instalar o Google Tasks Desktop no Linux via arquivo AppImage

Para instalar o Google Tasks Desktop no Linux via arquivo AppImage, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome tasks.appimage:

wget https://github.com/Pong420/google-tasks-desktop/releases/download/3.1.1/Google.Tasks-3.1.1.AppImage -O tasks.appimage

Passo 5. Dê permissão de execução para o arquivo baixado;

chmod +x tasks.appimage

Passo 6. Agora instale o programa com o comando;

sudo ./tasks.appimage

Passo 7. Quando você inicia o arquivo pela primeira vez, será perguntado se deseja integrar o programa com o sistema. Clique em “Yes” (Sim) se quiser integrá-lo ou clique em “No” (Não), se não quiser. Se você escolher Sim, o iniciador do programa será adicionado ao menu de aplicativos e ícones de instalação. Se você escolher “No”, sempre terá que iniciá-lo clicando duas vezes no arquivo AppImage.

Como instalar o programa no Linux Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o programa no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome tasks.deb:

wget https://github.com/Pong420/google-tasks-desktop/releases/download/3.1.1/google-tasks-desktop_3.1.1_amd64.deb -O tasks.deb

Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i tasks.deb
sudo apt-get install -f

Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./tasks.deb

Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove tasks*

Como instalar o programa no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e derivados

Quem quiser instalar o programa no Linux Fedora, OpenSUse, CentOS e outros sistemas que suportam arquivos .rpm, tem de fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome tasks.rpm:

wget https://github.com/Pong420/google-tasks-desktop/releases/download/2.0.3/google-task-desktop-2.0.3.x86_64.rpm -O tasks.rpm

Passo 4. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install tasks.rpm

Passo 5. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall tasks.rpm

ou

sudo dnf install tasks.rpm

Passo 6. Para instalar o programa na maioria das distro com suporte a arquivos RPM, use o comando:

sudo rpm -i tasks.rpm

Passo 7. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo rpm -e tasks*

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite tasks ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Integrando os aplicativos AppImage no sistema

Se você quiser integrar melhor esse programa no seu sistema, instale o AppImageLauncher, usando esse tutorial:
Como instalar o integrador AppImageLauncher no Linux

Let's block ads! (Why?)

Brave lançará seu mecanismo de busca para substituir o do Google

Brave lançará seu mecanismo de busca para substituir o do Google, em uma tentativa de levar mais privacidade para os seus usuários.

Brave, o navegador que conta com o ex-Mozilla Brendan Eich entre seus fundadores, planeja lançar seu próprio navegador.

E considerando que a privacidade e o desenvolvimento de uma forma de recompensar os criadores de conteúdo sem publicidade invasiva estão entre os objetivos do projeto, a mudança pode ser interessante.

Brave lançará seu mecanismo de busca para substituir o do Google

Brave lançará seu mecanismo de busca para substituir o do Google Brave lançará seu mecanismo de busca para substituir o do Google Brave lançará seu mecanismo de busca para substituir o do Google
No entanto, o novo navegador para desktop e celular não será construído do zero. A Brave anunciou a aquisição de um mecanismo de busca de código aberto originalmente desenvolvido pela equipe responsável por um navegador descontinuado e um combo de mecanismo de busca chamado Cliqz.

Com base neste motor, a Brave pretende proporcionar aos seus utilizadores uma experiência de pesquisa e navegação que não seja controlada por grandes tecnologias.

De acordo com o comunicado à imprensa:

“Sob o capô, quase todos os mecanismos de pesquisa de hoje são desenvolvidos ou dependem dos resultados de grandes empresas de tecnologia. Em vez disso, o mecanismo de busca Tailcat é construído em um índice completamente independente, capaz de oferecer a qualidade que as pessoas esperam, sem comprometer sua privacidade.

Tailcat não coleta endereços IP ou usa informações de identificação pessoal para melhorar os resultados da pesquisa.”

O engraçado é que o Brave (um navegador baseado no Chromium) vai usar um projeto dos desenvolvedores do Cliqz, um fork europeu do Mozilla Firefox focado na privacidade.

O projeto foi encerrado em maio do ano passado, quando o principal patrocinador retirou o financiamento devido à pandemia.

Foi assim que os desenvolvedores, agora incorporados como funcionários da Brave) começaram a trabalhar no Tailcat (Cat’s Tail), a equipe de engenharia é liderada pelo Dr. Josep M. Pujol.

O líder da Mozilla descreveu sua nova aquisição:

“Tailcat é um mecanismo de pesquisa totalmente independente com seu próprio índice de pesquisa criado a partir do zero. Como Brave Search oferecerá as mesmas garantias de privacidade que Brave tem em seu navegador.”

Eich faz uma promessa muito interessante:

“A Brave fornecerá a primeira alternativa de navegador + busca privada às plataformas Big Tech, e fará com que os usuários naveguem e pesquisem sem problemas com privacidade garantida. Além disso, devido à sua natureza transparente, o Brave Search abordará tendências algorítmicas e evitará a censura absoluta.”

De acordo com a própria Brave, o navegador cresceu de 11 milhões de usuários ativos mensais para 25 milhões. Isso reflete um aumento do interesse pela privacidade, cujo maior exemplo foi a migração em massa do WhatsApp para o Telegram ou Signal.

Esquecida do revés sofrido ao saber que inseriam os referidos links em determinadas páginas, a empresa está otimista com o futuro.

“Esperamos ver uma demanda ainda maior para o Brave em 2021, à medida que mais e mais usuários demandam soluções de privacidade reais para escapar das práticas invasivas da Big Tech. A missão do Brave é colocar o usuário em primeiro lugar e a integração da privacidade. Pesquisa que preserva a privacidade em nossa plataforma é uma etapa necessária para garantir que a privacidade do usuário não seja pilhada para alimentar a economia da vigilância.”

Brave Search será oferecido como uma opção aos usuários junto com uma lista das opções mais populares (Google, Bing, Qwant, Ecosia, etc.) para que o usuário possa escolher seu mecanismo de busca padrão.

Na minha experiência com motores de busca alternativos (mesmo os de grandes empresas), é que eles não fornecem os mesmos resultados em pesquisas locais.

Embora, como Eich aponta, o Google esteja preso no fato de que a publicidade é sua principal fonte de receita e, portanto, não pode fazer modificações substanciais em seu mecanismo de busca.

Torna-se irritante quando você está procurando informações sobre um item e precisa navegar por uma página inteira de sites de compra e venda.

Estima-se que o motor de busca estará disponível no verão europeu. Mas, se você quiser experimentar antes, pode se inscrever aqui.

Claro, o Gmail, por algum motivo, envia o e-mail de confirmação para a pasta Spam. Por que será?

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o gestor de pacotes Pip no Ubuntu, Debian e derivados

Se você precisa usar módulos Python que não são disponibilizados pela sua distribuição, conheça e veja como instalar o gerenciamento de pacotes Pip no Ubuntu, Debian e derivados.

O Pip é um sistema de gestão de pacotes que simplifica a instalação e o gerenciamento de pacotes de software escritos em Python, como os encontrados no Python Package Index (PyPI).

Como instalar o gestor de pacotes Pip no Ubuntu, Debian e derivadosComo instalar o gestor de pacotes Pip no Ubuntu, Debian e derivadosComo instalar o gestor de pacotes Pip no Ubuntu, Debian e derivados

Infelizmente, O Pip não é instalado por padrão no Debian, Ubuntu e derivados, mas a sua instalação é bem simples.

E neste tutorial, será mostrado como instalar o Pythonpip no Ubuntu, Debian e derivados, usando o gerenciador de pacotes desses sistema e mostrar as noções básicas sobre como instalar e gerenciar pacotes Python com o pip.

Antes de instalar e usar o Pip, esteja ciente de que ao instalar globalmente módulos python, você deve preferir instalar módulos Python fornecidos pela distribuição usando o apt, porque eles foram testados para funcionar corretamente no Ubuntu, Debian e derivados.

Então, use o pip para instalar módulos python globalmente somente se não houver nenhum pacote rpm para o módulo python.

Na maioria dos casos, você deve usar o pip apenas dentro de um ambiente virtual. O Python Virtual Environments permite que você instale módulos do Python em um local isolado para um projeto específico, em vez de ser instalado globalmente.

Dessa forma, você não precisa se preocupar em afetar outros projetos do Python.

Como instalar o gerenciamento de pacotes Pip no Ubuntu, Debian e derivados

Para instalar o gerenciamento de pacotes Pip no Ubuntu, Debian e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 3. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install python-pip

Passo 4. Para verificar se o pip está instalado corretamente, execute o seguinte comando;

pip --version

O número da versão pode variar, mas será algo como isto:

pip 8.1.2 from /usr/lib/python2.7/site-packages (python 2.7)

Usando o Pip

Com o pip, vocẽ pode instalar pacotes do PyPI, controle de versão, projetos locais e de arquivos de distribuição. Normalmente você instalará pacotes do PyPI.

Por exemplo, se você quiser instalar um pacote chamado twisted (O twisted é um framework de rede assíncrona escrito em Python), basta usar o seguinte comando:

pip --versionpip install twisted

Para desinstalar um pacote, use esse comando:

pip uninstall twisted

Para pesquisar, use:

pip search "twisted"

Para listar pacotes instalados:

pip list

Para listar pacotes desatualizados:

pip list --outdated

Gostou? Agora você já pode explorar esse importante recurso do Python e instalar e desinstalar facilmente os módulos do Python.

Para mais informações sobre o pip, consulte o guia do usuário do pip. Se você tiver alguma dúvida ou opinião, fique à vontade para escrever nos comentarios.

Let's block ads! (Why?)

Como compartilhar arquivos no Linux com um único comando

Se você acha difícil distribuir arquivos entre um sistema Linux e, por exemplo, um Windows ou macOS, veja como instalar o Serve e usá-lo para compartilhar arquivos no Linux com um único comando.

Existem várias opções de compartilhamento de arquivos para Linux, algumas para ambientes homogêneos (LinuxLinux) e outras para heterogêneos (LinuxWindowsmacOS), como o Samba.

Como compartilhar arquivos no Linux com um único comandoComo compartilhar arquivos no Linux com um único comandoComo compartilhar arquivos no Linux com um único comando

Entretanto, nem sempre o Samba pode ser a melhor opção para usuários menos experientes, principalmente, por conta da complexidade de sua configuração.

Felizmente, sempre existe uma boa alternativa. Nesse caso, ela se chama Serve e é um módulo que faz exatamente o que você está procurando: Ele fornece uma interface limpa para listar o conteúdo do diretório e alternar para subpastas.

E abaixo, você verá como instalar e usar esse recurso.

Como compartilhar arquivos no Linux com um único comando

Para instalar o Serve, primeiramente, você precisa instalar o Node.js e o gerenciador de pacotes JavaScript NPM.

No Ubuntu e derivados, você pode usar o comando sudo apt-get install nodejs npm. Se estiver usando outra distro, consulte esses tutoriais:

Descubra como instalar o Node.js no Linux
Veja como instalar o interpretador Node.js no Linux via Snap

Depois, para instalar e usar o Serve, faça o seguinte:

Abra um terminal e instale o serve com o seguinte comando;

npm install -g serve

Para compartilhar uma pasta, use o seguinte comando (substitua ‘pasta’ pelo nome da pasta que você quer compartilhar):

serve pasta/

Se você quiser usar uma porta de comunicação diferente da padrão, basta usar o comando da seguinte forma (substitua ‘pasta’ pelo nome da pasta que você quer compartilhar e ‘1234’ pelo número da porta):

serve -p 1234 pasta/

Se você quiser utilizar ssl, basta que usar o comando assim:

serve --ssl pasta/

E lembre-se: para acessar o compartilhamento, abra um navegador e digite o nome/ip do servidor, seguido de dois pontos e do numero da porta (que por padrão é 5000), como na imagem do inicio deste tutorial.

Let's block ads! (Why?)

Como detectar o ambiente gráfico do Linux usando o terminal

Se você está usando o sistema do pinguim e não sabe qual ambiente está rodando, veja como detectar o ambiente gráfico do Linux usando o terminal.

O Linux é basicamente um kernel e ferramentas. A maiorias das distribuições antigamente iniciavam exibindo apenas o prompt do terminal.

Como detectar o ambiente gráfico do Linux usando o terminalComo detectar o ambiente gráfico do Linux usando o terminalComo detectar o ambiente gráfico do Linux usando o terminal

Depois de um tempo, surgiram vários ambientes gráficos que passaram a ser iniciados logo que o sistema for carregado.

Atualmente, o Linux oferece um infinidade ambientes gráficos que podem ser utilizados pelos usuários como a área de trabalho.

Sim. O Linux não se resume apenas a KDE, GNOME, MATE, Cinnamon ou qualquer um dos ambientes gráficos mais populares. Existem tantos ambientes, que as vezes fica difícil escolher.

Apesar dessa variedade, nem sempre é fácil descobrir qual ambiente está sendo executado. A menos que você seja um veterano em sistemas Linux e que tenha testado a maioria dos ambientes gráficos.

Muito embora alguns ambientes ofereçam uma forma de identificá-los, isso nem sempre é verdadeiro com outros. Nessa horas, o terminal continuam sendo a melhor opção para usar.

Como detectar o ambiente de área de trabalho do Linux usando o terminal

Existem várias opções disponíveis para identificar o ambiente de área de trabalho em execução em uma área de trabalho do Linux. Aqui mostrarei duas opções.

Primeiro, execute o seguinte comando para verificar o nome do Desktop Environment.

echo $XDG_CURRENT_DESKTOP

Além disso, você também pode identificar a área de trabalho, verificando os processos atualmente em execução.

no exemplo abaixo, o comando mostrará os processos em execução para desktops XFCE ou KDE ou GNOME.

ps -e | grep -E -i "xfce|kde|gnome"

Você verá os resultados abaixo. De acordo com o resultado abaixo, a área de trabalho do GNOME está sendo usada neste sistema.

Como detectar o ambiente gráfico do Linux usando o terminal

Como detectar o ambiente gráfico do Linux usando o terminal

Por fim, você também pode tentar usando o programa wmctrl. Para isso, primeiro instale ele com o gerenciador de pacotes da su distribuição Linux. No caso do Ubuntu, Debian e derivados, usa-se o seguinte comando:

sudo apt-get install wmctrl 

Depois, basta executar o comando abaixo:

wmctrl -m

O resultado será algo como isso aqui;

Name: GNOME Shell
Class: N/A
PID: N/A
Window manager's "showing the desktop" mode: OFF

E então? Gostou da dica? Deixe sua opinião nos comentários.

Let's block ads! (Why?)

Como instalar uma VPN no Ubuntu com ExpressVPN usando o terminal

Se você precisa de uma boa opção de rede virtual privada, conheça e veja como instalar uma VPN no Ubuntu com ExpressVPN usando o terminal.

Do inglês Virtual Private Network (ou Rede privada virtual), uma PN é uma rede de comunicações privada que é construída sobre uma rede de comunicações pública (como por exemplo, a Internet).

Como instalar uma VPN no Ubuntu com ExpressVPN usando o terminalComo instalar uma VPN no Ubuntu com ExpressVPN usando o terminal
source/credit – https://pt.wizcase.com/reviews/expressvpn/ Como instalar uma VPN no Ubuntu com ExpressVPN usando o terminal

A VPN cria uma conexão segura e criptografada, que pode ser considerada como um túnel, entre o seu computador e um servidor operado pelo serviço VPN, onde você pode surfar na web com segurança.

Ou seja, uma VPN é uma conexão estabelecida sobre uma infraestrutura pública ou compartilhada, usando tecnologias de tunelamento e criptografia, para manter seguros os dados trafegados.

As VPNs seguras usam protocolos de criptografia por tunelamento para fornecer a confidencialidade, autenticação e integridade necessárias para garantir a privacidade das comunicações requeridas.

Dentre os protocolos que normalmente são aplicados em uma VPN estão: Layer 2 Tunneling Protocol (L2TP), L2F, Point-to-Point Tunneling Protocol (PPTP) e o IP Security Protocol (IPsec).

Por conta disso, quando adequadamente implementados, estes protocolos podem assegurar comunicações seguras através de redes inseguras.

Infelizmente, a implementação e uso destes protocolos não é algo trivial, e várias soluções de VPN inseguras podem ser encontradas no mercado. Um exemplo de um bom serviço de VPN é o ExpressVPN.

O ExpressVPN é um serviço de rede privada virtual oferecido pela empresa Express VPN International Ltd., que é sediada nas Ilhas Virgens Britânicas.

O software é comercializado como uma ferramenta de privacidade e segurança que criptografa o tráfego da Web dos usuários e mascara seus endereços

Como instalar uma VPN no Ubuntu com ExpressVPN usando o terminal

Para utilizar a ExpressVPN no Ubuntu, primeiramente você precisa se cadastrar no site do serviço e aguardar um e-mail confirmando esse cadastramento.

Depois, clique no link no e-mail de boas-vindas ou entre no site, e clique em Configurar em mais dispositivos.

Clique em Manual Config no lado esquerdo da tela, e selecione a aba OpenVPN à direita. Você verá primeiro seu nome de usuário e senha e, em seguida, uma lista de arquivos de configuração do OpenVPN.

Encontre a(s) localização (ões) do servidor a que você deseja se conectar (por exemplo, Los Angeles, Nova York, Hong Kong), baixe e salve o(s) arquivo(s) .ovpn em sua pasta pessoal (/home/usuário).

Lembre-se: Você precisa ter seu nome de usuário e senha prontos, pois você será solicitado a inseri-los mais tarde no processo de configuração.

Depois de baixar o arquivo, abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T).

Se ainda não tiver no seu sistema, instale o OpenVPN com o comando abaixo;

sudo apt-get install -y openvpn

Em seguida, use o comando abaixo para iniciar a configuração da VPN no OpenVPN (altere a o item nome-arquivo-configuracao para o nome do arquivo de configuração que você salvou).

sudo openvpn --config nome-arquivo-configuracao

Para conectar o OpenVPN, quando o caminho estiver carregado, pressione Enter para iniciar a conexão com o servidor. Aguarde a sequência de conexão terminar. Uma vez que a conexão foi estabelecida com sucesso, você deve ver a mensagem “Initialization Sequence Completed” (Sequência de inicialização concluída).

Para a VPN continuar ativa, a janela do Terminal deve permanecer ativa/aberta. Ou seja, você pode minimizá-la, apenas não feche a janela.

Como desconectar a VPN

Para desconectar, vá para a janela do terminal e pressione as teclas Ctrl + C.

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o cliente Skype no Linux via Snap/Flatpak

Se você quer usar Skype em sua distribuição e não achou pacotes para ele, veja como instalar o Skype no Linux via Snap/Flatpak.

Skype é o aplicativo de mensagens e vídeo chamadas da Microsoft. O programa já possui versões para Linux, porém, apenas em formato DEB/RPM (e também Flatpak).

Como instalar o cliente Skype no Linux via Snap/FlatpakComo instalar o cliente Skype no Linux via Snap/FlatpakComo instalar o cliente Skype no Linux via Snap/Flatpak

A boa notícia é que o Skype para Linux agora está disponível como snap, o formato universal de empacotamento de aplicativos para Linux, com fácil instalação e atualizações automáticas.

Com o suporte a Snap, o Skype pode ser facilmente instalado no Linux Mint, Manjaro, Debian, Arch Linux, OpenSuSE, Solus e Ubuntu (dentre outras distros com suporte a Snap) e, além disso, os usuários podem receber atualizações automáticas, sempre que novas versões estiverem prontas.

Como instalar o cliente Skype no Linux via Snap/Flatpak

Normalmente, para instalar o Skype no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados, você só precisa acessar essa página, escolher e baixar o pacote para seu sistema (DEB ou RPM) e clicar nele, para que o gerenciador de pacote de sua distro faça a instalação.

Mas se você prefere usar a linha de comando, siga os passos desses outros tutoriais.
Como instalar a nova versão do Skype no Linux Ubuntu, Debian, Fedora e derivados
Como instalar a versão mais recente do Skype no Linux via repositório

Agora, se você quiser instalar o Skype em distribuições que suportam os formatos Snap e Flatpak, e receber as futuras atualizações dele, siga um dos procedimentos abaixo.

Como instalar a versão mais recente do Skype no Linux em distros que suportam Snap

Para instalar a versão mais recente do Skype no Linux em distros que suportam Snap, você deve fazer o seguinte:

Para instalar o Skype no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o Skype no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale o programa, usando esse comando:

snap install skype --classic

Passo 3. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh skype --classic

Passo 4. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove skype --classic

Como instalar o Skype no Linux via Flatpak

Para instalar o Skype no Linux via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o Skype no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --from https://flathub.org/repo/appstream/com.skype.Client.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update com.skype.Client

Passo 4. E se precisar desinstalar o programa, execute o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall com.skype.Client

Ou

flatpak uninstall com.skype.Client

Quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run com.skype.Client em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite skype ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Let's block ads! (Why?)

Instalando o Gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu

Procurando uma ferramenta para ajudar nos seus downloads? Experimente instalar o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e seus derivados.

JDownloader é um gerenciador de downloads gratuito escrito em Java e consequentemente, multiplataforma. Ele possui uma grande comunidade de desenvolvedores que trabalha continuamente para torná-lo tão fácil e rápido quanto possível.

Instalando o Gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu

Instalando o Gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu

Com o JDownloader o usuário pode iniciar, parar ou fazer uma pausa nos downloads, estabelecer limites de largura de banda, auto extrair arquivos e muito mais.

A principal vantagem do JDownloader é que ele pode baixar arquivos nos sites de hospedagem mais complicados como: RapidShare, EasyShare e vários outros.

Assim, se você tiver uma conta que dá privilégios em qualquer um dos sites compatíveis, poderá aproveitá-lo ainda mais com este software.

Para completar, o JDownloader permite baixar e converter vídeos do YouTube e vários outros sites similares, automaticamente (formato MP4, 3GP, MP3 ou FLV).

O programa também possui ferramentas que automatizam tarefas, basta selecionar o que deseja e ele faz tudo sozinho.

Com isso, os usuários podem evitar ter que ficar horas e horas na frente do PC, simplesmente esperando os downloads serem finalizados.

Veja como instalar o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e derivados

Para instalar o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash/Atividades ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:jd-team/jdownloader

Passo 3. Atualize o Apt digitando o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Para instalar o programa, use este comando:

sudo apt-get install jdownloader-installer

Como instalar o gerenciador de downloads JDownloader manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não conseguiram instalar com o procedimento acima, não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, você pode pegar o arquivo DEB do programa na página de download do repositório e instalar ele manualmente (clicando duas vezes nele).

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite jdownloader no Dash (ou em terminal, seguido da tecla TAB).

Se for necessário, o programa automaticamente será atualizado para a última versão, logo no inicio da execução.

Desinstalando o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o gerenciador de downloads JDownloader no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:jd-team/jdownloader -R -Y
sudo apt-get remove jdownloader-installer --auto-remove

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o jogo ET: Legacy no Linux via Flatpak

Se você gosta de trabalhar em equipe e quer se divertir, conheça e veja como instalar o jogo ET: Legacy no Linux via Flatpak.

ET: Legacy é um projeto de código aberto baseado no código de Wolfenstein: Enemy Territory que foi lançado em 2010 sob os termos da GPLv3.

Como instalar o jogo ET: Legacy no Linux via Flatpak Como instalar o jogo ET: Legacy no Linux via Flatpak Como instalar o jogo ET: Legacy no Linux via Flatpak

ET: Legacy é um jogo multijogador gratuito para download, no qual os jogadores guerreiam como Eixo ou Aliados em combate baseado em equipe.

Como dito acima, é um jogo de equipe; você vai ganhar ou cair junto com seus camaradas.

A única maneira de completar os objetivos que levam à vitória é pela cooperação, com cada jogador protegendo seus companheiros de equipe e usando as habilidades especiais de sua classe em conjunto com os outros.

Apresentando suporte multiplayer para até 64 jogadores, ET: Legacy é o teste definitivo de comunicação e trabalho em equipe no campo de batalha.

Os jogadores entram na briga como uma das cinco classes de personagens distintas, cada uma com habilidades de combate exclusivas.

Cada equipe do Eixo ou Aliados pode se dividir em equipes de fogo menores para uma comunicação rápida e fácil, usando um sistema de mensagens intuitivo e um mapa de comando dinâmico de todo o campo de batalha.

Como instalar o jogo ET: Legacy no Linux via Flatpak

Para instalar o jogo ET: Legacy no Linux via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o jogo ET: Legacy no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/com.etlegacy.ETLegacy.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update com.etlegacy.ETLegacy

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run com.etlegacy.ETLegacy em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite etlegacy ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Depois, se for necessário, para desinstalar o jogo ET: Legacy no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall com.etlegacy.ETLegacy

Ou

flatpak uninstall com.etlegacy.ETLegacy

Let's block ads! (Why?)

Transmitir jogos Steam de qualquer PC? Já Saiu o Steam Link para Linux

Quer transmitir jogos Steam de qualquer PC? A boa notícia é que já Saiu o Steam Link para Linux e agora você também já pode fazer isso.

Lançado pela Valve há alguns anos, o aplicativo Steam Link está disponível gratuitamente para dispositivos Android, iPhone, iPad, Apple TV e Raspberry Pi para permitir que você transmita seus jogos Steam para telefones, tablets e TVs.

E agora, Valve e Collabora anunciaram que o aplicativo Steam Link agora está disponível para sistemas operacionais baseados em Linux para ajudá-lo a transmitir jogos Steam de qualquer outro PC em sua casa.

Transmitir jogos Steam de qualquer PC? Já Saiu o Steam Link para Linux

Transmitir jogos Steam de qualquer PC? Já Saiu o Steam Link para Linux Transmitir jogos Steam de qualquer PC? Já Saiu o Steam Link para Linux Transmitir jogos Steam de qualquer PC? Já Saiu o Steam Link para Linux
Graças aos incríveis desenvolvedores da Collabora, o aplicativo Steam Link agora está disponível para sistemas Linux de 64 bits como um aplicativo Flatpak que você pode instalar em qualquer distribuição Linux a partir do Flathub ou seguindo as instruções do tutorial citado no final deste artigo.

O aplicativo permite que você transmita jogos do Steam de computadores Windows ou Mac, onde o cliente Steam da Valve está sendo executado, em seu PC Linux.

Para iniciar o streaming de jogos Steam de outros computadores, tudo que você precisa é o aplicativo Steam Link e uma rede sem fio poderosa, de preferência 5 GHz.

A Valve recomenda enfaticamente o uso de uma rede com fio ao fazer streaming de jogos.

Se o dispositivo rodando Steam não for detectado, você pode ir para “Outros Computadores” e inserir um número PIN em Steam> Configurações> Reprodução Remota no outro computador rodando o Cliente Steam.

Claro, você também precisará conectar um controlador compatível para uma melhor experiência de jogo.

Uma vez que o aplicativo Steam Link é instalado e conectado com sucesso ao outro PC em sua rede doméstica, você pode iniciar o streaming de jogos Steam em seu PC Linux.

Este aplicativo pode ser útil quando você realmente deseja jogar jogos do Windows ou Mac que não estão disponíveis no Linux, em sua máquina Linux, mas você não deseja usar o software Steam Play e Proton da Valve ou eles ainda não são suportados usando essas tecnologias.

Como instalar

Para instalar a versão mais recente do Steam Link nas principais distribuições Linux, use esse tutorial:
Como instalar o streamer de jogos Steam Link no Linux via flatpak

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o streamer de jogos Steam Link no Linux via Flatpak

Se você quer jogar seus jogos Steam em qualquer aparelho da sua rede, conheça e veja como instalar o streamer de jogos Steam Link no Linux via Flatpak.

Steam Link é um streamer de jogos de outro computador com Steam. O aplicativo Steam Link permite que você transmita jogos de outros computadores.

Como instalar o streamer de jogos Steam Link no Linux via FlatpakComo instalar o streamer de jogos Steam Link no Linux via FlatpakComo instalar o streamer de jogos Steam Link no Linux via Flatpak

Basta conectar um controlador, conectar-se a um computador executando o Steam na mesma rede local e começar a jogar seus jogos Steam existentes.

Lançado pela Valve há alguns anos, o aplicativo Steam Link está disponível gratuitamente para dispositivos Android, iPhone, iPad, Apple TV e Raspberry Pi para permitir que você transmita seus jogos Steam para telefones, tablets e TVs.

Como instalar o streamer de jogos Steam Link no Linux via Flatpak

Para instalar o streamer de jogos Steam Link no Linux via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o streamer de jogos Steam Link no Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/com.valvesoftware.SteamLink.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update com.valvesoftware.SteamLink

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run com.valvesoftware.SteamLink em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite steamlink ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Depois, se for necessário, para desinstalar o streamer de jogos Steam Link via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall com.valvesoftware.SteamLink

Ou

flatpak uninstall com.valvesoftware.SteamLink

Let's block ads! (Why?)

Chrome 89 lançado com melhorias na instalação de PWAs entre outras novidades

E foi lançado o Chrome 89 com melhorias na instalação de PWAs entre outras novidades. Confira as novidades desse update e veja como instalar no Linux.

O fato de que o Google Chrome ainda é o navegador mais usado no planeta o torna uma das mais importantes ferramentas de controle da web para o Google.

Mas independente disso, o Chrome é o navegador do Google e também o navegador número um no mercado, com uma participação de mais de 65%, de acordo com dados de terceiros da NetMarketShare.

Em meados de janeiro, e como o Firefox também fez, o Google lançou a última versão de seu navegador para suportar Flash Player, entre outras novidades. Agora, no dia 2 de março, uma nova atualização foi lançada, um Chrome 89 do qual eu não diria que é uma versão com mudanças interessantes, mas inclui a estranha novidade que vale a pena, como que o Google Web Share atingiu o desktop.

Como o Google lançou o Chrome 89, para o canal de desktop Stable, e nele incluiu várias melhorias de segurança, recursos e APIs para desenvolvedores. Com o Chrome 89 agora promovido para o canal Stable, o Chrome 90 é a nova versão Beta e o Chrome 91 será a versão Canary.

Novidades do Chrome 89

Chrome 89 lançado com melhorias na instalação de PWAs entre outras novidadesChrome 89 lançado com melhorias na instalação de PWAs entre outras novidadesChrome 89 lançado com melhorias na instalação de PWAs entre outras novidades
Pete LePage, que ficou encarregado de dar as notícias, destaca três novidades sobre as demais, como Web Serial, HID, NFC e mudanças na forma de instalação dos PWAs, mas também fala sobre mais funcionalidades.

Abaixo você encontra uma lista das novidades mais marcantes, junto com um vídeo promocional de quase 5 minutos para quem prefere esse tipo de conteúdo.

Destaques do Chrome 89:

  • Novas APIs, como WebHID, WebNFC e Web Serial.
  • Suporte aprimorado para criptografia AV1 para WebRTC.
  • Web Share e Web Share Target chegaram à área de trabalho.
  • Mudanças nos critérios de instalação do PWA.
  • O Chrome agora permite a espera de nível superior nos módulos JavaScript.
  • O ícone de instalação do PWA foi alterado.

Lembramos que, por um mês, o Chrome foi o único navegador baseado em Chromium que pode usar todas as APIs do Google e que, por esse motivo, muitos desenvolvedores recomendaram fazer a migração para o Firefox.

Outra opção é usar um navegador como o Brave, que oferece opções semelhantes, como sua própria sincronização.

alt
[embedded content]

Como instalar ou atualizar o Chrome

Os usuários de Android e iOS podem atualizar o Chrome em suas respectivas lojas de aplicativos.

Já os usuários de desktop Windows, Mac e Linux podem atualizar para o Chrome mais recente acessando Configurações -> Ajuda -> Sobre o Google Chrome e o navegador verificará automaticamente a nova atualização e a instalará se e quando disponível.

Ou para instalar a versão mais recente do Chrome nas principais distribuições Linux, use um desses tutoriais:
Google Chrome no Linux Ubuntu, Debian, Fedora, Arch e derivados – veja como instalar
Como instalar o Google Chrome no Fedora e derivados
Como instalar o Google Chrome no Ubuntu e derivados

Let's block ads! (Why?)

KDE Plasma 5.21.2 lançado para reativar a repetição de teclas por padrão

E foi lançado o KDE Plasma 5.21.2 para reativar a repetição de teclas por padrão, e mais. Confira as novidades e veja como instalar no Linux.

O KDE Plasma Desktop é um incrível ambiente que oferece uma área de trabalho de aparência bonita que tira total vantagem da tecnologia de computação moderna.

A equipe por trás projeto diz que se você está procurando um ambiente de trabalho familiar, Plasma Desktop oferece todas as ferramentas necessárias para uma experiência de computação de desktop moderna para que você possa ser produtivo desde o início.

Aliás, através do uso de efeitos visuais e gráficos escaláveis, a experiência de desktop não é apenas suave, mas também agradável aos olhos.

Agora, o Projeto KDE lançou o KDE Plasma 5.21.2 como o segundo lançamento pontual para a última série de ambientes de desktop KDE Plasma 5.21, abordando mais bugs da versão anterior e também adicionando algumas melhorias.

KDE Plasma 5.21.2 lançado – Confira as novidades

KDE Plasma 5.21.2 lançado para reativar a repetição de teclas por padrãoKDE Plasma 5.21.2 lançado para reativar a repetição de teclas por padrãoKDE Plasma 5.21.2 lançado para reativar a repetição de teclas por padrão
Chegando apenas uma semana após a atualização do KDE Plasma 5.21.1, que melhorou o suporte para laptops Nvidia Optimus, o lançamento pontual do KDE Plasma 5.21.2 está aqui para reativar a repetição de teclas por padrão, algo que provavelmente muitos de vocês estavam reclamando.

Além disso, a atualização do KDE Plasma 5.21.2 melhora as configurações do sistema corrigindo um bug que o fez travar ao tentar limpar o histórico da página Atividades e tornar as telas na página Configuração de exibição arrastáveis ​​novamente.

Para completar, a página de ícones de configuração do sistema agora permite mover a linha inferior de botões que não cabem no espaço disponível em um menu flutuante, algo que é muito útil no Plasma Mobile.

Entre outras mudanças dignas de nota, o lançamento pontual do KDE Plasma 5.21.2 corrige um problema com ícones borrados da bandeja do sistema em painéis muito finos, aborda uma regressão com o novo menu de aplicativos Kickoff e melhora o suporte para aplicativos GTK, minimizando a exibição de seus headerbars maximizar e fechar os botões que correspondem aos aplicativos do KDE, mesmo se você estiver usando um tema de decoração de janela Aurorae.

Também melhorou o suporte a Flatpak no gerenciador de pacotes Plasma Discover, melhor suporte para a tecla Esc na visualização do histórico do KRunner, algumas correções do Wayland e várias outras mudanças menores detalhadas aqui.

Para saber mais sobre essa versão do KDE Plasma, acesse a nota de lançamento.
Para mais detalhes, confira o vídeo abaixo:

alt
[embedded content]
Para aqueles que estão interessados ​​em obter os novos pacotes, você pode encontrar as instruções para as diferentes distribuições do Linux nesse endereço.

Sim, essa atualização já está no Arch Linux, além disso, o trabalho da nova versão pode ser avaliado através do projeto openSUSE Live e do projeto KDE Neon User Edition.

Como instalar ou atualizar

O Plasma 5.21.2 já é oficial, mas, como sempre, isso não significa que possamos instalá-lo facilmente em nossa distribuição Linux.

O primeiro sistema a tê-lo disponível será o KDE neon, onde provavelmente chegará nas próximas horas.

Posteriormente, eles adicionarão outras distribuições, entre as quais os Rolling Releases surgirão mais cedo, embora isso não signifique que o farão em breve; pode demorar alguns dias ou mesmo algumas semanas.

Se você é um usuário do Kubuntu + Backports PPA e ainda não sabia, lamento informar que você não conseguirá instalá-lo, na verdade nunca, pois o projeto não pode fazer o backport devido à dependência do Qt. Em abril, o Kubuntu 20.10 chegará com o Plasma 5.21.x.

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o monitor de recursos Bpytop no Linux via Snap

Se você quer ficar de olho no uso do seu computador, conheça e veja como instalar o monitor de recursos Bpytop no Linux via Snap.

BpyTOP é um monitor de recursos que mostra o uso e as estatísticas do processador, memória, discos, rede e processos. Como o nome sugere, ele é escrito em Python.

Como instalar o monitor de recursos Bpytop no Linux via SnapComo instalar o monitor de recursos Bpytop no Linux via SnapComo instalar o monitor de recursos Bpytop no Linux via Snap

Atualmente, ter a capacidade de monitorar o uso dos recursos do sistema é algo importante para muitos usuários. Saber o uso dos recursos é muito útil na hora de tomar decisões sobre a manutenção geral do sistema.

Existem algumas opções, como top e htop, mas mostram apenas algumas métricas do sistema, como uso de CPU e memória.

Já o Bpytop é um monitor de recursos baseado em terminal que funciona de forma eficiente e muito visual.

O autor desta ferramenta é o mesmo que desenvolveu o Bashtop. Eles não têm muitas diferenças entre si. Ambos os utilitários têm a mesma finalidade e têm o mesmo conjunto de recursos.

A única diferença é que ambos são escritos em linguagens de programação diferentes. Bashtop é escrito em Bash e Bpytop é escrito em Python. Ambos os programas são compatíveis com Linux, Mac OS e FreeBSD.

O desenvolvedor afirma que o Bpytop é mais rápido que o Bashtop. Por esta razão, sugere que os usuários usem o Bpytop em vez do Bashtop. No entanto, isso é com o usuário.

Alguns dos recursos que esta ferramenta oferece para a linha de comando são os seguintes:

  • Este programa nos oferece uma interface de usuário muito visual e responsiva com navegação com as teclas de seta PARA CIMA e PARA BAIXO.
  • Quando iniciamos o programa, se pressionarmos F2, podemos alterar as opções do programa.
  • Possui suporte para mouse embutido com botões selecionáveis ​​e menus roláveis.
  • Esta ferramenta tem a capacidade de filtrar processos em execução.
  • Podemos verificar as velocidades atuais de leitura e gravação das unidades de disco.
  • Teremos a possibilidade de enviar SIGKILL, SIGTERM e SIGINT para processos em execução.
  • Possui um gráfico de escala automática intuitivo para exibir estatísticas de uso da rede.
  • Veremos uma mensagem pop-up no menu quando uma nova versão estiver disponível.

Como instalar o monitor de recursos Bpytop no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o monitor de recursos Bpytop via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o monitor de recursos Bpytop via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install bpytop

Passo 3. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install bpytop --edge

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh bpytop

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite bpytop ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Este comando deve nos mostrar a interface do usuário com as estatísticas dos recursos do nosso sistema.

Para obter ajuda sobre o uso de comandos e atalhos de teclado, basta pressionar a tecla ESC e rolar para baixo para selecionar a opção HELP.

Aqui, obteremos uma lista de atalhos de teclado, como você pode ver na imagem anterior.

Para sair do monitor de recursos do bpytop, tudo que você precisa fazer é pressionar ‘q’ no teclado.

As opções de configuração que também podem ser alteradas na interface do usuário estão no diretório $HOME/.config/bpytop.

Para desinstalar o monitor de recursos Bpytop no Linux via Snap, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove bpytop

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o navegador Midori no Linux via Snap

Se você está procurando um navegador leve para usar no PC, conheça e veja como instalar o navegador Midori no Linux via Snap.

O Midori é um navegador da Web leve, porém potente, que funciona tão bem em pequenos computadores embarcados nomeados para deliciosos produtos de confeitaria quanto em máquinas robustas com uma temperatura central superior à do planeta Terra. E parece que ele é bom em fazer isso também. Ah, e claro, é um software livre.

Como instalar o navegador Midori no Linux via SnapComo instalar o navegador Midori no Linux via SnapComo instalar o navegador Midori no Linux via Snap

Esse é um navegador pouco conhecido, porém é uma ótima opção para quem deseja um navegador leve e eficiente.

O Midori usa o motor de renderização WebKit (o mesmo utilizado pelos Google Chrome e o Safari) e a interface baseada em GTK+2 ou GTK+3.

Como instalar o navegador Midori no Linux via Snap

Como instalar o navegador Midori no Linux via Snap

Como instalar o navegador Midori no Linux via Snap

Como instalar o navegador Midori no Linux via Snap

Como instalar o navegador Midori no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o navegador Midori via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o navegador Midori via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install midori

Passo 3. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install midori --edge

Passo 4. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh midori

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite midori ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como desinstalar o navegador Midori no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para desinstalar o navegador Midori no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove midori

Veja também

Você também pode instalar o programa usando esse outro tutorial:
Instalando a versão mais recente do Midori Web Browser

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e derivados

Se você quer criptografar unidades do seu PC, conheça e veja como instalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e derivados.

VeraCrypt é um software de criptografia de disco gratuito e de código aberto baseado em TrueCrypt 7.1a. Funciona em Linux, Windows e Mac OS.

Como instalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e derivados Como instalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e derivados Como instalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e derivados

Com o VeraCrypt, você pode criar um disco virtual criptografado em um arquivo e o monta como um disco real, criptografa uma partição inteira ou dispositivo de armazenamento, como unidade flash USB ou disco rígido e criptografar uma partição ou unidade onde o Windows está instalado.

Como instalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e seus derivados

Para instalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:unit193/encryption

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install veracrypt

Como criar um disco criptografado via VeraCrypt

Depois de instalar o software, abra-o no inicializador de aplicativos do sistema. Em seguida, clique no botão “Create Volume” (Criar volume) para começar a criar um disco criptografado. Como instalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e derivados

Como instalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e derivados

Em seguida, selecione “Create an encrypted file container” (Criar um contêiner de arquivo criptografado) para um disco criptografado virtual dentro de um arquivo ou “Create a volume within a partition/drive” (Criar um volume dentro de uma partição/unidade) para criptografar partição que não seja do sistema, disco rígido externo ou um stick USB inteiro. Como instalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e derivados

Como instalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e derivados

Em seguida, siga o assistente de configuração para escolher o tipo de volume, algoritmo de criptografia, senha de volume, tipo de sistema de arquivo e, finalmente, clique em “Format” (Formatar). Como instalar

Como instalar

Como usar o software de criptografia VeraCrypt no Linux na linha de comando

A seguir, conheça os principais comandos para usar o programa:

Criar um novo volume:

veracrypt -t -c

Montar um volume:

veracrypt volume.hc /media/veracrypt1

Montar um volume como somente leitura, usando keyfiles:

veracrypt -m ro -k keyfile1,keyfile2 volume.tc

Montar um volume sem montar seu sistema de arquivos:

veracrypt --filesystem=none volume.tc

Montar um volume com prompt apenas para a sua senha:

veracrypt -t -k "" --protect-hidden=no volume.hc /media/veracrypt1

Desmontar um volume:

veracrypt -d volume.tc

Desmonte todos os volumes montados:

veracrypt -d

Para mais detalhes, consulte a ajuda do aplicativo

veracrypt -h

E lembre-se de deixar sua opinião nos comentários!

Desinstalando o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o software de criptografia VeraCrypt no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:unit193/encryption -r -y
sudo apt-get remove veracrypt --auto-remove

Veja também

Você também pode instalar o programa usando esse outro tutorial:
Alternativa ao TrueCrypt – Como instalar o VeraCrypt no Linux

Let's block ads! (Why?)

Como testar a velocidade da Internet no Linux com o Fast

Se você está a procura de uma opção para medir a capacidade de sua conexão no terminal, veja como testar a velocidade da Internet no Linux com o Fast.

Se a sua velocidade de download na internet parece ruim, você provavelmente irá ao site Speedtest.net e verificará, certo?

Como esta é a maneira mais fácil de testar as velocidades que estamos recebendo de nosso provedor de serviços de Internet, e essa é a opção mais desejada há anos.

Mas também tem o serviço de testes de velocidade da própria Netflix – Fast.com, uma ferramenta gratuita, rápida e simples que permite aos usuários verificar a velocidade atual de download e upload com latência em sua excelente interface limpa e livre de anúncios.

Como testar a velocidade da Internet no Linux com o FastComo testar a velocidade da Internet no Linux com o FastComo testar a velocidade da Internet no Linux com o Fast

Como ele usa os próprios servidores da Netflix para testar, você pode acompanhar facilmente se o seu ISP está acelerando sua velocidade.

Basta ir ao Fast.com para fazer um teste de velocidade da sua velocidade atual de download da internet.

Mas, se você quiser verificar a velocidade atual da Internet do seu servidor Linux a partir da linha de comando, você pode usar um utilitário chamado fast – um script de dependência zero, escrito na linguagem Go para testar sua velocidade de download do terminal, que é powered by Fast.com – Netflix, e roda em Linux, Windows e Mac.
 
Esta ferramenta de teste de velocidade é muito simples e não tem nenhuma opção.

Simplesmente, faça o download do arquivo binário para sua arquitetura (fast_linux_amd64 para sistemas de 64 bits) em seu diretório pessoal, defina a permissão de execução e execute-o diretamente do terminal para testar a velocidade da Internet do seu servidor.

Como testar a velocidade da Internet no Linux com o Fast

Para testar a velocidade da Internet no Linux com o Fast, siga os procedimentos abaixo.

Como instalar o fast no Linux

Para instalar o fast no Linux, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão;

wget https://github.com/ddo/fast/releases/download/v0.0.4/fast_linux_amd64

Passo 3. Em seguida, dê ao arquivo a permissão de execução;

sudo install fast_linux_amd64 /usr/local/bin/fast

Passo 4. Você também pode instalar o Fast em qualquer distribuição Linux usando o snap (requer que o snapd esteja instalado no sistema);

sudo snap install fast

Executando o fast para testar a velocidade da Internet no Linux

Depois de instalar, basta usar um terminal para executar o comando abaixo

fast

Aguarde um pouco, e em poucos segundos, o resultado estará na sua tela.

Let's block ads! (Why?)

02 de março de 2021

Como instalar o navegador da web Chromium no Linux Mint 20.x

Se você usa o Mint e não quer instalar o Chromium usando Snap, veja como instalar o navegador da web Chromium no Linux Mint 20.x.

Chromium é um projeto de navegador de código aberto que visa criar uma maneira mais segura, rápida e estável de todos os usuários experimentarem a web.

Caso você não saiba, o Chromium é a base do conhecido Google Chrome e eles compartilham muitos recursos. Eles apenas diferem no suporte de arquivos multimídia proprietários e mais coisas pequenas.

O problema surgiu quando o Ubuntu 20.04 incluiu o Chromium no formato Snap. Isso forçou os usuários a usar o Snap se quisessem o Chromium.

A Canonical anunciou recentemente que os populares navegadores web Chromium e Firefox agora são instaláveis ​​como Snaps em todas as distribuições que suportam essa tecnologia.

Agora, isso mudou porque a equipe do Linux Mint empacotou o Chromium na forma DEB, então agora é mais fácil de fazer.

Como instalar o navegador da web Chromium no Linux Mint 20.x

Como instalar o navegador da web Chromium no Linux Mint 20.x Como instalar o navegador da web Chromium no Linux Mint 20.x Como instalar o navegador da web Chromium no Linux Mint 20.x
Quem quiser instalar o navegador da web Chromium no Linux Mint 20.x, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome programa.deb:

wget http://packages.linuxmint.com/pool/upstream/c/chromium-browser/chromium-browser_2020.10.27_all.deb
wget http://packages.linuxmint.com/pool/upstream/c/chromium/chromium_86.0.4240.111~linuxmint1+ulyana_amd64.deb
wget http://packages.linuxmint.com/pool/upstream/c/chromium/chromium-dbg_86.0.4240.111~linuxmint1+ulyana_amd64.deb

Passo 5. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i chromium*.deb
sudo apt-get install -f

Passo 6. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./*.deb

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite chromium ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Let's block ads! (Why?)

Linux com cara de Windows 10? Conheça o Linuxfx

Se você é um usuário do Windows e sempre quis experimentar o Linux, conheça o Linuxfx, um sistema Linux com cara de Windows 10.

Se você está atualmente executando o Windows 10, mas recentemente começou a pensar em uma possível mudança para o Linux, é possível que ainda não tenha decidido qual distro instalar no seu dispositivo.

Embora o Ubuntu, Linux Mint ou elementary OS funcionem bem, há uma distribuição Linux que faz com que ex-usuários do Windows 10 se sintam em casa.

Chama-se Linuxfx e seu objetivo é tornar a transição do Windows para o Linux o mais suave possível.

Linux com cara de Windows 10? Conheça o Linuxfx

Linux com cara de Windows 10? Conheça o Linuxfx Linux com cara de Windows 10? Conheça o Linuxfx Linux com cara de Windows 10? Conheça o Linuxfx
Como você pode ver na captura de tela aqui e no vídeo incorporado no final do artigo, o Linuxfx se parece exatamente com o Windows 10.

Você também recebe um menu Iniciar com um botão Iniciar do Windows – este, no entanto, pode realmente ser um problema, pois a Microsoft pode não gostar de ver o logotipo do Windows em outro sistema operacional.

É desnecessário dizer que isso é apenas uma aparência sobre um sistema operacional Linux, e a equipe de desenvolvimento do Linuxfx explica que eles tentaram fazer tudo parecer familiar, então até o LibreOffice vem com um tema do Microsoft Office.

Além de um Helloa, um assistente digital que foi ajustado para se parecer com Cortana, este sistema operacional Linux também vem com um pacote de aplicativos que os usuários do Windows acharão muito úteis, incluindo Skype, TeamViewer e Microsoft Teams.

O ícone do aplicativo de email, que na verdade é o Evolution, é emprestado do Outlook para uma experiência ainda mais familiar.

O Linuxfx pode executar arquivos executáveis, e é baseado no Ubuntu 20.04 com a área de trabalho Cinnamon e, no geral, é bastante claro que o objetivo de construir uma casa familiar para os usuários do Windows 10 no mundo Linux foi bem-sucedido.

Quantos usuários do Windows 10 migrariam para o Linux graças a esta distribuição ainda precisam ser vistos, mas, no momento, não há dúvida de que o Linux finalmente se tornou a alternativa do Windows que a Microsoft nunca quis que acontecesse.

Por fim, vale ressaltar que o foco do sistema não é entregar um Windows para seus usuários, e sim um ambiente familiar aos usuários do q Windows que querem usar o Linux, mas tem medo de encarar uma mudança tão rapidamente.

Baixe e experimente o Linuxfx, o Linux com cara de Windows 10

A imagem ISO do Linuxfx já pode ser baixada acessando a página de download da distribuição.

Verifique se a imagem ISO está corrompida

Antes de gravar a imagem ISO que você baixou, verifique se ela está corrompida usando o tutorial abaixo:
Como verificar se uma imagem ISO está corrompida

Como gravar uma imagem ISO no Linux

Quem precisar gravar a imagem ISO após o download, pode usar esse tutorial do blog:

Como gravar uma imagem ISO Usando o Nautilus
Como gravar uma imagem ISO usando o Terminal
Como criar um pendrive de instalação
Como criar um pendrive inicializável com GNOME Disks
Como criar um pendrive inicializável com o Etcher no Linux

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o editor de vídeo LiVEs no Ubuntu

Se você quiser experimentar um bom editor multimídia no PC, veja como instalar o editor de vídeo LiVEs no Ubuntu e derivados.

O editor de vídeo LiVEs é um software livre e também uma ferramenta para VJ escrita em C, Perl e Python.

Como instalar o editor de vídeo LiVEs no UbuntuComo instalar o editor de vídeo LiVEs no UbuntuComo instalar o editor de vídeo LiVEs no Ubuntu

LiVES é projetado para ser simples de usar, mas poderoso, pois ele é pequeno no tamanho, mas tem muitas características avançadas. Ele permite ao usuário manipular vídeo em tempo real ou não.

Esse editor também tem características que vão além de aplicativos de edição de vídeo tradicionais, por exemplo, ele pode ser controlado e monitorado remotamente através de uma rede, e tem facilidades para streaming de e para uma outra cópia do LiVEs.

O programa utiliza um sistema de plugins para reprodução de vídeo, efeitos, codificadores e decodificadores.

As APIs para estes agora estão bem definidas e por causa disso, o aplicativo pode ser facilmente estendido.

Como instalar o editor de vídeo LiVEs no Ubuntu e seus derivados

LiVEs está disponível nos repositórios oficiais das versões mais recentes do Ubuntu e pode ser instalado usando a Central de programas ou usando o comando sudo apt-get install lives.

No entanto, em versões mais antigas, para instalar o programa no Ubuntu e poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:ubuntuhandbook1/lives

Passo 3. Atualize o APT com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install lives lives-plugins

Como instalar o editor de vídeo LiVEs manualmente ou em outras distros

Para aqueles que não querem adicionar o repositório ou querem tentar instalar em outra distribuição baseada em Debian, basta fazer o download do instalador .deb diretamente na página de download do repositório, e depois clicar nele para instalar manualmente.

Mas lembre-se! Ao optar por esse tipo de instalação, você não receberá nenhuma atualização do programa.

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite lives no Dash (ou em um terminal, seguido da tecla TAB).

Como desinstalar o editor de vídeo LiVEs no Ubuntu e seus derivados

Caso não tenha gostado ou não precise mais do programa, para desinstalar o editor de vídeo LiVEs, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (no Unity use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Use o comando abaixo para desinstalar o programa;

sudo apt-get remove lives lives-plugins --auto-remove

Fonte

Let's block ads! (Why?)

Como instalar a linguagem de programação VisualG no Linux via Snap

Se você quer ensinar (ou aprender) programação sem complicações, conheça e veja como instalar a linguagem de programação VisualG no Linux via Snap.

O Visualg é um programa que permite criar, editar, interpretar e que também executa os algoritmos em português estruturado (portugol) como se fosse um “programa” normal de computador.

Como instalar a linguagem de programação VisualG no Linux via Snap Como instalar a linguagem de programação VisualG no Linux via Snap Como instalar a linguagem de programação VisualG no Linux via Snap

Esse é um programa de livre uso e distribuição, que pode ser utilizado no ensino de programação em várias escolas e universidades no Brasil e no exterior.

Como instalar a linguagem de programação VisualG no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar a linguagem de programação VisualG via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar a linguagem de programação VisualG via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Primeiramente, instale as dependências do programa com esses comandos;

snap install wine-platform-runtime
snap install wine-platform-3-stable

Passo 3. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install visualg

Passo 4. Instale a versão candidate do programa, usando esse comando:

sudo snap install visualg --candidate

Passo 5. Instale a versão beta do programa, usando esse comando:

sudo snap install visualg --beta

Passo 6. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install visualg --edge

Passo 7. Depois de instalar, “conecte” o programa com as dependências com estes comandos;

snap connect visualg:wine-runtime wine-platform-runtime
snap connect visualg:wine-3-stable wine-platform-3-stable

Passo 8. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh visualg

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite visualg ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Depois, caso seja necessário, desinstale a linguagem de programação VisualG via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove visualg

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via Snap

Se você está procurando um bom “screenrecorder” que permita até mesmo gravar jogos, veja como instalar o gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via Snap.

O SimpleScreenRecorder é um gravador de tela que, apesar do “Simple” no nome, vem com mais recursos do que outras ferramentas semelhantes.

Como instalar o gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via SnapComo instalar o gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via SnapComo instalar o gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via Snap

A aplicação é muito fácil de usar e as configurações padrão são suficientes para a maioria dos casos, pois normalmente não é necessário alterar as configurações.

Com ele, você pode gravar desde a tela inteira (com suporte multi-monitor), um retângulo fixo, seguir o cursor ou até gravar aplicativos OpenGL (que pode ser usado para gravar jogos).

Cuidado! Esse aplicativo tenta capturar os quadros antes que eles sejam exibidos na tela e isso pode ser considerado um hack em alguns jogos. Portanto! Verifique se você tem permissão para gravar um jogo, antes de utilizar este recurso.

Como instalar a versão mais recente do gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via Snap em distros que suportam a tecnologia

Para instalar o gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via Snap você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a pacotes Snap no Linux

Depois, você pode instalar o gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via Snap, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Instale a versão estável do programa, usando esse comando:

sudo snap install simplescreenrecorder

Passo 3. Instale a versão candidate do programa, usando esse comando:

sudo snap install simplescreenrecorder --candidate

Passo 4. Instale a versão beta do programa, usando esse comando:

sudo snap install simplescreenrecorder --beta

Passo 5. Instale a versão edge do programa, usando esse comando:

sudo snap install simplescreenrecorder --edge

Passo 6. Mais tarde, se você precisar atualizar o programa, use:

sudo snap refresh simplescreenrecorder

Passo 7. Depois, se for necessário, desinstale o programa, usando o comando abaixo;

sudo snap remove simplescreenrecorder

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite simplescreenrecorder ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Iniciando o aplicativo, você verá uma interface simples que permite que você selecione a entrada de vídeo, escolha se você deseja gravar o cursor ou se você quer gravar o microfone e definir a taxa de quadros (vide imagem na introdução desse texto).

Ao clicar em “Continuar”, você pode selecionar o recipiente para o seu screencast (MP4, Matroska, WebM, OGG ou “Outros”, que você pode usar para selecionar qualquer recipiente apoiado por Libav), nome do arquivo, codec de vídeo (H.264, VP8 , ou Theora, assim como o container, selecione “Outros”, que permite que você use qualquer codec suportado pelo Libav), defina a qualidade do vídeo ou preset (padrão predefinido):

Como instalar o gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via Snap

Como instalar o gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via Snap

Na próxima tela, você pode iniciar a gravação, permitir a gravação hotkeys que você pode pausar / retomar a gravação através de um atalho de teclado e muito mais.

Como instalar o gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via Snap

Como instalar o gravador de tela SimpleScreenRecorder no Linux via Snap

Gostou do programa? Deixe sua opinião nos comentários!

Veja também

Você também pode instalar o programa usando esse outro tutorial:
Como instalar o SimpleScreenRecorder no Ubuntu

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o cliente XMPP Poezio no Linux via Flatpak

Se você procura um bom aplicativo aberto de chat para conversar, conheça e veja como instalar o cliente XMPP Poezio no Linux via Flatpak.

Poezio é um cliente XMPP de console gratuito (o protocolo no qual a rede Jabber IM é construída).

Como instalar o cliente XMPP Poezio no Linux via Flatpak Como instalar o cliente XMPP Poezio no Linux via Flatpak Como instalar o cliente XMPP Poezio no Linux via Flatpak

Seu objetivo é permitir que você se conecte com muita facilidade (não é necessário criar uma conta) à rede e entre em várias salas de bate-papo imediatamente.

Ele tenta se parecer com os clientes de IRC mais famosos (weechat, irssi, etc). Muitos comandos são idênticos e você não ficará perdido se já conhece esses clientes. A configuração pode ser feita em um arquivo de configuração ou diretamente do cliente.

Você encontrará o espírito leve, rápido, geeky e anônimo do IRC ao usar um protocolo poderoso, padrão e aberto.

Como instalar o cliente XMPP Poezio no Linux via Flatpak

Para instalar o cliente XMPP Poezio no Linux via Flatpak você precisa ter o suporte a essa tecnologia instalado em seu sistema. Se não tiver, use o tutorial abaixo para instalar:

Como instalar o suporte a Flatpak no Linux

Depois, você pode instalar o cliente XMPP Poezio No Linux via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Use o comando abaixo para instalar o programa via Flatpak. Tenha paciência, pois muitas vezes pode demorar vários minutos para que o Flatpak faça o download de tudo o que precisa;

flatpak install --user https://flathub.org/repo/appstream/io.poez.Poezio.flatpakref

Passo 3. Para atualizar o programa, quando uma nova versão estiver disponível, execute o comando:

flatpak --user update io.poez.Poezio

Pronto! Agora, quando quiser iniciar o programa, digite flatpak run io.poez.Poezio em um terminal.

Você também pode tentar iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite poezio ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Depois, se for necessário, desinstale o cliente XMPP Poezio via Flatpak, fazendo o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando o seguinte comando no terminal:

flatpak --user uninstall io.poez.Poezio

Ou

flatpak uninstall io.poez.Poezio

Let's block ads! (Why?)

Quod Libet 4.4 lançado com algumas mudanças e melhorias

E foi lançado o Quod Libet 4.4 com algumas mudanças e melhorias. Confira as novidades dessa atualização e veja como instalar.

Quod Libet é um áudio player GTK+ de código aberto escrito em Python, que usa a biblioteca de marcação Mutagen, sendo capaz de lidar com grandes bibliotecas.

O Quod Libet está disponível na maioria das distribuições Linux, FreeBSD, macOS e Windows, exigindo apenas PyGObject, Python e um dispositivo de áudio compatível com Open Sound System (OSS) ou ALSA.

Esse reprodutor foi projetado em torno da ideia de que você sabe como organizar a sua música melhor do que os produtores do software.

Com ele você cria playlists baseadas em expressões regulares (não se preocupe, pesquisas regulares também funcionam).

Para completar, ele permite que você exiba e edite todas as tags que você quer no arquivo, para todos os formatos de arquivo que ele suporta.

Ele também suporta a maioria das características que você esperaria de um moderno media player: suporte a Unicode, edição de tag avançado, Replay Gain, podcasts e rádio pela internet, suporte a arte do álbum e a todos os principais formatos de áudio.

Agora, foi lançado o Quod Libet 4.4 com algumas mudanças e melhorias.

Novidades do Quod Libet 4.4

Quod Libet 4.4 lançado com algumas mudanças e melhorias Quod Libet 4.4 lançado com algumas mudanças e melhorias Quod Libet 4.4 lançado com algumas mudanças e melhorias
As alterações no Quod Libet 4.4.0 incluem:
  • Mover para Python 3.7
  • Mudar para XSPF para listas de reprodução
  • Suporte para movimentação de pastas de biblioteca
  • Suporte JACK via Gstreamer
  • Renove a consulta de pesquisa
  • Suporte feedparser 6.0
  • Adicionar plugin de scrobbling listenbrainz
  • Primeira versão do plugin Musicbrainz Sync que envia avaliações
  • Adicionar plug-in ‘sincronizar com o dispositivo’
  • Adicionar opção para inibir a suspensão
  • Adicionar plugin de exportação de lista de reprodução Sonos
  • Letras de sincronização mais bonitas
  • MP4: Tag de descrição de suporte
  • Melhorar o estilo da janela do plugin
  • Melhorar a detecção da capa local

Para saber mais sobre essa versão do Quod Libet, acesse a nota de lançamento.

Como instalar ou atualizar

Para instalar a versão mais recente do Quod Libet nas principais distribuições Linux, use esse tutorial:
Como instalar o Player Quod Libet no Linux
Como instalar o Player Quod Libet no Linux via Flatpak

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o FreeOffice 2018 no Linux manualmente

Se você está procurando uma alternativa ao Microsoft Office para usar no sistema do pinguim, conheça e veja como instalar o FreeOffice 2018 no Linux manualmente.

O SoftMaker FreeOffice 2018 é uma verdadeira suíte office gratuita para utilização residencial ou comercial, e também, uma ótima alternativa ao Microsoft Office.

Como instalar  o FreeOffice 2018 no Linux manualmenteComo instalar  o FreeOffice 2018 no Linux manualmenteComo instalar o FreeOffice 2018 no Linux manualmente

Esse pacote fornece uma suíte Office completa com um processador de texto (textMaker), um aplicativo de planilha (PlanMaker) e um programa de apresentações (Presentations), todos compatíveis com o Microsoft Office.

Usando o FreeOffice 2018 você pode não só abrir, mas também salvar documentos nos formatos de arquivo da Microsoft: DOCX, XLSX e PPTX.

Além disso, ele permite que você compartilhe arquivos diretamente com usuários do Microsoft Office, sem precisar exportá-los primeiro.

Nota: Antes de usar o procedimento de instalação abaixo, você precisa fazer um pequeno registro do SoftMaker FreeOffice 2018. Para isso, acesse a página de cadastro do software.

Como instalar o FreeOffice 2018 programa no Linux

Para instalar o FreeOffice 2018 programa no Linux, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome freeoffice.tgz:

wget https://www.softmaker.net/down/softmaker-freeoffice-982-i386.tgz -O freeoffice.tgz

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome freeoffice.tgz:

wget https://www.softmaker.net/down/softmaker-freeoffice-982-amd64.tgz -O freeoffice.tgz

Passo 5. Use o comando a seguir para descompactar o arquivo baixado;

sudo tar xvzf freeoffice.tgz

Passo 6. Use o comando abaixo para iniciar a instalação do programa no sistema. Responda as perguntas do instalador e em poucos minutos estará pronto;

sudo ./installfreeoffice
Como instalar  o FreeOffice 2018 no Linux manualmenteComo instalar  o FreeOffice 2018 no Linux manualmenteComo instalar o FreeOffice 2018 no Linux manualmente Como instalar  o FreeOffice 2018 no Linux manualmenteComo instalar  o FreeOffice 2018 no Linux manualmenteComo instalar o FreeOffice 2018 no Linux manualmente

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite freeoffice ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Como remover o FreeOffice 2018 no Linux

Para remover o FreeOffice 2018 no Linux, basta fazer abrir um terminal e executar o seguinte comando:

/usr/bin/uninstall_smfreeoffice2018

Veja também

Você também pode instalar o programa usando esse outro tutorial:
Como instalar o FreeOffice 2018 no Linux Ubuntu, Fedora, openSUSE e derivados

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o cliente oficial do Evernote no Ubuntu, Debian e derivados

Se você quer trabalhar com suas anotações no sistema do pinguim, veja como instalar o cliente oficial do Evernote no Ubuntu, Debian e derivados.

Evernote é um aplicativo para fazer anotações, organizar, gerenciar tarefas e arquivar. Usando-o, você pode criar notas usando texto, desenhos, adicionar fotografias, áudio ou conteúdo da web.

Como instalar o cliente oficial do Evernote no Ubuntu, Debian e derivadosComo instalar o cliente oficial do Evernote no Ubuntu, Debian e derivadosComo instalar o cliente oficial do Evernote no Ubuntu, Debian e derivados

Cada nota pode ser marcada, anotada, editada, pesquisada, receber anexos e exportar. O aplicativo é gratuito para usar (mas não é um software de código aberto/livre) com limites de uso mensais, ou você pode usar um plano pago.

Até recentemente, o Evernote estava disponível para Microsoft Windows, macOS, Android e iOS.

Mas agora, o aplicativo oficial Evernote para Linux parece estar disponível. Infelizmente para alguns usuários, ele está disponível apenas como um pacote DEB (para Debian/Ubuntu/Linux Mint/Pop!_OS e outras distribuições Linux baseadas em Debian e Ubuntu). I

Assim como os aplicativos Windows e macOS v10, o aplicativo Linux Evernote é construído usando Electron.

Além das opções específicas do Evernote, o Evernote para Linux oferece opções para alternar a barra lateral, usar o modo claro/escuro, e também há um ícone de bandeja do Evernote que permite apenas abrir uma nota rápida (embora a entrada seja chamada de Abrir Evernote), sem a capacidade de minimizar o Evernote para a bandeja ou quaisquer outras opções.

Alternativa ao Evernote? Veja como instalar o Joplin no Linux

Como instalar o cliente oficial do Evernote no Ubuntu, Debian e derivados

Quem quiser instalar o cliente oficial do Evernote no Linux Ubuntu, Debian e outros sistemas que suportam arquivos .deb, deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa. Se o link estiver desatualizado, acesse essa página, baixe a última versão e salve-o com o nome evernote.deb:

wget https://cdn1.evernote.com/boron/linux/builds/Evernote-10.7.6-linux-ddl-ga-2321.deb -O evernote.deb

Passo 4. Agora instale o programa com os comandos abaixo:

sudo dpkg -i evernote.deb
sudo apt-get install -f

Passo 5. Se preferir, use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt install ./evernote.deb

Passo 6. Depois, se precisar desinstalar o programa, use esse comando:

sudo apt-get remove evernote*

Pronto! Agora, você pode iniciar o programa no menu Aplicativos/Dash/Atividades ou qualquer outro lançador de aplicativos da sua distro, ou digite evernote ou em um terminal, seguido da tecla TAB.

Let's block ads! (Why?)

Como instalar o Firefox Nightly no Ubuntu e derivados

Se você é corajoso e quer experimentar as últimas novidades do Firefox sem medir as consequências, veja como instalar o Firefox Nightly no Ubuntu e derivados, e chute o pau da barraca!

Firefox Nightly é a versão Alpha do navegador da Fundação Mozilla. Por conta disso, ele traz tudo (ou não) que poderá aparecer nas versões beta e estável do programa.

Como instalar o Firefox Nightly no Ubuntu e derivadosComo instalar o Firefox Nightly no Ubuntu e derivadosComo instalar o Firefox Nightly no Ubuntu e derivados

Mas… somente os mais corajosos entre vocês vão querer instalar o Firefox Nightly no Ubuntu. Essas versões não têm garantia, são atualizadas várias vezes ao dia e podem ser bem problemáticas.

O bom do Firefox Nightly é que você pode executá-lo ao lado de uma versão estável do Firefox, o que o torna perfeito para testes.

Além disso, a contrário do PPA do Firefox beta, o repositório do Nightly não substitui sua instalação atual do Firefox.

Isso significa que você pode usar este PPA para instalar o Firefox Nightly junto com uma versão estável do Firefox (ou a versão Beta, se você o instalou acima) sem nenhum efeito negativo.

O Firefox Nightly também usa um perfil diferente no seu sistema. Isso significa que as alterações feitas, os favoritos adicionados ou os complementos que você instalar não afetarão sua versão estável/beta. Novamente, perfeita para testes.

Como instalar o Firefox Nightly no Ubuntu e derivados

Para instalar o Firefox Nightly no Ubuntu e ainda poder receber automaticamente as futuras atualizações dele, você deve fazer o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal (use as teclas CTRL + ALT + T);
Passo 2. Se ainda não tiver, adicione o repositório do programa com este comando ou use esse tutorial;

sudo add-apt-repository ppa:ubuntu-mozilla-daily/ppa

Passo 3. Atualize o gerenciador de pacotes com o comando:

sudo apt-get update

Passo 4. Agora use o comando abaixo para instalar o programa;

sudo apt-get install firefox-trunk

Depois de instalado, você pode iniciar o aplicativo a partir do menu ou do painel de aplicativos do seu sistema procurando por “nightly”.

Ou apenas digite nightly em um terminal, no Dash/atividade ou qualquer outro lançador de aplicativos.

Se não conseguir localizar o comando de execução, execute o comando abaixo:

which nightly

Desinstalando o Firefox Nightly no Ubuntu e derivados

Para desinstalar o Firefox Nightly no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:

Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Desinstale o programa, usando os comandos abaixo;

sudo add-apt-repository ppa:ubuntu-mozilla-daily/ppa -r -y
sudo apt-get remove firefox-trunk --auto-remove

Veja também

Você também pode instalar o Firefox beta usando esse outro tutorial:
Como experimentar as últimas versões do Firefox no Ubuntu
Firefox no Linux – veja como instalar manualmente
Firefox ESR no Linux – veja como instalar esse navegador manualmente
Como instalar o navegador Firefox no Linux via Snap

Let's block ads! (Why?)

Planeta Ubuntu Brasil

O Planeta Ubuntu Brasil é um agregador de blog's dos usuários da distribuição Ubuntu Linux no Brasil. Para ter seu blog agregado, leia as nossas regras.


Última atualização:
05 de março de 2021, 03:07
Horário UTC

Planet ATOM
RSS10 RSS20
OPML FOAF

Blogs inscritos


© 2011 Ubuntu Brasil. Ubuntu, o logotipo Ubuntu e Canonical são marcas registradas de Canonical Ltd.
Os comentários dos blogs agregados nesta página representam a opinião de seu autor.